Utilizando Dispositivos Móveis no Suporte ao Ensino de Medicina: Desafios e Propostas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilizando Dispositivos Móveis no Suporte ao Ensino de Medicina: Desafios e Propostas"

Transcrição

1 Utilizando Dispositivos Móveis no Suporte ao Ensino de Medicina: Desafios e Propostas Marcos Forte 1,2, Wanderley Lopes de Souza 1,3, Antonio Francisco do Prado 3 1 Programa de Pós-graduação em Informática em Saúde - Departamento de Informática em Saúde (DIS) Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) 2 Centro Universitário Fundação Santo André (CUFSA) 3 Grupo de Computação Ubíqua (GCU) - Departamento de Computação (DC) Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Resumo. INTRODUÇÃO. O uso de dispositivos móveis por profissionais e estudantes de medicina está se tornando comum. Entretanto algumas limitações, tais como a tela reduzida e a dificuldade para a digitação de texto, restringem o emprego desses dispositivos no acesso sem fio a recursos baseados na Web. OB- JETIVOS. Este artigo apresenta algumas propostas para contornar as atuais limitações dos dispositivos móveis, a fim de facilitar a sua utilização por estudantes de medicina. MÉTODOS. Este trabalho foi realizado com base numa revisão bibliográfica, relativa ao uso de dispositivos móveis no ensino de medicina, e na experiência dos autores na área de adaptação de conteúdo e serviços. RESULTADOS. Este artigo descreve alguns resultados preliminares referentes à adaptação de conteúdo de um portfólio eletrônico, a ser a- cessado via dispositivos móveis. CONCLUSÃO. Apesar dos dispositivos móveis possibilitarem o acesso à informação a qualquer hora e em qualquer lugar, estes não são empregados num vasto leque de domínios devido as suas limitações. O uso de tecnologias de adaptação de conteúdo e serviços, combinado ao uso de informações contextuais, pode facilitar a disseminação de dispositivos móveis no domínio da medicina, sobretudo nos cursos de medicina que empregam Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP). Palavras-chave. Educação Médica, ABP, Informática em Saúde, Computação Ubíqua, Adaptação de Conteúdo, Dispositivos Móveis. Abstract. TITLE. Using Mobile Devices for Supporting Medical Education: Challenges and Proposals. IN- TRODUCTION. The use of mobile devices by health care professionals and students is becoming common. However some limitations, such as the reduced screen size, and the difficulty in typing text, restrict the use of these devices for wireless access to Web-based resources. OBJECTIVES. This paper presents some proposals to minimize the current limitations of mobile devices in order to facilitate the use of such devices by medicine students. METHODS. This work was done based on a literature review about the use of mobile devices in medical education, and based on the authors expertise in the content and services adaptation field. RESULTS. This paper describes some preliminary results concerning the content adaptation of a electronic portfolio to be accessed by mobile devices. CONCLUSION. Despite the mobile devices allow the information access anywhere and anytime, they are not employed in a wide range of domains because of their limitations. The use of content and services adaptation technologies, combined with the use of context information, can facilitate the dissemination of mobile devices in the medicine domain, mainly in medicine courses that employ Problem Based Learning (PBL). Keywords: Medical Education, PBL, Medical Informatics, Ubiquitous Computing, Content Adaptation, Mobile devices. racionais, navegadores e linguagens de marcação, possam atender a esse mercado. Esse fato Introdução não está ligado à defasagem tecnológica de alguns dispositivos, e sim às várias combinações Nos últimos anos uma grande diversidade de dispositivos móveis (ex: Personal Digital Assistants- de capacidade, aplicação, e custo desses dispositivos. PDAs, smartphones, celulares), com capacidade de acessar a Web, foi desenvolvida. Esses dispositivos possuem diferentes capacidades de pro- Saúde (OMS) destacou a mobilidade como um Recentemente a Organização Mundial de cessamento, memória e principalmente diferentes fator essencial para ampliar o sucesso do uso de características de tela, incluindo tamanho, capacidade gráfica e número de cores. Além disso, dispositivos móveis permite a conexão de seus sistemas de informação em saúde [1]. O uso de podem acessar a Web por meio de redes sem fio usuários aos sistemas de saúde, proporcionando (ex: WiFi, GPRS, 3G), que geralmente disponibilizam uma largura de banda variável. produtividade [2]. a redução de custos e erros e o crescimento da O mercado de dispositivos móveis é caracterizado por uma grande diversidade de tecnolotudantes de medicina esbarra na baixa capacida- A adoção de dispositivos móveis pelos esgias de hardware e software. Essa diversidade de de processamento e memória, na limitação da impede que tecnologias únicas, de sistemas ope- 1

2 fonte de energia, na dificuldade de entrada de dados e no tamanho de tela reduzido [3]. Apesar dos avanços na tecnologia de dispositivos móveis, as restrições de interface precisam ser tratadas de modo a maximizar o valor desses dispositivos na área médica [4]. O objetivo deste estudo é avaliar os motivos que levam a um baixo aproveitamento das potencialidades dos dispositivos móveis, na área de ensino de medicina, e propor soluções para reverter esse quadro. Mercado Dentre os vários tipos de dispositivos móveis os celulares são os que possuem maior penetração de mercado, enquanto que os smartphones, convergência de celular com PDA, são os que apresentam maior crescimento percentual. Segundo o International Data Corporation (IDC), em 2008 serão vendidos 8,5 milhões de PDAs contra 130 milhões de smartphones, sendo que estes últimos deverão absorver o restante do mercado de PDAs nos próximos 3 anos [5]. Além dos PDAs os celulares estão integrando gradativamente funcionalidades de vários dispositivos eletrônicos. A Figura 1 ilustra essa convergência. Figura 1 Convergência para celular. Fonte: Ericsson O Brasil, segundo dados divulgados pela Anatel, terminou fevereiro de 2008 com 124,1 milhões de celulares e uma densidade de 65,09 celulares para cada 100 habitantes e a previsão para 2018 é de um celular por habitante. E o mercado de Smartphones deverá atingir 800 mil usuários até o final de 2008, segundo estimativas da Vivo, apoiadas em números do mercado. A partir dos dados apresentados na Tabela 1, pode-se observar as tendências mundiais de crescimento do mercado de celulares e dos avanços tecnológicos desse mercado, que possibilitam novas facilidades e formas no uso desses dispositivos [2]. Além disso, novas categorias de dispositivos móveis estão surgindo, tais como Mobile Internet Devices (MIDs) e Ultra Mobile PCs (UMPCs) [6], que oferecem maior capacidade de processamento, displays maiores e uma interface mais amigável embora ainda restrita. Dentre as novas funcionalidades, que estão sendo integradas, está o Global Positioning System (GPS), que possibilita a disponibilização de serviços baseados na localização. No segmento de redes de comunicação de dados, novas tecnologias, tais como o Worldwide Interoperability for Microwave Access (WiMAX) e as redes celulares de terceira geração (3G), já estão sendo disponibilizadas comercialmente, possibilitando uma maior velocidade na transmissão de dados a um menor custo (estimado) Penetração Mundial 5% 55% 96% % de faturam. com serviços de dados Principais aplicações 2018 (estimado) 4% 19% 40% SMS WEB, SMS, vídeo, musica, empresarial Redes 1G e 2G 2.5G e 3G 5G e 6G Penetração 3G+ 0% 18% 90% Velocidade de transmissão < 50kbps < 2Mbps < 1Gbps Custo médio $200 $130 < $20 Penetração Smartphones < 1% 10% 40% Tempo médio de bateria 2 horas 2,5 horas 24 horas Tabela 1 Evolução de dispositivos móveis Fonte: ITU, Chetan Sharma Consulting Adaptação de Conteúdo A diversidade de dispositivos móveis gerou um grande desafio para o acesso a conteúdo baseado na Web: como adequar um mesmo conteúdo a diferentes tipos de usuário, que possuem suas próprias preferências, e ser apresentado em dispositivos móveis compostos por uma grande diversidade de características funcionais? Para resolver esse problema várias pesquisas estão sendo realizadas na área de adaptação de conteúdo. A adaptação de conteúdo permite a um ú- nico conteúdo original ser convertido para um grande número de formatos, que sejam compatíveis com o contexto de entrega. Segundo o Word Wide Web Consortium (W3C), o termo contexto de entrega refere-se a um conjunto de atributos que caracteriza as capacidades do dispositivo de acesso, as preferências do usuário e outros aspectos do contexto que envolva a entrega de um conteúdo Web. [7]. A Figura 2 ilustra alguns elementos do contexto de entrega. Figura 2 Fragmento de um contexto de entrega 2

3 Essa adaptação pode ser uma transformação, onde a linguagem de marcação é adaptada, e/ou uma transcodificação, onde imagens são convertidas ou redimensionadas. A adaptação de serviços está relacionada às restrições de capacidade de processamento e memória, presentes na maioria dos dispositivos móveis, que impede a execução de vários tipos de aplicativos localmente. Aplicações, tais como anti-vírus, filtragem de conteúdo e tradução de idiomas, podem ser executadas em servidores de adaptação externos, estendendo os benefícios das mesmas aos dispositivos móveis. Adaptações podem ser simples, como realizar pequenas alterações na linguagem de marcação para contornar pequenas diferenças entre navegadores, ou podem ser complexas, como mover um conteúdo de uma modalidade (e.g., texto) para outra (e.g., voz sintetizada). A questão central na área de adaptação de conteúdo e serviços é definir, a partir do contexto de entrega, quais serviços de adaptação serão necessários, em que servidores serão executados e a ordem de execução. Essa definição é realizada pela política de adaptação, a qual é composta pelas regras de adaptação e perfis. As regras de adaptação indicam as condições que devem ser atendidas para que as ações correspondentes a uma determinada adaptação sejam executadas. Os perfis descrevem o contexto de entrega e, visando a eficácia da política de adaptação, estes devem conter as seguintes informações: características e capacidades dos dispositivos de acesso; dados pessoais e preferências dos usuários; condições da rede de comunicação; características dos conteúdos requisitados; resoluções contratuais entre o provedor de serviços e o usuário final. A adaptação pode ser executada em três locais distintos: no servidor de conteúdo, no dispositivo de acesso e nos sistemas intermediários (ex.: proxy). O conteúdo final adaptado pode ser o resultado de uma composição de adaptações aplicadas em diferentes locais. Ensino de Medicina O ensino de medicina tem características particulares, pois além de transmitir conceitos deve estimular o raciocínio, a integração de conhecimento e a associação entre problemas e condutas. Entretanto, os métodos educacionais tradicionais não atendem tais características, uma vez que os estudantes tendem a simplesmente copiar o raciocínio de especialistas [8]. Para solucionar essa limitação, novas metodologias educacionais estão sendo aplicadas ao ensino de medicina, dentre as quais destaca-se o Problem-Based Learning (P- BL) [9]. No Brasil vários cursos já empregam processos de ensino-aprendizagem centrados em PBL, dentre os quais o Curso de Medicina da U- niversidade Federal de São Carlos (UFSCar) [10]. Uma ferramenta muito usada no PBL é o Portfólio Reflexivo (PR), uma coleção de trabalhos realizados pelo estudante que possibilita a- companhar o seu desenvolvimento e permite analisar, avaliar, executar e apresentar as produções resultantes das atividades realizadas num determinado período. De acordo com Wiedmer [11], o efeito positivo do uso de um portfólio inclui um forte senso de responsabilidade do estudante pelo seu aprendizado, já que este é motivado a registrar seus resultados e atingir as metas do processo de ensino-aprendizagem. Visando substituir o papel, tradicionalmente empregado em PRs, e criar uma ferramenta direcionada às atividades do Curso de Medicina da UFSCar, o Grupo de Computação Ubíqua (GCU) do Departamento de Computação (DC) da UFS- Car desenvolveu o Portfólio Reflexivo Eletrônico (PRE) [12]. Essa ferramenta foi construída para ser acessada via desktops e laptops. O uso de dispositivos móveis possibilita aos estudantes terem acesso imediato a conhecimentos remotamente e registrem suas experiências clínicas em uma grande variedade de mídias (ex.: texto, áudio e imagens) [4]. Em relação ao PRE, permitiria que este pudesse ser acessado em atividades que ocorrem fora do campus da universidade (e.g., visitas domiciliares). Uma das vantagens, de introduzir novas tecnologias no ambiente de ensino, é que geralmente os estudantes adaptam-se com facilidade às mesmas, pois cresceram na era digital. Ainda assim as aplicações móveis devem ser embutidas no fluxo de trabalho diário do estudante de um modo atrativo [13]. Além disso, as funcionalidades são diferentes em desktops e dispositivos móveis, o que torna a pesquisa em adaptação de conteúdo e serviços relevante. Por exemplo, para o desenvolvimento de um PRE ubíquo, que possa ser acessado a qualquer hora, de qualquer lugar e usando qualquer tipo de dispositivo, é necessário adaptá-lo em função do contexto de entrega. Métodos Inicialmente foi realizada uma pesquisa bibliográfica, para o levantamento da fundamentação teórica e do estado da arte no uso de dispositivos móveis para o ensino de medicina. Também procurou-se investigar os fatores de resistência ao uso de dispositivos móveis pelos estudantes. Às informações obtidas somaram-se as experiências dos autores na área de adaptação de conteúdo. A partir dessas pesquisas descobriu-se que, apesar do crescimento do número de profissionais e estudantes de saúde que usam dispositivos móveis, o seu emprego está concentrado em aplicativos locais, tais como referências de drogas e diagnósticos [4]. Ainda é pequena a utilização de dispositivos móveis para o acesso a recursos baseados na Web [14], como por exemplo, portfólios eletrônicos. 3

4 Entre os fatores de resistência ao uso de dispositivos móveis, os mais citados foram: Dificuldade de inserção de texto. Em média se gasta 3 vezes mais tempo do que o digitado em um teclado de mesa [15]. Esse fato faz com que aplicações, que demandem um volume maior de digitação, tenham uma menor adoção pelos usuários. O pequeno tamanho da tela, que dificulta a visualização. O medo de desenvolver uma absoluta dependência desses dispositivos, que podem falhar catastroficamente ou serem facilmente perdidos [16]. Os custos da comunicação móvel, combinada com a baixa largura de banda, alta latência e disponibilidade reduzida. A partir das informações obtidas foi desenvolvido um protótipo inicial para prover acesso ao PRE, via dispositivos móveis, visando o seu uso nas atividades da Unidade Educacional de Prática Profissional (UEPP) do Curso de Medicina da UFSCAR [10]. Nessas atividades os estudantes acompanham um certo número de famílias do Programa de Saúde da Família (PSF). Para atender às necessidades de adaptação é proposta a arquitetura, ilustrada na Figura 3, contendo os seguintes itens: o PRE; os sistemas legados pertencentes às Unidades de Saúde da Família (USFs), onde são armazenadas as bases de dados do PSF; o Extended Internet Content Adaptation Framework (EICAF) [17] que integra o Proxy e os Servidores de Adaptação; e os dispositivos móveis utilizados pelos estudantes. O PRE é uma aplicação Web, projetada para clientes desktop que possuam uma resolução mínima de 800x600. Para possibilitar o acesso às páginas Web do PRE via diversos tipos de dispositivos, será empregado o EICAF, a fim de permitir que a adaptação de conteúdo e serviços seja realizada em servidores dedicados. Com o objetivo de disponibilizar uma plataforma flexível e aderente a padrões, optou-se pela utilização de Serviços Web Semânticos [18], que integram o uso de ontologias, para a descrição, busca e composição dos serviços de adaptação, e Serviços Web, que facilitam o desenvolvimento e a implementação de novos servidores. Visto que este trabalho será aplicado na Saúde, o EICAF original sofrerá alterações para adequar-se às regras do setor. Como guia será usado o Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde [19], que normatiza os requisitos necessários para sistemas em medicina. Além da criptografia na transmissão e armazenamento dos dados, existem alguns requisitos relacionados à conectividade do usuário. Como não se pode garantir que o estudante sempre tenha acesso a alguma rede de comunicação sem fio, deve-se prover pelo menos a visualização do histórico da família atendida e o registro de novas informações para futura sincronização. Para disponibilizar essa funcionalidade está sendo desenvolvido um módulo cliente, u- sando a linguagem Java ME, que será executado no dispositivo móvel. Esse módulo irá armazenar as informações usadas na memória do dispositivo e irá sincronizar as alterações quando o acesso remoto retornar. A Figura 4 ilustra um esboço desse módulo onde o Proxy interno, caso perceba que não há rede de comunicação disponível no local, irá enviar informações do cache local para o navegador e as alterações realizadas serão armazenadas nesse cache para posterior sincronização com o servidor remoto. Figura 3 Arquitetura proposta Figura 4 Módulo Cliente Outra alteração a ser realizada no EICAF, o qual já emprega ontologias para a descrição das regras e perfis de adaptação, é o uso da Delivery Context Ontology [20], por ser mais abrangente do que as definidas pelo proponente em Essa alteração também tem por objetivo aumentar a interoperabilidade da solução proposta com outras aplicações. Todo o desenvolvimento será baseado em componentes, facilitando assim a extensibilidade e a inclusão de novas funcionalidades, tais como captura de novas características de contexto e comunicação com sistemas das USFs. Além disso, nesse projeto deverá ser adotado apenas software livre de código aberto. Dentre os fatores que levaram a essa decisão destacam-se: é a abordagem mais adotada na Computação Móvel; o código aberto facilita a sua customização; favorece a interoperabilidade por estar geralmente associado a padrões; baixo custo [21]. Numa segunda fase haverá coleta de dados baseada em técnicas etnográficas de obser- 4

5 vação e entrevista. As observações ocorrerão durante os atendimentos dos estudantes às famílias do PSF. Deverão ser observados pelo menos cinco atendimentos, realizados por diferentes a- lunos escolhidos aleatoriamente. Após a análise dessas observações e a síntese dos elementos importantes, serão realizadas entrevistas semiestruturadas a fim de complementar os dados observados. Essas informações permitirão compreender como os estudantes registram e usam os dados coletados durante o atendimento às famílias. Essa compreensão proporcionará a introdução de melhorias na arquitetura proposta. Resultados Preliminares A implementação do protótipo da arquitetura proposta está em sua fase inicial e por esse motivo ainda não foi disponibilizada aos estudantes. No atual estágio já é possível visualizar um documento do PRE no dispositivo móvel, conforme ilustra a Figura 5. Figura 5 PRE Desktop e PRE Móvel Discussão e Conclusões O uso de dispositivos móveis está crescendos rapidamente, impulsionado pelos seguintes fatores: a convergência da telefonia celular e PDAs; a maior disponibilidade de dispositivos móveis; a redução no custo desses dispositivos; o aumento da velocidade das redes de transmissão de dados sem fio; e uma maior disponibilidade de conteúdo e serviços para esses dispositivos na Internet. De acordo com o National Physician Survey, realizado em 2007 no Canadá, 73,4% dos médicos residentes utilizam PDAs [22]. A grande diversidade de dispositivos móveis, com diferentes funcionalidades, sistemas operacionais, e operadoras, dificulta o desenvolvimento de aplicações locais executadas nos dispositivos, pois a aplicação fica restrita apenas aos dispositivos compatíveis. Assim sendo, o custo do desenvolvimento de versões para cada tipo de dispositivo torna-se impraticável. Uma solução que ganha cada vez mais adeptos e suporte para os dispositivos móveis é o acesso a aplicações Web via navegadores. Desse modo a aplicação fica instalada em um servidor Web, facilitando a sua atualização, o compartilhamento de dados e não necessita ser instalada no dispositivo móvel. Além disso, a combinação de dispositivos móveis e tecnologias da Internet possibilitam a execução de tarefas mais complexas e o acesso praticamente ilimitado a informações médicas [4]. Entretanto ainda restam alguns desafios no acesso a Web via dispositivos móveis: o tamanho pequeno e variável das telas dos dispositivos; a disponibilidade, às vezes reduzida, das redes de dados; e a dificuldade na entrada de dados. Para o problema da tela a solução mais empregada é a adaptação de conteúdo, a qual permite ao usuário visualizar uma certa página adequadamente. A replicação e a sincronização são muito importantes em ambientes móveis, sendo que dispositivos desconectados ou conectados de forma precária devem trabalhar primariamente com recursos locais. Os custos da comunicação móvel, combinada à baixa largura de banda, à alta latência e à disponibilidade reduzida, determinam que dados importantes também sejam armazenados localmente no dispositivo móvel. Facilitar a entrada de dados continua sendo um grande desafio. Os teclados QWERTY reduzidos, reconhecimento de escrita, telas touchscreen e técnicas preditivas auxiliam, mas estão aquém do desejado pelos usuários. Na área de ensino da medicina, onde é usual o emprego de portfólios, esse desafio é ressaltado, pois é comum o uso de texto livre e em quantidade considerável. Uma das abordagens adotadas, para facilitar a entrada de dados, é o uso de informações de contexto, tais como localização do usuário, papel do usuário e procedimento que está sendo executado. Essas informações, além de auxiliar no processo de adaptação, podem reduzir o número de interações necessárias para se obter uma determinada informação, ou facilitar a inserção de novas informações, amenizando as restrições de interface de entrada. Outra abordagem é o uso de voz para entrada de dados e o emprego de sistemas de transcrição computadorizados. A conversão de voz para texto também é uma adaptação e pode ser introduzida na arquitetura proposta. Essa a- bordagem pode ser usada conjuntamente com a informação de contexto. Finalmente, a solução proposta, ainda em desenvolvimento, visa minimizar as restrições de interface, a fim de maximizar o valor desses dispositivos no suporte ao ensino de Medicina. Referências [1] Delhi GAVI Board Meetings. Opportunities for global health initiatives in the health system action agenda.a.5 GHIs and health systems pp. 16.Available from: resour ces/17brd_5_healthsystemsghis_6dec20 05.pdf [2] Sharma C. Mobile Services Evolution Chetan Sharma Consulting Available 5

6 from: [3] Vasilyeva E, Pechenizkiy M, Puuronen S. Towards the framework of adaptive user interfaces for ehealth. 18th IEEE Symposium on Computer-Based Medical Systems; p [4] Garrett BM, Jackson C. A mobile clinical e- portfolio for nursing and medical students, using wireless personal digital assistants (PDAs). Nurse Educ Today, School of Nursing, University of British Columbia, T Wesbrook Mall, Vancouver, BC, Canada; 2006,26: [5] Kerner SM. PDA Market Up or Down? Disponível em: stats/article.php/ [6] Real Mobile Internet: The Next Big Thing? Intel Software Insight. 2007; 11: Available from: [7] Gimson R. Device independence principles: W3C working group note / [8] Talbot M. Monkey see, monkey do: a critique of the competency model in graduate medical education. Med. Educ.; 2004; 38: [9] Boud D, Feletti G. The challenge of problembased learning. Londres: Kogan Page; [10] Conselho de Ensino e Pesquisa da UFSCAR. Curso de Medicina da UFSCar www2.ufscar.br/ graduacao/medicina.php [11] Wiedmer TL. Digital portfolios: capturing and demonstrating skills and levels of performance. Phi Delta Kappan. 1998;79(8): [12] Santos, HF, Santana LHZ, Martins DS, Souza, WL, Prado AF, Biajiz M. A Ubiquitous Computing Environment for Medical Education. In: 23st Annual ACM Symposium on Applied Computing (SAC 2008), 2008, Fortaleza. Proceedings of the 2008 ACM Symposium on Applied Computing. New York : ACM Publications Department, 2008; 2: [13] Roberts G, Aalderink W, Cook J, Feijen M, Harvey J, Lee S, Wade VP. Reflective learning, future thinking: digital repositories, e-portfolios, informal learning and ubiquitous computing. Report from the ALT/SURF/ILTA Spring Conference Research Seminar, 2005, Trinity College, Dublin. [14] Kho A, Henderson LE, Dressler DD, Kripalani S. Use of handheld computers in medical education. A systematic review. J Gen Intern Med, Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, USA. 2006; 21: [15] Rukzio E, Noda C, De Luca A, Hamard J, Coskun, F. Automatic form filling on mobile devices. Pervasive Mob. Comput. 2008;4(2): http://dx.doi.org/ /j.pmcj [16] Barrett JR, Strayer SM, Schubart JR. Assessing medical residents' usage and perceived needs for personal digital assistants. Int J Med Inform, Department of Health Evaluation Sciences, University of Virginia, USA. 2004; 73: [17] Forte M, Souza WL, Prado AF. Using ontologies and Web services for content adaptation in Ubiquitous Computing, Journal of Systems and Software (JSS), Elsevier, 2008; 81(3): doi: /j.jss [18] Martin D, Mcllraith, SA. Bringing Semantics to Web Services. IEEE Intelligent Systems, IEEE Press, USA, 2003;18: [19] Leão BF, Costa CGA, Forman JL. Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde versão 3.0. Sociedade Brasileira de Informática em Saúde Disponível em: _SBIS_CFM_Fase2_v3.0.pdf [20] Lewis R, Fonseca JMC. Delivery Context Ontology. W3C Working Draft Disponível em: / [21] Massarenti JrND, Sampaio-Ralha JL, Sabbatini A, Sabbatini R, Cardoso SH, Ribeiro W, Romaniuc A. Utilização de Softwares Livres em E- ducação a Distância em Medicina e Saúde: uma Experiência de 6 Anos. X CBIS, 2006, Florianópolis. Anais do X CBIS. Florianópolis: Sociedade Brasileira de Informática em Saúde [22] National Physician Survey (NPS) Disponível em: 3.pdf Contato Marcos Forte Departamento de Informática em Saúde Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Rua Botucatu, 862 CEP São Paulo, SP. Tel. (11) /

Experiências no uso do Portfólio Eletrônico Reflexivo para Ensino de Medicina na UFSCar

Experiências no uso do Portfólio Eletrônico Reflexivo para Ensino de Medicina na UFSCar Experiências no uso do Portfólio Eletrônico Reflexivo para Ensino de Medicina na UFSCar Luiz Henrique Zambom Santana, Wanderley Lopes de Souza,, Antonio Francisco do Prado Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

M-Learning. Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis.

M-Learning. Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis. M-Learning Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis. Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng. Fazion Sistemas mauro@fazion.com.br Unisul Virtual mauro.faccioni@unisul.br Novembro/2008 www.fazion.com.br

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Convergência tecnológica em sistemas de informação

Convergência tecnológica em sistemas de informação OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 333-338 INTEGRAÇÃO 333 Convergência tecnológica em sistemas de informação ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo l Atualmente vivemos em uma sociedade na qual o foco

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos tendências EDIÇÃO 03 Setembro/2012 MOBILIDADE CORPORATIVA Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos Recomendações para adoção de estratégia de mobilidade 02 03 04 06 07 08 A mobilidade corporativa

Leia mais

Melhores práticas para tratar dilemas de qualidade no desenvolvimento de aplicativos móveis

Melhores práticas para tratar dilemas de qualidade no desenvolvimento de aplicativos móveis CBSoft 2013 Trilha Indústria Melhores práticas para tratar dilemas de qualidade no desenvolvimento de aplicativos móveis Andreia Matos dos Santos Igor de Borborema Correia 21 de outubro de 2012 Palestrantes

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO SITE DA ESTAÇÃO CIENTÍFICA FERREIRA PENNA, VISANDO ATENDER AOS PADRÕES

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

3'$ 6 7DWLDQD$OYHV/HVVQDX 3URI$OHVVDQGUR=LPPHU H3URI(PHUVRQ3DUDLVR

3'$ 6 7DWLDQD$OYHV/HVVQDX 3URI$OHVVDQGUR=LPPHU H3URI(PHUVRQ3DUDLVR 6,67(0$'(*(5(1&,$0(172&86720,=È9(/%$6($'2(0 3'$ 6 7DWLDQD$OYHV/HVVQDX 3URI$OHVVDQGUR=LPPHU H3URI(PHUVRQ3DUDLVR 1, 2,3 UNICENP Centro Universitário Positivo Rua Professor Viriato Parigot de Souza, 5300

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

Requisitos de um Registro Eletrônico de Saúde Ubíquo *

Requisitos de um Registro Eletrônico de Saúde Ubíquo * Requisitos de um Registro Eletrônico de Saúde Ubíquo * Caroline F. Vicentini 1, Alencar Machado 1, Iara Augustin 1 1 Mestrado em Computação Programa de Pós Graduação em Informática Universidade Federal

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados

BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados Carlos Marques Business Development Manager, Data Connectivity and Integration Latin America & Caribbean Market (CALA) O que veremos hoje?

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Eduardo Barrére Liamara Scortegagna Atualizando o título: Elaboração

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

Computação Sensível ao Contexto

Computação Sensível ao Contexto Computação Sensível ao Contexto Percepção de Contexto em Ambientes Domiciliares Modelagem de Contexto Modelagem de Contexto + Modelagem de Usuário Fabrício J. Barth novembro de 2004 Sumário O que já foi

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Mobile Learning para apoio ao ensino de Lógica Proposicional

Mobile Learning para apoio ao ensino de Lógica Proposicional Mobile Learning para apoio ao ensino de Lógica Proposicional Andrew Rabelo Ruiz 1 Programa de Iniciação Científica Graduação em Ciência da Computação 1 Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) Rua Guatemala,

Leia mais

Testes de Software Aula 2

Testes de Software Aula 2 Testes de Software Aula 2 Universidade Federal do Ceará Estes slides fazem parte do material de treinamento produzido pela Célula de Testes e Qualidade de Software (CTQS) do Grupo de Redes de Computadores,

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Novas opções de Gerenciamento de Dispositivos do Windows *

Novas opções de Gerenciamento de Dispositivos do Windows * Informe Processadores Intel Core de 4ª geração e processadores Intel Atom Mobilidade com a Intel e o Windows 8.1* Novas opções de Gerenciamento de Dispositivos do Windows * O que levar em conta ao decidir

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Especificação Suplementar

Especificação Suplementar Especificação Suplementar Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/10/2014 2.0 2.1 funcionalidade e segurança de M. Vinícius acesso 30/10/2014

Leia mais

Geração de Interfaces Adaptativas para Dispositivos Móveis

Geração de Interfaces Adaptativas para Dispositivos Móveis Geração de Interfaces Adaptativas para Dispositivos Móveis Giani Carla Ito 2, Nilson Sant anna 2, Maurício Ferreira 2, Douglas T. S. Finkler¹, André A. dos Santos¹, Marilson M. dos Santos¹ 1 Laboratório

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA

UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PORTÁVEIS PARA A PLATAFORMA POCKET PC

Leia mais

Maximizando o Valor dos Laboratórios de Informática

Maximizando o Valor dos Laboratórios de Informática Monografia World Ahead: Educação Os laboratórios de informática podem ser projetados para satisfazer as necessidades de hoje, e também maximizar o valor para o futuro. Maximizando o Valor dos Laboratórios

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Dezembro de 2012 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS

AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS LIMA, Luciana 1 DIAS, Daniele 2 IRELAND, Timothy 3 Centro de Educação /Departamento de Metodologia da Educação/ PROBEX RESUMO Este trabalho tem a finalidade

Leia mais

MOBILOGO: UMA EXPERIÊNCIA DO LOGO NO CELULAR

MOBILOGO: UMA EXPERIÊNCIA DO LOGO NO CELULAR MOBILOGO: UMA EXPERIÊNCIA DO LOGO NO CELULAR Romerito C. Andrade 1, Maurício D. Avelino 1, Wellington C. de Araújo 1, Frederico M. Bublitz 2 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Patos PB Brasil 2

Leia mais

4 Trabalhos Relacionados

4 Trabalhos Relacionados 4 Trabalhos Relacionados Os trabalhos apresentados nesta seção são os que buscam de alguma forma resolver as questões levantadas nos capítulos 1 e 2 e possuem alguma semelhança entre si. Eles serão comparados

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

O gerenciamento dos dispositivos com Windows* dá boas-vindas à mobilidade

O gerenciamento dos dispositivos com Windows* dá boas-vindas à mobilidade White Paper 4ª geração dos processadores Intel Core e Intel Atom e mobilidade com o Windows 8.1* O gerenciamento dos dispositivos com Windows* dá boas-vindas à mobilidade Detalhes dos recursos de gerenciamento

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO

Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO Direitos autorais 2004 ZIH Corp. Todos os nomes e números de produtos

Leia mais

PLUG! REDE SOCIAL EDUCACIONAL PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

PLUG! REDE SOCIAL EDUCACIONAL PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PLUG! REDE SOCIAL EDUCACIONAL PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Roseane de Oliveira Martins 1 (UPE) Resumo: Neste artigo serão discutidos os métodos de execução para a confecção do protótipo do aplicativo educacional

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Gerenciador de sistemas Gerenciamento de dispositivo móvel com base em nuvem

Gerenciador de sistemas Gerenciamento de dispositivo móvel com base em nuvem Gerenciador de sistemas Gerenciamento de dispositivo móvel com base em nuvem Resumo O Gerenciador de sistemas da Meraki fornece gerenciamento centralizado em nuvem e pelo ar, diagnósticos e monitoramento

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Entenda o resultado da medição

Entenda o resultado da medição Entenda o resultado da medição Lembre-se que fatores externos podem influenciar na medição. As velocidades contratadas são velocidades nominais máximas de acesso, sendo que estão sujeitas a variações decorrentes

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo Proposta para Grupo de Trabalho GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados Roberto Samarone dos Santos Araujo Agosto/2011 1 Título GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Der. CryptoPhone IP UltraSecNet

Der. CryptoPhone IP UltraSecNet 0 Der CryptoPhone IP UltraSecNet 1 Solução - GSMK como seu parceiro de comunicação segura Fundada em 2003, a GSMK é líder global em criptografia de voz e mensagem Fundada em 2003 após dois anos de pesquisa

Leia mais

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais.

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais. Edital MCT/FINEP/MC/FUNTTEL Plataformas para Conteúdos Digitais 01/2007 Projeto OBAA Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS A Internet global A World Wide Web Máquinas de busca Surgiram no início da década de 1990 como programas de software relativamente simples que usavam índices de palavras-chave.

Leia mais

APLICATIVO AUXILIANDO A MELHORIA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. APPLICATION TO ASSIST IN IMPROVING OF HEALTH IN BRAZIL s PRIMARY CARE

APLICATIVO AUXILIANDO A MELHORIA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. APPLICATION TO ASSIST IN IMPROVING OF HEALTH IN BRAZIL s PRIMARY CARE APLICATIVO AUXILIANDO A MELHORIA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL APPLICATION TO ASSIST IN IMPROVING OF HEALTH IN BRAZIL s PRIMARY CARE Édson das Neves Oliveira 1, Jean Carlo Cainelli 2, Carlos Pilz 2, Sílvio

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Comparativo entre Projetos de Infraestrutura Computacional Pervasiva para Ambientes Clínicos

Comparativo entre Projetos de Infraestrutura Computacional Pervasiva para Ambientes Clínicos Comparativo entre Projetos de Infraestrutura Computacional Pervasiva para Ambientes Clínicos Marcelo Lopes Kroth 1, Iara Augustin 2 1, 2 Grupo de Sistemas de Computação Móvel (GMob), Universidade Federal

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS.

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA FOLHETO COM TANTOS EQUIPAMENTOS MÓVEIS... VOCÊ, DEFINITIVAMENTE, QUER CRIAR UM APLICATIVO COMPATÍVEL COM TODOS ELES. COM RHOELEMENTS,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Adaptando o Plone para Plataformas Móveis. Fabiano Weimar dos Santos e Giuseppe Romagnoli

Adaptando o Plone para Plataformas Móveis. Fabiano Weimar dos Santos e Giuseppe Romagnoli Adaptando o Plone para Plataformas Móveis Adaptando o Plone para plataformas móveis Adaptando o Plone para plataformas móveis Fabiano FabianoWeimar Weimardos dossantos Santos Os amigos me chamam de Os

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais

Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais Proposta de Trabalho

Leia mais

Uso de Padrões Web. maio/2009

Uso de Padrões Web. maio/2009 Uso de Padrões Web maio/2009 Internet e Web, passado, presente e futuro 2 Internet e Web, passado, presente e futuro 3 A Evolução da Web Pré Web Passado web 1.0 Presente web 2.0 Futuro web 3.0 4 A Evolução

Leia mais

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Ivan Guilherme 1, Jonas Queiroz 1, Caio Marques 2 1 Universidade Estadual Paulista, IGCE, DEMAC, Caixa

Leia mais

ESTRATÉGIAS E SOLUÇÕES MOBILE TELEMÁTICA LTDA. 11 5686-6957 11 9930-9700

ESTRATÉGIAS E SOLUÇÕES MOBILE TELEMÁTICA LTDA. 11 5686-6957 11 9930-9700 ESTRATÉGIAS E SOLUÇÕES MOBILE TELEMÁTICA LTDA. 11 5686-6957 11 9930-9700 Mobilidade Corporativa Introdução A democratização e alcance das tecnologias móveis (wireless) e a convergência tecnológica irão

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

Novas opções do Gerenciamento de Dispositivos do Windows *

Novas opções do Gerenciamento de Dispositivos do Windows * Informe Processadores Intel Core de 4ª geração e processadores Intel Atom Mobilidade com a Intel e o Windows 8.1* Novas opções do Gerenciamento de Dispositivos do Windows * O que levar em conta ao decidir

Leia mais

Apêndice A. Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience

Apêndice A. Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience Apêndice A Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience 103 Especificação dos Requisitos do Software < Classroom experience > Versão 2.0 Preparado por < Taffarel Brant Ribeiro,

Leia mais

Questionário Eletrônico em Ambiente Android Para Coleta de Dados

Questionário Eletrônico em Ambiente Android Para Coleta de Dados 290 Questionário Eletrônico em Ambiente Android Para Coleta de Dados Leonildo José de Melo de Azevedo 1, Mauro Miazaki 1, Andres Jesse Porfirio 2 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Estadual

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB Tiago Volpato 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com,

Leia mais

Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone

Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone Déborah S. Cardoso 1, Kátia Adriana A. L. de Barros 1 1 Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) dehscardoso@gmail.com,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Identificação de Dispositivos Móveis utilizando Repositório de Perfis

Identificação de Dispositivos Móveis utilizando Repositório de Perfis 19 a 21 de mar o de 2010 162 Identificação de Dispositivos Móveis utilizando Repositório de Perfis Giani Carla Ito Curso de Sistemas de Informação - Universidade Paranaense (UNIPAR) Rua Rui Barbosa, 611,

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem 266 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem Naidú Gasparetto de Souza1, Sidnei Renato

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

SMAD-ECG, UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE ECG E PRONTUÁRIO

SMAD-ECG, UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE ECG E PRONTUÁRIO SMAD-ECG, UM SOFTWARE PARA AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DE ECG E PRONTUÁRIO Robson Pequeno de Sousa Doutor em Engenharia Elétrica. Professor do curso de Computação do CCT da Universidade Estadual da

Leia mais

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade Futuro das comunicações ópticas e a convergência com sistemas de mobilidade Convivência de Redes Móveis com as Fixas FORA E DENTRO DA CASA DENTRO DA CASA Mercado de Tablet deverá explodir nos próximos

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 18 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 REFLEXÃO Faça uma busca na internet por certificados digitais. Escreva quatro ou cinco parágrafos sobre como usar os certificados

Leia mais