o SISTEMA TMA DO CRIOULO GUINEENSE: SINT AXE E SEMANTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "o SISTEMA TMA DO CRIOULO GUINEENSE: SINT AXE E SEMANTICA"

Transcrição

1 o SISTEMA TMA DO CRIOULO GUINEENSE: SINT AXE E SEMANTICA Anelita de Lourdes Casquel (Unb) Uma lingua crioula poderia ser definida como aquela que surge da necessidade de comunicacao entre dois povos, sendo urn 0 dominador e 0 outro dominado. Em urn estligio anterior ao crioulo, temos 0 pidgin, que e uma lingua emergencial, lingua de contato, reduzida em relacao a sua lingua base, com uma gramatica e urn vocabulano minimos. Quando urn pidgin passa a ser lingua matema de uma comunidade, temos 0 crioulo, que se caracteriza, basicamente, por ser reduzida, simplificada, em relacao Ii lingua-base, mas nao no mesmo grau que um pidgin, e par apresentar mudancas estruturais, as quais poderiamos chamar de categorias gramaticais herdadas, tambem em relacao Iilingua-base. (COUTO, 1987) o estudo de uma lingua crioula pode (e deve) ser ta~ interessante e enriquecedor quanta 0 de qualquer outra lingua. No entanto, devido aos preconceitos em relacao ao povo e as linguas africanas, muitos estudiosos, inclusive os proprios lingoistas, nao consideram 0 crioulo como uma lingua plena, passivel de amplos estudos cientificos da area humana. Esse posicionamento reltete, claramente, a desvalorizaca.o da cultura africana e a demasiada valorizacao da cultura branca ou europeia, que considera 0 crioulo, no caso 0 da Gulne-Blssau, como urn "portugues mal falado". Esse estigma tern sido tao dlfundldo que grande parte dos guineenses, principalmente os das ultimas geraqoes, acabam

2 tendo preconceito em relacao a essa lingua. 0 que tern contribuido para urn crescente processo de descrioulizacao. 598 Na tentativa de demonstrar, Iambem, que tal "pre-conceito" em relaeao ao crioulo nao procede. farei uma exposieao de uma pamcularidade gramatical do crioulo da Guine- Bissau, qual seja 0 sistema TMA - tempo - modo - aspeclo, sob os pontos de vista sintatico e semantico. Em primeiro lugar, darei as condicoes propostas por Bickerton (1981) para 0 estudo do sistema TMA dos crioulos em geral. Posteriormente. demonstrarei como e esse sistema no crioulo guineense, mostrando em que difere daquele inicialmente proposto. Em seu trabalho Creolizatjon. Linguistic Universals, Natural Semantax and The amin. 0 crioulista Derek Bickerton nos propoe algumas caraclerfslicas do sistema TMA dos crioulos, as quais apresentarei em seguida: a) a forma nao-marcada e 0 passadq para os verbos de ac;ao e 0 ~ para os verbos de estado. b) 0 marcador do an1eriqr indica 0 mais-que-perfeito para verbos de aeao e 0 passado simples para os verbos de estado. c) 0 marcador do iimai indica tempo irreal (unrealtime) - futuro condicional, subjuntivo para todos os verbos, d) 0 marcador do nao-puncluaj indica 0 aspeclo durativo ou iterativo para os verbos de acio. e e indiferente a dislineao presente I passado; esse marcador, normalmente, nao pode co-ocorrer com verbos de estado. e) todos os marcadores sao antepostos ao verbo. f) todos os marcadores podem se combinar mas em uma ordem invariavel. qual seja: 1. anterior 2. irrealis 3. nae-punctual. g) 0 significado de anterior + irreal e uma "condieao irrealizada no passado".

3 599 h) 0 significado de anterior + irreal + nao-punctual 13 uma "condi~o irrealizada no passado, de natureza nlio punctual", algo como: se somente X tivesse ido fazer Y ("if only X would have gone on doing YO). i) 0 significado de anterior + nlie-punctual 13 uma "a~o durativa ou uma serie de acoes nlio-durativas ocorrendo urn ou outro antes de algum outro evento discutido ou durante urn periodo de tempo considerado como definitivamente fechado". j) 0 significado de irrealis + nile-punctual 13 uma a~o nlio-punctual ocorrendo em urn tempo irreal, isto 13, 0 futuro progressivo. No sistema verbal do crioulo guineense podemos identificar quase todas essas condicoes, com algumas excecoes, 0 que demonstrarei em seguida. Como foi proposto por Bickerton, nesta lingua crioula tambem temos 0 nosso Pi&liildQ como a forma nao-marcada, ou seja, para eles 0 que importa 130 momento em que ocorre a a~o e nlio 0 momento em que se fala sobre ela, como ocorre nas linguas de origem europeias. Assim, em uma sentenc;a como (1) temos a segulnte tradu~o: (1) Lebri Imn1a sedu. A lebri acordou cedo. A forma do verba - KORDA - nilo tern nenhuma f1exilo e qualquer altera~o que se queira fazer em relacao a tempo, modo ou aspecto devera ser feita com 0 use de uma das particulas TMA. Os marcadores para 0 anterior, Irreal e nlio-punctual sao os seguintes: (1) Anterior = ba (posposto ao verba) Ex.: I luma ba. 'Ele lumara '. (2) Irrealis = ba (anteposto ao verba) Ex.: I ba luma. 'Ele foi lumar '.

4 (3) Nao-punctual = ta (anteposto ao verbo). Ex.: Ita fuma. 'Ele fuma '. As ocorrelncias e combinayoes dessas partfculas poderiam ser as seguintes: emoo Modo Aspecto Anterior Irrealis Nao-ounctual Exemolos ifuma i fuma ba i ba fuma ita fuma I bsfuma ba i ba ta fuma ita fuma ba i ba ta fuma ba (A significayao dessas particulas e de suas varias combinayoes sac as mesmas dadas por Bickerton nos itens 12,c, 11 e de g an. Tendo conhecimento, entao, de tal sistema do crioulo da Guine-Bissau e fazendo uma analise das ocorrencias desse sistema, podemos perceber duas peculiaridades que ele apresenta frente a proposta de Bickerton. Sao elas: (1) A partfculo BA (+ anterior) posposta ao verbo. (2) A presenca de uma quarta partfcula NA possivelmente como nao-punctual. Segundo as condiyoes dadas, todos os marcadores aparecem antepostos ao verba e em ordem invariavel (anterior-irrealis-nao-punctual). Assim sendo, como se explica a posposiyao da partfcula ba l+ant]?

5 601 Bickerton caracteriza, ainda, 0 sistema TMA pela presen"a de 3 marcadores:um para 0 tempo [± ant], um para 0 modo [± irrealis] e um para 0 aspecto [± nao -punctual]. Em rela"ao Ii segunda particularidade, como se explica, entao, 0 NA neste sistema? Em COUTO (a sair), temos algumas possibilidades para esclarecer tais fatos. Em (1), a posposi"ao da particula BA poderia ser explicada pela homonimia com a marca irrealis. Em (2), a particula NA, pelo seu significado, tambem e nao-punctual, e indica uma a'y8.o nao terminada, uma a"ao que esta se dando do momento a que 0 falante se reporta em diante. Um estudo aprofundado desses fenomenos sera feito quando da elabora'y8.0 de minha disserta'y8.o de mestrado, na qual pretendo analisar, detalhadamente, as estruturas do crioulo guineense, a fim de vislumbrar algo que contribua para que possamos conhecer melhor, e sempre mais, esta interessante lingua crioula da Guine- Bissau.

6 1. BICKERTON, Derek. "Creolization, Linguistic Universals, Natural Semantax and the Brain". In : DAY, Richard R. (arg.). Issues in English Creoles. Heidelberg: Julius Groos Veriag. (sid). 2. COUTO, Hildo Hon6rio do. Unguas Crioulas e Similares. Estudos Leopoldenses, vol. 93, NQ. 97,1987, pp SARAIVA, Jose Flavio Sombra. "A ambivalencia de uma cultura : 0 negro no Brasil, em uma perspeetiva hist6rica". TexlQs de Hjst6ria, vol. 1, NQ. 1, UNB, 1993, pp

Aula6 CONSTRUÇÕES NEGATIVAS. Lêda Corrêa

Aula6 CONSTRUÇÕES NEGATIVAS. Lêda Corrêa Aula6 CONSTRUÇÕES NEGATIVAS META Apresentar construções oracionais negativas da língua portuguesa; discriminar os modos de construções negativas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Relacionar

Leia mais

confunde algumas pessoas, mesmo sendo alunos e ate professores da area. A

confunde algumas pessoas, mesmo sendo alunos e ate professores da area. A Departamento de Letras Vernaculas e Chissicas do Centro de Letras e Ciencias Humanas da Universidade Estadual de Londrina Apesar de todo 0 avan

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A FUNÇÃO SINTÁTICA DE ATRIBUTO Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ; UNESA)

REFLEXÕES SOBRE A FUNÇÃO SINTÁTICA DE ATRIBUTO Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ; UNESA) DEPARTAMENTO DE LETRAS REFLEXÕES SOBRE A FUNÇÃO SINTÁTICA DE ATRIBUTO Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ; UNESA) sergio03@ism.com.br INTRODUÇÃO O presente artigo pretende fazer uma reflexão sobre

Leia mais

Contribuições semânticas dos auxiliares 'andar' e 'ficar' em português brasileiro

Contribuições semânticas dos auxiliares 'andar' e 'ficar' em português brasileiro Contribuições semânticas dos auxiliares 'andar' e 'ficar' em português brasileiro Roberlei BERTUCCI Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR - Curitiba) 1 bertucci@utfpr.edu.br Problema: Qual

Leia mais

Funções gramaticais: Sujeito e predicado. Luiz Arthur Pagani (UFPR)

Funções gramaticais: Sujeito e predicado. Luiz Arthur Pagani (UFPR) Funções gramaticais: Sujeito e predicado (UFPR) 1 1 Tradição gramatical termos essenciais: São termos essenciais da oração o sujeito e o predicado. [2, p. 119] As orações de estrutura favorita em português

Leia mais

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44 sumário APRESENTAÇÃO...13 1. O que se entende por língua Estudando a língua portuguesa...17 1.1 O Vocabulário: nascimento e morte das palavras. Consultando um dicionário...20 1.2 A Semântica: o sentido

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

ANO LETIVO 2016 / 2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA LÍNGUA ESTRANGEIRA I- INGLÊS (código 21) 9º ANO

ANO LETIVO 2016 / 2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA LÍNGUA ESTRANGEIRA I- INGLÊS (código 21) 9º ANO ANO LETIVO 2016 / 2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA LÍNGUA ESTRANGEIRA I- INGLÊS (código 21) 9º ANO INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova final de

Leia mais

A ANTEPOSH;XO DOS ADJETIVOS AO NOME DENTRO DO SINTAGMA NOMINAL

A ANTEPOSH;XO DOS ADJETIVOS AO NOME DENTRO DO SINTAGMA NOMINAL Gelza Matos NUNES (Inicia~ao Cientifica-USP) A ANTEPOSH;XO DOS ADJETIVOS AO NOME DENTRO DO SINTAGMA NOMINAL ABSTRACT: This paper has the purpose of preasenting research in regard to the function of adjectives

Leia mais

11.º ano. Maria Serafina Roque

11.º ano. Maria Serafina Roque 11.º ano Maria Serafina Roque O aspeto é uma categoria gramatical que nos dá informação acerca do início, do curso e do fim da ação expressa pelo verbo. A categoria aspeto, apesar de se relacionar com

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência Inglês (L.E.I) 11º ano Prova final do Ensino Secundário 2016/ 2017 Modalidade da prova escrita e oral O presente documento

Leia mais

2º ANO RESOLUÇÃO PARA PROVA DE 26/06/2014 GRAMÁTICA PROF. FASCINA

2º ANO RESOLUÇÃO PARA PROVA DE 26/06/2014 GRAMÁTICA PROF. FASCINA 2º ANO RESOLUÇÃO PARA PROVA DE 26/06/2014 GRAMÁTICA PROF. FASCINA MÓDULO 34 Olá, fiotes e fiotas rsrsrsrs (ok... sem graça...). Eu acho que dei essa matéria umas três vezes em aula... Então aqui há um

Leia mais

RESUMO DE DISSERTAÇÃO O SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS E INGLÊS: UMA ABORDAGEM GERATIVA

RESUMO DE DISSERTAÇÃO O SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS E INGLÊS: UMA ABORDAGEM GERATIVA RESUMO DE DISSERTAÇÃO O SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS E INGLÊS: UMA ABORDAGEM GERATIVA Mestrado em Letras Estudos Linguísticos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Unidade Universitária de Campo Grande-MS

Leia mais

Português. Profa. Flávia Rita

Português. Profa. Flávia Rita Português Profa. Flávia Rita Pergunta da Aluna: Danny Unidade: Para de minas 1- você mencionou em uma de suas aulas sobre pronome que o SE (sendo pronome apassivador) segue a regra dos demais pronomes

Leia mais

Linguística O Gerativismo de Chomsky

Linguística O Gerativismo de Chomsky Linguística O Gerativismo de Chomsky Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático A Gramática Gerativa Inatismo versus Behaviorismo Competência e Desempenho Estrutura Profunda e Estrutura Superficial Objetivos

Leia mais

Questões semânticas e pragmáticas sobre o verbo andar em português brasileiro

Questões semânticas e pragmáticas sobre o verbo andar em português brasileiro Questões semânticas e pragmáticas sobre o verbo andar Questões semânticas e pragmáticas sobre o verbo andar em português brasileiro Roberlei BERTUCCI Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR -

Leia mais

VERBO. Flávia Andrade

VERBO. Flávia Andrade VERBO Flávia Andrade DEFINIÇÃO Verbo é a palavra que exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno natural e outros processos, flexionando-se em pessoa, número, modo, tempo e voz. a. Ação: andar, causou,

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas O ASPECTO EM PORTUGUÊS E NOS CRIOULOS DE BASE LEXICAL PORTUGUESA (alguns pontos divergentes entre os dois sistemas) Barbara HLIBOWICKA-WEGLARZ 1 RESUMO: O objectivo do presente estudo é analisar os pontos

Leia mais

Resenhado por Auriane Meneses Mesquita Silva 1

Resenhado por Auriane Meneses Mesquita Silva 1 p. 325-330 Auriane M. M. Silva PARDO, M. L. Teoría y metodología de la investigación lingüística: método sincrónico-diacrónico de análisis lingüístico de textos. Buenos Aires: Tersites, 2011. 140 p. Resenhado

Leia mais

Colégio Diocesano Seridoense Ensino Fundamental II 2º Bimestre. Verbo. Professora: Caliana Medeiros.

Colégio Diocesano Seridoense Ensino Fundamental II 2º Bimestre. Verbo. Professora: Caliana Medeiros. Colégio Diocesano Seridoense Ensino Fundamental II 2º Bimestre Verbo Professora: Caliana Medeiros. Verbo é a palavra que indica ação (física ou mental praticada ou sofrida pelo sujeito), fato (de que o

Leia mais

Lesson 63: Reported speech. Lição 63: Discurso indireto

Lesson 63: Reported speech. Lição 63: Discurso indireto Lesson 63: Reported speech Lição 63: Discurso indireto Reading (Leitura) He told me that he would come. (Ele me disse que ele viria.) She said that she would be fine. (Ela disse que ela ficaria bem.) He

Leia mais

OS ADVERBIAIS NO PORTUGUES FALADO E ESCRITO SOB A PERSPECTIVA FUNCIONALISTA Dia 29 - Local: PB 18-14:00-18:00 Coordenador(a): frat/ide Gareti Pezatt/

OS ADVERBIAIS NO PORTUGUES FALADO E ESCRITO SOB A PERSPECTIVA FUNCIONALISTA Dia 29 - Local: PB 18-14:00-18:00 Coordenador(a): frat/ide Gareti Pezatt/ OS ADVERBIAIS NO PORTUGUES FALADO E ESCRITO SOB A PERSPECTIVA FUNCIONALISTA Dia 29 - Local: PB 18-14:00-18:00 Coordenador(a): frat/ide Gareti Pezatt/ A INSTABILIDADE CATEGORIAL ENTRE ADJETIVOS E ADVERBIOS:

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2017

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2017 INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2017 Prova 16 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Nº da aula 02. Estudo da Sintaxe

Nº da aula 02. Estudo da Sintaxe Página1 Curso/Disciplina: Português para Concurso. Aula: Estudo da Sintaxe: Sujeito. Conceito; Classificações: sujeito determinado e indeterminado - 02 Professor (a): Rafael Cunha Monitor (a): Amanda Ibiapina

Leia mais

Sinonímia. Em qual contexto não são sinônimas? Significado idêntico Mesmas condições de verdade (a) acarreta (b) e (b) acarreta (a) aluno = estudante

Sinonímia. Em qual contexto não são sinônimas? Significado idêntico Mesmas condições de verdade (a) acarreta (b) e (b) acarreta (a) aluno = estudante Sinonímia aluno = estudante (1) a. O comeu um chocolate. b. Turma com 40. c. Só um gosta de semântica. d. A bolsa é para de graduação.... Significado idêntico Mesmas condições de verdade (a) acarreta (b)

Leia mais

1 Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Linguística pela mesma instituição. Atualmente,

1 Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Linguística pela mesma instituição. Atualmente, 1 Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Linguística pela mesma instituição. Atualmente, é doutorando em Linguística da USP, com atuação na área de Sintaxe das Línguas Naturais.

Leia mais

6 Análise de dados. Predicados Existenciais Haver com sentido existencial 21 ocorrências (91%) Existir 2 ocorrências (9%)

6 Análise de dados. Predicados Existenciais Haver com sentido existencial 21 ocorrências (91%) Existir 2 ocorrências (9%) 6 Análise de dados A linha teórica escolhida para fundamentar esta pesquisa, o funcionalismo, justifica-se porque pretendo analisar a língua em uso, diferente da abordagem tradicional, que faz análise

Leia mais

Relativização em Apurinã

Relativização em Apurinã Relativização em Apurinã WILBUR N. PICKERING Para quem conhece uma língua não-indo-européia, existe sempre a tendência de aplicar novas teorias a ela. O presente trabalho é resultado de haver seu autor

Leia mais

A pontualidade e o uso dos conectivos temporais em PL2E: entendendo a cultura para entender a gramática

A pontualidade e o uso dos conectivos temporais em PL2E: entendendo a cultura para entender a gramática A pontualidade e o uso dos conectivos temporais em PL2E: entendendo a cultura para entender a gramática Adriana ALBUQUERQUE (PUC-Rio, Rio de janeiro Brasil) 1. Introdução O processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

Colégio Diocesano Seridoense- CDS 6º Ano- Língua Portuguesa Ensino Fundamental II. Modo Verbal. Prof: Caliana Medeiros

Colégio Diocesano Seridoense- CDS 6º Ano- Língua Portuguesa Ensino Fundamental II. Modo Verbal. Prof: Caliana Medeiros Colégio Diocesano Seridoense- CDS 6º Ano- Língua Portuguesa Ensino Fundamental II Modo Verbal Prof: Caliana Medeiros O que é o VERBO? São palavras que exprimem ação física ou mental, estado, fenômenos

Leia mais

9 - (CESGRANRIO) Complete CORRETAMENTE as lacunas da seguinte frase: A obra de Huxley, se faz alusão no texto, descreve uma sociedade os atos dos

9 - (CESGRANRIO) Complete CORRETAMENTE as lacunas da seguinte frase: A obra de Huxley, se faz alusão no texto, descreve uma sociedade os atos dos 9 - (CESGRANRIO) Complete CORRETAMENTE as lacunas da seguinte frase: A obra de Huxley, se faz alusão no texto, descreve uma sociedade os atos dos indivíduos são controlados por um sistema de televisão.

Leia mais

ENSINO MÉDIO CONTEÚDO 1 ª SÉRIE

ENSINO MÉDIO CONTEÚDO 1 ª SÉRIE ENSINO MÉDIO CONTEÚDO 1 ª SÉRIE Língua Portuguesa Interpretação e compreensão de textos. Figuras de linguagem. Discurso direto e discurso indireto. Frase, período e oração. Período composto por coordenação.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE CAMPUS MATA NORTE ESCOLA DE APLICAÇÃO PROFESSOR CHAVES TESTE SELETIVO Anexo IV PROGRAMAS

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE CAMPUS MATA NORTE ESCOLA DE APLICAÇÃO PROFESSOR CHAVES TESTE SELETIVO Anexo IV PROGRAMAS Anexo IV PROGRAMAS 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (antiga 5ª série) Língua Portuguesa 1. LEITURA, COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS, CONTEÚDOS GRAMATICAIS. 1.1. Leitura e compreensão de diferentes tipos de

Leia mais

Verbos PROFESSORA CAMILLA

Verbos PROFESSORA CAMILLA Verbos PROFESSORA CAMILLA Conceituando Verbo é a classe de palavras que se flexiona em pessoa, número, tempo, modo e voz. Pode indicar, entre outros processos: ação; estado; fenômeno; ocorrência; desejo.

Leia mais

E sabida a natureza pronominal dos adverbios locativos pela gramatica

E sabida a natureza pronominal dos adverbios locativos pela gramatica E sabida a natureza pronominal dos adverbios locativos pela gramatica historica; porem, sincronicamente, as gramaticas tradicionais tern encarcerado suas formas na classe adverbial, em qualquer circunstancia

Leia mais

Sonia Maria Lazzarini CYRINO

Sonia Maria Lazzarini CYRINO Sonia Maria Lazzarini CYRINO (UEL) ABSTRACr: In this paper, I propose an explanation jor the occurrence oj the null "indirect object" in Portuguese and its occurrence in English with some verbs, by relating

Leia mais

Ocorrências e referências de la gente em língua hispânica

Ocorrências e referências de la gente em língua hispânica Ocorrências e referências de la gente em língua hispânica Francisca Paula Soares Maia (UFMG) Este artigo tem por objetivo contribuir para a ampliação dos conhecimentos em linguagem no universo hispânico,

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL MATRIZ CURRICULAR NOTURNO Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 1. Leitura e produção textual I 4 60 2. Introdução a informática 4

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ *

A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ * A DISTINÇÃO ENTRE AS FALAS MASCULINA E FEMININA EM ALGUMAS LÍNGUAS DA FAMÍLIA JÊ * Rodriana Dias Coelho Costa 1 Christiane Cunha de Oliveira 2 Faculdade de Letras/UFG rodrianacosta@gmail.com christiane.de.oliveira@hotmail.com

Leia mais

21467)7 5 $4#5+.'+41 &+#.'6#. 6'/#5)4#/#6+%#+5

21467)7 5 $4#5+.'+41 &+#.'6#. 6'/#5)4#/#6+%#+5 21467)7 5 $4#5+.'+41 &+#.'6#. 6'/#5)4#/#6+%#+5 , 0+#/4#/15 57'.+/#4+#%1'.*1 14)#0+

Leia mais

Aula5 CONSTRUÇÕES INTERROGATIVAS. Lêda Corrêa

Aula5 CONSTRUÇÕES INTERROGATIVAS. Lêda Corrêa Aula5 CONSTRUÇÕES INTERROGATIVAS META Apresentar construções oracionais interrogativas da língua portuguesa; discriminar os tipos de construções interrogativas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Análise Estética (formal) Análise Estilística (figuras de linguagem) Análise Gramatical (morfossintática) Análise Semântica (de significado) Análise

Leia mais

A SINTAXE A FAVOR DA CLAREZA. Paola C. Buvolini Freitas Mestre em Estudos Linguísticos Professora de Português do UniSALESIANO Lins

A SINTAXE A FAVOR DA CLAREZA. Paola C. Buvolini Freitas Mestre em Estudos Linguísticos Professora de Português do UniSALESIANO Lins A SINTAXE A FAVOR DA CLAREZA Paola C. Buvolini Freitas Mestre em Estudos Linguísticos Professora de Português do UniSALESIANO Lins Sintaxe e morfologia Áreas do estudo da gramática da língua que estruturam

Leia mais

Funções gramaticais: Complemento e adjunto. Luiz Arthur Pagani (UFPR)

Funções gramaticais: Complemento e adjunto. Luiz Arthur Pagani (UFPR) Funções gramaticais: Complemento e adjunto (UFPR) 1 1 Tradição gramatical termos essenciais termos acidentais: intaxe: um adjunto é um `elemento opcional', enquanto um complemento é um `elemento obrigatório'.[2,

Leia mais

EMPREGO DOS TEMPOS E. Prof. Everson Pereira

EMPREGO DOS TEMPOS E. Prof. Everson Pereira EMPREGO DOS TEMPOS E MODOS VERBAIS Prof. Everson Pereira MODOS VERBAIS Há três modos verbais: o indicativo, o subjuntivo e o imperativo. O indicativo é usado quando se toma como real ouverdadeiroaquiloquesefalaouseescreve.

Leia mais

Aula10 OUTRAS ESTRUTURAS ORACIONAIS POR SUBORDINAÇÃO

Aula10 OUTRAS ESTRUTURAS ORACIONAIS POR SUBORDINAÇÃO Aula10 OUTRAS ESTRUTURAS ORACIONAIS POR SUBORDINAÇÃO META Apresentar construções oracionais subordinadas por infinitivo, gerúndio, subjuntivo e indicativo. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Aula9 COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO. Lêda Corrêa

Aula9 COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO. Lêda Corrêa Aula9 COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO META Apresentar e distinguir os recursos da coordenação e da subordinação; ampliar a perspectiva dos recursos da coordenação e da subordinação. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA

COLÉGIO SANTA TERESINHA EU CONFIO COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 3ª ETAPA 2016 PROFESSOR (A): Juliana Silva Cordeiro TURMA: 4º

Leia mais

Categorias morfossintáticas do verbo

Categorias morfossintáticas do verbo Categorias morfossintáticas do verbo A- Tempo O tempo identifica o momento em que se realiza a ação. Presente: situa a ação no momento da enunciação. Pretérito: situa a ação num momento anterior ao da

Leia mais

Variação social ou diastrática

Variação social ou diastrática L.E. Semana 3 Sábado Variação social ou diastrática Variação linguística a partir da posição social ocupada pelo falante A idade do falante é um importante elemento na produção do discurso oral e escrito.

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA. Formadora: Maria Antónia Branca

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA. Formadora: Maria Antónia Branca CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA Formadora: Maria Antónia Branca Luanda, Janeiro de 2017 Este curso, a realizar pelo Centro de Formação e

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

O INFINITIVO FLEXIONADO: uma questão gramatical ou estilística Vivian da Silva 1 Professor Doutor Sérgio Menuzzi 2 Outubro 2011

O INFINITIVO FLEXIONADO: uma questão gramatical ou estilística Vivian da Silva 1 Professor Doutor Sérgio Menuzzi 2 Outubro 2011 1 O INFINITIVO FLEXIONADO: uma questão gramatical ou estilística Vivian da Silva 1 Professor Doutor Sérgio Menuzzi 2 Outubro 2011 RESUMO O presente artigo tem o objetivo de refletir e analisar uma das

Leia mais

Aula 6 Funções sintáticas e transitividade verbal (segunda parte)

Aula 6 Funções sintáticas e transitividade verbal (segunda parte) Aula 6 Funções sintáticas e transitividade verbal (segunda parte) Pablo Faria HL220C Prática de análise gramatical IEL/UNICAMP SUMÁRIO AULA ANTERIOR Classificações da regência verbal Um meio-termo satisfatório

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO JURÍDICA Código da Disciplina: JUR 311 Curso: DIREITO Semestre de Oferta da Disciplina: 2º Faculdade Responsável: DIREITO Programa em vigência

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

Documentação judicial e registros de língua falada. Nathalia Reis Fernandes

Documentação judicial e registros de língua falada. Nathalia Reis Fernandes Documentação judicial e registros de língua falada Nathalia Reis Fernandes 5.11.2012 1 Objetivo Demonstrar que a documentação judicial pode ser fonte confiável de registro da língua falada numa época em

Leia mais

Variação Linguística. Professora Camilla

Variação Linguística. Professora Camilla Variação Linguística Professora Camilla CONCEITUANDO: Não existe um único jeito de falar a língua portuguesa. VARIEDADES LINGUÍSTICAS: são as variações que uma língua apresenta em razão das condições sociais,

Leia mais

FUNDAÇÃO EUCLIDES DA CUNHA CONCURSO PÚBLICO DE SÃO MATEUS RESPOSTA AO RECURSO DA PROVA OBJETIVA

FUNDAÇÃO EUCLIDES DA CUNHA CONCURSO PÚBLICO DE SÃO MATEUS RESPOSTA AO RECURSO DA PROVA OBJETIVA CONCURSO PÚBLICO DE SÃO MATEUS CARGO: Fonoaudiólogo S 43 QUESTÃO NÚMERO: 03 Embora a candidata não tenha apresentado fundamentação teórica, para dar origem ao presente recurso, esta Banca informa que a

Leia mais

Pronomes Relativos. Gramatica Morfologia

Pronomes Relativos. Gramatica Morfologia Pronomes Relativos Gramatica Morfologia Definição São pronomes relativos aqueles que representam nomes já mencionados anteriormente e com os quais se relacionam. Introduzem as orações subordinadas adjetivas.

Leia mais

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores LET 1 - DISCIPLINAS DO SETORES DE LÍNGUA PORTUGUESA,LITERATURAS E LATIM Atenção: As disciplinas em negrito são novas disciplinas propostas.

Leia mais

Apresentação de Trabalho

Apresentação de Trabalho Apresentação de Trabalho Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda n Importância da Apresentação n O que falar? n Para quem

Leia mais

Evento: Concurso Público para Provimento de Cargo Técnico-Administrativo em Educação Edital N 144/2016 PARECER

Evento: Concurso Público para Provimento de Cargo Técnico-Administrativo em Educação Edital N 144/2016 PARECER UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Evento: Concurso Público para Provimento de Cargo Técnico-Administrativo em Educação Edital N 144/2016 PARECER A Comissão Examinadora da Prova

Leia mais

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA Jessé Pantoja SERRÃO (G-UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA) 120 Resumo Este artigo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Chapecó Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

Interpretações semânticas do Pretérito Perfeito: Pretérito ou Presente?

Interpretações semânticas do Pretérito Perfeito: Pretérito ou Presente? Interpretações semânticas do Pretérito Perfeito: Pretérito ou Presente? JULIANA BERTUCCI BARBOSA Professora doutora da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM Uberaba). e mail: juliana@ielachs.uftm.edu.br

Leia mais

UM ESTUOO SINCRONICO SOBRE 0 EMPREGO 00 MAIS-QUE-PERFEITO NO PORTUGU S 00 BRASIL. no portugues atual do Brasil falado e escrito, temos

UM ESTUOO SINCRONICO SOBRE 0 EMPREGO 00 MAIS-QUE-PERFEITO NO PORTUGU S 00 BRASIL. no portugues atual do Brasil falado e escrito, temos UM ESTUOO SINCRONICO SOBRE 0 EMPREGO 00 MAIS-QUE-PERFEITO NO PORTUGU S 00 BRASIL Liliane UFRJ Machado Ao focalizar 0 emprego do mais-que-perfeito do Indicativo no portugues atual do Brasil falado e escrito,

Leia mais

DOMÍNIOS DE Revista Eletrônica de Lingüística Ano 1, nº1 1º Semestre de 2007 ISSN

DOMÍNIOS DE Revista Eletrônica de Lingüística Ano 1, nº1 1º Semestre de 2007 ISSN ESTUDO EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL DO USO DO SUJEITO NULO NA FALA DE BELO HORIZONTE Nasle Maria Cabana RESUMO Neste artigo, analisa-se o comportamento do sujeito pronominal lexical e sujeito pronominal

Leia mais

1. Objeto de avaliação

1. Objeto de avaliação Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol 9º ano 3º ciclo do Ensino Básico Prova 15 2015 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa de Espanhol para o 3º Ciclo Língua estrangeira

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO: TRADICIONALISMO OU INTERAÇÃO? RESUMO

ANAIS 2010 ISSN GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO: TRADICIONALISMO OU INTERAÇÃO? RESUMO GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO: TRADICIONALISMO OU INTERAÇÃO? Flávia Barbosa Ilídio Luma de Fátima Sanches (Gdas-CLCA-UENP/CJ.) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) RESUMO Uma

Leia mais

5 Comentários. 5.1 O Problema do Predicativo do Sujeito

5 Comentários. 5.1 O Problema do Predicativo do Sujeito 5 Comentários 5.1 O Problema do Predicativo do Sujeito Considerar o predicativo do sujeito um actante (como fazem Brito e Bechara) implica incluir os tradicionalmente chamados verbos de ligação ou copulativos

Leia mais

A MITOLOGIA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO

A MITOLOGIA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO A MITOLOGIA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO Volmir Antonio Silveira 1 Referência: BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico - o que é, como se faz. 49ª ed. São Paulo: Loyola, 1999.185 p. Dados sobre o autor: Marcos

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência Inglês (L.E.I) 9º ano Prova final do 3.º Ciclo do Ensino Básico 2016 /2017 Modalidade da prova escrita e oral O presente

Leia mais

O PROGRESSIVO EM PB E EM FRANCÊS

O PROGRESSIVO EM PB E EM FRANCÊS Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (761-765) Letícia Tancredo GALLOTTI (PG UFSC) O PROGRESSIVO EM PB E EM FRANCÊS ABSTRACT: The aim of this paper is to study the progressive in brazilian

Leia mais

FEEL LIKE: o que significa em Inglês?

FEEL LIKE: o que significa em Inglês? FEEL LIKE: o que significa em Inglês? Feel like é uma daquelas expressões que geram muita confusão. Isso ocorre, geralmente, porque tendemos a olhar o significado das palavras feel e like no dicionário.

Leia mais

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa ABSTRACT: This paper presents a study of arbitrary null objects in Brazilian Portuguese. The main focus of this research is to discuss the relations of verbal transitivity and intransitivity in the subcategorization

Leia mais

Semana 4 Quarta Feira L.E. To Have IV. Auxiliary HAVE

Semana 4 Quarta Feira L.E. To Have IV. Auxiliary HAVE L.E. Semana 4 Quarta Feira To Have IV Auxiliary HAVE To Have IV Qual a diferença entre verbo auxiliar e verbo principal? To Have IV a) My friend a videogame. (imcompreensível) Meu amigo um videogame. b)

Leia mais

MARÇO MATUTINO Estudo dirigido de Espanhol: 102, 202, 301, 302 Conteúdo:

MARÇO MATUTINO Estudo dirigido de Espanhol: 102, 202, 301, 302 Conteúdo: MARÇO Dia 01 02 03 MATUTINO Estudo dirigido de Espanhol: 102, 202, 301, 302 Caderno Avaliação de História: 8º Anos Avaliação de Português: 6º Ano A e B Compreensão de texto; Linguagem comunicação; Fala

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: língua Apinayé, sintaxe, educação escolar indígena.

PALAVRAS-CHAVE: língua Apinayé, sintaxe, educação escolar indígena. ASPECTOS SINTÁTICOS DA LÍNGUA APINAYÉ Loureane Rocha de SOUZA 1 Francisco Edviges ALBUQUERQUE 2 1 Aluna do curso de Licenciatura em Letras; Universidade Federal do Tocantins, campus de Araguaína; e- mail:

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 11 Variações linguísticas

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 11 Variações linguísticas Bárbara da Silva Literatura Aula 11 Variações linguísticas A variação linguística é um fenômeno que acontece com a língua, e pode ser compreendida por intermédio das variações históricas e regionais. Em

Leia mais

Classes de Palavras (Morfologia) Flexão Nominal e Verbal. Prof Carlos Zambeli

Classes de Palavras (Morfologia) Flexão Nominal e Verbal. Prof Carlos Zambeli Classes de Palavras (Morfologia) Flexão Nominal e Verbal Prof Carlos Zambeli A morfologia está agrupada em dez classes, denominadas classes de palavras ou classes gramaticais. São elas: Substantivo, Artigo,

Leia mais

(1) A análise dos resultados experimentais indicaram um efeito principal de número do núcleo interveniente no processamento da concordância.

(1) A análise dos resultados experimentais indicaram um efeito principal de número do núcleo interveniente no processamento da concordância. 1 Introdução A presente tese tem como tema o processamento da concordância de número entre sujeito e verbo na produção de sentenças e está vinculada ao Projeto Explorando relações de interface língua-sistemas

Leia mais

INDAGAÇÕES SOBRE A GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO

INDAGAÇÕES SOBRE A GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO INDAGAÇÕES SOBRE A GRAMÁTICA NO LIVRO DIDÁTICO Flávia Barbosa ILÍDIO Flavia-ilidio@bol.com.br Luma de Fátima SANCHES (G-UENP/Campus Jac.) Marilúcia dos Santos Domingos STRIQUER (orientadora - UENP/Jac.)

Leia mais

6 CLASSES E FUNÇÕES (SUBSTANTIVO)

6 CLASSES E FUNÇÕES (SUBSTANTIVO) Aula 6 CLASSES E FUNÇÕES (SUBSTANTIVO) META Explicar as relações entre as classes e as funções sintáticas; Expor a morfossintaxe do substantivo e suas funções sintáticas. OBJETIVOS Ao final desta aula

Leia mais

Ex. A garota com quem simpatizei está à sua procura. Os alunos cujas redações foram escolhidas receberão um prêmio.

Ex. A garota com quem simpatizei está à sua procura. Os alunos cujas redações foram escolhidas receberão um prêmio. A) Restritiva: é aquela que limita, restringe o sentido do substantivo ou pronome a que se refere. A restritiva funciona como adjunto adnominal de um termo da oração principal e não pode ser isolada por

Leia mais

OS TONGAS: CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

OS TONGAS: CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO 1 OS TONGAS: CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO Norma da Silva LOPES (Universidade do Estado da Bahia) nlopes58@gmail.com Alan Norman BAXTER (Universidade Federal da Bahia) alannbaxter@gmail.com

Leia mais

Disciplina: Língua Portuguesa (Nível Médio) Grupo 2

Disciplina: Língua Portuguesa (Nível Médio) Grupo 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos Edital nº 293/2016 Resultado do julgamento dos recursos interpostos contra as questões

Leia mais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais Língua Portuguesa Nesta bimestral você aprendeu sobre diversos conceitos como Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe, e partir desses conceitos vamos revisar os principais assuntos estudados. Quando falamos

Leia mais

Relatório completo de proficiência da língua inglesa

Relatório completo de proficiência da língua inglesa Relatório completo de proficiência da língua inglesa 1 2 Entenda a avaliação Nesta avaliação de proficiência de inglês como língua estrangeira, quantificamos e identificamos o nível e perfil atual do candidato,

Leia mais

FRANCÊS 9ºano ABRIL 2015

FRANCÊS 9ºano ABRIL 2015 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 9ºano ABRIL 2015 Prova 16 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) 1. Introdução O presente documento dá a conhecer

Leia mais

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p Aula 6 GERATIVISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Linguística Gerativa Gerativismo Gramática Gerativa

Leia mais

O USO DE VERBOS MODAIS DE ABSTRACTS EM DA ÁREA DE LINGUÍSTICA

O USO DE VERBOS MODAIS DE ABSTRACTS EM DA ÁREA DE LINGUÍSTICA O USO DE VERBOS MODAIS DE ABSTRACTS EM DA ÁREA DE LINGUÍSTICA SARMENTO, S. SCORTEGAGNA, B. INTRODUÇÃO O estudo do uso dos verbos modais em textos acadêmicos mostra-se relevante, pois expressa a crença

Leia mais

Portuguesa a Estrangeiros

Portuguesa a Estrangeiros CATE Ensino da Língua Portuguesa a Estrangeiros CATE de S. J. da Madeira (http://catedesjmadeira.wordpress.com) POLÍTICA E ORIENTAÇÃO DE TRABALHO Blog O Blog CATE Ensino da Língua Portuguesa a Estrangeiros

Leia mais

A ALTERNÂNCIA DOS MODOS SUBJUNTIVO/INDICATIVO COM VERBOS DE JULGAMENTO

A ALTERNÂNCIA DOS MODOS SUBJUNTIVO/INDICATIVO COM VERBOS DE JULGAMENTO A ALTERNÂNCIA DOS MODOS SUBJUNTIVO/INDICATIVO COM VERBOS DE JULGAMENTO Áurea Cristina Bezerra da Silva Pinho Francineudo Duarte Pinheiro Júnior INTRODUÇÃO Alguns estudos, no Brasil, já se detiveram sobre

Leia mais

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor.

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor. ABSTRACT: Following the tradition of English grammar, some authors have distinguished between count and non-count nouns in Portuguese. The present paper resumes this discussion and develops the hypothesis

Leia mais

ASPECTOS DA APRENDIZAGEM DE COLOCAÇÕES EM PORTUGUÊS L2

ASPECTOS DA APRENDIZAGEM DE COLOCAÇÕES EM PORTUGUÊS L2 ASPECTOS DA APRENDIZAGEM DE COLOCAÇÕES EM PORTUGUÊS L2 Ângela Maria Pereira da Costa Faculdade de Letras Universidade de Coimbra 2010 Atingir a proficiência numa L2 que se aproxime da de um falante nativo

Leia mais