ANÁLISE DOS NÍVEIS MOTIVACIONAIS DE ATLETAS DA MODALIDADE ATLETISMO NOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS NÍVEIS MOTIVACIONAIS DE ATLETAS DA MODALIDADE ATLETISMO NOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DO PARANÁ"

Transcrição

1 ANÁLISE DOS NÍVEIS MOTIVACIONAIS DE ATLETAS DA MODALIDADE ATLETISMO NOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DO PARANÁ William Fernando Garcia (UEM/UNINGÁ), Vanderlei Alves de Almeida Junior (UEM), Marcus Vinícius Mizoguchi (UEM), Renan Codonhato (UEM), Lenamar Fiorese Vieira (UEM) RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar os níveis motivacionais de atletas nos Jogos Universitários do Paraná na modalidade atletismo. A amostra foi composta por 63 atletas de ambos os sexos com idade entre 18 e 29 anos inscritos na competição durante os 54 Jogos Universitários do Paraná. Como instrumento utilizou-se a Escala de Motivação para o Esporte e uma ficha de identificação do atleta. Para análise dos dados foram utilizados os testes de Shapiro Wilk e Levene. Sequencialmente foram utilizados os testes, ANOVA de medidas repetidas e Teste t para amostras independentes. Os resultados demonstram que os atletas apresentaram escores mais elevados para as subescalas de motivação intrínseca estimulação, conhecimento e realização, em seguida as subescalas de motivação extrínseca introjetada, identificação e externa e por ultimo a amotivação. A amotivação foi mais elevada nos atletas de baixo nível competitivo (p=0,003), enquanto que a motivação intrínseca realização (p=0,025) e motivação intrínseca conhecimento (p=0,003) apresentaram escores mais elevados para atletas de alto nível competitivo. Concluiu-se que atletas universitários da modalidade atletismo apresentam alto índice de motivação intrínseca, sendo que os atletas de alto nível competitivo apresentaram maiores escores de motivação intrínseca e menores escores de amotivação. Palavras-chave: esporte; motivação; atletismo. INTRODUÇÃO A trajetória histórica do desenvolvimento do esporte universitário, seu surgimento e consolidação coincidiram ao longo das décadas com a organização da prática esportiva contemporânea. A primeira competição universitária aconteceu na Europa em 1829 e a partir daí mais competições ocorrerão na Europa e nos Estados Unidos, No Brasil destacaram-se o surgimento das primeiras organizações estudantis e das primeiras competições no início dos anos 30. Mais tarde, na década de 50 iniciam-se as primeiras competições universitárias no estado do Paraná (TOLEDO, 2006; STAREPRAVO, 2006). Atualmente, o esporte universitário no estado do Paraná apresenta-se consolidado socialmente enquanto prática esportiva destinada a alunos das instituições de ensino superior, tanto para alunos praticantes de modalidades esportivas com caráter recreativo, como para alunos atletas que competem no âmbito profissional. Em detrimento a tal perspectiva, compreender os mecanismos motivacionais que estimulam os alunos/atletas a aderirem à prática esportiva universitária se faz necessário no sentido de adequar as práticas esportivas às realidades e anseios dos atletas tanto ao que se refere à participação quanto a busca pelo sucesso esportivo. Para compreender tais mecanismos, a teoria da autodeterminação proposta por Deci e Ryan

2 (1985), defende que os objetivos inerentes à motivação podem variar de uma pessoa para outra, organizando-se como um continuum entre a motivação intrínseca e extrínseca. Atualmente, algumas pesquisas já investigaram os aspectos motivacionais no contexto esportivo universitário (BALBINOTTI et al., 2012; BARROSO et al., 2007; SILVA, MACHADO e DIAS, 2014), entretanto observa-se uma lacuna na literatura onde não foram encontrados estudos que tenham investigado níveis motivacionais em atletas universitários do Paraná, sobretudo aqueles participantes da modalidade atletismo. Alguns estudos têm sido realizados investigando o papel dos fatores motivacionais em práticas esportivas de jovens atletas, bem como investigando os aspectos motivacionais no contexto do atletismo (BOMFIM, 2008; FRANCO, 2010). No contexto do esporte universitário, pesquisas recentes envolvendo aspectos motivacionais dos participantes, destacaram como fatores motivacionais o prazer, diversão, afiliação, aptidão física, aspectos técnicos, satisfação, bem estar e alegria (BARROSO et al., 2007; SILVA, MACHADO e DIAS, 2014). Em ambos os estudos têm-se notado uma despretensão com o esporte no âmbito do rendimento, revelando a abordagem da competição com uma perspectiva participativa (BALBINOTTI et al., 2012). Espera-se que no contexto do atletismo universitário paranaense encontrem-se atletas com alto índice de motivação intrínseca, sobretudo aqueles atletas de alto nível competitivo e mais experientes, em que a modalidade atletismo é a principal prática esportiva do sujeito. No eixo temático da presente contextualização, essa pesquisa visa analisar os níveis motivacionais de atletas nos Jogos Universitários do Paraná na modalidade de atletismo, bem como considerar os níveis motivacionais em função do nível competitivo. METODOLOGIA Fizeram parte do estudo 63 atletas, de ambos os sexos com idade entre 18 e 29 anos, participantes dos 54 Jogos Universitários do Paraná, realizado na cidade de Cianorte/PR no ano de Como critérios de inclusão da pesquisa o atleta deveria estar inscritos na modalidade de atletismo e deveria assinar o TCLE. Questionários incompletos e com preenchimento incorreto foram enquadrados dentro dos critérios de exclusão. Como instrumento de medida foi utilizada a Escala de motivação para o Esporte (PELLETIER et al., 1995), adaptada para o português por Serpa, Alves e Barreiros (2004). O instrumento é composto por 28 questões, em que são distribuídas em sete sub escalas, das quais três sub escalas para avaliar a motivação intrínseca (estimulação, realização e conhecimento), três sub escalas para avaliar a motivação extrínseca (externa, introjetada e identificação) e uma para avaliar a amotivação. por uma escala do tipo Likert de 7 pontos variando de 1 (não corresponde a nada) a 7 pontos (corresponde exatamente). Ressalta-se ainda que quanto mais elevados os resultados maior, nível de motivação naquela sub escala. Para classificação do nível competitivo dos atletas investigados na pesquisa, foi elaborada uma ficha de identificação contendo seis questões em uma escala tipo Likert de 7 pontos variando

3 de 1 (não corresponde) a 7 pontos (corresponde exatamente), de caráter informativo. A ficha abordava questões relativas à identificação do atleta como participante exclusivo da modalidade de atletismo, expectativas de desempenho, nível competitivo do atleta (em relação à participação de competições oficiais de atletismo), resultados competitivos no atletismo ao longo de sua prática, atletas que participam da modalidade de atletismo como uma prática secundária ou sem fins de desempenho competitivo. Os atletas foram analisados como Alto nível competitivo ou Baixo nível competitivo de acordo com a classificação pré-estabelecida pelos pesquisadores. Para fins de coleta de dados o projeto inicialmente foi enviado à Federação Paranaense de Desporto Universitário (FPDU) para que fosse dada autorização pelo órgão organizador do evento para a realização da pesquisa, posteriormente o projeto foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Estadual de Maringá, tendo sido aprovado sob parecer n /2014. Após aprovação do projeto, foram feitas as coletas de dados nos Jogos Universitários do Paraná no ano de 2014 entre os dias 05 a 11/09. As coletas foram realizadas individualmente nos locais de competição da modalidade atletismo, de modo que os atletas levaram em média 15 minutos para responder ao questionário. Para análise dos dados foram utilizados os testes de Shapiro Wilk e Levene para verificação de normalidade e homogeneidade respectivamente. Sequencialmente foram utilizados os testes, ANOVA de medidas repetidas com post-hoc de Bonferroni e Teste t para amostras independentes. Foi adotado p<0,05 como significância e utilizou-se o pacote estatístico IBM SPSS Statistics 20 para as análises. RESULTADOS A Tabela 1 apresenta a comparação dos escores das subescalas de motivação dos atletas participantes da modalidade de atletismo dos Jogos Universitários do Paraná. Tabela 1. Comparação das subescalas de motivação dos atletas participantes dos Jogos Universitários do Paraná da modalidade atletismo (n=63) Sub-escalas (Sd) Amotivação 2,63 (1,32) Motivação Extrínseca externa 3,66 (1,50) c Motivação Extrínseca introjetada 4,47 (1,31) b Motivação Extrínseca identificação 4,46 (1,47) b Motivação Intrínseca estimulação 5,53 (1,11) a Motivação Intrínseca realização 5,12 (1,25) a Motivação intrínseca conhecimento 5,18 (1,16) a a= Dif. est. sig. (p<0,05) para as demais sub-escalas de motivação extrínseca e amotivação b= Dif. est. sig. (p<0,05) para motivação extrínseca externa e amotivação c= Dif. est. sig. (p<0,05) para amotivação Observou-se na Tabela 1, que as médias das sub escalas de motivação intrínseca Estimulação 5,53(1,11), Conhecimento 5,18(1,16) e Realização 5,12(1,25) foram

4 significativamente maiores quando comparados com as médias das sub escalas de motivação extrínseca Introjetada 4,47(1,31), identificação 4,46 (1,47), externa 3,66(1,50) e amotivação 2,63(1,32). Da mesma forma, os escores das motivações extrínsecas identificação e introjetada se mostraram superiores quando comparados com a motivação extrínseca externa e amotivação. Ainda, a motivação extrínseca externa mostrou-se significativamente maior quando comparada com a amotivação. A Tabela 2, apresenta a comparação das sub-escalas de motivação em função do nível competitivo dos atletas. Tabela 2. Comparação das sub-escalas de motivação em função do nível competitivo de atletas participantes dos Jogos Universitários do Paraná Baixo nível competitivo Alto nível competitivo Sub-escalas p (Sd) (Sd) Amotivação 3,29 (1,09) 2,40 (1,32) 0,003* Motivação Extrínseca externa 3,64 (1,42) 3,67 (1,54) 0,937 Motivação Extrínseca introjetada 4,57 (4,87) 4,43 (4,00) 0,698 Motivação Extrínseca identificação 4,17 (1,60) 4,55 (1,43) 0,375 Motivação Intrínseca estimulação 5,07 (1,19) 5,69 (1,05) 0,054 Motivação Intrínseca realização 4,48 (1,29) 4,99 (1,18) 0,025* Motivação Intrínseca conhecimento 4,43 (1,15) 5,43 (1,06) 0,003* p<0,05* Os resultados revelaram diferenças estatisticamente significativas dos níveis de motivação em função do nível competitivo, sendo os atletas de baixo nível competitivo mais desmotivados quando comparados aos pares de alto nível competitivo (p=0,003). Ainda, foram observados valores superiores de motivação intrínseca nas dimensões de conhecimento e realização para os atletas de alto nível competitivo. Na Motivação Intrínseca de conhecimento observou-se que a média para atletas de baixo nível competitivo foi de 4,43(1,15) enquanto que para atletas de alto nível competitivo de foi de 5,43(1,06) (p=0,003). Para a Motivação Intrínseca Realização os atletas de baixo nível competitivo apresentaram escore médio de 4,48(1,29) enquanto os atletas de alto nível competitivo apresentaram valores médios de 4,99(1,18) (p=0,025). CONCLUSÕES Concluiu-se que os atletas universitários da modalidade atletismo apresentam alto índice de motivação intrínseca seguida pela motivação extrínseca, e, em se tratando da amotivação observou-se um baixo índice para os participantes dos jogos universitários de maneira geral. Quando comparados os escores de motivação em função do nível competitivo, foi possível observar que os atletas de alto nível mostraram-se mais motivados intrinsecamente e menos desmotivados em comparação aos atletas de baixo índice competitivo.

5 MOTIVATIONAL LEVEL ANALYSIS OF ATHLETICS ATHLETES IN PARANÁ UNIVERSITY GAMES ABSTRACT The aim of this study is to analyze the motivational level of athletes at the Paraná University Games in athletics mode. The sample was composed by 63 athletes of both sexes, with ages between 18 to 29 years old registrated at the competition held during the 54 Paraná University Games. As an instrument it was used the Sport Motivation Scale and an athlete identification form. Data analysis was performed using Shapiro Wilk and Levine testing. Then, it was used the ANOVA test of repeated measurement and independent sample T test. Results show that athletes had higher scores for intrinsic motivation subscales, such as stimulation, knowledge and achievement, then, extrinsic motivation subscales introjected, identification, and finally, amotivation. Amotivation was higher in low competitive level (p=0,003), while achievement intrinsic motivation (p=0,025) and knowledge intrinsic motivation (p=0,003) had higher scores in high competitive level athletes. It was concluded that athletic university atlhetes had high intrinsic motivation level, wherein, high competitive level athletes had higher scores of intrinsic motivation and low amotivation scores. Key words: sport; motivation; athletics. REFERÊNCIAS BALBINOTTI, M. A. A; JUCHEM, L.; BARBOSA, M. L. L.; SALDANHA, R. P.; BALBINOTTI, C. A. A. Qual é o perfil motivacional característico de tenistas infanto-juvenis brasileiros? Motriz. V.18, n. 4, p , BARROSO, M. L. C. Motivos de prática de esportes coletivos universitários em Santa Catarina TCC (Graduação) - Curso de Educação Física, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, BOMFIM, A. Fatores motivacionais dos triplistas participantes do XXVII Troféu Brasil de Atletismo TCC (Graduação) Curso de Educação Física, Faculdade Estadual de Educação, Ciências e Letras de Paranavaí, Paranavaí, DECI, E. L.; RYAN, R. M. Intrinsic motivation and self-determinations in human behavior. Nova Iorque: Plenum, FRANCO, K. N. Comparação de Fatores Motivacionais entre Corredores de rua de equipes e individuais Monografia (Especialização) - Curso de Educação Física, Departamento de Escola Superior de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, SERPA, S.; ALVES, P.; BARREIROS, A. Versão portuguesa da Sport Motivational Scale (SMS) e da Sport Academic Scale (AMS): processos de tradução, adaptação e fiabilidade Tese (Doutorado) - Faculdade de Motricidade Humana, Laboratório de Psicologia do Desporto, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, Portugal, SILVA, L. L.; MACHADO, R. P. T.; DIAS, P. S. Fatores motivacionais para a prática do desporto universitário: Factores motivacionales para la práctica del deporte universitario. Efdeportes.com. n. 191, STAREPRAVO, F. A.; REIS, L.J.A.; MEZZADRI, F. M.; MARCHI JUNIOR, W. O esporte universitário no Brasil: Uma interpretação a partir da legislação esportiva. Esporte e Sociedade. n.14, 2010.

6 TOLEDO, R. Gestão do Esporte Universitário: Uma importante estratégia de marketing para as universidades. São Paulo: Aleph, 2006.

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS DOS ALUNOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Luciane Cristina Arantes da Costa (Programa de Pós Graduação em Educação Física, Grupo de pesquisa Pró-Esporte,

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social MOTIVAÇÃO ACADÊMICA E ORIENTAÇÃO DE VIDA EM UNIVERSITÁRIOS PARANAENSES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA José Roberto Andrade do Nascimento Junior (Programa de Pós Graduação em Educação Física, Grupo de pesquisa

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA AUTOR(ES):

Leia mais

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas * Acadêmica do Curso de Educação Física - DEF/CDS/UFSC ** Profª Drª do Departamento de Educação

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto e Educação

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I Federação: Federação Portuguesa de Jiu-Jitsu Brasileiro (FPJJB) Modalidade/Disciplina: Jiu Jitsu Brasileiro Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 8 horas Componente

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA DE ATLETAS DE AMBOS OS SEXOS, DE 16 A 18 ANOS, PARTICIPANTES DE ESPORTES COMPETITIVOS.

ANÁLISE COMPARATIVA DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA DE ATLETAS DE AMBOS OS SEXOS, DE 16 A 18 ANOS, PARTICIPANTES DE ESPORTES COMPETITIVOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA DE ATLETAS DE AMBOS OS SEXOS, DE 16 A 18 ANOS, PARTICIPANTES

Leia mais

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA Carla Cristina Marinho Sadao Omote Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, campus de Marília Eixo Temático:

Leia mais

ANEXO II FICHA DE AVALIAÇÃO DO CURRÍCULO DO PROPONENTE Pontuação Comprovante Válido Por item Máxima Obtida Formação acadêmica (não cumulativo)

ANEXO II FICHA DE AVALIAÇÃO DO CURRÍCULO DO PROPONENTE Pontuação Comprovante Válido Por item Máxima Obtida Formação acadêmica (não cumulativo) Item de avaliação 1. Diploma de doutorado, obtido em programa de pós-graduação reconhecido pela CAPES ANEXO II FICHA DE AVALIAÇÃO DO CURRÍCULO DO PROPONENTE Pontuação Comprovante Válido Por item Máxima

Leia mais

JOGO (OUT 2016) - PORTO

JOGO (OUT 2016) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (OUT 2016) - PORTO Neste curso completo de 24 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

Curriculum Vitae. Identificação

Curriculum Vitae. Identificação Curriculum Vitae Identificação Nome: José Francisco Nunes Guilherme Data de nascimento: 03/12/1960 Residência: Urbanização da Tavagueira, lote 5 R/C B Guia 8200-427 Albufeira Telemóvel: 969727947 Email:

Leia mais

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros.

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros. REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DE GRAU I (Resumo) 1. Carga Horária O Curso de Treinadores de Atletismo de Grau I passa a englobar na sua componente curricular, para além das matérias gerais do treino desportivo

Leia mais

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO FIL02457 - FILOSOFIA POLÍTICA I (60 h, OBR) O homem e sua ação política. A noção de polis no pensamento grego antigo e seus desdobramentos

Leia mais

SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS NO ESPORTE ADAPTADO: PERCEPÇÃO DE ATLETAS PARANAENSES DE BASQUETE EM CADEIRA DE RODAS

SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS NO ESPORTE ADAPTADO: PERCEPÇÃO DE ATLETAS PARANAENSES DE BASQUETE EM CADEIRA DE RODAS SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS NO ESPORTE ADAPTADO: PERCEPÇÃO DE ATLETAS PARANAENSES DE BASQUETE EM CADEIRA DE RODAS Andressa R. Contreira (UEM), Caio R. Moreira (UEM), Vandressa T. Ribeiro

Leia mais

Motivos, interesses e atitudes para a prática físico-desportiva dos universitários de educação física

Motivos, interesses e atitudes para a prática físico-desportiva dos universitários de educação física Motivos, interesses e atitudes para a prática físico-desportiva dos universitários de educação física CDD. 20.ed. 159 613.7 796.011 Silvia Regina DESCHAMPS * Rejane PAROLI ** Luiz Antônio DOMINGUES FILHO

Leia mais

Página 2 em diante devem estar contemplados os seguintes itens:

Página 2 em diante devem estar contemplados os seguintes itens: 1 TEMPLATE - Projeto de pesquisa FORMATAÇÃO Fonte: Texto: Arial ou Times New Roman, tamanho 12. Títulos: Arial ou Times New Roman, tamanho 14, negrito Espaço: duplo Margens: 2,5 cm em todas as margens

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa dos Surdos - 2015. Art.

Leia mais

XXIX CONGRESSO BRASILEIRO DOS ESTUDANTES DE MEDICINA

XXIX CONGRESSO BRASILEIRO DOS ESTUDANTES DE MEDICINA XXIX CONGRESSO BRASILEIRO DOS ESTUDANTES DE MEDICINA EDITAL DE SELEÇÃO DE PÔSTER A Comissão Organizadora do XXIX Congresso Brasileiro dos Estudantes de Medicina (COBREM) composta por estudantes de medicina

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar ÍNDICE Artigo 1.º Definição 3 Artigo 2.º Princípios e objetivos 3 Artigo 3.º Coordenação e constituição 4 Artigo 4.º Competências do coordenador 4 Artigo 5.º Atividades

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Extensão e Cultura

Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Critérios para submissão e análise de trabalhos a serem apresentados no III Seminário Internacional de Extensão Universitária e DISPOSIÇÕES

Leia mais

Costa Marques, Cátia Andreia. Rua Dr. Aurélio Ribeiro, n.º 40 Linhaceira Asseiceira TMR Telemóvel

Costa Marques, Cátia Andreia. Rua Dr. Aurélio Ribeiro, n.º 40 Linhaceira Asseiceira TMR Telemóvel Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Rua Dr. Aurélio Ribeiro, n.º 40 Linhaceira 2305-114 Asseiceira TMR Telemóvel +351 913638035 Correio eletrónico cacmarques.05@gmail.com

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Páginas

LISTA DE TABELAS. Páginas i AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus em quem acreditei e que me proporcionou a possibilidade de conhecer o verdadeiro sentido da fé, e que me ajudou a conquistar este título. A minha orientadora professora

Leia mais

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF Critérios indicativos à Bolsa Atleta de Natação conforme Reunião da Diretoria da FDA/DF e técnicos filiados, realizada no dia 03 de fevereiro de 2016. I BOLSA ATLETA OLÍMPICA 1.1- O atleta de natação só

Leia mais

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES CAPITULO VI CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Neste capítulo iremos apresentar as conclusões do presente estudo, tendo também em conta os resultados e a respectiva discussão, descritas no capítulo

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 263 versão eletrônica RELAÇÃO ANSIEDADE ESTADO E DESEMPENHO DOS GOLEIROS DE FUTSAL NAS OLIMPÍADAS ESCOLARES Anselmo da Silva 1 RESUMO O fator ansiedade vem sendo objeto de constante pesquisa e estudo na

Leia mais

Apoio Social, Expectativas e Satisfação com o Parto em Primíparas com e sem Preparação para o Parto

Apoio Social, Expectativas e Satisfação com o Parto em Primíparas com e sem Preparação para o Parto ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO TEÓRICO 5 1 - O processo de transição à maternidade 5 1.1 - Factores que influenciam a transição para a maternidade 8 1.1.1 - Características Pessoais 8 1.1.2

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1º A competição será para alunos devidamente matriculados na Instituição de Ensino - Univale. ART. 2º As pessoas físicas que participarem do evento consideradas

Leia mais

Gala do Desporto 2012

Gala do Desporto 2012 Gala do Desporto 2012 Reunião de Câmara 05-Nov-2012 Índice 1. Introdução... 3 2. Destinatários... 3 3. Processo e prazo de candidatura... 3 4. Processo de seleção... 3 5. Critérios de seleção... 4 7. Exceções...

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS CIENTÍFICOS PARA III ENCONTRO PIBID DA UniRV

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS CIENTÍFICOS PARA III ENCONTRO PIBID DA UniRV PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID UNIVERSIDADE DE RIO VERDE UniRV Pró-Reitoria de Graduação EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS CIENTÍFICOS PARA III ENCONTRO PIBID DA UniRV III Encontro

Leia mais

Ana Alexandra da Costa Castro Neto

Ana Alexandra da Costa Castro Neto A COMPREENSÃO DAS METÁFORAS UM ESTUDO PSICOLINGUÍSTICO Ana Alexandra da Costa Castro Neto Mestrado em Linguística Área de especialização: Psicolinguística Departamento de Linguística Geral e Românica Faculdade

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

1º CAMPEONATO INTERNO DA UNIOESTE CAMPUS TOLEDO FUTEBOL SETE SINTÉTICO REGULAMENTO GERAL

1º CAMPEONATO INTERNO DA UNIOESTE CAMPUS TOLEDO FUTEBOL SETE SINTÉTICO REGULAMENTO GERAL 1º CAMPEONATO INTERNO DA UNIOESTE CAMPUS TOLEDO FUTEBOL SETE SINTÉTICO - 2010 - REGULAMENTO GERAL DAS FINALIDADES 1 O Campeonato Interno da Unioeste / Campus de Toledo tem por finalidade a integração e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA Fundada em 30-03-1925 www.afbeja.com FUTEBOL ENCONTRO DE ESCOLAS DE FORMAÇÃO 1. OBJETIVOS GERAIS 1.01. Possibilitar a todas as crianças da nossa Associação praticar futebol

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA

REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA Índice Introdução 3 Capítulo I Regulamentação Geral 4 1. Condições Gerais de Participação 4 2. Escalões Etários 4 Capítulo II Participação / Organização 4 3. Formas de Competição

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ESTAGIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM HISTORIA LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

REGIMENTO INTERNO DE ESTAGIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM HISTORIA LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO REGIMENTO INTERNO DE ESTAGIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM HISTORIA LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Dispõe sobre o cumprimento da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL 1 www.fpatletismo.pt III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL Organização da Carreira Desportiva no Atletismo 2 www.fpatletismo.pt Treino com Jovens: Análise da Situação Actual

Leia mais

Palavras-chave: bolsa atleta; futebol feminino; financiamento público.

Palavras-chave: bolsa atleta; futebol feminino; financiamento público. PROGRAMA FEDERAL BOLSA ATLETA E FUTEBOL FEMININO: UMA ANÁLISE NO NÚMERO DE CONCESSÕES E INVESTIMENTOS DE 2005 A 2015 SZEREMETA, Thaynara do Prado (Educação Física/UFPR) LUZ, Wallinson Ramos Sant ana da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO 2016/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO 2016/1 CAMPUS: Goiabeiras - CEFD CURSO: Educação Física PROGRAMA DE ENSINO 2016/1 HABILITAÇÃO: Licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL:

Leia mais

Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV

Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV O IEDUV traz para Vitória do Espirito Santo e em especial para o Brasil, o I Workshop Internacional de Ergonomia, neste

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL CURSO NACIONAL DE TREINADORES DE VOLEIBOL DE QUADRA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL CURSO NACIONAL DE TREINADORES DE VOLEIBOL DE QUADRA ANEXO 1 FORMULÁRIO PARA PEDIDO DE CURSOS DE TREINADORES DE VOLEIBOL DE QUADRA 1. Informações Gerais: FEDERAÇÃO / INSTITUIÇÃO: ENDEREÇO: CIDADE: ESTADO: CEP.: TELEFONES: FAX: CONTATO (Nome): 2. Dados Específicos:

Leia mais

O ESPORTE COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: SEUS MITOS, SUAS VERDADES E SUA REALIDADE CULTURAL, ECONÔMICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE ATUAL.

O ESPORTE COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: SEUS MITOS, SUAS VERDADES E SUA REALIDADE CULTURAL, ECONÔMICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE ATUAL. O ESPORTE COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: SEUS MITOS, SUAS VERDADES E SUA REALIDADE CULTURAL, ECONÔMICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE ATUAL. Prof. Mestre Gilberto Santiago Ferreira Macapá / AP Novembro

Leia mais

15º CIRCUITO CONCELHIO CIDADE DE LAGOS, EM ATLETISMO 2015/16 REGULAMENTO GERAL A. ORGANIZAÇÃO:

15º CIRCUITO CONCELHIO CIDADE DE LAGOS, EM ATLETISMO 2015/16 REGULAMENTO GERAL A. ORGANIZAÇÃO: 15º CIRCUITO CONCELHIO CIDADE DE LAGOS, EM ATLETISMO 2015/16 REGULAMENTO GERAL A. ORGANIZAÇÃO: A Câmara Municipal de Lagos, com a colaboração da Associação de Atletismo do Algarve, das Juntas de Freguesia

Leia mais

Pontos para Concurso Público para Docente do Magistério Superior Edital 01/2009

Pontos para Concurso Público para Docente do Magistério Superior Edital 01/2009 Desporto Coletivo 1. Origem e evolução do Desporto Coletivo no Brasil: histórico e tendências atuais 2. Processos pedagógicos de iniciação do Desporto Coletivo no contexto escolar 3. A utilização de equipamentos

Leia mais

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação

Leia mais

Faculdade AGES Colegiado de Direito Núcleo Docente Estruturante COORDENADORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE SELEÇÃO

Faculdade AGES Colegiado de Direito Núcleo Docente Estruturante COORDENADORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE SELEÇÃO COORDENADORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE SELEÇÃO O NDE NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DO COLEGIADO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - AGES, na pessoa do Prof. Me. LUCIANO SANTOS

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 10/2016

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 10/2016 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 10/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 10/2016 PREÂMBULO A Confederação Nacional de Municípios CNM, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 00.703.157/0001-83, com sede no SCRS 505, Bloco

Leia mais

ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO EM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA NOS JOGOS MUNDIAIS ESCOLARES

ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO EM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA NOS JOGOS MUNDIAIS ESCOLARES Recebido em: 14/3/2010 Emitido parece em: 22/3/2010 Artigo original ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO EM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA NOS JOGOS MUNDIAIS ESCOLARES Éricka Fonseca Sales, Kender Richard Moreira de Souza,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ESTATÍSTICA (20309)

Leia mais

XXV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES

XXV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES XXV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES TEMA: POLÍTICAS PÚBLICAS E O ENSINO DAS ARTES: ENTRE A FORMAÇÃO E A AÇÃO EM ARTES VISUAIS,

Leia mais

1.1. A Corrida e a Caminhada Viva Leve Asttter ocorrerá no dia 18 de setembro de 2016, conforme programação abaixo:

1.1. A Corrida e a Caminhada Viva Leve Asttter ocorrerá no dia 18 de setembro de 2016, conforme programação abaixo: Regulamento 1. Da data e horário do evento 1.1. A Corrida e a Caminhada Viva Leve Asttter ocorrerá no dia 18 de setembro de 2016, conforme programação abaixo: 07h00 Concentração dos atletas; 07h45 Alongamento

Leia mais

Centro Universitário Adventista de São Paulo - Campus EC Matriz Curricular do Curso de Letras - Licenciatura

Centro Universitário Adventista de São Paulo - Campus EC Matriz Curricular do Curso de Letras - Licenciatura Centro Universitário Adventista de São Paulo - Campus EC Matriz Curricular do Curso de Letras - Licenciatura Início: 2013 - CONSU 2012-41 de 29/11/2012 I Ano, I Semestre I Ano, II Semestre Teoria e Prática

Leia mais

Nível de ansiedade em jovens atletas de voleibol em situação pré-competitiva

Nível de ansiedade em jovens atletas de voleibol em situação pré-competitiva Nível de ansiedade em jovens atletas de voleibol em situação pré-competitiva Gabriela dos Santos * Gerard Maurício Martins Fonseca ** Resumo: O presente estudo se propõe a comparar o nível de ansiedade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA FASE DA ADOLESCÊNCIA ALEXANDRA SCHÜTZ

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA FASE DA ADOLESCÊNCIA ALEXANDRA SCHÜTZ 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE PSICOLOGIA A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA FASE DA ADOLESCÊNCIA ALEXANDRA SCHÜTZ Itajaí, (SC) 2007 ALEXANDRA

Leia mais

N Disciplina Nº CR C. H. Conteúdo Natureza. Introdução a EAD 4 60 DP Mód. 1 Obrigatória. Introdução à Filosofia 4 60 FG Mód.

N Disciplina Nº CR C. H. Conteúdo Natureza. Introdução a EAD 4 60 DP Mód. 1 Obrigatória. Introdução à Filosofia 4 60 FG Mód. Apresentação O curso de Filosofia licenciatura, na modalidade a distância, é resultado do desejo de iniciar um trabalho inter e multidisciplinar na qualificação de profissionais que atuam ou atuarão na

Leia mais

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR Giovanna Pereira de Souza 1 Milena Cristina de Souza Lopes Bujato 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E PERFIL MOTIVACIONAL DAS ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO E PERFIL MOTIVACIONAL DAS ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO NO BRASIL 0 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Mestrado Profissional em Saúde da Mulher, Criança e Adolescente MAURICIO LOBO GIUSTI CARACTERIZAÇÃO E PERFIL MOTIVACIONAL DAS ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO

Leia mais

NIVEL DE MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO DOS ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTSAL

NIVEL DE MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO DOS ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTSAL NIVEL DE MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO DOS ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTSAL RESUMO O objetivo deste estudo foi analisar o nível de motivação e satisfação atlética dos jogadores da seleção brasileira de

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12)

FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12) FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12) GURUPI TO MÊS, ANO. MODELO DE FOLHA DE ROSTO NOME DO ALUNO (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO

Leia mais

A Congregação da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia, no uso de suas atribuições, considerando que:

A Congregação da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia, no uso de suas atribuições, considerando que: PORTARIA 02 Estabelece critérios e escalas para aferição de na avaliação de títulos em concursos para Professor Adjunto da Faculdade de Farmácia da UFBA. A Congregação da Faculdade de Farmácia da Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES COMPLEXO ESPORTIVO 9ª COPA UNIVATES/DCE 2016 REGULAMENTO GERAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES COMPLEXO ESPORTIVO 9ª COPA UNIVATES/DCE 2016 REGULAMENTO GERAL CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES COMPLEXO ESPORTIVO 9ª COPA UNIVATES/DCE 2016 REGULAMENTO GERAL DA PROMOÇÃO E ORGANIZAÇÃO: A promoção e a organização são do Centro Universitário UNIVATES/Complexo Esportivo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PARA ASSUNTOS EDUCACIONAIS PLANO DE ENSINO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PARA ASSUNTOS EDUCACIONAIS PLANO DE ENSINO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PARA ASSUNTOS EDUCACIONAIS DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA Código: UR2024 Semestre letivo e ano em que será ministrada: 2º/2012 I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Ferramentas da Qualidade. Qualidade. Revisão Bibliográfica.

Palavras-chave: Ferramentas da Qualidade. Qualidade. Revisão Bibliográfica. ANÁLISE DE APLICAÇÕES DAS SETES FERRAMENTAS DA QUALIDADE: UMA ABORDAGEM TEÓRICA Raphaelly Antunes Alves¹, Paulo Henrique Paulista² (1) Acadêmico do curso de Engenharia de Produção do Centro Universitário

Leia mais

ANSIEDADE EM BAILARINOS PROFISSIONAIS NAS APRESENTAÇÕES DE DANÇA

ANSIEDADE EM BAILARINOS PROFISSIONAIS NAS APRESENTAÇÕES DE DANÇA 146 ANSIEDADE EM BAILARINOS PROFISSIONAIS NAS APRESENTAÇÕES DE DANÇA Ana Carolina Silva Constantino, Universidade de Pernambuco - UPe - Pernambuco Brasil Wagner Luiz Prado, Universidade de Pernambuco -

Leia mais

O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS DE SUCESSO DURANTE O PROCESSO DE TRANSIÇÃO PARA O CIRCUITO PROFISSIONAL

O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS DE SUCESSO DURANTE O PROCESSO DE TRANSIÇÃO PARA O CIRCUITO PROFISSIONAL O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS DE SUCESSO DURANTE O PROCESSO DE TRANSIÇÃO PARA O CIRCUITO PROFISSIONAL Gabriel Armondi Cavalin ESTÁCIO Sandro Conceição de Souza UNIVERSO Celso Ricardo de Santana GEPEDAM

Leia mais

PROJETO TRIATHLON FEF/UNICAMP

PROJETO TRIATHLON FEF/UNICAMP PROJETO TRIATHLON FEF/UNICAMP CAMPINAS - 2013 APRESENTAÇÃO O esporte é um fenômeno cada vez mais presente em nossa sociedade. Pessoas de diferentes classes sociais, diferentes culturas, diferentes credos

Leia mais

Forum da Disciplina de Ensino

Forum da Disciplina de Ensino Forum da Disciplina de Ensino Medicina Desportiva Maria João Cascais 7 de fevereiro de 2015 Medicina desportiva... a história Síria e Pérsia a equitação, pólo e hóquei 4000 e 2000 a.c. Índia no livro Ayur-Veda,1000

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 Abertura do Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade das Américas Artigo 1 o A Diretoria

Leia mais

E D I T A L Nº 01/2013, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2013

E D I T A L Nº 01/2013, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PRÓ-SAÚDE

Leia mais

Pesquisa de Campo:observações. Maria Rosangela Bez 2011

Pesquisa de Campo:observações. Maria Rosangela Bez 2011 Pesquisa de Campo:observações Maria Rosangela Bez 2011 Observação A observação engloba o conjunto da operações através das quais o modelo de análise é submetido ao teste dos fatos e confrontado com dados

Leia mais

V Grande Prémio de Atletismo de Almargem do Bispo

V Grande Prémio de Atletismo de Almargem do Bispo V Grande Prémio de Atletismo de Almargem do Bispo 17 DE JULHO DE 2016 REGULAMENTO UNIÃO DAS FREGUESIAS DE ALMARGEM DO BISPO, PERO PINHEIRO E MONTELAVAR Avenida D. Afonso Henriques, 2 2715-214 ALMARGEM

Leia mais

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO 1. Organização A organização da modalidade de Ténis de Mesa nos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2016 é da responsabilidade da, da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NORMAS FUNCIONAMENTO DA PISTA DE ATLETISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NORMAS FUNCIONAMENTO DA PISTA DE ATLETISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NORMAS FUNCIONAMENTO DA PISTA DE ATLETISMO Art. 1º - A pista de atletismo localizada no Centro de Educação Física e Desportos

Leia mais

Análise Discriminante

Análise Discriminante Universidade Técnica de Lisboa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Informática e Sistemas de Informação Aplicados em Economia Análise Discriminante Análise Discriminante 1 Análise discriminante - A

Leia mais

EDUCAÇÃO Física. Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães Informação-Prova de Equivalência à Frequência 2015/2016.

EDUCAÇÃO Física. Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães Informação-Prova de Equivalência à Frequência 2015/2016. EDUCAÇÃO Física Prova 26 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do 3.º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

1º Concurso de Boas Práticas: Educando na Sustentabilidade

1º Concurso de Boas Práticas: Educando na Sustentabilidade 1º Concurso de Boas Práticas: Educando na Sustentabilidade Regulamento 1 O Concurso 1.1 O Serviço Social da Indústria - SESI, pessoa jurídica de direito privado, inscrito no CNPJ/MF sob nº 03.802.018/0001-09,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 GABARITO PARA AVALIAÇÃO DE PROVA DE TÍTULOS CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES NÃO TITULARES NOME DO(A) CANDIDATO(A): DEPARTAMENTO: SETOR: Unidade Universitária: ÁREA OU MATÉRIA: GRUPO I Títulos universitários

Leia mais

REGULAMENTO ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO ORGANIZAÇÃO A mostra digital de diversidades culturais é uma idealização e realização da Área de Ciências Humanas e suas Tecnologias da Escola Técnica Machado de Assis. A primeira mostra digital

Leia mais

Elementos Pré-textuais. Elementos Textuais. O Relatório de Pesquisa (adaptado para artigo) Elementos Pós-textuais. Elementos Pré-textuais

Elementos Pré-textuais. Elementos Textuais. O Relatório de Pesquisa (adaptado para artigo) Elementos Pós-textuais. Elementos Pré-textuais ELEMENTOS ESTRUTURAIS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO Elementos Pré-textuais O Relatório de Pesquisa (adaptado para artigo) Elementos Pós-textuais Profª. Drª. Berenice Gonçalves Hackmann Elementos Pré-textuais

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DOS TORNEIOS ESCOLARES DE CORFEBOL

REGULAMENTO ESPECIFICO DOS TORNEIOS ESCOLARES DE CORFEBOL REGULAMENTO ESPECIFICO DOS TORNEIOS ESCOLARES DE CORFEBOL ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. ESCALÕES ETÁRIOS, BOLA, DURAÇÃO DO JOGO E VARIANTES DA MODALIDADE 2. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA 3. ARBITRAGEM 4. CLASSIFICAÇÃO,

Leia mais

2.1 As principais características dos desenhos de pesquisa quantitativos. Métodos e Técnicas de Pesquisa I/2015 Márcia Lima

2.1 As principais características dos desenhos de pesquisa quantitativos. Métodos e Técnicas de Pesquisa I/2015 Márcia Lima 2.1 As principais características dos desenhos de pesquisa quantitativos Métodos e Técnicas de Pesquisa I/2015 Márcia Lima Roteiro da Aula Métodos e Técnicas: distinções entre quantitativo e qualitativo

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR

ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Área Temática: Nutrição Renata Leia Demario Vieira (Coordenador da Ação de Extensão)

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITABILIDADE DE UMA BEBIDA A BASE DE FRUTA ENRIQUECIDA COM FERRO QUELATO

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITABILIDADE DE UMA BEBIDA A BASE DE FRUTA ENRIQUECIDA COM FERRO QUELATO TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITABILIDADE DE UMA BEBIDA A BASE DE FRUTA ENRIQUECIDA COM FERRO QUELATO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL Marcelo Odilon Cabral de Andrade / UFV Israel Teoldo da Costa / UFV marcelo.andrade@ufv.br ոո Palavras-chave: Tática,

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos - 2015. Art. 2º

Leia mais

MOTIVAÇÃO EM MULHERES PRATICANTES DE EXERCICIOS FISICOS EM ACADEMIAS DE MANDAGUARI PR

MOTIVAÇÃO EM MULHERES PRATICANTES DE EXERCICIOS FISICOS EM ACADEMIAS DE MANDAGUARI PR MOTIVAÇÃO EM MULHERES PRATICANTES DE EXERCICIOS FISICOS EM ACADEMIAS DE MANDAGUARI PR Jacqueline Cardoso (UEM), Danielle RossatoChrun (UEM), Andressa Pecin (UEM), Paulo Vitor Suto Aizava (UEM) RESUMO Este

Leia mais

!" # "$ %!" &" ' ( & )!" & )# * # +, & & ), % ) % " -' )#, ( ". %(,,$ " / ) 0 ( %" % &". "/ " "( " 1, % ( " $" * 2(,3" & 4564

! # $ %! & ' ( & )! & )# * # +, & & ), % ) %  -' )#, ( . %(,,$  / ) 0 ( % % &. /  (  1, % (  $ * 2(,3 & 4564 !"#"$%!"&"'(&)!"&)#*#+,&&),%)%"-')#, (".%(,,$"/)0(%" %&"."/""("1,%(" $"*2(,3"&4564 A dissertação foi elaborada de acordo com o novo acordo ortográfico. 2 Agradecimentos Quero agradecer à professora Doutora

Leia mais

CONFIRMAÇÃO DA IMPRECISÃO DE RESULTADOS ESTATÍSTICOS OBTIDOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EXCEL, ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO DE DADOS

CONFIRMAÇÃO DA IMPRECISÃO DE RESULTADOS ESTATÍSTICOS OBTIDOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EXCEL, ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO DE DADOS CONFIRMAÇÃO DA IMPRECISÃO DE RESULTADOS ESTATÍSTICOS OBTIDOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EXCEL, ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO DE DADOS LUCIANA DO NASCIMENTO LANCHOTE 1 Iniciação Científica, Bolsista CNPq, UFLA

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Desenvolvimento da Pesquisa

Desenvolvimento da Pesquisa Desenvolvimento da Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Modelo de Processo de Pesquisa Estratégias de Pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA EDITAL 002/2009: SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais