A expectativa média de vida de um ser. Artigos de Pesquisa CÁLCULOS DE GOTEJAMENTO VALID FÓRMULAS E INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A expectativa média de vida de um ser. Artigos de Pesquisa CÁLCULOS DE GOTEJAMENTO VALID FÓRMULAS E INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 Martins MJQA, Pecinalli NR, Sixel PJ CÁLCULOS DE GOTEJAMENTO OTEJAMENTO: VALID ALIDADE ADE DAS FÓRMULAS E COMPARAÇÃO ENTRE EQUIPOS Artigos de Pesquisa DRIPPING CALCULA ALCULATIONS TIONS: VALIDITY OF FORMULAS AND COMPARISON AMONG FLUSHING TUBES Maria José Queiroz Alvarenga Martins * Ney Roner Pecinalli, MS ** Paulo José Sixel, MS *** RESUMO: Para calcular a velocidade de uma infusão venosa usando-se equipos, a fórmula mais utilizada pela enfermagem considera que em 1 ml existem 20 gotas, mas existem referências que trazem uma fórmula considerando que em 1 ml existem apenas 15 gotas. Este trabalho teve como objetivo principal confrontar essas duas fórmulas quanto à validade de seus resultados e comparar, através de medidores de precisão, a equivalência do número de gotas por mililitro entre os principais equipos usados na cidade do Rio de Janeiro. Foi realizado, em 2002, levantamento bibliográfico para estabelecimento de fundamentação envolvendo tais fórmulas. Em seguida, foram analisadas oito unidades de cada uma das 10 marcas mais usadas no município com relação ao número de gotas/ml e estes dados tratados estatisticamente. Os resultados obtidos revelaram uma diferença de até 37% entre as marcas, de 1 ml = 14,62 ± 2,2 gotas até 1 ml = 23,2 ± 1,5 gotas. Palavras-chave: Cálculo de gotejamento; equipo de infusão; fórmula de gotejamento; infusão venosa. ABSTRACT: In the administration of intravenous solutions, exact dosages should be managed. To calculate the infusion speed using flushing tubes, the nursing most frequently used formula considers that in one ml exist 20 drops. However, there are some references that bring a formula considering that in one ml exist only 15 drops. The main goal of this work has been to confront these two formulas regarding to the validity of their results, and to compare, by the use of precision meters, the number of drops/ml among the flushing tubes most commonly used in the city of Rio de Janeiro. In 2002, a bibliographic research about the theoretical basis of such formulas was accomplished. Subsequently, eight units of each one of the ten brands most used in the city were analyzed with regard to the number of drops/ml, and the resulting data were submitted to statistical treatment. The results revealed a difference of up to 37% among the brands, with a variation from ± 2.2 to 23.2 ± 1.5 drops/ml. Keywords: Dripping formula; dripping calculation; intravenous infusion; flushing tubes. INTRODUÇÃO A expectativa média de vida de um ser humano é influenciada por vários fatores endógenos e exógenos, pois, de um lado, existem aqueles que a reduzem e, de outro, aqueles que a aumentam. Observa-se claramente que o aumento da expectativa de vida de uma população está diretamente relacionado com a qualidade de vida da mesma 1. Na tentativa de melhorar tal qualidade, o combate às patologias apresenta diversas medidas terapêuticas, e entre elas podemos ressaltar o uso dos farmacos que, quando corretamente utilizados, funcionam como ferramentas muitas vezes insubstituíveis no tratamento, prevenção, cura e diagnóstico de patologias 2. No século XVII, Cristopher Wren, utilizando uma pena ôca de ave, introduziu ópio em um R Enferm UERJ 2003; 11: p.133

2 Validade das fórmulas de gotejamento vaso venoso de um cão, levando a efeitos imediatos 3.. A partir de então, com a evolução tecnológica, esta técnica também evoluiu, vindo a ser importante recurso terapêutico, muitas vezes imprescindível na garantia de vida do paciente. Apesar da criação de muitos dispositivos, à filosofia de injetar medicamentos diretamente no meio interno foi mantida. A terapia intravenosa em vasos venosos periféricos faz parte da assistência ao paciente e fica sob os cuidados da enfermagem, inclusive quanto à decisão sobre a escolha de locais e tipos de equipamentos a serem utilizados. A administração de medicamentos, legalmente outorgada ao profissional de enfermagem e aos membros de sua equipe sob sua supervisão, é uma das suas atribuições de maior responsabilidade 4. Desse modo, a competência técnico-científica do enfermeiro nessa atribuição é cada vez mais exigida. As maiores inovações nos equipos de infusão venosa estão relacionadas às características - ser descartável e ter maior precisão na regulagem do fluxo da solução a ser infundida, pontos importantes na terapia de drogas e eletrólitos. Os equipos mais simples, existentes ainda hoje, dispondo de câmara dispensadora de gotas, calibradas para 20 ou 40 gotas por mililitro, foram de grande importância na história dos procedimentos terapêuticos. Posteriormente, foram desenvolvidos equipos especiais para administração de soluções que exigem rigoroso controle do fluxo de infusão. Esses equipos, diferindo do equipo simples por liberar a solução em microgotas, possibilitam um fluxo constante com acréscimo mínimo de fluido no organismo, e têm grande aplicação em pediatria e em pacientes com a restrição de líquidos. O advento dos controladores eletrônicos de fluxo e as atuais bombas de infusão, providas de sinalizadores tipo alarme que monitoram a terapia intravenosa detectando eventuais falhas, foram particularmente importantes dentro deste contexto. Considerando que a enfermagem trabalha com dosagens precisas, a alteração do volume infundido pode influenciar a biodisponibilidade e a latência de um farmaco e até mesmo a volemia do paciente. Para calcular a velocidade de infusão usando-se equipos, é importante saber que esta depende do diâmetro do conta-gotas do equipo. Assim, quando os equipos apresentam diâmetros diferentes no conta-gotas, a quantidade de gotas para formar um mililitro também será. Para infundir uma solução por via venosa, a fórmula mais utilizada pela enfermagem para calcular o número de gotas é: Esta fórmula considera que no volume de 1 ml existem 20 gotas, e doravante será chamada fórmula-a. Esta é ensinada ao estudante de enfermagem na graduação, aceita em concursos com apoio em diversos autores 5,6,7,8. Nada pode ser intelectualmente um problema, se não tiver sido, em primeiro lugar, um problema da vida prática. 9 Assim, na condição de acadêmica de enfermagem, foi observado que ao aplicar a fórmula-a corretamente e analisar atentamente a infusão, em muitas vezes a administração do volume total não ocorria no tempo esperado. Vale registrar que, cursar a disciplina de Farmacologia-V, foi utilizada apostila que apresentava duas fórmulas para calcular o gotejamento, a já citada fórmula-a e a fórmula- B, apresentada a seguir, que pressupõe a existência de 15 gotas em 1 ml. Esta, apesar de pouco conhecida pela enfermagem, também é indicada como padrão de cálculo de infusão por outros autores 10,11,12. Constatou-se, então, a existência destas duas fórmulas que, por serem diferentes, quando aplicadas em situações semelhantes, produzem resultados também diferentes. Em um exemplo, considerando a infusão de 500 ml em 24 horas, o número de gotas a ser infundido ao usar a fórmula-a 6,9 gotas, e usando-se a fórmula-b 5,2 gotas. Outros autores aconselham que, para calcular a velocidade do fluxo de infusão, deve-se verificar o número de gotas por ml impresso no equipo, o qual varia de acordo com os dispositivos comercializados 13,14,15. Frente às diferenças de equipos e ao fato de que cada autor cita apenas uma fórmula como padrão, tornaram-se necessários estudos comparando essas fórmulas, confrontando seus resultados às referências e também uma análise dos p.134 R Enferm UERJ 2003; 11:133-8.

3 Martins MJQA, Pecinalli NR, Sixel PJ equipos mais utilizados para a verificação do número de gotas que dispensam e equivalem a1ml. Os objetos desta pesquisa foram: fórmulas para cálculo de gotejamento; equipos: graduados em gotas/ml. O objetivo geral deste estudo é : confrontar, as duas fórmulas para cálculo de gotejamento das infusões venosas. São objetivos específicos: comparar, através de medidores de precisão, a equivalência do número de gotas por ml entre os principais equipos usados no Rio de Janeiro; e correlacionar os resultados obtidos com os equipos à fórmula-a e à fórmula-b. METODOLOGIA Inicialmente, foi realizado levantamento bibliográfico para estabelecimento da fundamentação envolvendo as fórmulas para gotejamento de soluções em infusão venosa. As duas principais fórmulas foram confrontadas estabelecendo-se as diferenças obtidas com o resultado da aplicação de ambas, tendo como padrão o cálculo para a infusão de 1 ml de solução e o número de gotas em um minuto. Em uma segunda etapa, foram adquiridos nos meses de maio e junho de 2002, nas principais distribuidoras de material hospitalar da cidade do Rio de Janeiro, os equipos de dez fabricantes diferentes utilizados pela maioria dos hospitais. Por exigência da técnica estatística, foram adquiridas oito unidades de cada fabricante, totalizando 80 equipos. A seguir, no Laboratório de Etnofarmacologia e Produtos Naturais do Instituto Biomédico da Universidade Federal Fluminense foi realizada medição através de câmara de precisão para determinar, em cada equipo, quantas gotas equivaliam a um mililitro. Os resultados obtidos foram analisados estatisticamente através de análise simples de variância (ANOVA) paramétrica por Student-Newman- Keuls, sendo apresentados em Média ± Erro Padrão e considerados significativos aqueles onde P < 0.05, e depois confrontados às duas fórmulas. APRESENT PRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESUL ESULTADOS No confronto entre a fórmula-a, que considera que no volume de 1 ml existem 20 gotas citada por diversos autores 6,7,8, e a fórmula-b, que considera a existência de 15 gotas no volume de 1 ml, sendo também indicada como padrão de cálculo de infusão 10,11,12, foram obtidos resultados diferentes. Ao usar um volume hipotético qualquer, e fixar o número de gotas/min, foi demonstrado que, usando a fórmula-a, o mesmo foi infundido em média 25% mais lentamente que quando se utilizou a fórmula-b (fig. 1). Já quando se fixou um determinado gotejamento em um período de tempo hipotético, o volume infundido utilizando-se a fórmula-a foi aproximadamente 25% menor que o volume infundido utilizando a fórmula-b (fig.2). Essas diferenças de 25% podem ser nocivas, levando a efeitos indesejáveis como aumento da pressão arterial, da pressão venosa e edema pulmonar, principalmente em bebês e pacientes idosos com insuficiência cardíaca ou renal. Além da sobrecarga circulatória, também pode ocorrer a sobrecarga medicamentosa, levando a concentrações tóxicas da droga no organismo. Quando a infusão ocorre muito lentamente ou quando esta termina antes do tempo determinado, a concentração plasmática da droga dimi- Figura 1: Comparação entre as fórmulas AeB,comutilização de volume e gotejamento hipotéticos fixos (1000 ml a 10 gotas/min). Niterói R Enferm UERJ 2003; 11: p.135

4 Validade das fórmulas de gotejamento FIGURA 2: Comparação entre as fórmulas AeB,comutilização de tempo e gotejamento hipotéticos fixos (24 ha10gotas/min). Niterói nui, não obtendo o efeito terapêutico desejado e prejudicando o tratamento, principalmente em casos de antibioticoterapia onde o agente que se quer combater desenvolve resistência ao antibiótico utilizado. Entre as 10 marcas de equipos adquiridos, apenas duas apresentavam impresso em sua embalagem o número de gotas que equivalem a um ml, estes consideraram que 20 gotas equivaleriama1ml±0,1ml. Considerando autores que aconselham que, para calcular a velocidade do fluxo de infusão, deve-se verificar o número de gotas por ml impresso no equipo 13,14,15, podemos afirmar que esta prática não vai ser possível, já que a maior parte dos equipos comercializados não traz impressa tal informação. Outro fator relevante é a margem de erro aceita pelos dois fabricantes que informaram a equivalência gotas/ml. Sendo tal margem de 10 %, o que em um paciente que receba em 24 h por exemplo 2000 ml, pode significar 200 ml para mais ou para menos, volume este que não pode ser considerado pequeno. Na figura-3, podemos observar que a diferença entre a marca em que 1 ml equivale a um menor número de gotas (14,62) e a marca em que equivale a um maior número de gotas (23,2) foi de aproximadamente 37 %. Quando comparados à fórmula-a, foi observado que cinco das dez marcas apresentaram diferença significativa entre o número de gotas que realmente equivaliam a1mleaonúmero de gotas considerado pela fórmula-a (1 ml=20 FIGURA 3: 3 Comparação entre equipos de dez fabricantes diferentes, barras obtidas da média entre oito equipos de cada fabricante. Niterói,2002. * Diferença significativa (P < 0,05) quando comparada à fórmula-a. X Diferença significativa (P < 0,05) quando comparada à fórmula-b. p.136 R Enferm UERJ 2003; 11:133-8.

5 Martins MJQA, Pecinalli NR, Sixel PJ gotas). Já ao serem comparados com a fórmula-b, que considera 1 ml com 15 gotas, sete das marcas testadas apresentaram diferença significativa. Ficou constatado que existe no mínimo 50 % de risco de erro quando é aplicada qualquer uma das fórmulas de gotejamento, sem conhecimento da equivalência do número de gotas/ml naquele equipo usado, já que a maioria das embalagens não traz impressa tal informação. Foi evidenciado também que a margem de erro entre equipos de um mesmo fabricante em alguns casos foi muito alta, revelando um baixo controle de qualidade desses produtos. CONCLUSÕES Após a realização do trabalho e análise dos resultados podemos concluir que: As fórmulas apresentam cerca de 25 % de diferença, podendo levar a riscos para os pacientes. Os equipos de marcas diferentes apresentam uma variação de 14,62 a 23,2 na equivalência gotas/ml. É imprescindível que médicos e enfermeiros conheçam as duas fórmulas e não apenas uma delas, e que, nas universidades, estudantes dos respectivos cursos recebam orientação sobre sua existência. Os fabricantes devem informar na embalagem de cada equipo a equivalência gotas/ml, e também devem investir em mais qualidade para diminuir a margem de erro entre equipos de uma mesma marca. Recomenda-se a padronização dos conta-gotas dos equipos, para que uma gota tenha sempre o mesmo volume. Sendo este volume padronizado, poderíamos estabelecer a melhor fórmula para cálculo de gotejamento, pois quando se administra medicamentos por via venosa contínua não se pode admitir falhas grosseiras, espera-se precisão de dosagem para a eficácia terapêutica e a segurança do cliente. REFERÊNCIAS 01. Ralston SE. Review and application of clinical pharmacology for nurses. 2 th. Philadelphia: Lippincott Company; Gorzoni ML, Neto JT. Terapêutica clínica no idoso. São Paulo : Sarvier; ABBOTT. Divisão Hospitalar. Venipunção e cateterização venosa São Paulo (SP): ABBOTT; Laganá MTC. et al. Princípios gerais da administração de medicamentos e ações de enfermagem. Rev Esc Enferm USP 1989; 23: Nascimento E, Cançado L. O uso de um sistema artesanalmente construído para o ensino prático da punção e infusão intravenosa. Rev Bras Enferm 1991; 44: Koch RM, Motta HS, Walter RL. Técnicas básicas de enfermagem.6 a ed. Curitiba (PR): ed. Lítero-técnica; p., p Nascimento EMF. Infusão intravenosa em veia periférica: associações entre motivos de interrupção e fatores envolvidos [dissertação de mestrado ]. São Paulo (SP): Escola Paulista de Medicina; Staut NS, Durán MDEM, Brigatto MJM. Manual de drogas e soluções. São Paulo (SP): EPU; Deslandes SF. Pesquisasocial: teoria,métodoecriatividade. 19 ª ed. Rio de Janeiro: Vozes; Brunner LS, Suddarth DS. Prática de enfermagem.2 a ed. Rio de Janeiro: Interamericana; JBM. Dicionário de especialidades farmacêuticas Seção Científica 3 a ed., Rio de Janeiro (RJ): ed. EPC; 2001/ Potter PA, Perry AG. Grande tratado de enfermagem prática.3 a ed. São Paulo : ed. Santos; BrunnerLS, SuddarthDS. Tratadodeenfermagemmédico - cirúrgica.9 a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; Araujo MJB. Técnicas fundamentais de enfermagem.9 a ed. Rio de Janeiro: ed. M. J. Bezerra de Araújo; Nettina SM. Prática de enfermagem. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; R Enferm UERJ 2003; 11: p.137

6 Validade das fórmulas de gotejamento CÁLCULOS DE GOTEO OTEO: VALIDEZ DE LAS FÓRMULAS Y COMPARA ARACIÓN ENTRE EQUIPOS RESUMEN: Para calcular la velocidad de una infusión intravenosa usándose equipos, la fórmula más usado por la enfermería considera que en 1 ml existen 20 gotas, pero hay referencias que presentan una fórmula considerando que en 1 ml existen sólo 15 gotas. Este trabajo ha tenido como principal objetivo, confrontar esas dos fórmulas cuanto a la validez de sus resultados y comparar a través de medidores de precisión, la equivalencia del número de gotas por mililitro entre los principales equipos utilizados en la ciudad de Río de Janeiro - Brasil. Fue cumplido, en 2002, inventario bibliográfico para establecimiento de una base involucrando tales fórmulas. En seguida, fueron analisadas ocho unidades de cada una de las 10 marcas más empleadas en el municipio respecto al número de gotas/ml, y estes datos fueron tratados estadísticamente. Los resultados obtenidos revelaron una diferencia significativa de 37% entre las marcas, de 1ml = 14,62 ± 2.2 hasta 1ml = 23.2 ±1.5 gotas. Palabras clave: Cálculo de goteo; equipo de infusión, fórmula de goteo; infusión intravenosa. Recebido em: Aprovado em: Notas * Acadêmica do 9 o período de Enfermagem da EEAAC-UFF ** Prof. de Farmacologia do Departamento de Fisiologia e Farmacologia do Instituto Biomédico da UFF. Enfermeiro pela UFF-1988 E- *** Prof. Adjunto de Farmacologia do Departamento de Fisiologia e Farmacologia do Instituto Biomédico da UFF. Farmacêutico- Bioquímico, UFF,1972; CRF-7n o 976. p.138 R Enferm UERJ 2003; 11:133-8.

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR BANCO DE QUESTÕES CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR NT1: A importância do conhecimento de anatomia e fisiologia no UE1: Uma abordagem

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa

11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa 11º Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Segurança na Terapia Intravenosa Bruno Viana de Andrade Enfermeiro do Serviço de Oncologia do Hospital Mater Dei Belo Horizonte MG 2014 História

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT1: A importância do processo histórico no desenvolvimento da Terapia Intravenosa (TI): da anatomia à fisiologia

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73 PARECER COREN/SC Nº 015/CT/2013 Assunto: Solicitação de Parecer Técnico acerca da realização de punção intraóssea por Enfermeiro. I - Do Fato Solicitado Parecer Técnico sobre a Câmara Técnica do Coren/SC,

Leia mais

Implantação de Programas de Combate ao Tabagismo em Hospitais Dr. Marcos Marques Hospital Vita Batel Curitiba/PR História O uso do tabaco surgiu aproximadamente no ano 1000 a.c (América Central). Chegou

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO Raniele Ramalho de SOUZA 1*, Sara Fonte Boa de OLIVEIRA 1,

Leia mais

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem.

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem. ATIVIDADES REFERIDAS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS PESSOAS COM ÚLCERAS VASCULARES: MAPEANDO O ATENDIMENTO NAS SALAS DE CURATIVO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA Adriana Cristina de SANTANA 1 ; Maria Márcia

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

Unidade de Pesquisa Clínica

Unidade de Pesquisa Clínica Unidade de Pesquisa Clínica A EQUIVALÊNCIA FARMACÊUTICA NO CONTEXTO DA INTERCAMBIALIDADE ENTRE MEDICAMENTOS GENÉRICOS E DE : BASES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS abril/04 SÍLVIA STORPIRTIS1,2; RAQUEL MARCOLONGO1;

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Área: Estágio de Enfermagem em Saúde do Adulto I e II Campo de Atuação: Santa Casa de Tupã; Instituto de Psiquiatria de Tupã e Hospital São

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE TERAPIA NUTRICIONAL - EMTN ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Enfª Danielli Soares Barbosa Membro do Grupo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br EXEMPLOS DE ESQUEMAS COMPARTIMENTAIS DO CORPO TGI COMPARTIMENTO CENTRAL CÉREBRO FÍGADO ELIMINAÇÃO METABÓLICA EXCREÇÃO RENAL OUTROS

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA Eva Aparecida Prado do Couto (UEG) 1 evinhacouto@hotmail.com Flávia Melo Rodrigues ² rflamelo@gmail.com Introdução Segundo Queiroz (1986) o uso das espécies

Leia mais

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA DNME/MINSA/ ANGOLA 1 CONCEITO E ENQUADRAMENTO DA FARMÁCIA HOSPITALAR O Hospital é o local onde as intervenções mais diferenciadas, invasivas e salvadoras de vida devem ter lugar, constituindo-se, por isso

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Enfermagem DEPARTAMENTO: Ciências Básicas da Saúde DISCIPLINA: Enfermagem em Clínica Médica Cirúrgica I PROFESSORA RESPONSÁVEL:

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS.

CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS. CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS. Autor: ANA LUIZADA SILVA Orientador: Sâmia Macedo Queiroz Mota Castellão Tavares Coautor(es): Ana Luiza da Silva,

Leia mais

Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos

Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde PET Farmácia Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos Antonio E. Matoso Mendes Orientadora: Maria Luíza D. Fávero

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro A importância do treinamento para a equipe de enfermagem Enfª Mariângela B Ribeiro Pontos importantes Porquê treinar? Padronização dos processos Segurança na realização dos procedimentos Redução de custos

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 2014 Solicitante Dr. Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Data: 19/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*)

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Cristiane Vaucher(**) Enfermeira. Membro do Comitê de Implantação da SAE no INCA IV Jornada de Enfermagem em Oncologia

Leia mais

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.)

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) Cristina Maria Galvão * Namie Okino Sawada * GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O. O uso da informática na rede básica e hospitalar

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 MUITO BARULHO POR NADA - COMO COMPLICAR A EXPLICAÇÃO Autores - Marcos Lobo De Freitas Levy e Silvia V. Fridman A ANVISA prevê a elaboração de uma nova resolução para permitir a

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - CURITIBA Unidade

Leia mais

Nanotecnologia. Sua relevância e um exemplo de aplicação na Medicina

Nanotecnologia. Sua relevância e um exemplo de aplicação na Medicina Nanotecnologia Sua relevância e um exemplo de aplicação na Medicina O que é Nanotecnologia? É a criação, manipulação e exploração de materiais em escala nanométrica. Com esta tecnologia é possível manipular

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL ÍNDICE TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL 1. INTRODUÇÃO 01 2. ALIMENTANÇÃO ENTERAL: O QUE É? 02 3. TIPOS DE NUTRIÇÃO ENTERAL 03 4. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO 04 ENTERAL 5. TIPOS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

CUSTO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE INFUSÃO CONTÍNUA: SUBSÍDIOS PARA A TOMADA DE DECISÃO

CUSTO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE INFUSÃO CONTÍNUA: SUBSÍDIOS PARA A TOMADA DE DECISÃO CUSTO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE INFUSÃO CONTÍNUA: SUBSÍDIOS PARA A TOMADA DE DECISÃO Inês Catarina Barth de Godoi 1 Kelly Cristina Inoue 2 Laura Misue Matsuda 3 RESUMO: Introdução: Em Unidade de Terapia

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar Aplicação da Metrologia no Serviço de Instalações e Equipamentos de uma Unidade Hospitalar Carlos Patrício, Presidente da ATEHP Director do Serviço de Instalações e Equipamentos do CHTS, EPE Introdução

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil.

2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil. 2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil. Sumário Pauta...2 Justificativa...2 Objetivos...3 Metodologia...3 Potencial de

Leia mais

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio.

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio. VISCOTEARS carbômer 2 mg / g Lágrima artificial Forma farmacêutica e apresentação Gel líquido oftálmico: tubo de 10 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes:

Leia mais

DIMETIGASS simeticona

DIMETIGASS simeticona DIMETIGASS simeticona CIMED INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS LTDA. EMULSÃO ORAL (GOTAS) 75 MG/ML I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Dimetigass simeticona APRESENTAÇÕES Emulsão oral: Caixa com 1 frasco conta-gotas

Leia mais

Ethamolin. oleato de monoetanolamina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Ethamolin. oleato de monoetanolamina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: Ethamolin oleato de monoetanolamina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: ETHAMOLIN consiste em uma solução aquosa de oleato de monoetanolamina a 5% para uso injetável apresentado em caixas contendo 6 ampolas

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH

Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH A proposta pedagógica para formação do medico dentro do curso do UNI-BH baseia-se na estruturação em três módulos de conteúdo bem definido

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 037/2012 CT PRCI n 100.072/2012 Tickets n 279.441, 284.278, 284.556 e 297.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 037/2012 CT PRCI n 100.072/2012 Tickets n 279.441, 284.278, 284.556 e 297. PARECER COREN-SP 037/2012 CT PRCI n 100.072/2012 Tickets n 279.441, 284.278, 284.556 e 297.459 Ementa: Regulamentação e competência do instituto das abordagens de pré e pósconsultas pela equipe de Enfermagem

Leia mais

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS CABRAL, Mayara da Nóbrega CHAVES, Antônio Marcos Maia CHAVES, Maria Emília Tiburtino JALES, Silvana Teresa Lacerda MEDEIROS, Leanio Eudes

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014

PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014 PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014 Ementa: Passagem, cuidados e manutenção de PICC e cateterismo

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Halley Johanston Unysis Corporation, EUA Revista Informédica, 1 (2): 5-9, 1993. A utilização da Informática na gestão hospitalar evoluiu, nos últimos

Leia mais

Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II

Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II Código: ENF - 226 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 Assunto: Responsabilidade pelo Controle, Guarda e Dispensação de Medicamentos de Pesquisa Clínica. 1. Do fato Solicitado parecer sobre o controle, guarda e dispensação

Leia mais

Reconhecimento do título de doutor, obtido na Escola de Enfermagem. da Universidade de São Paulo de acordo com o Parecer n 77/69

Reconhecimento do título de doutor, obtido na Escola de Enfermagem. da Universidade de São Paulo de acordo com o Parecer n 77/69 MARIANNA AUGUSTO Reconhecimento do título de doutor, obtido na Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo de acordo com o Parecer n 77/69 do CFE. João Paulo do Valle Mendes A professora Marianna

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

MODELO DE FORMATO DE BULA

MODELO DE FORMATO DE BULA APRESENTAÇÕES Frasco conta-gotas (75 mg/ml) com 15 ml. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada 25 gotas de LUFTAL (equivalente a 1 ml) contém 75 mg de simeticona. Ingredientes inativos: propilenoglicol,

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde do Trabalhador Professor: Daniely Oliveira Nunes Gama E-mail: danioliveiranunes@yahoo.com.br

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Francisco Junio do Nascimento 1, Sheron Maria Silva Santos 1, Jose Thiago Gois de Alencar 1, Ivanildo do Carmo

Leia mais

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy)

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Traduzido e adaptado por Sergio Marinzeck, Ft, M.Phty (Manip), MPAA

Leia mais

SINAIS VITAIS. Base teórica

SINAIS VITAIS. Base teórica Base teórica SINAIS VITAIS Os sinais vitais são informações básicas colhidas pelo enfermeiro para avaliação do estado de saúde do cliente. O enfermeiro(a) deve saber avaliar e orientar a equipe quanto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL. PRISCILA VICENTIN

Leia mais

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD Evandro Rodrigues de Britto Biólogo pela Faculdade Nacional de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil; Pós-Graduado em

Leia mais

EMENTA: Regularidade da exigência de plantões em diversas áreas CONSULTA

EMENTA: Regularidade da exigência de plantões em diversas áreas CONSULTA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ RUA VICTÓRIO VIEZZER. 84 - CAIXA POSTAL 2.208 - CEP 80810-340 - CURITIBA - PR FONE: (41) 3240-4000 - FAX: (41) 3240-4001 - SITE: www.crmpr.org.br - E-MAIL: protocolo@crmpr.org.br

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS câncer. 3 Atualmente, fatores como envelhecimento populacional, intenso processo de TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS João Evangelista da Costa - UFRN. hevan33@oi.com.br

Leia mais

CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE

CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE AGOSTO 2011 Conheça um pouco mais sobre nossos cursos de extensão SUMÁRIO Curso de Primeiros Socorros Modulo 1...3 Os Fundamentos da Ética Contemporânea...5

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). OBSERVAÇOES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Alex da Silva Xavier; Lílian Koifman. Universidade

Leia mais

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ...

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ... ... Pág. 1 Índice: O QUE PRECISO SABER SOBRE OS MEDICAMENTOS QUE ESTOU TOMANDO? 01 ONDE E COMO DEVO GUARDAR E/OU DESPREZAR OS MEDICAMENTOS? QUAIS CUIDADOS DEVO TER COM AS INSULINAS? INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I Código: ENF 202 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas CLEBER FEIJÓ SILVA DANIELA PATRICIA VAZ TAIS MAZZOTTI cleber.feijo@famesp.com.br danielavaz@famesp.combr tamazzotti@terra.com.br Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Leia mais

Resolução - RDC nº 260, de 23 de setembro de 2002 D.O.U de 03/10/2002

Resolução - RDC nº 260, de 23 de setembro de 2002 D.O.U de 03/10/2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA aprovado pelo Decreto nº 3.029, de 16 de abril de

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE Carlos Bruno Eckstein PETROBRAS/CENPES/PDEAB/Engenharia Básica de Equipamentos Edneu Jatkoski PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS 1 O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS THE KNOWLEDGE OF FAMILY HEALTH PROGRAM NURSES ABOUT PERFORMING CLINICAL BREAST EXAMINATIONS KÊNIA

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA MAPUTO, 25 a 27 de Março de 2015 A Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP), que congrega mais 200 mil

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS.

IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS. IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS. Ana Paula Alves Martins 1 Marcelo Costa Fernandes 2 Introdução Para Ferreira (2005) cuidado é executado por quem é

Leia mais