GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002"

Transcrição

1 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o ambiente Sphericall, comercializado pela empresa Marconi. RNP/REF/0204

2 Sumário 1. Introdução 2. Metodologia Utilizada 3. Procedimento de Inicialização Detalhado 4. Avaliação da Performance (Usando Programas de Avaliação do Próprio Equipamento) 5. Configurações e Funcionalidades Adicionais Testadas Anexo 1. Keep Alive UDP usando Multicast (entre PhoneHub e Sphericall Manager ) 2. TCP aberto sem nenhuma sinalização com o PhoneHub Parado 3. Ligação de um Telefone no PhoneHub (4001) para outro Telefone no PhoneHub (4003) 4. Ligação para Telefone no PhoneHub (4003), sem que ninguém atenda, totalizando 5 toques 5. Ligação do 3354 (Central NEC) para 3191 (BranchHub Entrada), sendo atendido pelo 4001 (PhoneHub) 6. Serviço de Conferência (Sendo Atendido Inicialmente pelo Telefone do PhoneHub (4003)) 7. Serviço de Conferência (Sem ninguém atendendo) 8. Ligação Externa (via BranchHub) para Telefone Celular (Esperando o tom de discagem, após o código de escape 0) 9. Ligação Externa (via BranchHub) para Telefone Celular (Completada a Chamada) GT-VoIP Relatório I.5 2

3 1. Introdução Atualmente existem várias soluções para implementar telefonia sobre Internet no mercado. Nesse trabalho mostraremos os resultados dos testes de performance, funcionalidade, sinalização, utilização da rede, qualidade e confiabilidade, realizados no ambiente Sphericall, da empresa Marconi. Esta tecnologia implementa um sistema de telefonia completo utilizando uma infra-estrutura de rede baseada em Ethernet, o sistema Sphericall. Sphericall é composto por um conjunto de equipamentos onde três módulos são conectados em rede, tendo cada um, certa utilidade específica. São eles: Telefone Telefone Telefone Tronco Telefonico UFRJ Central Telefônica NCE PhoneHUB Rede Local Sphericall Manager BranchHUB PhoneHUB: disponibiliza uma interface de telefonia onde é possível conectar aparelhos telefônicos. Cada um destes é considerado para o ambiente como um ramal virtual, de modo que, ligações telefônicas possam ser estabelecidas entre eles. BranchHUB: dispositivo capaz de integrar o ambiente de telefonia Internet com a Rede de Telefonia Pública, permitindo a interoperabilidade entre estas redes, para que usuários do ambiente Marconi possam realizar e receber chamadas através de alguma operadora local. Sphericall Manager: computador especialmente preparado para configurar e gerenciar o ambiente de telefonia Marconi, sendo equivalente em software e hardware à uma central telefônica convencional. Através deste as chamadas telefônicas são redirecionadas tanto para os ramais virtuais quanto para outros dispositivos (como o BranchHUB) usando a rede Internet. Entre suas características, ele pode gerar relatórios administrativos da utilização do ambiente, e também implementar tolerância à falhas e balanceamento de carga das chamadas, através de redundância, algo bastante utilizado nas centrais telefônicas convencionais, fazendo uso de mais de um Manager simultaneamente. Os testes realizados tiveram a finalidade de informar sobre as características gerais do equipamento em diversas condições de utilização. Além disso, foram feitas análises mais detalhadas, como a interpretação dos pacotes trocados entre os módulos do sistema. Assim, com um maior GT-VoIP Relatório I.5 3

4 entendimento do funcionamento do ambiente, pode-se verificar se a tecnologia utilizada pela Marconi está em conformidade com as diversas soluções de telefonia sobre Internet disponíveis no mercado. Veremos que como o ambiente não implementa o padrão de telefonia IP H.323, idealizamos uma proposta de extensão ao Sphericall, onde poderia ser implementado um gateway permitindo que o ambiente da Marconi interoperasse com outros equipamentos possibilitando uma integração de diversas tecnologias em um ambiente único. 2. Metodologia Utilizada Utilizamos como metodologia de análise a captura e interpretação de pacotes trocados entre os módulos do ambiente utilizando o Ethereal em diversas condições de utilização. Nos testes realizados fizemos a captura e interpretação dos pacotes de rede trocados entre os módulos do equipamento para descobrirmos que padrões estes usavam. Constatamos que os módulos usam como protocolo de transporte de áudio o RTP (Real Time Protocol) e como codificador de áudio o G.711. Ambas tecnologias usadas em diversos equipamentos de telefonia sobre Internet, como os roteadores Cisco, tornando o ambiente Sphericall compatível na camada de transporte de rede com outras tecnologias. Entretanto, na camada de aplicação, ou seja, no processo de sinalização para o estabelecimento de chamada, constatamos que os módulos Marconi usam um padrão proprietário, impossibilitando a plena interoperação com outros equipamentos de telefonia IP. A sinalização utilizada é de difícil compreensão, pois não utiliza palavras-chaves. Por exemplo: Quando se deseja chamar alguém, diversos ambientes de telefonia sobre Internet utilizam a sintaxe invite nome_do_usuário, no caso do ambiente da Marconi, essa chamada de usuário seria descrita por código nome_do_usuário, onde código é um número definido previamente que exerce alguma função dentro do sistema. Existem diversos números definidos, um para cada evento realizado, tornando trabalhoso o entendimento completo da sinalização utilizada. Uma vez tendo compreendido todo o escopo da sinalização proprietária Marconi, pode ser feito um mapeamento entre a sinalização padrão (H.323/SIP) e o padrão proprietário Marconi, para futuramente realizar a interoperação com outros equipamentos de telefonia IP. GT-VoIP Relatório I.5 4

5 3. Procedimento de Inicialização Detalhado 1. Teste de memória. 2. Poll: Troca de pacotes multicast ( ) na porta UDP para descobrir o IP do Sphericall Manager (responde na porta UDP 57345). Nessa etapa o HUB faz uma escolha do Sphericall Manager menos sobrecarregado. GT-VoIP Relatório I.5 5

6 3. TFTP: Download da configuração telefônica (vbx.image) através do Sphericall Manager. 4. Envia pacotes UDP na porta 69 e recebe na porta Booting: Carrega as configurações e inicializa o equipamento. GT-VoIP Relatório I.5 6

7 6. Waiting Finder: Troca de pacotes multicast ( ) na porta UDP para descobrir o IP do Sphericall Manager (responde na porta UDP 57345). Nessa etapa o HUB faz uma escolha do Sphericall Manager menos sobrecarregado. 7. Connect: Uma conexão TCP é estabelecida entre o MG e o MGC na porta GT-VoIP Relatório I.5 7

8 4. Avaliação da Performance (Usando Programas de Avaliação do Próprio Equipamento) Utilização de 2% do CPU sem nenhuma ligação, no PhoneHub, aumentando gradativamente para cada ligação simultânea (ex. 4% do CPU com 4 ligações) Spherical Manager não varia a utilização da CPU e memória durante as ligações. Apenas durante o processo de alteração das configurações, e o processo de carga. Utilização de Rede Pior Caso o Carga Útil (12 x 64 kb/s = 768 kb/s (cada direção) = 1,536 Mb/s) o Overhead de cabeçalho (20 ms intervalo entre pacotes, com tamanho 200 bytes sendo 40 bytes de cabeçalho e 160 bytes de carga útil) o Total de utilização de rede (200/160 x 1,536 Mb/s = 1,920 Mb/s) GT-VoIP Relatório I.5 8

9 5. Configurações e Funcionalidades Adicionais Testadas 1. Conferência, onde o usuário digita uma tecla previamente configurada e estabelece uma conferência entre todos os usuários; 2. Chamada em espera, onde o usuário pode atender ou fazer outra ligação enquanto a chamada anterior fica em espera; 3. Discagem rápida (tecla de atalho), onde o usuário disca um determinado número, e o sistema o redireciona para outro número pré-configurado. Utilizada quando um certo número é discado com grande freqüência. 4. Integração com um servidor de voic , porém essa característica não foi testada por não possuirmos um servidor desse tipo em nosso laboratório. GT-VoIP Relatório I.5 9

10 ANEXOS 1 Keep Alive UDP usando Multicast (entre PhoneHub e Sphericall Manager ) 2 TCP aberto sem nenhuma sinalização com o PhoneHub Parado GT-VoIP Relatório I.5 10

11 3 Ligação de um Telefone no PhoneHub (4001) para outro Telefone no PhoneHub (4003) 4 Ligação para Telefone no PhoneHub (4003), sem que ninguém atenda, totalizando 5 toques GT-VoIP Relatório I.5 11

12 5 Ligação do 3354 (Central NEC) para 3191 (BranchHub Entrada), sendo atendido pelo 4001 (PhoneHub) 6 Serviço de Conferência (Sendo Atendido Inicialmente pelo Telefone do PhoneHub (4003)) GT-VoIP Relatório I.5 12

13 7 Serviço de Conferência (Sem ninguém atendendo) 8 Ligação Externa (via BranchHub) para Telefone Celular (Esperando o tom de discagem, após o código de escape 0) 9 Ligação Externa (via BranchHub) para Telefone Celular (Completada a Chamada) GT-VoIP Relatório I.5 13

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação 1 Intelbras GKM 2210T 1. Instalação 1º Conecte a fonte de alimentação na entrada PWR, o LED Power acenderá; 2º Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED

Leia mais

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA Pioneirismo tecnológico e FLEXIBILIDADE na migração O é uma plataforma de comunicação convergente, aderente às principais necessidades das

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 3 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ARP Address Resolution Protocol 2 IP utiliza endereços de 32 bits para localização de

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 4 do modelo OSI 2 1 Camada 4 do modelo OSI 3 Camada 4 - Transporte O termo "qualidade de serviço" é freqüentemente usado para descrever a finalidade da

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Questionamento 1 : 20.1.1.2 - Sistema de telefonia IP ITEM 04 - Deve ser capaz de se integrar e gerenciar os gateways para localidade remota tipo 1, 2 e 3 e a central

Leia mais

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente Sistema M75S Sistema de comunicação convergente O sistema M75S fabricado pela MONYTEL foi desenvolvido como uma solução convergente para sistemas de telecomunicações. Com ele, sua empresa tem controle

Leia mais

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa.

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. PABX Digital PABX Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. O ACTIVE IP é PABX inovador que possibilita a utilização da telefonia IP e convencional garantindo eficiência

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

MODELO CLIENTE SERVIDOR

MODELO CLIENTE SERVIDOR SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Modelo Cliente Servidor Modelo que estrutura um S.O. como um grupo de processos cooperantes, chamados servidores, que oferecem serviços a processos usuários, denominados clientes;

Leia mais

Plataforma Sentinela

Plataforma Sentinela Plataforma Sentinela A plataforma completa para segurança corporativa A plataforma Sentinela é a mais completa plataforma para monitoramento e interceptação em tempo real, gravação e bilhetagem de chamadas

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação Tópicos em Sistemas Distribuídos Modelos de Comunicação Comunicação em SD Comunicação entre processos Sockets UDP/TCP Comunicação em grupo Broadcast Multicast Comunicação entre processos Conceitos básicos

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir Fundamentos de Redes de Computadores IPv6 Prof. Claudemir Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 RIR Regional Internet Registries (Registrador Regional de Internet)

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

YEALINK SIP-T22P. Função de Teclas SÍNTESE DE FUNCIONALIDADES VOIP. Permitir aos usuários o acesso ao Voice Mail;

YEALINK SIP-T22P. Função de Teclas SÍNTESE DE FUNCIONALIDADES VOIP. Permitir aos usuários o acesso ao Voice Mail; YEALINK SIP-T22P SÍNTESE DE FUNCIONALIDADES VOIP Função de Teclas Permitir aos usuários o acesso ao Voice Mail; Redirecionar ligações ao se ausentar; CUIDADO; (ativa o último nº registrado na memória)

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FÓRUM TÉCNICO CONSULTIVO TELEFONIA IP Carlos José Rosa Coletti AI Reitoria Lazaro Geraldo Calestini Rio Claro Tatiana Pinheiro de Brito IA São Paulo Valmir Dotta FCLAr - CSTI Walter Matheos Junior IFT

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Geral: Manual de Utilização do Software de Teste Gradual Windows

Geral: Manual de Utilização do Software de Teste Gradual Windows Manual de Utilização do Software de Teste Gradual Windows Geral: Este aplicativo é utilizado para testar os Microterminais Gradual Tecnologia Ltda. Para tanto deve ter as Dll s necessárias para controlar

Leia mais

João Pessoa PB, 18 de fevereiro de 2009. TCOS Brasil http://groups.google.com/group/tcos_brasil pág 1

João Pessoa PB, 18 de fevereiro de 2009. TCOS Brasil http://groups.google.com/group/tcos_brasil pág 1 João Pessoa PB, 18 de fevereiro de 2009. TCOS Brasil http://groups.google.com/group/tcos_brasil pág 1 Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição Uso Não Comercial

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

------------------------------------------------------------------------- *** Recuperação de senha através do link:

------------------------------------------------------------------------- *** Recuperação de senha através do link: YEALINK SIP-T22P SÍNTESE DE FUNCIONALIDADES VOIP Função de Teclas Permitir aos usuários o acesso ao Voice Mail; Redirecionar ligações ao se ausentar; CUIDADO; (ativa o último nº registrado na memória)

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 ASTERISK João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 VISÃO GERAL O que é Como funciona Principais Funcionalidades Vantagens vs PBX convencional O QUE É Software open-source, que corre sobre a plataforma Linux;

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

TELECOM SERVIÇO DE INTERNET E TELEFONIA GUIA PRÁTICO

TELECOM SERVIÇO DE INTERNET E TELEFONIA GUIA PRÁTICO TELECOM SERVIÇO DE INTERNET E TELEFONIA GUIA PRÁTICO TELECOM Os serviços de Internet e Telefonia são oferecidos com exclusividade pelo Anhembi! São destinados a organizadores e expositores dos diversos

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes:

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes: Gerência de Redes: - Gerência de redes é o monitoramento de qualquer estrutura física e/ou lógica de uma rede. É de extrema importância esse gerenciamento para que se obtenha um bom fluxo no tráfego das

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB PARA UTILIZAÇÃO COM SISTEMAS NO BREAKS MONOFÁSICOS GUARDIAN LINHAS ENERGIZA E SEICA DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA

Leia mais

Jones Bunilha Radtke. Tarefas:

Jones Bunilha Radtke. Tarefas: Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Tecnólogo em Redes de Computadores Qualidade de Serviços de Rede Prof. Eduardo Monks Camada de Transporte Parte 2 Jones Bunilha Radtke Tarefas: 1.1) O algoritmo Slow

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Intelbras TIP 100. 1. Instalação

Intelbras TIP 100. 1. Instalação 1 Intelbras TIP 100 1. Instalação É necessário que o TIP 100 e seu computador estejam conectados à Internet através de banda larga. A conexão pode ser feita com hub ou switch ligado ao modem roteador ou

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Servidor Radius

Projeto de Redes de Computadores. Servidor Radius Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Projeto de Redes de Computadores Servidor Radius Alunos: Fabio Henrique, Juliano Pirozzelli, Murillo Victor, Raul Rastelo Goiânia, Dezembro de 2014 Radius Remote Authentication

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Firewalls. Firewalls

Firewalls. Firewalls Firewalls Firewalls Paredes Corta-Fogo Regula o Fluxo de Tráfego entre as redes Pacote1 INTERNET Pacote2 INTERNET Pacote3 Firewalls Firewalls Barreira de Comunicação entre duas redes Host, roteador, PC

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

Manual de usuário da TDI 3 PANASONIC TDE/NCP e NS1000

Manual de usuário da TDI 3 PANASONIC TDE/NCP e NS1000 Manual de usuário da TDI 3 PANASONIC TDE/NCP e NS1000 2013 Innova Soluções Tecnológicas Este documento contém 17 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Dezembro de 2013. Impresso

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir Prof. Valdir Informática Informática Valdir Prof. Valdir Informática Informática PROVA DPF 2009 Julgue os itens subseqüentes, a respeito de Internet e intranet. Questão 36 36 - As intranets, por serem

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Software Communication System (SCS) Componentes da Solução

Software Communication System (SCS) Componentes da Solução Software Communication System (SCS) Componentes da Solução Apresentando o SCS Um novo Começo com um novo Sistema de Comunicações O SCS é Aberto, Simples, Comunicações Unificadas Software baseado em soluções

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes.

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. A revolução na comunicação da sua empresa. mobilidade mobilidade Voz Voz vídeo vídeo

Leia mais

Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000

Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000 Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000 Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Principais definições Diagrama de Rede Endereços Restrições

Leia mais

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT MINISTERIO DA CIENCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS CENTRO REGIONAL SUL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE/CRSPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UFSM RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO

HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO HVR - GRAVADOR DIGITAL DE VÍDEO HÍBRIDO GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO Guia rápido do usuário para instalação e operação do DVR Edição R1.0 Bem-vindo! A série DVR/HVR, é um gravador, reprodutor e editor de imagens,

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA!

NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA! NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA TUTORIAL NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA AVISO LEGAL: As informações contidas neste documento

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 26430 - INST.FED.DE EDUC.,CIENC.E TEC.S.PERNAMBUCANO 158149 - INST.FED.EDUC.CIENC.E TEC.SERTãO PERNAMBUCANO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPAMENTO

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL EXPERIMENTOS A realização de experimentos é essencial a qualquer plano de implementação de uma tecnologia. Para a implementação da tecnologia IP multicast foram realizados vários experimentos que abordaram

Leia mais

Manual do Usuário do Cell Bridge GSM Tronco

Manual do Usuário do Cell Bridge GSM Tronco INTRODUÇÃO Parabéns! Você acaba de adquirir mais um produto com a qualidade e a tecnologia IDENTECH. O Cell Bridge é uma interface celular diferenciada. O Cell Bridge funciona como uma interface celular

Leia mais

Guia de Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.6

Guia de Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.6 Guia de Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.6 2006-2015 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que seja expressamente concedida por escrito, nenhuma licença será

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

Serviço de Telefonia IP - VoIP

Serviço de Telefonia IP - VoIP Superintendência de Governança Eletrônica e de Tecnologia da Informação e Comunicação (SeTIC/UFSC) Departamento de Tecnologia da Informação e Redes Serviço de Telefonia IP - VoIP 1 Serviço de Telefonia

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall Algumas definições Firewall Um componente ou conjunto de componentes que restringe acessos entre redes; Host Um computador ou um dispositivo conectado à rede; Bastion Host Um dispositivo que deve ser extremamente

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Economizar com tecnologia é muito simples!

Economizar com tecnologia é muito simples! Economizar com tecnologia é muito simples! O Tartitron Flex é um software que calcula bilhetes telefônicos de todos os tipos de ligações local, DDD, DDI, Celular e VoIP, gerando dados para um perfeito

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC Especificações de Referência Central Telefônica Código do Objeto TOIP00008 Descrição do Objeto Central Telefônica Data da Especificação de Referência Outubro de 2013 Validade da Especificação de Referência

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais