Asterisk MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Asterisk MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015"

Transcrição

1 MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015 RELATÓRIO DO TRABALHO PRÁTICO FINAL Asterisk PEDRO DE SERPA CAIANO ROCHA GONÇALVES TIAGO DOS SANTOS MAIA COSTA DOCENTE: JOÃO MANUEL COUTO DAS NEVES Pág. 1 de 21

2 INTRODUÇÃO O Asterisk é a plataforma open- source mais usada no mundo para a criação de aplicações de comunicações. Através do Asterisk é possível transformar um computador normal num servidor de comunicações e torná- lo, por exemplo, num IP PBX (IP Private Branch Exchange) ou num servidor de conferências. Esta solução é usada em PMEs, grandes empresas, call centers, operadoras de telecomunicações e agências governamentais em todo o mundo. Existem mais de 1 milhão de sistemas de comunicações baseados em Asterisk em uso em mais de 170 países, sendo que uma grande porção desses utilizadores são clientes da lista Fortune Este trabalho prático tem como objetivo a familiarização com a plataforma Asterisk, tendo como base a instalação e a configuração de dois IP PBXs que farão a interligação para o estabelecimento de chamadas entre dois softphones. Para tal foram criadas duas máquinas virtuais, cada uma num computador diferente, com o AsteriskNOW, uma versão do sistema operativo Linux que inclui a instalação da plataforma Asterisk pré- instalada. Para o estabelecimento das chamadas propriamente ditas nos clientes usaram- se os softphones X- lite. Primeiramente serão apresentados os passos seguidos para a instalação e a configuração da plataforma Asterisk e de seguida serão demonstrados os resultados sob a forma de logs wireshark. Pág. 2 de 21

3 1 INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO ASTERISKNOW 1.1 Contextualização teórica Fig. 1 Diagrama lógico Uma chamada VoIP pode essencialmente ser dividida em 3 fases: a fase de estabelecimento da sessão, a fase da chamada propriamente dita e a fase do término da sessão. A primeira e última fase são geridas através de um protocolo de gestão de sessões como o SIP (Session Initiation Protocol), sendo que o fluxo de dados da chamada é controlado por outro protocolo diferente do SIP, como RTP (Real- Time Transfer Protocol). É importante deixar claro que o protocolo SIP é apenas usado para a criação, gestão e terminação de sessões. Além destes e no sentido de colmatar as falhas do SIP, o protocolo IAX2 (Inter- Asterisk exchange 2) foi introduzido em 2010 e é nativo à plataforma de software Asterisk. Foi particularmente desenhado para chamadas sobre IP, embora suporte qualquer tipo de média. O que torna este protocolo tão interessante é o facto de usar apenas um stream UDP tanto para a sinalização da sessão, como para o fluxo de dados de média. Esta característica é benéfica quando é necessário atravessar NATs entre fronteiras de redes. Para o propósito deste trabalho prático, segue uma breve descrição do processo para uma chamada de voz normal entre 2 utilizadores. Neste trabalho, a comunicação entre os terminais dos utilizadores e os servidores foi configurada para ser feita usando o protocolo SIP. No entanto, a comunicação entre IP PBXs usa o protocolo IAX2. A comunicação entre IP PBXs também poderia ter sido feita usando SIP, no entanto, devido a algumas dificuldades encontradas com o uso do SIP entre IP PBXs, optou- se pelo uso de IAX2, que não revelou quaisquer complicações. O primeiro passo passa por registar um utilizador no servidor de registo. O registo é também abrangido pelo protocolo SIP. O utilizador introduz as suas credenciais num Pág. 3 de 21

4 telefone IP, como por exemplo, um softphone X- lite e é enviada uma mensagem de registo para o servidor de registo. Neste exemplo considera- se que os utilizadores estão registados em servidores de registo diferentes. Depois de ambos os utilizadores efetuarem os registos, o utilizador 1 deseja contactar o utilizador 2. O utilizador 1 não conhece a localização do utilizador 2 e, como tal, quando introduz a extensão do utilizador 2 é enviada uma mensagem INVITE para o servidor proxy do utilizador 1 (AsteriskNOW1) indicando o desejo de contactar o utilizador 2. De notar que apesar do servidor de registo e o servidor proxy serem logicamente diferentes, a sua localização física pode ser a mesma, isto é, podem estar alojados no mesmo servidor físico. O proxy AsteriskNOW1 foi configurado para que, para a extensão pretendida, o pedido seja encaminhado para o servidor proxy AsteriskNOW2. Ao encaminhar a mensagem INVITE, o servidor proxy AsteriskNOW1 envia ao utilizador 1 uma mensagem TRYING para o informar da tentativa de alcançar o utilizador 2. O servidor proxy AsteriskNOW2 sabe a localização do utilizador 2, pelo que lhe encaminha a mensagem INVITE do utilizador 1 para iniciar uma chamada. Além disso, envia ainda uma mensagem TRYING ao servidor proxy do utilizador 1. Fig. 2 Diagrama do estabelecimento de uma chamada O softphone do utilizador 2 irá tocar, indicando a chamada proveniente do utilizador 1. É enviada uma mensagem ao servidor proxy do utilizador 2 informando- o de que o telefone do utilizador 2 está a tocar, que chega ao utilizador chamador através do servidor proxy AsteriskNOW1. Assumindo que o utilizador 2 aceita a chamada, é enviada uma mensagem OK ao utilizador 1 através dos servidores proxy. Ao receber a mensagem com o OK, o utilizador 1 envia uma confirmação da receção do OK. Pág. 4 de 21

5 De notar que caso se estivesse a usar o protocolo SIP entre os IP PBXs, esta confirmação poderia ser entregue diretamente ao utilizador 2, sem passar pelos IP PBXs, uma vez que as suas localizações já são conhecidas. Como o protocolo em uso é o IAX2, há necessidade de existir uma tradução entre as mensagens, pelo que o envio é feito através dos IP PBXs. A partir deste momento é gerado um fluxo de dados relativo à chamada, usando um protocolo diferente do SIP. Caso se estivesse a usar um SIP Trunk entre IP PBXs, o fluxo de dados de média seria direto entre os utilizadores, usando o protocolo RTP. Neste caso, como se está a usar um IAX2 Trunk com telefones configurados com SIP, a comunicação de dados do tipo média necessita de atravessar os IP PBXs. Os telefones comunicam em RTP com os IP PBXs, sendo que entre IP PBXs existe uma conversão para IAX2. Esta configuração é mais indicada caso se pretenda fazer controlo de custos para chamadas ao exterior, sendo particularmente interessante quando se tratam de chamadas para telefones não VoIP. Quando um dos utilizadores decidir terminar a chamada, é usado novamente o protocolo SIP para terminar a sessão. O utilizador 2 envia uma mensagem BYE ao utilizador 1, que após receção da mesma, confirma com uma mensagem OK. Pág. 5 de 21

6 1.2 Configurações base (com Voic ) Para a instalação do Asterisk optou- se pela solução AsteriskNOW, que consiste numa versão do Linux baseada em CentOS que inclui o Asterisk pré- instalado. Criaram- se duas máquinas virtuais através do programa VirtualBox em computadores diferentes para simular a utilização de dois IP PBXs. O primeiro IP PBX (AsteriskNOW1) foi configurado com o endereço IP e serve as extensões do formato 1XX. Já o segundo IP PBX (AsteriskNOW2), acessível através do endereço IP , serve as extensões do formato 2XX. A criação e gestão das extensões é gerida no menu Applications > Extension, tendo por base a interface web FreePBX incluída no AsteriskNow. Para aceder a esta interface web, basta abrir um browser e introduzir o endereço do IP PBX a configurar, ou : Fig. 3 Criação de extensões SIP Para a criação de extensões SIP, deve- se escolher a opção Generic CHAN SIP Device como indica a figura 3. De seguida deve- se preencher a extensão pretendida e o nome que irá aparecer associado à extensão. No exemplo que se segue, demonstra- se a criação da extensão 101 associada ao nome 101 no IP PBX AsteriskNOW1. Fig. 4 Criação de extensões SIP O próximo passo refere- se à palavra- passe da conta SIP que está a ser criada. Encontra- se também um campo relativo ao modo de NAT. Nesta situação, tendo em conta que as chamadas serão apenas locais, colocou- se a configuração sem uso de NAT. Pág. 6 de 21

7 Fig. 5 Criação de extensões SIP Na secção das configurações de gestão de utilizadores, pode- se escolher a opção sem a ligação a um utilizador por omissão, uma vez que não acrescenta funcionalidades críticas para o funcionamento que se pretende: Fig. 6 Criação de extensões SIP A configuração do Voic é bastante simples e requer apenas a sua ativação no campo Status, seguido da palavra- passe usada para a autenticação da conta Voic . Optou- se também por preencher o endereço de e selecionar a opção de enviar o Voic para o como anexo: Pág. 7 de 21

8 Fig. 7 Criação de extensões SIP Para o exemplo pretendido não são necessárias mais configurações. Depois de submeter as configurações é ainda necessário selecionar Apply Config para que as alterações tenham efeito: Os mesmos passos foram seguidos para a configuração da extensão 201 no IP PBX AsteriskNOW2, sendo a única diferença a extensão propriamente dita e o nome associado. De seguida é necessário configurar um Trunk, para que seja possível estabelecer uma chamada entre duas extensões registadas em IP PBXs diferentes. O Trunk é uma otimização para reduzir a largura de banda consumida na eventualidade de existirem várias chamadas em simultâneo para o exterior. Essencialmente, o Trunk condensa os dados de voz de várias chamadas num cabeçalho apenas. Esta otimização é especialmente eficiente quando existem dezenas de chamadas em simultâneo, minimizando assim o overhead das várias comunicações simultâneas. Pág. 8 de 21

9 As configurações dos Trunks encontram- se no menu Connectivity > Trunks. Depois de aberto o menu, deve- se escolher a opção Add IAX2 Trunk. Fig. 8 Criação de Trunk As configurações apresentadas são para o IP PBX AsteriskNOW1, no entanto, as configurações para o outro IP PBX são praticamente idênticas e serão mencionadas sempre que for relevante. Para configurar um Trunk IAX2 é necessário dar um nome ao Trunk e introduzir as configurações de autenticação para entrada e saída do Trunk: Fig. 9 Configuração do Trunk Nas configurações de autenticação para a saída deve- se preencher o campo host com o endereço do IP PBX de destino. Neste caso, o endereço de destino é o do AsteriskNOW2 ( ). Na configuração do Trunk no IP PBX AsteriskNOW2 deve- se colocar o endereço do AsteriskNOW1 ( ). Nos campos username e secret colocam- se as credenciais do AsteriskNOW1 que serão usadas no AsteriskNOW2 para autenticação nas configurações de entrada. Neste exemplo escolheu- se USERNOW1 e PASSNOW1 como username e secret respetivamente. No caso do AsteriskNOW2, o username e secret são USERNOW2 e PASSNOW2 respetivamente. Pág. 9 de 21

10 Nas configurações de entrada deve- se preencher o campo user context com o username e secret com os valores introduzidos nas configurações de saída do IP IPBX de destino. Assim, neste caso o username deverá ser USERNOW2 e o secret PASSNOW2. No caso do IP PBX AsteriskNOW2 deve- se preencher o username e o secret com os valores introduzidos nas configurações de saída do AsteriskNOW1, ou seja, USERNOW1 e PASSNOW1. Fig. 10 Configuração do Trunk Resumindo: AsteriskNOW1 Trunk: Trunk Name: Trunk to *NOW2 Outgoing Settings: Trunk Name: Trunk to *NOW2 Host: Username: USERNOW1 Secret: PASSNOW1 Type: peer Incoming Settings: Pág. 10 de 21

11 User Context: USERNOW2 Secret: PASSNOW2 Type: user Context: from- trunk AsteriskNOW2 Trunk: Trunk Name: Trunk to *NOW1 Outgoing Settings: Trunk Name: Trunk to *NOW1 Host: Username: USERNOW2 Secret: PASSNOW2 Type: peer Incoming Settings: User Context: USERNOW1 Secret: PASSNOW1 Type: user Context: from- trunk Depois de se submeterem as alterações, deve- se selecionar a opção Apply Config novamente, por forma a garantir que as alterações têm efeito. O último passo consiste na configuração das rotas exteriores. As rotas exteriores indicam ao IP PBX que Trunk usar consoante determinadas condições relativas às extensões marcadas. No nosso exemplo, pretendemos que o AsteriskNOW1 encaminhe para o IP PBX AsteriskNOW2 as chamadas para as extensões com o format 2XX, em que X é qualquer dígito 0-9. E pretendemos ainda que o AsteriskNOW2 encaminhe para o AsteriskNOW1 as chamadas para as extensões com o formato 1XX. As configurações das rotas exteriores encontram- se no menu Connectivity > Outbound Routes. Fig. 11 Configuração das rotas exteriores Pág. 11 de 21

12 Começa- se por preencher o nome da rota. Neste caso, como se vai configurar a rota para as extensões 2XX, escolheu- se o nome Trunk_To_2XX. De notar que o nome não pode conter espaços. Fig. 12 Configuração das rotas exteriores De seguida preenchem- se as condições que irão determinar se a extensão marcada deve ser encaminhada por esta rota. Neste caso, basta identificar o padrão da extensão, não sendo necessário especificar prefixos ou semelhantes. Além disso, especifica- se ainda o Trunk a usar para esta rota na secção Trunk Sequence for Matched Routes. Fig. 13 Configuração das rotas exteriores As configurações para o AsteriskNOW2 são análogas, sendo as únicas diferenças o nome da rota (Trunk_To_1XX), o padrão da extensão (1XX) e finalmente o Trunk a usar (TRUNK To *NOW1). Para terminar, devem- se submeter as alterações e selecionar Apply Config novamente para que as alterações surtam efeito. Apesar da configuração base para a comunicação entre clients de dois IP PBXs estar terminada, podem ainda configurar- se algumas funcionalidades extra. O Asterisk dispõe de Pág. 12 de 21

13 várias funcionalidades adicionais, no entanto, demonstra- se a configuração para permitir chamadas em conferência, música de fundo quando um utilizador é colocado em espera e videochamadas. 1.3 Conferências Para se aceder às configurações das chamadas em conferências, seleciona- se o menu Applications > Conferences: Fig. 14 Configuração de chamadas em conferência Começa- se por introduzir a extensão que se deve marcar para aceder à chamada em conferência. Pode- se especificar um nome para identificar a conferência para efeitos de gestão. Os campos User PIN e Admin PIN podem ser especificados para controlo de acesso à conferência. O Admin PIN identifica o líder de uma conferência e é particularmente útil se se quiser ativar uma opção que apenas permite o iniciar da conferência quando o líder entrar. Fig. 15 Configuração de chamadas em conferência Pág. 13 de 21

14 As opções seguintes permitem personalizar várias funcionalidades extra para a conferência em configuração. Destaca- se a opção de lançar avisos sempre que alguém entra ou sai da conferência, personalização da mensagem de entrada na conferência, música de fundo quando se está sozinho na conferência, otimização de tráfego que trata os não faladores como estando em mute, e ainda a obrigatoriedade de esperar pela entrada do líder da conferência para dar início à conferência propriamente dita. Nenhuma destas opções é obrigatória, pelo que para o exemplo que se pretende, optou- se pela configuração base. Fig. 16 Configuração de chamadas em conferência Para terminar basta apenas submeter as alterações e clicar em Apply Config. Pág. 14 de 21

15 1.4 Música de fundo em chamadas em espera A personalização da música de fundo quando uma chamada é colocada em espera é bastante simples. Por omissão, esta funcionalidade já se encontra ativa. A personalização encontra- se no menu Settings > Music On Hold: Fig. 17 Personalização da música de fundo Na página de configuração, encontra- se de seguida um campo para efetuar o upload de ficheiros de áudio. Depois de feito o upload, a música encontra- se disponível para ser ouvida quando um utilizador for colocado em espera durante uma chamada. É possível ter várias músicas e ativar a reprodução aleatória, que irá escolher uma música de entre as músicas que estão alojadas no servidor aleatoriamente. Fig. 18 Personalização da música de fundo Pág. 15 de 21

16 1.5 Videochamada A ativação dos codecs de videochamada faz- se na página das configurações SIP e IAX2. Para aceder às configurações SIP deve- se selecionar o menu Settings > Asterisk SIP Settings: Fig. 19 Configuração dos codecs para Videochamada De seguida, seleciona- se a opção CHAN SIP: Fig. 20 Configuração dos codecs para Videochamada Finalmente ativa- se a opção Video Support e escolhem- se os codecs que se pretendem suportar. Fig. 21 Configuração dos codecs para Videochamada Pág. 16 de 21

17 Uma vez que a comunicação entre IP PBXs é feita usando o protocolo IAX2, é necessário ainda ativar os codecs de vídeo nas configurações do IAX. Para tal, basta aceder às configurações do IAX no menu Settings > Asterisk IAX Settings: Fig. 22 Configuração dos codecs para Videochamada E posteriormente ativar o suporte para vídeo e escolher os codecs desejados: Fig. 23 Configuração dos codecs para Videochamada Pág. 17 de 21

18 2 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Os seguintes logs de wireshark foram retirados num computador que alojava os dois IP PBXs em máquinas virtuais diferentes. Por motivos que não conseguimos explicar, o wireshark não foi capaz de apanhar o tráfego todo que esperávamos que fosse capaz de apanhar. Posto isto, os excertos do log que são apresentados apenas revelam o tráfego entre um cliente com IP e o seu respetivo IP PBX com IP Como se pode observar pelo excerto em baixo, começou- se por iniciar uma chamada para a extensão 101. Através do protocolo SIP, foi enviado um primeiro INVITE, que foi rejeito de imediato com o motivo 401 Unauthorized. Esta rejeição prende- se com o facto do cliente ainda não ter o desafio do servidor, pelo que um segundo envio de um INVITE já será aceite. Verifica- se de seguida que o servidor proxy já responde com TRYING na segunda tentativa e de seguida com RINGING, indicando que o telefone do cliente destino está a tocar. Fig. 24 Estabelecimento da chamada via SIP No momento em que o cliente de destino atende a chamada, é enviada a mensagem OK. A partir deste ponto, a chamada está estabelecida, sendo que será trocado tráfego de voz no protocolo RTP, como se pode ver no excerto em baixo: Fig. 25 Tráfego de voz via RTP Depois de se ter terminado a chamada anterior, estabeleceu- se uma chamada com uma extensão e colocou- se essa extensão em espera. Estabeleceu- se outra chamada com outra extensão e juntaram- se as chamadas, formando uma conferência: Fig. 26 Estabelecimento das chamadas via SIP RELATÓRIO DO TRABALHO PRÁTICO FINAL ASTERISK FEUP MIEEC SCOM 2014/2015 Pág. 18 de 21

19 Fig. 27 Tráfego de voz via RTP De seguida ativou- se o vídeo, formando então uma videoconferência: Fig. 28 Tráfego de voz e vídeo via RTP De notar o uso do h263 para a compressão do vídeo. De seguida terminaram- se as chamadas, sendo então enviadas as mensagens BYE e as suas confirmações: Fig. 29 Terminação da conferência via SIP RELATÓRIO DO TRABALHO PRÁTICO FINAL ASTERISK FEUP MIEEC SCOM 2014/2015 Pág. 19 de 21

20 CONCLUSÃO O Asterisk é uma plataforma muito poderosa para quem deseja um serviço de comunicações em tempo real ou deseja criar aplicações de comunicações, sem precisar de se preocupar com os detalhes de mais baixo nível. O facto de ser open- source e personalizável tornou- o numa das plataformas mais usadas no mundo, estando em uso na maioria das empresas do top 1000 da Forbes. A primeira parte deste relatório focou- se em explicar o funcionamento geral de uma chamada VoIP, sendo que posteriormente se detalhou a instalação e configuração base para se conseguir estabelecer chamadas entre dois clientes registados em dois IP PBXs diferentes. Para isso, recorreu- se a uma implementação do Asterisk baseada em AsteriskNow, uma solução pronta a usar após um conjunto mínimo de configurações. Descreveram- se ainda as configurações para implementar algumas funcionalidades extra como as conferências, as videochamadas e a personalização da música de uma chamada em espera. Finalmente apresentou- se uma demonstração de resultados, onde se provaram as configurações efetuadas através de logs de wireshark. Pág. 20 de 21

21 REFERÊNCIAS Siptutorial.net, (2014). A Typical Example of SIP A Made Easy Tutorial. [online] Available at: [Accessed 10 Dec. 2014]. Asterisk.org, (2014). Get Started Asterisk.org. [online] Available at: started [Accessed 10 Dec. 2014]. Asteriskdocs.org, (2014). Connecting Two Asterisk Boxes Together via IAX. [online] Available at: book- html- chunk/i_sect14_tt670.html [Accessed 10 Dec. 2014]. Voipmechanic.com, (2014). 10 advantages of an IP- PBX vs a traditional PBX. [online] Available at: advantages.htm [Accessed 8 Dec. 2014]. Pieri, C. (2014). 10 Reasons to Switch to an IP PBX. [online] 3CX. Available at: benefits/ [Accessed 9 Dec. 2014]. Voip- info.org, (2011). Asterisk channels - voip- info.org. [online] Available at: info.org/wiki/view/asterisk+channels [Accessed 7 Dec. 2014]. Voip- info.org, (2005). Asterisk protocols - voip- info.org. [online] Available at: info.org/wiki/view/asterisk+protocols [Accessed 9 Dec. 2014]. Wiki.asterisk.org, (2014). Asterisk REST Interface (ARI) - Asterisk Project - Asterisk Project Wiki. [online] Available at: https://wiki.asterisk.org/wiki/pages/viewpage.action?pageid= [Accessed 7 Dec. 2014]. Pág. 21 de 21

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279 Relatório Asterisk Unidade Curricular: SCOM Ano Letivo: 2014/2015 Docente: João Manuel Couto das Neves Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Índice Introdução... 2 Instalação e Configuração

Leia mais

SCOM 2014/2015. Asterisk. João Teixeira 070503247

SCOM 2014/2015. Asterisk. João Teixeira 070503247 SCOM 2014/2015 Asterisk João Teixeira 070503247 19 de dezembro de 2014 Índice Introdução... 1 Instalação... 2 Instalação do software Asterisk:... 2 Configuração... 5 Criação de extensões... 5 Registo de

Leia mais

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 20 de Dezembro de 2014 Serviços de Comunicações Conteúdo 1 Introdução 2 2 Contextualização 3 2.1 PBX...................................

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Serviços de Comunicações 2014/2015 TP5 ASTERISK

Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Serviços de Comunicações 2014/2015 TP5 ASTERISK Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Serviços de Comunicações TP5 ASTERISK Bruno Rafael Ribeiro Costa 201005303 Eduardo Nuno Moreira Soares de Almeida 201000641 Professor:

Leia mais

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX 19 de Dezembro de 2014 Carlos Leocádio - ee09313@fe.up.pt Tiago Ferreira - ee10085@fe.up.pt Departamento de Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Índice. Introdução... 2. Instalação... 2. Configurações... 3. Criação de extensões... 3. Voicemail... 4. Conferências...5. Videochamadas...

Índice. Introdução... 2. Instalação... 2. Configurações... 3. Criação de extensões... 3. Voicemail... 4. Conferências...5. Videochamadas... Índice Introdução... 2 Instalação... 2 Configurações... 3 Criação de extensões... 3 Voicemail... 4 Conferências...5 Videochamadas... 6 Trunks... 6 Filas de espera... 9 Mensagens de Texto... 11 Interactive

Leia mais

Trabalho Laborato rio 5 Asterisk

Trabalho Laborato rio 5 Asterisk Trabalho Laborato rio 5 Asterisk Serviços de Comunicações - 2014/2015 Autores: Xavier Araújo José Santos Índice 1. Introdução... 3 2. Asterisk Now... 4 3. Configuração dos Serviços de Comunicação... 5

Leia mais

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 ASTERISK João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 VISÃO GERAL O que é Como funciona Principais Funcionalidades Vantagens vs PBX convencional O QUE É Software open-source, que corre sobre a plataforma Linux;

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES Enunciado do Projecto de VoIP Paulo Rogério Pereira, SETEMBRO DE 2011 1. Objectivo Este trabalho tem como objectivo desenvolver um sistema de Interactive Video Voice Response

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Manual Técnico GoVoice

Manual Técnico GoVoice Data Páginas 3 16 Versão 0.1 Manual Técnico GoVoice Índice 1 Enquadramento... 3 2 Funcionalidades... 4 2.1 Login... 4 2.2 Menus de Administração... 4 2.3 Menu Sistema... 5 2.3.1 Dados do Utilizador...

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

Configuração dos softphones Zoiper e Linphone para uso. no projeto INOC-DBA.

Configuração dos softphones Zoiper e Linphone para uso. no projeto INOC-DBA. Configuração dos softphones Zoiper e Linphone para uso no projeto INOC-DBA. 1. ZOIPER Disponível para: Windows (Vista, 7 e 8), Mac OSX, Linux, Android (2.1 ou superior), ios (4.3 ou superior), Windows

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

Telefone sem fios Manual de configuração Office

Telefone sem fios Manual de configuração Office Telefone sem fios Manual de configuração Office Índice Configurar o Office sem fios 5 Configurar o seu telefone sem fios 5 Configurar a base do telefone 5 Associar o telefone à base 8 Configurar uma conta

Leia mais

Trixbox Um PABX IP gratuito em apenas 20 minutos VoIP quase instantâneo

Trixbox Um PABX IP gratuito em apenas 20 minutos VoIP quase instantâneo Trixbox Um PABX IP gratuito em apenas 20 minutos VoIP quase instantâneo Construa um PABX IP poderoso e com diversos recursos em apenas 20 minutos, e sem gastar nada. por Alberto Sato CAPA O Trixbox [1]

Leia mais

Contato FreeBSD Brasil LTDA Configuração VoIP de Exemplo FreeBSD Brasil LTDA Instrucões Conf VoIP Versão 1.1 PUBLICO pg 1/22

Contato FreeBSD Brasil LTDA Configuração VoIP de Exemplo FreeBSD Brasil LTDA Instrucões Conf VoIP Versão 1.1 PUBLICO pg 1/22 Contato Instrucões Conf VoIP Versão 1.1 pg 1/22 CLASSIFICAÇÃO: X NÃO CLASSIFICADO NÃO CLASSIFICADO PRIVADO X PÚBLICO SECRETO PARTICULAR ALTAMENTE SECRETO PRIVADO Contato Instrucões Conf VoIP Versão 1.1

Leia mais

Manual CallCenter para a IPBrick

Manual CallCenter para a IPBrick Manual CallCenter para a IPBrick iportalmais 1 de Outubro de 2010 1 1 Introdução As empresas usam call centers como forma de interagir e de construir relações com os seus clientes. Consciente da importância

Leia mais

Acessos Convergentes. Manual de Configuração e Utilização

Acessos Convergentes. Manual de Configuração e Utilização Índice 1 Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Acesso... 5 1.3 Autenticação... 5 2 Cliente... 6 2.1 Reencaminhamentos ou redireccionamentos... 6 2.1.1 Novo Plano de Redireccionamento... Error!

Leia mais

Manual de Configuração D-LINK Modelo: DVG-1402S Firmware: 1.00.011

Manual de Configuração D-LINK Modelo: DVG-1402S Firmware: 1.00.011 Manual de Configuração D-LINK Modelo: DVG-1402S Firmware: 1.00.011 Para usuários de conexão banda larga do tipo PPPoE (autenticação por usuário e senha) Capítulo 1 Conectando-se à Internet Alguns provedores

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto em Contexto Empresarial I VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha - Vila Nova de

Leia mais

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual do Portal de Selfcare Utilizador

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual do Portal de Selfcare Utilizador Manual do Portal de Selfcare Utilizador Índice 1 Introdução... 3 1.1 Âmbito do Documento... 3 1.2 Acesso... 4 1.3 Autenticação... 4 2 Extensões... 5 2.1 Reencaminhamentos (redireccionamentos)... 6 2.2

Leia mais

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Trabalho realizado pelos alunos: Grupo 17 Índice A Introdução...3 B Objectivos...3 C Especificações, Desenvolvimento e Testes...3 C.1 Especificações...3 C.2

Leia mais

Manual B.P.S ATA 5xxx Índice

Manual B.P.S ATA 5xxx Índice Manual B.P.S ATA 5xxx Índice 1. Conectando o Adaptador para Telefone Analógico (ATA)...02 2. Configurações básicas...05 2.1 Configuração dos parâmetros de usuário e senha para acessos de banda larga do

Leia mais

Tellfree Brasil Telefonia IP S.A Julho/2012 Manual de configuração Softphone X-lite 5.0 Uso interno e de clientes Tellfree

Tellfree Brasil Telefonia IP S.A Julho/2012 Manual de configuração Softphone X-lite 5.0 Uso interno e de clientes Tellfree Tellfree Brasil Telefonia IP S.A Julho/2012 Manual de configuração Softphone X-lite 5.0 Uso interno e de clientes Tellfree Elaborado por: Vagner Reser vagner.reser@tellfree.com.br Validado por: Gabriel

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais

Cursos que leciono: 450/451 Cursos da formação (Modalidade Presencial). 442 Construindo PABX IP com asterisk na prática (Modalidade Presencial).

Cursos que leciono: 450/451 Cursos da formação (Modalidade Presencial). 442 Construindo PABX IP com asterisk na prática (Modalidade Presencial). www.4linux.com.br 2 / 25 Apresentação Anderson Julio Trabalho 7 anos com Linux e 2 anos com Asterisk. Certificações: LPI nível 1. Cursos que leciono: 450/451 Cursos da formação (Modalidade Presencial).

Leia mais

Manual para a instalação e utilização do VOIP

Manual para a instalação e utilização do VOIP Manual para a instalação e utilização do VOIP Aplicativo para Windows X-lite 5.0 O X-Lite é um programa para realizar ligações através de um computador, que pode ser utilizado com um headset ou com microfone

Leia mais

TUTORIAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO BÁSICA DO TRIXBOX

TUTORIAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO BÁSICA DO TRIXBOX TUTORIAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO BÁSICA DO TRIXBOX Material traduzido do Tribox all descubierto feito por Alfredo Certain Yance e modificado por Eric Barbosa Jales de Carvalho Coordenador: Nathan

Leia mais

SugarCRM, Integração com Produtos IPBrick iportalmais

SugarCRM, Integração com Produtos IPBrick iportalmais SugarCRM, Integração com Produtos IPBrick iportalmais iportalmais 12 de Junho de 2012 1 Introdução Este documento ilustra o procedimento de configuração das aplicações necessárias na integração do SugarCRM

Leia mais

Configuração de Redirecionamento de Porta. Manual de configuração de redirecionamento de porta do modem TD5130.

Configuração de Redirecionamento de Porta. Manual de configuração de redirecionamento de porta do modem TD5130. Configuração de Redirecionamento de Porta Manual de configuração de redirecionamento de porta do modem TD5130. 1. Com o computador ligado via cabo ao modem, pela porta LAN 1, para acessar a interface web

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP Jeremias Neves da Silva 1 RESUMO Este artigo traz uma forma simplificada para a compreensão de todos os que desejam conhecer um pouco mais sobre segurança em protocolos SIP,

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO -ZIMBRA- Ajuda na configuração e utilização do cliente de correio eletrónico

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO -ZIMBRA- Ajuda na configuração e utilização do cliente de correio eletrónico MANUAL DE CONFIGURAÇÃO -ZIMBRA- Ajuda na configuração e utilização do cliente de correio eletrónico Índice Autenticação Pela Primeira Vez... 3 Utilização do Zimbra... 4 Como Aceder... 4 Como fazer Download

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Guia IPBrick Billing

Guia IPBrick Billing Guia IPBrick Billing iportalmais 1 de Outubro de 2010 1 Introdução A crescente aceitação da facturação electrónica por parte dos consumidores e da comunidade empresarial tornou-nos conscientes da necessidade

Leia mais

Passo-a-passo de configuração de aplicativos para rede VoIP da UEMA

Passo-a-passo de configuração de aplicativos para rede VoIP da UEMA Passo-a-passo de configuração de aplicativos para rede VoIP da UEMA Sistemas operacionais: Windows para PC Aplicativo: X-Lite (freeware) Após instalação do aplicativo (disponível na pasta UEMA\Rede VoIP)

Leia mais

Implementar Mediatrix 4400 Digital Gateways com o Cisco Unified Communications UC 320W

Implementar Mediatrix 4400 Digital Gateways com o Cisco Unified Communications UC 320W Implementar Mediatrix 4400 Digital Gateways com o Cisco Unified Communications UC 320W Este documento ajuda-o a configurar o Cisco UC 320W e os Mediatrix 4400 Series Digital Gateways, de forma a suportarem

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA WebShare Serviço de partilha de ficheiros via WebDAV versão: 2.0.3 Nelson Rodrigues Direcção de Sistemas de Informação 28-10-2010 ÍNDICE: Introdução... 3 Requisitos...

Leia mais

CSSnet - candidaturas on-line

CSSnet - candidaturas on-line CSSnet - candidaturas on-line Passamos a apresentar, os passos que deverá seguir para realizar a sua candidatura on-line, chamando a atenção para alguns aspetos a ter em conta. Leia, atentamente, todas

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha

Leia mais

MANUAL VOIP VOIP. Coordenação Tecnológica. Manual de Instalação de Softphones. Voice Over Internet Protocolo

MANUAL VOIP VOIP. Coordenação Tecnológica. Manual de Instalação de Softphones. Voice Over Internet Protocolo MANUAL o Este documento definirá como é feita a instalação e utilização de clientes VoIP na plataforma PC, operando sobre Windows e Linux, e em dispositivos móveis funcionando sobre a plataforma Android

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x Laboratório de RCO2 10 o experimento Objetivos: i) Configurar o controle de acesso IEEE 802.1x em uma LAN ii) Usar VLANs dinâmicas baseadas em usuário Introdução A norma IEEE 802.1x define o controle de

Leia mais

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway Radamés Bett Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, outubro de 2010 Resumo

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual de Configuração do ATA SPA2102 Linksys

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual de Configuração do ATA SPA2102 Linksys Manual de Configuração do ATA SPA2102 Linksys Indíce 1 Introdução... 3 2 Upgrade de Firmware... 3 2.1 Verificação da Versão da FW... 3 2.2 Configuração do IP Fixo sem DHCP Server... 4 2.3 Obtenção do IP

Leia mais

Manual de Utilizador MDDE Plug-in (Windows) 1 of 22

Manual de Utilizador MDDE Plug-in (Windows) 1 of 22 Manual de Utilizador MDDE Plug-in (Windows) 1 of 22 Marca do Dia Eletrónica (MDDE) A Marca De Dia Eletrónica (MDDE) é um serviço, concebido por CTT e MULTICERT, que coloca uma "estampilha eletrónica" num

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual de Configuração do ATA SPA3102 Linksys

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual de Configuração do ATA SPA3102 Linksys Manual de Configuração do ATA SPA3102 Linksys Indíce 1 Introdução... 3 2 Upgrade de Firmware... 3 2.1 Verificação da Versão da FW... 3 2.2 Configuração do IP Fixo sem DHCP Server... 4 2.3 Obtenção do IP

Leia mais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais Brad Hards Tradução: Pedro Morais 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Utilizar o Desktop Sharing 7 3.1 Gerir convites do Desktop Sharing............................ 9 3.2

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Suporte: http://www.mkkdigital.pt/support/upload/index.php

Suporte: http://www.mkkdigital.pt/support/upload/index.php Website: http://www.mkkdigital.pt Suporte: http://www.mkkdigital.pt/support/upload/index.php Introdução As centrais telefónicas 3CX foram desenvolvidas para o tecido empresarial, com sistemas de última

Leia mais

Lojamundi CNPJ: 17.869.444/0001-60 Av. Paranoá Qd. 09 conj. 01 lote 01 sala 304, Paranoá DF CEP: 71.571-012 www.lojamundi.com.br

Lojamundi CNPJ: 17.869.444/0001-60 Av. Paranoá Qd. 09 conj. 01 lote 01 sala 304, Paranoá DF CEP: 71.571-012 www.lojamundi.com.br CONFIGURAÇÃO GRANDSTREAM GXW 4104 + ELASTIX A Grandstream Networks Inc é reconhecidamente mundialmente como, uma empresa inovadora e tem um dos melhores custo benefício do setor de telefonia IP, sendo

Leia mais

Configurando UCM6104 com GXW4104

Configurando UCM6104 com GXW4104 Configurando UCM6104 com GXW4104 Olá pessoal, hoje iremos aprender como configurar um UCM6104 com GXW4104. Antes de começarmos, irei fala um pouco sobre cada um. UCM61xx: O UCM6100 séries aparelho IP PBX

Leia mais

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH!

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES (EACH) TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! Autoria e revisão por: PET Sistemas

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

Como funciona a MEO Cloud?

Como funciona a MEO Cloud? Boas-vindas O que é a MEO Cloud? A MEO Cloud é um serviço da Portugal Telecom, lançado a 10 de Dezembro de 2012, de alojamento e sincronização de ficheiros. Ao criar uma conta na MEO Cloud fica com 16

Leia mais

Guia Web Connect. Versão 0 POR

Guia Web Connect. Versão 0 POR Guia Web Connect Versão 0 POR Modelos aplicáveis Este Manual do Utilizador aplica-se aos seguintes modelos: ADS-2500We e ADS-2600We. Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

TeamWork Manual do Utilizador FortiClient

TeamWork Manual do Utilizador FortiClient Manual do Utilizador FortiClient para Windows 2000, Windows XP, Windows Vista e Windows 7 (32 e 64 bits) Nota Importante: Este manual aplica-se apenas a usernames com o formato usxxxx.@tmwk.webside.pt.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIFICAÇÕES ENUM MARÇO DE 2015 1 CHAMADAS ENTRE ORGANISMOS DA AP COM RECURSO A ENUM ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS 1 - As comunicações de voz, chamadas de voz com

Leia mais

DVG-5121SP. 3. Após realizar o login, aparecerá no canto esquerdo (figura 4) o menu do aparelho.

DVG-5121SP. 3. Após realizar o login, aparecerá no canto esquerdo (figura 4) o menu do aparelho. DVG-5121SP A configuração deste ATA consiste em acessar o seu software de configuração por meio do seu navegador web (browser). O IP de seu D-Link DVG-5121SP por padrão é 192.168.1.1 Figura 1 1. Para acessá-lo,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO TERMINAL DE PORTA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO TERMINAL DE PORTA MANUAL DE UTILIZAÇÃO TERMINAL DE PORTA www.xdsoftware.pt Resumo da Aplicação O XD Terminal de Porta é um módulo do XD Disco destinado a coletores de dados com o sistema operativo Windows mobile. Junta

Leia mais

Guia de Instalação do "Google Cloud Print"

Guia de Instalação do Google Cloud Print Guia de Instalação do "Google Cloud Print" Versão A POR Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado o estilo de nota seguinte: As Notas indicam o que fazer se ocorrerem determinadas

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X A primeira coisa a analisarmos é onde ficará posicionado o servidor de Raio-x na rede do cliente, abaixo será colocado três situações básicas e comuns

Leia mais

Manual de configuração e operação GXP2100/2110/2120

Manual de configuração e operação GXP2100/2110/2120 Manual de configuração e operação GXP2100/2110/2120 1 Especificações Técnicas GXP2100 GXP2110 GXP2120 Display LCD (pixel) 180 x 90 240 x 120 320 x 160 Linhas (Contas SIP) 4 4 6 Teclas programáveis 4 (XML)

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Tutorial: Instalar uma Central telefónica baseada em Elastix

Tutorial: Instalar uma Central telefónica baseada em Elastix Tutorial: Instalar uma Central telefónica baseada em Elastix Date : 25 de Maio de 2016 As redes de dados têm evoluído significativamente nos últimos anos, abrindo portas a que novos serviços assentem nestas

Leia mais

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS Manual de Instalação Rápida DN-70591 INTRODUÇÃO DN-70591 é um dispositivo conjunto de rede com fios/sem fios destinado especificamente para as necessidades de pequenas

Leia mais

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens:

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens: Caro cliente, atendendo a sua solicitação de auxílio no processo de configuração da placa VoIP na central Impacta, segue um passo-a-passo para ajudar a visualização. Abra o software de programação. Clique

Leia mais

GUIA RÁPIDO VSR. Página 1 de 27

GUIA RÁPIDO VSR. Página 1 de 27 GUIA RÁPIDO VSR Acessando o VSR...2! Definindo tarifas para os seus clientes...3! Tipos de contas disponíveis no VSR....11! Padrão de LOGIN e PASSWORD....12! Criando contas GK para os seus clientes....13!

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Relatório Intermédio de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Intermédio de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Intermédio de Projecto em Contexto Empresarial I VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha - Vila Nova de

Leia mais

Acessando o ATA. Essa configuração pode ser realizada através dos seguintes passos:

Acessando o ATA. Essa configuração pode ser realizada através dos seguintes passos: CONFIGURAÇÃO DO ATA ROUTER D-LINK DVG 5008S Easy Configurando o computador para acessar o ATA Acessando Configurando 1. Configurando o computador para acessar. Para realizar a configuração d, é necessário

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

TUTORIAL PARA CONFIGURAR X-LITE

TUTORIAL PARA CONFIGURAR X-LITE TUTORIAL PARA CONFIGURAR X-LITE Etapa 1 - Para configurar o programa X-lite no seu computador, siga as etapas abaixo. Faz um clique sobre SOFTPHONE, em seguida sobre Account Settings. SOFTPHONE Prepare

Leia mais

Terminais SIP Configuração e Operação

Terminais SIP Configuração e Operação Terminais SIP Configuração e Operação Fabricio Tamusiunas Comitê Gestor Internet do Brasil Descrição de terminais SIP Hardware Cisco IP Phone 7940G Software X Lite (Windows e MAC OS X) KPhone (Linux) Cisco

Leia mais

Rede VoIP@RCTS. Sessões de Sensibilização - software Open Source para a Administração Pública Comunicações Unificadas. 6 de Outubro de 2014

Rede VoIP@RCTS. Sessões de Sensibilização - software Open Source para a Administração Pública Comunicações Unificadas. 6 de Outubro de 2014 Rede VoIP@RCTS Sessões de Sensibilização - software Open Source para a Administração Pública Comunicações Unificadas 6 de Outubro de 2014 Agenda Visão generalizada do projeto VoIP@RCTS Partilha de experiências:

Leia mais

Visão 360º do seu cliente no Contact Center!

Visão 360º do seu cliente no Contact Center! Visão 360º do seu cliente no Contact Center! Visão 360º do seu cliente no Contact Center! A solução global para a sua empresa Com o FScontact é possível fazer fazer tudo aquilo que sempre precisou no seu

Leia mais

Acessando o ATA. Essa configuração pode ser realizada através dos seguintes passos:

Acessando o ATA. Essa configuração pode ser realizada através dos seguintes passos: CONFIGURAÇÃO DO ATA ROUTER D-LINK DVG 5121SP Configurando o computador para acessar o ATA Acessando Configurando 1. Configurando o computador para acessar. Para realizar a configuração d, é necessário

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

Gigaset DE900 IP PRO Vista geral

Gigaset DE900 IP PRO Vista geral Gigaset DE900 IP PRO Vista geral 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 1 Tecla Mãos-livres Ligar/desligar o altifalante 2 Tecla do auricular Efetuar a através do auricular 3 Tecla Silenciar Ligar/desligar

Leia mais

Passo 1: Abra seu navegador e digite http://www.no-ip.com. Passo 2: Na tela que surgir, clique em Get Started.

Passo 1: Abra seu navegador e digite http://www.no-ip.com. Passo 2: Na tela que surgir, clique em Get Started. 1 - Como obter seu DNS Dinâmico no No-IP O No-IP, é um sistema de DNS (Domain Name Server), que converte o seu endereço IP em um nome. O que o No-IP faz, é converter o nome do tipo minhacameraip.no-ip.org

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Manual do Utilizador

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Manual do Utilizador BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Manual do Utilizador Publicado: 2014-01-09 SWD-20140109134740230 Conteúdos 1 Como começar... 7 Acerca dos planos de serviço de mensagens para o BlackBerry Internet

Leia mais

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa Melhor Comunicação com o serviço UCoIP Uma nova visão da Identidade Corporativa O que irá aprender A Importância do novo conceito UCoIP nas comunicações empresariais de amanhã. Um único endereço para todas

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

Thunderbird 6.x. Aguarde até o fim do processamento. Será apresentada a tela abaixo: Selecione a opção POP3 e clique em Config manual.

Thunderbird 6.x. Aguarde até o fim do processamento. Será apresentada a tela abaixo: Selecione a opção POP3 e clique em Config manual. Thunderbird 6.x Data: 19/09/2011 Na tela principal, clique em Ferramentas e Configurar Contas Na parte inferior da tela, clique em Ações de contas e depois em Nova conta de email Preencha os campos da

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Configuração para Windows XP

Configuração para Windows XP Configuração para Windows XP O exemplo de configuração representa os passos necessários para a configuração do método de autenticação 802.1x/EAP-PEAP para o sistema operativo Windows XP (versão Português/Inglês),

Leia mais