Produção Sudeste/Centro-Oeste

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção Sudeste/Centro-Oeste"

Transcrição

1 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional ,7 14,18 2, 19,61 Eólica ,51 % Total SIN Intercâmbio Internacional Carga (*) , % Produção e Carga por Submercados e Intercâmbios Verificados - MWmed. Norte Produção Hidro Produção Termo Carga (*) (***) Itaipu Binacional Interc. Internacional Produção Hidro 1.98 Produção Termo Eólica 182 Carga (*) Sul INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 1 % % % % Produção Nordeste Hidro 3.7 Produção Termo Eólica 169 Carga (*) Produção Sudeste/Centro-Oeste Hidro Produção Termo Carga (*) (**) (*) Carga = Consumo + Perdas (**) Este valor inclui toda a carga de Mato Grosso do Sul suprida pela Enersul (733 MW), assim como a carga dos estados de Acre e Rondônia (567 MW) nesse dia. I t I t i l Sul (***) Este valor inclui a carga da região metropolitana de Manaus (1.59 MW) Nordeste Sudeste/Centro-Oeste

2 2 - Balanço de Energia Detalhado LEGENDA: Verificado Programado NORTE NORDESTE Produção (MWmed/dia) Produção (MWmed/dia) Hidro 11,89 % Hidro 5,42 % Termo 3,4 % Termo 4,96 % Total 15,28 % Eólica,25 % Total % Carga (MWmed) (*) (***) , Carga (MWmed) (*) Energia Afluente ENA MWmed Energia Afluente ENA MWmed 19 % MLT bruta no mês até o dia 35 % MLT bruta no mês até o dia 62 % MLT armazenável no mês até o dia 35 % MLT armazenável no mês até o dia Energia Armazenada Energia Armazenada No dia MWmês 87,4 % Desvio dia anterior No dia % 66 MWmês,4 % Desvio dia anterior MWmês 42,8 228 MWmês,5 % ITAIPU Binacional Produção para o Brasil (MWmed) 5 Hz Hz Total Intercâmbio Internacional (MWmed) Paraguai Import. Export. Acaray Uruguai Rivera Argentina Garabi I Garabi II Uruguaiana TOTAL SUL Produção (MWmed/dia) Hidro 15,99 % Termo 2,3 % Eólica,27 % Total 18,28 % Carga (MWmed) (*) Energia Afluente ENA MWmed 123 % MLT bruta no mês até o dia 119 % MLT armazenável no mês até o dia Energia Armazenada No dia MWmês 42,8 % Desvio dia anterior -27 MWmês -,2 % SUDESTE/CENTRO-OESTE Produção (MWmed/dia) Hidro 3,4 % Termo 9,23 % Nuclear 2, % Total 41,63 % Carga (MWmed) (*) (**) Energia Afluente ENA MWmed 81 % MLT bruta no mês até o dia 79 % MLT armazenável no mês até o dia Energia Armazenada No dia MWmês 36,6 % Desvio dia anterior -45 MWmês, % (*) Carga = Consumo + Perdas (**) Este valor inclui toda a carga de Mato Grosso do Sul suprida pela Enersul (733 MW), assim como a carga dos estados de Acre e Rondônia (567 MW)nesse dia. (***) Este valor inclui a carga da região metropolitana de Manaus ( 1.59 MW) INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 2

3 3 - Variação de Carga e Energia Armazenada Carga (*) Previsão Programa Mensal de Operação - PMO (MWmed) Sul SE/CO Norte NE (**) Carga Verificada no dia (MWmed) Variação últimos 7 dias/previsão mensal PMO (%) 3,2-1,2,8,2 Variação no mês/previsão mensal PMO (%) 2,8 -,1,2 -,1 Energia Armazenada Sul SE/CO Norte NE Capacidade Máxima (MWmês) Armazenamento ao final do dia (MWmês) Armazenamento ao final do dia (%) Variação em relação dia anterior (%) Variação acumulada mensal (%) ,8 36,6 87,4 42,8 -,2,,4,5-3,3,3 1,3 1,3 (*) Carga = Consumo + Perdas (**) Estes valores incluem toda a carga de Mato Grosso do Sul 4 - Destaques da Operação * CARGA E PRODUÇÃO DE ENERGIA POR SUBMERCADO Submercado Sul: A geração hidráulica foi superior ao valor programado devido ao maior envio de energia para o submercado Sudeste/Centro-Oeste (Vide intercâmbio submercado Sul). A geração térmica não apresentou desvio em relação ao valor programado (ver itens 5 e 6). A geração eólica foi superior ao valor previsto devido as condições favoráveis de vento. A carga foi ligeiramente inferior ao valor previsto. Submercado Sudeste/Centro-Oeste: A geração hidráulica não apresentou desvio significativo em relação ao valor programado. A geração total de Itaipu foi superior ao valor programado devido a geração térmica ter sido inferior ao valor programado (ver itens 5 e 6). A geração nuclear não apresentou desvio significativo em relação ao valor programado. A carga foi inferior ao valor previsto. INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 3

4 Submercado Nordeste: A geração hidráulica não apresentou desvio em relação ao valor programado. A geração térmica foi inferior ao valor programado (ver itens 5 e 6). A geração eólica não apresentou desvio significativo em relação ao valor previsto. A carga foi ligeiramente inferior ao valor previsto. Submercado Norte: A geração hidráulica foi ligeiramente superior ao valor programado devido à carga acima da prevista. A geração térmica foi superior ao valor programado (ver itens 5 e 6). * TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA ENTRE SUBMERCADOS Intercâmbio de Energia do Submercado Sul O intercâmbio de energia do submercado Sul foi superior ao valor programado devido à menor disponibilidade de energia no submercado Sudeste/Centro-Oeste em face do menor recebimento de energia proveniente do submercado Norte. Intercâmbio de Energia para o Submercado Nordeste O intercâmbio de energia para o submercado Nordeste foi superior ao valor programado devido à menor disponibilidade de geração térmica no submercado Nordeste. Intercâmbio de Energia do Submercado Norte O intercâmbio de energia do submercado Norte não apresentou desvio significativo em relação ao valor programado. Intercâmbio Internacional Não houve intercâmbio internacional, conforme programado. * OCORRÊNCIAS NA REDE DE OPERAÇÃO Nada a relatar. * OCORRÊNCIAS NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO Nada a relatar. * CONCLUSÃO DE TESTES DE COMISSIONAMENTO DE NOVAS INSTALAÇÕES Nada a relatar. INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 4

5 5 - Gerações Térmicas das Usinas Tipo I e Tipo II-A Valores de Média Diária das Usinas Térmicas Tipo I Usinas Razão do Capacidade(*) Média Diária Média Diária Obs. Despacho Instal. Dispon. Prog. Verif. Difer. e Var %(**) S U D E S T E / C E N T R O - O E S T E Angra II EN (1) Angra I (2) Nortefluminense EN % --- Baixada Fluminense EN % --- Do Atlântico EN/IN % (3) Luiz Carlos Prestes EN % (3) Santa Cruz Nova EN % --- Gov. Leonel Brizola EN % (3) Juiz de Fora EN % --- W. Arjona EN % (3) B. L. Sobrinho EN % (3) Luiz O. R. Melo EN % --- Euzebio Rocha EN % (3) Aureliano Chaves EN % --- Fernando Gasparian EN % (2) Mário Lago EN % (2) Cuiabá (3) Termonorte II EN % --- Viana EN % --- Igarapé EN % --- Palmeiras de Goiás EN % (3) Daia EN (4) Goiânia 2 EN % (3) Sol IN % --- Caçu-I IN % (3) Ipaussu IN % (3) Rio Acre TOTAL SE / CO % Legenda: EL - Elétrica EN - Energética IN - Inflexibilidade EX - Exportação TE - Teste GE - Garantia de Suprimento Energético - Res. CNPE 8/7 PE - Perdas GFOM - Geração Fora de Ordem de Mérito de Custo - Resolução ANEEL 272/27 GSUB - Geração de substituição - Resolução ANEEL 272/27 ER - Energia Reposição (1) - Não são comparadas por serem programadas sempre na base (2) - Manutenção em Unidade Geradora (Esta observação refere-se às diferenças entre Capacidade Instalada e Capacidade Disponível) (3) - Restrição Operativa (Esta observação refere-se às diferenças entre Capacidade Instalada e Capacidade Disponível) (4) - Manutenção em Unidade Geradora e Restrição Operativa (Esta observação refere-se às diferenças entre Capacidade Instalada e Capacidade Disponível) (*) - A Capacidade Instalada e Disponível não considera o montante de geração com operação comercial suspensa ou em processo de expansão (**) - Diferença (Verificado - Programado) Var% = (Verificado - Programado) / Programado * 1 INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 5

6 Usinas Razão do Capacidade(*) Média Diária Média Diária Obs. Despacho Instal. Dispon. Prog. Verif. Difer. e Var %(**) S U L Candiota III EN % --- P. Médici EN % (4) J. Lacerda-C (2) J. Lacerda-B EN % (2) J. Lacerda-A EN % (4) Charqueadas EN % (3) São Jerônimo (4) Figueira EN % (4) Sepé Tiaraju EN % --- Araucária EN % --- Uruguaiana (3) TOTAL S % N O R D E S T E Termopernambuco EN % --- Porto Pecém I EN % (3) Fortaleza (2) Porto Pecém II EN % --- Celso Furtado EN % (3) Termoceará EN % (2) Rômulo Almeida EN % (4) Jesus S. Pereira EN % (3) Pernambuco III EN % --- Maracanau I EN (2) Termocabo EN Termonordeste EN % (3) Termoparaiba EN % (3) Campina Grande EN % --- Suape II EN % --- Global I EN % --- Global II EN % --- Camaçari EN/EL % (4) Camaçari Muricy EN/GFOM % --- Camaçary Polo EN/GFOM % --- Petrolina EL % --- Potiguar III EL % (3) Potiguar EL % --- Pau Ferro I EL/GFOM % --- Termomanaus EL/GFOM TOTAL NE % INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 6

7 Usinas Razão do Capacidade(*) Média Diária Média Diária Obs. Despacho Instal. Dispon. Prog. Verif. Difer. e Var %(**) N O R T E Parnaíba IV EN (2) Porto do Itaqui EN % --- Maranhão IV EN % --- Maranhão V EN % --- Nova Venécia EN % --- Geramar 1 EN % --- Geramar 2 EN % --- Jaraqui % --- Tambaqui % --- Manauara % --- Ponta Negra % --- Cristiano Rocha % --- Aparecida Mauá % --- UTE Suzano Maranhão IN % --- TOTAL N % Valores de Média Diária das Usinas Térmicas Tipo II-A Usinas Razão do Capacidade(*) Média Diária Média Diária Obs. Despacho Instal. Dispon. Prog. Verif. Difer. e Var %(**) S U D E S T E / C E N T R O - O E S T E Cocal (3) Xavantes EL TOTAL SE % S U L Energia Madeiras EN (3) TOTAL S % N O R D E S T E Enguia CE ** EN % (3) Enguia PI ** EN % (3) Bahia I EN/GFOM % (2) TOTAL NE % (**) Corresponde ao total de geração programada nas usinas da Enguia nos estados do Ceará e Piauí, respectivamente. O submódulo 26.1 dos Procedimentos de Rede determina que as usinas Tipo I e Tipo II-A são programadas e despachadas centralizadamente pelo ONS Usinas com mais de uma razão de despacho (Tipo I e II-A) - Médias Diárias Usinas Média Diária Razão do Verificada Programada Despacho Do Atlântico EN 17 1 IN Camaçari EN EL INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 7

8 Camaçari Muricy EN GFOM Camaçary Polo EN GFOM Pau Ferro I EL GFOM Termomanaus EL GFOM Bahia I 9 12 EN 8 8 GFOM Total de Geração Térmica das Usinas Tipo I e Tipo II-A dos submercados e do SIN Capacidade(*) Média Diária Média Diária Instal. Dispon. Prog. Verif. Difer. e Var %(**) SUDESTE/CENTRO-OESTE % SUL % NORDESTE % NORTE % TOTAL SIN % Principais diferenças entre as Capacidades Instaladas e Disponibilidade Por Manutenção Usinas Capacidade Instalada Disponível Diferença Fernando Gasparian Mário Lago Angra I J. Lacerda-C J. Lacerda-B Maracanau I Fortaleza Termoceará Bahia I Parnaíba IV Total Por Restrição Operativa Usinas Capacidade Instalada Disponível Diferença W. Arjona B. L. Sobrinho Euzebio Rocha Cuiabá Palmeiras de Goiás Goiânia Caçu-I INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 8

