Aprender a ler e a escrever: indo além dos métodos. Prof. Dr. Jaime Luiz Zorzi 2003 CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aprender a ler e a escrever: indo além dos métodos. Prof. Dr. Jaime Luiz Zorzi 2003 CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica"

Transcrição

1 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: Aprender a ler e a escrever: indo além dos métodos Prof. Dr. Jaime Luiz Zorzi 2003 CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Introdução Um dos principais objetivos da educação elementar é o ensino da leitura e da escrita. Porém, atingir esta meta não tem se mostrado uma tarefa muito fácil, tendo em vista o número muito elevado de alunos que tem sido apontado como apresentando dificuldades no processo de aprendizagem da língua escrita (ZORZI, 2000). De acordo com dados do INEP (2002), temos uma população de estudantes em nível elementar estimada em mais de quarenta milhões. Deste total, cerca de vinte e cinco milhões estão cursando o ensino fundamental de 1ª a 4ª série, sendo principalmente atendidos pela rede escolar pública. Estima-se, também, que 40%, ou mais, destes estudantes estão tendo dificuldades no processo de aprendizagem, principalmente envolvendo do domínio da leitura e da escrita. Para agravar ainda mais este quadro, os demais alunos, embora não sejam considerados como portadores de dificuldades, estão apresentando, em sua maioria, um baixo rendimento escolar. E, para complementar, esta realidade, embora mais acentuada nas escolas públicas, pode, muitas vezes, também ser aplicável à rede particular de ensino. Uma pesquisa realizada por ZORZI et al (2002), voltada para o estudo da formação de atitudes e hábitos de leitura em alunos das quatro séries do primeiro grau, confirma que as atividades escolares destinadas a desenvolver leitores não pareceram estar sendo realmente efetivas. Os valores indicativos de altos índices de dificuldades de aprendizagem e de baixo rendimento escolar, mesmo daquelas crianças consideradas como não apresentando qualquer distúrbio de aprendizagem, são pouco animadores e levantam questões fundamentais, particularmente em termos das etapas iniciais da escolarização. Muitas são as razões que levam a esta situação que, dada sua configuração, obriga a reflexões de natureza social, política, econômica e, como não poderia deixar de ser, de ordem metodológica. e de aprendizagem propriamente dita. O objetivo deste texto é o de apontar alguns aspectos importantes da aprendizagem da linguagem escrita que merecem ser considerados em propostas de ensino que estejam voltadas para a superação ou minimização dos problemas atualmente encontrados nessa área.

2 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 2 Aspectos determinantes da apropriação da escrita O aprendizado da leitura e da escrita depende, fundamentalmente, de condições sociais propícias. Ele está subordinado a situações de aprendizagem informal ou espontânea decorrentes do contato da criança com pessoas letradas e da aprendizagem formal ou escolar, envolvendo situações especialmente planejadas. Assim sendo, a idade para se aprender a escrever fica condicionada não somente às características da criança em si, mas também à existência de condições culturais específicas, de um ambiente letrado e ao momento em que a criança passa, de alguma forma, a ser ensinada. Encontramos, assim, idades variadas em termos desta aprendizagem. Muitas crianças, desde pequenas, têm a oportunidade de interagir com textos escritos, assim como com pessoas que lêem e escrevem. Situações deste tipo podem propiciar a descoberta e a compreensão das funções e usos que as pessoas fazem da linguagem escrita. Quanto mais intenso for este tipo de interação, maiores oportunidades as crianças terão para ir construindo conhecimentos diversificados a respeito dos atos de ler e escrever. Tais conhecimentos, que podem ter sido originados nestas situações naturais ou espontâneas, permitem a construção de hipóteses a respeito de ler e escrever (FERREIRO e TEBEROSKY, 1986). Este conjunto de conhecimentos poderá ter um papel determinante na aprendizagem formal da escrita, uma vez que servirá de base para que a criança compreenda aquilo que a escola está lhe ensinando quando iniciar uma proposta formal de alfabetização. Nestes casos, a probabilidade de sucesso aumenta, uma vez que os métodos se mostram mais eficazes para aqueles que já trazem uma possibilidade de assimilar, de alguma forma, o que está sendo proposto. Por outro lado, crianças que não tiveram tais oportunidades para interagir com a escrita e com pessoas que lêem e escrevem em razão de viverem em ambientes não letrados ou de baixo nível de letramento, podem não apresentar o mesmo rendimento. Este desconhecimento ou compreensão mais limitada que elas possam ter, tenderá a interferir nas possibilidades de sucesso das propostas formais de alfabetização, caso estas não levem em consideração a realidade vivida por tais crianças. Limitações semelhantes poderão estar ocorrendo com crianças que, apesar de terem sido criadas em ambientes letrados e terem tido a possibilidade de interagir com a linguagem escrita, por alguma razão não o fizeram, até mesmo por falta de envolvimento ou de interesse em relação a ela.

3 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 3 Alfabetização e os diferentes perfis de alunos Em determinado momento da vida das crianças uma proposta formal de ensino da língua escrita tem início. Cabe à escola esta tarefa, desenvolvendo procedimentos ou métodos que permitam a obtenção de tal meta, ou seja, de alfabetizar as crianças, transformando-as em pessoas capazes de ler e escrever. Entretanto, nem todas as crianças chegam da mesma forma a este ponto. Se relembrarmos o que foi apontado, podemos verificar que a escola estará lidando com crianças com diferentes perfis. Em primeiro lugar, podemos falar daquelas crianças que tiveram a oportunidade de constituir conhecimentos importantes a respeito da linguagem escrita por terem convivido com pessoas que lêem e escrevem e terem tido acesso a textos escritos. Estas crianças, em geral, principalmente a partir de situações reais e naturais de interação, foram, ao longo do tempo, construindo noções significativas a respeito da escrita as quais podem, em muito, facilitar o processo de assimilação daquilo que está sendo apresentado. Nesta categoria provavelmente encontram-se as crianças com maiores chances de sucesso frente às propostas escolares para o ensino da leitura e da escrita. Entretanto, caberá à escola a tarefa, nem sempre alcançada, de dar continuidade a este processo de construção de conhecimentos formando pessoas realmente capazes de fazer uso efetivo da leitura e da escrita. Em segundo lugar, encontraremos crianças que, embora tenham tido chances de interagir com a linguagem escrita por viverem em ambientes nos quais esta forma de comunicação está presente, não chegaram, por questões provavelmente ligadas ao interesse, a construir conhecimentos significativos. Temos podido observar diferenças marcantes entre crianças, inclusive irmãos: enquanto alguns desenvolvem alto interesse pela escrita e procuram informações cada vez mais detalhadas sobre ela, outros não manifestam a mesma curiosidade, como se esta forma de linguagem não merecesse maior atenção. Isto nos leva a crer que, nem sempre, a oportunidade garante a aprendizagem, mesmo quando o aprendiz possa ter boas condições cognitivas e lingüísticas para tanto. O desafio para as escolas, nestes casos, será também estendido a questões de natureza motivacional, ou seja, como envolver, cognitiva e afetivamente com a leitura e com a escrita, uma criança que até então, apesar das oportunidades, mantém com elas uma relação de distância. Em terceiro lugar, podemos falar de um número imenso de crianças que, principalmente por viverem em condições sociais e econômicas pouco favoráveis, acabam tendo muitas restrições em termos de oportunidades para aprender fatos relativos à linguagem escrita. Devemos lembrar que baixo nível de escolaridade e letramento, assim como o analfabetismo, fazem parte de tal quadro. Neste sentido,

4 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 4 uma criança que embora possua boas condições de aprendizagem em geral, mas que sofre restrições nas oportunidades que tem para interagir com a linguagem escrita, assim como com pessoas que dela fazem uso real, não terá como construir conhecimentos sobre algo que, efetivamente, não faz parte de sua vida. Esta, infelizmente, parece ser a realidade de uma parcela significativa de crianças brasileiras cujo grande problema não é a falta de capacidade para aprender, mas sim a ausência de oportunidades para se tornar um aprendiz. Este grande conjunto de crianças trará enormes desafios para a Educação principalmente tendo em vista os recursos e métodos tradicionalmente empregados para a alfabetização e as concepções de aprendizagem e desenvolvimento que estão por detrás deles. A maior parte delas está destinada ao fracasso escolar e irá compor as estatísticas daqueles 40% de alunos com dificuldades de aprendizagem, de uma grande porcentagem daqueles com baixo rendimento escolar, de reprovações, daqueles com defasagem entre a idade e a série, dos que estão em programas de aceleração escolar e até mesmo daqueles que um dia acabarão abandonando a escola. Se bem que tais crianças tendam a ser taxadas como portadoras de distúrbios de aprendizagem estamos, na realidade, frente ao que podemos chamar de pseudosdistúrbios. Para podermos afirmar que alguém tem dificuldade de aprendizagem precisaríamos garantir a existência de condições e oportunidades efetivas para que a aprendizagem pudesse ter ocorrido (ZORZI, 2003). Um quarto grupo será composto por crianças com graus variáveis de reais dificuldades de aprendizagem. Nele podemos incluir aqueles escolares que, de fato, apresentam alterações de alguma ordem em seu desenvolvimento, como é o caso das deficiências sensoriais, da deficiência mental, dos distúrbios motores, dos distúrbios neurológicos e comportamentais. Estas são crianças consideradas como tendo necessidades educativas especiais, para as quais estão destinadas escolas exclusivamente especializadas ou classes especiais de escolas regulares. De acordo com dados do INEP, esta população corresponde a cerca de 8% dos alunos. Podemos ainda acrescentar aquelas crianças que, embora não se encaixem nas categorias anteriores de deficiências mais conhecidas, também apresentam dificuldades reais para a aprendizagem. Teoricamente, estas deveriam ser as crianças-problemas para a educação, uma vez que, de fato, são portadoras de alguma limitação que dificulta, em maior ou menor grau, as possibilidades de aprendizagem. Entretanto, se somarmos o total que elas representam, estaremos muito longe dos 40%, ou mais, dos alunos apontados como apresentando distúrbios de aprendizagem e mais distante, ainda, do total de alunos apresentando baixo desempenho escolar, que corresponde à maioria. Esta realidade, já conhecida, muitas vezes não parece ser levada em consideração quando se pensa nas razões dos problemas e em como superá-los. Ainda, para muitos,

5 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 5 a resposta está centrada nas crianças, o que sustenta a crença de que uma alta porcentagem apresenta distúrbios de aprendizagem. Daí a tendência para busca de soluções fora da escola, via intervenções predominantemente de natureza extraescolar, quer seja fonoaudiológica, psicopedagógica, médica, psicológica e assim por diante. Não se questionam os métodos, mas sim os aprendizes. Continua prevalecendo a crença de quem não aprende tem algum tipo de problema. As soluções para os problemas da aprendizagem As intervenções extra-escolares, de caráter predominantemente clínico, portanto, são cogitadas quando há alguma quebra no processo de ensino aprendizagem, acreditando-se que o ponto frágil está situado em quem aprende. A perspectiva é que uma intervenção adequada possa resolver ou minimizar problemas apresentados pela criança de modo que a aprendizagem escolar possa ser, de alguma forma, garantida. Isto não deixa de ser verdade, para alguns. Porém, se considerarmos a porcentagem de estudantes com reais dificuldades, estaremos falando em um número aproximado de 10 a 15%, o que pode representar cerca de 6 milhões de crianças e jovens no ensino elementar. Se fizermos projeções com o número de estudantes considerados como tendo dificuldades para aprender (cerca de 40%), estaremos falando em um universo de aproximadamente 24 milhões de crianças. Impossível pensar em soluções que sigam modelos de intervenção clínica, sem envolver mudanças educacionais. Ao lado de problemas de aprendizagem em níveis individuais, que levam a pensar nestas formas mais tradicionais de intervenção, temos o predomínio de problemas decorrentes da falta de oportunidades para aprender, o que configura a necessidade de novos enfoques nas propostas escolares. Temos, acima de tudo, um problema social e não clínico propriamente dito. Na realidade, as soluções não podem ser unilaterais. Temos, por um lado, que buscar suprir as necessidades mais individualizadas que aqueles que apresentam dificuldades de aprendizagem podem requerer, incluindo atendimentos especializados. Por outro lado, a grande maioria dos problemas diz respeito a uma falta de ajuste entre a propostas escolares e a realidade da maior parte dos aprendizes de modo a gerar o que denominamos os pseudos-distúrbios de aprendizagem (ZORZI, 2003), assim como os baixos índices de aproveitamento. Em sua grande maioria, predominam em todos estes problemas que configuram os diversos tipos de distúrbios de aprendizagem, dificuldades relativas à aquisição da linguagem, muitas vezes no plano da oralidade e, invariavelmente, no que diz respeito ao aprendizado da leitura e da escrita. Estamos falando, portanto, do desenvolvimento de habilidades lingüísticas fundamentais para que o processo de escolarização, de uma

6 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 6 forma geral, possa ser garantido: aprender a linguagem para poder aprender pela linguagem. Este é um princípio fundamental da educação. Têm sido muito acentuados os desafios da Educação, sendo que os números e a realidade revelam, claramente, que não tem sido fácil superá-los. Acreditamos que há necessidade de um esforço conjunto, envolvendo profissionais de formações distintas mas complementares, que possam colaborar para a elaboração de novas propostas educacionais, que melhor se ajustem ao perfil da população a ser educada. A linguagem é um dos temas de maior destaque e acreditamos que o fonoaudiólogo é um dos profissionais deve se preparar para poder estar presente e prestar sua contribuição. A Leitura Entre os fatores de maior importância para a aprendizagem da leitura podemos citar os conhecimentos adquiridos informalmente no dia a dia, a capacidade de usar a linguagem e de conhecer suas características, a inteligência, a dinâmica familiar, as condições afetivas, o interesse e motivação para novas aprendizagens assim como oportunidades para aprender e, de extrema importância, a qualidade da instrução escolar que está sendo oferecida. Qualquer falta ou alteração em algum destes aspectos pode estar determinando prejuízos no processo de desenvolvimento e aprendizagem. A leitura corresponde a um ato de compreensão, ou seja, a uma busca daquilo que o texto pode significar. Para que a leitura seja possível, há necessidade de se compreender os símbolos ou letras e a significação por eles representada, ou seja, a relação entre símbolos (significantes) e aquilo que eles simbolizam (significado). Assim sendo, uma criança que seja somente capaz de decodificar, simplesmente pronunciando as palavras sem alcançar o entendimento das idéias nelas contidas, não pode ser considerada como alguém que realmente lê. O ato de leitura, portanto, ultrapassa a simples pronúncia, mesmo que correta das palavras, envolvendo outras capacidades: Compreender o papel da escrita enquanto um sistema de representação da linguagem oral e seus usos sociais; Reconhecer os sinais gráficos e diferenciá-los entre si; Compreender que a escrita é organizada espacialmente de um modo particular, seguindo uma direção da esquerda para a direita, tanto na formação das palavras, na formação das sentenças assim como na estruturação geral do texto; Reconhecer um conjunto de letras como uma palavra escrita e transformá-la na palavra correspondente na oralidade;

7 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 7 Compreender o sistema ortográfico, ou seja, o conjunto de regras que regula a transformação de sons em letras e letras em sons - a passagem do oral para o gráfico e vice-versa; Compreender o papel da pontuação na organização e significação do texto; Buscar a compreensão do texto; Reconhecer os diferentes tipos de textos e seus usos; Retomar o texto para resolver dúvidas; Buscar as intenções e o ponto de vista de quem escreveu e Ter uma postura de quem reflete ou pensa sobre o que foi lido. Crianças com problemas quanto ao domínio da leitura podem apresentar uma série de dificuldades, dentre as quais podemos destacar as seguintes: Não conhecimento ou pouca familiaridade com os símbolos gráficos, o que provoca dificuldades de reconhecimento e diferenciação entre os mesmos, assim como sua correlação com o som correspondente; Falta de fluência, isto é, as dificuldades para reconhecer ou discriminar as letras, ou grupos de letras, acabam por alterar a fluência ou fluxo continuado da leitura; Velocidade da leitura: - lenta, em razão das dificuldades em lidar com os símbolos gráficos; - muito rápida, dificultando a compreensão do que está escrito e, em geral, acompanhada de uma série de alterações como omissão, substituição ou distorção das palavras ou trechos do texto; Não compreensão ou desconhecimento do sistema de pontuação e de seu papel na estruturação dos textos; Falhas de compreensão; Emprego de estratégias inadequadas de interação com o texto: - leitura estritamente limitada ao sentido literal das palavras; - leitura acentuadamente dedutiva, com o leitor pouco se prendendo ao texto e, praticamente, procurando "adivinhar" o que está escrito. Para leitores competentes sejam formados, podemos tomar como referência algumas sugestões feitas por HINSON (2001) a respeito dos aspectos que definem um bom leitor, o que nos permite seguramente afirmar que os programas escolares, assim como clínicos, deveriam ter como objetivo a formação de atitudes e habilidades nos estudantes como: A leitura deve fazer parte do cotidiana, não se limitando a finalidades meramente acadêmicas; Ter autonomia para eleger os textos que serão lidos;

8 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 8 A capacidade de ler sem que o leitor tenha que se deter em palavra por palavra e, menos ainda, em letra por letra. Um bom leitor trabalha com grandes unidades de significado do texto e não com somatória de detalhes dos significantes. Comprovar o acerto de antecipações ou previsões; Buscar o sentido da leitura; Ler com fluidez; Ser capaz de perceber e destacar as partes importantes de um texto; Obter livros; Ter razões ou propósitos para ler; Ser capaz de criar imagens a partir do texto; Monitorar a compreensão, desenvolvendo a consciência do que está sendo assimilado ou não; Desenvolver procedimentos de auto-correção; Ouvir histórias lidas por outros e saber desfrutar da situação; Estabelecer relações entre o conteúdo dos textos e os fatos da própria vida; Parafrasear o que está sendo lido, expressando o conteúdo em palavras próprias e não simplesmente repetindo o que está escrito a partir de estratégias de memória que podem não significar compreensão; Elaborar perguntas a partir do texto e buscar possíveis respostas, o que leva à construção de reflexões pessoais e à busca de respostas internas; Compartilhar com os outros o que está sendo lido; Encontrar tempo para ler; Desejar ler; Descobrir que pode, via leitura, interagir com o autor do texto; Para aquelas crianças que vivem em ambientes letrados que lhes proporciona interação constante e sistemática com a leitura, esta tarefa de formação de bons leitores, estará sendo partilhada, na realidade, entre a escola e o ambiente extraescolar, principalmente a família. O grupo familiar, a partir da relação que mantenha com a leitura, terá peso fundamental no processo eficiente de formação de leitores verdadeiros. Neste caso, a escola não é o único agente de transformações e de aprendizagens. Por sua vez, crianças cuja realidade corresponde a ambientes não letrados ou de baixo nível de letramento, dependem, de modo praticamente exclusivo, da atuação da escola na sua formação de leitores. Por esta razão, a escola deve compreender claramente qual o seu papel na educação destas crianças, assumindo, realmente, a condição de mais importante agente de transformações e de aprendizagens que elas possam ter. Para elas seria fundamental o acesso a uma educação em nível préescolar que as recebessem ainda pequenas, a fim de otimizar oportunidades de

9 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 9 aprendizagem. Crianças com este perfil, o qual corresponde à maioria de nossa população, deveriam ser vistas e tratadas não como carentes sociais ou culturais, mas sim como clientes privilegiados, pela relação de dependência e exclusividade que mantêm com a escola. A Escrita Escrever também não se reduz a um simples processo de "codificação" ou seja, de simples transformação de fala em escrita. A escrita é uma forma de representação da linguagem oral e, como tal, escrever também diz respeito a um ato de significar, de representar idéias, conceitos ou sentimentos através de símbolos, mas de ordem gráfica e não sonora. Porém, embora corresponda a um sistema de representação da oralidade, a escrita não se limita a ser uma transcrição exata daquilo que é falado possuindo características próprias que precisam ser compreendidas pela criança que aprende a escrever (ZORZI, 1998). Algumas das capacidades envolvidas na escrita podem ser aqui apontadas: Compreender a escrita como um modo de representação da linguagem oral; Conhecer as letras e o valor sonoro das mesmas; Identificar, na fala, os sons que formam as palavras e fazer a correspondência entre sons e letras, o que implica a consciência fonológica; Compreender que existe uma variação entre o modo de falar e o modo de escrever; Conhecer o sistema ortográfico da língua: - existência de sons que são representados por uma única letra; - existência de sons que podem ser representados por diversas letras; - existência de letras que podem simbolizar mais do que um som; Dominar o uso da linguagem; Compreender o papel da pontuação e as formas de organizar textos; Planejar, antecipar e desenvolver uma narrativa; Buscar coesão e clareza no relato; Considerar as características do leitor; Auto corrigir-se, sendo capaz de reescrever o texto; Diferenciar entre os "estilos" típicos de expressão por meio da oralidade e os "estilos" característicos da expressão escrita Podemos observar uma variedade muito grande de dificuldade relativas à escrita que podem variar em termos de extensão e profundidade. Muitas crianças apresentam problemas principalmente de ordem ortográfica, o que é bastante comum, enquanto que outras possuem limitações significativas em todos os aspectos envolvidos com o

10 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 10 domínio da escrita. Alguns destes problemas comumente encontrados na escrita podem ser descritos como: Conhecimento limitado das relações entre letras e sons; Falta de compreensão ou de domínio do sistema ortográfico; Dificuldades para organizar o texto espacialmente e para empregar a pontuação; Dificuldades na construção de narrativas que podem ser caracterizadas por ausência ou falhas de planejamento ou antecipação, por ausência de clareza e coerência, por limitações na capacidade de desenvolver ou explorar um tema ou, ainda, em razão de limitações de ordem gramatical; Desconhecimento ou domínio precário dos estilos próprios da escrita; Ausência de procedimentos de autocorreção ou de reescritura do texto. Em sua natureza, a linguagem escrita corresponde a uma representação da linguagem falada. Representar um objeto não se limita a reproduzir o objeto tal e qual, como se fizéssemos um retrato. Quando escrevemos, não estamos simplesmente "desenhando" os sons em forma de letras, ou seja, fazendo uma mera associação entre letras e sons. Escrever diz respeito a representar a oralidade, o que implica, em parte, corresponder sons e letras. Porém, enquanto sistema de representação, a escrita não é idêntica à oralidade, como se fosse uma simples transcrição. Quando estamos escrevendo, embora possamos estar dizendo as mesmas coisas que diríamos oralmente, organizamos o discurso de uma outra maneira, isto é, a escrita possui características próprias enquanto sistema de comunicação que divergem daquelas características típicas da oralidade. A escrita exige novas formas de raciocinar e de organização do pensamento. Isto quer dizer que não bastam habilidades perceptivomotoras, uma vez que entra em jogo o desenvolvimento de formas particulares de pensamento e de simbolização implícitas na escrita e que não são necessárias na oralidade. Considerações finais Aprender a ler e escrever implica o desenvolvimento de novas habilidades de linguagem, ou seja, novos modos de representar e compreender a realidade. Não basta, simplesmente, que ela tenha uma boa capacidade de compreensão e expressão oral uma vez que as habilidades ou capacidades exigidas para o domínio da leituraescrita não estão implícitas, de antemão, no uso da linguagem oral. É preciso que a criança desenvolva formas particulares de interagir, via leitura, com textos escritos, assim como desenvolva novas maneiras de se expressar, de acordo com o modos próprios da escrita.

11 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 11 Tais habilidades não se restringem a aspectos perceptivos e motores, mas sim à construção de novos modos de representação que, certamente, incluem tais habilidades mas que vão além delas envolvendo questões ligadas a diferentes usos de linguagem e diferentes maneiras de organizar o pensamento. A aprendizagem da leitura-escrita é bastante complexa, o que nos permite afirmar que não é de se estranhar que muitas crianças apresentem dificuldades na evolução de tal processo. Quando são apontadas as condições favoráveis ou necessárias para que uma criança possa ter êxito na aprendizagem da leitura-escrita, é pouco freqüente vermos referências aos conhecimentos informais que ela já tem a respeito de ler e escrever. Certamente, uma criança que tenha contato freqüente com a leitura-escrita, que viva situações nas quais tais ações sejam usuais, façam parte de sua realidade, e que delas possa participar de alguma forma tem, a princípio, melhores condições para assimilar tal processo de aprendizagem em comparação com crianças que não têm o mesmo tipo de vivência. O simples fato de os adultos criarem hábitos de ler histórias para as crianças pequenas, permite que elas se familiarizem com aquelas características que são típicas do sistema de escrita como, por exemplo, o tipo de vocabulário empregado, o uso de formas gramaticais mais elaboradas e, principalmente, as formas mais complexas de organização de narrativas. Acrescente-se a isto, é claro, a possibilidade de desenvolver uma capacidade de interagir com os conteúdos da leitura. Aprender alguma coisa significa dominar um conhecimento e ser capaz de fazer uso dele, considerando que, dependendo do estágio de aprendizagem, este conhecimento pode ser mais profundo ou mais superficial. Para tanto, no que se refere à aprendizagem da linguagem escrita, nós adultos desenvolvemos métodos pedagógicos com a finalidade de facilitar tal apreensão ou domínio. Assim sendo, podemos apontar alguns elementos básicos no processo de aprendizagem da leitura e da escrita, como a criança que aprende e o método que a conduz ao aprendizado. Quando são apontadas possíveis causas que impedem ou dificultam o aprendizado, observamos que elas estão centradas principalmente na criança: déficits perceptuais, insuficiência no desenvolvimento da fala ou da linguagem, dificuldades de ordem cognitiva, distúrbios emocionais; família com baixo nível de letramento, pobreza, estrutura familiar e assim por diante. Atualmente, tem-se observado uma reflexão mais crítica sobre os problemas de ordem metodológica e que podem também causar dificuldades na aprendizagem. Pensando-se de uma forma mais abrangente, o papel da escola pode ser tido como o de compreender a realidade dos alunos e o de se propor a modificá-la, via educação. Isto significa que a escola tem a responsabilidade de transformar a realidade

12 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 12 da grande maioria dos alunos e não ficar se lamentando que não tem o êxito esperado porque os alunos têm problemas. Seu papel é o de superá-los. Os aspectos relevantes da aprendizagem, porém, não estão limitados somente a quem aprende e a quem ensina. Mais especificamente, quem ensina, ensina alguma coisa e quem aprende, aprende alguma coisa. Neste sentido, não tem sido dada a devida atenção para a questão que envolve o próprio objeto a ser conhecido, a coisa, ou seja a, linguagem escrita com suas peculiaridades. A escrita corresponde a um objeto complexo de aprendizagem e, como tal, pode ser, em si, um fator determinante de dificuldades e limitações na relação entre ensino e aprendizagem. Por esta razão, ela pode estar sendo incluída entre os grandes desafios que estão implícitos na aprendizagem escolar, os quais dizem respeito à natureza e complexidade do objeto a ser conhecido: o próprio sistema de linguagem escrita. Não haverá método eficiente se não for levada em consideração a natureza da escrita, do ponto de vista de seus elementos e propriedades lingüísticas, assim como seus usos e funções sociais. Há muito o que se compreender a respeito da linguagem em si, principalmente porque, como profissionais ligados à educação ou aos distúrbios da aprendizagem, estamos nos propondo o papel de mediadores entre a criança e a leitura-escrita. Isso significa um aprofundamento no sentido de conhecermos melhor os processos cognitivos e lingüísticos necessários para que a criança deixe de ser unicamente falante de uma língua, com os conhecimentos intuitivos de linguagem que isto implica, para tornar-se escrevente da mesma língua, com os novos conhecimentos, agora no plano conceitual, que tal aprendizagem requer. Quanto mais pudermos conhecer a respeito da natureza e complexidade da linguagem escrita, mais poderemos entender as transformações que ela exige no modo de funcionamento mental da criança. Na medida em que isto ocorra podemos também esperar que aumente nossa capacidade de analisar, compreender e minimizar os distúrbios que afetam a aprendizagem e o desenvolvimento da leitura-escrita. Bibliografia FERREIRO, E. e TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre, Artes Médicas, FULGÊNCIO, L. e LIBERATO, Y. Como facilitar a leitura. Editora Contexto, HINSON, B. Qué los buenos lectores cuando leen. Em Lectura y Vida, ano 21, nº 4, 52-53, INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais ZORZI, J.L. Aprender a escrever a apropriação do sistema de escrita. Artes

13 ZORZI JL.. O que devemos saber a respeito da linguagem escrita e seus distúrbios: 13 Médicas, ZORZI, J. L. Consciência fonológica, fases de construção da escrita de seqüência de apropriação da ortografia do português. Em MARCHESAN, I. e ZORZI, J.L. (org.) Anuário CEFAC de Fonoaudiologia. Rio de Janeiro. Editora Revinter, , ZORZI, J.L.; SERAPOMPA, M.T.; FARIA, A.F e OLIVEIRA, P.S. A influência do perfil de leitor nas habilidades ortográficas, 2002 (texto original). ZORZI, J.L. Aprendizagem e distúrbios da linguagem escrita: questões clínicas e educacionais. Porto Alegre, ArtMed, 2003.

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS Polyana Lucena Camargo de Almeida (G-UEL) poly_uel@yahoo.com.br Viviane Boneto Pinheiro (G-UEL) vivianeboneto@hotmail.com

Leia mais

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA Jaime Luiz Zorzi No o 8º Congresso Brasileiro de Psicopedagogia que acontecerá em São Paulo de 09 a 11 de

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Oficina Alfabetização na Educação de Jovens e Adultos

Oficina Alfabetização na Educação de Jovens e Adultos Oficina Alfabetização na Educação de Jovens e Adultos Formadora: Priscila de Giovani priscilagiovani@uol.com.br Oficina: Alfabetização na Educação de Jovens e Adultos Apresentações: Nome/Unidade/Classe

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

permanência dos alunos na escola e as condições necessárias para garantir as aprendizagens indispensáveis para o desenvolvimento dos alunos e sua

permanência dos alunos na escola e as condições necessárias para garantir as aprendizagens indispensáveis para o desenvolvimento dos alunos e sua DESATANDO NÓS DA ORTOGRAFIA: um estudo com alunos da Educação de Jovens e Adultos Profa. Dra. Maria José dos Santos; Profa. Ms. Lívia Abrahão do Nascimento; Graduanda Ionice Barbosa de Campos; Graduanda

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

A escola para todos: uma reflexão necessária

A escola para todos: uma reflexão necessária A escola para todos: uma reflexão necessária Área: Inclusão Selecionador: Maria da Paz de Castro Nunes Pereira Categoria: Professor A escola para todos: uma reflexão necessária A escola é, por excelência,

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como?

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Patrícia Moura Pinho 1 Resumo: O presente texto trata da questão da alfabetização e as discussões teóricas e didáticas acerca da mesma, principalmente

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Resumo Jéssica Danieli Ramos da Rosa 1 - UNÍNTESE Grupo de trabalho - Psicopedagogia Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA.

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. Maria de Fátima Silva Araújo (bolsista do PIBIC/ UFPI), Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa (Orientadora,

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais