ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REMOTA DE TELESSUPERVISÃO TI/SI 1411 D

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REMOTA DE TELESSUPERVISÃO 02.112-TI/SI 1411 D"

Transcrição

1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REMOTA DE TELESSUPERVISÃO TI/SI 1411 D SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA TI/SI ET TI/SI D 14/9/2007 Pág. 1

2 Especificação Técnica Remota de Telessupervisão TI/SI D Prep.: FECD Visto: LAB Conf.: CERH / RMP Aprov.: Data: 14/09/2007 Folhas: 06 ET TI/SI D 14/9/2007 Pág. 2

3 ÍNDICE SISTEMA DE GERÊNCIA DE INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES Descrição Geral do sistema Composição do Sistema Software de OAMP&C Unidades Terminais Remotas - UTR Condições ambientais Requisitos Gerais de Fornecimento Materiais de Instalação Sobressalente Informações Técnicas e Ferramentas Especiais Informações Técnicas Ferramentas Especiais Esclarecimentos de Dúvidas Garantia...7 ET TI/SI D 14/9/2007 Pág. 3

4 1.0 - SISTEMA DE GERÊNCIA DE INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES Descrição Geral do sistema Esta Especificação Técnica visa definir os requisitos mínimos para fornecimento de Remota de Telessupervisão de infraestrutura e equipamentos de telecomunicações. O Proponente deve garantir e efetuar as atualizações das versões de software durante o período de garantia, sendo de sua inteira responsabilidade manter a integridade das informações coletadas pelo sistema de gerência e fazer as modificações necessárias também nas unidades remotas, quando necessário. O Proponente deve fornecer toda a documentação dos softwares e suas respectivas licenças. A documentação fornecida deve conter descrição detalhada de cada módulo de software bem como das MIB s (Management Information Base) para possibilitar futuras integrações com outras plataformas e sistemas Composição do Sistema O sistema de supervisão de infra-estrutura e equipamentos de telecomunicações da CEMIG tem um sistema centralizado, localizado e instalado no CGR (Centro de Gerência de Redes) no Ed. Itambé, e é composto dos seguintes sub-sistemas: Master de supervisão; Controlador de comunicação; Remotas de telessuspervisão; Essas remotas deverão ser integradas a um dos três sistemas de gerência de infra-estrutura existente na CEMIG, abaixo relacionados: Sistema de Gerência EMOS-T (SIEMENS), remotas TCS-100; Sistema de Gerência GC2000 (NEC), remotas SV 2000 Sistema de Gerência SSIT (ATITEL), remotas UTR 8000; A responsabilidade por toda a integração, através de hardwares, conversão de protocolos, etc., será do fornecedor. Os protocolos destes sistemas são proprietários daquelas empresas. Assim, os detalhes de execução da integração devem ser buscados diretamente com elas. A CEMIG não tem permissão de fornecer detalhes destes aplicativos a terceiros. Opcionalmente, o proponente poderá ofertar um novo sistema centralizado para ser instalado no CGR da CEMIG. Nesse caso, o sistema deverá ter a mesma estrutura daqueles que estão em operação, baseado numa estrutura clienteservidor com 2 servidores operando na configuração de hot stand-by, com a função de servidor de comunicação realizada em outro computador, também duplicado, podendo ser fornecidos equipamentos Terminal Server para esta funcionalidade. O proponente deve fornecer todo o hardware, software e treinamentos relativos ao sistema centralizado ofertado. É desejável que os módulos de relatórios de sistema, relatórios técnicos, log de registro, alarmes, etc., sejam compatíveis com a plataforma do Microsoft Office TM, para importação, exportação de documentos eletrônicos, integrando-se com os aplicativos utilizados corriqueiramente, tais como: Word TM, Excel TM, Access TM, etc. O servidor deverá trabalhar com banco de dados relacional SQL (Structure Query Language) padronizada pela ANSI, versão 89 ou mais atual, funcionar em rede local, com opção de navegação por Browser, sendo que todos os clientes deverão rodar em rede local. O sistema de gerência de telecomunicações deverá ser dimensionado para atender os requisitos de operação e supervisão dos equipamentos, funcionando em regime permanente (24x7), fornecendo informações e Status da rede em tempo real, sem nela inserir informações ou comandos indevidos, obedecendo as recomendações da série M.3000 do ITU/T. A configuração sugerida para o sistema central de gerência da rede é sugerida na figura 01, em anexo. Deverão ser fornecidos os equipamentos e softwares da estação central de gerência da rede e das unidades remotas. As unidades remotas poderão estar incorporadas aos equipamentos de transmissão existentes na estação. O Proponente deve garantir e efetuar as atualizações das versões de software durante o período de garantia, sendo de sua inteira responsabilidade manter a integridade das informações coletadas pelo sistema de gerência e fazer as modificações necessárias também nas unidades remotas, quando necessário. ET TI/SI D 14/9/2007 Pág. 4

5 A criação da base de dados, com a parametrização e configuração inicial do sistema de gerência é de inteira responsabilidade do Fornecedor conforme orientações do Centro de Gerência de Rede CGR da CEMIG, que disponibilizará mão de obra qualificada para o acompanhamento dos trabalhos. As remotas deverão ser fornecidas com modem de comunicação incorporado, com saída a 4 Fios (Tx e Rx) para integração com as remotas existentes e transmissão através do canal de serviço analógico dos rádios ou canais a 4 fios de multiplex digital. Cada remota deverá possuir, além do modem de comunicação integrado, uma híbrida a 4 fios com pelo menos 4 saídas (direções) externas e uma saída para o modem da remota Software de OAMP&C Este aplicativo deverá ser instalado no Centro de Gerência de Redes (CGR) da CEMIG Ed. Fernando Peixoto. Todas as ocorrências coletadas deverão ser registradas em disco e/ou impressora, contendo todas as informações associadas, tais como data/hora, tipo, etc. A implementação da função de impressão deverá ser habilitada ou não pelo operador. A coleta de dados provenientes dos elementos de rede não deverá ser prejudicada (perda de dados) por outras operações do sistema, tais como, emissão de relatórios, consulta a tabelas, alteração de parâmetros, etc. O Fornecedor será responsável por qualquer modificação necessária no Hardware e no Software fornecidos, de modo a possibilitar a implementação das funções especificadas. O fornecedor deverá prover treinamento de operação, parametrização e configuração do sistema. A chegada de alarme deve ser notificada através de mensagem na tela e através de um sinal sonoro, a fim de chamar a atenção do operador. O acesso à gerência do sistema, como por exemplo a execução de um telecomando, deve ser restrito às pessoas credenciadas que deverão ser cadastradas pelo sistema e possuírem senha de acesso. O sistema de telessupervisão (remotas) deverá ser capaz de realizar as seguintes tarefas: Registro de eventos (histórico) com data e hora; Monitoração de alarmes; Emissão de telecomandos; Catálogo de operadores; Diário do operador Emissão de relatórios Registro de informações de alarme e de estado de equipamentos de transmissão ou outros equipamentos; Transporte de informações às centrais principais e secundárias; Comandos de comutação (telecomandos) gerados a partir das Estações Centrais e enviados aos equipamentos de transmissão ou a outros equipamentos; Monitoração de sinais analógicos (tensões e/ou correntes) para transmissão (funções de telemetria). Em caso de falha de comunicação ou defeito, a Unidade Remota deve possuir memória suficiente para armazenar todos os eventos, sem perdê-los, em caso de falha de comunicação, por um período de 24 horas, não devendo alterar ou corromper as informações armazenadas. Quando sanado a falha de comunicação, a Unidade Remota deverá descarregar os eventos armazenados com as datas em que ocorreram. Sob requisição da Estação Central, cada remota deverá enviar o estado de todas as entradas, mantendo a integridade das informações armazenadas na Estação Central. Quando houver detecção de defeito na remota, todos os comandos por ela efetuados devem ser inibidos; logo após deverá ser enviada à Estação Central uma mensagem indicando a condição de defeito Unidades Terminais Remotas - UTR As UTR s deverão ser fornecidas para instalação em racks 19 do tipo aberto, possuindo as ferragens e acessórios necessários à sua instalação. ET TI/SI D 14/9/2007 Pág. 5

6 As UTR s devem possuir ampla possibilidade de expansão e de facilidades de manutenção, executados através de programas de diagnósticos de Hardware, conectando-se um Notebook a uma interface serial específica. As UTR s deverão estar configuradas no mínimo com: 32 Entradas de alarmes externos (contato seco de relé); 08 Entradas para telemetria analógica (tensão ou corrente); 08 Saídas para telecomando (contato seco de relé). As UTR s deverão ser alimentadas em 48 Vcc, com positivo aterrado, consumo máximo de 30 W Entradas Analógicas Basicamente, serão supervisionadas as seguintes grandezas analógicas: Tensão do banco de baterias (0 a 60 V); Corrente de saída para consumidor (0 a 100 A); Corrente de carga/descarga da bateria (-100 a 100 A); Todas as entradas analógicas deverão ser amostradas pela UTR através de Shunts padronizados: (0 a 60 V ; 4 a 20 ma) para tensão; (-60 a +60 mv ; 4 a 20 ma) para corrente; Os transdutores deverão ser fornecidos neste escopo (1 transdutor para cada grandeza analógica, por estação). Alternativamente, o proponente poderá ofertar cartões para entradas analógicas que recebam diretamente os sinais dos equipamentos, dispensando o uso de transdutores. As características básicas das entradas analógicas são: Resolução mínima - 9 bits incluindo sinal; Precisão - 1%; Impedância máxima de entrada - 2 kω; Linearidade mínima - ± 0,5 LSB; Teste de tensão aplicada - 2 kv, 60 Hz, 60 s conforme IEC 255-5; Teste de impulso - 5 kv, 1,2 x 50 µs; Teste de surto de tensão (S.W.C) conforme Norma ANSI C , Os valores supervisionados deverão ser atualizados no máximo a cada 1000 ms na remota, podendo ser ajustados por software, com armazenamento local para serem enviados à Estação Central para emissão posterior de relatórios Entradas Digitais Esta função permite que uma alteração anormal na estação de telecomunicações supervisionada, seja indicada na Estação Central. A aquisição de alarmes na UTR deve ser feita em tempo real, e estes deverão ser reportados à Estação Central sob a forma de sinalização visual e sonora. Todas as entradas digitais devem ser adequadas para receber informações via contatos secos e possibilitar alimentação na faixa de 48 Vcc, corrente de 10 ma. Estas entradas devem ser isoladas elétrica e galvanicamente através da utilização de acopladores ópticos com isolação mínima de 2500 V. As entradas devem ter sensibilidade para operar com tempo máximo de 10 ms os contatos de acionamento. Também deverá haver circuito de debouncing de, no mínimo, 5 ms Saídas Digitais - Comandos As remotas deverão efetuar os comandos sobre os dispositivos telecomandados via contatos equipados com circuito RC para extinção de arco. As características básicas são as seguintes: Corrente nominal - 1 A; Tensão nominal V; Tensão de isolamento V. Deverá haver possibilidade para programar o tempo de fechamento dos contatos dos relés. A faixa de tempo deverá ser ajustável entre 0,1 a 10 s em degraus de 0,1 s. ET TI/SI D 14/9/2007 Pág. 6

7 Modem de Dados Os modems deverão ser integrados na remota, com interligação direta ao barramento de comunicação da remota, com saída a 4 fios (tx e Rx) com velocidade de comunicação compatível com o sistema de gerência já instalado no CGR CEMIG. A velocidade mínima deverá ser de 1200 bps, podendo chegar a 9600 bps Condições ambientais Os equipamentos deverão suportar condições ambientes adversas, dentro dos limites estabelecidos, sem prejuízo às suas operações normais, atendendo as Especificações descritas na Prática Telebrás N , e preferencialmente deverão obedecer: Temperatura: -5 C a + 55 C, Umidade: De 5 a 90% sem condensação. 2.0 Requisitos Gerais de Fornecimento Materiais de Instalação O fabricante deverá fornecer todos os acessórios, cabos e materiais necessários para a instalação e a operação do equipamento, incluindo cabos de interligação entre bastidores, cabos de energia, conectores, presilhas, cabos de aterramento, blocos terminais, ferragens, etc Sobressalente Deverão ser fornecidos pelo menos um módulo sobressalente de cada: Tipo de Placa Quantidade Fonte 01 Híbrida 4 fios 01 Modem 01 CPU 01 Placa de entrada de sinal digital 01 Placa de entrada de sinal analógico 01 Placa de saída de telecomando digital Informações Técnicas e Ferramentas Especiais Informações Técnicas O PROPONENTE deverá prestar esclarecimentos e informações técnicas sobre instalação e/ou funcionamento dos equipamentos, que venham ser solicitados pela CEMIG Ferramentas Especiais O PROPONENTE deverá fornecer todos as ferramentas especiais necessárias para instalar, operar e manter os equipamentos fornecidos. Os custos deste item NÃO entram na avaliação da proposta Esclarecimentos de Dúvidas Conforme condições do Edital Garantia A garantia para o sistema ofertado deverá ser de 24 meses a partir da entrega do sistema. ET TI/SI D 14/9/2007 Pág. 7

8 TALK / DATA TALK RS CS TR RD TD CD Figura 1 - MODELO PARA O SISTEMA DE GERÊNCIA CGR - CENTRO DE GERÊNCIA DE REDE - BELO HORIZONTE Impressora Terminai s Terminai s Servidor de Comunicação / Conv. Protocolo Servidores Ethernet Sistema de Gerência Existente Canal de Dados - DCN ESTAÇÕES Modem UTR com função concentradora RD 1 RD 2 RD n Canal de Canal de Comunicação das Comunicação das Remotas Remotas UTR 1 UTR 2 UTR n ET TI/SI D 14/9/2007 Pág. 8

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410 Revisão C SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO FOLHAS DE DADOS Todas as folhas de dados para os equipamentos mencionados deverão ser devidamente preenchidas conforme determinado a seguir. Deverá ser preenchida uma folha de dados para cada tipo de equipamento

Leia mais

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência AEC Access Easy Controller Guia de Referência Índice 3 1. AEC - Vista Geral do Sistema 4 2. AEC - Componentes Principais 6 3. AEC - Configuração 7 4. AEC - Benefícios 8 5. AEC - Como encomendar? 10 6.

Leia mais

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX DITHERM, DIGRIN, DIVIT são módulos eletrônicos microprocessados que permitem expandir as entradas analógicas de vários controladores SICES para grupos geradores. Mais concretamente: O módulo DITHERM permite

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

Plano Plurianual da Distribuição. Turn Key 1. Dados e Informações para Projeto sobre as. SE S Esmeraldas e Jaboticatubas

Plano Plurianual da Distribuição. Turn Key 1. Dados e Informações para Projeto sobre as. SE S Esmeraldas e Jaboticatubas Doc. TC 00267/2009 SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES Plano Plurianual da Distribuição Turn Key 1 Dados e Informações para Projeto sobre

Leia mais

Guia do Usuário. PCtel E1

Guia do Usuário. PCtel E1 Guia do Usuário PCtel E1 Conteúdo Conhecendo o Produto...05 Instalação Física...08 Módulo Supervidor...10 Política de Garantia...12 Aspectos gerais Conhecendo o produto A Pctel desenvolveu uma plataforma

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

S i s t e m a s d e E n e r g i a

S i s t e m a s d e E n e r g i a S i s t e m a s d e E n e r g i a c a t á l o g o d e p r o d u t o s 2 0 1 0 A Analo oferece soluções completas, software e equipamentos para: Supervisão Telemedição Comunicação de dados Supervisão A

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, designado pela Portaria nº 149/2013-PRE, de 29 de agosto de 2013, em razão de solicitação da empresa

Leia mais

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal PT ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal Amigável ao cliente e comprovado Com a implementação do ACS2000 há alguns anos, foram estabelecidos novos

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

GDE4000. Gerenciador de Energia

GDE4000. Gerenciador de Energia Gerenciador de Energia Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO 1 OBJETIVO... 2 2 REMOTA... 2 2.1 DESCRIÇÃO GERAL... 2 2.2 ALIMENTAÇÃO... 2 2.3 RELÓGIO INTERNO... 2 2.4 ENTRADA DE PULSOS... 2 2.5 ENTRADA DIGITAL AUXILIAR... 2 2.6 REGISTRO DA CONTAGEM DE PULSOS (LOG)

Leia mais

Projetos tecnológicos especiais

Projetos tecnológicos especiais Apresentação Projetos tecnológicos especiais comunicação, controle e informação A Real Fábrica é uma empresa especializada no desenvolvimento e implantação de projetos personalizados de automação comunicação

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego;

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Características Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Poderá ser utilizado por empresas autorizadas por convenção ou acordo coletivo a usar sistemas

Leia mais

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS PROFISSIONAIS QUE DEVERÃO COMPOR AS EQUIPES TÉCNICAS PREVISTAS NESSA CONTRATAÇÃO PARA AMBOS OS LOTES. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano SISTEMA VLT AUDIÊNCIA PÚBLICA AQUISIÇÃO DE SISTEMAS Dezembro/2011 LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO 2 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO VLT Legenda: Traçado VLT: Trecho

Leia mais

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento);

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Características Fabricada em aço-carbono com pintura em epóxi preto; Tratamento anti-corrosivo; Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Fechadura para acesso

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Vectra L1 / L2. Manual de instruções

Vectra L1 / L2. Manual de instruções Vectra L1 / L2 Manual de instruções Versão 05. 2004 1 Índice Introdução...3 Instalação...3 Setup...5 Display...7 Acionando o módulo de impressora...8 Mensagens de sistema...8 Atualizações...9 Programação

Leia mais

FC721 Central de detecção de incêndio

FC721 Central de detecção de incêndio FC72 Central de detecção de incêndio Série FS720 (MP3.0) Cerberus PRO Central compacta de detecção de incêndio, prefabricada, controlada por microprocessador para a conexão de até 26 endereços A central

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA ATMC LTDA

APRESENTAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA ATMC LTDA APRESENTAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA ATMC LTDA A ATMC Automação e Comunicação Ltda desenvolve há mais de 14 anos diversos produtos voltados a automação industrial e transmissão de dados. Apresentamos os equipamentos

Leia mais

Manual de aplicações do CPFLEX

Manual de aplicações do CPFLEX Manual de aplicações do CPFLEX CONTEÚDO Conteúdo... 1 Versão do manual:... 2 Introdução:... 2 Vantagens do uso do CPFLEX com TCP/IP:... 2 Gravação do programa no CPFLEX:... 3 Gravação pela rede ( via ethernet

Leia mais

O uso do CP em sinalização de ferrovias

O uso do CP em sinalização de ferrovias O uso do CP em sinalização de ferrovias Introdução Um Sistema de Sinalização e Controle ferroviário é responsável por garantir a segurança das operações de movimentação dos trens, permitindo a operação

Leia mais

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS PROJETO BÁSICO DOF 001 / 2010 ANEXO 3 FOLHA DE DADOS EQUIPAMENTO: Medidores de Faturamento SE ABUNÃ - FOLHA DE DADOS Quantidade: 8 (oito) Fabricante Modelo FUNCIONAIS Compatibilidade com IEC 687 Classe

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 Londrina, 07 de outubro de 2015. EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 OBJETO: Art.1º. Constitui objeto desta licitação a aquisição de 01 (uma) Plataforma de Solução

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional); Características Fabricada em aço-carbono, com pintura em epóxi preto; Tratamento anticorrosivo; Acabamento em aço inox; Fechadura para acesso aos componentes eletrônicos; Iluminação frontal, com chave

Leia mais

CONTROLADOR CONDAR MP3000.

CONTROLADOR CONDAR MP3000. CONTROLADOR CONDAR MP3000. O equipamento CONDAR MP3000 é um Controlador Eletrônico Microprocessado desenvolvido especificamente para automação de até três Condicionadores de Ar instalados em um mesmo ambiente

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

GDE4000. Controlador de Demanda

GDE4000. Controlador de Demanda Controlador de Demanda Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Exclusivo sistema de hibernação quando o equipamento encontra-se sem energia vinda da rede elétrica, o

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

Esclarecimento: As versões dos navegadores a serem utilizadas pelo PSIM estão descrito no item 2.4.1.12 do projeto básico.

Esclarecimento: As versões dos navegadores a serem utilizadas pelo PSIM estão descrito no item 2.4.1.12 do projeto básico. 1 Dúvida: Por favor, nos explique alguns casos tipicos de uso para o monitoramento central? Esclarecimento: Recepção e tratamento de eventos provenientes da central de alarme, validação de ocorrências

Leia mais

DataQuest. Soluções para Controle de Acesso. DataMini. Manual Técnico Software Ver. 1.0

DataQuest. Soluções para Controle de Acesso. DataMini. Manual Técnico Software Ver. 1.0 DataQuest Soluções para Controle de Acesso DataMini Manual Técnico Software Ver. 1.0 DataQuest DataQuest Comércio e Consultoria Ltda. Av. Dr. Guilherme Dumont Villares, n 1050 Sala 11 Vila Suzana - São

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Flexibilidade, confiabilidade e segurança na detecção de incêndios. Sistemas Endereçáveis Analógicos Módulos e Cartões de Comunicação Dispositivo de Análise de Laço

Leia mais

Positivo Network Manager v.2.0.10

Positivo Network Manager v.2.0.10 Positivo Network Manager v.2.0.10 O Positivo Network Manager é um sistema de gerenciamento remoto de desktops desenvolvido pela própria Positivo Informática. Foi especialmente projetado para trabalhar

Leia mais

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação 857 Sistema de proteção Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação Sumário Seção Descrição Página 1.0 Funções de proteção... 1 Proteção Synchrocheck (25)... 1 Proteção

Leia mais

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos ou sistemas que se queiram supervisionar, via contatos

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Os dados são gravados em um cartucho USB. Este modo de gravação oferece total proteção contra a perda

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-35 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-35 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE Catálogo Técnico INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE CATÁLOGO TÉCNICO ÍNDICE CATÁLOGO TÉCNICO... 1 INTRODUÇÃO... 2 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 2 DADOS TÉCNICOS... 3 ENSAIOS DE TIPO REALIZADOS...

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser configurados e instalados em modo redundante Disponibilidade

Leia mais

Maior Tranqüilidade - Todos esses benefícios, protegendo seus bens materiais e as pessoas que por ali circulam.

Maior Tranqüilidade - Todos esses benefícios, protegendo seus bens materiais e as pessoas que por ali circulam. 1 - APRESENTAÇÃO Este descritivo tem como objetivo, apresentar o Sistema de Identificação de Visitantes enfocando suas funcionalidades e condições técnicas necessárias de implantação. Vantagens do Sistema

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

ARMÁRIO DIGITAL. Av. Viena, 360 Bairro São Geraldo Porto Alegre RS Fone: xx 51 3325-2728 - www.azanonatec.com.br e-mail: Azanonatec@azanonatec.com.

ARMÁRIO DIGITAL. Av. Viena, 360 Bairro São Geraldo Porto Alegre RS Fone: xx 51 3325-2728 - www.azanonatec.com.br e-mail: Azanonatec@azanonatec.com. ARMÁRIO DIGITAL 1 1. INTRODUÇÃO Este documento apresenta algumas considerações sobre o Sistema de guardavolumes autônomo ARMÁRIO DIGITAL, contemplando a operacionalidade e funcionalidade do sistema, bem

Leia mais

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Nota de Aplicação NAP100 Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Sumário Descrição...1 1. Introdução...2 2. Instalação...3 3. Configuração...4 3.1 Projeto de Rede PROFIBUS...4

Leia mais

CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES. Linha de Produtos

CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES. Linha de Produtos CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES Linha de Produtos FAMÍLIA GC XXX GC 310: Controlador Simples AMF-ATS-SPM Emergência, falha dos canos principais, comutação GC 350: Controlador Avançado AMF-ATS-SPM Emergência,

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador 100% electricidade Relés de controle automático para grupo gerador RGAM 10 Relé controle automático para g l Entradas VCA : concessionária L1-L2/N-L3, gerador L1-L2/N l 4 entradas digitais, 5 relés saída.

Leia mais

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER Host On-Demand - HOD Versão 6.0 Fev/2002 Suporte Técnico: Central de Atendimento SERPRO CAS 0800-782323 Gilson.Pereira@serpro.gov.br Marcio.Nunes@serpro.gov.br O que é o serviço

Leia mais

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa.

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa. : Técnico em Informática Descrição do Perfil Profissional: O profissional com habilitação Técnica em Microinformática, certificado pelo SENAI-MG, deverá ser capaz de: preparar ambientes para a instalação

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

Discrete Automation & Motion. CLP Controlador Lógico Programável Linha AC500-eCO

Discrete Automation & Motion. CLP Controlador Lógico Programável Linha AC500-eCO Discrete Automation & Motion CLP Controlador Lógico Programável Linha AC500-eCO CPUs AC500-eCO Tipo I/Os na base ED/SD/EA/AS I/O digital I/O analógico Tensão de Entrada Saída Entrada Saída alimentação

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR P25 Fase 1 Requisitos Gerais Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na

Leia mais