1 - Características Gerais do Sistema Atendimento com Energia Elétrica Localização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 - Características Gerais do Sistema 1.1 - Atendimento com Energia Elétrica 1.2 - Localização"

Transcrição

1

2 ATUALIZADAS AS PÁGINAS 20, 22, 25, 31 E 38 EM DECORRÊNCIA DE SIMULAÇÃO ATRAVÉS DO SOFTWARE ANAFIN. O RESTANTE DO PROJETO PERMANECE INALTERADO, INCLUINDO CUSTO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DA USINA; O&M FIXO E VARIÁVEL. 2

3 1 - Características Gerais do Sistema Atendimento com Energia Elétrica Localização Previsão de Interligação ao Sistema Interligado Nacional - SIN Mercado Consumidor Localidades Atendidas Características Climáticas Condições Atuais de Atendimento Parque Gerador Prazo de Vigência das Obrigações Contratuais Rede de Distribuição Suprimento de Óleo Diesel Consumo de Óleo Diesel Mercado e Carga Própria Custos de Operação, Manutenção e Serviços Energia Elétrica e Potência Necessárias para o Atendimento do Mercado Balanço de Energia Balanço de Demanda Planejamento do Atendimento do Mercado Consumidor do Sistema Isolado de Oiapoque 2013/ Valores Mensais de Carga Própria de Energia e Demanda Concepção Técnica do Atendimento Projeto de Referência 17 I - Objeto de Contratação 17 II - Ponto de Recebimento da Energia e Potência Associadas 18 III - Montantes de Energia e Potência Necessários para o Atendimento ao Mercado 18 IV - Capacidade Efetiva Inicial do Sistema Isolado de Oiapoque 18 V - Projeção da Ampliação da Capacidade Instalada 19 VI - Prazo de Vigência das Obrigações Contratuais 19 VII - Fonte Energética 20 VIII - Orçamentos 20 3

4 IX - Cronograma Estimado de Implantação do Projeto 22 X - Preço de Referência e Receita Fixa Anual 23 XI - Tancagem da Usina do Sistema Isolado de Oiapoque 26 XII - Mapa de Logística de Distribuição de Combustível 28 XIII - Localização Geográfica dos Mercados Isolados 29 XIV - Custo Variável Unitário Total CVU TOTAL Documentação e Contatos Endereço para Correspondência 33 ANEXO I - Balanço de Energia x Demanda Projetada x Fator de Carga x Fator de Utilização Capacidade Instalada no Sistema Isolado de Oiapoque 34 ANEXO II - Orçamento previsto para implantação da UTE de Oiapoque e seu custo de ampliação ao longo do período 2013 a 2027 ANEXO III - ANEXO III - Balanço de Energia x Demanda Projetada x Fator de Carga x Fator de Utilização Capacidade Instalada no Sistema Isolado de Oiapoque - PRIMEIRO ANO DE OPERAÇÃO DA UTE OIAPOQUE NOVEMBRO/2013 A OUTUBRO/2014 ANEXO IV - Preço de Referência de Combustível para a Localidade de Oiapoque 03/07/ Dados Transcritos do Site ANEXO V Simulação através do ANAFIN 39 ANEXO VI Orçamento para 02 alimentadores em rede compacta de 500 metros 40 ANEXO VII PREMISSAS E PARÂMETROS UTILIZADOS NA SIMULAÇÃO ANAFIN

5 PLANEJAMENTO INDICATIVO DO ATENDIMENTO DO MERCADO DO SISTEMA ISOLADO DE OIAPOQUE-CLEVELÂNDIA O presente documento tem por objetivo apresentar o planejamento do atendimento do mercado consumidor do Sistema Isolado de Oiapoque bem como o Projeto de Referência para o seu atendimento à Empresa de Pesquisa Energética - EPE para realização de estudos de análise técnica, em atendimento à Lei nº , de 09 de dezembro de 2009; à Portaria MME nº 600, de 30 de junho de 2010; o Decreto nº 7.246, de 28 de julho de 2010 e à Portaria MME nº 493, de 23 de agosto de 2011, que dispõem sobre o serviço de energia elétrica dos Sistemas Isolados. Também dispõe de informações necessárias para embasar uma licitação para contratação de produtor independente de energia, na modalidade disponibilidade de potência, para atendimento ao mercado consumidor da localidade de Oiapoque, situado na área de concessão da Companhia de Eletricidade do Amapá - CEA, após outubro de Características Gerais do Sistema Nos tópicos a seguir apresentaremos o Sistema Isolado de Oiapoque- Clevelândia segundo as suas principais particularidades Atendimento com Energia Elétrica O Sistema Isolado de Oiapoque-Clevelândia é atendido através da UTE- Oiapoque, estando em operação desde julho de 1978, sendo que: a) A área onde está instalado o parque gerador da UTE Oiapoque não é de propriedade da CEA, portanto não há possibilidade de uso deste local pelo futuro vencedor do leilão, exceto se o vencedor do certame licitatório adquirir a área de seus proprietários; b) Toda a infraestrutura instalada no local, como por exemplo, os tanques de armazenamento de combustível, o prédio da usina, equipamentos de escritório, mesas, armários, materiais de expediente, a subestação, os ramais elétricos são de propriedade da CEA, exceto os grupos geradores operantes no local, descrito na tabela 2, que são de propriedade da empresa contratada Soenergy que mantém com a CEA contrato de aluguel de máquinas, sendo de sua responsabilidade a 5

6 realização de manutenção preventiva periódica segundo seu cronograma técnico de inspeção e manutenção corretiva quando o caso requer. Portanto, a CEA não dispõe de unidades geradoras em operação neste parque gerador. c) Muito embora a usina térmica de Oiapoque não possua licenciamento ambiental prévio e nem o definitivo, seu processo de legalização está em andamento junto ao IMAP Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial, o qual realiza vistorias técnicas periódicas na UTE e constata que este parque opera de acordo com as exigências da legislação ambiental; d) A condição atual da usina existente é considerada satisfatória, considerando a execução das melhorias e correções das não conformidades apontadas em relatório de fiscalização periódica realizado por técnicos da Eletrobrás. e) Este parque térmico gera energia elétrica utilizando óleo diesel como combustível e seu regime de funcionamento é de 24 horas por dia Localização A geração de energia deste sistema está situada na localidade de Oiapoque, sede do município de Oiapoque, região norte do município, e extremo norte do Estado do Amapá, distante cerca de 550 Km da capital do Estado Previsão de Interligação ao Sistema Interligado Nacional - SIN de planejamento. A interligação do sistema Oiapoque ao SIN não está definida nos estudos Mercado Consumidor O sistema Oiapoque atende um mercado predominantemente urbano, com estrutura eminentemente residencial. Destaca-se também a classe comercial que ganha participação em função da economia local, em expansão decorrente das relações de comércio informal na área de fronteira com a Guiana Francesa, em conseqüência da circulação euro, sua moeda. Esse fator econômico foi o grande responsável pelas altas taxas de crescimento deste mercado consumidor de energia elétrica tendo, no período de 2000 a 2010, crescido de para MWh, de energia consumida, respectivamente, representando crescimento médio da ordem 6

7 de 12,35% ao ano. Recentemente, motivado também por razões cambiais, este crescimento desacelerou-se, tendo sido registrado apenas um acréscimo de 4,42% do ano de 2011 em relação a A Tabela 1, abaixo, apresenta alguns índices e indicadores do sistema Oiapoque, com referência ao ano de Tabela 1 Indicadores de Mercado e Atendimento Indicador Índice Valor Participação Residencial % 49,27 Consumo Médio Residencial Mensal kwh/cons. 212,77 Consumo Comercial/ Residencial % 68,40 Índice de Perdas Totais % 34,05 Taxa de Atendimento % 58,61 Fator de Carga - 68,64 DEC - 131,3 FEC - 138, Localidades Atendidas Este sistema atende os consumidores das localidades de Oiapoque, Clevelândia e Aldeia do Manga, todas situadas no município de Oiapoque Características Climáticas O clima da região é equatorial quente úmido, com temperatura mínima de 22ºC e máxima de 34ºC. O período chuvoso predomina entre os meses de dezembro a agosto, com precipitação média anual de mm. A estação seca vai de setembro a dezembro, mês em que se verificam temperaturas mais altas. Nesse período ocorre a maior demanda de energia anual, quase sempre no mês de novembro. 2 - Condições Atuais de Atendimento Parque Gerador Atualmente, o Sistema Oiapoque é atendido pela UTE-Oiapoque, que gera energia elétrica utilizando como combustível o óleo diesel. Esta usina termoelétrica conta com cinco unidades geradoras Caterpillar, sendo duas de kva; duas de kva e uma de kva, totalizando kva de potência instalada, conforme apresentado na Tabela 2. Em março/2013 será instalada a 6ª 7

8 unidade de 2.281, passando a capacidade da UTE para kva de potência instalada, conforme apresentado na Tabela 3. Nº Tabela 2 - Parque Gerador da UTE-Oiapoque - Configuração a ser mantida até fevereiro/2013 Identificação do Grupo Gerador Potência* Motor Gerador Instalada 1 Efetiva 2 Disponível 3 Marca Tipo Marca Tipo KVA kw kw Propriedade 01 Caterpillar 3516 A Caterpillar SR RB Soenergy 02 Caterpillar 3516 B Caterpillar SR RB Soenergy 03 Caterpillar 3516 B Caterpillar SR RB Soenergy 04 Caterpillar 3516 A Caterpillar SR RB Soenergy 05 Caterpillar 3512 A Caterpillar SR RB Soenergy Nº TOTAL Tabela 3 - Parque Gerador da UTE-Oiapoque - Configuração de março/2013 a outubro/2013 Identificação do Grupo Gerador Potência* Motor Gerador Instalada 1 Efetiva 2 Disponível 3 Marca Tipo Marca Tipo KVA kw kw Propriedade 01 Caterpillar 3516 A Caterpillar SR RB Soenergy 02 Caterpillar 3516 B Caterpillar SR RB Soenergy 03 Caterpillar 3516 B Caterpillar SR RB Soenergy 04 Caterpillar 3516 A Caterpillar SR RB Soenergy 05 Caterpillar 3512 A Caterpillar SR RB Soenergy 06 Caterpillar 3516 B Caterpillar SR RB Soenergy TOTAL *Observação: Para as tabelas 2 e 3: 1Potência instalada: É a potência medida em kva, que identifica a referência de Volt/Amperes do gerador. Esta potência está incluída entre os dados de placa do gerador. 2Potência efetiva: É a demanda máxima (potência ativa) identificada por kw e é a potência máxima do gerador estimada pelo fabricante. 3Potência disponível: É a demanda máxima (potência ativa) kw, dimencionado pelo fabricante para uso em carga diária por cada unidade geradora Prazo de Vigência das Obrigações Contratuais As unidades geradoras instaladas na UTE-Oiapoque são alugadas da empresa SOENERGY - Sistemas Internacionais de Energia S.A., através do Contrato nº 062/2005-ASJUR/CEA, de 28 de outubro de 2005, com vigência até o dia 31 de outubro de

9 2.3 - Rede de Distribuição A rede de distribuição do município de Oiapoque vem crescendo como forma de acompanhar as elevadas taxas de crescimento experimentado pela economia local em função, principalmente, dos efeitos cambiais da economia de fronteira existente com a Guina Francesa. Podemos representar a evolução da rede de distribuição em 13,8 KV pela evolução da energia de carga própria, que, nos últimos 10 (dez) anos, experimentou crescimento da ordem de 12,7% ao ano. A ampliação da rede de distribuição continuará sendo realizada, por um lado, acompanhando as particulares condições de crescimento da cidade de Oiapoque e do crescimento vegetativo, como forma de atender as metas de universalização, com conseqüente melhoria na taxa de atendimento urbano; e por outro lado através das obras do Programa Luz Para Todos, com conclusão prevista para o final do ano de Esse programa atenderá cerca de consumidores residenciais e 120 consumidores de outras classes, em pequenas localidades e aldeias indígenas situadas na área de influência do sistema Oiapoque. As principais cargas a serem ligadas serão as das localidades de Vila Velha do Cassiporé, Vila Tapereba, e as aldeias Kumarumã, Galibi, Ariramba. A carga de demanda é estimada em 900 kw Suprimento de Óleo Diesel O suprimento de óleo diesel é realizado normalmente por via terrestre em caminhões através da BR-156, com deslocamento de aproximadamente 550 Km desde a base de abastecimento localizada na cidade de Santana-AP, e tempo máximo de atendimento estimado em 04 (quatro) dias. Em situação de contingência esse suprimento pode ser realizado através de transporte marítimo, através de balsa, com abastecimento na base de Miramar em Belém-PA, com tempo de atendimento estimado em 10 (dez) dias. 9

10 2.5 - Consumo de Óleo Diesel Informações de consumo de óleo diesel, energia gerada, e consumo específico do sistema isolado Oiapoque são apresentadas na Tabela 4, sendo valores realizados nos anos de 2007 a Tabela 4 - Consumo de Óleo Diesel e Energia Gerada, no período de 2007 a 2011 DESCRIÇÃO UNID Energia Gerada MWh Consumo de Óleo Diesel 10³ Litros Consumo Específico L/KWh 0,293 0,284 0,285 0,290 0, Mercado e Carga Própria Informações relativas ao mercado e à carga de energia elétrica, realizadas no ano de 2011 e previstas para o período de 2012 a 2028 estão apresentadas no arquivo CEA_Oiapoque-Clevelândia.xls. O mercado de energia por classe, sua estrutura de participação e variação anual são apresentados na Tabela 5, com valores realizados nos anos de 2010 e Tabela 5 - Estrutura de CONSUMO do Sistema Oiapoque CLASSE Var.2011/2010 MWh Part. % MWh Part. % (%) Residencial , ,27 3,51 Industrial 130 0, ,72 5,38 Comercial , ,70 2,63 Rural 17 0, ,08-5,88 Poder Público , ,81-1,06 Iluminação Pública 375 2, ,97 0,00 Serviço Público 156 0, ,09 32,69 Próprio 161 0, ,36 179,50 TOTAL , ,00 4,42 A Tabela 6 apresenta a evolução dos montantes da energia requerida e do consumo de energia do ano de 2011 em relação ao ano de 2010, revelando um crescimento da energia gerada da ordem de 3,23%, e aumento da energia consumida de 4,42%, com conseqüente redução das perdas, em termos percentuais de 34,81% para 34,05% 10

11 Tabela 6 ENERGIA REQUERIDA = ENERGIA CONSUMIDA + PERDAS CLASSE Var.2011/2010 MWh Part. % MWh Part. % (%) Total de Energia Consumida , ,95 4,42 Total de Perdas , ,05 0,99 ENERGIA REQUERIDA , ,0 3,23 O número de consumidores por classe de consumo e sua variação no período é apresentado na Tabela 7. Tabela 7 - Número de Consumidores por Classe de Consumo do Sistema Oiapoque CLASSE Var. % Residencial ,1 Industrial ,1 Comercial ,2 Rural 7 7 0,0 Poder Público ,3 Iluminação Pública 4 4 0,0 Serviço Público 2 2 0,0 Próprio 2 2 0,0 TOTAL ,9 A carga própria de energia e demanda do sistema Oiapoque e sua variação anual são apresentadas na Tabela 8, com valores realizados no ano de 2010 e Tabela 8 - Carga Própria de Energia e Demanda do Sistema Oiapoque CLASSE Var. 2011/2010 (%) Carga Própria de Energia (MWh) ,2 Carga Própria de Demanda (MW) , Custos de Operação, Manutenção e Serviços A Tabela 9 descreve os custos de geração para a UTE de Oiapoque, tanto para o exercício 2010 quanto para Tabela 9 Custo de Geração UTE Oiapoque DESCRIÇÃO JANEIRO/DEZEMBRO-2010 JANEIRO/DEZEMBRO-2011 Pessoal , ,37 Material , ,39 11

12 Equivalente Hidráulico , ,41 Óleo CCC , ,80 Serviços , ,00 Seguros Pessoal , ,65 Arrendamentos , ,86 Diárias 8 770, ,00 Outros ,00 Depreciação , ,52 Custos sem CCC , ,68 Total , ,00 Nota: 1Pessoal: A CEA dispõe de operadores de usinas encarregados do despacho de geração, supervisores de equipe de seu próprio quadro de pessoal que desempenham suas atividades na UTE de Oiapoque. O valor de R$ ,92 corresponde a pagamentos de salários desse pessoal em 2010 e de R$ ,37, em Material: Despesas efetuadas pela CEA com aquisição de materiais de escritório, materiais e produtos de limpeza para a UTE de Oiapoque. 3Equivalente Hidráulico: A Tarifa de Energia Hidráulica Equivalente (TEH) é utilizada para compra de parte do combustível utilizado na geração de energia elétrica de usinas térmicas dos Sistemas Isolados. Ela reflete o valor da energia produzida por usinas hidrelétricas que poderia substituir a energia de termelétricas, caso os Sistemas Isolados fossem interligados às demais regiões do País por linhas de transmissão. O custo da TEH é pago pelas distribuidoras e repassado às tarifas dos consumidores atendidos nos Sistemas Isolados. A parte do custo de aquisição de combustíveis para geração de energia por térmicas dos Sistemas Isolados não garantida pela TEH é coberta pela Conta de Consumo de Combustíveis (CCC). 4Óleo CCC: Despesas realizadas pela CEA referentes ao rateio CCC. 5Serviços: Despesas efetuadas pela CEA com telefone móvel e fixo, internet e manutenção do imóvel. 6Seguro Pessoal: Despesas efetuadas pela CEA com seguro de pessoal de seu quadro. 7Arrendamentos: Valores correspondentes ao pagamento de locação de unidades geradoras à empresa SOENERGY para geração de energia elétrica na UTE de Oiapoque. No valor do aluguel de tais unidades geradoras já estão contemplados, além do valor do aluguel das próprias unidades geradoras da SOENERGY, os custos adicionais com o pessoal de manutenção da SOENERGY; peças para realização da manutenção das unidades geradoras sob responsabilidade da SOENERGY como filtros, óleo lubrificantes e outros custos como seguro pessoal e diárias. Ressalta-se que, todos esses custos adicionais aqui referidos são de responsabilidade da SOENERGY. A tarifa de energia elétrica praticada entre CEA/SOENERGY, no período de janeiro a dezembro de 2010, foi de R$ 140,00 R$/MWh; no período de janeiro a abril de 2011, foi de R$ 125,00 R$/MWh; e, de maio a dezembro de 2011, foi de R$ 120,00 R$/MWh. Esta redução de tarifa explica a redução de valores com despesas de arrendamento de unidades geradoras. 8Diárias: Despesas realizadas pela CEA através de pagamento de diárias para os funcionários de seu quadro de pessoal, para se deslocar de Oiapoque para Macapá ou de Macapá para Oiapoque, para participarem de reuniões e treinamentos ou para atender convocação de diretoria. 9Outros: Pagamentos realizados pela CEA para contratação de mão de obra para efetuar limpeza da área da UTE de Oiapoque. 10Depreciação: Despesa econômica realizada pela CEA referente à depreciação de equipamentos de escritório, mesas, arquivos, computadores, impressoras e máquinas de sua propriedade que estão instaladas no local porém, inoperantes. 11Custo sem CCC: Custo referente à pessoal, material, equivalente hidráulico, serviços, seguro pessoal, arrendamentos, diárias e outros. Tabela 10 Custo de Geração por Energia Gerada UTE Oiapoque CUSTOS DE GERAÇÃO UNID JANEIRO/DEZEMBRO2010 JANEIRO/DEZEMBRO2011 Custo de arrendamentos por energia gerada R$/MWh 140,00 121,54 Custos de geração sem CCC por energia gerada R$/MWh 192,86 185,96 Custo total de geração por energia gerada R$/MWh 748,58 887,46 12

13 A tabela 10 informa que no período de janeiro a dezembro de 2010 o custo total de geração foi de R$ 748,58 R$/MWh, no qual o custo com arrendamentos representou o percentual de 18,70% desse total. O custo de geração sem CCC representou apenas o percentual de 25,76% do total dos custos com geração. Na mesma tabela, para o período de janeiro a dezembro de 2011 o custo total de geração está em R$ 887,46 R$/MWh, no qual o custo com arrendamentos representou o percentual de 13,70% desse total. Já o custo de geração sem CCC representou o percentual de 20,95% do total dos custos de geração. 3 - Energia Elétrica e Potência Necessárias para o Atendimento do Mercado A Tabela 11 apresenta os valores de energia elétrica gerada e demanda máxima realizados no ano de 2010 e 2011 e, previstos para os anos de 2012 a 2027, no sistema isolado de Oiapoque. Tabela 11 - Valores de energia elétrica gerada e demanda máxima realizados e previstos ANO Energia Requerida (MWh) Energia Requerida - MW Médio (MWh/h) Demanda Requerida (kw) , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

14 3.1 - Balanço de Energia O balanço de energia é apresentado na Tabela 12, representando de forma simplificada as informações contidas no arquivo OFERTA-CEA_Oiapoque- Clevelândia.xls. Destaca-se neste balanço a situação de término do contrato de aluguel de unidades geradoras em 31 de outubro de Tabela 12 Balanço de Energia do Sistema Oiapoque, em MWh Período Requisito de Carga Geração Térmica Balanço jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ (3.100) dez/ (3.030) Ano (38.600) Ano (42.600) Ano (46.100) Ano (49.400) Ano (52.700) Ano (56.300) Ano (60.000) Ano (63.600) Ano (67.300) Ano (78.140) Ano (82.880) Ano (87.750) Ano (92.740) Ano (97.830) 14

15 3.2 - Balanço de Demanda O balanço de demanda é apresentado na Tabela 13, representando de forma simplificada as informações contidas no arquivo OFERTA-CEA_Oiapoque- Clevelândia.xls Destaca-se neste balanço a situação de término do contrato de aluguel de unidades geradoras em 31 de outubro de Período Tabela 13 Balanço de Demanda do Sistema Oiapoque, em KW Requisito de Carga Geração Térmica Reserva Balanço Saldo Recurso Bruto Restrições (*) com Reserva jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ Ano Ano Ano Ano Ano Ano Ano Ano Ano Ano Ano Ano Ano Ano (*) Maior Máquina 15

16 4 - Planejamento do Atendimento do Mercado Consumidor do Sistema Isolado de Oiapoque 2013/2027 A seguir apresentamos proposta e indicativos para o atendimento ao sistema isolado de Oiapoque-Clevelândia, segundo o horizonte 2013/2027. Este período inicia-se com o encerramento do atual contrato de aluguel de unidades geradoras, dia 31 de outubro de Valores Mensais de Carga Própria de Energia e Demanda As Tabelas 12 e 13, vistas anteriormente, apresentam o balanço de energia do sistema Oiapoque, em MWh, e o seu balanço de demanda, em KW, para os meses de janeiro/2012 a dezembro/2013 e para os anos de 2014 a A Tabela 14 apresenta os valores anuais de carga de energia e demanda requeridas pelo sistema Oiapoque, para os anos de 2012 a Tabela 14 - Valores anuais de energia elétrica gerada e demanda máxima ANO Energia Requerida (MWh) Demanda Requerida (kw)

17 4.2- Concepção Técnica do Atendimento Recomenda-se que o atendimento ao sistema Oiapoque, no período após 31/10/2013, seja realizado través de usina térmica, utilizando óleo diesel como combustível para geração de energia elétrica. 5 Projeto de Referência usina térmica. O atendimento ao mercado do sistema Oiapoque será feito através de I - Objeto de Contratação Contratação de produtor independente de energia elétrica (PIE), na modalidade disponibilidade de potência, para suprimento de energia elétrica ao mercado do sistema isolado de Oiapoque, conforme Figura 1, deste documento. Será de inteira responsabilidade do Produtor Independente de Energia PIE, fornecer, dentre outros, o terreno, a obtenção das licenças ambientais, todos os equipamentos de geração, sistemas auxiliares, equipamentos de proteção, medição, controle e monitoramento de grandezas elétricas, conexão ao sistema de distribuição, aumento da capacidade de tancagem, necessários à perfeita operação da usina termelétrica objeto da contratação. Além disso, será também de responsabilidade do PIE o projeto, as especificação de todos os equipamentos e materiais, o transporte, a construção e montagem, o comissionamento e testes, e a operação e manutenção da usina por todo o período contratual. Todos os equipamentos a serem instalados na usina deverão estar em ótimas condições operacionais. Será de inteira responsabilidade do PIE, o suprimento bem como manutenção do estoque de combustível na usina, de forma a atender a logística do suprimento e a energia a ser produzida. O Fator de Utilização da Capacidade Instalada da usina deverá ser dimensionado pelo Produtor Independente de Energia PIE, de tal forma que a capacidade instalada da mesma atenda simultaneamente às seguintes condições: a) Os montantes de energia e demanda crescentes até 2018 e então tornados fixos iguais àqueles de 2018 até o final do contrato; b) O critério de reserva de 5 % (cinco por cento) da demanda prevista pelo mercado da Distribuidora; 17

18 c) A indisponibilidade de uma unidade geradora que seja a de maior capacidade; e d) Um Fator de Utilização da Capacidade Instalada, definida pela relação entre a demanda requerida (demanda prevista majorada de 5%) e a capacidade efetiva total instalada da usina (soma da capacidade de todas as unidades, incluindo a de reserva), até 80%. II - Ponto de Recebimento da Energia e Potência Associadas A conexão da futura contratada com o sistema de distribuição da Companhia de Eletricidade do Amapá dar-se-á em barramento existente de 13,8 kv da UTE-Oiapoque, de coordenadas geográficas: latitude 3º51 20 S e longitude -51º49 27" W; situada na localidade de Oiapoque, sede do município de Oiapoque, Estado do Amapá. Todos os equipamentos de proteção, medição, controle e monitoramento de grandezas elétricas e de consumo de combustível, deverão ser instalados pela futura Contratada, às suas expensas, em conformidade com as normas, padrões estabelecidos pelo órgão regulador, Companhia de Eletricidade do Amapá - CEA e com os Procedimentos de Distribuição PRODIST, em seu Módulo 3. III - Montantes de Energia e Potência Necessários para o Atendimento ao Mercado A tabela 14, vista anteriormente, apresenta os valores anuais de carga de energia e demanda requeridas pelo sistema isolado de Oiapoque, para os anos de 2013 a 2027, sendo que, para efeito de contratação, deverão ser atendidos os montantes de energia e demanda crescentes até 2018 e então tornados fixos iguais àqueles de 2018 até o final do contrato. Em 2018, os acréscimos de mercado previstos para o segundo quinquênio seriam atendidos por um outro contrato advindo de um novo processo concorrencial e assim sucessivamente a cada novo quinquênio. IV - Capacidade Efetiva Inicial do Sistema Isolado de Oiapoque Sob a premissa de não menos que 02 (duas) unidades geradoras instalada no sistema isolado de Oiapoque, bem como na premissa da potência de unidade geradora escolhida, o dimensionamento mínimo requerido da capacidade instalada no primeiro ano de vigência do contrato (novembro/2013) para o referido sistema isolado deste projeto de referência está indicado na Tabela 15, a seguir: Tabela 15 Dimensionamento da Usina do Sistema Isolado de Oiapoque - Início de operação CAPACIDADE INSTALADA DO SISTEMA ISOLADO DE OIAPOQUE EM NOVEMBRO/2013 Item Mercado Isolado Potência Unitária (kw) Quantidade de Unidade Geradora Capacidade Inicial Instalada (kw) 01 Oiapoque

19 V - Projeção da Ampliação da Capacidade Instalada No Anexo I está apresentado, para o sistema isolado de Oiapoque, balanço de potência para o horizonte de 15 (quinze) anos e projeção de evolução da capacidade instalada da respectiva usina, para garantir o atendimento das demandas máximas anuais atualmente previstas informadas na tabela 14 e os critérios de reserva de capacidade definidos no item I - Objeto de Contratação, sob premissa de utilização de mesma potência unitária em todas as unidades geradoras ao longo da vigência do contrato. Tal como a instalação da capacidade inicial dos sistemas isolados, será de inteira responsabilidade do PIE o fornecimento, a instalação, a operação e a manutenção das unidades geradoras adicionais para atender a evolução da demanda, bem como o aumento da capacidade de tancagem da usina, prevista na Tabela 23. O Anexo II detalha a projeção da ampliação do parque gerador e seus custos para aquele ano previsto para a realização de tais serviços, os quais devem estar conclusos até setembro do respectivo ano. A Capacidade Instalada (em kw) é uma proposta para fins de referência e orçamento. O PIE vencedor da licitação deverá definir, a seu critério, a potência instalada desta usina, desde que atenda aos critérios acima estabelecidos, bem como a energia e demanda. VI - Prazo de Vigência das Obrigações Contratuais O prazo de vigência das contratações resultantes dos leilões a ser realizado pela ANEEL, em conformidade com os ditames da Portaria nº 600/2010, de 30/06/2010, e do Decreto n 7.246, de 28/07/2010, será de 15 (quinze) anos, a partir da data de assinatura do contrato, pelo PIE e o prazo de execução do contrato iniciar-se-á no dia 31 de outubro de 2013, data essa em que o PIE deverá estar com todas as instalações já comissionadas e aptas a operar. 19

20 VII - Fonte Energética Recomenda-se que o atendimento ao sistema Oiapoque, para o período referido no item acima, seja realizado través de usina térmica, utilizando como fonte energética proposta o óleo diesel B5S1800, estabelecido pela Resolução ANP nº 42, de 16 de dezembro de 2009, ou outra que o venha a substituir. VIII Orçamentos Para a composição orçamentária dos custos inerentes à implantação do projeto de referência para atendimento ao sistema isolado de Oiapoque, localizado na área de concessão da Companhia de Eletricidade do Amapá - CEA, foram efetuadas pesquisas junto a algumas empresas com experiência em implantação de usinas termoelétricas na região Norte do Brasil, resultando no orçamento indicado na Tabela 16, a seguir, ressalvado que, para os custos de conexão/redes, utilizou-se a premissa da usina térmica localizada num raio de 500 metros do barramento da Distribuidora. O Anexo II apresenta os custos para as ampliações do parque gerador da UTE de Oiapoque a serem realizadas ao longo do período 2013 a 2018, bem como em sua última coluna, o custo total do empreendimento para o horizonte de planejamento. 20

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:3.7 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

Março 2007 DT 001_REV 01

Março 2007 DT 001_REV 01 Março 2007 DT 001_REV 01 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 CONCEITO BÁSICO SOBRE TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA... 2.1 Classes e subclasses de consumo... 2.2 Componentes das Tarifas de Energia Elétrica... 3 ESTRUTURA

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

Nota Técnica n o 062/2012-SRG/ANEEL. Em 28 de agosto de 2012.

Nota Técnica n o 062/2012-SRG/ANEEL. Em 28 de agosto de 2012. Nota Técnica n o 062/2012-SRG/ANEEL Em 28 de agosto de 2012. Processo: 48500.004046/2012-35 Assunto: Conta CCC - Equalização de estoques e consumo específico, nos períodos: 1999 a 2005 e 2006 a 2011. I.

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE)

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Visita à UTE PecémI 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG PROGRAMA LUZ PARA TODOS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG PROGRAMA LUZ PARA TODOS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG PROGRAMA LUZ PARA TODOS 1 Agenda A Distribuição de energia elétrica na Cemig Universalização Programa Luz Para Todos Descrição Metas Cronograma Orçamento e estrutura

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa II Conferência RELOP Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa AES SUL - Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica da Região Sul do Brasil Estratégias Empresariais:

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA Este boletim aborda o acompanhamento da expansão da oferta de energia elétrica no Brasil, realizado pela equipe de fiscalização dos serviços de geração da ANEEL, e apresenta os principais resultados observados

Leia mais

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica 57 9 Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica Neste capítulo será apresentada a metodologia utilizada para análise

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à Companhia

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 9: Concessionárias de Transmissão S u b m ó d u l o 9. 8 M e t o d o l o g i a d e c á l c u l o de p r e ç o t e t o d a R e c e

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA TABELA REFERÊNCIA DE PREÇOS 1. DIMENSIONAMENTO DE CUSTOS DE OBRAS E INSTALAÇÕES DA GARAGEM Par0a o dimensionamento dos custos de Obras e Instalações de Garagem foram adotados os seguintes parâmetros baseados

Leia mais

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010 Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética Novembro/2010 Portfólio balanceado de ativos, com localização estratégica Capacidade instalada de 6.469,1 MW em 21 usinas operadas pela Companhia:

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 1 2 3 Motivo da Revisão

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS ILUMEXPO 2015 4ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada / Junho 2015 IBAM, MUNICÍPIO E

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 114, DE 20 DE MARÇO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 Nota Técnica n 253/2014-SRE/ANEEL Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. VOTO PROCESSO: 48500.005606/2014-31. INTERESSADO: Floraplac MDF Ltda. - Floraplac RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. ASSUNTO:

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL Diego Luís Brancher Especialista em Regulação Chapecó/SC 27/11/2014 PROGRAMA 1.BANDEIRAS TARIFÁRIAS DÚVIDAS 2.TARIFA BRANCA DÚVIDAS 2 BANDEIRAS TARIFÁRIAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO IX Referente ao Edital de Pregão Presencial nº. 002/2015 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 1. DO OBJETO 1.1. O presente pregão tem como objeto a AQUISIÇÃO DE ELETROFERRAGENS, de acordo com as

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

Situação Energética no País

Situação Energética no País Situação Energética no País Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Março de 2014 A situação energética atual Robustez do abastecimento: A segurança de suprimento em 2014 dependerá da hidrologia

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA AGOSTO/96 N 1 O Risco de Déficit de Energia Elétrica no Brasil O setor elétrico brasileiro, que se constituiu no passado em importante vetor

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

ANEXO II. MATERIAIS RDS ( Inclusive mão de obra, tributos e encargos necessários para execução)

ANEXO II. MATERIAIS RDS ( Inclusive mão de obra, tributos e encargos necessários para execução) ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DE CUSTOS PROPONENTE: OBRA: PARQUE DE EVENTOS - ILUMINAÇÃO ( OBRAS DE EXTENSÃO DE REDE, ILUMINAÇÃO PÚBLICA E/OU ADEQUAÇÃO DE REDE ELÉTRICA) LOCAL: RUA ANTÔNIO AUGUSTO MENDES

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

Entenda a Indústria de Energia Elétrica

Entenda a Indústria de Energia Elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 transmissão Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 5 O transporte da energia elétrica:

Leia mais

Relatório Mensal - Dezembro 2012

Relatório Mensal - Dezembro 2012 Fundo de Investimento Imobiliário Europar - FII Relatório Mensal - Dezembro 2012 Comentário Mensal do Gestor do Fundo Durante o mês de dezembro, avançamos nas obras para a compartimentação do imóvel CDA1.

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 2014 TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 POTIGÁS DIRETORIA EXECUTIVA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO Este relatório apresenta a metodologia de cálculo da Tarifa Média da POTIGÁS para o ano de 2014, com base no Contrato

Leia mais

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 Geração e Transmissão S.A. Cemig Geração e Transmissão S.A CNPJ 06.981.176/0001-58 EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 1 ---------- Lucro Líquido A Cemig Geração e Transmissão apresentou, no primeiro semestre

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Energética do Rio Grande

Leia mais

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS 9 1, 3 % 6, 2 % 2, 5 % MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA Fonte Capacidade instalada (status: agosto/2005) Geração (setembro/2004 - agosto/2005)

Leia mais

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar Viabilidade Econômica Aquecimento Solar Sistema Aquecimento Solar - SAS Breve Histórico no Brasil A história do aquecedor solar no Brasil é recente. O primeiro aquecedor solar apareceu no Brasil na década

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais