Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas."

Transcrição

1 Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Letícia Andrade Assistente Social HC-FMUSP: Ambulatório de Cuidados Paliativos e Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar

2 Cuidados Paliativos: a contribuição do profissional de Serviço o Social.

3 Cuidados Paliativos Abordagem que aprimora a qualidade de vida, dos pacientes e famílias que enfrentam problemas associados com doenças ameaçadoras da vida, através da prevenção e alívio do sofrimento, por meio de identificação precoce, avaliação correta e tratamento da dor e outros problemas de ordem física, psicossocial e espiritual. OMS, 2002.

4 Cicely Saunders (22/06/18 14/07/05) Enfermeira, assistente social e médica. m DOR TOTAL-1964 (DOR FÍSICA+ F EMOCIONAL+ SOCIAL+ + ESPIRITUAL) DOR FINANCEIRA, INTERPESSOAL E DOR DA FAMÍLIA. DOR MENTAL E DOR DA EQUIPE MÉDICOM DICO- HOSPITALAR. (Nascimento-Schulze Schulze,, 1997)

5 Você é importante porque você é único. Você será importante para nós até o último dia de sua vida, e nós faremos tudo o que pudermos, não apenas para que você morra em paz, mas para que você viva até o momento da sua morte. Cicely Saunders

6 Cuidados Paliativos: princípios Afirmam a vida e consideram a morte como um processo natural. Buscam proporcionar alívio da dor e outros sintomas que causem sofrimento. Não pretendem acelerar ou adiar a morte. No cuidado direto ao paciente englobam aspectos psicossociais e espirituais.

7 Cuidados Paliativos: princípios Oferecem um sistema de apoio para ajudar o paciente a viver tão ativamente quanto possível até a morte. Buscam oferecer um sistema de apoio para ajudar a família a enfrentar a situação vivenciada, durante a doença do paciente e em seu próprio luto. Usam uma abordagem em equipe para orientar as necessidades do paciente e de seus familiares, incluindo orientação de luto. São aplicáveis inicialmente no curso da doença, em conjunção com outras terapias.

8 Velhos dilemas Novas práticas Família como centro O cuidado como foco central. Os limites da medicina. Os limites da vida. Trabalho em equipe. Fatores sociais interferentes no tratamento e no cuidado no final da vida.

9 Conhecer: Família (ideal x real) Organização familiar Paciente inserido Vínculos familiares Condições sociais e econômicas de vida Formas de comunicação. Rede de suporte social

10 Qualquer análise acerca da família tem que se ater também às s condições em que essas família vivem. Não existe a Mãe, assim como não existe a Mulher ou a Família. A construção desses papéis é rasgada a todo instante pelo tecido social em que vivemos. Pensar em família sem se atentar às diferenças de classe implica conhecer bem pouco desse objeto de estudo. Rita de Cássia C Santos Freitas, 2002.

11 A A família se define por uma história que se conta aos indivíduos, duos, ao longo do tempo, desde que nascem, por palavras, gestos, atitudes ou silêncios, e que será por eles reproduzida e resignificada, à sua maneira, dado os seus distintos lugares e momentos na família. Dentro dos referenciais sociais e culturais de nossa época e de nossa sociedade, cada família terá uma versão de sua história, a qual dá significado à experiência vivida. Cynthia Sarti

12 FAMÍLIA Diferentes conceitos Família pensada X família vivida Diversos perfis. Diferentes propostas de atuação.

13

14

15 Família Vivida Reconhecer: Família nuclear Hierarquia estabelecida Rede famíliar; Cristalização de papéis; Relações construídas que independem de grau de parentesco; Acordos tácitos Estar só Proximidade física Acordos formais; Ser abandonado Vínculo afetivo

16 Dor da família Perda do paciente; Enfrentamento da situação de doença; Reorganização familiar necessária; Manutenção financeira da família; MEDO. DOR PELO VIVIDO E PELO NÃO VIVIDO.

17 Rede de Suporte Social Conhecer Precariedade na oferta X aumento da demanda Desresponsabilização do Estado. Voluntariado/filantropia.

18 Cuidados Paliativos MORTE DIGNA DO PACIENTE MANUTENÇÃO DA VIDA FAMILIAR APÓS S O FALECIMENTO

19 ATUAR: Manutenção: Organização Paciente inserido, Vínculos familiares, Divisão de responsabilidades e tarefas. Rede de suporte Social Auxiliar: na reorganização familiar; Propiciar a reinserção do paciente; Restabelecimento de vínculos; Redivisão de responsabilidades e tarefas Construção de redes.

20 Fatores que interferem no tratamento Religião Delírios do paciente falta de sono Desorganização familiar Desinformação.

21 INTERVENÇÃO SOCIAL Entrevistas Contatos individuais (em domicílio, telefônicos) Mobilização da família possibilidades de reorganização, valorização do cuidado Recursos Sociais Orientações e Esclarecimentos Reunião de Família Visita de Luto

22 ORIENTAÇÕES sempre necessárias. Óbito em domicílio X óbito no hospital Atestado de óbito Riscos em decorrência do diagnóstico Quem estará com o paciente? Mobilização da rede de suporte social. Cartilha sobre providências por ocasião do óbito

23 !!! Letícia Andrade:

Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador

Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador Encontro Nacional Unimed de Assistentes Sociais Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador Elaine de Freitas Assistente Social Instituto da Criança - HCFMUSP Família A família, desde

Leia mais

Prof.Dr.Franklin Santana Santos

Prof.Dr.Franklin Santana Santos Prof.Dr.Franklin Santana Santos Conflito de interesse O autor declara não haver conflito de interesse nessa palestra QUALIDADE NO MORRER EM 40 PAÍSES The Economist, 2010 Texto new england Indicação de

Leia mais

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015

PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 PROGRAMA de FORMAÇÃO CONTÍNUA em CUIDADOS CONTINUADOS e PALIATIVOS 2015 Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos do Hospital da Luz Justificação, Finalidade e Objectivos: Os Cuidados Paliativos assumem-se

Leia mais

ESTÁGIO: PSICOLOGIA HOSPITALAR: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM UMA UNIDADE DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

ESTÁGIO: PSICOLOGIA HOSPITALAR: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM UMA UNIDADE DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CENTRO DE PESQUISA E PSICOLOGIA APLICADA ESTÁGIO: PSICOLOGIA HOSPITALAR: INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA

Leia mais

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Curso de atualização 2013 Ilka Lopes Santoro Disciplina de Pneumologia Unifesp - EPM Objetivos Definições e Princípios Ações Controle da dor

Leia mais

SUPORTE FAMILIAR DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS

SUPORTE FAMILIAR DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS 2º Encontro Interdisciplinar em Cuidados Paliativos Da Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros DETALHES EM PALIATIVOS Enfº. Paulo Ramires Enfª. Vanda Almeida UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS CHBM,

Leia mais

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso

Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Senado Federal Ciclo de Debates SUS: Políticas Sociais e de Assistência à Saúde do Idoso Brasília, 26 de maio de 2009 Professora Dra Maria Alice Toledo Professora adjunta de Geriatria e Psiquiatria da

Leia mais

ABORDAGEM FAMILIAR. Leonardo Borges de Barros e Silva Médico-coordenador da Organização de Procura de Órgãos do HCFMUSP

ABORDAGEM FAMILIAR. Leonardo Borges de Barros e Silva Médico-coordenador da Organização de Procura de Órgãos do HCFMUSP ABORDAGEM FAMILIAR Leonardo Borges de Barros e Silva Médico-coordenador da Organização de Procura de Órgãos do HCFMUSP Hospital das Clínicas da FMUSP Organização de Procura de Órgãos OPO-HCFMUSP Entrevista

Leia mais

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f

Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte para este f Comunicação em Cuidados Paliativos Ana Valeria de Melo Mendes Comunicação Definição: A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações e utiliza os sistemas simbólicos como suporte

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Tássia de Lourdes de Vasconcelos Rodrigues 1 ; Marillya Pereira Marques Diniz 2 ; Amanda Gonçalves Lopes Coura 3 ; Josivan Soares Alves Júnior 4 ; Mayra

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO HOSPITALAR NUMA EQUIPE DE CUIDADOS PALIATIVOS

ATRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO HOSPITALAR NUMA EQUIPE DE CUIDADOS PALIATIVOS ATRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO HOSPITALAR NUMA EQUIPE DE CUIDADOS PALIATIVOS Natalya Lima de Vasconcelos (1); Camila Batista Nóbrega Paiva (2); (Hospital Universitário Lauro Wanderley/ EBSERH, natalyalimav@gmail.com.)

Leia mais

ALGUNS DADOS DO BRASIL:

ALGUNS DADOS DO BRASIL: MARIA GORETTI MACIEL Conselho Consultivo da ANCP Diretora do Serviço de Cuidados Paliativos do HSPE Coordenadora do Programa de CP do Hospital Samaritano Câmara Técnica sobre Terminalidade da Vida e CP

Leia mais

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat A Importância dos Cuidados com o Cuidador Lívia Kondrat ABRALE 22 de Julho de 2011 CÂNCER é uma doença crônica; possui tratamentos com possibilidade de cura; traz consigo estigmas; está cercada por mitos,

Leia mais

ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO

ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO QUE REALIDADE É ESTA QUE SE DEPARA O PACIENTE QUE TEM UMA DOENÇA GRAVE E INCURÁVEL? A MEDICINA MODERNA TEM MOSTRADO TENDÊNCIA A FOCALIZAR SUA ATENÇÃO APENAS

Leia mais

RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1. Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3.

RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1. Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3. RESSIGNIFICAR: PSICOLOGIA E ONCOLOGIA 1 Jacson Fantinelli Dos Santos 2, Flávia Flach 3. 1 Trabalho de Extensão Departamento de Humanidades e Educação, Curso de Graduação em Psicologia 2 Acadêmico do 8ºsemestre

Leia mais

I Fórum de Cuidados Paliativos do CREMEB

I Fórum de Cuidados Paliativos do CREMEB I Fórum de Cuidados Paliativos do CREMEB SOBRE A MORTE E O MORRER Prof.Dr.Franklin Santana Santos HISTÓRIA DO MEDO DA MORTE Não é fácil lidar com a morte, mas ela espera por todos nós... Deixar de pensar

Leia mais

CONSIDERANDO a Constituição da República Federativa do Brasil, nos artigos 197 e 199;

CONSIDERANDO a Constituição da República Federativa do Brasil, nos artigos 197 e 199; Resolução COFEN 292 / 2004 O Conselho Federal de Enfermagem, no uso de suas atribuições a que alude a Lei nº 5.905/73 e a Lei 7.498/86, e tendo em vista deliberação do Plenário em sua reunião ordinária

Leia mais

Farmacêutico Paliativista. Silvia Coimbra 06 Dez 2014

Farmacêutico Paliativista. Silvia Coimbra 06 Dez 2014 Farmacêutico Paliativista Silvia Coimbra 06 Dez 2014 A vida curta dos nossos antepassados Não eram muitos os que passavam dos trinta. A velhice era privilégio das pedras e das árvores. A infância durava

Leia mais

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos Congresso Brasileiro de Nutrição Oncológica do INCA IV Jornada Internacional de Nutrição Oncológica III Jornada Luso-Brasileira em Nutrição Oncologica Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica

Leia mais

A chegada do paciente na unidade de Cuidados Paliativos. Psicóloga Silvana Aquino Hospital de Câncer IV

A chegada do paciente na unidade de Cuidados Paliativos. Psicóloga Silvana Aquino Hospital de Câncer IV A chegada do paciente na unidade de Cuidados Paliativos Psicóloga Silvana Aquino Hospital de Câncer IV Eu estou aqui pra ficar mais forte. O médico me disse que aqui tem mais recursos, que eu vou me fortalecer,

Leia mais

O cenário da Saúde no Brasil

O cenário da Saúde no Brasil III Encontro Brasileiro de Serviços de Cuidados Paliativos Hospital Premiere O cenário da Saúde no Brasil Daniel Neves Forte O cenário da Saúde no Brasil 1988: Sistema Único de Saúde 1988: Sistema Único

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social HUMANIZAÇÃO NO CONTEXTO HOSPITALAR

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social HUMANIZAÇÃO NO CONTEXTO HOSPITALAR HUMANIZAÇÃO NO CONTEXTO HOSPITALAR João Jova Santos Gonzales, Faculdade Metropolitana de Maringá FAMMA, Maringá-PR, Brasil; Kelly Cristina Pereira Puertas, Faculdade Metropolitana de Maringá FAMMA, Maringá-PR,

Leia mais

Trabalhando a ansiedade do paciente

Trabalhando a ansiedade do paciente Trabalhando a ansiedade do paciente Juliana Ono Tonaki Psicóloga Hospitalar Título SOFRIMENTO... principal Sofrimento humano como condição à todos; Cada um sente à sua forma e intensidade; Manifestação

Leia mais

I CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM NEONATAL Bioética e Biodireito na Atenção Neonatal FILIAÇÃO UNISSEXUAL. Profª Drª Luciana Moas

I CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM NEONATAL Bioética e Biodireito na Atenção Neonatal FILIAÇÃO UNISSEXUAL. Profª Drª Luciana Moas I CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM NEONATAL Bioética e Biodireito na Atenção Neonatal FILIAÇÃO UNISSEXUAL O IMPACTO DAS INOVAÇÕES BIOTECNOLÓGICAS NO PARENTESCO: A DISTINÇÃO ENTRE PAI E GENITOR Meu Deus

Leia mais

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS ACÇÃO DE FORMAÇÃO Nº 10 / 2016 CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS OBJECTIVOS: Objectivos gerais: Aquisição de conhecimentos científicos e técnicos pertinentes e actualizados para adequar as práticas dos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR UNIMED-BH CAMILA CARNEIRO DA FONSECA Assistente Social Serviço de Atenção Domiciliar Atenção Domiciliar

Leia mais

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento CATEGORIA AUTORIA JUNHO 15 Revisão de Dados Gabinete de Estudos e Literatura Científica Técnicos O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O

Leia mais

Prefeitura Municipal de Volta Redonda Secretaria Municipal de Saúde. Serviço de Atenção Domiciliar

Prefeitura Municipal de Volta Redonda Secretaria Municipal de Saúde. Serviço de Atenção Domiciliar Prefeitura Municipal de Volta Redonda Secretaria Municipal de Saúde Serviço de Atenção Domiciliar O universo do Cuidar é muito mais abrangente que o do curar. Podemos não curar sempre, mas sempre podemos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS *

ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * ORGANIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO TRABALHO DA EQUIPE DE SAÚDE DE UMA UNIDADE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS * Estela Regina Garlet 1 José Luís Guedes dos Santos 2 Maria Alice Dias da Silva

Leia mais

Afinal, crianças e adolescentes precisam da meditação para serem felizes?

Afinal, crianças e adolescentes precisam da meditação para serem felizes? Afinal, crianças e adolescentes precisam da meditação para serem felizes? A falta de tempo dos pais, a overdose de informação violenta, a sensualização precoce na mídia, a falta de limites, o excesso de

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS NOS CUIDADOS PALIATIVOS À PACIENTES ONCOLÓGICOS PEDIÁTRICOS

A PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS NOS CUIDADOS PALIATIVOS À PACIENTES ONCOLÓGICOS PEDIÁTRICOS A PERCEPÇÃO DOS ENFERMEIROS NOS CUIDADOS PALIATIVOS À PACIENTES ONCOLÓGICOS PEDIÁTRICOS Iara Bezerra de Alcantara 1 ; Mariana Gonçalves de Sousa 1 ; Sonia Maria Alves de Lira 2 ; Ana Carla Rodrigues da

Leia mais

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS

CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS OBJECTIVOS: Objectivos gerais: Aquisição de conhecimentos científicos e técnicos pertinentes e actualizados para adequar as práticas dos Serviços de Medicina à prestação

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA NOSSA CASA A importância do Trabalho em Equipe Multidisciplinar Assistente Social Enfermeira Técnicos de enfermagem Fisioterapeuta Nutricionista Médico Psicólogo

Leia mais

Religiosidade/Espiritualidade e Prevenção do Suicídio

Religiosidade/Espiritualidade e Prevenção do Suicídio Religiosidade/Espiritualidade e Prevenção do Suicídio Attilio Provedel 24/09/2016 RELIGIÃO Sistema organizado de crenças, práticas, rituais e símbolos projetados para auxiliar a proximidade do indivíduo

Leia mais

Tema: O Coração colocado na Escuta Amorosa. Esta é a Prática dos Cuidados Paliativos.

Tema: O Coração colocado na Escuta Amorosa. Esta é a Prática dos Cuidados Paliativos. SOTAMIG SOCIEDADE DE TANATOLOGIA E CUIDADO PALIATIVO DE MG XIV CURSO DE TANATALOGIA E CUIDADOS PALIATIVOS/2015 INICIO: MARÇO/2015 TÉRMINO: NOVEMBRO 2015 Tema: O Coração colocado na Escuta Amorosa. Esta

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial. 1 Ciclo de Seminários do PET Farmácia UFPR

Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial. 1 Ciclo de Seminários do PET Farmácia UFPR Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial 1 Ciclo de Seminários do PET Farmácia UFPR Linhas gerais Equipe - Diferentes profissionais com um

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial. 1 Ciclo de Seminários do PET Farmácia UFPR

Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial. 1 Ciclo de Seminários do PET Farmácia UFPR Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial 1 Ciclo de Seminários do PET Farmácia UFPR Linhas gerais Equipe - Diferentes profissionais com um

Leia mais

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*)

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Saúde Mental Prof.: Beto Cruz betocais2@gmail.com PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades

Leia mais

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Título 1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Classificação 2.SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM E OS MODELOS ORGANIZACIONAIS:

Leia mais

A REALIDADE DO FAMILIAR QUE EXERCE A AÇÃO DO CUIDAR EM IDOSOS SOB CUIDADOS PALIATIVOS

A REALIDADE DO FAMILIAR QUE EXERCE A AÇÃO DO CUIDAR EM IDOSOS SOB CUIDADOS PALIATIVOS A REALIDADE DO FAMILIAR QUE EXERCE A AÇÃO DO CUIDAR EM IDOSOS SOB CUIDADOS PALIATIVOS Ádylla Maria Alves de Carvalho (1); Markeynya Maria Gonçalves Vilar (2); Naianna Souza de Menezes (3); Flávia Gomes

Leia mais

C CCUIDADOSPALIATIVOSC

C CCUIDADOSPALIATIVOSC C CUIDADOS PALIATIVOS FICHA TÉCNICA 2017. Ministério da Saúde. Sistema Universidade Aberta do SUS. Fundação Oswaldo Cruz & Centro de Telessaúde HC-UFMG & Centro Universitário Newton Paiva. Alguns direitos

Leia mais

Integralidade do Cuidado: da Promoção ao Cuidado Paliativo. Cuidado Paliativo Oncológico. Thiago Martins Técnico de Enfermagem HCIV - INCA

Integralidade do Cuidado: da Promoção ao Cuidado Paliativo. Cuidado Paliativo Oncológico. Thiago Martins Técnico de Enfermagem HCIV - INCA Integralidade do Cuidado: da Promoção ao Cuidado Paliativo. Cuidado Paliativo Oncológico Thiago Martins Técnico de Enfermagem HCIV - INCA Cuidados Paliativos 1 1 CONCEITO Cuidados Paliativos é uma abordagem

Leia mais

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar.

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. TÍTULO DA PRÁTICA: Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. CÓDIGO DA PRÁTICA: T23 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 a)situação problema e/ou demanda inicial que

Leia mais

Terminalidade da vida & bioética. Jussara Loch - PUCRS

Terminalidade da vida & bioética. Jussara Loch - PUCRS Terminalidade da vida & bioética Jussara Loch - PUCRS Paciente terminal paciente cujas condições clínicas são irreversíveis, independentemente de serem tratadas ou não, e que apresenta alta probabilidade

Leia mais

Papel das Unidades Básicas Casa da Gestante. II Encontro das Casas da Gestante do Rio Grande do Sul SES/RS Dezembro 2009

Papel das Unidades Básicas Casa da Gestante. II Encontro das Casas da Gestante do Rio Grande do Sul SES/RS Dezembro 2009 Papel das Unidades Básicas Casa da Gestante II Encontro das Casas da Gestante do Rio Grande do Sul SES/RS Dezembro 2009 Alguns dados: Ao analisar os dados de nascimento e óbitos dos RN residentes em Canoas

Leia mais

INSTRUÇÕES: Crédito imagem: metasinergia desenvolvimento de pessoas

INSTRUÇÕES: Crédito imagem: metasinergia desenvolvimento de pessoas Crédito imagem: metasinergia desenvolvimento de pessoas INSTRUÇÕES: As 12 seções da roda da vida representam um panorama global de sua vida ; Você deve apontar o seu nível se satisfação em cada seção,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO FILME "PATCH ADAMS: O AMOR É CONTAGIOSO" SOBRE O CUIDADO HOSPITALAR HUMANIZADO: REFLEXÕES PELA ÓTICA DA PSICOLOGIA HOSPITALAR

CONTRIBUIÇÕES DO FILME PATCH ADAMS: O AMOR É CONTAGIOSO SOBRE O CUIDADO HOSPITALAR HUMANIZADO: REFLEXÕES PELA ÓTICA DA PSICOLOGIA HOSPITALAR CONTRIBUIÇÕES DO FILME "PATCH ADAMS: O AMOR É CONTAGIOSO" SOBRE O CUIDADO HOSPITALAR HUMANIZADO: REFLEXÕES PELA ÓTICA DA PSICOLOGIA HOSPITALAR ABEL PETTER GABRIEL AFONSO COSTACURTA ANA PAULA RISSON SIRLEI

Leia mais

Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos

Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos Definição Esta política descreve as ações a serem realizadas para a identificação, avaliação e cuidados de pessoas portadoras de doenças que ameacem a continuidade da vida. Os cuidados paliativos definem-se

Leia mais

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL O amor á profissão pode torná-lo um bom profissional, mas só um diploma pode formar um profissional completo 1. OBJECTIVOS GERAIS O curso Profissional

Leia mais

Chat com Marilia Dia 30 de outubro de 2014

Chat com Marilia Dia 30 de outubro de 2014 Chat com Marilia Dia 30 de outubro de 2014 Tema: Cuidados Paliativos - mitos e verdades? Total atingido de pessoas na sala: 35 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (15h às 16h30)

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROGRAMA VIVA LEITE UBS- BELO HORIZONTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROGRAMA VIVA LEITE UBS- BELO HORIZONTE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROGRAMA VIVA LEITE UBS- BELO HORIZONTE Eduardo Luis COUTO 1 Ana Paula Farias ROMERA 2 RESUMO: A presente pesquisa abordara o Programa Viva Leite, oferecido pelo Governo do Estado

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental

Leia mais

Professor Carlos Eduardo Foganholo

Professor Carlos Eduardo Foganholo Professor Carlos Eduardo Foganholo A bioética é a ética aplicada a vida e, abrange temas que vão desde uma simples relação interpessoal até fatores que interferem na sobrevivência do próprio planeta. O

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS PALIATIVOS Unidade Dias e Horários

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu a Distância. 1º semestre 2012

Pós-Graduação Lato Sensu a Distância. 1º semestre 2012 Pós-Graduação Lato Sensu a Distância 1º semestre 2012 FEVEREIRO/2012 Índice dos Cursos de Pós-Graduação a distância Oferta: primeiro semestre 2012 Curso Mensalidade Total Pagina ÁREA: ADMINISTRAÇÃO MBA

Leia mais

DADOS DEMOGRÁFICOS: Favor complete os dados à seguir, para que possamos conhecer um pouco sobre você e sobre sua relação com o paciente.

DADOS DEMOGRÁFICOS: Favor complete os dados à seguir, para que possamos conhecer um pouco sobre você e sobre sua relação com o paciente. Numero de identificação: : local no pac. Satisfação da família com os cuidados na Unidade de Terapia Intensiva FS-ICU (24) Como vocês estão indo? Suas opiniões sobre a estadia recente de seu familiar na

Leia mais

DEPRESSÃO E IDOSO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA RESUMO

DEPRESSÃO E IDOSO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA RESUMO DEPRESSÃO E IDOSO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Kelma Rayanne Santos Moura (UFPB) Débora Cristina Alves Barros (UFPB) Erika Cavalcanti Rufino (UFPB) Natalia Leite Pedrosa (UFPB) Leila de Cássia Tavares da Fonsêca

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM CUIDADOS PALIATIVOS

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM CUIDADOS PALIATIVOS ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM CUIDADOS PALIATIVOS Especialização Lato Sensu em Cuidados Paliativos 1.1 Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Grande área: Saúde Subárea: Cuidados Paliativos 1.2 Unidade

Leia mais

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa.

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. 1. Hipnose é causada pelo poder do hipnotizador Naturalmente o hipnotizador deve ter o devido conhecimento e a força mental

Leia mais

Unidade de Tratamento da Dor e Medicina Paliativa CHCB (H. Fundão)

Unidade de Tratamento da Dor e Medicina Paliativa CHCB (H. Fundão) Motivo de admissão Controlo sintomas Terminal Descanso Admitido por: DADOS DE ADMISSÃO DO DOENTE DATA DE ADMISSÃO : / / DIAGNÓSTICO PRINCIPAL: METÁSTASES: PROVENIÊNCIA: OUTRAS DOENÇAS RELEVANTES : 1. 2.

Leia mais

PSICOLOGIA HOSPITALAR EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA PARA ADULTOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

PSICOLOGIA HOSPITALAR EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA PARA ADULTOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA PSICOLOGIA HOSPITALAR EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA PARA ADULTOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Emilly Priscila Silva Costa Graduada pela Faculdade Maurício de Nassau Unidade Campina Grande PB Emmillypriscila@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Cuidados Paliativos; Serviço Social; Equipe multiprofissional; Integralidade.

PALAVRAS-CHAVE: Cuidados Paliativos; Serviço Social; Equipe multiprofissional; Integralidade. CUIDADOS PALIATIVOS: reflexões acerca da atuação do Assistente Social em âmbito hospitalar CABRAL, Sheylla Beatriz 1 DAROSCI, Manuela 2 MARQUES, Aline Aparecida 3 SILVEIRA, Scheila Rodrigues 4 RESUMO:

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL. Centro de Saúde de Serpa

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL. Centro de Saúde de Serpa ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Centro de Saúde de Serpa Justificação: Incube aos serviços de saúde Assegurar as actividades necessárias para uma assistência eficiente e humanizada, na preparação e no acompanhamento

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Até recentemente o Transtorno Bipolar era conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva. É um transtorno no qual ocorrem alternâncias do humor, caracterizando-se por períodos

Leia mais

O - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL

O - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL O - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL EM ASSISTÊNCIA A PACIENTES PORTADORES DE HIV/AIDS Supervisora: Susan Marisclaid Gasparini Dirigido aos profissionais de Serviço Social que pretendem

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA SISTÊMICA

ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA SISTÊMICA CORPO DOCENTE Maria de Lourdes Basto, Msc Adalberto Barreto, Dr Juliana Ried, Msc Selma Aparecida Caselli Martins, Msc Marilene Grandesso, PHD Sofia S. Jacobsen, Esp Renize Araújo Accordi, Esp Hyala Cristina

Leia mais

Atuação da Fonoaudiologia na Saúde Mental

Atuação da Fonoaudiologia na Saúde Mental Atuação da Fonoaudiologia na Saúde Mental Dia: 04/05 Local: Anf. da Biblioteca Horário: 13 às 14h Apresentadoras: Caroline Pascon 4º ano Chrishinau Silva 2º ano Orientadora: Drª Fgaª Ariadnes Nobrega de

Leia mais

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Currículo Disciplina Carga Horária Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Assistência de Enfermagem a Criança a ao Adolescente Grave ou de Risco Estágio

Leia mais

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva - 2009 Programa de Reabilitação Pulmonar Rosângela H. Araújo Santos Divisão Cooperados Total: 838 0,04% Gerência Executiva da Assistência e Promoção à Saúde

Leia mais

& PROCESSO DE TRABALHO DA ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA:

& PROCESSO DE TRABALHO DA ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: & PROCESSO DE TRABALHO DA ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: A Visão do Acadêmico Leonardo Bigolin Jantsch 1 Marcio Rossato Badke² Silvana Sangiovo 3 Barbara Juliana Konig Kuster 4 Bruna Gheller³

Leia mais

INTERVENÇÕES PSICOLÓGICAS NO ÂMBITO AMBULATORIAL 1

INTERVENÇÕES PSICOLÓGICAS NO ÂMBITO AMBULATORIAL 1 INTERVENÇÕES PSICOLÓGICAS NO ÂMBITO AMBULATORIAL 1 SILVA, Suelem Lopes 2 ; KRUEL, Cristina Saling 3 1 Trabalho de Prática de Estágio_UNIFRA 2 Acadêmico do Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano

Leia mais

CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO E DEPRIMIDO

CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO E DEPRIMIDO CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO E DEPRIMIDO Juliana Rodrigues da Silva 1 Hanna Gadelha Silva 2 ; Sarah Nogueira Rabelo 3 ; Solange Gurgel Alexandre 4 ; Maria Célia de Freitas 5 1 Universidade

Leia mais

ÍNDICE. Conclusão. 8 Reflexão... 9 Bibliografia.. 10

ÍNDICE. Conclusão. 8 Reflexão... 9 Bibliografia.. 10 ÍNDICE Índice. 1 Enquadramento dos Cuidados Paliativos... 2 Definição de Cuidados Paliativos na área Psicossocial 2 Programa Nacional de Cuidados Paliativos 3 As três componentes essenciais dos Cuidados

Leia mais

Grupos de Apoio Cruz Azul: Surgiram na Suíça, em 1877.

Grupos de Apoio Cruz Azul: Surgiram na Suíça, em 1877. Grupos de Apoio Cruz Azul: Surgiram na Suíça, em 1877. São de Mútua-Ajuda. Base: Abstinência e Fé Grupos Cruz Azul: Oferecer Follow-up (seguimento do tratamento): Apoiar dependentes que saem de uma Comunidade

Leia mais

TRANSTORNOS DE HUMOR

TRANSTORNOS DE HUMOR SAÚDE MENTAL TRANSTORNOS DE HUMOR TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR: Caracterizase por episódios depressivos que podem ser únicos ou que tendem a se repetir ao longo da vida. TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR: Caracteriza-se

Leia mais

VIVER BEM DONA LURDES E O SERVIÇO DE ATENÇÃO DOMICILIAR ATENÇÃO DOMICILIAR

VIVER BEM DONA LURDES E O SERVIÇO DE ATENÇÃO DOMICILIAR ATENÇÃO DOMICILIAR 1 VIVER BEM DONA LURDES E O SERVIÇO DE ATENÇÃO DOMICILIAR ATENÇÃO DOMICILIAR 2 3 Dona Lurdes tem uma família muito unida, com alguns filhos, muitos netos e dois bisnetos. Eles estão ao seu lado sempre

Leia mais

PROCESSO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE

PROCESSO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE PROCESSO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE O que é Doação de Órgãos e Tecidos? É um ato pelo qual uma pessoa manifesta a vontade de que, a partir do momento de sua morte, uma ou mais partes do

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara Faculdades Integradas de Taquara DEPRESSÃO Disciplina: Fisiologia Humana Semestre: 1/2016 Docente: Debora Morsch Acadêmicas: Haiesha Wolff Katieli Córdova Vanessa A. Brocker Vanessa S. Ferreira Priscila

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO IPOJUCA DEVRY BRASIL. TEMA: Religiosidade e espiritualidade nos profissionais de enfermagem

UNIVERSIDADE DO VALE DO IPOJUCA DEVRY BRASIL. TEMA: Religiosidade e espiritualidade nos profissionais de enfermagem UNIVERSIDADE DO VALE DO IPOJUCA DEVRY BRASIL TEMA: Religiosidade e espiritualidade nos profissionais de enfermagem Aluna: Thamyres Martins Silvestre Pereira CARUARU- PE 2015 SUMÁRIO 1 Introdução -----------------------------------------------------------------------------------02

Leia mais

Questões em debate 8º CONGRESSO NACIONAL DE BIOÉTICA Congresso Nacional da Associação Portuguesa de Bioética Porto Portugal 19 e 20 de Outubro de 2007

Questões em debate 8º CONGRESSO NACIONAL DE BIOÉTICA Congresso Nacional da Associação Portuguesa de Bioética Porto Portugal 19 e 20 de Outubro de 2007 Congresso Nacional da Associação Portuguesa de Bioética Porto Portugal 19 e 20 de Outubro de 2007 "A RAZÃO SOCIAL E A DESCRIMINAÇÃO DA ESQUIZOFRENIA" Isabel Lourenço o / Professora Adjunta Instituto Superior

Leia mais

Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade. Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer

Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade. Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer O que é integralidade? s.f. 1 qualidade do que é integral, 1.1 reunião

Leia mais

Pressupostos teóricos norteadores do trabalho do psicólogo na Comissão Distrital Judiciária de Adoção

Pressupostos teóricos norteadores do trabalho do psicólogo na Comissão Distrital Judiciária de Adoção Pressupostos teóricos norteadores do trabalho do psicólogo na Comissão Distrital Judiciária de Adoção Janaina Simas Souza 1, 2 No trabalho de preparação das crianças para adoção internacional, bem como

Leia mais

O FAZER DA PSICOLOGIA DO IFRN: Mitos e Verdades. Apresentação dos profissionais de Psicologia do IFRN

O FAZER DA PSICOLOGIA DO IFRN: Mitos e Verdades. Apresentação dos profissionais de Psicologia do IFRN O FAZER DA PSICOLOGIA DO IFRN: Mitos e Verdades Apresentação dos profissionais de Psicologia do IFRN Psicologia e Educação Atualmente, a Psicologia inserida na Educação, preocupase com as políticas públicas

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA: UMA REVISÃO DA LITERATURA

FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA: UMA REVISÃO DA LITERATURA FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE DO ENFERMEIRO INTENSIVISTA: UMA REVISÃO DA LITERATURA Martha Maria Macedo Bezerra Rachel de Sá Barreto Luna Callou Cruz 2 Elisabeth Alves Silva 3 Resumo O estresse é um dos

Leia mais

Rua Pedro Vieira da Silva, 595/DB62. Campinas-SP. e-mail: rosangelahiga@bol.com.br

Rua Pedro Vieira da Silva, 595/DB62. Campinas-SP. e-mail: rosangelahiga@bol.com.br Protocolo assistencial a mulher que sofre violência: perspectiva para o trabalho da enfermagem Rosângela Higa 1 Introdução A construção da assistência com enfoque interdisciplinar e a necessidade de organização

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS E IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE

CUIDADOS PALIATIVOS E IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE CUIDADOS PALIATIVOS E IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE Irany C da Silva - NEPB/UFPB - iranycarvalho_jp@yahoo.com.br Francileide de A. Rodrigues - NEPB/UFPB - franceand@gmail.com Carla Braz

Leia mais

Clinica Cirurgica II Eixo temático Urologia

Clinica Cirurgica II Eixo temático Urologia Clinica Cirurgica II Eixo temático Urologia O currículo do Curso de Medicina da PUG-Goiás é desenvolvido a partir de dois grandes eixos: Eixo Teórico-Prático Integrado Eixo do Desenvolvimento Pessoal Os

Leia mais

...equilíbrio nas condições sociais e ambientais...

...equilíbrio nas condições sociais e ambientais... Cuidados Paliativos Definição... CUIDADOS PALIATIVOS consist em na atenção ativa, global e integral dos pacient es e suas famílias, que padecem de uma enferm idade avançada, progressiva e incurável, e

Leia mais

Universidade Brasileira de. TEOLOGIA Conteúdo do Curso de Capelania Civil

Universidade Brasileira de. TEOLOGIA Conteúdo do Curso de Capelania Civil Conteúdo do Curso de Capelania Civil Capelania: (s.f.) Cargo, Dignidade ou Benefício de Capelão. Capelão: (s.m.) 1 Pastor ou Padre encarregado de ofício na Capela 2 Responsável pela assistência espiritual

Leia mais

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE CARTILHA PROGRAM AS DE ATENÇÃO À SAÚDE PROGRAMAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A Unimed Cerrado pensando na saúde e bem-estar do seu cliente, disponibiliza diversos Programas de Atenção Integral à Saúde.

Leia mais

O primeiro passo fundamental é

O primeiro passo fundamental é 1 3 PASSOS FUNDAMENTAIS PRA VOCÊ RECOMEÇAR SUA VIDA E LIDAR COM SUA NOVA REALIDADE Foi pensando em como eu posso te ajudar a dar os primeiros passos hoje, agora, a partir desse momento que eu resolvi colocar

Leia mais

OS DIREITOS DA CRIANÇA

OS DIREITOS DA CRIANÇA OS DIREITOS DA CRIANÇA OS DIREITOS DA CRIANÇA Ministério da Saúde Ministério da Saúde Apresentação Esta cartilha foi elaborada a partir da necessidade de divulgar e socializar os Direitos da Criança e

Leia mais

Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica EEUSP. AIF Processo de Enfermagem EEUSP, 2013 Rita Gengo

Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica EEUSP. AIF Processo de Enfermagem EEUSP, 2013 Rita Gengo Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica EEUSP Queaofinaldaaulavocêsejacapazde: Discorrer sobre a definição e etapas do processo de enfermagem Descrever ações

Leia mais

O CONFRONTO COM O BEBÊ REAL PRÉ-TERMO: PRINCIPAIS DIFICULDADES APRESENTADAS POR MÃES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL.

O CONFRONTO COM O BEBÊ REAL PRÉ-TERMO: PRINCIPAIS DIFICULDADES APRESENTADAS POR MÃES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL. O CONFRONTO COM O BEBÊ REAL PRÉ-TERMO: PRINCIPAIS DIFICULDADES APRESENTADAS POR MÃES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL. Rafaela MEZZOMO, rafinhamezzomo@hotmail.com, Cléa Maria BALLÃO, clea.ballao@uol.com.br,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.224, DE 2005 (Do Sr. Edmar Moreira)

PROJETO DE LEI N.º 5.224, DE 2005 (Do Sr. Edmar Moreira) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.224, DE 2005 (Do Sr. Edmar Moreira) Cria o Serviço Voluntário de Capelania Hospitalar em todos os nosocômios públicos ou privados que possuam número igual ou superior

Leia mais

I Fórum de Cuidados Paliativos do CREMEB. DECISÃO COMPARTILHADA Ferramentas para Mitigar Conflitos

I Fórum de Cuidados Paliativos do CREMEB. DECISÃO COMPARTILHADA Ferramentas para Mitigar Conflitos I Fórum de Cuidados Paliativos do CREMEB DECISÃO COMPARTILHADA Ferramentas para Mitigar Conflitos 17/12/16 Dr. Vítor Carlos Silva Medicina Intensiva / Medicina Paliativa COMPARTILHAR COMPARTILHAR OBJETIVO

Leia mais