QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO CIVIL?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO CIVIL?"

Transcrição

1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 1 INDUSTRIALIZAÇÃO, E DESEMPENHO Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO? 2 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

2 QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO? 3 BAIXO NÍVEL ORGANIZACINAL QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO? 4 FAZ E QUEBRA... Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 2

3 QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO? 5 SEM INTEGRAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO? 6 PRODUÇÃO ARTEZANAL... Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 3

4 QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO? 7 PRODUÇÃO ARTEZANAL... QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO? 8 PATOLOGIAS!!!!! Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 4

5 QUAL O CAMINHO PARA FAZER EVOLUIR A CONSTRUÇÃO? 9 PATOLOGIAS!!!!! O CAMINHO É A INDUSTRIALIZAÇÃO? PORQUE NÃO USAMOS INTENSAMENTE SISTEMAS INDUSTRIALIZADOS? 10 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 5

6 SISTEMAS SEMI- PRONTOS? 11 SISTEMAS SEMI-PRONTOS? 12 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 6

7 SISTEMAS SEMI-PRONTOS? 13 SISTEMAS SEMI-PRONTOS? 14 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 7

8 O CAMINHO É A INDUSTRIALIZAÇÃO? PORQUE NÃO USAMOS INTENSAMENTE SISTEMAS INDUSTRIALIZADOS? 15 MAS O QUE É INDUSTRIALIZAÇÃO? 16 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 8

9 QUE É INDUSTRIALIZAÇÃO? 17 CAMINHOS PARA A INDUSTRIALIZAÇÃO: 18 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 9

10 A VISÃO CLÁSSICA DO CONCEITO DE INDUSTRIALIZAÇÃO (ATÉ OS ANOS 70) 19 ALTERAÇÃO RADICAL NO PROCESSO DE PRODUÇÃO ÊNFASE NA ALTERAÇÃO DOS PRODUTOS VISANDO O AUMENTO DA PRODUÇÃO. PRÉ-FABRICAÇÃO MATERIAIS INOVADORES: CONCRETO PROTENDIDO, ARGAMASSA ARMADA, PAINÉIS, MECANIZAÇÃO PADRONIZAÇÃO DO PRODUTO 20 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 10

11 PRÉ-FABRICAÇÃO 21 PRÉ-FABRICAÇÃO 22 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 11

12 PRÉ-FABRICAÇÃO 23 PADRONIZAÇÃO DO PRODUTO 24 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 12

13 REDUÇÃO DA QUALIDADE DO PRODUTO PARA FACILITAR O PROCESSO DE PRODUÇÃO Padronização da Unidades com alteração dos padrões culturais: filosofia do caixote; diminuição das espessuras de paredes; problemas nas uniões dos painéis; armadura muito próxima da superfície; problemas de durabilidade. 25 REDUÇÃO DA QUALIDADE DO PRODUTO PARA FACILITAR O PROCESSO DE PRODUÇÃO isolamento térmico mal resolvido; penetração de umidade; tecnologia de difícil domínio; ciclo de produção fechado; pouca flexibilidade no nível de produção. 26 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 13

14 A VISÃO MODERNA DO CONCEITO DE INDUSTRIALIZAÇÃO 27 PROCESSO EVOLUTIVO CALCADO EM AÇÕES ORGANIZACIONAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 28 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 14

15 PROCESSO INDUSTRIALIZADO ÊNFASES NO PROCESSO DE PRODUÇÃO: alto nível de organização; tecnologicamente aprimorados; padronização dos métodos e não dos produtos; evolução constante AÇÕES ORGANIZACIONAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 15

16 AÇÕES ORGANIZACIONAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 31 AÇÕES ORGANIZACIONAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 32 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 16

17 AÇÕES ORGANIZACIONAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 33 AÇÕES ORGANIZACIONAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 34 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 17

18 PROCESSO INDUSTRIALIZADO OBJETIVOS: Conseguir maior eficiência e maior produtividade 35 AÇÕES: AÇÕES GERENCIAIS Administração de interfaces; Recursos humanos; Suprimentos. 36 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 18

19 AÇÕES: AÇÕES NO PROJETO Construtibilidade; Coordenação de projeto; Coordenação modular e dimensional; Detalhamento técnico; Decisões antecipadas; Projeto para a produção. 37 AÇÕES: AÇÕES NA EXECUÇÃO Planejamento; Treinamento; Controle. 38 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 19

20 CONCLUSÃO: QUALQUER PROCESSO QUE TENHA ALTO NÍVEL ORGANIZACIONAL POSSUI ALTO GRAU DE INDUSTRIALIZAÇÃO. 39 DIFICULDADES PARA A IMPLANTAÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO EM CICLO FECHADO INVESTIMENTO FIXO INICIAL EM EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES TREINAMENTO DA MÃO-DE-OBRA VENDER A IDÉIA DE PRODUTO PADRONIZADO INDUSTRIALIZAR TODOS OS SUBSISTEMAS DO EDIFÍCIO 40 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 20

21 DIFICULDADES PARA A IMPLANTAÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO EM CICLO FECHADO GARANTIA DE CONTINUIDADE DA PRODUÇÃO PARA COMPENSAR INVESTIMENTO GARANTIA DE VOLUME DE PRODUÇÃO GARANTIA DE MANUTENÇÃO DE PRAZOS DE LIBERAÇÃO DE RECURSOS E CONCLUSÃO DAS OBRAS 41 DIFICULDADES PARA A IMPLANTAÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO EM CICLO ABERTO NORMATIZAÇÃO DE TODO O MERCADO ELIMINAÇÃO DA CONCORRÊNCIA DESLEAL SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO DA MÃO-DE-OBRA INSTITUCIONALIZADO FORMAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS E SEVIÇOS COMO SISTEMAS DE PRODUÇÃO ESTABELECIMENTO E DEFINIÇÃO DAS RESPONSABILIDADES POR TODA A CADEIA PRODUTIVA 42 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 21

