O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS DE SUCESSO DURANTE O PROCESSO DE TRANSIÇÃO PARA O CIRCUITO PROFISSIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS DE SUCESSO DURANTE O PROCESSO DE TRANSIÇÃO PARA O CIRCUITO PROFISSIONAL"

Transcrição

1 O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS DE SUCESSO DURANTE O PROCESSO DE TRANSIÇÃO PARA O CIRCUITO PROFISSIONAL Gabriel Armondi Cavalin ESTÁCIO Sandro Conceição de Souza UNIVERSO Celso Ricardo de Santana GEPEDAM / UEL Carlos Adelar Abaide Balbinotti PPGCMH/UFRGS Caio Corrêa Cortela FPT/ UFRGS RESUMO: O presente estudo objetivou descrever o percurso realizado por tenistas de sucesso, no que tange à participação em competições no circuito profissional durante a fase de transição da carreira esportiva. Para isso, foram analisados os percursos dos 50 melhores tenistas classificados no ranking de simples, da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP). Os dados foram obtidos no site oficial da Federação Internacional de Tênis (http://www.itftennis.com/procircuit) e, posteriormente, analisados com uso da estatística descritiva, por meio do software Excel Os resultados encontrados apontam que os tenistas de sucesso iniciam cedo a participação no circuito profissional (16,1±0,9 anos de idade), vivenciado esse circuito em média por 3,3±0,9 temporadas. A participação em torneios profissionais jogados durante o período de transição (43±23), o número total de jogos profissionais de simples realizados (108±61), e a as classificações obtidas no ranking da ATP (58% dos tenistas no Top 400 da ATP), sugerem que esses tenistas priorizaram a participação em eventos do circuito profissional durante a fase de transição. Palavras chaves: Tênis, Tenistas, Competição. INTRODUÇÃO: Atentando-se ao percurso competitivo dos tenistas de elite nos rankings júnior e profissionais é possível observar a predominância de três tipologias de casos: há tenistas que priorizam a participação no circuito júnior da ITF (ITFJC) e que somente após

2 terminarem a última temporada como júnior passam a competir no circuito profissional; há aqueles que priorizam o ITFJC, mas que, após obterem classificações proeminentes nesse âmbito de competição, passam a focar a atenção no circuito profissional, pontuando concomitantemente nos dois sistemas de classificação; e por fim, existem tenistas que abdicam de expressar todo o seu potencial no ITFJC, saltando essa etapa e adentrando diretamente no circuito profissional (CORTELA, 2009). Tendo esse quadro geral como pano de fundo, o presente artigo objetivou descrever o percurso realizado por tenistas de sucesso, no que tange à participação em competições no circuito profissional durante a fase de transição da carreira esportiva. METODOLOGIA: O presente estudo caracteriza-se como uma pesquisa descritiva quantitativa. De acordo com Thomas, Nelson e Silverman (2012), esse tipo de pesquisa visa conhecer e interpretar a realidade, sem nela interferir. A amostra do estudo foi composta pelos 50 melhores tenistas classificados no ranking de simples da ATP (Top 50), conforme a lista divulgada no dia 16 de junho de A idade média entre os sujeitos selecionados observados foi de 28,9±3,2 anos de idade, tendo o mais jovem 23 anos e o mais velho 36,2. Para a análise dos dados, foi considerada como fase de transição o período de quatro temporadas em que os tenistas poderiam competir concomitantemente nos circuitos ITJC e profissional. Verificou-se que apenas três jogadores disputaram mais de quatro temporadas no circuito profissional, ao longo desse período. Dessa forma, os torneios e os jogos realizados por esses tenistas foram adicionados na primeira das quatro temporadas analisadas. Os torneios ATP 250 e ATP 500 foram agrupados em uma mesma categoria. A coleta de dados ocorreu por meio do acesso ao site oficial da ITF (http://www.itftennis.com/procircuit). Nele foram realizadas as buscas pelos históricos dos tenistas utilizando-se, para isso, do sobrenome utilizado pelos mesmos no ranking profissional da ATP. As informações coletadas foram agrupadas em uma ficha especifica-

3 mente elaborada para o estudo. Posteriormente, por meio do software Excel 2010, foram realizadas as análises descritivas dos dados. RESULTADOS: A análise descritiva dos dados possibilitou identificar que todos os tenistas da amostra participaram de torneios do circuito profissional durante a fase de transição. A maior parte desses jogadores (85%) disputou eventos profissionais ao longo de três ou quatro temporadas. Conforme verificado na Tabela 1, e corroborando com os resultados apresentados por Cortela et al. (2010), observa-se que a participação de tenistas de sucesso em torneios do circuito profissional inicia-se em idades relativamente baixas, considerando-se que o tênis se apresenta como uma modalidade de especialização esportiva tardia (BALYI, 2005; TENNIS CANADA, 2011). A mediana de 15,8 anos de idade encontrada, e a verificação de que apenas 24% dos tenistas iniciaram a participação no circuito com idades superiores aos 17 anos, alertam para necessidade de um monitoramento e de maior atenção com os jogadores, assim como tem ocorrido no tênis feminino. A mudança de âmbito de competição altera as exigências a serem superadas pelos tenistas. Esse cenário associado a um elevado número de jogos, em idades precoces, pode contribuir para abreviação da carreira, em decorrência do aparecimento de lesões (CORTELA et al. 2010). A conquista do primeiro ponto no ranking da ATP é um momento marcante na carreira esportiva de tenistas que aspiram uma carreira profissional. Para 70% dos tenistas Top 50 analisados, esse marco é alcançado até os 17 anos de idade. Esses resultados vão ao encontro dos apresentados por Reid e Morris (2011) quando analisaram tenistas Top 100 do ranking da ATP. Segundo os autores, a idade média para obtenção do primeiro ponto na carreira foi de 16,9±1,2 anos.

4 Tabela 1: Estatística descritiva das variáveis relacionadas ao percurso competitivo no circuito profissional durante a fase de transição. Tendência Central e Dispersão Variáveis do Percurso Competitivo X DP M ediana Amplitude Número de temporadas em que participou do circuito profissional 3,3 0, Idade de encerramento da primeira temporada no circuito profissional 16,1 0,9 15, ,7 Idade do primeiro ponto no ranking da ATP 16,6 1 16,4 15,0 20,3 Numero total de torneios profissionais Número total de jogos simples no circuito profissional Melhor ranking ATP obtido durante a fase de transição M ín. M áx. A análise do número total de torneios e de jogos realizados sugere que os tenistas Top 50 priorizaram a participação em eventos do circuito profissional durante a fase de transição, conforme relatado por Cortela et al. (2010). Ao comparar os resultados encontrados no presente estudo com os de Cavalin et al. (2015), verifica-se que a participação em eventos e jogos realizados no circuito profissional, tenderam a ser mais elevada do que as observadas no ITFJC (19±13,7 torneios e 62,5±45 jogos de simples). De fato, os resultados obtidos pelos tenistas no circuito profissional durante a fase de transição mostrou-se um indicador mais confiável para o prognóstico dos resultados futuros a serem apresentados pelos mesmos, quando comparadas às classificações no ITFJC (Cortela et al. 2012). Segundo Reid et al. (2014), os tenistas com diferentes níveis de desempenho máximo obtidos ao longo da carreira profissional já apresentavam diferenças significativas no ranking ATP nos estágios iniciais de suas carreiras profissionais, sugerindo que esses resultados podem ser utilizados para prever a probabilidade dos tenistas atingirem os Tops 10, 20, 50, e 100, do ranking ATP. A maioria dos tenistas observados (58%) atingiu o Top 400 do ranking ATP em idades em que ainda poderiam competir no ITFJC. De acordo com Cortela et al. (2012) a

5 idade de entrada no Top 400 encontra-se fortemente correlacionada com idades de entrada nos Tops 200 e 100, indicando que os tenistas que atingem mais cedo esse marco da carreira esportiva tendem a alcançar os demais em idades mais baixas. CONCLUSÃO: Os resultados apresentados neste estudo encontram-se em conformidade com os divulgados pela literatura, com tenistas de destaque internacional no circuito profissional. A participação precoce no circuito profissional, associada ao elevado número de torneios, jogos, e a classificação atingida no ranking da ATP em idades em que ainda poderiam participar do ITFJC, apontam para a tendência dos jogadores com esse nível de desempenho máximo, de enfatizarem a participação no circuito profissional durante a etapa de transição. REFERÊNCIAS BALYI, I. Long-term Athlete Development. Canadian Sport for Life Disponível em: (http://www.canadiansportforlife.ca/resources/coaches). Acesso em: 04 de dezembro de CAVALIN, G. A.; CORTELA, C. C.; KLERING, R. T.; GONÇALVES, G. H. T.; BALBINOTTI; C. A. A. O percurso competitivo de tenistas Top50 do ranking profissional. In: 5 Congresso Internacional de Jogos Desportivos. Anais. UFMG, Belo Horizonte Minas Gerais. p , CORTELA, C. C. Planeamento de carreira desportiva de jovens tenistas para a alta competição: a transição para a etapa de rendimento máximo f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Desporto e Educação Física) Programa de Pós-Graduação em Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal. CORTELA, C. C.; SILVA, M. J. C.; FUENTES, J. P. G.; ROCHA, D. N. Tenistas top 100- um estudo sobre as idades de passagens pelos diferentes marcos da carreira desportiva; Pensar prática, v. 13, n. 3, p. 1-17, 2010.

6 CORTELA, C. C.; SILVA, M. J. C.; FUENTES, J. P. G.; ROCHA, D. Resultados esportivos no escalão júnior e desempenhos obtidos na etapa de rendimentos máximos. Uma análise sobre a carreira dos tenistas top 100. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 11, n. 1, p , REID, M.; CRESPO, M.; SANTILLI, L.; MILEY, D.; DIMMOCK, J. The importance of the International Tennis Federation s junior boys circuit in the development of professional tennis players. Journal of Sports Sciences, Inglaterra, v. 25, n. 6, p , REID, M.; MORRIS, C. Ranking benchmarks of top 100 players in men s professional tennis. European Journal of Sport Science, v. 13, n. 4, p , REID, M.; MORGAN, S.; CHURCHILL, T.; BANE, M. K. Rankings in professional men s tennis: a rich but underutilized source of information. Journal of Sports Sciences, v. 32, n. 10, p , TENNIS CANADA. Long term athlete development plan for the sport of tennis in Canada.Canadá Disponível em: (http://www.tenniscanada.com/misc/ltadallenglish.pdf). Acesso em: 28 de abril de THOMAS, J. R., NELSON J. K.; SILVERMAN S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. Artmed, 2012.

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS 1. Os trabalhos submetidos deverão estar correlacionados com o tênis, dentro das seguintes orientações temáticas do evento: a) Preparação Física; b) Técnica e Biomecânica;

Leia mais

Tenistas brasileiros e as idades de passagens pelos diferentes marcos da carreira esportiva

Tenistas brasileiros e as idades de passagens pelos diferentes marcos da carreira esportiva Tenistas brasileiros e as idades de passagens pelos diferentes marcos da carreira esportiva Caio Correa Cortela Federação Paranaense de Tênis FPT Curitiba Brasil caio.tenis@yahoo.com.br Juan Pedro Fuentes

Leia mais

Anais do Congresso Brasileiro de Tênis

Anais do Congresso Brasileiro de Tênis Anais do Congresso Brasileiro de Tênis Caio Corrêa Cortela Silvio Souza Luiz Gustavo Nascimento Haas Daniel Vila Hreczuck Roberto Tierling Klering Gabriel Henrique Treter Gonçalves Paulo Cesar de Souza

Leia mais

A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE TÊNIS: UM ESTUDO COM TENISTAS PARANAENSES DE CLASSES

A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE TÊNIS: UM ESTUDO COM TENISTAS PARANAENSES DE CLASSES A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE TÊNIS: UM ESTUDO COM TENISTAS PARANAENSES DE CLASSES Walter Carlos Galli Junior ESTÁCIO Caio Corrêa Cortela FPT/UFRGS Gabriel Henrique Treter Gonçalves PPGCMH/UFRGS Roberto

Leia mais

RESULTADOS ESPORTIVOS NO ESCALÃO JÚNIOR E DESEMPENHOS OBTIDOS NA ETAPA DE RENDIMENTOS MÁXIMOS: UMA ANÁLISE SOBRE A CARREIRA DOS TENISTAS TOP 100

RESULTADOS ESPORTIVOS NO ESCALÃO JÚNIOR E DESEMPENHOS OBTIDOS NA ETAPA DE RENDIMENTOS MÁXIMOS: UMA ANÁLISE SOBRE A CARREIRA DOS TENISTAS TOP 100 , p. 125-133 RESULTADOS ESPORTIVOS NO ESCALÃO JÚNIOR E DESEMPENHOS OBTIDOS NA ETAPA DE RENDIMENTOS MÁXIMOS: UMA ANÁLISE SOBRE A CARREIRA DOS TENISTAS TOP 100 Caio Correa Cortela Federação Paranaense de

Leia mais

Apresentação do Junior European Judo Cup Coimbra 2017

Apresentação do Junior European Judo Cup Coimbra 2017 Apresentação do Junior European Judo Cup Coimbra 2017 14 de março de 2017 Auditório do Pavilhão Municipal Multidesportos Dr. Mário Mexia A Apresentação da Taça da Europa de Juniores - Coimbra 2017, realizou-se

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL 1 www.fpatletismo.pt III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL Organização da Carreira Desportiva no Atletismo 2 www.fpatletismo.pt Treino com Jovens: Análise da Situação Actual

Leia mais

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE?

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? 980 O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? Felipe Ruy Dambroz - NUPEF/UFV João Vítor de Assis - NUPEF/UFV Israel Teoldo da Costa

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO Loani Landin Istchuk / UEL Wilton Carlos de Santana / UEL Hélcio Rossi Gonçalves / UEL loaniistchuk@hotmail.com

Leia mais

III Gala do Desporto do IPLeiria

III Gala do Desporto do IPLeiria III Gala do Desporto do IPLeiria - 2006 O Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) realizou, no dia 7 de Junho, a 3.ª edição da Gala do Desporto que teve como objetivo distinguir os alunos/atletas e

Leia mais

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO 1. Organização A organização da modalidade de Ténis de Mesa nos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2016 é da responsabilidade da, da

Leia mais

Apresentação da Taça da Europa de Cadetes - Coimbra 2017

Apresentação da Taça da Europa de Cadetes - Coimbra 2017 Apresentação da Taça da Europa de Cadetes - Coimbra 2017 24 de maio de 2017 Auditório do Pavilhão Municipal Multidesportos Dr. Mário Mexia A Apresentação da Taça da Europa de Cadetes - Coimbra 2017, realizou-se

Leia mais

Gala do Desporto 2012

Gala do Desporto 2012 Gala do Desporto 2012 Reunião de Câmara 05-Nov-2012 Índice 1. Introdução... 3 2. Destinatários... 3 3. Processo e prazo de candidatura... 3 4. Processo de seleção... 3 5. Critérios de seleção... 4 7. Exceções...

Leia mais

Beach Tennis herdou elementos do badminton, vôlei, frescobol e tênis

Beach Tennis herdou elementos do badminton, vôlei, frescobol e tênis Beach Tênis de areia? Frescobol com rede? Não, o jogo é Beach Tennis Como nasceu e quais as entidades que regem o tênis jogado na areia Por Marcela Evangelista DESDE 2008, QUANDO FOI TRAZIDO PARA O BRASIL,

Leia mais

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Para começar a jogar Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Por Marcela Evangelista HÁ MAIS DE 30 ANOS, quando o Beach Tennis surgiu nas areias da Itália, tratava-se de uma atividade

Leia mais

Regulamento Específico Tenis de Mesa.

Regulamento Específico Tenis de Mesa. Regulamento Específico Tenis de Mesa Http://www02.madeira-edu.pt/dre 1. Concentrações 1.1 Competição individual As competições individuais realizar-se-ão em forma de Concentração. O acto da inscrição nas

Leia mais

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF Critérios indicativos à Bolsa Atleta de Natação conforme Reunião da Diretoria da FDA/DF e técnicos filiados, realizada no dia 03 de fevereiro de 2016. I BOLSA ATLETA OLÍMPICA 1.1- O atleta de natação só

Leia mais

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2016 às Federações filiadas à CBPM.

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2016 às Federações filiadas à CBPM. 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2016 1. FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2016 às Federações filiadas à CBPM. 2. REFERÊNCIAS - Estatuto da CBPM; - Regulamento Técnico da CBPM; - Calendário Desportivo da

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE PISTA

ESCOLA NACIONAL DE PISTA CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO ESCOLA NACIONAL DE PISTA ANADIA, JULHO 2012 GABRIEL MENDES UVP-FPC RESUMO ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO OS OBJECTIVOS MODELO DE DESENVOLVIMENTO BASE DO SUCESSO

Leia mais

Projeto CLUBE DE TÉNIS DO CRSI

Projeto CLUBE DE TÉNIS DO CRSI Projeto CLUBE DE TÉNIS DO CRSI Responsável do Projeto: Prof. Hugo Solinho Silva 2015/2016 INTRODUÇÃO ATIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA E A RELIGIÃO CRISTÃ Segundo Ferreira (2010) o Papa João Paulo II cita,

Leia mais

Carlos Soares CURRICULUM DESPORTIVO HABILITAÇÕES

Carlos Soares CURRICULUM DESPORTIVO HABILITAÇÕES Carlos Soares HABILITAÇÕES CURRICULUM DESPORTIVO Titulo Profissional de Desporto nº35868 válido até 01/11/2018 Curso de Treinador UEFA NIVEL I Coimbra 2003 Curso de Treinador UEFA NIVEL II Coimbra 2011

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE VARIÁVEIS MEDIACIONAIS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO TÊNIS DE CAMPO EM ALUNOS DA ESCOLA PÚBLICA

INTERPRETAÇÃO DE VARIÁVEIS MEDIACIONAIS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO TÊNIS DE CAMPO EM ALUNOS DA ESCOLA PÚBLICA INTERPRETAÇÃO DE VARIÁVEIS MEDIACIONAIS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO TÊNIS DE CAMPO EM ALUNOS DA ESCOLA PÚBLICA WANDERLEI PACHECO 009528 G/RJ, WALTER JACINTO NUNES. Universidade Federal Rural

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo Introdução Promover, divulgar, ensinar, treinar e competir no desporto em geral e no andebol em particular obriga a uma determinada organização e objetivos diferenciados em cada um dos escalões. Assim,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2013 às Federações filiadas à CBPM.

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2013 às Federações filiadas à CBPM. 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2013 1. FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2013 às Federações filiadas à CBPM. 2. REFERÊNCIAS - Estatuto da CBPM; - Regulamento Técnico da CBPM; - Calendário Desportivo da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Parametrização das Estruturas Tácticas em Jogos Desportivos Colectivos Investigação Aplicada à Equipa Campeã Nacional no Escalão

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

PLANEAMENTO DE CARREIRA DESPORTIVA DE JOVENS TENISTAS PARA A ALTA COMPETIÇÃO. A transição para a etapa de rendimento máximo

PLANEAMENTO DE CARREIRA DESPORTIVA DE JOVENS TENISTAS PARA A ALTA COMPETIÇÃO. A transição para a etapa de rendimento máximo CAIO CORREA CORTELA PLANEAMENTO DE CARREIRA DESPORTIVA DE JOVENS TENISTAS PARA A ALTA COMPETIÇÃO A transição para a etapa de rendimento máximo UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto

Leia mais

Palavras-chave: bolsa atleta; futebol feminino; financiamento público.

Palavras-chave: bolsa atleta; futebol feminino; financiamento público. PROGRAMA FEDERAL BOLSA ATLETA E FUTEBOL FEMININO: UMA ANÁLISE NO NÚMERO DE CONCESSÕES E INVESTIMENTOS DE 2005 A 2015 SZEREMETA, Thaynara do Prado (Educação Física/UFPR) LUZ, Wallinson Ramos Sant ana da

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO 2 ÍNDICE Preâmbulo Capítulo I Regime de alta-competição Artigo 1.º - Praticantes com estatuto de alta competição Artigo 2.º - Praticantes no

Leia mais

REGRAS OFICIAIS DO RANKING BRASILEIRO DE BOLICHE

REGRAS OFICIAIS DO RANKING BRASILEIRO DE BOLICHE REGRAS OFICIAIS DO RANKING BRASILEIRO DE BOLICHE 1. Introdução: Válidas a partir de 01.01.2017 Integram o ranking brasileiro de boliche todos os atletas filiados à Confederação Brasileira de Boliche BOLICHE

Leia mais

PLANO TÉCNICO Em 2014, a Associação de Ténis de Lisboa, através do seu Departamento Técnico, desenvolveu as seguintes atividades:

PLANO TÉCNICO Em 2014, a Associação de Ténis de Lisboa, através do seu Departamento Técnico, desenvolveu as seguintes atividades: PLANO TÉCNICO 2015 1. SÍNTESE DA ÉPOCA DE 2014: Em 2014, a Associação de Ténis de Lisboa, através do seu Departamento Técnico, desenvolveu as seguintes atividades: Organização da Fase Regional do Campeonato

Leia mais

GINÁSTICA DE TRAMPOLINS

GINÁSTICA DE TRAMPOLINS GINÁSTICA DE TRAMPOLINS SELEÇÕES NACIONAIS 2017-2020 PROCESSO DE SELEÇÃO CAMPEONATO DO MUNDO 2017 WORLD GAMES 2017 Duplo Mini Trampolim Tumbling Trampolim 1. NOTAS INTRODUTÓRIAS Dando sequência ao processo

Leia mais

Secretaria Regional da Educação Direcção Regional da Educação

Secretaria Regional da Educação Direcção Regional da Educação Secretaria Regional da Educação Direcção Regional da Educação Gabinete Coordenador do Desporto Escolar Regulamento Específico Ténis de Mesa 2011/2012 Índice 1. Concentrações... 2 1.1 Competição individual...

Leia mais

Discutir e relatar os resultados obtidos a partir de pesquisas de campo.

Discutir e relatar os resultados obtidos a partir de pesquisas de campo. Página: 1/5 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA Introdução à Estatística; Dados Estatísticos; Distribuição de Frequências; Medidas de posição Medidas de dispersão; Probabilidades; Distribuições

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Juvenis/ Iniciados (Futsal) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Juvenis/ Iniciados (Futsal) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico DE (Futsal) Época 2016-2017 Organização Competitiva e Regulamento Específico CLUBES PARTICIPANTES ILHA DO CORVO CLUBE DESPORTIVO ESCOLAR DO CORVO ILHA DAS FLORES GRUPO DESPORTIVO FAZENDENSE (A e B) GRUPO

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

Produção científica em língua portuguesa: padrão de citação e avaliação dos indicadores de citação atuais de revistas biomédicas de língua portuguesa

Produção científica em língua portuguesa: padrão de citação e avaliação dos indicadores de citação atuais de revistas biomédicas de língua portuguesa Produção científica em língua portuguesa: padrão de citação e avaliação dos indicadores de citação atuais de revistas biomédicas de língua portuguesa 30 Março/2012 AGENDA Enquadramento Objetivos Metodologia

Leia mais

1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV

1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV O perfil das mulheres de 10 anos e mais de idade no Distrito Federal e na Periferia Metropolitana de Brasília - PMB segundo a ótica raça/cor 2010 Lucilene Dias Cordeiro 1 1 Secretaria de Estado de Educação

Leia mais

Federação Portuguesa de Orientação-FPO

Federação Portuguesa de Orientação-FPO Federação Portuguesa de Orientação-FPO Projeto de Seleções Nacionais de Orientação em BTT 2016 Índice 1 - Considerações Gerais... 3 2 - Regulamento de Alto Rendimento... 4 3 - Estágios de Seleção... 5

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais III - Maratona I - Introdução Séniores/Sub 23/Juniores 2015 Este documento pretende enunciar os critérios de selecção da Equipa

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

Mínimos de Acesso a Provas Internacionais Triatlo (YB) / Tetratlo (YA) / Pentatlo (Jun-Sen)

Mínimos de Acesso a Provas Internacionais Triatlo (YB) / Tetratlo (YA) / Pentatlo (Jun-Sen) Mínimos de Acesso a Provas Internacionais Triatlo (YB) / Tetratlo (YA) / Pentatlo (Jun-Sen) 2016 NOTA INTRODUTÓRIA Na entrada para a recta final do ciclo olímpico a formula votos de continuidade da expressão

Leia mais

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL REGULAMENTO DESPORTIVO CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA 2012 Art.º 1 OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras e normas aplicáveis ao Andebol de Praia

Leia mais

JOGO (OUT 2016) - PORTO

JOGO (OUT 2016) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (OUT 2016) - PORTO Neste curso completo de 24 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2017 REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2017 REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2017 FUTEBOL DE 11 E DE 7 REGULAMENTO 1. Organização A organização das competições de Futebol de 11 e de 7 nos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2017 são da responsabilidade

Leia mais

Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna

Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna Ricardo Barros IPEA Mirela de Carvalho IETS Ao longo da última década, cada vez mais redes públicas de ensino municipais e estaduais passaram

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL

REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. ESCALÕES ETÁRIOS, BOLA, DURAÇÃO DO JOGO E VARIANTES DA MODALIDADE 2. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA 3. ARBITRAGEM 4. QUADRO COMPETITIVO E CRITÉRIOS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA. Infantis-Benjamins (Futsal) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA. Infantis-Benjamins (Futsal) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico DE Infantis-Benjamins (Futsal) Época 2015-2016 Organização Competitiva e Regulamento Específico CLUBES PARTICIPANTES ILHA DO CORVO CLUBE DESPORTIVO ESCOLAR DO CORVO ILHA DO FAIAL CLUBE FLAMENGOS ILHA DAS

Leia mais

TORNEIO ESCADA 2015 REGULAMENTO

TORNEIO ESCADA 2015 REGULAMENTO TORNEIO ESCADA 2015 REGULAMENTO ORGANIZAÇÃO E LOCAL A organização do torneio está a cargo do Clube de Ténis do Estoril, e os jogos disputam-se apenas nos campos do Clube. A gestão de resultados, classificações,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO RUGBY BRASILEIRO: panorama de 2009 a 2012

DESENVOLVIMENTO DO RUGBY BRASILEIRO: panorama de 2009 a 2012 DESENVOLVIMENTO DO RUGBY BRASILEIRO: panorama de 2009 a 2012 Eraldo dos Santos Pinheiro Mauricio Migliano Gabriel Gustavo Bergmann Adroaldo Gaya INTRODUÇÃO Praticantes e fãs de Rugby em algum momento já

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ. (Revisto em novembro de 2015)

REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ. (Revisto em novembro de 2015) REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ 2013 2017 (Revisto em novembro de 2015) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO P.2 2. ESCALÕES ETÁRIOS P.3 3. CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS P.3 4. REGULAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO P.4 4.1. FASE LOCAL

Leia mais

AND PRAIA ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO

AND PRAIA ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO AND PRAIA 2016 18ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO 1 Organização: A organização deste conjunto de eventos é da responsabilidade da Associação de Andebol do Porto, em colaboração com diversas entidades.

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais MARATONA III Seniores/Sub23/Juniores 2017 I Introdução Este documento pretende enunciar os critérios de selecção da Equipa

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ. (Revisto em janeiro de 2015)

REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ. (Revisto em janeiro de 2015) REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ 2013 2017 (Revisto em janeiro de 2015) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO P.2 2. ESCALÕES ETÁRIOS P.3 3. CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS P.3 4. REGULAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO P.3 4.1. FASE LOCAL

Leia mais

REGULAMENTO DO APURAMENTO NACIONAL

REGULAMENTO DO APURAMENTO NACIONAL REGULAMENTO DO APURAMENTO NACIONAL 25 a 28 de fevereiro 2017 Portalegre, Alter do Chão e Crato ISF Orientação 2017 Campeonato Mundial Escolar Palermo - Itália 22 a 28 de abril de 2017 INTRODUÇÃO O Comité

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE HÓQUEI EM PATINS SRHP

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE HÓQUEI EM PATINS SRHP SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE HÓQUEI EM PATINS SRHP Uma breve apresentação do modelo Janeiro 2012 PORQUÊ O SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE HÓQUEI EM PATINS SRHP? Interesse em saber quem é o melhor

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE XADREZ

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE XADREZ REGULAMENTO ESPECÍFICO DE XADREZ 2009-2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PARTICIPAÇÃO...4 3. ESCALÕES ETÁRIOS...4 4. COMPETIÇÕES/ENCONTROS ESCOLARES...4 4.1. FASE LOCAL...5 4.2. FASE REGIONAL...5 4.3. FASE

Leia mais

DEZ ANOS DO PROGRAMA FEDERAL BOLSA-ATLETA: MAPEAMENTO DAS MODALIDADES DE INVERNO ( )

DEZ ANOS DO PROGRAMA FEDERAL BOLSA-ATLETA: MAPEAMENTO DAS MODALIDADES DE INVERNO ( ) DEZ ANOS DO PROGRAMA FEDERAL BOLSA-ATLETA: MAPEAMENTO DAS MODALIDADES DE INVERNO (2005-2015) LUZ, Wallinson Ramos Sant ana da (Educação Física/UFPR) SZEREMETA, Thaynara do Prado (Educação Física/UFPR)

Leia mais

Guia Técnico: Campeonato Nacional XCO 2016 Complexo Desportivo do Jamor APRESENTAÇÃO... 3 INFORMAÇÃO DA PROVA... 3 EQUIPA TÉCNICA... 3 PROGRAMA...

Guia Técnico: Campeonato Nacional XCO 2016 Complexo Desportivo do Jamor APRESENTAÇÃO... 3 INFORMAÇÃO DA PROVA... 3 EQUIPA TÉCNICA... 3 PROGRAMA... GUIA TÉCNICO INDÍCE APRESENTAÇÃO... 3 INFORMAÇÃO DA PROVA... 3 EQUIPA TÉCNICA... 3 PROGRAMA... 4 CARACTERISTICAS DA PROVA... 5 PRÉMIOS... 5 PISTA... 6 COMO CHEGAR... 7 CONTACTOS... 7 UVP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA

REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA Índice Introdução 3 Capítulo I Regulamentação Geral 4 1. Condições Gerais de Participação 4 2. Escalões Etários 4 Capítulo II Participação / Organização 4 3. Formas de Competição

Leia mais

Centro de Atletismo de Arcos de Valdevez RESUMO DA ÉPOCA 2015/2016

Centro de Atletismo de Arcos de Valdevez RESUMO DA ÉPOCA 2015/2016 Centro de Atletismo de Arcos de Valdevez RESUMO DA ÉPOCA 2015/2016 Concluída mais uma brilhante temporada, o Centro de Atletismo de Arcos de Valdevez, prestes a alcançar o seu 20º aniversário, vem desta

Leia mais

O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE:

O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE: NOTA OFICIAL Nº 066.2016 O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE: DA COORDENAÇÃO TÉCNICA 1 Publicar as informações sobre o 2º Encontro Sub 12:

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais Maratona I - Introdução Séniores/Sub 23/Juniores Absolutos 2016 Este documento pretende enunciar os critérios de selecção

Leia mais

INCÊNDIO NA PISCINA DO GINÁSIO

INCÊNDIO NA PISCINA DO GINÁSIO INCÊNDIO NA PISCINA DO GINÁSIO Devido possivelmente a um curto-circuito, um incêndio destruiu na madrugada de hoje as instalações da Secretaria da Piscina do Ginásio mas, do mal o menos, não se propagou

Leia mais

James Newman, ITF Participation Officer. Dave Miley, Diretor Executivo da ITF

James Newman, ITF Participation Officer. Dave Miley, Diretor Executivo da ITF 2013-2014 A competição para crianças não se centra na vitória a todo o custo, agressividade ou rivalidades. Deve incidir no desafio de jogar partidas e colocando as habilidades (skills) e perícias em prática

Leia mais

JOGO (MAR 2017) - PORTO

JOGO (MAR 2017) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (MAR 2017) - PORTO Neste curso completo de 26 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA Art.º 1 Objeto 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA AUTOR(ES):

Leia mais

REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2016 O DIÁRIO

REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2016 O DIÁRIO REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2016 O DIÁRIO OBJETIVO Promover e organizar um Circuito Regional Oficial de Tênis, proporcionando a integração de tenistas da Região do Alto Tietê, com uma competição

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 327 ANÁLISE DOS GOLS SOFRIDOS E GOLS FEITOS PELA EQUIPE DE FUTSAL DE NOVA ITABERABA-SC CATEGORIA SUB-17 NO CAMPEONATO CATARINENSE 2013/2014 Ismael Schneider 1 Rogério da Cunha Voser 2 Patrícia Eloi Gomes

Leia mais

Uma breve apresentação do modelo. Janeiro 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL - SRM

Uma breve apresentação do modelo. Janeiro 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL - SRM Uma breve apresentação do modelo Janeiro 2012 PORQUÊ O SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL SRM? Interesse em saber quem é o melhor clube de futebol do mundo Interesse em saber qual o desempenho

Leia mais

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual.

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual. NÍVEL DE ENSINO: Graduação Tecnológica CARGA HORÁRIA: 40h PROFESSOR-AUTOR: Ricardo Saraiva Diniz DE DADOS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO APRESENTAÇÃO Desempenho Olá! Seja muito bem-vindo à disciplina Análise

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA

GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA SELEÇÕES NACIONAIS E ALTO RENDIMENTO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E PARTICIPAÇÃO 2015: SENIORES TAÇAS DO MUNDO 2015 CAMPEONATO DA EUROPA MONTPELLIER JOGOS EUROPEUS BAKU UNIVERSÍADAS

Leia mais

PARAOLIMPÍADAS ESCOLARES 2010

PARAOLIMPÍADAS ESCOLARES 2010 PARAOLIMPÍADAS ESCOLARES 2010 06 a 11 de setembro SÃO PAULO SP REALIZAÇÃO: Ministério do Esporte APOIO: 1 ORIENTAÇÃO GERAL AOS TÉCNICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO DA PARTICIPAÇÃO Art. 18 Poderão participar

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

REGULAMENTO CIRCUITO VERÃO 2015 SINUCA CAPITULO I DAS CONDIÇÕES BÁSICAS E DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO CIRCUITO VERÃO 2015 SINUCA CAPITULO I DAS CONDIÇÕES BÁSICAS E DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO CIRCUITO VERÃO 2015 SINUCA CAPITULO I DAS CONDIÇÕES BÁSICAS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O torneio de sinuca denominado Circuito Verão 2015 será promovido em conformidade com o presente REGULAMENTO.

Leia mais

REGULAMENTO 2016 CAPÍTULO I DA OBSERVÂNCIA DESTE REGULAMENTO

REGULAMENTO 2016 CAPÍTULO I DA OBSERVÂNCIA DESTE REGULAMENTO REGULAMENTO 2016 CAPÍTULO I DA OBSERVÂNCIA DESTE REGULAMENTO Art. 1º- Este Regulamento é um conjunto das disposições que regem as disputas da 12ª COPA MINAS TÊNIS CLUBE DE VOLEIBOL FEMININO e obriga aos

Leia mais

Análise da carreira esportiva dos atletas de atletismo na prova de 100m rasos

Análise da carreira esportiva dos atletas de atletismo na prova de 100m rasos Análise da carreira esportiva dos atletas de atletismo na prova de 100m rasos SENTONE, Rafael Gomes (Educação Física/UNIBRASIL; Mestrado/UFPR) SILVA, Camile Luciane (Educação Física/UNIBRASIL; Doutorado/UFPR)

Leia mais

Regulamento do 29.º Troféu de Atletismo do Seixal 2016

Regulamento do 29.º Troféu de Atletismo do Seixal 2016 Regulamento do 29.º Troféu de Atletismo do Seixal 2016 1. Definição O Troféu de Atletismo do Seixal (também designado por T.A.S. ), compreende um conjunto de provas organizadas, no ano 2016, pelas Coletividades

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Abs Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais V Canoagem de Mar Séniores/Sub 23/Juniores 2016 I - Introdução Este documento pretende enunciar os critérios de selecção

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO TÉNIS DE MESA

REGULAMENTO TÉCNICO TÉNIS DE MESA 1 Introdução O presente Regulamento aplica-se exclusivamente à competição Taça do Desporto Escolar / CNID, atividade inserida no Plano de Atividades do Desporto Escolar. Este Regulamento complementa-se

Leia mais

TORNEIO DE ABERTURA 2016 PRESS RELEASE

TORNEIO DE ABERTURA 2016 PRESS RELEASE 30 e 31 de janeiro de 2016 TORNEIO DE ABERTURA 2016 PRESS RELEASE No fim de semana de 30 e 31 de janeiro, o Clube Escola de Ténis de Cantanhede organizou o Torneio de Abertura 2016, prova inscrita no calendário

Leia mais

PROJECTO PORTUGAL GOLFE TEAM. 12 de Março 2015

PROJECTO PORTUGAL GOLFE TEAM. 12 de Março 2015 PROJECTO PORTUGAL GOLFE TEAM 12 de Março 2015 INTRODUÇÃO A PORTUGAL GOLFE TEAM visa apoiar e aconselhar profissionais de golfe no inicio ou no desenrolar da sua carreira. Uma iniciativa importante que

Leia mais

Plano de Ensino Docente. TURMA: 2º semestre

Plano de Ensino Docente. TURMA: 2º semestre Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU:( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

A minha Filosofia de Treino em Atletismo

A minha Filosofia de Treino em Atletismo A minha Filosofia de Treino em Atletismo Por Jorge Miguel Treinador de Atletas Olimpicos Como treinador de Atletismo há mais de trinta anos,a minha experiência nesta modalidade leva-me a afirmar que no

Leia mais

Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos. Pode ser de interesse apresentar esses dados através d

Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos. Pode ser de interesse apresentar esses dados através d UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequência e gráficos.

Leia mais

REGULAMENTO INTERCLUBES INFANTO JUVENIL 2012

REGULAMENTO INTERCLUBES INFANTO JUVENIL 2012 REGULAMENTO INTERCLUBES INFANTO JUVENIL 2012 1. DO CAMPEONATO Poderá participar do Interclubes Infanto Juvenil toda agremiação que estiver devidamente cadastrada na FPT e com suas obrigações financeiras

Leia mais

TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA

TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA ÉPOCA 2014-2015 TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA REGULAMENTO Regulamento da Taça de Promoção da Associação de Futebol da Guarda Época 2014-2015 Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento

Leia mais

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 25 de Novembro de 2009 A publicação Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007, apresenta,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Relembrando!!! Não é uma CIÊNCIA EXATA!!! É UMA CIÊNCIA PROBABILÍSTICA!!!!!!! Serve

Leia mais

REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2014 O DIÁRIO

REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2014 O DIÁRIO REGULAMENTO DO RANKING DO CIRCUITO DE TÊNIS 2014 O DIÁRIO OBJETIVO Promover e organizar um Circuito Regional Oficial de Tênis, proporcionando a integração de tenistas da Região do Alto Tietê, com uma competição

Leia mais