CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008"

Transcrição

1 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO EMNOP 16 de Dezembro de

2 Legislação de referência Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 24/2006, de 6 de Fevereiro Portaria n.º 550-C/2004, de 21 de Maio, com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 797/2006, de 10 de Agosto Despacho n.º 14758/2004, de 23 de Julho Lei n.º 30/2002, de 20 de Dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 3/2008, de 18 de Janeiro Despacho Normativo n.º 36/2007, de 8 de Outubro, com as alterações introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 29/2008, de 5 de Junho Ofício-Circular n.º 16, de 09 de Outubro Despacho n.º 30265/2008, de 24 de Novembro 2

3 O que são? Constituem uma modalidade de nível de educação de nível secundário com uma forte ligação ao mundo do trabalho Visam o desenvolvimento de competências para o exercício de uma profissão Possibilitam o acesso a formação pós-secundária ou ao ensino superior Culminam com a apresentação de um projecto, designado por Prova de Aptidão Profissional (PAP) Conferem uma qualificação profissional de nível III e um diploma de nível secundário de educação 3

4 O que são? Assumem uma estrutura curricular modular Componentes de Formação Matriz Curricular (ciclo de formação de 3 anos) Disciplinas Total de Horas/Ciclo de Formação Português 320 Língua Estrangeira I, II ou III 220 Sociocultural Área de Integração 220 Tecnologias da Informação e Comunicação 100 Educação Física 140 Científica 2 a 3 disciplinas a 4 disciplinas 1180 Técnica Formação em Contexto de Trabalho 420 Carga Horária Total/Curso

5 Para quem são? Alunos com o 9.º ano de escolaridade (mesmo não tendo realizado os exames nacionais de 9.º ano - Língua Portuguesa e Matemática) ou formação equivalente Alunos que procuram um ensino mais prático e voltado para o mundo do trabalho Alunos que não excluem a hipótese de prosseguimento de estudos 5

6 Organização e gestão do currículo Referenciais de formação das famílias profissionais e programas das disciplinas Existem 19 famílias profissionais que agrupam os 97 cursos criados Para mais informações consultar: (referenciais de formação) 6

7 Organização e gestão do currículo Gestão do currículo No âmbito da sua autonomia, a escola deverá organizar o currículo, em sede de regulamento interno, distribuindo e gerindo a carga horária global ao longo dos três anos do ciclo de formação A escola tem autonomia para gerir o calendário A escola tem autonomia para gerir aulas de substituição e visitas de estudo, organizando-as de modo a serem contabilizadas como horas de formação efectuadas 7

8 Organização e gestão do currículo Constituição de turmas As turmas são constituídas por um número mínimo de 18 e máximo de 23 alunos. Em circunstâncias especiais, poderão ser autorizadas turmas com um limite mínimo de 15 alunos e máximo de 28 alunos O prazo para efectuar a matrícula é 15 de Julho. Excepcionalmente poderão ser aceites matrículas até 31 de Dezembro 8

9 Organização e gestão do currículo Funcionamento das equipas pedagógicas A equipa pedagógica é constituída pelos professores das disciplinas, pelo orientador educativo de turma, pelo director de curso e pelo orientador da formação em contexto de trabalho A coordenação das equipas cabe ao Conselho Executivo ou ao Coordenador dos cursos profissionalmente qualificantes Para as disciplinas da componentes de formação técnica, pode a escola recorrer à contratação, por oferta de escola, de profissionais que reúnam as adequadas qualificações ou experiência O horário dos docentes pode ser gerido de forma flexível ao longo do ano lectivo, com limites de 35h/semana e 7h/dia, devendo contemplar períodos destinados às reuniões de articulação curricular e de coordenação pedagógica 9

10 Regime de assiduidade Assiduidade Para efeitos de contabilização, registo ou justificação das faltas será considerado o segmento lectivo de 45 minutos Os motivos que os alunos podem indicar para justificar as suas faltas são os descritos no artigo 19.º da Lei n.º 3/2008, de 18 de Janeiro Verificando-se a existência de faltas dos alunos, independentemente da sua natureza, pode a escola promover a aplicação de medidas correctivas, de entre aquelas previstas no artigo 26º do Estatuto do Aluno e outras previstas no regulamento interno do estabelecimento de ensino, cabendo, neste contexto, à escola decidir sobre a eventual aplicação da medida de prolongamento de actividades, sempre que a mesma se enquadre nas finalidades consagradas no artigo 24º e tendo em conta os critérios de determinação constantes do artigo 25º, ambos do Estatuto do Aluno Para todos os efeitos previstos no estatuto do aluno, o limiar de assiduidade dos alunos relativamente às disciplinas dos cursos profissionais é de 90% da carga horária do conjunto de módulos de cada disciplina, admitindo-se um limite de 10% de faltas, independentemente da natureza das mesmas, ou de 93% da carga horária do conjunto de módulos de cada disciplina, admitindo-se um limite de 7% de faltas exclusivamente injustificadas 10

11 Regime de assiduidade Assiduidade (Continuação) Ultrapassando o limiar de assiduidade dos alunos, nas condições enunciadas no número anterior, haverá lugar à realização, logo que avaliados os efeitos da aplicação das medidas correctivas, de uma prova de recuperação, nos termos previstos pelo conselho pedagógico (ou estrutura correspondente, tratando-se de estabelecimento de ensino particular ou cooperativo) Caso o aluno não obtenha aprovação na prova (nº3, do artigo 22º do Estatuto do Aluno), cabe ao conselho de turma optar entre o cumprimento de um plano de acompanhamento especial e a consequente realização de uma nova prova ou a exclusão do aluno, com a impossibilidade de o mesmo frequentar, até ao final do ano lectivo em curso, a disciplina ou disciplinas em relação às quais não obteve aprovação na referida prova Caso o aluno obtenha aprovação na prova (nº 4, do artigo 22º do Estatuto do Aluno), retoma o seu percurso escolar normal, sem prejuízo da competência da escola para determinar os efeitos administrativos das faltas injustificadas dadas pelos alunos antes da realização da prova de recuperação, nomeadamente, no que diz respeito ao facto de essas faltas entrarem ou não no cômputo de posteriores faltas que o aluno venha a dar 11

12 Regime de assiduidade Assiduidade (Continuação) Das faltas justificadas, designadamente por doença, não pode decorrer a aplicação de qualquer medida disciplinar correctiva ou sancionatória A prova de recuperação a aplicar na sequência de faltas justificadas, é da exclusiva responsabilidade do professor da disciplina Da prova de recuperação realizada na sequência de faltas justificadas, não pode decorrer a exclusão ou qualquer outra penalização para o aluno 12

13 Regime de avaliação Avaliação A avaliação sumativa ocorre no final de cada módulo, entre o professor e os alunos, e após a conclusão do conjunto dos módulos de cada disciplina, em reunião do conselho de turma; incide ainda sobre a Formação em Contexto de Trabalho e integra, no final do terceiro ano do ciclo de formação, uma Prova de Aptidão Profissional A notação formal de cada módulo é publicitada em pauta, não se publicitando a classificação negativa O conselho de turma de avaliação deverá ocorrer, pelo menos, três vezes ao longo do ano lectivo, sendo entregue aos alunos um relatório Quanto à natureza, forma e momento dos elementos de avaliação, devem ser definidos pela escola Relativamente aos instrumentos de registo de avaliação, a escola deve criar ou adoptar os modelos que entender O arquivamento dos elementos de avaliação não é imposto pela legislação 13

14 Regime de avaliação Progressão Concretiza-se em cada disciplina, módulo a módulo. A organização curricular dos cursos profissionais não determina condições de transição de ano. Quando os alunos não realizarem os módulos de cada disciplina nos prazos previamente estabelecidos, por motivos não imputáveis à escola, poderão recorrer às modalidades especiais de progressão modular, que devem ser definidas em sede de regulamento interno, bem como os momentos e instrumentos da sua realização. O aluno poderá sempre requerer, no início de cada ano lectivo, a avaliação dos módulos não realizados no ano anterior 14

15 Regime de avaliação Prosseguimento de estudos Os alunos que pretendam prosseguir estudos no ensino superior deverão cumprir os requisitos que forem estabelecidos na legislação em vigor na altura da candidatura, devendo para tal consultar a CNAES e a Direcção-Geral do Ensino Superior (http://www.dges.mctes.pt e A certificação para conclusão do curso não necessita, em caso algum, da realização de exames nacionais 15

16 Formação em Contexto de Trabalho A FCT é um domínio de formação onde o aluno irá aplicar, adquirir e desenvolver competências relevantes para o perfil de desempenho à saída do curso, devidamente acompanhado pelo professor orientador Obedece a um plano elaborado com a participação das partes envolvidas e integra o contrato de formação entre a escola e o aluno Realiza-se sob a forma de experiências de trabalho ao longo da formação ou sob a forma de estágio em etapas intermédias ou na fase final do curso, estando prevista em protocolo celebrado entre a escola e as entidades de acolhimento É objecto de um regulamento específico que integra o regulamento da escola Aceita-se a possibilidade de existirem pré-requisitos necessários para a frequência da FCT, que a escola, no âmbito da sua autonomia, poderá estabelecer, em sede de regulamento interno 16

17 Seguro escolar, SASE e deslocações O seguro escolar cobre os alunos nas actividades realizadas na escola e nos trajectos para o local onde se processa a Formação em Contexto de Trabalho No caso das actividades realizadas em contexto de trabalho, a escola deverá fazer um seguro específico, de modo a cobrir eventuais riscos Neste tipo de oferta formativa, os alunos também se encontram abrangidos pelo SASE Na situação de Formação em Contexto de Trabalho, a escola deve articular com as autarquias o transporte dos alunos na deslocação para as empresas/instituições 17

18 Prova de Aptidão Profissional A PAP consiste na apresentação e defesa perante um júri de um projecto consubstanciado num produto e do respectivo relatório final O projecto de PAP centra-se em temas em estreita ligação com os contextos de trabalho e compreende os momentos da concepção, do desenvolvimento e da auto-avaliação e elaboração do relatório final O projecto de PAP realiza-se sob orientação e acompanhamento de um ou mais professores A PAP é objecto de um regulamento específico que integra o regulamento da escola 18

Agrupamento de Escolas Vergílio Ferreira

Agrupamento de Escolas Vergílio Ferreira Agrupamento de Escolas Vergílio Ferreira Regulamento Interno do Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Conselho Pedagógico: 16 de junho 2016 Conselho Geral: 11 de julho

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO Regulamento dos Cursos Vocacionais do

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS setembro - 2014 Artigo 1.º Coordenação Pedagógica A coordenação dos cursos compete ao Diretor. Artigo 2.º Equipa Pedagógica/Conselho de

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Autonomia Avaliação externa dos estabelecimentos de educação e ensino Delegação de competências Professor bibliotecário Manuais escolares

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS CURSOS PROFISSIONAIS. CALENDÁRIO ESCOLAR / HORA de ATENDIMENTO do DIRETOR de TURMA / AVALIAÇÃO / CONDIÇÕES de APROVAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS CURSOS PROFISSIONAIS. CALENDÁRIO ESCOLAR / HORA de ATENDIMENTO do DIRETOR de TURMA / AVALIAÇÃO / CONDIÇÕES de APROVAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CALENDÁRIO ESCOLAR / HORA de ATENDIMENTO do DIRETOR de TURMA / AVALIAÇÃO / CONDIÇÕES de APROVAÇÃO TRABALHADOR ESTUDANTE COORDENAÇÃO DE DIRETORES DE TURMA 2012-2013

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º..

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º.. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho n.º.. Sem prejuízo do regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) DOS CURSOS PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Enquadramento Legal

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) DOS CURSOS PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Enquadramento Legal DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA ESCOLA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO

Leia mais

REGULAMENTO ANEXO 3. Prova de Aptidão Profissional. Regulamento Interno CTDC. Colégio Torre Dona Chama Apoiado pelo Ministério da Educação.

REGULAMENTO ANEXO 3. Prova de Aptidão Profissional. Regulamento Interno CTDC. Colégio Torre Dona Chama Apoiado pelo Ministério da Educação. Cancela & Carvalho Colégio Torre Dona Chama Apoiado pelo Ministério da Educação Regulamento Interno CTDC ANEXO 3 REGULAMENTO Prova de Aptidão Profissional (Preâmbulo) O presente documento regula a realização

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP)

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I 7800-478 BEJA Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) CURSOS PROFISSIONAIS Artigo 1.º Enquadramento Legal O Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, rectificado

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

Regulamento Geral da Formação em Contexto de Trabalho. (Nos termos do artº 5º da Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro)

Regulamento Geral da Formação em Contexto de Trabalho. (Nos termos do artº 5º da Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro) Regulamento Geral da Formação em Contexto de Trabalho (Nos termos do artº 5º da Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro) I - Enquadramento 1. A matriz curricular para os Cursos Profissionais, de acordo

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO C U RSOS P R O FI SSIONAI S R E GU L AMEN T O DA FORM AÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Artigo 1.º Âmbito e definição 1. A Formação

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO 2015-2016 Avaliação (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho; Despacho Normativo nº 17-A/2015 de 22 de Setembro e Despacho Normativo nº 13/2014 de 15

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO Regulamento dos Cursos Vocacionais

Leia mais

Cursos Profissionais Nível 3

Cursos Profissionais Nível 3 Cursos Profissionais Nível 3 Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21 de Maio e Portaria nº 797/2006, de 10 de Agosto. I ÂMBITO E DEFINIÇÃO A (FCT) é um conjunto

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos Profissionais. Os Cursos Profissionais de Nível Secundário constituem uma modalidade

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO REGIME DE AVALIAÇÃO

CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO REGIME DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO 2013-2014 REGIME DE AVALIAÇÃO OBJETO E FINALIDADES 1 - A avaliação incide: a) Sobre as aprendizagens previstas no programa das disciplinas de todas as componentes de formação

Leia mais

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 O Ministério da Educação e Ciência, através da publicação

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO Legislação relativa à avaliação Orientação técnica nº 3/2016, de setembro (ANQEP) Cursos de Educação e Formação nível básico (ano letivo 2016/2017). Orientação técnica

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL Cursos Profissionais (para os cursos criados ao abrigo do Dec-Lei 74/2004, de 26 de Março, e de acordo com a portaria 550-C/2004, de 21 de Maio e Despacho nº

Leia mais

ANEXO 18 A Regulamento Interno

ANEXO 18 A Regulamento Interno ANEXO 18 A Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO, NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Exames Nacionais de Língua Portuguesa e Matemática 9º ANO As provas de exame de Língua Portuguesa e de Matemática incidem sobre as aprendizagens e competências

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Conforme o ponto 1 do artigo 128º do Regulamento Interno

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO Cursos criados ao abrigo do Decreto-Lei n.º 74/ 2004, de 26 de Março Aprovado na reunião de Conselho Pedagógico de 3 de Dezembro de 2007, com alterações introduzidas em Conselho Pedagógico de 11 de Novembro

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

Decreto-Lei nº. No quadro das grandes linhas da reforma do ensino secundário enunciadas

Decreto-Lei nº. No quadro das grandes linhas da reforma do ensino secundário enunciadas Decreto-Lei nº No quadro das grandes linhas da reforma do ensino secundário enunciadas no Programa do XV Governo Constitucional, estabelece-se através do presente diploma os princípios orientadores da

Leia mais

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Após a aprovação no último Conselho Pedagógico de 13 de Outubro de 2010, das líneas orientadoras para a definição das opções estratégicas do

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo IV Regulamento das Formações Modulares Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. As formações modulares obedecem aos referenciais de competências e de formação associados

Leia mais

1. O despacho normativo n.º 13/2014, de 15 de setembro, regulamenta dois processos:

1. O despacho normativo n.º 13/2014, de 15 de setembro, regulamenta dois processos: Aplicação do Despacho Normativo n.º 13/2014, de 15 de setembro, à avaliação dos alunos que frequentam os estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo 1. O despacho normativo n.º 13/2014, de 15 de

Leia mais

2015/16. Critérios Gerais de Avaliação

2015/16. Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Portela e Moscavide Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela 2015/16 Critérios Gerais

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

Resposta às questões colocadas sobre a aplicação do Estatuto da Carreira Docente

Resposta às questões colocadas sobre a aplicação do Estatuto da Carreira Docente Resposta às questões colocadas sobre a aplicação do Estatuto da Carreira Docente Faltas Com a entrada em vigor das alterações ao ECD, como deverá ser feita a contabilização das faltas ao abrigo do artigo

Leia mais

CAPÍTULO V SECÇÃO XV CURSOS PROFISSIONAIS. Artigo 1.º. Modalidade de educação e formação

CAPÍTULO V SECÇÃO XV CURSOS PROFISSIONAIS. Artigo 1.º. Modalidade de educação e formação CAPÍTULO V SECÇÃO XV CURSOS PROFISSIONAIS Artigo 1.º Modalidade de educação e formação 1. Os cursos profissionais previstos no artigo 16º e anexo VI do Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, alterado

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional Regulamento da Prova de Aptidão Profissional CAPÍTULO I ÂMBITO E ENQUADRAMENTO A Realização da Prova de Aptidão Profissional (PAP) rege-se, em termos gerais, pelas disposições estabelecidas pela portaria

Leia mais

I Alunos com NEE que cumprem o currículo comum:

I Alunos com NEE que cumprem o currículo comum: Agrupamento de Escolas de Freamunde (Código 150769) Praceta da Escola Secundária, 21 4590-314 FREAMUNDE Avaliação dos alunos com NEE de carácter permanente, abrangidos pelas medidas educativas especiais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico 2015-2017 1 (Anexo X A) Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico Artigo 1º Âmbito 1- Os cursos vocacionais

Leia mais

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte:

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte: Despacho O Despacho n.º 5328/2011, de 28 Março, estabeleceu as regras e os princípios orientadores a observar na organização das escolas e na elaboração do horário semanal de trabalho do pessoal docente

Leia mais

ORIENTAÇÕES EMANADAS DO CONSELHO PEDAGÓGICO DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

ORIENTAÇÕES EMANADAS DO CONSELHO PEDAGÓGICO DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Conselho Pedagógico AVALIAÇÃO ORIENTAÇÕES EMANADAS DO CONSELHO PEDAGÓGICO DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Tendo em conta a importância do acto de avaliar, pelas repercussões no futuro escolar do aluno, importa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho normativo n.º 13/2014 15 de setembro de 2014 Artigo 1.º Objeto avaliação e certificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas

Leia mais

DECRETO-LEI 3/ de Janeiro

DECRETO-LEI 3/ de Janeiro DECRETO-LEI 3/2008 7 de Janeiro ÂMBITO Define os apoios especializados a prestar na Educação Pré-Escolar e nos ensinos básico b e secundário dos sectores públicos, p particular e cooperativo. Princípios

Leia mais

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 Número 25

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 Número 25 II SÉRIE Terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 Número 25 ÍNDICE SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinete do Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário: Despacho n.º 2162-A/2013:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DOS CURSOS PROFISSIONAIS

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DOS CURSOS PROFISSIONAIS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D MANUEL I REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DOS CURSOS PROFISSIONAIS 1 Introdução a) Entende-se por Formação em Contexto de Trabalho, adiante designado por

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS Janeiro de 2010 ÍNDICE Capítulo 1 Organização do Processo de Ensino/Aprendizagem Páginas 4/11 Capítulo II Formação em contexto de trabalho Páginas 12/15 Capítulo III

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Objetivos Promover o desenvolvimento adequado dos processos de avaliação dos alunos tendo em vista

Leia mais

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO DE VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 0/6 Definição 1. Visita de estudo é uma atividade curricular, organizada por professores para alunos, realizada

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP REGULAMENTO ESPECÍFICO DE AVALIAÇÃO DE DISCENTES DA FEUP PREÂMBULO Este documento tem por objetivo regulamentar o modo de avaliação das unidades curriculares dos primeiros ciclos, dos ciclos de estudos

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento I Legislação de referência Os Cursos de Educação e Formação de Adultos, na Região Autónoma da Madeira, regem-se segundo o seguinte Enquadramento Legal:

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004

Decreto-Lei n.º 74/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 74/2004 26 de Março de 2004 SUMÁRIO: Estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão curricular, bem como da avaliação das aprendizagens, no nível

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP)

REGULAMENTO INTERNO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) 2013/201 (Nos termos dos artºs 6º,17º,18º, 19º e 20º da Portaria n.º 7- A /2013 de 15 de fevereiro) 1 1. OBJETIVOS A realização da Prova de Aptidão

Leia mais

Página 1 de 5. Anexo VII - Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos Profissionais

Página 1 de 5. Anexo VII - Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos Profissionais Anexo VII - Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos Profissionais Artigo 1.º Âmbito e Definição 1 O presente documento regula a Formação em Contexto de Trabalho (FCT) dos Cursos Profissionais

Leia mais

REGULAMENTO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas do Crato 2014/ 2016 REGULAMENTO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO Setembro 2014 (a incluir no RI 2013-2017) 1 REGULAMENTO DO CURSO VOCACIONAL DE 3º CICLO Conteúdo Artigo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MATIAS AIRES REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS

ESCOLA SECUNDÁRIA MATIAS AIRES REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS ESCOLA SECUNDÁRIA MATIAS AIRES REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS fevereiro de 2016 ÍNDICE Regulamento dos Cursos Profissionais Preâmbulo Capítulo I Organização e Funcionamento dos Cursos Profissionais

Leia mais

EPHTL. Critérios Gerais de Avaliação

EPHTL. Critérios Gerais de Avaliação EPHTL Critérios Gerais de Avaliação 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 Introdução A avaliação é um processo regulador do ensino, que orienta o percurso escolar, certifica os conhecimentos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE INÊS DE CASTRO

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE INÊS DE CASTRO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE INÊS DE CASTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinetes dos Secretários de Estado do Ensino e da Administração Escolar e do Ensino Básico e Secundário Despacho n.º 8248/2013,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria n.º / 2004

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria n.º / 2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Portaria n.º / 2004 O Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, estabeleceu os princípios orientadores da organização e da gestão do currículo, bem como da avaliação e certificação

Leia mais

3º CICLO 2015/2016. Rua Oliveira do Arco, nº Souselas. Telemóveis: Telefone:

3º CICLO 2015/2016. Rua Oliveira do Arco, nº Souselas. Telemóveis: Telefone: 3º CICLO 2015/2016 Rua Oliveira do Arco, nº 6-8 3020-871 Souselas Telemóveis: 916364499 961357103 Telefone: 239 913 4981 Artigo 1º - Âmbito e definição... pág.3 Artigo 2º - Destinatários e acesso... pág.3

Leia mais

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Critérios Específicos de Avaliação 2013/2014 Introdução Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução

PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução Artigo 1º Definição da formação em contexto de trabalho e suas finalidades 1. A formação

Leia mais

Diploma DRE. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1.º. Objecto

Diploma DRE. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1.º. Objecto Diploma Regulamenta o processo de conclusão e certificação, por parte de adultos com percursos formativos incompletos, do nível secundário de educação relativo a planos de estudo já extintos Decreto-Lei

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Foi aprovado a 17 de março de 2016, em Conselho de Ministros, o Decreto-Lei que procede à terceira alteração ao Decreto-Lei

Leia mais

Artigo 1º Composição

Artigo 1º Composição REGIMENTO INTERNO Artigo 1º Composição 1. O Departamento Curricular do Pré-Escolar é constituído pelos Docentes dos Jardins de Infância de A-dos- Negros, Gracieira, Gaeiras, A-da-Gorda, Óbidos, Usseira,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MATIAS AIRES

ESCOLA SECUNDÁRIA MATIAS AIRES ESCOLA SECUNDÁRIA MATIAS AIRES REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS ANEXO II REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO fevereiro de 2016 ÍNDICE Capítulo I Âmbito e Enquadramento da Formação em Contexto

Leia mais

PROFISSIONAIS REGULAMENTO CURSOS DOS ANO LECTIVO. Versão Actualizada. Fevereiro 2010 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3EB DR. JORGE CORREIA - TAVIRA

PROFISSIONAIS REGULAMENTO CURSOS DOS ANO LECTIVO. Versão Actualizada. Fevereiro 2010 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3EB DR. JORGE CORREIA - TAVIRA Versão Actualizada Fevereiro 2010 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3EB DR. JORGE CORREIA - TAVIRA REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS ANO LECTIVO D I R E C T O R E S D O S C U R S O S P R O F I S S I O N A I S REGULAMENTO

Leia mais

Regulamento dos Cursos Vocacionais do. Ensino Básico

Regulamento dos Cursos Vocacionais do. Ensino Básico Preâmbulo do Ensino Básico Os cursos vocacionais do Ensino Básico constituem uma oferta formativa prevista no Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, tendo sido criados pela Portaria n.º 292 - A/2012,

Leia mais

Cursos Profissionais. Regulamento Específico da Formação em Contexto de Trabalho (FCT) (artigo 5º - ANEXO 2 do Regulamento Interno)

Cursos Profissionais. Regulamento Específico da Formação em Contexto de Trabalho (FCT) (artigo 5º - ANEXO 2 do Regulamento Interno) 160854 - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE JOSÉ AUGUSTO DA FONSECA, AGUIAR DA BEIRA 346380 ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA PADRE JOSÉ AUGUSTO DA FONSECA, AGUIAR DA BEIRA Cursos Profissionais Regulamento Específico

Leia mais

1844 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Março de 2006

1844 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Março de 2006 1844 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 52 14 de Março de 2006 Disciplinas precedentes Disciplinas de 12. o ano Oficina de Multimédia B. Materiais e Tecnologias. Clássicos da Literatura. Ciência Política.

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve:

Assim: Nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve: O programa do XVIII Governo Constitucional define como um dos seus principais objectivos concretizar a universalização da frequência da educação básica e secundária de modo a que todos os alunos frequentem

Leia mais

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 (Decreto-regulamentar n.º 26/2012, de 21 de Fevereiro) A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e das

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA

REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA Preâmbulo A atividade física e desportiva é, no quotidiano, um fator primordial na formação do ser humano enquanto indivíduo que busca a integração plena na sociedade contemporânea.

Leia mais

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 143/2013 Dá nova redação ao Despacho

Leia mais

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE As normas de transição para os anos não terminais de ciclo constituem normas

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA SIMULADA

REGULAMENTO DA PRÁTICA SIMULADA Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO DA PRÁTICA SIMULADA CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO Regulamento da Prática

Leia mais

Lei n.º 9/79 de 19 de Março de 1979 Aprova as bases do ensino particular e cooperativo;

Lei n.º 9/79 de 19 de Março de 1979 Aprova as bases do ensino particular e cooperativo; Lei n.º 9/79 de 19 de Março de 1979 Aprova as bases do ensino particular e cooperativo; Decreto-lei n.º 542/79 de 31 de Dezembro de 1979 Estabelece o estatuto dos jardins-deinfância da rede publicado Ministério

Leia mais

Critérios pedagógicos para a constituição de turmas

Critérios pedagógicos para a constituição de turmas Critérios pedagógicos para a constituição de turmas ANEXO I Critérios Pedagógicos para a elaboração de Turmas 2014/2015 Artigo 1º Preâmbulo Com este regulamento pretende-se uniformizar, de uma forma esclarecedora,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL 2014/2015 Artigo 1º ÂMBITO E DEFINIÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL 2014/2015 Artigo 1º ÂMBITO E DEFINIÇÃO REGULAMENTO INTERNO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL 2014/2015 Artigo 1º ÂMBITO E DEFINIÇÃO A Prova de Aptidão Profissional, designada abreviadamente por PAP, faz parte integrante da avaliação. 1 - A PAP

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL

ANEXO I REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL ANEXO I REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL CAPÍTULO I ÂMBITO E ENQUADARMAENTO DA PAP Artigo 1.º A PAP consiste na apresentação e defesa, perante um júri, de um projecto, consubstanciado num produto,

Leia mais

EFA CURSO DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE ADULTOS

EFA CURSO DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE ADULTOS EFA CURSO DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE ADULTOS Os Cursos de Educação e de Adultos (Cursos EFA) são uma oferta de educação e formação para adultos que pretendam elevar as suas qualificações. Estes cursos desenvolvem-se

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR 1. OBJECTO 1.1. O presente regulamento estabelece os princípios orientadores e os procedimentos relativos ao estágio/projecto para a obtenção do grau de licenciado

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

CIRCULAR N.º 5/2001, de 6 de Novembro. Esclarecimentos sobre o Despacho Normativo N.º 30/2001

CIRCULAR N.º 5/2001, de 6 de Novembro. Esclarecimentos sobre o Despacho Normativo N.º 30/2001 CIRCULAR N.º 5/2001, de 6 de Novembro Esclarecimentos sobre o Despacho Normativo N.º 30/2001 Face a questões e dúvidas que têm sido suscitadas por diversos pontos do Despacho Normativo 30/2001, apresentam-se

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE INÊS DE CASTRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE INÊS DE CASTRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE INÊS DE CASTRO ABERTURA DO ANO ESCOLAR 2011-2012 Editorial nº 1 Acolhimento mútuo de um tempo novo O presente estado de coisas arrasta- nos para espaços e ideias que podem, porventura,

Leia mais

Regulamento Geral da Prova de Aptidão Profissional. (Nos termos do art.º 19º da Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro)

Regulamento Geral da Prova de Aptidão Profissional. (Nos termos do art.º 19º da Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro) Regulamento Geral da Prova de Aptidão Profissional (Nos termos do art.º 19º da Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro) I Disposições Gerais 1. A Prova de Aptidão Profissional (PAP) consiste na apresentação

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO O Desporto Escolar (DE) tem de ser entendido como uma responsabilidade da comunidade escolar e é à escola, que compete criar as condições necessárias

Leia mais

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 3)

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 3) Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 3) 2016-2017 Anexo 3 Regulamento dos Cursos Profissionais REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS O presente regulamento define a organização,

Leia mais

Cursos Profissionais Nível 4

Cursos Profissionais Nível 4 Cursos Profissionais Nível 4 Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro e demais legislação em vigor I ÂMBITO E DEFINIÇÃO A (FCT) é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob coordenação

Leia mais

Sistema Educativo de Portugal

Sistema Educativo de Portugal Departamento de Ciências da Educação Curso de 1.º Ciclo em Ciências da Educação Unidade Curricular: Educação Comparada Ano lectivo - 2009/2010 2.ºAno 1.º Semestre Sistema Educativo de Portugal Investigação

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

Parecer sobre o projecto de alteração ao Estatuto da Carreira Docente de

Parecer sobre o projecto de alteração ao Estatuto da Carreira Docente de Parecer sobre o projecto de alteração ao Estatuto da Carreira Docente de 11.02.2010 I Considerações Genéricas Perante o projecto de alteração ao Estatuto da Carreira Docente apresentado pelo Ministério

Leia mais

Decreto-Lei n.º 7/2001 de 18 de Janeiro

Decreto-Lei n.º 7/2001 de 18 de Janeiro Decreto-Lei n.º 7/2001 de 18 de Janeiro O Programa do Governo assume como objectivo central assegurar aos jovens na faixa etária dos 15-18 anos o acesso a formações de nível secundário, consagrando, consequentemente,

Leia mais