OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL"

Transcrição

1 OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 15/01/2015

2 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação hidroenergética do Sistema Interligado Nacional através do acompanhamento das Energias Naturais Afluentes e das Energias Armazenadas em seus Subsistemas Elétricos e em suas principais s Hidrográficas. Cabe destacar que os dados da última data considerada são preliminares, podendo ocorrer alterações em seus valores devido a processos de consistência executados na pósoperação. É apresentado também o Boletim de Precipitação com as chuvas médias ocorridas nos últimos 4 dias e as previstas para os próximos 3 dias. ENERGIA NATURAL AFLUENTE Energia afluente a um sistema de aproveitamentos hidrelétricos, calculada a partir da energia produzível pelas vazões naturais afluentes a estes aproveitamentos, em seus níveis a 65% dos volumes úteis operativos. Os valores de energia natural afluente são expressos em MWmed e em percentual da média histórica de longo termo (%MLT). Para os valores verificados são apresentados também os percentuais das energias naturais afluentes armazenáveis, calculados através da subtração da parcela de energia não produzível devido aos vertimentos (%Armaz.). ENERGIA ARMAZENADA Energia disponível em um sistema de reservatórios, calculada a partir da energia produzível pelo volume armazenado nos reservatórios em seus respectivos níveis operativos. Os valores de energia armazenada de um determinado dia são relativos às 24h00min e são expressos em percentagem da energia armazenada associada à capacidade máxima do sistema de reservatórios (%max). As informações apresentadas se referem aos valores verificados ao longo do mês em curso, atualizados diariamente, e aos previstos no Programa Mensal de Operação PMO para este mês, atualizados semanalmente em razão das revisões do PMO. PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO Programa da operação energética do Sistema Interligado Nacional, elaborado mensalmente, com discretização semanal. Ao longo do mês para o qual ele foi feito, são elaboradas revisões semanais a partir das revisões das previsões de afluências e de carga. Complementando as informações sobre a situação hidroenergética, são apresentadas as operações hidráulicas dos principais reservatórios do Sistema Interligado Nacional. Nos esquemas topológicos podem ser observadas as vazões, os níveis e os armazenamentos verificados nestes reservatórios, bem como os volumes recomendados para controle de cheias e os volumes previstos no PMO e suas revisões para o final da semana, conforme a legenda abaixo: Vazão Lateral Xxxx xxx.xx Nível (m) Vazão afluente Xxxx xx.xx Volume útil às 24h00min (%) Vazão defluente Xxxx (xxx.xx) Nível recom. pela IOS-001 (controle de cheias) Vertimento V = xxxx (xx.xx) Volume recom. pela IOS-001 (controle de cheias) [yy.yy] Vol. Prev. p/ a semana do PMO (%) Este relatório é editado e distribuído em todos os dias úteis. Data de emissão: 15/01/15 2

3 BOLETIM DE PRECIPITAÇÃO O boletim de precipitação emitido diariamente pelo ONS leva em consideração as informações meteorológicas obtidas via Internet (saídas de modelos numéricos e dados observados), disponibilizadas normalmente até às 8h30min pelos Centros de Previsão do Tempo e Clima do Brasil e do exterior. Os dados observados referem-se às precipitações coletadas pela rede nacional de meteorologia nas últimas 24 horas, e determinado o valor médio verificado nos trechos das principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional SIN. A previsão de precipitação com horizonte de três dias nestes trechos de bacia é realizada após a análise de diversos parâmetros meteorológicos fornecidos pelos modelos numéricos, entre eles a precipitação, a umidade, os campos de vento, a convergência em superfície, entre outros, e também das imagens de satélite e de radar. Os valores de precipitação, tanto observados quanto previstos, referem-se à precipitação acumulada entre as 9h00min do dia anterior e as 9h00min do dia indicado. Precipitação média (mm) acumulada nas principais bacias hidrográficas PRECIPITAÇÃO (MM) OBSERVADO JANEIRO OBSERVADA x PREVISTA PREVISTA BACIA TRECHO Média Mensal 12/01 13/01 14/01 15/01 16/01 17/01 18/01 Histórica 2015 O P O P O P O P Uruguai 153* Jacuí 118* Iguaçu Montante - Foz do Areia Jusante Foz do Areia Paraná Montante Jupiá X Jusante Jupiá 164! Paranapanema Montante Capivara * Jusante Capivara Tietê Montante Barra Bonita * Jusante - Barra Bonita Paraíba do Sul Montante Funil Jusante Funil Grande Montante Furnas * Jusante Furnas Paranaíba Montante Emborcação * Jusante Emborcação São Francisco Montante - Três Marias Três Marias - Sobradinho Montante - Serra da Mesa Tocantins Serra da Mesa Lajeado 285* Lajeado Tucuruí (*) Média referente ao período Obs: O valor de precipitação é o acumulado no horário de 09:00h às 09:00h (+) Média referente ao período (!) Média referente ao período ( ) Média referente ao período X Não disponível Data de emissão: 15/01/15 3

4 Última data considerada: 14/01/2015 SUDESTE SITUAÇÃO HIDROENERGÉTICA NOS SUBSISTEMAS DO SIN REVISÃO 1: 30/12/2014 REVISÃO 2: 08/01/2015 REVISÃO 3: 15/01/2015 Média mês Média mês Média mês 20/12-26/12 27/12-02/01 03/01-09/01 10/01-14/01 até 14/01 Inicial Revisão 2 ENA Total(MW med ) (65% Arm) Total (%MLT) Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) Armazenamento máximo Dia Dia Inicial Revisão 2 SE = /01 14/01 16/01 31/01 16/01 31/01 % MAX 19,3 19,5 18,9 25,40 31,60 19,60 22,20 SUL Média mês Média mês Média mês 20/12-26/12 27/12-02/01 03/01-09/01 10/01-14/01 até 14/01 Inicial Revisão 2 ENA Total(MW med ) (65% Arm) Total (%MLT) Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) Armazenamento máximo Dia Dia Inicial Revisão 2 S = /01 14/01 16/01 31/01 16/01 31/01 % MAX 57,4 69,0 70,0 55,30 58,10 75,60 83,80 NORDESTE Média mês Média mês Média mês 20/12-26/12 27/12-02/01 03/01-09/01 10/01-14/01 até 14/01 Inicial Revisão 2 ENA Total(MW med) (65% Arm) Total (%MLT) Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med) Armazenamento máximo Dia Dia Inicial Revisão 2 NE = /01 14/01 16/01 31/01 16/01 31/01 % MAX 17,3 17,8 17,3 22,50 28,00 18,00 17,90 NORTE Média mês Média mês Média mês 20/12-26/12 27/12-02/01 03/01-09/01 10/01-14/01 até 14/01 Inicial Revisão 2 ENA Total(MW med ) (65% Arm) Total (%MLT) Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) Armazenamento máximo Dia Dia Inicial Revisão 2 N = /01 14/01 16/01 31/01 16/01 31/01 % MAX 33,3 34,5 34,8 36,80 38,40 36,10 38,90 Valor até a última data considerada Previsão para o final da semana em curso Previsão para o final do mês em curso ENA(65%Arm) Energia Natural Afluente calculada com a produtibilidade média (considerando o armazenamento a 65%) ENA Total Energia Natural Afluente Total ENA ArmazenávelEnergia Natural Afluente excluída a Energia Vertida % MLT Percentual da ENA Média de Longo Termo ENA(Queda) Energia Natural Afluente calculada com a produtibilidade considerando o armazenamento real do dia Data de emissão: 15/01/15 4

5 Última data considerada: 14/01/2015 SIT. HIDROENERGÉTICA NAS PRINCIPAIS BACIAS DO SIN GRANDE ENA Total(MW med ) %MAX 14,9 15,0 14,0 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 25,4% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) PARANAÍBA ENA Total(MW med ) %MAX 18,5 18,2 17,7 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 38,7% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) TIETÊ ENA Total(MW med ) %MAX 50,0 52,0 52,1 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 3,7% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) PARANAPANEMA ENA Total(MW med ) %MAX 23,8 27,4 27,5 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 5,8% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) PARANÁ ENA Total(MW med ) %MAX 0,0 0,0 0,0 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 3,0% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) IGUAÇU ENA Total(MW med ) %MAX 49,9 64,8 66,9 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 50,9% do Armaz. S Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) URUGUAI ENA Total(MW med ) %MAX 66,1 75,7 76,1 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 29,8% do Armaz. S Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) JACUÍ ENA Total(MW med ) %MAX 66,7 71,3 70,2 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 16,1% do Armaz. S Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) CAPIVARI ENA Total(MW med ) %MAX 36,1 39,0 36,9 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 1,9% do Armaz. S Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) Data de emissão: 15/01/15 5

6 Última data considerada: 14/01/2015 SIT. HIDROENERGÉTICA NAS PRINCIPAIS BACIAS DO SIN PARAGUAI ENA Total(MW med ) %MAX 75,5 70,0 67,0 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 0,3% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) PARAÍBA DO SUL / LAJES ENA Total(MW med ) %MAX 6,7 6,7 6,3 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 3,6% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) DOCE ENA Total(MW med ) %MAX 63,5 71,5 63,5 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 0% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) ITABAPOANA ENA Total(MW med ) %MAX (65%Arm) Total (%MLT) Representa 0% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) MUCURI ENA Total(MW med ) %MAX (65%Arm) Total (%MLT) Representa 0% do Armaz. SE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) JEQUITINHONHA ENA Total(MW med ) %MAX 31,0 30,4 29,4 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 1,9% do Armaz. NE Armaz(% MLT) Representa 1,0% do Armaz. SE ENA(Queda) Total(MW med ) PARAGUAÇU ENA Total(MW med ) %MAX 41,0 38,2 37,1 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 0,7% do Armaz. NE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) SÃOFRANCISCO ENA Total(MW med ) %MAX 16,3 16,9 16,5 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 96,9% do Armaz. NE Armaz(% MLT) Representa 1,3% do Armaz. SE ENA(Queda) Total(MW med ) PARNAÍBA ENA Total(MW med ) %MAX 22,3 14,4 12,5 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 0,5% do Armaz. NE Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) Data de emissão: 15/01/15 6

7 Última data considerada: 14/01/2015 SIT. HIDROENERGÉTICA NAS PRINCIPAIS BACIAS DO SIN TOCANTINS ENA Total(MW med ) %MAX 27,4 27,9 27,7 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 96,2% do Armaz. N Armaz(% MLT) Representa 17,2% do Armaz. SE ENA(Queda) Total(MW med ) AMAZONAS ENA Total(MW med ) %MAX 37,1 36,5 38,0 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 3,8% do Armaz. N Armaz(% MLT) Representa 0,1% do Armaz. SE ENA(Queda) Total(MW med ) ITAJAÍ ENA Total(MW med ) %MAX 0,0 0,0 0,0 (65%Arm) Total (%MLT) Representa 0% do Armaz. S Armaz(% MLT) ENA(Queda) Total(MW med ) Valor até a última data considerada ENA(65%Arm) Energia Natural Afluente calculada com a produtibilidade média (considerando o armazenamento a 65%) ENA Total Energia Natural Afluente Total ENA ArmazenávelEnergia Natural Afluente excluída a Energia Vertida % MLT Percentual da ENA Média de Longo Termo ENA(Queda) Energia Natural Afluente calculada com a produtibilidade considerando o armazenamento real do dia Data de emissão: 15/01/15 7

8 Rio Corrente Rio Verde Rio Claro Rio Pardo Rio Doce Rio Corumbá Rio S. Marcos Rio Paranaíb Rio Araguari Rio Grande Rio Piracicaba Rio Sto Antônio Sudeste/Centro Oeste (bacias do Paranaíba e Grande) Valores verificados em: 14/01/ Afluência e Defluência das Principais Usinas Integrantes do SIN s Paranaíba, Grande e Doce OP. DIÁRIA DOS PRINCIPAIS APROVEITAMENTOS DO SIN Corumbá IV Corumbá Concessões V = Corumbá III CEC III Corumbá I - Furnas Salto Rio Verde Energia Salto Rio Verdinho Cia Bras de Aluminio Batalha Furnas S. do Facão SEFAC Emborcação Caçu Gerdau Barra dos Coqueiros Gerdau JLMG Pereira F.R. Claro Amador Aguiar 1 Cons. C. Branco Amador Aguiar 2 Cons. C. Branco Nova Ponte Miranda Itumbiara - Furnas C. Dourada CDSA São Simão Camargos Itutinga Funil Furnas - Furnas M. Moraes - Furnas L. C. Barreto Furnas Jaguara Igarapava V. Grande P. Colômbia Furnas Caconde AES-Tietê V = E. Cunha AES-Tietê A. S. Oliveira AES-Tietê G.Amorim Consórcio G.Amorim Sá Carvalho S. Grande P.Estrela Cons. P.Estrela Risoleta Neves Cons. Candonga Baguari Aimorés Mascarenhas Escelsa Espora Espora Energética Rio Paraná (A) Marimbondo - Furnas A. Vermelha - AES-Tietê LEGENDA: xxxx xxxx xxx.xx xx.xx V = xxxx Vazão afluente m³/s Vazão defluente m³/s Nível montante (m) Volume útil (%) Vertimento m³/s Reservatório Usina a fio d'água Usinas em construção Estação de bombeamento Data de emissão: 15/01/15 8

9 Rio Paraibuna Rio Tibagi Rio Paranapanema Rio do Peixe Ribeirão das Lages Rio Piraí Rio Tietê Rio Jaguari Rio Pinheiros Rio Guarapiranga Rio Paraíba do Sul OP. DIÁRIA DOS PRINCIPAIS APROVEITAMENTOS DO SIN Sudeste/Centro Oeste (bacias do Tietê, Paranapanema, Paraná e Paraíba do Sul) Valores verificados em: 14/01/ Afluência e Defluência das Principais Usinas Integrantes do SIN s Tietê, Paranapanema, Paraná e Paraíba do Sul Ponte Nova EMAE E. de Souza 142 EMAE V = V = Canal P. Barreto (A) Barra Bonita AES Tietê Bariri AES Tietê Ibitinga AES Tietê V = 93 Promissão 525 AES Tietê N.Avanhandava AES Tietê 597 Três Irmãos CESP I.Solteira CESP Jupiá CESP Billings EMAE Traição - EMAE Mauá C. Cruzeiro do Sul P. Primavera CESP Pedreira EMAE Jurumirim V = Guarapiranga 15 EMAE Piraju CBA Chavantes Ourinhos CBA S.Grande Canoas II Canoas I Capivara Taquaruçu Rosana Lajes Fontes N.Peçanha P. Passos Vigário ITAIPU 1 4 (*) Rio Paraná Paraibuna CESP S. Branca 40 Tocos Santana Funil FURNAS S.Cecília V = 42 I. dos Pombos Anta FURNAS V = 113 (B) Jaguari CESP Picada C.P. Metais 9 9 V = Sobragi Simplicio FURNAS 9 10 (*) - Interligação normalmente interrompida através de comportas Paranaíba Grande Tietê Paranapanema Paraná Paraíba do Sul % partic. Armazen. Submercad % Armaz Energia Natural Afluente ENA do dia % MLT no mês até o dia % da MLT Armaz. Bruta Geração Hidráulica no dia Verficada Programada MW med % MW med % Data de emissão: 15/01/15 9

10 Rio Capivari Rio Jacuí Rio Taquari- Antas Rio Chapecó Rio Passo Fundo Rio Jordão Rio Iguaçu Rio Canoas Sul (bacias do Iguaçu, Uruguai, Jacuí e Capivari) Valores verificados em: 14/01/2015 OP. DIÁRIA DOS PRINCIPAIS APROVEITAMENTOS DO SIN 8 - Afluência e Defluência das Principais Usinas Integrantes do SIN s Iguaçu, Uruguai, Jacuí e Capivari Jordão COPEL V = (B) Sta. Clara 128 ELEJOR Fundão ELEJOR Desvio Jordão G. Ney Braga COPEL V = 539 S. Santiago - Tractebel V = Garibaldi Rio Canoas G. B. Munhoz - COPEL V = 126 S. Osório Tractebel Gov. José Richa COPEL Capanema - Itaipu Campos Novos Enercan V = V = 81 Rio Uruguai Rio Pelotas Barra Grande - Baesa 1349 Machadinho - Tractebel Passo Fundo - Tractebel V = V = Quebra Queixo CEC V = V = Itá - Tractebel Foz do Chapecó - FCE Alzir Santos - Monel Trecho Internacional sem usinas sob coordenação do ONS Rio Paraná 50 Ernestina - CEEE V = Castro Alves CERAN 266 Passo Real - CEEE V = V = 227 Jacuí - CEEE V = 13 Monte Claro CERAN G. P. Souza 47 COPEL Itaúba - CEEE V = 553 D. Francisca - DFESA Julho CERAN % partic. Armazen. Submercad % Armaz. Energia Natural Afluente ENA do dia % MLT no mês até o dia % da MLT Armaz. Bruta Iguaçu Jacuí Uruguai Capivari Geração Hidráulica no dia Programada MW med % MW med % Data de emissão: 15/01/15 10

11 Rio Jamari Rio Parnaíba Rio Aripuanã Rio Comemoração Rio Ji-Parana Rio Guaporé Rio Madeira Rio Tocantins Rio São Francisco Rio Paracatu Rio Preto Rio Jequitinhonha Rio Paraguaçu Rio Amazonas Rio Uatumã OP. DIÁRIA DOS PRINCIPAIS APROVEITAMENTOS DO SIN Norte (bacia do Tocantins) e Nordeste (bacias do São Francisco, Jequitinhonha e Parnaíba) Valores verificados em: 14/01/ Afluência e Defluência das Principais Usinas Integrantes do SIN do Tocantins, São Francisco, Parnaíba, Jequitinhonha e Amazonas Serra da Mesa Consórcio Serra da Mesa S.A. Cana Brava Tractebel São Salvador Tractebel Peixe Angical Enerpeixe Lajeado Investco Estreito Tractebel 7572 Tucuruí Eletronorte Três Marias Sobradinho 990 CHESF Luiz Gonzaga 1080 CHESF Apolônio Sales CHESF P.Afonso 1,2,3 CHESF Xingó CHESF P.Afonso 4 CHESF B. Esperança CHESF V = 36 Queimado CBQ Dardanelos Águas de Pedra Irapé V = 19 Rondon II Eletrogoes Itapebi Itapebi S.A Pedra do Cavalo Votorantin Ltda Guaporé Tangará Energia V = Samuel Eletronorte V = Jirau - ESBR Balbina Eletrobras Amazonas Energia Sto Antônio Sto Antônio Energia % partic. Armazen. Submercad Tocantins (*1) 95.3 Energia Natural Afluente % Armaz. ENA do dia % MLT no mês até o dia % da MLT Armaz. Bruta Geração Hidráulica no dia Programada MW med % MW med % % partic. Armazen. Submercad % Armaz. ENA do dia % da MLT Energia Natural Afluente % MLT no mês até o dia Armaz. Bruta São Francisco (*2) Parnaíba Geração Hidráulica no dia Programada MW med % MW med % (*1) (*2) Inclui usinas do Norte e Sudeste/Centro-Oeste Inclui usinas do Nordeste e Sudeste/Centro-Oeste Data de emissão: 15/01/15 11

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/05/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/08/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

Produção Sudeste/Centro-Oeste

Produção Sudeste/Centro-Oeste 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional 43.115 9.421 1.35 14.248 43.462

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES - PERÍODO 1931 A 2007

ATUALIZAÇÃO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES - PERÍODO 1931 A 2007 ATUALIZAÇÃO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES - PERÍODO 1931 A 2007 07 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

Produção Sudeste/Centro-Oeste

Produção Sudeste/Centro-Oeste 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica 37.29 11.76 1.83 9.369

Leia mais

Bacias da Costa do Atlântico Sudeste

Bacias da Costa do Atlântico Sudeste Capacidade de Suporte para Aquicultura em Reservatórios de Domínio Federal Atualizada em: 07/11/2014 Possui capacidade de suporte Nome do corpo hídrico Operador do reservatório Rio barrado Bacia / Região

Leia mais

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar,

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL Energia Assegurada

Cadernos Temáticos ANEEL Energia Assegurada . Agência Nacional de Energia Elétrica 3 Cadernos Temáticos ANEEL Energia Assegurada Brasília DF Abril 2005 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Diretoria Diretor-Geral Jerson Kelman Diretores

Leia mais

PROJETO DE P&D ANEEL MODELOS DE OTIMIZAÇÃO DO DESPACHO HIDROTÉRMICO. Etapa 1 Acompanhamento e Coordenação do Projeto (7 de 30)

PROJETO DE P&D ANEEL MODELOS DE OTIMIZAÇÃO DO DESPACHO HIDROTÉRMICO. Etapa 1 Acompanhamento e Coordenação do Projeto (7 de 30) PROJETO DE P&D ANEEL MODELOS DE OTIMIZAÇÃO DO DESPACHO HIDROTÉRMICO Etapa 1 Acompanhamento e Coordenação do Projeto (7 de 30) Etapa 2 UFJF PDE Fast Convex Hull (7 de 12) Etapa 3 UFJF Módulo Energia Firme

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras O Brasil possui o maior volume de água potável em estado liquido do globo. Isso se deve as suas extensas e caudalosas bacias hidrográficas. Por sua vez essas bacias devem

Leia mais

Revisão dos Valores de Referência de Indisponibilidade Forçada - TEIF e Programada - IP de Usinas Hidrelétricas

Revisão dos Valores de Referência de Indisponibilidade Forçada - TEIF e Programada - IP de Usinas Hidrelétricas Revisão dos Valores de Referência de Indisponibilidade Forçada - TEIF e Programada - IP de Usinas Hidrelétricas ABRIL/2015 Revisão 1 Esplanada dos Ministérios Bloco U CEP: 70.065-900 Brasília-DF BRASIL

Leia mais

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS

INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS INVENTÁRIO DAS RESTRIÇÕES OPERATIVAS HIDRÁULICAS DOS APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar,

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL

HIDROGRAFIA DO BRASIL Hidrografia características gerais HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Reflete as condições de umidade do clima do país Rica em rios,, mas pobre em lagos Predominância de rios de planalto,, favoráveis

Leia mais

Adaptação às Mudanças do Clima: Cenários e Alternativas Recursos Hídricos

Adaptação às Mudanças do Clima: Cenários e Alternativas Recursos Hídricos PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PROJETO BRA/06/032 ENQUADRAMENTO PNUD: R.1 P1.17 Carta de Acordo nº 25647/2014 (RC) SAE FCPC

Leia mais

CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS

CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS 2.1. Introdução O objetivo deste capítulo é descrever todas as informações relacionadas às usinas hidrelétricas e que devem ser levadas em consideração nos estudos de

Leia mais

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL (CICLO 2011-2012)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL (CICLO 2011-2012) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL (CICLO 2011-2012) Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da

Leia mais

HIDROGRAFIA DO PARANÁ

HIDROGRAFIA DO PARANÁ HIDROGRAFIA DO PARANÁ CONCEITOS Rios: cursos de águas naturais, mais ou menos caudalosos que deságuam em outro rio, no oceano ou num lago. Denominações para os rios: regatos, córregos, ribeirões e rios.

Leia mais

XXVI CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITÁRIA Y AMBIENTAL. LIMA, novembro 1998. Impacto Ambiental, Auditoria Ambiental y Analisis de Riesgos

XXVI CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITÁRIA Y AMBIENTAL. LIMA, novembro 1998. Impacto Ambiental, Auditoria Ambiental y Analisis de Riesgos XXVI CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITÁRIA Y AMBIENTAL LIMA, novembro 1998 Impacto Ambiental, Auditoria Ambiental y Analisis de Riesgos PROPOSIÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICOS COMO INDICADORES

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 CORREDORES HIDROVIÁRIOS CORREDORES HIDROVIÁRIOS NECESSIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE TODOS OS CORREDORES VALORES (milhões): CORREDOR

Leia mais

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Janeiro 215

Leia mais

VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável

VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável Recife 30 de setembro de 2005 ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Conteúdo da Apresentação PARTE I A QUESTÃO AMBIENTAL NA ATUAÇÃO

Leia mais

HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA

HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA HIDROGRAFIA E GEOPOLÍTICA DA ÁGUA Prof. Jutorides Elementos de um Rio Rede Hidrográfica; Bacia hidrográfica; Divisor de Água; Vertente; Curso: Retilíneo e Meândrico; Alto Curso, Médio Curso e Baixo Curso;

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar, Centro 20091-005 Rio de

Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar, Centro 20091-005 Rio de Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda 196/23º andar, Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ tel (+21) 2203-9899 fax (+21) 2203-9423 2004/ONS

Leia mais

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc 2011/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 162/2011 D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc !" #$%&!'"% (& ")*+" "(,-./%.%," %()0*/%.

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO Mario Veiga mario@psr-inc.com Seminário FBDS - Desafios Ambientais no Novo Modelo do Setor Elétrico Rio, 01 de Abril de 2005 1 Temário Visão geral do sistema elétrico Perspectivas

Leia mais

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões NELSON JOSÉ HÜBNER MOREIRA DIRETOR GERAL 9 de novembro de 2012 Brasília DF Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão

Leia mais

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho Luana F. Gomes de Paiva ; Giovanni C. L. Acioli RESUMO Este trabalho

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

1. OS DIVISORES DE ÁGUA : cristas das elevações que separam a drenagem de uma e outra bacia.

1. OS DIVISORES DE ÁGUA : cristas das elevações que separam a drenagem de uma e outra bacia. BACIAS HIDROGRÁFICAS A bacia hidrográfica é usualmente definida como a área na qual ocorre a captação de água (drenagem) para um rio principal e seus afluentes devido às suas características geográficas

Leia mais

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira Hidrografia no Brasil Luciano Teixeira Hidrografia Brasil Características da Hidrografia Brasileira Pobre em lagos Drenagem Exorréica Predomínio de foz em estuário Predomínio de rios de planaltos Bacias

Leia mais

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional ENCONTRO DE DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO EDAO 2008 Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional São Paulo SP 11 de novembro de 2008 Hermes Chipp 1. Procedimentos para aumentar a segurança energética

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua Júlio

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA

INSTITUTO DE ENGENHARIA INSTITUTO DE ENGENHARIA DISCUSSÕES INTERNAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL E FUTURA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA MACROMETRÓPOLE PAULISTA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES. AGOSTO 2014 RECURSOS HIDRICOS PARA A MACROMETROPOLE

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 1. EDITORIAL Há tempos as equipes do ONS responsáveis pela elaboração dos Programas Mensais

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011 Preço de Liquidação das Diferenças 4, 35, PLD Médio MAI/211 JUN/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 3, 25, 25, 2, 2, 15, 15, 1, 1, 5, 4 3 2 1, NORTE MÉDIA SEMANA 11 SEMANA 2 2 SEMANA 33 SEMANA

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22 Profº André Tomasini Clima Fatores de influência do Clima Latitude; Altitude; Continentalidade / Maritimidade; Correntes Marinhas; Massas de

Leia mais

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL HIDROGRAFIA PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL CRISTA OU INTERFLÚVIO CRISTA OU INTERFLÚVIO VERTENTE VERTENTE MARGEM RIO MARGEM LEITO TALVEGUE IMPORTÂNCIA DOS RIOS ABASTECIMENTO TRANSPORTE NAVEGAÇÃO

Leia mais

Potência Instalada de Geração Elétrica Brasil e Mundo

Potência Instalada de Geração Elétrica Brasil e Mundo O setor sucroalcooleiro responde por 42 da potência APE e, em 211, gerou excedentes de cerca de 9.9 GWh. Os 1 maiores setores autoprodutores de eletricidade 31/12/211 Nº Setor Instalada de Geração no Mundo

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Seminario 18 o Congreso Mundial de la Energía Extensión NEA Posadas 22 y 23 de agosto de 2002 Integração Energética Antonio Otélo Cardoso

Leia mais

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE PREPARADO POR Leontina Pinto OUTUBRO DE 2014 Índice ÍNDICE 2 INTRODUÇÃO 3 A GARANTIA FÍSICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA O SISTEMA 4 A GARANTIA FÍSICA

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico Hidrografia Relevo oceânico Bacias hidrográficas no mundo BACIA HIDROGRÁFICA: Corresponde à área de captação de água superficial e subsuperficial para um canal principal e seus afluentes; portanto, é uma

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS VALORES EM RISCO PARA CONTRATAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO DE RISCOS PATRIMONAIS

DETERMINAÇÃO DOS VALORES EM RISCO PARA CONTRATAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO DE RISCOS PATRIMONAIS DETERMINAÇÃO DOS VALORES EM RISCO PARA CONTRATAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO DE RISCOS PATRIMONAIS IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO PARA DETERMINAÇÃO DOS VALORES EM RISCO Certeza de estabelecer o real valor do prêmio,

Leia mais

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013 Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012 Bento Gonçalves 19/11/2013 1 SUMÁRIO 1. Metodologia utilizada 2. Diferenças de armazenamento entre simulação e operação

Leia mais

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica PwC Energy Day 1º Seminário sobre aspectos de energia elétrica Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica Claudio J. D. Sales Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2011 O conteúdo deste relatório

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. USINAS HIDRELÉTRICAS marcelle@furnas.com.br GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS DO SETOR ELÉTRICO HIDROELETRICOS CGH PCH UHE Potência Instalada < = 1,0 MW 1,0 MW

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013- Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas.

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. Conteúdos do 3º bimestre para o 1º Ano do Ensino Médio na disciplina de Geografia, de acordo com o currículo mínimo estabelecido pela SEEDUC / RJ

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Bacias Hidrográficas de Minas Gerais O desenvolvimento dos recursos hídricos não pode ser visto dentro de um sistema limitado onde a complexidade dos usos múltiplos

Leia mais

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS.

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Aula 19: Conhecendo a hidrosfera do Brasil I CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Correção atividade sala: PG 3: Canadá, Brasil, EUA, Canadá, R.U etc... Bolívia, República do Congo, Mongólia, etc...

Leia mais

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE OUTORGAS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE OUTORGAS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE OUTORGAS Luiza C. K. Oliveira 1 ; Paola Marconi 2 & André L. R. Pereira, Bianca F. Franco 3 Resumo Apresentam-se os sistemas que

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Relatório dos Auditores Independentes sobre Asseguração Razoável do Programa Mensal de Operação - PMO e suas revisões Novembro, 2013 Centro Empresarial PB 370

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015)

RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015) RESOLUÇÃO N o 782, DE 27 DE OUTUBRO DE 2009 (Revogada pela Resolução n.º 603, de 26 de maio de 2015) Estabelece critérios para o envio dos dados dos volumes medidos em pontos de interferência outorgados

Leia mais

IV-048 - A GESTÃO PARTICIPATIVA DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DURANTE A ESTIAGEM 2003/04

IV-048 - A GESTÃO PARTICIPATIVA DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DURANTE A ESTIAGEM 2003/04 IV-048 - A GESTÃO PARTICIPATIVA DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DURANTE A ESTIAGEM 2003/04 André Pinhel Soares (1) M.Sc. Formado em Engenharia Sanitária pela UERJ, em 1998, concluiu, em 2003, o

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL ONS - EXERCÍCIO DE 2001 1

RELATÓRIO ANUAL ONS - EXERCÍCIO DE 2001 1 R E L A T Ó R I O A N U A L 2 0 0 1 RELATÓRIO ANUAL ONS - EXERCÍCIO DE 2001 1 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Representantes da categoria Produção Altino Ventura Filho Celso Ferreira, presidente do Conselho

Leia mais

Relação, por lote, das empresas e dos consórcios interessados na préqualificação. Interligação Acre Rondônia Mato Grosso 230 kv, constituído por:

Relação, por lote, das empresas e dos consórcios interessados na préqualificação. Interligação Acre Rondônia Mato Grosso 230 kv, constituído por: Relação, por lote, das empresas e dos consórcios interessados na préqualificação ao leilão de transmissão LOTE A Interligação Acre Rondônia Mato Grosso 230 kv, constituído por: LT Jauru (MT) Vilhena (RO)

Leia mais

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008 Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE ABCE - Associação Brasileira de Concessionárias de Energia Elétrica - 71 anos de fundação

Leia mais

NOVO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES COM INFORMAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO PARA O TRECHO INCREMENTAL DE ITAIPU

NOVO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES COM INFORMAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO PARA O TRECHO INCREMENTAL DE ITAIPU NOVO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES COM INFORMAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO PARA O TRECHO INCREMENTAL DE ITAIPU Operador Nacional do Sistema Elétrico Presidência Rua da Quitanda 196/22º andar, Centro 20091-005 Rio

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL. Fevereiro de 2012

APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL. Fevereiro de 2012 APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL Fevereiro de 212 ONS 153/12 Rev. Data Descrição da revisão Elaborado por Verificado por Autorizado

Leia mais

4.1. INFORMAÇÕES GERAIS

4.1. INFORMAÇÕES GERAIS ENERGIA HIDRÁULICA.1. INFORMAÇÕES GERAIS O uso da energia hidráulica foi uma das primeiras formas de substituição do trabalho animal pelo mecânico, particularmente para bombeamento de água e moagem de

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS (Revisão 1) Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

O PROCESSO DE RECOMPOSIÇÃO DAS CARGAS APÓS GRANDES PERTURBAÇÕES: UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO CONTINUADO. ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico

O PROCESSO DE RECOMPOSIÇÃO DAS CARGAS APÓS GRANDES PERTURBAÇÕES: UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO CONTINUADO. ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 31 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP O PROCESSO DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP GOP / 3 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Marcelo Augusto

Leia mais

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Maurício de Abreu Soares Diretor Executivo da ABRAGE Porto Alegre

Leia mais

GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA

GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA Na geração de energia elétrica quatro empresas contribuem com as maiores parcela da energia: Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE-GT), Tractebel, CGTEE - Companhia

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS NO HORIZONTE DE CINCO ANOS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO ENCAMINHADO PELA EPE PARA O MME E ANEEL

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA DO RIO TIETÊ A ENERGIA E SUAS POSSIBILIDADES

ANÁLISE ENERGÉTICA DO RIO TIETÊ A ENERGIA E SUAS POSSIBILIDADES ANÁLISE ENERGÉTICA DO RIO TIETÊ A ENERGIA E SUAS POSSIBILIDADES Matheus Henrique Soares Zanqueta¹; Antonio Carlos Caetano de Souza² UFGD-FAEN, C. Postal 533, 79804-970 Dourados-MS, E-mail: matheuszanqueta@outlook.com

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

HABILITAÇÃO TÉCNICA - LEILÃO 2006 A-5 Empreendimentos Cadastrados

HABILITAÇÃO TÉCNICA - LEILÃO 2006 A-5 Empreendimentos Cadastrados Abreu Lima T Óleo Petrobras Distribuidora S/A PE Aimorés H Doce CEMIG - Companhia Energética de Minas Gerais Aiuruoca P Aiuruoca Eletroriver S/A MG Alagoinhas I T Óleo Alusa Engenharia Ltda. BA Angelina

Leia mais

LACTEC CADERNO FAC E FACP

LACTEC CADERNO FAC E FACP LACTEC CADERNO FAC E FACP Autores : Daniel Hen rique Ma rco Detzel Miriam Ri ta Mor o Mine Adriano Balduino dos Sa ntos Luiza Sa rah T homsen Curiti ba, 2 de maio de 2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra 1. o ANO ENSINO MÉDIO Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 Aula 5.1 Conteúdo Bacias Hidrográficas Brasileiras. 3 Habilidade Localizar as diferentes

Leia mais

Crise de água e segurança hídrica no Estado do Rio de Janeiro

Crise de água e segurança hídrica no Estado do Rio de Janeiro Audiência Pública sobre Crise Hídrica Câmara dos Deputados Brasília-DF 12 de agosto de 2015 Crise de água e segurança hídrica no Estado do Rio de Janeiro Rosa Formiga Superintendente de Segurança Hídrica

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 (Publicada no D.O.U. em 12/08/2010) Cria Unidades de Gestão de Recursos Hídricos de Bacias

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07 Março de 2008 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Audiência Pública. 21 de dezembro de 2005

Audiência Pública. 21 de dezembro de 2005 Audiência Pública 21 de dezembro de 2005 Agenda 1. Descrição da Empresa A. Informações Operacionais B. Meio Ambiente e Responsabilidade Social C. A Receita Anual Permitida D. Informações Econômico-Financeiras

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

LISTA DE PROJETOS E ESTUDOS REALIZADOS

LISTA DE PROJETOS E ESTUDOS REALIZADOS LISTA DE PROJETOS E ESTUDOS REALIZADOS ANO PRINCIPAIS TRABALHOS REALIZADOS 2012 2013 Elaboração dos RAAs Relatórios de Avaliação Ambiental para obras de melhoria em 13 trechos rodoviários de estradas no

Leia mais

Combinação de Hidrelétricas Reversíveis Sazonais com Hidroelétricas em Cascata

Combinação de Hidrelétricas Reversíveis Sazonais com Hidroelétricas em Cascata Combinação de Hidrelétricas Reversíveis Sazonais com Hidroelétricas em Cascata Autor: Dr. Julian David Hunt Supervisores: Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas Prof. Amaro Olímpio Pereira Junior

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Bacia do São Francisco Irrigação na bacia do rio Potencial irrigável cerca de 1 milhão de hectares Efetivamente irrigados cerca de 340 mil hectares e em constante

Leia mais