22 CAMINHO ALTENATIVO CONSTRUTIVA 43 CONSTRUTUVA MENOR DEPENDÊNCIA DE AÇÕES INSTITUCIONALIZADAS PODE SER APLICADA A PARTIR DA INICIATIVA DAS EMPRESAS TEM EFEITO IMEDIATO ABRE CAMINHO AO PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO TEM EFEITO SINERGICO COM INICIATIVAS QUE BUSCAM A ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO, COMO, POR EXEMPLO, IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE 44 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 22

23 O QUE É CONSTRUTIVA? a introdução de um novo equipamento; a introdução de uma nova técnica de execução a otimização de algum subsistema O QUE É CONSTRUTIVA? 46 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 23

24 O QUE É CONSTRUTIVA? Estes talvez sejam os aspectos mais visíveis; Tem um caracter muito mais abrangente 47 CONSTRUTIVA "racionalização construtiva é um processo composto pelo conjunto de todas as ações que tenham por objetivo otimizar o uso de recursos materiais, humanos, organizacionais, energéticos, tecnológicos, temporais e financeiros disponíveis na construção em toda as suas fases". 48 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 24

25 CONSTRUTIVA "racionalização construtiva é um processo composto pelo conjunto de todas as ações que tenham por objetivo otimizar o uso de recursos materiais, humanos, organizacionais, energéticos, tecnológicos, temporais e financeiros disponíveis na construção em toda as suas fases". 49 Tecnologias Racionalizadas Controle do processo suprimentos projeto recursos humanos aquisição de tecnologia Barros (1996), 50 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 25

26 DIRETRIZES PARA MELHORAR A ATIVIDADE DE PROJETO APRESENTAÇÃO DA PROF. TATIANA TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DA MÃO- DE-OBRA; 51 TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DA MÃO-DE-OBRA 52 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 26

27 DIRETRIZES PARA MELHORAR A ATIVIDADE DE PROJETO TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DA MÃO- DE-OBRA; ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO; 53 ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO 54 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 27

28 OUTRAS DIRETRIZES IMPORTANTES MELHORAR A ATIVIDADE DE PROJETO TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DA MÃO- DE-OBRA; ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO; CONTROLE DE ACEITAÇÃO E PRODUÇÃO; 55 CONTROLE DE ACEITAÇÃO E PRODUÇÃO 56 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 28

29 A INTRODUÇÃO DE CONSTRUTIVA DESEMPENHO CONSTRUTIBILIDADE 57 O CONCEITO DE DESEMPENHO COMPORTAMENTO EM UTILIZAÇÃO O PRODUTO DEVE APRESENTAR PROPRIEDADES E CARACTERÍSTICAS QUE O CAPACITEM A CUMPRIR SUAS FUNÇÕES DURANTE A VIDA ÚTIL ESTE COMPORTAMENTO SE DÁ FRENTE AO MEIO AMBIENTE EM QUE O PRODUTO ESTÁ INSERIDO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 29

30 O CONCEITO DE DESEMPENHO O DESEMPENHO DO PRODUTO É O RESULTADO DO EQUILÍBRIO DINÂMICO QUE SE ESTABELECE ENTRE O PRODUTO E SEU MEIO. O DESEMPENHO SÓ PODE SER OBSERVADO EM SITUAÇÕES REAIS PODE SER SIMULADO ATRAVÉS DE ENSAIOS POR MODELOS MATEMÁTICOS E FÍSICOS O CONCEITO DE DESEMPENHO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO CONSISTE EM PREVER O COMPORTAMENTO POTENCIAL DO EDIFÍCIO, SEUS ELEMENTOS E COMPONENTES, QUANDO EM UTILIZAÇÃO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 30

31 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO CONDIÇÕES DE EXPOSIÇÃO REQUISITOS DE DESEMPENHO CRITÉRIOS DE DESEMPENHO E ENSAIOS EXIGÊNCIA DOS USUÁRIOS EXIGÊNCIAS DE DESEMPENHO CONJUNTO DE NECESSIDADES A SEREM SATISFEITAS PELO EDIFÍCIO PARA CUMPRIREM A SUA FUNÇÃO DEVE CONSIDERAR LIMITAÇÕES E PECULIARIDADES DE REGIÕES E POPULAÇÕES HÁ EXIGÊNCIAS DE CARÁTER ABSOLUTO E DE CARÁTER RELATIVO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 31

32 EXIGÊNCIAS DE DESEMPENHO 1. SEGURANÇA ESTRUTURAL estabilidade e resistência 2. SEGURANÇA AO FOGO risco de início e propagação de incêndios, segurança do usuário 3. SEGURANÇA DE UTILIZAÇÃO segurança do usuário e contra intrusão EXIGÊNCIAS DE DESEMPENHO 4. ESTANQUEIDADE aos gases líquidos e sólidos 5. CONFORTO HIGRO-TÉMICO temperatura e umidade do ar e das paredes 6. EXIGÊNCIAS ATMOSFÉRICAS pureza do ar, limitação de odores Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 32

33 EXIGÊNCIAS DE DESEMPENHO 7. CONFORTO VISUAL aclaramento, aspecto dos espaços, vista para o exterior 8. CONFORTO ACÚSTICO isolação acústica e níveis de ruído 9. CONFORTO TÁTIL eletricidade estática, rugosidade, umidade, temperatura da superfície EXIGÊNCIAS DE DESEMPENHO 10. CONFORTO ANTROPODINÂMICO acelerações, vibração e esforços de manobra 11. EXIGÊNCIAS DE HIGIENE cuidados corporais, abastecimento de água eliminação de matérias usadas 12. ADAPTAÇÃO À UTILIZAÇÃO número, dimensões, geometria e relações dos espaços e de equipamentos necessários Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 33

34 EXIGÊNCIAS DE DESEMPENHO 13. DURABILIDADE conservação e desempenho ao longo do tempo 14. EXIGÊNCIAS DE ECONOMIA custo inicial e custo de operação, manutenção e reposição durante o uso Condições de Exposição de uma Fachada carregamento Luz e C alor Poeira Poluiçã o Chuva Vento R uído Revestimento de fachada Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 34

35 REQUISITOS DE DESEMPENHO EXPRESSOS QUALITATIVAMENTE A PARTIR DA FUNÇÃO QUE O ELEMENTO OU COMPONENTE OCUPA NO EDIFÍCIO COMO UMA RESPOSTA À NECESSIDADE DE ATENDIMENTO ÀS EXIGÊNCIAS DOS USUÁRIOS POR EXEMPLO PARA UMA PAREDE (ENTRE OUTROS) RESISTÊNCIA A FIXAÇÃO DE CARGAS SUSPENSAS RESISTÊNCIA AO IMPACTO DE CORPO DURO CRITÉRIOS DE DESEMPENHO QUANTIFICAÇÃO DOS REQUISITOS DE DESEMPENHO, ATRAVÉS DE PARÂMETROS FÍSICOS POR EXEMPLO PARA UMA PAREDE (ENTRE OUTROS) CAPACIDADE DE RESISTIR A UMA CARGA SUSPENSA DE X kg NÃO APRESENTAR FISSURAÇÃO APÓS N CICLOS DO ENSAIO NORMALIZADO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 35

36 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO MÉTODOS UNIFORMIZADOS DE AVALIAÇÃO PODEM SER DE VÁRIAS NATUREZAS: MENSURAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO ELEMENTOS E COMPONENTES ENSAIOS ONDE SE PROCURA REPRODUZIR DE FORMA SIMPLIFICADA E PADRONIOZADA A SITUAÇÃO EM ANÁLISE: FOGO ESTANQUEIDADE RESISTÊNCIA, ETC. MÉTODOS DE AVALIAÇÃO PODEM SER DE VÁRIAS NATUREZAS: CÁLCULOS, ATRAVÉS DE UM MODELO TEÓRICO VERIFICA-SE O MATENDIMENTO AO DESEMPENHO EXEMPLOS: CÁLCULO DA TEMPERATURA RESULTANTE A PARTIR DAS CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS E DA CURVA DE TEMPERATURA EXTERNA CÁLCULO DO NÍVEL DE SEGURANÇA DE UMA ESTRUTURA A PARTIR DAS CARACTERÍSITICAS DOS MATERIAIS E DOS ESFORÇOS ATUANTES SOBRE A MESMA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 36

37 ESTANQUEIDADE DE ESQUADRIA ESTANQUEIDADE DE PAREDE Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 37

38 ESTANQUEIDADE DE PAREDE DESEMPENHO: CAPACIDADE DE ACOMODAR DEFORMAÇÕES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 38

39 CAPACIDADE DE ACOMODAR DEFORMAÇÕES DESEMPENHO: RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DA ALVENARIA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 39

40 DESEMPENHO: RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DA ALVENARIA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 40

41 PRINCIPAIS CAMPOS DE APLICAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS ELABORAÇÃO DE PROJETOS NORMALIZAÇÃO CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLE DA QUALIDADE Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 41

42 ABNT/NBR Edifícios Habitacionais de até cinco pavimentos: DESEMPENHO Válida a partir de NBR Edifícios Habitacionais de até cinco pavimentos - Desempenho - Partes 1 a 6 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 42

43 ABNT/NBR DIVIDIDA EM SEIS PARTES: Requisitos Gerais Requisitos para os Sistemas Estruturais Requisitos para os Sistemas de Pisos Internos Requisitos para os Sistemas de Vedação Vertical Interna e externa Requisitos para os sistemas de coberturas Requisitos para os sistemas Hidrossanitários. ABNT/NBR Tem foco nas exigências dos usuários Visam balizar o desenvolvimento tecnológico Orientar a avaliação da eficiência técnica e econômica Os requisitos e critérios podem ser aplicados em edifícios com mais de cinco pavimentos. BUSCA REGULAR RELAÇÃO FORNECEDOR x CONSUMIDOR Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 43

44 EXEMPLO: PISOS EXIGÊNCIA DO USUÁRIO SEGURANÇA DE UTILIZAÇÃO : segurança do usuário OS PISOS INTERNOS DA HABITAÇÃO DEVEM POSSUIR CARACTERÍSTICAS SUPERFICIAIS QUE TORNEM SEGURA A CIRCULAÇÃO DE SEUS USUÁRIOS, EVITANDO ESCORREGAMENTOS E QUEDAS. EXEMPLO: PISOS REQUISITO DE DESEMPENHO DEVE POSSUIR CARACTERÍSTICAS QUE PERMITA O CAMINHAR NAS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO (MOLHADO OU NÃO) SEM: TROPEÇAMENTO; ESCORREGAMENTO; RISCO DE QUEDA; PERMITIR MANOBRAS (ESPORTES), ETC... Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 44

45 EXEMPLO: PISOS EXEMPLO: PISOS CRITÉRIO DE DESEMPENHO A superfície dos pisos da habitação devem apresentar coeficiente de atrito dinâmico igual ou superior aos valores MÍNIMOS. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 45

46 Coeficiente de atrito dinâmico do piso NBR Placas cerâmicas para revestimentos - Especificação e métodos de ensaios (ABNT, 1997), anexo N, ensaio de condição projetada de uso (molhada ou seca) Área privativa Área comum Declividade 3% > 0,40 > 0,40 Declividade > 3% e 10% > 0,70 > 0,85 ou > 0,70 com faixa antiderrapante > 0,85 a cada 10 cm Escadas >0,70 > 0,70 ou com faixa antiderrapante > 0,85 por degrau EXEMPLO: PISOS Critérios de Desempenho (EUA) Reconhecimento geral: 0,5 (aceito nas cortes dos Estados Unidos) OSHA ( Occupational Safety and Health Administration) recomenda : - 0,5 para superfícies horizontais; - 0,6 para acessos; - 0,8 para rampas. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 46

47 EXEMPLO: PISOS Critérios de Desempenho (EUA) ADA (Americans Disabilities Act) recomenda: - 0,6 para superfícies horizontais; - 0,8 para rampas. DPA (Disabled People s Association) recomenda: - > 0,4 superfície satisfatória para uso normal; - entre 0,2 e 0,4 abaixo dos limites aceitáveis de segurança; - < 0,2 inseguro. EXEMPLO: PISOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO Métodos para medir o coeficiente de atrito do piso - The Horizontal Drag Slip Meter - The Horizontal Dynamone ter Pull- Meter Method - The James Machine - Portable Articulated strut machines - The Sigler Pendulum Tester Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 47

48 EXEMPLO: PISOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO The Horizontal Dynamometer Pull-Meter Method (ASTM C ): - método mais utilizado; - teste de campo portátil; - pode ser usado em superfície seca, molhada, suja, lisa ou rugosa; - utiliza método de puxar manual; - confiabilidade baixa. EXEMPLO: PISOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO The James Machine (ASTM D ): Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 48

49 EXEMPLO: PISOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO The Sigler Pendulum Tester: TRL Pendulum Tester EXEMPLO: PISOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO NBR Tortus II Floor Skid Tester Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 49

50 EXEMPLO: PISOS EXIGÊNCIA DO USUÁRIO CONFORTO ACÚSTICO OS PISOS INTERNOS DA HABITAÇÃO DEVEM ATENUAR A PASSAGEM DE RUÍDOS DE IMPACTO NO PISO E O ISOLAMENTO DE RUÍDOS AÉREOS PROVENIENTES DO USO NORMAL DA EDIFICAÇÃO. EXEMPLO: PISOS PRINCIPAL PROBLEMA: ISOLAMENTO DE RUÍDOS DE IMPACTO: MÉTODO DE AVALIAÇÃO: ISO PARA BANDAS DE OITAVA ENTRE 125 Hz E 2000 Hz. CRITÉRIO: NÍVEL DE PRESSÃO SONORA DE IMPACTO PADRONOZADO <80 db (nível mínimo) Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 50

51 EXEMPLO: PISOS Elemento Pressão Sonora (db) Nível de Desempenho Laje, ou elemento portante, com ou sem contrapiso, sem tratamento acústico Laje, ou elemento portante, com ou sem contrapiso, com tratamento acústico <80 db M (minimo) 55 a 65 db I (intermediário) < 55 db S (superior) EXEMPLO: PISOS COMO ATENDER AO CRITÉRIOS ESTABELECIDO (QUAIS AS ALTERNATIVAS DE PROJETO)? - Mudar a espessura da laje? - Utilizar contrapiso? - Utilizar revestimentos absorventes? - Modificar os materiais a serem empregados? Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 51

52 APLICAÇÃO DO CONCEITO DE DESEMPENHO ESTUDO DAS PATOLOGIAS CONSTRUTIBILIDADE "o uso otimizado do conhecimento das técnicas construtivas e da experiência nas áreas de planejamento, projeto, contratação e da operação em campo para se atingir os objetivos globais do empreendimento" 104 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 52

53 CONSTRUTIBILIDADE especialistas dos produtos experiência na execução 105 EXEMPLO: NUM CONJUNTO DE CASAS GEMINADAS, COM FUNDAÇÃO EM RADIER, COMO EXECUTAR O DESNÍVEL ENTRE 2 FUNDAÇÕES? 106 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 53

54 OPÇÃO OPÇÃO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 54

55 COMPARAÇÃO: 109 princípios empregados no projeto: A OTIMIZAÇÃO do processo como um todo "CULTURA DA EMPRESA" como condicionante explorar ao máximo os RECURSOS EXISTENTES. SEGURANÇA E SANIDADE dos trabalhadores 110 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 55

56 organização da produção: PROFISSIONALIZAÇÃO e TREINAMENTO evitar a INTERFERÊNCIAS entre os trabalhos; SIMPLIFICAR a seqüência de execução; compatibilidade entre PROJETO e o PLANEJAMENTO da obra Melhoria da COMUNICAÇÃO em obra. MOTIVAÇÃO dos envolvidos 111 características do produto: Procurar a SIMPLICIDADE COMPATÍVEIS com o nível geral da TECNOLOGIA adotada soluções PADRONIZADAS Deve-se procurar utilizar EQUIPAMENTOS e COMPONENTES adequados 112 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 56

57 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Escola Politécnica da USP ARCO-Assessoria em Racionalização Construtiva F. (0xx11) F. (0xx11) Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 57

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II Aula 05: Revestimentos Verticais Conceituação e Classificação

Leia mais

Lacunas de conhecimento tecnológico para o desempenho de edificações residenciais Luis Carlos Bonin

Lacunas de conhecimento tecnológico para o desempenho de edificações residenciais Luis Carlos Bonin 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Lacunas de conhecimento tecnológico para o desempenho de edificações residenciais Luis Carlos Bonin Esta apresentação mostra os resultados de um trabalho

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído

ProAcústica 24.Abril.13. Dia Internacional de Conscientização Sobre o Ruído As expectativas da nova norma no mercado imobiliário Eng. Carlos Alberto Moraes Borges NORMALIZAÇÃO Na ultima década, diversas norma quem implicam na acústica das edificações foram atualizadas, criadas,

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Os requisitos de desempenho acústico do ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Ruídos internos e externos aos edifícios - DESEMPENHO ACÚSTICO - Normas técnicas 1) Normas Técnicas

Leia mais

ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO

ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO 04 de junho de 2009 Realização: Carlos Alberto de Moraes Borges caborges@tarjab.com.br Estrutura da apresentação Normalização e o Sistema regulatório

Leia mais

GT DESEMPENHO/BA Eng. Priscila Freitas

GT DESEMPENHO/BA Eng. Priscila Freitas GT DESEMPENHO/BA Eng. Priscila Freitas ENG. PRISCILA FREITAS Engenheira Civil, UEFS (2006) Especialista em Engenharia da Qualidade, UFBA (2007) Mestranda em Gestão e Tecnologia Industrial GETEC, SENAI

Leia mais

O projeto. Projeto Norma de Desempenho ABNT NBR 15575

O projeto. Projeto Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 O projeto Preocupado em qualificar suas empresas associadas para atender plenamente aos requisitos da norma, o Sinduscon NH firmou convênio em Março de 2012 com o Instituto Tecnológico de Desempenho ITT

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS Análise dos Critérios de Atendimento à Norma de Desempenho ABNT NBR 15.575 Estudo de caso em empresas do programa Inovacon-CE AGRADECIMENTOS Instituições de ensino INOVACON Programa

Leia mais

poder de compra x custo da construção

poder de compra x custo da construção ALVENARIA ESTRUTURAL - introdução e materiais - Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br poder de compra: poder de compra x custo da construção custo da construção: tecnologia:

Leia mais

Técnicas das Construções I ALVENARIA. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 6

Técnicas das Construções I ALVENARIA. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 6 200888 Técnicas das Construções I ALVENARIA Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 6 Objetivos: 1. DISCUTIR A IMPORTÂNCIA DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. 2. DISCUTIR

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

Workshop CAIXA-CBIC Análise Compartilhada da Norma de Desempenho. Ana Paula M. Menegazzo Alais Coluchi

Workshop CAIXA-CBIC Análise Compartilhada da Norma de Desempenho. Ana Paula M. Menegazzo Alais Coluchi Workshop CAIXA-CBIC Análise Compartilhada da Norma de Desempenho Ana Paula M. Menegazzo Alais Coluchi SETOR DE PLACAS CERÂMICAS PARA REVESTIMENTO A favor da publicação da ABNT NBR 15575 Alguns ajustes

Leia mais

NOVIDADES E MODIFICAÇÕES DA ALVENARIA ESTRUTURAL NBR15961

NOVIDADES E MODIFICAÇÕES DA ALVENARIA ESTRUTURAL NBR15961 NOVIDADES E MODIFICAÇÕES DA VERSÃO 2011 DA NORMA DE PROJETO ALVENARIA ESTRUTURAL NBR15961 Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Escola Politécnica da USP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva HISTÓRICO

Leia mais

Audiência Pública. Registro de Preços para Construção de

Audiência Pública. Registro de Preços para Construção de Audiência Pública Registro de Preços para Construção de Estabelecimentos de Ensino Público Projeto Piloto: Construção Escolas ProInfância Desafio: Melhorar a eficiência do processo, e garantir:. Edifícios

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + requisitos usuários + NBR 15220 + NBR 15220-3 + parâmetros e condições de contorno + estratégias

Leia mais

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento Técnicas de construção Vedações Verticais Profa. Keila Bento Vedações verticais Definição UM SUBSISTEMA DOS EDIFÍCIOS CONSTITUÍDO PELOS ELEMENTOS QUE: DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão

Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura. Prof a : Ana Cecília Estevão Aspectos de sustentabilidade a serem considerados na concepção e desenvolvimento de projetos de arquitetura Prof a : Ana Cecília Estevão Desenvolvimento sustentável Aquele que busca um equilíbrio entre

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

REVESTIMENTOS Escolha do Sistema de Revestimento

REVESTIMENTOS Escolha do Sistema de Revestimento 200888 Técnicas das Construções I REVESTIMENTOS Escolha do Sistema de Revestimento Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 13 EXERCÍCIO 1 ESCOLHA DO SISTEMA DE

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013.

Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. Ensaios de Desempenho. Saiba como adequar sua edificação à NBR 15575/2013. CONCREMAT INSPEÇÓES E LABORATÓRIOS. UMA MARCA DAS EMPRESAS CONCREMAT. Com mais de 60 anos de experiência no mercado nacional e

Leia mais

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil

Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias. Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil Normas Ensaios e Verificações de Desempenho de Esquadrias Enga. Michele Gleice ITEC Instituto Tecnológico da Construção Civil NBR 15575 Edificações Habitacionais 2000 2013 2008 ABNT NBR 15575-4 NBR 15575:2013

Leia mais

Coordenação Modular. Jean Marie Désir

Coordenação Modular. Jean Marie Désir Coordenação Modular Jean Marie Désir http://chasqueweb.ufrgs.br/~jeanmarie/eng01208/eng01208.html Função Coordenação modular Modulação Horizontal Malha modular Cantos e amarrações Ajustes Modulação Vertical

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 2. Deficiência x Excelência Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 7 Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa

Leia mais

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora da CEE-191 (ABNT) Esquadrias Diretora do IBELQ Instituto

Leia mais

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL "

O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL O CONTEXTO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO NO RIO GRANDE DO SUL " Major Eduardo Estevam Rodrigues Msc. Engenheiro de Segurança do Trabalho Chefe da Divisão de Operações e Defesa Civil Corpo de Bombeiros Militar

Leia mais

A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575

A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575 RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S/A A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575 REALIZAÇÃO Flávio Paulino de Andrade e Silva

Leia mais

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS O que é revestimento? Revestimentos mais comuns Argamassas Cerâmicos Pedra

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 6 NR 08 Curso Técnico Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras Normas Regulamentadoras Módulo 6 NR 08 Norma Regulamentadoras 8 (Edificações) Esta Norma Regulamentadora -NR estabelece requisitos técnicos mínimos

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO FICHA CATALOGRÁFICA-5 DATA: DEZEMBRO/2010.

ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO FICHA CATALOGRÁFICA-5 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO FICHA CATALOGRÁFICA-5 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias,

Leia mais

Argamassas de Revestimento

Argamassas de Revestimento Argamassas de Revestimento q Argamassa de revestimento é utilizada para revestir paredes, muros e tetos, os quais, geralmente, recebem acabamentos como pintura, cerâmicos, laminados, etc; q O revestimento

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 10 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48 Sumário Capítulo 1 Desenvolvimento histórico de materiais, elementos e sistemas estruturais em alvenaria 23 1.1 História dos materiais da alvenaria 24 1.2 Pedra 24 1.3 Tijolos cerâmicos 26 1.4 Blocos sílico-calcários

Leia mais

O USO DO LIGHT STEEL FRAME NO EMPREENDIMENTO VIDA VIVA CLUBE CENTRO

O USO DO LIGHT STEEL FRAME NO EMPREENDIMENTO VIDA VIVA CLUBE CENTRO 3º Seminário de Tecnologia e Inovação da Construção Civil O USO DO LIGHT STEEL FRAME NO EMPREENDIMENTO VIDA VIVA CLUBE CENTRO ENGº JOÃO PAULO MARIA Melnick Even, com 23 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Porque a opção de alvenaria estrutural em BLOCOS DE CONCRETO

Porque a opção de alvenaria estrutural em BLOCOS DE CONCRETO Estudo de caso: 16 blocos em alvenaria estrutural, 5 pavimentos. MONTES CLAROS - MG Agenda: 10:10 às 10:50 hs Porque a opção de alvenaria estrutural em BLOCOS DE CONCRETO 1) Produção de BLOCOS DE CONCRETO

Leia mais

IMPACTOS DA NORMA DE DESEMPENHO NA INDÚSTRIA DE MATERIAIS

IMPACTOS DA NORMA DE DESEMPENHO NA INDÚSTRIA DE MATERIAIS I WORKSHOP DE DESEMPENHO MINASCON 2014 07/agosto/2014 IMPACTOS DA NORMA DE DESEMPENHO NA INDÚSTRIA DE MATERIAIS Laura Marcellini Diretora Técnica ABRAMAT IMPACTOS DA NORMA DE DESEMPENHO NA INDÚSTRIA DE

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Arquitetura e Urbanismo Café com Pesquisa SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

Estruturas Mistas e Híbridas. Proteção Estrutural. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau

Estruturas Mistas e Híbridas. Proteção Estrutural. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau Estruturas Mistas e Híbridas Proteção Estrutural Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Consultor Técnico Gerdau Introdução NBR 8800:2008 Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS. Proposta Técnica. Norma de Desempenho Adequação de Processos. Construção Civil ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR

SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS. Proposta Técnica. Norma de Desempenho Adequação de Processos. Construção Civil ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR SERVIÇOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS Proposta Técnica Norma de Desempenho Adequação de Processos ATENDIMENTO EM REDE SENAI DR-PR Construção Civil 1 OBJETIVO Este documento tem por finalidade apresentar os

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases 1º PERÍODO 1 02010-9 Introdução à Computação 4-2 06216-2 Leitura e produção de textos para

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO)

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) LOTE

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

NOVOS PORCELLANATOS GRIP e GRIP PLUS. Mais opções para áreas que exigem produtos com maior resistência ao escorregamento

NOVOS PORCELLANATOS GRIP e GRIP PLUS. Mais opções para áreas que exigem produtos com maior resistência ao escorregamento e GRIP PLUS Mais opções para áreas que exigem produtos com maior resistência ao escorregamento A Incepa apresentou em primeira mão na Revestir 2014 os porcellanatos com acabamento GRIP e GRIP PLUS. Além

Leia mais

EDITAL CONCURSO CASA SOLIDÁRIA

EDITAL CONCURSO CASA SOLIDÁRIA EDITAL CONCURSO CASA SOLIDÁRIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS DO CONCURSO 2.1. Casa Solidária - Detalhamento conceitual 3. DIRETRIZES DO PROJETO 3.1. Diretrizes Gerais 3.2.

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

PROC IBR EDIF /2014

PROC IBR EDIF /2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.011/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIDADE EM SERVIÇOS DE LIMPEZA

CRITÉRIOS DE QUALIDADE EM SERVIÇOS DE LIMPEZA CRITÉRIOS DE QUALIDADE EM SERVIÇOS DE LIMPEZA ALGUNS DADOS IMPORTANTES 6.714 prédios ocupados, sendo 96% Agências de Correios Área física a ser limpa 5.029.157,93m 2 Administração Central dos Correios,

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE

PRÉ-FABRICAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE Pré-Fabricação:O Contexto Habitacional e Sustentabilidade PRÉ-FABRICAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE Roberto José Falcão Bauer 27 de agosto de 2009 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL UTILIZA ECOMATERIAIS E SOLUÇÕES INTELIGENTES,

Leia mais

COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE

COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE - 2º CICLO - PROJETO E EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM BLOCOS DE CONCRETO - ALVENARIA RACIONALIZADA - Prof. Dr. Alberto Casado (Escola Politécnica de Pernambuco) e

Leia mais

CIV Sistemas Estruturais na Arquitetura III. Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado

CIV Sistemas Estruturais na Arquitetura III. Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado CIV 1113 - Sistemas Estruturais na Arquitetura III Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado A idéia deste curso é que se possa desenvolver, em seus passos básicos, um projeto estrutural

Leia mais

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira

Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi. NR 8 e NR-10. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR 8 e NR-10 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira NR-8 Edificações Dispõe sobre os requisitos técnicos mínimos que devem ser observados nas edificações

Leia mais

Sumário. NESTE DOCUMENTO: Introdução. Metodologia. Vantagens & Benefícios. Dúvidas Frequentes dos Clientes. Bem-vindo ao Informativo da Empresa!

Sumário. NESTE DOCUMENTO: Introdução. Metodologia. Vantagens & Benefícios. Dúvidas Frequentes dos Clientes. Bem-vindo ao Informativo da Empresa! I N F O R M A T I V O S T E E L F R A M E Guia Rápido Sumário Bem-vindo ao Informativo da Empresa! NESTE DOCUMENTO: Introdução Metodologia Vantagens & Benefícios Dúvidas Frequentes dos Clientes Introdução

Leia mais

CAPÍTULO 1 NORMALIZAÇÃO TÉCNICA

CAPÍTULO 1 NORMALIZAÇÃO TÉCNICA CAPÍTULO 1 NORMALIZAÇÃO TÉCNICA 1. INTRODUÇÃO E HISTÓRICO RESUMIDO Passado: - mão de obra barata - Abundância de matérias-primas Atualidade: - Modernização - Competitividade - Qualidade - Produtividade

Leia mais

TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL DE CONSTRUÇÕES EM CONCRETO E EPS

TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL DE CONSTRUÇÕES EM CONCRETO E EPS TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL DE CONSTRUÇÕES EM CONCRETO E EPS Somos uma empresa constituída por diferentes profissionais da construção voltados para o emprego do Sistema ICF (INSULATED CONCRETE FORMS) em paredes

Leia mais

02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS -

02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS - 02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS - AULA PASSADA Diferenciação das construções com relação as suas características (localização, uso, material, processo produtivo)

Leia mais

Gerenciamento da Construção Civil

Gerenciamento da Construção Civil Gerenciamento da Construção Civil FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento. Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 5 - ORÇAMENTAÇÃO ORÇAMENTO DE OBRAS O que é? É um instrumento

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Estruturas de Concreto

Disciplina: Construção Civil I Estruturas de Concreto UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Componentes Formas: molde para

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ARQUITETURA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ARQUITETURA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ARQUITETURA Apresentação FERNANDA BASQUES - Arquiteta 18 Anos de experiência Sócia Diretora da Viabile Planejamento e Projetos 03 Grupos de Estudos da Norma 01 Diretora do

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Apresentação 2015 Prof. Dr. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com Nosso Negócio Produtividade Rentabilidade Melhoria Contínua Otimização de Produtos e Processos

Leia mais

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS Daniel Barp Crema (1), Fernando Pelisser (2) RESUMO UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) daniel@cremaengenharia.com.br,

Leia mais

Inovação e inclusão social através do uso de materiais plásticos na construção civil. Erivelto Mussio

Inovação e inclusão social através do uso de materiais plásticos na construção civil. Erivelto Mussio Inovação e inclusão social através do uso de materiais plásticos na construção civil Erivelto Mussio EMPRESA ARTECOLA E MARCOPOLO VISÃO ATÉ 2018 Ser a empresa referência nacional em sistemas construtivos

Leia mais

Reação e Resistência ao Fogo

Reação e Resistência ao Fogo Exigências de segurança contra incêndio aplicadas aos perfis pultrudados: Reação e Resistência ao Fogo Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br Reação ao Fogo dos Materiais Comportamento dos materiais em

Leia mais

Perfil. Referência no mercado capixaba em: Inovação Tecnológica; Gestão da Produção; Sustentabilidade. Fundada em 1995 LOGO EMPRESA

Perfil. Referência no mercado capixaba em: Inovação Tecnológica; Gestão da Produção; Sustentabilidade. Fundada em 1995 LOGO EMPRESA Perfil Fundada em 1995 Referência no mercado capixaba em: Inovação Tecnológica; Gestão da Produção; Sustentabilidade. Primeira Reação. ABORDAGENS 1 2 3 4 5 6 Gestão do Conhecimento Participar de Grupos

Leia mais

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO A Aplitek desenvolveu no Brasil uma tecnologia para recuperação e isolamento de telhados, esta extraordinária solução teve sucesso no mundo nos últimos

Leia mais

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Argamassas de revestimento Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Reportagem: Gisele C. Cichinelli As argamassas de revestimento

Leia mais

Gerenciamento da Construção Civil

Gerenciamento da Construção Civil Gerenciamento da Construção Civil FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento. Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 8 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8.1 Considerações

Leia mais

Normas ABNT em Consulta Pública, Publicadas, Confirmadas ou Canceladas 18 de Outubro à 04 de Novembro de2016

Normas ABNT em Consulta Pública, Publicadas, Confirmadas ou Canceladas 18 de Outubro à 04 de Novembro de2016 em, Publicadas, Confirmadas ou Canceladas ABNT/CEE-185 ABNT NBR 16569 _ Parede e laje de concreto celular estrutural moldada no local para a construção de edificações Projeto, execução e controle Requisitos

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010.

SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas

Leia mais

LANÇAMENTO. Placo Impact. Soluções para paredes resistentes a impactos.

LANÇAMENTO. Placo Impact. Soluções para paredes resistentes a impactos. LANÇAMENTO Placo Impact Soluções para paredes resistentes a impactos. O que é rigidez? A rigidez de um sistema define a capacidade do mesmo suportar situações imprevisiveis, trata-se de uma propriedade

Leia mais

3. Estruturas pré fabricadas de concreto armado: fabricação e montagem

3. Estruturas pré fabricadas de concreto armado: fabricação e montagem 3. Estruturas pré fabricadas de concreto armado: fabricação e montagem www.projepar.com.br/imagens/prefabricados_foto1.gif Prof a. Ph.D. Jamilla Lutif Teixeira Jamilla.teixeira@ufes.br SUMÁRIO 3.1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Florianópolis, 21 de outubro de 2013 Assuntos: Plano de Consultoria do Teste de Queima; Diagnóstico Inicial; Plano do Teste de Queima; Plano de

Leia mais

O Caderno de Ativos contempla, em resumo, os seguintes aspectos:

O Caderno de Ativos contempla, em resumo, os seguintes aspectos: 12 modulação caderno_modular Apresentação Como sistema construtivo industrializado e baseado em escala e repetição, a PAREDE DE CONCRETO exige a manutenção de seus padrões de produção em qualquer circunstância.

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO. Engº Fabricio Bolina

PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO. Engº Fabricio Bolina PROJETO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Engº Fabricio Bolina Edifício Andraus 31 Pavimentos 1972 (incêndio) 16 mortos 375 feridos Duração: 4h (sem colapso) Edifício Joelma 26 Pavimentos

Leia mais

Aula 4: Gestão estratégica de suprimentos

Aula 4: Gestão estratégica de suprimentos Gestão de Suprimentos e logística de distribuição Professor : Francisco F. Carso (francisco.carso@poli.usp.br) Aula 4: Gestão estratégica de Tópicos da aula: Matriz de posicionamento estratégico ou de

Leia mais

08/06/2011. IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros. Origem das estruturas... Homem. Sobrevivência. Agua, alimentos, proteção

08/06/2011. IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros. Origem das estruturas... Homem. Sobrevivência. Agua, alimentos, proteção IF SUL Técnicas Construtivas Profa. Carol Barros Origem das estruturas... Homem Sobrevivência Agua, alimentos, proteção 1 Abrigo e Proteção Blocos (tijolos) 2 Alvenaria No Egito, primerio sistema de alvenaria.

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

Soluções Belgo Pronto

Soluções Belgo Pronto Aços Longos Soluções Belgo Pronto Corte e Dobra e Armadura Pronta Soldada Belgo Pronto Mais que um serviço de corte e dobra de aço, Belgo Pronto é um conjunto de soluções em aço para a execução da etapa

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil, do DECONCIC-FIESP Objetivo: discutir conceitos Construção industrializada X Processos construtivos industrializados 2 CONFUSÃO!

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX K-FONIK SYSTEM 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO 58 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FONIK SYSTEM Aplicações: - Canalizações e sistemas de drenagem - Tubulação industrial, maquinaria civil e industrial - Isolamento acústico para paredes

Leia mais

Pesquisa e Inovação na Construção Civil. Maurício Bernardes

Pesquisa e Inovação na Construção Civil. Maurício Bernardes Pesquisa e Inovação na Construção Civil Maurício Bernardes Setembro 2015 TECNISA EM NÚMEROS CENÁRIO PRODUTO PREÇO QUALIDADE SERVIÇO MARCA VALOR AGREGADO RELACIONAMENTO SUSTENTABILIDADE DESEMPENHO

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota

TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota Prezados Alunos, Estamos apresentando sugestões de temas para PG nas áreas: Engenharia

Leia mais

Perspectivas de Mercado de Trabalho para o Engenheiro Civil. Professora: Eng. Civil Msc. Mayara Moraes

Perspectivas de Mercado de Trabalho para o Engenheiro Civil. Professora: Eng. Civil Msc. Mayara Moraes Perspectivas de Mercado de Trabalho para o Engenheiro Civil Professora: Eng. Civil Msc. Mayara Moraes NÚMEROS NACIONAIS 1.1 Milhões Profissionais A indústria da engenharia Importância econômica do setor:

Leia mais

Terminologia e conceitos de Metrologia

Terminologia e conceitos de Metrologia A U A UL LA Terminologia e conceitos de Metrologia Um problema Muitas vezes, uma área ocupacional apresenta problemas de compreensão devido à falta de clareza dos termos empregados e dos conceitos básicos.

Leia mais

Nesta aula. Fundamentos de Dinâmica Veicular Aula 02 Características dos Pneus

Nesta aula. Fundamentos de Dinâmica Veicular Aula 02 Características dos Pneus Fundamentos de Dinâmica Veicular Aula 02 Características dos Pneus Realização: Parceria: Nesta aula Construção Designação Mecanismo da geração de força Propriedades trativas Fórmula de Pacejka Construção

Leia mais

VANTAGENS DOS CONSTRUTIVOS ISOTÉRMICOS NA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA

VANTAGENS DOS CONSTRUTIVOS ISOTÉRMICOS NA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA VANTAGENS DOS CONSTRUTIVOS ISOTÉRMICOS NA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA O isolamento térmico proporcionado pelos Construtivos Isotérmicos reduz significativamente o custo de aquisição do sistema de climatização

Leia mais

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias para Habitações de Interesse Social Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias

Leia mais