ERC/DEC/(99)01 COMITÉ EUROPEU DAS RADIOCOMUNICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERC/DEC/(99)01 COMITÉ EUROPEU DAS RADIOCOMUNICAÇÕES"

Transcrição

1 COMITÉ EUROPEU DAS RADIOCOMUNICAÇÕES Decisão ERC de 10 de Março de 1999 sobre a harmonização das matérias de exame para obtenção de Certificado Geral de Operador (GOC) e de Certificado Restrito de Operador (ROC) (ERC/DEC/(99)01)

2 Página 12 MEMORANDO EXPLICATIVO 1 INTRODUÇÃO O arranque do Sistema Mundial de Socorro e Segurança Marítima (GMDSS - Global Maritime Distress and Safety System em Fevereiro de 1992 tornou necessária a harmonização dos requisitos de exame para obtenção de certificados de operadores de estação de navio. A Recomendação CEPT T/R foi desenvolvida e aprovada pelo ERC em 1993 de forma a harmonizar as matérias de exame para obtenção de certificados de operador de estação de navio, operando em GMDSS e os procedimentos para convers ão de certificados não-gmdss em certificados GMDSS. O funcionamento eficiente do sistema GMDSS depende da eficiência dos operadores de estação. A Recomendação T/R sobre as matérias de exame para obtenção do certificado geral de operador e do certificado restrito de operador revelouse uma ferramenta valiosa com vista à melhoria da competência dos operadores. A importância dos procedimentos harmonizados é salientada pelo facto de parte do conteúdo da Recomendação T/R ter sido adoptada pela IMO no Curso de Formação Modelo. Partes do conteúdo da T/R já deixaram de ser importantes, como é o caso dos procedimentos temporários para um exame limitado. Estes procedimentos não foram incluídos na Decisão ERC uma vez que o período de validade dos exames limitados já terminou. Em complemento a esta Decisão que descreve as matérias de exame encontra-se em fase de preparação uma Recomendação ERC sobre o conteúdo e a forma dos certificados GOC e ROC. 2 NECESSIDADE DE UMA DECISÃO ERC Infelizmente ainda ocorrem graves erros operacionais nas frequências do sistema GMDSS, por exemplo, sob a forma de falsos alertas de socorro e de mensagens de socorro incorrectas. De forma a atenuar estes problemas, o conteúdo das matérias de exame para obtenção de certificados GOC e ROC tem de ser melhorado. A 17ª reunião do ERC, que teve lugar em Junho de 1996 reconheceu que são necessárias disposições mais eficazes que a Recomendação e decidiu incluir no Programa de Trabalhos do WGRR um ponto relativo à conversão da Recomendação T/R numa Decisão ERC. Após a implementação do mecanismo de Decisão ERC, o resultado normal saído do ERC deveria assumir a forma de uma Decisão. As Decisões são normalmente utilizadas em matérias que requerem uma harmonização significativa no campo da regulamentação das radiocomunicações. A importância de uma implementação atempada e eficaz do sistema GMDSS determina pois que a Recomendação T/R seja convertida numa Decisão.

3 Página 13 Decisão ERC de 10 de Março de 1999 sobre a harmonização das matérias de exame para obtenção de Certificado Geral de Operador (GOC) e de Certificado Restrito de Operador (ROC) (ERC/DEC/(99)01) A Conferências Europeia das Administrações de Correios e Telecomunicações, considerando: a) que o Serviço Móvel Marítimo e o Serviço Móvel Marítimo por Satélite são serviços conformes com o Regulamento das Radiocomunicações da União Internacional das Telecomunicações (UIT) e que se regem pelo Regulamento das Radiocomunicações da UIT e pelas regulamentações nacionais; b) que existem ainda disposições directamente relacionadas com o Serviço Móvel Marítimo e com o Serviço Móvel Marítimo por Satélite na Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar (SOLAS) e em outras Convenções e Resoluções da Organização Marítima Internacional (IMO); c) que é desejável estabelecer padrões comuns de competência para o pessoal das estações do Serviço Móvel Marítimo e do Serviço Móvel Marítimo por Satélite que operem de acordo com o Sistema Mundial de Socorro e Segurança Marítima (GMDSS); d) que o sistema GMDSS entrou em vigor em 1 de Fevereiro de 1992; e) que as Administrações são responsáveis, nos termos do Artigo S48 do Regulamento das Radiocomunicações da UIT, por assegurar que o pessoal das estações em navios e das estações terrenas de navio, que opera de acordo com o sistema GMDSS, se encontra adequadamente qualificado para permitir um funcionamento eficiente da estação; f) que o Artigo S47 do Regulamento das Radiocomunicações da UIT especifica as condições que regem a emissão dos certificados GMDSS para o pessoal das estações de navio e das estações terrenas de navio e que a Convenção Internacional sobre Normas de Formação, de Certificação e de Serviço de Quartos para os Marítimos (STCW) regula as condições para a emissão dos certificados GMDSS; g) que a Resolução IMO A.703(17) recomenda a formação de operadores de estação de radiocomunicações para operarem o sistema GMDSS; h) que os desenvolvimentos efectuados pela IMO e as alterações ao sistema GMDSS necessitam ser acompanhados e que as consequentes modificações terão de ser introduzidas nas matérias de exame; i) que os requisitos básicos relativos ao conteúdo dos certificados se encontram estabelecidos nas disposições S47.9 a S47.16 do Regulamento das Radiocomunicações da UIT j) que a Directiva do Conselho 94/58/EC sobre o nível mínimo de formação de pessoal do mar (alterada pela Directiva do Conselho 98/35/EC) estabelece os procedimentos e os critérios para o reconhecimento de certificados emitidos por países terceiros; k) que a Directiva mencionada no considerando j) se refere ao pessoal do mar a bordo de navios sujeitos à Convenção SOLAS;

4 Página 14 DECIDE 1. que as Administrações emitam Certificados Gerais de Operador (GOC) aos candidatos que passem no exame descrito no Anexo 1; 2. que as Administrações emitam Certificados Restritos de Operador (GOC) aos candidatos que passem no exame descrito no ; 3. que os Certificados GOC e ROC emitidos nos termos desta Decisão deverão fazer referência ao Regulamento das Radiocomunicações da UIT e à presente Decisão; 4. que as Administrações reconheçam mutuamente os certificados desde que tenham sido em conformidade com os termos da presente Decisão; 5. que esta Decisão deverá entrar em vigor em 15 de Março de 1999; 6. que as Administrações deverão comunicar as medidas tomadas a nível nacional para a implementação desta Decisão ao Presidente do ERC e ao ERO aquando da sua implementação. ANEXO 1

5 Página 15 MATÉRIAS DE EXAME PARA OBTENÇÃO DO CERTIFICADO GERAL DE OPERADOR (GOC) PARA O SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO E PARA O SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO POR SATÉLITE O exame deverá compor-se de testes teóricos e práticos e deverá incluir, no mínimo: A. CONHECIMENTOS SOBRE AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO E DO SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO POR SATÉLITE AI. AI. Princípios gerais e características básicas do serviço móvel marítimo. Princípios gerais e características básicas do serviço móvel marítimo por satélite. B. CONHECIMENTOS PRÁTICOS PORMENORIZADOS E APTIDÃO PARA UTILIZAR O EQUIPAMENTO BÁSICO DE UMA ESTAÇÃO DE UM NAVIO B1. Utilização prática do equipamento básico de uma estação de navio B2. Chamada Selectiva Digital (DSC) B3. Princípios Gerais sobre telegrafia por Impressão Directa em Faixa Estreita (NBDP) e Sistemas de Radiotelex. Aptidão para usar equipamento de telegrafia NBDP marítimo e equipamento de Radiotelex, demonstrada na prática. B4. Utilização dos diferentes sistemas INMARSAT. B5. Detecção de avarias C. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS E OPERAÇÃO PORMENORIZADA DO SISTEMA GMDSS E RESPECTIVOS SUBSISTEMAS C1. Sistema Mundial de Socorro e Segurança Marítima (GMDSS) C2. INMARSAT C3. NAVTEX C4. Radiobalizas de localização de sinistros (EPIRBs) C5. Respondedor de radar de localização de sinistros (SART) C6. Procedimentos relativos a comunicações de socorro, urgência e segurança no âmbito do sistema GMDSS C7. Comunicações de socorro, urgência e segurança com navios não -SOLAS que apenas utilizam radiotelefonia C8. Operações de Busca e Salvamento (SAR) D. CAPACIDADES GERAIS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA COMUNICAÇÕES EM GERAL D1. Aptidão para utilizar a língua inglesa, tanto sob a forma escrita como falada, para poder efectuar uma troca satisfatória de comunicações relevantes para a salvaguarda da vida no mar. D2. Práticas e procedimentos obrigatórios D3. Conhecimento prático e teórico de procedimentos relativos a comunicações em geral

6 Página 16 GUIA DE MATÉRIAS DE EXAME PARA OBTENÇÃO DE CERTIFICADO GOC A. CONHECIMENTOS SOBRE AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO E DO SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO POR SATÉLITE A1. Os princípios gerais e as características básicas do Serviço Móvel Marítimo 1.1 Tipos de comunicação no Serviço Móvel Marítimo - Comunicações de socorro, urgência e segurança - Correspondência pública - Operações portuárias e serviço de movimentação de navios - Comunicações entre navios - Comunicações de bordo 1.2 Tipos de estações no Serviço Móvel Marítimo - Estações de navio - Estações terrenas costeiras - Estações de pilotagem, estações portuárias, etc. - Estações de aeronave. - Centro de Coordenação de Salvamento (RCC) 1.3 Conhecimentos básicos sobre frequências e faixas de frequências - O conceito de frequência - A equivalência entre frequência e comprimento de onda - As unidades de frequência: Hz, khz, MHz, GHz - A subdivisão da parte mais importante do espectro radioeléctrico: MF, HF, VHF, UHF, SHF 1.4 Características das frequências - Diferentes mecanismos de propagação: propagação em espaço livre, ondas solo, propagação ionosférica - Propagação de frequências MF - Propagação nas diferentes faixas de frequências HF - Propagação de frequências VHF e UHF 1.5 Conhecimento do papel dos vários modos de comunicação - DSC - Radiotelefonia - NBDP - Telecópia - Dados - Telegrafia Morse 1.6 Conhecimentos elementares dos diferentes tipos de modulação e classes de emissão - Classes de emissão - Frequência portadora e frequência consignada - Largura de faixa das diferentes emissões - Designações oficiais das emissões (e.g. F1B,J3E,A3E,AIA etc.) - Designações não oficiais das emissões (e.g.tlx,ssb,am,cw etc.) 1.7 Frequências atribuídas ao Serviço Móvel Marítimo - A utilização das frequências de MF, HF, VHF, UHF e SHF no serviço móvel marítimo - O conceito de canal rádio. Simplex, semi-duplex e duplex. Frequências emparelhadas e não emparelhadas. - Planos de frequências e planificação de canais: - Telefonia em HF (Apêndice específico do Regulamento das Radiocomunicações) - Telefonia em VHF (Apêndice específico do Regulamento das Radiocomunicações) - Telefonia NBDP em HF (Apêndice específico do Regulamento das Radiocomunicações) - Telefonia em MF e telegrafia NBDP para Região 1 (Planificação GE-85)

7 Página 17 - Frequências de socorro e segurança do sistema GMDSS - Frequências de socorro e de segurança do sistema não-gmdss - Frequências de chamada A2. Princípios gerais e características básicas do Serviço Móvel Marítimo por Satélite 2.1 Conhecimentos básicos de comunicações por satélite - INMARSAT - segmento espacial - Formas de comunicação - Serviços de Telex - Serviços de Telefone - Comunicações de dados e telecópia - Operação de armazenamento e reencaminhamento ( store and forward operation ) - Comunicações de socorro e segurança - INMARSAT-A/B - serviços de comunicação - INMARSAT-C - serviços de comunicação - INMARSAT - Sistema de Chamadas de Grupo Melhoradas (EGC) - INMARSAT-M - serviços de comunicação 2.2 Tipos de estações no serviço móvel marítimo por satélite - Estações Terrenas Costeiras (CES) - Estações de Coordenação de Rede (NCS) - Estações Terrenas de Navio (SES) B. CONHECIMENTOS PRÁTICOS PORMENORIZADOS E APTIDÃO PARA UTILIZAR O EQUIPAMENTO BÁSICO DE UMA ESTAÇÃO DE NAVIO B1. Conhecimento e capacidade para utilizar, na prática, o equipamento básico de uma estação de navio. 1.1 Receptores de escuta - Controlos e utilização do receptor de escuta de VHF DSC - Controlos e utilização do receptor de escuta de MF DSC e do receptor de escuta de MF/HF DSC 1.2 Equipamento de radiocomunicações de VHF - Canais - Controlos - Utilização - DSC 1.3 Equipamento de radiocomunicações de MF/HF - Frequências - Controlos típicos e utilização, e.g. - ligação à corrente - selecção da frequência RX - selecção da frequência TX - selecção de número de canal UIT - sintonização do emissor - selecção da classe de emissão - utilização do controlo de volume e do limitador de ruído de fundo (squelch) - utilização do clarificador ou da sintonia fina RX - controlo do ganho de RF - utilização do controlo automático de ganho - utilização do selector instantâneo da frequência 2182 khz 1.4 Antenas - Isoladores - Antenas-chicote de VHF

8 Página 18 - Antenas-chicote de MF/HF - Antenas filiformes de MF/HF - Antenas parabólicas 1.5 Baterias - Tipos diferentes de baterias e respectivas características - Carregamento de baterias - Manutenção de baterias - Sistemas UPS 1.6 Equipamento de radiocomunicações de sobrevivência - radiotelefone portátil de VHF (comunicações bidireccionais) - SART - EPIRB B2. Chamada Selectiva Digital (DSC) 2.1 Especificação do formato de chamadas - chamada de socorro - chamada geral a todas as estações de navio - chamada de uma estação - chamada por área geográfica - chamada de grupo - serviço automático/semi-automático 2.2 Selecção de endereçamento de chamadas com o sistema de identificação MMSI - identificação da nacionalidade (MID) - identidade da chamada de grupo - identidade da estação costeira - identidade da estação de navio 2.3 Categorização de Chamadas - socorro - urgência - segurança - outras comunicações 2.4 Selector de chamadas e informação de tráfego - alertas de socorro - outras chamadas - informação sobre frequência de trabalho 2.5 Chamadas de teste B3 Conhecimentos dos princípios gerais de sistemas de telegrafia NBDP e Radiotelex Aptidão para utilizar na prática equipamento marítimo de telegrafia NBDP e de Radiotelex. 3.1 Sistemas de telegrafia NBDP - Sistemas automáticos - Sistemas semi-automáticos - Sistemas manuais - Modo FEC - Modo ARQ - características de emissão/recepção das estações ISS/IRS - características de emissão/recepção das estações "Master" e "slave" - Sistema de numeração de radiotelex - Chamada de resposta 3.2 Equipamento de Radiotelex - Controlos e indicadores - Operação por teclado

9 Página 19 B4. Conhecimento da utilização dos sistemas INMARSAT. Aptidão para utilizar o equipamento INMARSAT ou o simulador, na prática. 4.1 Estação Terrena de Navio INMARSAT-A/B - Ligação ao satélite - Serviços de Telex - Serviços Telefónicos - Comunicações de dados e telecópia 4.2 Receptor INMARSAT EGC - Pré-programação de uma estação terrena (SES) para recepção de mensagens EGC - Selecção do modo de operação para recepção EGC 4.3 Estação Terrena de Navio INMARSAT-C - Componentes de um terminal INMARSAT-C - Introdução/alteração da localização - Utilização de uma Estação Terrena de Navio INMARSAT-C - Envio e recepção mensagens de texto B5. Detecção de avarias Muito bons conhecimentos na detecção de avarias elementares através dos instrumentos de medida existentes ou através de software de acordo com os manuais de equipamento. Reparação de avarias elementares, tais como a substituição de fusíveis, lâmpadas sinalizadoras e trabalhos semelhantes. C. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS E FUNCIONAMENTO DETALHADO DO SISTEMA GMDSS E RESPECTIVOS SUBSISTEMAS C1. Sistema Mundial de Socorro e de Segurança Marítima (GMDSS) 1.1 Áreas marítimas e o plano mestre do sistema GMDSS 1.2 escuta nas frequências de socorro de acordo com o referido nos Regulamentos das Radiocomunicações da UIT, na Convenção SOLAS e na Convenção STCW 1.3 Requisitos funcionais das estações de navio 1.4 Requisitos de carga das estações de navio 1.5 Fontes de energia das estações de navio, incluindo fontes de energia de emergência 1.6 Formas de assegurar a disponibilidade do equipamento da estação de navio 1.7 Licenças, certificados de segurança radioeléctrica, certificados de operador de radiocomunicações, inspecções e vistorias C2. Utilização dos sistemas INMARSAT no GMDSS 2.1 Estação Terrena de Navio INMARSAT-A/B - Comunicações de socorro - Utilização da função de socorro - Ligação ao satélite - Chamadas de socorro via telex e telefonia - Procedimentos em caso de chamadas de socorro - Centros de Coordenação de Salvamento associados com Estações Terrenas Costeiras.

10 Página Estação Terrena de Navio INMARSAT-C - Serviços de socorro e segurança - envio de um alerta de socorro - envio de uma mensagem de socorro - Os serviços de segurança do sistema INMARSAT-C - Serviços de segurança com código de dois dígitos 2.3 INMARSAT EGC - Finalidade do sistema EGC - Mensagens a todos navios e mensagens do sistema INMARSAT - Classes de SES INMARSAT-C e recepção ECG C3. NAVTEX 3.1 O sistema NAVTEX - Finalidade do sistema NAVTEX - Frequências do sistema NAVTEX - Gama de frequências de recepção - Formato das mensagens (Identificação da estação emissora, tipo de mensagem, número de mensagem) 3.2 Receptor NAVTEX - Selecção de emissores - Selecção do tipo de mensagem - Mensagens que não podem ser rejeitadas - Utilização de controlos secundários e mudança de funções C4. Radiobalizas de localização de sinistros (EPIRBs) 4.1 EPIRBs por Satélite - Características básicas de funcionamento em 406 MHz - Características básicas de funcionamento em 1,6 GHz - Características básicas de funcionamento em 121,5 MHz incluindo funções de "homing" - Conteúdos informativos de um alerta de socorro - Utilização do manual - Função de flutuação livre - Manutenção de rotina - Testes - Verificação da data de validade da bateria - Verificação da data de validade do mecanismo de libertação hidrostática 4.2 EPIRB de VHF-DSC - Características básicas de funcionamento no canal 70 C5. Respondedor de radar de localização de sinistros (SART) 5.1 Respondedor de radar de localização de sinistros (SART) - Principais características técnicas - Funcionamento - Faixa de frequências de um SART - Manutenção de rotina de um SART - Verificação da data de validade da bateria

11 Página 21 C6. Procedimentos relativos às comunicações de socorro, urgência e segurança no sistema GMDSS 6.1 Comunicações de Socorro - Alerta de socorro - Definição de um alerta de socorro - Transmissão de um alerta de socorro - Retransmissão de um alerta de socorro terra -navio - Retransmissão de um alerta de socorro navio-terra - Transmissão de um alerta de socorro por uma estação que não se encontre em perigo - Recepção e confirmação de recepção de um alerta de socorro em DSC - Procedimento de confirmação de recepção através de radiotelefonia - Procedimento de confirmação de recepção através de telegrafia NBDP - Recepção e confirmação de recepção por uma estação costeira - Recepção e confirmação de re cepção por uma estação de navio - Tratamento de alertas de socorro - Aptidão para lidar com tráfego de socorro - Terminologia relativa a tráfego de socorro - Testes de chamadas de socorro e segurança em DSC - Cancelamento de falsos alertas de socorro - Comunicações no local - Operações de Busca e Salvamento (SAR) 6.2 Comunicações de urgência e de segurança - O significado de comunicações de urgência e de segurança - Procedimentos para chamadas de urgência e de segurança em DSC - Comunicações de urgência - Serviços médicos via rádio - Transportes médicos - Comunicações de segurança 6.3 Recepção de informação sobre segurança marítima (MSI) - Recepção através de do sistema NAVTEX - Recepção através de INMARSAT EGC - Recepção através de telegrafia NBDP em HF - O sinal de aviso à navegação do antigo sistema de socorro e segurança - Os avisos à navegação transmitidos através de radiotelefonia 6.4 Protecção de frequências de socorro - Faixas de guarda - Testes em frequências de socorro - Emissões durante o escoamento de tráfego de socorro - Evitar interferências prejudiciais - Evitar emissões não autorizadas C7. Comunicações de socorro, urgência e segurança com navios não -SOLAS que utilizam apenas radiotelefonia - Sinal de socorro - Chamada de socorro - Mensagem de socorro - Acusação da recepção de uma mensagem de socorro - Terminologia de tráfego de socorro - Transmissão de uma mensagem de socorro através de uma estação que não se encontra em perigo - Sinal de urgência - Aconselhamento médico - Sinal de segurança C8. Operações de Busca e Salvamento (SAR)

12 Página O papel dos RCCs 7.2 Busca de Navios Mercantes e Manual de Salvamento MERSAR 7.3 Organizações de salvamento marítimo 7.4 Sistemas de controle de navios D. CAPACIDADES GENÉRICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA COMUNICAÇÕES EM GERAL D1. Aptidão para utilizar a língua inglesa, tanto sob a forma escrita como falada, para poder realizar uma troca satisfatória de comunicações relevantes para a segurança da vida no mar. 1.1 Utilização do Código Internacional de Sinais e do Vocabulário Marítimo Padrão da Organização Marítima Internacional (IMO) 1.2 Abreviaturas normalizadas reconhecidas e códigos de serviço comummente utilizados 1.3 Utilização do alfabeto fonético internacional D2. Práticas e procedimentos obrigatórios 2.1 Utilização eficaz dos documentos e publicações obrigatórios 2.2 Arquivo dos registos de estação 2.3 Conhecimento dos regulamentos e acordos que regem o serviço móvel marítimo e o serviço móvel marítimo por satélite D3. Conhecimento prático e teórico dos procedimentos aplicáveis às comunicações em geral 3.1 Selecção dos métodos de comunicação mais adequados em diferentes situações 3.2 Listas de tráfego 3.3 Chamadas por radiotelefone - Método de ligar para uma estação costeira - Solicitação de uma chamada manual - Terminar a chamada - Características especiais das chamadas - Método de ligar para uma estação costeira através de DSC - Selecção de uma chamada automática 3.4 Custos de tráfego - Sistema internacional de tarifação - Sistema de tarifação de comunicações INMARSAT - Código AAIC - O significado da taxa de linha terrestre (LL) e da taxa de estação costeira (CC) - Divisas utilizadas na tarifação internacional 3.5 Rotinas práticas de tráfego 3.6 Geografia mundial, especialmente as principais rotas marítimas e rotas de comunicações com elas relacionadas ANEXO 2

13 Página 23 MATÉRIAS DE EXAME PARA OBTENÇÃO DE CERTIFICADO RESTRITO DE OPERADOR (ROC) PARA O SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO E PARA O SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO POR SATÉLITE O exame deverá compor-se de testes teóricos e práticos e deverá incluir, no mínimo: A. CONHECIMENTOS SOBRE AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO B. CONHECIMENTOS PRÁTICOS DETALHADOS E APTIDÃO PARA UTILIZAR O EQUIPAMENTO BÁSICO DE UMA ESTAÇÃO DE NAVIO B1. Utilização prática do equipamento básico de uma estação de navio B2. Chamada Selectiva Digital (DSC) C. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS E OPERAÇÃO PORMENORIZADA DO SISTEMA GMDSS E RESPECTIVOS SUBSISTEMAS C1. Sistema Mundial de Socorro e Segurança Marítima (GMDSS) C2. NAVTEX C3. Radiobalizas de localização de sinistros (EPIRBs) C4. Respondedor de radar de localização de sinistros (SART) C5. Procedimentos relativos a comunicações em situações de socorro, urgência e segurança no âmbito do sistema GMDSS C6. Comunicações de socorro, urgência e segurança com navios não -SOLAS que apenas utilizam radiotelefonia C7. Operações de Busca e Salvamento (SAR) D. CAPACIDADES GERAIS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA COMUNICAÇÕES EM GERAL D1. Aptidão para utilizar a língua inglesa, tanto sob a forma escrita como falada, para poder realizar uma troca satisfatória de comunicações relevantes para a segurança da vida no mar. D2. Práticas e procedimentos obrigatórios D3. Conhecimento prático e teórico dos procedimentos aplicáveis às comunicações em geral GUIA DE MATÉRIAS DE EXAME DE PARA OBTENÇÃO DE CERTIFICADO ROC A. CONHECIMENTOS SOBRE AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SERVIÇO MÓVEL MARÍTIMO A1. Os princípios gerais e as características básicas do Serviço Móvel Marítimo 1.1 Tipos de comunicação no Serviço Móvel Marítimo - Comunicações de socorro, urgência e segurança - Correspondência pública - Operações portuárias e serviço de movimentação de navios - Comunicações entre navios - Comunicações de bordo 1.2 Tipos de estações no Serviço Móvel Marítimo - Estações de navio - Estações terrenas costeiras - Estações de pilotagem, estações portuárias, etc. - Estações de aeronave. - Centro de Coordenação de Salvamento (RCC)

14 Página Conhecimentos básicos sobre frequências e faixas de frequências - O conceito de frequência 1.4 Características das frequências - Propagação de frequências VHF e UHF 1.5 Frequências atribuídas ao Serviço Móvel Marítimo - A utilização das frequências VHF e UHF no serviço móvel marítimo - A noção de canal rádio. Simplex, semi-duplex e duplex. - Plano de frequências para telefonia em VHF (Apêndice específico do Regulamento das Radiocomunicações) - Frequências de socorro e segurança do sistema GMDSS - Frequências de chamada B. CONHECIMENTOS PRÁTICOS PORMENORIZADOS E APTIDÃO PARA UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO BÁSICO DE UMA ESTAÇÃO DE NAVIO B1. Conhecimento e aptidão para utilizar, na prática, o equipamento básico de uma estação de navio. 1.1 Equipamento de radiocomunicações de VHF - Canais - Controlos - Utilização - DSC 1.2 Antenas - Antenas de VHF - Antena para o sistema NAVTEX 1.3 Baterias - Diferentes tipos de baterias e respectivas características - Carregamento de baterias - Manutenção de baterias - Sistemas UPS 1.4 Equipamento de radiocomunicações de sobrevivência - radiotelefone portátil de VHF (comunicações bidireccionais) - SART - EPIRB B2. Chamada Selectiva Digital (DSC) 2.1 Especificação do formato de chamadas - chamada de socorro - chamada geral a todas as estações de navios - chamada para uma estação - chamada por área geográfica - chamada de grupo - serviço automático/semi-automático 2.2 Selecção de endereçamento de chamadas com o sistema de identificação MMSI - identificação da nacionalidade (MID) - identidade da chamada de grupo - identidade da estações costeiras - identidade da estações de navio

15 Página Categorização de Chamadas - socorro - urgência - segurança - outras comunicações - rotina 2.4 Selector de chamadas e informação de tráfego - alertas de socorro - outras chamadas - informação sobre frequência de trabalho 2.5 Utilização do canal 70 da faixa de VHF C. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS E FUNCIONAMENTO DETALHADO DO SISTEMA GMDSS E RESPECTIVOS SUBSISTEMAS C1. Sistema Mundial de Socorro e Segurança Marítima (GMDSS) 1.1 Áreas marítimas e o plano mestre do sistema GMDSS 1.2 escuta nas frequências de socorro 1.3 Requisitos funcionais das estações de navio que naveguem nos limites da área marítima A1 1.4 Requisitos de carga das estações de navio que naveguem nos limites da área marítima A1 1.5 Fontes de energia das estações de navio, incluindo fontes de energia de emergência 1.6 Formas de assegurar a disponibilidade do equipamento da estação de navio 1.7 Licenças, certificados de segurança radioeléctrica, certificados de operador de radiocomunicações, inspecções e vistorias C2. NAVTEX 2.1 O sistema NAVTEX - Finalidade do sistema NAVTEX - Frequências do sistema NAVTEX - Gama de frequências de recepção - Formato das mensagens (Identificação da estação emissora, tipo de mensagem, número de mensagem) 2.2 Receptor NAVTEX - Selecção de emissores - Selecção do tipo de mensagem - Mensagens que não podem ser rejeitadas - Utilização de controlos secundários e mudança de funções C3. Radiobalizas de localização de sinistros (EPIRBs) 3.1 EPIRBs por Satélite - Características Básicas de funcionamento em 406 MHz - Características Básicas de funcionamento em 1,6 GHz - Características Básicas de funcionamento em 121,5 MHz incluindo funções de "homing" - Conteúdos informativos de um alerta de socorro - Utilização do manual - Função de flutuação livre - Manutenção de rotina

16 Página 26 - Testes - Verificação da data de validade da bateria - Verificação da data de validade do mecanismo de libertação hidrostática EPIRB de VHF-DSC - Características básicas de funcionamento no canal 70 C4. Respondedor de radar de localização de sinistros (SART) 4.1 Respondedor de radar de localização de sinistros (SART) - Principais características técnicas - Funcionamento - Faixa de frequências de funcionamento de um SART - Manutenção de rotina de um SART - Verificação da data de validade da bateria C5. Procedimentos relativos às comunicações de socorro, urgência e segurança no sistema GMDSS 5.1 Comunicações de Socorro - Alerta de socorro em DSC - Definição de um alerta de socorro - Transmissão de um alerta de socorro - Retransmissão de um alerta de socorro terra -navio - Retransmissão de um alerta de socorro navio-terra - Transmissão de um alerta de socorro por uma estação que não se encontre em perigo - Recepção e confirmação de recepção de um alerta de socorro em DSC - Procedimento de confirmação de recepção - Recepção e confirmação de recepção por uma estação costeira - Recepção e confirmação de recepção por uma estação de navio - Tratamento dos alertas de socorro - Aptidão para lidar com tráfego de socorro - Terminologia de tráfego de socorro - Testes em chamadas de socorro e segurança em DSC - Cancelamento de falsos alertas de socorro - Comunicações no local - Operações de Busca e Salvamento (SAR) 5.2 Comunicações de urgência e de segurança - O significado de comunicações de urgência e de segurança - Procedimentos relativos a chamadas de segurança e de urgência em DSC - Comunicações de urgência - Serviços médicos via rádio - Transportes médicos - Comunicações de segurança 5.3 Recepção de informação sobre segurança marítima (MSI) - Recepção através do sistema NAVTEX - Os avisos à navegação transmitidos através de radiotelefonia 5.4 Protecção de frequências de socorro - Faixas de guarda - Testes em frequências de socorro - Emissões durante o escoamento de tráfego de socorro - Evitar interferências prejudiciais - Evitar as emissões não autorizadas C6. Comunicações de socorro, urgência e segurança com navios não -SOLAS que utilizam apenas radiotelefonia

17 - Sinal de socorro - Chamada de socorro - Mensagem de socorro - Acusação da recepção de uma mensagem de socorro - Terminologia de tráfego de socorro - Transmissão de uma mensagem de socorro através de uma estação que não se encontra em perigo - Sinal de urgência - Aconselhamento médico - Sinal de segurança C7. Operações de Busca e Salvamento (SAR) 7.1 O papel dos Centros de Coordenação de Salvamento (RCCs) 7.2 Busca de Navios Mercantes e Manual de Salvamento MERSAR 7.3 Organizações de salvamento marítimo 7.4 Sistemas de reporte de navios D. CAPACIDADES GENÉRICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA COMUNICAÇÕES EM GERAL ERC/DEC/(99)01 Página 27 D1. Aptidão para utilizar a língua inglesa, tanto sob a forma escrita como falada, para poder realizar uma troca satisfatória de comunicações relevantes para a segurança da vida no mar. 1.1 Utilização do Código Internacional de Sinais e do Vocabulário Marítimo Padrão da Organização Marítima Internacional (IMO) 1.2 Abreviaturas normalizadas reconhecidas e códigos de serviço comummente utilizados 1.3 Utilização do alfabeto fonético internacional D2. Práticas e procedimentos obrigatórios 2.1 Utilização eficaz dos documentos e publicações obrigatórios 2.2 Arquivo dos registos de estação 2.3 Conhecimento dos regulamentos e acordos que regem o serviço móvel marítimo D3. Conhecimento prático e teórico de procedimentos de comunicações em geral 3.1 Listas de tráfego 3.2 Chamadas por radiotelefone - Método de ligar para uma estação costeira - Solicitação de uma chamada manual - Terminar a chamada - Características especiais das chamadas - Método de ligar para uma estação costeira através de DSC - Selecção de uma chamada automática 3.3 Custos de tráfego - Sistema internacional de tarifação - Código AAIC - Divisas utilizadas na tarifação internacional - O significado da taxa de linha terrestre (LL), taxa de estação costeira (CC)

18 3.4 Rotinas práticas de tráfego 3.5 Principais rotas marítimas e rotas de comunicações com elas relacionadas adequadas para navios que naveguem no âmbito dos limites da área marítima A1 ERC/DEC/(99)01 Página 28

19 Página 29 Decisão do Comité Europeu de das Radiocomunicações CEPT/ERC/DEC/(99)01 sobre a harmonização das matérias de exame para obtenção de Certificado Geral de Operador (GOC) e de Certificado Restrito de Operador (ROC) Até 31 de Maio de 1999 os seguintes Membros da CEPT comprometeram-se a cumprir os termos da presente Decisão: Croácia Finlândia Reino Unido República Checa Suécia Turquia A partir de 31 de Maio de 1999 os seguintes Membros da CEPT comprometeram-se a cumprir os termos desta Decisão: Dinamarca França Irlanda Nota: Por favor consulte o website ERO (http//:www.ero.dk) para obter informações actualizadas sobre a implementação desta e de outras Decisões do ERC. State

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas ZODPORT EQUIPAMENTOS, ASSISTÊNCIA E ENGENHARIA, S.A. EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA MARÍTIMA 1 ZODPORT 2 INTERNATIONAL MARITIME

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SOCORRO E SEGURANÇA MARÍTIMA GMDSS - GLOBAL MARITIME DISTRESS AND SAFETY SYSTEM O QUE É O GMDSS?

SISTEMA GLOBAL DE SOCORRO E SEGURANÇA MARÍTIMA GMDSS - GLOBAL MARITIME DISTRESS AND SAFETY SYSTEM O QUE É O GMDSS? SISTEMA GLOBAL DE SOCORRO E SEGURANÇA MARÍTIMA GMDSS - GLOBAL MARITIME DISTRESS AND SAFETY SYSTEM O QUE É O GMDSS? ^:<

Leia mais

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998 Decisão ERC (98)25 Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico Aprovada em 23 de novembro de 1998 Alterada em 1 de junho de 2012 ERC/DEC(98)25 Página 2

Leia mais

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite Decisão ECC (09)02 Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite aprovada em 26 de junho de 2009 alterada em 02 de novembro de 2012

Leia mais

Portaria n.º 358/95 de 21 de Abril

Portaria n.º 358/95 de 21 de Abril Portaria n.º 358/95 de 21 de Abril O Decreto-Lei n.º 5/95, de 17 de Janeiro, que disciplina o exercício da actividade de amador de radiocomunicações prevê, nos seus artigos 3.º, n.º 4, 5.º, n.º 2, 6.º,

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

Redes e Telecomunicações

Redes e Telecomunicações Redes e Telecomunicações Comunicação Processo pelo qual uma informação gerada num ponto (origem) é transferida para outro ponto (destino) Telecomunicações Telecomunicação do grego: tele = distância do

Leia mais

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Decisão EEC de 1 de Dezembro de 2006 sobre a harmonização de sistemas GSM a bordo de aeronaves nas faixas de frequências 1710 1785 e 1805 1880 MHz (EEC/DEC/(06)07)

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

C- Isenção de licenças radioeléctricas: C.2 Isenção de licença de estação.

C- Isenção de licenças radioeléctricas: C.2 Isenção de licença de estação. http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=150382 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação. Página 142 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação Nos termos

Leia mais

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz.

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. NORMA Nº 15/96 CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. 1-OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer a canalização e as condições

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Como a luz, uma onda de rádio, perderia-se no espaço, fora do nosso planeta, se não houvesse um fenômeno que provocasse sua curvatura para

Leia mais

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aplicação isentas de licenciamento radioeléctrico Leiria, 27 de Maio de 2009 José Mário Valente & Miguel Azevedo Nunes AGENDA ANACOM QNAF ISENÇÃO DE

Leia mais

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Boletim Informativo Espectro - 03/2015 Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Versão 2.2 Fevereiro 2015 Gestão de Espectro de Radiofrequências AF Telecomunicações

Leia mais

para o exercício da actividade marítima como Pescador

para o exercício da actividade marítima como Pescador Marinhagem da Pesca Jovens, até 25, com escolaridade de 4 Conferir competências profissionais nucleares ao nível da marinhagem da pesca e permitir o ingresso no itinerário de Qualificação de como 970 horas

Leia mais

Portaria n.º 427/96 de 30 de Agosto. Equipamentos das embarcações de recreio... 3 Equipamentos de primeiros socorros... 5

Portaria n.º 427/96 de 30 de Agosto. Equipamentos das embarcações de recreio... 3 Equipamentos de primeiros socorros... 5 Portaria n.º 427/96 de 30 de Agosto Equipamentos das embarcações de recreio... 3 Equipamentos de primeiros socorros... 5 O Regulamento da Náutica de Recreio, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 329/95, de 9

Leia mais

Anexo 2. A. Dos tipos de estação de uso comum:

Anexo 2. A. Dos tipos de estação de uso comum: Anexo 2 Elementos que devem instruir o pedido de licenciamento de estação de uso comum que envolva consignação de frequências, conforme o tipo de estação (n.º 3 da Parte VIII dos Procedimentos aprovados

Leia mais

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL EDIÇÃO 2002 ... em branco... AGÊNCIA NACIONAL DE TELECO MUNICAÇÕ ES AT O N o 23.577, DE 6 DE MARÇO DE 2002 O CONSELHO DIRETO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Regulamento de Convivência SBTVD x 4G LTE Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 737ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 09/04/2014 Atribuição e Destinação Condições

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking Metro do Porto Projecto de Radio Trunking Esta solução providencia um sistema de rádio operacional, privado, que pode ser utilizada para comunicações de emergências, quer pelos condutores dos veículos,

Leia mais

Anexo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS. ICP-ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações QNAF 2008 Página 9

Anexo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS. ICP-ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações QNAF 2008 Página 9 Anexo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE Página 9 1.1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE A estrutura da Tabela de Atribuição de Frequências é a seguinte: Coluna 1: FAIXAS DE Indica a faixa de frequências a que se refere cada

Leia mais

3.5 - RADIOAMADOR é a pessoa habilitada a executar o Serviço de Radioamador.

3.5 - RADIOAMADOR é a pessoa habilitada a executar o Serviço de Radioamador. NORMA DE ATIVAÇÃO E EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DA REDE NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE RADIOAMADORES - RENER 1. INTRODUÇÃO 1.1 - A presente norma estabelece as condições de ativação e execução da Rede Nacional de

Leia mais

Tabela de tolerâncias das frequências de emissores

Tabela de tolerâncias das frequências de emissores Tabela de tolerâncias das frequências de emissores As diferentes categorias de estações emissoras devem respeitar as correspondentes tolerâncias de frequência especificadas no Apêndice 2 do Regulamento

Leia mais

EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO

EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO Portaria n.º 1464/2002 de 14 de Novembro Os equipamentos das embarcações de recreio (ER) respeitantes aos meios de salvação, aparelhos, meios de segurança, meios

Leia mais

Serviço Radiodifusão

Serviço Radiodifusão Parte normativa Serviço Radiodifusão a) Interfaces aplicações SAP-SAB PORTUGAL Especificações Interfaces Radio Aplicações SAP/SAB - Câmaras sem fios [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição

Leia mais

O SECRETARIO NACIONAL DE COMUNICAÇÕES DO MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA, no uso de suas atribuições e,

O SECRETARIO NACIONAL DE COMUNICAÇÕES DO MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA, no uso de suas atribuições e, 0 MINISTÉRIO D INFRESTRUTUR Portaria nº 052 de 04 de junho de 1991 O SECRETRIO NCIONL DE COMUNICÇÕES DO MINISTÉRIO D INFRESTRUTUR, no uso de suas atribuições e, Considerando: a expressa autorização concedida

Leia mais

CBC2 COMISSÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÕES 2 RADIOCOMUNICAÇÕES. Conferência Mundial de Radiocomunicações WRC-15

CBC2 COMISSÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÕES 2 RADIOCOMUNICAÇÕES. Conferência Mundial de Radiocomunicações WRC-15 CBC 2 COMISSÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÕES 2 RADIOCOMUNICAÇÕES Conferência Mundial de Radiocomunicações WRC-15 Agostinho Linhares Gerente de Espectro, Órbita e Radiodifusão Setembro de 2015 Coordenador

Leia mais

Regulamento do 5º Concurso VHF / UHF - 2009. ARAM Associação de Radioamadores do Alto Minho

Regulamento do 5º Concurso VHF / UHF - 2009. ARAM Associação de Radioamadores do Alto Minho Regulamento do 5º Concurso VHF / UHF - 2009 1) - Objectivos: Promover a actividade nas faixas VHF e UHF do Serviço de Amador, em especial nas bandas de 70 cm e 23 cm. Incentivar a iniciação aos concursos

Leia mais

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978.

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978. Resolução da Assembleia da República n.º 45/98 Emendas ao anexo à Convenção Internacional sobre Normas de Formação, de Certificação e de Serviço de Quartos para os Marítimos, 1978, e o Código de Formação,

Leia mais

Qual a diferença a entre serviço o de:

Qual a diferença a entre serviço o de: Qual a diferença a entre serviço o de: Radioamador (PY) e Faixa do Cidadão (PX) Equipe Regional de Radioescotismo - RS Finalidades Radioamadorismo (PY) Finalidades O Serviço de Radioamador modalidade de

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO EROG ESPECIAL DE RADIOPERADOR GERAL

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO EROG ESPECIAL DE RADIOPERADOR GERAL MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO EROG ESPECIAL DE RADIOPERADOR GERAL 2ª edição Rio de Janeiro 2011 1 2009 direitos reservados à Diretoria de Portos e Costas Autores:

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=47835

http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=47835 http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=47835 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação. Página 57 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação Nos termos

Leia mais

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação 1. Concessionárias de serviço de telegrafia, público, internacional: 2. Concessionárias de serviço radiotelegráfico, público, internacional: 3. Concessionárias

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização PROJECTO DE DECISÃO Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização 1. Introdução A CEPT desenvolveu, desde 1995, acções no sentido de definir os requisitos de espectro e de âmbito

Leia mais

RDT Radiotransmissão

RDT Radiotransmissão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA RDT Radiotransmissão Prof. Ramon Mayor Martins,

Leia mais

STC 5. Redes de Informação e Comunicação. Data: 18 de Agosto de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540

STC 5. Redes de Informação e Comunicação. Data: 18 de Agosto de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540 STC 5 Redes de Informação e Comunicação Data: 18 de Agosto de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540 STC 5 Redes de Informação e comunicação STC 5 Redes de informação

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1 Diminua os custos do processo de facturação da empresa Página 1 O software PHC é uma ferramenta imprescindível na gestão diária de uma empresa. Trata-se de um software cuidadosamente estudado por utilizadores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Adesão ao Serviço MB WAY

Adesão ao Serviço MB WAY Adesão ao Serviço MB WAY 1) Objecto Pelo presente contrato, o Banco Santander Totta SA obriga-se a prestar ao Utilizador o Serviço MB WAY, nas condições e termos regulados nas cláusulas seguintes, e o

Leia mais

COMUNICAÇÕES MARÍTIMO

COMUNICAÇÕES MARÍTIMO COMUNICAÇÕES MARÍTIMO Sumário Introdução... 5 1 Noções Básicas... 5 1.1 Onda Eletromagnética e suas características... 5 1.2 Propagação... 7 1.3 Reflexão, refração, absorção e interferência... 8 1.4 Ondas

Leia mais

Parte F REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA

Parte F REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA Termos utilizados nos Regulamentos: Utilizador o Cliente que solicitou ou utiliza o Sistema de Gestão de Conta à

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DE RÁDIOS - ANATEL

LEGALIZAÇÃO DE RÁDIOS - ANATEL 1 LEGALIZAÇÃO DE RÁDIOS - ANATEL POR QUE LEGALIZAR? Com exceção dos rádios FRS (Family Radio System - rádios amadores, destinados ao lazer como Talk About, Intelbrás Twin e aqueles que você pode comprar

Leia mais

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99 5093/98/PT/final WP 17 Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais Recomendação 1/99 sobre o tratamento invisível e automatizado de dados

Leia mais

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL Baseados em nossa experiência em aplicações de GPS e Telemetria, e devido às pequenas dimensões (70x40x20 mm) do GT PERSONAL GPS este dispositivo portátil executa o

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

MANUAL IAMSAR MANUAL INTERNACIONAL AERONÁUTICO E MARÍTIMO DE BUSCA E SALVAMENTO. Volume III MEIOS MÓVEIS

MANUAL IAMSAR MANUAL INTERNACIONAL AERONÁUTICO E MARÍTIMO DE BUSCA E SALVAMENTO. Volume III MEIOS MÓVEIS MANUAL IAMSAR MANUAL INTERNACIONAL AERONÁUTICO E MARÍTIMO DE BUSCA E SALVAMENTO Volume III MEIOS MÓVEIS Edição 2010 Incorporando as emendas 2001, 2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007 2008 e 2009 A emenda

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens João Palha Fernandes Sumário Introdução Tecnologias de base Sistema de Aviso de Pedrógão Conclusões Trabalho Futuro O Problema Em caso de ruptura de

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Segurança Marítima: Busca e Salvamento

Segurança Marítima: Busca e Salvamento Segurança, condição essencial para a segurança marítima Escola Naval, 30 de Abril de 2014 : Busca e João 05-05-2014 Frade 2 1989 Introdução EXXON VALDEZ 1912 TITANIC CATÁSTROFE 2012 COSTA CONCORDIA 3 Gestão

Leia mais

Serviço Fixo - Redes de ligações ponto-ponto bidireccionais na faixa de frequências 406-430 MHz Objectivo do pedido

Serviço Fixo - Redes de ligações ponto-ponto bidireccionais na faixa de frequências 406-430 MHz Objectivo do pedido Objectivo do pedido Atribuição de licença de rede Formulário para activação de ligações Formulário para desactivação de ligações Alteração das características das ligações: Formulário para consignação

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 Sabará, 11 de setembro de 2014 RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 A Prefeitura Municipal de Sabará, por meio da Secretaria Municipal de Administração, resolve, por questões administrativas, retificar

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

Nota: Seu terminal poderá ter mais funções além das descritas aqui, ver Manual de Utilização, Ascom d41

Nota: Seu terminal poderá ter mais funções além das descritas aqui, ver Manual de Utilização, Ascom d41 Ícones do visor Apresentação do Produto O Terminal Wireless d41 foi desenvolvido para utilização em ambiente de escritório. Possui alta qualidade de voz para telefonia. Para informações detalhadas, ver

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

X 145880_40 2015-06-29

X 145880_40 2015-06-29 Índice Dynafleet... 1 Introdução... 1 Design e função... 1 Gerenciamento do sistema... 3 Conformidade ANATEL... 4 Dynafleet 1 Introdução Dynafleet, generalidades Dynafleet é a solução da Volvo para o gerenciamento

Leia mais

O papel da Administração Pública P Factura Electrónica

O papel da Administração Pública P Factura Electrónica Conferência: Impacto da Factura Electrónica na Redução do Deficit Público 30 de Junho de 2010 Auditório do Centro de Informação Urbana de Lisboa O papel da Administração Pública P na adopção da Factura

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO, DO PLANEAMENTO E DA ADMINISTRAÇÃO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO, DO PLANEAMENTO E DA ADMINISTRAÇÃO DO TERRITÓRIO 3731 25)... 26)... 27)... 28) A realização de operações de bolsa a prazo sobre mercadorias ou serviços com infracção das disposições legais ou regulamentares que lhes sejam aplicáveis; 29) A realização

Leia mais

Plano de Atribuição de Frequências da SADC (PAF da SADC) 8.3 khz 100 GHz

Plano de Atribuição de Frequências da SADC (PAF da SADC) 8.3 khz 100 GHz Plano de Atribuição de Frequências da SADC (PAF da SADC) 8.3 khz 100 GHz Maseru, Lesoto Maio de 2013 PÁGINA 1 DE 70 Os seguintes quinze (15) países foram incluídos no PAF da SADC: Nº Nome do País Símbolo

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 218423502 / Fax:

Leia mais

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM A Física por trás da Tecnologia RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Espectro electromagnético 3 Espectro de frequência para o sistema RFID Tamanho da antena Existe uma razão de proporção

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast)

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Yapir Marotta Gerente Geral

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel.

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Rádios Licenciados O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Qual é a vantagem: 1 Os canais em uso são registrados pela Anatel e a base de

Leia mais

RDT Radiotransmissão

RDT Radiotransmissão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA RDT Radiotransmissão Prof. Ramon Mayor Martins,

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis

Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis DECRETO N.º 136/X Regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE TESTES DE COMPROVAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL E TÉCNICA.

PROCEDIMENTOS DE TESTES DE COMPROVAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL E TÉCNICA. PROCEDIMENTOS DE TESTES DE COMPROVAÇÃO DE CAPACIDADE OPERACIONAL E TÉCNICA. 1. INTRODUÇÃO: Para executar o Serviço de Radioamador se faz necessário que o interessado seja titular de Certificado de Operador

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 171 da Organização Internacional

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL FALSEC INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL ISAC 06-01 PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTE RECONHECIDO PORTUGAL

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL FALSEC INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL ISAC 06-01 PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTE RECONHECIDO PORTUGAL INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL ISAC 06-01 PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTE RECONHECIDO PORTUGAL CARTA DE APROVAÇÃO INSTRUÇÃO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL 06-01 Nos termos do disposto nas alíneas

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Serviço de instalação e arranque HP para o HP Insight Control

Serviço de instalação e arranque HP para o HP Insight Control Serviço de instalação e arranque HP para o HP Insight Control Serviços HP Care Pack Dados técnicos O serviço de instalação e arranque HP para o HP Insight Control fornece a implementação e configuração

Leia mais