Bacias da Costa do Atlântico Sudeste

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bacias da Costa do Atlântico Sudeste"

Transcrição

1 Capacidade de Suporte para Aquicultura em Reservatórios de Domínio Federal Atualizada em: 07/11/2014 Possui capacidade de suporte Nome do corpo hídrico Operador do reservatório Rio barrado Bacia / Região Hidrográfica SIM NÃO Lagoa das Piranhas São Francisco Reservatório da PCH Ivan Botelho III (Triunfo), situado no rio Pomba Brascam Rio Pomba Reservatório da UHE 14 de julho, situado no rio das Antas Ceran Rio das Antas Atlântico Reservatório da UHE Aimorés, situado no rio Doce Rio Doce AtLântico Reservatório da UHE Apolônio Sales (Moxotó), situado no rio São Francisco Chesf Rio São Francisco São Francisco Reservatório da UHE Armando A. Laydner (Jurumirim), situado no rio Paranapanema Duke Energy Rio Paranapanema Paraná Reservatório da UHE Barra Bonita, situado no rio Tietê Cesp Rio Tietê Paraná Reservatório da UHE Barra Grande, situado no rio Pelotas Rio Pelotas Uruguai Reservatório da UHE Boa Esperança, situado no Rio Parnaíba Chesf Rio Parnaíba Parnaíba Reservatório da UHE Cachoeira Dourada, situado no Rio Parnaíba CELG-D Rio Paranaíba Paraná Reservatório da UHE Caconde/Graminha CESP Rio Pardo Região Hidrográfica do Guaíba Reservatório da UHE Camargos, situado no rio Grande Cemig Rio Grande Paraná Reservatório da UHE Cana Brava, situado no rio Tocantins Tractebel Rio Tocantins Tocantins-Araguaia Reservatório da UHE Canoas I, situado no rio Paranapanema Duke Energy Rio Paranapanema Paraná Reservatório da UHE Canoas II, situado no rio Paranapanema Duke Energy Rio Paranapanema Paraná Reservatório da UHE Capivara, situado no rio Paranapanema Duke Energy Rio Paranapanema Paraná Reservatório da UHE Chasqueiro Arroio Chasqueiro Uruguai Reservatório da UHE Chavantes, situado no rio Paranapanema Duke Energy Rio Paranapanema Paraná Reservatório da UHE Emborcação, sitsuado no rio Paranaíba Cemig Rio Paranaíba Paraná Reservatório da UHE Engº Sérgio Motta (Porto Primavera), situado no rio Paraná Cesp Rio Paraná Paraná Reservatório da UHE Estreito, sitsuado no rio Tocantins CESTE Rio Tocantins Tocantins-Araguaia Reservatório da UHE Euclides da Cunha, situado no Rio Pardo Rio Pardo Paraná Reservatório da UHE Foz do Chapecó, situado no rio Tocantins Ceran Rio Tocantins Tocantins-Araguaia Reservatório da UHE Furnas, situado no rio Grande Furnas Rio Grande Paraná Reservatório da UHE Governador José Richa (Salto Caxias), situado no rio Iguaçu COPEL Rio Iguaçu Paraná Reservatório da UHE Governador Ney Aminthas de Barros Braga (Segredo) COPEL Rio Iguaçu Paraná Reservatório da UHE Igarapava, situado no rio Grande Consórcio de empresas Rio Grande Paraná Reservatório da UHE Ilha Solteira, situado no rio Paraná Cesp Rio Paraná Paraná

2 Reservatório da UHE Irapé, situado no rio Jequitinhonha Cemig Jequitinhonha Reservatório da UHE Itá, situado no rio Uruguai Tractebel Rio Uruguai Uruguai Reservatório da UHE Itaipu, situado no rio Paraná Itaipu Binacional Rio Paraná Paraná Reservatório da UHE Itapebi, situado no rio Jequitinhonha Rio Jequitinhonha Reservatório da UHE Itumbiara, situado no rio Paranaíba Furnas Rio Paranaíba Paraná Reservatório da UHE Jaguara, situado no rio Grande Cemig Rio Grande Paraná Reservatório da UHE José Ermírio de Moraes (Água Vermelha), situado no rio Grande AES Tietê Rio Grande Paraná Reservatório da UHE Luiz Eduardo Magalhães (Lajeado), situado no rio Tocantins INVESTCO Rio Tocantins Tocantins-Araguaia Reservatório da UHE Luiz Gonzaga (Itaparica), situado no rio São Francisco Chesf Rio São Francisco São Francisco Reservatório da UHE Machadinho, situado no rio Uruguai MAESA Rio Uruguai Uruguai Reservatório da UHE Manso, situado no rio Manso Furnas Rio Manso Paraguai Reservatório da UHE Marechal Mascarenhas de Moraes (Peixoto), situado no rio Grande Furnas Rio Grande Paraná Reservatório da UHE Marimbondo, situado no rio Grande Furnas Rio Grande Paraná Reservatório da UHE Mário L. Leão (Promissão), situado no Rio Tietê AES Tietê Rio Tietê Paraná Reservatório da UHE Nova Ponte, situado no rio Araguari Cemig Rio Araguari Paraná Reservatório da UHE Paraibuna / Paraitinga, situado no rio Paraíba do Sul Cesp Rio Paraíba do Sul Reservatório da UHE Pedra do Cavalo, situado no rio Paraguaçu Votorantim Rio Paraguaçu Reservatório da UHE Peixe Angical, situado no rio Tocantins ENERPEIE Rio Tocantins Tocantins-Araguaia Reservatório da UHE Piraju, situado no rio Paranapanema CBA Rio Paranapanema Paraná Reservatório da UHE Ponte de Pedra, situado no rio Correntes Tractebel Rio Correntes Paraguai Reservatório da UHE Porto Colômbia, situado no rio Grande Furnas Grande Paraná Reservatório da UHE Queimados, situado no rio Preto Cemig Rio Preto São Francisco Reservatório da UHE Rosana, situado no rio Paranapanema Duke Energy Rio Paranapanema Paraná Reservatório da UHE Salto Grande, situado no rio Paranapanema Cesp Paranapanema Paraná Reservatório da UHE Salto Osório, situado no rio Iguaçu Eletrosul Rio Iguaçu Paraná Reservatório da UHE Salto Santiago, situado no rio Iguaçu Eletrosul Rio Iguaçu Paraná Reservatório da UHE Salto, situado no rio Verde Intertechne Rio Verde Paraná Reservatório da UHE Samuel, situado no rio Jamari Eletronorte Rio Jamari Amazônia Reservatório da UHE Santa Branca, situado no rio Paraíba do Sul Light Energia S.A Rio Paraíba do Sul

3 Reservatório da UHE Santa Clara, situado no Rio Mucuri CESC Rio Mucuri Reservatório da UHE Santo Antônio, situado no Rio Madeira Sto Antônio Energia Rio Madeira Amazônia Reservatório da UHE São Salvador, situado no rio Tocantins Tractebel Rio Tocantins Tocantins-Araguaia Reservatório da UHE São Simão, situado no rio Paranaíba Cemig Rio Paranaíba Paraná Reservatório da UHE Serra da Mesa, situado no rio Tocantins Furnas Rio Tocantins Tocantins-Araguaia Reservatório da UHE Serra do Facão, situado no rio São Marcos SEFAC São Marcos Paraná Reservatório da UHE Sobradinho, situado no rio São Francisco Chesf Rio São Francisco São Francisco Reservatório da UHE Souza Dias (Jupiá), situado no rio Paraná Cesp Rio Paraná Paraná Reservatório da UHE Taquaruçu, situado no rio Paranapanema Duke Energy Rio Paranapanema Paraná Reservatório da UHE Três Irmãos, situado no Rio Tietê Cesp Rio Tietê Paraná Reservatório da UHE Três Marias, situado no rio São Francisco Cemig Rio São Francisco São Francisco Reservatório da UHE Tucuruí, situado no rio Tocantins Eletronorte Rio Tocantins Tocantins-Araguaia Reservatório da UHE Volta Grande, situado no Rio Grande Cemig Rio Grande Paraná Reservatório da UHE ingó, situado no rio São Francisco Chesf Rio São Francisco São Francisco Reservatório da UHECorumbá IV, situado no rio Corumbá CEB Corumbá Paraná Reservatório denominado Açude Acaraú Mirim, situado em afluente (me) ao rio Acaraú DNOCS Rio Acaraú Reservatório denominado Açude Araci, situado no riacho Carnaíba DNOCS Riacho Carnaíba Reservatório denominado Açude Araras, situado no rio Acaraú DNOCS Rio Acaraú Reservatório denominado Açude Ayres de Souza, situado no rio Jaibaras DNOCS Rio Jaibaras Reservatório denominado Açude Bálsamo, situado no riacho Bálsamo DNOCS Reservatório denominado Açude Banabuiú (Arrojado Lisboa), situado no rio Banabuiú DNOCS Rio Banabuiú Reservatório denominado Açude Caldeirão, situado no Rio Caldeirão DNOCS Rio Caldeirão Parnaíba Reservatório denominado Açude Castanhão, situado no Rio Jaguaribe DNOCS Rio Jaguaribe Reservatório denominado Açude Caxitoré, situado no rio Caxitoré DNOCS Rio Caxitoré Reservatório denominado Açude Cocorobó, situado no Rio Vaza Barris DNOCS Rio Vaza Barris Reservatório denominado Açude Curral Velho, situado no Córrego Curral Velho DNOCS Córrego Curral Velho Reservatório denominado Açude de Tremedal, situado no rio Ressaca DNOCS Rio Ressaca Reservatório denominado Açude Edson Queiroz, situado no rio Groaíras DNOCS Groaíras Acaraú Reservatório denominado Açude Engº Antônio Gouveia Neto (Jucazinho), situado no rio Capibaribe DNOCS Rio Capibaribe

4 Reservatório denominado Açude Engº Armando Ribeiro Gonçalves, situado no rio Piranhas-Açu DNOCS Rio Piranhas-Açu Reservatório denominado Açude Engº Francisco Saboia (Poço da Cruz), situado no rio Moxotó DNOCS Rio Moxotó São Francisco Reservatório denominado Açude Entremontes, situado no rio São Pedro (ou Jacaré) DNOCS Rio São Pedro Reservatório denominado Açude Epitácio Pessoa (Boqueirão), situado no rio Paraíba DNOCS Rio Paraíba Reservatório denominado Açude Flor do Campo, situado em afluente ao rio Poti DNOCS Rio Poti Parnaíba Reservatório denominado Açude Forquilha, situado no rio Acaraú DNOCS Rio Acaraú Reservatório denominado Açude Frios, situado no rio Frios DNOCS Rio Frios Reservatório denominado Açude General Sampaio, situado no rio Curu DNOCS Rio Curu Reservatório denominado Açude Itapebuçu, situado no rio São Gonçalo, CE DNOCS São Gonçalo Reservatório denominado Açude Itapebussu, situado no rio São Gonçalo DNOCS Rio São Gonçalo Reservatório denominado Açude Jaramataia DNOCS Reservatório denominado Açude Jenipapeiro II, situado no riacho Jenipapeiro DNOCS Riacho Jenipapeiro Reservatório denominado Açude José Batista do Rêgo Pereira (Poço Branco), situado no rio Ceará-Mirim DNOCS rio Ceará-Mirim Reservatório denominado Açude Macaúbas, situado no rio Paramirim DNOCS Rio Paramirin Reservatório denominado Açude Manoel Balbino, situado no riacho dos Carneiros DNOCS Riacho dos Carneiros Reservatório denominado Açude Mendobim, situado no Rio Paraú DNOCS Rio Paraú Reservatório denominado Açude Mundaú, situado no Rio Mundaú DNOCS Rio Mundaú Reservatório denominado Açude Orós, situado no rio Jaguaribe DNOCS Rio Jaguaribe Reservatório denominado Açude Pai Mané DNOCS Reservatório denominado Açude Patu, situado no rio Patu DNOCS Rio Patu Reservatório denominado Açude Pereira de Miranda (Pentecoste), situado no rio Canindé DNOCS Rio Canindé Reservatório denominado Açude Quixeramobim, situado no rio Quixeramobim DNOCS Rio Quixeramobim Reservatório denominado Açude Riacho do Sangue, situado no riacho do Sangue DNOCS Riacho do Sangue Reservatório denominado Açude Rômulo Campos, situado no rio Jacurici DNOCS Jacurici Reservatório denominado Açude São Gonçalo, situado no rio Piranhas-Açu DNOCS Rio Piranhas-Açu

5 Reservatório denominado Açude Serrinha, situado no Rio Pajeú DNOCS Rio Pajeú São Francisco Reservatório denominado Açude Serrota, situado no Rio Curu DNOCS Curu Reservatório denominado Açude Tejuçuoca, situado no rio Tejuçuoca DNOCS Rio Tejuçuoca Reservatório denominado Açude Thomás Osterne (Umari), situado no rio Coroas DNOCS Rio Coroas Reservatório denominado Açude Trussu, situado no Riacho Trussu DNOCS Riacho Trussu Reservatório denominado Açude Tucunduba, situado no riacho Tucunduba DNOCS Coreaú Reservatório denominado Barragem Pataxó DNOCS Pataxós Reservatório denominado Barragem Pau dos Ferros DNOCS Rio Apodi Reservatório Paranã, situado no rio Paranã seplan Rio Paranã Tocantins-Araguaia

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/05/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/08/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 15/01/2015 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras O Brasil possui o maior volume de água potável em estado liquido do globo. Isso se deve as suas extensas e caudalosas bacias hidrográficas. Por sua vez essas bacias devem

Leia mais

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira Hidrografia no Brasil Luciano Teixeira Hidrografia Brasil Características da Hidrografia Brasileira Pobre em lagos Drenagem Exorréica Predomínio de foz em estuário Predomínio de rios de planaltos Bacias

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL

HIDROGRAFIA DO BRASIL Hidrografia características gerais HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Reflete as condições de umidade do clima do país Rica em rios,, mas pobre em lagos Predominância de rios de planalto,, favoráveis

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES - PERÍODO 1931 A 2007

ATUALIZAÇÃO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES - PERÍODO 1931 A 2007 ATUALIZAÇÃO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES - PERÍODO 1931 A 2007 07 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 CORREDORES HIDROVIÁRIOS CORREDORES HIDROVIÁRIOS NECESSIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE TODOS OS CORREDORES VALORES (milhões): CORREDOR

Leia mais

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar,

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

HIDROGRAFIA DO PARANÁ

HIDROGRAFIA DO PARANÁ HIDROGRAFIA DO PARANÁ CONCEITOS Rios: cursos de águas naturais, mais ou menos caudalosos que deságuam em outro rio, no oceano ou num lago. Denominações para os rios: regatos, córregos, ribeirões e rios.

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015)

RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015) RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015) Estabelece critérios para o envio dos dados dos volumes medidos em pontos de interferência outorgados

Leia mais

Produção Sudeste/Centro-Oeste

Produção Sudeste/Centro-Oeste 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional 43.115 9.421 1.35 14.248 43.462

Leia mais

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL HIDROGRAFIA PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL CRISTA OU INTERFLÚVIO CRISTA OU INTERFLÚVIO VERTENTE VERTENTE MARGEM RIO MARGEM LEITO TALVEGUE IMPORTÂNCIA DOS RIOS ABASTECIMENTO TRANSPORTE NAVEGAÇÃO

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO. Monitoramento Indicativo do Nível de Salinidade dos Principais Açudes do Estado do Ceará. Convênio: COGERH/SEMACE

BOLETIM INFORMATIVO. Monitoramento Indicativo do Nível de Salinidade dos Principais Açudes do Estado do Ceará. Convênio: COGERH/SEMACE DIRETORIA DE OPERAÇÕES E MONITORAMENTO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA Monitoramento Indicativo do Nível de Salinidade dos Principais Açudes do Estado do Ceará

Leia mais

RESOLUÇÃO ANEEL N O 453, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998

RESOLUÇÃO ANEEL N O 453, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 RESOLUÇÃO ANEEL N O 453, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 Homologa os Montantes de Energia e Potência asseguradas das usinas hidrelétricas pertencentes às empresas das regiões Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

Leia mais

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar,

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

XXVI CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITÁRIA Y AMBIENTAL. LIMA, novembro 1998. Impacto Ambiental, Auditoria Ambiental y Analisis de Riesgos

XXVI CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITÁRIA Y AMBIENTAL. LIMA, novembro 1998. Impacto Ambiental, Auditoria Ambiental y Analisis de Riesgos XXVI CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITÁRIA Y AMBIENTAL LIMA, novembro 1998 Impacto Ambiental, Auditoria Ambiental y Analisis de Riesgos PROPOSIÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICOS COMO INDICADORES

Leia mais

Revisão dos Valores de Referência de Indisponibilidade Forçada - TEIF e Programada - IP de Usinas Hidrelétricas

Revisão dos Valores de Referência de Indisponibilidade Forçada - TEIF e Programada - IP de Usinas Hidrelétricas Revisão dos Valores de Referência de Indisponibilidade Forçada - TEIF e Programada - IP de Usinas Hidrelétricas ABRIL/2015 Revisão 1 Esplanada dos Ministérios Bloco U CEP: 70.065-900 Brasília-DF BRASIL

Leia mais

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões NELSON JOSÉ HÜBNER MOREIRA DIRETOR GERAL 9 de novembro de 2012 Brasília DF Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 (Publicada no D.O.U. em 12/08/2010) Cria Unidades de Gestão de Recursos Hídricos de Bacias

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 15/01/2016 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL Energia Assegurada

Cadernos Temáticos ANEEL Energia Assegurada . Agência Nacional de Energia Elétrica 3 Cadernos Temáticos ANEEL Energia Assegurada Brasília DF Abril 2005 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Diretoria Diretor-Geral Jerson Kelman Diretores

Leia mais

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico Hidrografia Relevo oceânico Bacias hidrográficas no mundo BACIA HIDROGRÁFICA: Corresponde à área de captação de água superficial e subsuperficial para um canal principal e seus afluentes; portanto, é uma

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008 Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE ABCE - Associação Brasileira de Concessionárias de Energia Elétrica - 71 anos de fundação

Leia mais

Potência Instalada de Geração Elétrica Brasil e Mundo

Potência Instalada de Geração Elétrica Brasil e Mundo O setor sucroalcooleiro responde por 42 da potência APE e, em 211, gerou excedentes de cerca de 9.9 GWh. Os 1 maiores setores autoprodutores de eletricidade 31/12/211 Nº Setor Instalada de Geração no Mundo

Leia mais

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS.

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Aula 19: Conhecendo a hidrosfera do Brasil I CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Correção atividade sala: PG 3: Canadá, Brasil, EUA, Canadá, R.U etc... Bolívia, República do Congo, Mongólia, etc...

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

O TURISMO E O LAZER E SUA INTERFACE COM O SETOR DE RECURSOS HÍDRICOS

O TURISMO E O LAZER E SUA INTERFACE COM O SETOR DE RECURSOS HÍDRICOS O TURISMO E O LAZER E SUA INTERFACE COM O SETOR DE RECURSOS HÍDRICOS Martha Sugai Superintendente de Usos Múltiplos Substituta Brasília, 13 de julho de 2005 A indústria do turismo é, na atualidade, a atividade

Leia mais

Adaptação às Mudanças do Clima: Cenários e Alternativas Recursos Hídricos

Adaptação às Mudanças do Clima: Cenários e Alternativas Recursos Hídricos PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PROJETO BRA/06/032 ENQUADRAMENTO PNUD: R.1 P1.17 Carta de Acordo nº 25647/2014 (RC) SAE FCPC

Leia mais

Produção Sudeste/Centro-Oeste

Produção Sudeste/Centro-Oeste 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica 37.29 11.76 1.83 9.369

Leia mais

HIDROGRAFIA DO RIO SÃO FRANCISCO BANCO DE DADOS SUPERINTENDENTE DE PLANEJAMENTO EQUIPE TÉCNICA DA SPR APOIO DO GEOPROCESSAMENTO

HIDROGRAFIA DO RIO SÃO FRANCISCO BANCO DE DADOS SUPERINTENDENTE DE PLANEJAMENTO EQUIPE TÉCNICA DA SPR APOIO DO GEOPROCESSAMENTO HIDROGRAFIA DO RIO SÃO FRANCISCO BANCO DE DADOS SUPERINTENDENTE DE PLANEJAMENTO EQUIPE TÉCNICA DA SPR APOIO DO GEOPROCESSAMENTO Base de Dados das Regiões Hidrográficas Brasileiras Superintendência de Planejamento

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade RDD Do Propósito A descrição das alterações nos arquivos de dados de entrada para o Cálculo do Preço tem como propósito aumentar a transparência na determinação do PLD. Da Disponibilização Em atendimento

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra 1. o ANO ENSINO MÉDIO Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 Aula 5.1 Conteúdo Bacias Hidrográficas Brasileiras. 3 Habilidade Localizar as diferentes

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22 Profº André Tomasini Clima Fatores de influência do Clima Latitude; Altitude; Continentalidade / Maritimidade; Correntes Marinhas; Massas de

Leia mais

HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA

HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA Prof. Jutorides Elementos de um Rio Rede Hidrográfica; Bacia hidrográfica; Divisor de Água; Vertente; Curso: Retilíneo e Meândrico; Alto Curso, Médio Curso e Baixo Curso;

Leia mais

Salto Caxias. COPEL Companhia Paranaense de energia

Salto Caxias. COPEL Companhia Paranaense de energia Projetos no Brasil Salto Caxias Cliente: COPEL Companhia Paranaense de energia Rio Iguaçu - PR Salto Caxias Escopo do Trabalho: Fornecimento e Instalação de 4 RISONIC 2000 Sistema de medição de fluxo por

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

PROJETO DE P&D ANEEL MODELOS DE OTIMIZAÇÃO DO DESPACHO HIDROTÉRMICO. Etapa 1 Acompanhamento e Coordenação do Projeto (7 de 30)

PROJETO DE P&D ANEEL MODELOS DE OTIMIZAÇÃO DO DESPACHO HIDROTÉRMICO. Etapa 1 Acompanhamento e Coordenação do Projeto (7 de 30) PROJETO DE P&D ANEEL MODELOS DE OTIMIZAÇÃO DO DESPACHO HIDROTÉRMICO Etapa 1 Acompanhamento e Coordenação do Projeto (7 de 30) Etapa 2 UFJF PDE Fast Convex Hull (7 de 12) Etapa 3 UFJF Módulo Energia Firme

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas.

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. Conteúdos do 3º bimestre para o 1º Ano do Ensino Médio na disciplina de Geografia, de acordo com o currículo mínimo estabelecido pela SEEDUC / RJ

Leia mais

4.1. INFORMAÇÕES GERAIS

4.1. INFORMAÇÕES GERAIS ENERGIA HIDRÁULICA.1. INFORMAÇÕES GERAIS O uso da energia hidráulica foi uma das primeiras formas de substituição do trabalho animal pelo mecânico, particularmente para bombeamento de água e moagem de

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO. Monitoramento Indicativo do Nível de Salinidade dos Principais Açudes do Estado do Ceará. Convênio: COGERH/SEMACE

BOLETIM INFORMATIVO. Monitoramento Indicativo do Nível de Salinidade dos Principais Açudes do Estado do Ceará. Convênio: COGERH/SEMACE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DOS RECURSOS HÍDRICOS PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA Monitoramento Indicativo do Nível de Salinidade dos Principais Açudes do Estado do Ceará BOLETIM

Leia mais

ESTATÍSTICA DO NORDESTE 2 NORDESTE EM NÚMEROS 2011

ESTATÍSTICA DO NORDESTE 2 NORDESTE EM NÚMEROS 2011 ESTATÍSTICA DO NORDESTE 2 NORDESTE EM NÚMEROS 2011 Presidência da República Presidente Dilma Vana Rousseff Ministério da Integração Nacional Ministro Fernando Bezerra de Souza Coelho Superintendência do

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Bacias Hidrográficas de Minas Gerais O desenvolvimento dos recursos hídricos não pode ser visto dentro de um sistema limitado onde a complexidade dos usos múltiplos

Leia mais

Distribuição relativa das águas doces no planeta

Distribuição relativa das águas doces no planeta Água no mundo Distribuição relativa das águas doces no planeta Aquífero do Guarani Aqüífero Guarani é o maior manancial de água doce subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste

Leia mais

A REDE SEDIMENTOMÉTRICA

A REDE SEDIMENTOMÉTRICA A REDE SEDIMENTOMÉTRICA TRICA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DA EROSÃO/SEDIMENTAÇÃO Walszon Terllizzie Araújo Lopes Especialista em Recursos HídricosH Agência Nacional de Águas Brasília, 30 de outubro de 2007

Leia mais

22 a 23/11/2007 Silvânia GOIAS Médio Araguaia - GO. 19 a 20/11/2007 Iporá Vale do Paranã - GO Vale Do Rio Vermelho - GO

22 a 23/11/2007 Silvânia GOIAS Médio Araguaia - GO. 19 a 20/11/2007 Iporá Vale do Paranã - GO Vale Do Rio Vermelho - GO DISTRITO FEDERAL Das Águas Emendadas - DF/GO/MG Chapada dos Veadeiros - GO 29 a 30/11/2007 São João da Aliança Das Águas Emendadas - DF/GO/MG 26 a 27/11/2007 Valparaíso de Goiás Estrada De Ferro - GO 22

Leia mais

Concessões de Geração e de Transmissão Estabelecimento do valor residual das instalações. Maurício Tiomno Tolmasquim

Concessões de Geração e de Transmissão Estabelecimento do valor residual das instalações. Maurício Tiomno Tolmasquim Concessões de Geração e de Transmissão Estabelecimento do valor residual das instalações Maurício Tiomno Tolmasquim Brasília, 11 de setembro de 2012 Indenização dos Ativos Valor Novo de Reposição Refere-se

Leia mais

1 a Reunião do Conselho de Administração de 2010. Eventos Técnicos Previstos em 2010

1 a Reunião do Conselho de Administração de 2010. Eventos Técnicos Previstos em 2010 1 a Reunião do Conselho de Administração de 21 Eventos Técnicos Previstos em 21 SUMÁRIO EXECUTIVO EVENTOS S: 12 EVENTOS DO CNB: EVENTOS DE CE: 12 ( 3 do B2) EVENTOS S/EITA: 1 (D2) EVENTOS DE MÉDIO PORTE:

Leia mais

Recursos Hídricos do Brasil

Recursos Hídricos do Brasil HIDROGRAFIA Recursos Hídricos do Brasil Características da hidrografia brasileira - é a mais densa do mundo; - pobre em formações lacustres (lagos, lagoas e lagunas); - predomina a drenagem exorreica (os

Leia mais

MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012

MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012 MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico 14 de novembro de 2012 Panorama Legal e Constitucional Constituição Federal de 1988 Artigo 175; Lei 8.987 de 1995 Lei das Concessões Artigos 42 Lei 9.074

Leia mais

Otto Samuel Mäder Netto Engenheiro Químico.

Otto Samuel Mäder Netto Engenheiro Químico. Espécies aquáticas invasoras, impactos ambientais e econômicos: ações práticas para prevenção e controle do Limnoperna fortunei (mexilhão dourado) na bacia do rio Uruguai. Otto Samuel Mäder Netto Engenheiro

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar, Centro 20091-005 Rio de

Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar, Centro 20091-005 Rio de Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar, Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ tel (+21) 2203-9899 fax (+21) 2203-9423 2004/ONS

Leia mais

Relação, por lote, das empresas e dos consórcios interessados na préqualificação. Interligação Acre Rondônia Mato Grosso 230 kv, constituído por:

Relação, por lote, das empresas e dos consórcios interessados na préqualificação. Interligação Acre Rondônia Mato Grosso 230 kv, constituído por: Relação, por lote, das empresas e dos consórcios interessados na préqualificação ao leilão de transmissão LOTE A Interligação Acre Rondônia Mato Grosso 230 kv, constituído por: LT Jauru (MT) Vilhena (RO)

Leia mais

Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof Robert Roc

Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof Robert Roc Bacias Hidrográficas Brasileiras As Bacias Brasileiras Região Hidrográfica Amazônica ORIGEM DA BACIA AMAZÔNICA Com a fragmentação da Gondwana notamos o processo de abertura e depressões das áreas interiores

Leia mais

Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL. Ministro Francisco Teixeira

Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL. Ministro Francisco Teixeira Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL Ministro Francisco Teixeira 20/11/2013 PLANO NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA Brasília-DF, novembro de 2013 FUNDAMENTOS 1. Objetivo da Infraestrutura

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar as principais ações. Assunto 4: O DNOCS Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - (pag. 63).

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar as principais ações. Assunto 4: O DNOCS Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - (pag. 63). I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar as principais ações desenvolvimento regional no Nordeste. Assunto 4: O DNOCS Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - (pag.

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 24/07/2006 A 30/07/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 24/07/2006 A 30/07/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 24/07/2006 A 30/07/2006 RELATÓRIO ONS - 3/216/06 EMITIDO EM: 04/08/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA

GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA Na geração de energia elétrica quatro empresas contribuem com as maiores parcela da energia: Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE-GT), Tractebel, CGTEE - Companhia

Leia mais

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Bacia do São Francisco Irrigação na bacia do rio Potencial irrigável cerca de 1 milhão de hectares Efetivamente irrigados cerca de 340 mil hectares e em constante

Leia mais

E S PTRES FUNC PROGRAMA/AÇÃO/PRODUTO/ LOCALIZAÇÃO ND FTE RP DIRETORIA / COORDENAÇÃO COORDENADOR DE AÇÃO DIRETORIA DEDESENVOLVIMENTO

E S PTRES FUNC PROGRAMA/AÇÃO/PRODUTO/ LOCALIZAÇÃO ND FTE RP DIRETORIA / COORDENAÇÃO COORDENADOR DE AÇÃO DIRETORIA DEDESENVOLVIMENTO PLANILHA ENTRE PROGRAMAS DE GOVERNO DO DNOCS PTRES UNC PROGRAMA/AÇÃO/PRODUTO/ LOCALIZAÇÃO ND TE RP / COORDENAÇÃO DE AÇÃO UNÇÃO O/LOCALIZAÇÃO PREVIDÊNCIA DE INATIVOS E PENSIONISTAS 0089 DA UNIÃO OPERAÇÕES

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

*ANEEL OH /2014-SFE/ANEEL. Nota Técnica n. Em 31 de janeiro de 2014. Processo: 48500.000478/2014-39

*ANEEL OH /2014-SFE/ANEEL. Nota Técnica n. Em 31 de janeiro de 2014. Processo: 48500.000478/2014-39 *ANEEL A gência N acional de Energia E létrica Nota Técnica n OH /2014-SFE/ANEEL Em 31 de janeiro de 2014. Processo: 48500.000478/2014-39 Assunto: Planos de manutenção específicos visando garantir a qualidade

Leia mais

ANUÁRIO DO MONITORAMENTO QUANTITATIVO DOS PRINCIPAIS AÇUDES DO ESTADO DO CEARÁ

ANUÁRIO DO MONITORAMENTO QUANTITATIVO DOS PRINCIPAIS AÇUDES DO ESTADO DO CEARÁ ANUÁRIO DO MONITORAMENTO QUANTITATIVO DOS PRINCIPAIS AÇUDES DO ESTADO DO CEARÁ 2001 Para ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes. Assim

Leia mais

Boletim de Monitoramento Hidrometeorológico do Estado da Bahia

Boletim de Monitoramento Hidrometeorológico do Estado da Bahia Boletim de Monitoramento Hidrometeorológico do Estado da Bahia Boletim nº 251/215 - Sala de Situação COMON/DIFIM/INEMA/ANA Salvador, 22 de Dezembro de 215 O Boletim Hidrometeorológico do Estado da Bahia

Leia mais

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A HIDROGRAFIA BRASILEIRA O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

1. OS DIVISORES DE ÁGUA : cristas das elevações que separam a drenagem de uma e outra bacia.

1. OS DIVISORES DE ÁGUA : cristas das elevações que separam a drenagem de uma e outra bacia. BACIAS HIDROGRÁFICAS A bacia hidrográfica é usualmente definida como a área na qual ocorre a captação de água (drenagem) para um rio principal e seus afluentes devido às suas características geográficas

Leia mais

Audiência Pública. 21 de dezembro de 2005

Audiência Pública. 21 de dezembro de 2005 Audiência Pública 21 de dezembro de 2005 Agenda 1. Descrição da Empresa A. Informações Operacionais B. Meio Ambiente e Responsabilidade Social C. A Receita Anual Permitida D. Informações Econômico-Financeiras

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASIL

BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASIL BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASIL Partes do rio 1 1 2 2 3 1 Vertente 2 Margem 3 Talvegue-Leito Bacias hidrográficas Corresponde à área drenada por um rio principal e uma rede de afluentes 1 1 1 3 9 6. Margem

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO ADENDO Nº 01 EDITAL DE LEILÃO Nº 007/2013-ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO ADENDO Nº 01 EDITAL DE LEILÃO Nº 007/2013-ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO ADENDO Nº 01 EDITAL DE LEILÃO Nº 007/2013-ANEEL A Comissão Especial de Licitação da ANEEL torna pública: A lista dos contatos de

Leia mais

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Mauricio Bähr Diretor-Presidente, SUEZ Energy Brasil julho de 2008 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Maurício de Abreu Soares Diretor Executivo da ABRAGE Porto Alegre

Leia mais

HABILITAÇÃO TÉCNICA - LEILÃO 2006 A-5 Empreendimentos Cadastrados

HABILITAÇÃO TÉCNICA - LEILÃO 2006 A-5 Empreendimentos Cadastrados Abreu Lima T Óleo Petrobras Distribuidora S/A PE Aimorés H Doce CEMIG - Companhia Energética de Minas Gerais Aiuruoca P Aiuruoca Eletroriver S/A MG Alagoinhas I T Óleo Alusa Engenharia Ltda. BA Angelina

Leia mais

ahrana A HIDROVIA DO RIO PARANÁ Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005

ahrana A HIDROVIA DO RIO PARANÁ Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005 1 ahrana Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005 A HIDROVIA DO RIO PARANÁ 2 A AHRANA A Administração da Hidrovia do Paraná, órgão subordinado ao DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura

Leia mais

A navegação oceânica transporta milhões de toneladas de minérios, grãos e produtos industrializados vendidos em todo o mundo.

A navegação oceânica transporta milhões de toneladas de minérios, grãos e produtos industrializados vendidos em todo o mundo. Imagem:www.digitalglobe.com A navegação oceânica transporta milhões de toneladas de minérios, grãos e produtos industrializados vendidos em todo o mundo. Para evitar perda de estabilidade durante a navegação

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS BARRAGENS DE ENROCAMENTO NO BRASIL LINHA DO TEMPO EVALUATION OF ROCKFILL DAMS IM BRAZIL - TIMELINE. José Marcos Donadon Engenheiro Civil

EVOLUÇÃO DAS BARRAGENS DE ENROCAMENTO NO BRASIL LINHA DO TEMPO EVALUATION OF ROCKFILL DAMS IM BRAZIL - TIMELINE. José Marcos Donadon Engenheiro Civil EVOLUÇÃO DAS BARRAGENS DE ENROCAMENTO NO BRASIL LINHA DO TEMPO EVALUATION OF ROCKFILL DAMS IM BRAZIL - TIMELINE José Marcos Donadon Engenheiro Civil RESUMO Este trabalho lista, em ordem cronológica de

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2011 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DE CONVIVÊNCIA COM AS SECAS Recife/Pe, 06/07/2015

FÓRUM PERMANENTE DE CONVIVÊNCIA COM AS SECAS Recife/Pe, 06/07/2015 FÓRUM PERMANENTE DE CONVIVÊNCIA COM AS SECAS Recife/Pe, 06/07/2015 SITUAÇÃO HÍDRICA E AÇÕES EMERGENCIAIS PARA A SECA NO ESTADO DO CEARÁ Ramon Rodrigues Secretário Adjunto MAPA DE INFRAESTRUTURA HÍDRICA

Leia mais

Reunião de Alocação Negociada de Água

Reunião de Alocação Negociada de Água Reunião de Alocação Negociada de Água Barragem Ubaldinho 25 de Julho de 2014 Cedro/CE Divisão Geopolítica da Sub-Bacia do Rio Salgado Açudes Monitorados pela COGERH e DNOCS ATALHO Brejo Santo - DNOCS CACHOEIRA

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

12º Leilão de Energia Existente

12º Leilão de Energia Existente 1 12º Leilão de Energia Existente Realização: 17/12/2013 Característica: A-1 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão Acesse o Documento em PDF como anexo a esta mensagem. (Esta análise foi distribuída às

Leia mais

5º ENCONTRO NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR MUNICÍPIOS SELECIONADOS DO PROGRAMA TERRITÓRIOS DA CIDADANIA

5º ENCONTRO NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR MUNICÍPIOS SELECIONADOS DO PROGRAMA TERRITÓRIOS DA CIDADANIA 5º ENCONTRO NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR MUNICÍPIOS SELECIONADOS DO PROGRAMA TERRITÓRIOS DA CIDADANIA UF TERRITÓRIO MUNICÍPIO AL Da Bacia Leiteira Belo Monte AL Da Bacia Leiteira Olho d`água das Flores

Leia mais

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados Agenda Visão do Setor de Energia CPFL Energia Destaques e Resultados O mercado brasileiro é atendido por 64 concessionárias de distribuição de energia Distribuição de Energia 2008 Market Share 1 (%) Distribuidoras

Leia mais

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1 AC Rio Branco Cerest Estadual (68) 3223-4266 cerest.saude@ac.gov.br AL Maceió Cerest Estadual (82) 3315-2759 (82) 3315-3920 cerest@saude.al.gov.br AL Maceió Cerest Regional (82) 3315-5260 cerest@sms.maceio.al.gov.br

Leia mais

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica PwC Energy Day 1º Seminário sobre aspectos de energia elétrica Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica Claudio J. D. Sales Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2011 O conteúdo deste relatório

Leia mais

ENCONTROS ESTADUAIS - REDE DE ANCORAGEM TRILHAS QUADRO RESUMO SEMANA DE 28 DE MAIO A 01 DE JUNHO ESTADOS QTD TÉCNICOS DAS SECRETARIAS PARTICIPANTES

ENCONTROS ESTADUAIS - REDE DE ANCORAGEM TRILHAS QUADRO RESUMO SEMANA DE 28 DE MAIO A 01 DE JUNHO ESTADOS QTD TÉCNICOS DAS SECRETARIAS PARTICIPANTES ENCONTROS ESTADUAIS - REDE DE ANCORAGEM TRILHAS QUADRO RESUMO SEMANA DE 28 DE MAIO A 01 DE JUNHO ESTADOS QTD TÉCNICOS DAS SECRETARIAS PARTICIPANTES PARTICIPANTES QTD MUNICÍPIOS PARTICIPANTES LOCAL DO EVENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 (a publicar) Cria Unidades de Gestão de Recursos Hídricos de Bacias Hidrográficas de rios

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil.

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. Marque com um a resposta correta. 1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. I. A região Nordeste é a maior região do país, concentrando

Leia mais

Referência GTMN 03.2003. Assuntos Tratados

Referência GTMN 03.2003. Assuntos Tratados 1/7 10 a Reunião Ordinária do Grupo Técnico de Manutenção Local de Realização: São Paulo Duke Energy Geração Paranapanema Data 02 e 03/09/2003 Hora 08:30 h Participantes Toyoharu Komatsu Júlio Cesar Pinfari

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional USO INTERNO - SOMENTE PARA CONFERÊNCIA Quarta-Feira, 17 Fevereiro de 216 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu

Leia mais