SEMINÁRIO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA NUCLEAR E SEU FUTURO NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA NUCLEAR E SEU FUTURO NO BRASIL"

Transcrição

1 SEMINÁRIO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA NUCLEAR E SEU FUTURO NO BRASIL 1 FUNDAMENTOS A oferta de energia possui elasticidade elevada, competindo as diversas fontes primárias entre si, o que se demonstra por suas características técnicas ou pela avaliação estatística dos principais países, onde há sensíveis variações na participação de cada fonte, função dos fatores econômicos e estratégicos. A maior parte das energias disponíveis não são consumidas diretamente, demandando formas secundárias para que cheguem até ao público, destacando-se a água transformada em eletricidade e o petróleo refinado em seus diversos derivados, o que torna mais complexa a estrutura da oferta. Também do lado do consumo, há alta elasticidade, não apenas quanto ao tipo de energia, mas igualmente pela competição entre as diversas empresas fornecedoras. Há tendência de monopólio natural nos casos de redes físicas de maior custo, como a da eletricidade e a do gás natural, mas no restante, seja no Brasil ou na maioria dos países, a disputa se da à luz das regras do mercado. A estrutura de preços e tarifas provoca o encaminhamento do consumo para uma ou outra forma de energia, influindo diretamente no perfil de participação dos diversos segmentos. Esta relação multidisciplinar, com alternativas de produção, transformação distribuição e consumo, faz com que o planejamento energético demande um estudo integrado de todas as formas e modos disponíveis, para que se obtenham resultados mais eficazes, em termos nacionais. Deixarse para o mercado a orientação estratégica pode levar a crises muito sérias, como ocorreram em função do cartel dos países árabes ou, na atualidade, quanto ao fornecimento de eletricidade na Califórnia, USA e no que respeita à iminência de racionamento de energia elétrica na região Sudeste/Centro-Oeste do Brasil. 2 HISTÓRICO A atuação do Estado Brasileiro, no que tange aos energéticos, começou na década de 30, sobretudo na eletricidade (Código de Águas) e mais tarde no petróleo (criação do CNP e da PETROBRÁS), com filosofia nitidamente nacionalista. A intervenção estatal e o centralismo dominaram a partir da década de 60 e os resultados podem se dizer excelentes, pois o Brasil conseguiu enfrentar as crises internacionais, desenvolveu novas tecnologias (ex: álcool carburante) e caminhou sempre próximo da auto-suficiência, inclusive no petróleo que há cinquenta anos atrás os geólogos estrangeiros afirmavam inexistir no País. Na década de 60 houve esforço integrado de planejamento, com a realização de macroestudo denominado Matriz Energética Brasileira que, infelizmente, acabou nas prateleiras da burocracia governamental e hoje está completamente obsoleto. Os planos setoriais continuaram a ser efetuados e eram articulados entre si através do Ministério das Minas e Energia e do Conselho Nacional de Energia, de caráter interministerial, por longo espaço de tempo presidido pelo então Vice-Presidente, engenheiro Aureliano Chaves, posteriormente também Ministro. As perdas de sinergia eram reduzidas e a concentração das atividades nas mãos do Estado permitia amplo e eficiente desenvolvimento do campo energético.

2 Com a crise do Estado Brasileiro e a reformulação de seu espaço, inclusive iniciando-se a privatização, deixou de haver planejamento integrado, abandonando o Ministério das Minas e Energia essa função e extinguindo-se o Conselho Nacional de Energia. A PETROBRÁS continua ainda detentora do monopólio em quase todo o seu setor, abrindo alguns espaços na produção e na distribuição, que não levam a esmaecer seu trabalho. A ELETROBRÁS perdeu as funções de planejamento, cedendo-as ao gabinete do Ministério de Minas e Energia que, no entanto, não dispõe de caráter impositivo para sua atuação, dependendo da resposta aleatória dos agentes do mercado. Ainda existem informações concentradas na forma de Balanço Energético, instituído na década de 80 pelo Ministro e engenheiro César Cals, e associadas à Conferência Mundial de Energia. Mesmo assim, são incompletas e desatualizadas, não representando qualquer intenção de planejamento, mas apenas realizando a coleta de dados que podem ser de grande utilidade, mas que carecem de instrumento que os projete para o futuro e recomende as ações a serem adotadas pela Sociedade Brasileira. 3 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ANTECEDENTES No Brasil, o Estado iniciou, a partir de 1995, um processo de ampla reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro, direcionado inicialmente à privatização de seu parque de geração e distribuição de energia elétrica. O atual modelo promoveu a desverticalização das atividades do setor e introduziu uma nova regulamentação, visando incentivar a melhoria do desempenho setorial e atrair o capital privado para suprir a carência de investimentos destinados à expansão da oferta de energia. No início da década de 90, o país contava com investimentos de geração da ordem de 30 mil MW de potência paralisados ou não iniciados. Essa situação, agravada por um prolongado quadro hidrológico desfavorável à base predominante hidrelétrica do nosso parque gerador, conduziu a uma elevação do risco de défict de energia a valores superiores a 5%, no início do milênio, exigindo medidas de racionalização do uso de energia. Sem desprezar as vantagens decorrentes da disponibilidade de recurso hídricos, medidas complementares foram tomadas pelo Governo no sentido de ampliar a diversificação da matriz energética, com grande ênfase na expansão da base térmica. Estas medidas levaram à construção do gasoduto Bolívia-Brasil e ao lançamento, no início de 2000, do Programa Prioritário de Termelétricas, com incentivos visando implantar cerca de MW até dezembro de Apesar das dificuldades, oriundas de questões iniciais no equacionamento no preço do gás natural, no ano de 2000 foram acrescidos ao sistema elétrico 5262 MW de energia nova, sendo 1350 MW relativos à Usina Nuclear Angra 2. PERSPECTIVAS Portanto, nessa complexa situação vivida pelo Setor Elétrico no Brasil, antevemos que, no esforço conjunto que está sendo necessário empreender para recompor o crescimento e sustentação do seu parque gerador de energia elétrica, com base em uma matriz energética equilibrada e confiável, torna-se necessária a discussão sobre a consolidação do Programa Nuclear Brasileiro, coam a conclusão da construção da Usina Nuclear Angra 3.

3 Trata-se de empreendimento com progresso médio acumulado de 30% e custo de geração competitivo com as demais alternativas previstas para o mesmo período, disponibilizando, após sua conclusão, cerca de 10 milhões de GWh/ano na Região Sudeste do país. O Setor Nuclear Brasileiro tem apresentado nos últimos anos diversos indicadores altamente positivos, reafirmados com a decisão de concentrar, a partir de 1997, as atividades de construção e operação das usinas nucleares de Angra do Reis na ELETRONUCLEAR, e que podem ser retratados nos seguintes fatos: ANGRA 1 65 MW As diversas trocas de equipamentos e melhorias introduzidas, juntamente com o restabelecimento de um grupo de engenharia e da manutenção com dedicação exclusiva à usina, indispensável para a melhoria da supervisão das atividades de manutenção, dos procedimentos e planejamento de trabalho, aumentaram sobremaneira e confiabilidade e disponibilidade de equipamentos e a análise de dados de operação, evitando ocorrências de evento significativos. O resultado dessas medidas pode ser observado no últimos ano, quando Angra 1 operou com fator de disponibilidade superior a 85%, tendo, em 1999, batido seu recorde de geração, ao alcançar um fator de disponibilidade de 96% e um geração bruta de MWh (454 MW médios). Além das medidas já tomadas, estão planejadas a troca dos geradores de vapor da usina, inclusive com aumento de potência, a instalação de um simulador de operação e construção de depósitos de rejeitos de média e baixa radioatividade, que irão atender também a Unidade 2. ANGRA MW (1352 MW) A usina, que teve suas obras iniciadas em 1976, retornou as atividades de montagem a partir de 1996, tendo sido concluída com total êxito no ano Ainda durante a fase de testes Angra 2 gerou energia a uma potência efetiva de 1352 MW, superior em 43 MW ao valor de projeto, demonstrando a alta qualidade de suas instalações. Adicionalmente está prevista para a usina a instalação de racks super compactos, visando aumentar a capacidade de armazenagem do combustível usado, além da atualização de seu computador de processo. 4 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO EVENTO 4.1 Época de realização Dias 16 e 17 de maio de Localização Dia 16 de maio de 2002 no Centro de Convenções da Justiça Federal RJ, e dia 17 de maio de 2002 mediante visita às instalações da Central Nuclear de Angra dos Reis (RJ) ou locais alternativos. 4.3 Colaboradores - CREA/RJ Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Rio de Janeiro - ELETRONUCLEAR

4 4.4 Orçamento Preliminar Local: Centro Cultural a Justiça Federal do Rio de Janeiro, sucedido de visita. Duração: 2 (dois) dias Data: 16 e 17 de maio de 2002 Público: até 230 (duzentos e trinta) participantes, com inscrição gratuita Refeições: 2 (dois almoços) + coffee-breaks Sem tradução simultânea Fornecimento de pastas, crachás e canetas aos participantes. Itens Confea Eletronuclear Crea-RJ Equipamentos: Aluguel de computador e impressora Montagem: Balcão secretaria Sinalização Serviços gráficos e materiais: Confecção de 500 folders Confecção de 200 cartazes Confecção de canetas Confecção de pastas Confecção de crachás Confecção de Certificados Confecção de 2 banners e faixa Brindes para convidados Embalagens para brindes R$ 300,00 R$ 150,00 R$ 400,00 R$ 700,00 R$ 50,00 R$ 600,00 R$ 800,00 R$ 50,00 R$ 50,00 R$ 10,00

5 Despesas com Conselheiros Federais/Painelistas/Convidados Passagens aéreas e diárias R$ 6874,00 Pessoal Pessoal interno despesas com RH Agentes de segurança, pessoal de limpeza Mestre de cerimônia Jornalistas, assessoria de imprensa e fotógrafos R$ 1500,00 Despesa com pessoal da Comissão Organiz. Diárias (7*3*256,00) Passagens aéreas (7*1000,00) Deslocamento (visitas) Serviço de cooffee breaks (2 dias 4 cb) Serviço de filmagem do evento Almoço dos convidados(250*2*15,00) Serviços gerais de organização Despesas com xerox Aluguel de Van (transporte local) Material de escritório Aluguel de espaço R$ 5376,00 R$ 7000,00 R$ 2000,00 R$ 3750,00 R$ 1500,00 R$ 4000,00 R$ 2000,00 R$ 1000,00 R$ 3000,00 R$ 1.000,00 R$ 1500,00 R$ 1500,00 Postagens Folder, cartazes, convites, sedex e outros R$ 1000,00 R$ 1000,00 Valor total do evento R$30.000,00(1) R$14.950,00(2) R$ 5.860,00(3) Valor Total Final (1+2+3) R$ , Estrutura do Seminário 16 MAIO 2002 / quinta-feira PROGRAMA ABERTURA / MANHÃ 08h30-09h00 09h00-09h45 I Palestra ABERTURA SOLENE Manifestação e avaliação do assunto a ser discutido. Participantes: Engenheiro Flávio Decat de Moura Presidente da Eletronuclear; Engenheiro Wilson Lang Presidente do Confea; Coordenador do Colégio de Entidades Nacionais; demais autoridades convidadas. ELETRONUCLEAR Diretrizes Gerais Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto Participante: Engenheiro Pedro Figueiredo Diretor de Operações da Eletronuclear.

6 10h15 11h45 II Palestra 12h00 14h00 ELETRONUCLEAR A Importância da Energia Nuclear e Seu Futuro no Brasil Diretrizes Gerais Engenheiro Flávio Decat de Moura Presidente da Eletronuclear. Almoço LOCAL INDICADO TARDE / ENCERRAMENTO 14h00 15H30 I Painel 15h30 15h45 Lanche MEIO AMBIENTE Iukio Ogawa Gerente de Meio Ambiente da Eletronuclear... Indicação do Cden 15h45 17h00 II Painel SEGURANÇA, PLANO DE EMERGÊNCIA E INSERÇÃO REGIONAL Luiz Henrique Gonçalves de Morais Assessor de Inserção Regional... Indicação do Cden 17 MAIO 2002 / sexta-feira PROGRAMA MANHÃ 07h30 DESLOCAMENTO EM ÔNIBUS PARA PONTO DE VISITA 10h30 Chegada no ponto de visita 10:30 11h00 Recepção e serviço de café 11h00 11:45 Palestra sobre o local a ser visitado 12h00 13h00 13h30 17h30 17h30 18h00 18h00 ALMOÇO Visita aos diversos setores técnicos do local Serviço de café local Retorno ao local de partida (origem) Possíveis pontos de Visita: Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL Usina Térmica de Santa Cruz

7 Centro de Operações da LIGHT Usina de co-geração da CSN Outros

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Paralela à necessidade e a previsão de investimentos do Brasil na geração de energia elétrica, que deverá destinar recursos da ordem de R$ 274,8 bilhões nos próximos quatro anos, através do

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL

A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIO IA A CRISE ENERGÉTICA NO BRASIL: HISTÓRICO E SITUAÇÃO ATUAL KENYA GONÇALVES NUNES ENGENHEIRA AGRÔNOMA

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Detalhamento dos itens do orçamento 1. Planejamento, coordenação e articulação do FSM 2003 - Organização

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

LABORATÓRIO DE AQUICULTURA MARINHA APRESENTA:

LABORATÓRIO DE AQUICULTURA MARINHA APRESENTA: LABORATÓRIO DE AQUICULTURA MARINHA APRESENTA: Cotas de Patrocínio COTA SYNGNATHIDAE HIPPOCAMPUS PATAGONICUS HIPPOCAMPUS ERECTUS HIPPOCAMPUS REIDI SIMPÓSIO SATÉLITE INVESTIMENTO R$100.000,00 R$50.000,00

Leia mais

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Paralela à necessidade e a previsão de investimentos do Brasil na geração de energia elétrica, que deverá destinar recursos da ordem de R$ 274,8 bilhões nos próximos quatro anos, através do

Leia mais

2, 3 e 4 de Agosto de 2011 Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro

2, 3 e 4 de Agosto de 2011 Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro 2, 3 e 4 de Agosto de 2011 Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro Um evento consolidado que reúne os principais agentes do mercado de energia O Energy Summit, cuja missão é orientar os tomadores de decisão

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR PROGRAMA DE INCENTIVO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS NA ÁREA NUCLEAR III ENIN 28 de Novembro de 2013 Wilson Jorge Montalvão Assistente do Presidente SUMÁRIO CENTRAL NUCLEAR ALMIRANTE ÁLVARO ALBERTO (Hoje)

Leia mais

Data: 07,08 e 09 de Maio de 2014 Local: Pavilhão Horácio Coimbra Curitiba PR Rua Comendador Franco, 1341 Campus da Indústria/FIEP O Maior evento

Data: 07,08 e 09 de Maio de 2014 Local: Pavilhão Horácio Coimbra Curitiba PR Rua Comendador Franco, 1341 Campus da Indústria/FIEP O Maior evento Data: 07,08 e 09 de Maio de 2014 Local: Pavilhão Horácio Coimbra Curitiba PR Rua Comendador Franco, 1341 Campus da Indústria/FIEP O Maior evento Internacional sobre o tema Energias Inteligentes no sul

Leia mais

Data: 07,08 e 09 de Março de 2014 Local: Pavilhão Horácio Coimbra Curitiba PR Rua Comendador Franco, 1341 Campus da Indústria/FIEP O Maior evento

Data: 07,08 e 09 de Março de 2014 Local: Pavilhão Horácio Coimbra Curitiba PR Rua Comendador Franco, 1341 Campus da Indústria/FIEP O Maior evento Data: 07,08 e 09 de Março de 2014 Local: Pavilhão Horácio Coimbra Curitiba PR Rua Comendador Franco, 1341 Campus da Indústria/FIEP O Maior evento Internacional sobre o tema Energias Inteligentes no sul

Leia mais

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS 9 1, 3 % 6, 2 % 2, 5 % MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA Fonte Capacidade instalada (status: agosto/2005) Geração (setembro/2004 - agosto/2005)

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE DECANATO DE EXTENSÃO FORMULÁRIO PARA CADASTRAMENTO DE CURSOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE DECANATO DE EXTENSÃO FORMULÁRIO PARA CADASTRAMENTO DE CURSOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA FORMULÁRIO PARA CADASTRAMENTO DE CURSOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 1. IDENTIFICAÇÃO Unidade: 1.1 Título do Curso: 1.1.1 Modalidade: ( ) Presencial ( ) Semi-Presencial ( ) A Distância 1.2 Dados do (s) responsável

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2002 DETALHAMENTO DE ATIVIDADES Secretaria Executiva/SP Comitê Organizador

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL GRUPO DE TRABALHO Coordenação: GEOBERTO ESPÍRITO SANTO VICE-PRESIDENTE DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Rio de Janeiro, 1 de junho de 2012. PLANO DECENAL DE EXPANSÃO

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Flórida - EUA 12 Viagem de retorno ao Brasil EUA/Brasil Deslocamento 13 Chegada no Brasil Brasil Deslocamento

Flórida - EUA 12 Viagem de retorno ao Brasil EUA/Brasil Deslocamento 13 Chegada no Brasil Brasil Deslocamento Relatório de Viagem Nome LUIZ N. VALCAREGGI E GILMAR BOHRZ Período De 04/06/2010 até 13/06/2010 Local Evento 35º CONFERÊNCIA TÉCNICA INTERNACIONAL SOBRE CARVÃO LIMPO E SISTEMAS DE COMBUSTÍVEL E VISITA

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

Fluxograma de Eventos (versão final aprovada 29/04/13)

Fluxograma de Eventos (versão final aprovada 29/04/13) Fluxograma de Eventos (versão final aprovada 29/04/13) INÍCIO Atenção: A Administração financeira do evento deve estar vinculada OBRIGATORIAMENTE a um CNPJ. A Coordenador do evento Até 60 dias antes do

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS - 2006. Principais Grupos Principais Grupos Empresas correntes 2003 2004 2005 2006 Realizado Realizado Realizado LOA Setor Produtivo Estatal 17.301 18.285 20.554 31.404 - Grupo PETROBRAS (No País) 13.839 14.960 16571 24.095 - Grupo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação pública (Projeto) PPG-AU/UFBA Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo 1 Contexto e justificativa Odesenvolvimento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Considerações. sobre Matriz Energética. & Dependência Elétrica. Seminário FIESP Matriz Elétrica Brasileira 05/09/2005

Considerações. sobre Matriz Energética. & Dependência Elétrica. Seminário FIESP Matriz Elétrica Brasileira 05/09/2005 Considerações sobre Matriz Energética & Dependência Elétrica do Estado de São Paulo Seminário FIESP Matriz Elétrica Brasileira 05/09/2005 Carlos R Silvestrin VP Executivo COGEN-SP - silvestrin@cogensp.com.br

Leia mais

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa NOTA TECNICA I COMPARAÇÃO DA ELETRICIDADE GERADA EM CICLOS COMBINADOS A GÁS NATURAL E A PARTIR DE BIOMASSA No Decreto No. 3371 do MME (24/2/2000) foi instituído o Programa Prioritário de Termeletricidade

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Veículo: Jornal Diário do Nordeste Cidade: Fortaleza Editoria: Negócios Data: 28/07/08 Pág. 30 14,6 cm/col.

Veículo: Jornal Diário do Nordeste Cidade: Fortaleza Editoria: Negócios Data: 28/07/08 Pág. 30 14,6 cm/col. Veículo: Jornal Diário do Nordeste Cidade: Fortaleza Editoria: Negócios Data: 28/07/08 Pág. 30 14,6 cm/col. Veículo: Jornal O POVO Cidade: Fortaleza Editoria: Mundo Data: 01/08/08 Pág. 35 14,6 cm/col.

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS. Datas: 19 e 20 de agosto de 2015

INFORMAÇÕES GERAIS. Datas: 19 e 20 de agosto de 2015 APRESENTAÇÃO O verão de 2015 demostrou, mais uma vez, de forma clara o quanto o País precisa rever sua dependência do setor hidrelétrico. Segundo previsões do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

RESERVA DE ESPAÇOS FÍSICOS NO SISTEMA DE BIBLIOTECAS

RESERVA DE ESPAÇOS FÍSICOS NO SISTEMA DE BIBLIOTECAS RESERVA DE ESPAÇOS FÍSICOS NO SISTEMA DE BIBLIOTECAS Em atendimento à solicitação feita ao da UFG (Sibi/ UFG), no dia / /, confirmamos a liberação do (s) espaço (s) físico (s) abaixo relacionado (s) afim

Leia mais

Atração de Novos Investidores no Segmento

Atração de Novos Investidores no Segmento PAINEL DE DEBATES Atração de Novos Investidores no Segmento de Geração Termelétrica Rio de Janeiro, 26 de abril de 2007 1. REGULAÇÃO E PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO NECESSIDADE DE UMA REGULAÇÃO QUE PROMOVA:

Leia mais

Projeto de Patrocínio

Projeto de Patrocínio Projeto de Patrocínio Software Freedom Day 19 de Setembrol de 2015 Faculdade de Tecnologia de Curitiba (FATECPR) Curitiba PR Brasil Sumário 1 Apresentação...1 2 Local, data e site...1 3 Público alvo...1

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA AGOSTO/96 N 1 O Risco de Déficit de Energia Elétrica no Brasil O setor elétrico brasileiro, que se constituiu no passado em importante vetor

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 256, DE 18 DE MAIO DE 2001 (Revogada pela Resolução Normativa CFA nº 280, de 14 de agosto de 2003)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 256, DE 18 DE MAIO DE 2001 (Revogada pela Resolução Normativa CFA nº 280, de 14 de agosto de 2003) Publicada no D.O.U. 07/06/01 Seção 1 Página 37 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 256, DE 18 DE MAIO DE 2001 (Revogada pela Resolução Normativa CFA nº 280, de 14 de agosto de 2003) Dispõe sobre a regulamentação

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe XV EANE

Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe XV EANE Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe CNPJ: 08.281.098/0001-04 Contato: sease_astronomia@yahoo.com.br www.sease.org.br PROJETO 15 ENCONTRO DE ASTRONOMIA DO NORDESTE XV EANE São Cristóvão - SE 2015

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE PATROCÍNIOS

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE PATROCÍNIOS MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE PATROCÍNIOS INSTRUÇÕES GERAIS Leia com atenção todas as informações abaixo, antes de realizar a prestação de contas do seu projeto ao SEBRAE. A total liberação do recurso

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA Al nº 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar a retomada do Programa Nuclear Brasileiro, com o enfoque nos aspectos econômico e científico-tecnológico,

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Perspectivas e Desafios para o Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

Perspectivas e Desafios para o Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Perspectivas e Desafios para o Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Edson Luiz da Silva Jorge Mário Campagnolo Departamento de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Santa Catarina Introdução O

Leia mais

PROJETO BÁSICO PRELIMINAR 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS 5ª CB APL 08 A 10 DE NOVEMBRO DE 2011

PROJETO BÁSICO PRELIMINAR 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS 5ª CB APL 08 A 10 DE NOVEMBRO DE 2011 PROJETO BÁSICO PRELIMINAR 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS 5ª CB APL 08 A 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Nos últimos anos, é inegável o avanço que a concepção de Arranjos Produtivos Locais

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira

REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira Professor Adilson de Oliveira Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro/Brasil Por que Reformar? Depois de um longo período de expansão (1945-1985),

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Manual de Eventos da Comissão Especial de Realidade Virtual (CERV) Versão 0.4

Manual de Eventos da Comissão Especial de Realidade Virtual (CERV) Versão 0.4 Manual de Eventos da Comissão Especial de Realidade Virtual (CERV) Versão 0.4 Este manual tem o objetivo de servir como guia para a organização de eventos da Comissão Especial de Realidade Virtual. Quaisquer

Leia mais

ADUFCG Comando Local de Greve. Comissão de Tesouraria

ADUFCG Comando Local de Greve. Comissão de Tesouraria ADUFCG Comando Local de Greve Comissão de Tesouraria Prestação de contas Mês de Maio: Data Despesas Valor 15/mai Valor de fundo de greve 823.566,71 16/mai Táxi aeroporto CG-JP 150,00 Confecção de panfletos

Leia mais

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP PAEP Programa de Apoio a Eventos no País EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP A Fundação Coordenação

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS SANKHYA

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS SANKHYA MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS SANKHYA Produção: Marketing Sankhya sankhya@sankhya.com.br 34 3239 0732 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS SANKHYA Questões importantes para o processo de desenvolvimento

Leia mais

Relatório do Seminário Rotas para a Vanguarda 1. Relatório

Relatório do Seminário Rotas para a Vanguarda 1. Relatório Relatório do Seminário Rotas para a Vanguarda 1 Relatório 2 e&e - Economia e Energia O Espaço Centros e Redes de Excelência - ECENTEX/COPPE/UFRJ, e a Organização Social Economia e Energia e&e, organizaram

Leia mais

CONTRAPARTIDA SUPER MASTER

CONTRAPARTIDA SUPER MASTER CONTRAPARTIDA SUPER MASTER Logomarca no material de divulgação do evento cartazes, lâminas, convite abertura Logomarca no material de suporte do evento - lâminas com programação, certificados, blocos de

Leia mais

Catálogo de Merchandising

Catálogo de Merchandising Catálogo de Merchandising 1 Feira SALA DE IMPRENSA O canal perfeito para sua empresa falar com um público sempre bem informado e formador de opinião, composto por jornalistas dos mais conceituado veículos

Leia mais

PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO DIVERSIDADE E QUALIDADE:

PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO DIVERSIDADE E QUALIDADE: PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO DIVERSIDADE E QUALIDADE: Desconstruindo Preconceitos! Inclusão de Grupos Vulneráveis no Mercado de Trabalho. Dia 10 de Dezembro: Dia Internacional dos Direitos Humanos

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo Trabalho de Avaliação Santo André, 30 de março de 2011 Trabalho de

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Aula 1 Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Aula 1: Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Prof. Fabiano F. Andrade 2011 Tópicos da Aula Histórico do Ambiente Regulatório

Leia mais

18 de novembro de 2009 Colóquio Solar NATAL-RN 11 de dezembro de 2009 Conferência Nacional para Energia Solar SÃO PAULO-SP

18 de novembro de 2009 Colóquio Solar NATAL-RN 11 de dezembro de 2009 Conferência Nacional para Energia Solar SÃO PAULO-SP Colóquio e Conferência Nacional Encontro técnico-econômico para desenvolvimento e aplicação de projetos de energia solar na matriz energética brasileira 18 de novembro de 2009 Colóquio Solar NATAL-RN 11

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO!

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! 14º Encontro de Energia FIESP Matriz Segura e Competitiva Luis Henrique Guimarães São Paulo, 5 de agosto de 2013 1 AGENDA Princípios que norteiam a apresentação O que é Preço

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada.

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos Clima Rio 23 de Maio de 2006 Tópicos da Apresentação

Leia mais