INTERVENÇÕES PSICOLÓGICAS NO ÂMBITO AMBULATORIAL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERVENÇÕES PSICOLÓGICAS NO ÂMBITO AMBULATORIAL 1"

Transcrição

1 INTERVENÇÕES PSICOLÓGICAS NO ÂMBITO AMBULATORIAL 1 SILVA, Suelem Lopes 2 ; KRUEL, Cristina Saling 3 1 Trabalho de Prática de Estágio_UNIFRA 2 Acadêmico do Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 3 Docente do Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil RESUMO O presente trabalho tem como pretenção expor as intervenções em psicologia possíveis no ambiente ambulatorial. O trabalho é teórico, mas foi desenvolvido a partir de um estágio obrigatório do curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano/UNIFRA, localizado na cidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. O trabalho justifica-se pela importância da realização de intervenções psicológicas no âmbito hospitalar, mais precisamente o ambulatório, por ser a porta de entrada para procedimentos a serem realizado no hospital. Dentre as atividades possíveis de serem desenvolvidas pelo estagiário de psicologia no ambulatório está o acolhimento e o grupo de sala de espera, visando o bem estar do sujeito. A partir deste trabalho, percebeu-se que a psicologia pode contribuir na atenção destinada os pacientes no período pré-operatório e pós-operatório, criando um espaço de escuta qualificada por meio de acolhimentos e grupos, em busca da amenização das angústias vivenciadas por estes pacientes. Palavras-chave: Acolhimento; Ambulatório; Intervenções. 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como pretenção expor as intervenções em psicologia possíveis no ambiente ambulatorial. O trabalho é teórico, mas foi desenvolvido a partir de um estágio obrigatório do curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano. Estas atividades forão desenvolvidas em um Hospital mais diretamente no ambulatório do mesmo, no qual são realizados atendimentos hospitalares a população de Santa Maria e região. A população que freqüenta o hospital, contou com acadêmicas do curso de psicologia que estão cursando a disciplina de Estagio Específico I, onde cumpriram no local 1

2 a carga horária de 12 horas semanais divididas em três dias da semana sendo estes segundas-feiras, terça-feira e quinta-feira todos pela parta da tarde. Pensando nas atividades que pudessem ser desenvolvidas no âmbito hospitalar pode-se buscar meios para intervenções psicológicas, promoção e prevenção de saúde, acolhimento, grupos na sala de espera e atendimento breve focal, todos esses denominados através da ênfase de processo clínicos assim compondo a clínica ampliada. Ao se dar inicio em um trabalho de psicologia no ambiente hospitalar e necessário conhecer bem o local onde se vai atuar é de estrema importância fazer um primeiro momento de observação das particularidades do novo local de trabalho como quem são as pessoas que freqüentam o local, qual a rotina de atendimentos, quais as características da população atendida, como é a divisão das tarefas etc (MALDONADO e CANELLA, 2009). Mas estas atividades só poderão ser decididas após um espaço de observação para assim começar a se perceber quais são as demandas do local, assim estas atividades podendo ser construídas junto com a equipe e com os próprios usuários que freqüentam o local. 2. REFERENCIAL TEÓRICO Ao iniciar um trabalho de psicologia no ambiente hospitalar é necessário conhecer bem o local, portanto é de extrema importância fazer um primeiro momento de observação das particularidades do local de trabalho, conhecendo as pessoas que freqüentam o local, a rotina de atendimentos, as características da população atendido e a divisão das tarefas. O psicólogo atua melhor quando vê a instituição como um sistema, observando e escutando todos que fazem parte da instituição como os médicos, os enfermeiros, os serventes e os pacientes. É função do psicólogo no hospital atuar como facilitador da comunicações entre os membros da equipe de saúde, pacientes e familiares em seus diversos atendimentos (MALDONADO e CANELLA, 2009). Porém, deve-se explicitar que não é necessário transplantar para o hospital os mesmos procedimentos que ocorrem no consultório clínico, os parâmetros são diferentes o contexto dos atendimentos são outros, portanto, o psicólogo não perde sua identidade profissional e muito menos passa a ser um quebra-galho quando se aproxima do leito de um paciente para perguntar como este esta se sentindo (MALDONADO e CANELLA, 2009). A psicologia hospitalar vem do objetivo da minimização do sofrimento que a hospitalização 2

3 provoca. É de suma importância que o psicólogo tenha clareza sobre sua atuação no contexto hospitalar onde não se obtém uma psicoterapia nos moldes de um setting terapêutico tradicional (CAMON, 1994). Sobre o paciente cirúrgico, é importante destacar que esse nunca se sente com total segurança, pois este procedimento gera desconforto emocional e o sujeito tende a manifestar sentimentos de impotência, medo da morte, da dor, de ficar incapacitado, da mudança na sua imagem corporal. Portanto, ao enfrentar os procedimentos para a realização de uma cirurgia, o paciente sente ameaçada sua integridade física e psicológica (SEBASTIANI e MAIA, 2005). Existem diversos sentimentos confusos e dolorosos que podem acompanhar o sujeito a partir do aparecimento da doença, consequentemente nenhum paciente está efetivamente preparado para a realização de uma cirurgia, sendo necessária a atuação do psicólogo neste momento. Este deve ter como objetivo a minimização das angústias e ansiedades tanto do paciente como da equipe (SEBASTIANI e MAIA, 2005). No ambiente hospitalar, existe uma certa falta de clareza quanto as atribuições dos diferentes profissionais, sendo este um dos fatores que dificulta o trabalho em equipe. O hospital é uma instituição complexa que envolve várias especialidades, estes muitas vezes preparados para tomar decisões importantes em curto espaço de tempo (TONETTO e GOMES, 2007). O contato direto com os seres humanos coloca o profissional de saúde a frente de sua própria vida, saúde ou doença, de seus conflitos e frustrações. O profissional pode buscar mecanismos de defesa que podem acabar prejudicando-o tanto em seu ambiente de trabalho como no pessoal, portanto este pode utilizar o distanciamento dos pacientes como uma defesa para si próprio (MOTA, MARTINS, VÉRAS, 2006). Neste contexto, o profissional de psicologia não pode colocar-se dentro do hospitall como uma força ideal e solitária. A humanização do hospital vem através de transformações da instituição hospitalar como um todo e evidentemente pela transformação social (CAMON, 1994). Entende-se que profissionais que trabalham com seres humanos devem tratar o outro como humanos, isto é com igualdade, aproximação, tentando lhes proporcionar o melhor, assim desenvolvendo ações para obter-se a humanização hospitalar para assim se obter mudanças no tratamento hospitalar. Mas para isto acontecer médicos, enfermeiros e pacientes devem estar envolvidos de forma harmônica (MOTA, MARTINS, VÉRAS, 2006). 3

4 Por meio da visão de humanização hospitalar, é de suma importância trabalhar a atitude dos profissionais de saúde, assim deixando de pensar e falar do doente como apenas um objeto de cuidados terapêuticos, um número sem nome. A humanização começa com a ampliação do conceito de saúde como o bem estar desse individuo, que é promovido em todas as dimensões física, mental, social e espiritual (MOTA, MARTINS, VÉRAS, 2006). O trabalho do profissional da psicologia no hospital vem de encontro aos sentimentos, pois o individuo, passa a assumir o papel de paciente perdendo sua autonomia e independência. O psicólogo vai além da aparência, valoriza aspectos qualitativos de fenômenos que são presentes na vida dos pacientes. Compreende significados da vida e por meio do processo do cuidado inclui a capacidade de compreender o ser humano, como ele está em seu mundo, como desenvolve sua identidade e constrói sua própria historia de vida (MOTA, MARTINS, VÉRAS, 2006). Os hospitais consideram importante e necessário o trabalho do psicólogo no ambulatório e em enfermarias para se atender os pacientes de uma forma mais humanizadora, pois percebe-se que muitas vezes a angustia ou a depressão do doente referem-se a fragilidade do corpo, sofrimento, invalidez e medo da internação, todos desencadeados pela relação estabelecida entre médico e paciente (MOTA, MARTINS, VÉRAS, 2006). Outra prática ambulatorial importante que pode ser desenvolvida pelo psicólogo está o grupo de sala de espera, onde um fator é importante: o território. O território da sala de espera é um lugar onde os pacientes aguardam atendimento de seus respectivos profissionais, portanto, torna-se um espaço dinâmico onde ocorre mobilização de diferentes necessidades. E um espaço onde os pacientes trocam entre si experiências de seus cotidianos, observam, emocionam-se, ocorre um processo interativo entre este, por meio da comunicação (TEIXEIRA e VELOSO, 2006). Em um primeiro momento o que percebe-se em salas de espera são pequenos agrupamentos, que são constituídos pelos pacientes para amenizarem sua angustia entrelaçada em torno da espera. Geralmente estas pessoas não se conhecem, mas quando a atividade é proposta por profissionais da área da saúde como enfermeiros e psicólogos, inicia-se o trabalho em grupo de modo singular e específico para cada contexto. Muitas vezes tenta-se manter sempre a ordem nestes espaços de espera, ter um certo controle, mas estes muitas vezes é parcial devido ao caráter transitório de pessoas. Por meio das 4

5 atividades de grupo os profissionais da saúde passam a se inserir neste espaço, podendo assim criar um dialogo acolhedor com seus respectivos pacientes (TEIXEIRA e VELOSO, 2006). Percebe-se que os profissionais da saúde que forem os coordenadores deste espaço não podem tentar controlar a forma de vida dos sujeitos, mas promover nestes o cuidado de si e a cidadania. O grupo de sala de espera, sendo um recurso para o propósito na educação em saúde, que entrelaça os saberes, na relação e nas formas de cuidado. Portanto, esta prática de intervenção em sala de espera mostra a possibilidade da interação do profissional com o paciente que encontra-se em espera, muitas vezes este suportando tensões e conflitos na relação de seu cotidiano (TEIXEIRA e VELOSO, 2006). 3. CONCLUSÃO É de suma importância a existência de atendimentos psicológicos aos pacientes que frequentam ambulatório hospitalar, já que estes muitas vezes chegam no âmbito hospitalar desorientados a cerca de suas doenças e cirurgias a serem realizadas, sendo que muitas vezes estão angustiados com os processos a serem realizados. Neste contexto, o papel do psicólogo é o de ajudar a suprir essas angustias e estes sofrimentos acerca da doença, sendo responsável por oferecer uma escuta qualificada e um acolhimento necessário, proporcionando um espaço potencial e acolhedor aos pacientes e seus acompanhantes. Porém, o profissional de psicologia tem seu trabalho muito recente no âmbito hospitalar, e os usuários não procuram o ambulatório para serem vistos por este profissional. Dessa maneira, os usuários podem ser surpreendidos pela presença do psicólogo e a possibilidade de receber uma escuta qualificada às suas demandas. Tal surpresa tende a ser bem vista pelos pacientes, mas ainda é um desafio para a psicologia encontrar o seu espaço nos atendimentos ambulatoriais e reinventar a atuação em clínica ampliada. 5

6 REFERÊNCIAS CAMON, V. A.; A.Psicologia Hospitalar: Teoria e Práticas São Paulo: Pioneira, MALDONADO, M. T.; CANELLA. P.Recursos de Relacionamentos para profissionais de saúde: A boa comunicação com clientes e seus familiares em consultórios, ambulatórios e hospitais. Ribeirão Preto, SP: Editora Novo Conceito, MOTA, R. A.; MARTINS, C., G., M.; VÉRAS, R., M. Papel dos profissionais de saúde em políticas de humanização hospitalar. Maringá, Disponível no site: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lang=pt>. SEBASTIANI, R. W.; MAIA, E. M. C. Contribuições da psicologia da saúde-hospitalar na atenção ao paciente cirúrgico. São Paulo, Disponível no site: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lang=pt>. TEIXEIRA, E., R; VELOSO, R., C. O grupo em sala de espera: Território de Práticas e Representações em Saúde. Florianópolis, Disponível no site <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lang=pt>. TONETTO, A., M.; GOMES, W., B. A prática do psicólogo hospitalar em equipe multidisciplinar. Campinas, Disponível no site <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s x &lang=pt>. 6

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE PSICOLOGIA POP nº 04 PSI/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR

Leia mais

PSICOLOGIA HOSPITALAR

PSICOLOGIA HOSPITALAR PSICOLOGIA HOSPITALAR 2012 Diogo Batista Pereira da Silva Psicólogo formado pela UNISUL em 2012. Atualmente atuando como palestrante e desenvolvedor estratégico (Brasil) Email: diogobatista.p@gmail.com

Leia mais

ESTÁGIO: PSICOLOGIA HOSPITALAR: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM UMA UNIDADE DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

ESTÁGIO: PSICOLOGIA HOSPITALAR: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM UMA UNIDADE DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CENTRO DE PESQUISA E PSICOLOGIA APLICADA ESTÁGIO: PSICOLOGIA HOSPITALAR: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA

Leia mais

A CRIANÇA HOSPITALIZADA

A CRIANÇA HOSPITALIZADA A CRIANÇA HOSPITALIZADA O hospital infantil tornou-se um complexo de equipes de especialistas que trabalham para a melhoria de saúde da criança. Profissional importante dessas equipes é o enfermeiro, que

Leia mais

A EQUIPE INTERDISCIPLINAR E A INSERÇÃO DO PSICÓLOGO NO HOSPITAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA¹

A EQUIPE INTERDISCIPLINAR E A INSERÇÃO DO PSICÓLOGO NO HOSPITAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA¹ A EQUIPE INTERDISCIPLINAR E A INSERÇÃO DO PSICÓLOGO NO HOSPITAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA¹ Kostulski, Camila Alemida²; Kruel, Cristina Saling³ 1 Relatório Final do Estágio Básico I do Centro Universitário

Leia mais

12º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA EM EQUIPE MULTIPROFISSIONAL: PRODUZINDO POSSIBIILIDADES DE HUMANIZAÇÃO

12º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA EM EQUIPE MULTIPROFISSIONAL: PRODUZINDO POSSIBIILIDADES DE HUMANIZAÇÃO 12º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA EM EQUIPE MULTIPROFISSIONAL: PRODUZINDO POSSIBIILIDADES DE HUMANIZAÇÃO Angelo Willian de Lima Catarim 1 Fernanda Déo da Silva Mazzer 2 Karolina

Leia mais

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO CENTRO DE PESQUISA E PSICOLOGIA APLICADA ESTÁGIO: AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

Atuação do Psicólogo na Radioterapia. Psicóloga: Alyne Lopes Braghetto

Atuação do Psicólogo na Radioterapia. Psicóloga: Alyne Lopes Braghetto Atuação do Psicólogo na Radioterapia Psicóloga: Alyne Lopes Braghetto Hospital Israelita Albert Einstein 650 leitos História Década de 50: nascimento da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert

Leia mais

QUADRO DE VAGAS 2017/2 ESTÁGIO CURRICULAR PSICOLOGIA

QUADRO DE VAGAS 2017/2 ESTÁGIO CURRICULAR PSICOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE HOSPITAL PSIQUIÁTRICO SÃO PEDRO DIREÇÃO DE ENSINO E PESQUISA QUADRO DE VAGAS 2017/2 ESTÁGIO CURRICULAR PSICOLOGIA LOCAL VAGAS MODALIDADE DE ESTÁGIO Data

Leia mais

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes?

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sávia M. Emrich Pinto Psicóloga Serviço de Radioterapia Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A RELAÇÃO DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR COM O PACIENTE SECUNDÁRIO NUMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Michely Mileski Zuliani* (Projeto de Extensão 0725/04, Psicologia Hospitalar e Equipe Multiprofissional

Leia mais

RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1. Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3.

RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1. Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3. RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1 Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3. 1 Trabalho de Extensão Departamento de Humanidades e Educação, Curso de Graduação em Psicologia 2 Acadêmico do 8ºsemestre

Leia mais

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Centro de Ciências da Saúde CCS. Serviço de Psicologia

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Centro de Ciências da Saúde CCS. Serviço de Psicologia Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde CCS Serviço de Psicologia Instrução Normativa n 01/2016 Estabelece as diretrizes para desenvolvimento de atividades e atendimento

Leia mais

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 Robsmeire Calvo Melo Zurita 1 ; Alessandra Massi Puziol Alves 2 Neide Barboza Lopes 3 INTRODUÇÃO: No Brasil ainda

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA DO NUCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DA FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA DO NUCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DA FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA DO NUCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DA FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE Art1º O Serviço de Psicologia do NPJ é constituído por um profissional de formação específica em Psicologia,

Leia mais

1 Manual do atendimento psicopedagógico

1 Manual do atendimento psicopedagógico Manual do atendimento psicopedagógico 1 Manual do atendimento psicopedagógico Manual do atendimento psicopedagógico FACULDADE DE ARTES DULCINA DE MORAES APRESENTAÇÃO Neste manual você irá encontrar as

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR UNIMED-BH CAMILA CARNEIRO DA FONSECA Assistente Social Serviço de Atenção Domiciliar Atenção Domiciliar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA Nome da Disciplina: Psicologia Aplicada à Farmácia Curso: Farmácia Termo: 6º Carga Horária Semanal (h/a): 2 Carga Horária Semestral (h/a): 30 Teórica: 2 Prática: Total:

Leia mais

BRINCAR NO HOSPITAL: A CONTRIBUIÇÃO DO LÚDICO NA RECUPERAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS 1

BRINCAR NO HOSPITAL: A CONTRIBUIÇÃO DO LÚDICO NA RECUPERAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS 1 BRINCAR NO HOSPITAL: A CONTRIBUIÇÃO DO LÚDICO NA RECUPERAÇÃO DE CRIANÇAS HOSPITALIZADAS 1 RIZZATTI, Fernanda Lopes 2 ; SILVA, Mariluce Silveira da 3 ; NUNES, Janilse Fernandes 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: ENFERMAGEM SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão Formar Enfermeiros qualificados para atuar em todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema

Leia mais

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f Comunicação em Cuidados Paliativos Ana Valeria de Melo Mendes Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte

Leia mais

Programa de Aperfeiçoamento ONCOLOGIA ORTOPÉDICA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Aperfeiçoamento ONCOLOGIA ORTOPÉDICA. Comissão de Residência Médica COREME Comissão de Residência Médica COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes com câncer, formar profissionais especialistas e disseminar

Leia mais

DIALOGANDO SOBRE O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E EXPRESSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

DIALOGANDO SOBRE O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E EXPRESSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO DIALOGANDO SOBRE O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E EXPRESSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Niamey Granhen Brandão da Costa (IFCH/UFPA-CCBS/UNAMA) INTRODUÇÃO A escola é uma das instituições

Leia mais

Coordenação de Psicologia

Coordenação de Psicologia Coordenação de Psicologia ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA INESP/FUNEDI/UEMG 2º SEMESTRE 2011 ESTÁGIOS OFERECIDOS PARA OS ALUNOS DE 5º ao 7º PERÍODOS (Núcleo Básico) 1. ANÁLISE INSTITUCIONAL

Leia mais

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO JUNTO AO PACIENTE COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO JUNTO AO PACIENTE COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO JUNTO AO PACIENTE COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA SANTOS, Eduardo Araujo Acadêmico do Curso de Psicologia (FAEF). e-mail: eduardopsicologia@live.com CARDOSO, Edivania Messias Barbalho

Leia mais

II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO.

II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO. II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO. PACHECO 1, Jade Alves de Souza; SOARES 2, Nayana Carvalho; SILVA 3, Bianca Fernandes

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS 1 ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS Cristina Ionácy Rodrigues e Souza 1 INTRODUÇÃO Ao fomentar que a assistência social é uma política que junto com as políticas setoriais,

Leia mais

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*)

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Saúde Mental Prof.: Beto Cruz betocais2@gmail.com PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO ALUNO

PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO ALUNO 1 PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO ALUNO Angélica Nakazone, Heloísa Maria Heradão Rogone, Edilene K. Moriya, Mônica Feitosa Santana e Orjana de Oliveira Pacheco RESUMO:A

Leia mais

ACOMPANHAMENTO PSICOSSOCIAL DE CRIANÇAS E JOVENS DIABÉTICOS

ACOMPANHAMENTO PSICOSSOCIAL DE CRIANÇAS E JOVENS DIABÉTICOS ACOMPANHAMENTO PSICOSSOCIAL DE CRIANÇAS E JOVENS DIABÉTICOS ACES Porto Oriental / Centro de Saúde de Campanhã Emília Aparício, Assistente Social Cristina Campos, Psicóloga INTRODUÇÃO Desde 2007, o Serviço

Leia mais

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas.

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Letícia Andrade Assistente Social HC-FMUSP: Ambulatório de Cuidados Paliativos e Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar Cuidados Paliativos:

Leia mais

O psicoterapeuta frente ao paciente agressor de sua companheira: uma reflexão bioética

O psicoterapeuta frente ao paciente agressor de sua companheira: uma reflexão bioética O psicoterapeuta frente ao paciente agressor de sua companheira: uma reflexão bioética Schlindwein Zanini, Rachel. Neuropsicóloga, Doutora em Ciências da Saúde, Área de Concentração: Neurociências, pela

Leia mais

PROPOSTAS DE ESTÁGIO - IA. ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM PSICOLOGIA E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS IA Título: Psicologia e Processos Organizacionais

PROPOSTAS DE ESTÁGIO - IA. ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM PSICOLOGIA E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS IA Título: Psicologia e Processos Organizacionais PROPOSTAS DE ESTÁGIO - IA Proposta número 1 Ênfase Processos Organizacionais ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM PSICOLOGIA E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS IA Título: Psicologia e Processos Organizacionais Professora Supervisora:

Leia mais

ONCOLOGIA ORTOPÉDICA

ONCOLOGIA ORTOPÉDICA Programa de Capacitação Profissional ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Comissão de Residência Médica COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes

Leia mais

* QUALIFICAÇÃO EXIGIDA: Graduação em. inscrição nos órgãos competentes.

* QUALIFICAÇÃO EXIGIDA: Graduação em. inscrição nos órgãos competentes. PSICÓLOGO - CLASSE C ESPECIALIDADE: Psicólogo Judicial PROVIMENTO: Concurso Público PROPOSTAS DESTACADAS EM VERMELHO SÃO DE AUTORIA DOS (AS) PSICOLOGOS (AS); PROPOSTAS EM AZUL ACATADAS PELOS (AS) PSICOLOGOS

Leia mais

PRÉ-NATAL DE ALTO RISCO

PRÉ-NATAL DE ALTO RISCO Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE PSICOLOGIA POP nº 09 PSI/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina PRÉ-NATAL DE ALTO RISCO

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

O CONFRONTO COM O BEBÊ REAL PRÉ-TERMO: PRINCIPAIS DIFICULDADES APRESENTADAS POR MÃES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL.

O CONFRONTO COM O BEBÊ REAL PRÉ-TERMO: PRINCIPAIS DIFICULDADES APRESENTADAS POR MÃES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL. O CONFRONTO COM O BEBÊ REAL PRÉ-TERMO: PRINCIPAIS DIFICULDADES APRESENTADAS POR MÃES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL. Rafaela MEZZOMO, rafinhamezzomo@hotmail.com, Cléa Maria BALLÃO, clea.ballao@uol.com.br,

Leia mais

DISCIPLINA DE UROLOGIA

DISCIPLINA DE UROLOGIA DISCIPLINA DE UROLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO Internato 5º ANO - 2015 1 OBJETIVOS Formação do aluno com atuação na prática médica supervisionada na área do conhecimento da Urologia paraa a formação integral

Leia mais

Relatório 04. Dia: 11/10/2016

Relatório 04. Dia: 11/10/2016 Relatório 04 Dia: 11/10/2016 Hoje fomos acordados pelo grupo alvorada as 6:30hs e o café foi servido as 7:30hs. Depois do café tivemos um momento de interação, meu grupo ficou responsável pela faxina e

Leia mais

ANAMNESE (ENTREVISTA)

ANAMNESE (ENTREVISTA) 1 ANAMNESE (ENTREVISTA) Anamnese (Ana = trazer de volta; mnesis = memória) significa trazer de volta à mente todos os fatos relacionados com o doente e a pessoa doente. Se bem feita, acompanha-se de decisões

Leia mais

O atendimento psicopedagógico no Hospital das Clínicas São Paulo

O atendimento psicopedagógico no Hospital das Clínicas São Paulo O atendimento psicopedagógico no Hospital das Clínicas São Paulo APRESENTAÇÃO P.p Ana Paula Caterino Pedagoga, Psicopedagoga e Mestranda em Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana

Leia mais

PROJETO POSSO AJUDAR?

PROJETO POSSO AJUDAR? PROJETO POSSO AJUDAR? SUMÁRIO 1. PROJETO POSSO AJUDAR? 2. INTRODUÇÃO O POSSO AJUDAR? COMO DISPOSITIVO DE FORTALECIMENTO DO ACOLHIMENTO NO HRCM HOSPITAL REGIONAL DE CAMPO MAIOR- PI 3. OBJETIVOS 4. METODOLOGIA

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes - ICHLA

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes - ICHLA Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes - ICHLA - Curso de Psicologia Currículo 2011/01 e 2013/01 Descrição do Curso: O Curso de Psicologia

Leia mais

O FUXICO NA SALA DE ESPERA: CONSTRUINDO UM ESPAÇO TERAPÊUTICO ALTERNATIVO (2010) 1

O FUXICO NA SALA DE ESPERA: CONSTRUINDO UM ESPAÇO TERAPÊUTICO ALTERNATIVO (2010) 1 O FUXICO NA SALA DE ESPERA: CONSTRUINDO UM ESPAÇO TERAPÊUTICO ALTERNATIVO (2010) 1 CULAU, Fernanda Steffen 2 ; DIAS, Hericka Zogbi Jorge 3 ; PEIXOTO, Maristela Jaqueline Reis 4 ; SANTOS, Ticiane Lúcia

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM Missão Objetivo Geral Objetivos Específicos

CURSO: ENFERMAGEM Missão Objetivo Geral Objetivos Específicos CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Psicologia e Educação

Psicologia e Educação Psicologia e Educação 2016.2 Profª. MSc. Fernanda Lima. Unidade III: O que pode fazer o psicólogo na escola. Psicólogo escolar: Papéis e funções na escola. Escola é um espaço social onde pessoas convivem

Leia mais

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE RESPEITO E SUCESSO EXPERIÊNCIA DE ARACAJU 2002 Ampliação do PSF cobertura de 70% da população; Implantação do Acolhimento; Na Saúde Mental a implantação de equipes

Leia mais

Projeto Cuidar e Ser Cuidado do Hospital Auxiliar de Cotoxó

Projeto Cuidar e Ser Cuidado do Hospital Auxiliar de Cotoxó Projeto Cuidar e Ser Cuidado do Hospital Auxiliar de Cotoxó 1. Introdução Os períodos de mudança tendem a despertar incertezas. A iminência de reformulação do Hospital Auxiliar de Cotoxó HAC, devido à

Leia mais

configura-se como garantir ofertas de cuidados domiciliares apoiadoras dos projetos

configura-se como garantir ofertas de cuidados domiciliares apoiadoras dos projetos Serviço de Atenção Domiciliar de São Bernardo do Campo Proponente: Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo, SP. CNPJ: 46523239/0001-47 Endereço: Rua Luiz Ferreira da Silva, 172, Parque São Domingo,

Leia mais

ENTRE A INTERNAÇÃO E O AMBULATÓRIO: A EXPERIÊNCIA DE CONTINUIDADE DO VÍNCULO TERAPÊUTICO COM UMA PACIENTE PSIQUIÁTRICA

ENTRE A INTERNAÇÃO E O AMBULATÓRIO: A EXPERIÊNCIA DE CONTINUIDADE DO VÍNCULO TERAPÊUTICO COM UMA PACIENTE PSIQUIÁTRICA ENTRE A INTERNAÇÃO E O AMBULATÓRIO: A EXPERIÊNCIA DE CONTINUIDADE DO VÍNCULO TERAPÊUTICO COM UMA PACIENTE PSIQUIÁTRICA Fernanda de Sousa Vieira e Fernanda Kimie Tavares Mishima INTRODUÇÃO A psicoterapia

Leia mais

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE CARTILHA PROGRAM AS DE ATENÇÃO À SAÚDE PROGRAMAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A Unimed Cerrado pensando na saúde e bem-estar do seu cliente, disponibiliza diversos Programas de Atenção Integral à Saúde.

Leia mais

SOBMEDIDA CONTROLE DO PESO DURANTE O TRATAMENTO ONCOLÓGICO: A PSICOLOGIA FACILITANDO A PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA INTEGRALIDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

SOBMEDIDA CONTROLE DO PESO DURANTE O TRATAMENTO ONCOLÓGICO: A PSICOLOGIA FACILITANDO A PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA INTEGRALIDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Sabe-se que o câncer é um dos maiores problemas de saúde dos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Atualmente, é certamente uma das patologias mais temidas. O diagnóstico de câncer é vivenciado como

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: PSICOLOGIA Campus: MACAÉ Missão O Curso de Psicologia da Estácio de Sá tem como missão formar profissionais Psicólogos generalistas que no desempenho de suas atividades

Leia mais

Atendimento Pré-hospitalar ao Paciente com Agravo Mental. Enf. Adriana Monteiro

Atendimento Pré-hospitalar ao Paciente com Agravo Mental. Enf. Adriana Monteiro Atendimento Pré-hospitalar ao Paciente com Agravo Mental Enf. Adriana Monteiro Quando me falam de psiquiatria, eu imagino... A psiquiatria no Brasil 1543: Primeiras Santas Casas; 1841: Os primeiros Hospitais;

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL PROJETO DE ATENÇÃO INTERPROFISSIONAL À CRIANÇA COM MICROCEFALIA.

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL PROJETO DE ATENÇÃO INTERPROFISSIONAL À CRIANÇA COM MICROCEFALIA. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2017.1 CRIANÇA COM MICROCEFALIA. CAMPUS NATAL A Universidade Potiguar UnP, através da Direção da Escola da Saúde, torna público o presente

Leia mais

ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Psicologia RESUMO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CURSO DE PSICOLOGIA. Clínica e Laboratórios

ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Psicologia RESUMO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CURSO DE PSICOLOGIA. Clínica e Laboratórios ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Psicologia RESUMO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CURSO DE PSICOLOGIA Clínica e Laboratórios MANAUS AMAZONAS 2016 IDENTIFICAÇÃO Diretor Geral Marcelo José Frutuoso Medeiros

Leia mais

Implantação. Tania Chagas Kátia Topázio Licia L.Moreira Verônica Raich

Implantação. Tania Chagas Kátia Topázio Licia L.Moreira Verônica Raich Implantação do Programa de Segurança do Paciente em uma Unidade de Cirurgia Ambulatorial Tania Chagas Kátia Topázio Licia L.Moreira Verônica Raich Introdução Pensar segurança no âmbito da cirurgia ambulatorial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM COM OS FAMILIARES DE PACIENTES PORTADORES DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES (2012) 1

A IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM COM OS FAMILIARES DE PACIENTES PORTADORES DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES (2012) 1 A IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM COM OS FAMILIARES DE PACIENTES PORTADORES DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES (2012) 1 CASARIN, Juliana Trevisan ² ; DANIEL, Luanne Bolzan 3 ; LUCIO, DIRCE 4 ;

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO: PSICOLOGIA HORÁRIA 1 SEMESTRE 2 SEMESTRE 3 SEMESTRE

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO: PSICOLOGIA HORÁRIA 1 SEMESTRE 2 SEMESTRE 3 SEMESTRE ESTRUTURA CURRICULAR - 2017 CURSO: PSICOLOGIA DISCIPLINA CARGA HORÁRIA C. H. TEORICA C.H. PRÁTICA Nº DE 1 SEMESTRE 1 HISTÓRIA DA PSICOLOGIA 1 ANATOMIA HUMANA 60 60 ---- 3 1/2 1 PSICOLOGIA GERAL 90 90 ----

Leia mais

Marcos S. Lapa Médico Geriatra II SIMPÓSIO GESEN. Londrina, 15 de setembro 2012

Marcos S. Lapa Médico Geriatra II SIMPÓSIO GESEN. Londrina, 15 de setembro 2012 Marcos S. Lapa Médico Geriatra II SIMPÓSIO GESEN Londrina, 15 de setembro 2012 TRÊS MODALIDADE 1. CONSULTA DOMICILIAR: paciente prefere ser atendido no domicílio, não necessariamente apresenta alguma limitação

Leia mais

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Senado Federal Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Brasília, 26 de maio de 2009 Professora Dra Maria Alice Toledo Professora adjunta de Geriatria e Psiquiatria da

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Jaciara Barbosa Carvalho Faculdade Anhanguera, Bauru\SP e-mail:

Leia mais

FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO

FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO ESCOLHA SUA OPÇÃO DE APRESENTAÇÃO: Título: SENTIMENTOS VIVENCIADOS PELOS FAMILIARES NO PROCESSO DE HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA NA UTI Relator: Danilo Marcelo Araujo dos

Leia mais

Programa de Residência Multiprofissional em Oncologia PSICOLOGIA. Comissão de Residência Multiprofissional - COREMU

Programa de Residência Multiprofissional em Oncologia PSICOLOGIA. Comissão de Residência Multiprofissional - COREMU Programa de Residência Comissão de Residência - COREMU Programa de Residência As Residências Multiprofissionais na área de saúde, criadas a partir da promulgação da Lei n 11.129 de 2005, são orientadas

Leia mais

Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA. Comissão de Residência Médica COREME Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA Comissão de Residência Médica COREME Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA Instituída pelo Decreto nº 80.281, de 5 de setembro de 1977,

Leia mais

CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CEDECA RIO DE JANEIRO)

CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CEDECA RIO DE JANEIRO) CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CEDECA RIO DE JANEIRO) CNPJ Nº 10.832.372/0001-38 EDITAL Nº 001 /2017 O CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CEDECA RJ, no

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS SAU 245 ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL CHF 907 Psicologia Aplicada à Saúde CARGA

Leia mais

metas do plano de trabalho

metas do plano de trabalho Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 1º semestre 2016 Conforme

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ENTRE ENFERMEIRO E O BINÔMIO CRIANÇA/FAMÍLIA NA INTERNAÇÃO PEDIÁTRICA 1

A COMUNICAÇÃO ENTRE ENFERMEIRO E O BINÔMIO CRIANÇA/FAMÍLIA NA INTERNAÇÃO PEDIÁTRICA 1 A COMUNICAÇÃO ENTRE ENFERMEIRO E O BINÔMIO CRIANÇA/FAMÍLIA NA INTERNAÇÃO PEDIÁTRICA 1 BARROS, Camilla Silva de 2 ; NEVES, Eliane Tatsch 3 ; ZAMBERLAN, Kellen Cervo 4 ; RESUMO Trata-se de um relato de experiência

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

Hospital Geral de São Mateus

Hospital Geral de São Mateus Hospital Geral de São Mateus Projeto Referência Hospital Amigo do Idoso Perfil Instituição Hospital Geral, de caráter público, subordinado a Secretaria de Estado da Saúde, da administração direta, com

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

Recursos Próprios 2013

Recursos Próprios 2013 Recursos Próprios 2013 " Serviços Próprios de Atendimento Pré-Hospitalar (SOS) e Assistência Domiciliar ( Home- Care): reconhecendo a importância destas modalidades assistenciais para o cliente e para

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM NO CUIDADO AO IDOSO HOSPITALIZADO. Andressa de Fátima Silva* (PIBIC/AF/IS/CNPq), Herbert Leopoldo de Freitas Góes (Orientador), Viviani Camboin

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL ASSISTÊNCIA INTERPROFISSIONAL A GESTANTE, NATAL, RN CAMPUS NATAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL ASSISTÊNCIA INTERPROFISSIONAL A GESTANTE, NATAL, RN CAMPUS NATAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2016.2 ASSISTÊNCIA INTERPROFISSIONAL A GESTANTE, NATAL, RN CAMPUS NATAL A Universidade Potiguar UnP, através da Direção da Escola da Saúde,

Leia mais

MODELO RESIDÊNCIA MÉDICA

MODELO RESIDÊNCIA MÉDICA CURSO DE POS-GRADUACAO EM ECOCARDIOGRAFIA MODELO RESIDÊNCIA MÉDICA Coordenação Geral: A coordenação geral dos cursos de ecocardiografia será realizada pela Chefia Técnico Administrativa do Serviço de Ecocardiografia

Leia mais

Mostra de Iniciação Científica OS BENEFÍCIOS QUE A INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA HOSPITALAR TRAZ PARA OS FAMILIARES DOS PACIENTES TERMINAIS

Mostra de Iniciação Científica OS BENEFÍCIOS QUE A INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA HOSPITALAR TRAZ PARA OS FAMILIARES DOS PACIENTES TERMINAIS Mostra de Iniciação Científica OS BENEFÍCIOS QUE A INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA HOSPITALAR TRAZ PARA OS FAMILIARES DOS PACIENTES TERMINAIS Gisele Ross 1 Letícia Montemezzo 2 Camila Scheifler Lang 3 INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos Autores Ananda Hoffmann Sandra da Silva Kinalski Silvia Furian El Ammar Ijuí, Rio Grande do Sul Objetivos Qualificar Técnicos

Leia mais

PSICÓLOGA CRP: 06/131048, COACH DE CARREIRA, EMPREENDEDORA DIGITAL E COFUNDADORA DO INSTITUTO ADOPTARE.

PSICÓLOGA CRP: 06/131048, COACH DE CARREIRA, EMPREENDEDORA DIGITAL E COFUNDADORA DO INSTITUTO ADOPTARE. SEJA BEM VINDO TATIANY SCHIAVINATO PSICÓLOGA CRP: 06/131048, COACH DE CARREIRA, EMPREENDEDORA DIGITAL E COFUNDADORA DO INSTITUTO ADOPTARE. Ampla experiência com atendimentos envolvendo familias e adoção,

Leia mais

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat A Importância dos Cuidados com o Cuidador Lívia Kondrat ABRALE 22 de Julho de 2011 CÂNCER é uma doença crônica; possui tratamentos com possibilidade de cura; traz consigo estigmas; está cercada por mitos,

Leia mais

ANESTESIA. Guia do Paciente

ANESTESIA. Guia do Paciente ANESTESIA Guia do Paciente ANESTESIA Guia do Paciente Orientações para o Paciente Cirúrgico Caro Paciente e Familiares, Este Guia foi elaborado para contribuir com a sua participação e de seus familiares

Leia mais

ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS

ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS EDUCADOR SOCIAL ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS ÁREAS DE ATUAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL SAÚDE EDUCAÇÃO MAIORES DIFICULDADES FALTA DE PROFISSIONAIS CAPACITADOS NOVA PROFISSÃO REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

DISCIPLINA DE UROLOGIA

DISCIPLINA DE UROLOGIA DISCIPLINA DE UROLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO Internato 5º ANO - 2013 1 OBJETIVOS Formação do aluno com atuação na prática médica supervisionada na área do conhecimento da Urologia para a formação integral

Leia mais

PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA

PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA 1 PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA FRANCHIN, Daniely Santos; SILVA, Flávia Souza Morais Sala da; SILVA, Katulle Oliveira Freitas; TEIXEIRA, Veridiana Vicentini. (Estagiárias

Leia mais

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas.

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. 1 2 Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. Organização Projeto Visual COMEP Paulo Roberto Bueno Pereira Michela Peanho Harumi Toda Watzel

Leia mais

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL Acadêmica :Amanda da Silva Alves Orientador: Alexsandro Barreto Almeida Águas Claras - DF 2016 Alexsandro Barreto

Leia mais

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA Detalhamento da Matriz Curricular Eixo Temático Módulo Carga Horária Código subjetividade: o sujeito o seu meio e a cultura O Homem como ser Social 70 PSI01-01

Leia mais

RESUMO DO PROJETO DE RE-ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE/ENFERMAGEM PRÓ-SAÚDE

RESUMO DO PROJETO DE RE-ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE/ENFERMAGEM PRÓ-SAÚDE RESUMO DO PROJETO DE RE-ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE/ENFERMAGEM PRÓ-SAÚDE Trata-se de um projeto que procurou implementar a proposta curricular organizado por competência, implantada no Curso de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL

UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL Áreas de atuação: Psiquiatria de Ligação não vou abordar (platéia de psicólogos) Psicologia Hospitalar Futuro é a união Psicologia Médica UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL

Leia mais

Santa Casa de Misericórdia de Passos. Fragmentação ECOeficiente de Documentos

Santa Casa de Misericórdia de Passos. Fragmentação ECOeficiente de Documentos Santa Casa de Misericórdia de Passos Fragmentação ECOeficiente de Documentos Autor: Christian Junior de Brito E-mail: assepsia@scpassos.org.br, brito.christian@bol.com.br Telefone: (35) 3529-1409 (35)

Leia mais

O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carmen Lucia Lopes Galvão Universidade Estadual do Rio de Janeiro - lumiar13@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Este estudo buscará refletir sobre o autismo e o papel do educador na

Leia mais

GHC Empresa Cidadã. Aumento da Licença Paternidade como Estratégia para o Desenvolvimento Integral na Primeira Infância

GHC Empresa Cidadã. Aumento da Licença Paternidade como Estratégia para o Desenvolvimento Integral na Primeira Infância GHC Empresa Cidadã Aumento da Licença Paternidade como Estratégia para o Desenvolvimento Integral na Primeira Infância IV Seminário Internacional do Marco Legal da Primeira Infância Brasília julho 2016

Leia mais

VIVÊNCIA DE UM GRUPO DE SENTIMENTOS NO CAPS PRADO VEPPO- SM-RS.

VIVÊNCIA DE UM GRUPO DE SENTIMENTOS NO CAPS PRADO VEPPO- SM-RS. VIVÊNCIA DE UM GRUPO DE SENTIMENTOS NO CAPS PRADO VEPPO- SM-RS. Niara Cabral Iserhard 1 Annie Jeanninne Bisso Lacchini 2 Na década de 80, o movimento brasileiro pela reforma psiquiátrica teve uma iniciativa

Leia mais

TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA

TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA TRILHA I O PROFESSOR E A SALA DE AULA OFICINA 1 STORYTELLING Segunda, 06/02, das 19h às 22h30 OFICINA 2 PLANEJAMENTO INTELIGENTE Terça, 07/02, das 19h às 22h30 OFICINA 3 APLICAÇÕES DAS TEORIAS DE GRUPO

Leia mais