O CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SETOR TERCIÂRIO UM INSTRUMENTO PARA ANALISE SCCIO-ECONOMICO E ESTUDOS DE MERCADO LAMOUNIER ERTHAL VILLELA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SETOR TERCIÂRIO UM INSTRUMENTO PARA ANALISE SCCIO-ECONOMICO E ESTUDOS DE MERCADO LAMOUNIER ERTHAL VILLELA"

Transcrição

1 O CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SETOR TERCIÂRIO UM INSTRUMENTO PARA ANALISE SCCIO-ECONOMICO E ESTUDOS DE MERCADO 9411 LAMOUNIER ERTHAL VILLELA TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRA - MAS DE PÕS-GRADUÇAO EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PA RA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA NUCLEAR E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO. APROVADA POR: Prof. Mauricio Cardoso Arouca, D.Sc. / (Presidente)-^ Prçjfr Luiz Pinguelli Rosa, D.Sc. / ^ Prof. Ruderico Ferraz Pimentel, D.Sc. RIO DE JANEIRO - RJ - BRASIL ABRIL/1991

2 VILLELA, Laaouníer Erthal Consumo de energia elétrica no setor terciário - Um instrumento para análise sócio-econômica e estudos de mercado (Rio de Janeiro), XII,156 p. 29,7 cm (COPPE-UFRJr M.Sc Planejamento Energético, 1991). Tese - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE. 1. Cescimento Econômico 2. Consumo de Energia 3. Setor Terciário I. COPPE/UFRJ II. Título (série) II

3 Dedico este trabalho a meus país, e a Minha afilhada Laís. III

4 AGRADECIMENTOS Ao Or. Frederico Birchal M. Go«es, que mm su9criu o tma Tese, indicando-me a necessidade de estudos sobre o assunto, para alei» de»e incentivar e Me apoiar, ao longo de sua elaboração. Ao Dr. Antonio Carlos Ferreira de Queiroz, por ne incentivar a cursar o nestrado em Planejamento Energético, onde encontrei tanta identidade. Ao Prof. Maurício Cardoso Arouça, pela orientação no trabalho de Tese, pela sua amizade, incentivo e paciência. Ao Dr. Carlos Alberto de Carvalho Affonso, que como Chefe do DEME, me deu todo apoio a elaboração da Tese. Ao Dr. Sergio Nilo Gomes de Faria, que COMO Chefe da Divisão de Estudos do DEME, me despertou tantas curiosidades sobre o assunto, me incentivando e auxiliando na elaboração da Tese. Ao Prof. Luis Pingueili Rosa pelo seu brilhantismo e irradiação de energia possitiva, desde quando meu professor até a sua participação na banca de defesa da Tese.

5 Ao Or. Ruderico Ferraz Pimentel, por Me incentivar a elaborar este trabalho, COMO tanbém COMO participante da banca da Tese. Aos Professores do Programa de Energia, em especial a Profâ. Carmem Alval Contreiros, Prof. Adriano José Pires Rodrigues, Prof. Danilo de Souza Dias, e ao Prof. JoSo Lizardo de Araújo. Aos meus amigos de trabalho que inúmeras vezes, tanto me ajudaram sob os mais diferentes aspectos, dedicando parte de seu precioso tempo colaborando COM esta pesquisa, meu muito obrigado especialmente a: Magali de Lima; Helenice Silveira; Fernando José Pereira da Costa; Tereza Franco Ribeiro; Sergio Luiz Gaio; Jorge Camargo; Rosimere Manuei da Silva; Alfredo Maciel; Josef Perecroanis; José M.M.S. David; Neuza Salles; Net de Oliveira Costa; Roberto Brochado; Sandra Mendes Bento; Wilson Garcia; Lídia Pessoa; Maria Elena Ribeiro de Mello e Fernanüo Tourinho. Aos meus amigos de Curso de Mestrado: MarcelIo Mendes, Romulo Cravo, Fátima Boucinhas, Eduardo Cunha, Márcio Araújo, Eloina Fernandes, Álvaro e Moacyr. A minha amiga Louise Land Bittencourt Leonardo, pelo seu carinho e atenção e tantas dicas sobre o trabalho.

6 A Lilit Da»sc, Barbara» Siaone e Veloni pela amizade e atenção. Aos Técnicos do IB6E, principal«ente na pessoa da DrS. Haria Alice Velloso por todo auxilio e atenção. A Car«em Valéria Fonseca, pela dedicação na mi cragem desta t ese. ' Aos amigos Eduardo, Osmério, Paulo Márcio, Alexandre, Fátima, Cacati e Lenize, Lauro, ttarcello, HelMet, Ana Luiza que tanto me ajudaram de forma indireta na elaboração deste trabalho. A lição de vida que tive ao longo deste trabalho onde aprendi qut sem o auxílio mútuo e amizade não se consegue chegar a lugar algum.

7 Resumo da Tese apresentada a COPPE/UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências (H.Sc). CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SETOR TERCX4RI0 - UM INSTRUMENTO PARA ANrfLISE SóCIO-ECONdHICA E ESTUDOS DE MERCADO. LAMOUNIER ERTHAL VILLELA ABRIL DE 1991 Orientador: MAURÍCIO CARDOSO AROUCA Programa : Planejamento Energético Esta Tese tem o objetivo de analisar as implicações do crescimento do setor terciário sobre a demanda de energia elétr ica. Para tanto, é feita uma análise sócio-econômica do setor terciárior identificando a sua dinâmica, suas relações com os demais setores da economia, e descrevendo as metodologias de mensurações do produto. Posteriormente é feita uma análise sobre a evolução do consumo de energia elétrica no setor terciário, identificando-o por regiões do pais, por consumidores e por subsetores. Analisa-se também a intensidade de energia no produto e por último descreve-se o sistema tarifário vigente. Apôs constatar-se que o crescimento do consumo de energia elétrica no setor terciário se deu essencialmente pela participação de grandes consumidores, passou-se a identificá-los enquanto subsetores tercíáríos, para em seguida diagnosticar o potencial de conservação que cada um deles apresenta, VII

8 Abstract of Thesis presented to COPPE/UFRJ as partial fulfillment of the requeri«ents for the degree of Master of Science (H.Sc). THE CONSUMPTION OF ELETRIC POWER ON THE TERTIARY SECTOR-AM INSTRUMENT FOR ECONOMICAL AND SOCIAL ANALISIS ANO MARKET STUDIES. LANOUNIER ERTHAL VILUELA APRIL, 1991 ChairMan: MAURÍCIO CARDOSO PXOUCA Department: Energetic Planning The main subjective of this thesis is to analyse the effects of the growth of the tertiary sector on the electric power demand. In order to accomplish this goal an economical and social, analisis of the tertiary sector is made to identify its dinamic, its relations with the other sectors of the economy and to describe the methodologies for measuring the overall tertiary production. Afferwards it is made an analysis of the evolution of the electric power consumption in the tertiary sector, in order to identify the consumption per region of the country per consumers and tertiary subsectors. It is also analysed the product power intensify and» finally its described the present tariff shsten». Finally, realsing the consuption increase of eletric energy in the tertiary sector is essencialy explained by the participation of huge consumers, they mere identified as sul o sectors. In addition it was elaborated a diagnosis to measure the potential of energy savings in each one.

9 Í N D I C E INTRODUCSO i CAPÍTULO I - ANÁLISE SÓCIO-ECONÔMICO DO SETOR TERCIÀRIO Histórico do Setor Terciário Conceituarão e Metodologia de hensuração Comércio Transportes Comunicações A Instituições Financeiras Aluguéis Outros Serviços Dinâmica, Participação e Inter-relacao com Outros Setores da Economia Informalidade e Mao-de-Obra no Setor Tendências no Uso de Tecnologias no Setor IX

10 CAPÍTULO II - CARACTERÍSTICAS DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SETOR TERCIáRIO 57 II.Í Introdução 57 XI.2 Uso de Energia no Setor Terciário, conforme os dados do Balanço Energético Análise dos Dados Disponíveis sobre o Consumo de Energia Elétrica no Setor Consumo de Energia Elétrica por Região e Número de Consumidores Análise do Consumo de Energia Elétrica por Consumidores do Setor Terciário Intensidade de Energia Elétrica no Produto do Setor Terciário ; S i st ema Tar i f ár io Vi gent e 83-0 Valor Real das. Tarifas. 83

11 CAPÍTULO III - DIAGNÓSTICO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NOS PRINCIPAIS SEGMENTOS DO SETOR TERCI4RI i Introdução Comércio Tradicional Shopping-Centers Características Consumo de Energia Elétrica Resultados da Pesquisa de Campo Supermercados Características Consumo de Energia Elétrica Conclusões da Pesquisa de Campo - Possibilidades de Conservação Instituições Bancárias Características Consumo de Energia Elétrica 113 XI

12 Consumo de Energia Elétrica nas Agências Bancárias Consumo de Energia Elétrica nos Bancos Eletrônicos Consumo de Energia Elétrica nos Prédios Administrativos 118 III.5.3 Resultados da Pesquisa de Campo ~ Possibilidades de Conservação Prédios de Escritórios i Consumo de Energia Elétrica Possibilidades de Conservação Setor Hoteleiro Características Consumo de E-nerg i». Elétrica Possibilidades de Conservação Metr5~Rio 140 II Características II1.8.2 Consumo de Energia Elétrica III. 8.3 Possibilidades cie Conservação CAPÍTULO IV - CONCLUSÕES 150 BIBLIOPRAFIA 160 XII

13 INTRODUÇSO Dado os elevados custos de expansão do sistema elétrico, e as prementes necessidades de melhor conhecer o seu mercado, identificou-se a necessidade de se analisar as relações entre o nível de atividades econômicas e o consumo de energia elétrica requerido pelas diversas atividades. Dentro desta perspectiva este trabalho teve como objetivo analisar a dinâmica do setor terciário avaliando as implicações de suas mudanças estruturais sobre o mercado de energia elétrica buscando delinear suas tendências futuras, visando com isso fornecer subsídios para estudos de mercados O setor terciário é caracterizado pela sua complexidade e heterogeneidade de atividades, possuindo segmentos bastantes diferenciados, que vão desde os mais tradicionais aos mais modernos. 0 setor representa uma crescente importância para a economia brasileira e uma dinâmica muito influente nos outros setores, cabendo destacar que o setor é responsável por aproximadamente 60% do PIB. Nos países do primeiro mundo o processo de terei arizaçso pode ser explicado pela dinâmica de um desenvolvimento econsmico equilibrado e auto-sustentado que tende a expandir a producso para o setor tercíirio, fruto de um crescimento do i

14 padrso de vida dessas sociedades ou d» "Modernidade". Nesta fase do desenvolviaento, grande parte do excedente econômico é direcionado à produção de serviços, bea COMO a preservado da qualidade de*vida. 0 processo de tereiarizaçio brasileira divergiu fundamentalmente das tendências observadas no priaeiro»undo r aqui a expansão deste setor foi na rs intensa quando a produção industrial apresentava baixo crescimento ou Mesmo estagnada. De acordo com a literatura disponível o Mundo atual vive o denominado "tertiary stage". 0 processo de modernização do terciário brasileiro, seguindo padrões de estilos arquitetônicos dos países desenvolvidos significou uma demanda crescente de energia elétrica, que de certa forma foi fomentado pelas baixas tarifas do setor praticadas nos últimos anos, incentivando desperdícios e uso irracional deste insumo, o que por outro lado também significou um atraso na buscai de soluções alternativas, e uma opção pelo uso de tecnologias antiquadas. 0 trabalho terá como objetivo analisar o processo de evolução do consumo de energia no setor, onde se constata a intensificação no uso de energia no setor, e am crescimento do setor via grandes consumidores. Na elaboração da pesquisa confrontou-se com uma grande dificuldade na obtenção de dados sobre o setor, sendo necessário unir peças como um grande quebra-cabeça, pode-se

15 dizer que a literatura sobre o assunto no Brasil é extremamente escassa. A Metodologia adotada para a elaboração do trabalho, seguiu basicamente a seguinte linha: No primeiro Capítulo foi elaborada uma análise sócio-econsnica do setor sendo esta composta de UM histórico; descrição conceituai e metodologias de mensuração do produto conforme a contabilidade nacional; análise da dinâmica» participação e inter-relação do setor con os outros setores da economia; analisa também a questão da informalidade no setor no sentido de avaliar os impactos que esta causa no consumo de eletricidade; e finaliza a análise com a avaliação das implicações das tendências tecnológicas influindo tanto na questão da energia como no "Modus Operande" do setor. No segundo Capítulo são analisados os dados do Balanço Energético Nacional r onde foi possível visualisar a existência de um processo de substituição de energéticos no setor T e o grau de utilização de energia elétrica para o suprimento da<r> necessidades setoriais. Em seguida analisou-se as estatísticas de consumo de energia elétrica elaboradas pela ELETROBR4S r onde foi possível identificar o consumo de energia por região do Brasil r o número de consumidores, o consumo por subset ores e a intensidade- de energia elétrica no produto; faz-se também uwa descrição do sistema tarifário vigente. 3

16 O terceiro Capítulo se ocupa en diagnosticar alguns segmentos setoriais por onde foi possível avaliar as diferenças no consumo entre os estabelecimentos tradicionais e os mais modernos do setor, para tal utilizou-se de alguns parâmetros que captassem estas diferenças. Os diagnósticos também se preocuparam em caracterizar os estabelecimentos, indicando em alguns casos que estas características implicam em consumos específicos de energia elétrica. Através dos diagnósticos foi possível também identificar, de uma maneira geral, os potenciais de conservação de cada segmento através dos dados da pesquisa de campo. Para compreensão das especificidades do setor foram analisados os seguintes segmentos: Comércio Tradicional, Shopping Centers, Supermercados, Instituições Bancárias, Prédios de Escritórios, Hotéis e Metro-Rio. Devido as particularidades quanto ao uso da energia e a disronibi1 idade de dados a linha metodológica utilizada para a elaboração dos diagnósticos foi destinta para cada segmento. A dificuldade na obtenção de dados específico» referentes ao uso da energia reflete a falta de uma cultura na sociedade em relação à racionalidade no uso da energia, que reflete também uma cultura institucional onde a relação Empresa/Usuário de energia não foi previlegiada.

17 CAPITULO X ANÁLISE SóCIO-ECONôMXCA DO SETOR TERCX4RIO I.i Histérico do Setor Terciário A evolução cio setor serviços está intimamente relacionada com a história da nossa época, ou seja, da evolução do sistema capitalista. Co» o dec1 mio do sistema Feudal e o surgimento do per Todo Renascentista, o comércio torna-se a atividade econômica central. A acumulação de capital foi fomentada pela prática de políticas mereanti1istas operadas pelas nacoes preponderantes da época, e desta acumulação advieram as grandes transformações ocorridas nos períodos subsequentes. Nesse período de transição sócio-econômica r ocorrido na Europa Ocidental nos séculos XVII e XVIII, é que surgem os primeiros pensadores a formularem os circuitos econômicos, ou seja, os Fisiocratas. Para eles as atividades comerciais e financeiras eram consideradas como atividades não-produtivas r pelo fato de não agregarem valor às matérias-primas. Sendo assim, por atividades produtivas os Fisiocratas só consideravam a Agricultura e a Pecuária, cabendo ressaltar que as atividades manufature iras tinham pouca representabí1 idade no período.

18 Esta noção de Atividades Produtivas e N5o-Produtivas passou a ser utilizada pelos economistas clássicos. Estes, porém, incluiria» a manufatura no setor produtivo. Ainda assim, os serviços ainda não eram consideradas como atividades produtivas. Este tipo de análise pode ser detectado em Adam Smith, David Ricardo, Karl Marx e John Stuart Mill. No último quartel do século XVIII (1), Adam Smith descrevia que o cenário empresarial inglês era dominado pelo empresario-capitalista, este contratava mão-de-obra e negociava através de sociedades comerciais. A agricultura no entanto, continuava a ser a atividade mais importante, porém, já se davam grandes passos ao nível do progresso técnico, particularroente nas indústrias text is e metalúrgicas, o que assinalaria o prelúdio da Revolução Industrial. Nesse período de mudanças e de acumulação de excedentes (2). A divisão do trabalho já começa a ser notada em alguns países pela especialização na produção manufature ira, sendo este fato fruto do processo industrializante, que traz consigo grandes mudanças sociais, que vão desde aos modos de vida, forma de alocação da mão-de-obra, a formação dos excedentes, e etc. No século XIX, Friedrích List (3>, passa a considerar, a educação, a administração e a comunicação como fatores produtivos importantes. Elaborou também um esquema descritivo para o processo de desenvolvimento por estágios econômicos que 6

19 ocorreria da seguinte for«a* 19 Estágio = Agricultura 22 Estágio = Agricultura - Manufatura 32 Estágio = Agricultura - Manufatura - Comércio Apesar dessa teoria do? estágios de desenvolvimento ser u«a questão bastante questionável foi um grande avanço na época. Podenos notar que de fato estes estágios são complementares e entre eles existe uma grande inter-relação. Exemplo disso é que: com a industrialização aumenta-se o fluxo do comércio internacional, que passa a ser respaldado pelo padrão-ouro, facilitando as transações internacionais e fundamentando o sistema financeiro, logo um aumento das atividades terei ar ias. Chega-se r então, a um novo período histórico onde a indústria ocupa posição principal no cenário econômico internacional. Formam-se os estados fortes e surgem novas poténc i as. Contudo, é a partir da 23 Grande Guerra Mundial que o setor serviços se desenvolve, passando a ser a atividade Preponderante e complementar aos demais setores. Neste período cabe destacar que o governo passa a atuar de forma mais enérgica na economia, ou seja, utiliza de políticas keynesianas. As estruturas de emprego se transformam rapidamente e nos países mais desenvolvidos, migra a mão-de-obra da Agropecuária e Indústria para o setor serviços.

20 Esse novo período histórico recebe diversas denominações COMO a de "tertiary stage" con-f. A. Fisher (4), ou MCSMO conforme citado pela ONU (5) de acordo C M a literatura existente no assunto cpmo: "The new service economy", "de industrialization" e de "post industrial stage". 0 nais importante é citar que nesse novo período, subentende-se a econoaia já ter superado os problemas conuns da produção Manufature ira. Sendo assim, possível destinar Maiores recursos para a produção de novos produtos industrializados e principalmente para serviços. Estes novos bens não estaria» incluídos no rol daqueles oferecidos nos estágios anteriores <ó), constituindo-se desde viagens, diversões variadas, serviços pessoais e culturais entre outros. Nessa fase, então, os serviços improdutivos conforme descrito pelos economistas clássicos, absorveriam uma parcela de tempo cada vez maior da comunidade. No século XX, então, a importância do setor Terciário no desenvolvimento econômico é comparável com a produção industrial para os dois últimos séculos. (1) - Ver, RIM I.H. História do Prnsaarnto Ecooitico - ed. Atlas S.P (2) - Ver, IttaiUc, tarar - A Parte Maldita <3> - Enciclopédia Britânica (4) - Ver, Allan 6.B. Fitóer - " Capital and Growth of Knovlcdge" The Econoaic Jornal - set (5) - Ver, United Nacions - Trade and Development Report, 1988, (ó) - Dinâmica do setor serviços no irasil Ewrcio e Produto Wander leu J. H. Alarida e Maria da Conceição Silva. 8

21 1.2 Conceituaçfio e Hctodolo9ia d* Hcnsvracio Para a conceituação do setor serviços utilizaremos o N.S.C. N. (1) - NOVO SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS - elaborado pelo IBGE que segue as recomendações internacionais das Organizações das Nações Unidas - ONU. é através da Contabilidade Nacional que a economia de UM país é representada e quantificada, sendo tradicionalmente subdividida em três setores: - Agropecuária ou setor Primário - Indústria ou setor Secundário - Serviços ou setor Terciário Pelo somatório do valor adicionado <*> de cada setor, chega-se ao PIBcf (Produto Interno Bruto a custo de fatores), conforme mostra o esquema abaixo: - Agropecuária - Indústria. E>:tr ativa mineral. Transformação. Construção - Serviços industriais de utilidade pública ( ) Valor Miciorado c o saldo entre o valor tft produção t o CMMM ccmmica. interiediãvio ei cate atividade

22 Serviços. CoMércio. Transportes. Aéreo. Ferroviário. H i drov i ár i o. Rodoviário. Dut ov i ár i o. Coaunicações. Instituições financeiras. Administrações Públicas. Aluguéis. Outros serviços Subtotal Menos: I«putação dos serviços de intern, financeira PRODUTO INTERNO BRUTO A CUSTO DE FATORES. Extraído do S.C.N - Sistema de Contas Nacionais - I Mo). Este tipo de contabilização é denominado de ótica do Produto; onde: PIB= Onde: VBP-CI 1.0

23 PIB = Produto Interno Bruto VBP = Valor Bruto da Produção Cl = ConsuMO Internediário Também pode se utilizar a ótica da Renda, onde o PIB é a soma dos rendimentos gerados na produção e os impostos indiretos líquidos. E ainda pela ótica da Despesa que é igual ao valor dos bens e serviços resultantes da produção das unidades residentes para o uso final. A mensuracão do setor serviços é a que apresenta maiores dificuldades pelo fato deste não ter um produto final de fácil contabilização como ocorre nos outros dois setores, (Primário e Secundário). Outra característica é a heterogeniedade das atividades, como exemplo, observe o quadro a seguir: MAMAS ATIVIDADES E PRODUTOS DO SETOR TERCÜRIO Atividade Coacrcio Produto Intertediiçio (facilitacio dc consuio e produção) Rcprcsentacio et teral Interned iuio c divulgação Bancos et feral Intermediação Corretores dc câtbio e valores Iitteraediacio Corretores dc iiíveit Intcraediacão Atentes de turitm e viam Intentediacão c lazer Coawibias dc sesvros Garantia Outros atentes financeiros (diverso») Hotelaria (e Restaurantes) Produção de terçado e fácilitacio de consuio Transportes Comicacies Rádio c Televisão (difusão) Lazer e fácil itacio de consmo c produção Lazer e facilitacio de consuto e produção Lazer e foriacão cultural (nis facilitacio dc consuto e produção) li

24 ALBUMS ATIVIOMIES E HNMTOS DO SOM TOCIfllO Atividade Produto Serviços técnko-trofissioaais InstituicSes de miao fa tirai Instituicies de pesquisa et feral Institui cies filantrópicas e religiosas Instituiçtes recreativas e culturais Administração govcrnatmtal Defesa e policiaueato Saúde pública - Governo Educaçío-Govtrno Conservaçio-6overno Pronocâo econnica-governo Prosocâo social-6overno Serv i cos dowst i cos-fune i onaaento Serviços donésticos-nanutencâo (diversos) Fortacao cultural (laztr) Fortação cultural (lazer) Satisfação skio-cultural-reliiiosa Later e foraacão cultural Garantia de interesses gerais da coletividade 6arantia de interesses gerais da coletividade Garantia de interesses gerais da coletividade Foraacio cultural e garantia de interesses gerais da coletividade üarantia de interesses gerais da coletividade 6arantia de interesses gerais da coletividade Garantia de interesses gerais da coletividade Produção de terçado e facilitacio do consuto e produção Produção de terçado e facilitacio do consuto e produção FONTE: Dinúica do setor serviços no Brasil - etprego e produto - Autores: Alteida, H.J.N e Silva, H.C. - IPEA - INPES O fato da dificuldade na mensuraçao e corteei tuacao do produto do setor é função deste produzir fatores ná'o-mater iais, ou seja, Serviços- Veja por exemplo a preocupação destes autores em exemplificar esta problemática: texto extraído do papers

25 »" The Heasurement of Service". - Internacional Association for Rcseard in income and Health - August autor * R. Gajecki and S. Kasiewicz; tradução prép- ia. " O caaceito de ameia e distriaaicâa ia reaja aacieaal, «asaria visto ria esfera ria coataailizacao rias serviços aprestata alfaaaa serias dificalriaan. Ea priaeiro las*, a de def iair s neap» das service* aia-aateriais afiliadas aa esfera at prodatio aafterial. Desse aada, iapacta fa nftra ax tarvicaa aaa aatariai» aa anavelvinate aa praanâo aaterial é taabéa «a difícil acertacia, aa aaaa» ivaaaivel *t attutvs» Ea scfaado laiar, ao caapo ia coataailiacaa áas smricas aia wttriait, a istratara isttraa tea anptsai yeraeas a prawisiaaaia» wa scvicaa aia aattriait aia é iantif icaia. Ea caasavmacia, aia r passível astaaclccar aa flaxo aas scrvicas iataraas sn a esftra aio-aatirial. Ea tercerro l«far, es esforços para acasarar a valaac ax serviços terarios aa esfera aso-aaterial sitaa-se aaito aais aa esfera acaléaica, ao «ae aos ceatras oficiais at contaailiriaat. 0 fato *f «So se poier estiaar o volaar êo proaato irraáo aa esfera aio-atterial tea COM coasevnacia a iarossibilidade de se adotar «al«kr foraa de aeasaracao «st avalie, de fato, a diaâaica rio setor. Ea particahr, é coaaa aio se considerar o deseavolviaeato das atividades aâo-aateriais, coao «a fator «ie colakore para o deseapeaao iloaal da ecoaoaia". ú lógico que quanto mais detalhado pudesse ser a mensurarão do setor mais fácil se tornaria sua análise, sua dinâmica e sua repercussão na economia. Conforme a metodologia adotada no S.C.N-IBGE entende-se ' por setor serviços o somatório das atividades de Comércio, Transportes, Comunicações, Instituições Financeiras, Administrações Públicas, Aluguéis e Outros Serviços. O cálculo do produto real de cada segmento do setor adota um método diferente de contabilização, conforme pode ser observado no resumo da metodologia para cada subsetors 13

26 1.2.1 Cooércio Compreende a venda de produtos novos e usados adquiridos de outros agentes econômicos e pode ser dividido e» atacadista e varej ista. A estimativa do valor da produção c obtido pela diferença entre as compras e as vendas dos produtos i. serem comercializados, isto é, a Margem Comercial. Fontes de dados: - Censos Comerciais - IBGE - Censos Demográficos - IBGE ~ Pesquisa Industrial Anual <PIA) - IBGE - Coordenação do Sistema de Informações Econômico Fiscais - CIEF - Ministério da Fazenda - Centro da Estatística de Preços - IBRE/FGV 0 Cálculo do índice de Produto Reais 0 manual de metodologia do S.C.N. destaca os problemas de mensuraçao desta atividade, que apesar de operar com bens físicos, em realidade seu produto é um serviço, ou seja, um bem intangível, é considerado então para o cálculo do produto real a variação do volume das mercadoria?» vendidas.

27 1.2.2 Transportes Abrange os serviços de transportes Hidroviário, Aéreo, Rodoviário e Dutoviário realizado pelas empresas transportadoras, pelos departamentos de transporte de empresas que atuam preponderantemente em outras atividades e pelos transportadores autônomos. Fontes de dados: - Superintendência Nacional da Marinha Mercante (SUNAMAM) - Petrobrás - Cia. Siderúrgica Nacional - Cia. de Navegação do Estado do Rio de Janeiro - CONERJ - Departamento de Aviação Civil (DAC). Ministério da Aeronaut ica - Rede Ferroviário Federal S.A. (RFFSA) - Cia. Vale do Rio Doce - Ferrovia Paulista S.A. (FEPASA) - Cia. Metropolitana do Rio de Janeiro (METRÔ) - RIO) - Cia. Metropolitana de Sao Paulo (METRÔ - S»0 PAULO) - Pesquisa Anual das Empresas de Transporte Rodoviário IBGE - Censos Demográficos - IBGE - Inquéritos Especiais sobre Transportes - IBGE 0 Cálculo do Produto Reais A metodologia útil irada par o valor da Produção das ÍS

28 empresas que presta» serviços nas diversas Modalidades de transporte é a seguintes somando-se as receitas do transporte, dedus-se o consumo intermediário e chega-se assi» ao valor adicionado e a este resultado soma-se o rendimento dos autônomos. O cálculo da receita é feito por modalidade de transporte respect ivãmente! - Hidroviário - o cálculo é feito em função dos fretes das importações e exportações por principais portos, para cada modalidade de navegação: longo cursor cabotagem e interior. - Aéreo - o cálculo é obtido agregando-se as variações quantitativas do número de passageiros/km e mala postal, t/km ponderados pelos seus respect ivos preços. - Ferroviário - o índice do produto real é obtido agregando-se as quantidades transportadas de passageiros/km e de mercadoria em t/km-ütil, ponderadas pelos respectivos preços desses serviços prestados pelas estradas de ferro. - Rodoviário - o cálculo é estimado pela variação do consumo efetivo de óleo diesel. (Fontes PETROBR4S) - Dutoviário - pela falta de um indicador que espelhe sua produção física, o cálculo do produto real dessa atividade corrersponde a média das atividades de transporte.

29 1.2*3 CcMMinícaçii Esta atividade compreende os Serviços Postais e Telegráficos e os Serviços de Telecomunicações. Fonte de dados: - Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (E.C.T) - TELEBRdS 0 cálculo do índice do Produto Real é feito do seguinte i modo, agregando~se: - Os Serviços Postais e Telegráficos - sao medidos através de dados de produção física do Tráfego Postal. - Os Serviços da Telefonia evoluem por um índice formado pelo número de pulsos das ligações locais, interurbanos e internac ionais Instituições Financeiras Este setor agrega as unidades institucionais residentes cuja função principal é coletar, transformar e repartir os meios de financiamento. 17

30 Fonte de dados: - Banco Central * Banco do Brasil S.A. - Banco Nacional de Desenvolviwento Econômico e Social (BNDS) - Banco Nacional da Habitação (BNH><«> - Banco Nacional de Crédito Cooperativo (BNCC><*> - Caixa Econômica Federal (CEF) - Caixas Econômicas Estaduais - Associação Nacional de Bancos de Desenvolvimento (ABDE) - Associação Nacional de Bancos de Investimentos <ANBID) - Eletrobrás <**) - Instituto de Resseguros do Brasil - Inquéritos Especiais do IBGE sobre Instituições de Crédito -- Confederação Nacional dos Trabalhadores das Empresas de Crédito (CONTEC) - Ministério do Trabalho. 0 Cálculo do índice do Produto Real: 0 IBGE ressalta as sérias dificuldades para mensurar em termos reais o produto desta atividade, observando ainda que existe uma diversidade nos métodos de avaliação adotados por diversos países» Diz ainda, se fosse utilizado o mesmo procedimento das demais atividades par., o cálculo do valor de Produção poderia se chegar a um Valor Adicionado perto de zero ou negativo. <«> Já extintos. (»»> Nova Ktodolosia 1W» sai de Inct. Financeiras e pasta para Serv.Industriais íe utilidade pública. 18

31 Geralmente, os serviços prestados pelas Instituições Financeiras ou são gratuitos ou sio cobrados a preços muito baixos» e ao se ret irar neste valor gastos COM O consumo intermediário chegaríamos a um valor adicionado de difícil interpretação. As Instituições Financeiras obtém a maior parte de seus recursos através da diferença entre os juros recebidos e pagos, porém em Contábil idade Nacional, os juros nao são tratados como remuneração por serviços prestados mas como una operação de repartição da renda. Na versão atual das Contas Nacionais é utilizada como indicador de crescimento real desta atividade (excluindo a Imputaçâo de Serviços de Intermediação Financeira) a evolução do número de pessoas ocupadas em Instituições Financeiras e Seguradoras. Essa metodologia pressupõe constante, através do tempo, a relação produto/homem ocupado e r em conseqüência, nao leva em consideração os efeitos ocasionados por mudanças tecnológ icas Aluguéis Inclue o Aluguel de bens imóveis (edificações residenciais e não residenciais), equipamentos, maquinarias e outros bens, exceto de terrenos e ativos não físicos (intangíveis) tais como direitos autorais, patentes, marcas, etc). inclue também o aluguel imputado dos domicílios ocupados Í9

32 por seus proprietários. Sua Mensurarão procura quantificar os serviços prestado por esses bens de capital. Fontes de Dados: - Censos Demográficos - IBGE - Censos Econômicos e Inquéritos Especiais - IBGE - Coordenação do Sistema de Informações Econômico-Ftscaíf (CIEF) - Ministério da Fazenda - Centro de Estatística de Preços - IBRE/TGV Cálculo do índice de Produto Real: Não existe indicadores de evolução física para Aluguéis. 0 cálculo para esta atividade acompanha a média da economia Outros Serviços Define-se como um conjunto de atividades que de acordo com as recomendações internacionais deveriam ser mensurados.-separadamente, contudo, a heterogeneidade dos segmentos que integram esse grupo, não permitem tal desagregação, visto as disponibilidades estatísticas atuais. Com a finalidade de facilitar a contabilização, estas 20

33 atividades fora» reunidas «a dois grupo*t 1 - Atividades Sociais (inclusive Instituições Privadas sea Fins Lucrativos). ensino particular. assistência Nedico-hospitalar privada. cultos e atividades auxiliares. instituições culturais 2 - Prestação de Serviços. serviços de alojaaento e alinentação. serviços de higiene pessoal. serviços de confecção, conservação e reparação de artigos de vestuário. serviços de conservação, reparação e instalações de máquinas e veículos. serviços domésticos remunerados. conservação de edifícios. outras atividades (incluindo os serviços auxiliares e de apoio prestados a empresa). Fontes de Dados: - Censos de Serviços - IBGE - Censos Demográficos - IBGE Cálculo do índice de Produto Real: A estimativa do produto real de Outros Serviços é feita pela taxa de variação anual do pessoal ocupado nestas atividades, calculada a partir de dados fornecidos pelo 2i

34 Ministério do Trabalho. Esta estatística só está disponível a partir do ano de Nos demais anos» por falta de indicadores específicos, a estimativa da evolução destas atividades acompanhou, implicitamente, a da média da economia. 1.3 Dinâmica, ParticipaçSo e Inter-relação com outros Setores da Eci 0 setor serviços passou a ter uma participação mais atuante no período pós 23 Grande Guerra Mundial. Conforme já citado no subcapítulo I.i, o que não significa dizer que o setor não tinha una participação iaportante antes deste período, «as sim que a partir de então ocorrera o que podemos denominar de uma revolução do setor serviços. Sua elevada participação,, já era observada nos países de economia mais avançada, conforme é mostrado no quadro a seguir, extraído do livro: Dinâmica do Setor Serviços no Brasil: Emprego e Produto; autores: Wander ley J.M. de Almeida e Maria da Conceição Silva - IPEA «MMO PAtTICIPAflO DO SETOR TERCI4SIO NO P100UTO IMTEINO NOTO, A CUSTO DE FATORES - PAÍSES SELECIONADOS Participação Percentual País/Período (PIL) Preços Correntes Preços Constantes IWi/íBil 43,8* 43,8* IWi/itti"" 44,2* 44,r ÍW7 54,r 54,3" 22 (Continual

35 PMMITO IRIEMIHTIt A OBTO K FAWES - PAÍSES SLECMMC Participação Ptrcutol Nis/Ptrífl* Preços Carrot cs Pretos Coftstaatts 6ri4rttaaha (PB) 19t leiao Ihido (PD) /19*7 Fraaça (PII) Norteia (PII) IMS Svfeia (PII) 1861/187» 1951/ / /1967 Estados Unidos <W) /1899 (PM)- 1889/ / /1967 Canadá (PIB) 951/ / ,7 42,6 41,6 38,5 42,«- - 34,3 39,1 31,9 32,7 39,1 31,6 38, ,3 53,2 38, ,8 41,6 43,8 33,9 39,9 39,5 31,2 31,4 36,5 47,5 45,7 5f,4 52,4 37,5 35,7 FONTE DOS MOOS: S. Kuznct», op.cit., PP. 144/151. NOTAS A definição do setor tcrciario corresponde i it S. Kuznets. 23

36 Vários fatores influenciar»* esta dita revolução, COMO exeaplo* a urbanização, a Modernização da sociedade, uma Maior ingerência do estado na economia, etc. Conforme Paul Singer (Ver CEBRAP): "... 0 prictuo MT «rtaizicát te ucicmts mitmi truta CMtiM) a fome» it caytoms strvicos. Este* st sit «* «klta» to ciiafc». Um CMfiynÕB ttoca it w ctotro sttrawlitaw t HTMMI HT «oajwt» it KTVÍCM it cortrolt - itivimts Mlítios ItiantiM, Itfislalm, jmliciárii), rtlifiosas, finktirw, siaiictis, M? iftfarsttica, fiscais t ttc. to rtmw it «ai tt ormiizm Ntm strvicw tw ittsin Rtctstiiaits i i KP«lad» («colts, hmpitait, CÍMHS, cotros êt Iam). As iiüstrias st local izariw aos wrvlmvi Ats ctntros ConforMe este autor a existência e a organização das cidades e principalmente das "megalapolis", que se Multiplicam tanto nos países desenvolvidos COMO ainda nos nâo-desenvolvidos, isto é, de certo modo fruto de um processo de "tereiarização" da economia. Ressalta também que o processo de terciarizaçâo é comum a quase todos os países o que irá resultar em sociedades fortemente urbanizadas com características de grandes concentrações. Existindo então uma tendência a um elevado crescimento da produção n8o-material. Vários fatores explicariam essa dinâmicas entre elas destacam-se as inovações tecnológicas, como a automatização e mecanização, que liberam mão-de-obra de outros setores, migrando estes trabalhadores para o setor serviços. Vale dizer, que nos 24

37 países nso-descnvolvidos, a parte " estagnada " do exército industrial de reserva, se auto-sustenta mediante a uma variedade de atividades consideradas como Marginais, tais COMO: vendedores ambulantes, engraxates, lavadores de carros, carregadores etc. Considero válido acrescentar a esta análise feita por Paul Singer outros fatores que também influenciam o setors - Nível de Emprego da Economia; - Nivel de Produção Industrial; - Grau de Informabilidade; - Nível tecnológico, etc. No trabalho: 0 Departamento de Comércio e Serviços e a I I I Conferência Nacional de Estatística, IBGE comentas *... A estrutura de distribuição e concentração da renda pessoal determinantes do padrão de distribuição c diversificação do COBSUM influei diretaiente no aoviiento daqueles serviços destinados ao consuto pessoal. A participação desses serviços no total de atividade liga-se, também, ao grau de urbanização, diversificação e especialização industrial e nível de qualificação da mão-de-obra. Os serviços tue se destinai predominantemente ao consuno intermediário são influenciados, naturalmente, pelo crescimento dos outros setores de atividade. A participação relativa da prestação de serviços na geração da renda nacional c determinada fundamentalmente por escolhas entre * comprar " t" fazer \ ou * comprar * e" alugar *. De acordo com as normas internacionais, a apreensão dos fennenos CCMMÍCOS passa pelo fato de serei transacionados no nercado ou serem produzidos a partir de fatores de produção comercializados no mercado. Portanto, quando um indivíduo decide utilizar serviços como lavanderias, restaurantes ou cabelereiros cm lugar de executá-los por conta prépria estará influindo no nível da produção. Da mesma forma, uma empresa ao decidir contratar de terceiros, serviços de auditoria, consultoria, vigilância, etc. em lugar de executá-los com MUS préprios recursos, estará estimulando o crescimento dos chamados serviços auxiliares. 0 processo de dcsverticalizacão de estrutura produtiva, ou aprofundamento da divisão do trabalho, deve ser considerado atentamente na avaliação da atividade de serviços. Estreitamente ligada à questão anterior aparece a da autonomia. Até que ponto esses serviços são produzidos por rapresas essencialmente prestadoras de serviços? A investigação da independência e autonwia destes serviços ainda não foi analisada e para 25

38 isso dever iaa ser pesquisados aspectos relativos a» relacioaaotftto prestadoras de serviços e avarias «je os coasoaeo. te A yaode sofisticação e diversificacs» te pratacia iadtstrial é aotro fator iapvtaate para análise to aoviacato e diretia do cresciaeato do setor. A itspoaisilidade de aovos produtos aomfatvados, coao por exeaplo, caapatadorts M aparellms de vídtemssetc, iatlica ao soriiaeato de aovos seaontos da atividade cooo serviços de reparado» serviços de locacio (de ewipaontot M de fitas), serviços de proaraaatso, assistéacia técnica etc, ". Observamos então que o setor Terciário funciona COMO complementar e compulsor das demais atividades, cumprindo um papel importante na manutenção do nível das atividades. Sua dinâmica pode estar ligada a períodos de crise onde o governo pode passar a atuar de forma mais marcante e ou, em outro caso, como uma queda na produção industrial por outros motivos, os trabalhadores do setor secundário transferem-se para o Terciário. Esta transferência fomenta atividades cornos do tipo o pequeno comércio, camelos, confecções, táxis, etc. Por outro lado, o bom desempenho da economia também favorece o setor serviços, como é o caso da produção de novos equipamentos pela indústria, que aumentam as atividades terciárias, como exemplos podemos citar: computadores, novas instalações, video-cassete, edifícios inteligentes etc. Chega-se a conclusão que a terciarísacão da economia é quase que inevitável. Em outras análises como a de W.W.Rostow (*), que no caso, poderia até mesmo ser comparado o esquema simplificado de List que foi citado (*) Ver Oioáaica do Setor Serviços no B r u i l,

39 no histórico, o esquema de Rostov faz uma descrição para as fases do processo de desenvolvimento, subdividindo estas fases em: " a sociedade tradicional "," precondiçoes para o take-off ", " take-off, " transição para a maturidade " c a " idade do elevado consumo em massa " e a ultima fase denominada de " pós-consumo". Podemos melhor compreender estas fases sobre a ót ica do processo de desenvolvimento: - " Sociedade tradicional " - Entende-se que as atividades primárias como as principais na economia. - " Precondições para o take-off " = Ocorre formação de nova infra-estrutura econômica e por lenta transformação sóc io-política-inst ituc ional. - " Take-off " - A economia já é formada por infra-estrutura essencial moderna, acentuando-se o setor industrial moderno. - " Transição para a maturidade " = Novo estágio de crescimento econômico, o processo produtivo se torna mais complexo e as inter-relacoes industriais aumentam. 27

40 " Elevado consumo en Massa " * A ênfase do processo produtivo deve deslocar-se para as indústrias de bens de consumo duráveis e para atividades terei árias, nesse momento a renda "pmr capita'' do país teria atingido a um nível onde as necessidades básicas já teriam sido alcançadas. " Pós-consumo " = Compreende-se que o bem-estar da coletividade è uma realidade alcançada, necessitando assim a sociedade de mais serviços, que se evoluem em cadeia. Podemos observar nos quadro í.3.2, a seguir, a existência de uma forte inter-relacao entre o grau de desenvolvimento de cada país analisado com as suas principais atividades econômicas, fort ificando-se, assim, a análise dos estágios de desenvolvimento.

41 ESTRUTURA DE PMMIOO (n ilhm 19*5 ECONOMIAS DE BAIXA KENDA PIB C0MPMAC8ES IHTHHACI0ÍMI5 dt «ilaret) 1967 Pvticincio Rtht i vi no PIB (Z) AfltOPECUftIA IMMSTtlA B7 SERVIÇOS CHW» ÍMIA ETIÓPIA INDONÉSIA 6539» SB ECONOMIAS DE RENDA NÉDIA BAIXA IOLÍVIA EGITO COLÜIIA TAIUNDIA t* ECONOMIAS DE RENDA NÉDIA ALTA BRASIL AR6ENTINA PORTUBAL GRÉCIA VENEZUELA B nwtww 49élO * ECONOMIAS DE RENDA ALTA E.Ü.A ITrfLIA REP.FED.ALEMANHA JAPSO FONTE! Eliboricio Prípria BANCO MUNDIAL -TRADE M d Develwacnt Report,1988. Assim sendo, notamos que os países denominados de Renda Baixa, têm suas atividades econômicas centradas no setor primário; o segundo grupo, de Renda Média Baixa já apresentam uma distribuição Mais homogênea inter-setorial, mesmo assim, nota-se que o setor serviços já concentra aproximadamente metade do Produto Interno Bruto, caracterizando um inchamento setorial. 29 Este inchamento que

42 ainda pode ser «elhor observado pelos Países de Renda Média Alt» ou países de economia transitória, onde as atividades esta centradas nos setores secundário e terei ária. Observando aind que o terciárior em algumas vezes, já assume uma posição superio ao somatório do produto agregado dos setores primários e secundários» As Economias de Renda Alta, ou Desenvolvidas, concentram aproximadamente 60% de seu produto nas atividades terei árias. Agora, analisaremos o perfil das estatísticas do Brasil, frente a um quadro comparativo com países desenvolvidos. Para se tornar as nossas estatísticas compatíveis, foram necessárias algumas aproximações, que podem jer vistas nas r.otas do rodapé do quadro 1.3.3, a seguir. «JADRO PARTICIPADO RELATIVA DOS SETORES NA ECONOMIA, PAÍSES DA OCOE E BRASIL * (Porcentasra) jlconllou*) Estados Muitas JiEM Etna fosil ExtratJvi * Manufatura » Serviços » 59.3» Construção Transporte Cominicacio Atacado » » » í«.7»

43 1.3.3 KLATWn DBS SETHES» ECMNUA, PUSES M OOE E SUSS. " (rorcentam) Varejo Finanças leikios S » 6.: - IB.7» Doaéstico «.1 « * 12.3* Outros scrv. eu. Social 6owerM Mutueis im * 2.5» * 2.3» Total 1M.I itt.t itm 1#M itf.t IBM itm IBM 1BB.0 i*m FORTE: Elaboração Prépria Países OCOE : Banco Mondial - Trade and Development Report, IB6E-0EOM. " - Coaparativaaente ao Brasil a estrutura setorial difere bastante dos deiais países. Por exeaplo, na indústria estio incluídos Construção e Serviços Industriais de Utilidade Pública, Não existe a abertura para o couêvcio atacado e varejista. Não existe o iten Neiicios, nen Serviços Doaésticos e Outros Serviços Pessoais, o que estaria» incluídos?» outros serviços. Tentamos tornar os dados coupativeis apenas para una análise cooparativa. * - Excluindo Construção Civil e Serviços Industriais de Utilidade Pública. * * Incluindo Construe» Civil e Serviços Industriais de Utilidade Pública. * - Hão existe na contabilidade nacional a abertura entre Coaércio Atacado e Varejo. 4 - Considerando o dooestico, e outros serviços pessoais, coto itens de Outros serviços. * - Considera-se COM social, os serviços industriais de Utilidade Pública. 31

44 O Quadro 1.3.4» a seguir, Mostra a participação percentual dos setores na economia Brasileira, os valores não são compatíveis COM O quadro anterior, devido a compatibi1izaçso necessária à comparação. MK: nume SECUMIO PHcMit.FiK btiri.fii mm mm tm c.t. vm m 44,1 913,4 m ,3 8,5 83, , tttnarm mum tz> N 21,7 25,2 24,3 24,1 54,1 SM m m 2.9 3, f,l IN 2,9 I I4.4 ESTinSTIttS M14N4N ,1 28,7 38,4 55,1 «3 $ w m 174,4 235, ,3 U,2 15,8 2f ,3 11,9 35, , ,4 51,8 ~ m 4,4 IN 4,7 m 4,3 m 5,é m 1175 \w> vm um 79,5 M ,1 3H,7 2li,3 4«,2 41M fu; 333,? 4«,2 743, T ,7 1552,1 2377,4 42,9 44, , ,1 IN 4, ,7 lf,9 12,7 41,4 39,9 3M 41,9 49,2 41,7 IN 4,7 IN 7,2 IN 7,5 (CHtitM) : U7.8: c t! : S8.2 IN ! : 9,9i # 4 5M: IN! í 8,1: FüF/PII 14, , ,9 21, ,3 22,4 21,3 22,2 234: TAXAS DE asscderw - VriKM» w a i s MO»: muno seomiie TOCWIW Fllc.f » 1971 tm icwhfe 12 MR ,7 12,4 31,5 19, ,1 ifo 11, , ,9 12,'i 11, , ,4 2,2 M 4,9 11,7 11,9 4,8 11,3 13,9 84 5,1 18,1-24 4, , ,4 44,3 31,8 48,8 5 4, i 4,71 44: 7,7: 4,7: i 1979! 77,2» ( FMEl I 6E - KM, ElBwxMt Mor tfi ikr (H) \tktmt\*h FiMKcin - rccck tr^mnto nrcciil M CiwtMiliMf Jteim). filo Itttkmm nrceli n n Mu»itiviMn, MTMTitü wíkiwltnrtf HUI inuitiitíes fimceirn, nrh i Main do flkt, cvitir N»h contam.

45 I! 25» : MbttrJi» t PDt.f. Im: : PttttM : 1BCHU8! PDcf-M^iK : btirajimc.! mam PB8MI8IIIBB8NIRlcf. tem ) MB8 EfMMfc au m 111N «Mm b KIAV fmiumwt m 184 Sá IN 74 22,9 MU ism laws ION 2S HBAi MH 94 39,1 514 IN i TMKK KSCIin»-VtriKMi mi» : «NI : PIIÜIO i fflmnn : TQCMKO i PBc.f. t vmx ,2 DfUC» , ,2-4,4 tn» ,2 MB 285Ü 58E4 4f ,7 # IN 9.7 2M 1982 n84 MlHtl12 M» 19C 99,7 190 u w Mar 128N3 138N lltnf ,8 534 IN , H -3, MM 429M m 18,7 14, , U i! 524 IN ,9 4, ,1 25ÍN MM 39, IN 74 19,2 19ft 8 7, (tacl«b) 159M IN 12, ,2 3, ' ' "! MM 1885 MM 1987 MMi i 13BMI 32B8U 1414M r_ GUI MR MMtO % MM t 145» 355HN í : 12258» t 837V8M*: t S 1988: 37,9: 544 í IN: 124J X 214: 1 19N: M: -24* 24f 1988: 994; mu Einiradst /Mgr n Tm. (H) luimriiicio Fímccin - ritile tnmnto «wcíil m CoitéílíMt Ibciml. Pile Mo * m m nrccli amida tt ttfts M itiviaáb, wrcwiai frikinlmti Kl» lktitiicin fi«kcim, fvàtktaiü w PBcf, nra «vít» "" 33

46 As observações já elaboradas, serve* para a análise do setor Serviços no Brasil. Pode-se notar pelas estatísticas que, quando a economia entra em períodos recessivos a participacso*dos serviços se eleva e quando a economia cresce a pequenas taxas» este segmento obtém as maiores taxas setoriais. A participação relativa do setor Serviços na formação do Produto Interno Bruto, apresenta una fase descendente na década de 70. Movimento contrário ocorre com o setor secundário, que aumenta a participação no período. A indústria nos anos 70 toma lugar principalmente das atividades primárias. é a partir de 1980 que o setor serviços aumenta sua participação. A década é marcada pelo medíocre crescimento industrial, no mesmo período, então, o setor serviços incha pelo êxodo da mão-de-obra dos setores primário e secundário. Deve-se observar em conjunto a este movimento a elevação da participação das intermediações financeiras e uma queda da Formação Bruta de Capital Fixo em relação ao PIB. Intimamente ligado a estes fatos, está a questão das elevadas taxas de juros majoradas no período, que muda o perfil do tipo de investimentos, na década de 80. Pode-se notar que caiu a participação de máquinas e equipamentos e aumenta a participação do item construções que parece estar mais ligada ao setor serviços. As estatísticas do período podem ser observadas a seguir, no quadro

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Por que Serviços? Serviços (% PIB) - eixo da esquerda PIB per capita ($ de 2005) - eixo da direita

Por que Serviços? Serviços (% PIB) - eixo da esquerda PIB per capita ($ de 2005) - eixo da direita Por que Serviços? Jorge Arbache 1 Bens e serviços estão se combinando por meio de uma relação cada vez mais sinergética e simbiótica para formar um terceiro produto que nem é um bem industrial tradicional,

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 11 Administração Pública (versão para informação e comentários)

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Pesquisa Anual de Serviços

Pesquisa Anual de Serviços 1 Pesquisa Anual de Serviços Perguntas e Respostas Qual o destaque da pesquisa? O setor movimentou R$ 1,1 trilhão em receita operacional líquida i, respondeu por 11 993 942 mil pessoas ocupadas e pagou

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Diretoria de Pesquisa. Serviços 25/08/2010

Diretoria de Pesquisa. Serviços 25/08/2010 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2008 25/08/2010 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 6 Conta da Produção das Atividades (versão para informação e

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

V Pedreiros e Vendedores. 1 Introdução

V Pedreiros e Vendedores. 1 Introdução V Pedreiros e Vendedores 1 Introdução No contexto da análise dos trabalhadores por conta própria, tendo em vista a destacada participação nos grupamentos de atividades da construção (17,4%) e do comércio

Leia mais

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/12/1958 - Distância da capital: 128 km - Área: 130 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Borborema Potiguar - População: 4.217 (IBGE/2007)

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

PDR - Critério de classificação de microrregiões

PDR - Critério de classificação de microrregiões PDR - Critério de classificação de microrregiões Na definição deste critério, procurou-se inspiração na metodologia desenvolvida por ocasião da elaboração da Política Nacional de Desenvolvimento Regional

Leia mais

A Carga Tributária para a Indústria de Transformação

A Carga Tributária para a Indústria de Transformação nº 01 A A Indústria de Transformação brasileira deve encerrar 2014 com mais um resultado negativo para a produção, ratificando o quadro de baixa atividade fabril que caracterizou últimos quatro anos, período

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO Estimativas preliminares realizadas pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que ainda podem ser alteradas

Leia mais

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO João Maria de Oliveira* 2 Alexandre Gervásio de Sousa* 1 INTRODUÇÃO O setor de serviços no Brasil ganhou importância nos últimos tempos. Sua taxa

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Chamada Pública Universal

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

Comprar ou alugar? Especialistas falam sobre as vantagens de cada opção.

Comprar ou alugar? Especialistas falam sobre as vantagens de cada opção. + Boletim de Conjuntura Imobiliária 63ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 18

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 18 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 18 Aluguel de Imóveis (versão para informação e comentários)

Leia mais

PESQUISA SOBRE EMPREGO E RENDA NA REGIÃO NORDESTE SISTEMATIZAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS RELATIVOS AO PROGER E AO PROTRABALHO

PESQUISA SOBRE EMPREGO E RENDA NA REGIÃO NORDESTE SISTEMATIZAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS RELATIVOS AO PROGER E AO PROTRABALHO PESQUISA SOBRE EMPREGO E RENDA NA REGIÃO NORDESTE SISTEMATIZAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS RELATIVOS AO PROGER E AO PROTRABALHO SUDENE Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste DIEESE Departamento Intersindical

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010 O Censo Demográfico 2010 e o mercado do DF Boletim de Conjuntura Imobiliária Alguns resultados do último recenseamento feito pelo IBGE foram divulgados. Os dados mostram que o Distrito Federal registrou

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010 II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Base 2010 Coordenação de Contas Nacionais (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 MUDANÇA DE BASE Por que uma mudança na série? Atualização de pesos não faz

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Relatório Executivo Relatório Executivo da Dissertação de Mestrado Profissionalizante

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário (FII) David Menegon Superintendência de Relações com Investidores Institucionais 10 de março de 2015

Fundos de Investimento Imobiliário (FII) David Menegon Superintendência de Relações com Investidores Institucionais 10 de março de 2015 Fundos de Investimento Imobiliário (FII) David Menegon Superintendência de Relações com Investidores Institucionais 10 de março de 2015 As opiniões aqui expostas são de exclusiva responsabilidade do apresentador,

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 11ª Edição Comercial - Maio de 2011. Custo do metro quadrado na construção no DF em maio foi de R$873,43

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 11ª Edição Comercial - Maio de 2011. Custo do metro quadrado na construção no DF em maio foi de R$873,43 Boletim de Conjuntura Imobiliária 11ª Edição Comercial - Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos.

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos. NBC TSP 5 Custos de Empréstimos Objetivo Esta Norma indica o tratamento contábil dos custos dos empréstimos. Esta Norma geralmente exige o reconhecimento imediato no resultado do exercício dos custos dos

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 1 A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 INTRODUÇÃO Karina Biasi Pina Acadêmica - Geografia - UNESPAR/Fafipa karinabiasi@hotmail.com Gilmar Aparecido

Leia mais

Redução da Pobreza no Brasil

Redução da Pobreza no Brasil Conferencia Business Future of the Americas 2006 Câmara Americana de Comércio Redução da Pobreza no Brasil Resultados Recentes e o Papel do BNDES Demian Fiocca Presidente do BNDES Rio de Janeiro, 5 de

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

O Futuro da Economia Brasileira: baixa eficiência e baixo crescimento? Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

O Futuro da Economia Brasileira: baixa eficiência e baixo crescimento? Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas O Futuro da Economia Brasileira: baixa eficiência e baixo crescimento? Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Pontos Principais Teorias e políticas de crescimento tradicionais enfatizaram o

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento,

Leia mais

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Dezembro/98 N o 20 DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA O comércio é a ponta da cadeia produtiva e é o primeiro

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL Utilize este documento como uma ajuda adicional para escrever um orçamento ou narrativa da proposta. Se tiver outras perguntas, queria enviar um email à equipe regional do NED apropriada ou para proposals@ned.org.

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO-COSEC

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO-COSEC INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO-COSEC STATISTICS OF INTERNATIONAL TRADE IN SERVICE: CHALLENGES AND GOOD PRACTICES REGIONAL

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra.

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra. Radar Jovem 2015 Tema: Já sabemos que o jovem é um dos consumidores que mais possui poder aquisitivo do país*. O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender agora. Nesse estudo iremos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL IDENTIFICAÇÃO Disciplina: ECO-02215 Contabilidade Social Carga horária: 4 horas/aula semanais Créditos: 04 Turmas: A e B Professor: Carlos Henrique Horn 1. Introdução ao estudo da Contabilidade Social

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico DESTAQUES 2007 O Estudo sobre Comércio Eletrônico da TIC Domicílios 2007 apontou que: Quase a metade das pessoas que já utilizaram a internet declarou ter realizado

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais