MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO SIMPLICADO PARA ATIVIDADES DE PROJETOS DE PEQUENA ESCALA (PPE-MDL-DCP) Versão 02

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO SIMPLICADO PARA ATIVIDADES DE PROJETOS DE PEQUENA ESCALA (PPE-MDL-DCP) Versão 02"

Transcrição

1 CDM Conselho Executivo página 1 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO SIMPLICADO PARA ATIVIDADES DE PROJETOS DE PEQUENA ESCALA (PPE-MDL-DCP) Versão 02 ÍNDICE A. Descrição Geral da atividade de projeto de pequena escala B. Metodologia de linha de base C. Duração da atividade de projeto / Período de obtenção de créditos D. Plano e metodologia de monitoramento E. Estimativa das reduções de emissões de gases de efeito estufa por fontes F. Impactos ambientais G. Comentários dos atores Anexos Anexo 1: Dados para contato dos participantes da atividade de projeto Anexo 2: Informações sobre financiamento público Anexo 3: Diagrama da Atividade do Projeto.

2 CDM Conselho Executivo página 2 Histórico de revisão deste documento Número Data da Versão de dezembro de de março de de outubro de 2006 Descrição e razão da revisão Envio inicial à CNUMGC Primeira versão revisada do documento inclui: Descrição mais detalhada da atividade do projeto Nova classificação da atividade do projeto Cálculo revisado das reduções de emissão Segunda versão revisada do documento inclui: Ações corretivas e Esclarecimentos como exigido pelo EOD durante a fase de validação: Descrição mais detalhada da atividade do projeto Nova data de início da atividade do projeto: 01 de janeiro de 2004 Discussões mais detalhadas sobre as barreiras à atividade do projeto Inclusão de um possível vazamento e seu monitoramento Atualização da Seção G dos Comentários dos Atores.

3 CDM Conselho Executivo página 3 SEÇÃO A. Descrição Geral da atividade de projeto de pequena escala A.1. Título da atividade de projeto de pequena escala: Projeto Petrobras de Energia Eólica para Bombeamento de Petróleo em Macau, Brasil Versão 3 de18 de outubro de 2006 A.2. Descrição da atividade de projeto de pequena escala: A atividade do projeto é a substituição de dois geradores elétricos a diesel e uma bomba mecânica de petróleo a diesel por três geradores eólicos de energia elétrica. A energia elétrica então produzida é fornecida para quatro bombas elétricas submersas de extração de petróleo nas instalações da Petrobras Macau. A instalação da energia eólica abrange três turbinas Wobben E40, com 600 kw cada uma num total de 1,8 MW de potência instalada. As turbinas são montadas em torres metálicas que alcançam de 45 a 55 metros de altura. Os geradores eólicos são ligados a uma subestação da rede da COSERN (Companhia Energética do Rio Grande do Norte) que fornece eletricidade aos campos locais de petróleo e instalações relacionadas. Nenhuma energia é exportada para a rede da COSERN fora das instalações da Petrobras. O diagrama no Anexo 3 mostra a configuração básica da rede. O sistema local de produção de petróleo é um conjunto de quatro Sistemas de Bombeamento Submersível Elétrico (SPS) da Baker Centrlift localizado nas plataformas automáticas PART-1 e PART-2 no campo de petróleo de Aratum. Três das bombas estão localizados na plataforma PART-1 e têm 77 HP (57,4 kw) cada. A quarta bomba tem 93 HP (69,4 kw) e está localizada na PART-2. As bombas são ligadas ao Sistema Elétrico Petrobras Macau por um cabo submarino tripolar 4,16 kv de m de comprimento. Estas bombas requerem 165 kwe de capacidade agregada, ou uma demanda anual de 1.445,4 MWh para as bombas. A eletricidade necessária para as bombas da PART-1 era previamente fornecida por dois motores a diesel (Scania modelo DS-11), cada um acoplado a um gerador elétrico Negrine de 150 KVA. Um destes sistemas fornecia energia à bomba, enquanto o outro servia como um backup. A bomba da PART-2 era conduzida mecanicamente por um único motor a diesel (MWM modelo D229-04). Assim que o sistema de energia eólica foi posto em funcionamento, estes motores a diesel foram desmontados das plataformas e armazenados na instalação da Petrobras de Alto do Rodrigues, distante alguns quilômetros. Estes motores não fornecem energia às bombas de petróleo da Aratum desde então, uma vez que estas são alimentadas atualmente por geradores de energia eólica. Quando a energia eólica não está disponível devido a falta de ventos e/ou a manutenção do equipamento, a energia do sistema interligado da COSERN é fornecida às bombas de petróleo. Os motores a diesel substituídos ainda estão localizados nas instalações da Petrobras de Alto do Rodrigues. Nenhum deles está sendo usado regularmente. O motor MWM D da PART-2 está sendo canibalizado fornecendo peças de reposição nas instalações. Um dos motores DS-11 (número de série 30054/22) da PART-1 ainda está ligado ao gerador Negrine, mas está armazenado em um depósito e

4 CDM Conselho Executivo página 4 relata-se que ele não está funcionando. O outro motor Scania da PART-1 (número de série C) está atualmente alocado como backup de uma bomba de água que é parte do sistema local de controle de incêndio. Todos os usos dos motores são regularmente registrados pelo sistema de controle operacional da Petrobras. Esta atividade do projeto de pequena escala contribui para o desenvolvimento sustentável: (1) Por introduzir pela primeira vez na Petrobras e no Brasil a geração de energia eólica em escala operacional para extração de petróleo; e (2) Por evitar a emissão de gases que causam o efeito estufa relacionadas aos geradores de eletricidade a diesel. A prática predominante para a geração de energia nas plataformas automáticas de petróleo na Petrobras é o uso de geradores elétricos abastecidos por combustíveis fósseis. Esta atividade do projeto é uma tendência potencial para as futuras instalações localizadas em áreas brasileiras que tenham bastante vento. A.3. Participantes do projeto: Nome da Parte envolvida Entidades públicas e/ou privadas participantes do projeto Indique generosamente se a Parte envolvida deseja ser considerada como participante do projeto (Sim/Não) Brasil (País Hospedeiro) Petrobras - Petróleo Brasileiro S.A Não A Petrobras (Petróleo Brasileiro S.A) é uma companhia de energia integrada que opera na exploração, produção, refino, comercialização, fornecimento e transporte de petróleo e gás natural, seus produtos derivados e outros ativos energéticos no Brasil e no mundo. A.4. Descrição técnica da atividade de projeto de pequena escala: A.4.1. Local da atividade de projeto de pequena escala A atividade do projeto está localizada na costa nordeste do Brasil nas redondezas da cidade de Macau, Estado do Rio Grande do Norte. Suas coordenadas aproximadas são 5º10 S, 36º00 W. A Parte(s) Anfitriã(s): Brasil. A Região/Estado etc.: Estado do Rio Grande do Norte. A Cidade/Comunidade etc:

5 CDM Conselho Executivo página 5 Município de Macau A Detalhes sobre a localização física, inclusive informações que permitam a identificação única dessa(s) atividade(s) de projeto de pequena escala: O limite do projeto envolve os campos de produção de petróleo onshore e offshore de Conceição-Salina, Cristal-Macau e Serra e instalações relacionadas, localizadas em Macau, Estado do Rio Grande do Norte, na costa atlântica nordeste do Brasil. A Usina Eólica Piloto do Rio Grande do Norte é a usina pioneira de energia elétrica eólica nas instalações de produção de petróleo da Petrobras. Ela está em funcionamento desde dezembro de 2003 e visa (1) fornecer energia elétrica renovável à produção de petróleo e outras instalações no local e (2) sirva como teste para futuras instalações de geração de energia eólica nas unidades da companhia localizadas em áreas adequadas. A média anual estimada de emissão de CO2 evitada pela atividade do projeto é de 1,277 toneladas de CO2eq por ano. A.4.2. Tipo e categoria(s) e tecnologia a ser empregada pela atividade de projeto de pequena escala: Tipo: I - Projetos de Energia Renovável, Categoria: I A Geração de Eletricidade pelo usuário. O projeto é uma atividade de projeto de pequena escala e é enquadrado na categoria I.A de acordo com o Apêndice B das Modalidades e Procedimentos Simplificados de Atividades de Projeto MDL de Pequena Escala. O supracitado é totalmente justificado pelo seguinte: 1. Os motores a diesel que foram substituídos tinham uma capacidade acoplada de 165 kwe, bem abaixo do limite de 15MW para a Categoria IA. Não há previsão de expansão de demanda de energia das plataformas Aratum 1e Aratum 2; 2. As turbinas eólicas têm uma capacidade acoplada de 1,8 MW, bem abaixo do limite de 15MW para a Categoria IA; 3. A fonte de energia é o vento (uma fonte renovável de energia); 4. A energia gerada é totalmente consumida pelo produtor. A tecnologia é ambientalmente segura porque substitui a emissão de combustíveis fósseis por uma fonte renovável de energia (energia eólica), que é livre de emissões. A tecnologia já foi transferida para o Brasil, os geradores de energia eólica foram fornecidos pela Enercom, uma companhia brasileira subsidiária da Wobben International.

6 CDM Conselho Executivo página 6 A.4.3. Explicação sucinta de como as emissões antrópicas de gases de efeito estufa por fontes serão reduzidas pela atividade de projeto de pequena escala proposta, incluindo por que as reduções das emissões não ocorreriam na ausência da atividade de projeto de pequena escala proposta, levando em consideração políticas e circunstâncias nacionais e/ou setoriais: Na ausência do projeto, as emissões de gases efeito estufa dos motores a diesel continuaria ocorrendo. A instalação dos três geradores de energia eólica permitiu a interconexão elétrica da plataforma offshore com as unidades onshore, e a instalação de quatro motores elétricos nas plataformas. A redução líquida de emissões de gases efeito estufa com relação ao período de crédito (7 anos) é de 1,277 tco2eq por ano, totalizando 8,942 tco2eq durante o período do projeto de 7 anos. O projeto não participa do PROINFA (Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica) ou de qualquer outro programa do governo para a geração de energia eólica. A Quantia estimada de reduções de emissões durante o período de obtenção de créditos escolhido: Anos Valor estimado de redução de emissões em toneladas de CO 2 e Valor estimado de reduções (toneladas de CO 2 e) Número total de anos de crédito 7 Média anual do período de crédito estimado de reduções (toneladas de CO 2 e) A.4.4. Financiamento público da atividade de projeto de pequena escala: O projeto não receberá financiamento do governo. A.4.5. Confirmação de que a atividade de projeto de pequena escala não é um componente separado de uma atividade de projeto maior: O Projeto não é um componente separado de uma atividade de projeto maior. Não há atividade de projeto MDL sendo executada pela Petrobras na área.

7 CDM Conselho Executivo página 7 SEÇÃO B. Aplicação de uma metodologia de linha de base: B.1. Título e referência da metodologia de linha de base aprovada aplicada à atividade de projeto de pequena escala: AMS-I.A. Geração de eletricidade pelo usuário, versão 8. B.2. Categoria de projeto aplicável à atividade de projeto de pequena escala: O projeto é classificado como um projeto de pequena escala Tipo I. A categoria na qual o projeto está classificado é intitulada Geração de Eletricidade pelo Usuário Tipo I. A. Esta categoria engloba unidades de geração de energia renovável que abastecem habitações individuais e usuários com pouca quantidade de energia. Essas unidades incluem tecnologias do tipo energia eólica. B.3. Descrição de como as emissões antrópicas de gases de efeito estufa por fontes serão reduzidas para níveis inferiores aos que teriam ocorrido na ausência da atividade de projeto de pequena escala registrada no âmbito do MDL: A atividade de projeto proposta qualifica o Projeto Petrobras de Energia Eólica para Bombeamento de Petróleo em Macau, Brasil a usar metodologias simplificadas A demonstração da adicionalidade do projeto se baseia nas opções listadas no Anexo A do Apêndice B das Modalidades e Procedimentos Simplificados de Atividades de Projeto MDL de Pequena Escala. Os participantes do projeto deverão fornecer uma explicação para demonstrar que a atividade de projeto não teria ocorrido de qualquer forma devido ao menos a um dos seguintes obstáculos: (a) Barreira de investimento: uma alternativa mais viável sob o ponto de vista financeiro para a atividade do projeto resultaria em níveis de emissão mais elevados; (b) Barreira tecnológica: Uma alternativa tecnologicamente menos avançada para a atividade de projeto envolve riscos mais baixos devido à incerteza do desempenho ou a uma fatia de mercado menor da tecnologia empregada na atividade do projeto, o que resultaria em níveis de emissão mais elevados; (c) Barreira devido à prática predominante: A prática predominante ou as exigências de regulamentações ou políticas existentes levariam à implementação de uma tecnologia com níveis mais elevados de emissão; (d) Outras barreiras: sem a atividade de projeto, por outros motivos específicos identificados pelo participante do projeto, como as barreiras institucionais ou informações limitadas, recursos de gerenciamento, capacidade organizacional, recursos financeiros ou capacidade para absorver novas tecnologias, os níveis de emissão teriam sido mais elevados. A. Barreira de investimento A implementação da atividade de projeto foi decidida apesar da avaliação econômica preliminar, a qual indicou uma probabilidade baixa de viabilidade econômica positiva, em conformidade com os padrões atuais da Companhia. O acesso ao conhecimento tecnológico, os impactos positivos relacionados aos aspectos ambientais e à imagem corporativa, e os possíveis créditos de carbono que a atividade de projeto

8 CDM Conselho Executivo página 8 proporcionaria à Petrobras foram citados como benefícios não considerados pela avaliação econômica corrente e que tornariam a implementação da usina eólica um empreendimento positivo. B. Barreira tecnológica Energia eólica é uma nova tecnologia no Brasil que ainda não foi desenvolvida, apesar do grande potencial nacional de potência eólica. A disponibilidade de fabricantes é limitada, assim como a engenharia especializada para instalação e operação das instalações de uma usina eólica no mercado brasileiro. C. Barreira devido à prática predominante A adicionalidade do projeto é evidenciada pelo uso da barreira devido à prática predominante, considerando que este é um projeto pioneiro na Petrobras e na indústria petrolífera brasileira. Não há projeto semelhante que use eletricidade gerada por energia eólica em atividades de produção de petróleo no Brasil. Sem a atividade do projeto, a prática habitual prevaleceria: geração de eletricidade por combustível fóssil. D. Outras barreiras O abastecimento de energia é sempre uma das maiores preocupações em instalações de bombeamento de petróleo. A falta de experiência da Petrobras na geração de energia eólica foi o principal obstáculo para a implementação da atividade do projeto, já que diversos problemas em potencial como falhas do projeto e questões relativas à operação e manutenção prejudicariam a produção de petróleo nas plataformas de Aratum. A relativa baixa confiabilidade dos sistemas de energia eólica devido a condições meteorológicas ocasionais também foi uma outra barreira identificada para a atividade do projeto. B.4. Descrição de como a definição do limite do projeto relacionado à metodologia de linha de base selecionada é aplicada à atividade de projeto de pequena escala: A definição do limite do projeto relacionada à metodologia de linha de base é aplicada à atividade de projeto da seguinte forma: O limite do projeto engloba a atividade física do projeto: - Os motores de petróleo (bombas) - Os geradores de energia eólica - As plataformas PART-1 e PART-2 do campo petrolífero de Aratum - As instalações associadas B.5. Detalhes sobre a linha de base e sua evolução: Geração de Eletricidade pelo usuário, TIPO I. A. A linha de base de energia é o consumo de combustível da tecnologia em uso ou que seria usada na ausência da atividade do projeto. A linha de base de emissões é a linha de base de energia multiplicada pelo coeficiente de emissão de CO 2 do combustível deslocado (o valor padrão do diesel é 0.9 kg CO 2 eq / kwh). Portanto, a linha de base de emissões do projeto corresponde às emissões associadas à produção de energia das unidades geradoras a diesel. Data de conclusão do estudo da linha de base: 30/11/2005

9 CDM Conselho Executivo página 9 Informações de contato: Maria Júlia de Fátima Walter PETROBRAS / Gás e Energia / Desenvolvimento Energético /Negócios de Desenvolvimento Sustentável em Energia Telefone: +(55 21) Endereço para Correspondência: Av Almirante Barroso, 81 / 35º andar Rio de Janeiro, Brasil SEÇÃO C. Duração da atividade de projeto / Período de obtenção de créditos: C.1. Duração da atividade de projeto de pequena escala: C.1.1. Data de início da atividade de projeto de pequena escala: O projeto de pequena escala foi iniciado em 19/07/2001. C.1.2 Estimativa da vida útil operacional da atividade de projeto de pequena escala: 24 anos C.2. Escolha do período de obtenção de créditos e informações relacionadas: Um período inicial de sete anos foi selecionado, com duas possibilidades de renovação de sete anos cada. C.2.1. Período renovável de obtenção de créditos: O primeiro período do projeto será de sete anos, com duas possibilidades de renovação de sete anos cada. C Data de início do primeiro período de obtenção de créditos: O primeiro período de crédito de carbono iniciou em 01/01/2004. C Duração do primeiro período de obtenção de créditos: 7 anos. C.2.2. Período fixo de obtenção de créditos: Não aplicável C Data de início: Não aplicável C Duração: Não aplicável

10 CDM Conselho Executivo página 10 SEÇÃO D. Aplicação de um plano e de uma metodologia de monitoramento: D.1. Nome e referência da metodologia de monitoramento aprovada aplicada à atividade de projeto de pequena escala: AMS-I.A., Geração de eletricidade pelo usuário, versão 8. D.2. Justificativa da escolha da metodologia e por que ela é aplicável à atividade de projeto de pequena escala: O projeto é classificado como um projeto de pequena escala TIPO I Projetos de Energia Renovável, categoria I A geração de Eletricidade pelo usuário. O projeto (TIPO I A - Projetos de Energia Renovável ) é classificado como projeto de pequena escala devido à capacidade de geração de energia renovável das unidades ser de 1.8 MW, não ultrapassando 15MW.

11 CDM Conselho Executivo página 11 D.3 Dados a serem monitorados: Número ID Tipo de dados D.3.1 Medição de eletricidade na entrada dos motores elétricos da bomba de petróleo D.3.2 Sistema para aquisição de dados dos geradores de energia eólica. D.3.3 Sistema para aquisição de dados dos motores a diesel. Variável dos Dados eletricidad e eletricidad e Tempo de trabalho do motor Unidade dos dados Medido (m), calculado (c) ou estimado (e) Freqüência de Registro KWh /ano M Medição contínua relatórios mensais com base diária KWh /ano M Medição contínua relatórios mensais com base diária horas M Tempo de trabalho do motor anotado quando apropriado Proporção dos dados Como os dados serão arquivados? a serem (eletrônico/ papel) monitorado s: 100% Registros eletrônicos com relatórios impressos 100% Registros eletrônicos com relatórios impressos 100% Papel e registros eletrônicos (planilhas) com relatórios impressos agregados Por quanto tempo os dados arquivados serão mantidos? Durante todo o período de crédito + 2 anos Durante todo o período de crédito + 2 anos Durante todo o período de crédito + 2 anos Comentário Os dados serão registrados enquanto os motores estiverem em funcionamento.

12 CDM Conselho Executivo página 12 D.4. Explicação qualitativa de como serão realizados procedimentos de controle de qualidade (CQ) e garantia de qualidade (GQ): Os procedimentos de controle de qualidade e de garantia de qualidade garantirão a qualidade dos dados coletados. Os instrumentos elétricos passarão por manutenção de acordo com as normas apropriadas da indústria. A operação da fábrica e os procedimentos de treinamento no local assegurarão a integridade dos dados coletados, de acordo com os procedimentos internos ambientais prévios, para todas as fábricas. Todos os instrumentos elétricos são calibrados. Procedimentos de controle de qualidade (QC) e de garantia de qualidade (QA) a serem realizados para o monitoramento dos dados Dados Medição de eletricidade na entrada de motores elétricos Sistema para aquisição de dados em tempo real dos geradores de energia eólica. Sistema para aquisição de dados dos motores a diesel Nível de incerteza dos dados (Alto/Médio/Baixo) Baixo Baixo Baixo Explique os procedimentos de QA/QC planejados para estes dados ou por que tais procedimentos não são necessários. Os dados solicitados serão coletados no local do projeto. Todas as etapas serão consideradas para se ter dados corretos e precisos. Os dados solicitados serão coletados no local do projeto. Todas as etapas serão consideradas para se ter dados corretos e precisos. Os dados solicitados serão coletados no local da atividade do projeto. Todas as etapas serão consideradas para se ter dados corretos e precisos.

13 CDM Conselho Executivo página 13 D.5. Descreva sucintamente a estrutura operacional e administrativa que será implementada pelos participantes do projeto para monitorar as reduções de emissões e quaisquer efeitos relacionados às fugas gerados pela atividade de projeto: Todo o hardware nas instalações da Petrobras é alocado em uma unidade de gerenciamento que é responsável por manter registro de seu local e estado operacional a qualquer momento. O consumo de energia dos motores elétricos está sendo registrado pelo operador da planta de hora em hora em uma planilha eletrônica e tem um resumo impresso para fins de análise. A produção de energia do gerador de energia eólica está sendo registrada pelo operador da planta de hora em hora em uma planilha eletrônica e tem um resumo impresso para fins de análise. A quantidade de horas operadas por qualquer um dos motores a diesel substituídos será anotada a partir das leituras de cada contador de horas do motor substituído, sempre que aplicável, e registrados em uma planilha eletrônica. Em conformidade com a legislação e as regras nacionais, os equipamentos de medição são certificados por normas atuais e recalibrados em intervalos apropriados de acordo com as especificações do fabricante e normas atuais. A responsável pela calibragem dos equipamentos de medição é a Petrobras. A responsável pelo gerenciamento do projeto, pelo monitoramento e pelos relatórios das atividades do projeto assim como a organização e o treinamento da equipe para o monitoramento, medição e técnicas de relato apropriadas é a Petrobras. D.6. Nome da pessoa/entidade que determina a metodologia de monitoramento : Maria Júlia de Fátima Walter PETROBRAS / Gás e Energia / Desenvolvimento Energético /Negócios de Desenvolvimento Sustentável em Energia Telefone: +(55 21) Endereço para Correspondência: Av Almirante Barroso, 81 / 35º andar Rio de Janeiro, Brasil SEÇÃO E.: Estimativa de emissões de gases de efeito estufa por fontes: E.1. Fórmulas usadas: E.1.1 Fórmulas selecionadas como fornecidas no apêndice B: A linha de base de energia é o consumo de combustível da tecnologia em uso ou que seria usada na ausência da atividade do projeto. As fórmulas selecionadas, apresentadas abaixo, são fornecidas pela metodologia projeto de pequena escala Tipo I Projetos de Energia Renovável, categoria I A Geração de Eletricidade pelo usuário.

14 CDM Conselho Executivo página 14 E b = Σ i (O i )/(1-l) Onde: E b = linha de base anual de energia em kwh por ano Σ i = a soma das tecnologias de energia renovável implementadas como parte do projeto O i = a produção anual estimada das tecnologias de energia renovável do grupo i de tecnologias de energia renovável instalado (em kwh por ano) l = perdas técnicas médias de distribuição que poderiam ser observadas nos mini sistemas a diesel instaladas por programas públicos ou companhias de distribuição em áreas isoladas, expressas como uma fração. A linha de base de emissões é a linha de base de energia calculada multiplicada pelo coeficiente de emissão de CO 2 do combustível deslocado (o valor padrão do diesel é 0,9 kg CO 2 eq / kwh). As emissões do projeto são zero uma vez que engloba energia renovável (energia eólica) em um projeto de pequena escala e não há fuga considerada. Os geradores a diesel substituídos foram transferidos para uma outra atividade e serão usados como peças sobressalentes dos equipamentos de contingente. Sua operação será monitorada. As turbinas eólicas têm uma disponibilidade media de 98,19% 1, significando que elas não são capazes de despacharem eletricidade para o sistema (incluindo as bombas de petróleo) devido, por exemplo, à manutenção ou por problemas de falta de vento, em cerca de 1,81% de todo o ano. Durante o período em que as turbinas eólicas não estiverem disponíveis, (cerca de 1,8% de todo o ano) a energia das bombas é fornecida pelo sistema da COSERN e/ou pelos geradores a diesel de emergência. A fim de ter uma abordagem mais conservadora, será considerado que sempre que a energia eólica não estiver disponível, as bombas de petróleo serão abastecidas por energia gerada a diesel 2. Os detalhes dos parâmetros e o cálculo das emissões antropogênicas são apresentados abaixo: O consumo anual dos motores elétricos, considerando 32% de eficiência 3, é de kwh. A tabela abaixo contém os dados principais e as estimativas de linha de base: Força da bomba Plataformas Bombas HP kw HP Total kw Total Aratum ,00 57,42 231,00 172,26 Aratum ,00 69,35 93,00 69,35 Total 4 126,77 324,00 241,61 1 Disponibilidade fornecida pelo operador da turbina eólica. 2 Deve ser enfatizado que o sistema de eletricidade da COSERN consiste em sua maioria de geradores hidrelétricos e geradores a gás natural, e ambos têm fatores de emissão menores que os dos geradores elétricos a diesel. 3 Consumo de energia e eficiência fornecidos pelo operador do local da atividade do projeto.

15 CDM Conselho Executivo página 15 Energia produzida pelos motores a diesel substituídos kwe KWh/ano Energia ativa média Energia consumida por plataforma ou bomba pelos motores a diesel substituídos HP da HP da KWh/anoplataformbomba KWh/ano- Plataformas bombas bomba Plataforma Aratum Aratum total As emissões de CO 2 eq anuais da linha de base podem ser estimadas como: 0,9 kg CO 2 eq / kwh * kwh/ano * 98,19% = tco 2 eq/ano * 98,19% = tco 2 eq/ano Durante a duração prevista do projeto (sete anos), as emissões da linha de base são estimadas em tco 2 eq/7 anos E.1.2 Descrição das fórmulas quando não fornecidas no apêndice B: Não aplicável. As fórmulas são fornecidas no apêndice B: E Descreva as fórmulas usadas para estimar as emissões antrópicas de gases de efeito estufa por fontes devido à atividade de projeto dentro do limite do projeto: Não aplicável E Descreva as fórmulas usadas para estimar as fugas devido à atividade de projeto, quando necessário, para a categoria de projeto aplicável no apêndice B das modalidades e procedimentos simplificados para atividades de projetos de pequena escala no âmbito do MDL Não aplicável E A soma de E e E representando as emissões da atividade de projeto de pequena escala: Não aplicável E Descreva as fórmulas usadas para estimar as emissões antrópicas por fontes de gases de efeito estufa na linha de base usando a metodologia de linha de base para a categoria de projeto aplicável no apêndice B das modalidades e procedimentos para atividades de projeto de pequena escala no âmbito do MDL: Não aplicável

16 CDM Conselho Executivo página 16 E Diferença entre os itens E e E representando as reduções nas emissões devido à atividade de projeto durante um determinado período: Não aplicável E.2 Tabela fornecendo valores obtidos ao se aplicar as fórmulas acima: Ano Estimativa das reduções de emissão da atividade do projeto (toneladas de CO 2 eq) Estimativa das reduções de emissão da linha de base (toneladas de CO 2 eq) Estimativa de fugas (toneladas de CO 2 eq) Estimativa das reduções de emissão (toneladas de CO 2 eq) , , , , , , , Total (toneladas de CO 2 eq) 0 8, SEÇÃO F.: Impactos ambientais: F.1. Se exigido pela Parte anfitriã, documentação sobre a análise dos impactos ambientais da atividade de projeto: A legislação brasileira estabelece que a autoridade Estadual Ambiental (neste caso, IDEMA Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte) deverá conceder as seguintes licenças para projetos tais como a geração de energia eólica: uma licença prévia (LP) a ser emitida antes dos estudos detalhados sobre a atividade do projeto; uma licença de instalação (LI) a ser emitida antes da construção da atividade do projeto; uma licença operacional (LO) a ser emitida antes da operação da atividade do projeto. Estas licenças foram, respectivamente, emitidas em 27/12/2002 (LP 915/2002), 21/05/2003 (LI 315/2003) e 29/12/2003 (LO 869/2003). Um Relatório Ambiental Simplificado (RAS) foi concluído em agosto de 2002 como parte do processo de licenciamento. Este Relatório resume os impactos ambientais causados pela atividade do Projeto. De acordo com o RAS, na fase de implementação/construção, os únicos impactos significativos identificados foram os relacionados à paisagem e os impactos associados à melhoria da estrada de acesso. Na fase operacional estes impactos continuariam, complementados com impactos

17 CDM Conselho Executivo página 17 associados à geração de ruído pelos aerogeradores (principalmente sobre a fauna) e (um positivo) sobre as emissões locais e globais devido à interrupção do uso dos motores a diesel. SEÇÃO G. Comentários dos Atores: G.1. Breve descrição do processo de convite e compilação dos comentários dos atores locais: De acordo com a Resolução n o.1 datada de 2 de dezembro de 2003 da Comissão Brasileira Interministerial de Mudança Global do Clima -CIMGC, quaisquer projetos MDL devem enviar aos atores envolvidos uma carta com a descrição do projeto e um convite para comentários. Neste caso, as cartas foram enviadas aos seguintes atores em 11 de agosto de 2006: Prefeitura de Macau; Câmara dos Deputados de Macau; Autoridade Federal do Meio Ambiente: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA; Órgão Estadual de Meio Ambiente do Rio Grande do Norte. Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente IDEMA; Ministério Público Estadual; Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL; Companhia Hidroelétrica de São Francisco CHESF; Companhia Energética do Rio Grande do Norte COSERN; Organização Não-Governamental Fórum Brasileiro de ONG s e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento - FBOMS; Organização Não-Governamental Associação Potiguar Amigos da Natureza ASPOAN; Organização Não-Governamental Sociedade Terra Viva. Os comentários recebidos foram registrados e arquivados no escritório da Petrobras. Não foi necessária nenhuma compilação porque apenas uma carta foi recebida G.2. Resumo dos comentários recebidos: A FBOMS enviou uma carta à Petrobras datada de 5 de setembro de 2006 com os seguintes pontos: A confirmação do recebimento do DCP e a carta de pedido de comentários; Uma descrição das expectativas da FBOMS sobre seu papel na avaliação do DCP e seu relacionamento com o DNA brasileiro; Uma sugestão para os participantes do projeto a fim de que adotem critérios de avaliação de sustentabilidade tais como o Golden Standard ; A FBOMS não forneceu uma análise da atividade do projeto, ainda que declarasse sua intenção. Eles observaram que a falta de análise técnica no prazo dado (30 dias) não significou sua aprovação. Não foram recebidos outros comentários dos outros atores envolvidos.

18 CDM Conselho Executivo página 18 G.3. Relatório sobre como a devida consideração foi dada aos comentários recebidos: >>Foi enviada uma carta à FBOMS em 04 de outubro de 2006 agradecendo os comentários enviados.

19 CDM Conselho Executivo página 19 Anexo 1 DADOS PARA CONTATO DOS PARTICIPANTES DA ATIVIDADE DE PROJETO Organização: PETROBRAS / Gás e Energia / Desenvolvimento Energético /Negócios de Desenvolvimento Sustentável em Energia Rua/Caixa Postal: Av Almirante Barroso, 81 / 31 andar Prédio: - Cidade: Rio de Janeiro Estado/Região: Rio de Janeiro Código Postal/CEP: País: Brasil Telefone: FAX: URL: Representada por: Cargo: Gerente Saudação: Sra. Último Nome: Walter Nome do Meio: Julia de Fátima Primeiro Nome: Maria Departamento: Negócios de Desenvolvimento Sustentável em Energia Celular: FAX direto: FAX direto: Pessoal:

20 CDM Conselho Executivo página 20 Anexo 2 INFORMAÇÕES SOBRE FINANCIAMENTO PÚBLICO O projeto não receberá qualquer financiamento público das Partes incluídas no Anexo I.

21 CDM Conselho Executivo página 21 Anexo 3 DIAGRAMA DA ATIVIDADE DO PROJETO ANTES DA ATIVIDADE DO PROJETO DEPOIS DA ATIVIDADE DO PROJETO

SERGIO MACHADO REZENDE Presidente da Comissão

SERGIO MACHADO REZENDE Presidente da Comissão Resolução nº 6, de 06 de junho de 2007 Altera a Resolução nº 2, de 10 de agosto de 2005, em relação à versão do do documento de concepção de projeto do Conselho Executivo do Mecanismo de Desenvolvimento

Leia mais

FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO PARA ATIVIDADES DE PROJETOS DE FLORESTAMENTO E REFLORESTAMENTO (MDL-FR-DCP) - Versão 01

FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO PARA ATIVIDADES DE PROJETOS DE FLORESTAMENTO E REFLORESTAMENTO (MDL-FR-DCP) - Versão 01 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO PARA ATIVIDADES DE PROJETOS DE FLORESTAMENTO E REFLORESTAMENTO (MDL-FR-DCP) 1 SUMÁRIO A. Descrição geral da atividade

Leia mais

ANEXO II. (Relacione a(s) Parte(s) e entidades privadas e/ou públicas envolvidas na atividade de projeto e informe os dados para contato no Anexo 1.

ANEXO II. (Relacione a(s) Parte(s) e entidades privadas e/ou públicas envolvidas na atividade de projeto e informe os dados para contato no Anexo 1. ANEXO II A. Descrição geral da atividade de projeto A.1 Título da atividade de projeto: A.2. Descrição da atividade de projeto: (Inclua na descrição - o propósito da atividade de projeto - a opinião dos

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos de

Leia mais

Seção 1: Solicitação de registro

Seção 1: Solicitação de registro U K. A R 6. C D M. V a l i d a t i o n Q u e s t ã o 1 Seção 1: Solicitação de registro F-MDL-REG Registro de Atividade de Projeto de MDL e Formulário do Relatório de Validação (Ao enviar este formulário,

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

Seção 2: Relatório de Validação

Seção 2: Relatório de Validação Registro de Atividade do Projeto MDL e Formulário de Relatório de Validação F-MDL-REG (Ao apresentar este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade proposta do projeto MDL atende

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. MDL Conselho Executivo Relatório da 32 a reunião do Conselho Executivo Anexo 38 página 1

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. MDL Conselho Executivo Relatório da 32 a reunião do Conselho Executivo Anexo 38 página 1 página 1 Orientação sobre o registro de atividades de projetos no âmbito de um programa de atividades como uma única atividade de projeto do MDL (Versão 2.1) A Conferência das Partes na qualidade de reunião

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Answers for energy. Turbina Francis, gerador síncrono e unidade hidráulica Cubículos de média tensão Transformadores de distribuição Uma completa

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS Apresentado por: Engº Francisco J. P. Oliveira Setembro / 2010 Objetivo Demonstrar de forma sucinta projetos de MDL, que envolvam a obtenção de créditos de

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável. II Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável. II Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto da Usina Eólica Casa Nova consiste na implantação e operação de uma

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO Universidade Federal do Amazonas Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA MERCADO VOLUNTÁRIO DE CARBONO PARA ESTIMULAR PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro F-MDL-REG Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC)

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC) TIPO III - OUTRAS ATIVIDADES DE PROJETO Os participantes do projeto devem levar em conta a orientação geral relativa às metodologias, as informações sobre adicionalidade, as abreviaturas e a orientação

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Diretrizes para obtenção do Selo Solar

Diretrizes para obtenção do Selo Solar Diretrizes para obtenção do Selo Solar Outorgado por em Parceria com Dezembro de 2014 2 Índice 1. Contextualização...4 2. Objetivo...4 3. Público-Alvo...4 4. Entidade promotora...5 5. Entidade parceira...5

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

A Empresa. utilizados em seus equipamentos.

A Empresa. utilizados em seus equipamentos. Grupos Geradores A Empresa Desde sua fundação em 1940, a Heimer tem se dedicado com sucesso à fabricação de Grupos Geradores de Energia, Grupos de Solda, Quadros de Comando, Motobombas e Alternadores.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo BOLETIM ANUAL DE GERAÇÃO EÓLICA - 2012 Palavra da ABEEólica energia eólica tem experimentado um exponencial e virtuoso crescimento no Brasil. De 2009 a 2012, nos leilões dos quais a fonte eó- A lica participou,

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Relatório de Relatório

Relatório de Relatório Relatório de Relatório BERTIN LTDA. Validação do Projeto da Pequena Central Hidrelétrica Sacre 2 da Relatório no. 893664, rev. 3 30.05.2007 TÜV SÜD Industrie Service GmbH Serviço de Gestão de Carbono Westendstr.

Leia mais

WP Council 242/13 Add. 1

WP Council 242/13 Add. 1 WP Council 242/13 Add. 1 1 julho 2014 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 113. a sessão 22 26 setembro 2014 Londres, Reino Unido Atividades de rotina Programa de Atividades da Organização

Leia mais

RMS Sistema de gestão de energias renováveis. Solução de mobilidade para análise de desempenho de operações em tempo real

RMS Sistema de gestão de energias renováveis. Solução de mobilidade para análise de desempenho de operações em tempo real Solução de mobilidade para análise de desempenho de operações em tempo real RMS Sistema de gestão de energias renováveis Uma plataforma para monitorar e controlar, em tempo real e de forma eficiente, todo

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

Desde sua fundação em 1940, a Heimer tem se dedicado com sucesso à fabricação de Grupos Geradores de Energia, Grupos de Solda, Quadros de Comando,

Desde sua fundação em 1940, a Heimer tem se dedicado com sucesso à fabricação de Grupos Geradores de Energia, Grupos de Solda, Quadros de Comando, Desde sua fundação em 1940, a Heimer tem se dedicado com sucesso à fabricação de Grupos Geradores de Energia, Grupos de Solda, Quadros de Comando, Motobombas, Motores e Alternadores. Instalada num parque

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Considerando o parágrafo 20 da Decisão 7 da Conferência das Partes na qualidade de reunião da Partes do Protocolo de Quioto - Decisão 7/CMP.

Considerando o parágrafo 20 da Decisão 7 da Conferência das Partes na qualidade de reunião da Partes do Protocolo de Quioto - Decisão 7/CMP. Resolução nº 9, de 20 de março de 2009, que dispõe sobre o Programa de Atividades no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. A Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima, criada pelo Decreto

Leia mais

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO SEMINÁRIO IAAC AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ERNANI TURAZZI Gerente do Cadastro de Fornecedores e FABIANO GONÇALVES MARTINS Gerente de Avaliação Técnica de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DA NR 35

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DA NR 35 A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DA NR 35 Autores Isamarth Rodrigues de Almeida Regina Célia Xavier de Moura COMPANHIA HIDROELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO RESUMO Este trabalho apresenta as ações

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Economia Quanto custa um aerogerador O gráfico acima dá uma idéia da faixa de preços dos aerogeradores modernos em fevereiro de 1998. Como pode ver, os preços variam para cada tamanho de aerogerador. Economia

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.962, DE 2015 (Do Sr. Jorge Côrte Real)

PROJETO DE LEI N.º 1.962, DE 2015 (Do Sr. Jorge Côrte Real) *C0054200A* C0054200A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.962, DE 2015 (Do Sr. Jorge Côrte Real) Dispõe sobre incentivos à implantação de pequenas centrais hidrelétricas e de centrais de geração

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Cláudio Monteiro (FEUP / SYSTEC) cdm@fe.up.pt Índice Complemento sobre enquadramento do novo regime de produção distribuída (autoconsumo).

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Instruções para o Encaminhamento do Planejamento do Atendimento aos Sistemas Isolados e Apresentação de Projetos de Referência

Instruções para o Encaminhamento do Planejamento do Atendimento aos Sistemas Isolados e Apresentação de Projetos de Referência Relatório do Consultor: Instruções para o Encaminhamento do Planejamento do Atendimento aos Sistemas Isolados e Apresentação de Projetos de Referência Elaborado por: Danilo de Brito Lima Para: Agência

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

2 Descrição da Empresa Focal

2 Descrição da Empresa Focal 2 Descrição da Empresa Focal 2.1 Origem e história da DNV A Det Norske Veritas 2 (DNV) é uma fundação global e independente, com o objetivo de salvaguardar a vida, a propriedade e o meio ambiente. Fundada

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

Calculadora de economia de energia do cliente Dell. Descrição geral do consumo de energia em sistemas de computador:

Calculadora de economia de energia do cliente Dell. Descrição geral do consumo de energia em sistemas de computador: Calculadora de economia de energia do cliente Dell Finalidade: A Calculadora de economia de energia do cliente Dell pretende oferecer uma ferramenta que permita aos clientes estimar o consumo de energia

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais