Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis"

Transcrição

1 Rádio Móvel Privado

2 Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços de emergência; forças militares; empresas de transportes;...

3 Sistemas e Frequências SiFr (2/11) Alguns exemplos de sistemas de comunicações móveis privados: Sistema País LTR USA MPT1327 UK Motorola USA Ericsson S EDACS S GSM-R EU APCO USA iden USA TETRAPOL F TETRA EU......

4 Sistemas e Frequências SiFr (3/11) Inicialmente só existiam sistemas puramente privados, que se caracterizavam por: serem de tecnologia analógica; servirem apenas o detentor da licença; efectuarem apenas serviço de voz; serem sistemas proprietários; não possuírem ligação ao sistema público de telecomunicações; possuírem áreas de cobertura relativamente pequenas; conduzirem a uma saturação do espectro.

5 Sistemas e Frequências SiFr (4/11) Os sistemas de rádio móvel de recursos partilhados (trunking) apresentam benefícios: servem grupos fechados de utilizadores; apresentam custos de instalação e operação mais baixos; possuem ligação ao sistema público de telecomunicações; possuem áreas de cobertura à escala nacional; fornecem melhor qualidade de serviço para os seus utilizadores; efectuam uma eficiente utilização do espectro.

6 Sistemas e Frequências SiFr (5/11) Num sistema típico, a estação base comunica com um certo número de móveis, veículos ou portáteis, usando a mesma antena para emissão e recepção. Tx/Rx

7 Sistemas e Frequências Os sistemas não funcionam em duplex, sendo a comutação feita por interruptor. Tx SiFr (6/11) Rx

8 Sistemas e Frequências SiFr (7/11) As frequências disponíveis para os sistemas de rádio móvel privado estão nas bandas: [70, 87] MHz [148, 174] MHz [380, 470] MHz [870, 923] MHz A atribuição de frequências depende: da ocupação do espectro; da área a cobrir.

9 Sistemas e Frequências Os sistemas analógicos (fechados ou de recursos partilhados): usam AM ou FM em VHF; usam FM em UHF; usam um único canal por portadora com, tipicamente, uma largura de 12.5 khz f c -1 f c f c +1 SiFr (8/11) 7 khz 12.5 khz f

10 Sistemas e Frequências SiFr (9/11) Existe um sistema digital padronizado a nível Europeu, TETRA (Terrestrial Trunked Radio): usa bandas diferentes para os canais ascendente (UL uplink) e descendente (DL downlink) UL [380, 390] DL [390, 400] MHz UL [410, 420] DL [420, 430] MHz UL [450, 460] DL [460, 470] MHz UL [870, 878] DL [915, 923] MHz as portadoras, em TDMA, possuem uma largura de banda de 25 khz, com uma estrutura de 4 canais (time-slots) por trama;

11 Sistemas e Frequências SiFr (10/11) a modulação é π/4-dqpsk; a relação portadora-interferência mínima é de 19 db; a sensibilidade dos receptores é de -103 dbm; a dimensão máxima das células é de 60 km; permite o estabelecimento de handovers; possui um ritmo de transmissão útil de 19.2 kbit/s, correspondente a um valor global de 36 kbit/s; o tempo de estabelecimento de uma chamada é inferior a 1 s;

12 Sistemas e Frequências SiFr (11/11) permite a transmissão de voz (em comutação de circuitos) e dados (em comutação de circuitos e de pacotes); apresenta uma variedade de serviços superior aos sistemas analógicos existentes.

13 Modos de Operação MoOp (1/5) Os sistemas de rádio móvel privado são operados em simplex ou em alternado. Para além do sinal de voz, é transmitida sinalização, que efectua a distinção entre os móveis, permitindo que o centro de controlo comunique com um único, um grupo, ou todos os móveis. Nos sistemas de trunking os terminais distinguem- -se entre si por endereços.

14 Modos de Operação O simplex é caracterizado por: todas as unidades se escutarem entre si MoOp (2/5) f c f c f c

15 Modos de Operação MoOp (3/5) estação base ser única, e estar num local elevado para garantir uma boa cobertura; a ERPd estar limitada a 5 W; ser usado para cobrir áreas pequenas; requerer disciplina e experiência na utilização.

16 Modos de Operação MoOp (4/5) No alternado: os móveis, em geral, não se podem escutar entre si f cd f cd f ca f ca

17 Modos de Operação MoOp (5/5) tipicamente, os canais estão separados de 4.5 MHz em VHF, e de 10 MHz em UHF; pode usar-se mais de uma estação base; a ERPd máxima é de 25 W; a área a cobrir pode ser razoavelmente extensa; já não é necessária tanta disciplina e experiência na utilização.

18 Tipos de Cobertura TiCo (1/5) A cobertura por uma única estação de base está limitada por: extensão e topografia da área a servir; ocupação do espectro de frequências; características dos emissores/receptores. Existem dois tipos de cobertura: monocanal; multicanal.

19 Tipos de Cobertura TiCo (2/5) Nos sistemas monocanal (ou quase-síncronos): as estações base funcionam nominalmente nas mesmas frequências (na prática emitem em frequências separadas até 50 Hz) ' " " f cd f cd ' f cd f cd f ca f ca f ca f ca

20 Tipos de Cobertura TiCo (3/5) a interferência entre bases é normalmente suportável, não interrompendo a comunicação; a localização das estações base deve ser feita de modo a minorar a interferência; em geral o sistema escolhe, no centro de controle, qual é a base com sinal mais forte.

21 Tipos de Cobertura TiCo (4/5) Nos sistemas multicanal cada subárea é coberta por pares de frequências distintas f cd1 f cd1 f cd2 f cd2 f ca1 f ca1 f ca2 f ca2

22 Tipos de Cobertura TiCo (5/5) os móveis têm que seleccionar os canais de acordo com a região onde pretendem comunicar; a interferência co-canal pode ser desprezada.

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp 7-8-2013 Agenda Atribuições e missão da SET Grupos SET de Trabalho Testes e estudos no Japão Proposta de consulta

Leia mais

Anexo 2. A. Dos tipos de estação de uso comum:

Anexo 2. A. Dos tipos de estação de uso comum: Anexo 2 Elementos que devem instruir o pedido de licenciamento de estação de uso comum que envolva consignação de frequências, conforme o tipo de estação (n.º 3 da Parte VIII dos Procedimentos aprovados

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Testes de Interferências do LTE na TV Digital

Testes de Interferências do LTE na TV Digital Testes de Interferências do LTE na TV Digital Prof. Gunnar Bedicks Laboratório de Pesquisas em TV Digital Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, 13.02.2014 Metodologia dos Estudos de Interferência

Leia mais

Serviço Fixo - Redes de ligações ponto-ponto bidireccionais na faixa de frequências 406-430 MHz Objectivo do pedido

Serviço Fixo - Redes de ligações ponto-ponto bidireccionais na faixa de frequências 406-430 MHz Objectivo do pedido Objectivo do pedido Atribuição de licença de rede Formulário para activação de ligações Formulário para desactivação de ligações Alteração das características das ligações: Formulário para consignação

Leia mais

Serviço Radiodifusão

Serviço Radiodifusão Parte normativa Serviço Radiodifusão a) Interfaces aplicações SAP-SAB PORTUGAL Especificações Interfaces Radio Aplicações SAP/SAB - Câmaras sem fios [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 Sabará, 11 de setembro de 2014 RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 A Prefeitura Municipal de Sabará, por meio da Secretaria Municipal de Administração, resolve, por questões administrativas, retificar

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 20 de outubro de 2009 O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Prof.

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Uso do dividendo digital para aplicações comunitárias e universalização da banda larga: oportunidades e desafios

Uso do dividendo digital para aplicações comunitárias e universalização da banda larga: oportunidades e desafios Uso do dividendo digital para aplicações comunitárias e universalização da banda larga: oportunidades e desafios C.A.Afonso março 2013 CGI.br Instituto Nupef www.nupef.org.br Sudeste e Sul: população,

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

BANDA LARGA PARA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

BANDA LARGA PARA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETORIA DE TELEMÁTICA Polícia Militar do Estado de São Paulo Diretoria de Telemática Centro de Processamento

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking Metro do Porto Projecto de Radio Trunking Esta solução providencia um sistema de rádio operacional, privado, que pode ser utilizada para comunicações de emergências, quer pelos condutores dos veículos,

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais

AUTOMOVEL DE SERVICO TIPO MONOVOLUME 1800CC., EQUIPADO COM RADIO TRANSCEPTOR E PORTA ALGEMAS (COMPLEMENTO DAS ESPECIFICAÇÕES)

AUTOMOVEL DE SERVICO TIPO MONOVOLUME 1800CC., EQUIPADO COM RADIO TRANSCEPTOR E PORTA ALGEMAS (COMPLEMENTO DAS ESPECIFICAÇÕES) AUTOMOVEL DE SERVICO TIPO MONOVOLUME 1800CC., EQUIPADO COM RADIO TRANSCEPTOR E PORTA ALGEMAS (COMPLEMENTO DAS ESPECIFICAÇÕES) CONDIÇÕES ESPECÍFICAS Porta algemas: Porta algemas estruturado em perfil de

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Grupo de Radiodifusão Março de 2006 Universidade de Brasília Departamento de Engenharia Elétrica Prefácio A Anatel

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio.

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio. VX 101: Produto:VHF Sistema de Microfone sem fio de um canal Frequência de Recepção: VHF 165 270 Mhz Estabilidade de frequência:< 0.002% Sensibilidade: 80 dbm Taxa de S/N: > 70dB Voltagem de energia AC

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio

Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio Interface Rádio Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (1/23) A transmissão de informação bidireccional (canais ascendente, UL uplink, e descendente, DL downlink) em sistemas duplex pode ser feita por divisão:

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Fundamentos de Introdução às s Noção de informação, mensagem e sinal Informação A informação é um conceito fundamental das comunicações. No entanto édifícil de definir com precisão o que

Leia mais

Introdução. O que é Comunicar?

Introdução. O que é Comunicar? O que é Comunicar? Transmissão de mensagens contendo informação Como definir informação? Existe uma teoria formal que define informação com base no grau de imprevisibilidade das mensagens; uma mensagem

Leia mais

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária Audiência Pública PLS nº 483/2008 Agência Nacional de Telecomunicações Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa Serviço de Televisão Comunitária Senado Federal Comissão de

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Convivência Banda C Satélite e WiMAX

Convivência Banda C Satélite e WiMAX Convivência Banda C Satélite e WiMAX 16 de agosto de 2011 Interferência na Banda C Sinal satélite ( transmitido a 36.000 km de distância) recebido com potência muito menor que sinal WiMAX (transmitido

Leia mais

Informação e Comunicação

Informação e Comunicação Informação e Comunicação Fernando Rui Campos Educação Tecnológica 8º e 9º ano Versão 1.0 Novembro 2009 Tipos de Informação Básicos numa comunicação. Existem três tipos básicos de informação: Áudio Vídeo

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE COMPOSIÇÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25 A estação repetidora digital P25 será composta pelos seguintes equipamentos:

Leia mais

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 1 Secção II ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 2 Alternativas para redes de telecomunicações Alternativa de rede Redes Suportes Processadores Software Canais Topologia/arquitectura Exemplos

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

PADRÕES DE RADIOCOMUNICAÇÃO DIGITAL

PADRÕES DE RADIOCOMUNICAÇÃO DIGITAL PADRÕES DE RADIOCOMUNICAÇÃO DIGITAL Eduardo Gonçalves da Silva 1 RESUMO As redes de comunicação via radiofreqüência constituem-se na principal ferramenta de apoio a atividade operacional das entidades

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel.

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Rádios Licenciados O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Qual é a vantagem: 1 Os canais em uso são registrados pela Anatel e a base de

Leia mais

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Regulamento de Convivência SBTVD x 4G LTE Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 737ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 09/04/2014 Atribuição e Destinação Condições

Leia mais

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite Decisão ECC (09)02 Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite aprovada em 26 de junho de 2009 alterada em 02 de novembro de 2012

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Testes SET interferências 4G/LTE em 700MHz sobre a recepção de TV Digital

Testes SET interferências 4G/LTE em 700MHz sobre a recepção de TV Digital Testes SET interferências 4G/LTE em 700MHz sobre a recepção de TV Digital Coletiva de imprensa 13-2-2014 São Paulo SP Brasil Agenda Grupos de Estudos SET Estudos, Testes e Procedimentos no Japão Grupo

Leia mais

Serviço Fixo Redes de ligações ponto-ponto bidireccionais com repetidor passivo em faixas de frequências superiores a 1 GHz Objectivo do pedido

Serviço Fixo Redes de ligações ponto-ponto bidireccionais com repetidor passivo em faixas de frequências superiores a 1 GHz Objectivo do pedido Objectivo do pedido Formulário para indicação de faixa e plano de frequências (1ª fase) Atribuição de licença de rede Formulário para activação de ligações e consignação de canais sob reserva (2ª fase)

Leia mais

Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso de Operadora: Migrando de um Sistema Analógico para o TETRA

Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso de Operadora: Migrando de um Sistema Analógico para o TETRA TETRA ASSOCIATION Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso de Operadora: Migrando de um Sistema Analógico para o TETRA Objetivo Compartilhar a experiência da LIG-MÓBILE, operadora brasileira de serviços

Leia mais

3.5 - RADIOAMADOR é a pessoa habilitada a executar o Serviço de Radioamador.

3.5 - RADIOAMADOR é a pessoa habilitada a executar o Serviço de Radioamador. NORMA DE ATIVAÇÃO E EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DA REDE NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE RADIOAMADORES - RENER 1. INTRODUÇÃO 1.1 - A presente norma estabelece as condições de ativação e execução da Rede Nacional de

Leia mais

C- Isenção de licenças radioeléctricas: C.2 Isenção de licença de estação.

C- Isenção de licenças radioeléctricas: C.2 Isenção de licença de estação. http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=150382 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação. Página 142 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação Nos termos

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 valderez@adthec.com.br 25.08.2011 Uma analise dos modelos de propagação em função do tipo de recepção, através da predição de cobertura, modelos de

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Um modelo matemático para o problema de localização das estações rádio base

Um modelo matemático para o problema de localização das estações rádio base Um modelo matemático para o problema de localização das estações rádio base Autor: Leonardo Mendes de Souza Orientador: Gustavo Menezes Banca: Luis Augusto Mattos Mendes e Wender Magno Cota Departamento

Leia mais

Cap. 3 Redes sem fios

Cap. 3 Redes sem fios Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.1 Introdução às redes celulares 1 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas

Leia mais

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI TELEFONIA CELULAR Tecnologia celular digital - sistema TDMA TDMA= Time Division Multiple Acess Multiplexação digital As informações de vários usuários são transmitidas em um canal comum em um determinado

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo Capítulo III Descrição geral dos testes de campo A) Teste de Campo de Cobertura para Comparação de Desempenho dos Sistemas ATSC, DVB-T e ISDB-T A1. Objetivo Este teste tem como objetivo comparar o desempenho

Leia mais

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE LOGÍSTICA E FINANÇAS DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL FLORIANÓPOLIS JULHO

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s)

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Palmas Número: 115/2012 Número do Processo: 2012011857 Unidade de Compra: Fundo Municipal de Saúde Proposta(s) Item: 0001 450/16/5watss/VHF/ANALÓGICO E-mail:

Leia mais

NETCOM 2007 PALESTRA:

NETCOM 2007 PALESTRA: NETCOM 2007 PALESTRA: SOLUÇÕES DE COBERTURA INDOOR PARA APLICAÇÕES WIMAX Marcelo Yamaguchi RFS Radio Frequency Systems Página 1 de (6) INTRODUÇÃO A demanda cada vez maior por portabilidade, mobilidade,

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DIGITAIS PARA O SERVIÇO FIXO EM APLICAÇÕES PONTO- MULTIPONTO NAS FAIXAS DE FREQUÊNCIAS

Leia mais

Comunicações móveis por Satélite. slide 1

Comunicações móveis por Satélite. slide 1 Comunicações móveis por Satélite slide 1 Satélite de Comunicações São satélites colocados em órbita da terra com a missão de transportarem repetidores de sinais de telecomunicações. Os satélites podem

Leia mais

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Boletim Informativo Espectro - 03/2015 Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Versão 2.2 Fevereiro 2015 Gestão de Espectro de Radiofrequências AF Telecomunicações

Leia mais

RBMC-IP. Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS em Tempo Real. Diretoria de Geociências DGC Coordenação de Geodésia - CGED

RBMC-IP. Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS em Tempo Real. Diretoria de Geociências DGC Coordenação de Geodésia - CGED RBMC-IP Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS em Tempo Real Diretoria de Geociências DGC Coordenação de Geodésia - CGED 06 de Maio de 2009 Sumário Sistema GPS Técnica de Posicionamento

Leia mais

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação 1. Concessionárias de serviço de telegrafia, público, internacional: 2. Concessionárias de serviço radiotelegráfico, público, internacional: 3. Concessionárias

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

Rádio Digital DTR 620 Ideal para Pequenas Empresas

Rádio Digital DTR 620 Ideal para Pequenas Empresas Rádio Digital DTR 620 Ideal para Pequenas Empresas Quanto melhor a comunicação numa equipe, mais eficiente será a sua operação. Os rádios da série DTR são ferramentas poderosas que permitem essa comunicação.

Leia mais

Progressos do TETRA na América Latina

Progressos do TETRA na América Latina Progressos do TETRA na América Latina Principais diferenças: TETRA x Sistemas Analógicos Sinal de transmissão Eficiência Espectral Alocação de Canal Características Analógico Sinal Analógico 1 2 25 khz

Leia mais

Microwave Wireless Telecom www.microwavetec.com.br

Microwave Wireless Telecom www.microwavetec.com.br Agenda Discussão sobre os padrões Wi-Fi Mikrotik Wireless Tools Throughput real do padrão Wi-Fi Redes PTP e PTMP Nstreme x CSMA/CA Nstreme2 Wi-Fi 802.11 a,b,g,n Padrões desenvolvidos para redes locais

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais