PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL. Objetivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL. Objetivo"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Aperfeiçoar, de modo permanente, a política de formação discente, mediante a avaliação do perfil acadêmico e profissional do formando de graduação e pós-graduação, e do perfil da demanda de formação nas diversas instâncias da sociedade. Expandir as matrículas nos cursos de graduação e pós-graduação em áreas do conhecimento inovadoras, atendendo a demandas sociais relevantes e criando oportunidades adequadas de inclusão social. Efetivar plenamente o projeto pedagógico de flexibilização curricular Ampliar as possibilidades de participação do estudante em ações que contribuam para sua formação com relevância acadêmica e social Intensificar as relações de cada curso com a respectiva área do conhecimento e de atuação profissional, tendo em vista a introdução de práticas mais adequadas para a formação discente Superar, de modo criativo e articulado, as dificuldades que se interponham à efetivação da proposta pedagógica de flexibilização curricular ENSINO DE GRADUAÇÄO Alcançar patamares superiores de qualidade para a graduação. Implantar efetivamente o projeto de flexibilização curricular nos cursos de graduação Proporcionar aos colegiados de curso infra-estrutura adequada ao perfil de atuação demandado pelo projeto de flexibilização curricular Implementar sistema de gestão e de acompanhamento adequado ao projeto de flexibilização curricular Expandir as matrículas em áreas do conhecimento inovadoras, atendendo a demandas sociais relevantes e criando oportunidades adequadas de inclusão social Garantir a qualidade das instalações físicas e laboratoriais dos cursos de graduação, especialmente

2 daqueles criados ou expandidos a partir do planejamento feito para o REUNI PRÁTICAS ACADËMICO-PROFISSIONAIS DA GRADUAÇÃO Estruturar e estimular a realização de práticas acadêmico-profissionais na Universidade. Constituir centrais de estágios nas unidades onde elas ainda não estão organizadas Desenvolver um sistema informatizado de banco de oportunidades acessível a alunos e empresas Criar e consolidar estruturas adequadas à realização de práticas acadêmico-profissionais AVALIAÇÃO DO ENSINO DA GRADUAÇÁO Aprimorar os instrumentos voltados para a avaliação da qualidade no ensino de graduação, nas modalidades presencial e a distancia. Implementar estratégias e instrumentos permanentes de avaliação da qualidade do ensino de graduação Estabelecer, a partir da análise das avaliações realizadas, processos ágeis de gestão visando ao aprimoramento dos cursos de graduação Intensificar o aproveitamento das informações contidas nos resultados dos processos de avaliação de ensino e aprendizagem e nos resultados de avaliação de desempenho dos estudantes ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÄO

3 Alcançar patamares superiores de qualidade na pós-graduação stricto e lato sensu da UFMG. Contribuir para a diminuição da assimetria do sistema de pós-graduação no País e em Minas Gerais Melhorar os indicadores de inserção internacional dos programas Priorizar o estágio pós-doutoral no exterior para docentes que obtiveram o título no Brasil Incrementar a produção intelectual qualificada Assegurar proporção adequada de bolsas para os alunos, inclusive dentro dos parâmetros estabelecidos no planejamento feito para o REUNI Ampliar a admissão de alunos provenientes de outros países Intensificar intercâmbios internacionais de docentes e discentes Expandir as matrículas em áreas que possam contribuir para a implementação das propostas formuladas no planejamento do REUNI Garantir a oferta continuada dos cursos de especialização que apresentam demanda relevante, de impacto social e indicadores de qualidade na sua avaliação Estabelecer parâmetros que articulem, de forma harmoniosa, as relações entre oferta e qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação stricto e lato sensu AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO Aprimorar os instrumentos voltados para a avaliação da qualidade no ensino de pós-graduação stricto e lato sensu. Implementar estratégias e instrumentos permanentes de avaliação da qualidade do ensino de pósgraduação Intensificar o aproveitamento das informações contidas no resultados das avaliações externas do programas de pós-graduação stricto sensu AVALIAÇÃO DO ENSINO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL

4 s Tornar a educação básica e profissional da UFMG referência para esses níveis de educação em Minas Gerais. Alcançar patamares superiores de qualidade na educação básica e profissional Tornar integrada a atuação da UFMG no âmbito da educação básica e profissional Aprimorar a qualidade da educação oferecida pelos cursos de educação básica e profissional PESQUISA s Intensificar a produção científica e tecnológica da UFMG, ressaltando seu papel de instituição produtora de conhecimento. Melhorar a visibilidade, nacional e internacional, da produção científica e tecnológica da UFMG. Aumentar a quantidade de trabalhos publicados pelos pesquisadores da UFMG em revistas indexadas internacionalmente Otimizar a captação de recursos destinados às atividades de pesquisa Ampliar a infra-estrutura multiusuários de pesquisa, para permitir o acesso dos docentes da UFMG a equipamentos de pesquisa mais sofisticados Aumentar o intercambio com universidades e centros de pesquisa nacionais e internacionais Intensificar a divulgação dos produtos da atividade acadêmica nacional e internacionalmente EXTENSÃO

5 s Aproximar a universidade da sociedade numa perspectiva transdisciplinar apoiada no compromisso com o saber, o fazer e o criar, em diálogo com os saberes científicos e não científicos. Desenvolver interlocução com diferentes atores sociais com vistas à difusão e à disseminação do conhecimento e da informação, tornando-os acessíveis à sociedade. Identificar, criar e disseminar metodologias participativas e colaborativas que favoreçam o diálogo entre categorias de pesquisa visando à produção de conhecimentos Priorizar práticas voltadas para o atendimento às necessidades sociais emergentes Consolidar o Sistema de Informação da Extensão Universitária na UFMG, fortalecendo seu reconhecimento no conjunto das atividades acadêmicas Intensificar a criação de programas de extensão interinstitucionais voltados para o intercâmbio e a solidariedade na produção do conhecimento PROGRAMAS ACADËMICOS INTERNACIONAIS s Promover a inserção internacional de alunos da UFMG, de forma comprometida com as finalidades de uma IES pública federal e com as novas demandas da sociedade. Proporcionar aos alunos a interação com outras culturas e o respeito pela diversidade. Apoiar e implementar ações que visem à instauração do equilíbrio de condições entre alunos de instituições de ensino e pesquisa brasileiras e estrangeiras Incentivar e apoiar a criação de redes e parcerias interinstitucionais em âmbito internacional, com base no princípio de reciprocidade e equilíbrio, incluindo ativamente a participação discente Oferecer ao aluno da UFMG a oportunidade de ter uma experiência internacional, contribuindo para

6 sua formação pessoal, acadêmica e profissional AMPLIAÇÃO DO ACESSO s Ampliar as condições de acesso de alunos de condição sócio-econômica precária aos cursos da UFMG. Aumentar as vagas ofertadas, em especial no turno noturno, otimizando a infra-estrutura e o pessoal técnicoadministrativo e docente. Rever a natureza dos exames de seleção Reduzir a seletividade social dos mecanismos dos exames de seleção ASSISTËNCIA AOS ESTUDANTES s Proporcionar a assistência ao estudante de condição sócio-econômica precária, garantindo-lhe meios e condições materiais necessárias à sua permanência na Universidade. Aperfeiçoar os programas de assistência estudantil. Viabilizar o atendimento a todos os alunos de condição sócio-econômica precária, visando a sua permanência na Universidade em condições satisfatórias ao bom desempenho acadêmico Aperfeiçoar os mecanismos de acolhimento dos alunos para que eles se sintam como sujeitos-agentes do contexto acadêmico

7 ASSISTËNCIA AOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS s Criar mecanismos que garantam a plena acessibilidade, na Universidade, a pessoas portadoras de necessidades especiais. Assegurar a aplicação de políticas públicas desse setor. Democratizar o acesso à informação, leitura e cultura para esse público. Ampliar e implementar medidas que permitam consolidar e expandir o atendimento e a permanência dos portadores de necessidades especiais na Universidade Ampliar o acesso à rede de informações e a espaços virtuais, adequando instalações, equipamentos e espaços físicos aos parâmetros de atuação próprios de uma universidade aberta e diversa POLÍTICA DE PESSOAL s Contribuir para o desenvolvimento técnico e pessoal dos servidores da UFMG, promovendo as potencialidades do quadro de pessoal da instituição em todas as suas dimensões. Aperfeiçoar as políticas de gestão, capacitação, dimensionamento e avaliação de recursos humanos para os quadros docente e técnicoadministrativo, considerando especialmente as propostas contidas no planejamento do REUNI. Utilizar a concessão de vagas de pessoal como instrumento propulsor ou incentivador do processo de democratização do acesso à UFMG por meio da expansão de vagas em cursos noturnos Reavaliar os parâmetros tradicionais e implantar novos parâmetros de alocação de vagas de pessoal, considerando especialmente as propostas contidas no planejamento do REUNI Implementar e aperfeiçoar os programas de dimensionamento das necessidades de pessoal,

8 capacitação, aperfeiçoamento e avaliação do desempenho do corpo docente e técnico-administrativo em educação Recompor o quadro de pessoal de acordo com as necessidades de reposição e de expansão qualificada das atividades acadêmicas Aumentar o intercâmbio acadêmico com universidades e centros de pesquisas nacionais e internacionais Melhorar continuamente o desempenho dos indicadores acadêmicos institucionais Intensificar a divulgação dos produtos da atividade acadêmica nacional e internacionalmente AMPLIAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA FÍSICA Dotar os campi da Universidade de infra-estrutura adequada à realização das atividades de ensino, pesquisa e extensão. Concluir o Projeto Campus 2000 Executar as obras de infra-estrutura física necessárias à realização do planejamento formulado para o REUNI Executar outras obras necessárias à realização das atividades de ensino, pesquisa e extensão GESTÃO DE SERVIÇOS DE APOIO E LOGÍSTICA Modernizar a gestão dos serviços de apoio e logística de modo a adequá-los à complexidade da Universidade. Dotar a Universidade de estrutura gerencial adequada para a realização das atividades previstas no planejamento do REUNI

9 Normatizar e padronizar os procedimentos utilizados nos serviços de apoio e logística Capacitar o pessoal envolvido nos serviços de apoio e logística visando a melhoria da sua gestão GESTÃO AMBIENTAL Executar uma política correta no tratamento da questão ambiental. Aprovar os Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde das unidades instaladas no Campus Pampulha e no Campus da Saúde Aprovar o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Especiais, destinado à elaboração e implementação dos planos globais de coleta seletiva e de descarte de lâmpadas fluorescentes SISTEMA DE BIBLIOTECAS Atingir patamares mais elevados de qualidade para o sistema de bibliotecas. Aprimorar os recursos humanos envolvidos no sistema de bibliotecas Desenvolver projetos para aprimoramento do sistema de bibliotecas Definir interesses coletivos e padrões de procedimentos para as bibliotecas universitárias Dimensionar as necessidades de ampliação e atualização do acervo de acordo com a expansão prevista no planejamento feito para o REUNI RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO

10 s Garantir que todos os recursos de tecnologia da informação estejam disponíveis para a comunidade universitária. Garantir que os recursos de tecnologia da informação prestem serviços de qualidade mediante contínua atividade de diagnóstico, prospecção e difusão de novas soluções aplicáveis à Universidade. Desenvolver programa de gestão estratégica de TI, acompanhando o orçamento, o planejamento e a execução de despesas e investimentos em TI na Universidade Estruturar programas de padronização para implantação, distribuição e uso de recursos de tecnologia da informação, incluindo softwares livres de controles autorais Fornecer atendimento à comunidade usuária de seus serviços, via helpdesk, com maior agilidade e controle Atualizar e expandir a infra-estrutura de telefonia convencional Levar serviços de ponta para toda a comunidade, por meio da especificação, desenvolvimento e implantação de sistemas de informação para a gestão acadêmica Consolidar a Rede Giga Consolidar o projeto MinhaUFMG Implantar políticas de organização e gerenciamento dos arquivos de documentos administrativos e acadêmicos RECURSOS MULTIMÍDIA Dotar a Universidade de suporte para a educação a distância, o ensino de graduação e pós-graduação, a realização de programas na área de saúde e o apoio a projetos de pesquisa e extensão. Consolidar sistemas voltados para a melhoria do ensino na UFMG como personalização do Moodle, diário de classe eletrônico, portal MinhaUFMG Criar e consolidar cursos de treinamento e capacitação voltados para a comunidade acadêmica e

11 científica, bem como implantar um serviço de Help Desk especializado Apoiar e investir na tecnologia necessária para a consolidação dos Programas de Telessaúde na UFMG Ampliar as condições tecnológicas que dão suporte à implantação e ao crescimento dos cursos de educação a distância na UFMG GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA s Garantir o estabelecimento de diretrizes orçamentárias. Garantir a construção colegiada do orçamento Estabelecer prioridades para os investimentos institucionais Desenvolver ações de planejamento e de gestão sistêmicas Assegurar o equilíbrio institucional, incentivando a cultura da responsabilidade gerencial dos recursos públicos CAPTAÇÃO INSTITUCIONAL Criar novos instrumentos e métodos para otimizar a captação de recursos, tanto no novo modelo de ciência, tecnologia e inovação, quanto nas áreas social e cultural. Meta Intensificar ações visando à captação de recursos para o desenvolvimento de projetos nas áreas educacional, científica, tecnológica, social e cultural FUNDAÇÕES DE APOIO

12 Redimensionar o papel das fundações de apoio no cenário de autonomia da Universidade. Meta Fomentar relações de parceria com as fundações de apoio benéficas para os projetos institucionais, ao amparo da lei INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS TRANSDISCIPLINARES s Desenvolver atividades voltadas para a realização de estudos e pesquisas avançadas e transdisciplinares, com características de excelência, inovação e indução. Difundir conceitos, abordagens, metodologias e a cultura transdisciplinar, dentro e fora da UFMG. Promover a interação entre profissionais das diversas áreas da atividade acadêmica, visando à prática transdisciplinar e a abordagem de problemas complexos e atuais. Consolidar o IEAT como efetivo instituto de pesquisa avançada e transdisciplinar na UFMG Consolidar a infra-estrutura física e de pessoal requerida para suas atividades Consolidar as cátedras existentes, e criar novas cátedras Expandir e consolidar o Programa Professor Residente Expandir o volume de publicações geradas pelos programas do Instituto Internacionalizar o IEAT

13 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ampliar e consolidar os projetos de educação a distância da Universidade. Desenvolver sistemas de informação para dar apoio à execução dos cursos Expandir os pólos de educação a distancia da UFMG em Minas Gerais para oferta de cursos em regiões que necessitem de profissionais especializados Desenvolver modelos de educação a distancia em consonância com os Projetos Pedagógicos dos Cursos Produzir recursos instrucionais impressos e de mídia, em consonância com as propostas pedagógicas dos cursos Divulgar o processo de criação, implantação e avaliação dos cursos na modalidade a distancia Ampliar as parcerias e convênios com o Estado, municípios e entidades de representação pública Consolidar o Centro de Apoio à Educação a Distancia na estrutura da UFMG PRODUÇÃO, INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIAS Promover o fortalecimento da atividade de inovação na Universidade em condições que assegurem a manutenção da qualidade de seu padrão acadêmico. Incrementar a cultura de inovação tecnológica e da propriedade intelectual na UFMG Desenvolver sistema de informação nas unidades da UFMG para apoio às iniciativas de empreendedorismo e de propriedade intelectual Identificar necessidades acadêmicas, jurídicas e de relações internacionais da Universidade, na área de proteção à propriedade intelectual

14 Identificar, transferir e proteger competência e know-how Prospectar, proteger e transferir tecnologias sociais desenvolvidas na UFMG Apoiar os inventores da UFMG nas ações de comercialização e de transferência das tecnologias PARQUE TECNOLÓGICO s Trabalhar a dinâmica das competências para tecnologia e inovação tecnológica com base em uma postura pró-ativa, incorporando práticas típicas da iniciativa privada, mas preservando a natureza pública da UFMG. Institucionalizar uma política de tecnologia e inovação tecnológica na universidade. Implantação do Parque Tecnológico em Belo Horizonte Incremento do número de patentes e de incubadoras de empresas CULTURA Situar a UFMG num patamar diferenciado no que se refere à produção cultural universitária. Promover instâncias de capacitação de recursos humanos, visando ao aperfeiçoamento e a especialização de profissionais nas diversas áreas de expressão artística e cultural Incentivar a criação, instalação e manutenção de entidades de apoio à cultura e iniciativas similares nas unidades acadêmicas Implantar e desenvolver ações de inventariação e disponibilização de informações sobre acervos, memória e patrimônio Buscar o estabelecimento de fontes permanentes de apoio financeiro à cultura e desenvolver a

15 capacidade de captação de recursos junto à sociedade Incentivar as diversas formas de articulação da cadeia de criação e produção da cultura na UFMG Criar condições para que maiores parcelas da comunidade e da sociedade tenham acesso às diversas formas de manifestação cultural Requalificar o uso de museus, bibliotecas e espaços culturais como instrumentos de inclusão social ESPORTES E LAZER s Oferecer, à comunidade universitária e a seus dependentes, condições para a prática de exercícios físicos, esporte e lazer. Consolidar o Centro Esportivo Universitário como local de convivência e de apoio às atividades de ensino, pesquisa e extensão Realizar atividades que congreguem toda a comunidade universitária na disputa de modalidades esportivas coletivas e individuais, em parceria com o Diretório Central dos Estudantes e os diretórios acadêmicos das unidades Realizar atividades ligadas ao esporte que congreguem a comunidade universitária da UFMG e as instituições de ensino superior de Belo Horizonte e da região metropolitana Promover a interação com os sistemas estadual e municipal de ensino, visando a possibilitar o uso da infra-estrutura do CEU pelas escolas para a realização de torneios e campeonatos Atuar como campo de estágios para cursos e projetos científicos da UFMG ASSUNTOS ESTUDANTIS s Fortalecer os canais de diálogo entre a administração e o corpo discente da Universidade.

16 Apoiar iniciativas de organização de atividades e eventos pelos estudantes. Contribuir para a formação dos estudantes da UFMG como sujeitos críticos, criativos, transformadores, comprometidos com construção da cidadania e da justiça social. Estabelecer relação de respeito mútuo entre a administração da Universidade e os estudantes Proporcionar condições para uma atuação conjunta dos estudantes e das instâncias da administração da Universidade em prol do crescimento e do desenvolvimento institucional ESPAÇO DO CONHECIMENTO Disseminar o conhecimento científico em Minas Gerais, enfatizando o diálogo multi, inter e transdisciplinar. Implantar e consolidar o projeto de produção de conteúdo científico para os diferentes setores que constituem o Espaço do Conhecimento Envolver a comunidade acadêmica da UFMG na produção deste projeto, responsabilizando-se pela geração de conteúdo dos temas propostos Contribuir para a educação científica de crianças e de jovens CENTRO DE DIFUSÃO DA CIÊNCIA Promover a divulgação e socialização do conhecimento científico gerado na Universidade. Propor critérios orientadores para a política de difusão da ciência da UFMG Divulgar a ciência produzida na universidade

17 Sensibilizar os pesquisadores para a importância da divulgação dos resultados das pesquisas para a sociedade Estimular os pesquisadores a decodificarem seus trabalhos em experimentos, mostras e outros meios, visando à socialização dos resultados na comunidade interna e externa Despertar nos cidadãos, em especial nos jovens, o interesse pela ciência e pela cultura Estimular vocações para a ciência, por meio de programas e atividades que despertem o espírito científico das crianças COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL s Zelar pela imagem da Universidade tanto em relação aos públicos internos quanto externos, no sentido de fortalecer sua natureza de instituição pública dedicada ao ensino, à pesquisa e à extensão. Criar, fortalecer e aprimorar os instrumentos, ações e meios de comunicação da Universidade, ampliando sua interlocução com as comunidades interna e externa. Desenvolver e/ou criar instrumentos de largo espectro para a comunicação com as comunidades interna e externa. Contribuir para a criação de redes de divulgação da ciência. Estimular e ampliar a exposição da UFMG por meio de estratégias que visem a mídia de abrangência e circulação nacional Fomentar, por meio da implementação de ações objetivas, a divulgação científica na e a partir da UFMG Criar e desenvolver estratégias e procedimentos que garantam uma ação integrada entre os núcleos de produção que compõem o Centro de Comunicação da UFMG Buscar a integração das ações de comunicação pulverizadas pelas diversas unidades acadêmicas e administrativas, de forma a unificar seu discurso e a compatibilizar sua atuação em torno da estratégia

18 institucional nesse campo Consolidar a rádio UFMG Educativa e a TV UFMG, garantindo condições operacionais para aprimorar a interlocução com a sociedade, e para a divulgação dos projetos e ações desenvolvidos pela Universidade Estruturar um núcleo de produção videográfica, responsável pela produção de vídeos institucionais, instrucionais, educacionais e publicitários, sobre os projetos e ações desenvolvidos pela Universidade Consolidar o Núcleo de Comunicação Interna, responsável por buscar melhores processos e alternativas para aprimorar a comunicação com os diversos públicos da Universidade Consolidar o Núcleo de Apoio à Divulgação Científica, no CEDECOM, com o objetivo de garantir maior visibilidade aos projetos e pesquisas desenvolvidos na Universidade, a popularização do conhecimento científico e apoio aos pesquisadores interessados em desenvolver projetos de divulgação cienífica Desenvolver estratégias de acessibilidade do sistema midiático às fontes de produção de conhecimento e serviços existentes na UFMG EDITORA UFMG s Ampliar, interna e externamente, o conhecimento público da Universidade e de sua produção apresentada no formato livro (papel, CDROM, DVD e outras mídias). Contribuir para a divulgação do nome da UFMG, o fortalecimento de sua imagem institucional e a consolidação de sua liderança no cenário universitário brasileiro. Reforçar os vínculos da Editora com os diferentes segmentos e unidades da UFMG Contribuir, no que lhe é específico, para o sucesso dos projetos de interesse da Instituição Zelar pela qualidade do material publicado com o nome ou a marca da UFMG Atuar como representação diplomática da UFMG em todos os eventos e locais nos quais estiver presente Proporcionar os meios para a consolidação e ampliação da Editora UFMG no que diz respeito aos recursos gerenciais, à captação de recursos e à abertura de novas áreas de atuação

19 Institucionalizar e estruturar ações já existentes e implantar outras atividades que se mostrem necessárias ao melhor funcionamento da Instituição COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL Ampliar e aprofundar as articulações da Universidade com a Sociedade. Assegurar o fluxo adequado de recursos advindos do setor público destinados às atividades do ensino de graduação nas áreas de educação e saúde Institucionalizar as ações relativas à responsabilidade social, com foco no empresariado e empresas POLÍTICA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Aperfeiçoar a política de avaliação da UFMG. Consolidar a avaliação institucional como atividade permanente na UFMG Acompanhar e avaliar a implementação das metas do Plano de Desenvolvimento Institucional Contribuir para integrar os resultados da avaliação institucional com as ações de planejamento Implantar sistema de avaliação dos cursos de graduação oferecidos a distancia Implantar um sistema regular de avaliação dos currículos dos cursos de Graduação Constituir, na Diretoria de Avaliação Institucional, um núcleo de estudos sobre a UFMG

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

plano de metas gestão 2013-2017

plano de metas gestão 2013-2017 plano de metas gestão 2013-2017 Reitora Miriam da Costa Oliveira Vice-Reitor Luís Henrique Telles da Rosa Pró-Reitora de Graduação Maria Terezinha Antunes Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Rodrigo

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

GRUPO V ENSINO MÉDIO, TECNOLÓGICO E SUPERIOR

GRUPO V ENSINO MÉDIO, TECNOLÓGICO E SUPERIOR GRUPO V ENSINO MÉDIO, TECNOLÓGICO E SUPERIOR Tendo em vista a construção do Plano Municipal de Educação- PME 2015-2024 apresentamos proposições e estratégias para o Ensino Superior e Técnico nas modalidades

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU PROF.

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional

Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional Abril/2012 1. Conceituação O desempenho institucional refere-se tanto ao valor agregado às partes interessadas pela instituição (e.g

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Conselheira do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior EAD NO BRASIL 1ª Fase: Década de 60 Ensino

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Pós-Graduação da UFV em debate 2012 26-27 de Novembro de 2012 Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Profa. Simone EF Guimarães Pós Graduação em Genética e Melhoramento UFV

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL LONDRINA 2002 2 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais