Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas"

Transcrição

1 Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Desenvolvimento de uma Aplicação Móvel para Busca de Centros Comerciais em Viçosa Trabalho referente a disciplina de Computação Móvel, ministrada pelo professor Mauro Nacif. Grupo: Ariana Silva Bruna Catossi Viçosa-MG Março de 2007

2 1. Introdução e Motivação A idéia do projeto em questão foi motivada pelo fato de que uma das integrantes da dupla, ao navegar pela Internet, encontrou uma reportagem interessante e a sugeriu como proposta para a realização do trabalho da disciplina de INF655(Computação Móvel.). Esta reportagem era baseada em uma pesquisa realizada em agosto de 2006, por uma empresa norte-americana de marketing local, a WebVisible em parceria com a Nielsen/NetRatings. Seu objetivo era verificar a opinião pública sobre o uso de buscadores para a realização de buscas locais (serviços fornecidos por páginas amarelas, mapas regionais, ferramentas de busca locais e ferramentas de buscas gerais com configurações locais). Em tal pesquisa, foram entrevistados consumidores, dos quais 70% apontaram que já haviam usado a Internet para buscar informações de cunho regional, sendo 46% nos últimos 3 meses. Destes, 90% acharam que as buscas foram bem sucedidas ou "razoavelmente" bem sucedidas e 68% se dispuseram a usar o número de telefone publicado nos sites para entrar em contato com os fornecedores. O resultado da pesquisa mostrou que muitas pessoas estão usando a Internet para acessar serviços locais e estão satisfeitas com o resultado. Além disto, verificou-se que o telefone está incorporado a este processo, visto que os clientes estão dispostos a usá-lo para realizar suas buscas locais. 1.1 Buscas Móveis Encontrar informação de qualquer lugar, a qualquer hora é a principal função das buscas pelos celulares, que, ao contrário do que ocorre na web tradicional, não exigem que o cliente indique onde está. As operadoras de telefonia informam aos serviços de busca o local do aparelho e estes podem adaptar os resultados a condições locais. Ou seja, oferecer informações adaptadas ao local onde o cliente está naquele momento. Além de saberem onde o aparelho se encontra, as operadoras conhecem também quem realiza a busca: o comportamento de cada usuário alimenta continuamente bancos de dados que registram os interesses específicos de cada um e personalizam cada vez mais (por padrões de comportamento e segmentação de categorias) o seu acesso a informações. À medida que mais e mais estabelecimentos disponibilizam acesso remoto à Internet, gratuito ou não, os usuários de outros dispositivos móveis, como laptops, assistentes pessoais, leitores online, que usam serviços WiFi em pontos de acesso públicos ou privados (hotspots), também podem usufruir de serviços relativamente localizados. Assim, mesmo na web convencional, para PCs, os sites de busca precisam oferecer informações locais cada vez mais precisas e detalhadas para os clientes que a acessam em deslocamento. 2. Objetivos Com a verificação, através das pesquisas, que a necessidade e o uso de buscas locais está sendo cada vez maior e que a realização destas buscas onde quer que o

3 cliente esteja é altamente desejável, este trabalho teve como objetivo geral criar um sistema de busca local. Supondo-se que os usuários do sistema seriam moradores da cidade de Viçosa, objetivos específicos do trabalho foram: coleta de informações sobre centros comerciais da cidade, bem como restaurantes, salões de beleza, floriculturas e cinemas, e a criação de um sistema móvel de busca para tais centros. Esta busca, por sua vez, podendo ser realizada, por nome do estabelecimento, pelo endereço, ou dado o tipo de estabelecimento sua funcionalidade. 3. Metodologia 3.1 Diagramas e Requisitos Para criação do sistema foram coletados analisados seus requisitos e gerados diagramas para transformar o modelo conceitual em algo mais próximo de um modelo computável. Abaixo o diagrama de classes gerado para o sistema em questão, diagrama Diagrama de Classes do Sistema Neste diagrama, foram definidas as classes encontradas no desenvolvimento do sistema, com base nestas classes foram geradas tabelas para o banco de dados e sobre

4 elas foram determinadas as operações possíveis, tais como inserções e consultas de dados. Estas classes representam os centros comerciais a serem disponibilizados, que possuem características em comum, (como localização, telefone) dentre eles: restaurantes, salões de beleza, cinema e floriculturas. Para cada um destes centros foram definidas variáveis especificas, de acordo com sua funcionalidade. Restaurantes possuem tipo, podendo ser "Pizzaria", "Churrascaria", dentre outros, possuem também preço médio, além de poderem apresentar uma programação variada com atrações variando durante os dias. Cinemas possuem sessões, compostas por filmes e horários de apresentação dos mesmos. Os salões de beleza possuem profissionais responsáveis por atividades determinadas, tais como, cortes de cabelo, penteado, etc. Finalmente, as floriculturas possuem flores dos mais variados tipos, sendo que estas apresentam uma faixa média de preços. Depois de especificados os centros a serem trabalhados, bem como as funcionalidades permitidas pelo sistema, foram definidas as ferramentas utilizadas para o desenvolvimento do trabalho, citadas e explicadas minuciosamente na seção 3.2. Através do uso das ferramentas definidas iniciou-se o desenvolvimento do projeto. Os passos para tal foram bastante simples, embora o resultado tenha sido atingido após um tempo considerável de trabalho, afinal devemos levar em consideração o custo de aprendizado. Com base na proposta de sistema e com a posterior abstração das classes foram geradas as tabelas para o banco de dados, foi criado o banco (parte responsável pela persistência do sistema) e povoado com base em informações coletadas sobre os centros comerciais coletados na cidade de Viçosa. A seguir, à medida que foram sendo criadas as telas da aplicação (apresentadas na seção 4), através do uso do plugin Mobile do NetBeans, foi gerado um fluxo, representado pela figura 1, no qual pode-se entender o deslocamento estabelecido para a aplicação. Nota-se pelo fluxo, que só foram geradas telas para dois casos de centros comerciais, os cinemas e os restaurantes. Isto ocorreu, pelo simples fato de que o intuito do trabalho não era sua dimensão, haja vista que para incluir os outros centros previamente

5 pensados, como salões de beleza e floriculturas, ocorreria apenas um re-trabalho, não sendo acrescentado nenhum tipo de conhecimento válido. Desta forma, a base e o topo do projeto estavam prontas, restando construir a camada intermediaria, para comunicação da aplicação com o banco e para inclusão das regras de negocio. Com o uso do framework Ruby on Rails (devidamente citado na seção 3.2) foram estabelecidas as regras de negócio e foi realizada a comunicação com o banco. Gerando arquivos XML como retorno dos dados, sendo que estes eram default de acordo com as tabelas sobre as quais a consulta era executada, entretanto para casos específicos, nos quais se sentia a necessidade de outros tipos de retorno foram criadas funções para geração do XML com os dados correspondentes. Como último passo, talvez o mais trabalhoso deste projeto tivemos a realização da leitura destes dados, criando desta forma um vinculo entre as camadas de aplicação e de persistência, o que finalmente permitiu que a aplicação funcionasse como esperado. 3.2 Ferramentas e Tecnologia Utilizadas Foram definidas as ferramentas utilizadas para o processo de desenvolvimento do sistema, sendo as mesmas apresentadas a seguir NetBeans Móbile O Netbeans é uma plataforma de desenvolvimento assim como o Eclipse no entanto foi criada pela Sun que se mantém como seu principal apoiador, a história do Netbeans não se diferencia muito da história do Eclipse ambos começaram como projetos de empresas que resolveram abrir o código-fonte e disponibilizá-lo à comunidade, no caso da Sun com o Netbeans a diferença é que o objetivo do Netbeans é tornar-se a ferramenta open-source de referência para o Java diferente do Eclipse que tornou-se um projeto mais amplo e diferenciado em seus sub-projetos. O Netbeans é hoje uma plataforma de desenvolvimento madura apoiada por empresas como a SonyEricson, Ricoh, Amazon e Jboss e que roda em ambientes Linux, Windows e MacOS sua configuração é mais simples que a do Eclipse, até por causa da menor diversidade de recursos diferenciados. Para utilizar-se o netbeans no desenvolvimento de aplicações para sistemas embutidos, assim como no Eclipse, pode se usar o pacote para desenvolvimento com C/C++ ou o pacote Mobility para desenvolvimento com J2ME. Um grande atrativo do Netbeans é o seu editor visual para J2ME este editor é capaz de criar telas para vários dispositivos além do editor de fluxo que oferece uma visão geral do fluxo de informação em uma aplicação J2ME Os principais componentes da Plataforma Java 2, Micro Edition (plataforma J2ME) são o CDC (Connected Device Configurations, Configurações para dispositivos conectados), o CLDC (Connected Limited Device Configurations, Configurações para dispositivos com conexão limitada), o MIDP (Mobile Information Device Profiles, Perfis de informações de dispositivos móveis), além de muitas outras ferramentas e tecnologias que levam as soluções Java aos mercados de consumo e de dispositivos integrados.

6 As tecnologias J2ME contêm um JRE altamente otimizado, especialmente desenvolvido para o mercado de grande consumo. Essas tecnologias abrangem uma ampla gama de produtos muito pequenos e habilitam programas utilitários úteis, de segurança e conectividade em smart cards, pagers, conversores de sinal digital (set-top boxes) e outros aparelhos de pequeno porte Ruby on Rails David se interessou por uma linguagem alternativa. Conhecemos Perl, PHP e Python de longa data, the Three P s (os Três Os). Linguagens dinâmicas, maduras. Mas ele tomou um caminho inesperado e resolveu experimentar Ruby. Em 1993, um programador japonês chamado Yukihiro Matsumoto também conhecido como Matz resolveu criar mais uma nova linguagem com o que havia disponível em seu tempo para resolver suas próprias frustrações. Ruby surgiu na mesma época do Java, mas sem as mesmas pretensões. Veio com a filosofia de trazer um ambiente agradável e produtivo para se desenvolver. Permaneceu em silenciosa evolução no Oriente, enquanto Java e PHP faziam sucesso no Ocidente. Ele também faz parte de uma longa linhagem de inspiração que inclui referências como Ada, Perl, Smalltalk, Python, Lisp, CLU. Como muitas linguagens, surgiu para juntar as melhores partes desses gigantes do passado e criar um contraponto às alternativas da época. No caso, ser um Perl melhor do que o Perl, daí o trocadilho de seu nome, onde o Rubi se propõe ser melhor do que a Pérola. Ruby é uma linguagem dinâmica, com conceitos de metaprogramação, orientação a objetos com uma alternativa limpa para polimorfismo, com mixins, blocos e fechamentos. Criada para ser simples e elegante porém altamente expressiva e intuitiva. Martin Fowler a definiria como humana. Como todo desenvolvedor bem informado, David ouvira falar dessa alternativa criada no Oriente, bem como seus pontos fortes. Parceiro da empresa 37signals, resolveu que seu próximo produto Basecamp, uma ferramenta web para gerenciamento de projetos seria escrita inteiramente em Ruby. Foi a partir deste projeto real que ele organizou e extraiu um framework, batizando-o de Rails. David trouxe à comunidade os conceitos de DRY (Don t Repeat Yourself) e Convention over Configuration, ou seja, não se repita e convenção sobre configuração. DRY é uma abreviação que pode ser trocadilho com a tradução seco, em inglês. Esse princípio resume a filosofia de não se repetir, não copiar e colar trechos de código por todo o aplicativo, deixar o código o mais seco e enxuto possível. Se estamos sempre repetindo o mesmo código, significa que este código está implorando para ser refatorado, com a repetição substituída por quaisquer mecanismos que resultem no mesmo efeito, como a criação de métodos helper, partials e outras técnicas. Convention over Configuration ou Convenção sobre Configuração. David também chama isso de Padrões Inteligentes, ou seja, se não quisermos configurar nada, basta seguir as convenções e o framework saberá o que fazer. Ouvimos falar muito do chamado movimento Ágil, com técnicas que ficaram famosas como Extreme Programming e Scrum. Porém, a promessa de agilidade ainda demora a chegar para a maioria dos projetos J2EE. Todos ouvimos a proposta, gostamos mas sabemos que mudança, em J2EE, é algo não desejável. Precisamos reconfigurar muitas classes, muitas heranças, muitos arquivos, muitos XMLs. Além de ter que compilar, instalar e testar tudo de novo.

7 Porém, Ruby on Rails traz recursos para ajudar a colocar em prática as propostas do movimento Ágil. Mudanças são bem vindas, testes são simples e eficazes, a manutenção é simplificada e a caça por bugs mais ainda. Existe uma variação do princípio de Paretto conhecido como 80/20, ou seja, que 80% dos problemas demandam 20% do tempo para sua resolução. A idéia é que uma solução que tenta abraçar tudo sempre será incompleta em detrimento de fazer melhor os 80% que poderia. Portanto, Ruby on Rails têm a proposição de resolver, da melhor forma possível, os 80%. Na tentativa de abraçar tanto desenvolvimento web quanto componentes distribuídos, o J2EE acaba não resolvendo nem uma coisa nem outra. Rails quer resolver direito a parte web, partindo do princípio de que a maioria dos projetos não tem necessidade da parte EJB. Como vemos, na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se copia. Não poderia ser mais verdade também para linguagens de programação. E Ruby não é diferente. Matz pegou emprestado o poder das Regular Expressions, a orientação a objetos e Garbage Collector de Smalltalk, inspiração nas formas de Python, nos fechamentos e lambda calculus de Lisp, juntou tudo num pacote coeso e gerou Ruby. David também não fez nada de novo. Ele pegou os conceitos de MVC e Design Patterns como Value Object, Visitor, Singleton, etc., os conceitos de mecanismos de templates de HTML. Não ignorou o poder do SQL na sua camada de persistência. Usou todo o poderio do Ruby para módulos e fechamentos, juntou os conceitos de TDD (Test Driven Development), mecanismos de construção automatizada inspirada na ferramenta make (a mesma fonte de inspiração do Ant). Colocou tudo em um pacote coeso e temos Rails MySql O mais popular sistema de gerenciamento de banco de dados SQL Open Source, é desenvolvido, distribuído e tem suporte da MySQL AB. A MySQL AB é uma empresa comercial, fundada pelos desenvolvedores do MySQL, cujos negócios é fornecer serviços relacionados ao sistema de gerenciamento de banco de dados MySQL. Um banco de dados é uma coleção de dados estruturados. Ele pode ser qualquer coisa desde uma simples lista de compras a uma galeria de imagens ou a grande quantidade de informação da sua rede coorporativa. Para adicionar, acessar, e processar dados armazenados em um banco de dados de um computador, você necessita de um sistema de gerenciamento de bancos de dados como o Servidor MySQL. Como os computadores são muito bons em lidar com grandes quantidades de dados, o gerenciamento de bancos de dados funciona como a engrenagem central na computação, seja como utilitários independentes ou como partes de outras aplicações. Um banco de dados relacional armazena dados em tabelas separadas em vez de colocar todos os dados um só local. Isso proporciona velocidade e flexibilidade. A parte SQL do MySQL atenda pela "Structured Query Language - Linguagem Estrutural de Consultas". SQL é linguagem padrão mais comum usada para acessar banco de dados e é definida pelo Padrão ANSI/ISO SQL. (O padrão SQL está vem evoluindo desde 1986 e existem diversas versões. Neste manual, SQL-92 se refere ao padrão liberado em 1992, SQL-99 se refere ao padrão liberado em 1999, e SQL:2003 se refere a versão do que esperamos que seja liberado no meio de Nós usamos o termo "o padrão SQL" indicando a versão atual do Padrão SQL em qualquer momento). Open Source significa que é possível para qualquer um usar e modificar o programa. Qualquer pessoa pode fazer download do MySQL pela Internet e usá-lo sem

8 pagar nada. Se você quiser, você pode estudar o código fonte e alterá-lo para adequá-lo às suas necessidades. O MySQL usa a GPL (GNU General Public License - Licença Pública Geral GNU) para definir o que você pode e não pode fazer com o software em diferentes situações. Se você sentir desconforto com a GPL ou precisar embutir o MySQL em uma aplicação comercial você pode adquirir a versão comercial licenciada conosco. O servidor de banco de dados MySQL é extremamente rápido, confiável, e fácil de usar. Se isto é o que você está procurando, você deveria experimentá-lo. O Servidor MySQL também tem um conjunto de recursos muito práticos desenvolvidos com a cooperação de nossos usuários. O Servidor MySQL foi desenvolvido originalmente para lidar com bancos de dados muito grandes de maneira muito mais rápida que as soluções existentes e tem sido usado em ambientes de produção de alta demanda por diversos anos de maneira bem sucedida. Apesar de estar em constante desenvolvimento, o Servidor MySQL oferece hoje um rico e proveitoso conjunto de funções. A conectividade, velocidade, e segurança fazem com que o MySQL seja altamente adaptável para acessar bancos de dados na Internet. 4. Resultados Com base no uso das ferramentas apresentadas e na correta modelagem do caso proposto, foram criadas as camadas da aplicação móvel. O MySQL foi utilizado como sistema de gerenciamento do banco de dados, no qual foram armazenadas as tabelas geradas de acordo com a analise do diagrama de classe proposto. Através do uso do NetBeans e com o auxilio do plugin Móbile foram criadas as interfaces e verificado o fluxo para navegação entre as telas. A seguir seguirão imagens das telas geradas para uso na aplicação. A Tela 1, apresenta a tela inicial da aplicação, na qual o usuário tem a oportunidade de entrar no sistema de busca por centros comerciais. Tela 1- Tela inicial da aplicação

9 A Tela 2, representa os tipos de centros comerciais disponíveis para realização das buscas. Sendo que, tais tipos foram restringidos a cinemas e restaurantes. Tela 2- Escolha do Centro Comercial a ser consultado A Tela 3, é um formulário que permite que o cliente consulte com base na localização se existe algum restaurante, numa dada rua ou bairro, na Tela 4 é exemplificada uma consulta, como entrada temos que o campo bairro é citado como centro. Desta forma, são buscados todos os restaurantes que estão situados no dado bairro, as respostas podem ser visualizadas na Tela 5. Tela 3- Informação da Localidade a ser consultada

10 Tela 4- Exemplo de uma entrada para consulta Tela 5 - Resultado para uma consulta por localização Quando é efetuada uma consulta, desejando-se localizar restaurantes com base nos nomes, são listados todos os nomes de restaurantes cadastrados no banco de dados,

11 como ilustra a Tela 6. Sendo que, a partir da lista de restaurantes encontrados pode-se selecionar um dentre eles para que informações sobre este centro comercial sejam fornecidas. Como pode ser visto nas Telas 7, 8, 9 e 10. Tela 6 - Resultado para uma consulta por Nome Tela 7 - Descrição de um Restaurante

12 Tela 8 - Descrição de um Restaurante Tela 9 - Descrição de um Restaurante

13 Tela 10 - Descrição de um Restaurante A Tela 11 possui uma descrição dos tipos de restaurantes existentes. Sendo que ao ser feita a seleção de um destes tipos de restaurantes é possível visualizar, como mostra a Tela 12, quais restaurantes são Self-Service e na Tela 13, Pizzaria. Tela 11 - Descrição dos Tipos de Restaurantes

14 Tela 12 Restaurantes do tipo Self-Service Tela 13 Restaurantes do tipo Pizzaria Similarmente aos restaurantes, a Tela 14 representa a busca baseada em localização, por rua ou bairro, nos centros comerciais que são cinemas. A Tela 15 ilustra uma busca por uma rua inexistente ou que não possui cinemas, tendo como resposta a Tela 16 que dá um feedback ao usuário avisando que não existem cinemas cadastrados para aquela

15 localidade. Na Tela 17, novamente é simulada uma consulta, desta vez por bairro, na qual é enviado um bairro válido, desta forma são devidamente listados os restaurantes que se encontram em tal localidade, como pode ser visto na Tela 18. Tela 14 Cinemas, busca por localização Tela 15 Cinemas, busca por localização com uma entrada

16 Tela 16 Cinemas, busca por localização com uma entrada sem resultados Tela 17 Cinemas, busca por localização com uma entrada com resultados

17 Tela 18 Resultado de uma busca por localização de Cinemas A Tela 19, por sua vez, é uma consulta por nomes, que lista os cinemas cadastrados no banco, para o caso, apenas um cinema está cadastrado. Tela 19 Resultado de uma busca por nome de Cinemas

18 5. Dificuldades A proposta de trabalho teve uma grande dimensão e o grupo para construí-lo foi relativamente pequeno. Além disso, as integrantes da dupla que realizaram o trabalho não tinham um conhecimento prévio sobre desenvolvimento de aplicações móveis. Este conhecimento foi sendo adquirido ao longo da disciplina de INF655, com as aulas mais "práticas" que tratavam da tecnologia J2ME, bem como através de consultas e leitura de tutoriais. A definição do tema do trabalho também não foi imediata, muitas idéias foram sugeridas durante a disciplina e com o tempo foi que surgiu a idéia de trabalhar com a busca de centros comerciais para a cidade de Viçosa. Após definido o tema do trabalho e antes do inicio do desenvolvimento foram escolhidas as ferramentas que seriam utilizadas no projeto, a maioria delas conhecidas e inclusive utilizadas por outros grupos da INF655. Entretanto, uma delas de uso restrito a dupla que realizou o trabalho em questão, o Ruby on Rails. O custo de aprendizado para trabalhar com esta ferramenta foi elevado, o que consumiu um enorme tempo, provocando um atraso no desenvolvimento do projeto. Este atraso também foi incrementado, por questões de pequeno porte, que atrasavam cada vez mais o desenvolvimento. Tais como, falhas de atualização do NetBeans. 6. Conclusões O desenvolvimento deste trabalho foi extremamente satisfatório. Levou ao conhecimento de uma nova ferramenta o Ruby on Rails e proporcionou que fossem conhecidos também outros meios para desenvolvimento de aplicações móveis, haja vista que antes de iniciar-se o projeto foram realizados estudos para sua posterior definição e implementação. Com base nestes estudos, a dupla garantiu conhecimento sobre questões que até então não haviam recebido uma atenção especial. Tais como, restrição de armazenamento em dispositivos móveis, regras básicas de apresentação da aplicação em telas de tamanho limitado e também a importância de se manter um fluxo com informações indicando ao usuário em que trecho da aplicação ele se encontra. Além do que foi apresentado acima, vale lembrar que a aplicação desenvolvida é altamente escalável e flexível, podendo receber mais ajustes. E como acréscimo é valido dizer que o que foi feito é um projeto de um mini-mundo real, podendo ser bastante útil no cotidiano das pessoas, bastando para tanto a inclusão de algumas funcionalidades (validação dos dados a serem consultados, inclusão de novos métodos de buscas, etc.) e a uma forma de disponibilizar a ferramenta. Referencias Bibliográficas AKITA, Fabio. Repensando a Web com Rails. Rio de Janeiro: Brasport, Sites

19 MySQL - Último acesso em 21 de fevereiro de Tutoriais, guias e artigos do NetBeans Enterprise Pack Último acesso em 22 de fevereiro de MundoOO- Tutorial J2ME - Visão Geral Último acesso em 22 de fevereiro de Material de INF655- Wikipedia- pt.wikipedia.org/wiki/ruby _on_rails Ruby on Rails - Ultimo acesso em 20 de fevereiro de 2007.

Sistema Gerador de Anúncios para Compra e Venda On-line. Leandro de Oliveira ol.leandro@gmail.com

Sistema Gerador de Anúncios para Compra e Venda On-line. Leandro de Oliveira ol.leandro@gmail.com Sistema Gerador de Anúncios para Compra e Venda On-line Leandro de Oliveira ol.leandro@gmail.com Roteiro da Apresentação Motivação Conceitos e Tecnologias Objetivos do trabalho Sistema SideCart Conclusões

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados Acadêmico: Bernardo Marquardt Müller Orientador: Prof. Dr. Mauro Marcelo Mattos Roteiro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL Secretaria-Executiva

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL Secretaria-Executiva Projeto PNUD BRA/12/018 - Documento técnico com complementação da documentação de instalação e uso da plataforma Noosfero contendo conceitos e tutoriais. Consultora: Daniela Soares Feitosa Contrato n o

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP CAPÍTULO 1 O melhor do PHP Este livro levou bastante tempo para ser feito. Venho usando agora o PHP por muitos anos e o meu amor por ele aumenta cada vez mais por sua abordagem simplista, sua flexibilidade

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres. Módulo I - Introdução Aula 2 Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.com Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010 Graduado em Ciência da Computação pela UFC, Brasil

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 Prezados Senhores da comissão de licitação da UENF, seguem alguns questionamentos acerca do edital de concorrência 01/2013 para esclarecimentos: 1. ANEXO

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Java & OpenJDK Thiago S. Gonzaga Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Tópicos Sobre a Sun Microsystems Algumas tecnologias da Sun Linguagem de Programação Ciclo de Desenvolvimento O que é Java?

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 2 Testes de verificação SWD-980801-0125102730-012 Conteúdo 1 Visão geral... 4 2 Tipos de telefones e contas de usuário... 5 3 Verificando a instalação

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE

MANUAL DE INSTALAÇÃO CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE T1011 GUILHERME RODRIGUES Ano 2015 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DA IDE ECLIPSE. Neste documento aborda como instalar e configurar a IDE eclipse para

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Disciplina: Computação Móvel Professor: Mauro Nacif Rocha Data: 27/02/2007 Hadriel Toledo Lima 50290 Juliana Pinheiro Campos 47683 Luis Felipe Hussin Bento

Leia mais

APLICAÇÃO WEB PARA APOIO AO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO DE SUSPEITOS DE CRIMES

APLICAÇÃO WEB PARA APOIO AO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO DE SUSPEITOS DE CRIMES APLICAÇÃO WEB PARA APOIO AO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO DE SUSPEITOS DE CRIMES Mateus Provesi 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este projeto propõe o desenvolvimento de uma

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE

APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE MARCOS LEÃO 1, DAVID PRATA 2 1 Aluno do Curso de Ciência da Computação; Campus de Palmas; e-mail: leão@uft.edu.br PIBIC/UFT

Leia mais

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Uma Introdução ao J2ME Computação Móvel (MAC5743/MAC330) DCC-IME-USP Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Visão Geral do Java 2 (1) A plataforma Java 2 engloba três elementos:

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

USANDO O IZCODE PARA GERAR SOFTWARE RAPIDAMENTE

USANDO O IZCODE PARA GERAR SOFTWARE RAPIDAMENTE USANDO O IZCODE PARA GERAR SOFTWARE RAPIDAMENTE SUMÁRIO usando o izcode... 1 para gerar software rapidamente... 1 introdução... 2 o que é o izcode?... 2 Como funciona o izcode?... 2 os tipos diferentes

Leia mais

Manual de Operação Aplicativo ClickIt

Manual de Operação Aplicativo ClickIt Manual de Operação Aplicativo ClickIt Rev. 1.1 Agosto/2010 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460 Telefone: (51)3026-0945 / (51)3287-2167

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Geoprocessamento com Software Livre. Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias

Geoprocessamento com Software Livre. Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias Geoprocessamento com Software Livre Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias SUMÁRIO O que é Software Livre? A GLP GNU Geoprocessamento Algumas Geotecnologias Geotecnologias Livres

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Zend. Framework. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec. Desenvolvendo em PHP 5 orientado a objetos com MVC

Zend. Framework. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec. Desenvolvendo em PHP 5 orientado a objetos com MVC Zend Framework Desenvolvendo em PHP 5 orientado a objetos com MVC Flávio Gomes da Silva Lisboa Novatec 1 Introdução CAPÍTULO O desenvolvimento de aplicações tornou-se uma atividade extremamente complexa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Pizzaria Manão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Pizzaria Manão UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Pizzaria Manão Emilio Gonçalves 41281 Fabrício Luís Santos da Silva 50293 Filipe Ribeiro Nalon 50295

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG Bruno Alberto Soares Oliveira 1,3 ; Lucas Vieira Murilo 1,3 ; Maik Olher Chaves 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Desenvolvimento de Software Livre para a área

Desenvolvimento de Software Livre para a área Desenvolvimento de Software Livre para a área de Saúde Daniel Weingaertner Departamento de Informática UFPR Centro de Computação Científica e Software Livre C3SL Programa de Extensão Conhecendo Padrões

Leia mais

Extensão ez Open Document Format (ezodf) Documentação. versão 2.0. experts em Gestão de Conteúdo

Extensão ez Open Document Format (ezodf) Documentação. versão 2.0. experts em Gestão de Conteúdo Extensão ez Open Document Format (ezodf) Documentação versão 2.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2 1.1 Público alvo... 3 1.2 Convenções... 3 1.3 Mais recursos... 3 1.4 Entrando em contato com a ez... 4 1.5

Leia mais

Programação para Internet Orientada a Objetos com PHP & MySQL Visão Geral de Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL II

Programação para Internet Orientada a Objetos com PHP & MySQL Visão Geral de Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL II Programação para Internet Orientada a Objetos com PHP & MySQL Visão Geral de Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL II Prof. MSc. Hugo Souza Na última aula falamos um pouco da necessidade do surgimento

Leia mais

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Introdução Hardware X Software Corpo Humano Parte Física Componentes 18 Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Hardware Introdução Parte física: placas, periféricos,

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Curso de Joomla na Prática

Curso de Joomla na Prática Curso de Joomla na Prática Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

Guia do Usuário do Gateway do Avigilon Control Center. Versão 5.4.2

Guia do Usuário do Gateway do Avigilon Control Center. Versão 5.4.2 Guia do Usuário do Gateway do Avigilon Control Center Versão 5.4.2 2006-2014 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que seja expressamente concedido por escrito, nenhuma licença é

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Faculdade de Negócios e Administração de Sergipe Disciplina: Integração Web Banco de Dados Professor: Fábio Coriolano Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Professor: Fabio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0 Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho Florianópolis - SC 2005/1 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Denição do Problema 3 3 Trabalhos Correlatos 4 4 Solução

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

MQSeries Everyplace. Leia-me primeiro G517-7010-00

MQSeries Everyplace. Leia-me primeiro G517-7010-00 MQSeries Everyplace Leia-me primeiro G517-7010-00 MQSeries Everyplace Leia-me primeiro G517-7010-00 Primeira Edição (Junho de 2000) Esta edição se aplica ao MQSeries Everyplace Versão 1.0 e a todos os

Leia mais

Linguagem de Programação Visual

Linguagem de Programação Visual Linguagem de Programação Visual Unidade 1 Ambiente de desenvolvimento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 SOBRE O JAVA... 3 AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO... 5 RECURSOS DA FERRAMENTA NETBEANS...

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009 Rafael Polo e Sabrina Arêas Contexto 60 s - Primeiros sistemas de informação corporativos. 70 s Desenvolvimento e comercialização

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização - Bug Wisard Report

Manual de Instalação e Utilização - Bug Wisard Report FAPEG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA PAPPE INTEGRAÇÃO Manual de Instalação e Utilização - Bug Wisard Report Goiânia 2013 Esta obra está licenciada sob uma Licença

Leia mais

Consultoria sobre Joomla!

Consultoria sobre Joomla! Consultoria sobre Joomla! Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Construindo sítios profissionais com Mambo

Construindo sítios profissionais com Mambo 23/09/06 Construindo sítios profissionais com Mambo Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Software Livre Conceitos de CMS Mambo Configuração do Mambo Novidades Referências 2 O que é software

Leia mais

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2 Estrutura de Repetição. Ex. 2 A ESTRUTURA Enquanto faça{} É MELHOR UTILIZADA PARA SITUAÇÕES ONDE O TESTE DE CONDIÇÃO (V OU F) PRECISA SER VERIFICADO NO INÍCIO DA ESTRUTURA DE REPETIÇÃO.

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Lucas Nascimento Santos

Lucas Nascimento Santos Lucas Nascimento Santos Mobile Application Developer lucassantoos56@gmail.com Resumo Lucas Nascimento Santos (@ll_ucasn), engenheiro de software. Estudante de Ciência da Computação na Universidade Salvador

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do UNICO. O roteiro poderá ser usado não apenas pelas revendas que apenas estão realizando

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF-MG Campo Universitário Bairro Marmelos Juiz de Fora MG Brasil

Leia mais