Semente de Andiroba Outubro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Semente de Andiroba Outubro de 2013"

Transcrição

1 Semente de Andiroba Outubro de 2013 Semente de Andiroba preço recebido pelo extrativista (em R$/kg) Ano Anterior Mês Anterior Mês Out Estados Unidade Média do Preço 12 meses 1 mês Mercado Mínimo Amazonas (AM)* kg - 0,56 0,56 1,14 Pará (PA)** kg - 0,70-1,14 Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) - Sistema de Informações Agropecuárias e de abastecimento (Siagro). *Municípios de Carauari, Lábrea e Silves. A série histórica foi iniciada em 26/08. Para Silves, a série foi iniciada em 16/09. **Município de Santarém Início da série em 09/09. Só foram feitas duas coletas de dados. *** Preço no atacado em Santarém R$ 1,17. Também só foram feitas duas coletas. Árvore da Andiroba Fruto da Andiroba Árvore da Andiroba O levantamento efetuado pela Conab em relação aos preços pagos ao produtor extrativista pela da semente de andiroba, iniciou-se em setembro de 2013, portanto, não há série histórica da evolução de preços para este produto. Os preços levantados em setembro e outubro de 2013 apontam para valores da ordem de R$ 0,56/kg (AM) e R$ 0,70/kg (PA).

2 No decorrer desta conjuntura, poderá ser observado que tais valores estão muito abaixo do custo de produção levantado pela CONAB para sementes de andiroba, fixado em R$ 1,14/kg, atingindo respectivamente 49% e 61% do custo de produção. Tal situação constituiu-se num dos principais argumentos para a inclusão deste produto na Política de Garantia de Preços Mínimos para a Sociobiodiversidade PGPM Bio. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) não faz levantamento da produção de sementes e nem de óleo de andiroba, o que dificulta sobremaneira o acompanhamento da evolução desta cultura, do ponto de vista produtivo e comercial. Da mesma forma, nem o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), nem o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), efetuam qualquer acompanhamento específico da exportação/importação do óleo da andiroba, com o mesmo contabilizado junto com vários outros óleos, não sendo possível, dessa maneira, identificar as quantidades específicas comercializadas. ASPECTOS SÓCIO-PRODUTIVOS A andiroba é uma árvore neotropical que ocorre no sul da América Central, como também na Colômbia, Venezuela, Suriname, Guiana Francesa, Brasil, Peru, Paraguai e nas ilhas do Caribe. No Brasil, é encontrado em toda a bacia Amazônica, com maior incidência nos estados da Amazônia e Pará, em várzeas e áreas alagáveis, estando frequentemente associada com a seringueira (Hevea brasiliensis) e a ucuúba (Virola guianensis). A primeira conferência Estadual das Populações Tradicionais do Amazonas, realizada em agosto de 2004, apontaram a seguinte distribuição dos polos municipais de produção de óleo de andiroba no estado do Amazonas: Vale dos Solimões: parte dos municípios de Fonte Boa, Jutaí, Tonantins, Santo Antônio do Içá, Amaturá e São Paulo de Olivença. Vale do Juruá: município de Carauari. Vale do Purus: parte dos municípios de Lábrea, Pauini e Boca do Acre. Os resultados da oficina indicaram ainda os municípios de Codajás, Eirunepé e Envira como produtores potenciais de Andiroba no estado. O levantamento do número de famílias associadas ao extrativismo da andiroba segue abaixo: Município Famílias Lábrea 600 Carauari 330 Jutaí 120 São Paulo de Olivença 100 Fonte Boa 60 Total Fonte: Oficina sobre a Cadeia Produtiva de Produtos Extrativos no Amazônia, ago/2004.

3 Do ponto de vista da produção, a Oficina sobre a Cadeia Produtiva de Produtos Extrativos no Amazônia, realizada em agosto de 2004, destacou que há poucos dados sobre a produção da andiroba no estado. Aponta para a produção de 20 toneladas em Carauari, 14 em Lábrea e 3 em São Paulo de Olivença, totalizando 37 toneladas. A produção de óleo bruto é realizada nas unidades industriais de Lábrea, Carauari e Tabatinga, sendo que o restante é produzido de forma artesanal. Destaca-se que tais dados referem-se a cerca de uma década, de forma que a situação atual pode ter se alterado. Segundo o Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil, a renda per capita/mês no ano de 2000, variou entre R$ 44,09, em Fonte Boa, e R$ 92,58, em Boca do Acre, com uma média de R$ 64,20 para 10 municípios do Amazonas. Existem duas espécies da família Meliaceae: Carapa guianensis e Carapa procera. Carapa Guianensis ocorre amplamente no oeste, entre a América Central (até Belize) e o Equador, e no leste entre Cuba até os estados do Amazonas e Maranhão. Carapa Procera é conhecida nas Guianas e Amazônia Central, e também ocorre na África. A área de abrangência destas duas espécies está especificada na imagem abaixo. Área de ocorrência da Andiroba na América do Sul e América Central CARACTERÍSTICAS DA CULTURA A andiroba pertence à mesma família do mogno e cedro e como sua madeira é resistente a ataques de insetos é muito procurada pelas serrarias. A andirobeira pode atingir 30 metros de altura e uma árvore adulta pode produzir até 120 kg de sementes (média 50 kg/pé). As sementes contêm 43% de gordura, sendo necessários, em média, 12 kg de sementes in natura para se obter um litro de óleo, de forma artesanal. Utilizandose prensa mecânica é possível obter-se 1 litro de óleo com 4 kg de semente seca, e fazendo a aplicação de solventes químicos, com 3 kg de sementes secas, obtém-se o mesmo volume (1 litro). Sendo assim, o rendimento em óleo de andiroba extraído de modo artesanal por árvore/ano, pode alcançar 10 litros e industrial até 30 litros.

4 A época de flor e fruto da andiroba é diferente em cada Estado da Amazônia. No leste do Pará, a andiroba floresce entre agosto e outubro e os seus frutos amadurecem entre janeiro e abril. As árvores de Manaus frutificam entre março e abril. Nem todos os anos as árvores de andiroba produzem frutos. Os caboclos de Santarém dizem que tem ano em que a andirobeira joga muito e ano em que ela falha. Em relação ao período de floração e frutificação de Carapa guianensis, alguns indivíduos podem ter flores em qualquer mês, porém o pico de floração é entre agosto e novembro. Os frutos precisam de quase um ano para amadurecer, sendo que a dispersão ocorre principalmente entre abril e junho, havendo, entretanto, variações em relação ao período da safra (conforme bibliografia consultada). Aparentemente, as populações da várzea e da terra firme não diferem nas suas fenologias. Período de floração e frutificação PA Período de floração e frutificação AM As sementes são flutuantes e podem ser dispersas através da correnteza dos cursos d água, havendo localidades em que são coletadas a quilômetros de distâncias dos pés, em beiras de rios e mares (PA). Porém, em floresta de terra firme, a maioria dos frutos e sementes é encontrada embaixo da árvore-matriz. No período de dispersão, as sementes são muito consumidas por roedores, tatus, porcos do mato, pacas, veados, cotias, etc. Semente da andiroba Semente da andiroba

5 As amêndoas são coletadas no chão, devendo ser observado se estão sadias (pré-seleção), para produzir um óleo de boa qualidade. As sementes que já estiverem germinadas devem ficar na floresta para garantir a regeneração da espécie. A coleta das amêndoas é uma atividade relativamente simples e não exige alto investimento, pois para esta atividade não se necessita de materiais e equipamentos caros. A madeira das andirobeiras possui um sabor amargo e é oleaginosa, não sendo atacada por cupins. Por suas qualidades físico-mecânicas é muito procurada para construção de casas, forros e esquadrias, tendo sofrido intensa exploração, ocasionando redução das espécies. Por conta disto, a andiroberia corre alto risco, uma vez que praticamente não existe plantação tecnicamente organizada, nem replantio sistemático. Sua madeira é de fácil manuseio, permitindo um bom acabamento, moderadamente pesada, mas não resistente à umidade. É muito procurada no mercado interno para a fabricação de móveis, caixotaria fina, construção civil, lâminas, compensados, acabamentos internos de barcos e navios e também por seu alto poder calorífico. Sua casca tem uso medicinal contra febre, vermes, bactérias e tumores. Madeira de andiroba Madeiras de andiroba

6 Madeiras de andiroba ASPECTOS DE MERCADO A comercialização referente a esta cultura é efetuada na maioria das vezes sob a forma de óleo. Para este produto (óleo) há série histórica de preços formada, elaborada pela Conab, desde 2008, para os estados do AM (Municípios de Lábrea e Carauari) e do PA (Município de Belterra), sendo que a série histórica do PA foi interrompida em agosto de O gráfico abaixo aponta a oscilação no preço do óleo de andiroba comercializado pelos extrativistas no período de 2008 a 2013 em dois municípios do Amazonas (Lábrea e Carauari). Pode ser observada uma boa elevação dos preços no último ano ( ), alcançando entre R$ 12,00 a R$ 15,00. Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) - Sistema de Informações Agropecuárias e de Abastecimento (Siagro).

7 Efetuando-se uma rápida conta, tendo por base que, mediante processamento artesanal são necessários 12 kg de semente para se extrair um litro de óleo, cujo preço de venda varia entre R$ 12,00 e R$ 15,00, verifica-se que, se o produto for vendido in natura (R$ 0,56 a R$ 0,70/kg), o valor recebido pelos produtores para os mesmos 12 kg, seria de R$ 6,72 a R$ 8,40. Sendo assim, a princípio, do ponto de vista da comercialização, é muito mais interessante processar o produto artesanalmente, do que vender in natura. Veja abaixo o quadro comparativo: 1 litro de óleo (12 kg/sementes) R$ 12,00 a R$ 15, Kg de sementes in natura R$ 6,72 a R$ 8,40. A tabela apresentada a seguir, aponta os preços pagos aos produtores extrativistas em relação ao óleo de andiroba em alguns municípios do Amazonas, que variam entre R$ 6,00 e R$ 15,00/litro. Preço pago aos produtores de óleo de Andiroba em alguns municípios da Amazônia em US$* Municípios Comunidades Valor (US$/litro) Local de Venda Bela Vista 3,33 Comunidade Manacapuru Lago do Castanho 3,33 Comunidade Jaiteu - - Anamã Paraná do Anamã 3,33 Comunidade Cuiá 2,66 a 4,00 Feira Manacapuru, encomenda e atravessadores Marupá 3,33 Silves, Itacoatiara e encomenda Silves N. S. de Aparecida - - N. S. da Conceição 6,66 Comunidade São Tomé do Jacu 3,33 a 5,00 Silves, Itacoatiara e encomenda Feiras de Manaus - 3,35 a 6,71* Manaus Feiras de Manacapuru - 3,33 a 5,00** Manacapuru * Preço de revenda: US$ 3,50 a US$ 6,71 (litro); US$ 2,34 e a US$ 2,68 (600 ml); US$ 0,67 a US$ 1,00 (100 ml). ** Preço de revenda: US$ 0,67 (100 ml). Fonte: Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas IDAM *Valores mínimos e máximos em Reais R$ 5,85 a R$ 14,76 (com dólar a R$ 2,20). Conforme apontado anteriormente, observando os custos de produção levantados pela Conab no extrativismo de semente de andiroba, abaixo apontados, pode-se verificar que, em relação à semente (R$ 1,14/kg), o valor máximo obtido pelos produtores extrativistas com a comercialização, está muito aquém destes custos R$ 0,70/kg (61% do custo de produção).

8 Já em relação ao óleo, o custo de produção (R$ 13,61), está acima do valor obtido pelos produtores extrativistas em Lábrea - AM (R$ 12,58), porém, está abaixo do valor obtido no município de Carauari AM (R$ 15,03). Em Manacapuru, Anamã e Silves, os valores obtidos pelos extrativistas com a comercialização do óleo (entre R$ 5,85 e R$ 11,25/litro), também estão abaixo do custo de produção. Somente nas feiras de Manaus, é que o preço obtido com a venda do óleo de andiroba (R$ 14,76), supera o custo de produção (R$13,61). O custo de produção da andiroba (sementes e óleo), foi apurado pela Conab na Floresta Nacional do Tapajós, município Belterra, comunidade São Domingos/PA, com participação de 62 extrativistas, envolvidos na coleta da semente e na produção do óleo. A área envolvida é plenamente representativa em termos de famílias, com cerca de 25 comunidades com um número estimado de famílias envolvidas na coleta da semente. Custo de Produção Semente de Andiroba (extrativismo) CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO - SOCIOBIODIVERSIDADE ANDIROBA - SEMENTE - EXTRATIVISMO ANO 2013 LOCAL: Flona Tapajós - PA Produtividade Média: kg R$/Safra R$/1 kg DISCRIMINAÇÃO JAN/2011 JAN/2013 JAN/2011 JAN/2013 (a) (b) (c) (d) I - DESPESAS DE CUSTEIO DA ATIVIDADE EXTRATIVISTA 1 - Operação com avião 0,00 0,00 0,00 0, Operação com máquinas próprias 0,00 0,00 0,00 0, Aluguel de máquinas/serviços 446,50 446,50 0,28 0, Operação com animais próprios 0,00 0,00 0,00 0, Operação com animais alugados 0,00 0,00 0,00 0, Mão-de-obra temporária 960, ,00 0,60 0, Mão-de-obra fixa 0,00 0,00 0,00 0, Sementes 0,00 0,00 0,00 0, Fertilizantes 0,00 0,00 0,00 0, Saco de ráfia 4,00 4,00 0,00 0, Outras despesas 70,53 84,93 0,04 0,05 TOTAL DAS DESPESAS DA ATIVIDADE EXTRATIVISTA (A) 1.481, ,43 0,93 1,11 II - DESPESAS PÓS-COLETA 1 - Seguro agrícola 0,00 0,00 0,00 0, Assistência técnica 0,00 0,00 0,00 0, Transporte externo 0,00 0,00 0,00 0, Armazenagem 0,00 0,00 0,00 0, CESSR 0,00 18,40 0,00 0, Impostos 0,00 0,00 0,00 0, Taxas 0,00 0,00 0,00 0, Saco de ráfia 0,00 0,00 0,00 0,00 Total das Despesas Pós-Coleta (B) 0,00 18,40 0,00 0,01 III - DESPESAS FINANCEIRAS 1 - Juros 0,00 26,23 0,00 0,02 Total das Despesas Financeiras (C) 0,00 26,23 0,00 0,02 CUSTO VARIÁVEL (A+B+C = D) 1.481, ,06 0,93 1,14

9 Custo de Produção Óleo de Andiroba (processamento artesanal) O óleo de Andiroba é uma fonte rica de ácidos gordurosos essenciais, além de conter componentes não graxos. Análises químicas de óleo de andiroba identificaram as propriedades anti-inflamatórias, cicatrizantes e insetífugas. A vela de andiroba é usada como repelente eficaz para o mosquito Aedes aegypti, vetor da febre amarela e da dengue, uma vez que, ao ser queimada, exala um agente ativo que inibe a fome do mosquito, reduzindo consequentemente a sua necessidade de picar as pessoas. Pesquisas revelaram uma eficiência de 100% na repelência do mosquito, e, além desta característica, a vela é totalmente atóxica, não produzindo fumaça e não contendo perfume.

10 O óleo de andiroba é um dos óleos medicinais mais vendidos na Amazônia. É um produto de difícil extração, manuseio e rastreabilidade. Em mistura com mel e copaíba é um remédio anti-inflamatório muito popular no combate a infecções de garganta e em processos de gripe em geral. Também fortalece e embeleza os cabelos e em forma de sabonete é utilizado no combate às acnes e espinhas. O produto final é o óleo, objeto de comercialização para indústrias locais e do exterior, sendo largamente utilizado na indústria farmacêutica e cosmética, na produção de repelentes de insetos, antissépticos, anti-inflamatório, contra coceira, cicatrizante de ferimentos, distensões musculares, gripe e dor de garganta, sendo. Estão registrados pela Anvisa 325 produtos que utilizam a andiroba. Produtos de andiroba: óleos, velas, etc. O processo de extração deixa dois resíduos: as cascas das sementes após o repouso e a massa após o encerramento do recolhimento do óleo. Algumas extratoras queimam as cascas para afastar mosquitos. Já o resíduo da massa pode ser aproveitado na fabricação caseira de sabão de andiroba. Há também relatos de extratores que dão a massa para o gado comer. No mercado interno, são três as empresas com maior atuação no mercado de beneficiamento do óleo de andiroba: Cognis do Brasil, CRODA e BERACA, todas fornecendo esta matéria-prima para grandes empresas cosméticas, tanto no mercado interno, quanto externo. Há ainda outras empresas que compram o óleo de andiroba, tal como a Natura, Engefar, Amazon Oil, dentre outras.

11 Mapa da Cadeia de Valor da Andiroba Fonte: Ministério do Meio Ambiente Os produtores extrativistas coletam as sementes e podem comercializá-las diretamente junto às indústrias processadoras (1). As indústrias efetuam o processamento do óleo (2) e podem produzir sabonetes, óleos de banho, etc. (5), comercializando-os junto à rede varejista de farmácias e drogarias (8), que por sua vez efetuam a venda direta ao consumidor final (12). Tais produtos (sabonetes e óleos de banho), também podem ser exportados para indústrias farmacêuticas de cosmético e alimentícias (6). As indústrias processadoras podem também processar o óleo (2) e vendê-lo diretamente para tradings (3), que efetuam a exportação para indústrias farmacêuticas de cosméticos e alimentícia (4). Os produtores extrativistas podem também efetuar o processamento artesanal do óleo (7), utilizando-o para o autoconsumo (9), ou vendendo o óleo bruto para os intermediários locais (aviamento) (10), que o comercializa junto à rede varejista de farmácias e drogarias (11), que por sua vez efetuam a venda direta ao consumidor final (12).

12 Processo tradicional de extração do óleo de Andiroba 1. Coleta, seleção de sementes boas e um primeiro armazenamento (3-15 dias) 2. Preparo da massa pelo cozimento das sementes em água (1-3 horas) 3. Armazenamento (até 20 dias). 5. Extração do óleo (até 30 dias), pelo gotejamento colocando a massa sobre uma superfície inclinada. 4. Retirada da casca e amassamento das amêndoas. Segundo os relatos, podem ser extraídos de um a cinco litros de óleo (cada litro possui 965 ml), de uma lata de 18 litros cheia de sementes (cada lata possui cerca de 11 kg e contém, em média, 700 a 800 sementes de C. procera, ou 450 a 500 sementes de C. guianensis). Ou seja, o rendimento varia de 11 kg/ litro a 2,2 kg/ litro. Observou-se que as extratoras que obtiveram somente um litro, armazenaram as sementes de andiroba após a coleta 2 a 15 dias e as sementes cozidas de sete a 20 dias, enquanto que as extratoras que extraíram cinco litros armazenaram as sementes após a coleta por somente 2 dias e as sementes cozidas pelo menos 15 dias. Portanto, esse manejo das sementes é um fator que afeta diretamente a rentabilidade do óleo.

13 Processo tradicional de extração do óleo de Andiroba

14 Principais gargalos da cadeia produtiva da andiroba, segundo a bibliografia Baixa qualidade do produto Gestão precária Falta de demanda para os produtos Entraves burocráticos para o registro de produtos (órgãos públicos de agricultura e saúde) Falta de logística Falta de capital de giro Fonte: Oficina sobre a Cadeia Produtiva de Produtos Extrativos no Amazônia, ago/2004. Proposta de Atividades para a Gebio Mapeamento de áreas de produção em parceria com as SUREGs do AM e PA. Visita às áreas de produção, comercialização e processamento na Amazônia e Pará, juntamente com técnicos das SUREGs AM e PA. Debate e implementação de proposta de divulgação da PGPM-BIO junto aos produtores extrativistas de andiroba. Apresentação e debate junto à equipe da Gebio e Sugof/Conab, dos dados levantados.

15 Agroindústria de extrativistas (pequeno porte) Assista ao vídeo sobre uma cooperativa da ilha de Marajó/PA que organiza a coleta de andiroba: Obs. Todas as fotos foram extraídas do google imagens. Eng. Agr. Augusto de Andrade Oliveira. Tel. (61)

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel.

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Unha-de-gato Unha-de-gato Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Elias Melo de Miranda Foram os indígenas peruanos que descobriram o uso medicinal da

Leia mais

PROPOSTA DE PREÇOS MÍNIMOS

PROPOSTA DE PREÇOS MÍNIMOS ISSN: 2359-4160 PROPOSTA DE PREÇOS MÍNIMOS SAFRA 2015/2016 Produtos da Sociobiodiversidade Volume II Brasília, 2015 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Andiroba. Carapa guianensis Aublet.

Andiroba. Carapa guianensis Aublet. Árvores e Cipós Página Andiroba (Carapa guianensis) 45 Bacuri (Platonia insignis) 55 Castanheira (Bertholletia excelsa) 65 Cipó-titica (Heteropsis spp.) 79 Copaíba (Copaifera spp.) 89 Ipê roxo (Tabebuia

Leia mais

CASTANHA-DO. DO-BRASIL Junho/2006. Humberto Lôbo Pennacchio Analista de Mercado Sugof/Gefip

CASTANHA-DO. DO-BRASIL Junho/2006. Humberto Lôbo Pennacchio Analista de Mercado Sugof/Gefip CASTANHA-DO DO-BRASIL Junho/2006 Humberto Lôbo Pennacchio Analista de Mercado Sugof/Gefip A castanha-do-brasil é originária exclusivamente da floresta amazônica e se caracteriza pelo extrativismo de coleta.

Leia mais

PROJETO ESTRUTURANTE DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA ESTUDO USO DE INSUMOS NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS NA AMAZÔNIA

PROJETO ESTRUTURANTE DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA ESTUDO USO DE INSUMOS NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS NA AMAZÔNIA PROJETO ESTRUTURANTE DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA ESTUDO USO DE INSUMOS NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS NA AMAZÔNIA ENTRAVES E GARGALOS DA PRODUÇÃO DE INSUMOS E PRODUTOS ACABADOS DO SEGMENTO DE

Leia mais

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Política Institucional da SEPROR QUEM SOMOS NÓS? O Amazonas possui 270 mil produtores

Leia mais

REDE DE AGRICULTORES TRADICIONAIS (REATA)

REDE DE AGRICULTORES TRADICIONAIS (REATA) REDE DE AGRICULTORES TRADICIONAIS (REATA) Objetivo: Conectar e articular agricultores familiares, comprometidos com o processo de produção agroecológica, de modo a contribuir na assistência técnica a outros

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes CODOMAR Companhia Docas do Maranhão AHIMOC Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental

Leia mais

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA Ocupa mais de 5 milhões de km ²; Abrange quase toda a região Norte, centro-norte do Mato Grosso e oeste do Maranhão; É marcada pela presença da Floresta Amazônica; A Floresta

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Contribuições ao debate na XI Plenária do Consea Agosto de 2013 Aprimoramento da estratégia de identificação e caracterização das famílias pertencentes a povos

Leia mais

CASOS DE SUCESSO DE APL s NO AMAZONAS

CASOS DE SUCESSO DE APL s NO AMAZONAS CASOS DE SUCESSO DE APL s NO AMAZONAS DEZEMBRO 2013 Valdelino Cavalcante Coordenador do Núcleo Estadual de apoio aos Arranjos Produtivos Locais GTP/APL s Política estadual de interiorização do desenvolvimento,

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIENCIA

SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIENCIA O Programa de Carteiras Escolares - PROMOVE PROGRAMA IMPLEMENTADO PELA AGENCIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO AMAZONAS - ADS SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIENCIA ELABORADA PELO PROJETO FLORESTA VIVA MANAUS

Leia mais

Agronegócios com responsabilidade ambiental! Ações de Apoio Governamental aos APL s no Amazonas

Agronegócios com responsabilidade ambiental! Ações de Apoio Governamental aos APL s no Amazonas Agronegócios com responsabilidade ambiental! Ações de Apoio Governamental aos APL s no Amazonas Outubro/2009 Valdelino Cavalcante ZONA FRANCA VERDE Política estadual de interiorização do desenvolvimento,

Leia mais

Catálogo DE PRoDUtoS JaRDINagEM E PEt CaRE

Catálogo DE PRoDUtoS JaRDINagEM E PEt CaRE Catálogo DE PRODUTOS JARDINAGEM E PET CARE Apresentando opções naturais e saudáveis, a Preserva Mundi contribui com a natureza e a qualidade de vida. Acreditamos sensibilizar a consciência de nossos consumidores

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

ESTIMATIVA DE CUSTO DE COLETA E RENTABILIDADE PARA SISTEMA EXTRATIVO DE CASTANHA-DO-BRASIL NA AMAZÔNIA 1

ESTIMATIVA DE CUSTO DE COLETA E RENTABILIDADE PARA SISTEMA EXTRATIVO DE CASTANHA-DO-BRASIL NA AMAZÔNIA 1 ESTIMATIVA DE CUSTO DE COLETA E RENTABILIDADE PARA SISTEMA EXTRATIVO DE CASTANHADOBRASIL NA AMAZÔNIA 1 Jair Carvalho dos Santos 2 Sandra Aparecida Veiga 3 Claudenor Pinho de Sá 2 Lúcia Helena Wadt 4 Gilberto

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

MANGABA FRUTO Conjuntura Março 2012

MANGABA FRUTO Conjuntura Março 2012 MANGABA FRUTO Conjuntura Março 2012 És s fruta de carne acesa, sempre em agraz, como araçá çás, guabirobas, maracujás. Também m MANGABA, deixas em quem te conhece visgo, borracha. João o Cabral de Melo

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

Informações Conjunturais Sobre a Política de Garantia de Preços Mínimos PGPM-Bio

Informações Conjunturais Sobre a Política de Garantia de Preços Mínimos PGPM-Bio Informações Conjunturais Sobre a Política de Garantia de Preços Mínimos PGPM-Bio I Introdução Consta no Título 35 do Manual de Operações da Conab (MOC) que o objetivo da Política de Garantia de Preços

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

III workshop de técnicos florestais

III workshop de técnicos florestais III workshop de técnicos florestais DIAGNOSTICO FLORESTAL ELEMENTOS DE METODOLOGIA Floresta Viva - 30/11/2005 Um diagnostico 14h00-14h30 Para que serve, o que é? 14h30-15h30 Como proceder? 15h30-16h00

Leia mais

BALANÇO SOCIOBIODIVERSIDADE PERÍODO 2003-2010 QUADRO RESUMO FAMÍLIAS ATEN- ANO 2003 ANO 2009 Ago/2010

BALANÇO SOCIOBIODIVERSIDADE PERÍODO 2003-2010 QUADRO RESUMO FAMÍLIAS ATEN- ANO 2003 ANO 2009 Ago/2010 AÇÃO REALIZADA BALANÇO SOCIOBIODIVERSIDADE PERÍODO 2003-2010 QUADRO RESUMO FAMÍLIAS ATEN- ANO 2003 ANO 2009 Ago/2010 DIDAS R$ PNPSB R$/N TOTAL R$ RESPONSÁVEL DAPs emitidas 9.650 4.650 5.000 MDA REB extrativistas

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia RIOS, ESTRADAS E REDES DE PESCA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL André de Oliveira Moraes; Tatiana Schor and.moraes@gmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DO ÓLEO-RESINA DE C. RETICULATA DIRECIONANDO UM PLANEJAMENTO AMBIENTAL E COMERCIAL

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DO ÓLEO-RESINA DE C. RETICULATA DIRECIONANDO UM PLANEJAMENTO AMBIENTAL E COMERCIAL ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DO ÓLEO-RESINA DE C. RETICULATA DIRECIONANDO UM PLANEJAMENTO AMBIENTAL E COMERCIAL Nome do Autor Principal Ederly Santos Silva*, Charles Roland Clement, Valdir Florêncio da Veiga

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Companhia Nacional de Abastecimento Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Data de referência: 31/03/2007 Relatório final Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

1. DOS OBJETIVOS DO CURSO

1. DOS OBJETIVOS DO CURSO EDITAL DE SELEÇÃO Nº... /2014-GR/UEA SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E SUAS LITERATURAS, METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO E GESTÃO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial

Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial Doenças Endêmicas Amazônicas no contexto da transmissão vetorial Rosemary Costa Pinto Assessora Técnica/ASTEC/FVS rosemary.pinto@gmail.com Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas Secretaria de Estado

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA.

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. 1. OBJETIVO Contratação de profissionais com formação nas áreas de ciências biológicas, florestais, agronômicas, econômicas e

Leia mais

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3 PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO A VARIABILIDADE E MUNDANÇA CLIMÁTICA OTCA/GEF/PNUMA COMPONENTE II Compreensão da base

Leia mais

Nº. de Meses, Dias ou Unidades. Total de Meses, Dias ou Unidades. Consultoria Técnica 1 Consultor 8 Meses 8 3.750,00 30.000,00

Nº. de Meses, Dias ou Unidades. Total de Meses, Dias ou Unidades. Consultoria Técnica 1 Consultor 8 Meses 8 3.750,00 30.000,00 TR Nº TERMO DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE PESSOA FÍSICA PARA APOIAR A EXECUÇÃO DAS OFICINAS SETORIAIS DE FORTALECIMENTO DOS SISTEMAS MUNICIPAIS DE MEIO AMBIENTE DE 49 MUNICÍPIOS DO ESTADO DO AMAZONAS VERSÃO

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci FSC - SECR - 0030 ÍNDICE 3 4 6 8 9 10 11 12 13 14 15 Sua empresa vai ficar fora do mercado O que é manejo florestal Resumo das Etapas do Manejo Florestal O que é Certificação Florestal Como funciona O

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Valorização da Identidade Territorial e da Agrobiodiversidade no Mosaico Baixo Rio Negro.

Valorização da Identidade Territorial e da Agrobiodiversidade no Mosaico Baixo Rio Negro. 2 0 Curso Sobre Gestão em Mosaico de Áreas Protegidas (ACADEBio) Valorização da Identidade Territorial e da Agrobiodiversidade no Mosaico Baixo Rio Negro. Leonardo Kurihara (IPÊ Instituto de Pesquisas

Leia mais

Avaliação da Política Agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização. Silvio Isopo Porto Fev/2006

Avaliação da Política Agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização. Silvio Isopo Porto Fev/2006 Avaliação da Política Agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização Silvio Isopo Porto Fev/2006 1. Contexto MODELO AGROEXPORTADOR TECNOLOGIA (CONCENTRAÇÃO) TRADING COOPERATIVA MERCADO

Leia mais

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação Rede Amazônia Sustentável Pesquisas sobre vegetação > Quem somos A Rede Amazônia Sustentável (RAS) é formada por mais de 30 instituições de pesquisa e universidades que, em parceria com a sociedade civil,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de árvores presentes nas trilhas no Parque do Zizo. Janeiro

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

GUARANÁ PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

GUARANÁ PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 GUARANÁ PROPOSTA D PRÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Júlio D Aparecida dos Santos 1 Introdução 1.1 - O produto - Uso e Importância O Brasil é praticamente o único produtor de guaraná do mundo, à exceção de pequenas

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Pag. 1 24/02/2014 9:45:57. 1 - BS- Artes e Turismo. Total / BS- Artes e Turismo: 5107 10881 386. 2 - BSPIN - Setorial de Parintins

Pag. 1 24/02/2014 9:45:57. 1 - BS- Artes e Turismo. Total / BS- Artes e Turismo: 5107 10881 386. 2 - BSPIN - Setorial de Parintins Pag. 1 1 - BS- Artes e Turismo 2 - BSPIN - Setorial de Parintins 3 - BSTEF - Setorial de Tefe Títulos Exemplares Exemplar adicional 1 - Livros 3057 7347 188 2 - Folhetos 339 532 19 3 - Catálogos 10 16

Leia mais

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas

Caatinga. Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas Caatinga Clima: Semi-árido. Solo: Raso e pobre em matéria orgânica e rico em sais minerais. Vegetação: Arbustiva, com cactáceas ceas ou xerófitas (plantas adaptadas a ambientes secos). Caatinga As espécies

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

Óleo de andiroba: processo tradicional da extração, uso e aspectos sociais no estado do Amazonas, Brasil.

Óleo de andiroba: processo tradicional da extração, uso e aspectos sociais no estado do Amazonas, Brasil. Óleo de andiroba: processo tradicional da extração, uso e Andreza P. MENDONÇA 1*, Ide Dorothea Kossmann FERRAZ 2 RESUMO O processo tradicional de extração do óleo das sementes de andiroba foi levantado

Leia mais

Questionário das Quadras Aleatórias

Questionário das Quadras Aleatórias Questionário das Quadras Aleatórias Quem: ( ) Carol ( ) Helga ( ) outro: Data: Hora: Bairro: Desenhe a quadra, com nomes das 4 ruas. Indique cada local de venda de PFNMs com números (1, 2, 3, 4,...) Sub-produto

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2012 Boletim n o 18 18/05/2012 Boletim de acompanhamento - 2012 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

Avaliação econômica dos produtos florestais não madeireiros (PFNMs) no município de Carauari (Amazonas)

Avaliação econômica dos produtos florestais não madeireiros (PFNMs) no município de Carauari (Amazonas) Avaliação econômica dos produtos florestais não madeireiros (PFNMs) no município de Carauari (Amazonas) Relatorio Jaubertie Clément estagiário agro economista Manaus Setembro de 2008 1 Sumário INTRODUÇÃO...

Leia mais

CADEIA PRODUTIVA DA CASTANHA-DO-BRASIL NO ESTADO DO AMAZONAS

CADEIA PRODUTIVA DA CASTANHA-DO-BRASIL NO ESTADO DO AMAZONAS CADEIA PRODUTIVA DA CASTANHA-DO-BRASIL NO ESTADO DO AMAZONAS Carlos Eduardo de Souza Braga Governador do Estado Amazonas Virgílio Maurício Viana Secretário de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento EMBRAPA AGROINDÚSTRIA DE ALIMENTOS Grupos de pesquisa: ÓLEOS GRAXOS ÓLEOS ESSENCIAIS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento EMBRAPA AGROINDÚSTRIA DE ALIMENTOS Grupo de pesquisa: Rosemar Antoniassi

Leia mais

Copaíba. Copaifera spp. L.

Copaíba. Copaifera spp. L. Copaíba Copaíba Copaifera spp. L. Patricia Shanley Arthur Leite Andrea Alechandre Cleuza Azevedo A copaíba, conhecida como o antibiótico da mata, é uma das plantas medicinais mais usadas na Amazônia, principalmente

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2015 Boletim Nº. 31 14/08/2015 Boletim de acompanhamento - 2015 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a figura 01 e as tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

VALORIZE NOSSAS RIQUEZAS NATURAIS.

VALORIZE NOSSAS RIQUEZAS NATURAIS. VALORIZE NOSSAS RIQUEZAS NATURAIS. :: NOBREZA NATIVA As árvores são os maiores seres vivos do Reino Vegetal, os que têm vida mais longa e apresentam diferentes tamanhos e formas. O Rio Grande do Sul possui

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Tucumã-do-amazonas. Astrocaryum tucuma Martius

Tucumã-do-amazonas. Astrocaryum tucuma Martius Tucumã-do-amazonas Tucumã-do-amazonas Astrocaryum tucuma Martius Joanne Régis da Costa Johannes van Leeuwen Jarbas Anute Costa Uma outra espécie de tucumã bem conhecida na Amazônia é o tucumã-do-amazonas.

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO ASSENTAMENTO PAE SOBERANA

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO ASSENTAMENTO PAE SOBERANA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO ASSENTAMENTO PAE SOBERANA Ponta de Pedras Marajó Pará Janeiro-2015 Dados Gerais Projeto ATER-Marajó Chamada Pública 01/2013 INCRA SEDE Ano 2013 Lote 19 Realização Instituto

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

Proposta de Preços Mínimos

Proposta de Preços Mínimos Proposta de Preços Mínimos Safra 2013/2014 (Produtos da sociobiodiversidade) Volume III COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB DIRETORIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA E INFORMAÇÕES DIPAI SUPERINTENDÊNCIA DE

Leia mais

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico Hidrografia Relevo oceânico Bacias hidrográficas no mundo BACIA HIDROGRÁFICA: Corresponde à área de captação de água superficial e subsuperficial para um canal principal e seus afluentes; portanto, é uma

Leia mais

A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA AMAZONAV LTDA

A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA AMAZONAV LTDA A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA CARACTERÍSTICAS Área aproximada em km²: 3.900.000 23.000 Km de rios navegáveis. Estados Abrangidos: Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Pará, Amapá e norte do Mato Grosso

Leia mais

A Amazônia. 9 países da América do Sul: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela;

A Amazônia. 9 países da América do Sul: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela; A Amazônia 9 países da América do Sul: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela; 60% da área da floresta amazônica está em terras brasileiras; 3 regiões:

Leia mais

Inajá. Maximiliana maripa (Aubl.) Drude

Inajá. Maximiliana maripa (Aubl.) Drude Inajá Inajá Maximiliana maripa (Aubl.) Drude Margaret Cymerys Evandro Ferreira O inajazeiro é comum na Amazônia e ocorre em abundância em terra firme de solos pobres e arenosos. Essa palmeira é extremamente

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Solo e Espaçamento. Sistema Operacional

Solo e Espaçamento. Sistema Operacional Resinagem de Pinus A resinagem é uma atividade de grande significado no contexto econômico-social do Brasil. De importadores até a década de 80, passamos a grandes exportadores a partir de 1989. A importância

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Ingo Daniel Wahnfried * * Departamento de Geociências, ICE, Universidade Federal do Amazonas Manaus/AM Introdução

Leia mais

UNI V ER SI DADE FEDER AL DO AM AZONAS. Ufam M ulticampi. Campus de Manaus. O Amazonas é o nosso Campus

UNI V ER SI DADE FEDER AL DO AM AZONAS. Ufam M ulticampi. Campus de Manaus. O Amazonas é o nosso Campus UNI V ER SI DADE FEDER AL DO AM AZONAS Campus de Manaus UNI V ER SI DADE FEDER AL DO AM AZONAS I nteriorização Interiorização da Graduação Período 986-2006 CURSO ALTO SOLIMÕES PÓLO CONCLUÍDAS CURSANDO

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE COMÉRCIO E LOGÍSTICA DA PALMA DE ÓLEO Grupo de Trabalho de Comércio e Logística Criação: 18 de agosto de 2010 (1ª Reunião da CSPO); Reuniões: 9 e 10 de setembro de 2010 e 23 de março

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais