Apoios Educativos. Resultados: 1. Apoio Pedagógico Individual ou de pequeno grupo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apoios Educativos. Resultados: 1. Apoio Pedagógico Individual ou de pequeno grupo"

Transcrição

1 Apoios Educativos Nota Introdutória 1 O trabalho pretende inventariar os Apoios educativos disponibilizados pelas escolas, mormente os que se orientam para colmatar dificuldades de aprendizagem ou são promotores do desenvolvimento pessoal e social dos alunos. Não se incluem nos dados recolhidos nem neste trabalho dados sobre alunos com NEE. Nota metodológica No âmbito do projecto Aprendizagem e Climas Escolares, recolhemos os dados oriundos das escolas que fizeram protocolo com o OBVIE, relativamente ao assunto Apoios Educativos. Analisámos os dados relativos aos apoios disponibilizados pelas escolas no 1º e 2º períodos do ano lectivo findo, traduzidos em nº de alunos abrangidos e, em alguns casos, em nº de dispendidas. Operacionalizámos a variável apoios educativos nas seguintes dimensões: Apoio Pedagógico Individual ou de pequeno grupo para efeitos de resolução de dificuldades de aprendizagem; Apoio Pedagógico Individual para efeitos da integração educativa de alunos estrangeiros; Casos em que foi recomendada a diferenciação pedagógica como apoio educativo e formas dessa diferenciação; Apoio pedagógico para efeitos de promoção do desenvolvimento pessoal e social dos alunos. Não foi possível cruzar os apoios disponibilizados com os resultados escolares dos alunos. Recebemos respostas de 8 Agrupamentos. Os dados foram recolhidos entre 7 e 21 de Abril de Resultados: 1. Apoio Pedagógico Individual ou de pequeno grupo O número total de utilizado em apoios educativos no 1º período para Apoio Pedagógico Individual ou de pequeno grupo, relativamente aos 8 Agrupamentos que responderam à grelha de dados, foi de 6877, correspondendo a 1690 alunos abrangidos pela medida. No 2º período, o número total de utilizado em apoios educativos para Apoio Pedagógico Individual ou de pequeno grupo foi de 9827, abrangeu 2176 alunos o que se traduz num aumento de 28,75% de alunos e 42,8% o nº de de apoios educativos, relativamente ao 1º período. (Tabelas 1 e 2 ) As áreas que tiveram uma maior atenção por parte destes Agrupamentos foram áreas com carácter/vertente mais cognitivo, nomeadamente a Literacia geral e a Matemática, tendo os Agrupamentos disponibilizado 3117 e O tratamento de dados foi realizado pela Bolseira de Iniciação à Investigação, Carla Nunes. 1

2 respectivamente, ao longo do 1º período lectivo. Esta situação verificou-se igualmente no 2 º período, mas com maior incidência do número de para as mesmas áreas em questão, ou seja, 4524 e 4702, respectivamente. Alguns Agrupamentos também disponibilizaram apoios educativas em outras áreas e não - que não foram especificadas mas o seu número é muito menor: 56 e 9 no 1º período e 446 e 4 no 2º período, As Línguas Estrangeiras registaram um aumento muito significativo do 1º para o 2º períodos, tendo quase quintuplicado. Em relação aos anos de onde há mais alunos a usufruírem deste apoio pedagógico são os anos terminais de ciclo, isto é, o 6º ano e o 9º ano, que evidenciam um maior número de alunos abrangidos. E esse facto mantém-se no 1º e no 2º períodos lectivos. alunos abrangidos % Literacia geral Matemática Línguas Estrangeiras áreas áreas não 1 1 0,06% ,89% ,07% ,36% ,46% ,54% ,39% ,62% ,25% ,60% ,77% TOTAL ,00% Tabela 1 - Nº total de utilizado em apoios educativos no 1º período para Apoio Pedagógico Individual ou de pequeno grupo alunos abrangidos % Literacia geral Matemática Línguas áreas áreas Estrangeiras não 1 3 0,14% ,29% ,07% ,93% ,57% ,74% ,88% ,56% ,35% ,84% ,38% ,28% 9 TOTAL ,00%

3 % aumento 28,75% 45% 36,6% 373% 696% ~= Tabela 2 - Nº total de utilizado em apoios educativos no 2º período para Apoio Pedagógico Individual ou de pequeno grupo 2. Apoio Pedagógico Individual para efeitos da integração educativa dos alunos estrangeiros Dos 8 Agrupamentos que responderam ao solicitado, apenas 6 Agrupamentos forneceram dados relativos ao número de alunos estrangeiros alvo de Apoio Pedagógico Individual, para efeitos da sua integração educativa. Deste modo, deduzimos que os outros 2 Agrupamentos não responderam ou porque não têm alunos estrangeiros nas suas escolas, ou, se têm, estes não precisam deste apoio educativo para a sua integração. Em relação ao Apoio Pedagógico Individual oferecido pelas escolas, este dirige-se claramente para o domínio da Língua Portuguesa, onde 27 alunos usufruem deste apoio. Para além deste, registaram-se 3 alunos que têm apoio às Línguas Estrangeiras. Note-se que este apoio abrange somente os alunos do ensino básico. Língua Portuguesa Matemática Línguas Estrangeiras ciências exactas e naturais Ciências humanas Áreas TOTAL Tabela 3 alunos estrangeiros apoiados 3 - Casos em que foi recomendada a diferenciação pedagógica como apoio educativo e formas dessa diferenciação De acordo com o Despacho Normativo n.º 50/2005 sempre que no final do período, um aluno não tenha desenvolvido as competências necessárias para prosseguir com sucesso os seus estudos no 1º ciclo, ou, no caso dos restantes ciclos do ensino básico, obtenha três ou mais níveis inferiores a três, deve o professor do 1º ciclo ou o conselho de turma [dos restantes ciclos] elaborar um plano de recuperação para o aluno. Uma das modalidades que o plano de 3

4 recuperação pode integrar é a pedagogia diferenciada na sala de aula. Outra, é a da produção de materiais didácticos diferenciados. Pedagogia diferenciada dentro da sala de aula Quanto ao item relativo ao número total de alunos a quem foi recomendada a diferenciação pedagógica como apoio educativo no final do 1º período, foram somente 5, os Agrupamentos que forneceram dados. A disciplina que regista o maior número de alunos recomendados para a diferenciação pedagógica dentro da sala de aula é a Língua Portuguesa com um total de 635 alunos. Relativamente às outras áreas como a Matemática, as Línguas Estrangeiras, as Ciências Exactas e Naturais e as Ciências Humanas, o número de alunos revela-se bastante semelhante entre si: 469, 438, 476 e 461, respectivamente. Na análise discriminante, por anos de e para o caso das Ciências Exactas e Naturais, Língua Estrangeira e Ciências Humanas, encontram-se médias mais elevadas nos 7º, 8ºe 9º anos. Quanto às outras Áreas Disciplinares o número de alunos é claramente inferior com 115 alunos. Importa realçar que quer as Línguas Estrangeiras, as Ciências Exactas, as Ciências Humanas, quer as outras Áreas Disciplinares atingem somente alunos do 2º ciclo e do 3º ciclo. Enquanto que o apoio educativo à Língua Portuguesa e à Matemática abrange os 3 ciclos em questão. Língua Portuguesa Média Matemática Média Línguas Média Média Ciências Média Estran- huma- geiras nas ciências exactas e naturais 1 6 3, , , , , , Áreas , , , , , , , , , , , , , , , , Média TOTAL Tabela 4 - Casos em que foi recomendada a diferenciação pedagógica dentro da sala de aula Nota: Os valores médios referidos foram calculados a partir do nº de escolas respondentes, que não é sempre igual em cada uma das disciplinas e anos constantes da tabela 4

5 Produção / utilização de materiais didácticos diferenciados Em relação ao número total de alunos para quem foi recomendada a produção / utilização de materiais didácticos diferenciados, apenas um Agrupamento facultou estes dados. Os mesmos enquadram apenas os alunos do 2º e do 3º ciclo. Assim, os alunos deste Agrupamento revelam uma maior necessidade de apoios educativos nas áreas da Língua Portuguesa e Matemática, sendo abrangidos 5 e 1 alunos respectivamente. Já áreas como as Ciências Humanas, outras Ciências Exactas e Naturais e as Línguas Estrangeiras não evidenciam uma necessidade tão veemente de apoios educativos, sendo 6,, 34 respectivamente, os alunos abrangidos. Quanto a outras áreas não foi recomendada qualquer produção / utilização de materiais didácticos diferenciados. Língua Portuguesa Matemática Línguas Estrangeiras ciências exactas e naturais Ciências humanas Áreas TOTAL Tabela 5 - número total de alunos para quem foi recomendada a produção / utilização de materiais didácticos diferenciados 4 - Apoio pedagógico para efeitos de promoção do desenvolvimento pessoal e social dos alunos. modalidades relativas ao plano de recuperação que a lei consagra são os programas de tutoria para apoio a estratégias de estudo, orientação e aconselhamento do aluno (Despacho Normativo n.º 50/2005). Na questão relativa ao número de de tutoria cuja finalidade é o desenvolvimento pessoal e social (incluindo as disponibilizadas pelo Serviço de Psicologia e orientação), foram 6 os Agrupamentos que responderam. Contudo, ao analisar os dados constatamos um lapso nosso que originou um equívoco na interpretação da pergunta por parte dos interlocutores, pois uns considerarem o número de (2 Agrupamentos) e outros consideraram o número de alunos (4 Agrupamentos). Não obstante, usámos desta informação para analisar outros dados, igualmente interessantes. Em relação aos 4 Agrupamentos que responderam sobre o número de alunos abrangidos foram num total de 208 alunos, entre os quais 119 foram direccionados para tutorias de acompanhamento psicológico e 89 direccionados para tutorias desenvolvidas por professores Directores de turma e professores Tutores. O número de alunos é muito mais significativo no 2 º ciclo, com 58 alunos do 5º ano e 78 alunos do 6º ano. alunos % pelo SPO - pelo SPO - por professores por por alunos 5

6 abrangidos de orientação escolar e profissional de acompanhamento psicológico Directores de turma e professores Tutores ,29% ,85% ,92% ,65% ,88% ,50% ,77% 8 4,81% 9 9 4,33% 9 11 mediadores mais velhos TOTAL 208 0,00% Tabela 6 - alunos de tutoria cuja finalidade é o desenvolvimento pessoal e social - dados de 4 escolas Uma das escolas cujos dados não pudemos incluir no quadro supra, desenvolveram actividades de tutoria recorrendo aos serviços de Psicologia e de Orientação, bem como ao trabalho do Director de Turma. A outra escola conta com outros profissionais para desenvolver esse trabalho, entre os quais se contam : a Mediadora Socio-Educativa, Assistente Social, Directores de Turma e Professores, titulares de turma do 1º ciclo e JI. Conclusões O nº de respondentes impede conclusões gerais, pelo que as afirmações seguintes referem-se, apenas, aos casos em estudo. O apoio pedagógico disponibilizado pelas escolas privilegiou a Literacia geral e a Matemática, desde o 1º período lectivo. As Línguas Estrangeiras registaram um aumento muito significativo do 1º para o 2º períodos, tendo quase quintuplicado. Em relação aos anos de onde há mais alunos a usufruírem deste apoio pedagógico são os anos terminais de ciclo, isto é, o 6º ano e o 9º ano, onde existe um maior número de alunos abrangidos O Apoio pedagógico diferenciado dentro da sala de aula foi mais evidente nas outras áreas curriculares que não a Língua Portuguesa e a Matemática, o que pode corresponder ao facto de as escolas terem atingido os seus limites disponíveis com os apoios nessas duas áreas curriculares. 6

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011 Relatório Final de Actividade Ano Lectivo 2010/2011 A) DESENVOLVIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNAÇÃO: (+)APOIAR_PAT RESPONSÁVEIS: MARTHA FERNANDES E LICÍNIO PEREIRA LOCAL: ESCOLA EB 2,3 DIOGO CÃO DINAMIZADORES:

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr. Horácio Bento de Gouveia Ano Lectivo 20 /20 PLANO DE RECUPERAÇÃO Despacho Normativo nº50/2005 Aluno: Nº

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

O.L.E. - Oficina de Leitura e Escrita

O.L.E. - Oficina de Leitura e Escrita O.L.E. - Oficina de Leitura e Escrita 1. Enquadramento: Este projeto assenta na necessidade de obviar a problemas que parecem vir assumindo alguma premência no Agrupamento de Escolas de Portel, quer pelo

Leia mais

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos

ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos ATIVIDADES DO SPO A - Apoio de natureza psicológica e/ou psicopedagógica a alunos e aos agentes educativos. - individual - em grupo - consultoria a professores, encarregados de educação e pais B - Participação

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Atividades de Apoio Educativo

Atividades de Apoio Educativo Plano Curricular 2012 2013 Plano Anual de Atividades Atividades de Apoio Educativo Departamento/Estrutura: Orientações para as Atividades de Apoio Educativo Receção Biblioteca Manuel Monteiro Zonas de

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO INTERNA A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa que permite a recolha

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANADIA Critérios Gerais de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 2011/2012. Critérios Gerais de Avaliação 1º CEB

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANADIA Critérios Gerais de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 2011/2012. Critérios Gerais de Avaliação 1º CEB Critérios Gerais de Avaliação 1º CEB 0 Introdução No Ensino Básico A avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certificador das diversas aquisições realizadas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO I- Introdução Os critérios de avaliação são definidos de acordo com o currículo, os programas das disciplinas e as metas curriculares, sendo operacionalizados pelos professores da

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vila Flor

Agrupamento de Escolas de Vila Flor RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2015/2016 INTRODUÇÃO A fim de dar cumprimento ao artigo 15.º do Despacho Normativo n.º 10-A/2015, o Conselho Pedagógico elaborou

Leia mais

Ilídio André Costa Agrupamento de Escolas de Fiães Santa Maria da Feira

Ilídio André Costa Agrupamento de Escolas de Fiães Santa Maria da Feira Ilídio André Costa Agrupamento de Escolas de Fiães Santa Maria da Feira 5. PESturma 6. Financiamento 1. 1. Introdução 4. Organograma Educação para a Saúde Introdução 3. Formação do CCES 2. PES do Agrupamento

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS MEDIDAS DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 INDÍCE 1. Introdução.. 3 2. Medidas de promoção do sucesso escolar.....3 3. Apoio ao estudo no 1.º

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Exames Nacionais de Língua Portuguesa e Matemática 9º ANO As provas de exame de Língua Portuguesa e de Matemática incidem sobre as aprendizagens e competências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DE LEITURA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE PROMOÇÃO DE LEITURA DO AGRUPAMENTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO PLANO DE PROMOÇÃO DE LEITURA DO AGRUPAMENTO A leitura um bem essencial Para viver com autonomia, com plena consciência de si próprio e dos outros, para poder tomar

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MOVIMENTO DA ESCOLA MODERNA

MOVIMENTO DA ESCOLA MODERNA e-mail: mem@mail.telepac.pt Índice ordinal (2005-2011) (2005) Niza, S. (2005). Editorial. Escola Moderna, 23 (5), 3-4. Mata Pereira, M. (2005). O Currículo por Competências: A construção de um instrumento

Leia mais

Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas. Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo

Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas. Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo 1.Educação Especial e Apoio Educativo 1.1.

Leia mais

Critérios de constituição de turmas para o ano letivo 2013/2014

Critérios de constituição de turmas para o ano letivo 2013/2014 Critérios de constituição de turmas para o ano letivo 2013/2014 A constituição de turmas dos alunos do ensino diurno que ingressem pela primeira vez na Escola far-se-á de acordo com o determinado no Despacho

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO CONTRADITÓRIO 1.RESULTADOS É excluído por omissão o que foi escrito no documento de apresentação, no que concerne ao Contexto e caracterização da Escola, e proferido em reunião do painel do Conselho Executivo,

Leia mais

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO APOIO AO ESTUDO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/20164 1º CICLO 1. INTRODUÇÃO O despacho normativo nº7/2013 tem como objetivo conceder maior flexibilidade na constituição das

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Ano Letivo 2014/15

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Ano Letivo 2014/15 EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Ano Letivo 2014/15 AVALIAÇÃO 5º ANO 1 Ordem de Trabalhos Ponto um Boas- vindas/apresentação dos intervenientes Ponto dois Desenho curricular e sistema de avaliação no Ensino

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Psicologia B 12º ano Ano lectivo 2011/2012 Critérios de avaliação Competências: Equacionar a Psicologia no panorama geral das ciências; Capacidades de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLA DE ARCOZELO CRITÉRIOS/INDICADORES DE AVALIAÇÃO 1º CICLO. Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLA DE ARCOZELO CRITÉRIOS/INDICADORES DE AVALIAÇÃO 1º CICLO. Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLA DE ARCOZELO 152640 CRITÉRIOS/INDICADORES DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Ano Letivo 2015/2016 Agrupamento de Arcozelo Telef: 258 909 060 - Fax: 258 909 062 www.aearcozelo.pt Vilar Arcozelo

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600)

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600) Direcção Regional de Educação do Centro AULA ASSISTIDA Nº 16 PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA EM ARTES VISUAIS ANO LECTIVO 2011/2012 PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA IDENTIFICAÇÃO PROFESSOR ESTAGIÁRIO

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Autonomia Avaliação externa dos estabelecimentos de educação e ensino Delegação de competências Professor bibliotecário Manuais escolares

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO EMNOP 16 de Dezembro de 2008 1 Legislação de referência Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO FLEXÍVEL DO CURRÍCULO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS NO 3º CICLO

CONTRIBUTOS PARA UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO FLEXÍVEL DO CURRÍCULO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS NO 3º CICLO CONTRIBUTOS PARA UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO FLEXÍVEL DO CURRÍCULO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS NO 3º CICLO Manuel Sequeira, msequeira@iep.uminho.pt Conceição Duarte Laurinda Leite Luís Dourado

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus. Departamento de 1º ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus. Departamento de 1º ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus Departamento de 1º ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2013/2014 A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa, permitindo uma recolha

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2015. Agrupamento de Escolas de Mangualde Página 1

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2015. Agrupamento de Escolas de Mangualde Página 1 PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Mangualde Página 1 Índice INTRODUÇÃO... 3 PÚBLICO-ALVO... 4 OBJETIVOS GERAIS... 4 PESSOAL DOCENTE... 4 Áreas de formação... 5 Calendarização da Formação...

Leia mais

UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CALENDÁRIOS DE EXAMES

UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CALENDÁRIOS DE EXAMES UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CALENDÁRIOS DE EXAMES ANO LETIVO 2016/2017 1º Semestre Calendário de Exames do 1º Semestre - Ano Letivo 2016/2017 DATA: De 23 de jan. a 04 de fev. 2017 CURSO:

Leia mais

ORIENTAÇÕES EMANADAS DO CONSELHO PEDAGÓGICO DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

ORIENTAÇÕES EMANADAS DO CONSELHO PEDAGÓGICO DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Conselho Pedagógico AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES EMANADAS DO CONSELHO PEDAGÓGICO DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Tendo em conta a importância do acto de avaliar, pelas repercussões no futuro escolar do aluno, importa

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento 1º Ciclo Grupos: 110 2016/2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEL CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO UTILIZADOR Critérios

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais Escola Profissional de Salvaterra de Magos CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais Escola Profissional de Salvaterra de Magos CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2 Ano Letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Cursos Profissionais Nota Introdutória A avaliação constitui uma fonte de informação fundamental para o professor, para

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

Variável : Formas de contextualização das disciplinas escolares

Variável : Formas de contextualização das disciplinas escolares OBVIE Dimensão Ensino Aprendizagem Variável : Formas de contextualização das disciplinas escolares ota Introdutória O trabalho procura estudar os modos como disciplinas escolares como a História e a Física

Leia mais

A G R U P AM E N T O D E E S CO L A S D E E U G É N I O D E CA S T R O P lan o E s t r a t é g i c o /

A G R U P AM E N T O D E E S CO L A S D E E U G É N I O D E CA S T R O P lan o E s t r a t é g i c o / PLANO ESTRATÉGICO 2014/2015 (Artigo15º do Despacho Normativo nº13-a/2012 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico agora apresentado enquadra-se no artigo 15º do Despacho Normativo

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

Projeto de Apoio Educativo

Projeto de Apoio Educativo CENTRO CULTURAL E RECREATIVO DAS CRIANÇAS CRUZEIRO E RIO-SECO Projeto de Apoio Educativo Centro de Apoio Escolar 2.º e 3.º Ciclos 15-09-2015 1 Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades

Leia mais

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE As normas de transição para os anos não terminais de ciclo constituem normas

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de janeiro Pela 1ª vez: Revisão (final de ciclo) : ESCOLA: Ano Letivo: 1. Identificação do Aluno: Nome: Data de nascimento: / / Ano: Turma: Nível

Leia mais

Os desafios da Educação Inclusiva

Os desafios da Educação Inclusiva Os desafios da Educação Inclusiva Artur Ramísio Paula Gonçalves Mestrado em Ensino de TIC Instituto de Estudos Superiores de Fafe Docente: Profª Doutora Maria Celeste da Silva Leal de Sousa Lopes 2010

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO DE VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 0/6 Definição 1. Visita de estudo é uma atividade curricular, organizada por professores para alunos, realizada

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DO AGRUPAMENTO SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017

PLANO DE FORMAÇÃO DO AGRUPAMENTO SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 PLANO DE FORMAÇÃO DO AGRUPAMENTO SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 Plano de formação 2013_2017 1 Índice Introdução... 3 Necessidades de Formação... 4 Enquadramento da formação... 5 Objectivo Geral... 5

Leia mais

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O

C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Agrupamento de Escolas Dr. Alberto Iria Olhão C R I T É R I O S G E R A I S DE A V A L I A Ç Ã O Ano Letivo 2015-2016 Critérios Gerais de Avaliação 2015-2016 1 1. Avaliação A avaliação constitui um processo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito ARTIGO 1º ÂMBITO E NATUREZA Os Quadros de Excelência, Honra e Mérito destinam-se a reconhecer as competências/ capacidades

Leia mais

Regulamento do Quadro de Mérito

Regulamento do Quadro de Mérito Regulamento do Quadro de Mérito Preâmbulo De acordo com o artigo 51º A da Lei 39/2010 de 2 de Setembro, o Quadro de Mérito do Agrupamento Vertical de Escolas Professor Ruy Luís Gomes visa reconhecer, valorizar

Leia mais

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009 Implementação do Projecto Competências TIC Fevereiro de 2009 Objectivos Desenvolvimento e valorização profissional dos agentes educativos, em ordem à utilização das TIC Reconhecimento de competências já

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO Este Inquérito destina-se aos Professores do Ensino Regular, do 1º Ciclo, que leccionam turmas com alunos portadores de NEE`s. Pretende-se recolher informação que permita elaborar

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO

PLANO DE FORMAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MIGUEL TORGA AMADORA PLANO DE FORMAÇÃO O plano de formação que a seguir se apresenta dá cumprimento ao despacho nº 18038/2008 de 4 de Julho, e o Decreto-Lei nº 22/2014, de 11 de

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE PENACOVA E O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PENACOVA

ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE PENACOVA E O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PENACOVA 1 Entre: Acordo de colaboração MUNICÍPIO DE PENACOVA, primeiro outorgante, pessoa colectiva n.º 506 657 957, aqui representada pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal, Ernesto Fonseca Coelho; AGRUPAMENTO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2016/2017 A distribuição do serviço docente da Escola Secundária da Ramada (doravante designada

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera Plano de Estudos e Desenvolvimento do Currículo Educação Pré Escolar A Educação Pré-Escolar afigura-se como a primeira etapa da educação básica

Leia mais

Escola B 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (3º ciclo)

Escola B 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (3º ciclo) Escola B 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira (3º ciclo) Departamento de Língua Estrangeira Ano Lectivo 2009/2010 1. Considerações Gerais 1. Pretende-se que a avaliação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Código 171591 Designação Agrupamento de Escolas do Algueirão Data da intervenção Início 18.01.2017

Leia mais

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática.

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática. Áreas prioritárias no apoio ao sistema educativo 1º ciclo área da Matemática Perspectivas sobre o trabalho a ser desenvolvido na área da Matemática Proposta Enquadramento A visão de que o ensino da Matemática,

Leia mais

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa : Melhorar a competência de números e cálculo dos alunos no fim do 5º ano Taxa de insucesso na avaliação interna Taxa

Leia mais

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. , ~.> ~.) I INSTITUTO NACIONAL -l.l.í!sj DE ADMINISTRAÇÃO. I-p. PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município:

Boletim da Escola CEI. MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Escola Estadual ANTONIO DEVISATE ETE Diretoria de Ensino / Município: Boletim da O SARESP 2009 033583 ANTONIO DEVISATE ETE / Município: MARILIA / MARILIA Coordenadoria: O SARESP Sistema de Avaliação do Rendimento r do Estado de São Paulo aplica anualmente provas aos alunos

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento Quadros de Valor, Mérito e Excelência Regulamento Os quadros de valor e de Excelência são criados no âmbito do Agrupamento de Escolas de Campo Maior, como incentivo ao sucesso escolar e educativo, visando

Leia mais

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa Papel das Escolas e dos Orientadores Cooperantes no Mestrado em Ensino Documento de orientação aprovado pela Comissão Pedagógica dos Mestrados em Ensino em 25 de maio de 2016 O presente documento dirige-se

Leia mais

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO 2013/2014 CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimentar a Brincar (Ano 5) Realização de experiências no âmbito da Biologia Escola Secundária Cacilhas-Tejo Agrupamento de Escolas Emídio Navarro EB 2,3

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo Taxa média de retenção no 2.º ano de escolaridade de 12% no ano letivo 2014/2015 e de 11,6% no ano letivo 2015/2016. 1.º e 2.º anos. 3. Designação da Apoio educativo coadjuvante nas turmas de 1.º e 2.º

Leia mais

Questionário às Atividades de Enriquecimento Curricular. Ano letivo 2015/2016

Questionário às Atividades de Enriquecimento Curricular. Ano letivo 2015/2016 Questionário às Atividades de Enriquecimento Curricular Ano letivo 2015/2016 Nota Introdutória O questionário eletrónico Atividades de Enriquecimento Curricular 2015/2016 foi remetido às escolas públicas

Leia mais

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO (Anexo I do Regulamento Interno 2009.13) Uma visita de estudo é uma actividade decorrente do Projecto Educativo do Agrupamento e enquadrável no âmbito do desenvolvimento

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Ano letivo 2013-2014 INTRODUÇÃO - Avaliação (Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho) - A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS NO 3.º CICLO

Leia mais

Após recepção do Vosso relatório sobre a Avaliação Externa das Escolas, vem o Agrupamento de Escolas Febo Moniz exercer o direito de contraditório.

Após recepção do Vosso relatório sobre a Avaliação Externa das Escolas, vem o Agrupamento de Escolas Febo Moniz exercer o direito de contraditório. Exmo. Sr. Delegado Regional de Lisboa Inspecção Geral da Educação Av. 24 de Julho, n.º 136 2.º 1350-346 Lisboa Assunto: Avaliação Externa das Escolas Envio de Contraditório Após recepção do Vosso relatório

Leia mais

ANEXOS DO REGULAMENTO INTERNO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TRIGAL DE SANTA MARIA

ANEXOS DO REGULAMENTO INTERNO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TRIGAL DE SANTA MARIA ANEXOS DO REGULAMENTO INTERNO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TRIGAL DE SANTA MARIA Aprovado na reunião de 15 de Dezembro de 2015 A presidente do Conselho Geral, Ana Maria Antunes Gonçalves Oliveira Página 1

Leia mais

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos Metas Indicadores 1. Promover a Educação Intercultural/ Melhorar valências da escola Inclusiva. a) Reduzir a taxa de desistência escolar

Leia mais

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ).

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ). Externato da Luz Ano Lectivo 2009 / 2010 Critérios de Avaliação Departamento de Ciências Humanas e Sociais Agrupamento História (3º Ciclo) Professor: Pedro Machado A avaliação é um elemento integrante

Leia mais

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO REGULAMENTO INTERNO - ADENDA Artigo 88º Medidas de recuperação e de integração 8- As atividades de recuperação da aprendizagem, quando a elas houver lugar, são decididas

Leia mais

Avaliação de competências com portfolio

Avaliação de competências com portfolio Avaliação de competências com portfolio Ana Paula Silva Escola Secundária Daniel Sampaio - Sobreda A avaliação por portfolio é feita com base numa colecção organizada de trabalhos produzidos pelo aluno,

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais