ANA LINA DE CARVALHO CUNHA SALES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANA LINA DE CARVALHO CUNHA SALES"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO ANA LINA DE CARVALHO CUNHA SALES EFEITO DE SUPLEMENTAÇÃO COM AVEIA, LINHAÇA, GERGELIM, SEMENTE DE GIRASSOL E JATOBÁ SOBRE PARÂMETROS RELACIONADOS AO DIABETES MELLITUS EM RATOS TERESINA-PI 2011

2 ANA LINA DE CARVALHO CUNHA SALES EFEITO DE SUPLEMENTAÇÃO COM AVEIA, LINHAÇA, GERGELIM, SEMENTE DE GIRASSOL E JATOBÁ SOBRE PARÂMETROS RELACIONADOS AO DIABETES MELLITUS EM RATOS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Alimentos e Nutrição da Universidade Federal do Piauí, como requisito para obtenção do grau de Mestre em Alimentos e Nutrição. Área de concentração: Alimentos e Nutrição. Linha de Pesquisa: Nutrição e Saúde. ORIENTADORA: Profª Dra Maria do Carmo de Carvalho e Martins TERESINA-PI 2011

3 ANA LINA DE CARVALHO CUNHA SALES EFEITO DE SUPLEMENTAÇÃO COM AVEIA, LINHAÇA, GERGELIM, SEMENTE DE GIRASSOL E JATOBÁ SOBRE PARÂMETROS RELACIONADOS AO DIABETES MELLITUS EM RATOS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Alimentos e Nutrição da Universidade Federal do Piauí, como requisito para obtenção do grau de Mestre em Alimentos e Nutrição. Área de concentração: Alimentos e Nutrição. Linha de Pesquisa: Nutrição e Saúde. Aprovada em 28 de Março de 2011 Prof a. Dr a. Maria do Carmo Carvalho e Martins UFPI (Presidente) Prof a. Dr a. Célia Colli - USP (1º Examinador) Prof a. Dr a. Salete Maria da Rocha Cipriano Brito - UFPI (2º Examinador) TERESINA-PI 2011

4 À Deus, tudo, razão de tudo!

5 AGRADECIMENTOS Agradeço como forma de gratidão e reconhecimento por todo o auxílio que me foi prestado nessa jornada. A Deus, por continuar me guardando na sombra de Suas asas. A todos os meus familiares, obrigada! Aos meus pais, Luís e Georgina, pela abdicação de uma vida toda em prol da educação e sonhos dos filhos. Ao Ricardo por todos os ensinamentos ao longo desses anos. Aos meus sogros, Raimundo e Lourdes Sales, por me adotarem como filha. Aos meus cunhados, Rita Sales e Cícero Lima, por toda ajuda nos cuidados com o Luís Ricardo em minhas ausências. Aos meus irmãos, Antônio Luiz, Georgiana e Rafael, pela certeza de sempre poder contar com a ajuda de cada um. UNIDOS SOMOS MAIS FORTES! Ao amor maior, Luís Ricardo, por na sua inocência entender minhas ausências e sempre com seus beijos e abraços me confortar após um dia difícil. Aos meus alunos, pelo estímulo constante aos estudos e orgulho demonstrado por mim. À Faculdade de Educação São Francisco, pela oportunidade de crescimento profissional além de toda a compreensão nos momentos de afastamento. Aos funcionários do departamento de Nutrição-UFPI, especialmente Dona Maísa e Sr Osvaldo, por sempre ficarem até mais tarde esperando que terminássemos os nossos trabalhos. Às professoras do Curso de Nutrição-UFPI, especialmente Maria Mercês, Martha Teresa, Socorro Alencar, Suely Santiago e Geânia, pelo apoio incondicional e confiança no meu potencial. Aos amigos do NPPM, Viviane, Celyane e Herton, por toda ajuda durante todo o experimento, sempre disponíveis! Ao Valmor, pelo exemplo de responsabilidade e disponibilidade além de ter tido a paciência de realizar tantas vezes as dosagens de hemoglobina glicada. Aos funcionários do Departamento de Biofísica e Fisiologia-UFPI, Paulinho, Lúcia, Socorro, Adriana e Abreu por terem me recebido com tanto carinho. Ao professor Paulo Humberto, por todos os ensinamentos transmitidos durante o trabalho mesmo sem ter nenhuma obrigação tê-lo feito. À Drª Lina, por todo o auxílio na análise das lâminas. À professora Regilda, amiga e mestre, por ter me dado a primeira oportunidade na pesquisa científica e ter despertado em mim, por meio de sua dedicação como professora, gestora e pesquisadora, o exemplo a ser seguido. Aproveito para agradecer ao seu esposo, professor Marcos, por sempre mostrar que sou capaz de muito mais. À professora Carminha, presente de Deus em minha vida e muito mais que orientadora. Por todos os finais de semana e feriados dedicados ao nosso trabalho, por sempre ter me tratado com humanidade, entendido minhas dificuldades, escutado meus problemas e sempre mostrar as soluções. Aos amigos da turma 2009/2011 PPGAN, companheiros de jornada: somos guerreiros e por que não corporativistas? Às mais que amigas: Adriana, Celsa, Marina, Rosana e Leydiane! À professora Salete (NPPM) pelo auxílio ao início dos experimentos, tendo até mesmo me cedido sua orientanda. Ao professor Manoel Aderson, pela cooperação na realização das dosagens no Laboratório CENDOMED.

6 Aos alunos PIBIC que me auxiliaram nos trabalhos: Daiane, Isabella, Luanne, Joseanne e José Carlos, pela disposição com a qual se dedicaram ao projeto. Daí e Bella: amigas para sempre! À Patrícia Bellini, companheira de oração que me ajudou a confiar mais em Deus nos momentos difíceis. Enfim, a todos que direta ou indiretamente contribuíram para que esse sonho fosse realizado!

7 RESUMO Componentes alimentares, especialmente compostos ricos em fibras, ácidos graxos poliinsaturados e constituintes como os flavonóides têm sido testados como recursos auxiliares no tratamento do diabetes mellitus (DM). Contudo, a maioria dos estudos que realizados para avaliar os efeitos de ácidos graxos poli-insaturados e fibras utilizaram suplementação isolada com óleos, alimentos ou constituintes bioativos em modelos experimentais dessa doença. Este trabalho avaliou o efeito de ração suplementada com aveia, linhaça, gergelim e semente de girassol, combinada ou não com a administração de concentrado de jatobá, sobre parâmetros relacionados ao diabetes mellitus em ratos Wistar machos. Os animais (251,2±1,9g) foram distribuídos em grupos de 7 a 14 ratos, conforme a seguir apresentado: controle normal (C); diabético controle (D); diabético com ração suplementada (DS); diabético com administração de insulina (DI); diabético com administração de jatobá (DJ) e diabético com ração suplementada combinada com jatobá (DSJ). O tratamento foi iniciado no quinto dia após indução do DM com estreptozocina 40 mg/kg i.v. Os animais do grupo C receberam igual volume de tampão citrato (0,2 ml/100g de peso corporal i.v.). Foram considerados diabéticos animais com glicemia de jejum 250 mg/dl. Após 50 dias de tratamento foram determinados os níveis séricos de glicose, colesterol total e frações, triglicerídeos e frutosamina. Também foi avaliado o percentual de glicação da hemoglobina. Peso corporal, diurese, consumo alimentar e ingestão hídrica foram avaliados durante tratamento. A atividade antioxidante no fígado foi avaliada por meio dos níveis de grupos sulfidrila não protéico e da catalase. Foram determinadas a composição química, atividade antioxidante in vitro e compostos fenólicos do jatobá e rações padrão e suplementada. O jatobá apresentou elevado teor de carboidratos possivelmente pelo teor de fibras presentes no fruto. A ração suplementada apresentou maior teor de lipídios decorrente dos alimentos utilizados na suplementação. Tanto o jatobá quanto as rações apresentaram atividade antioxidante, sendo encontradas maiores proporções de fenólicos no extrato etéreo das rações e no extrato alcoólico do jatobá. O DM experimental resultou em polifagia, poliúria e polidpisia, e aumento nos níveis de triglicerídeos, frutosamina e percentual de hemoglobina glicada no grupo D. A análise histopatológica não evidenciou sinais de lesão hepática ou renal nos grupos. A suplementação da ração resultou em níveis de triglicerídeos semelhantes aos de C e redução dos níveis de colesterol total, mas não melhorou o controle metabólico do diabetes. O concentrado de jatobá apresentou propriedades hipoglicemiante e hipolipemiante. Palavras chave: Antioxidantes. Diabetes mellitus. Fibras na Dieta. Glicemia. Suplementação alimentar.

8 ABSTRACT Food components, especially compounds that are rich in fiber, polyunsaturated fatty acids and constituents such as flavonoids have been tested as auxiliary tools in the treatment of diabetes mellitus (DM). However, most studies that have evaluated the effects of polyunsaturated fatty acids and fiber use isolated supplementation with oils, foods or bioactive constituents in experimental models of this disease. This study evaluated the effect of animal feed supplemented with oats, flax, sesame and sunflower seeds, combined or not with the administration of jatobá (Hymnaea courbaril) concentrate on parameters related to diabetes mellitus in male Wistar rats. The animals (251.2 ± 1.9g) were divided into groups of 7 to 14 rats, into the following groups: normal control (C), diabetic control (D), diabetic with supplemented feed (DS), diabetic with administration of insulin (DI), diabetic with administration of jatobá (DJ) and diabetic with feed combined with jatobá (DSJ). The treatment began on the fifth day after induction of diabetes with streptozocin 40 mg kg i.v. The animals in group C received an equal volume of citrate buffer (0.2 ml/100 g body weight i.v.). Animals were considered diabetic with fasting glucose 250 mg/dl. After 50 days of treatment, the serum glucose, total cholesterol and fractions, triglycerides and fructosamine were measured. The percentage of glycation of hemoglobin was also assessed. Body weight, urine output, food consumption and water intake were evaluated during the treatment. The antioxidant activity in the liver was assessed by levels of non-protein sulfhydryl groups and catalase. The study assessed the chemical composition, in vitro antioxidant activity and phenolic compounds of jatobá and of the standard and supplemented feed. The jatobá had high levels of carbohydrates possibly due to the content of fiber in the fruit. The supplemented feed had higher lipid content resulting from the foods used in the supplementation. Both the feed and the jatobá had antioxidant activity, and there were higher proportions of phenolics in the ethereal extract of the feeds and in the alcohol extract of the jatobá. The experimental DM resulted in polyphagia, polyuria and polidpisia, and increased levels of triglycerides, fructosamine and percentage glycated hemoglobin in group D. Histopathological analysis showed no signs of liver or kidney damage among the groups. The supplemented feed resulted in triglyceride levels similar to those of C and in a reduction of levels of total cholesterol, but did not improve the metabolic control of diabetes. The concentrate of jatobá had hypoglycemic and hypolipidemic properties. Key words: feeding. Antioxidants. Blood glucose. Diabetes mellitus. Dietary fiber. Supplementary

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1. Via dos polióis Figura 2. Produção de produtos finais de glicação avançada (AGE s) e suas conseqüências patológicas Figura 3. Mecanismo unificado de dano celular induzido pela hiperglicemia Quadro 1. Distribuição dos grupos experimentais Figura 4. Fluxograma para obtenção dos extratos para atividade antioxidante Figura 5. Consumo alimentar médio diário de Rattus norvegicus durante período de 50 dias de tratamento com ração suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina Figura 6. Ingestão média diária de água de Rattus norvegicus durante o período de 50 dias de tratamento com ração suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina Figura 7. Diurese média diária de Rattus norvegicus durante o período de 50 dias de tratamento com ração suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina Figura 8. Micrografias de fígado de Rattus norvegicus ao final do período de 50 dias de tratamento com ração suplementada com aveia, linhaça, gergelim e semente de girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina Figura 9. Micrografias de rins de Rattus norvegicus ao final do período de 50 dias de tratamento com ração suplementada com aveia, linhaça, gergelim e semente de girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Composição centesimal de aveia, linhaça e gergelim por 100 g de parte comestível Tabela 2. Composição centesimal em ácidos graxos poli-insaturados de aveia, linhaça e gergelim por 100 g de parte comestível Tabela 3. Composição química (g/100g) em macronutrientes e cinzas e valor energético das rações padrão e suplementada com aveia, linhaça, gergelim e semente de girassol Tabela 4. Composição química (g/100g) em macronutrientes e cinzas e valor energético do jatobá Tabela 5. Teores de compostos fenólicos (em equivalente de ácido gálico) de extratos das rações padrão e suplementada, em mg/100g de amostra úmida Tabela 6. Teores de compostos fenólicos (em equivalente de ácido gálico) de extratos da polpa de jatobá, em mg/100g de amostra úmida Tabela 7. Atividade antioxidante in vitro de extratos das rações padrão e suplementada Tabela 8. Atividade antioxidante in vitro de extratos da polpa de jatobá Tabela 9. Glicemia capilar de jejum de Rattus norvegicus antes e após indução de diabetes experimental, e glicemia sérica de jejum ao final do período de 50 dias de tratamento com ração padrão suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina Tabela 10. Percentual de hemoglobina glicada e níveis séricos de frutosamina de Rattus norvegicus ao final do período de 50 dias de tratamento com ração padrão suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina Tabela 11. Níveis séricos de colesterol total, HDL, LDL e triglicerídeos de Rattus norvegicus ao final do período de 50 dias de tratamento com ração padrão suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina Tabela 12. Evolução ponderal de Rattus norvegicus durante tratamento com ração padrão suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina. 50 Tabela 13. Níveis de catalase e grupos sulfidrila não protéico (GSHNP) de Rattus norvegicus ao final do período de 50 dias de tratamento com ração padrão suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina Tabela 14. Níveis séricos de AST, ALT, Albumina e Proteínas Totais de Rattus norvegicus ao final do período de 50 dias de tratamento com ração suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina Tabela 15. Níveis séricos de Uréia e Creatinina de Rattus norvegicus ao final do período de 50 dias de tratamento com ração suplementada com aveia, linhaça, gergelim e girassol e/ou concentrado de jatobá e insulina

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ADA American Diabetes Association AGE Produto final de glicação avançada AGE s Produtos finais de glicação avançada ALT Alanina aminotransferase ANOVA Análise de variância AST Aspartato aminotransferase CCA Centro de Ciências Agrárias CONCEA Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal DAC Doença arterial coronariana DACNT Doenças e agravos crônicos não-transmissíveis DAG Diacilglicerol DM Diabetes mellitus DMG Diabetes mellitus gestacional DMT1 Diabetes mellitus tipo 1 DMT2 Diabetes mellitus tipo 2 DNA Ácido desoxirribonucléico DPPH - 2,2-difenil-1-picril-hidrazil DTNB Ácido 5,5-ditiobis(2-nitrobenzóico) EDTA Ácido etilenodiamino tetra-acético EPM Erro padrão da média GAPDH - gliceraldeído-3-fosfato-desidrogenase GLUT Transportador de membrana específico GLUT2 Transportador de Glicose tipo 2 GSH Glutationa reduzida HbA Hemoglobina HbA1c Hemoglobina glicada HDL Lipoproteína de alta densidade IAM Infarto agudo do miocárdio IDR Ingestão diária recomendada IMC Índice de massa corpórea InCor Instituto do coração LADA Latent Autoimmune Diabetes in Adults

12 LDL Lipoproteína de baixa densidade LLP Lipase lipoprotéica NAD Nicotinamida Adenina Dinucleotídeo NADPH Nicotinamida Adenina Dinucleotídeo Fosfato Reduzida ND Nefropatia diabética NO Óxido nítrico NOVAFAPI Faculdade de Saúde, Ciências Humanas e Tecnológicas do Piauí NPH Protamina Neutra de Hagedorn OMS Organização Mundial de Saúde PARP - poli ADP-ribose polimerase PGI2 Prostaglandina I2 PKC Proteína quinase C ROS Espécies reativas de oxigênio SBD - Sociedade Brasileira de Diabetes SOD Superóxido dismutase STZ Estreptozotocina TG Triglicerídeos UFPI Universidade Federal do Piauí USA Estados Unidos da América VLDL Lipoproteína de muito baixa densidade

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Diabetes mellitus: definição, classificação e fisiopatologia Estresse oxidativo e diabetes mellitus Complicações do diabetes mellitus Componentes dietéticos e diabetes mellitus OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos METODOLOGIA Aspectos éticos Animais Grupos de estudo Preparo da ração suplementada, quantificação de consumo diário de água e alimentos e administração do concentrado de jatobá Análise da Composição química do jatobá e das rações padrão e suplementada Determinação do teor de umidade do jatobá e das rações padrão e suplementada Determinação de resíduo mineral fixo do jatobá e das rações padrão e suplementada Determinação de lipídios do jatobá e das rações padrão e suplementada Determinação de proteínas do jatobá e das rações padrão e suplementada Determinação de carboidratos e valor energético total (VET) do jatobá e das rações padrão e suplementada Obtenção e preparo dos extratos do jatobá e das rações padrão e suplementada Determinação de compostos fenólicos totais Determinação da atividade antioxidante in vitro do jatobá e das rações padrão e suplementada Indução de diabetes Administração de insulina Avaliação do perfil lipídico Avaliação do controle glicêmico Avaliação de marcadores bioquímicos da função hepática Avaliação de marcadores bioquímicos da função renal Avaliação da atividade antioxidante no fígado Eutanásia e coleta de material para análises Processamento histológico do material Análise estatística RESULTADOS Composição centesimal do jatobá e das rações padrão e suplementada Determinação quantitativa de compostos fenólicos e atividade antioxidante in vitro do jatobá e das rações padrão e suplementada Efeitos do consumo de aveia, linhaça, semente de girassol e gergelim e do concentrado de jatobá no controle glicêmico de ratos diabéticos Efeitos do consumo de aveia, linhaça, semente de girassol e gergelim e do concentrado de jatobá sobre o perfil lipídico de ratos diabéticos Efeitos do consumo de aveia, linhaça, semente de girassol e gergelim e do concentrado de jatobá sobre a evolução ponderal de ratos diabéticos... 50

14 5.6 Efeitos do consumo de aveia, linhaça, semente de girassol e gergelim e do concentrado de jatobá sobre a atividade antioxidante hepática de ratos diabéticos Efeitos do consumo de aveia, linhaça, semente de girassol e gergelim e do concentrado de jatobá sobre a função hepática e renal de ratos diabéticos Efeitos de tratamento com ração padrão suplementada com aveia, linhaça, semente de girassol e gergelim e/ou concentrado de jatobá sobre o consumo alimentar, ingestão hídrica e diurese de ratos diabéticos Efeitos do consumo de aveia, linhaça, semente de girassol e gergelim e do concentrado de jatobá sobre a estrutura celular de fígado e rins de ratos diabéticos DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 75

15 14 1 INTRODUÇÃO O diabetes mellitus (DM) é uma doença crônica que resulta de defeitos na secreção e/ou ação da insulina envolvendo processos patogênicos específicos, como destruição das células beta do pâncreas, resistência à ação da insulina, distúrbios da secreção da insulina, entre outros (FRANCO, 2004; AMERICAN DIABETES ASSOCIATION, 2006; SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES, 2006). Trata-se de doença caracterizada por um estado hiperglicêmico crônico, que como conseqüência, leva à ocorrência de retinopatia, nefropatia, hipertensão arterial, alterações no sistema nervoso periférico, disfunções sexuais e artropatias, dentre outras, complicações que podem evoluir para cegueira, falência renal, doenças coronarianas e vasculares cerebrais de forma sucessiva (FRANCO, 2004; AMERICAN DIABETES ASSOCIATION, 2006; SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES, 2006). O DM é uma das doenças de mais rápido crescimento em todo o mundo, sendo considerada a primeira causa de morbidade e mortalidade cardiovascular em populações ocidentais (REIMANN et al, 2009). Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o DM é um problema de saúde pública mundial e em 2000 os seis países com o maior número de pacientes diabéticos eram Índia (32,7 milhões), China (22,6 milhões), Estados Unidos (15,3 milhões), Brasil (12 milhões), Paquistão (8,8 milhões) e Japão (7,1 milhões) (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, 2009). Ao longo dos anos o DM vem se tornando a epidemia do século XXI e já afeta cerca de 246 milhões de pessoas em todo o mundo e, até 2025, a previsão é de que esse número chegue a 380 milhões (BRASIL, 2009). No Brasil, aproximadamente 50% das pessoas com DM desconhecem sua condição mórbida, sendo que 10% delas são portadoras de diabetes mellitus tipo 1 (DMT1). E, em alguns países esse percentual de pessoas que desconhecem ter a doença sobe para 80% (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, 2009). Entre os fatores de risco para doenças e agravos crônicos não transmissíveis (DACNT) está o consumo excessivo de gorduras saturadas e gorduras trans, os quais interferem nos níveis de colesterol plasmático e favorecem o surgimento da obesidade. Dentre as diversas medidas para redução dos fatores de risco para DACNT tem sido recomendada uma alimentação rica em fibras, pois estudos demonstram que dietas ricas nesse componente alimentar podem ter benefícios particulares para indivíduos diabéticos e, principalmente, obesos (ANDERSON, 1985; KATIE et al, 2007). Neste sentido, a American Diabetes

16 15 Association (ADA) recomenda consumo diário de fibras entre 25 a 30 g por dia, de ambos os tipos, solúvel e insolúvel para se obter efeitos benéficos quanto à hipercolesterolemia o recomendado é que haja uma ingestão de 5 gramas por dia de fibras solúveis (AMERICAN DIABETES ASSOCIATION, 2007; POLI et al, 2008). Vários são os fatores que têm contribuído para o interesse no desenvolvimento de alimentos funcionais, sendo um deles o aumento da consciência dos consumidores, que desejando melhorar a qualidade de suas vidas, optam por hábitos saudáveis. Os alimentos funcionais devem apresentar propriedades benéficas além das propriedades nutricionais básicas, sendo apresentados na forma de alimentos comuns (SOUZA; SOUZA NETO; MAIA, 2003). Dentre os alimentos com alegações de funcionalidade, estão a aveia, a linhaça, o gergelim, a semente girassol e o jatobá devido a presença de compostos bioativos contidos nas fibras alimentares, além de ácidos graxos essenciais da família ω-3 e ω-6 e outros compostos. A aveia (Avena sativa L.), grão de cereal usado como alimento para humanos e animais, é membro do gênero Avena, da família Gramineae e possui alto teor de β- glucanas, componentes aos quais têm sido atribuídos benefícios como: atividade anti-aterogênica (DELANEY et al, 2003; ERKKILA et al, 2005), melhora das respostas imunes a infecções (RAMAKERS et al, 2005; TSIKITIS et al, 2004), diminuição do pico de insulina e glicemia pos-prandial (BEHALL et al, 2006; BRAATEN et al, 1994) e redução dos níveis plasmáticos de colesterol total e lipoproteínas de baixa densidade (LDL) (NAUMANN et al, 2006; LASZTITY 1998). A aveia é muito utilizada na formulação de produtos integrais, e estudos prospectivos em populações sugerem que, quando consumidos em produtos integrais, os componentes antioxidantes presentes nesse alimento estão associados com importante proteção cardiovascular (PETERSON, 2001). O gergelim (Sesamum indicum L) pertence à família Pedaliaceae, e consiste em grãos comestíveis que contêm vitaminas A, B e C, além de elevados teores de cálcio, fósforo e ferro (NISHANT; NARASIMHACHARYA, 2007). Vários estudos destacam a capacidade dos componentes das sementes de gergelim em reduzir os níveis plasmáticos de colesterol e o estresse oxidativo devido à presença de componentes como fibras, esteróis, polifenóis e flavonóides. Nesse sentido, Nishant; Narasimhacharya (2007) demonstraram que a utilização do pó das sementes de gergelim na ração de ratos machos albinos provoca redução considerável dos níveis plasmáticos de lipídios totais e de colesterol, além de melhoria na atividade antioxidante e consequente redução da peroxidação lipídica.

17 16 A linhaça (Linum usitatissimum L), pertencente à família das Lináceas, possui elevada concentração de ácido linoléico e α-linolênico e sua inclusão na dieta de cavalos tem sido associada a alterações do metabolismo do ácido araquidônico e à redução da produção de interleucinas (DELOBEL et al, 2008). Além disso, devido à associação inversa entre a ingestão do ácido linolênico com o risco de infarto agudo do miocárdio (IAM), o uso do óleo de linhaça tem sido relacionado à baixa incidência de eventos cardiovasculares (ASCHERIO; RIMM; GIOVANNUCCI, 1996). O girassol (Helianthus annus L.) é uma espécie dicotiledônea anual da família Compositae (ou Asteraceae) originária do continente norte-americano, e seus grãos são constituídos pelo pericarpo (casca) e pela semente propriamente dita (amêndoa) (SOUSA, 2008). Alguns estudos destacam que 30 a 45% do grão de girassol correspondem ao óleo caracterizado pela alta relação de ácidos graxos poliinsaturados/saturados (65,3%/ 11,6%), e o restante constitui o farelo, que contém alto teor de fibra, proteína bruta e aminoácidos, porém com baixos níveis de lisina (PINHEIRO et al, 2002; FURLAN et al, 2001; STRINGHINI et al, 2000). As fibras vegetais contidas nos grãos de girassol consistem em ligninas, insolúveis em água, e apontadas como capazes de adsorver o colesterol (MOREIRA-LEITE; MONTEIRO; RACHID, 2005). O óleo de girassol possui excelentes características nutricionais, sendo constituído, em sua quase totalidade, pelo ácido linoléico (65%), o qual é classificado como essencial, participando de funções fisiológicas diversas (BETT et al, 2004). Além disso, um estudo dos níveis de lipoproteínas em homens e mulheres saudáveis apontou que aqueles submetidos a uma dieta enriquecida em óleo de girassol apresentaram redução dos níveis séricos de colesterol total, LDL, lipoproteínas de densidade muito baixa (VLDL) e triglicerídeos (VALSTA et al, 1992). O jatobá (Hymenaea stigonocarpa Mart.) é uma planta com 4 a 6 m de altura, característica do cerrado brasileiro, que produz frutos farináceos comestíveis com comprimento entre 6 e 18 cm e diâmetro de 3 a 6 cm (CHANG et al, 1998). Seus frutos são ricos em fibras e flavonóides e são muito apreciados pela população regional, sendo consumidos e utilizados na elaboração de bolos, pães e mingaus, cookies e snacks com alto teor de fibras (SILVA et al, 2001). Os compostos fenólicos, substâncias amplamente distribuídas no reino vegetal, sobretudo em frutas e outros vegetais, englobam desde moléculas simples até outras com alto grau de polimerização (BRAVO, 1998). Tais compostos podem ser encontrados na sua forma livre ou ligados a açúcares ou proteínas, e apresentam a característica comum de possuírem

18 17 em suas estruturas vários grupos benzênicos (CROFT, 1998; HERNÁNDEZ; PRIETO GONZÁLES, 1999). A classificação proposta por Ribéreau-Gayon (1968) divide os compostos fenólicos em: pouco distribuídos na natureza; polímeros; e largamente distribuídos na natureza. Os pouco distribuídos na natureza compreendem um número reduzido de compostos, encontrados com certa freqüência e que incluem os fenóis simples, pirocatecol, hidroquinona e resorcinol, além de aldeídos derivados dos ácidos nezóicos. Os polímeros são aqueles que não se apresentam em sua forma livre nos tecidos vegetais e têm como representantes os taninos e ligninas. E os largamente distribuídos na natureza correspondem ao grupo no qual estão os fenólicos, sendo subdividido em flavonóides e derivados, ácidos fenólicos, e cumarinas. Dentre os compostos fenólicos com propriedade antioxidante, destacam-se os flavonóides, os quais englobam as antocianinas e os flavonóis. As antocianinas são pigmentos solúveis em água, amplamente difundidos no reino vegetal e que conferem as várias nuanças de cores entre laranja, vermelha e azul encontradas em frutas, vegetais, flores, folhas e raízes (SILVA et al, 2010). Grande interesse por compostos fenólicos vem sendo demonstrado pelas observações promissoras de seu potencial efeito benéfico à saúde decorrente de sua ação antioxidante, assim como na prevenção de diversas enfermidades, tais como enfermidades cardiovasculares, câncer e doenças neurológicas (VENDRAMINI; TRUGO, 2004; HARBORNE; WILLIAMS, 2000; SÁNCHEZ-MORENO, 2002). Esses benefícios são atribuídos, sobretudo a sua atividade antioxidante por meio da depuração de espécies reativas de oxigênio e efeito quelante sobre metais catalisadores da peroxidação de lipídios (HUBER; RODRIGUES-AMAYA, 2008). Diante dos benefícios à saúde atribuídos a alimentos como a aveia, linhaça, gergelim, semente de girassol e jatobá, nesse estudo foram avaliados os efeitos desses alimentos sobre parâmetros relacionados ao DM como uma alternativa que possa contribuir para a melhoria das alterações endócrino-metabólicas causadas pela doença, principalmente por considerar que intervenções com mudanças no estilo de vida e incorporação de hábitos alimentares mais saudáveis, incluindo aumento do consumo de fibras e substâncias antioxidantes constituem-se em uma alternativa viável para o tratamento do DM.

19 18 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Diabetes mellitus: definição, classificação e fisiopatologia O processo de transição demográfica e epidemiológica, marcado pela tendência ao envelhecimento populacional e o aumento da prevalência de DACNT, traz consigo implicações para o perfil nutricional e alimentar da população brasileira. Ao mesmo tempo, como resultado da adoção do estilo de vida sedentário e do consumo de dietas desbalanceadas houve redução da prevalência de desnutrição e aumento da prevalência de sobrepeso e obesidade (BATISTA FILHO; RISSIN, 2003). E, em conseqüência das alterações metabólicas decorrentes dos hábitos de vida inadequados, as DACNT são atualmente problema de saúde pública que atingiram proporções epidêmicas (AMERICAN DIABETES ASSOCIATION, 2004). Dentre as DACNT, merece destaque o DM, definido como uma desordem metabólica de múltiplas etiologias e que se caracteriza por um estado de hiperglicemia crônica, decorrente da anormalidade na secreção e/ou ação da insulina, com conseqüentes distúrbios no metabolismo de carboidratos, lipídios e proteínas (WILD et al, 2004). A prevalência mundial de DM para todas as faixas etárias foi estimada em 2,8% no ano 2000, com projeções de atingir 4,4% em 2030, e o número total de pessoas portadoras de DM que era de 171 milhões em 2000 pode alcançar 366 milhões em 2030 (KING; AUBERT; HERNAN, 1998). Outros autores avançam na estimativa do incremento no número de indivíduos diabéticos para o ano de 2030, projetando que 90% dos indivíduos serão acometidos pelo diabetes tipo 2 (WILD et al, 2004). O fator demográfico mais importante que influencia a prevalência do DM no mundo parece ser o aumento na proporção de pessoas com mais de 65 anos de idade, sobretudo nos países desenvolvidos, cuja população urbana é projetada para dobrar entre 2000 e Nos países em desenvolvimento o crescimento populacional é observado em todas as faixas etárias com predominância para grupos etários mais jovens (KING; AUBERT; HERNAN, 1998). A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), seguindo orientações da OMS e ADA, propõe a classificação do DM baseada na sua etiologia e não pela forma de tratamento. Dessa forma, o DM é classificado em DMT1, diabetes mellitus tipo 2 (DMT2), tipos específicos de DM e diabetes mellitus gestacional (DMG); existindo ainda a glicemia de jejum alterada e a

20 19 tolerância à glicose diminuída, as quais são consideradas fatores de risco para o desenvolvimento de DM e doenças cardiovasculares (ALBERTI; ZIMMET, 1999). Os tipos de DM mais comuns são o DMT1 e o DMT2, sendo ambos doenças crônicas graves decorrentes de alterações no funcionamento de células beta do pâncreas com subsequentes alterações do metabolismo de carboidratos e lipídios (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, 2009). O DMT1, com pouca influência hereditária, decorre primariamente da destruição das células betas resultando, quase sempre, em cetoacidose com grandes flutuações da glicemia, acomete geralmente indivíduos magros e apresenta expressiva deterioração clínica quando o tratamento com insulina não é iniciado precocemente (AMERICAN DIABETES ASSOCIATION, 2006). Esse tipo de DM ocorre em cerca de 5% a 10% dos diabéticos e inclui casos decorrentes de doença auto-imune e aqueles nos quais a causa da destruição das células beta não é conhecida (SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES, 2006). A forma rapidamente progressiva é comumente observada em crianças e adolescentes entre 10 a 14 anos, e a forma lentamente progressiva geralmente aparece em adultos (Latent Autoimmune Diabetes in Adults LADA), sendo esta última erroneamente classificada como DMT2 pelo seu aparecimento tardio (AMERICAN DIABETES ASSOCIATION, 2006; BRASIL, 2006; SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES, 2006). O DMT2 resulta, em geral, de graus variáveis de resistência à insulina e de deficiência relativa de secreção de insulina, em que a resposta da célula ao estímulo da glicose é subótimo, não ocorrendo a primeira etapa de secreção da insulina após estimulação pela glicose (BAYNES; DOMINICZAK, 2000). O tratamento do DMT2 visa manter o controle glicêmico adequado, seja com dieta hipocalórica, prática de exercícios físicos ou uso de medicações como sensibilizadores da ação de insulina, anti-hiperglicemiantes, secretagogos, drogas anti-obesidade e/ou insulina, as quais podem ser utilizadas isoladamente ou em associações (ARAUJO; BRITTO; PORTO DA CRUZ, 2000). A hiperglicemia é a principal característica do DM (TFAYLI; ARSLANIAN, 2009). Em condições fisiológicas a regulação da glicemia é mantida através de um delicado balanço entre a secreção de insulina e a sensibilidade à insulina. Assim, um sinal inicial de intolerância à glicose e/ou uma diminuição na sensibilidade da insulina nos tecidos periféricos resulta no aumento compensatório da secreção da insulina para a manutenção da normoglicemia (TFAYLI; ARSLANIAN, 2009). Por outro lado, em alguns indivíduos, a relação hiperbólica que governa esse balanço está prejudicada e tem reflexos diretos nas células beta pancreáticas, as quais não respondem às elevadas concentrações de insulina com

21 20 uma diminuição da secreção desse hormônio, aumentando assim a resistência insulínica (TFAYLI; ARSLANIAN, 2009). 2.2 Estresse oxidativo e diabetes mellitus A oxidação é um processo metabólico que leva à produção de energia necessária para as atividades essenciais das células, e nos sistemas biológicos ocorre devido à ação dos radicais livres no organismo (SOARES, 2002). Os radicais livres são moléculas ou íons que têm um elétron desemparelhado para se ligar a qualquer outro elétron e, por isso, são extremamente reativas. Os radicais livres podem ser gerados por fontes endógenas ou exógenas, e causam alterações nas células agindo diretamente sobre componentes celulares como membranas celulares, que terão sua fluidez e permeabilidade alteradas, e também em proteínas celulares, o que resulta em sua fragmentação, agregação e, em certos casos, ativação ou inativação de certas enzimas e mesmo aberrações cromossômicas (SOARES, 2002). O estresse oxidativo é definido como um estado de desequilíbrio entre a produção de espécies reativas de oxigênio (ROS) e a capacidade antioxidante endógena, sendo tal desequilíbrio associado ao processo de envelhecimento e também com o desenvolvimento de muitas outras doenças crônicas e degenerativas, incluindo o câncer, doenças cardíacas e doenças de Alzheimer (McCORD, 1994). O papel do estresse oxidativo como determinante principal no início e progressão das complicações do DM tem despertado grande interesse em razão de que o desequilíbrio entre a produção de ROS e a capacidade antioxidante endógena ocasionar o aumento da atividade da aldose redutase, formar produtos avançados da glicosilação não-enzimática e aumentar a via das hexosaminas (TANIYAMA; GRIENDLING, 2003; REIS et al, 2008). Muitas das alterações metabólicas causadas pela hiperglicemia produzem estresse oxidativo devido ao aumento de ROS, gerados principalmente durante a auto-oxidação da glicose e em diferentes reações oxidativas que acompanham a glicação de proteínas, lipídios e ácidos nucléicos (DÍAZ-FLORES et al, 2004). Além disso, ocorre também diminuição da ação dos sistemas de defesa antioxidante em conseqüência da diminuição da disponibilidade da nicotinamida adenina dinucleotídeo fosfato reduzida (NADPH) e da glutationa reduzida, assim como pelo dano oxidativo das enzimas envolvidas (DÍAZ-FLORES et al, 2004).

22 21 A diminuição da ação dos sistemas antioxidantes endógenos tem sido associada com anormalidades estruturais e funcionais no sistema cardiovascular devido à exposição prolongada dos tecidos vasculares à hiperglicemia com indícios de que a capacidade antioxidante endógena esteja prejudicada nos indivíduos diabéticos, dificultando a remoção dos radicais livres (SANTINI et al, 1997). Vários estudos demonstram que a hiperglicemia tem como conseqüência uma elevada produção de ânion superóxido por meio de inúmeros mecanismos, contudo alterações na cadeia de transporte de elétrons parecem ser o primeiro evento chave na ativação de outras vias envolvidas nas complicações do DM por ocasionar o aumento da atividade da aldose redutase, da ativação da proteína quinase C (PKC), da formação de produtos avançados da glicosilação não-enzimática e da atividade da via das hexosaminas, o que tem como conseqüência unificada o mecanismo de lesão celular (REIS et al, 2008). Na via dos polióis, o aumento de ROS em decorrência da hiperglicemia, reduz os níveis de óxido nítrico (NO) ativando a aldose redutase. O aumento do fluxo pela via dos polióis induzido pelo aumento de ROS determina maior conversão de glicose a sorbitol, reduzindo NADPH e glutationa. O sorbitol é convertido a frutose, aumentando a relação NADH:NAD, o que aumentaria a síntese de diacilglicerol (DAG), principal ativador fisiológico da PKC (Figura 1). Figura 1. Via dos polióis. Fonte: Reis, J. S. et al. Estresse oxidativo: Revisão da sinalização metabólica no Diabetes tipo 1. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia. v. 52, n. 7, p. 1098, 2008.

23 22 Um dos principais mecanismos patogênicos responsáveis pelos danos celulares e teciduais relacionados ao estresse oxidativo no diabetes envolve a formação de produtos finais de glicação avançada (AGEs), os quais são lipídios ou proteínas que se tornam glicados após a exposição a açúcares oxidados e que atuam modificando proteínas intracelulares relacionadas com a regulação gênica, interferindo na sinalização celular e ainda estimulando a produção de citocinas inflamatórias (BARBOSA; OLIVEIRA; SEARA, 2009). Na Figura 2 são apresentadas algumas das conseqüências patológicas decorrentes da formação dos AGEs. Figura 2. Produção de produtos finais de glicação avançada (AGE s) e suas conseqüências patológicas. Fonte: Brownlee, M. Biochemistry and molecular cell biology of diabetic complications. Nature. v. 414, p. 816, A produção aumentada de ROS em decorrência da hiperglicemia parece ser o mecanismo comum em todas as células lesadas, sendo essa hipótese capaz de unificar todas as vias. Assim, a hiperglicemia ocasiona o aumento da poli ADP-ribose polimerase (PARP), enzima envolvida no reparo de danos ao DNA, e conseqüentemente, a diminuição do gliceraldeído-3-fosfato-desidrogenase (GAPDH), responsável pela metabolização final da glicose, ativando todas as vias (Figura 3) (BROWNLEE, 2005).

24 23 Figura 3. Mecanismo unificado de dano celular induzido pela hiperglicemia. Fonte: Reis, J. S. et al. Estresse oxidativo: Revisão da sinalização metabólica no Diabetes tipo 1. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia. v. 52, n. 7, p. 1101, Considerando o envolvimento do estresse oxidativo na patogênese do DM e de outras DACNT, a busca por agentes antioxidantes naturais tem fundamental importância. Nesse sentido, estudos com flavonóides vêm despertando grande interesse devido a evidências epidemiológicas que mostram que uma dieta rica nestes compostos está associada ao baixo risco de doenças cardiovasculares e algumas formas de câncer (HUBER; RODRIGUEZ-AMAYA, 2008). E, acredita-se que as propriedades relacionadas à saúde humana exercidas pelos compostos fenólicos, tais como os flavonóides, são baseadas principalmente na sua atividade antioxidante relacionada com o seqüestro de radicais livres e quelação de metais capazes de catalisar a peroxidação de lipídios (HUBER; RODRIGUEZ- AMAYA, 2008). 2.3 Complicações do diabetes mellitus A história natural do diabetes é marcada pelo aparecimento de complicações que podem ser agudas ou crônicas, sendo mais frequentes as últimas devido ao aumento da longevidade dos pacientes (DÍAZ-FLORES et al, 2004). A maioria das evidências

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Doenças cardiovasculares: Causas: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares:

Doenças cardiovasculares: Causas: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares: Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Farmácia Período: 4 período Disciplina: Nutrição Professora: Sabrina Dias arterial; Doença arterial coronariana; Acidente vascular cerebral; Geralmente acomete

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO O índice glicêmico dos alimentos é hoje reconhecidamente o fator mais importante na elaboração de qualquer dieta que vise perda e manutenção de

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Lipídios. Dra. Aline Marcellini

Lipídios. Dra. Aline Marcellini Lipídios Dra. Aline Marcellini LIPÍDEOS Nutrição = 9 Kcal/g Grande diversidade de moléculas. Palatabilidade e retenção de voláteis. Definição: compostos insolúveis em água e solúveis em solventes orgânicos.

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO DA DIETA COM A FARINHA DA SEMENTE DE LECYTHIS PISONIS SOBRE A GLICEMIA E PERFIL LIPÍDICO DE RATOS DIABÉTICOS

EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO DA DIETA COM A FARINHA DA SEMENTE DE LECYTHIS PISONIS SOBRE A GLICEMIA E PERFIL LIPÍDICO DE RATOS DIABÉTICOS RESUMO EXPANDIDO EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO DA DIETA COM A FARINHA DA SEMENTE DE LECYTHIS PISONIS SOBRE A GLICEMIA E PERFIL LIPÍDICO DE RATOS DIABÉTICOS Thiago Mendes Barbosa (bolsista PIBIC CNPq); Ágatha

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal

Leia mais

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP.

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Gabriela Preturlan Capitani Anna Paula Romero Mariana Braga Falcão Giovanna Cardia Caserta Marcelo Silva Soares²

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

COLESTEROL DEFINIÇÃO

COLESTEROL DEFINIÇÃO COLESTEROL DEFINIÇÃO Colesterol é um esterol (álcool) que pode ser encontrado nas membranas celulares sendo transportado no plasma ligado à proteínas, pois é insolúvel em água e, conseqüentemente, insolúvel

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

O CENÁRIO As 3 Epidemias: Aterosclerose. Depressão. Neurose

O CENÁRIO As 3 Epidemias: Aterosclerose. Depressão. Neurose O CENÁRIO As 3 Epidemias: Aterosclerose Depressão Neurose A A maior doença a hoje, não é a lepra ou a tuberculose, mas a sensação de abandono, de não ser amado. Madre Tereza de Calcutá Infarto Agudo do

Leia mais

Valor nutricional da carne

Valor nutricional da carne Composição do tecido muscular Valor nutricional da carne Espécie Água % Proteína % Lipídios % Cinzas % Bovinos 70-73 20-22 4-8 1 Suínos 68-70 19-20 9-11 1,4 Ana Maria Bridi Departamento de Zootecnia Universidade

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

NEUROGENE Laboratório de Genética Humana

NEUROGENE Laboratório de Genética Humana NEUROGENE Laboratório de Genética Humana Informativo Técnico 06/2009 ANÁLISE GENÉTICA COMBINADA DO ANGIOTENSINOGÊNIO E ÓXIDO NÍTRICO ENDOTELIAL PARA AVALIAR A PREDISPOSIÇÃO À HIPERTENSÃO ARTERIAL Consideráveis

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi Conceito: processo orgânico que envolve ingestão, digestão, absorção, transporte e eliminação das substâncias alimentares para a manutenção de funções, a formação e regeneração

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração

Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração Estes ácidos graxos também combatem a depressão, o diabetes e a obesidade Arenque é o peixe mais rico em ômega 3. Esses ácidos graxos são chamados de essenciais,

Leia mais

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais;

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Lipídios Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Eles compartilham a característica de apresentarem baixa solubilidade em água sendo solúveis em

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Ms. Jacqueline Queiroz Silveira Nutricionista e Doutoranda Faculdade de Ciências Farmacêuticas - UNESP Araraquara

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Julia Hoçoya Sassaki

Julia Hoçoya Sassaki Certifico e dou fé, para os devidos fins, que nesta data me foi apresentado um documento em idioma japonês, com a seguinte identificação: ARTIGO, o qual traduzo para o vernáculo, no seguinte teor: Coletânea

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

Hiperglicemia pós prandial e suas complicações

Hiperglicemia pós prandial e suas complicações Hiperglicemia pós prandial e suas complicações O diabetes mellitus é uma síndrome clínica heterogênea, caracterizada por anormalidades endócrino-metabólicas, que tem como elementos fundamentais deficiência

Leia mais

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição Nutrição Normal: Carboidratos Daniela Saes Sartorelli Histórico Principal fonte de energia utilizada pelos seres vivos. Seres

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL O QUE É ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? Qualidade e quantidades adequadas de alimentos que proporcionam os nutrientes necessários ao organismo PRINCÍPIOS PIOS E CARACTERÍSTICAS Variada Colorida

Leia mais

Ingredientes: Óleo de castanha do pará e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de castanha do pará e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0093.001-2 Concentração: 1000 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas envelopadas.

Leia mais

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o DISLIPIDEMIA Introdução Dislipidemias, também chamadas de hiperlipidêmicas, referem-se ao aumento dos lipídios no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos. O colesterol é uma substância

Leia mais

Diabetes e a relação com as doenças periodontais

Diabetes e a relação com as doenças periodontais Diabetes e a relação com as doenças periodontais Na clínica diária, cirurgiões-dentistas devem estar atentos e orientar pacientes portadores de diabetes sobre a importância da saúde bucal para o controle

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Coração Saudável! melhor dele?

Coração Saudável! melhor dele? As doenças cardiovasculares (DCV s) - incluem as doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral (AVC) também conhecido como derrame afetam pessoas de todas as idades, até mesmo mulheres e crianças.

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

Colesterol. Você pode verificar os rótulos nutricionais (como este de uma lata de atum) para obter informações sobre o colesterol

Colesterol. Você pode verificar os rótulos nutricionais (como este de uma lata de atum) para obter informações sobre o colesterol Colesterol Fonte: http://hsw.uol.com.br/ Introdução Segundo a Associação Americana do Coração (em inglês), altos níveis de colesterol são fatores de risco para doenças do coração, principal motivo de mortes

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose Informações Técnicas INULINA Fibra alimentar CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose INTRODUÇÃO A inulina é um nutriente funcional ou nutracêutico, composto por frutose, encontrado

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde 15 Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde Erika da Silva Maciel Licenciatura em Educação Física - Unimep Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida - Unicamp Mestre

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY ISOLATED Proteína Isolada da Soja INTRODUÇÃO A soja é uma planta leguminosa que está na cadeia alimentar há 5 mil anos e tem sido parte essencial da dieta asiática há muitos

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Universidade de Évora Departamento de Química Vânia Pais Aluna do Curso de Mestrado em Química Aplicada SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Com o passar dos anos, o aumento da

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

ÓLEO DE CHIA REGISTRO:

ÓLEO DE CHIA REGISTRO: Ficha técnica ÓLEO DE CHIA REGISTRO: Registro no M.S. nº 6.5204.0100.001-9 CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171286926 EMBALAGEM: Plástica, metálica e vidro. APRESENTAÇÃO COMERCIALIZADA: Embalagem de lata metálica

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO PROJETO DE LEI Nº. 253 / 2014 Dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de equipamentos de Ionização de água potável em Unidades de Tratamento de doenças degenerativas da Rede Pública Municipal e de Organizações

Leia mais

ALIMENTOS FUNCIONAIS NA REDUÇÃO DOS RISCOS DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES

ALIMENTOS FUNCIONAIS NA REDUÇÃO DOS RISCOS DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES ALIMENTOS FUNCIONAIS NA REDUÇÃO DOS RISCOS DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES SIAN, N.C.; LOURIVAL, N. B. S. RESUMO As doenças cardiovasculares (DCV) são responsáveis por um terço das mortes em todo o mundo.

Leia mais

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 Matias Nunes Frizzo 2, Paula Caitano Fontela 3, Eliane Roseli Winkelmann 4. 1 Pesquisa realizada no Departamento de Ciências da Vida - Curso de Farmácia

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS

Leia mais