PASCAL: CONDIÇÃO TRÁGICA E LIBERDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PASCAL: CONDIÇÃO TRÁGICA E LIBERDADE"

Transcrição

1 CDD: PASCAL: CONDIÇÃO TRÁGICA E LIBERDADE FRANKLIN LEOPOLDO E SILVA Departamento de Filosofia/FFLCH Universidade de São Paulo Av. Prof. Luciano Gualberto, , SÃO PAULO, SP Resumo: A liberdade, embora se enraíze na perfeição originária da criatura humana, veio, pelo pecado e pela condição corrompida, a tornar-se a expressão do homem separado de si mesmo, porque já na sua primeira ação livre o homem repudiou a imagem de Deus que traz em si. A inquietação a partir daí provocada, em vez de operar o retorno do homem a Deus, perverteu-se no gozo do exílio voluntário e no aprofundamento da liberdade para o mal. É por isso que a vivência do paradoxo que relaciona a liberdade por natureza à escravidão por condição exige que associemos sempre a memória da grandeza perdida à consciência da miséria que livremente abraçamos: em Pascal, nenhum gesto humano pode dar-se fora do contexto trágico dessa situação. Palavras-chave: natureza humana; jansenismo; corrupção; redenção; graça. Abstract: Freedom, although originated in the first perfection God gave to human creature, becames, by Adam s corruption and the sequent human history, the expression of Man separated for herself. In his first free action man has repudiate God s image in her heart. Original freedom has became freedom to the evil. That s because we live in the contradiction of a memory of lost greatness and conscience of misery we had freely desired. Human condition is, to Pascal, a tragic condition because of this paradox. Key-words: human nature; jansenism; corruption; redention; God s grace. Na França do século XVII as condições históricas já permitem uma discussão que colocará em pauta a universalidade do homem europeu cristão. A descoberta de novos povos, principalmente os da América, fora seguida da produção de uma literatura, fruto do contato direto ou indireto com esses povos e seus costumes, cuja descrição ensejava a tomada de consciência de uma diversidade dantes insuspeitada. Os europeus se viam diante das mais diversas

2 340 Franklin Leopoldo e Silva formas de sociabilidade, de preceituação moral e de organização intelectual e religiosa. Muito embora essa visão não chegasse ainda a uma compreensão específica da adequação desses quadros de convenção às culturas de que faziam parte, o impacto da diversidade era suficiente para provocar uma reflexão acerca da relatividade do mundo europeu-cristão. Duas questões pelo menos estavam definitivamente suscitadas, a primeira relacionada com possibilidades não-cristãs de contato com o divino, e a segunda concernente à existência de convenções morais não fundamentadas nos padrões do cristianismo. A este fator antropológico que induziu a relativização é preciso acrescentar ainda o resultado das mudanças na concepção cosmológica. Já com Copérnico e Kepler, mas principalmente com Galileu, a cosmologia tradicional se havia rompido, passando de uma organização finita de elementos hierarquicamente organizados, no centro da qual situava-se a Terra, para um universo infinito, com uma série indefinida de mundos, mas que podia ter sua estrutura apreendida por via da homogeneidade fundamental que o instrumental de conhecimento matemático conferia a todos esses elementos. Assim ficava comprometida a diferenciação hierárquica que conferia ao homem um lugar privilegiado, espécie de finalidade para a qual tudo convergiria e na qual se configurava o sentido da realidade. Ora, dada a estreita relação entre os dogmas cristãos, principalmente o da Encarnação, e a concepção cosmológica tradicional, o que se colocava em questão era exatamente a unidade e a coerência do sistema de intelecção do mundo e do homem que até então alimentara o pensamento europeu. 1 Era possível ainda observar outra coisa, de extrema importância para a relativização do quadro de valores legado pela tradição cristã. Muitos desses povos, completamente alheios à religião, à organização política e ao saber, tais como os entendiam os europeus, viviam, como indivíduos e como grupos sociais, num estado de maior equilíbrio do que as sociedades ditas civilizadas. O que se começava a reparar aqui é algo como uma inocência primitiva, que Rousseau descreverá mais tarde como o bom selvagem, e que aos olhos dos europeus começa a aparecer como superioridade. Guy De La Brosse, um escritor da época, ao descrever esses povos, estende-se no enaltecimento de virtudes como 1 Cf. a este respeito KOYRÉ, 1896 e VERGA, 1999.

3 Pascal: Condição Trágica e Liberdade 341 simplicidade e contato com a natureza, harmonia ente corpo e alma que, segundo ele, preservam esses indivíduos das falsas necessidades da civilização e dos vícios que elas acarretam. Gabriel Naudé, nessa mesma linha, fala de um senso inato de bondade que atuaria nesses povos de maneira mais eficaz do que a censura do mundo, as ciências e até mesmo o temor de Deus. O que ele quer dizer é que essa bondade inata não apenas substitui com vantagem a religião instituída, o progresso científico e as normas do direito, como ainda evita que esses povos selvagens descambem para o sectarismo e para a intolerância, vícios que, tendo sufocado nos europeus a bondade natural, propiciam os conflitos e as guerras, que muitas vezes têm origem na própria religião, como é o caso do que ocorre na Europa nessa época. Esses dois autores citados, juntamente com La Mothe Le Vayer e outros, fazem parte do grupo dos libertinos, ou seja, aqueles que procuravam valorizar os dotes naturais do ser humano contrastando-os com as aquisições da civilização, principalmente a dominância dos dogmas religiosos. Viam nos selvagens aquilo que os homens poderiam ser se não tivessem trocado a liberdade e a inocência primitivas pelas cadeias que forjaram para si mesmos, renunciando assim à conquista da felicidade, objetivo maior da moral. O caráter artificial das regras morais instituídas e alicerçadas na religião cristã trouxera para os europeus a submissão e não a independência da consciência que em princípio seria o fundamento de uma vida verdadeiramente humana. Por isso assumiam os libertinos uma posição resolutamente crítica em relação aos valores instituídos. Mesmo ao reconhecerem que eram necessários para a agregação da sociedade e para a manutenção da ordem estabelecida, não deixavam de acentuar, por isso mesmo, a função afinal repressora que se tornara inerente a essas normas. O mais grave, porém, é que a necessidade cada vez maior de assegurar por meio de normas artificiais as conquistas civilizatórias abafava, na mesma proporção, as virtudes naturais que os homens trariam em si. Ainda que tais virtudes naturais estivessem vinculadas a uma religiosidade natural, intrínseca ao ser humano, como a crença deísta, por ex., a religião instituída não soubera prolongar esse sentimento de autêntica ligação com o divino, substituindo-o pela ritualização formal, pela superstição e pelo sectarismo. Em resumo, aquilo que poderia ter sido o gozo de uma liberdade natural havia sido corrompido pelas contradições

4 342 Franklin Leopoldo e Silva em que o homem se enredara no seu processo de civilizar-se. Não apenas esse homem europeu-cristão não representa o homem na sua significação universal como manifesta um empobrecimento do sentido originário de humanidade. Toda essa crítica e essa constatação de uma liberdade perdida repousa em um pressuposto, que os libertinos acreditam verificado pelo contato com os povos selvagens: a natureza humana é boa em si mesma; o homem é naturalmente bom. A essa convicção naturalista os jansenistas vão opor uma outra de ordem teológica: o pecado original comprometeu irremediavelmente a natureza original do homem, de modo que a sua condição atual o coloca muito distante da bondade primitiva e completamente despojado de meios próprios para recuperá-la. Essa insuficiência tornou-se característica da condição humana, que é a do pecado, de modo que a superação dessa condição não pode dar-se sem a ajuda de Deus, isto é, sem a dispensação da graça, concedida àqueles que ele escolheu para contemplar, de maneira gratuita e devida unicamente à sua misericórdia, já que o homem livremente renunciou ao merecimento. Concordam coma afirmação de uma bondade primitiva, pois o homem, criado por Deus à sua imagem e semelhança, teria de refletir, no estado de criatura, a perfeição do criador. Criatura perfeita no seu gênero, uma das perfeições de que o homem dispunha era a liberdade. Ele a usou para afastar-se de Deus, sendo assim o responsável pela sua própria queda. Esta seria em princípio definitiva, porque o homem, dada a sua condição inferior, não poderia por si mesmo reparar a ofensa feita a um ser infinitamente superior. A gravidade da ofensa se mede pela dignidade do ofendido e não do ofensor: de acordo com tal princípio, a humanidade, que pecou em Adão, estaria, de maneira inteiramente justa, porque por sua própria escolha, destinada à danação. No entanto, Deus, movido pela sua misericórdia, que nesse caso superou a justiça, ofereceu a possibilidade de salvação por meio da única reparação devida, o sacrifício do próprio Deus na pessoa de Jesus Cristo, que trouxe aos homens, por via da paixão, a possibilidade de recompor a união com Deus. Trata-se de uma graça, isto é, de algo que Deus oferece independentemente do merecimento humano e por isso é somente através dessa graça que o homem pode triunfar sobre o pecado. Os jansenistas acreditam, portanto, que os vícios que a humanidade veio adquirindo no processo de civilização têm como única causa o pecado original

5 Pascal: Condição Trágica e Liberdade 343 enquanto afastamento voluntário do homem em relação a Deus. Isso muda o sentido da ação histórica, que os libertinos entendiam como decorrente da vontade humana insuficientemente esclarecida quanto às suas finalidades, e mistificada pela associação perversa entre religião e poder político, o que teria feito com que as iniciativas civilizatórias de progresso e emancipação redundassem na perda de liberdade e no empobrecimento do sentido da vida humana. Algo em princípio reversível pela própria ação humana, se a ação histórica pudesse ser liberada da carga dogmática e mistificadora que lhe foi imposta. Os jansenistas evidentemente não podem aceitar a eficácia dessa ação histórica mesmo restaurada, nem a existência de criaturas puras, porque o ponto inicial da degradação do gênero humano situa-se numa relação direta entre o homem e Deus: a corrupção da natureza humana deveu-se a uma escolha que deve a sua singularidade a uma carga ontológica especial. O homem escolheu contra Deus, entendendo que estava escolhendo a favor de si, e com isso desqualificou-se como criatura podemos dizer que repudiou a Deus. A decorrência que daí procede não pode comportar qualquer ação histórica de significação análoga, e o homem não pode reverter o processo de corrupção por si mesmo, como já vimos. Só resta, portanto, a iniciativa de Deus para que possa haver uma rearticulação entre o homem e o divino, já que o homem apequenouse a tal ponto que o seu estado criatural passou a tender muito mais para o nada de onde foi criado do que para o absoluto que o criou. Enquanto os libertinos discutem a questão da degradação humana no terreno histórico-natural, os jansenistas entendem que o problema só pode ser compreendido no plano teológico e sobrenatural, tanto no que se refere ao pecado quanto no que concerne à salvação. Isso porque, se é verdade que o homem foi, na criação, dotado de uma natureza boa, é certo também que ele a perdeu definitivamente, no sentido em que não está em seu poder recuperá-la. Mas essa posição contrária aos libertinos é uma das frentes de combate dos jansenistas. A outra polêmica eles a travam dentro do próprio cristianismo e no interior da Igreja Católica, contra a tendência laxista que visava acomodar a religião às deturpações históricas da civilização que poderiam comprometer a fé e a moral cristãs. O alinhamento da Igreja com a monarquia e a nobreza enquanto classe dominante só poderia preservar os preceitos evangélicos reinterpretando-

6 344 Franklin Leopoldo e Silva os num sentido bastante lato. A necessidade de manter tais alianças, sobretudo como estratégia de fortalecimento institucional diante do protestantismo, levava a Igreja Católica a procurar, na prática, os meios de adaptar a religião aos costumes do século. Nessa tarefa destacaram-se os jesuítas, num esforço prático e teórico de justificação de condutas morais que por vezes estavam bem distanciadas dos princípios religiosos. A isso prestava-se uma espécie de exercício dialético que ficou conhecido como casuística. Consistia em formular as condições concretas em que os princípios deveriam regular os casos particulares. Embora tal preocupação faça sentido, pois são inúmeras e indefinidamente diferenciadas as situações humanas em que se deve discernir o verdadeiro do falso, é claro também que a instância de aplicação não pode influir ao ponto de modificar ou esvaziar o conteúdo dos princípios, sobretudo levando-se em conta, nesse caso, o caráter sagrado dos mesmos. Acerca da importância dessa possibilidade de interpretar os preceitos basta lembrarmos que no século XVII havia a figura do diretor de consciência, função desempenhada em geral por um sacerdote, confessor, a quem cabia orientar espiritual e moralmente as pessoas, gozando portanto de confiança absoluta. O que os jansenistas punham em dúvida era se tal papel poderia ser bem desempenhado por pessoas que tendiam a fazer a balança das decisões morais pender mais para o lado dos interesses mundanos, ainda que no afã bemintencionado de diminuir o peso da carga ascética da religião cristã sobre os ombros dos fiéis, principalmente quando tais fiéis eram aqueles ligados à riqueza e ao poder, para fazer desaparecer as contradições entre as leis de Deus e os interesses do mundo. Se a moral praticada pelo cristão não precisa diferir muito da postura do honnête homme, que poderia ser um ateu honesto, então bem pouco valera o sacrifício de Cristo em prol da restauração do homem perante Deus. A afirmação absoluta da verdade e da singularidade do cristianismo é, assim, o que está por detrás do rigorismo jansenista. Daí a concepção pessimista do homem e do mundo que se nota principalmente em Barcos, Saint-Cyran e Pascal. Daí também a desvalorização da esfera mundana em todos os seus aspectos, conscientes que estavam, esses herdeiros de Santo Agostinho, que é no cultivo intimista da alma que o homem encontra Deus, principalmente se souber, nessa procura, reconhecer a imensa distância que se abre entre o homem finito e corrompido e a absoluta infinitude de Deus. Foi esse rigorismo que deu aos

7 Pascal: Condição Trágica e Liberdade 345 jansenistas a fama de docteur extrêmes, como eram conhecidos no meio eclesiástico em que se desenrolavam essas controvérsias. Com efeito, os jansenistas representam, na época, um cristianismo extremado, porque não podiam conceber a vivência da religião fora dessa radicalidade. O homem deve entregar-se todo a Deus simplesmente porque a salvação da sua alma depende unicamente da graça de Deus. Trata-se de uma posição derivada também de Santo Agostinho: o homem, corrompido e esfacelado na sua identidade espiritual, só pode reintegrar-se e recuperar sua identidade em Deus. 2 Portanto, querer dividir com Ele a tarefa de salvação é manifestação de soberba e orgulho. Assim se compreende a posição extrema de um Barcos: o único caminho é a renúncia ao mundo e o cultivo solitário da interioridade. É nessa atitude de desapego, tão reiterada no Evangelho, que se encontra a única possibilidade do exercício da liberdade, se por liberdade entendemos a libertação, ou pelo menos a tentativa de libertação das correntes que nos prendem à corrupção. Na condição de pecado em que vive, o homem só se torna livre se logra libertar-se de sua própria condição: ainda que não o consiga, é nessa direção que deve envidar seus esforços, porque é a direção que o leva a Deus e que o afasta da nulidade a que o conduziu a sua extrema miséria. Se há aí um paradoxo e veremos que Pascal o percebe intensamente ele é inevitável. Se o homem for livre para permanecer no mundo como criatura decaída, a sua liberdade prolongará aquela exercida por Adão, e o resultado será a escravidão à concupiscência. Se o homem for livre para renunciar ao mundo e a si mesmo enquanto criatura odiosa e corrupta, então essa liberdade só pode exprimir-se como submissão à graça, talvez mesmo como escravidão à graça. É a visão radical das conseqüências do pecado original que motiva a concepção também radical da moralidade cristã. Eis o quadro em que se insere o pensamento de Pascal e a partir do qual ele conceberá a liberdade do homem. Mas há em Pascal algo que confere ainda mais intensidade ao paradoxo que mencionamos. Enquanto Barcos opta por uma renúncia ao mundo que se efetiva pelo abandono das coisas humanas, Pascal tentará praticar uma renúncia que Goldmann denomina renúncia intramundana ao 2 Cf. a este respeito a Tese de Doutoramento de Moacyr Novaes em NOVAES, 1997.

8 346 Franklin Leopoldo e Silva mundo. A atitude de Barcos se compreende como a de um cristão que, tendo constatado o movimento de sublimação da religião como recusa dos homens em aceitarem a distância e o ocultamento de Deus, retira-se para o cultivo solitário da alma com a finalidade de fazer com que a meditação incessante sobre essa distância e esse ocultamento se tornem, de alguma maneira, meios de aproximarse de Deus, não no sentido de romper, pelo conhecimento ou mesmo pela prece, a distância que separa o finito do infinito, ou a diferença entre a corrupção e a perfeição, mas no sentido de entregar a Deus, unicamente por via da caridade, a desordem e a inquietação de uma alma que vê na obscuridade do divino o único sinal de sua existência, e retira da sua própria fraqueza, trêmula de anseio pelo absoluto, o ímpeto de amor que deve a Deus. Goldamnn considera que essa atitude de oposição ao mundo evita que o paradoxo se revele até as suas últimas conseqüências e, assim, seja vivido como intrínseco à condição humana. Por isso ele definirá a radicalidade pascaliana como recusa paradoxal e intramundana do mundo. 3 Na atitude de Barcos, a recusa do mundo é conseqüência da impossibilidade de que se realize, no mundo, a exigência absoluta de realização do absoluto, pois o mundo se caracteriza pela ausência de Deus, o seu infinito distanciamento. Mas, se essa ausência é um vazio do ponto de vista ontoteológico, ela é por outro lado plena de significação por ser a única forma de relação que o homem corrompido pode ter com Deus. O abandono do mundo apresenta-se como a única maneira de viver, pela prece e pela caridade, pela meditação solitária acerca dessa ausência, a relação possível com o divino. Dessa forma não se supera o paradoxo intrínseco à relação entre o finito e o infinito, mas se recusa um dos seus termos na medida em que se recusa a existência no regime da mundaneidade. Se não se pode dizer que uma tal atitude anula um dos termos da relação paradoxal, porque isso equivaleria a dissolver o paradoxo, deve-se contudo admitir que ela obscurece o elemento finito, e assim obscurece o próprio paradoxo. Ora, para Pascal, a condição humana tem de ser compreendida e vivida na sua contradição, tornada constitutiva depois do pecado. Abandonar o mundo seria, pois, não propriamente recusá-lo, mas recusar-se a manter a 3 GOLDMANN, 1959, p. 176.

9 Pascal: Condição Trágica e Liberdade 347 polaridade contraditória entre o finito e o infinito em toda a sua extensão e significação. Isso não significa que a inteira manutenção da contradição me leve a compreendê-la, se por compreensão entendermos a conciliação dos termos. Justamente, a aceitação dos dois polos da contradição é o que mostra o seu caráter inconciliável. Compreender esse caráter inconciliável é portanto, inseparável da vivência da contradição e da constante presença do inconciliável diante de uma razão vocacionada à harmonia, manifestando assim a impotência dessa mesma razão perante uma questão essencial. Essa atitude conserva a incompatibilidade entre a exigência de absoluto e a possibilidade de sua realização como intrínseca à condição humana entendida como existência mundana. Aqui estaria talvez a principal diferença em relação a Barcos. A condição humana é vivida no mundo, e por isso o abandono do mundo a obscurece parcialmente, no sentido de que evita que todos os aspectos da contradição continuem a se mostrar na sua efetividade. No limite, a relação extra-mundana com Deus desejaria passar ao largo de aspectos candentes da finitude relacionados com o caráter intramundano da condição humana. A vivência radical da condição humana é a aceitação completa da contingência como plano de contradições. O ascetismo entendido como separação entre o homem e o mundo de alguma forma simplifica a patética complexidade do ser humano. Dessa forma, não é simples responder a uma pergunta que decorre desse problema: o homem tem a liberdade de escolher a recusa do mundo? Se tal recusa significa o abandono do mundo, ela na verdade tem de ser entendida como uma escolha aparente, ou a escolha da aparência. Uma escolha aparente porque a opção pela separação não anula a natureza intramundana da condição humana: o mundo do qual nos separamos permanece no horizonte do asceta como uma referência negativa e como uma espécie de idéia reguladora da separação. Uma escolha da aparência porque obscurece o caráter essencial do paradoxo que consiste na exigência de realizar, no mundo, algo que o mundo não pode comportar. Não temos a liberdade de escolher um dos termos do paradoxo assim como não temos a liberdade de conciliar esses termos. A impossibilidade de reduzir ou de superar o paradoxo faz com que somente possamos pensar a liberdade humana a partir da contradição que constitui a nossa condição. Observemos que há um aspecto de ordem metafísica na radicalidade com que Pascal pensa a contradição

10 348 Franklin Leopoldo e Silva entre a finitude e a exigência de infinitude. Quando Descartes, na Terceira Meditação, mostra que não poderíamos representar a idéia de infinito por negação da idéia de finito, porque a idéia positiva é a de infinito e, portanto, o mais certo é dizer que representamos a finitude a partir da idéia da infinito, ele não institui propriamente uma oposição, mas uma inclusão da idéia de finito na de infinito, na medida em que nos reconhecemos finitos ao pensar o que nos falta para realizarmos em nós a infinitude. Pascal, ainda que reconheça a precedência do infinito sobre o finito, não deixa de considerar a oposição que aí se inscreve, porque aquilo que Descartes concebe como o que nos falta para sermos infinitos, Pascal pensa como exigência absoluta de realização da infinitude. Isso faz com que a representação do infinito seja, mais do que uma maneira de pensar, um desejo irrealizável. Não se trata do desejo de ser Deus, mas de por para o homem e para o mundo, exigências que em princípio só teriam sentido no plano do infinito, e de pô-las sabendo-as desde sempre impossíveis de serem cumpridas, porque só poderiam sê-lo numa síntese entre infinito e finito, possibilidade que se exclui na concepção de contradição insolúvel ou de paradoxo insuperável. Há portanto em Pascal uma exigência de infinitude e uma insuperabilidade da finitude, ambas igualmente reais e efetivas. Daí a oposição, mas uma oposição dinâmica e existencial, e não apenas represesentada como uma concepção intelectual do homem. Vista dessa maneira, a oposição faz da condição humana uma condição trágica. O trágico se caracteriza como a concretude vivida das contradições insolúveis e das oposições inconciliáveis. Se o paradoxo é a figura lógica da impossibilidade, a tragédia, enquanto paradoxo da existência, é a maneira concreta de viver essa impossibilidade. E vivê-la no mundo que, enquanto ambiente existencial, mundo humano, deixa de ser o cosmos ordenado e passa a ser o lugar de manifestação da contradição essencial. Mas se aceito a contradição entre exigência absoluta e condição relativa de existência, aceito também a incomensurabilidade dos termos envolvidos nessa relação entre o homem e o absoluto. O fato de que a exigência de absoluto é posta a partir do próprio absoluto não diminui a importância do fato de que é o próprio homem que põe, para si e para o mundo, uma tal exigência. Isso acentua o paradoxo, e faz do próprio homem, enquanto um dos termos do paradoxo, um ser paradoxal em si mesmo. Como pode a vontade humana, relativa, finita e

11 Pascal: Condição Trágica e Liberdade 349 corrompida, querer o infinito? E como pode a liberdade dessa vontade finita visar algo que ultrapassa o âmbito em que a princípio ela deveria exercer-se? O problema da vontade em Pascal exige que mencionemos algo sobre a complexa questão da relação entre vontade humana e graça divina, bem como a posição assumida por Pascal e pelos jansenistas na polêmica com o molinismo. A posição jansenista, que Pascal descreve como sendo a dos discípulos de Santo Agostinho é, em resumo, a seguinte: 4 No momento de criação, estando Adão em estado de inocência, Deus tinha uma vontade geral e condicional de salvar todos os homens, desde que estes o quisessem e fizessem para isso uso da graça suficiente que Deus lhes havia concedido. Tal graça suficiente não fazia com que Adão perseverasse infalivelmente no bem. Com efeito, ele pecou, fazendo do seu livre arbítrio um instrumento de mau uso da graça suficiente. Com isso atraiu sobre si e sobre a humanidade a justa ira de Deus, estando assim todos condenados. Mas, por misericórdia, Deus teve a vontade de salvar uma parte dos homens, dentre a massa dos condenados, e para isso enviou Jesus Cristo, que pelo seu sacrifício mereceu a graça eficaz, de que podem desfrutar aqueles que Deus elegeu para salvar. A esse grupo de predestinados são chamados outros, que entretanto não perseveram, por sua própria vontade, a qual nesse caso não é auxiliada pela graça eficaz que Deus concede aos predestinados. Haveria portanto três grupos: os que estão desde sempre condenados e não chegam jamais à fé, e pelos quais Jesus Cristo não se sacrificou; os que chegam à fé mas não perseveram: Pascal diz que Cristo morreu por eles mas não pela salvação deles; e finalmente os eleitos, por cuja salvação Cristo morreu. No entanto, Pascal acrescenta a essa divisão algo que para nosso assunto é o mais importante: Que todos os homens do mundo estão obrigados (...) a crer que fazem parte do pequeno número dos eleitos para a salvação dos quais Jesus Cristo morreu, e a pensar o mesmo acerca de todos os homens que vivem na terra, por piores e mais ímpios que sejam, enquanto lhes restar ainda um momento de vida, deixando para o segredo impenetrável de Deus o discernimento entre eleitos e 4 Cf. PASCAL, E., Deux Pièces Imparfaites sur la Grâce et le Concile de Trente em PASCAL, O mesmo texto está nas Oeuvres Complètes, com o nome de Écrits sur la Grâce em PASCAL, 1963.

12 350 Franklin Leopoldo e Silva reprovados. 5 Observemos três pontos: 1) Adão possuía uma graça suficiente para perseverar no bem, mas não poderia fazê-lo necessariamente e infalivelmente. Era, portanto, livre para pecar, e o fez, o que significa que tampouco deveria pecar necessariamente. 2) O pecado ocasionou a corrupção da natureza humana e conseqüentemente o enfraquecimento da vontade, de modo que Deus concedeu aos que predestinou para a salvação uma outra graça, chamada eficaz, que fortalece a vontade de não pecar e possibilita a salvação. 3) Graça e perseverança possuem uma íntima relação, visto que a perseverança sem a graça não chega ao resultado salvífico. Não há portanto como saber, acerca de si mesmo e dos outros, se essa relação se completará enquanto lhes restar ainda um momento de vida. Razão pela qual devemos crer (estamos obrigados a isso) que todos os homens fazem parte do pequeno número de eleitos. Aparentemente existe aí uma contradição. Se há um pequeno número de eleitos, por que estamos obrigados a crer que todos os homens, por piores e mais ímpios que sejam, fazem parte desse pequeno número? O motivo aventado no texto é que não podemos penetrar nos desígnios de Deus. É o mais óbvio. Mas podemos supor também que a salvação, a reunião com Deus, o resgate da natureza humana corrompida pelo pecado original, seria aquela incorporação do infinito no finito que brota como exigência profunda da nossa condição trágica. Não seria essa exigência que nos obrigaria a pressupor que todos seremos salvos, embora saibamos, pela doutrina, que somente um pequeno número efetivamente o será? Não será essa oscilação entre o reconhecimento da nossa miséria e da nossa corrupção, pelas quais não merecemos a salvação, e a graça de Deus como dom gratuito que pode nos tocar e salvar, que subjaz à obrigação de crer na salvação, e de nela apostar tudo? É bem verdade que a salvação, como resgate da natureza humana, não significa a realização da exigência de absoluto no mundo, mas no plano da eternidade, e assim ela não poderia ser realmente considerada como superação do paradoxo. Mas não seria essa possibilidade de realização da integração ao absoluto pelo Juízo Final a confirmação de que o paradoxo é insuperável no mundo, e de que a nossa condição intramundana somente oferece como perspectiva de absoluto a crença ou a aposta em algo que estaria além do 5 PASCAL, 1947, p. 31.

13 Pascal: Condição Trágica e Liberdade 351 mundo? Seria essa a justificativa pascaliana para escolher livremente a crença, no sentido de apostar no infinito? Talvez a questão fique melhor configurada se atentarmos bem para a expressão usada por Goldmann para definir a atitude de Pascal: recusa intramundana do mundo. Se é bem verdade que nossa condição é inelutavelmente intramundana, e que nenhum grau de ascetismo fará com que o homem possa deixar sua condição, por outro lado também é verdade que se trata de uma recusa. E a singularidade da vivência pascaliana do paradoxo está toda em viver no mundo e recusá-lo ao mesmo tempo, ou melhor, estar no mundo na forma da recusa ou da negação desse próprio mundo. No que concerne à questão da liberdade, o paradoxo se recoloca de forma mais intensa. Não tenho a liberdade de abandonar o mundo, a não ser escondendo-me dele, o que é uma maneira de escamotear o paradoxo. E se pretendo exercer a liberdade de recusar o mundo a partir do próprio mundo, de dentro dele, isso somente ocorrerá a partir de uma consciência profunda da contradição inerente ao próprio sujeito, e que o torna capaz de duas atitudes contraditórias entre si, porque ele mesmo é um ser contraditório e é o dilaceramento interno que o condena (mais do que o capacita ) a uma existência paradoxal. Pois a liberdade originária, que fez com que o homem, que possuía a graça suficiente para não pecar, pecasse, permanece, mas a vontade que se associa a essa liberdade está enfraquecida e curvada sob o peso do pecado, e requer a graça eficaz para perseverar no bem, a partir da pressuposição de que pode contar com a misericórdia divina. A liberdade de pecar incorporou-se ao homem pela corrupção, e como que apossou-se de sua alma. A liberdade de não pecar, contrapartida desse arbítrio corrompido, existe, mas muito mais como um sinal reminiscente da primeira natureza do que como uma efetividade presente. Ela se mostra, contudo na liberdade de perseverar. Ora, como a corrupção da alma e a corrupção do mundo se correspondem, a perseverança no bem, na esperança de que Deus nos tenha agraciado, envolve a recusa do mundo, que representa um grande desvio para a alma em direção à sua salvação. É dessa maneira que estar no mundo recusando-o é a única forma de corresponder à graça presumida. É a única forma de reaproximar-se do Deus distanciado: fazendo da distância infinita a rota indefinida dessa reaproximação de um Deus oculto. Sem ver claro em Deus, sem ver claro no mundo, sem ver claro

14 352 Franklin Leopoldo e Silva em si, a alma pode contar apenas com a contradição que a define, porque ao menos um dos termos dessa contradição a faz desejar e exigir o absoluto. Por isso a condição tragicamente dividida do homem é a sua única possibilidade de aspirar a uma reintegração da identidade perdida. Essa possibilidade manifesta a insuficiência constitutiva na medida em que a aspiração se dissolve no horizonte negativo da irrealização humana e da inacessibilidade dos desígnios de Deus. Trata-se, portanto, de uma esperança nascida do desespero e de uma crença nascida da incerteza. Daí o apelo patético ao libertino para que aposte no infinito, isto é, no silêncio eterno e no terror, porque só nessa paisagem enigmática poderá talvez o homem encontrar alguma chance de recolher os pedaços de sua subjetividade. Assim a liberdade, embora se enraíze na perfeição originária, torna-se na condição atual a expressão de uma subjetividade desunida de si mesma. E isso porque a primeira manifestação da liberdade, a primeira decisão livre a partir da qual o homem procurou discernir o seu futuro, foi o afastamento de Deus e o alheamento da imagem divina impressa na sua alma. A inquietação a partir daí provocada, que deveria operar o retorno do homem para Deus, perverteu-se no gozo demoníaco do exílio voluntário em que a alma corrupta se compraz, cada vez mais aprofundando a sua liberdade para o mal. É por isso que a vivência radical do paradoxo exige que a memória da grandeza perdida se associe sempre à consciência da miséria que o homem abraçou livremente. E assim nenhum pensamento, nenhuma esperança, nenhum gesto do homem podem se dar fora do contexto trágico da sua condição. Adão, Jesus Cristo. Se vos unem a Deus, é em virtude da graça, não da natureza. Se vos rebaixam, é por penitência, não por natureza. Assim, essa dupla capacidade... Não vos encontrais no estado de vossa criação. Como esses dois estados se acham abertos, é impossível que não os reconheçais. Segui vossos movimentos, observai-vos a vós mesmos, e vêde se não encontrais aí os caracteres vivos dessas duas naturezas. Tantas contradições se achariam em assunto simples? (fr. Laf. 149/Br.430)

15 Pascal: Condição Trágica e Liberdade 353 A polaridade Adão/Jesus Cristo está presente em vários fragmentos. Cada um dos termos possui duas significações. Adão significa primeiramente a inocência e a graça suficiente para não pecar, ou seja a primeira natureza; mas significa também aquele pelo qual o pecado veio ao mundo, a corrupção da natureza. Jesus Cristo é, em primeiro lugar, Deus, fonte da perfeição e da graça; mas significa também e em Pascal essa conotação é decisiva o mediador, aquele pelo qual a salvação veio ao mundo, o homem-deus sacrificado na cruz. É por isso que mesmo Adão em estado de inocência não estava unido a Deus por sua simples natureza, mas em virtude de ter sido Deus o criador dessa natureza, em princípio boa, e, assim, uma graça concedida. Por isso mesmo, o pecado não proveio da simples natureza, mas da liberdade de que desfrutava Adão para desviar a sua natureza para o mal. Assim como a união primitiva com Deus dependia da graça suficiente, inerente à natureza criada por Deus, assim a salvação depende da graça trazida por Jesus Cristo. Assim como a felicidade da primeira união com Deus podia ser descrita como graça, a infelicidade de que o homem desfruta no estado de pecado só pode ser vivida como penitência. O estado de graça é o estado de grandeza; o estado de penitência é a condição de miséria. Na condição humana eles são inseparáveis: Assim essa dupla capacidade.... O homem só pode conhecer algo de si reconhecendo-se nessa dupla capacidade, que corresponde a duas naturezas, as quais se apresentam a nós com caracteres igualmente vivos. Esse conhecimento é parcial e obscuro devido às tantas contradições que constituem o homem, que está, portanto, bem longe de poder ser captado como aquela entidade simples que Descartes julgou encontrar. A natureza do homem considera-se de duas maneiras: uma segundo o seu fim, e então ele é grande e incomparável; outra segundo a multidão, como se julga a natureza do cão e do cavalo, ao ver sua corrida e seu animum arcendi; e então, o homem é abjeto e vil. Eis as duas vias que levam a julgar esse assunto diversamente, e que fazem tanto discutir os filósofos! (Fr. Laf. 127/Br.415) O homem possui uma natureza grande e incomparável segundo o seu fim porque a finalidade do homem é Deus, uma vez que Deus criou o homem em última instância para si (Deus). Mas o homem é abjeto e vil quando aplica a parte sensível de sua natureza (animum arcendi) para afastar-se de Deus,

16 354 Franklin Leopoldo e Silva rebaixando-se à condição das bestas. É, portanto, em relação à sua natureza enquanto grande e incomparável que o homem é também abjeto e vil. Os animais, que não possuem essa duplicidade, não fazem do animus arcendi ocasião para tornarem-se abjetos e vis: simplesmente possuem um lugar, único e demarcado, no conjunto natural dos seres. O homem não ocupa um lugar, mas oscila entre o lugar privilegiado de única criatura não apenas criada mas destinada a Deus e o lugar abjeto da besta que se tornou pelo pecado e pela concupiscência. São esses dois lugares ocupados ao mesmo tempo que fazem do homem um ser paradoxal e incompreensível. Mas o único saber de si consiste em deparar-se com essa incompreensibilidade: ela é o centro da lição de Pascal sobre o homem. E é nesse sentido que ele julga ter compreendido mais acerca do homem do que os filósofos que o definiram por apenas um desses pólos opostos, e assim constituíram acerca do mesmo objeto teorias que são incompatíveis entre si, julgando diversamente uma diversidade que está paradoxalmente unificada. Se ele se gaba, rebaixo-o. Se ele se rebaixa, gabo-o. E o contradigo sempre. Até que compreenda Que é um monstro incompreensível. (Fr. Laf.130/Br.420) Essa lição antropológica não pode ter como finalidade o conhecimento do homem, tal como o propõem as filosofias de estrito racionalismo, como Descartes, ou como supõem as descrições parciais de Epiteto e Montaigne. Pois o que Pascal visa é negar as afirmações peremptórias que enaltecem a grandeza ou lastimam a miséria. É no entremeio dessas negações que pode nascer uma compreensão. Mas Pascal não é um filósofo do meio-termo como Aristóteles. O que ele deseja não é estabelecer o justo meio entre grandeza e miséria, mas mostrar que as duas dimensões estão absolutamente ligadas, de tal modo que descuidar qualquer uma delas é perder de vista o homem. A compreensão nasce da contradição ( E o contradigo sempre./até que compreenda ), mas essa compreensão jamais será a solução do problema do homem, porque o que há para compreender é a incompreensibilidade: o monstro de duas naturezas. A compreensão acompanha, pois, o caráter contraditório do que há para ser compreendido: ela é a compreensão de que o homem é incompreensível. É um

17 Pascal: Condição Trágica e Liberdade 355 conhecimento que só pode ser elaborado por um pensamento trágico, aquele que põe diante de si o paradoxo em toda a sua radicalidade, e permanece suspenso diante dele. Esse percurso, que poderíamos denominar de antropoteológico, teria o objetivo de recuperar, por outras vias, algo como uma idéia universal de homem, abalada pelas injunções históricas que mencionamos no início? A resposta poderia ser afirmativa, se nos guardarmos de compreender no sentido teórico a noção pascaliana de homem. Mas tudo indica que Pascal considera que a religião cristã, da maneira como ele a concebe, é a única que pode dar conta das contradições inerentes à condição humana, não porque as justifica, mas porque as apresenta nos artigos de fé e na corroboração histórica da verdade dessa fé. Dessa maneira Pascal se coloca numa posição contrária tanto ao naturalismo dos libertinos quanto ao otimismo racionalista dos cartesianos, recusando o realismo insuficiente dos primeiros e o idealismo exacerbado dos segundos. Com isso ele acompanha a recusa jansenista de aceitar uma acomodação entre a natureza e a graça. Tanto o conhecimento empírico do libertino quanto a introspecção dos idealistas não atingem o núcleo contraditório do problema do homem. 6 O homem é um ser paradoxal que pelo lado da grandeza se supera ( o homem ultrapassa infinitamente o homem ) mas essa superação se constitui em outro paradoxo, pois o que deveria ser atingido por ela está irremediavelmente comprometido pela distância que separa o homem de Deus. Estar diante do infinito, desejá-lo, é sinal de grandeza e é ao mesmo tempo motivo de terror. O silêncio eterno desses espaços infinitos me apavora. (Fr. Laf. 201/Br.206) Para Pascal, o infinito se estende em duas direções, o infinitamente grande e o infinitamente pequeno (Fr. Laf. L99/ Br.72). De forma análoga se poderia dizer que o infinito se estende pelos espaços além do homem e pela dimensão plural, confusa e indefinida que se abre dentro do homem, porque o Eu é uma entidade ilocalizável em meio à multiplicidade de estados e afetos. Esse espaço abissal, em que o homem vaga à procura de si e de Deus, é também o solo movediço da liberdade. Uma profundidade que não fundamenta, porque comprometida com o caráter monstruoso que configura as feições da 6 Cf. a respeito BÉNICHOU, 1948, pp

18 356 Franklin Leopoldo e Silva condição humana. Esta é a razão pela qual a liberdade só pode exercer-se no contexto instável em que a condição humana se apresenta tragicamente. Aquela que seria a nossa escolha fundamental, a da salvação, está pendente dos desígnios inacessíveis de Deus. Nossas escolhas mundanas estão comprometidas com um jogo de paixões que não dominamos. Por isso temos de recusar o mundo, ocasião da inevitável gratuidade de nossas opções, inteiramente vinculadas à mais completa contingência, mas a contrapartida dessa recusa da finitude não é a positividade do infinito nem a presença do absoluto. Só resta ao homem portanto, entregar sua liberdade ao Deus absconditus, pela mediação do Cristo que trouxe a graça de Deus, entendendo a graça não como um critério de escolha, mas como uma certeza do coração, cultivada na caridade, de que não seremos abandonados por Deus se, vivendo em nós a recusa de nós mesmos, nos entregarmos inteiramente a ele. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BÉNICHOU, P. Morales du Grand Siècle. Paris: Gallimard, GOLDMANN, L. Le Dieu Caché. Paris: Gallimard, KOYRÉ, A. Do Mundo Fechado ao Universo Infinito. Rio de Janeiro: Forense, NOVAES, M. Livre-Arbítrio da Vontade Humana e Pré-Ciência Divina em Agostinho. Universidade de São Paulo, (Tese de Doutorado.) PASCAL, E. Deux Pièces Imparfaites sur la Grâce et le Concile de Trente. Ed. por Lafuma. Paris: Vrin, Écrits sur la Grâce. In: Oeuvres Complètes. Ed. por Lafuma. Paris: Seuil, VERGA, L. Libertinos e Jansenistas. In: ROVIGHI, S. (org.) História da Filosofia Moderna. São Paulo: Loyola, 1999.

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro.

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro. A importância do estudo bíblico para a vida cristã 2 Pedro 1.12-2121 Pr. Fernando Fernandes Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

CONSELHOS EVANGÉLICOS

CONSELHOS EVANGÉLICOS CONSELHOS EVANGÉLICOS 1- RAZÃO TEOLÓGICA 1.1. Fato de Vida na Igreja A vivência da virgindade-pobreza-obediência de Jesus Cristo é fato de vida que existe na igreja desde suas origens. O estado religioso:

Leia mais

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai Cláudio Ribeiro Objetivos Avaliar a doutrina de Trindade suas raízes, premissas fundamentais, ênfases e mudanças no contexto global da história da Igreja e as

Leia mais

O HOMEM PARADOXAL: SOBRE A ANTROPOLOGIA DE BLAISE PASCAL

O HOMEM PARADOXAL: SOBRE A ANTROPOLOGIA DE BLAISE PASCAL O HOMEM PARADOXAL: SOBRE A ANTROPOLOGIA DE BLAISE PASCAL Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre alguns aspectos da antropologia filosófica de Blaise Pascal, pensador francês do século XVII. Suas

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

nossa liberdade. Uma certa resistência da teologia em reconhecer esta realidade levou a muitos, sobretudo aqueles mais influenciados pela cultura

nossa liberdade. Uma certa resistência da teologia em reconhecer esta realidade levou a muitos, sobretudo aqueles mais influenciados pela cultura Conclusão Jesus Cristo é a nossa salvação. Esta é uma verdade fundamental do cristianismo. No primeiro capítulo vimos que o ser humano possui um desejo intrínseco de autorrealização, mas por outro lado,

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE CAPÍTULO 11 LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE Justiça e direitos naturais Direito de propriedade. Roubo Caridade e amor ao próximo Amor maternal e filial JUSTIÇA E DIREITOS NATURAIS 873 O sentimento de justiça

Leia mais

AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X.

AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X. 1 AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X. Precisamos aprender como devemos agir. Já que Deus nos deu tantas coisas boas, é normal que procuremos viver dentro de Sua Lei, praticando

Leia mais

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13)

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) CONFISSÃO E ARREPENDIMENTO O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) A consequência natural do arrependimento é a confissão.

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida 1 GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida Introdução Muitos de nós ouvimos, com certa freqüência, pregadores que ao fazerem apelo, dizem coisas do tipo: dê uma chance para Jesus ou ainda deixe Jesus entrar

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPÍRITA. Roteiro 5. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

A EDUCAÇÃO ESPÍRITA. Roteiro 5. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas A EDUCAÇÃO ESPÍRITA Roteiro 5 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas 1 Objetivos Indicar as diferenças existentes entre instrução e

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

O ser humano que, hoje, se abre para a fé, que escuta e responde à Palavra divina, descobre sua natureza filial e relacional, descobre a si mesmo

O ser humano que, hoje, se abre para a fé, que escuta e responde à Palavra divina, descobre sua natureza filial e relacional, descobre a si mesmo 1 INTRODUÇÃO A fé cristã como possibilidade de uma verdadeira existência humana, segundo Joseph Ratzinger, é o tema desta dissertação que almeja perscrutar a realidade e o dinamismo da fé nos dias de hoje,

Leia mais

A IGREJA E O ESPIRITISMO DIANTE DA FÉ E DA RAZÃO

A IGREJA E O ESPIRITISMO DIANTE DA FÉ E DA RAZÃO A IGREJA E O ESPIRITISMO DIANTE DA FÉ E DA RAZÃO Eliseu Mota Júnior motajunior@uol.com.br A origem da palavra encíclica, etimologicamente falando, remonta às cartas circulares enviadas pelos bispos a colegas

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

A Bíblia. J. Gresham Machen

A Bíblia. J. Gresham Machen 1 A Bíblia J. Gresham Machen Já observamos que o liberalismo moderno perdeu de vista os dois grandes pressupostos da mensagem cristã o Deus vivo e o fato do pecado. Tanto a doutrina liberal de Deus quanto

Leia mais

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional.

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional. Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei comigo que sou brando e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas,

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

18º ENCONTRO ESPÍRITA SOBRE MEDIUNIDADE

18º ENCONTRO ESPÍRITA SOBRE MEDIUNIDADE 18º ENCONTRO ESPÍRITA SOBRE MEDIUNIDADE CONCLUSÃO DOS ESTUDOS REALIZADOS COM BASE NAS MENSAGENS DE ANTONIO DE AQUINO E NA ENTREVISTA COM ALTIVO FÉ E MEDITAÇÃO Fé adesão absoluta do espírito àquilo que

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

O significado salvífico da morte de Jesus

O significado salvífico da morte de Jesus Igreja Nova Apostólica Internacional O significado salvífico da morte de Jesus 2.ª parte Depois da interpretação da morte de Jesus, na Epístola Aos Hebreus, seguem-se explanações sobre o que Jesus representa

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus SEMINÁRIO DE VIDA NO ESPÍRITO Tema geral: Cura Interior Autor: Pe. Fernando PREGAÇÃO: Tema: Curados para Amar Senhor se queres podes me curar Mt. 8, 1-4 1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva

Leia mais

EDUCAÇÃO E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO

EDUCAÇÃO E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO EDUCAÇÃO E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO Fabio Luciano Bueno Coelho 1 Ricardo Antonio Rodrigues 2 Resumo: A proposta deste trabalho é levantar questionamentos a respeito do papel da educação, tendo por

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS)

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) 1. O que é Revelação segundo a Bíblia? Revelação segundo a Bíblia é trazer a luz aquilo que estava oculto, no que se refere ao programa de Deus

Leia mais

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento?

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento? OS SACRAMENTOS Os sacramentos da nova lei foram instituídos por Cristo e são sete, a saber: o Batismo, a Crisma ou Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimônio.

Leia mais

Leis Morais Lei da Igualdade. Sandra Veiga 01/04/2015

Leis Morais Lei da Igualdade. Sandra Veiga 01/04/2015 Leis Morais Lei da Igualdade Sandra Veiga Sandra Veiga A Idade Moderna Contexto da França Pré-revolucionária 1- Crise econômica: A França era basicamente agrária e semifeudal, aliada ao crescimento demográfico

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

ESTADO: ALIENAÇÃO E NATUREZA

ESTADO: ALIENAÇÃO E NATUREZA BPI Biblioteca Pública Independente www.bpi.socialismolibertario.com.br MAL-BH Movimento Anarquista Libertário www.socialismolibertario.com.br ESTADO: ALIENAÇÃO E NATUREZA Mikhail Bakunin O Estado, como

Leia mais

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS OBJETIVO GERAL: Com base em O Livro dos Espíritos, também eixo gerador das demais quatro obras básicas da Codificação Espírita, estudar a Doutrina Espírita, estudar ALLAN

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

O QUE É SER ESPÍRITA?

O QUE É SER ESPÍRITA? Suzane Câmara O QUE É SER ESPÍRITA? pessoa vinculada ao Espiritismo. os espíritas "mexem" com os mortos outros temem, outros permanecem indiferentes ir ao Centro, tomar passe, ouvir ou fazer palestras,

Leia mais

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER Jupyra Vilela Barreto (Grupo PET - Filosofia) Orientadora: Glória Maria Ferreira

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

Autoridade Espiritual

Autoridade Espiritual Autoridade Espiritual Romanos 13:1-7 (Submissão à autoridade) 1 Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; por que não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas

Leia mais

Nascido em 11 de maio de 1895 em Madnapele, ao sul da Índia, Jiddu Krishnamurti foi um filósofo e místico indiano.

Nascido em 11 de maio de 1895 em Madnapele, ao sul da Índia, Jiddu Krishnamurti foi um filósofo e místico indiano. Nascido em 11 de maio de 1895 em Madnapele, ao sul da Índia, Jiddu Krishnamurti foi um filósofo e místico indiano. Acompanhou seu pai Jiddu Naraniah a Adyar em 23 de janeiro de 1909, pois este conquistara

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: O Programa do Senhor. Palestrante: Oswaldo Cruz. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: O Programa do Senhor. Palestrante: Oswaldo Cruz. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: O Programa do Senhor Palestrante: Oswaldo Cruz Rio de Janeiro 22/12/2000 Organizadores da palestra: Moderador: [HELENA] (nick: [Moderador])

Leia mais

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE AS GRANDES DOUTRINAS DA BÍBLIA LIÇÃO 07 O QUE A BÍBLIA DIZ A RESPEITO DA SALVAÇÃO INTRODUÇÃO Chegamos ao que pode ser o tópico mais importante desta série: a salvação. Uma pessoa pode estar equivocada

Leia mais

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração O conceito e propósito da adoração no Islã não têm paralelo com qualquer outra religião existente. Ele combina o mundano com o espiritual, o indivíduo

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

O Conflito como Sociação 1

O Conflito como Sociação 1 SIMMEL, Georg, O conflito como sociação. (Tradução de Mauro Guilherme Pinheiro Koury). RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 10, n. 30, pp. 568-573. ISSN 1676-8965. http://www.cchla.ufpb.br/rbse/index.html

Leia mais

Caridade ou a graça de fazer o bem

Caridade ou a graça de fazer o bem Caridade ou a graça de fazer o bem Partindo de seu acto de voluntária fraqueza tem a humanidade, não apenas a cristã, de muitas formas, escolhido como seu deus o mal e como sua liturgia a maldade. Se bem

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 9 LEI DE IGUALDADE Igualdade natural Desigualdade das aptidões Desigualdades sociais Desigualdade das riquezas Provas de riqueza e de miséria Igualdade dos direitos do homem

Leia mais

Programa do 2º Ano B do Curso Básico de Espiritismo - 2015 SÁBADO das 15:45h às 17:45h

Programa do 2º Ano B do Curso Básico de Espiritismo - 2015 SÁBADO das 15:45h às 17:45h Programa do 2º Ano B do Curso Básico de Espiritismo - 2015 SÁBADO das 15:45h às 17:45h DATA TEMA EXPOSITOR Na terça, esta aula será/foi dada em: Aula1 Apresentação do curso e da casa 24/02 21/02 Aula 2

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO 1 A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO Julimar Fernandes da Silva 1. RESUMO A Educação nos dias atuais é um desafio constante, tanto para a sociedade como para Igreja cristã. Nesse sentido,

Leia mais

É possível não crer em Deus?

É possível não crer em Deus? É possível não crer em Deus? Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br Adriana Pizzutti dos Santos É possível não crer em Deus? Adriana Pizzutti dos Santos Ateísmo Ateu é quem não crê na existência

Leia mais

SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO VOLUNTÁRIO. www.espiritizar.com.br

SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO VOLUNTÁRIO. www.espiritizar.com.br SEMINÁRIO O SIGNIFICADO DAS LEIS DIVINAS NO TRABALHO A PROGRAMAÇÃO DA REENCARNAÇÃO Meditando sobre o significado das Leis Divinas em nossas vidas: Feche os olhos e entre em contato com você mesmo(a) em

Leia mais

LIÇÃO 3 O aspecto tríplice do Espiritismo

LIÇÃO 3 O aspecto tríplice do Espiritismo Religião Ciência Filosofia LIÇÃO 3 O aspecto tríplice do Espiritismo 2009 United States Spiritist Council O Espiritismo é ao mesmo tempo filosofia e um campo de estudo científico. Como ciência ele estuda

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

Tema 03 - Dimensão da Mística (Processo Teológico-espiritual. Qual é o sentido da minha vida? ). Introdução à Teologia da Espiritualidade Cristã.

Tema 03 - Dimensão da Mística (Processo Teológico-espiritual. Qual é o sentido da minha vida? ). Introdução à Teologia da Espiritualidade Cristã. Tema 03 - Dimensão da Mística (Processo Teológico-espiritual. Qual é o sentido da minha vida? ). Titulo 01 - Introdução à Teologia da Espiritualidade Cristã. NEI DE SÁ (Ms. Teologia Pastoral PUC-SP) Introdução

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

TRÊS VALORES ESPÍRITAS

TRÊS VALORES ESPÍRITAS TRÊS VALORES ESPÍRITAS 1 2 ENCONTROS E DESENCONTROS DE DOIS MUNDOS Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Azevedo, Israel Belo de O espiritismo

Leia mais

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 166 Como a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corporal,

Leia mais

DONS INFUSOS DO ESPÍRITO SANTO

DONS INFUSOS DO ESPÍRITO SANTO DONS INFUSOS DO ESPÍRITO SANTO O Espírito Santo nos foi dado para que nos tornemos santos, e para que assim se cumpram perfeitamente em cada um de nós os desígnios amorosos que o Pai tem preparado para

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

O Poder da Oração. Ave Maria: História e Meditação

O Poder da Oração. Ave Maria: História e Meditação O Poder da Oração O livro O Poder da Oração apresenta a oração como essência da vida do ser humano: para atingir a felicidade, para o desenvolvimento humano e sobrenatural e para se alcançar a salvação

Leia mais

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Caracteres do homem de bem Questão: 918 O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira as más do mau tesouro do seu coração; porquanto,

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

APONTAMENTOS DA TEOLOGIA DOS SACRAMENTOS

APONTAMENTOS DA TEOLOGIA DOS SACRAMENTOS APONTAMENTOS DA TEOLOGIA DOS SACRAMENTOS Profa. Ivenise Teresinha Gonzaga Santinon Introdução Com o Concílio Vaticano II e a sua Constituição Sacrossanctum Concilium, os sacramentos se viram revalorizados.

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 9.º ANO DE EMRC 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno, no final do 9.º ano, deve atingir as metas abaixo indicadas, nos seguintes domínios: Religião e Experiência Religiosa Compreender o que são

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO José Aparecido 18.03.2015 CURSO DOUTRINARIO OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 Aulas Curso Doutrinário OAM Turma 6

Leia mais

O segredo para se chegar à santidade por meio da Virgem Santíssima

O segredo para se chegar à santidade por meio da Virgem Santíssima O segredo para se chegar à santidade por meio da Virgem Santíssima O Segredo e suas condições Eis aqui, ó alma predestinada, um segredo que o Altíssimo me confiou e que não pude encontrar em nenhum livro,

Leia mais