GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto"

Transcrição

1 GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE PREPARADO POR Leontina Pinto OUTUBRO DE 2014

2 Índice ÍNDICE 2 INTRODUÇÃO 3 A GARANTIA FÍSICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA O SISTEMA 4 A GARANTIA FÍSICA DAS MÉDIAS E GRANDES HIDROELÉTRICAS 4 A GARANTIA FÍSICA DAS PEQUENAS HIDROELÉTRICAS (PCHS) 5 A DIFERENÇA ENTRE AS GARANTIAS FÍSICAS DAS GRANDES E PEQUENAS USINAS 5 A EXPECTATIVA E A CONCRETIZAÇÃO DA PRODUÇÃO 6 A COMPARAÇÃO GARANTIA FÍSICA X PRODUÇÃO EFETIVA 7 UMA OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: A DISCRETIZAÇÃO ANUAL E MENSAL 7 A GARANTIA FÍSICA X PRODUÇÃO EFETIVA DAS PCHS 7 A GARANTIA FÍSICA X PRODUÇÃO EFETIVA DAS MÉDIAS/GRANDES USINAS 9 Extremo Sul: Rio Jacuí usina Itaúba 11 Sudoeste brasileiro: Rio Paraná usina Itaipu 12 Sul/Sudeste brasileiro: Rio Tietê (SP) usina Três Irmãos 13 Médio Sudeste brasileiro: Rio Grande usina Furnas 14 Médio Sudeste brasileiro: Rio Paranaíba usina Itumbiara 15 Norte do Sudeste brasileiro: Rio S. Francisco usina Três Marias 16 Nordeste brasileiro: Rio S. Francisco usina Sobradinho 18 Norte brasileiro: Rio Tocantins usina Tucuruí 20 CONCLUSÕES 21 Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 2/21

3 Introdução Este documento apresenta uma análise sobre a garantia física das usinas hidroelétricas brasileiras e sua concretização: a geração efetivamente produzida e entregue ao sistema. Nosso foco não se dirige ao cálculo da garantia física em si. Apesar da existência de muitas oportunidades de melhorias, não seria interessante propô-las sem um diagnóstico mais amplo sobre a adequação deste conceito à realidade brasileira. Por isso, concentramos nossa atenção à comparação entre a produção de energia hidroelétrica e a garantia física das usinas brasileiras. Investigaremos a performance das pequenas e grandes usinas, buscando apurar a existência (ou não) de diferenças entre sua eficiência e desempenho. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 3/21

4 Garantia Física sua importância para sistema Sabe-se que a produção de uma usina de qualquer fonte é incerta, já que é afetada por vários fatores desde a variabilidade climatológica até às indisponibilidades, intempestivas ou programadas, dos componentes das plantas. É incerta, portanto, a oferta de energia que pode ser entregue ao sistema. A variabilidade de geração poderia colocar em risco a segurança do abastecimento. Por isto, as autoridades setoriais estimam, para cada planta, um patamar garantido de geração que possa garantidamente ser entregue ao sistema para atendimento ao consumo. garantia física das médias grandes hidroelétricas A metodologia para o cálculo da garantia física de uma grande usina hidroelétrica (potência maior que 50 MW) é descrita no documento Nº EPE-DEE-RE-099/2008 e pode ser resumida nos seguintes passos: 1- Determina-se a oferta total do sistema, ajustada para a igualdade de custos marginais de operação e expansão, admitida uma tolerância. 2- Divide-se a oferta total em dois blocos: hidráulico e térmico 3- Divide-se a oferta hidráulica entre todas as usinas, proporcionalmente às suas energias firmes (a produção média alcançada para um conjunto de hidrologias críticas, selecionados das ocorrências históricas) A metodologia apresentada vem sendo alvo de críticas e mereceria, em nossa percepção, algumas melhorias. Não é estabelecida a metodologia de cálculo de custo marginal da expansão ou da tolerância admissível e a configuração inicial é, em si, incerta. As condições de suprimento futuros são derivadas do passado, que pode não se repetir (e normalmente não se repete). Não são consideradas as variações das usinas não despachadas (eólicas, biomassa, PCHs). Mais ainda, o período crítico histórico não considera a evolução climatológica e não se restringe aos casos realmente mais críticos, o que pode levar a um déficit de lastro em períodos mais severos. A referência no passado desconsidera as mudanças climáticas, já em curso e com fortes impactos em várias regiões brasileiras. No entanto, como comentado anteriormente, nosso objetivo não é a discussão sobre a metodologia em si, mas a análise de sua adequação ao nosso sistema. Portanto, não nos Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 4/21

5 alongaremos, neste relatório sobre as oportunidades de aperfeiçoamentos que sugerimos sejam tratadas em estudos posteriores. garantia física das pequenas hidroelétricas (PCHs) A metodologia para o cálculo da garantia física de Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCHs), por sua vez, é definida pela portaria nº 463, de 3 de dezembro de 2009 e é mais simples: calcula-se a média da geração sobre o período de medições disponível (dada pela vazão hidrológica multiplicada pelo rendimento da planta), descontadas as indisponibilidades forçadas (falhas) e programadas (manutenções). Naturalmente, a eficiência da planta é tomada apenas sobre a parcela de vazão efetivamente utilizada para a geração, desprezando-se as parcelas direcionadas para outros usos (irrigação, consumo populacional, etc.). Novamente, existem várias oportunidades de melhorias para o cálculo da garantia física das Pequenas Centrais principalmente a inclusão das mudanças climáticas que não serão abordadas neste documento. A importância do tema sugere um trabalho futuro, mais profundo e detalhado. diferença entre as garantias físicas das grandes pequenas usinas É interessante notar que a metodologia de cálculo para a garantia física para grandes e pequenas usinas hidroelétricas é diferente. Esta diferença justifica-se por razões históricas. As grandes hidroelétricas são consideradas estruturantes seu volume e importância são (ou eram, até bem pouco tempo atrás) o lastro principal da oferta de energia. Não seria sensato submeter o suprimento ao risco hidrológico, e por isso as usinas só poderiam ofertar o que conseguissem gerar em cenários adversos. Além disso, a metodologia oficial leva em conta as sinergias entre as grandes usinas, incluindo a capacidade de armazenamento, a operação em cascata, etc. Já as PCHs não possuem sequer histórico para que possibilite a avaliação de sua geração nos cenários hidrológicos críticos (tipicamente ). Além disso, sua representação nos modelos setoriais é muito aproximada: não são consideradas as sinergias com outras usinas, a complementariedade eólica, etc. Enfim, não seria possível aplicar às PCHs a mesma metodologia das grandes hidroelétricas. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 5/21

6 expectativa concretização da produção A garantia física das grande hidroelétricas corresponde em princípio ao mínimo que a usina pode entregar, mesmo em momentos hidrológicos adversos. Espera-se, portanto, que as usinas sejam capazes de produzir, continuadamente, um montante de energia superior à sua garantia física. Já a garantia física das PCHs é calculada sobre a média histórica em outras palavras, espera-se que as usinas produzem montantes de energia superiores ou inferiores à garantia física perfazendo a média a longo prazo. Em outras palavras, não seria razoável exigir da PCH uma produção continuadamente superior à média que neste caso, por construção, deixaria de ser média. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 6/21

7 comparação garantia física produção efetiva A comparação entre a garantia física e a geração efetivamente produzida pela usina pode mostrar a adequação do conceito ao resultado prático esperado. Este trabalho realiza esta análise, comparando a garantia física e a produção das pequenas e grandes centrais em várias regiões do Brasil. Uma observação importante: discretização anual mensal É importante notar que o valor da garantia física é normalmente dado em MWmed e corresponde portanto a um valor médio. Normalmente, este valor é tomado como uma média anual, sazonalizado (dividido em meses) e modulado (dividido em patamares) para fins de contabilização. Isto significa que a comparação entre a garantia física e a geração em algum mês ou em algum patamar de consumo específicos não é representativa; será necessário tomar a média anual (ou, alternativamente, a média móvel ao longo dos últimos doze meses) para obter uma comparação significativa. garantia física produção efetiva das PCHs A Figura 1 compara a garantia física e a geração das Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCHs) para o histórico disponível janeiro de 2002 a julho de 2014, obtido diretamente do Relatório Geração (MWh) e Garantia Física (MWmed) das Usinas Hidráulicas Não Despachadas Centralizadamente - 07/2014. da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), disponível em seu site, na seção Relatórios. À esquerda, em MWmed, são plotadas as séries de garantia física e geração cuja ascensão ao longo do tempo mostra a expansão da fonte. À direita medimos a diferença percentual entre as duas grandezas. É possível notar que a geração é, em média, 18-20% mais baixa do que a garantia física. Estes resultados tornam-se ainda mais evidentes quando examinamos as médias móveis (12 meses) das mesmas grandezas, na Figura 2: a produção gira em torno de valores 20% abaixo das garantias físicas. É interessante notar que o desempenho torna-se ligeiramente Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 7/21

8 melhor ao final do histórico: a diferença atenua-se, talvez por conta do ingresso de usinas mais eficientes. Figura 1 Comparação garantia física x geração PCHs (fonte: CCEE) Figura 2 Comparação garantia física x geração PCHs em médias móveis 12 meses De todo modo, a comparação pode causar estranheza: o que causaria a diferença entre a garantia física (em última análise, a média histórica)? Mudanças climáticas? Informações Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 8/21

9 básicas ou hipóteses incorretas? Esta pergunta será respondida mais adiante, após a análise da performance das grandes hidroelétricas. garantia física produção efetiva das médias/grandes usinas Com o intuito de realizar uma análise mais abrangente da performance das médias/grandes hidroelétricas brasileiras, focalizamos algumas das bacias mais importantes em termos de geração. Buscando uma visão mais ampla, nossa amostragem abrange uniformemente as diversas bacias brasileiras de produção de energia do país, ilustradas na Figura 3. Todos os dados utilizados nesta análise foram obtidos dos relatórios da CCEE Relatório Individual de Garantia Física, disponíveis no site da Câmara, seção Relatórios. Restringimos nossa análise para o período histórico disponível: agosto de 2005 a Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 9/21

10 Figura 3 Integração eletro/energética Brasileira (fonte: ONS) Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 10/21

11 Extremo Sul: Rio Jacuí usina Itaúba A Figura 4 apresenta a comparação para a usina Itaúba, localizada no rio Jacuí, no extremo sul brasileiro. A geração mensal é apresentada em cinza, a média móvel da geração (últimos doze meses) em azul, a garantia física em verde. Em vermelho, mostramos a diferença percentual entre a geração e a garantia física valores negativos denotam geração abaixo da garantia física. Figura 4 Comparação Geração x Garantia Física - Itaúba Observamos, durante este período uma geração média 15,9% abaixo da garantia física. Mesmo observando as médias móveis, identificamos períodos de longa duração onde as médias anuais (últimos 12 meses) atingem níveis 60% abaixo da garantia física. Na verdade, pode-se mesmo dizer que a exceção é a geração acima da garantia física, só alcançada durante as cheias de 2004/5 e 2009/11. Estes resultados chegam a ser surpreendentes, na medida em que se espera, das usinas de maior porte, uma geração normalmente acima da garantia física e sugerem um estudo mais aprofundado, capaz de revisitar o conceito básico de garantia de suprimento para melhor adequá-lo à realidade. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 11/21

12 Sudoeste brasileiro: Rio Paraná usina Itaipu A Figura 4Figura 5 apresenta a comparação para a usina Itaipu, localizada no rio Paraná, no Sudoeste brasileiro. O código de cores é similar ao da figura anterior e não será portanto repetido. Itaipu Geração x Gfis % 90% 70% 50% 30% 10% -10% -30% Variação Itaipú Geração (MWmédio) Média Móvel Geração(MWmédio) Itaipú Gfís (MWmédio) Variação % (MM - Gfís)/Gfís Figura 5 Comparação Geração x Garantia Física Itaipu É interessante notar que o Sudoeste exibe um padrão complementar ao do Sul: quando a geração do Sudoeste está acima da garantia física, a do Sul está abaixo, e vice-versa. Assim, a geração média de Itaipu para o período é 3% maior que a sua garantia física, embora o período de déficit de garantia física seja longo: 2009 a 2011 (coincidente com a cheia do Sul). Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 12/21

13 Sul/Sudeste brasileiro: Rio Tietê (SP) usina Três Irmãos A Figura 6 apresenta a comparação para a usina Três Irmãos, localizada no rio Tietê, no extremo Sul do Sudeste brasileiro. O código de cores é similar ao da figura anterior e não será portanto repetido. Três Irmãos Geração x Gfis % 350% 300% 250% 200% 150% 100% 50% 0% -50% Variação Três Irmãos Geração (MWmédio) Média Móvel Geração(MWmédio) Três Irmãos Gfís (MWmédio) Variação % (MM - Gfís)/Gfís Figura 6 Comparação Geração x Garantia Física Três Irmãos O rio Tietê é um dos poucos que se comporta como esperado. A geração é consistentemente maior do que a garantia física (aproximadamente 30% ao longo do período), a menos dos anos de 2013/14, que correspondem à pior seca de todo o histórico de vazões do Sudeste (desde 1931). Em 2014, o déficit de garantia física atinge o patamar de 25%. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 13/21

14 Médio Sudeste brasileiro: Rio Grande usina Furnas A Figura 7 apresenta a comparação para a usina Furnas, localizada no rio Grande, no médio Sudeste brasileiro. O código de cores é similar ao da figura anterior e não será portanto repetido. Furnas Geração x Gfis % 10% 0% -10% -20% -30% -40% -50% Variação Furnas Geração (MWmédio) Média Móvel Geração(MWmédio) Furnas Gfís (MWmédio) Variação % (MM - Gfís)/Gfís Figura 7 Comparação Geração x Garantia Física Furnas À primeira vista, o rio Grande comporta-se ainda razoavelmente dentro do esperado. No entanto, embora a geração seja maior que a garantia física no período 2005/12, a seca que se inicia em finais de 2012 é extremamente severa, levando a um déficit de garantia física igual a 40% em Computando o período total, observa-se que a geração ficou 5,14% abaixo da garantia física. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 14/21

15 Médio Sudeste brasileiro: Rio Paranaíba usina Itumbiara A Figura 8 apresenta a comparação para a usina Itumbiara, localizada no rio Paranaíba, um pouco ao norte do rio Grande, ainda no médio Sudeste brasileiro. Geração x Gfis Itumbiara 30% 20% 10% 0% -10% -20% -30% -40% -50% Variação Itumbiara Geração (MWmédio) Média Móvel Geração(MWmédio) Itumbiara Gfís (MWmédio) Variação % (MM - Gfís)/Gfís Figura 8 Comparação Geração x Garantia Física Itumbiara É interessante notar a enorme diferença entre dois rios geograficamente tão próximos: Itumbiara não consegue, desde 2007, gerar a garantia física, chegando a valores 40% abaixo desta meta. O déficit de garantia médio para o período analisado é igual a 15,65%. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 15/21

16 Norte do Sudeste brasileiro: Rio S. Francisco usina Três Marias A Geração x Gfis Três Marias 40% 20% 0% -20% -40% -60% Variacão Três Marias Geração (MWmédio) Média Móvel Geração(MWmédio) Três Marias Gfís (MWmédio) Variação % (MM - Gfís)/Gfís Figura 9 apresenta a comparação para a usina Três Marias, localizada no rio S. Francisco, no extremo norte da região Sudeste, já caminhando para o Nordeste. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 16/21

17 Geração x Gfis Três Marias 40% 20% 0% -20% -40% -60% Variacão Três Marias Geração (MWmédio) Média Móvel Geração(MWmédio) Três Marias Gfís (MWmédio) Variação % (MM - Gfís)/Gfís Figura 9 Comparação Geração x Garantia Física Três Marias Persiste o déficit de garantia física, igual a aproximadamente 10% no período em análise. É interessante ainda notar o curto período onde a geração foi consistentemente superior à garantia física: 2009 e parte de É comum a geração abaixo do patamar da garantia física e os consequentes déficits, que atingem valores significativos: quase 50% em Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 17/21

18 Nordeste brasileiro: Rio S. Francisco usina Sobradinho A Sobradinho Geração x Gfis % 10% 0% -10% -20% -30% -40% -50% -60% Variação Sobradinho Geração (MWmédio) Média Móvel Geração(MWmédio) Sobradinho Gfís (MWmédio) Variação % (MM - Gfís)/Gfís Figura 10 apresenta a comparação para a usina Sobradinho, localizada no rio S. Francisco, no Nordeste brasileiro. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 18/21

19 Sobradinho Geração x Gfis % 10% 0% -10% -20% -30% -40% -50% -60% Variação Sobradinho Geração (MWmédio) Média Móvel Geração(MWmédio) Sobradinho Gfís (MWmédio) Variação % (MM - Gfís)/Gfís Figura 10 Comparação Geração x Garantia Física Sobradinho Como Itumbiara, o déficit de garantia física em Sobradinho persiste desde Atige patamares significativos, chegando a aproximadamente 25% no período em análise (32% entre 2010 e 2014). Na verdade, esta realidade é conhecida no Nordeste, cujas hidrologias foram duramente afetadas pelo evento El Niño de Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 19/21

20 Norte brasileiro: Rio Tocantins usina Tucuruí A Figura 11 apresenta a comparação para a usina Tucuruí, localizada no rio Tocantins, no Norte brasileiro. Tucuruí Geração x Gfis % 60% 10% -40% Variação Tucuruí Geração (MWmédio) Média Móvel Geração(MWmédio) Tucuruí Gfís (MWmédio) Variação % (MM - Gfís)/Gfís Figura 11 Comparação Geração x Garantia Física Tucuruí Nota-se novamente um importante déficit de garantia física, que atinge aproximadamente 9% ao longo do período em análise. É interessante observar a complementariedade das vazões Norte/Nordeste: vazões mais baixas em uma região correspondem a vazões mais altas em outra. O déficit de garantia física, entretanto, é comum a ambas: as usinas não logram chegar ao patamar almejado. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 20/21

21 Conclusões Antes de mais nada, não seria razoável esperar, das Pequenas Centrais Hidroelétricas uma geração continuadamente acima da garantia física. Lembrando que a garantia física das PCHs corresponde a uma média histórica, é natural que estas usinas exibam gerações oscilando acima e abaixo desta média. No entanto, o problema da garantia física é mais profundo. Este documento mostra que muitas das principais bacias brasileiras vêm exibindo, há vários anos, vazões continuadamente abaixo da correspondente garantia física. Lembrando que a garantia física das médias/grandes usinas localizadas nestas bacias é calculada sobre as hidrologias mais críticas do histórico, pode-se concluir que elas não vêm conseguindo atingir sequer o patamar mínimo do período crítico e estão portanto muito abaixo da média histórica. Neste contexto, é razoável inferir que as PCHs localizadas nestas regiões também deverão estar submetidas ao mesmo regime climatológico; não conseguirão portanto, atingir sequer o patamar mínimo muito menos a média (correspondente à sua garantia publicada). Em outras palavras, não seria razoável exigir das PCHs um patamar de geração correspondente à média histórica, se as médias/grandes usinas não são capazes sequer de atingir o patamar mínimo histórico. Este é um problema crítico, que deve impactar fortemente o risco de suprimento de energia elétrica brasileira. Os resultados, por sua importância, sugerem uma revisita ao conceito de garantia física, que não parece sustentar-se. Recomendamos um estudo mais aprofundado, que combine as análises climatológicas e energéticas necessárias para o desenho de uma garantia mais confiável, capaz realmente de mitigar o risco de suprimento para o mercado brasileiro. Engenho Pesquisa, Desenvolvimento e Consultoria Ltda. Pág. 21/21

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP GOP / 3 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Marcelo Augusto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Cenário Energético Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Marco Antonio Siqueira marco@psr-inc.com S, Paulo, 12 de fevereiro de 2015 1 Agenda A estrutura de oferta e demanda do setor elétrico

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor,

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor, Carta n o 108/2013-BPCH Rio de Janeiro, 27 de setembro de 2013 Ilmo. Sr. Dr. Romeu Donizete Rufino Diretor AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL 70830-030 Brasília - DF Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA

Leia mais

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Page 1 of 5 Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia, Reportagem Especial

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 9 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO VI GRUPO DE ESTUDOS DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA GME CONSEQÜÊNCIAS QUE A

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

INFORME TÉCNICO Data: 04/07/2006

INFORME TÉCNICO Data: 04/07/2006 Este Informe Técnico se destina a registrar esclarecimentos para o cadastramento, com fins de obtenção de habilitação técnica para participação do Leilão de Novos Empreendimentos A-5/2006, e cálculo da

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis ERSE, 4/3/11 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Simona Marcu Sumário Comportamento dos preços spot com o aumento da participação

Leia mais

Gabarito. Construindo no presente um futuro melhor. Unidade 2

Gabarito. Construindo no presente um futuro melhor. Unidade 2 Gabarito Construindo no presente um futuro melhor Unidade 2 Curso: Ensino Médio Disciplina: Física Capítulo Página 81 1. a) Petróleo, quase 0% da produção mundial. b) Hidoelétrica, quase %. c) Como o Brasil

Leia mais

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0 Mecanismo de Realocação de Energia ÍNDICE MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas do Mecanismo de Realocação de Energia

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

INTERESSADAS: Distribuidoras, Geradores, Comercializadores e Consumidores Livres.

INTERESSADAS: Distribuidoras, Geradores, Comercializadores e Consumidores Livres. VOTO PROCESSO: 48500.006210/2014-19. INTERESSADAS: Distribuidoras, Geradores, Comercializadores e Consumidores Livres. RELATOR: Diretor Tiago de Barros Correia RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação

Leia mais

: montante de energia elétrica vendida no mês m na série i em MWmed;

: montante de energia elétrica vendida no mês m na série i em MWmed; 31 4 Desenvolvimento do Modelo No intuito de encontrar o perfil de sazonalização ideal para maximizar os ganos da carteira de contratos foi desenvolvido um modelo de cálculo do lucro anual, o qual foi

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda.

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2012 2ª FASE NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Versão 1.0 ÍNDICE CONTRATOS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 5 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Ministério de Minas e Energia Ministro Edison Lobão Secretário Executivo Márcio Pereira Zimmermann Secretário

Leia mais

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Janeiro 215

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011 Preço de Liquidação das Diferenças 4, 35, PLD Médio MAI/211 JUN/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 3, 25, 25, 2, 2, 15, 15, 1, 1, 5, 4 3 2 1, NORTE MÉDIA SEMANA 11 SEMANA 2 2 SEMANA 33 SEMANA

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres - ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase

Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase Energia Sustentável do Brasil S.A, ESBR, concessionária de uso de bem público para exploração da Usina Hidrelétrica

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL

HIDROGRAFIA DO BRASIL Hidrografia características gerais HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Reflete as condições de umidade do clima do país Rica em rios,, mas pobre em lagos Predominância de rios de planalto,, favoráveis

Leia mais

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira 3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira O Brasil apresenta o sistema de geração de energia predominante hídrico, com as usinas dispostas em cascata. Este sistema

Leia mais

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Objetivo: obter subsídios para o aprimoramento do mecanismo de garantias financeiras associadas à liquidação financeira do Mercado de Curto Prazo

Leia mais

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado No sistema elétrico brasileiro, assim como em outros países, como Chile, Argentina e Bolívia, a produção de energia de cada usina (termelétrica,

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO 2015.1.0 Regras de Comercialização Versão 2015.1.0 Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010 O Censo Demográfico 2010 e o mercado do DF Boletim de Conjuntura Imobiliária Alguns resultados do último recenseamento feito pelo IBGE foram divulgados. Os dados mostram que o Distrito Federal registrou

Leia mais

Há que considerar 3 escalas de tempo

Há que considerar 3 escalas de tempo Há que considerar 3 escalas de tempo 1. HOJE (2001 2011) Gestão segura do SIN num cenário de geração de 2.000 MWmédios térmicos na base e mais 8.000 MWmédios térmicos complementares 2. AMANHÃ (2011 2020)

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional ENCONTRO DE DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO EDAO 2008 Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional São Paulo SP 11 de novembro de 2008 Hermes Chipp 1. Procedimentos para aumentar a segurança energética

Leia mais

Equipe Técnica: Carlos Feu Alvim (coordenador) José Israel Vargas Othon Luiz Pinheiro da Silva Omar Campos Ferreira Frida Eidelman

Equipe Técnica: Carlos Feu Alvim (coordenador) José Israel Vargas Othon Luiz Pinheiro da Silva Omar Campos Ferreira Frida Eidelman Economia e Energia ONG CNPJ 2.898/1-29 Anexos: 1- Modelo Simples de Simulação de Sistemas Hidrelétricos (Nota Metodológica) 2- Regulação Térmica na Simulação de Sistemas Hidrelétricos (Nota Metodológica)

Leia mais

5 Avaliação da Conversão de uma Termelétrica para Bicombustível

5 Avaliação da Conversão de uma Termelétrica para Bicombustível 5 Avaliação da Conversão de uma Termelétrica para Bicombustível 5.1 Introdução A idéia principal deste capítulo é apresentar a avaliação econômica da conversão de uma usina termelétrica a Gás Natural,

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Slide 1 INVESTIMENTO SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Iniciar O objetivo da apresentação é demonstrar que o investimento em PCH s é uma oportunidade muito interessante de negócio. A primeira

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento: a importância das Hidroelétricas

Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento: a importância das Hidroelétricas As Hidroelétricas da Amazônia e o Meio Ambiente Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento: a importância das Hidroelétricas Prof. Guilherme Dantas São Paulo, 9 de dezembro de 2013. Realização: Sumário Energia,

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP)

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Palestra apresentada a Diretoria do INEE em 25 de janeiro de 2012 Péricles Pinheiro Filho Atualizada em 2012-07-17 Considerações Iniciais Péricles Pinheiro Filho

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias Contribuição da AES Brasil à AP 006/2015, relativa à Conta Centralizadora dos Recursos de

Leia mais

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Sumário Em março de 2015, a Itaú Asset Management publicou um white paper em que traçava o panorama da situação hídrica brasileira e da dependência

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013 Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012 Bento Gonçalves 19/11/2013 1 SUMÁRIO 1. Metodologia utilizada 2. Diferenças de armazenamento entre simulação e operação

Leia mais

Energia Complementar e Seus Ganhos

Energia Complementar e Seus Ganhos Energia Complementar e Seus Ganhos Engº José da Costa Carvalho Neto Arcadis Logos Energia Apresentação na FIIEE, em 23/09/04 Belo Horizonte/MG Setembro/04 Índice 1 Introdução 2 Geração Térmica Flexível

Leia mais

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico.

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico. ENASE 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade Rio de Janeiro, 29.09.2009 Hermes Chipp 1 Sumário 1. Características

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais