A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE TÊNIS: UM ESTUDO COM TENISTAS PARANAENSES DE CLASSES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE TÊNIS: UM ESTUDO COM TENISTAS PARANAENSES DE CLASSES"

Transcrição

1 A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE TÊNIS: UM ESTUDO COM TENISTAS PARANAENSES DE CLASSES Walter Carlos Galli Junior ESTÁCIO Caio Corrêa Cortela FPT/UFRGS Gabriel Henrique Treter Gonçalves PPGCMH/UFRGS Roberto Tierling Klering PPGCMH/UFRGS Carlos Adelar Abaide Balbinotti PPGCMH/UFRGS RESUMO: O estudo dos motivos à prática esportiva torna-se pertinente quando considerado o trabalho de treinadores e psicólogos do esporte. Baseados no perfil motivacional de seus atletas, podem planejar e desenvolver suas intervenções de melhor maneira. Assim, o objetivo desta pesquisa foi o de verificar os motivos que levam dois grupos de tenistas com diferentes níveis de desempenho, a participarem de competições. Portanto, 30 praticantes, de ambos os sexos, com idades variando de 11 a 34 anos, responderam ao Inventário de Motivos à Prática Regular de Atividades Físicas e/ou Esportivas (IMPRAFE-30). O IMPRAFE-30 avalia seis principais motivos à prática esportiva: Controle de Estresse, Saúde, Sociabilidade, Competitividade, Estética e Prazer. Os resultados indicam existir diferenças entre as preferências dos grupos, sendo a Competitividade o motivo mais importante para o grupo de tenistas de 1ª classe e a Saúde para os tenistas de 7ª classe. Verificou-se a existência de diferenças significativas entre as médias dos grupos referentes à dimensão Competitividade, na qual o grupo de 1ª classe apresenta média superior, e Controle de Estresse, na qual o grupo de 7ª classe apresenta média superior. Este estudo permite demonstrar a existência de interesses diferentes dentro de uma mesma modalidade dependendo do nível técnico. Palavras-chave: Motivação, Tenistas, Competição.

2 INTRODUÇÃO: O conhecimento dos motivos pelos quais um sujeito possa vir a praticar uma determinada atividade física ou esportiva pode, quando adequadamente utilizado, aumenta as possibilidades de ingresso e permanência de indivíduos nesta prática (BALBINOTTI et al., 2015; BRUNET; SABISTON, 2011). Este estudo se baseia na Teoria da Autodeterminação (TAD) de Deci e Ryan (2008, 1985) e Ryan e Deci (2000). Esta teoria parte do entendimento de que grande parte das pessoas, quando saudáveis, é ativa e curiosa, demonstra prontidão para aprender e explorar e, de maneira geral, não necessita incentivos extras para apresentar tais comportamentos. As principais dimensões motivacionais relacionadas à prática de atividades físicas e/ou esportivas, apontadas por Balbinotti (2004), são as seguintes: 1) Controle do estresse; 2) Saúde; 3) Sociabilidade; 4) Competitividade; 5) Estética; e 6) Prazer. Dessa forma, o objetivo desta pesquisa é verificar os motivos que levam tenistas com diferentes níveis de desempenho máximo a participarem de competições. Mais especificamente, visa apresentar os primeiros insights sobre o perfil motivacional de participantes torneios de classe de tênis no estado do Paraná. MÉTODO: Neste estudo foi utilizado o Inventário de Motivação à Prática Regular de Atividade Física e/ou Esporte (IMPRAFE-30). O IMPRAFE (BALBINOTTI; BARBOSA, 2008) é um inventário que avalia as seis dimensões motivacionais mais comumente aceitas pela literatura (BARBOSA, 2006) e associadas à motivação para a realização de atividade física regular: Controle de Estresse (CE), Saúde (Sa), Sociabilidade (So), Competitividade (Co), Estética (Es) e Prazer (Pr). Trata-se de 30 itens agrupados 6 a 6, observando a sequência das dimensões e perfazendo um total de 30 questões. As respostas aos itens do inventário são dadas conforme uma escala bidirecional, de tipo Likert, graduada em 5 pontos, indo de isto me motiva pouquíssimo (1) a isto me motiva muitíssimo (5). Os sujeitos levaram não mais de 15 minutos para responder o inventário. Para a realização deste estudo, 30 atletas federados na FPT, com idade variando de 11 a 34 anos, do sexo masculino, participantes de competições de classe oficiais da FPT responderam ao IMPRAFE-30 antes do início das partidas. Cada grupo de sujeitos

3 foi composto por 15 atletas, divididos por classe (1ª e 7ª classe). Todas as coletas foram realizadas na cidade de Maringá, no ano de RESULTADOS: Nesta pesquisa foi utilizado o software SPSS na versao 15.0, tendo sido realizada uma análise estatística descritiva de disperção para comparação entre grupos utilizando média e desvio padrao através do teste t para amostra independentes. Porém, antes de aplicar o teste t, verificou-se a distribuição dos dados, constatando que os mesmos são paramétricos. Tabela 1: Perfil motivacional dos sujeitos por classe. D imensões C lasse M édia DP t Df p CE 1ª 9,13 2,03 7ª 16,07 3,81-6,223 21,369 0,000 Sa 1ª 19,93 2,28 7ª 21,40 4,17-1,195 21,694 0,242 So 1ª 16,13 3,74 7ª 19,00 4,11-1, ,055 Co 1ª 21,13 2,30 7ª 14,47 3,98 5,62 22,384 0,000 Es 1ª 17,33 2,16 7ª 14,60 4,578 2, ,046 Pr 1ª 18,13 2,67 7ª 21,00 2,54-3, ,005 CE Controle de Estresse; Sa Saúde; So Sociabilidade; Co Competitividade; Es Estética; e Pr Prazer. A partir dos resultados apresentados na Tabela 1, pode-se apresentar um ranking das dimensões mais valorizadas pelos atletas de cada classe. Para os jogadores da 1ª classe, a dimensão mais valorizada é a Co, seguida pela Sa, Pr, Es, So e CE. Já, para os jogadores da 7ª classe, a dimensão mais valorizada é a Sa, seguida pelo Pr, So, CE, Es e Co. Os resultados relativos aos atletas da 1ª classe se assemelham com índices encontrados com tenistas infantojuvenis (BALBINOTTI et al., 2012), no qual as três primeiras dimensões são semelhantes. No entanto, com Pr sendo a mais importante, seguida da Co e Sa. Isto pode ser devido ao caráter de competição similar. No caso dos

4 resultados relativos aos tenistas de 7ª classe, os mesmos se assemelham com índices de estudos realizados com praticantes de atividades físicas diversas (BALBINOTTI, et al., 2015; GONÇALVES et al., 2015; BALBINOTTI et al., 2010), nos quais as dimensões Sa e Pr são as mais valorizadas pelos sujeitos. Verifica-se diferença significativa entre os grupos nas dimensões Pr e CE. Pode-se se supor que os atletas da 7ª classe, apesar de não serem as dimensões mais motivadoras, utilizam mais esta prática para melhorar sua vida diária quando em comparação aos atletas da 1ª classe. Também fica evidenciado, nos resultados referentes à 7ª classe, o pouco interresse na competividade. Para os atletas da 1ª classe, a competitividade está acima de qualquer outra variável analisada, inclusive com diferenças significativas quando comparado aos índices do grupo de atletas de 7ª classe. Esta dimensão também está associada com a permanência na prática da atividade física (BALBINOTTI et al., 2015), especialmente quando analisados praticantes com mais de dois anos de prática o que provavelmente é o caso destes atletas. Apesar de não ter sido o motivo pelo qual iniciaram a prática, a Co acaba se tornando o combustível para a manutenção. Cabe ressaltar que a competitividade pode ser entendida tanto como a disputa contra um adversário, como uma disputa consigo mesmo visando o seu melhor rendimento. A dimensão So é a terceira mais importante para os jogadores que estão iniciando nas competições estaduais. Sendo assim, pode-se afirmar que fazer amigos nos torneios e confratenizar com outros jogadores de diferentes clubes e academias motiva esses atletas a estarem sempre presentes nesses eventos. Esta dimensão pode ser associada como um fator importante na manutenção da prática esportiva, como evidenciado por Balbinotti et al. (2015) no caso de corredores de rua. Por fim, o fato da Sa receber grande valor em ambos os grupos, mostra o quanto tais atletas se preocupam com seu corpo e com seu bem estar. O estudo de Balbinotti et al. (2011) salienta a importância da prática da atividade física para a manutenção da saúde tanto física quanto mental. Todas essas informações sobre a importância da saúde são consensuais tanto na literatura científica quanto na opinião pública, agindo

5 diretamente como motivação extrínseca. Além disso, estes resultados corroboram com diversos estudos relacionado à motivação no esporte. CONCLUSÃO: A partir dos resultados apresentados, pode-se observar que os grupos de tenistas com níveis técnicos diferentes apresentam interesses diferentes com relação à prática competitiva do tênis. Enquanto os tenistas de nível mais avançado (1ª classe) são significativamente mais motivados pela Co, os tenistas iniciantes (7ª classe) competem para obter Sa, Pr e So. Além disso, para os jogadores de 7ª classe, o CE é significativamente mais importante em relação aos atletas da 1ª classe, demonstrando que este tipo de atividade serve como uma forma de regular as emoções do dia a dia. O conhecimento dos motivos que levam pessoas à prática esportiva é de grande importância. Tanto para treinadores, no sentido que podem adequar seus planos de treinamento conforme os interesses e necessidade de seus atletas, como para aqueles que organizam os eventos competitivos. Portanto, a partir dos resultados deste estudo, a FPT pode planejar seus torneios de classes mais avançadas voltados para o rendimento competitivo, tornando a prática ainda mais estimulante, e de classes de iniciantes voltados à satisfação de interesses de saúde, prazer e sociabilidade. Novos e mais aprofundados estudos sobre a motivação dos participantes de torneios federados devem ser realizados para que se possam aprofundar ainda mais estes conhecimentos ainda tão superficiais. REFERÊNCIAS: BALBINOTTI, M. A. A. Inventário de Motivação à Prática Regular de Atividade Física e/ou Esporte. Núcleo de Estudos e Pesquisa em Pedagogia e Psicologia do Esporte da Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, Brasil, BALBINOTTI, M. A. A.; ZAMBONATO, F.; BARBOSA, M. L. L.; SALDANHA, R. P.; BALBINOTTI, C. A. A. Motivação à prática regular de atividades físicas e esportivas: um estudo comparativo entre estudantes com sobrepeso, obesos e eutróficos. Motriz, v. 17, n. 3, p , 2011.

6 BALBINOTTI, M. A. A.; GONÇALVES, G. H. T., KLERING, R. T., WIETHAEUPER, D., BALBINOTTI, C. A. A. Perfis motivacionais de corredores de rua com diferentes tempos de prática. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 37, n. 1, p , BALBINOTTI, C. A. A., BARBOSA, M. L. L., BALBINOTTI, M. A. A., SALDANHA, R. P., TEIXEIRA, R. G. O perfil motivacional de adolescentes jogadores de voleibol. Coleção Pesquisa em Educação Física, v. 9, n. 2, p , BALBINOTTI, M. A. A., JUCHEM, L. BARBOSA, M. L. L., SALDANHA, R. P., BALBINOTTI, C. A. A. Qual o perfil motivacional característico de tenistas infanto-juvenis brasileiros? Motriz, v. 18, n. 4, p , BALBINOTTI, M. A. A.; BARBOSA, M. L. L. Inventário de Motivação a Pratica Regular de Atividade Física e/ou Esporte (IMPRAFE-30). Laboratório de Psicologia do Esporte Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, Brasil, BARBOSA, M. L. L. Propriedades métricas do inventário de motivação à prática regular de atividade física (IMPRAF-126). (2006). [dissertação]. Porto Alegre, Brasil: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Educação Física. BRUNET, J., SABISTON, C. M. Exploring motivation for physical activity across the adult lifespan. Psychology Sport Exercise, v. 12, p , DECI, E. L,. RYAN, R.M. Self-determination theory: A macrotheory of human motivation, development and health. Canadian Psychology, v. 49, p , DECI, E. L., RYAN, R. M. Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. Nova Iorque, Estados Unidos da América: Plenum, GONÇALVES, G. H. T., KLERING, R. T., PACHECO, C. H., BALBINOTTI, M. A. A., BALBINOTTI, C. A. A. Motivos à prática regular de futebol e futsal. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano, v. 3, n. 2, p , RYAN, R. M., DECI, E. L. Self-Determination Theory and the facilitation of intrinsic motivation, social development, and well-being. American Psychology, v. 55, n. 1, p , 2000.

MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE DANÇA

MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE DANÇA MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE DANÇA Lucius Mendes Coltri (UNIOESTE), Verónica G. Silva Piovani (UNIOESTE) RESUMO O objetivo do trabalho foi identificar quais são as motivações que levam as pessoas a praticar

Leia mais

FATORES MOTIVACIONAIS PARA PRÁTICA DE GINÁSTICA EM UMA ACADEMIA DE PALHOÇA*

FATORES MOTIVACIONAIS PARA PRÁTICA DE GINÁSTICA EM UMA ACADEMIA DE PALHOÇA* 1 FATORES MOTIVACIONAIS PARA PRÁTICA DE GINÁSTICA EM UMA ACADEMIA DE PALHOÇA* Franciele Bernardo** Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar os fatores motivacionais envolvidos na prática regular de

Leia mais

O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS DE SUCESSO DURANTE O PROCESSO DE TRANSIÇÃO PARA O CIRCUITO PROFISSIONAL

O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS DE SUCESSO DURANTE O PROCESSO DE TRANSIÇÃO PARA O CIRCUITO PROFISSIONAL O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS DE SUCESSO DURANTE O PROCESSO DE TRANSIÇÃO PARA O CIRCUITO PROFISSIONAL Gabriel Armondi Cavalin ESTÁCIO Sandro Conceição de Souza UNIVERSO Celso Ricardo de Santana GEPEDAM

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS MOTIVACIONAIS DE ATLETAS DA MODALIDADE ATLETISMO NOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DO PARANÁ

ANÁLISE DOS NÍVEIS MOTIVACIONAIS DE ATLETAS DA MODALIDADE ATLETISMO NOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DO PARANÁ ANÁLISE DOS NÍVEIS MOTIVACIONAIS DE ATLETAS DA MODALIDADE ATLETISMO NOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DO PARANÁ William Fernando Garcia (UEM/UNINGÁ), Vanderlei Alves de Almeida Junior (UEM), Marcus Vinícius Mizoguchi

Leia mais

Anais do Congresso Brasileiro de Tênis

Anais do Congresso Brasileiro de Tênis Anais do Congresso Brasileiro de Tênis Caio Corrêa Cortela Silvio Souza Luiz Gustavo Nascimento Haas Daniel Vila Hreczuck Roberto Tierling Klering Gabriel Henrique Treter Gonçalves Paulo Cesar de Souza

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS DOS ALUNOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Luciane Cristina Arantes da Costa (Programa de Pós Graduação em Educação Física, Grupo de pesquisa Pró-Esporte,

Leia mais

Dora Ferreira & Carla C. Borrego

Dora Ferreira & Carla C. Borrego Dora Ferreira & Carla C. Borrego Santarém, 9 de Fevereiro, 2012 No âmbito do futebol, as necessidades dos jogadores são muito variáveis. Ao longo da temporada, a conservação da motivação dos jogadores

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA DE ATLETAS DE AMBOS OS SEXOS, DE 16 A 18 ANOS, PARTICIPANTES DE ESPORTES COMPETITIVOS.

ANÁLISE COMPARATIVA DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA DE ATLETAS DE AMBOS OS SEXOS, DE 16 A 18 ANOS, PARTICIPANTES DE ESPORTES COMPETITIVOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA DE ATLETAS DE AMBOS OS SEXOS, DE 16 A 18 ANOS, PARTICIPANTES

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

Qual é o perfil motivacional característico de tenistas infanto-juvenis brasileiros? 1

Qual é o perfil motivacional característico de tenistas infanto-juvenis brasileiros? 1 otriz, Rio Claro, v.18 n.4, p.728-734, out./dez. 12 doi: Artigo Original Qual é o perfil motivacional característico de tenistas infanto-juvenis brasileiros? 1 1, 2, 3 arcos Alencar Abaide Balbinotti Luciano

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

MOTIVAÇÃO EM ATLETAS ESCOLARES

MOTIVAÇÃO EM ATLETAS ESCOLARES RESUMO MOTIVAÇÃO EM ATLETAS ESCOLARES KELLY CHRISTINE MACCARINI PANDOLFO 1 CATI RECKELBERG AZAMBUJA 2 ANCO MARCIO URACH DA ROSA 3 TATIANE MINUZZI 4 DANIELA LOPES DOS SANTOS 5 A motivação é fator indispensável

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 175 FATORES MOTIVACIONAIS PARA A PRÁTICA DA INICIAÇÃO AO FUTSAL Rogério da Cunha Voser 1 Henrique Policarpo Piccinin 2 Patricia Eloi Gomes Voser 1 José Augusto Evangelho Hernandez 3 RESUMO O estudo objetivou

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

Lydia Wong MOTIVAÇÃO A PRÁTICA REGULAR DE ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO COM PRATICANTES FEMININOS DE AIKIDO.

Lydia Wong MOTIVAÇÃO A PRÁTICA REGULAR DE ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO COM PRATICANTES FEMININOS DE AIKIDO. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES Lydia Wong MOTIVAÇÃO A PRÁTICA REGULAR DE ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO COM PRATICANTES FEMININOS DE AIKIDO. Brasília

Leia mais

REGULAMENTO INTERCLUBES INFANTO JUVENIL 2012

REGULAMENTO INTERCLUBES INFANTO JUVENIL 2012 REGULAMENTO INTERCLUBES INFANTO JUVENIL 2012 1. DO CAMPEONATO Poderá participar do Interclubes Infanto Juvenil toda agremiação que estiver devidamente cadastrada na FPT e com suas obrigações financeiras

Leia mais

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto

Leia mais

Este estudo de natureza exploratória avaliou os níveis. Motivação à prática regular de atividade física: um estudo exploratório. Resumo.

Este estudo de natureza exploratória avaliou os níveis. Motivação à prática regular de atividade física: um estudo exploratório. Resumo. Estudos de Psicologia, 16(1), janeiro-abril/2011, 99-106 Motivação à prática regular de atividade física: um estudo exploratório Marcos Alencar Abaide Balbinotti Université du Québec à Trois-Rivières Marcus

Leia mais

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RECUPERAÇÃO DA POSSE DE BOLA DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL NA COPA DO MUNDO FIFA 2014

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RECUPERAÇÃO DA POSSE DE BOLA DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL NA COPA DO MUNDO FIFA 2014 ANÁLISE DOS PADRÕES DE RECUPERAÇÃO DA POSSE DE BOLA DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL NA COPA DO MUNDO FIFA 2014 Fernando Silva / NUPEF UFV Henrique Américo / NUPEF UFV Rodrigo Santos / NUPEF UFV Israel

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social MOTIVAÇÃO ACADÊMICA E ORIENTAÇÃO DE VIDA EM UNIVERSITÁRIOS PARANAENSES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA José Roberto Andrade do Nascimento Junior (Programa de Pós Graduação em Educação Física, Grupo de pesquisa

Leia mais

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE?

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? 980 O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? Felipe Ruy Dambroz - NUPEF/UFV João Vítor de Assis - NUPEF/UFV Israel Teoldo da Costa

Leia mais

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR Giovanna Pereira de Souza 1 Milena Cristina de Souza Lopes Bujato 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2014 O DIÁRIO

REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2014 O DIÁRIO REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2014 O DIÁRIO OBJETIVO Promover e organizar um Circuito Regional Oficial de Tênis, proporcionando a integração de tenistas da Região do Alto Tietê, com uma competição

Leia mais

A PEDAGOGIA DO ESPORTE NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

A PEDAGOGIA DO ESPORTE NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. A PEDAGOGIA DO ESPORTE NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Marcos Vinicius Morais Ferreira¹ (IC), André Luís dos Santos Seabra² (PQ) marcos-moraisf@hotmail.com Universidade Estadual

Leia mais

Ansiedade Traço e Estado de Atletas Escolares de Esportes Coletivos

Ansiedade Traço e Estado de Atletas Escolares de Esportes Coletivos Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso Ansiedade Traço e Estado de Atletas Escolares de Esportes Coletivos Autor: Dione de Sousa Cabral Orientador: Profª Drª.

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 268 versão eletrônica OS FATORES MOTIVACIONAIS NO FUTSAL FEMININO NO MUNICÍPIO DE REBOUÇAS-PR Diego Andrade de Paula e Silva 1 RESUMO O Futsal é um esporte que se destaca por sua paixão e facilidade por

Leia mais

ESGRIMA EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES ATLETAS ANÁLISE DE ALGUNS INDICADORES POR REFERÊNCIA À ÉPOCA DESPORTIVA DE

ESGRIMA EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES ATLETAS ANÁLISE DE ALGUNS INDICADORES POR REFERÊNCIA À ÉPOCA DESPORTIVA DE EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES 38 32 22 15 6 7 28 19 9 34 34 35 36 29 25 25 20 14 9 10 7 2008-09 2009-10 2010-11 2011-12 2012-13 2013-14 2014-15 TOTAL MASC FEM - A modalidade desenvolve atividade somente

Leia mais

Os alunos Federados não podem competir na modalidade em que são praticantes. Isto não quer dizer que não possam frequentar o núcleo.

Os alunos Federados não podem competir na modalidade em que são praticantes. Isto não quer dizer que não possam frequentar o núcleo. !1 1. Concentrações 1.1 Competição individual As competições individuais realizar-se-ão em forma de Concentração. O acto da inscrição nas concentrações deverá ser feito no prazo de até 8 dias úteis à data

Leia mais

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte Lei de Incentivo ao Esporte PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS TRIBUTADAS PELO

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA: REPOLHO ROXO COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE

AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA: REPOLHO ROXO COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA: REPOLHO ROXO COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE Gicelia Moreira RESUMO Universidade Federal de Campina Grande-UFCG, gicelia.moreira2009@gmail.com Diante muitas dificuldades encontradas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Gabriel Henrique Treter Gonçalves

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Gabriel Henrique Treter Gonçalves UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Gabriel Henrique Treter Gonçalves CORRIDA DE RUA: UM ESTUDO SOBRE OS MOTIVOS DE ADESÃO E PERMANÊNCIA DE CORREDORES AMADORES DE PORTO

Leia mais

TORNEIO DE FUTSAL JUSTIFICATIVA

TORNEIO DE FUTSAL JUSTIFICATIVA TORNEIO DE FUTSAL JUSTIFICATIVA Visto que o movimento é presente em nossas vidas desde nosso nascimento e, durante sua evolução buscamos cada vez mais subsídios para aperfeiçoá-los, o esporte dentro da

Leia mais

INSERIDOS EM AÇÕES DO PIBID

INSERIDOS EM AÇÕES DO PIBID A ANSIEDADE COMO FATOR PREPONDERANTE NO DESEMPENHO DE JOVENS ATLETAS: INCIDÊNCIA DOS SINTOMAS ESTRESSORES NO PERÍODO PRÉ- COMPETITIVO EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS INSERIDOS EM AÇÕES DO

Leia mais

Motivação à prática regular de atividades físicas e esportivas: um estudo comparativo entre estudantes com sobrepeso, obesos e eutróficos

Motivação à prática regular de atividades físicas e esportivas: um estudo comparativo entre estudantes com sobrepeso, obesos e eutróficos Motriz, Rio Claro, v.17 n.3, p.384-394, jul./set. 2011 doi: Artigo Original Motivação à prática regular de atividades físicas e esportivas: um estudo comparativo entre estudantes com sobrepeso, obesos

Leia mais

Regulamento Específico Tenis de Mesa.

Regulamento Específico Tenis de Mesa. Regulamento Específico Tenis de Mesa Http://www02.madeira-edu.pt/dre 1. Concentrações 1.1 Competição individual As competições individuais realizar-se-ão em forma de Concentração. O acto da inscrição nas

Leia mais

Estabelecimento de Metas

Estabelecimento de Metas Estabelecimento de Metas Prof. Ms. Jaqueline F. de O. Neiva Laboratório de Comportamento Motor (EEFE USP) Grupo de Estudos e Pesquisa em Capacidades e Habilidades Motoras (EACH USP) Estabelecimento de

Leia mais

REGULAMENTO INTERCLUBES SENIORS 2016

REGULAMENTO INTERCLUBES SENIORS 2016 REGULAMENTO INTERCLUBES SENIORS 2016 1. DO CAMPEONATO Poderá participar do Interclubes Seniors toda agremiação que estiver devidamente cadastrada na FPT e com suas obrigações financeiras em dia. O campeonato

Leia mais

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas * Acadêmica do Curso de Educação Física - DEF/CDS/UFSC ** Profª Drª do Departamento de Educação

Leia mais

METODOLOGIAS DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DO FUTSAL MÉTODO ANALÍTICO OU GLOBAL

METODOLOGIAS DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DO FUTSAL MÉTODO ANALÍTICO OU GLOBAL METODOLOGIAS DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DO FUTSAL MÉTODO ANALÍTICO OU GLOBAL Artur Monteiro / UTAD Luís Vaz / UTAD / CIDESD lvaz@utad.pt ոո Palavras-chave: Educação Física, Ensino, Futsal. INTRODUÇÃO Como

Leia mais

REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2016 O DIÁRIO

REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2016 O DIÁRIO REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2016 O DIÁRIO OBJETIVO Promover e organizar um Circuito Regional Oficial de Tênis, proporcionando a integração de tenistas da Região do Alto Tietê, com uma competição

Leia mais

Boletim 3 OLIENT 2016 : DESCLASSIFICAÇÃO DE EQUIPES:

Boletim 3 OLIENT 2016 : DESCLASSIFICAÇÃO DE EQUIPES: Boletim 3 OLIET 2016 : DESCLASSIFICAÇÃO DE EQUIPES: De acordo com o artigo 5 O das ormas Gerais do regulamento geral da competição, ficam desclassificadas as seguintes equipes da OLIET 2016: FUTSAL MASCULIO

Leia mais

MOTIVAÇÃO À PRÁTICA REGULAR DE ATIVIDADES FÍSICAS: UM ESTUDO COM PRATICANTES DE TAEKWONDO

MOTIVAÇÃO À PRÁTICA REGULAR DE ATIVIDADES FÍSICAS: UM ESTUDO COM PRATICANTES DE TAEKWONDO MOTIVAÇÃO À PRÁTICA REGULAR DE ATIVIDADES FÍSICAS: UM ESTUDO COM PRATICANTES DE TAEKWONDO Lisiane Borges Rocha Sampedro Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Bra sil

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto e Educação

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

A autodeterminação de licenciandos em música: um estudo em quatro universidades públicas do Nordeste Isac Rufino

A autodeterminação de licenciandos em música: um estudo em quatro universidades públicas do Nordeste Isac Rufino A autodeterminação de licenciandos em música: um estudo em quatro universidades públicas do Nordeste Isac Rufino isac.rufino@gmail.com UFRN/UERN Resumo: A motivação tem sido pesquisada em diversos contextos

Leia mais

FALTA DINHEIRO OU BOA APLICAÇÃO DOS RECURSOS?

FALTA DINHEIRO OU BOA APLICAÇÃO DOS RECURSOS? FALTA DINHEIRO OU BOA APLICAÇÃO DOS RECURSOS? Análise sintética do estudo internacional SPLISS consórcio de universidades que comparou as políticas esportivas com o sucesso internacional em 15 países O

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 579 versão eletrônica FATORES MOTIVACIONAIS PARA A PRÁTICA DE FUTSAL EM ADOLESCENTES ENTRE 11 E 17 ANOS Felipe Rocha Alves 1 RESUMO A presente investigação teve como objetivo investigar os fatores motivacionais

Leia mais

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Para começar a jogar Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Por Marcela Evangelista HÁ MAIS DE 30 ANOS, quando o Beach Tennis surgiu nas areias da Itália, tratava-se de uma atividade

Leia mais

RELATÓRIO ESPORTIVO ANUAL 2013

RELATÓRIO ESPORTIVO ANUAL 2013 Federação Desportiva dos Surdos do Paraná FDSP Fundada em 10 de Agosto de 1991 RELATÓRIO ESPORTIVO ANUAL 2013 Curitiba PR ENTIDADES FILIADAS Associação Amigos do Triathlon (AAT) Associação dos Surdos de

Leia mais

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE É sabido que através da prática esportiva, o indivíduo pode ser norteado a caminhos contrários a violência,

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

ESTUDO DAS MOTIVAÇÕES À PRÁTICA DA GINÁSTICA RÍTMICA: CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA PARA O RENDIMENTO DESPORTIVO

ESTUDO DAS MOTIVAÇÕES À PRÁTICA DA GINÁSTICA RÍTMICA: CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA PARA O RENDIMENTO DESPORTIVO ESTUDO DAS MOTIVAÇÕES À PRÁTICA DA GINÁSTICA RÍTMICA: CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA PARA O RENDIMENTO DESPORTIVO Patrícia Silveira Fontana Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande

Leia mais

PROJETO SOCIAL DE KARATE 2017

PROJETO SOCIAL DE KARATE 2017 1 PROJETO SOCIAL DE KARATE 2017 Alunos: João da Silva Parcerias: MEDIANEIRA KARATÊ CLUBE MEDIANEIRA - PR 2017 2 PROJETO DE KARATÊ JUSTIFICATIVA Este projeto justifica-se, pela vontade do Medianeira Karatê

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 70-07 Braga Telf..60. Questionário de Comportamentos Parentais no Desporto (QCPD) Versão para pais Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt) 008 Referências

Leia mais

DEZ ANOS DO PROGRAMA FEDERAL BOLSA-ATLETA: MAPEAMENTO DAS MODALIDADES DE INVERNO ( )

DEZ ANOS DO PROGRAMA FEDERAL BOLSA-ATLETA: MAPEAMENTO DAS MODALIDADES DE INVERNO ( ) DEZ ANOS DO PROGRAMA FEDERAL BOLSA-ATLETA: MAPEAMENTO DAS MODALIDADES DE INVERNO (2005-2015) LUZ, Wallinson Ramos Sant ana da (Educação Física/UFPR) SZEREMETA, Thaynara do Prado (Educação Física/UFPR)

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1º A competição será para alunos devidamente matriculados na Instituição de Ensino - Univale. ART. 2º As pessoas físicas que participarem do evento consideradas

Leia mais

Análise dos Regulamentos das Competições infanto-juvenis em diferentes contextos

Análise dos Regulamentos das Competições infanto-juvenis em diferentes contextos UMA TEORIA DA COMPETIÇÃO PARA CRIANÇAS E JOVENS Análise dos Regulamentos das Competições infanto-juvenis em diferentes contextos Autoras: Amanda Busch Priscila Lourenço Regina Helena São Paulo 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

Profissional-Atleta:

Profissional-Atleta: OLIMPÍADAS NACIONAIS DA JUSTIÇA DO TRABALHO - ONJT Profissional-Atleta: MAIO/2013 O que são as ONJT? ONJT significa Olimpíadas Nacional da Justiça do Trabalho. Realizada todos os anos em diferentes cidades

Leia mais

Análise da carreira esportiva dos atletas de atletismo na prova de 100m rasos

Análise da carreira esportiva dos atletas de atletismo na prova de 100m rasos Análise da carreira esportiva dos atletas de atletismo na prova de 100m rasos SENTONE, Rafael Gomes (Educação Física/UNIBRASIL; Mestrado/UFPR) SILVA, Camile Luciane (Educação Física/UNIBRASIL; Doutorado/UFPR)

Leia mais

REGULAMENTO INTERCLUBES CLASSES 2015

REGULAMENTO INTERCLUBES CLASSES 2015 REGULAMENTO INTERCLUBES CLASSES 2015 1. DO CAMPEONATO Poderá participar do Interclubes de Classes toda agremiação que estiver devidamente cadastrada na FPT e com suas obrigações financeiras em dia. O Interclubes

Leia mais

REGULAMENTO Vôlei

REGULAMENTO Vôlei REGULAMENTO 2017 - Vôlei 1. MISSÃO Criar um ambiente adequado para a prática esportiva, onde a competição entre equipes escolares se desenvolva de forma positiva, propiciando vivências práticas de valores

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS COM E SEM O AUXÍLIO DE PERSONAL TRAINER Leonardo Andrade 1 Simone Klein 2 Daniel Carlos Garlipp 3

MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS COM E SEM O AUXÍLIO DE PERSONAL TRAINER Leonardo Andrade 1 Simone Klein 2 Daniel Carlos Garlipp 3 MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS COM E SEM O AUXÍLIO DE PERSONAL TRAINER Leonardo Andrade 1 Simone Klein 2 Daniel Carlos Garlipp 3 RESUMO O objetivo do presente estudo foi analisar os motivos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL XI COPA CDS/UFSC DE TÊNIS

REGULAMENTO GERAL XI COPA CDS/UFSC DE TÊNIS REGULAMENTO GERAL XI COPA CDS/UFSC DE TÊNIS 1. DO TORNEIO A) Evento interno de Tênis realizado no Centro de Desportos (CDS) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que tem como intuito promover

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

CRISTOVÃO PEDRO MAIA

CRISTOVÃO PEDRO MAIA CRISTOVÃO PEDRO MAIA COMPARAÇÃO A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA ESPORTIVA ETRE DUAS EQUIPES PROFISSIOAIS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização

Leia mais

INSCRIÇÕES ABERTAS 70ª EDIÇÃO DOS JOGOS DO SESI FASE MUNICIPAL

INSCRIÇÕES ABERTAS 70ª EDIÇÃO DOS JOGOS DO SESI FASE MUNICIPAL BOLETIM 01 SESI ARARAS INSCRIÇÕES ABERTAS 70ª EDIÇÃO DOS JOGOS DO SESI FASE MUNICIPAL Estão abertas as inscrições para as competições que ocorrem na cidade de Leme, na 70ª edição dos Jogos do SESI, uma

Leia mais

RESUMOS APROVADOS PARA EXPOSIÇÃO NO FORMATO DE PÔSTER

RESUMOS APROVADOS PARA EXPOSIÇÃO NO FORMATO DE PÔSTER RESUMOS APROVADOS PARA EXPOSIÇÃO NO FORMATO DE PÔSTER NORMAS: O pôster deve ter a dimensão de 1,00m (altura) x 0,90cm (largura), podendo conter gráficos, tabelas e ou ilustrações. Os mesmos serão expostos

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015

Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015 Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015 INFANTIL REGULAMENTO: A Sub-diretoria de Futsal Infantil de Esportes do Jaraguá Clube Campestre realizará, no período de 30/08 a 14/11/2015.

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO PARA O DESLOCAMENTO DE RECUPERAÇÃO NO TÊNIS EM CADEIRA DE RODAS

ESTRATÉGIA DE ENSINO PARA O DESLOCAMENTO DE RECUPERAÇÃO NO TÊNIS EM CADEIRA DE RODAS ESTRATÉGIA DE ENSINO PARA O DESLOCAMENTO DE RECUPERAÇÃO NO TÊNIS EM CADEIRA DE RODAS Vitor Ciampolini CDS/UFSC Osvaldo André Furlaneto Rodrigues CDS/UFSC Michel Milistetd CDS/UFSC Juarez Vieira do Nascimento

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ANSIEDADE PRÉ-COMPETITIVA E PERFORMANCE NO TÊNIS JUVENIL.

RELAÇÃO ENTRE ANSIEDADE PRÉ-COMPETITIVA E PERFORMANCE NO TÊNIS JUVENIL. Marco Antonio Vecchia Xavier RELAÇÃO ENTRE ANSIEDADE PRÉ-COMPETITIVA E PERFORMANCE NO TÊNIS JUVENIL. Belo Horizonte MG Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Universidade Federal

Leia mais

PROJETO INCENTIVADO - ICMS CENTRO DE TREINAMENTO DE REMO ADAPTÁVEL. Este é um Projeto Aprovado pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte KMC

PROJETO INCENTIVADO - ICMS CENTRO DE TREINAMENTO DE REMO ADAPTÁVEL. Este é um Projeto Aprovado pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte KMC PROJETO INCENTIVADO - ICMS CENTRO DE TREINAMENTO Este é um Projeto Aprovado pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte Realização Apoio Sobre a Lei Foi sancionada em dezembro de 2009 a Lei Estadual nº 1.137/2009,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO Introdução à Educação Física Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 4710-057 Braga Telf. 253.604.232 Questionário de Comportamentos Parentais no Desporto (QCPD) Versões para atletas (avaliação do pai e da mãe) Rui

Leia mais

GRUPO 2 - ESPORTE, CULTURA e LAZER

GRUPO 2 - ESPORTE, CULTURA e LAZER GRUPO 2 - ESPORTE, CULTURA e LAZER Nº PROPOSTA UF e nº Original da Proposta 01 Implantar e implementar, nas três esferas, Políticas Públicas de Esporte, Cultura, Lazer e AL/06; Turismo para as pessoas

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PROJETO

DESCRIÇÃO DO PROJETO DESCRIÇÃO DO PROJETO I. NÚMERO DE CADASTRO DO PROPONENTE (login) 02SP008402007 Proponente: LIGA ESPORTIVA UNIVERSITÁRIA PAULISTA CNPJ: 07.263.223/0001-90 Endereço: AV. GOIÁS, 3400 Telefone(DDD): (11)4226-8317

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO VII do Edital n o 005/2010 - CIC/UENP 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1 RELATÓRIO: (Assinalar) SEMESTRAL/PARCIAL

Leia mais

TORNEIO REGIONAL DE NATAÇÃO DE LONDRINA CONFEDERADOS E NÃO FEDERADOS

TORNEIO REGIONAL DE NATAÇÃO DE LONDRINA CONFEDERADOS E NÃO FEDERADOS TORNEIO REGIONAL DE NATAÇÃO DE LONDRINA CONFEDERADOS E NÃO FEDERADOS FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO PARANÁ DATA : 28 DE NOVEMBRO DE 2015 LOCAL : IATE CLUBE DE LONDRINA PRAZO DE INSCRIÇÃO: até o dia

Leia mais

REGULAMENTO FPT BEACH TENNIS 2016

REGULAMENTO FPT BEACH TENNIS 2016 REGULAMENTO FPT BEACH TENNIS 2016 DA COMPETIÇÃO Este regulamento deverá ser seguido em todas as etapas dos eventos de Beach Tennis que serão realizadas em todo o Estado do Paraná. Art. 1 Qualquer clube

Leia mais

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES Marcio Turini, Marta Gomes, Ana Miragaya e Lamartine DaCosta YOUTH OLYMPIC GAMES JOGOS OLÍMPICOS DA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE TREINADORES NO BRASIL: Possibilidades de Formação em Longo Prazo. Michel Milistetd Universidade Federal de Santa Catarina

DESENVOLVIMENTO DE TREINADORES NO BRASIL: Possibilidades de Formação em Longo Prazo. Michel Milistetd Universidade Federal de Santa Catarina DESENVOLVIMENTO DE TREINADORES NO BRASIL: Possibilidades de Formação em Longo Prazo Michel Milistetd Universidade Federal de Santa Catarina Roteiro: Aprendizagem de treinadores esportivos; Panorama da

Leia mais

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 159 A 164 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 2ª ª Parte ARTIGO ORIGINAL EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS

Leia mais

Caracteristicas dos corredores de rua: um mapeamento dos participantes da 41ª Prova Rústica Tiradentes

Caracteristicas dos corredores de rua: um mapeamento dos participantes da 41ª Prova Rústica Tiradentes ARTÍCULO / ARTICLE Educación Física y Ciencia, vol. 18, nº 1, e008, junio 2016. ISSN 2314-2561 Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación

Leia mais

CIRCUITO NACIONAL DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL PARA 2016

CIRCUITO NACIONAL DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL PARA 2016 CIRCUITO NACIONAL DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL PARA 2016 1. DO CAMPEONATO O Campeonato será realizado em 2016, regendo-se pelo presente regulamento, de acordo com as regras e procedimentos adotados

Leia mais

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS 1. Os trabalhos submetidos deverão estar correlacionados com o tênis, dentro das seguintes orientações temáticas do evento: a) Preparação Física; b) Técnica e Biomecânica;

Leia mais

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Introdução à Bioestatística Profº Lucas Neiva-Silva lucasneiva@yahoo.com.br Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Estatística Do grego statistós, de statízo, que significa estabelecer,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7.

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7. 482 CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7. Pedro Emílio Drumond Moreira-UFMG Gibson Moreira Praça-UFVJM Pablo Juan Greco-UFMG pedrodrumondmoreira@hotmail.com

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE VARIÁVEIS MEDIACIONAIS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO TÊNIS DE CAMPO EM ALUNOS DA ESCOLA PÚBLICA

INTERPRETAÇÃO DE VARIÁVEIS MEDIACIONAIS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO TÊNIS DE CAMPO EM ALUNOS DA ESCOLA PÚBLICA INTERPRETAÇÃO DE VARIÁVEIS MEDIACIONAIS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO TÊNIS DE CAMPO EM ALUNOS DA ESCOLA PÚBLICA WANDERLEI PACHECO 009528 G/RJ, WALTER JACINTO NUNES. Universidade Federal Rural

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I)

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) www.coachingdesportivo.pt PORTO 23-25 Set.16 LISBOA 30 Set.-2 Out.16 Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma atividade

Leia mais

TÊNIS DE CAMPO COMPETIÇÃO INFANTO-JUVENIL. Profa.Ms. Cláudia Perrella Teixeira

TÊNIS DE CAMPO COMPETIÇÃO INFANTO-JUVENIL. Profa.Ms. Cláudia Perrella Teixeira TÊNIS DE CAMPO COMPETIÇÃO INFANTO-JUVENIL Profa.Ms. Cláudia Perrella Teixeira jeu de paume - tênis de campo - séc. XI - passatempo da nobreza - idade média - competições estudantis séc. XIX - profissionalismo

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL Modelo de Gestão Confederação Brasileira de Voleibol Entidade privada sem fins econômicos, responsável pela gestão do voleibol no Brasil; Administração profissionalizada:

Leia mais

Atividades Complementares 2017.

Atividades Complementares 2017. Atividades Complementares 2017. Prezados Pais e Responsáveis: Apresentamos o detalhamento das Atividades Complementares do Colégio Marista Paranaense ofertadas para o ano de 2017, no qual uma diversidade

Leia mais

LUTA CONTRA A DOPAGEM - DADOS ESTATÍSTICOS CONSELHO NACIONAL ANTIDOPAGEM

LUTA CONTRA A DOPAGEM - DADOS ESTATÍSTICOS CONSELHO NACIONAL ANTIDOPAGEM LUTA CONTRA A DOPAGEM - DADOS ESTATÍSTICOS 2006 - CONSELHO NACIONAL ANTIDOPAGEM Conselho Nacional AntiDopagem NÚMERO DE AMOSTRAS RECOLHIDAS DE 1976 A 2006 ANO 2006 2004 2002 2000 1998 1996 1994 1992 1990

Leia mais

O FLUXO NO VOLEIBOL: RELAÇÃO COM A MOTIVAÇÃO, AUTOEFICÁCIA, HABILIDADE PERCEBIDA E ORIENTAÇÃO ÀS METAS

O FLUXO NO VOLEIBOL: RELAÇÃO COM A MOTIVAÇÃO, AUTOEFICÁCIA, HABILIDADE PERCEBIDA E ORIENTAÇÃO ÀS METAS DOI: 10.4025/reveducfis.v23i3.17024 O FLUXO NO VOLEIBOL: RELAÇÃO COM A MOTIVAÇÃO, AUTOEFICÁCIA, HABILIDADE PERCEBIDA E ORIENTAÇÃO ÀS METAS FLOW IN VOLLEYBALL: RELATIONSHIP WITH MOTIVATION, SELF-EFFICACY,

Leia mais

REGULAMENTO INTERCLUBES DE CLASSES FPT 2016

REGULAMENTO INTERCLUBES DE CLASSES FPT 2016 REGULAMENTO INTERCLUBES DE CLASSES FPT 2016 1. DO CAMPEONATO Poderão participar do Interclubes de Classes toda agremiação que estiver devidamente cadastrada na FPT e com suas obrigações financeiras em

Leia mais

PROJETO TALENTO OLÍMPICO DO PARANÁ EDIÇÃO 2013 E ATLETAS PARALÍMPICOS CONCORRENTES NO PROCESSO DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS. 1

PROJETO TALENTO OLÍMPICO DO PARANÁ EDIÇÃO 2013 E ATLETAS PARALÍMPICOS CONCORRENTES NO PROCESSO DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS. 1 PROJETO TALENTO OLÍMPICO DO PARANÁ EDIÇÃO 2013 E 2014 - ATLETAS PARALÍMPICOS CONCORRENTES NO PROCESSO DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS. 1 Rosangela Marques BUSTO 2 Abdallah Achour JUNIOR 3 Jacques Duílio BRANCHER

Leia mais