IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VoIP @ IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto"

Transcrição

1 IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto Orientador: Prof. Dr. Mário Leitão Co-Orientador: Eng.º Mário Serrão Ricardo Carvalho PSTFC LEEC FEUP Junho,

2 Sumário Objectivos do estágio Vantagens Motivação Protocolos SIP vs H323 Análise de uma chamada SIP Cenários de implementação Endereçamento Arquitecturas de testes Trabalho futuro Conclusão 2

3 Objectivos do estágio Estudo da tecnologia VoIP e seus protocolos standard Open Source Avaliação do impacto técnico e financeiro da migração entre tecnologias POTS e VoIP nas infra-estruturas da Universidade do Porto Desenhar soluções de troca de tráfego de voz entre instituições com ligação à RCTS e avaliar o respectivo impacto no backbone da RCTS Estudo e proposta de soluções de endereçamento telefónico Avaliação da disponibilidade comercial de serviços de interligação VoIP com as várias redes telefónicas fixa e móveis Implementação de um piloto de testes Realização do relatório do trabalho 3

4 Vantagens Redução de custos das chamadas Redução de custos das infra-estruturas Integração de serviços Mobilidade Serviços avançados Melhor qualidade sonora URIs mais fáceis de memorizar Mercado IP PBX vs PBX tradicional Source: IDC, 2004 PBX IP PBX 4

5 Motivação Integração de voz e dados na mesma infra-estrutura de rede Controlo sobre as comunicações de voz até aqui subcontratado Uso do backbone IP da UP para encaminhar tráfego de voz entre Unidades Orgânicas Integração com o sistema de informação da UP Atribuição de um contacto telefónico a cada aluno, docente, investigador, funcionário da UP Mobilidade fazendo uso da rede Wi-Fi e-u 5

6 Protocolos SIP SIP (Session Intitation Protocol) é o protocolo Standard do IETF (RFC 3261) para VoIP e outras sessões multimédia protocolo de sinalização usado para criar, modificar e terminar sessões com um ou mais participantes H323 H.323 é um standard do ITU, muito popular Primeiro conjunto definido de standards multimédia SDP Session Description Protocol, descreve sessões multimédia (conferência ou distribuição) para efeito de anúncio, convite ou outros formas de início de sessão RTP Real-time Transport Protocol, fornece um serviço de transporte de dados com características de tempo real, de que são exemplos áudio e vídeo RTCP RTP Control Protocol, fornece informação adicional aos participantes na sessão, tais como feedback sobre a QoS, sincronização entre meios, identificação dos participantes na sessão, controlo da sessão 6

7 Protocolos 7

8 SIP vs H323 Em suma: Arquitectura Origem Transport Codificação Ênfase Endereçamento Negociação Comunicação Codecs Codificação das mensagens Instant Messaging Encaminhamento entre domínios H.323 Desenvolvimento começou mais cedo Protocolo ultrapassado Delega complexidade no servidor Pouco escalável Mensagens H.323 são binárias Implementação e debug complicados Pilha ITU ASN.1 Telefonia PSTN Aliases H.245 RTP / RTCP Todos Binário - H.323 Maioritariamente TCP Definido recentemente no Anexo G Elementar IETF Maioritariamente UDP Do tipo HTTP Multimédia, Multicast URIs SIP SDP RTP / RTCP Todos ASCII RFC3428 SIP Escalabilidade Extensibilidade Menor complexidade Facilidade de implementação Customização Forking das chamadas Controlo de chamadas de terceiros As mensagens SIP são baseadas em texto Fácil debugging através de sniffing tools como o tcpdump, ethereal, ngrep, netcap SIP Com recurso ao DNS 8

9 Componentes de um sistema SIP UA (user agent) terminal de rede SIP (telefones SIP, ou gateway para outras redes), contém UAC (user agent client) e UAS (user agent server) Servidor Proxy Recebe pedidos de ligação de um UA e transfere-o para outro servidor proxy se o receptor não estiver no seu domínio Servidor de Redireccionamento Recebe pedidos de ligação e envia-os de volta ao emissor incluindo os dados de destino ao invés de enviá-los directamente à parte chamada Servidor de localização recebe pedidos de registro de um UA e actualiza a base de dados de terminais com eles 9

10 Análise de uma chamada SIP Não pudemos deixar fluir assim, dada a necessidade de controlo e accounting (os proxies têm que incluir o campo Record-Route nas mensagens) 10

11 Cenários de implementação Cenário tradicional: Alternativa pouco interessante: 11

12 Cenários de implementação Integração do VoIP com o PBX já existente PABX entre PSTN e Servidor VoIP RCTS Backbone IP da UP GSM gateway Trunk Trunk IP Telco Gateway / Servidor VoIP PABX PSTN LAN da UO Unidade Orgânica Pode ser usado um acesso BRI (admitindo no máx. 2 chamadas simultâneas), ou PRI (até 30 chamadas simultâneas). Nos PBX actuais, a carta de interface RDIS já existe no sistema. Interfaces PRI são economicamente preferíveis em cenários onde mais de 8 canais (4xBRI) são necessários. POT POT POT 12

13 Cenários de implementação Integração do VoIP com o PBX já existente Servidor VoIP entre PABX e PSTN: RCTS POT Backbone IP da UP POT Trunk Trunk PABX Gateway / Servidor VoIP IP Telco POT POT PSTN LAN da UO Unidade Orgânica Grande vantagem: inteligência e configurações de endereçamento é feita no servidor VoIP - nenhuma configuração na central telefónica comutada Evita-se assim a necessidade sempre dispendiosa e morosa de contratar serviços a terceiros para reconfigurar o PABX Desvantagem em casos de falha da infra-estrutura IP do servidor, o tráfego entre PABX e PSTN ficar cortado necessário mecanismo de bypass 13

14 Cenários de implementação Substituição completa do PBX por VoIP: RCTS GSM gateway Backbone IP da UP Gateway / Servidor VoIP Trunk IP Telco PROS PSTN LAN da UO Unidade Orgânica Sinalização SIP permite inteligência dos terminais funcionalidades avançadas Plano de encaminhamento de chamadas com rede pública de móveis Todos os contactos numa BD integrável com o sistema de informação CONS Por segurança manter um número mínimo de DDIs contratado Funcionalidades avançadas e displays interactivos dos terminais encarece-os Terminais requerem alimentação eléctrica, externa ou Power-over-Ethernet 14

15 Endereçamento Um utilizador para comunicar necessita de um identificador para si e para o receptor da chamada Encontra-se em avaliação por parte da FCCN a necessidade de existência de um serviço de directório em cada instituição, ligado a um serviço de directório RCTS, para poder facilitar a pesquisa de contactos telefónicos Cada identificador deve ser independente da localização física do utilizador Cada utilizador pode ter mais que um endereço IP, ou seja, ser alcançável, por exemplo, em várias localizações físicas 15

16 Endereçamento na UP Dois tipos de identificadores, URIs e Numeração E.164 O utilizador pode ser encontrado através do DNS Desvantagem dos URIs: dificuldade ou até mesmo a impossibilidade de serem digitados em certos terminais O plano de numeração tradicional não se coaduna muito bem à Internet tal como a conhecemos baseada em domínios, por essa razão foi criado o sistema ENUM que faz uso dos números telefónicos tradicionais como domínios. 16

17 Endereçamento na UP Sistema ENUM ENUM como alternativa ao Endereçamento Estático - limitado pois não é escalável ENUM - Sistema hierárquico de endereçamento ao estilo dos URLs, que escala ENUM faz a transformação de um endereço E.164, atribuído a um terminal, num endereço URI Ponte entre endereçamento PSTN e Internet Usa o DNS para traduzir números E.164 em esquemas IP 17

18 Endereçamento na UP Sistema ENUM Forma de Least Cost Routing dado que um servidor com ENUM apenas encaminha a chamada para a PSTN se não houver rota em IP Sem ENUM PSTN Mantém-se na rede IP Manter tráfego em IP evita custos de passagem na PSTN e proporciona melhor QoS por evitar codificações sucessivas IP-PSTN Rede VoIP Unidade Orgânica 1 Com ENUM Rede VoIP Unidade Orgânica 2 18

19 Endereçamento na UP Sistema ENUM Para tal é necessário registar cada número E.164 com rota também por IP num serviço de directório Escalabilidade do ENUM Centenas de milhões de registos Dezenas de resoluções de endereços por segundo Questões de segurança e privacidade dos dados pessoais de contacto dos utilizadores não devem ser descuradas, no entanto é o que há para já, até que a FCCN crie um serviço de directório RCTS até lá usar p.ex. e164.org ou e164.arpa 19

20 Endereçamento na UP Sistema ENUM Exemplo: 4 Através do DNS, o Servidor SIP A encontra o B Servidor SIP UO A INVITE Utilizador marca É chamado Rede IP 5 2 Servidor SIP pergunta ao DNS se tem rota em IP entregando-lhe e164.org DNS responde: 3 Núvem de DNS (Internet) Servidor SIP IRICUP 20

21 Arquitecturas de testes - Software SER (SIP Express Router) Implementa o SIP AAA Opera como Proxy SIP ou apenas como router (Servidor de Localização ou Servidor de redireccionamento) Suporta Radius, PgSQL, MySQL SERweb para administração dos clientes via web Integrável com RTPproxy Apenas um ficheiro de configuração Asterisk Suporta SIP, H323, IAX, MGCP, Skinny, etc. PBX completo com serviços avançados (voic , chamada em conferência, music on hold) PSTN gateway Muitos ficheiros de configuração 21

22 Arquitecturas de testes Software Porque não apenas Asterisk? Não é um servidor SIP completamente funcional Não suporta milhares de clientes como o SER Não é um Proxy SIP completo, opera melhor como Servidor de Redireccionamento e Servidor de Localização Funciona como UA SIP entre as chamadas Processamento acrescido pois reescreve as mensagens Esta dependência do Servidor SIP não se coaduna à filosofia distribuída do SIP Um Proxy SIP nunca deve ser o término da chamada, e nunca deve tratar o stream de dados tal como o Asterisk faz 22

23 Arquitecturas de testes SER + Asterisk Aumenta as capacidades do sistema SIP Router independente do Asterisk Retirado do Asterisk a responsabilidade sobre o registo dos terminais e encaminhamento das chamadas entre terminais SIP Asterisk fica apenas responsável pelas tarefas de gateway e serviços avançados (como o Voic ) SER passa a chamada ao Asterisk apenas se constarem permissões para o seu originador na BD 23

24 Arquitecturas de testes Software adicional RTPproxy Usado para obrigar o fluxo RTP a passar pelo servidor Ajuda o SER a contornar problemas de NAT RTPproxy não instalado PostgreSQL + PhpPgAdmin Distro Linux 24

25 Arquitecturas de testes Tabelas da BD para o SER Mantém registo das chamadas efectudas Permissões que cada utilizador possui, para ter direito a Voic , PSTN, etc. Registo da contabilização dos custos das chamadas Registo das chamadas não atendidas ou não iniciadas pelo facto do destinatário não possuir nenhum telefone registado Registo de usernames alternativos para cada contacto Quem em tempo-real tem o seu terminal registado O uso de tabelas como estas permite a fácil integração com o sistema de informação da UO, tal como no IRICUP o Sigarra Tabela principal do registo dos utilizadores do sistema 25

26 Arquitecturas de testes Encaminhamento para uma IP Telco /etc/asterisk/sip.conf Utilizador marca número PSTN SER verifica que utilizador tem permissões na tabela grupo Chamada atirada para o Asterisk /etc/asterisk/extensions.conf Asterisk concatena restantes indicativos e envia INVITE SIP a voipstunt 26

27 Arquitecturas de testes Trixbox (antigo PROS Rápido e fácil de instalar up and running in one hour Fácil de operar tudo interface web Fácil de configurar para ambientes pouco exigentes e pequenos Muitas funcionalidades avançadas Bom para tirar ideias para um sistema em produção CONS Imensos ficheiros de configuração e com uma sintaxe demasiado elaborada, tornam sistema pouco adaptável para cenários mais elaborados de implementação Todas as desvantagens do Asterisk aplicam-se aqui também Demasiados serviços a correr tornam a carga de processamento desnecessariamente pesado para ambientes mais exigentes 27

28 Arquitecturas de testes Trixbox O servidor é proxy de RTP O servidor revela uma sinalização estranha, que dever-se-á ao facto de actuar como UA, reescrevendo as mensagens SIP apenas enviando as que entende necessárias ao outro extremo Com uma interface Fast Ethernet conseguir-se-á teoricamente 100Mbit/100Kbit=1000 chamadas simultâneas 28

29 Arquitecturas de testes - Ferramentas Ethereal, tcpdump, ngrep Stress tests: SipSak Sipp./sipp -r i :5060 -s Geradas 2000 ligações UDP por segundo - Mais depressa que o servidor, crashou a firewall com tantos pedidos de início de ligações! - Não era esse o intuito, mas já agora, deve consciencializar para o perigo 29de ataques DOS

30 Arquitecturas de testes Voic Na tabela grupo cada utilizador que queira possuir voic activo tem que lá constar com o atributo voic Um utilizador entra no voic quando tenta ligar para alguém que existe no sistema mas que não tem nenhum telefone registado de momento no sistema, ou tem, mas não atende É enviado um ao utilizador chamado com a mensagem como ficheiro wav em anexo Cada utilizador pode aceder à sua caixa postal através do número 200 (caso esteja a ligar do seu terminal, ou através do 201 caso esteja a ligar do terminal doutrem 30

31 Metas futuras Integração com Radius e LDAP para Autenticação Experimentar uma implementação Asterisk Real Time Implementação de mais serviços avançados tal como a chamada em conferência iniciada no servidor ou music on hold Fazer bypass para a PSTN para situações de quebra do serviço IP Testes de carga às diversas implementações com o objectivo de inferir sobre a mais escalável Ligação do servidor VoIP a um PBX tradicional para adquirir know how na desagregação de tráfego num cenário de transição Estudo e discussão sobre a implementação LAN e WAN Testes e familiarização com outras soluções proprietárias 31

32 Conclusão VoIP é todo um ponto de viragem da história das telecomunicações, e tenho orgulho e entusiasmo em estar a participar nesta revolução! Apesar de não ser visível, houve muito trabalho por trás de tudo isto, desde estudo dos protocolos, aprofundamento dos conhecimentos em Linux, dificuldade em esclarecer dúvidas de implementação visto que é algo muito emergente 32

33 Questões? 33

VoIP @ IRICUP. Telefonia IP na Universidade do Porto

VoIP @ IRICUP. Telefonia IP na Universidade do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Relatório de Estágio VoIP @ IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto por Ricardo Jorge Reis da Silva Carvalho realizado no Instituto de Recursos

Leia mais

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn.

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn. VoIP - Vantagens e Desafios Rui Ribeiro sip:racr@fccn.pt 19 Janeiro 2006 1 Sumário Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos 2 VoIP Introdução ao VoIP Definição

Leia mais

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 ASTERISK João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 VISÃO GERAL O que é Como funciona Principais Funcionalidades Vantagens vs PBX convencional O QUE É Software open-source, que corre sobre a plataforma Linux;

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279 Relatório Asterisk Unidade Curricular: SCOM Ano Letivo: 2014/2015 Docente: João Manuel Couto das Neves Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Índice Introdução... 2 Instalação e Configuração

Leia mais

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX 19 de Dezembro de 2014 Carlos Leocádio - ee09313@fe.up.pt Tiago Ferreira - ee10085@fe.up.pt Departamento de Engenharia Electrotécnica

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES Enunciado do Projecto de VoIP Paulo Rogério Pereira, SETEMBRO DE 2011 1. Objectivo Este trabalho tem como objectivo desenvolver um sistema de Interactive Video Voice Response

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 20 de Dezembro de 2014 Serviços de Comunicações Conteúdo 1 Introdução 2 2 Contextualização 3 2.1 PBX...................................

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Administração de Sistemas Licenciatura em: - Tecnologias e Sistemas de Informação 5. Serviços de Voz sobre IP Docente: Prof. Joel Rodrigues Ano

Leia mais

Nuno Cruz Infra-Estrutura VoIP

Nuno Cruz <ncruz@net.ipl.pt> Infra-Estrutura VoIP Nuno Cruz Infra-Estrutura VoIP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Semana Informática 2007 Cronologia Setembro 2002 Primeira aproximação ao VoIP no ISEL, relacionado com um Projecto

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIFICAÇÕES ENUM MARÇO DE 2015 1 CHAMADAS ENTRE ORGANISMOS DA AP COM RECURSO A ENUM ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS 1 - As comunicações de voz, chamadas de voz com

Leia mais

Nome do estudante:...

Nome do estudante:... Nome do estudante:... Escreva o nome no cabeçalho de todas as folhas de exame que entregar; Apresente as respostas na sua folha de exame segundo a ordem correspondente do enunciado; Leia atentamente o

Leia mais

Importância e rentabilidade

Importância e rentabilidade Jornadas da Ciência e tecnologia Projecto VoIP no IPG Importância e rentabilidade Jornadas da Ciência e Tecnologia 26/11/2010 Pedro Pinto ppinto (at) ipg.pt Centro de Informática do IPG DATACENTER @2010

Leia mais

Asterisk MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015

Asterisk MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015 MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015 RELATÓRIO DO TRABALHO PRÁTICO FINAL Asterisk PEDRO DE SERPA CAIANO ROCHA GONÇALVES TIAGO DOS

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

Nuno Cruz Infra-Estrutura VoIP. Instituto Politécnico de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Nuno Cruz <ncruz@net.ipl.pt> Infra-Estrutura VoIP. Instituto Politécnico de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Nuno Cruz Infra-Estrutura VoIP Instituto Politécnico de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Universo IPL 8 Pólos 15000 alunos ISEL 7500 alunos 1500 docentes 500 funcionários

Leia mais

Rede VoIP@RCTS. Sessões de Sensibilização - software Open Source para a Administração Pública Comunicações Unificadas. 6 de Outubro de 2014

Rede VoIP@RCTS. Sessões de Sensibilização - software Open Source para a Administração Pública Comunicações Unificadas. 6 de Outubro de 2014 Rede VoIP@RCTS Sessões de Sensibilização - software Open Source para a Administração Pública Comunicações Unificadas 6 de Outubro de 2014 Agenda Visão generalizada do projeto VoIP@RCTS Partilha de experiências:

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP João Paulo Sousa Instituto Politécnico de Bragança R. João Maria Sarmento Pimentel, 5370-326 Mirandela, Portugal + 351 27 820 13 40 jpaulo@ipb.pt RESUMO

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

VoIP@RCTS. João Nuno Ferreira

VoIP@RCTS. João Nuno Ferreira VoIP@RCTS João Nuno Ferreira VoIP@RCTS Em 2008, antes do projeto VoIP@RCTS: + 220 Multi-brand Legacy PBXs espalhados pelas instituições do ensino e investigação do país. Rede RCTS com mais de 1000Km de

Leia mais

Fundação. Sede. Chief Marketing Officer. Chief Technology Officer. Internacionalização. Santa Maria da Feira, Portugal. Sérgio Castro.

Fundação. Sede. Chief Marketing Officer. Chief Technology Officer. Internacionalização. Santa Maria da Feira, Portugal. Sérgio Castro. Apresentação da Empresa Fundação 2003 Sede Santa Maria da Feira, Portugal Chief Marketing Officer Sérgio Castro Chief Technology Officer Ruben Sousa Internacionalização Mercado actuação: Global Presença

Leia mais

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução A Radiomóvel considera muito importante esta iniciativa da Anacom que vem no sentido de regular esta nova faceta da prestação de serviço telefónico, fruto

Leia mais

Campus Virtuais. Arquitectura de Roaming Nacional. Nuno Gonçalves, Pedro Simões FCCN

Campus Virtuais. Arquitectura de Roaming Nacional. Nuno Gonçalves, Pedro Simões FCCN Campus Virtuais Arquitectura de Roaming Nacional Nuno Gonçalves, Pedro Simões FCCN Versão 2.0 03 de Julho de 2009 Requisitos de uma solução nacional de roaming A implementação de uma solução de nacional

Leia mais

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Trabalho realizado pelos alunos: Grupo 17 Índice A Introdução...3 B Objectivos...3 C Especificações, Desenvolvimento e Testes...3 C.1 Especificações...3 C.2

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Ponto Situação VoIP@RCTS

Ponto Situação VoIP@RCTS Ponto Situação VoIP@RCTS Nuno Gonçalves Apoio Logístico: Patrocinadores PLATINA: Patrocinadores OURO: Patrocinadores PRATA: Agenda Serviço de Manutenção Ponto situação migração equipamentos Formação VoIP

Leia mais

User ENUM versus Infrastructure ENUM

User ENUM versus Infrastructure ENUM António Amaral 28/10/2009 Este documento é propriedade intelectual da PT Inovação e fica proibida a sua utilização ou propagação sem expressa autorização escrita. Agenda Conceitos Gerais de na arquitectura

Leia mais

Redes de Computadores: Introdução

Redes de Computadores: Introdução s de Computadores: Introdução Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores s de Computadores Necessidades de comunicação 28-02-2010

Leia mais

Ambiente Atual (GT-VoIP)

Ambiente Atual (GT-VoIP) Ambiente Atual (GT-VoIP) Operação baseada em H.323 Cada instituição possui um GK para implantação de plano de numeração local DGK centralizado armazena os prefixos E.164 de cada uma das instituições GT-VOIP

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS Especificação do Projecto Grupo nº: 9 Turno (e campus): Taguspark Nome Número Luís Silva 68672 Ivo Marcelino 70684 José Lucas 70685 Nome do Projecto Enterprise Digital Content

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Aula 13 Mobilidade 2004-2005

Aula 13 Mobilidade 2004-2005 Aula 13 Mobilidade FCUL 2004-2005 . Encaminhamento em redes ad hoc Permitir que um nó esteja sempre acessível usando o mesmo endereço, independentemente da sua localização física. Problema: O endereço

Leia mais

VoIP@IPB Piloto de Telefonia IP numa Instituição de Ensino Superior

VoIP@IPB Piloto de Telefonia IP numa Instituição de Ensino Superior VoIP@IPB Piloto de Telefonia IP numa Instituição de Ensino Superior Nuno Rodrigues, Eduardo Costa, Sérgio do Vale Instituto Politécnico de Bragança, Centro de Comunicações, Bragança, Portugal Phone: +351

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas BoF VoIP Experiências de Perspectivas RNP, Rio de Janeiro, 22 Agosto 2011 Edison Melo SeTIC/UFSC PoP-SC/RNP edison.melo@ufsc.br 1 Histórico Serviço VoIP4All

Leia mais

Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura

Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura 1 Existem muitos assuntos relacionados com o Skype. Logo, esta apresentação focar-seá essencialmente nos aspectos mais importantes sobre a arquitectura da rede e as funcionalidades do Skype. 2 3 4 PRÓS:

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

Cursos que leciono: 450/451 Cursos da formação (Modalidade Presencial). 442 Construindo PABX IP com asterisk na prática (Modalidade Presencial).

Cursos que leciono: 450/451 Cursos da formação (Modalidade Presencial). 442 Construindo PABX IP com asterisk na prática (Modalidade Presencial). www.4linux.com.br 2 / 25 Apresentação Anderson Julio Trabalho 7 anos com Linux e 2 anos com Asterisk. Certificações: LPI nível 1. Cursos que leciono: 450/451 Cursos da formação (Modalidade Presencial).

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Redes Inteligentes e a Internet

Redes Inteligentes e a Internet Redes Inteligentes e a Internet Integração e interacção com os serviços sobre a Internet Com o protocolo: Service Initiation Protocol- SIP Com a arquitectura: H.323 Multimedia over Packet Networks Media

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.05 Data: 2010-12-15 Appliance CAMES.GT 1 ÍNDICE A Apresentação da Appliance CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server B Características

Leia mais

Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6

Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6 Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6 Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) Pedro Ribeiro Hotel Olissippo Oriente Lisboa, 19 de Maio de 2010 1 CONTEXTO IPL Escolas e serviços dispersos por

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

VoIP no PTT Metro. Fabricio Tamusiunas NIC.BR

VoIP no PTT Metro. Fabricio Tamusiunas NIC.BR VoIP no PTT Metro Fabricio Tamusiunas NIC.BR Histórico de projetos com VoIP INOC-DBA BR Tutorial Sinalização SIP Tutorial Sistemas Abertos PABX VoIP OpenSICAST Projetos Internos VoIP Peering VoIP Peering

Leia mais

Ramos de especialização

Ramos de especialização Ramos de especialização Curso de Engenharia Informática Que ramo escolho? Coordenação de Curso de Engenharia Informática Apoio: Núcleo de Eng. Informática http://tr.im/einformaticacurso de Engenharia Informática

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

iseries Encaminhamento e equilíbrio do volume de trabalho do TCP/IP

iseries Encaminhamento e equilíbrio do volume de trabalho do TCP/IP iseries Encaminhamento e equilíbrio do volume de trabalho do TCP/IP iseries Encaminhamento e equilíbrio do volume de trabalho do TCP/IP Copyright International Business Machines Corporation 2000, 2001.

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa Melhor Comunicação com o serviço UCoIP Uma nova visão da Identidade Corporativa O que irá aprender A Importância do novo conceito UCoIP nas comunicações empresariais de amanhã. Um único endereço para todas

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

IPv6@ESTG-Leiria. Vítor A. C. Santos

IPv6@ESTG-Leiria. Vítor A. C. Santos IPv6@ESTG-Leiria Vítor A. C. Santos 7.ª Conferência em Redes e Serviços de Comunicação ESTG-Leiria, 3 de Maio de 2006 Agenda Objectivos e Motivação IPv6 Projectos Envolvidos Objectivos e Resultados Rede

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto em Contexto Empresarial I VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha - Vila Nova de

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

03.04 Streaming de Vídeo

03.04 Streaming de Vídeo 03.04 Streaming de Vídeo Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Streaming Dados multimédia que são consumidos à mesma velocidade que é enviado pela Internet ou outro tipo

Leia mais

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas Enunciado do Projecto Conjunto

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Nome do estudante:...

Nome do estudante:... Nome do estudante:... Escreva o nome no cabeçalho de todas as folhas de exame que entregar; Apresente as respostas na sua folha de exame segundo a ordem correspondente do enunciado; Leia atentamente o

Leia mais

2ª Edição Alexandre Keller

2ª Edição Alexandre Keller Asterisk na prática 2ª Edição Alexandre Keller Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra,

Leia mais

Comunicação entre computadores o Modelo OSI

Comunicação entre computadores o Modelo OSI Comunicação entre computadores o Modelo OSI Antes de avançar, vamos ver o significado de alguns conceitos. A nível das tecnologias de informação, há um conjunto de normas, padrões e protocolos que são

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Ofício nº 137/2006/CPL/SAA/SE/MEC REFERÊNCIA: Pregão nº 44/2006 Brasília, 12 de dezembro de 2006. ASSUNTO: QUESTIONAMENTOS

Leia mais

Capítulo 11: NAT para IPv4

Capítulo 11: NAT para IPv4 Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 11: NAT para IPv4 Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1 Capítulo 11 11.0

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010 COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE FCCN - Dezembro 2010 Rui Ribeiro colibri@fccn.pt Módulo COLIBRI Concebido por: José Coelho Universidade Aberta Apoiado por: Rui Ribeiro FCCN Vitor

Leia mais