ANÁLISE DOS NÍVEIS MOTIVACIONAIS DE ATLETAS DA MODALIDADE ATLETISMO NOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS NÍVEIS MOTIVACIONAIS DE ATLETAS DA MODALIDADE ATLETISMO NOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DO PARANÁ"

Transcrição

1 ANÁLISE DOS NÍVEIS MOTIVACIONAIS DE ATLETAS DA MODALIDADE ATLETISMO NOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DO PARANÁ William Fernando Garcia (UEM/UNINGÁ), Vanderlei Alves de Almeida Junior (UEM), Marcus Vinícius Mizoguchi (UEM), Renan Codonhato (UEM), Lenamar Fiorese Vieira (UEM) RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar os níveis motivacionais de atletas nos Jogos Universitários do Paraná na modalidade atletismo. A amostra foi composta por 63 atletas de ambos os sexos com idade entre 18 e 29 anos inscritos na competição durante os 54 Jogos Universitários do Paraná. Como instrumento utilizou-se a Escala de Motivação para o Esporte e uma ficha de identificação do atleta. Para análise dos dados foram utilizados os testes de Shapiro Wilk e Levene. Sequencialmente foram utilizados os testes, ANOVA de medidas repetidas e Teste t para amostras independentes. Os resultados demonstram que os atletas apresentaram escores mais elevados para as subescalas de motivação intrínseca estimulação, conhecimento e realização, em seguida as subescalas de motivação extrínseca introjetada, identificação e externa e por ultimo a amotivação. A amotivação foi mais elevada nos atletas de baixo nível competitivo (p=0,003), enquanto que a motivação intrínseca realização (p=0,025) e motivação intrínseca conhecimento (p=0,003) apresentaram escores mais elevados para atletas de alto nível competitivo. Concluiu-se que atletas universitários da modalidade atletismo apresentam alto índice de motivação intrínseca, sendo que os atletas de alto nível competitivo apresentaram maiores escores de motivação intrínseca e menores escores de amotivação. Palavras-chave: esporte; motivação; atletismo. INTRODUÇÃO A trajetória histórica do desenvolvimento do esporte universitário, seu surgimento e consolidação coincidiram ao longo das décadas com a organização da prática esportiva contemporânea. A primeira competição universitária aconteceu na Europa em 1829 e a partir daí mais competições ocorrerão na Europa e nos Estados Unidos, No Brasil destacaram-se o surgimento das primeiras organizações estudantis e das primeiras competições no início dos anos 30. Mais tarde, na década de 50 iniciam-se as primeiras competições universitárias no estado do Paraná (TOLEDO, 2006; STAREPRAVO, 2006). Atualmente, o esporte universitário no estado do Paraná apresenta-se consolidado socialmente enquanto prática esportiva destinada a alunos das instituições de ensino superior, tanto para alunos praticantes de modalidades esportivas com caráter recreativo, como para alunos atletas que competem no âmbito profissional. Em detrimento a tal perspectiva, compreender os mecanismos motivacionais que estimulam os alunos/atletas a aderirem à prática esportiva universitária se faz necessário no sentido de adequar as práticas esportivas às realidades e anseios dos atletas tanto ao que se refere à participação quanto a busca pelo sucesso esportivo. Para compreender tais mecanismos, a teoria da autodeterminação proposta por Deci e Ryan

2 (1985), defende que os objetivos inerentes à motivação podem variar de uma pessoa para outra, organizando-se como um continuum entre a motivação intrínseca e extrínseca. Atualmente, algumas pesquisas já investigaram os aspectos motivacionais no contexto esportivo universitário (BALBINOTTI et al., 2012; BARROSO et al., 2007; SILVA, MACHADO e DIAS, 2014), entretanto observa-se uma lacuna na literatura onde não foram encontrados estudos que tenham investigado níveis motivacionais em atletas universitários do Paraná, sobretudo aqueles participantes da modalidade atletismo. Alguns estudos têm sido realizados investigando o papel dos fatores motivacionais em práticas esportivas de jovens atletas, bem como investigando os aspectos motivacionais no contexto do atletismo (BOMFIM, 2008; FRANCO, 2010). No contexto do esporte universitário, pesquisas recentes envolvendo aspectos motivacionais dos participantes, destacaram como fatores motivacionais o prazer, diversão, afiliação, aptidão física, aspectos técnicos, satisfação, bem estar e alegria (BARROSO et al., 2007; SILVA, MACHADO e DIAS, 2014). Em ambos os estudos têm-se notado uma despretensão com o esporte no âmbito do rendimento, revelando a abordagem da competição com uma perspectiva participativa (BALBINOTTI et al., 2012). Espera-se que no contexto do atletismo universitário paranaense encontrem-se atletas com alto índice de motivação intrínseca, sobretudo aqueles atletas de alto nível competitivo e mais experientes, em que a modalidade atletismo é a principal prática esportiva do sujeito. No eixo temático da presente contextualização, essa pesquisa visa analisar os níveis motivacionais de atletas nos Jogos Universitários do Paraná na modalidade de atletismo, bem como considerar os níveis motivacionais em função do nível competitivo. METODOLOGIA Fizeram parte do estudo 63 atletas, de ambos os sexos com idade entre 18 e 29 anos, participantes dos 54 Jogos Universitários do Paraná, realizado na cidade de Cianorte/PR no ano de Como critérios de inclusão da pesquisa o atleta deveria estar inscritos na modalidade de atletismo e deveria assinar o TCLE. Questionários incompletos e com preenchimento incorreto foram enquadrados dentro dos critérios de exclusão. Como instrumento de medida foi utilizada a Escala de motivação para o Esporte (PELLETIER et al., 1995), adaptada para o português por Serpa, Alves e Barreiros (2004). O instrumento é composto por 28 questões, em que são distribuídas em sete sub escalas, das quais três sub escalas para avaliar a motivação intrínseca (estimulação, realização e conhecimento), três sub escalas para avaliar a motivação extrínseca (externa, introjetada e identificação) e uma para avaliar a amotivação. por uma escala do tipo Likert de 7 pontos variando de 1 (não corresponde a nada) a 7 pontos (corresponde exatamente). Ressalta-se ainda que quanto mais elevados os resultados maior, nível de motivação naquela sub escala. Para classificação do nível competitivo dos atletas investigados na pesquisa, foi elaborada uma ficha de identificação contendo seis questões em uma escala tipo Likert de 7 pontos variando

3 de 1 (não corresponde) a 7 pontos (corresponde exatamente), de caráter informativo. A ficha abordava questões relativas à identificação do atleta como participante exclusivo da modalidade de atletismo, expectativas de desempenho, nível competitivo do atleta (em relação à participação de competições oficiais de atletismo), resultados competitivos no atletismo ao longo de sua prática, atletas que participam da modalidade de atletismo como uma prática secundária ou sem fins de desempenho competitivo. Os atletas foram analisados como Alto nível competitivo ou Baixo nível competitivo de acordo com a classificação pré-estabelecida pelos pesquisadores. Para fins de coleta de dados o projeto inicialmente foi enviado à Federação Paranaense de Desporto Universitário (FPDU) para que fosse dada autorização pelo órgão organizador do evento para a realização da pesquisa, posteriormente o projeto foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Estadual de Maringá, tendo sido aprovado sob parecer n /2014. Após aprovação do projeto, foram feitas as coletas de dados nos Jogos Universitários do Paraná no ano de 2014 entre os dias 05 a 11/09. As coletas foram realizadas individualmente nos locais de competição da modalidade atletismo, de modo que os atletas levaram em média 15 minutos para responder ao questionário. Para análise dos dados foram utilizados os testes de Shapiro Wilk e Levene para verificação de normalidade e homogeneidade respectivamente. Sequencialmente foram utilizados os testes, ANOVA de medidas repetidas com post-hoc de Bonferroni e Teste t para amostras independentes. Foi adotado p<0,05 como significância e utilizou-se o pacote estatístico IBM SPSS Statistics 20 para as análises. RESULTADOS A Tabela 1 apresenta a comparação dos escores das subescalas de motivação dos atletas participantes da modalidade de atletismo dos Jogos Universitários do Paraná. Tabela 1. Comparação das subescalas de motivação dos atletas participantes dos Jogos Universitários do Paraná da modalidade atletismo (n=63) Sub-escalas (Sd) Amotivação 2,63 (1,32) Motivação Extrínseca externa 3,66 (1,50) c Motivação Extrínseca introjetada 4,47 (1,31) b Motivação Extrínseca identificação 4,46 (1,47) b Motivação Intrínseca estimulação 5,53 (1,11) a Motivação Intrínseca realização 5,12 (1,25) a Motivação intrínseca conhecimento 5,18 (1,16) a a= Dif. est. sig. (p<0,05) para as demais sub-escalas de motivação extrínseca e amotivação b= Dif. est. sig. (p<0,05) para motivação extrínseca externa e amotivação c= Dif. est. sig. (p<0,05) para amotivação Observou-se na Tabela 1, que as médias das sub escalas de motivação intrínseca Estimulação 5,53(1,11), Conhecimento 5,18(1,16) e Realização 5,12(1,25) foram

4 significativamente maiores quando comparados com as médias das sub escalas de motivação extrínseca Introjetada 4,47(1,31), identificação 4,46 (1,47), externa 3,66(1,50) e amotivação 2,63(1,32). Da mesma forma, os escores das motivações extrínsecas identificação e introjetada se mostraram superiores quando comparados com a motivação extrínseca externa e amotivação. Ainda, a motivação extrínseca externa mostrou-se significativamente maior quando comparada com a amotivação. A Tabela 2, apresenta a comparação das sub-escalas de motivação em função do nível competitivo dos atletas. Tabela 2. Comparação das sub-escalas de motivação em função do nível competitivo de atletas participantes dos Jogos Universitários do Paraná Baixo nível competitivo Alto nível competitivo Sub-escalas p (Sd) (Sd) Amotivação 3,29 (1,09) 2,40 (1,32) 0,003* Motivação Extrínseca externa 3,64 (1,42) 3,67 (1,54) 0,937 Motivação Extrínseca introjetada 4,57 (4,87) 4,43 (4,00) 0,698 Motivação Extrínseca identificação 4,17 (1,60) 4,55 (1,43) 0,375 Motivação Intrínseca estimulação 5,07 (1,19) 5,69 (1,05) 0,054 Motivação Intrínseca realização 4,48 (1,29) 4,99 (1,18) 0,025* Motivação Intrínseca conhecimento 4,43 (1,15) 5,43 (1,06) 0,003* p<0,05* Os resultados revelaram diferenças estatisticamente significativas dos níveis de motivação em função do nível competitivo, sendo os atletas de baixo nível competitivo mais desmotivados quando comparados aos pares de alto nível competitivo (p=0,003). Ainda, foram observados valores superiores de motivação intrínseca nas dimensões de conhecimento e realização para os atletas de alto nível competitivo. Na Motivação Intrínseca de conhecimento observou-se que a média para atletas de baixo nível competitivo foi de 4,43(1,15) enquanto que para atletas de alto nível competitivo de foi de 5,43(1,06) (p=0,003). Para a Motivação Intrínseca Realização os atletas de baixo nível competitivo apresentaram escore médio de 4,48(1,29) enquanto os atletas de alto nível competitivo apresentaram valores médios de 4,99(1,18) (p=0,025). CONCLUSÕES Concluiu-se que os atletas universitários da modalidade atletismo apresentam alto índice de motivação intrínseca seguida pela motivação extrínseca, e, em se tratando da amotivação observou-se um baixo índice para os participantes dos jogos universitários de maneira geral. Quando comparados os escores de motivação em função do nível competitivo, foi possível observar que os atletas de alto nível mostraram-se mais motivados intrinsecamente e menos desmotivados em comparação aos atletas de baixo índice competitivo.

5 MOTIVATIONAL LEVEL ANALYSIS OF ATHLETICS ATHLETES IN PARANÁ UNIVERSITY GAMES ABSTRACT The aim of this study is to analyze the motivational level of athletes at the Paraná University Games in athletics mode. The sample was composed by 63 athletes of both sexes, with ages between 18 to 29 years old registrated at the competition held during the 54 Paraná University Games. As an instrument it was used the Sport Motivation Scale and an athlete identification form. Data analysis was performed using Shapiro Wilk and Levine testing. Then, it was used the ANOVA test of repeated measurement and independent sample T test. Results show that athletes had higher scores for intrinsic motivation subscales, such as stimulation, knowledge and achievement, then, extrinsic motivation subscales introjected, identification, and finally, amotivation. Amotivation was higher in low competitive level (p=0,003), while achievement intrinsic motivation (p=0,025) and knowledge intrinsic motivation (p=0,003) had higher scores in high competitive level athletes. It was concluded that athletic university atlhetes had high intrinsic motivation level, wherein, high competitive level athletes had higher scores of intrinsic motivation and low amotivation scores. Key words: sport; motivation; athletics. REFERÊNCIAS BALBINOTTI, M. A. A; JUCHEM, L.; BARBOSA, M. L. L.; SALDANHA, R. P.; BALBINOTTI, C. A. A. Qual é o perfil motivacional característico de tenistas infanto-juvenis brasileiros? Motriz. V.18, n. 4, p , BARROSO, M. L. C. Motivos de prática de esportes coletivos universitários em Santa Catarina TCC (Graduação) - Curso de Educação Física, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, BOMFIM, A. Fatores motivacionais dos triplistas participantes do XXVII Troféu Brasil de Atletismo TCC (Graduação) Curso de Educação Física, Faculdade Estadual de Educação, Ciências e Letras de Paranavaí, Paranavaí, DECI, E. L.; RYAN, R. M. Intrinsic motivation and self-determinations in human behavior. Nova Iorque: Plenum, FRANCO, K. N. Comparação de Fatores Motivacionais entre Corredores de rua de equipes e individuais Monografia (Especialização) - Curso de Educação Física, Departamento de Escola Superior de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, SERPA, S.; ALVES, P.; BARREIROS, A. Versão portuguesa da Sport Motivational Scale (SMS) e da Sport Academic Scale (AMS): processos de tradução, adaptação e fiabilidade Tese (Doutorado) - Faculdade de Motricidade Humana, Laboratório de Psicologia do Desporto, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, Portugal, SILVA, L. L.; MACHADO, R. P. T.; DIAS, P. S. Fatores motivacionais para a prática do desporto universitário: Factores motivacionales para la práctica del deporte universitario. Efdeportes.com. n. 191, STAREPRAVO, F. A.; REIS, L.J.A.; MEZZADRI, F. M.; MARCHI JUNIOR, W. O esporte universitário no Brasil: Uma interpretação a partir da legislação esportiva. Esporte e Sociedade. n.14, 2010.

6 TOLEDO, R. Gestão do Esporte Universitário: Uma importante estratégia de marketing para as universidades. São Paulo: Aleph, 2006.

ANÁLISE DOS MOTIVOS PARA A PRÁTICA DO ESPORTE ADAPTADO EM INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM MODALIDADES COLETIVAS E INDIVIDUAIS

ANÁLISE DOS MOTIVOS PARA A PRÁTICA DO ESPORTE ADAPTADO EM INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM MODALIDADES COLETIVAS E INDIVIDUAIS ANÁLISE DOS MOTIVOS PARA A PRÁTICA DO ESPORTE ADAPTADO EM INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM MODALIDADES COLETIVAS E INDIVIDUAIS Marcus Vinícius Mizoguchi(UFMT/UEM),Francieli Correa dos Santos Mandarino(UNIFAMA),

Leia mais

A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE TÊNIS: UM ESTUDO COM TENISTAS PARANAENSES DE CLASSES

A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE TÊNIS: UM ESTUDO COM TENISTAS PARANAENSES DE CLASSES A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE TÊNIS: UM ESTUDO COM TENISTAS PARANAENSES DE CLASSES Walter Carlos Galli Junior ESTÁCIO Caio Corrêa Cortela FPT/UFRGS Gabriel Henrique Treter Gonçalves PPGCMH/UFRGS Roberto

Leia mais

A MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA A MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Isabela de Paulo Sousa Ana Luiza Barbosa Anversa Patric Paludette Flores Vânia de Fátima Matias de Souza Luciane Cristina Arantes da Costa A motivação é o processo

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS DOS ALUNOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Luciane Cristina Arantes da Costa (Programa de Pós Graduação em Educação Física, Grupo de pesquisa Pró-Esporte,

Leia mais

MOTIVAÇÃO EM ATLETAS ESCOLARES

MOTIVAÇÃO EM ATLETAS ESCOLARES RESUMO MOTIVAÇÃO EM ATLETAS ESCOLARES KELLY CHRISTINE MACCARINI PANDOLFO 1 CATI RECKELBERG AZAMBUJA 2 ANCO MARCIO URACH DA ROSA 3 TATIANE MINUZZI 4 DANIELA LOPES DOS SANTOS 5 A motivação é fator indispensável

Leia mais

Análise dos níveis motivacionais dos corredores de rua de Bragança Paulista

Análise dos níveis motivacionais dos corredores de rua de Bragança Paulista Análise dos níveis motivacionais dos corredores de rua de Bragança Paulista Marcus Vinicius Mizoguchi, William Fernando Garcia, Patrik Felipe Nazario, Betina Mader Lara Resumo O objetivo deste estudo foi

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social MOTIVAÇÃO ACADÊMICA E ORIENTAÇÃO DE VIDA EM UNIVERSITÁRIOS PARANAENSES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA José Roberto Andrade do Nascimento Junior (Programa de Pós Graduação em Educação Física, Grupo de pesquisa

Leia mais

Análise dos motivos para a prática de indivíduos com deficiência em modalidades coletivas e individuais

Análise dos motivos para a prática de indivíduos com deficiência em modalidades coletivas e individuais Análise dos motivos para a prática de indivíduos com deficiência em modalidades coletivas e individuais Analysis of motives for practice of individuals with disability in individual and group sports Artigo

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

Dora Ferreira & Carla C. Borrego

Dora Ferreira & Carla C. Borrego Dora Ferreira & Carla C. Borrego Santarém, 9 de Fevereiro, 2012 No âmbito do futebol, as necessidades dos jogadores são muito variáveis. Ao longo da temporada, a conservação da motivação dos jogadores

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Página TABELA 1 Os melhores escores em cada variável TABELA 2 Análise de cluster (K-means)... 42

LISTA DE TABELAS. Página TABELA 1 Os melhores escores em cada variável TABELA 2 Análise de cluster (K-means)... 42 viii LISTA DE TABELAS Página TABELA 1 Os melhores escores em cada variável... 41 TABELA 2 Análise de cluster (K-means)... 42 TABELA 3 O cluster em que cada atleta se apresenta... 42 TABELA 4 O somatotipo

Leia mais

6º Congresso de Treinadores "Formação de Atletas em Portugal" Aldina Sofia Oliveira da Silva

6º Congresso de Treinadores Formação de Atletas em Portugal Aldina Sofia Oliveira da Silva 6º Congresso de Treinadores "Formação de Atletas em Portugal" Aldina Sofia Oliveira da Silva Formação de treinadores/as Aldina Sofia Oliveira da Silva Planeamento desportivo a longo prazo Balyi & Hamilton

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE DANÇA

MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE DANÇA MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE DANÇA Lucius Mendes Coltri (UNIOESTE), Verónica G. Silva Piovani (UNIOESTE) RESUMO O objetivo do trabalho foi identificar quais são as motivações que levam as pessoas a praticar

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA DE ATLETAS DE AMBOS OS SEXOS, DE 16 A 18 ANOS, PARTICIPANTES DE ESPORTES COMPETITIVOS.

ANÁLISE COMPARATIVA DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA DE ATLETAS DE AMBOS OS SEXOS, DE 16 A 18 ANOS, PARTICIPANTES DE ESPORTES COMPETITIVOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA DE ATLETAS DE AMBOS OS SEXOS, DE 16 A 18 ANOS, PARTICIPANTES

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7.

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7. 482 CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7. Pedro Emílio Drumond Moreira-UFMG Gibson Moreira Praça-UFVJM Pablo Juan Greco-UFMG pedrodrumondmoreira@hotmail.com

Leia mais

SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS NO ESPORTE ADAPTADO: PERCEPÇÃO DE ATLETAS PARANAENSES DE BASQUETE EM CADEIRA DE RODAS

SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS NO ESPORTE ADAPTADO: PERCEPÇÃO DE ATLETAS PARANAENSES DE BASQUETE EM CADEIRA DE RODAS SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS BÁSICAS NO ESPORTE ADAPTADO: PERCEPÇÃO DE ATLETAS PARANAENSES DE BASQUETE EM CADEIRA DE RODAS Andressa R. Contreira (UEM), Caio R. Moreira (UEM), Vandressa T. Ribeiro

Leia mais

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas * Acadêmica do Curso de Educação Física - DEF/CDS/UFSC ** Profª Drª do Departamento de Educação

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 268 versão eletrônica OS FATORES MOTIVACIONAIS NO FUTSAL FEMININO NO MUNICÍPIO DE REBOUÇAS-PR Diego Andrade de Paula e Silva 1 RESUMO O Futsal é um esporte que se destaca por sua paixão e facilidade por

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA AUTOR(ES):

Leia mais

Validação da versão portuguesa da Situational Motivation Scale (SIMS) em contextos académicos

Validação da versão portuguesa da Situational Motivation Scale (SIMS) em contextos académicos XII Congresso Internacional Galego- Português de Psicopedagogia Validação da versão portuguesa da Situational Motivation Scale () em contextos académicos Vítor Gamboa * (vgamboa@ualg.pt) Sandra Valadas*

Leia mais

Motivos, interesses e atitudes para a prática físico-desportiva dos universitários de educação física

Motivos, interesses e atitudes para a prática físico-desportiva dos universitários de educação física Motivos, interesses e atitudes para a prática físico-desportiva dos universitários de educação física CDD. 20.ed. 159 613.7 796.011 Silvia Regina DESCHAMPS * Rejane PAROLI ** Luiz Antônio DOMINGUES FILHO

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga. Planeamento da Prática de Exercício Físico (PPEF)

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga. Planeamento da Prática de Exercício Físico (PPEF) UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 4710-057 Braga Planeamento da Prática de Exercício Físico (PPEF) Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt) (2011) Grupo de investigação www.ardh-gi.com

Leia mais

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 20, Nº 211, Diciembre de MOTIVAÇÃO DE ATLETAS BRASILEIROS DE FUTEBOL AMERICANO

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 20, Nº 211, Diciembre de MOTIVAÇÃO DE ATLETAS BRASILEIROS DE FUTEBOL AMERICANO MOTIVAÇÃO DE ATLETAS BRASILEIROS DE FUTEBOL AMERICANO Victor Cavallari Souza 1 Renan Cardoso da Silva 2 Ricardo Marinho de Mello de Picoli 3 Para citar este artigo (APA): Souza, Silva & Picoli (2015) Motivação

Leia mais

FATORES MOTIVACIONAIS PARA PRÁTICA DE GINÁSTICA EM UMA ACADEMIA DE PALHOÇA*

FATORES MOTIVACIONAIS PARA PRÁTICA DE GINÁSTICA EM UMA ACADEMIA DE PALHOÇA* 1 FATORES MOTIVACIONAIS PARA PRÁTICA DE GINÁSTICA EM UMA ACADEMIA DE PALHOÇA* Franciele Bernardo** Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar os fatores motivacionais envolvidos na prática regular de

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 70-07 Braga Telf..60. Questionário de Comportamentos Parentais no Desporto (QCPD) Versão para pais Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt) 008 Referências

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 229 SUPORTE PARENTAL E MOTIVAÇÃO DOS JOGADORES DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTSAL José Roberto Andrade do Nascimento Junior 1, Gislaine Contessoto Pizzo 2 Carla Thamires Laranjeira Granja 1, Daniel Vicentini

Leia mais

Motivação, Ansiedade e Burnout em jovens atletas. Agradecimentos

Motivação, Ansiedade e Burnout em jovens atletas. Agradecimentos Agradecimentos Este trabalho foi realizado para conclusão da Licenciatura em Educação Física. Foram dois anos de intenso trabalho e esforço da minha parte. Depois de um dia de leccionação na minha escola,

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

Agradecimentos. Ao professor Doutor José Pedro Ferreira a disponibilidade sempre evidenciada bem como o rigor e precisão, no âmbito da coordenação.

Agradecimentos. Ao professor Doutor José Pedro Ferreira a disponibilidade sempre evidenciada bem como o rigor e precisão, no âmbito da coordenação. Agradecimentos A consecução deste trabalho deve-se não só ao investimento pessoal que realizei mas também, como não poderia deixar de ser, a todo um conjunto de pessoas que directa ou indirectamente me

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Páginas

LISTA DE TABELAS. Páginas i AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus em quem acreditei e que me proporcionou a possibilidade de conhecer o verdadeiro sentido da fé, e que me ajudou a conquistar este título. A minha orientadora professora

Leia mais

A PEDAGOGIA DO ESPORTE NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

A PEDAGOGIA DO ESPORTE NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. A PEDAGOGIA DO ESPORTE NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Marcos Vinicius Morais Ferreira¹ (IC), André Luís dos Santos Seabra² (PQ) marcos-moraisf@hotmail.com Universidade Estadual

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 579 versão eletrônica FATORES MOTIVACIONAIS PARA A PRÁTICA DE FUTSAL EM ADOLESCENTES ENTRE 11 E 17 ANOS Felipe Rocha Alves 1 RESUMO A presente investigação teve como objetivo investigar os fatores motivacionais

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO VII do Edital n o 005/2010 - CIC/UENP 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1 RELATÓRIO: (Assinalar) SEMESTRAL/PARCIAL

Leia mais

A PRÁTICA DO ATLETISMO ESCOLAR COMO PROPOSTA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA RESUMO

A PRÁTICA DO ATLETISMO ESCOLAR COMO PROPOSTA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA RESUMO A PRÁTICA DO ATLETISMO ESCOLAR COMO PROPOSTA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA BARETTA, Elisabeth; GRIGOLLO, Leoberto Ricardo. RESUMO O desenvolvimento de atividades de extensão por meio do I Festival Unoesc de

Leia mais

Atitude dos Consumidores face aos Apelos Emocionais e Racionais da Publicidade:

Atitude dos Consumidores face aos Apelos Emocionais e Racionais da Publicidade: Atitude dos Consumidores face aos Apelos Emocionais e Racionais da Publicidade: estudo do sector alimentar por Elisa Margarida Lopes Canedo Tese de Mestrado em Marketing Orientada por: Prof. Doutor Paulo

Leia mais

O PERFIL MOTIVACIONAL DE ADOLESCENTES JOGADORES DE VOLEIBOL THE MOTIVATIONAL PROFILE OF ADOLESCENTS VOLLEYBALL PLAYERS

O PERFIL MOTIVACIONAL DE ADOLESCENTES JOGADORES DE VOLEIBOL THE MOTIVATIONAL PROFILE OF ADOLESCENTS VOLLEYBALL PLAYERS Recebido em: 15/3/2010 Emitido parece em: 22/3/2010 Artigo original O PERFIL MOTIVACIONAL DE ADOLESCENTES JOGADORES DE VOLEIBOL Carlos Adelar Abaide Balbinotti 1, Marcus Levi Lopes Barbosa 1, Marcos Alencar

Leia mais

Relação entre qualidade de vida e tempo de prática paradesportiva em praticantes de Tênis em Cadeira de Rodas

Relação entre qualidade de vida e tempo de prática paradesportiva em praticantes de Tênis em Cadeira de Rodas Grupo de Pesquisa em Avaliação da qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho Ponta Grossa PR Brasil v. 02, n. 01, jan./jun. 2017, p. 32-36 DOI: 10.24222/2525-3395.2017v2n1p032 REVISTA STRICTO SENSU

Leia mais

10.3 O PERFIL MOTIVACIONAL DE PRATICANTES DE TÊNIS E FUTSAL EM UM PROJETO SOCIAL BRASILEIRO

10.3 O PERFIL MOTIVACIONAL DE PRATICANTES DE TÊNIS E FUTSAL EM UM PROJETO SOCIAL BRASILEIRO 10.3 O PERFIL MOTIVACIONAL DE PRATICANTES DE TÊNIS E FUTSAL EM UM PROJETO SOCIAL BRASILEIRO João Paulo Borges da Paixão1, Caio Corrêa Cortela2, Gabriel Henrique Treter Gonçalves3, Carolina Fernandes da

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE

Leia mais

O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS TOP50 DO RANKING

O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS TOP50 DO RANKING 810 O PERCURSO COMPETITIVO DE TENISTAS TOP50 DO RANKING PROFISSIONAL Gabriel Armondi Cavalin / UNISUAN Caio Corrêa Cortela / NP3 Esporte UFRGS Roberto Tierling Klering / NP3 Esporte UFRGS Gabriel Henrique

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga. Benefícios e Custos do Exercício Físico - BCEF

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga. Benefícios e Custos do Exercício Físico - BCEF UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 4710-057 Braga Benefícios e Custos do Exercício Físico - BCEF Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt) (2011) Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt). Universidade

Leia mais

Motivação do Aprendiz de Medicina: Uso da Escala de Motivação Acadêmica. Learner s Motivation in Medical Studies: Use of the Academic Motivation Scale

Motivação do Aprendiz de Medicina: Uso da Escala de Motivação Acadêmica. Learner s Motivation in Medical Studies: Use of the Academic Motivation Scale Psicologia: Teoria e Pesquisa Jan-Abr 2003, Vol. 19 n. 1, pp. 025-031 Motivação do Aprendiz de Medicina: Uso da Escala de Motivação Acadêmica Dejano T. Sobral Universidade de Brasília RESUMO - O propósito

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 4710-057 Braga Telf. 253.604.232 Questionário de Comportamentos Parentais no Desporto (QCPD) Versões para atletas (avaliação do pai e da mãe) Rui

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

Relação entre níveis de ansiedade-traço competitiva e idade de atletas de voleibol e análise destes níveis pré e pós-competição

Relação entre níveis de ansiedade-traço competitiva e idade de atletas de voleibol e análise destes níveis pré e pós-competição Motriz, Rio Claro, v.16 n.4 p.853-857, out./dez. 2010 Artigo Original Relação entre níveis de ansiedade-traço competitiva e idade de atletas de voleibol e análise destes níveis pré e pós-competição Juliana

Leia mais

EFEITO DA PRÁTICA DE JIU-JITSU NA DENSIDADE ÓSSEA DO SEGUNDO METACARPO

EFEITO DA PRÁTICA DE JIU-JITSU NA DENSIDADE ÓSSEA DO SEGUNDO METACARPO EFEITO DA PRÁTICA DE JIU-JITSU NA DENSIDADE ÓSSEA DO SEGUNDO METACARPO Juliana de Carvalho Apolinário Coêlho Fisioterapeuta-Doutora; Professora das Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS Marcelo Feitoza

Leia mais

ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO EM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA NOS JOGOS MUNDIAIS ESCOLARES

ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO EM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA NOS JOGOS MUNDIAIS ESCOLARES Recebido em: 14/3/2010 Emitido parece em: 22/3/2010 Artigo original ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO EM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA NOS JOGOS MUNDIAIS ESCOLARES Éricka Fonseca Sales, Kender Richard Moreira de Souza,

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa dos Surdos - 2015. Art.

Leia mais

COPA UNIMED ESCOLAR 2017 MODALIDADES PARALÍMPICAS

COPA UNIMED ESCOLAR 2017 MODALIDADES PARALÍMPICAS COPA UNIMED ESCOLAR 2017 MODALIDADES PARALÍMPICAS 01 - REGULAMENTO GERAL Ø Das Disposições Preliminares Ø Dos Objetivos Ø Da Organização Desportiva Ø Da Comissão de Disciplina Desportiva Ø Das Participações

Leia mais

CAPÍTULO III METODOLOGIA

CAPÍTULO III METODOLOGIA CAPÍTULO III METODOLOGIA Terminado o enquadramento teórico dos vários conceitos implícitos nesta investigação, bem como a revisão geral, torna-se fundamental apresentar os procedimentos metodológicos adoptados

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL 1 www.fpatletismo.pt III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL Organização da Carreira Desportiva no Atletismo 2 www.fpatletismo.pt Treino com Jovens: Análise da Situação Actual

Leia mais

O FLUXO NO VOLEIBOL: RELAÇÃO COM A MOTIVAÇÃO, AUTOEFICÁCIA, HABILIDADE PERCEBIDA E ORIENTAÇÃO ÀS METAS

O FLUXO NO VOLEIBOL: RELAÇÃO COM A MOTIVAÇÃO, AUTOEFICÁCIA, HABILIDADE PERCEBIDA E ORIENTAÇÃO ÀS METAS DOI: 10.4025/reveducfis.v23i3.17024 O FLUXO NO VOLEIBOL: RELAÇÃO COM A MOTIVAÇÃO, AUTOEFICÁCIA, HABILIDADE PERCEBIDA E ORIENTAÇÃO ÀS METAS FLOW IN VOLLEYBALL: RELATIONSHIP WITH MOTIVATION, SELF-EFFICACY,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS FINALIZAÇÕES RESULTADAS EM GOL NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL SUB

CARACTERIZAÇÃO DAS FINALIZAÇÕES RESULTADAS EM GOL NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL SUB CARACTERIZAÇÃO DAS FINALIZAÇÕES RESULTADAS EM GOL NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL SUB 20 Alessandro Júnior Mendes Fidelis / UNILEON José Vicente García-Tormo / UNILEON Juan Carlos Morante Rábago /

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto e Educação

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PARA O TREINAMENTO DO ATLETISMO

MOTIVAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PARA O TREINAMENTO DO ATLETISMO MOTIVAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PARA O TREINAMENTO DO ATLETISMO Renato Siqueira de Souza Universidade Federal de Juíz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil Jorge Roberto Perrout de Lima Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E PERFIL MOTIVACIONAL DAS ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO E PERFIL MOTIVACIONAL DAS ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO NO BRASIL 0 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Mestrado Profissional em Saúde da Mulher, Criança e Adolescente MAURICIO LOBO GIUSTI CARACTERIZAÇÃO E PERFIL MOTIVACIONAL DAS ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 Danilo Cardoso de Sá dos Santos Profa. Ma. Giseli de Barros Silva Centro Universitário

Leia mais

ANTROPOMETRIA, FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO MOTOR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE FUTSAL.

ANTROPOMETRIA, FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO MOTOR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE FUTSAL. ANTROPOMETRIA, FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO MOTOR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE FUTSAL. Diagnes Marostica 1 ; Everton Paulo Roman 2 Resumo Introdução: As questões que envolvem

Leia mais

VALOR ECONÓMICO DA ONDA

VALOR ECONÓMICO DA ONDA UNIVERSIDADE DOS AÇORES FACULDADE DE ECONOMIA E GESTÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS ECONÓMICAS E EMPRESARIAIS VALOR ECONÓMICO DA ONDA Rui Pedro Vitória Medeiros Ponta Delgada, setembro de 2016 FACULDADE

Leia mais

ATITUDES FACE AO DESPORTO COMO EU PRATICO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

ATITUDES FACE AO DESPORTO COMO EU PRATICO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 ATITUDES FACE AO DESPORTO COMO EU PRATICO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto e Educação

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros.

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros. REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DE GRAU I (Resumo) 1. Carga Horária O Curso de Treinadores de Atletismo de Grau I passa a englobar na sua componente curricular, para além das matérias gerais do treino desportivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITÁRIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITÁRIOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITÁRIOS Campus Universitário Ministro Petrônio Portela, Bairro Ininga, Teresina, Piauí, Brasil; CEP 64049-550

Leia mais

O PAPEL DOS JOGOS COOPERATIVOS E COMPETITIVOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO INDIVÍDUO INTEGRAL ROBERTO CARDÔZO MELCHIOR

O PAPEL DOS JOGOS COOPERATIVOS E COMPETITIVOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO INDIVÍDUO INTEGRAL ROBERTO CARDÔZO MELCHIOR O PAPEL DOS JOGOS COOPERATIVOS E COMPETITIVOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO INDIVÍDUO INTEGRAL ROBERTO CARDÔZO MELCHIOR RESUMO O objetivo do presente estudo foi analisar e discutir

Leia mais

PROJETO FESTIVAL DE CICLISMO DE PISTA - 2ª Etapa Americana TERMO DE ABERTURA Preparado por Estevam Mancini Gerente do Projeto Versão: 01

PROJETO FESTIVAL DE CICLISMO DE PISTA - 2ª Etapa Americana TERMO DE ABERTURA Preparado por Estevam Mancini Gerente do Projeto Versão: 01 PROJETO FESTIVAL DE CICLISMO DE PISTA - 2ª Etapa Americana TERMO DE ABERTURA Preparado por Estevam Mancini Gerente do Projeto Versão: 01 1.1 Resumo das condições do projeto Se analisarmos o contexto olímpico

Leia mais

SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS ACERCA DAS EQUIPES MÉDICA E ENFERMAGEM DE UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL

SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS ACERCA DAS EQUIPES MÉDICA E ENFERMAGEM DE UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS ACERCA DAS EQUIPES MÉDICA E ENFERMAGEM DE UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL Willian Augusto de Melo 1 ; Karla Danielle Spanhol 2 ; Maria Dalva de Barros Carvalho 3 RESUMO: Considerando

Leia mais

A prática de atividades físicas, a idade cognitiva e as restrições intrapessoais entre pessoas mais velhas

A prática de atividades físicas, a idade cognitiva e as restrições intrapessoais entre pessoas mais velhas Gustavo Marin Fontes A prática de atividades físicas, a idade cognitiva e as restrições intrapessoais entre pessoas mais velhas Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como

Leia mais

FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ PAULO EDUARDO DE SOUZA JUSTINO. Paranavaí 2009

FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ PAULO EDUARDO DE SOUZA JUSTINO. Paranavaí 2009 1 FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ PAULO EDUARDO DE SOUZA JUSTINO CARACTERIZAÇÃO DOS FATORES MOTIVACIONAIS DOS DECATLETAS PARTICIPANTES DA III COPA SÃO PAULO DE PROVAS COMBINADAS

Leia mais

Os alunos Federados não podem competir na modalidade em que são praticantes. Isto não quer dizer que não possam frequentar o núcleo.

Os alunos Federados não podem competir na modalidade em que são praticantes. Isto não quer dizer que não possam frequentar o núcleo. !1 1. Concentrações 1.1 Competição individual As competições individuais realizar-se-ão em forma de Concentração. O acto da inscrição nas concentrações deverá ser feito no prazo de até 8 dias úteis à data

Leia mais

NIVEL DE MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO DOS ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTSAL

NIVEL DE MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO DOS ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTSAL NIVEL DE MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO DOS ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTSAL RESUMO O objetivo deste estudo foi analisar o nível de motivação e satisfação atlética dos jogadores da seleção brasileira de

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos - 2015. Art. 2º

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 263 versão eletrônica RELAÇÃO ANSIEDADE ESTADO E DESEMPENHO DOS GOLEIROS DE FUTSAL NAS OLIMPÍADAS ESCOLARES Anselmo da Silva 1 RESUMO O fator ansiedade vem sendo objeto de constante pesquisa e estudo na

Leia mais

Edital de seleção de membros - Associação Atlética Acadêmica do Direito UFV AAAD UFV

Edital de seleção de membros - Associação Atlética Acadêmica do Direito UFV AAAD UFV EDITAL DE SELEÇÃO Nº 01/2016 Edital de seleção de membros - Associação Atlética Acadêmica do Direito UFV AAAD UFV A AAAD UFV torna públicas as normas do processo de seleção de membros. 1- Sobre a AAAD

Leia mais

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto

Leia mais

Página 2 em diante devem estar contemplados os seguintes itens:

Página 2 em diante devem estar contemplados os seguintes itens: 1 TEMPLATE - Projeto de pesquisa FORMATAÇÃO Fonte: Texto: Arial ou Times New Roman, tamanho 12. Títulos: Arial ou Times New Roman, tamanho 14, negrito Espaço: duplo Margens: 2,5 cm em todas as margens

Leia mais

Gala do Desporto 2012

Gala do Desporto 2012 Gala do Desporto 2012 Reunião de Câmara 05-Nov-2012 Índice 1. Introdução... 3 2. Destinatários... 3 3. Processo e prazo de candidatura... 3 4. Processo de seleção... 3 5. Critérios de seleção... 4 7. Exceções...

Leia mais

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF Critérios indicativos à Bolsa Atleta de Natação conforme Reunião da Diretoria da FDA/DF e técnicos filiados, realizada no dia 03 de fevereiro de 2016. I BOLSA ATLETA OLÍMPICA 1.1- O atleta de natação só

Leia mais

RELATÓRIO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL LIVRE PARA PROFESSORES SANTANDER UNIVERSIDADES

RELATÓRIO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL LIVRE PARA PROFESSORES SANTANDER UNIVERSIDADES UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Faculdade de Educação Física e Fisioterapia RELATÓRIO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL LIVRE PARA PROFESSORES SANTANDER UNIVERSIDADES Professor MSc. João

Leia mais

Senhores Presidentes,

Senhores Presidentes, Senhores Presidentes, Não tenho dúvida que 2016 é um ano de grandes expectativas. A possibilidade concreta de bons resultados nos Jogos Olímpicos Rio 2016 deixa-nos com sentimentos que estão além da satisfação

Leia mais

TÍTULO: AUTOEFICÁCIA E A APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO

TÍTULO: AUTOEFICÁCIA E A APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO 16 TÍTULO: AUTOEFICÁCIA E A APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA Carla Cristina Marinho Sadao Omote Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, campus de Marília Eixo Temático:

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 4710-057 Braga Telf. 253.604. 232 Coping Effectiveness (CE) Eficácia e Automatismo das Estratégias de Coping (EAEC) A. Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt)

Leia mais

Lydia Wong MOTIVAÇÃO A PRÁTICA REGULAR DE ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO COM PRATICANTES FEMININOS DE AIKIDO.

Lydia Wong MOTIVAÇÃO A PRÁTICA REGULAR DE ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO COM PRATICANTES FEMININOS DE AIKIDO. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES Lydia Wong MOTIVAÇÃO A PRÁTICA REGULAR DE ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO COM PRATICANTES FEMININOS DE AIKIDO. Brasília

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E REGULAÇÕES MOTIVACIONAIS DE ADOLESCENTES: PRÁTICA DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM ESCOLAS PARTICIPANTES DO PIBID

NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E REGULAÇÕES MOTIVACIONAIS DE ADOLESCENTES: PRÁTICA DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM ESCOLAS PARTICIPANTES DO PIBID NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E REGULAÇÕES MOTIVACIONAIS DE ADOLESCENTES: PRÁTICA DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM ESCOLAS PARTICIPANTES DO PIBID Gilcemar Dalmagro de Quadros * Elisabeth Baretta ** Rudy José

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 196 A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DO FUTSAL: COMPARAÇÃO ENTRE ATLETAS FEDERADOS DO SEXO MASCULINO E FEMININO Rogério da Cunha Voser 1 José Augusto Evangelho Hernandez 2 Luis Fernando Roese Ortiz 3 Patrícia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DR. LEÃO SAMPAIO VI CONGRESSO DE FISIOTERAPIA DO CARIRI

CENTRO UNIVERSITÁRIO DR. LEÃO SAMPAIO VI CONGRESSO DE FISIOTERAPIA DO CARIRI CENTRO UNIVERSITÁRIO DR. LEÃO SAMPAIO VI CONGRESSO DE FISIOTERAPIA DO CARIRI Dispõe sobre normas para inscrição de trabalhos científicos no VI Congresso de Fisioterapia do Cariri CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Nível de ansiedade em jovens atletas de voleibol em situação pré-competitiva

Nível de ansiedade em jovens atletas de voleibol em situação pré-competitiva Nível de ansiedade em jovens atletas de voleibol em situação pré-competitiva Gabriela dos Santos * Gerard Maurício Martins Fonseca ** Resumo: O presente estudo se propõe a comparar o nível de ansiedade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1º A competição será para alunos devidamente matriculados na Instituição de Ensino - Univale. ART. 2º As pessoas físicas que participarem do evento consideradas

Leia mais

Análise da Qualidade da Detecção, Seleção e Promoção de Talentos Esportivos na realidade brasileira. (Relatório Parcial)

Análise da Qualidade da Detecção, Seleção e Promoção de Talentos Esportivos na realidade brasileira. (Relatório Parcial) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DO ESPORTE Grupo de Pesquisa em Esporte e Treinamento Infanto-Juvenil (GEPETIJ) Grupo de Pesquisa em Administração Esportiva (GEPAE)

Leia mais

NÍVEL DE MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES DO 7º E 8º ANO DE ESCOLAS ESTADUAIS DE JI- PARANÁ-RO

NÍVEL DE MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES DO 7º E 8º ANO DE ESCOLAS ESTADUAIS DE JI- PARANÁ-RO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES DO 7º E 8º ANO DE ESCOLAS ESTADUAIS DE JI- PARANÁ-RO Level of motivation for physical activity in students from the 7 th and 8 th grade

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE ANSIEDADE DE JOVENS ATLETAS DA MODALIDADE DE FUTSAL

ANÁLISE DO NÍVEL DE ANSIEDADE DE JOVENS ATLETAS DA MODALIDADE DE FUTSAL ANÁLISE DO NÍVEL DE ANSIEDADE DE JOVENS ATLETAS DA MODALIDADE DE FUTSAL Marcelo Silva Villas Boas, Universidade Estadual de Maringá UEM, Maringá, Paraná Brasil Ricardo Weigert Coelho, Universidade Federal

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS COM E SEM O AUXÍLIO DE PERSONAL TRAINER Leonardo Andrade 1 Simone Klein 2 Daniel Carlos Garlipp 3

MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS COM E SEM O AUXÍLIO DE PERSONAL TRAINER Leonardo Andrade 1 Simone Klein 2 Daniel Carlos Garlipp 3 MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS COM E SEM O AUXÍLIO DE PERSONAL TRAINER Leonardo Andrade 1 Simone Klein 2 Daniel Carlos Garlipp 3 RESUMO O objetivo do presente estudo foi analisar os motivos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 1/2013

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 1/2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 1/2013 Abertura de Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica Voluntária do Universitário Módulo/ Processo

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I Federação: Federação Portuguesa de Jiu-Jitsu Brasileiro (FPJJB) Modalidade/Disciplina: Jiu Jitsu Brasileiro Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 8 horas Componente

Leia mais

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES Marcio Turini, Marta Gomes, Ana Miragaya e Lamartine DaCosta YOUTH OLYMPIC GAMES JOGOS OLÍMPICOS DA

Leia mais

Análise do comportamento competitivo de atletas jovens e adultos de handebol

Análise do comportamento competitivo de atletas jovens e adultos de handebol Análise do comportamento competitivo de atletas jovens e adultos de handebol CDD. 20.ed. 796.011 796.31 http://dx.doi.org/10.1590/1807-55092016000200505 Lidyane Ferreira ZAMBRIN * Ana Carolina PALUDO **

Leia mais

Percepção de saúde e percepção de competência: a psicologia positiva no tratamento da obesidade.

Percepção de saúde e percepção de competência: a psicologia positiva no tratamento da obesidade. 1388 Percepção de saúde e percepção de competência: a psicologia positiva no tratamento da obesidade. Sónia Mestre 1 & José Pais Ribeiro 1 1 Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade

Leia mais