9 Ipaussu Do Atlântico Luiz Carlos Prestes Gov. Leonel Brizola Cocal Uruguaiana Charqueadas Energia Madeiras Termonordeste Termoparaiba Porto Pecém I Potiguar III Celso Furtado Jesus S. Pereira Enguia CE ** Enguia PI ** Total Por Restrição Operativa e Manutenção Usinas Capacidade Instalada Disponível Diferença Daia P. Médici J. Lacerda-A São Jerônimo 2 2 Figueira Camaçari Rômulo Almeida Total Totais Capacidade Instalada Disponível Diferença Por Manutenção Por Restrição Operativa Por Restrição Operativa e Manutenção Demais Restrições Agregadas Total Diferença entre capacidade instalada e autorizada - Usinas com operação comercial suspensa ou em expansão Usinas Capacidade Instalada Autorizada Diferença Alegrete Campos 3 3 Nutepa Pie-RP 3 3 Piratininga 2 2 Santa Cruz P. Médici Santa Cruz Nova Total INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 9

10 6 - Destaques da Geração Térmica Os destaques apresentados a seguir se referem unicamente aos motivos de diferenças diárias entre valores programados e verificados de geração, registrados com base em informações prestadas pelos agentes na operação em tempo real. Para quaisquer outras finalidades, devem ser usados valores consistidos e considerados os parâmetros requeridos para cada cálculo. Por exemplo, para acompanhamento do cumprimento do Termo de Compromisso - TC ANEEL/Petrobrás devem ser considerados os dados mensais consistidos com o agente. * PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE GERAÇÃO VERIFICADA E PROGRAMADA A UN Angra II (Eletrobras Eletronuclear) gerou acima do programado durante todo o dia devido ao maior rendimento de suas unidades geradoras. A UT Baixada Fluminense (PETROBRAS) gerou abaixo do programado durante todo o dia devido ao menor rendimento de suas unidades geradoras. A UT Do Atlântico (ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Ltda) gerou acima do programado durante todo o dia devido à maior disponibilidade de combustível oriundo do processo interno da planta. A UT Santa Cruz (FURNAS) gerou abaixo do programado durante todo o dia devido ao menor rendimento de suas unidades geradoras. A UT Gov. Leonel Brizola (PETROBRAS) gerou abaixo do programado das 9hmin às 19h52min devido ao menor rendimento de suas unidades geradoras. A UT W. Arjona (TRACTEBEL) gerou abaixo do programado durante todo o dia devido ao menor rendimento de suas unidades geradoras. A UT B.L.Sobrinho (PETROBRAS) gerou abaixo do programado durante todo o dia devido ao menor rendimento de suas unidades geradoras. A UT Euzébio Rocha (PETROBRAS) gerou abaixo do programado devido ao menor fornecimento de vapor para a refinaria REDUC durante o dia todo e devido à indisponibilidade da UG nº 2 da hmin à 1h1min. Da 1h11min às 4h7min esta unidade geradora encontrava-se em elevação de geração para o valor programado. A UT Fernando Gasparian (PETROBRAS) gerou abaixo do programado devido ao menor rendimento de suas unidades geradoras durante o dia todo e também em função da rampa de elevação de geração para o valor programado ter sido inferior ao valor previsto, das 8h6min às 11h3min. A UT Mário Lago (PETROBRAS) gerou acima do programado das 9h1min às 24hmin devido ao maior rendimento de suas unidades geradoras. A UT Viana (TEVISA) gerou abaixo do programado durante todo o dia devido à indisponibilidade de unidades geradoras. A UT Palmeiras de Goiás (Bolognesi Participações S.A) não gerou das 9hmin às 9h21min devido à indisponibilidade em emergência desta usina e gerou abaixo do programado das 9h22min às 24hmin devido à INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 1

11 indisponibilidade de algumas unidades geradoras do grupo nº1. Previsão de retorno para o dia 11/4/214. A UT Goiânia II (BRENTECH) gerou abaixo do programado durante todo o dia devido à indisponibilidade de unidades geradoras. A UT Sol (ArcelorMittal Brasil S.A.) gerou abaixo do programado ao longo do dia devido menor rendimento no processo de coqueria. A UT Caçu I (RIO CLARO AGROINDUSTRIAL S.A.) gerou durante todo o dia devido à disponibilidade de combustível (bagaço de cana). A UT P.Médici (Eletrobras CGTEE) gerou abaixo do programado durante o dia todo devido anormalidade em ventilador de ar secundário. A UT J.Lacerda A (TRACTEBEL) gerou acima do programado a partir das 13h36min devido ao retorno antecipado da UG nº1. A UT Termopernambuco (TERMOPERNAMBUCO) gerou abaixo do programado a partir das 8h6min para possibilitar limpeza da caixa d água do condensador. A UT Porto Pecém I (Porto Pecém Geração de Energia S.A.) gerou abaixo do programado a partir da h13min devido à indisponibilidade da UG nº1 e restrição de geração na UG nº2 ocasionada por anormalidade no sistema de transporte de cinza. A UG nº1 está sem previsão de retorno. A UT Termoceará (PETROBRAS) gerou acima do programado da hmin às 9h3min devido à maior disponibilidade de unidades geradoras. A UT Rômulo Almeida (PETROBRÁS) gerou abaixo do programado devido a menor demanda de vapor pelo cliente interno da hmin às 6h2min. Gerou abaixo também devido à indisponibilidade da UG nº3 das 6h24min às 24hmin e da indisponibilidade da UG nº 2 das 6h24min às 24hmin. Sem previsão de retorno. A UT Pernambuco III (Termelétrica Pernambuco III S.A) gerou abaixo do programado durante o dia todo devido à indisponibilidade de unidades geradoras dos grupos geradores nº 1 e 2. Sem previsão de retorno. As UT Termonordeste e Termoparaíba (EPASA) geraram abaixo do programado durante o dia todo devido ao menor rendimento de suas unidades geradoras. A UT Suape II (ENERGÉTICA SUAPE II S.A.) gerou abaixo do programado ao longo do dia devido à indisponibilidade de unidades geradoras. A UTs Global I e II (Candeias Energia) geraram abaixo do programado das 6h3min às 24hmin devido indisponibilidade de unidades geradoras. A UT Camaçari (CHESF) gerou abaixo do programado durante o dia todo devido ao menor rendimento de suas unidades geradoras. A UT Petrolina (Cia Energética de Petrolina) não gerou das 15h58min às 16h3min devido à indisponibilidade em emergência desta usina e gerou abaixo do programado das 16h3min às 24hmin devido à indisponibilidade das UGs nº1, 2, 3 e 4. Sem previsão de retorno. INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 11

12 As UTs Maranhão IV e V e Nova Venécia (PARNAÍBA GERAÇÃO DE ENERGIA S.A.) geraram acima do programado ao longo do dia devido ao maior rendimento de suas unidades geradoras. A UT Manauara (Companhia Energética Manauara) gerou abaixo do programado das 2h21min às 8hmin e das 8h49min às 14h54min devido à indisponibilidade de unidades geradoras. A UT Mauá (Amazonas Distribuidora de Energia SA) gerou acima do programado a partir das 1h15min devido ao retorno da UG nº8. A UT Suzano Maranhão (Suzano Papel e Celulose S.A) gerou acima do valor programado durante todo o dia devido à maior disponibilidade de combustível oriundo do processo interno da planta. As UTs Enguia CE (ENGUIA GEN CE LTDA) e Enguia PI (ENGUIA GEN PI LTDA) geraram abaixo do programado ao longo do dia devido ao menor rendimento de suas unidades geradoras. * INFORMAÇÕES ADICIONAIS Na UT Santa Cruz Nova (ELETROBRAS FURNAS), as unidades geradoras nº 1 e 2 estão em fase de expansão e tem previsão de entrada em operação para junho e outubro de 214, respectivamente, conforme ofício SRG/ANEEL 143/213 de 15/3/213. Na UT Santa Cruz (ELETROBRAS FURNAS), as unidades geradoras a óleo nº 3 e 4 estão com a operação suspensa conforme despacho da ANEEL nº de 19/1/212. A UT Piratininga (EMAE), com duas unidades geradoras a óleo, está com a operação suspensa conforme despacho da ANEEL nº 45 de 11/1/211. A UT Campos (ELETROBRAS FURNAS), com duas unidades geradoras a óleo, está com a operação suspensa conforme despacho da ANEEL nº 3977 de 13/12/212. A UT Rio Acre (ELETROBRAS ELETRONORTE), com duas unidades a óleo, é despachada apenas em situações especiais para atendimento local. A UT PIE-RP (PIE-RP), com 4 unidades geradoras, está com sua operação suspensa, conforme despacho SFG/ANEEL n 135, de 9/4/13, que suspende temporariamente a operação destas unidades até que seja restabelecidas as condições operativas. Na UT P. Médici (ELETROBRAS CGTEE) a unidade geradora nº 1 está com operação suspensa a partir de 2/12/213 conforme despacho da ANEEL nº 494 de 29/11/213. A UT Alegrete (TRACTEBEL), com duas unidades geradoras a óleo, está com a outorga revogada a partir de 25/2/214 conforme despacho da ANEEL nº 4.567/214. A UT Nutepa (ELETROBRAS CGTEE), com três unidades geradoras a óleo, está com a operação suspensa conforme despacho da ANEEL nº 397 de 6/1/211. INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 12

13 7 - Demandas Máximas Demanda Máxima do SIN no dia ( 14h 53 min ) SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MW Geração hidro Geração Itaipu Geração nuclear Geração termo Geração eólica Intercâmbio internacional Carga (*) NORTE - MW Geração hidro Geração termo Carga (*) NORDESTE - MW Geração hidro Geração termo Geração eólica Carga (*) ITAIPU Binacional - MW SUDESTE/CENTRO-OESTE - MW 5 Hz 6 Hz Total Geração hidro Geração nuclear Geração termo Carga (*) (**) -1.6 INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS - MW Paraguai (ANDE - COPEL) Uruguai (Rivera) Argentina (Garabi) Argentina (Uruguaiana) SUL - MW Geração hidro Geração termo Geração eólica Carga (*) (*) Carga = Consumo + Perdas (**) Este valor inclui toda a carga de Mato Grosso do Sul suprida pela Enersul ( 932 MW nesse dia) Demandas Máximas Instantâneas do dia por Submercados - MW Submercado Verificada no Dia Máxima Histórica SUL SUDESTE - CO NORTE NORDESTE SIN às às às às às 14h 38 min 18h 39 min 2h 31 min 14h 23 min 14h 53 min em em em em em 6/2/214 6/2/214 17/9/213 4/12/213 5/2/214 INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 13

14 Rio Corumbá Corumbá IV Corumbá Concessões Corumbá III CEC III 8 - Afluência e Defluência das Principais Usinas Integrantes do SIN Bacias Paranaíba, Grande e Doce Corumbá I - Furnas Rio Verde Salto Rio Verde Energia Salto Rio Verdinho Cia Bras de Aluminio Batalha Furnas V = 148 Rio S. Marcos S. do Facão SEFAC Rio Claro Rio Paranaíb Rio Araguari Emborcação CEMIG Amador Aguiar 1 Cons. C. Branco Caçu Gerdau Barra dos Coqueiros Gerdau JLMG Pereira F.R. Claro Amador Aguiar 2 - Cons. C. Branco Nova Ponte CEMIG Miranda CEMIG Itumbiara - Furnas C. Dourada - CDSA São Simão - CEMIG Rio Grande Camargos - CEMIG Itutinga - CEMIG Funil - CEMIG Furnas - Furnas M. Moraes - Furnas L. C. Barreto - Furna Jaguara - CEMIG Igarapava - CEMIG V. Grande - CEMIG P. Colômbia - Furnas Rio Pardo Rio Piracicaba Caconde AES-Tietê , E. Cunha AES-Tietê A. S. Oliveira AES-Tietê G.Amorim Consórcio G.Amorim Sá Carvalho CEMIG Rio Doce S. Grande CEMIG P.Estrela Cons. P.Estrela Risoleta Neves Cons. Candonga Baguari Aimorés CEMIG Mascarenhas Escelsa Rio Sto Antônio Rio Corrente Espora Espora Energética Rio Paraná (A) Marimbondo - Furnas A. Vermelha - AES-Tietê LEGENDA: Vazão afluente m³/s Vazão defluente m³/s xxxx xxxx xxx.xx xx.xx V = xxxx Nível montante (m) Volume útil (%) Vertimento m³/s Reservatório Usina a fio d'água Usinas em construção Estação de bombeamento INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 14

15 8 - Afluência e Defluência das Principais Usinas Integrantes do SIN Bacias Tietê, Paranapanema, Paraná e Paraíba do Sul Rio Tietê Ponte Nova 1 EMAE E. de Souza 72 EMAE V = V = V = V = Canal P. Barreto (A) I. Solteira CESP Barra Bonita AES-Tietê Bariri AES -Tietê Ibitinga AES-Tietê Promissão AES-Tietê N. Avanhandava AES Tietê Rio Pinheiros Três Irmãos CESP Jupiá CESP V = 24 Billings EMAE (*) Pedreira EMAE Traição EMAE Rio Paranapanema P. Primavera CESP Rio Guarapiranga Guarapiranga EMAE Jurumirim 134 Duke GP Piraju CBA Chavantes Duke GP Ourinhos CBA Salto Grande Duke GP Canoas II Duke GP Canoas I Duke GP Capivara Duke GP Taquaruçu Duke GP Rosana Duke GP V = 11 Rio Tibagi Mauá C. Cruzeiro do Sul S. Cecília LIGHT V = 72 ITAIPU Rio Paraíba do Sul Paraibuna CESP Rio do Peixe Rio Jaguari S. Branca LIGHT Funil Furnas Rio Paraná Anta FURNAS V = Jaguari CESP Rio Paraibuna Sobragi CEMIG Ilha dos Pombos- LIGHT (B) (*) reservatório vertendo p/ descarga mínima ou controle de nível Picada C.P. Metais Simplicio FURNAS Bacia Paranaíba Grande Tietê Paranapanema Paraná Paraíba do Sul % partic. Armazen. Submercad % Armaz. Bacia ENA do dia % da MLT Energia Natural Afluente % MLT no mês até o dia Armaz. Bruta Geração Hidráulica no dia Verficada Programada MW med % MW med % INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 15

16 (B) 8 - Afluência e Defluência das Principais Usinas Integrantes do SIN Bacias Iguaçu, Uruguai, Jacuí e Capivari Rio Jordão Jordão COPEL Rio Jacuí 29 Ernestina - CEEE V = Passo Real - CEEE V = Sta. Clara ELEJOR Fundão ELEJOR Desvio Jordão Jacuí - CEEE Itaúba - CEEE D. Francisca - DFESA Rio Iguaçu G. B. Munhoz - COPEL G. Ney Braga 1199 COPEL S. Santiago - Tractebel S. Osório Tractebel Gov. José Richa COPEL Capanema - Itaipu V = V = V = 157 Rio Taquari- Antas Rio Chapecó Rio Canoas Campos Novos Enercan 5 47 Castro Alves CERAN Monte Claro CERAN 14 Julho CERAN Garibaldi Rio Canoas Quebra Queixo CEC V = Rio Capivari Rio Uruguai Rio Pelotas Barra Grande - Baesa 918 Machadinho - Tractebel Passo Fundo - Tractebel V = Itá - Tractebel G. P. Souza 29 COPEL Rio Passo Fundo Alzir Santos - Monel Foz do Chapecó - FCE Trecho Internacional sem usinas sob coordenação do ONS Rio Paraná Bacia % partic. Armazen. Submercad % Armaz. Bacia Energia Natural Afluente ENA do dia % MLT no mês até o dia % da MLT Armaz. Bruta Iguaçu Jacuí Uruguai Capivari Geração Hidráulica no dia Verificada Programada MW med % MW med % INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 16

17 8 - Afluência e Defluência das Principais Usinas Integrantes do SIN Bacia do Tocantins, São Francisco, Parnaíba, Jequitinhonha e Amazonas V = V = 287 Rio Tocantins Serra da Mesa Consórcio Serra da Mesa S.A Cana Brava Tractebel São Salvador Tractebel Peixe Angical Enerpeixe Lajeado Investco Estreito 682 Tractebel V = Tucuruí Eletronorte V = Rio São Francisco Três Marias CEMIG Sobradinho CHESF Luiz Gonzaga CHESF Apolônio Sales CHESF P.Afonso 1,2,3 CHESF Xingó CHESF Rio Paracatu Rio Parnaíba P.Afonso 4 CHESF Rio Preto Rio Aripuanã B. Esperança CHESF V = 58 Queimado CBQ Rio Comemoração V = 12 Dardanelos Águas de Pedra Rio Jequitinhonha Irapé CEMIG Rio Ji-Parana Itapebi Itapebi S.A Rondon II Eletrogoes Rio Jamari Rio Paraguaçu Pedra do Cavalo Votorantin Ltda Rio Guaporé Rio Madeira Guaporé Tangará Energia V = Samuel Eletronorte V = V = Rio Amazonas Rio Uatumã Jirau - Enersus 89.2 Balbina Eletrobras Amazonas Energia Sto Antônio Sto Antônio Energia Bacia % partic. Armazen. Submercad Tocantins (*1) 96.8 Energia Natural Afluente % Armaz. Bacia ENA do dia % MLT no mês até o dia % da MLT Armaz. Bruta Geração Hidráulica no dia Verificada Programada MW med % MW med % % partic. Energia Natural Afluente Bacia Armazen. % Armaz. ENA do dia % MLT no mês até o dia Submercad Bacia % da MLT Armaz. Bruta São Francisco (*2) Parnaíba Geração Hidráulica no dia Verificada Programada MW med % MW med % (*1) Inclui usinas do Norte e Sudeste/Centro-Oeste (*2) Inclui usinas do Nordeste e Sudeste/Centro-Oeste INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 17

18 9 - Acompanhamento dos Armazenamentos por Submercado Sul Sudeste INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 18

19 9 - Acompanhamento dos Armazenamentos por Submercado Nordeste Norte INFORMATIVO PRELIMINAR DIÁRIO DA OPERAÇÃO DO DIA 1/4/214 ( Quinta-feira ) - Pag. 19

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/05/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/08/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 15/01/2015 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Produção Sudeste/Centro-Oeste

Produção Sudeste/Centro-Oeste 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica 37.29 11.76 1.83 9.369

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 15/01/2016 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2011 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional USO INTERNO - SOMENTE PARA CONFERÊNCIA Quarta-Feira, 17 Fevereiro de 216 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2012 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

Bacias da Costa do Atlântico Sudeste

Bacias da Costa do Atlântico Sudeste Capacidade de Suporte para Aquicultura em Reservatórios de Domínio Federal Atualizada em: 07/11/2014 Possui capacidade de suporte Nome do corpo hídrico Operador do reservatório Rio barrado Bacia / Região

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica Domingo, 20 de Novembro de 2011 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES - PERÍODO 1931 A 2007

ATUALIZAÇÃO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES - PERÍODO 1931 A 2007 ATUALIZAÇÃO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES - PERÍODO 1931 A 2007 07 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

Produção Sudeste/Centro-Oeste

Produção Sudeste/Centro-Oeste Sábado, 2 de Abril de 213 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica

Leia mais

Produção Sudeste/Centro-Oeste

Produção Sudeste/Centro-Oeste Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2015 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

Produção Sudeste/Centro-Oeste

Produção Sudeste/Centro-Oeste Quarta-feira, 1 de Junho de 215 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

Potência Instalada de Geração Elétrica Brasil e Mundo

Potência Instalada de Geração Elétrica Brasil e Mundo O setor sucroalcooleiro responde por 42 da potência APE e, em 211, gerou excedentes de cerca de 9.9 GWh. Os 1 maiores setores autoprodutores de eletricidade 31/12/211 Nº Setor Instalada de Geração no Mundo

Leia mais

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar,

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras O Brasil possui o maior volume de água potável em estado liquido do globo. Isso se deve as suas extensas e caudalosas bacias hidrográficas. Por sua vez essas bacias devem

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL Energia Assegurada

Cadernos Temáticos ANEEL Energia Assegurada . Agência Nacional de Energia Elétrica 3 Cadernos Temáticos ANEEL Energia Assegurada Brasília DF Abril 2005 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Diretoria Diretor-Geral Jerson Kelman Diretores

Leia mais

Revisão dos Valores de Referência de Indisponibilidade Forçada - TEIF e Programada - IP de Usinas Hidrelétricas

Revisão dos Valores de Referência de Indisponibilidade Forçada - TEIF e Programada - IP de Usinas Hidrelétricas Revisão dos Valores de Referência de Indisponibilidade Forçada - TEIF e Programada - IP de Usinas Hidrelétricas ABRIL/2015 Revisão 1 Esplanada dos Ministérios Bloco U CEP: 70.065-900 Brasília-DF BRASIL

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Seminario 18 o Congreso Mundial de la Energía Extensión NEA Posadas 22 y 23 de agosto de 2002 Integração Energética Antonio Otélo Cardoso

Leia mais

PROJETO DE P&D ANEEL MODELOS DE OTIMIZAÇÃO DO DESPACHO HIDROTÉRMICO. Etapa 1 Acompanhamento e Coordenação do Projeto (7 de 30)

PROJETO DE P&D ANEEL MODELOS DE OTIMIZAÇÃO DO DESPACHO HIDROTÉRMICO. Etapa 1 Acompanhamento e Coordenação do Projeto (7 de 30) PROJETO DE P&D ANEEL MODELOS DE OTIMIZAÇÃO DO DESPACHO HIDROTÉRMICO Etapa 1 Acompanhamento e Coordenação do Projeto (7 de 30) Etapa 2 UFJF PDE Fast Convex Hull (7 de 12) Etapa 3 UFJF Módulo Energia Firme

Leia mais

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar,

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL

HIDROGRAFIA DO BRASIL Hidrografia características gerais HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Reflete as condições de umidade do clima do país Rica em rios,, mas pobre em lagos Predominância de rios de planalto,, favoráveis

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 5.899, DE 5 DE JULHO DE 1973. Dispõe sobre a aquisição dos serviços de eletricidade da ITAIPU e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional ENCONTRO DE DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO EDAO 2008 Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional São Paulo SP 11 de novembro de 2008 Hermes Chipp 1. Procedimentos para aumentar a segurança energética

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

O papel da bioeletricidade no plano de decenal de energia elétrica 2006/2015 e nos leilões de energia nova

O papel da bioeletricidade no plano de decenal de energia elétrica 2006/2015 e nos leilões de energia nova O papel da bioeletricidade no plano de decenal de energia elétrica 2006/2015 e nos leilões de energia nova José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE Eduardo Henrique Ferreira

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 CORREDORES HIDROVIÁRIOS CORREDORES HIDROVIÁRIOS NECESSIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE TODOS OS CORREDORES VALORES (milhões): CORREDOR

Leia mais

HABILITAÇÃO TÉCNICA - LEILÃO 2006 A-5 Empreendimentos Cadastrados

HABILITAÇÃO TÉCNICA - LEILÃO 2006 A-5 Empreendimentos Cadastrados Abreu Lima T Óleo Petrobras Distribuidora S/A PE Aimorés H Doce CEMIG - Companhia Energética de Minas Gerais Aiuruoca P Aiuruoca Eletroriver S/A MG Alagoinhas I T Óleo Alusa Engenharia Ltda. BA Angelina

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 1. EDITORIAL Há tempos as equipes do ONS responsáveis pela elaboração dos Programas Mensais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO EXECUTIVO

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO EXECUTIVO PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO Mario Veiga mario@psr-inc.com Seminário FBDS - Desafios Ambientais no Novo Modelo do Setor Elétrico Rio, 01 de Abril de 2005 1 Temário Visão geral do sistema elétrico Perspectivas

Leia mais

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade RDD Do Propósito A descrição das alterações nos arquivos de dados de entrada para o Cálculo do Preço tem como propósito aumentar a transparência na determinação do PLD. Da Disponibilização Em atendimento

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AMÉRICA LATINA. Seminário Internacional Interconexões e Negócios em Geração e Transmissão

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AMÉRICA LATINA. Seminário Internacional Interconexões e Negócios em Geração e Transmissão 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA NA AMÉRICA LATINA Seminário Internacional Interconexões e Negócios em Geração e Transmissão José Coimbra Chefe de Gabinete do Ministro de Estado de

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011 Preço de Liquidação das Diferenças 4, 35, PLD Médio MAI/211 JUN/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 3, 25, 25, 2, 2, 15, 15, 1, 1, 5, 4 3 2 1, NORTE MÉDIA SEMANA 11 SEMANA 2 2 SEMANA 33 SEMANA

Leia mais

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc 2011/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 162/2011 D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc !" #$%&!'"% (& ")*+" "(,-./%.%," %()0*/%.

Leia mais

RESOLUÇÃO ANEEL N O 453, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998

RESOLUÇÃO ANEEL N O 453, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 RESOLUÇÃO ANEEL N O 453, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 Homologa os Montantes de Energia e Potência asseguradas das usinas hidrelétricas pertencentes às empresas das regiões Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07 Março de 2008 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de

Leia mais

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS NO HORIZONTE DE CINCO ANOS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO ENCAMINHADO PELA EPE PARA O MME E ANEEL

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 9 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO VI GRUPO DE ESTUDOS DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA GME CONSEQÜÊNCIAS QUE A

Leia mais

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Janeiro 215

Leia mais

ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS MARÇO/2016

ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS MARÇO/2016 ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS MARÇO/2016 Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Operação SIA Sul, Área de Serviços Públicos, Lote A 71215-000 Brasília-DF Tel (61) 3241-5200

Leia mais

Balanço de Energia Elétrica no Brasil Desafio 2007-2016

Balanço de Energia Elétrica no Brasil Desafio 2007-2016 Ministério de Minas e Energia Balanço de Energia Elétrica no Brasil Desafio 2007-2016 José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia Elétrica de Empresa de Pesquisa Energética - EPE Ministério

Leia mais

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira Hidrografia no Brasil Luciano Teixeira Hidrografia Brasil Características da Hidrografia Brasileira Pobre em lagos Drenagem Exorréica Predomínio de foz em estuário Predomínio de rios de planaltos Bacias

Leia mais

HIDROGRAFIA DO PARANÁ

HIDROGRAFIA DO PARANÁ HIDROGRAFIA DO PARANÁ CONCEITOS Rios: cursos de águas naturais, mais ou menos caudalosos que deságuam em outro rio, no oceano ou num lago. Denominações para os rios: regatos, córregos, ribeirões e rios.

Leia mais

Adaptação às Mudanças do Clima: Cenários e Alternativas Recursos Hídricos

Adaptação às Mudanças do Clima: Cenários e Alternativas Recursos Hídricos PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PROJETO BRA/06/032 ENQUADRAMENTO PNUD: R.1 P1.17 Carta de Acordo nº 25647/2014 (RC) SAE FCPC

Leia mais

VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável

VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável Recife 30 de setembro de 2005 ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Conteúdo da Apresentação PARTE I A QUESTÃO AMBIENTAL NA ATUAÇÃO

Leia mais

ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS FEVEREIRO/2015

ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS FEVEREIRO/2015 ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS FEVEREIRO/2015 Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Operação Setor Ind e Abast Sul, Área Serv Públicos, Lote A 71215-000 Brasília DF

Leia mais

Visão institucional TBLE e Complexo Jorge Lacerda

Visão institucional TBLE e Complexo Jorge Lacerda Visão institucional TBLE e Complexo Jorge Lacerda 30.07.2008 2 GDF-SUEZ: Principais atividades Participações GDF-SUEZ no Brasil 100,00 % 21,47 % SUEZ Energy South America Participações SUEZ Energy Brasil

Leia mais

Potência Nominal UF Tipo da Usina Nome da Usina (MW) CE CGE Bons ventos 50 CE CGE Formosa 104,4 CE CGE Volta do Rio 42 CE CGE Praia do Morgado 28,8

Potência Nominal UF Tipo da Usina Nome da Usina (MW) CE CGE Bons ventos 50 CE CGE Formosa 104,4 CE CGE Volta do Rio 42 CE CGE Praia do Morgado 28,8 Geração existente e com previsão de entrada em operação até dezembro de 2015, com ato de autorização anterior à publicação do Edital do LER 2013, considerada nos estudos da Margem de Transmissão. Potência

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

As empresas Eletrobras

As empresas Eletrobras Perfil da empresa As empresas Eletrobras atuam na geração, transmissão e distribuição de energia elétrica no território brasileiro. São apresentadas nesta seção as organizações que compõem o conjunto empresarial,

Leia mais

ELETROBRAS Investimentos 1º bimestre

ELETROBRAS Investimentos 1º bimestre ELETROBRAS Investimentos 1º bimestre Ação Autorizado Realizado IMPLANTAÇÃO DA USINA TERMONUCLEAR DE ANGRA III, COM 1.309 MW (RJ) 2.110.817.554,00 78.423.005,00 DE ENERGIA ELÉTRICA NA REGIÃO NORDESTE 629.144.814,00

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas.

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. Conteúdos do 3º bimestre para o 1º Ano do Ensino Médio na disciplina de Geografia, de acordo com o currículo mínimo estabelecido pela SEEDUC / RJ

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Mauricio Bähr Diretor-Presidente, SUEZ Energy Brasil julho de 2008 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões NELSON JOSÉ HÜBNER MOREIRA DIRETOR GERAL 9 de novembro de 2012 Brasília DF Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO

Leia mais

PROJETO UTE PAMPA SUL

PROJETO UTE PAMPA SUL PROJETO UTE PAMPA SUL 21/Junho/10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 UTLC 363 MW SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO EMPREENDEDOR PROJETO DA UTE PAMPA SUL 2 Sistema Elétrico Brasileiro

Leia mais

ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO Garantia Física dos Empreendimentos Hidrelétricos 1º Leilão de Energia Nova A-5 de 2013 Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 01/08/2005 A 07/08/2005

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 01/08/2005 A 07/08/2005 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 01/08/2005 A 07/08/2005 RELATÓRIO ONS - 3/247/05 EMITIDO EM: 12/08/2005 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Nota Técnica n o 062/2012-SRG/ANEEL. Em 28 de agosto de 2012.

Nota Técnica n o 062/2012-SRG/ANEEL. Em 28 de agosto de 2012. Nota Técnica n o 062/2012-SRG/ANEEL Em 28 de agosto de 2012. Processo: 48500.004046/2012-35 Assunto: Conta CCC - Equalização de estoques e consumo específico, nos períodos: 1999 a 2005 e 2006 a 2011. I.

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL HIDROGRAFIA PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL CRISTA OU INTERFLÚVIO CRISTA OU INTERFLÚVIO VERTENTE VERTENTE MARGEM RIO MARGEM LEITO TALVEGUE IMPORTÂNCIA DOS RIOS ABASTECIMENTO TRANSPORTE NAVEGAÇÃO

Leia mais

Operação do SIN e Desafios para o Futuro

Operação do SIN e Desafios para o Futuro O ONS, suas Atribuições na Operação do SIN e Desafios para o Futuro Palestra para MBA de Economia e Gestão de Energia Rio de Janeiro, 02.04.2009 Hermes Chipp Sumário 1. Estrutura Institucional do Setor

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil Dourival de Souza Carvalho Junior EPE Empresa de Pesquisa Energética dourival.carvalho@epe.gov.br Desafios da incorporação de

Leia mais

XXVI CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITÁRIA Y AMBIENTAL. LIMA, novembro 1998. Impacto Ambiental, Auditoria Ambiental y Analisis de Riesgos

XXVI CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITÁRIA Y AMBIENTAL. LIMA, novembro 1998. Impacto Ambiental, Auditoria Ambiental y Analisis de Riesgos XXVI CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITÁRIA Y AMBIENTAL LIMA, novembro 1998 Impacto Ambiental, Auditoria Ambiental y Analisis de Riesgos PROPOSIÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICOS COMO INDICADORES

Leia mais

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica PwC Energy Day 1º Seminário sobre aspectos de energia elétrica Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica Claudio J. D. Sales Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2011 O conteúdo deste relatório

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008 Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE ABCE - Associação Brasileira de Concessionárias de Energia Elétrica - 71 anos de fundação

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 13/04/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Deutsche Bank Latin America Renewable Power Day 24 de janeiro de 2012

Deutsche Bank Latin America Renewable Power Day 24 de janeiro de 2012 Deutsche Bank Latin America Renewable Power Day 24 de janeiro de 2012 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Tractebel Energia: posição no mercado Maior gerador privado de energia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP GOP / 3 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Marcelo Augusto

Leia mais

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico Hidrografia Relevo oceânico Bacias hidrográficas no mundo BACIA HIDROGRÁFICA: Corresponde à área de captação de água superficial e subsuperficial para um canal principal e seus afluentes; portanto, é uma

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Cálculo dos fatores de emissão de CO 2 pela geração de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional do Brasil

Cálculo dos fatores de emissão de CO 2 pela geração de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional do Brasil Cálculo dos fatores de emissão de CO 2 pela geração de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional do Brasil Introdução Os fatores de emissão de CO 2 resultantes da geração de energia elétrica verificada

Leia mais

TOTAL DO ORGAO : R$ 780.749.368 QUADRO SINTESE POR FUNCOES QUADRO SINTESE POR SUBFUNCOES

TOTAL DO ORGAO : R$ 780.749.368 QUADRO SINTESE POR FUNCOES QUADRO SINTESE POR SUBFUNCOES QUADRO SINTESE POR ORGAO 32000 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 780.749.368 6.0.0.0.00.00 RECURSOS DE CAPITAL - ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO 677.449.495 6.1.0.0.00.00 RECURSOS PRÓPRIOS 167.672.207 6.1.1.0.00.00

Leia mais

HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA

HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA Prof. Jutorides Elementos de um Rio Rede Hidrográfica; Bacia hidrográfica; Divisor de Água; Vertente; Curso: Retilíneo e Meândrico; Alto Curso, Médio Curso e Baixo Curso;

Leia mais

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS

INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS INSERÇÃO NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL LAS/ANS 9 1, 3 % 6, 2 % 2, 5 % MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA Fonte Capacidade instalada (status: agosto/2005) Geração (setembro/2004 - agosto/2005)

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO

2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO 2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010 Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética Novembro/2010 Portfólio balanceado de ativos, com localização estratégica Capacidade instalada de 6.469,1 MW em 21 usinas operadas pela Companhia:

Leia mais

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE PREPARADO POR Leontina Pinto OUTUBRO DE 2014 Índice ÍNDICE 2 INTRODUÇÃO 3 A GARANTIA FÍSICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA O SISTEMA 4 A GARANTIA FÍSICA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS VALORES EM RISCO PARA CONTRATAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO DE RISCOS PATRIMONAIS

DETERMINAÇÃO DOS VALORES EM RISCO PARA CONTRATAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO DE RISCOS PATRIMONAIS DETERMINAÇÃO DOS VALORES EM RISCO PARA CONTRATAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO DE RISCOS PATRIMONAIS IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO PARA DETERMINAÇÃO DOS VALORES EM RISCO Certeza de estabelecer o real valor do prêmio,

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

3 Os Leilões de Energia

3 Os Leilões de Energia 3 Os Leilões de Energia O novo modelo institucional do Setor Elétrico Brasileiro que passou a vigorar em 2004, disciplinado pela Lei n o 10.848/2004 e pelo Decreto nº 5.163/2004, estabeleceu que as concessionárias,

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA

INSTITUTO DE ENGENHARIA INSTITUTO DE ENGENHARIA DISCUSSÕES INTERNAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL E FUTURA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA MACROMETRÓPOLE PAULISTA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES. AGOSTO 2014 RECURSOS HIDRICOS PARA A MACROMETROPOLE

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22 Profº André Tomasini Clima Fatores de influência do Clima Latitude; Altitude; Continentalidade / Maritimidade; Correntes Marinhas; Massas de

Leia mais