022. Prova Objetiva. Psicólogo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "022. Prova Objetiva. Psicólogo"

Transcrição

1 Concurso Público 022. Prova Objetiva Psicólogo Você recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 60 questões objetivas. Confira seu nome e número de inscrição impressos na capa deste caderno. Leia cuidadosamente as questões e escolha a resposta que você considera correta. Responda a todas as questões. Marque, na folha intermediária de respostas, localizada no verso desta página, a letra correspondente à alternativa que você escolheu. Transcreva para a folha de respostas, com caneta de tinta azul ou preta, todas as respostas anotadas na folha intermediária de respostas. A duração da prova é de 3 horas e 30 minutos. A saída do candidato da sala será permitida após transcorrida a metade do tempo de duração da prova. Ao sair, você entregará ao fiscal a folha de respostas e este caderno, podendo destacar esta capa para futura conferência com o gabarito a ser divulgado. Aguarde a ordem do fiscal para abrir este caderno de questões manhã

2 Folha Intermediária de Respostas PMRP1002/022-Psicólogo-manhã 2

3 01. Analise a tirinha. CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa (Gazeta do Povo, ) As informações da tirinha permitem afirmar que o personagem (A) se mostrou corajoso para enfrentar qualquer situação em casa. (B) estava preparado para resolver qualquer problema que surgisse. (C) achou graça no rato, pois pensou que havia um ladrão ali. (D) esperava um grande problema, mas assustou-se com um pequeno rato. (E) tinha medo de tudo, por isso é que o ratinho o apavorou. Leia o texto para responder às questões de números 02 a 06. Universidades ricas e escolas pobres O Brasil continua tomando bomba em uma equação crucial: apesar de o investimento em educação não ser tão pequeno, a qualidade das escolas continua baixa. Somando os gastos federal, estaduais e municipais, o Brasil dedica 4,3% do PIB à educação, proporção similar à da Coreia do Sul, um exemplo internacional na área. Mas os alunos brasileiros estão entre os últimos em comparações internacionais. Por quê? Um estudo recente, coordenado pelo economista Fernando Veloso, do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro, traz algumas respostas. Segundo ele, o dinheiro não é bem gasto. Primeiro, uma fatia desproporcional do bolo vai para o ensino superior. Em um país onde só 37% da população completou o ensino médio, o foco do governo tem sido subsidiar as universidades. O gasto público contribui para a baixa mobilidade educacional no país. Além disso, diz, o pouco dinheiro que chega às escolas poderia ser mais bem usado. (Época, ) 02. De acordo com o texto, o Brasil (A) investe mal os recursos em educação, pois os tem alocado prioritariamente no ensino superior, segundo constatado pelo estudo do Instituto Brasileiro de Economia. (B) apresenta distorções flagrantes no investimento de recursos em educação, pois ainda hoje tem sido priorizada a mobilidade educacional no país. (C) está entre os últimos em comparações internacionais, o que pode ser explicado pela inexistência de investimento público em todos os segmentos educacionais. (D) tem destinado poucos recursos ao ensino superior, o que, aliado à baixa porcentagem de população com ensino médio, se traduz em ensino de má qualidade. (E) possui um ensino marcado pelas distorções, pois, ainda que universidades e escolas recebam verbas equivalentes, seu uso é bem distinto nessas instituições. 03. Segundo o texto, o que o Brasil gasta com educação apresenta proporção similar à da Coreia do Sul, um exemplo internacional na área. Em um quadro comparativo entre alguns países, essa proporção similar, em % do PIB, está corretamente expressa em: Brasil Índia EUA Coreia do Sul (A) 4,3 3,2 5,7 3,2 (B) 4,3 3,2 5,7 3,9 (C) 4,3 3,2 5,7 4,2 (D) 4,3 3,2 5,7 4,7 (E) 4,3 3,2 5,7 5,0 04. Em O Brasil continua tomando bomba em uma equação crucial tem-se, na expressão em destaque, uma (A) ironia, que questiona os resultados do Brasil numa comparação internacional. (B) metáfora, que sinaliza um problema expressivo na educação brasileira. (C) antítese, que congrega as contradições presentes na educação brasileira. (D) comparação, que sugere as mudanças necessárias à educação brasileira. (E) metonímia, que recupera um aspecto da situação da educação brasileira. 05. Levando-se em conta o veículo em que é publicado e seus objetivos, é correto afirmar que o texto circula na esfera (A) publicitária, e nele estão presentes estruturas linguísticas por meio das quais se narra uma situação do cotidiano do leitor. (B) acadêmica, e nele estão presentes estruturas linguísticas que remetem o leitor à descrição do seu cotidiano. (C) literária, e nele estão presentes estruturas linguísticas que remetem o leitor à análise de um fato por meio de uma narrativa. (D) escolar, e nele estão presentes estruturas linguísticas por meio das quais se descreve ao leitor um problema de seu cotidiano. (E) jornalística, e nele estão presentes estruturas linguísticas que remetem o leitor à análise de um assunto do seu cotidiano. 3 PMRP1002/022-Psicólogo-manhã

4 06. Analise as informações. I. A função da linguagem predominante no texto é a referencial, pois nele se prioriza a informatividade. II. No contexto, na frase Segundo ele, o dinheiro não é bem gasto. o pronome em destaque, conforme seu emprego, pode gerar ambiguidade, já que há duas expressões que potencialmente podem ser recuperadas por ele. III. Em só 37% da população completou o ensino médio há um erro de concordância, pois o verbo deveria estar obrigatoriamente no plural, concordando com a expressão 37%. Está correto o que se afirma em (A) I, apenas. (B) III, apenas. (C) I e II, apenas. (D) I e III, apenas. (E) I, II e III. 07. Assinale a alternativa correta quanto à concordância, à pontuação e à acentuação. (A) Por que quando se tratam de comparações internacionais, os alunos brasileiros ficam entre os ultimos nas estatisticas? (B) Por que, quando se trata de comparações internacionais, os alunos brasileiros ficam entre os últimos nas estatísticas? (C) Por quê quando se trata de comparações internacionais os alunos brasileiros ficam entre os últimos nas estatisticas? (D) Por quê quando se tratam de comparações internacionais, os alunos brasileiros ficam entre os últimos nas estatísticas? (E) Por quê, quando se trata de comparações internacionais os alunos brasileiros ficam entre os últimos nas estatisticas? 08. Deputados federais não chegam um consenso sobre a aprovação do novo Código Florestal. Ainda queixas em relação à dificuldade de entender a complexidade do tema. Os sete pontos são: área de preservação ambiental, reserva legal, regularização ambiental, moratória do desmatamento, agricultura familiar, competências dos órgãos ambientais e instrumentos econômicos. (Veja, ) Assinale a alternativa cujos termos preenchem, correta e respectivamente, as lacunas do texto. (A) em existem bastantes pendente (B) a há bastante pendente (C) em existe muita pendentes (D) a há muitas pendentes Leia o texto para responder às questões de números 09 e 10. Cansados do mundo glacial, os criadores de A Era do Gelo I e II decidiram transformar a capital carioca no cenário de um novo filme. Criaram um personagem brasileiro, o papagaio Blue (que é capturado por ladrões de animais selvagens e adotado por uma americana) e desenvolveram uma trama que traz o pássaro domesticado de volta para a selvagem vida urbana carioca. O filme se chama Rio e a SUPER foi conversar com os criadores da nova animação para descobrir como eles transformaram a cidade maravilhosa em desenho animado. (Superinteressante, abril de 2011) 09. As informações textuais permitem afirmar que, no roteiro do filme, o pássaro Blue (A) foi parar nos EUA, vítima do tráfico de animais selvagens, mas acabou retornando ao Brasil. (B) nasceu nos EUA, mas veio ao Brasil, em ação decorrente da pirataria de animais selvagens. (C) morava nos EUA, quando foi capturado por ladrões que praticavam o tráfico de pássaros. (D) nasceu no Brasil, mas foi pequeno para os EUA, de onde saiu, vítima do tráfico de animais. (E) sucumbiu ao tráfico de animais selvagens, depois de ser sequestrado no Brasil, para onde não voltou mais. 10. Considere as afirmações. I. Em decidiram transformar a capital carioca no cenário de um novo filme. o termo em destaque tem emprego diverso do que se verifica em: O carioca não abre mão de suas belas praias. II. Em Criaram um personagem brasileiro, o papagaio Blue (que é capturado por ladrões de animais selvagens e adotado por uma americana) os termos em destaque, indicativos de nacionalidade, pertencem à mesma classe gramatical. III. Em O filme se chama Rio e a SUPER foi conversar com os criadores da nova animação para descobrir como eles transformaram a cidade maravilhosa em desenho animado. tem-se um período em que há coordenação (marcada pelo termo e ) e subordinação (marcada pelos termos para e como ). Está correto somente o que se afirma em (A) I. (B) II. (C) III. (D) I e II. (E) I e III. (E) em se tem bastantes pendente PMRP1002/022-Psicólogo-manhã 4

5 Raciocínio Lógico R A S C U N H O 11. A negação da proposição: Se eu gargalho, então eu soluço e tropeço. é: (A) Gargalho e tropeço e soluço. (B) Gargalho e não soluço ou não tropeço. (C) Se soluço e não tropeço, então não gargalho. (D) Se soluço, então não gargalho e não tropeço. (E) Tropeço e soluço e não gargalho. 12. A sequência de números: 2; 4; 2; 6; 4; 2; 8; 6; 4; 2; 10; 8; 6; 4; 2;... é ilimitada e segue sempre a mesma lei de formação. Nessas condições, a posição do número 16, quando ele aparecer pela primeira vez na sequência, é a (A) 16 a. (B) 25 a. (C) 27 a. (D) 29 a. (E) 35 a. 13. Observe o diagrama. Há elementos em todas as superfícies determinadas pelos conjuntos J, K, L e M. A proposição falsa é: (A) Todo elemento de J que é elemento de L também é elemento de K. (B) Alguns elementos de L não são elementos de K, nem de M. (C) Todos os elementos de K que não são elementos de J e L são elementos de M. (D) Há elementos de J que não são elementos nem de L nem de K. (E) Todo M que é L não é K nem J. 5 PMRP1002/022-Psicólogo-manhã

6 14. Estão desenhadas 4 placas com letras e 4 placas com números. R A S C U N H O A B C E Serão formados 4 grupos com duas placas cada um, sendo uma placa com letra e outra placa com número. Para formar os grupos são dadas as informações: I. A primeira vogal não forma grupo com número par. II. O menor número par não forma grupo com consoante. III. A primeira consoante forma grupo com número ímpar, mas não com o menor. A alternativa que contém dois desses grupos formados é a (A) A 3 C 4 (B) B 1 C 2 (C) A 1 E 4 (D) C 4 E 2 (E) B 3 E Observe a relação entre algarismos e retângulos. 1 ; 2 ; 3 ; 4 A seguir, há correspondência entre os números (de três algarismos e em ordem crescente) e as figuras (cada figura é formada por três retângulos). 111 (cento e onze), que equivale a ; 112 (cento e doze), que equivale a ; 113 (cento e treze), que equivale a ; e segue até 443 (quatrocentos e quarenta e três), que equivale a ; e, por último, 444 (quatrocentos e quarenta e quatro), que equivale a. Considere a sequência das 64 figuras formadas por meio dessa correspondência. Os três primeiros elementos dessa sequência e os dois últimos estão representados acima. Assim, as duas figuras centrais da sequência são: (A) e (B) e (C) e (D) e (E) e PMRP1002/022-Psicólogo-manhã 6

7 Noções de Informática 18. Um usuário do MS-Excel 2003, em sua configuração padrão, preencheu as células de uma planilha com informações de oito caracteres, conforme mostrado na figura a seguir. 16. Analise as afirmações a seguir, sabendo que estas estão relacionadas aos recursos e serviços disponíveis na Internet. I. A World Wide Web foi implantada para substituir a Internet porque esta última já estava obsoleta e saturada. II. HTML é o nome do protocolo usado para a troca de mensagens eletrônicas entre os usuários da rede mundial. III. No sistema de mensagens eletrônicas denominado webmail, um navegador é utilizado para a troca de s. É correto o que se afirma em (A) II, apenas. (B) III, apenas. (C) I e II, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III A ariranha elefante leopardo Em seguida, inseriu a expressão =LOCALIZAR( a ; A1) na célula B1 e, então, copiou-a para as células B2 e B3. Assinale a alternativa que contém o valor obtido para a expressão =(B1+B2+B3)*2. (A) 11. (B) 16. (C) 22. (D) 28. (E) 34. B 17. Assinale a alternativa que contém a correta afirmação sobre o programa MS-Word 2003, em sua configuração padrão. (A) A verificação ortográfica automática pode ser ativada na aba Ortografia e gramática, da tela que se abre após os comandos Ferramentas + Opções. (B) A verificação ortográfica automática pode ser desativada por meio de comandos do teclado do computador, pelas teclas de atalho Ctrl + F10. (C) A verificação ortográfica gramatical pode ser ativada por intermédio de comandos do teclado do computador, pelas teclas de atalho Ctrl + F8. (D) Um usuário não tem controle sobre as linhas onduladas vermelhas que indicam os erros de ortografia existentes no documento que está em edição. (E) Para corrigir o texto automaticamente ao digitar, deve- se selecionar a opção correta na tela que se abre após os comandos Editar + AutoCorreção. 19. No programa MS-PowerPoint 2003, em sua configuração padrão, para abrir a janela que permite localizar uma palavra dentro da apresentação que está sendo editada e, então, substituí-la por outra, um usuário deverá acionar, simultaneamente, as teclas CTRL e (A) A. (B) B. (C) T. (D) U. (E) V. 20. Analise as afirmações a seguir, sabendo que elas se referem a recursos disponíveis aos usuários no sistema operacional MS-Windows XP, em sua configuração padrão. I. A tela de Propriedades da Barra de Tarefas pode ser acessada com um clique do botão direito do mouse sobre ela e a seleção da opção correta no menu que se abre. II. Caso um arquivo seja apagado acidentalmente do disco rígido do computador, ele poderá ser facilmente recuperado se ainda estiver disponível na pasta Lixeira. III. Para fazer cópias de segurança e se prevenir contra a perda de informações de seu sistema, um usuário poderá utilizar a ferramenta denominada Backup, do Windows. É correto o que se afirma em (A) II, apenas. (B) III, apenas. (C) I e II, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 7 PMRP1002/022-Psicólogo-manhã

8 Política de Saúde 21. Assinale a alternativa correta referente a informações sobre um ou mais colegiados envolvidos na organização, direção e gestão nos diferentes níveis do SUS, articulados por meio de pactuações. (A) O Conselho Nacional de Saúde, os conselhos estaduais e municipais de saúde, que são instâncias compostas por representantes dos gestores, dos trabalhadores de saúde e dos usuários. (B) A Comissão Intergestores Bipartite, que é composta paritariamente por representação da Secretaria de Estado da Saúde, do Conselho Estadual de Saúde e do Conselho Estadual de Secretários Municipais de Saúde. (C) A Comissão Intergestores Tripartite, que é composta paritariamente por representação do Ministério da Saúde, do Conselho Nacional de Secretários de Saúde e do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde. (D) Um conselho especial composto por representação do Ministério da Saúde, do Conselho Nacional de Saúde e dos Conselhos Estaduais de Saúde. (E) Apenas o Conselho Nacional de Secretários de Saúde e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde, que são compostos pelos secretários estaduais e municipais de saúde, respectivamente. 22. Em um serviço de emergência de um município de médio porte, 3 pessoas aguardam atendimento. Uma delas é um rapaz de 15 anos, com febre de 38 o C, mas em bom estado geral. O outro, de 20 anos, aguarda o ortopedista para avaliar a perna que está edemaciada desde uma queda em jogo de futebol, e o terceiro é um senhor de 65 anos, com queixa de dor lombar há 3 dias. Um homem de aproximadamente 35 anos de idade, carregado por familiares, adentra o serviço, gritando de dor na região lombar. Os profissionais do serviço rapidamente colhem sua história clínica e lhe aplicam uma medicação analgésica, o que produz um alívio no sintoma. Assinale a alternativa correta. (A) A equipe de saúde só poderia ter atendido um paciente fora da ordem de chegada, se tivesse obtido permissão por parte dos demais pacientes, uma vez que não se tratava de um caso que oferecesse perigo à vida do paciente. (B) Foi utilizado o critério do grau de necessidade do paciente, que faz parte da classificação de risco dos pacientes a serem atendidos, dentro da política de humanização de atenção do SUS. (C) O paciente não poderia ter sido atendido antes dos pacientes que aguardavam há algum tempo, pois isso fere o princípio da equidade do SUS. (D) Essa prática não poderia ter sido adotada, pois fere frontalmente a política nacional de humanização de atenção do SUS, que prioriza as pessoas com mais de 60 anos de idade. (E) A ordem de atendimento em um serviço de saúde é determinada de forma subjetiva pela equipe de saúde, que é treinada para tal, e a população não deve questionar, de forma alguma, essa ordem. 23. O Painel de Monitoramento 2010 do município de São José do Rio Preto mostra que (A) a taxa de mortalidade infantil em vários distritos de saúde pode ser comparada à dos países desenvolvidos. (B) dentre as neoplasias mais frequentes entre as mulheres estão as de estômago e de fígado. (C) houve casos de febre amarela, mas não há casos de dengue desde 2008 na área do município. (D) as notificações de violência ocorrem mais em mulheres e idosos do que em crianças e adolescentes. (E) houve um aumento significativo dos casos de meningite meningocócica nos últimos anos. 24. Segundo a Lei Orgânica do Município de São José do Rio Preto, (A) a aplicação tópico-bucal de flúor aos alunos do ensino fundamental e do ensino médio do município é obrigatória. (B) a análise genética dos recém-casados com a finalidade de prevenir o nascimento de bebês com malformações congênitas é obrigatória. (C) o atendimento e o tratamento ambulatorial e hospitalar de pacientes devem obedecer rigorosamente ao critério de residência ou domicílio. (D) qualquer servidor ou usuário dos serviços de saúde terá direito de representar às autoridades competentes contra a falta de condições de atendimento aos pacientes. (E) o município prestará assistência nas urgências e emergências médico-hospitalares, de pronto-socorro, apenas por seus próprios serviços e por entidades filantrópicas. 25. No Plano Municipal de Saúde de São José do Rio Preto, consta a informação de que o número de indivíduos portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) e Diabetes Mellitus (DM) mostra-se crescente a cada ano. Segundo o plano, (A) trata-se de um fenômeno inexplicável, pois há anos o município conta com um programa intersetorial de incentivo à compra de verduras, legumes e frutas, às caminhadas para o deslocamento de curtas distâncias e ao uso de bicicletas para as grandes distâncias. (B) algumas possíveis explicações para esse crescimento são a falta de medicações adequadas, as dificuldades para o diagnóstico precoce e para o convencimento de mudanças de hábito. (C) as doenças citadas são altamente prevalentes nos mais diferentes países, incluindo os de alto grau de desenvolvimento social, o que mostra que não é possível preveni-las e controlá-las de forma adequada. (D) algumas possíveis explicações para esse crescimento são a urbanização das cidades, o aumento da expectativa de vida, o aumento da prevalência de obesidade e sedentarismo e maior sobrevida dos pacientes com DM e HAS. (E) foram definidas duas prioridades para o controle da situação, quais sejam, a aquisição e estoque de medicamentos para que não haja descontinuidade dos programas terapêuticos e a criação de um centro de especialização de doenças crônicas. PMRP1002/022-Psicólogo-manhã 8

9 26. Leia os itens seguintes e assinale a alternativa correta. I. Tratamento dos distúrbios mentais e psicossociais mais frequentes. II. Assistência pré-natal, parto e puerpério. III. Acompanhamento de pessoas com doenças crônicas de alta prevalência. (A) Os itens I e III são de responsabilidade do SUS e devem ser vinculados a ações a serem desenvolvidas obrigatoriamente somente a partir de (B) O item I é uma das responsabilidades do SUS e deve ser vinculada a um serviço de nível estadual para que a qualidade da assistência possa ser garantida. (C) Somente os itens II e III referem-se a responsabilidades mínimas vinculadas a um conjunto de ações e serviços previstos pela Norma Operacional de Assistência à Saúde, aos quais os cidadãos têm direito, no município onde residem. (D) Somente o item II é considerado responsabilidade do Sistema Único de Saúde a ser honrada por meio de serviços apenas de nível municipal. (E) Os itens I, II e III referem-se a responsabilidades mínimas vinculadas a um conjunto de ações e serviços previstos pela Norma Operacional de Assistência à Saúde, aos quais os cidadãos têm direito o mais próximo possível de sua residência. 27. Dois municípios, A e B, de mesmo porte populacional de uma região do estado de São Paulo, possuem, respectivamente, 7 e 10 unidades de saúde que atendem a mulheres e oferecem testes sorológicos para sífilis e HIV. O município B possui mais profissionais do Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PCAS) e Programa de Saúde da Família (PSF) capacitados no cuidado com a mulher. A partir da leitura do texto, é correto concluir que (A) essas informações só têm valor se houver informação sobre o total de unidades de saúde nos municípios vizinhos aos municípios A e B. (B) essas informações só têm valor se houver informação sobre a existência de centros de referência da mulher na região. (C) no município B, a taxa de mortalidade da mulher deve ser menor. (D) as condições do município B são melhores no tocante ao fortalecimento da atenção básica no cuidado com a mulher. (E) o município B tem menos casos de mulheres com doenças sexualmente transmissíveis. 28. Os Ministérios diretamente envolvidos na Política Nacional de Segurança e Saúde do Trabalhador são o do(a) (A) Assistência Social, o da Saúde e o do Trabalho e Emprego. (B) Trabalho e Emprego, o da Previdência Social e o da Assistência Social. (C) Saúde, o do Trabalho e Emprego e o do Meio Ambiente. (D) Saúde, o da Agricultura e o do Meio Ambiente. (E) Saúde, o do Trabalho e Emprego e o da Previdência Social. 29. Assinale a alternativa correta no tocante ao Programa Nacional de DST/ AIDS. (A) Há uma convicção por parte do Ministério da Saúde de que a epidemia foi contida e que agora a prioridade é aguardar a vacina, que deverá controlar totalmente a ocorrência de novos casos. (B) Sabe-se que há uma disseminação entre os heterossexuais, principalmente mulheres, um aumento percentual entre as pessoas de baixa escolaridade e a interiorização para municípios de médio e pequeno porte. (C) O Programa Nacional de DST/AIDS é desenvolvido exclusivamente pelo Ministério da Saúde, que é responsável pela disseminação das ações por todo o território nacional. (D) As ações prioritárias envolvem uma forte parceria com entidades religiosas com o objetivo de atingir jovens e seu comportamento no que se refere principalmente aos hábitos sexuais. (E) É objetivo único das ações do programa de prevenção de AIDS a redução da incidência de infecção pelo HIV/ AIDS e por outras doenças sexualmente transmissíveis. 30. Observando-se as frequências de óbitos maternos de residentes em um município de pequeno porte, num período de 10 anos, constata-se que historicamente são baixas. É possível dizer que o município (A) conta com um certo número de unidades de alta complexidade no atendimento à saúde da mulher. (B) tem um obstetra em cada equipe do programa de saúde da família e nas unidades básicas de saúde. (C) conta com pelo menos um hospital de grande porte com unidade de terapia intensiva neonatal. (D) tem um obstetra para cada 100 mulheres em idade reprodutiva. (E) tem um programa de atenção à saúde da mulher, incluindo as fases de gestação, parto e puerpério. 9 PMRP1002/022-Psicólogo-manhã

10 Conhecimentos Específicos 31. Uma jovem está entediada em casa, num sábado à noite. Ela resolve telefonar e convidar alguns amigos para sair. Nenhum deles aceita seu convite, dizendo que já haviam assumido outros compromissos. Ela considera a desculpa deles vaga e acha que eles fizeram isso porque não a valorizam. O processo que explica as inferências que essa jovem fez sobre o comportamento de seus amigos é chamado (A) estereótipo. (B) empatia. (C) julgamento social. (D) insight. (E) atribuição. 32. Um paciente recusa-se a aceitar um encaminhamento feito pelo seu terapeuta para procurar uma avaliação psiquiátrica. Seu argumento é o de que todos os médicos são iguais, eles só querem entupir a gente de remédios. O julgamento feito por esse paciente indica (A) uma correlação racional entre as características reais e as socialmente atribuídas a determinados grupos sociais. (B) uma inclinação egocêntrica que obriga uma pessoa a compreender o comportamento de outros indivíduos segundo o seu padrão de comportamento. (C) uma supergeneralização ampla que ignora a diversidade existente entre os grupos sociais e que fomenta percepções imprecisas no relacionamento pessoal. (D) uma tendência a atribuir o comportamento de um indivíduo a fatores extrínsecos à personalidade desse indivíduo. (E) uma dificuldade para aceitar sentimentos positivos em relação a um indivíduo que pertence a uma classe social ou profissional diferente. 34. Num trabalho em saúde mental realizado por uma equipe interprofissional, pressupõe-se que a hierarquia e a divisão de papéis (A) não devem ir além daquelas estritamente exigidas pela dimensão técnica das ações de cada profissional que compõe essa equipe. (B) devem ser rigidamente estabelecidas, uma vez que o alvo de intervenção é complexo e multifacetado. (C) devem ser abolidas para que todos os profissionais e técnicos dessa equipe possam expressar livremente suas considerações clínicas. (D) respeitem o fato de que os meios de ação, junto à problemática do adoecimento mental, fundamentam-se essencialmente no trabalho dos médicos. (E) devem reproduzir as relações de poder identificadas no ambiente geral, como forma de estimular o exercício da cidadania. 35. Como princípio norteador de sua atuação, o psicólogo, na elaboração de documentos decorrentes de avaliações psicológicas, deve (A) contemplar a diversidade de significações da linguagem popular, considerando as características de quem solicitou o documento. (B) basear suas conclusões no material produzido por instrumentais técnicos que se configuram como métodos e técnicas psicológicas para a coleta de dados. (C) apresentar os resultados do uso dos instrumentos, técnicas e da experiência profissional da Psicologia a serviço da sustentação de seu modelo ideológico. (D) considerar, na elaboração de suas conclusões, de maneira estrita e específica, o objeto, fenômeno ou situação que está avaliando. (E) acrescentar às informações que se fizerem necessárias toda e qualquer consideração que tenha relação com a finalidade do documento específico. 33. Quando o usuário de um serviço público de saúde mental é atendido por uma equipe interdisciplinar, ele (A) é responsável pelo fornecimento de todas as informações sobre seu estado, mas não tem participação ativa nas decisões sobre seu atendimento. (B) tem total autonomia para determinar as ações e o projeto terapêutico que vão ser indicados para o seu caso. (C) é comunicado pela equipe de todas as ações que são promovidas em relação ao seu caso, mas não participa do planejamento de seu tratamento. (D) faz parte do grupo de planejamento e tem papel central nas considerações da equipe sobre o seu atendimento. (E) tem poder para aceitar ou não o projeto terapêutico elaborado pela equipe para o seu caso, mas não participa do seu planejamento. 36. Ao realizar uma avaliação psicológica para um processo de psicoterapia breve, algumas condições, já nas primeiras entrevistas diagnósticas, revelam um prognóstico desfavorável para indicação desse tipo de atendimento. Isso ocorre quando, por exemplo, (A) as informações trazidas pelo paciente indicam a presença de uma condição patológica leve e bastante limitada. (B) o paciente demonstra elevado grau de motivação para iniciar e colaborar com o atendimento. (C) o terapeuta identifica que o sofrimento trazido pelo paciente tem início recente e caráter agudo. (D) a relação transferencial identificada nos primeiros encontros apresenta um grau leve de ambivalência e dependência. (E) o paciente relata a presença de condições muito críticas e adversas no seu ambiente familiar e social. PMRP1002/022-Psicólogo-manhã 10

11 37. Uma equipe interdisciplinar reune-se para discutir o caso de um homem, com quarenta anos, que apresenta os seguintes sintomas: presença de um sistema delirante, organizado e sistemático, com temática complexa, apesar de serem identificados sinais de que a personalidade desse indivíduo, assim como o restante de seu psiquísmo, demonstram-se relativamente preservados. Não revela nenhum traço de agressividade ou mesmo agitação. A hipótese clínica mais provável para o caso é a de (A) transtorno delirante. (B) esquizofrenia catatônica. (C) esquizofrenia hebefrênica. (D) transtorno de personalidade histriônica. (E) delirium hiperativo. 38. De acordo com a teoria da personalidade de Sigmund Freud, se uma fonte de ansiedade pode ser atribuída ao mundo externo em vez de aos impulsos primitivos do indivíduo ou às ameaças da consciência, a pessoa provavelmente obterá maior alívio para sua condição ansiosa. O mecanismo pelo qual a ansiedade neurótica ou moral é convertida em um medo objetivo é chamado de (A) repressão. (B) identificação. (C) projeção. (D) formação reativa. (E) racionalização. 39. As teorias da personalidade estão agrupadas em quatro grandes grupos. Se um psicólogo adota como referência uma teoria que focaliza as diferentes tendências comportamentais que caracterizam os indivíduos, a teoria da personalidade que orienta suas intervenções é (A) psicodinâmica. (B) estrutural. (C) experiencial. (D) histórico-social. (E) psicossocial. 40. As depressões na infância são, muitas vezes, mal diagnosticadas ou passam despercebidas. Tal fato ocorre (A) porque, na criança, a depressão exclui como elemento diagnóstico qualquer mudança súbita e perceptível de conduta. (B) pela ausência de qualquer sintoma vegetativo que possa traduzir uma lentificação de qualquer função do organismo. (C) porque inexistem, nesses casos, sentimentos de desvalia ou desesperança, sintomas classicamente associados aos quadros depressivos. (D) pela sua pequena especificidade e pelo fato de que seu diagnóstico diferencial inclui vários problemas orgânicos. (E) porque, nas crianças, não são identificados quaisquer déficits na atenção que comprometam as atividades lúdicas ou escolares. 41. Existem vários critérios de normalidade e anormalidade em psicopatologia. Quando adota-se um critério assumidamente arbitrário, que define, a priori, o que é normal e o que é patológico, tendo em vista finalidades pragmáticas, o conceito de normalidade é dito (A) funcional. (B) subjetivo. (C) estatístico. (D) operacional. (E) ideal. 42. Um psicólogo está atendendo um paciente com um transtorno grave de personalidade que enfrenta uma situação de crise. Ele adota como atitude terapêutica realçar as experiências positivas desse paciente em relação a si mesmo, aos outros e à terapia, com o objetivo de fortalecer os aspectos saudáveis da personalidade desse paciente, ajudando-o a encontrar maneiras mais adequadas de responder às dificuldades que ele enfrenta. Nesse caso, a estratégia por ele adotada indica os fundamentos de uma psicoterapia (A) expressiva. (B) cognitivo-comportamental. (C) centrada na pessoa. (D) analítica. (E) suportiva. 43. Entre os teóricos que adotam diferentes abordagens teóricas e técnicas psicoterápicas, o consenso é amplo em relação ao fato de que o terapeuta (A) participa do processo terapêutico de forma espontânea, ainda que transitória, disciplinada e parcial. (B) deve se retirar do campo interpessoal da terapia e assumir, na relação terapêutica, uma postura profissional e ética. (C) deve evitar responder às tentativas inconscientes de seus pacientes de transformá-lo em objeto transferencial. (D) é um interlocutor com o qual o cliente deve estabelecer uma relação íntima e essencialmente pessoal. (E) evita qualquer julgamento sobre a dinâmica da personalidade de seu cliente, adotando, com isso, uma postura de neutralidade científica. 44. A investigação da forma pela qual um paciente responde às perguntas que lhe são feitas pode revelar seu estilo inconsciente de caráter e auxiliar o diagnóstico de seu distúrbio. Um paciente que desperta raiva ao responder as perguntas sobre seu estado, pois solicita frequentemente que o profissional repita as perguntas que lhe fez e se opõe a qualquer tentativa para esclarecimentos sobre sua história pessoal, está revelando com sua atitude uma dinâmica (A) paranoide. (B) histérica. (C) obsessivo-compulsiva. (D) passivo-agressiva. (E) perversa. 11 PMRP1002/022-Psicólogo-manhã

12 45. Um garoto de 5 anos foi trazido para avaliação diagnóstica por causa de sua dificuldade para se separar da mãe, tanto em casa como na escola. Durante a realização de uma observação lúdica, ele desenvolve uma brincadeira na qual assume o papel de um gigante muito forte, corajoso, bravo e malvado, que entra na casa das pessoas, quando elas dormem, e deixa tudo bagunçado. Quando a terapeuta avisa sobre o final da sessão, o garoto reúne tudo e reforça várias vezes que o gigante não era de verdade e que já tinha ido embora. O conteúdo desse trecho de sua sessão revela (A) uma regressão a serviço do ego, que, por meio do relaxamento dos controles internos, facilitou ao garoto a projeção de suas fantasias e desejos. (B) uma manipulação aleatória de objetos que demonstra sua dificuldade de simbolização e sua baixa tolerância à frustração. (C) uma ausência de capacidade de concernimento e de empatia em relação a dor e sofrimento causados ao outro. (D) um funcionamento egoico mais patológico, que pode ser constatado a partir do padrão estereotipado e perseverante de seu jogo simbólico. (E) uma modalidade de brincadeira criativa, característica do brincar de crianças que não apresentam nenhuma dificuldade para controle de impulsos. 46. Um psicólogo foi encarregado de realizar um diagnóstico diferencial em um paciente atendido por uma equipe interdisciplinar. Sua avaliação indicou que o aparato psíquico desse paciente se organiza em função de mecanismos adaptativos de repressão. Seus fracassos evolutivos se concentram em alterações parciais na resolução de conflitos inerentes à situação depressiva. O conflito central identificado é a necessidade de instalar e reparar o objeto bom. Esses elementos permitem a esse psicólogo afirmar que o paciente apresenta um distúrbio de natureza (A) psicótica. (B) neurológica. (C) neurótica. (D) antissocial. (E) cognitiva. 47. No campo da política de atenção integral para atendimento aos usuários de álcool e outras drogas no Brasil, a prática de saúde deve (A) ter como compromisso ético a defesa da vida e promover uma condição de acolhimento aos usuários de álcool e drogas. (B) ter como objetivo prioritário a abstinência, evitando, durante o tratamento, uma ênfase excessiva na singularidade de cada usuário. (C) atuar no sentido de diminuir o grau de responsabilidade dos aditos em relação à sua atitude de consumo de álcool e drogas. (D) adotar como estratégia fundamental a redução e controle das fontes de oferta de álcool e de drogas ilícitas. (E) orientar-se pela estratégia de redução de danos, o que implica, especificamente, uma mudança comportamental. 48. Um terapeuta, durante a realização de uma entrevista, realiza uma reformulação ou reunião dos dados presentes no relato de seu paciente, transmitindo-lhe uma ideia mais coerente do que ele está tentando comunicar. Esse tipo de intervenção é denominada (A) interpretação. (B) encorajamento para elaboração. (C) clarificação. (D) confrontação. (E) validação empática. 49. Durante a realização de uma entrevista clínica, o estabelecimento de harmonia e de entendimento mútuo entre um terapeuta e seu cliente é prioritário. Nesse momento, a presença de comentários, por parte do terapeuta, do tipo: Não se preocupe, tudo ficará bem, (A) desafia a percepção de um cliente e, dessa forma, favorece a expressão de todos os seus temores e resistências em comunicar seu sofrimento. (B) demonstra absoluta sintonia entre a vontade do cliente de se tratar e a disponibilidade do terapeuta para acompanhá- -lo nesse processo. (C) impede o aparecimento de qualquer tipo de vínculo entre um cliente e o terapeuta, porque superestima a capacidade do cliente para superar suas dificuldades. (D) ao invés de aliviar a ansiedade do cliente, transforma-se em tranquilizações vazias que demonstra dificuldade, por parte do terapeuta, para enfrentar o sofrimento. (E) tranquiliza o cliente e contribui para afastar qualquer temor que ele apresente em relação à onipotência de seus afetos. 50. As psicoses na infância e o autismo infantil são condições clínicas cuja ocorrência não pode ser atribuída a uma causa isolada. Apesar disso, a experiência permite indicar que algumas situações e indicações clínicas podem favorecer as possibilidades de melhora desses quadros. Uma dessas indicações é que (A) as equipes técnicas encarregadas do atendimento desses casos atuem de forma interdisciplinar, permitindo um enfoque ampliado dos problemas. (B) as crianças acometidas por esses tipos de transtornos sejam retiradas do ambiente doméstico e familiar para realizarem seus tratamentos. (C) o tratamento siga sempre estratégias e objetivos únicos, focalizando-se numa atenção específica aos sintomas exibidos por essas crianças. (D) as famílias não façam parte integrante do tratamento, pois observa-se maior facilidade de melhora quando se trata a criança isoladamente. (E) o tratamento dessas crianças tenha como objetivo a remissão total dos sintomas, pois só essa condição melhora a situação de vida delas. PMRP1002/022-Psicólogo-manhã 12

13 51. Os avanços no atendimento de pacientes com transtorno de personalidade antissocial são muito limitados. No entanto, no caso da realização de um processo terapêutico com esse tipo de paciente, uma das recomendações é a de que o terapeuta (A) se apresente como uma figura flexível e demonstre intenso envolvimento com a vida desse paciente. (B) confronte repetidamente a negação e a minimização que esses pacientes apresentam sobre a sua conduta antissocial. (C) ajude esse paciente a dissociar suas ações antissociais de seus estados afetivos, destrutivos e invejosos. (D) mantenha elevadas expectativas em relação à melhora desse paciente, como forma de enfrentar as suas dificuldades vinculares. (E) focalize suas interpretações no material inconsciente trazido pelo paciente, com a finalidade de promover sua integração psíquica. 54. A prática da psicologia da saúde tenta introduzir uma nova dimensão para o conceito de interdisciplinaridade. Dessa forma, é correto afirmar que sua prática (A) almeja a definição de uma conceituação de seu objeto de intervenção que seja específica e defina claramente seu lugar como área de atuação. (B) busca a criação de novos conhecimentos sobre os processos de saúde-doença que sejam independentes dos conhecimentos já adquiridos. (C) compromete-se com uma visão teórico-científica do homem e se volta, especialmente, para a busca da excelência científica. (D) é uma forma de se interferir significativamente na humanização dos atendimentos realizados na área da saúde. (E) é inerente aos psicólogos e deve enfatizar, na construção de suas bases, a predominância dos aspectos psicológicos no processo de adoecimento. 52. No acompanhamento terapêutico de pacientes suicidas, é muito útil discriminar as ações voltadas para o tratamento do caso, daquelas que se orientam para o seu manejo. Podem ser consideradas ações voltadas para o tratamento de pacientes suicidas (A) a observação contínua e a medicação. (B) a abordagem terapêutica e a restrição física. (C) o impedimento para manusear objetos cortantes e a medicação. (D) a observação contínua e a remoção de substâncias tóxicas do ambiente. (E) a abordagem terapêutica e a medicação. 53. A psicologia da saúde tem sido considerada um campo de trabalho da psicologia que 55. A Política de Saúde Mental preconiza a existência, numa comunidade ou território, de uma rede de atenção à saúde mental. Essas redes de atenção são constituídas de muitos centros, o que as tornam muito complexas e, consequentemente, resistentes. O fundamental, segundo o que dispõe a Política de Saúde Mental, é que o eixo organizador dessas redes (A) concentre-se na qualidade dos recursos materiais disponíveis. (B) sustente-se na qualificação dos profissionais que a compõem. (C) oriente-se para as pessoas, sua existência e seu sofrimento. (D) pressuponha a existência de um projeto terapêutico único. (E) organize-se em torno de uma perspectiva assistencialista. (A) leva o indivíduo/paciente a buscar seu bem-estar físico, mental e social. (B) implica uma justaposição de posições clinicobiológicas e educativas. (C) tem como objetivo identificar demandas sociossanitárias. (D) visa uma compreensão sobre os limites entre saúde e doença. (E) considera o caráter universal da dor de pacientes institucionalizados. 13 PMRP1002/022-Psicólogo-manhã

14 56. Por sua proximidade com famílias e comunidades, as equipes de Atenção Básica em saúde são um recurso estratégico para o enfrentamento e prevenção dos agravos vinculados ao uso abusivo de álcool, drogas e outras formas de sofrimento psíquico. Nesse sentido, foi proposto o apoio matricial da saúde mental às equipes de Atenção Básica. Esse apoio tem como objetivo (A) aumentar o número de equipes de saúde mental disponíveis nos Centros de Atenção Psicossocial para priorizar o atendimento aos casos encaminhados pelas equipes de Atenção Básica. (B) oferecer suporte técnico às equipes de Atenção Básica em áreas específicas e promover a lógica da co-responsabilização pelos casos atendidos pelos profissionais de um mesmo território. (C) deslocar equipes de saúde mental para fazer parte das unidades de saúde nas quais atuam as equipes de Atenção Básica e, dessa forma, aumentar a rede de prevenção em saúde mental. (D) capacitar os membros da equipe de Atenção Básica para atuarem como equipes de saúde mental, evitando com isso, encaminhamentos desnecessários para os Centros de Atenção Psicossocial ou para hospitais psiquiátricos. (E) treinar os funcionários e técnicos de Unidades Básicas de Saúde para fazerem o encaminhamento correto dos usuários que precisarem de alguma intervenção ou atendimento específico em saúde mental. 57. Um profissional que trabalha num Centro de Atenção Psicossocial CAPs planejou, juntamente com a assistente social e alguns técnicos de sua equipe, a realização de uma atividade que teria como objetivo contribuir para que os usuários do serviço, que não tiveram acesso ou que não puderam permanecer na escola, exercitem a escrita e a leitura. Essa atividade (A) é um instrumento adequado para auxiliar a geração de renda e deve acontecer nas Residências Terapêuticas e não nos CAPs. (B) é contraindicada no CAPs uma vez que esse tipo de equipamento de saúde mental destina-se ao atendimento de pacientes crônicos. (C) pode acontecer no CAPs, desde que tenha como finalidade a avaliação das condições clínicas e cognitivas dos usuários do serviço. (D) desvia-se do propósito fundamental do CAPs, que é o de acompanhar os seus usuários em situação de crise e acompanhamento psicoterapêutico. (E) caracteriza uma oficina terapêutica e constitui uma das principais formas de tratamento oferecidas pelos CAPs. 58. A formulação de um programa de tratamento para o controle da dependência de drogas, com ênfase de apoio, deve ter como um de seus componentes essenciais (A) o tratamento focalizado na dependência das drogas, excluindo-se o acompanhamento a qualquer outro transtorno psiquiátrico associado à dependência. (B) um substituto para a dependência da droga, ou seja, o estabelecimento de um sistema de crenças alternativas ou uma dependência benigna. (C) a ausência de qualquer atitude que force a abstinência enquanto o processo de maturação psicológica do dependente não se instalar. (D) a aceitação incondicional da estrutura de personalidade do dependente químico e também do mecanismo de regressão que é típico nesses casos. (E) a evitação dos problemas subjacentes ao consumo abusivo de drogas para permitir a modulação de afetos e a regulação da auto-estima do dependente. 59. A diretora de uma escola pública contrata um psicólogo para produzir relatórios psicológicos sobre a avaliação diagnóstica de dez crianças matriculadas no Ensino Fundamental I dessa instituição. Essas crianças apresentam, de acordo com a avaliação da diretora e dos professores, severas dificuldades no seu processo de aprendizagem. A escola se compromete a pagar os honorários do psicólogo com o dinheiro disponível no caixa da Associação de Pais e Mestres da instituição (APM), disponibilizará um local, na própria instituição, para que as entrevistas com os pais e com as crianças sejam realizadas, e se dispõe a entrar em contato com os responsáveis pelas crianças para agendar os encontros com o psicólogo. Nessa situação, o psicólogo deve (A) recusar o pedido baseado no princípio ético de que estaria desviando para um serviço particular, pessoas e organizações atendidas por instituições públicas. (B) aceitar o pedido baseado no princípio ético de que deve promover a saúde e qualidade de vida das pessoas e das coletividades, contribuindo para eliminar qualquer tipo de discriminação. (C) recusar o pedido baseado no princípio ético de que a solicitação dessa diretora o coloca em condição de cúmplice no exercício ilegal da profissão. (D) aceitar o pedido, baseado no princípio ético da universalização do acesso da população às informações, ao conhecimento da ciência psicológica e aos serviços que essa oferece. (E) recusar o pedido baseado no princípio ético de que a situação implica riscos e compromissos em relação à utilização das informações presentes nos relatórios em sua dimensão de poder. PMRP1002/022-Psicólogo-manhã 14

15 60. Em casos excepcionais, é considerada a possibilidade de o psicólogo decidir pela quebra de sigilo. Um desses casos é (A) no atendimento a pessoas que perderam sua capacidade civil e estão privadas juridicamente de tomar decisões, quando o psicólogo está autorizado a tornar públicas todas as informações sobre o atendimento que realiza. (B) nos documentos que embasam as atividades realizadas por uma equipe multiprofissional, quando o psicólogo se compromete a apresentar todos os dados sobre a avaliação e sobre os atendimentos por ele realizados. (C) no caso de ser convocado, por uma intimação judicial, a prestar depoimento sobre as condições de uma pessoa por ele atendida, quando oferecerá somente as informações necessárias. (D) no atendimento de crianças e jovens, quando o profissional deve apresentar aos pais ou responsáveis legais todas as informações sobre os atendimentos realizados para promover medidas em seu benefício. (E) no atendimento realizado a pessoas que disputam a guarda de filhos, quando o psicólogo se responsabiliza por fornecer todas as informações que possam auxiliá- -las a obter um parecer favorável no processo de decisão judicial. 15 PMRP1002/022-Psicólogo-manhã

16

023. Prova Objetiva. Aguarde a ordem do fiscal para abrir este caderno de questões. Confira seu nome e número de inscrição impressos na capa

023. Prova Objetiva. Aguarde a ordem do fiscal para abrir este caderno de questões. Confira seu nome e número de inscrição impressos na capa Concurso Público 023. Prova Objetiva Técnico Administrativo em Saúde Pública Você recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 60 questões objetivas. Confira seu nome e número de inscrição impressos

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE II CONFERÊNCIA DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL Instrumental de Trabalho baseado nas Propostas Aprovadas na I Conferencia Estadual

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico

Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico 2015 GVDASA Sistemas Pedagógico 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE ALEXANDRE DE ARAÚJO PEREIRA Na última década, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) - e a Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) têm trazido

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis.

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis. Histórico 1º semestre de 2008 Elaboração do Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e das DST entre gays, hsh e travestis Agos/08 Oficina Macro Sudeste para apresentação do Plano Nacional Set/08

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS 1 Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4.

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4. MANUAL TÉCNICO-OPERACIONAL DO MÓDULO DE MONITORAMENTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR Brasília/DF, 23 julho de 2009 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSO AO SISTEMA... 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO...6

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social O XVIII Concurso do ELAS Fundo de Investimento Social, em parceria com a MAC AIDS Fund, visa fortalecer, por meio de apoio técnico e

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 DCNs 2001 Motivações e Contexto Resolução CNE/CES n.º 4, de 9 de novembro de 2001

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as ações do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde. dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde. dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde O HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG E A EBSERH: APROIMAÇÃO ENTRE A GESTÃO E OS TRABALHADORES EM UM CONTETO DE MUDANÇAS

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Manual Usuário Sistema Audatex

Manual Usuário Sistema Audatex Manual Usuário Sistema Audatex Conhecimento global. Foco local. www.audatex.com.br / www.solerainc.com Versão 1.0 Histórico das versões VER DATA AUTOR DESCRIÇÃO DA MODIFICAÇÃO 2.0 24.08.2010 MT Versão

Leia mais

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Art. 1 - Do serviço de apoio Psicopedagógico - SAPP O serviço de apoio

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

Lição 4 Avaliação na EAD

Lição 4 Avaliação na EAD Estudo e Aprendizado a Distância 89 Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: identifi car a fi nalidade de um objetivo de aprendizagem; identifi car o conceito de avaliação da aprendizagem;

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais