O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS TOP50 DO RANKING

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS TOP50 DO RANKING"

Transcrição

1 810 O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS TOP50 DO RANKING PROFISSIONAL Gabriel Armondi Cavalin / UNISUAN Caio Corrêa Cortela / NP3 Esporte UFRGS Roberto Tierling Klering / NP3 Esporte UFRGS Gabriel Henrique Treter Gonçalves / NP3 Esporte UFRGS Carlos Adelar Abaide Balbinotti / NP3 Esporte UFRGS RESUMO: A presente pesquisa aborda o percurso competitivo de tenistas bem sucedidos no ranking da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP). O objetivo do estudo é descrever o percurso competitivo percorrido pelos tenistas profissionais de sucesso enquanto participantes do Circuito Júnior Internacional de Tênis (ITFJC), apresentando um panorama de desempenho e das competições internacionais que precedem a entrada no circuito profissional de tênis. Para tanto, fizeram parte do estudo os 50 melhores tenistas classificados no ranking de simples da ATP, conforme visualizado em 16 de junho de A idade média observada para a amostra foi de 28,9±3,2 anos de idade, tendo a idade mínima e máxima, respectivamente, de 23 e 36,2 anos. Os resultados mostram que: a) 48 tenistas do Top50 disputaram as competições do ITFJC; b) estes tenistas atingem seu melhor ranking no ITFJC, em média, aos 17,4±0,7 anos; c) disputam, em média, 19±13,7 torneios ao longo de, aproximadamente, 3,2±1 temporadas; d) disputam, em média, 62,5±45 partidas de simples e 39,4±31,2 partidas de duplas; e) atingem como melhor colocação, em média, a 91,4ª±139,4ª posição no ranking do ITFJC. Por fim, o estudo permite concluir que o ITFJC possui grande relevância como opção competitiva para os tenistas Top50 do ranking da ATP no momento de transição do tênis juvenil ao profissional. Palavras-chave: Tênis, Tenistas, Competição. INTRODUÇÃO: A organização dos principais torneios mundiais de tênis está sob a chancela de três entidades: a Associação dos Tenistas Profissionais (ATP), a Associação de Tênis Feminino (WTA) e a Federação Internacional de Tênis (ITF). Enquanto a ATP e a WTA gerenciam o ranking mundial do circuito masculino e feminino profissional, respectivamente, a ITF é a responsável pelo circuito júnior (ITFJC).

2 811 Para Vicario (2003) e Reid et al. (2007), as competições de tênis possuem um papel essencial na formação integral de tenistas de sucesso. Conforme McCraw (2011), o planejamento das competições deve adequar-se ao estágio de desenvolvimento dos tenistas. Neste caminho, observa-se que no período de transição entre o circuito juvenil e o profissional o planejamento do percurso competitivo deve levar em consideração o desenvolvimento técnico, tático, físico e mental destes jogadores, bem como fazer com que distribuam, conforme necessidade, as competições juvenis e profissionais. Com isso, este se torna um período bastante delicado e que requer muita atenção dos profissionais que auxiliam os jovens tenistas a tornarem-se tenistas de sucesso. Neste contexto, o objetivo do presente artigo é descrever o percurso competitivo percorrido por tenistas profissionais de sucesso enquanto participantes do ITFJC, apresentando um panorama de desempenho e das competições internacionais que precedem a entrada no circuito profissional de tênis. MÉTODO: O presente estudo caracteriza-se como uma pesquisa descritiva quantitativa. De acordo com Thomas, Nelson e Silverman (2012), esse tipo de pesquisa visa conhecer e interpretar a realidade sem nela interferir. Fizeram parte do estudo os 50 melhores tenistas classificados no ranking de simples da ATP, conforme visualizado em 16 de junho de A idade média observada para a amostra foi de 28,9±3,2 anos de idade, tendo a idade mínima e máxima, respectivamente, de 23 e 36,2 anos. Para a análise dos dados foi considerada como fase de transição o período de quatro temporadas. Esse critério de corte foi adotado tendo em vista que apenas cinco jogadores disputaram mais de quatro anos de competições no ITFJC. Assim, os sete torneios e os 12 jogos realizados por esses tenistas foram adicionados na primeira das quatro temporadas analisadas. Para a coleta das informações foi realizado o acesso ao site oficial da ITF ( O acesso ao perfil dos tenistas ocorreu por meio da inserção do sobrenome utilizado pelos mesmos no ranking da ATP. Após a extração dos dados, a análise descritiva foi realizada por meio do software SPSS versão 15.0.

3 812 Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sob o número de protocolo RESULTADOS: Analisados os dados encontrados, verifica-se que o ITFJC apresentou-se como uma opção competitiva importante na transição para o circuito profissional, haja vista que 48 dos 50 tenistas observados participaram desse circuito em algum momento da carreira. Devido a sua relevância, diversos estudos (REID et al., 2007; REID; CRESPO; SANTILLI, 2009; CORTELA et al. 2010; REID; MORRIS, 2011; CORTELA et al. 2012; BROWERS; DE BOSSCHER; SOTIRIADOU, 2012) têm buscado estabelecer uma relação entre o sucesso no ITFJC (Top20) e as classificações obtidas posteriormente no circuito profissional da ATP. No presente estudo verificou-se que 77% dos tenistas estiveram entre os 93 melhores classificados do ITFJC, 50% estiveram entre os 21 melhores classificados, 38% estiveram entre os 8 melhores classificados e 10% dos tenistas lideraram o ranking do ITFJC. No entanto, os dados publicados até o momento na literatura reforçam a necessidade de haver cautela na interpretação dessas classificações, especialmente quando visam o estabelecimento de prognósticos com relação aos resultados futuros. Reid et al. (2007), e Reid, Crespo e Santilli (2009), apontam que estar classificado no Top20 do ITFJC permite prognosticar, de forma significativa, a entrada no ranking profissional. Porém, essa predição explica apenas cinco por cento das variações observadas nos rankings obtidos no circuito profissional (REID et al., 2007). Brouwers, De Bosscher e Sotiriadou (2012) ao examinarem o desempenho de mais de 4000 tenistas, concluíram que os resultados nas categorias sub-14 e sub-18 não são bons indicadores para predição das classificações atingidas no circuito profissional, em ambos os sexos. Nessa mesma direção, Cortela et. al. (2012), ao investigar os marcos esportivos de tenistas Top100, observou que a correlação entre a melhor classificação no ranking ITFJC e a melhor classificação no ranking da ATP é tênue (+0,07). Analisando a Tabela 1, observa-se que a melhor classificação no ranking ITFJC e a idade de ocorrência apresentam-se em concordância com os resultados dos trabalhos que investigaram o percurso esportivo de tenistas profissionais de sucesso (CORTELA, et. al., 2010; REID; MORRIS, 2011; CORTELA et. al., 2012).

4 813 Tabela 1: Estatística descritiva das variáveis relacionadas ao percurso competitivo no ITFJC. Variáveis do percurso competitivo Tendência Central e Dispersão Amplitude X DP Mediana Moda Minimal Melhor ranking 91,4 139,4 22, Idade melhor ranking 17,4 0,74 17,4 17,5 15,1 18,6 Número total de torneios 19 13, Número total de jogos de simples 62, Número total de jogos de duplas 39,4 31, Número total de temporadas 3,2 1 3, Maximal A idade do melhor ranking ITFJC encontrada demonstra que essa classificação foi alcançada no penúltimo ano em que os tenistas poderiam participar do ITFJC. De acordo com Cortela et. al. (2010), isso ocorre porque no último ano do ITFJC muitos tenistas priorizam o calendário profissional, jogando apenas as grandes competições do ITFJC. Outro fator que corrobora para esse cenário é a qualidade dos jogadores pertencentes à amostra, que possibilitou a obtenção de resultados expressivos em idades relativamente mais baixas. De acordo com Cortela et. al. (2012), os tenistas que atingem a melhor classificação no ITFJC em idades mais baixas tendem a alcançar os demais marcos da carreira esportiva mais cedo do que os seus pares. Nessa mesma direção, Brouwers, De Bosscher e Sotiriadou (2012), relatam que os tenistas que alcançaram o Top20 do ITFJC até os 16 anos demonstraram maior propensão para atingir os Tops200, 100 e 20 do ranking profissional da ATP. No que diz respeito à participação em torneios no ITFJC, observa-se que 64% dos tenistas analisados participaram de 12 ou mais eventos. Nessa mesma direção, verifica-se que mais da metade dos jogadores, 52% e 51%, respectivamente, disputaram mais de 63 partidas em simples, e mais de 33 em duplas. Quanto ao âmbito de competição, observa-se a preferência pelos torneios com maiores pontuações no ITFJC (GA, G1 e G2). No momento de transição do juvenil para o profissional, verificou-se que muitos tenistas priorizam a disputa somente dos maiores eventos do ITFJC, dividindo, assim, essas competições com as de nível profissional. Por fim, verificou-se que os eventos em quadras de saibro ou duras, respectivamente, são os que recebem maior atenção por parte dos jogadores. Esses resultados reforçam a

5 814 importância da superfície de jogo no desenvolvimento dos tenistas. De acordo com Reid et. al. (2007), os tenistas que se desenvolvem em quadras de saibro ou em combinação entre saibro e quadras duras, apresentam melhores classificações no ranking profissional da ATP. CONCLUSÃO: O presente estudo investigou o percurso competitivo traçado por tenistas Top50 da ATP durante a etapa juvenil. Buscou abranger todo o período de transição competitiva realizado pelos tenistas no intuito de identificar a importância do ITFJC na trajetória de tenistas bem sucedidos. Os resultados encontrados apontam que o ITFJC apresenta-se como uma opção competitiva importante para os tenistas em fase de transição, verificando-se que 96% dos atletas Top50 da ATP participaram desse circuito. Os dados apresentados corroboram com os de outros estudos que investigaram o percurso competitivo de tenistas profissionais de sucesso internacional. Dessa forma, ressalta-se a importância do ITFJC como opção competitiva na fase de transição. No entanto, os resultados obtidos nesse circuito devem ser analisados com cautela quando se tem como objetivo prognosticar os resultados no ranking profissional da ATP. REFERÊNCIAS BROUWERS, J; DE BOSSCHER, V; SOTIRIADOU, P. An examination of the importance of performances in youth and junior competition as an indicator of later success in tennis. Sport Management Review, v. 15, n. 4, p , CORTELA, C. C et al. Tenistas top 100- um estudo sobre as idades de passagens pelos diferentes marcos da carreira desportiva; Pensar prática, v. 13, n. 3, CORTELA, C. C et al. Resultados esportivos no escalão junior e desempenhos obtidos na etapa de rendimentos máximos. Uma análise sobre a carreira dos tenistas top 100. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 11, n. 1, MCCRAW, P. D. Making the Top 100: ITF Top 10 junior transition to Top 100 ATP tour ( ). ITF Coaching and Sport Science Review. v. 19, n. 55, p , 2011.

6 815 REID, M. et al. The importance of the International Tennis Federation s junior boys circuit in the development of professional tennis players. Journal of Sports Sciences, Londres, v. 25, n. 6, p , 2007 REID, M., CRESPO, M., SANTILLI, L. (2009). Importance of the ITF Junior Girls' Circuit in the development of women professional tennis players. Journal of sports sciences, 27(13), REID, M; MORRIS, C. Ranking benchmarks of top 100 players in men's professional tennis. European journal of sport science, v. 13, n. 4, p , THOMAS, J R., NELSON J. K.; SILVERMAN S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. Artmed, VICARIO, E. S. High level tennis in Spain: The Sanchez Casal Academy. In: CRESPO, M.; REID, M.; MILEY, D. Applied sport science for high performance tennis. Londres: ITF ltd, p

RESULTADOS ESPORTIVOS NO ESCALÃO JÚNIOR E DESEMPENHOS OBTIDOS NA ETAPA DE RENDIMENTOS MÁXIMOS: UMA ANÁLISE SOBRE A CARREIRA DOS TENISTAS TOP 100

RESULTADOS ESPORTIVOS NO ESCALÃO JÚNIOR E DESEMPENHOS OBTIDOS NA ETAPA DE RENDIMENTOS MÁXIMOS: UMA ANÁLISE SOBRE A CARREIRA DOS TENISTAS TOP 100 , p. 125-133 RESULTADOS ESPORTIVOS NO ESCALÃO JÚNIOR E DESEMPENHOS OBTIDOS NA ETAPA DE RENDIMENTOS MÁXIMOS: UMA ANÁLISE SOBRE A CARREIRA DOS TENISTAS TOP 100 Caio Correa Cortela Federação Paranaense de

Leia mais

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ 1 A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ Luciano Bárbara dos Santos 1 1 Cirurgião-dentista, aluno do curso de pós-graduação

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL 1 www.fpatletismo.pt III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL Organização da Carreira Desportiva no Atletismo 2 www.fpatletismo.pt Treino com Jovens: Análise da Situação Actual

Leia mais

LIVE SPORTS MARKETING

LIVE SPORTS MARKETING LIVE SPORTS MARKETING A Live Sports Marketing é uma agência que existe desde 2006 e presta serviços de consultoria e assessoria de marketing esportivo para empresas e marcas que queiram utilizar e se beneficiar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE NO USO DO SISTEMA PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA Fase 1 (magistrados e servidores da Justiça do Trabalho) Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ 2013-2017

REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ 2013-2017 REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ 2013-2017 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO P.2 2. ESCALÕES ETÁRIOS P.3 3. CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS P.3 4. REGULAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO P.3 4.1. FASE LOCAL P.4 4.2. FASE REGIONAL P.5

Leia mais

PARALISIA CEREBRAL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR

PARALISIA CEREBRAL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR EDUCAÇÃO FÍSICA E PARALISIA CEREBRAL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR Gabrielle Cristina Sanchez Adriana Garcia Gonçalves São Carlos - UFSCar Eixo Temático: 9 Pesquisa e Inovação Metodológica

Leia mais

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O comércio sempre foi considerado como porta de entrada para o mercado de trabalho sendo, assim, um dos principais setores econômicos em termos de absorção da população

Leia mais

XIV COPA SMEL DE FUTSAL 2016

XIV COPA SMEL DE FUTSAL 2016 XIV COPA SMEL DE FUTSAL 2016 Regulamento Geral XIV COPA SMEL DE FUTSAL CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º - A XIV COPA SMEL DE FUTSAL tem por objetivo principal o congraçamento geral dos participantes

Leia mais

MUNICÍPIOS DA PENÍNSULA DE SETÚBAL ASSOCIAÇÕES ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 BASQUETEBOL REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA PENÍNSULA DE SETÚBAL ASSOCIAÇÕES ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 BASQUETEBOL REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 BASQUETEBOL REGULAMENTO 1. Organização A organização da competição de Basquetebol dos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2016 é da responsabilidade da Câmara

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

Panorama da Inovação no Brasil. Hugo Ferreira Braga Tadeu 2014

Panorama da Inovação no Brasil. Hugo Ferreira Braga Tadeu 2014 Panorama da Inovação no Brasil Hugo Ferreira Braga Tadeu 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O presente relatório é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas de gestão

Leia mais

A pesquisa foi feita dentro de um período de 09/05/2016 até 26/05/2016.

A pesquisa foi feita dentro de um período de 09/05/2016 até 26/05/2016. G18 AS MAIORES TORCIDAS DO BRASIL POR BRUNO MARTINELI No futebol números são essenciais, seja o número da camisa dos jogadores, o placar da partida, a colocação na tabela, o número de pontos no campeonato

Leia mais

REGRESSÃO LINEAR ENTRE TEMPERATURA E DENSIDADE DA GASOLINA RESUMO

REGRESSÃO LINEAR ENTRE TEMPERATURA E DENSIDADE DA GASOLINA RESUMO REGRESSÃO LINEAR ENTRE TEMPERATURA E DENSIDADE DA GASOLINA Maderson Alves Ferreira Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR madersonalvesferreira@hotmail.com Rosangela A. B. Assumpção Universidade

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ATIVIDADES 2012 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA ALTO RENDIMENTO E SELEÇÕES NACIONAIS FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MARKETING, COMUNICAÇÃO & IMAGEM 1.-

Leia mais

INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA OS TIMES E TENISTAS!

INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA OS TIMES E TENISTAS! INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA OS TIMES E TENISTAS! Qualifying Dia 8 de Novembro ATENÇÃO! Os times inscritos no Futebol Masculino categoria livre e os tenistas inscritos no Tênis categoria A disputarão o

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA CONVTE DE EVENTOS

INFORMAÇÕES PARA CONVTE DE EVENTOS INFORMAÇÕES PARA CONVTE DE EVENTOS 1. Nome do evento; 2. Data/período; 3. Local (endereço completo); 4. Organização; 5. Patrocinadores; 6. Apoiadores; 7. Programação (horário, distâncias e categorias);

Leia mais

Como Elaborar uma Proposta de Projeto

Como Elaborar uma Proposta de Projeto Como Elaborar uma Proposta de Projeto Prof. Tiago Garcia de Senna Carneiro tiago@iceb.ufoop.br TerraLAB Laboratório INPE/UFOP para Modelagem e Simulação dos Sistemas Terrestres Departamento de Computação

Leia mais

PERFIL DOS HÓSPEDES. 3º Quadrimestre - 2011 APRESENTAÇÃO EM MEIOS DE HOSPEDAGEM

PERFIL DOS HÓSPEDES. 3º Quadrimestre - 2011 APRESENTAÇÃO EM MEIOS DE HOSPEDAGEM PERFIL DOS HÓSPEDES EM MEIOS DE HOSPEDAGEM 3º Quadrimestre - 2011 APRESENTAÇÃO O Observatório do Turismo da Cidade de Paranaguá realiza periodicamente, desde 2011, uma pesquisa junto aos meios de hospedagens

Leia mais

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Luiz Guilherme Dácar da Silva Scorzafave RESUMO - Esse artigo realiza uma análise descritiva

Leia mais

3ª Copa Interestadual de Tênis de Mesa Pernambuco 2014

3ª Copa Interestadual de Tênis de Mesa Pernambuco 2014 3ª Copa Interestadual de Tênis de Mesa Pernambuco 2014 A Federação Pernambucana de Tênis de Mesa, tem a honra de convidar a todos os Atletas, Técnicos e Dirigentes de Federações e Clubes filiados a CBTM,

Leia mais

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Indicadores Sociais Municipais 2010 Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Rio, 16/11/ 2011 Justificativa:

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS Júlio César Neis 1 ; Rosangela Aguiar Adam 2 ; Tiago Lopes Gonçalves 3 ; Vera Regina Mazureck

Leia mais

Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos

Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos Título do Case: O impacto do layout na agilidade dos processos Categoria: Projetos Externos Temática: Segundo Setor Resumo: O presente case expõe a aplicabilidade de um projeto externo que desafia as acomodações

Leia mais

Ciências atuariais aplicadas à previdência

Ciências atuariais aplicadas à previdência Ciências atuariais aplicadas à previdência Máris Caroline Gosmann Prof. Coordenadora do Curso de Ciências Atuariais da UFRGS Atuária, Economista e Nutricionista Mestre em Atuária PESQUISAS CEGOV: Centro

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TIRO COM ARCO OLÍMPICO EM 2016.... PENSAMENTOS e AMBIÇÕES SEM LIMITE... = logo BAF=

PLANO DIRETOR DE TIRO COM ARCO OLÍMPICO EM 2016.... PENSAMENTOS e AMBIÇÕES SEM LIMITE... = logo BAF= PLANO DIRETOR DE TIRO COM ARCO OLÍMPICO EM 2016... PENSAMENTOS e AMBIÇÕES SEM LIMITE... = logo BAF= =logos= COB FITA Tiro com Arco Mundial Ministério do Esporte Peter Nieuwenhuis, janeiro de 2011. Conteúdo;

Leia mais

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1 Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO IVB-2012 Página 1 CONTEÚDO 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 6.1 Monitoramento e avaliação anual da implementação do Plano 6.2 Monitoramento e avaliação da efetividade do

Leia mais

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados

O BANCO DE DADOS. QUADRO I- Formas de acesso às informações disponíveis no Banco de Dados Esta publicação é um produto do Banco de Dados que o Programa Gestão Pública e Cidadania vem construindo desde 1996 a fim de reunir informações sobre os programas inscritos em todos os ciclos de premiação.

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI)

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI) 1 EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI) O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP) da Universidade Federal

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS

INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS Estão asseguradas as vagas dos 184 secretários municipais de saúde do Estado do Ceará, sendo necessário efetuar sua inscrição on-line no site do congresso. Havendo

Leia mais

POPULARIDADE DA INTERNET

POPULARIDADE DA INTERNET POPULARIDADE DA INTERNET Inayara Soares da Silva Atualmente, a população encontra grande facilidade no acesso à internet. Tal facilidade e popularização da rede vem atraindo de jovens a idosos, que não

Leia mais

Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras

Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras KPMG Risk & Compliance Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho

Leia mais

P R O G R A M A TERCEIRA FASE. DISCIPLINA: Estatística Aplicada à Pesquisa Educacional Código: 3EAPE Carga Horária: 54h/a (crédito 03)

P R O G R A M A TERCEIRA FASE. DISCIPLINA: Estatística Aplicada à Pesquisa Educacional Código: 3EAPE Carga Horária: 54h/a (crédito 03) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - DEF CURSO: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA CURRÍCULO: 2008/2 P R O G

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) GT 08 RESUMO Melquisedec Anselmo da Costa AZEVEDO

Leia mais

INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INCT 2º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETO Formulário para Consultor Ad hoc

INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INCT 2º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETO Formulário para Consultor Ad hoc INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INCT 2º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETO Formulário para Consultor Ad hoc PARTE I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (CNPq) TÍTULO: INCT de Engenharia

Leia mais

Informações gerais e novidades

Informações gerais e novidades INFORMATIVO Nº 001 DO VII JOGOS FENACEF Informações gerais e novidades Você está recebendo em primeira mão o informativo nº 001 do VII Jogos Fenacef! É aqui que começa a vitória de seus atletas: com planejamento

Leia mais

Programação Futsal Máster - JOGOS DO SESI 2016

Programação Futsal Máster - JOGOS DO SESI 2016 Programação Futsal Máster - JOGOS DO SESI 2016 - A identificação do atleta deverá ser apresentada antes do início de cada jogo: CTPS ou Carteira do SESI dentro da validade. - Cada equipe deve apresentar

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O papel das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O papel das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O papel das empresas na comunidade Edição 2012 1 ÍNDICE 1. A METODOLOGIA UTILIZADA 3 2. SUMÁRIO EXECUTIVO 4 3. RESULTADOS FINANCEIROS 5 4. PRINCIPAIS CONCLUSÕES

Leia mais

EMPREENDEDORISMO FEMININO

EMPREENDEDORISMO FEMININO EMPREENDEDORISMO FEMININO Março 2013 0 APRESENTAÇÃO As mulheres representam 51% da população brasileira e em Minas Gerais já são aproximadamente 10 milhões. A participação do empreendedorismo feminino

Leia mais

Diego Gobbi. _atleta profissional de squash Ranking Profissional Brasileiro 259# Ranking Professional Squash Association (PSA Mundial)

Diego Gobbi. _atleta profissional de squash Ranking Profissional Brasileiro 259# Ranking Professional Squash Association (PSA Mundial) _atleta profissional de squash Ranking Profissional Brasileiro 4# Ranking Professional Squash Association (PSA Mundial) 259# Atual Campeão Brasileiro e Sul-Americano Juvenil de Squash _perfil Nome: Diego

Leia mais

REGULAMENTO BEACH TENNIS

REGULAMENTO BEACH TENNIS REGULAMENTO BEACH TENNIS 1. FILIAÇÃO 1.1. VALOR 1.2. BENEFÍCIOS 2. RANKING 2.1. VALIDAÇÃO 2.2. PONTUAÇÃO PARA JOGADOR 2.3. PONTUAÇÃO NO RANKING BRASILEIRO 3. TORNEIOS HOMOLOGADOS PELA CBT 3.1. ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Métricas de Software Importância e Aplicação

Métricas de Software Importância e Aplicação Métricas de Software Importância e Aplicação Mauricio Aguiar PSM Qualified Instructor Presidente da ti MÉTRICAS IFPUG Past President USC Visiting Associate www.metricas.com.br 1 Agenda Definindo e Alcançando

Leia mais

ondagem Industrial Edição Especial Falta Trabalhador FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA

ondagem Industrial Edição Especial Falta Trabalhador FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Edição Especial Falta Trabalhador ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins abril de 2014 FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Análise Econômica A conjuntura econômica recente

Leia mais

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Suelen Moraes de Lorenzo 1 e-mail: suelen.lorenzo@gmail.com Amabriane da Silva Oliveira e-mail: amabriane@r7.com

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR. - Inscrições Colégios. Colégios Participantes de Temporadas anteriores:

MANUAL DO PROFESSOR. - Inscrições Colégios. Colégios Participantes de Temporadas anteriores: MANUAL DO PROFESSOR - Inscrições Colégios Colégios Participantes de Temporadas anteriores: O Professor deverá acessar o link Inscrições Colégios no menu esquerdo da página inicial do site da LE2 e com

Leia mais

O ESTILO DE VIDA E A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FUNCIONÁRIOS DA REITORIA / UFAL PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL

O ESTILO DE VIDA E A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FUNCIONÁRIOS DA REITORIA / UFAL PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL O ESTILO DE VIDA E A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DOS FUNCIONÁRIOS DA REITORIA / UFAL PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL ANDRÉA BENTO DOS SANTOS¹ CASSIO HARTMANN² (1)GRADUADA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PROJETO

DESCRIÇÃO DO PROJETO DESCRIÇÃO DO PROJETO I. NÚMERO DE CADASTRO DO PROPONENTE (login) 02SP008402007 Proponente: LIGA ESPORTIVA UNIVERSITÁRIA PAULISTA CNPJ: 07.263.223/0001-90 Endereço: AV. GOIÁS, 3400 Telefone(DDD): (11)4226-8317

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA UNIVERSITÁRIO 2015 NOTA OFICIAL RUGBY

CAMPEONATO PAULISTA UNIVERSITÁRIO 2015 NOTA OFICIAL RUGBY CAMPEONATO PAULISTA UNIVERSITÁRIO 2015 NOTA OFICIAL RUGBY Informações e inscrições: Kallel Brandão (11)97118-3872 kallel@fupe.com.br www.fupe.com.br www.juesp.com.br INFORMAÇÕES BÁSICAS Local: CEPEUSP

Leia mais

O POTENCIAL DE INOVAÇÃO E A QUESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS INDÚSTRIAS DA REGIÃO NOROESTE DO RS 1

O POTENCIAL DE INOVAÇÃO E A QUESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS INDÚSTRIAS DA REGIÃO NOROESTE DO RS 1 O POTENCIAL DE INOVAÇÃO E A QUESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS INDÚSTRIAS DA REGIÃO NOROESTE DO RS 1 Valquíria Marchezan Colatto Martins 2, Dieter Rugard Siedenberg 3, Marcos Paulo Dhein Griebeler

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP A Diretoria de Recursos Humanos do SESI-SP abre inscrições para candidatos interessados

Leia mais

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade 1 AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade Ernesto F. L. Amaral 31 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

O Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

O Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais O Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Betânia Peixoto Brasília, Junho de 2013 Público Alvo e Requisitos Exigidos Gestores / Coordenadores de ONGs ou OSCIPs; Secretários ou técnicos de secretarias

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO PROTOCOLO DE PESQUISA

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO PROTOCOLO DE PESQUISA MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO PROTOCOLO DE PESQUISA O QUE DEVE CONTER EM UM PROJETO DE PESQUISA: 1. FOLHA DE ROSTO (Plataforma Brasil) O preenchimento do documento é de responsabilidade do

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa 1 Introdução Este capítulo irá descrever o objeto do estudo, o problema de pesquisa a ser estudado, o objetivo do estudo, sua delimitação e sua limitação. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS)

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DE VARIÁVEIS QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS DISCRETAS (TABELAS E GRÁFICOS) O QUE É ESTATÍSTICA Estatística é a ciência de obter conclusões a partir de dados. Envolve métodos para

Leia mais

Projecto Mega Sprinter. Federação Portuguesa de Atletismo Ministério da Educação - Desporto Escolar PROJECTO

Projecto Mega Sprinter. Federação Portuguesa de Atletismo Ministério da Educação - Desporto Escolar PROJECTO Federação Portuguesa de Atletismo Ministério da Educação - Desporto Escolar PROJECTO SETEMBRO 2004 1 ESCALÕES ETÁRIOS ESCALÃO ÉPOCAS 2004/2005 2005/2006 2006/2007 2007/2008 INFANTIS A 94/95 95/96 96/97

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ Dispõe sobre a Seleção Pública Simplificada para o cargo de educadores sociais e Ofícineiro de teatro visando atuação no Programa Jovem

Leia mais

COMO INVESTIR PESSOA FÍSICA

COMO INVESTIR PESSOA FÍSICA COMO INVESTIR PESSOA FÍSICA PROJETOS APROVADOS 2013 LEI FEDERAL DE INCENTIVO AO ESPORTE A Lei n 11.428/2006 (LIE) é um instrumento legal que abre uma possibilidade nova e diferenciada de captação de recursos

Leia mais

O presente estudo remete-nos para as causas de extração e perda dentária na dentição permanente, durante um período de 12 meses. Neste estudo foram incluídos todos os pacientes atendidos na clínica de

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especulação leva à queda de preço nos lançamentos de imóveis em Brasília

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especulação leva à queda de preço nos lançamentos de imóveis em Brasília + Boletim de Conjuntura Imobiliária 41ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult

Leia mais

ISO 9000 e ISO 14.000

ISO 9000 e ISO 14.000 DISCIPLINA: QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: ALEXSANDRA GOMES PERÍODO: 3º PERÍODO CARGA HORÁRIA: 60 HORAS ISO 9000 e ISO 14.000 ISO 9000 A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 2015 Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 Junta de Freguesia de Fermentelos Índice NOTA JUSTIFICATIVA... 2 CAPÍTULO I... 3 Missão... 3 Artigo 1º... 3 CAPÍTULO II... 3 Objeto... 3 Artigo 2º...

Leia mais

Emissão Original: 04/12/13

Emissão Original: 04/12/13 COPA VERDE/2014 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação e Participação Art. 1º A Copa Verde de 2014, doravante denominada Copa, é regida por dois regulamentos mutuamente complementares

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009.

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009. POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011 Vitória, 26 de agosto de 2009. ÍNDICE 1. OBJETIVO.... 3 2. ORIENTAÇÃO DA GESTÃO DOS INVESTIMENTOS E PRÁTICAS DE GOVERNANÇA....

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB Estabelece a Política para Manutenção e Guarda do Acervo Acadêmico da Escola de Direito de Brasília

Leia mais

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Política de da Investimento CPFL Energia Social S.A. do Grupo CPFL Energia Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 4 3. Âmbito

Leia mais

Título do projeto Avaliação do estado de saúde de idosos cadastrados em uma estratégia de saúde da família no município de Anápolis - GO

Título do projeto Avaliação do estado de saúde de idosos cadastrados em uma estratégia de saúde da família no município de Anápolis - GO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA. COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA OFÍCIO 169 2010 CEP Número de Protocolo: 2896/2010 Anápolis, 2 de setembro de 2010. Título do projeto Avaliação

Leia mais

Estatística Analítica

Estatística Analítica Teste de Hipótese Testes Estatísticos 2 Teste de Hipótese Testes Estatísticos 3 1 Teste de Hipótese Testes Estatísticos 4 Principais Testes: Teste Qui-quadrado Teste T de Student Teste ANOVA Teste de Correlação

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONSTRUÇÃO DA GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICIPIOS BRASILEIROS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE COLINAS DO TOCANTINS

Leia mais

Cronograma - Seguindo o plano de metas da USP para 2015

Cronograma - Seguindo o plano de metas da USP para 2015 GT - Atividade Docente avaliação, valorização do ensino e carreira / diretrizes gerais. Cronograma - Seguindo o plano de metas da USP para 2015 O documento mestre conceitual que apresentamos tem a função

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO JERNS JEES 2015

REGULAMENTO ESPECÍFICO JERNS JEES 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL JERNS JEES 2015 1 REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL JERNS JEES 2015 CATEGORIA MIRIM 1. A Competição de Basquetebol será realizada de acordo com as regras oficiais da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PROCESSO COM SOBRESTAMENTO DETERMINADO PELO DESPACHO SERES/MEC Nº 97/015, DE /1/015, PUBLICADO NO DOU DE 3/1/015, SEÇÃO 1, PÁG. 70. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação

Leia mais

CAMPEONATO DE ESTRADA DO FAIAL

CAMPEONATO DE ESTRADA DO FAIAL 1 INDICE Competição Pág. CAMPEONATO DE ESTRADA DO FAIAL 3 TAÇA ADIF VEL/BARR E TAÇA ADIF SALTOS 4 1ª PROVA OBSERVAÇÃO INVERNO ADIF + TORNEIO DE BENJAMINS 6 CAMPEONATO CORTA-MATO DO FAIAL 1ª 7 TORNEIO DE

Leia mais

#PESQUISA CONEXÃO ABAP/RS E O MERCADO PUBLICITÁRIO GAÚCHO NOVEMBRO DE 2015

#PESQUISA CONEXÃO ABAP/RS E O MERCADO PUBLICITÁRIO GAÚCHO NOVEMBRO DE 2015 #PESQUISA CONEXÃO ABAP/RS E O MERCADO PUBLICITÁRIO GAÚCHO NOVEMBRO DE 2015 Metodologia e Perfil da Amostra Quem entrevistamos, como e onde? Perfil Objetivos Tomadores de decisão em Agências de Propaganda

Leia mais

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

Abstract Key-words 1. Introdução

Abstract Key-words 1. Introdução Faculdades Integradas de Itararé FAFIT-FACIC Itararé SP Brasil v. 02, n. 01, jan./jun. 2011, p. 01-13. REVISTA ELETRÔNICA FAFIT/FACIC A carga de treinamento e competição dos tenistas infantis paranaenses:

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

EDITAL Nº 01/ 2014 EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE.

EDITAL Nº 01/ 2014 EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CARDIOLOGIA E EPIDEMIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIA EM SAÚDE - IATS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

VOLUME 3 / 7 RELATÓRIO FINAL DE RESULTADOS SEGMENTO: USUÁRIOS DE TELEFONES RESIDENCIAIS (STFC-R)

VOLUME 3 / 7 RELATÓRIO FINAL DE RESULTADOS SEGMENTO: USUÁRIOS DE TELEFONES RESIDENCIAIS (STFC-R) VOLUME 3 / 7 RELATÓRIO FINAL DE RESULTADOS SEGMENTO: USUÁRIOS DE TELEFONES RESIDENCIAIS (STFC-R) CONTRATANTE: AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL EXECUTANTES: FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Atualizado em 02/07/15 Pág.: 1/9 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Índice de nacionalização... 3 2. Objetivo da planilha... 4 3. O preenchimento

Leia mais

Tipologia dos Escritórios de Projeto

Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Negócio Todos sabemos que conduzir projetos é muito mais do que uma arte e que ao Gerente de Projetos cabe a responsabilidade de gerenciar

Leia mais

paulinhaven@hotmail.com Introdução

paulinhaven@hotmail.com Introdução DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NO ENSINO DE BIOLOGIA: REFLEXÃO A PARTIR DE SUBSTRATOS TEÓRICOS E PESQUISAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE PARNAÍBA/PI 1 Ana Paula Costa do Nascimento 1 Nailton de Souza

Leia mais

Práticas de linguagem: textos e contextos da escrita na educação infantil

Práticas de linguagem: textos e contextos da escrita na educação infantil Práticas de linguagem: textos e contextos da escrita na educação infantil Profª. Ms. Maria Cecília Nobrega de Almeida Augusto 17 e 18/05/2011 Pensando a escrita para os pequenos e seus: Contextos Textos

Leia mais

PRINCIPAL ETIOLOGIA DE AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL EM PACIENTES ATENDIDOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FAG

PRINCIPAL ETIOLOGIA DE AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL EM PACIENTES ATENDIDOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FAG PRINCIPAL ETIOLOGIA DE AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL EM PACIENTES ATENDIDOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FAG INTRODUÇÃO MUHLEN,CAMILA SCAPINI.¹ TAGLIETTI, MARCELO.² Faculdade Assis Gurgacz-FAG, Cascavel-PR, Brasil

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER ANDRADINA/SP 2016 NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO E O PORTE DAS COOPERATIVAS MÉDICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS

A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO E O PORTE DAS COOPERATIVAS MÉDICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS XXVIENANGRAD A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO E O PORTE DAS COOPERATIVAS MÉDICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS Marco Aurélio Ramos Jussara Fernanda Costa Cristiana Fernandes DeMuyldër Lousanne

Leia mais

EMPRESAS 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.6

EMPRESAS 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.6 II EMPRESAS 2.1 Termo de Adesão 2.2 Formulário de Identificação 2.3 Autorização de uso de imagem organizacional 2.4 Autorização de uso de imagem pessoal 2.5 Questionário 2.6 Diretrizes para o envio de

Leia mais

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Sandra Terumi Yoshino 1 1. Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e pós graduada em Enfermagem em

Leia mais

TÉNIS. As pessoas que apostam responsavelmente certificam-se que conhecem todas as particularidades do evento em que irão apostar.

TÉNIS. As pessoas que apostam responsavelmente certificam-se que conhecem todas as particularidades do evento em que irão apostar. TÉNIS As pessoas que apostam responsavelmente certificam-se que conhecem todas as particularidades do evento em que irão apostar. Elas decidem com antecedência quanto tempo e dinheiro querem gastar. Jogar

Leia mais

Minuta de Instrução Normativa

Minuta de Instrução Normativa Minuta de Instrução Normativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº [NÚMERO], DE Dispõe sobre o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (Paint), os aspectos relativos aos trabalhos de auditoria e o Relatório Anual

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E COMPORTAMENTO

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E COMPORTAMENTO UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E COMPORTAMENTO PÓS-TRATAMENTO DA CLASSE II MANDIBULAR TRATADA COM BIONATOR DE BALTERS Dissertação apresentada ao

Leia mais