PREÇOS E CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SILOPOR,SA. Em vigor desde 1 de Janeiro de até. 30 de Junho de 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREÇOS E CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SILOPOR,SA. Em vigor desde 1 de Janeiro de 2015. até. 30 de Junho de 2015"

Transcrição

1 2015 PREÇOS E CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA SILOPOR,SA Em vigor s 1 Janeiro 2015 até 30 Junho 2015

2 1. TABELA DE PREÇOS BASE DA FACTURAÇÃO PARA O TERMINAL DO BEATO 1.1 Serviço scarga navios, com armazenagem incluída: GRUPOS DE PRODUTOS TERMINAL PORTUÁRIO DO BEATO (Consoante os períodos armazenagem utilizados e a tonelagem a scarregar no Beato, por navio) 8 dias 9/30 dias 31/60 dias ( /.) 5.000tn De A Superior a De A Superior a De A Superior a Cereais Origem UE (1) 5,608 5,543 5,517 7,020 6,921 6,881 9,800 9,672 9,606 Trigos origem PT Milhos origempt 5,671 5,608 5,579 7,020 6,921 6,881 9,606 9,469 9,418 6,670 6,652 6,614 9,939 9,939 9, ,705 12,705 12,680 Semente Girassol 10,475 10,322 10,271 14,360 14,144 14,081 14,360 14,144 14,081 Sementes colza e outros produtos em 5,774 5,683 5,658 9,136 8,997 8,959 12,068 11,903 11,839 grão (1) No caso particular do milho com origem na UE cujo levantamento no Silo do Beato seja feito durante os dois primeiros dias úteis, contados s o início da scarga, o preço da scarga será... /tn 4, Tabela armazenagem aplicável a partir dos 60 dias incluídos no preço scarga navios: TERMINAL PORTUÁRIO DO BEATO (Consoante os períodos armazenagem utilizados) ( //dia) A contagem do tempo armazenagem tem início no 1º dia scarga do navio De A Superior a De A Superior a De A Do 61º ao 75º dia Do 76º ao 90º dia Do 91º ao 105º dia 0,076 0,076 0,076 0,155 0,135 0,105 Superior a ,828 0,245 0,159 0,123 Do 106º ao 120º dia Do 121º ao 135º dia Do 136º ao 150º dia 0,367 0,186 0,150 0,431 0,247 0,186 0,490 0,431 0,247 A partir do 151º dia 0,619 0,497 0,436 SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 2

3 1. TABELA DE PREÇOS BASE DA FACTURAÇÃO PARA O TERMINAL DO BEATO 1.3. Serviço IN/OUT (recepção terrestre incluindo a armazenagem): GRUPOS DE PRODUTOS TERMINAL PORTUÁRIO DO BEATO (Consoante os períodos armazenagem utilizados) ( /) 8 dias 9/30 dias 31/60 dias Cereais nacionais 1,986 3,736 7,216 Restantes Produtos 2,317 4,557 8, Tabela armazenagem aplicável aos produtos recebidos por via terrestre A contagem do tempo armazenagem tem início no 1º dia recepção terrestre TERMINAL PORTUÁRIO DO BEATO (Consoante os períodos armazenamento utilizados) ( //dia) Do 61º ao 75º dia Do 76º ao 90º dia Do 91º ao 105º dia 0,076 0,155 0,247 Do 106º ao 120º dia Do 121º ao 135º dia Do 136º ao 150º dia 0,369 0,433 0,493 A partir do 151º dia 0, Tabela armazenagem aplicável aos produtos cuja proprieda seja adquirida no Silo, por transferência. A contagem do tempo armazenagem tem início no dia em que a proprieda seja transferida TERMINAL PORTUÁRIO DO BEATO (Consoante os períodos armazenamento utilizados) ( //dia) Do 1º ao 15º dia Do 16º ao 30º dia Do 31º ao 45º dia 0,076 0,155 0,247 Do 46º ao 60º dia Do 61º ao 75º dia Do 76º ao 90º dia 0,369 0,433 0,493 A partir do 91º dia 0,619 SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 3

4 2. TABELA DE PREÇOS BASE DA FACTURAÇÃO PARA O TERMINAL DA TRAFARIA 2.1 Serviço scarga navios, com armazenagem incluída: GRUPOS DE TERMINAL PORTUÁRIO DA TRAFARIA (Consoante os períodos armazenagem utilizados e a tonelagem a scarregar na Trafaria, por navio) 8 dias 9/30 dias 31/60 dias ( /.) PRODUTOS a Cereais Origem UE 6,248 5,517 5,479 5,453 6,939 6,881 6,855 6,843 9,687 9,606 9,585 9,558 Trigos origem PT Milhos origem PT Semente Colza e Outros Produtos em grão (a) 6,690 5,579 5,557 5,530 6,939 6,881 6,855 6,843 9,562 9,418 9,392 9,387 6,690 6,653 6,628 6,510 9,749 9,631 9,890 9, ,460 12,680 12,654 12,628 5,683 5,658 5,619 5,453 8,997 8,959 8,958 8,603 11,889 11,839 11,824 11,482 Mandioca ou Corn Glúten 10,005 9,979 9,829 9,569 12,739 12,552 12,490 12,117 12,739 12,552 12,490 12,169 D.D.G., polpa citrinos, farinhas soja ou girassol ou outras Outros peletes ou farinhas, sementes girassol e diversos 9,852 9,827 9,680 9,424 12,545 12,361 12,300 11,933 13,584 13,402 13,339 12,937 10,079 10,016 9,906 9,645 13,944 13,733 13,683 13,247 13,944 13,733 13,683 13,247 (a) No caso especial da scarga navios com mais tons grão soja ou semente colza, o preço da scarga, efectuada ao rio Mínimo tons e incluindo 30 dias armazenagem é.. / 4,439 SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 4

5 2. TABELA DE PREÇOS BASE DA FACTURAÇÃO PARA O TERMINAL DA TRAFARIA 2.2 Tabela armazenagem produtos em grão e peletizados, excepto para produtos peletizados escoamento lento, após os 60 ou os 30 dias (no caso referido em (a)), incluídos na scarga: TERMINAL PORTUÁRIO DA TRAFARIA (Consoante os períodos armazenagem utilizados e a tonelagem () a scarregar na Trafaria, por navio) ( /.) A contagem do tempo armazenagem tem início no 1º dia scarga do navio a Do 61º ao 75º dia Do 76º ao 90º dia Do 91º dia ao 105º dia 0,073 0,073 0,073 0,073 0,149 0,098 0,073 0,073 0,259 0,150 0,098 0,073 Do 106º ao 120º dia Do 121º dia ao 135º dia Do 136º dia ao 150º dia 0,311 0,311 0,248 0,150 0,374 0,311 0,311 0,248 0,437 0,370 0,311 0,311 A partir do 151º dia 0,496 0,437 0,375 0, Tabela armazenagem produtos peletizados escoamento lento, aplicável após os 60 dias incluídos no preço scarga navios (produtos do grupo Outros peletes ou farinhas, semente girassol e colza e diversos): TERMINAL PORTUÁRIO DA TRAFARIA (Consoante os períodos armazenagem utilizados e a tonelagem (t) a scarregar na Trafaria, por navio) ( /.) A contagem do tempo armazenagem tem início no 1º dia scarga do navio a Do 61º ao 75º dia Do 76º ao 90º dia Do 91º dia ao 105º dia 0,073 0,073 0,073 0,073 0,149 0,073 0,073 0,073 0,248 0,150 0,098 0,073 Do 106º ao 120º dia Do 121º dia ao 135º dia Do 136º dia ao 150º dia 0,311 0,248 0,150 0,150 0,374 0,300 0,248 0,248 0,437 0,370 0,311 0,311 A partir do 151º dia 0,478 0,496 0,437 0,375 SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 5

6 2.TABELA DE PREÇOS BASE DA FACTURAÇÃO PARA O TERMINAL DA TRAFARIA 2.4 Serviço IN/OUT (recepção terrestre, incluindo armazenagem): GRUPOS DE PRODUTOS TERMINAL PORTUÁRIO DA TRAFARIA (Consoante os períodos armazenagem utilizados) ( /) 8 dias 9/30 dias 31/60 dias Cereais nacionais 1,986 3,736 7,216 Restantes Produtos 2,317 4,557 8, Tabela armazenagem aplicável aos produtos recebidos por via terrestre A contagem do tempo armazenagem tem início no 1º dia recepção terrestre TERMINAL PORTUÁRIO DA TRAFARIA (Consoante os períodos armazenamento utilizados) ( //dia) Do 61º ao 75º dia Do 76º ao 90º dia Do 91º ao 105º dia 0,073 0,149 0,248 Do 106º ao 120º dia Do 121º ao 135º dia Do 136º ao 150º dia 0,311 0,374 0,437 A partir do 151º dia 0, Tabela armazenagem aplicável aos produtos cuja proprieda seja adquirida no Silo, por transferência: A contagem do tempo armazenagem tem início no dia em que a proprieda for transferida TERMINAL PORTUÁRIO DA TRAFARIA (Consoante os períodos armazenamento utilizados) ( //dia) Do 1º ao 5º dia Do 16º ao 30º dia Do 31º ao 45º dia 0,073 0,149 0,248 Do 46º ao 60º dia Do 61º ao 75º dia Do 76º ao 90º dia 0,311 0,374 0,437 A partir do 91º dia 0,496 SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 6

7 3. TRANSPORTE FLUVIAL ENTRE OS TERMINAIS DA TRAFARIA E DO BEATO, ATRAVÉS DO BATELÃO SILOPOR 3.1 Transferência fluvial para o Terminal do Beato, através do batelão SILOPOR, dos produtos em grão recebidos na Trafaria, em complemento scarga ou recepção rodoviária neste último Terminal. Preço para a transferência Trafaria/Beato: / facturável: 2400 ) 1,939 (quantida mínima 3.2 O preço acima refere-se à transferência produtos em grão entre os Terminais da Trafaria e do Beato. Tratando-se uma movimentação complementar, a transferência fluvial será efectuada acordo, não só com a disponibilida da embarcação mas também com as disponibilidas operacionais dos dois Terminais. Mediante negociação, porão ser fornecidas cotações para percursos com origens ou stinos diferentes. 4. CONDIÇÕES GERAIS DE FACTURAÇÃO 4.1 Os preços constantes das Tabelas scarga nos Terminais do Beato e da Trafaria que incluem 8, 30 ou 60 dias armazenagem, porão beneficiar um prémio filização do cliente no porto Lisboa s que esse sejo seja previamente manifestado à SILOPOR a qual, para esse efeito, proporá a assinatura um protocolo asão vinculando ambas as partes durante o ano O referido prémio correspon ao sconto 5% sobre os preços scarga com armazenagem incluída acima referidos e será praticado a partir do momento em que a movimentação scarga nos Terminais da SILOPOR em Lisboa atinja toneladas dos diversos produtos ou toneladas outros peletes ou farinhas, semente girassol e diversos. 4.2 A facturação será emitida à data da scarga, na base dos preços com 8 dias armazenagem incluída constantes da Tabela Preços, sendo as existências em Silo no final do 8º dia e do 30º dia objecto débitos adicionais armazenagem, acordo com os diferenciais preços respectivos. O primeiro dia efectivo scarga, qualquer que seja a hora do seu início, será consirado como o primeiro dia, para efeitos contagem do período armazenagem. 4.3 Para as permanências produtos em Silo superiores aos 60 dias previstos nas Tabelas Descarga e nas Recepção Terrestre, aplicar-se-á, adicionalmente o tarifário constante das Tabelas armazenagem corresponntes a cada Terminal e a cada tipo operação. 4.4 A presente Tabela Preços e Condições da Prestação Serviços aplica-se somente às operações iniciadas a partir 1 Janeiro 2015, mantendo-se válidos, por consequência, os preços e condições em vigor antes daquela data para as operações anteriormente iniciadas. SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 7

8 4.5 Os valores constantes da Tabela Preços ficam sujeitos a eventuais agravamentos, por motivos excepcionais, nomeadamente pela ocorrência aumentos sensíveis nos preços dos factores. 5. SERVIÇOS DE DESCARGA E ARMAZENAGEM ENCARGOS ADICIONAIS 5.1 Preços dos serviços extraordinários a efectuar pela SILOPOR, a pedido do Cliente ou mediante autorização prévia: a) Passagem simples cereais à tarara ou homogeneização lotes:.. /. 0,882 b) Arejamento/recirculação em resultado vício próprio da mercadoria:. /. 1,506 c) Desinfestação produtos: / 2,147 d) Serviço apoio logístico à expedição dos produtos:.. / 0,110 e) Expedição produtos após as 17h00, WWWDSSHEX: período das 17 às 20 horas:... /período 1.000,00 período das 20 às 24 horas:..... /período 1.600,00 f) Transferência proprieda produtos em Silo: / 0,250 válida apenas quando solicitada por ambas as partes, por escrito; a cedência proprieda será bitada ao cente passando o novo proprietário a assumir os encargos com a armazenagem acordo com a Tabela em vigor; o preço acima indicado refere-se à primeira transferência efectuada. Aquele preço sofrerá um agravamento 50% por cada nova transferência do mesmo produto. g) Recepção e expedição terrestre produto volvido por razões alheias à SILOPOR: /camião 175,00 h) Armazenagem individualizada lote até 50 por indício avaria /semana 360,00 i) Outros serviços extraordinários não previstos nos pontos acima serão objecto negociação, caso a caso, acordo com os custos envolvidos. 5.2 Agravamento do preço base por saquação às Condições Gerais dos Serviços a prestar pela SILOPOR: j) Navio fora das condições bulk carrier :. /porão 2.725,00 k) Existência separadores entre cargas, por separador: ,00 l) Improdutivida equipamentos e pessoal portuário por causas alheias à SILOPOR no período (08/17h ou 17/24h) e por máquina: 5.735,00 m) Remoção manual para fora do porão do navio materiais estranhos à mercadoria, por cada período (08/17h ou 17/24h):.. /porão 5.735,00 n) Elevado grau pulverulência da mercadoria (agravamento do preço base): 15% SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 8

9 o) Existência materiais estranhos misturados na mercadoria: (agravamento do preço base); 15% p) A tonelagem mínima a consirar para efeitos facturação será toneladas para o serviço carga navio, toneladas para a scarga navio, 50 toneladas para a recepção produtos por via terrestre ou para o serviço armazenagem. q) Outras situações não previstas nos pontos acima serão negociadas, caso a caso, acordo com os custos envolvidos. SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 9

10 6. CONDIÇÕES GERAIS DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS A prestação dos serviços scarga e armazenagem da SILOPOR está sujeita às suas disponibilidas cais e espaço armazenagem no momento bem como ao critério first come, first served. Os preços em vigor bem como os rios scarga negociados entenm-se válidos apenas nas seguintes condições: 6.1 Para navios do tipo bulk carrier, sem obstáculos à operação dos meios scarga, non self-unloading, box shaped, open shelter e sem separadores entre cargas nem bandas fumigação. 6.2 Para produtos homogéneos, com características standard, que apresentem temperaturas à scarga inferiores a 45º C, teor humida relativa máxima 14%, e que não necessitem arejamento durante a scarga por terem sofrido fumigação, vendo as quantidas mínimas a operar num mesmo Terminal serem superiores a toneladas para os navios a carregar ou toneladas, no caso scarga navio, ou acima 50 toneladas, tratando-se recepção por via terrestre. 6.3 As scargas navios efectuam-se entre as 08h00 e as 24h00 (com interrupção para as refeições entre as 12h00 e as 13h00 e entre as 20h00 e as 21h00), WWDSSHEX, wp, e a contagem tempo para efeitos terminação do rio scarga situa-se ntro das seguintes coornadas, s que o navio esteja atracado e pronto a trabalhar. Início da contagem: no período trabalho previamente assumido pelo cliente, ou pelo representante; Fim da contagem: no momento em que a scarga é dada por concluída. 6.4 A recepção e/ou a expedição terrestre produtos efectua-se nos períodos das 08h00 às 12h00 e das 13h00 às 17h00, WWDSSHEX (véspera Natal excluída), obecendo a expedição ao critério first in, first out. 6.5 Eventuais reclamações sobre o peso e a homogeneida dos produtos movimentados na SILOPOR só porão ser consiradas quando efectuadas antes da saída dos produtos das suas instalações. SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 10

11 6.6. Todos os produtos movimentados nas instalações da SILOPOR estão cobertos por seguro Riscos Multiusos Indústria, cobrindo os ramos Incêndio, Queda Raio e Explosão, Tempestas, Inundações, Danos por Água, Quedas Aeronaves, Choque ou Impacto veículos terrestres ou animais, Derrame acintal óleo, Derrame sistemas Hidráulicos protecção contra incêndio, Fenómenos Sísmicos, Aluimento terras, Greves, Tumultos e Alterações da orm pública, Furto ou Roubo, Perdas ou danos em produtos transportados entre os locais scarga e as instalações armazenagem, Perdas ou danos em consequência colapso estruturas (todos estes riscos estão cobertos até 7.481,969,00, por sinistro e anuida); Riscos eléctricos (até ,00) e Combustão Espontânea, s que se trate uma ocorrência carácter fortuito, súbito e imprevisto (correndo Conta do Cliente, neste caso, os encargos com a franquia ,00 bem como os encargos supervenientes). 6.7 Os produtos armazenados nos Silos da SILOPOR dispõem da possibilida utilizarem o Regime Entreposto Aduaneiro, sem qualquer encargo adicional. 6.8 O prazo pagamento das facturas da SILOPOR é 30 dias, contados a partir das respectivas datas emissão. Para além daquele prazo, serão vidos juros mora à taxa legal em vigor, sem prejuízo do exercício do direito retenção, reservando-se a SILOPOR o direito dispor da mercadoria nos termos e condições que entenr por convenientes, se, ntro do prazo da razoável conservação física da mesma, não tiver sido ressarcida dos seus créditos. Beneficiarão do sconto financeiro 0,5% as liquidações até 8 dias da data facturação quando efectuadas forma integral e continuada, s que essa opção do cliente seja previamente combinada com a SILOPOR. 6.9 A Tabela Preços e mais condições da prestação do Serviço da Secagem Milho bem como da recepção e armazenagem outros produtos em Vale Figueira será emitida até 15/08/2015. SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 11

12 6.10 GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR (De acordo com o requisito comunicação da norma NP EN ISO 22000:2005) A SILOPOR encontra-se certificada em Sistemas Gestão Segurança Alimentar, acordo com a norma NP EN ISO 22000:2005, s 12 Agosto Este sistema, sendo o mais abrangente no âmbito da Segurança Alimentar, inclui o Plano HACCP (para cumprimento obrigatório do Regulamento (CE) nº 852/2004, que vem sendo implementado na Empresa s Julho 2006), o Programa Pré-Requisitos Operacionais, o Manual Boas Práticas Higiene e Operação, bem como todos os mais instrumentos gestão, para cumprimento dos requisitos da norma. O Certificado nº PT09/025854, emitido pela SGS, entida certificadora acreditada para o efeito, engloba todas as instalações da Empresa: Terminal Portuário do Beato; Terminal Portuário da Trafaria; Silo Vale Figueira, e contempla toda a gama serviços prestados pela SILOPOR pelas actividas : Recepção, Movimentação, Armazenamento, Tratamento, Secagem, Expedição e Transporte Cereais e Outros Granéis Sólidos Alimentares. A renovação da Certificação que ficou concluída a 20 Setembro 2012, marca o início um novo ciclo certificação válido por três anos e permite à SILOPOR continuar a garantir a Segurança Alimentar dos produtos que movimenta e armazena através da aplicação dos seguintes procedimentos: Descarga/Recepção Nas scargas navios, monitorizar a aosfera dos porões (através empresa vidamente qualificada para o efeito), ficando o efectivo início da scarga condicionado, por razões Segurança, à terminação uma aosfera não tóxica obtida em função dos resultados dos parâmetros do ar medidos nos porões a scarregar Efectuar o controlo todos os produtos recebidos quanto ao aspecto macroscópico, à medição temperatura, terminação do peso específico e do teor humida, informando sempre o cliente/recebedor da mercadoria sobre os resultados stes parâmetros obtidos à chegada Caso se tecte produto infestado durante o controlo à recepção, a SILOPOR só iniciará, ou prosseguirá, a scarga mediante comunicação expressa do cliente/recebedor da carga, na qual seja confirmada a recepção da mercadoria infestada e assumidos os respectivos encargos com o serviço sinfestação previstos em 5.1 das Condições Gerais da Prestação Serviços. SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 12

13 Enfatizar a importância serem consirados todos os procedimentos stinados a apoiar a aplicação (obrigatória) dos princípios do código HACCP bem como a implementação sistemas boas práticas higiene, conservação, manutenção e operação por todos os operadores responsáveis pela produção, comercialização e distribuição dos produtos recebidos nos silos da SILOPOR. Preten-se, assim, contribuir para atingir o objectivo fechar o ciclo garantia produtos seguros em todas as fases da caia alimentar para os cereais e outros granéis sólidos alimentares movimentados nos silos da SILOPOR Armazenagem De acordo com o previsto no Plano HACCP, a SILOPOR efectua controlo regular temperatura dos produtos armazenados. A tecção valores anormais num produto em Silo dá origem a um Estado Suspeita que sencaará o controlo diário do referido parâmetro. Perante um agravamento dos valores anormais na temperatura do produto, será colhida uma amostra para spiste infestação, pondo então verificar-se uma duas situações possíveis: a) Infestação confirmada Neste caso, a SILOPOR reserva-se o direito intervir, promovendo imediato a necessária sinfestação do produto armazenado, acordo com as condições previstas em 5.1 das Condições Gerais da Prestação Serviços, b) Infestação não confirmada Situação em que a SILOPOR porá realizar um Arejamento/Recirculação do produto armazenado, mediante autorização do cliente/recebedor da mercadoria, aplicando-se as condições previstas em 5.1 das Condições Gerais da Prestação Serviços Expedição A aplicação do Sistema Segurança Alimentar ISO 22000:2005 a todos os processos da activida da Empresa, nomeadamente aos scarga e armazenagem, garante que o produto manterá, durante a sua permanência no Terminal/Silo, características idênticas às que foram registadas e comunicadas à data da sua recepção, não sendo necessário efectuar nova monitorização aquando da expedição dos produtos. A prestação serviços da SILOPOR termina no momento em que o produto é expedido e recepcionado pelo cliente/recebedor. Assim, uma vez entregue o produto no Terminal/Silo, a responsabilida das condições transporte/acondicionamento do produto é do cliente/recebedor ou outra entida por esta contratada, não efectuando a SILOPOR, modo sistemático, o controlo das condições em que se apresentam as viaturas. No entanto, sempre que o cliente/recebedor do produto pretenda inspeccionar esta operação, directamente ou através outra entida acreditada para o efeito, a SILOPOR compromete-se a prestar toda a colaboração, que, neste âmbito, lhe seja solicitada. SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 13

14 Outros Requisitos Auditorias ao Sistema Segurança Alimentar (SGSA) A manutenção da certificação do SGSA obriga a SILOPOR a cumprir um plano anual Auditorias internas realizadas por uma entida inpennte, e Auditorias Externas Auditorias acompanhamento e Renovação, realizadas pela entida Certificadora. O cliente ou outra entida oficial porá ter acesso aos relatórios auditoria enquanto evidências do sempenho da SILOPOR na prestação dos serviços Organismos Geneticamente Modificados (OGM), alergénios e outros contaminantes comuns Dadas as características intrínsecas das instalações e dos circuitos movimentação dos produtos instalados nos Terminais, a SILOPOR não po garantir a total segregação OGM, Alergénios, ou outros contaminantes comuns, comprometendo-se, no entanto, a seguir as boas práticas existentes no comércio internacional das matérias-primas/produtos que movimenta e armazena. SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 14

15 7. VALIDADE DAS PRESENTES CONDIÇÕES Os preços e condições da prestação serviços da SILOPOR constantes dos pontos anteriores são válidos apenas até 30 Junho Em qualquer das situações anteriores, os preços e mais condições apenas serão válidos até à data da tomada posse da entida a quem venha a ser concessionada a exploração da activida dos Silos, se esta ocorrer na vigência das presentes condições. SILOPOR EMPRESA DE SILOS PORTUÁRIOS, S.A. (em liquidação) Página 15

PREÇOS E CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SILOPOR,SA. Em vigor desde 1 de Julho de 2015. até. 31 de Dezembro de 2015

PREÇOS E CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SILOPOR,SA. Em vigor desde 1 de Julho de 2015. até. 31 de Dezembro de 2015 2015 PREÇOS E CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA SILOPOR,SA Em vigor desde 1 de Julho de 2015 até 31 de Dezembro de 2015 1. TABELA DE PREÇOS BASE DA FACTURAÇÃO PARA O TERMINAL DO BEATO 1.1 Serviço de

Leia mais

CONDIÇÕES A PRATICAR PELA SOCARPOR S.A. NO TERMINAL SOGRAIN PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DESCARGA E ARMAZENAGEM DE CEREAIS FREE FLOWING GRAIN.

CONDIÇÕES A PRATICAR PELA SOCARPOR S.A. NO TERMINAL SOGRAIN PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DESCARGA E ARMAZENAGEM DE CEREAIS FREE FLOWING GRAIN. CONDIÇÕES A PRATICAR PELA SOCARPOR S.A. NO TERMINAL SOGRAIN PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DESCARGA E ARMAZENAGEM DE CEREAIS FREE FLOWING GRAIN. Em vigor a partir de 01 Janeiro 2010 1. TARIFAS A PRATICAR

Leia mais

uma vasta protecção para quem lhe exige sempre o melhor serviço serviços

uma vasta protecção para quem lhe exige sempre o melhor serviço serviços uma vasta protecção para quem lhe exige sempre o melhor serviço serviços segurtrade serviços Segurtrade - Serviços é uma solução de protecção, desenvolvida para pequenas e médias empresas que exercem

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS

REGULAMENTO DE TARIFAS REGULAMENTO DE TARIFAS CAPITULO I Contentores Artigo 1º Tarifas máximas a aplicar 1 Nas operações de embarque e desembarque de contentores no porto de Leixões, aplicar-se-á uma tarifa máxima por contentor

Leia mais

ficha de produto multirriscos habitação

ficha de produto multirriscos habitação ficha de produto multirriscos habitação O que é? O Seguro de multirriscos habitação é um seguro que visa garantir os edifícios ou fracções de edifícios destinados à habitação permanente do Segurado e construídos

Leia mais

Apoio técnico e comercial

Apoio técnico e comercial Generalidades As presentes condições de venda aplicam-se a todas as vendas que venham a ser efectuadas pela empresa MOVIMAR - MÓVEIS DE COZINHA LDA., à frente referida como MOVIMAR. A MOVIMAR pode rever

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

GARANTIA DA SEGURANÇA NO TRANSPORTE DE GRANÉIS Uma cadeia de responsabilidades a cumprir

GARANTIA DA SEGURANÇA NO TRANSPORTE DE GRANÉIS Uma cadeia de responsabilidades a cumprir GARANTIA DA SEGURANÇA NO TRANSPORTE DE GRANÉIS Uma cadeia de responsabilidades a cumprir Filipa Almeida Garrett O cereais são produzidos em todo o mundo, em maiores quantidades do que qualquer outro tipo

Leia mais

colas. Qualidade e segurança

colas. Qualidade e segurança Curso Tecnologia Pós-Colheita P e Processamento Mínimo M de Produtos Hortofrutícolas colas. Qualidade e segurança Legislação respeitante à produção e comercialização de produtos minimamente processados

Leia mais

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a

Leia mais

Condições Gerais de Venda

Condições Gerais de Venda Condições Gerais de Venda Em todas as situações omissas no presente documento assumem-se as Condições Gerais de Venda da CEPAC, a serem disponibilizadas pela Prado - Cartolinas da Lousã, S.A. sempre que

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias?

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias? SEGURO HABITAÇÃO Qual a importância do Seguro de Habitação? Os bens imóveis, tal como os móveis, estão sujeitos à ocorrência de eventos que lhes podem causar danos. Se não possuir um seguro válido, terá

Leia mais

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1 de 5 Assunto: CONDIÇÕES GERAIS DE VENDAS Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1. Conceito 2. Abrangência 3. Documentos Relacionados 4. Regras Gerais 4.1. Pedido e Fornecimento 4.1.1. Pedido

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

Condições Gerais de Prestação de Serviços

Condições Gerais de Prestação de Serviços Índice Art.º 1 - Objectivo e definições...2 Art.º 2 Pedidos de Orçamento para os serviços de Transporte...2 Art.º 3 - Seguros...3 Art.º 4 - Execução das prestações...3 Art.º 5 Itinerário de Transporte...3

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3.1- A Tabela de Preços pode ser alterada sem aviso prévio (P.V.P.). Os preços estão sujeitos á Taxa de IVA em vigor na lei fiscal

CONDIÇÕES GERAIS. 3.1- A Tabela de Preços pode ser alterada sem aviso prévio (P.V.P.). Os preços estão sujeitos á Taxa de IVA em vigor na lei fiscal CONDIÇÕES GERAIS 1- Disposições Gerais 1.1- As vendas de materiais e serviços pela Politejo S.A. regem-se pelas condições especiais de cada fornecimento, pelas presentes condições gerais e pela lei aplicável.

Leia mais

TABELA DE PUBLICIDADE 2010/11

TABELA DE PUBLICIDADE 2010/11 2010/11 OUTDOORS (FACES ISOLADAS) suporte quinzena mês 2,0x1,5m 200,00 350,00 2,4x1,7m 200,00 350,00 4x3m 300,00 550,00 4x3m (monoposte) 350,00 600,00 8x3m 700,00 1.100,00 12x3m --- 1.500,00 12x4m ---

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

Esclarecimento 13/2014

Esclarecimento 13/2014 Segurança Alimentar Registo de temperaturas e controlo metrológico de registadores automáticos Esclarecimento 13/2014 Resumo: A manutenção da cadeia de frio é essencial para a segurança de alguns géneros

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

N.º contribuinte / Pessoa colectiva

N.º contribuinte / Pessoa colectiva Zurich pharma Proposta de eguro (preencher com maiúsculas) Zonas de cor a preencher pela Zurich Cliente n.º Cliente Associado Mediador Gestor de egócio Apólice nº. Linha de egócio egmento Alvo Contrato

Leia mais

Zurich seguro grossista

Zurich seguro grossista Zurich seguro grossista Proposta de eguro (preencher com maiúsculas) Zonas de cor a preencher pela Zurich Cliente Apólice nº. Regulado pela Lei Portuguesa: Cliente Associado Mediador Gestor de egócio Linha

Leia mais

29.11.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 312/3

29.11.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 312/3 29.11.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 312/3 REGULAMENTO (CE) N. o 1947/2005 DO CONSELHO de 23 de Novembro de 2005 que estabelece a organização comum de mercado no sector das sementes e que revoga

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a seguir indicadas, nas condições

Leia mais

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1. Nos termos do Regulamento Municipal de Resíduos Urbanos e Limpeza Urbana do Município de Arouca,

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA 1990 1 CAPÍTULO I OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÕES ARTIGO 1º - O presente regulamento destina-se

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

ANEXO VI.9 - CONDIÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente:

ANEXO VI.9 - CONDIÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente: ANEXO VI.9 - CONDIÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS Proponente: Declaro que, caso venha a ser adjudicado com o objeto do Edital MS/CS 510- R02474, comprometo-me a efetuar a contratação de seguros para

Leia mais

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados;

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados; CONTRATO Entre: a) Ecopilhas, Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, 7, 1600-171 Lisboa, pessoa colectiva

Leia mais

É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado.

É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. de Cooperação Barclays at Work Índice 4. Crédito Habitação 5. Leasing 6. Seguros IV. Check List V. Contactos I. O Barclays no Mundo Grupo Financeiro

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO

MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO IMPORTANTE Este Manual tem função meramente informativa, não substituindo, em hipótese alguma, as condições gerais e especiais da apólice. Da mesma

Leia mais

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA. entre. Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E PARCERIA entre Agrupamento Vertical de Escolas de Ferreira de Aves e Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Vale do Dão e Alto Vouga, C.R.L. Cláusula 1ª (Intervenientes) Este Protocolo

Leia mais

Adegas & Lagares é uma solução integrada, especificamente dirigida à atividade de produção de vinho, azeite e outras bebidas.

Adegas & Lagares é uma solução integrada, especificamente dirigida à atividade de produção de vinho, azeite e outras bebidas. Adegas & Lagares O prazer de provar! Adegas & Lagares é uma solução integrada, especificamente dirigida à atividade de produção de vinho, azeite e outras bebidas. Garante os riscos que dão origem a perdas

Leia mais

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Artigo 1.º (Objecto e Âmbito) 1. A MARL Mercado Abastecedor

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES. 1.1. Crianças até 12 anos: Sempre que acompanhadas por um adulto - usufruirão do serviço gratuitamente.

TERMOS E CONDIÇÕES. 1.1. Crianças até 12 anos: Sempre que acompanhadas por um adulto - usufruirão do serviço gratuitamente. TERMOS E CONDIÇÕES Processo de Venda Todos os pedidos deste serviço são efectuados online. Os pedidos de assistência deverão ser efetuados com um mínimo de 72h de antecedência e máximo de 60 dias. Terá

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

AÇOREANA Companhia de Seguros. Informação de Procedimentos. Gestão de Sinistros Automóvel

AÇOREANA Companhia de Seguros. Informação de Procedimentos. Gestão de Sinistros Automóvel Informação de Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel 1. PARTICIPAÇÃO DO ACIDENTE Deve ser feita em impresso de Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA), ou através de qualquer outro meio

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo...

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo... Concurso Público para a elaboração do Inventário de Referência das Emissões de CO2 e elaboração do Plano de Acção para a Energia Sustentável do Município do Funchal CADERNO DE ENCARGOS Índice Artigo 1.º

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELAS EMPRESAS TRANSITÁRIAS. 1 TEU transitário. Artigo 1º Definições. Artigo 2º Âmbito

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELAS EMPRESAS TRANSITÁRIAS. 1 TEU transitário. Artigo 1º Definições. Artigo 2º Âmbito Artigo 1º Definições Artigo 2º Âmbito Artigo 3º Aplicabilidade Artigo 4º Apresentação dos preços Artigo 5º Alteração dos preços Artigo 6º Revisão de preços e condições Artigo 7º Validade das propostas

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS DA MARINA DA PRAIA DA VITÓRIA

REGULAMENTO DE TARIFAS DA MARINA DA PRAIA DA VITÓRIA ÍNDICE Artigo 1º - Disposições Gerais...3 Artigo 2.º - Definições...3 Artigo 3.º - Aplicação de Tarifas...4 Artigo 4.º - Formas de pagamento...5 Artigo 5.º - Documentos...5 Artigo 6.º - Tipos de Estacionamento...6

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Zurich cabeleireiro seguro

Zurich cabeleireiro seguro Zurich cabeleireiro seguro Proposta de eguro (preencher com maiúsculas) Zonas de cor a preencher pela Zurich Cliente nº. Cliente Associado Mediador Gestor de egócio Apólice nº. Linha de egócio egmento

Leia mais

Uni Teldata - Telecomunicações, S.A.

Uni Teldata - Telecomunicações, S.A. Uni Teldata - Telecomunicações, S.A. Pessoa Coletiva nº 508 105 110 Capital Social: 1.000.000,00 CRC Chaves Matricula n.º 508 105 110 SEDE: Parque Tecnológico de Chaves Lote B4, Outeiro Seco 5400-673 Chaves

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

PREÇOS E CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

PREÇOS E CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Preçário e Condições da Prestação de Serviços 2017 2 3 1. FACTURAÇÃO DOS SERVIÇOS BASE 1.1 Serviço de movimentação de navios, com e sem armazenagem incluída 1.1.1 Entregas na doca até 5% do total movimentado

Leia mais

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO CONCEITO: «Prestação de serviços de restauração ou de bebidas com carácter não sedentário», a prestação, mediante

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS QUEM SOMOS? Tecnicil Indústria: Empresa de produção e engarrafamento de águas e produtos refrigerantes Sede: Cidade da Praia Fabrica: Trindade Praia Delegações: Assomada, S.Vicente, Sal e Boavista Número

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS Procedimento por Ajuste Directo n.º DSTD/01/2009 Cláusula 1.ª Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

Regulamento da Promoção "Punta Cana All Inclusive" - Consórcio Iveco

Regulamento da Promoção Punta Cana All Inclusive - Consórcio Iveco Regulamento da Promoção "Punta Cana All Inclusive" - Consórcio Iveco A Promoção Punta Cana All Inclusive é uma ação realizada pelo Consórcio Iveco para os clientes que adquirirem, em todo território nacional,

Leia mais

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em carácter

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELAS EMPRESAS TRANSITÁRIAS

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELAS EMPRESAS TRANSITÁRIAS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELAS EMPRESAS TRANSITÁRIAS A actividade transitária só pode ser exercida por empresas legalmente constituídas, com o objecto social adequado e que obtenham junto

Leia mais

SEGURO MULTIRISCOS VIVACASA

SEGURO MULTIRISCOS VIVACASA SEGURO MULTIRISCOS VIVACASA Passe um risco por cima das preocupações e da insegurança! Roubos, incêndios, inundações, calamidades, etc. o mal que tudo isso acarreta, não acontece só aos outros. Ao subscrever

Leia mais

Notas relevantes sobre o Programa de Seguros da sua Farmácia

Notas relevantes sobre o Programa de Seguros da sua Farmácia Notas relevantes sobre o Programa de Seguros da sua Farmácia A carteira de seguros das Farmácias integra apólices de seguro para múltiplos riscos, designadamente para acidentes de trabalho (obrigatório

Leia mais

Zurich agência de viagens

Zurich agência de viagens Zurich agência de viagens Proposta de eguro (preencher com maiúsculas) Zonas de cor a preencher pela Zurich Cliente nº. Cliente Associado Mediador Gestor de egócio Apólice nº. Linha de egócio egmento Alvo

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

CIRCULAR 065. ASSUNTO: Comunicação dos elementos dos Documentos de Transporte ( DT ) à Autoridade Tributária - AT

CIRCULAR 065. ASSUNTO: Comunicação dos elementos dos Documentos de Transporte ( DT ) à Autoridade Tributária - AT CIRCULAR 065 Gestão Global de Empresas ASSUNTO: Comunicação dos elementos dos Documentos de Transporte ( DT ) à Autoridade Tributária - AT Arrifana, 26 de Junho de 2013 Nos termos das Portarias nº 160

Leia mais

PASSO 1 a) Para participar na Campanha, os clientes OK! teleseguros devem registar-se no sítio www.okamigos.pt indicando o seu número de apólice.

PASSO 1 a) Para participar na Campanha, os clientes OK! teleseguros devem registar-se no sítio www.okamigos.pt indicando o seu número de apólice. REGULAMENTO OK! amigos 1. Introdução A Campanha OK! amigos, doravante Campanha, premeia os Clientes que recomendam amigos para se tornarem clientes da OK! teleseguros, bem como os amigos que adiram por

Leia mais

Transportes. Condições gerais. Pela protecção dos valores da vida. 1060267-03.2004

Transportes. Condições gerais. Pela protecção dos valores da vida. 1060267-03.2004 Condições gerais 1060267-03.2004 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. Av. Fontes Pereira de Melo, nº 6 1069-001 Lisboa Fax 21 355 33 00 Pessoa Colectiva n.º 500 068 658 Cons. Reg.

Leia mais

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo Serviços de transporte marítimo CEPA A. Serviços de transporte marítimo H. Serviços de apoio Transporte internacional (transporte de mercadorias e de passageiros) (CPC7211, 7212, excluindo serviços de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

MITIGAR RISCOS DA EXPORTAÇÃO. Paulo Cruz Gomes Comunicação, Desenvolvimento e Inovação paulo.gomes@sgs.com 808 200 747 www.sgs.pt

MITIGAR RISCOS DA EXPORTAÇÃO. Paulo Cruz Gomes Comunicação, Desenvolvimento e Inovação paulo.gomes@sgs.com 808 200 747 www.sgs.pt MITIGAR RISCOS DA EXPORTAÇÃO Paulo Cruz Gomes Comunicação, Desenvolvimento e Inovação paulo.gomes@sgs.com 808 200 747 www.sgs.pt 2 A SGS A SGS é um parceiro do comércio internacional desde 1878 Líder Mundial

Leia mais

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE GARANTIA WALLFUTURE 1 Descrição das Garantias WALLFUTURE 1.1 A Garantia WALLFUTURE destina-se a repor a normalidade

Leia mais

TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI)

TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI) TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI) Artigo 1.º Objeto Pelo presente estabelece-se as condições que regem

Leia mais

XXXII. Programa de Seguros1 ÍNDICE

XXXII. Programa de Seguros1 ÍNDICE XXXII Programa de Seguros1 ÍNDICE PARTE I ENTIDADE GESTORA DO ESTABELECIMENTO... 6 1. Seguro All Risks Edifícios Hospitalares Actuais... 6 1.1 Tomador do Seguro... 6 1.2 Segurados... 6 1.2.1 Secção I Danos

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Compra

Termos e Condições Gerais de Compra Termos e Condições Gerais de Compra As encomendas e os contratos efectuados por qualquer das empresas do Grupo Linde em Portugal - Linde Sogás e Linde Saude (de ora em diante designadas qualquer delas

Leia mais

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais.

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais. Preparação da Qualidade Página 1 de 6 5.1. COMERCIALIZAÇÃO 5.1.1. Transporte A empresa através da sua área de operações ou da administração, tem como objectivo em cada serviço adjudicado, entre vários,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem Estimado(a) Cliente, É com grande satisfação que a Açoreana Seguros, S.A. lhe dá as boas-vindas ao Pontual Auto. Estamos seguros que o nosso serviço vai fazer toda a diferença. Junto encontra a informação

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES CADASTRO DE CLIENTES Recebimento de equipamentos somente com cadastro completo; O cadastro do e-mail é obrigatório; É de responsabilidade do cliente manter seus dados sempre

Leia mais

FORMAÇÃO REGULAMENTO

FORMAÇÃO REGULAMENTO FORMAÇÃO REGULAMENTO Data: Julho de 2010 1. Politica e Estratégia A Formação desempenha um papel preponderante no desenvolvimento do indivíduo. É através dela que as pessoas adquirem os conhecimentos necessários

Leia mais

Goodyear Primavera 2014. Bases legais

Goodyear Primavera 2014. Bases legais Goodyear Primavera 2014 Bases legais I. DURAÇÃO A campanha: GOODYEAR PRIMAVERA 2014 tem por destinatários os utilizadores finais e uma duração apenas válida para compras efectuadas entre o dia 17 de Março

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

4ª Data dos eventos A maratona fotográfica realiza-se no dia 21 de setembro de 2013. O evento têm início às 10:00h e termina às 21h.

4ª Data dos eventos A maratona fotográfica realiza-se no dia 21 de setembro de 2013. O evento têm início às 10:00h e termina às 21h. Regulamento da Maratona Fotográfica Fnac Lisboa 1º Organização O evento Maratona Fotográfica Fnac Região de Lisboa (adiante designado por Maratona ) é organizado pela Fnac Portugal - Actividades Culturais

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

Relatório de Qualidade de Serviço. Ano Gás 2009-2010

Relatório de Qualidade de Serviço. Ano Gás 2009-2010 Relatório de Qualidade de Serviço Ano Gás 29-21 15 de Novembro de 21 Índice 1. Enquadramento... 3 2.Qualidade de Serviço Técnico - Continuidade e interrupção de Serviço... 4 2.1 Art. 15º Indicadores gerais

Leia mais

CARTÃO BIGONLINE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PONTOS

CARTÃO BIGONLINE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PONTOS CARTÃO BIGONLINE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PONTOS Definições: Gestor: Banco de Investimento Global, S.A., responsável pela concepção, gestão e desenvolvimento do Programa de Pontos (adiante designado

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

AIR LIQUIDE SOLDADURA, LDA. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

AIR LIQUIDE SOLDADURA, LDA. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA AIR LIQUIDE SOLDADURA, LDA. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA Junho de 2015 Primeira.- Definições. Produtos significa todos os equipamentos, instalações, consumíveis, processos, sistemas, soluções e serviços relacionados

Leia mais

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA.

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. 1. Encomendas 1.1 Qualquer encomenda só poderá ser considerada se for formalizada por escrito. 1.2 A formalização da encomenda pelo Cliente implica o reconhecimento

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais