C- Isenção de licenças radioeléctricas: C.2 Isenção de licença de estação.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C- Isenção de licenças radioeléctricas: C.2 Isenção de licença de estação."

Transcrição

1 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação. Página 142

2 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação Nos termos da alínea b) do n.º 1 e do n.º 2 do artigo 9º do Decreto-lei n.º 151-A/2000, 20 Julho, estão isentas licença estação: a) As estações pequena potência e curto alcance ( SRD-Short Range Devices ) Estas estações verão operar numa base não interferência e não protecção relativamente a estações ou res radiocomunicações licenciadas. SRD - Aplicação Faixas Limites máx. potência ou intensida campo antena Espaçament o entre Duty Cycle Uso geral 1 6,765-6,795 MHz 13,553-13,567 MHz 26,957-27,283 MHz 42 dbµa/m a 10 m Ocupação 26,957-27,283 MHz toda a 3 40,660-40,700 MHz 10 mw p.a.r 433, ,790 MHz 2, 3 < 10% 3 868, ,600 MHz 25 mw p.a.r < 1% dicada 868, ,200 MHz < 0,1% 869, ,650 MHz 500 mw p.a.r 25 khz < 10% 869, ,000 MHz 5 mw p.a.r até 100% ,5 MHz 10 mw p.i.r.e MHz 25 mw p.i.r.e. 24,00-24,25 GHz Ocupação 61,00-61,50 GHz GHz 100 mw p.i.r.e. toda a GHz 1 Aplicações vío só são permitidas acima dos 2,4 GHz 2 Não são permitidas nesta aplicações sinais áudio e voz 3 Na 433,05-434,790 MHz também são permitidas utilizações com 100% duty cycle limitadas a 1 mw p.a.r. e com espaçamento entre até 25 khz. Na sub- 434,04-434,790 MHz são permitidas utilizações com 100% duty cycle limitadas a 10 mw p.a.r. Página 143

3 SRD (cont.) Aplicação Faixas Limites máx. potência ou intensida campo antena Espaçamento entre Duty Cycle ocupação toda a Res locais via 100 mw p.i.r.e ,5 MHz rádio (RLANs) dicada ritmo binário>250 kbps Sistemas acesso sem fios / Res locais via MHz mw p.i.r.e MHz 5 1 W p.i.r.e. 6 ocupação toda a rádio (WAS/RLAN) 17,1-17,3 GHz 100 mw p.i.r.e. Dedicada Caminhos ferro Eurobalisas 27,095 MHz ver figura 1 ver figura ,5 MHz +/- 2,5 MHz 5 MHz Sistemas 5800 MHz +/- 5 MHz 10 MHz telemáticos 2 W p.i.r.e dicada 5802,5 MHz +/- 2,5 MHz 5 MHz transportes rodoviários GHz 7 A finir ocupação toda a GHz 8 55 dbm pico dicada ,5 MHz Detecção MHz 25 mw p.i.r.e. movimento e MHz dicada ocupação toda a alerta 13,4-14,0 GHz 24,05-24,25 GHz 100 mw p.i.r.e. 4 Para sistemas que utilizam técnicas espalhamento espectral por sequência directa, o valor da nsida espectral potência máxima ve ser limitado a -20 dbw/1 MHz; para sistemas que utilizam técnicas espalhamento espectral por salto na frequência, o valor da nsida espectral potência máxima ve ser limitado a -10 dbw/100 khz. 5 Deverão ser respeitadas as seguintes condições: a) na MHz apenas são permitidas utilizações indoor b) controlo potência transmitida (TPC), nas s MHz e MHz, para assegurar um factor mitigação pelo menos 3 db na potência máxima permitida aos sistemas, ou, caso o TPC não esteja em uso a potência máxima permitida da p.i.r.e. média e o corresponnte valor máximo da nsida potência para a p.i.r.e. média vem ser reduzidos em 3 db. c) selecção dinâmica (DFS) associada com o mecanismo selecção canal, por forma a permitir um espalhamento uniforme nas s MHz e MHz. d) Na MHz o valor máximo da nsida potência para a p.i.r.e. média ve ser limitado a 0,25 mw/25 khz, por cada 25 khz. e) Na MHz o valor máximo da nsida potência para a p.i.r.e. média ve ser limitado a 10mW/MHz, por cada 1 MHz. f) Na MHz o valor máximo da nsida potência para a p.i.r.e. média ve ser limitado a 50mW/MHz, por cada 1 MHz. 6 Valor máximo da p.i.r.e. média. 7 Estes sistemas, Veículo-veículo ou estrada-veículo, só serão isentos licenciamento após a finição dos limites potência. 8 Sistemas radar veículos e infra-estruturas Página 144

4 SRD - (cont.) Aplicação Faixas Limites máx. potência ou intensida campo antena Espaçamento entre Duty Cycle Alarmes em geral 868, ,700 MHz 10 mw p.a.r. < 0,1% 869, ,300 MHz 25 khz 9 869, ,700 MHz 25 mw p.a.r. dicada < 10% Alarmes sociais 869, ,250 MHz 10 mw p.a.r. Controlo molos Sistemas indutivos Implantes médicos activos 26,995 MHz 27,045 MHz 27,095 MHz 27,145 MHz 27,195 MHz 34,995-35,225 MHz 10 40,665 MHz 40,675 MHz 40,685 MHz 40,695 MHz 72 dbµa/m a 10 m 9-59,750 khz (a 30 khz créscimo 3 db/oitava) 11 59,750-60,250 khz 42 dbµa/m a 10 m 69 dbµa/m a 10 m 60, khz (a 30 khz créscimo 3 db/oitava) khz 42 dbµa/m a 10 m 66 dbµa/m a 10 m khz (a 30 khz créscimo 3 db/oitava) 11 6,765-6,795 MHz 42 dbµa/m a 10 m Ver figura 2 7,400 8,800 MHz 9 dbµa/m a 10 m 13,553-13,567 MHz 42 dbµa/m a 10 m Ver figura 2 26,957-27,283 MHz 42 dbµa/m a 10 m khz 30 db µa/m a 10 m MHz 25µW p.a.r 100 mw p.a.r dicada 10 khz integrada, dicada ou externa integrada ou dicada dicada ocupação toda a Ocupação toda a 25 khz < 0,1% <10% 9 A 868,6-868,7 MHz po também ser utilizada na totalida como um canal para transmissão dados alto débito. 10 Frequências exclusivas para aeromolos 11 No caso antenas loop tipo 1 e 2 com uma área compreendida entre 0,05 m 2 e 0,16 m 2, a intensida campo é reduzida 10 x log (área/0,16 m 2 ). Para uma antena com uma área inferior a 0,05 m 2 a intensida campo é reduzida em 10 db. Página 145

5 SRD - (cont.) Aplicação Faixas Limites máx. potência ou intensida campo antena Espaçamento entre Duty Cycle Detecção Vítimas Avalanches Microfones emissores RFID Sistemas Intificação RF 457 khz 7 db µa/m a 10 m MHz MHz mw p.a.r MHz 10 mw p.a.r 1785,7-1799,4 MHz 10 mw p.a.r MHz 500 mw dicada Integrada dicada Onda contínua(cw) sem modulação até 100% 200 khz até 100% Ocupação toda a até 100% Sistemas áudio MHz 10 mw p.a.r Ocupação toda a Integrada 15 até 100% sem fios ,8-865 MHz 10 mw p.a.r 50 khz até 100% 29,980 MHz Sistemas telecomando, telemedida, telealarmes e transmissão dados SRR - Sistemas radar curto alcance para automóveis 29,990 MHz 30,000 MHz 30,100 MHz 150,9375 MHz 150,9500 MHz 155,5375 MHz 155,5500 MHz 458,1125 MHz 458,1250 MHz 458,1375 MHz 458,1500 MHz 100 mw p.a.r 10 khz 500 mw p.a.r dicada 21,65-26,65 GHz (componente UWB) Integrada 24,05-24,25 GHz (modo/componente 20 dbm p.i.r.e. pico Integrada banda estreita) GHz 55 dbm e.i.r.p. pico 19 Integrada 12,5 khz Ocupação toda a Ocupação toda a Ocupação toda a Estes equipamentos estão isentos licenciamento radioeléctrico, condicionados às cisões a tomar sobre a televisão digital. 13 O limite máximo potência para microfones emissores body worn é 50 mw p.a.r. 14 Os equipamentos analógicos voz banda estreita, estão limitados à 864,8-865 MHz. 15 Nos sistemas analógicos a largura utilizada não po excer os 300 khz. 16 Faixa disponível a partir 1 Julho O valor máximo da nsida média potência será 41.3 dbm/mhz p.i.r.e. O valor da nsida potência pico não ve excer 0dBm/50 MHz p.i.r.e. 18 Para potências pico maiores que 10 dbm p.i.r.e. o ciclo funcionamento < 10%. 19 O valor máximo da nsida média potência será 3 dbm/mhz p.i.r.e. O valor máximo da nsida média potência no exterior um veículo resultante do funcionamento um radar curto alcance não ve excer 9 dbm/mhz p.i.r.e Página 146

6 b)as estações terrenas transportáveis do Serviço Fixo por Satélite (SFS) Estas estações verão operar numa base não interferência e não protecção relativamente a estações ou res radiocomunicações licenciadas. A utilização ste tipo estações terrenas só é permitida a distâncias superiores a 500 metros da área limite dos aeroportos. A utilização estações terrenas com localização fixa permanente não está coberta por este regime isenção. Estação terrena Faixa Limites máximos potência antena Satellite Interactive Terminal (SIT) Satellite User Terminal (SUT) Very Small Aperture Terminal (VSAT) 10,70-12,75 GHz 29,50-30,00 GHz (Terra-espaço) 19,70-20,20 GHz 29,50-30,00 GHz (Terra-espaço) 12,50-12,75 GHz 14,00-14,25 GHz (Terra-espaço) 11,45-11,70 GHz Potência emissão < 2 W p.i.r.e. < 50 dbw antena com diâmetro < 1,2 m antena com diâmetro < 1,8 m antena com diâmetro < 3,8 m Arcanet Suitcase Terminal 12,50-12,75 GHz antena com diâmetro < 1,2 m 14,00-14,25 GHz (Terra-espaço) Página 147

7 c)as estações terrenas dos Serviços Móveis por Satélite Estação terrena Inmarsat-B Inmarsat-C Inmarsat-D Inmarsat-M Inmarsat-M4 Inmarsat-phone (mini M) EMS-PRODAT EMS-MSSAT Thuraya SpaceCheckers-SMS Omnitracs-Eutelsat GMPCS 24 Faixa MHz MHz ,5-1645,5 MHz (Terra-espaço) ,5-1660,5 MHz (Terra-espaço) 10,70-11,70 GHz 23 12,50-12,75 GHz 14 14,00-14,25 GHz (Terra-espaço) ,5 MHz (Terra-espaço) MHz (Terra-espaço) 2483, MHz MHz 12, 22 Mobile Earth Stations (MES) ORBCOM MHz ,05 MHz (Terra-espaço) 20 Nas s MHz e 1626,5-1645,5 MHz têm priorida as comunicações socorro, urgência e segurança no âmbito do sistema GMDSS. 21 Nas s MHz e 1646,5-1656,5 MHz têm priorida, no âmbito do Serviço Móvel Aeronáutico por Satélite, as comunicações socorro, urgência bem como as comunicações relativas à segurança e regularida dos voos e à meteorologia. 22 Na ,5 MHz o funcionamento stas estações terrenas não porá causar interferências prejudiciais a estações do serviço radioastronomia. 23 Nas s 10,70-11,70 GHz e 12,50-12,75 GHz o funcionamento das estações terrenas Omnitracs-Eutelsat não porá causar interferências a estações dos Serviços Fixo e Fixo por Satélite 24 Estas estações vem ter aposta a marcação scrita na figura Estas estações não verão causar interferências ou requerer protecção estações dos serviços fixo, móvel e operações espaciais na ,9 MHz e estações do serviço radionavegação por satélite na 149,9-150,05 MHz. Página 148

8 d)as estações do Serviço Móvel Terrestre Estações PMR446 Faixa Frequências Limites máximos antena Espaçamento entre potência 446,00625 MHz 446,01875 MHz 446,03125 MHz 446,04375 MHz 446,05625 MHz 446,06875 MHz 446,08125 MHz 446,09375 MHz 500 mw p.a.r integrada 12,5 khz Talk-Back ( retorno/circuitos orm) Faixa Frequências 445,150 MHz 448,300 MHz 448,325 MHz 448,350 MHz 448,375 MHz 448,400 MHz 448,425 MHz 448,450 MHz 448,475 MHz Limites máximos potência radiada 3W p.i.r.e. Espaçamento entre 25kHz e)as estações radiocomunicações mera recepção Engloba as seguintes estações receptoras : radiodifusão televisiva e sonora GPS multibanda, não associadas em particular a qualquer serviço radiocomunicações ( scanners ) Página 149

9 - FIGURAS - a) Eurobalisas Figura 1 - Limites intensida campo a 10 metros em torno da frequência f 0 = 27,095 MHz b) Sistemas indutivos Figura 2 - limites intensida campo a 10 metros para as s 6,765-6,795 MHz e 13,553-13,567 MHz c) Estações terrenas móveis GMPCS Figura 3 - Marcação aposta nas estações GMPCS Página 150

http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=47835

http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=47835 http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=47835 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação. Página 57 C- Isenção licenças radioeléctricas: C.2 Isenção licença estação Nos termos

Leia mais

SRD s. a) Interfaces Alarmes. PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010]

SRD s. a) Interfaces Alarmes. PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Parte normativa SRD s a) Interfaces Alarmes PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição Comentários 1 Serviço de Radiocomunicações Exclusivamente

Leia mais

ISENÇÃO DE LICENÇA DE ESTAÇÃO

ISENÇÃO DE LICENÇA DE ESTAÇÃO ISENÇÃO DE LICENÇA DE ESTAÇÃO Revisto a 28 outubro 2015 Nos termos da alínea b) do n.º 1 e do n.º 2 do artigo 9.º do Decreto-lei n.º 151-A/2000, 20 julho, na redacção que lhe é dada pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB)

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) Revisto a 30 de janeiro de 2015 A tecnologia UWB permite o desenvolvimento de uma vasta variedade de novos dispositivos de curto

Leia mais

Serviço Radiodifusão

Serviço Radiodifusão Parte normativa Serviço Radiodifusão a) Interfaces aplicações SAP-SAB PORTUGAL Especificações Interfaces Radio Aplicações SAP/SAB - Câmaras sem fios [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição

Leia mais

Serviço Fixo por Satélite

Serviço Fixo por Satélite Parte normativa Serviço Fixo por Satélite a) Interfaces fixo Satélite PORTUGAL Especificações Interfaces Radio Estações terrenas de controlo e encaminhamento de tráfego HUB s [REFERENCE NUMBER] [1.0 /

Leia mais

Anexo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS. ICP-ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações QNAF 2008 Página 9

Anexo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS. ICP-ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações QNAF 2008 Página 9 Anexo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE Página 9 1.1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE A estrutura da Tabela de Atribuição de Frequências é a seguinte: Coluna 1: FAIXAS DE Indica a faixa de frequências a que se refere cada

Leia mais

Redes pessoais: perspectiva de gestão de espectro

Redes pessoais: perspectiva de gestão de espectro Redes pessoais: perspectiva de gestão de espectro 4.º Congresso do Comité Português da URSI João Duque ANACOM 23 de Setembro 2010 Índice ÍNDICE 1. A ANACOM QNAF 2. Redes móveis pessoais Bluethooth; UWB;

Leia mais

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aplicação isentas de licenciamento radioeléctrico Leiria, 27 de Maio de 2009 José Mário Valente & Miguel Azevedo Nunes AGENDA ANACOM QNAF ISENÇÃO DE

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Regulamento de Convivência SBTVD x 4G LTE Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 737ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 09/04/2014 Atribuição e Destinação Condições

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Anexo 2. A. Dos tipos de estação de uso comum:

Anexo 2. A. Dos tipos de estação de uso comum: Anexo 2 Elementos que devem instruir o pedido de licenciamento de estação de uso comum que envolva consignação de frequências, conforme o tipo de estação (n.º 3 da Parte VIII dos Procedimentos aprovados

Leia mais

ECC/DEC/(07)02 - Decisão sobre a disponibilidade de frequências na faixa MHz para a implementação harmonizada de sistemas BWA.

ECC/DEC/(07)02 - Decisão sobre a disponibilidade de frequências na faixa MHz para a implementação harmonizada de sistemas BWA. 7.4 DOCUMENTOS RELEVANTES DA CEPT, UIT E UE Documentos da CEPT Decisões CEPT/ECC ECC/DEC/(07)02 - Decisão sobre a disponibilidade de frequências na faixa 3400 3800 MHz para a implementação harmonizada

Leia mais

Convivência Banda C Satélite e WiMAX

Convivência Banda C Satélite e WiMAX Convivência Banda C Satélite e WiMAX 16 de agosto de 2011 Interferência na Banda C Sinal satélite ( transmitido a 36.000 km de distância) recebido com potência muito menor que sinal WiMAX (transmitido

Leia mais

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet 1 Palestrante: Kleber de Albuquerque Brasil Mini Curriculum 1997 E.T.F.

Leia mais

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz.

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. NORMA Nº 15/96 CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. 1-OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer a canalização e as condições

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

SOLUÇÕES BRASILSAT CONTRA INTERFERÊNCIA - Aplicações em comunicações via satélite em Banda C

SOLUÇÕES BRASILSAT CONTRA INTERFERÊNCIA - Aplicações em comunicações via satélite em Banda C - Aplicações em comunicações via satélite em Banda C V2.0 - AÇÃO DIVERSIDADE - BrasilSat, uma empresa socialmente responsável CAUSAS DE INTERSISTÊMICAS (ESPAÇO PARA TERRA): Dentro da Faixa de 3,625 a 4,2GHz

Leia mais

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Agosto de 2012 1 Agenda Testes da Star One A Questão afeta toda a Banda C e não somente a Banda Estendida Tanto a Transmissão Digital quanto a Analógica

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

Novos requisitos de espectro e condições de partilha e compatibilidade

Novos requisitos de espectro e condições de partilha e compatibilidade Novos requisitos de espectro e condições de partilha e compatibilidade Instituto Superior Técnico Miguel Capela Lisboa, 29 de maio de 2014 ÍNDICE 1. ANACOM 2. GESTÃO DO ESPECTRO RADIOELÉCTRICO 3. NOVOS

Leia mais

ECC/DEC/(04)01 - Decisão de SRDs para detecção de vítimas de avalanches (457 khz)

ECC/DEC/(04)01 - Decisão de SRDs para detecção de vítimas de avalanches (457 khz) http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=183307 Capítulo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS 5 DOCUMENTOS RELEVANTES DA CEPT, UIT E UE Documentos da UIT Decisões CEPT/ECC ECC/DEC/(05)12 - Decisão

Leia mais

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL EDIÇÃO 2002 ... em branco... AGÊNCIA NACIONAL DE TELECO MUNICAÇÕ ES AT O N o 23.577, DE 6 DE MARÇO DE 2002 O CONSELHO DIRETO

Leia mais

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação 1. Concessionárias de serviço de telegrafia, público, internacional: 2. Concessionárias de serviço radiotelegráfico, público, internacional: 3. Concessionárias

Leia mais

QUADRO NACIONAL DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS

QUADRO NACIONAL DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS QUADRO NACIONAL DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS (Objecto de republicação a 6.1.2010, às 11:50) Edição 2009/2010 Páina 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ENQUADRAMENTO DO QNAF... 5 3. ESTRUTURA DO QNAF... 8 4.

Leia mais

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Como a luz, uma onda de rádio, perderia-se no espaço, fora do nosso planeta, se não houvesse um fenômeno que provocasse sua curvatura para

Leia mais

Serviço Fixo - Redes de ligações ponto-ponto bidireccionais na faixa de frequências 406-430 MHz Objectivo do pedido

Serviço Fixo - Redes de ligações ponto-ponto bidireccionais na faixa de frequências 406-430 MHz Objectivo do pedido Objectivo do pedido Atribuição de licença de rede Formulário para activação de ligações Formulário para desactivação de ligações Alteração das características das ligações: Formulário para consignação

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

QUADRO NACIONAL DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS

QUADRO NACIONAL DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS QUADRO NACIONAL DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS Edição 2009/2010 Páina 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ENQUADRAMENTO DO QNAF... 5 3. ESTRUTURA DO QNAF... 8 4. PRINCIPAIS ACÇÕES DESENVOLVIDAS EM 2009 NO DOMÍNIO

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA ANTENAS FAMÍLIAS DE PRODUTOS ACUMULADORES DE ENERGIA (BATERIA) CABOS COAXIAIS CABOS ÓPTICOS E FIBRAS ÓPTICAS CABOS PARA TRANSMISSÃO DE DADOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

Comunicações e Informações INFORMAÇÕES ORIUNDAS DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA

Comunicações e Informações INFORMAÇÕES ORIUNDAS DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA Jornal Oficial da União Europeia C 125 Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 17 de abril de 2015 Índice IV Informações INFORMAÇÕES ORIUNDAS DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS

Leia mais

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite Decisão ECC (09)02 Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite aprovada em 26 de junho de 2009 alterada em 02 de novembro de 2012

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DO REGULAMENTO DAS RADIOCOMUNICAÇÕES ARTº 5 APLICÁVEIS A PORTUGAL. FAIXA DE FREQUÊNCIAS (MHz) APLICAÇÕES NACIONAIS NOTAS

ATRIBUIÇÕES DO REGULAMENTO DAS RADIOCOMUNICAÇÕES ARTº 5 APLICÁVEIS A PORTUGAL. FAIXA DE FREQUÊNCIAS (MHz) APLICAÇÕES NACIONAIS NOTAS http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=150382 FAIXA DE 27,5-28 AUXILIARES DE METEOROLÓGIA FIXO CT0 Telefones sem cordão (27, 5375-27, 8375 (MOV) (27,85-28 28-29,7 AMADOR AMADOR POR SATÉLITE Amador

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS Centro de Monitorização e Controlo do Espectro 12 de Julho de 2011 Em 2011-07-12, e em complemento à análise de cobertura TDT solicitada para efeitos de

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 20 de outubro de 2009 O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Prof.

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel.

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Rádios Licenciados O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Qual é a vantagem: 1 Os canais em uso são registrados pela Anatel e a base de

Leia mais

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 valderez@adthec.com.br 25.08.2011 Uma analise dos modelos de propagação em função do tipo de recepção, através da predição de cobertura, modelos de

Leia mais

EXERCÍCIOS Introdução

EXERCÍCIOS Introdução FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores REDES SEM FIO Prof. Ulisses Cotta Cavalca EXERCÍCIOS Introdução Belo Horizonte/MG 2015 1. A tecnologia

Leia mais

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Boletim Informativo Espectro - 03/2015 Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Versão 2.2 Fevereiro 2015 Gestão de Espectro de Radiofrequências AF Telecomunicações

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES Ano lectivo de 2014/ o Semestre 2º Teste 8 de Junho de 2015

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES Ano lectivo de 2014/ o Semestre 2º Teste 8 de Junho de 2015 SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES Ano lectivo de 2014/2015-2 o Semestre 2º Teste 8 de Junho de 2015 Nome:... Número:... Grupo I ( 2 + 1.5 + 1.5 val.) Considere uma ligação bidireccional em feixes hertzianos digitais,

Leia mais

Novos Desafios à Monitorização e Controlo do Espectro na Perspetiva dos Sistemas de Medida

Novos Desafios à Monitorização e Controlo do Espectro na Perspetiva dos Sistemas de Medida 5.º Congresso do Comité Português da URSI ''Deteção e medição de sinais rádio no futuro das radiocomunicações'' Novos Desafios à Monitorização e Controlo do Espectro na Perspetiva dos Sistemas de Medida

Leia mais

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas ZODPORT EQUIPAMENTOS, ASSISTÊNCIA E ENGENHARIA, S.A. EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA MARÍTIMA 1 ZODPORT 2 INTERNATIONAL MARITIME

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Em 1945 o escritor Arthur Clarke calculou que um satélite em 35.800 km em órbita circular

Leia mais

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio.

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio. VX 101: Produto:VHF Sistema de Microfone sem fio de um canal Frequência de Recepção: VHF 165 270 Mhz Estabilidade de frequência:< 0.002% Sensibilidade: 80 dbm Taxa de S/N: > 70dB Voltagem de energia AC

Leia mais

Tabela de tolerâncias das frequências de emissores

Tabela de tolerâncias das frequências de emissores Tabela de tolerâncias das frequências de emissores As diferentes categorias de estações emissoras devem respeitar as correspondentes tolerâncias de frequência especificadas no Apêndice 2 do Regulamento

Leia mais

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 comunicaçõesasseguradas Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 Melhore os seus sentidos. Falcon Watch Vigilância Remota. Todo o dia. Toda a noite. A Harris sabe da necessidade de ter sistemas

Leia mais

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM A Física por trás da Tecnologia RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Espectro electromagnético 3 Espectro de frequência para o sistema RFID Tamanho da antena Existe uma razão de proporção

Leia mais

O Radar Meteorológico

O Radar Meteorológico O Radar Meteorológico Demilson Quintão PY2UEP Bauru, 2014 1 Previsão Meteorológica 1-Climática: indica tendência das estações em escalas regionais, continentais, globais. 2-Previsão Meteorológica comum

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

O mundo sem fios. No fim do mundo os fios serão tantos que ninguém se conseguirá entender

O mundo sem fios. No fim do mundo os fios serão tantos que ninguém se conseguirá entender O mundo sem fios No fim do mundo os fios serão tantos que ninguém se conseguirá entender frase popular no fim do século XX A solução para o fim do mundo foi acabar com os fios Prof. Doutor Nuno Borges

Leia mais

CBC2 COMISSÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÕES 2 RADIOCOMUNICAÇÕES. Conferência Mundial de Radiocomunicações WRC-15

CBC2 COMISSÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÕES 2 RADIOCOMUNICAÇÕES. Conferência Mundial de Radiocomunicações WRC-15 CBC 2 COMISSÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÕES 2 RADIOCOMUNICAÇÕES Conferência Mundial de Radiocomunicações WRC-15 Agostinho Linhares Gerente de Espectro, Órbita e Radiodifusão Setembro de 2015 Coordenador

Leia mais

ERC/DEC/(99)01 COMITÉ EUROPEU DAS RADIOCOMUNICAÇÕES

ERC/DEC/(99)01 COMITÉ EUROPEU DAS RADIOCOMUNICAÇÕES COMITÉ EUROPEU DAS RADIOCOMUNICAÇÕES Decisão ERC de 10 de Março de 1999 sobre a harmonização das matérias de exame para obtenção de Certificado Geral de Operador (GOC) e de Certificado Restrito de Operador

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT. Mealhada (Aveiro)

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT. Mealhada (Aveiro) AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT Mealhada (Aveiro) DGE1 - Centro de Monitorização e Controlo do Espectro xxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxx 12 de janeiro de 2012 1 Índice 1 Índice... 1 2 Descrição

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 13/98, de 17 de Abril Segundo Protocolo Adicional de Cooperação no Domínio da Comunicação Social entre a República Portuguesa e a República de Moçambique, assinado em Maputo aos 28 de Novembro

Leia mais

DECISÃO. Transmissão do direito de utilização de frequências da Rádio Canal Aberto, Lda. para a titularidade da Costa e Osório, Unipessoal, Lda.

DECISÃO. Transmissão do direito de utilização de frequências da Rádio Canal Aberto, Lda. para a titularidade da Costa e Osório, Unipessoal, Lda. DECISÃO Transmissão do direito de utilização de frequências da Rádio Canal Aberto, Lda. para a titularidade da Costa e Osório, Unipessoal, Lda. 1. Pedido Na sequência do pedido de cessão do serviço de

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

Portaria n.º 358/95 de 21 de Abril

Portaria n.º 358/95 de 21 de Abril Portaria n.º 358/95 de 21 de Abril O Decreto-Lei n.º 5/95, de 17 de Janeiro, que disciplina o exercício da actividade de amador de radiocomunicações prevê, nos seus artigos 3.º, n.º 4, 5.º, n.º 2, 6.º,

Leia mais

Qual a diferença a entre serviço o de:

Qual a diferença a entre serviço o de: Qual a diferença a entre serviço o de: Radioamador (PY) e Faixa do Cidadão (PX) Equipe Regional de Radioescotismo - RS Finalidades Radioamadorismo (PY) Finalidades O Serviço de Radioamador modalidade de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. 1200 metros de alcance¹

MANUAL DO USUÁRIO. 1200 metros de alcance¹ MANUAL DO USUÁRIO 1200 metros de alcance¹ DESCRIÇÃO O K1200 permite controlar à distância¹ as principais funções do player como mudança de música e pasta, volume, pause, play e power. FUNCIONAMENTO Unidade

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N o 1135 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. O SUPERINTENDENTE DE RADIOFREQÜÊNCIA E FISCALIZAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL, no uso das atribuições

Leia mais

Atenuação Devido a Chuvas nas Bandas Ka, Ku e X. Agostinho Linhares RFCEE/SRF ANATEL

Atenuação Devido a Chuvas nas Bandas Ka, Ku e X. Agostinho Linhares RFCEE/SRF ANATEL Atenuação Devido a Chuvas nas Bandas Ka, Ku e X Agostinho Linhares RFCEE/SRF ANATEL Agenda Arco Geoestacionário Comunicação via Satélite como Backbone Faixas de Frequências para Radiocomunicações Espaciais

Leia mais

PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA. JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP

PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA. JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP - O RÁDIO DIGITAL NÃO RESOLVE O PROBLEMA DA ONDA MÉDIA. - O AUMENTO DO RUÍDO ELÉTRICO URBANO MUNDIAL - - A PRESERVAÇÃO DO CONTEÚDO

Leia mais

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998

Decisão ERC (98)25. Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico. Aprovada em 23 de novembro de 1998 Decisão ERC (98)25 Faixa de frequências harmonizada a designar para utilização de equipamento PMR 446 analógico Aprovada em 23 de novembro de 1998 Alterada em 1 de junho de 2012 ERC/DEC(98)25 Página 2

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Decisão EEC de 1 de Dezembro de 2006 sobre a harmonização de sistemas GSM a bordo de aeronaves nas faixas de frequências 1710 1785 e 1805 1880 MHz (EEC/DEC/(06)07)

Leia mais

= P ( 10 db EIRP EIRP = EIRP = Effective Isotropic Radiated Power. EIRP. = Effective Isotropic Radiated Power

= P ( 10 db EIRP EIRP = EIRP = Effective Isotropic Radiated Power. EIRP. = Effective Isotropic Radiated Power Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Conceito de E.I.R.P Seção IX Seção X Sinalização de Torres Conclusões EIRP = Effective

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS Física 11º Ano COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS MARÍLIA PERES TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO Produziu p pela p primeira vez ondas eletromagnéticas em laboratório (1887) utilizando um circuito para produzir

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 Sabará, 11 de setembro de 2014 RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 A Prefeitura Municipal de Sabará, por meio da Secretaria Municipal de Administração, resolve, por questões administrativas, retificar

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA DGE1 - Centro de Monitorização e Controlo do Espectro Xxxxx xxxxxxxxxx Xxx x xx xxxxxxx Xxxx xxxxx Xxxx xxxxxxxx Xxxxxx xxxxxxxx 12 de Junho

Leia mais

A c ró n i m o s. Q u ad ro Nacional de Atribuição de Fre q u ê n c i a s

A c ró n i m o s. Q u ad ro Nacional de Atribuição de Fre q u ê n c i a s A c ró n i m o s Q u ad ro Nacional de Atribuição de Fre q u ê n c i a s A c ró n i m o s 4. A c r ó n i m o s A P T - Sistema automático de transmissão de imagens (Automatic Picture Tra n s m i s s i

Leia mais