PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS: A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS: A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ"

Transcrição

1 PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS: A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ INTRODUÇÃO MORI, Nerli Nonato Ribeiro 1 Universidade Estadual de Maringá SILVA, Márcia Aparecida Marussi 2 Universidade Estadual de Maringá CAMPOS, Renata Adriana de Oliveira 3 Universidade Estadual de Maringá O atendimento voltado às pessoas que apresentam algum tipo de necessidade educacional especial teve início, no Brasil, no século XIX, e foi se modificando ao longo dos tempos, passando por diferentes períodos, como o da institucionalização, da integração e o momento atual, denominado de inclusão escolar. Marcado como um tempo de isolamento, o período da institucionalização foi caracterizado mundialmente por um entendimento de que as pessoas com deficiência não apresentavam potencial de aprendizagem escolar, não sendo, portanto, necessário o desenvolvimento de estratégias metodológicas voltadas ao ensino destas pessoas. No campo das políticas públicas, os documentos oficiais, os quais regimentam a área educacional, orientavam os estados e municípios no sentido de disponibilizar as pessoas com deficiência, apenas assistência aos cuidados básicos na área da saúde. As instituições especializadas atendiam pessoas excluídas socialmente, por razões diversas como as que apresentavam algum tipo de alteração neurológica, sujeitos envolvidos com a drogadição, entre outros. Recebiam então, atenção direcionada a desenvolver certa autonomia no que diz respeito aos cuidados básicos de saúde, higiene e alimentação. De forma concomitante, algumas instituições de ensino superior desenvolviam estudos e pesquisas nas áreas da saúde e educacional, as quais contribuíram para a forma de entender e pensar estas pessoas. Tais inovações possibilitaram o início de algumas ações diferenciadas. Alguns estudiosos empreenderam esforços com o intuito de conhecer mais acerca do científico ligado às pessoas com diversos tipos de deficiência e o potencial existente, levando em conta as especificidades apresentadas no processo de aprendizagem. No Brasil, as primeiras iniciativas na área educacional foram a criação de instituições especializadas para o atendimento das diferentes deficiências. Podemos destacar o Instituto dos Meninos Cegos, atual Instituto Benjamin Constant; e o Instituto dos 1. Doutora em Educação Maringá PR. 2. Doutoranda em Educação Maringá PR. 3. Mestranda em Educação Maringá PR. 1383

2 Meninos Surdos, em funcionamento. Na sequência e, projetando-se em espaço escolar com características inerentes à educação, surgem as Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais - APAEs e as Escolas Pestalozzi, as quais recebiam população com Deficiência Intelectual e outras, cuja proposta referia-se ao atendimento educacional específico, a pessoa que apresentasse uma deficiência, ou múltiplas deficiências. Observa-se a partir de então, um avanço significativo na direção da oferta de educação escolar sistematizada, no âmbito da iniciativa privada ou ONGs no sistema educacional. Durante observações e estudos realizados com alguns sujeitos institucionalizados, percebeu-se a aquisição de comportamentos, especialmente aos da área motora como controlar a cabeça, sentar e rolar, ou seja, aspectos no desenvolvimento humano ligados à área da psicomotricidade, destacando no decorrer das atividades, reais possibilidades de aprendizagem e, por conseguinte, de apropriação do conhecimento formal e sistematizado. No campo educacional, iniciou-se um repensar sobre as ações utilizadas com as pessoas que apresentavam algum tipo de deficiência, com mudanças de ensino sistêmicas, de maneira a, sobretudo, possibilitar o início da efetivação da aprendizagem de conteúdos escolares, por meio de práticas pedagógicas organizadas. Tais ações vinham ao encontro de uma tendência mundial em favor da democratização do ensino, com a efetivação de matrícula de todos os alunos no ensino regular, cumprindo assim uma função diretriz para o Brasil, no sentido da criação e implementação de políticas públicas voltadas à educação de todos. Alguns eventos, como campanhas e ações de caráter político e educacional, demonstravam certa preocupação com a educação a ser ofertada às pessoas com algum tipo de deficiência. Defendia-se a ideia de integrá-las nos diferentes segmentos sociais. Assim, foi inaugurado, em termos educacionais, o período da integração, inclusive na rede pública de ensino. A década de 90 sinalizou novamente, mudanças consideráveis na política educacional brasileira, resultando em novas perspectivas para a política de Educação Especial. A partir de então vivenciamos o contemporâneo, o momento da inclusão. Contexto educacional paranaense gestado por mobilizações e garantia de atendimento especializado Os referenciais normativos publicados no Brasil, durante a década de 90 e a partir de então, estavam em consonância com as mobilizações de outros países, vale considerar a realização de conferências e declarações que, em âmbito internacional, marcaram a década e influenciaram a formulação de políticas públicas orientadas à educação inclusiva em nosso país. (MENDES E TOSTA 2012) O tema da inclusão estava na pauta em várias conferências mundiais que, dentre outras questões, discutiam a necessidade da construção de uma escola ainda mais democrática, o que exigia dos sistemas e profissionais da educação, novos conceitos em relação à educação especial e as práticas pedagógicas ofertadas nas classes comuns de ensino regular. 1384

3 Alguns autores discutem essas questões de forma a contribuir com a aprendizagem de todos os alunos. Nesse sentido, Zorzi 3 considera importante a escola refletir sobre as condições existentes em seu interior, se estão sendo oferecidas para que os alunos aprendam. Segundo ele: [...] o melhor procedimento que a escola pode ter é o de acompanhar, com detalhes, o evoluir do processo de apropriação para compreender, de modo mais preciso, o que as dificuldades da criança podem estar significando. Deve, além disso, questionar-se a respeito de estar, ou não, oferecendo condições que realmente favoreçam a aprendizagem. Os programas pedagógicos devem contemplar aquelas crianças que possam apresentar maiores dificuldades, e não excluí-las [...] buscar meios ou soluções que contribuam para uma aprendizagem mais efetiva. Não basta, simplesmente, encaminhar tais crianças para alguma forma de tratamento, como se isso fosse um problema externo à escola (ZORZI, 1998, p. 105). O autor explica que o professor, chamado em sua obra de educador, tem um papel fundamental no processo de apropriação e aprofundamento do conhecimento. Assim, diz ele: Creio ser papel fundamental do educador valorizar a produção das crianças, mostrar-lhes as regras do jogo e fazê-las crer que estão conseguindo progredir. Acima de tudo, acreditar, ele próprio, que as crianças progridem (ZORZI,1998, p. 108). Nos demais estados brasileiros, tal como no Paraná, verificou-se por meio dos dados do censo escolar, que houve um aumento significativo de matrículas de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino fundamental, devido à inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais nas classes comuns. Hoje, segundo dados da Secretaria de Estado da Educação do Paraná, há cerca de alunos com algum tipo de necessidade educacional especial, sendo atendidos nas classes comuns do ensino regular. No Paraná, a proposta de uma política de inclusão responsável da Secretaria de Estado da Educação, a qual visa atender aos alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular, contempla programas de atendimento educacional especializado, os mesmos objetivam o apoio a aprendizagem dos alunos com NEE, proporcionando uma efetiva acessibilidade curricular: adaptações físicas, metodológicas, avaliativas, entre outras (PARANA, 2008a, 2008b, 2008c). O Estado do Paraná tem se destacado no cenário nacional, com a adoção de medidas para incluir nos sistemas educacionais todos os alunos, caracterizando assim a proposta em atender a universalidade contida na lei a qual garante educação para todos. Outros espaços educacionais e de cuidados, que já existiam, porém não eram reconhecidos como escolas, em meados de 2008 e 2009, foram oficialmente entendidos como espaços de escolarização e atendimento a alunos com deficiência e transtornos mentais no Paraná. Estes espaços foram reconhecidos como escolas depois de receberam um parecer favorável do Conselho Estadual de Educação para a mudança de denominação, passando a se chamarem Escolas de Educação Básica na Modalidade da 3 Autor do livro Aprender a escrever: a apropriação do sistema ortográfico. Seus escritos são elaborados mediante contato sistematizado com alunos que lhe são encaminhados pelas escolas, por psicólogos ou outros profissionais da educação, e que apresentam indicativos de problemas na alfabetização. (ZORZI, 1998). 1385

4 Educação Especial, e hoje integram a rede de escolas que ofertam a educação básica no Estado. Na mesma época, em 2008, o Ministério da Educação e Cultura lança como documento norteador para todo o território brasileiro, a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, seguida da Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009, que definem como competência dos sistemas de ensino, organizar a institucionalização dos espaços pedagógicos para o Atendimento Educacional Especializado - AEE. Estes documentos estabelecem que o AEE é um programa a ser realizado, prioritariamente, na sala de recursos multifuncionais da própria escola ou em outra escola de ensino regular, no turno inverso da escolarização regular, não sendo substitutivo às classes comuns, podendo ser realizado, também, em centro de Atendimento Educacional Especializado da rede pública ou de instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, conveniadas com a Secretaria de Educação ou órgão equivalente dos Estados, Distrito Federal ou dos Municípios (2009, Art. 5º, Res. nº 4). A implementação dos ambientes de AEE, em especial das Salas de Recursos Multifuncionais, acontece segundo o MEC/SEESP, em todo o território nacional, sendo uma orientação para a rede pública, em âmbito municipal e estadual, devendo ser preservadas as parcerias entre as Secretarias de Educação Estadual e Municipal. Esses espaços administrativos e pedagógicos serão responsáveis em assegurar aos alunos os espaços de AEE, trabalhando para a eliminação de barreiras físicas e arquitetônicas, bem como a criação de condições pedagógicas e de comunicação alternativa que possibilitem a plena participação de todos os alunos, tenham eles ou não algum tipo de necessidade educacional especial, em todas as atividades escolares e em igualdade de condições. Com o intuito de uniformizar as diretrizes de funcionamento dos espaços de AEE, a Secretaria de Educação Especial MEC/SEESP, elaborou um documento denominado Orientações para a Institucionalização na Escola, da Oferta do Atendimento Especializado AEE em Salas de Recursos Multifuncionais. No documento encontramos que, é dever da escola: [...] contemplar, no Projeto Político Pedagógico PPP da escola, a oferta do atendimento educacional especializado, com professor para o AEE, recursos e equipamentos específicos e condições de acessibilidade; construir o PPP considerando a flexibilidade da organização do AEE, realizado individualmente ou em pequenos grupos, conforme o Plano do AEE de cada aluno; matricular, no AEE realizado em sala de recursos multifuncionais, os alunos público alvo da educação especial matriculados em classes comuns da própria escola e os alunos da outra(s) escolas(s) de ensino regular, conforme demanda da rede de ensino; registrar, no Censo Escolar MEC/INEP, a matrícula de alunos público alvo da educação especial nas classes comuns; e as matrículas no AEE realizado na sala de recursos multifuncionais da escola; efetivar a articulação pedagógica entre os professores que atuam na sala de recursos multifuncionais e os professores das salas de aula comuns, a fim de promover as condições de participação e aprendizagem dos alunos; estabelecer redes de apoio e colaboração com as demais escolas da rede, as instituições de educação superior, os centros de AEE e outros, para promover a formação dos professores, o acesso a serviços e recursos de acessibilidade, 1386

5 a inclusão profissional dos alunos, a produção de materiais didáticos acessíveis e o desenvolvimento de estratégias pedagógicas; promover a participação dos alunos nas ações intersetoriais articuladas junto aos demais serviços públicos de saúde, assistência social, trabalho, direitos humanos, entre outros (MEC/SEESP, 2010, p. 04). Estes documentos, sustentados por diversos movimentos anteriores que contribuíram para a formação de políticas voltadas ao atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais, fazem parte de um movimento histórico que tem como o objetivo, materializar a chamada Educação Inclusiva. Autores como Jacobsen e Mori (2010), defendem que a Educação Inclusiva é um produto social, exige realidades educacionais contemporâneas e propõem práticas educativas as quais abandonem os estereótipos e preconceitos para a formação do sujeito em sua totalidade, sem distinção de suas diferenças, mas com a identificação e atendimento diferenciado para a promoção da apropriação do saber científico. No Paraná, além dos espaços de AEE que constam na atual política pública educacional, os atendimentos educacionais especializados são também disponibilizados em seis grandes áreas da educação especial. Os espaços contemplam a Área Intelectual, da Surdez, Visual, dos Transtornos Globais do Desenvolvimento, da Deficiência Física Neuromotora e das Altas Habilidades/Superdotação. São diferentes ações distribuídas na oferta de centros de atendimento especializado (área visual e da surdez), salas de recursos multifuncionais tipo I (área intelectual, das altas habilidades/superdotação) e tipo II (área visual), apoio de intérpretes de língua de sinais para alunos surdos e professores de apoio a comunicação alternativa, os quais atuam em sala de aula regular no atendimento aos alunos, com graves comprometimentos físico-motores e na fala, professor de apoio em sala de aula que atendem alunos com algum tipo de transtorno global do desenvolvimento, além de atendimento educacional no domicílio, em hospitais e em classes e escolas especiais. De acordo com Campos e Jacobsen (2012), no Brasil, o Estado do Paraná foi o pioneiro nas políticas educacionais especializadas, criando, em 1958, a primeira classe especial na rede pública, na cidade de Curitiba, e em 1963 criou o primeiro serviço de Educação Especial (PARANÁ, 2006). Evidenciamos que, no Paraná, anteriormente ao atendimento oferecido nas Salas de Recursos Multifuncionais, os alunos eram assistidos nas chamadas Classes Especiais, as mesmas funcionavam de forma substitutiva ao ensino comum. Entretanto, nem as Classes Especiais, nem atualmente, as Salas de Recursos Multifuncionais oferecem tranquilidade aos professores do ensino comum. Isto porque, constantemente tais professores das áreas do conhecimento reivindicam uma maior atuação do professor especialista, na perspectiva de atender também no contexto escolar de forma concomitante em relação aos professores das áreas do conhecimento científico, ou seja, junto com o professor da sala comum, apoiando e mediando em tempo real o processo de ensino e de aprendizagem do aluno no contexto da educação básica, em seu turno de aula. Despontando nas atuais políticas públicas educacionais sobre a inclusão escolar, o Estado do Paraná contempla hoje, dentre seus programas na área da educação especial 1387

6 um atendimento educacional especializado voltado também ao atendimento dos alunos dos anos finais do ensino fundamental e ensino médio que apresentam Transtornos Funcionais Específicos da Aprendizagem (TFE). Estes alunos são atendidos, em contraturno, por professores com especialização em educação especial, os quais atuam nas escolas da rede estadual de educação, nas Salas de Recursos Multifuncionais. A Instrução N 016/2011, da Secretaria de Estado da Educação/ Superintendência da Educação SEED/SUED, define: Sala de Recursos Multifuncional Tipo I, na Educação Básica é uma atendimento educacional especializado, de natureza pedagógica que complementa a escolarização de alunos que apresentam deficiência intelectual, deficiência física neuromotora, transtornos globais do desenvolvimento e transtornos funcionais específicos, matriculados na Rede Pública de Ensino (PARANÁ, 2011b, p. 01). O atendimento na Sala de Recursos Multifuncional Tipo I, dos educandos com indicativos de Transtornos Funcionais Específicos, acontece após o processo de avaliação no contexto escolar, o qual permite saber o que o aluno já aprendeu e quais são as dificuldades pedagógicas por ele apresentadas. Assim os distúrbios ou as dificuldades de aprendizagem acentuadas relacionadas à linguagem oral, escrita e cálculo, considerando-se as particularidades, levando em conta o ritmo de aprendizagem, os conhecimentos prévios e as dificuldades específicas em determinadas áreas do conhecimento, as quais podem ser consideradas as maiores queixas dos professores no ensino comum. Para tanto, a investigação acerca das dificuldades apresentadas pelo educando é realizada a partir do contexto escolar e complementada pela avaliação psicológica e também psicopedagógica e/ou fonoaudiológica, permitindo indicar se as dificuldades de aprendizagem se remetem aos transtornos funcionais específicos de aprendizagem como a dislexia, disgrafia, disortografia ou discalculia. As Salas de Recursos Multifuncionais para além das dificuldades de aprendizagem atendem também, alunos com indicativos de Altas Habilidades, (de modo que) por meio de projetos, oportunizam a suplementação das ações pedagógicas aos educandos que se destacam em uma ou mais áreas como na escolaridade, música, eletrônica, entre outras. O trabalho pedagógico organizado e desenvolvido na Sala de Recursos Multifuncional tem como objetivo apoiar os professores das diversas áreas do conhecimento e os alunos para que sejam internalizados os conteúdos escolares, de modo a favorecer o processo de ensino e aprendizagem, garantindo sua realização e oportunizando o desenvolvimento das potencialidades apresentadas pelos educandos. Dentre os AEEs propostos pela Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, destaca-se a Sala de Recursos Multifuncional Tipo II, a qual privilegia o atendimento de alunos cegos ou com baixa visão. Este espaço tem recebido os materiais necessários ao atendimento dos alunos, como: lupas, telelupas, softwaers com tecnologia assistiva, computadores, jogos, entre outros materiais pedagógicos e de acessibilidade. Nesta mesma linha, e com o intuito de oportunizar o suporte ao trabalho pedagógico do ensino comum, os educandos que apresentam surdez, baixa visão, cegueira e surdo- 1388

7 cegueira podem ser atendidos nos Centros de Atendimento Especializados. Esses centros atendem também a comunidade em geral das mais diferentes faixas etárias e não somente os devidamente matriculados na educação básica. Assim, na área visual, são atendidos desde os bebês que por vezes já, no momento do nascimento adquirem problemas acentuados de visão, como também jovens e adultos cursando ou não o ensino superior, ou fora da escola e ainda idosos que apresentarem perda parcial ou total de visão. Na área da surdez, os alunos contam (ainda) com o professor-intérprete em sala de aula, auxiliando na apropriação dos conteúdos trabalhados no ensino comum. Atualmente, de acordo com dados do Ministério da Educação existem, no Paraná, aproximadamente 3788 Salas de Recursos Multifuncionais. Este trabalho é realizado por professor especializado na área da educação especial, no horário contrário à escolarização, para alunos regularmente matriculados na Educação Básica. Os professores que atuam nos espaços de AEE participam de cursos de capacitação ou formação em ação oferecidos pela Secretaria Estadual da Educação do Paraná (SEED) nos 32 Núcleos Regionais de Educação espalhados pelo estado. Esta formação em ação visa a complementação de estudos teóricos e práticos, por meio da busca de referenciais nacionais e internacionais, de pesquisadores e suas obras nas áreas de educação e saúde mental que contribuam com a implementação do trabalho desafiador e complexo de atendimento aos alunos com deficiência ou transtorno global do desenvolvimento (TGD) e, ao mesmo tempo auxiliem os demais professores com possibilidades de atendimento desses alunos no ensino comum. O Programa denominado Professor de Apoio em Sala de Aula, iniciou-se no Estado do Paraná em 2009, diante das sugestões e apontamentos de pedagogos e professores das disciplinas curriculares. A Secretaria Estadual de Educação do Paraná, respaldada pelo Conselho Estadual de Educação, implementou este atendimento educacional especializado inédito, com atuação de professor especialista no contexto do ensino comum, voltado ao aluno com TGD. A normatização legal se fez por meio da Instrução 04/12 (SUED/SEED, 2012) a qual estabelece critérios para a efetiva solicitação da abertura de demanda e suprimento do Professor de Apoio em Sala de Aula, a fim de atuar com alunos de Transtornos Globais do Desenvolvimento no Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos. A referida Instrução define o alunado a ser atendido pelo Professor de Apoio em Sala de Aula bem como define as atribuições deste profissional da educação, destacando ser este um professor da educação especial que: [...] atua no contexto da sala de aula, nos estabelecimentos do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos, para atendimento a alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (PARANÁ, p. 01). Dentre as atribuições deste profissional, evidencia-se a necessidade de domínio do conhecimento prévio dos conteúdos das áreas do conhecimento. O professor especialista deve também participar do planejamento, contribuindo com o professor da classe comum, orientando e apoiando a realização de adaptações curriculares e arquitetônicas, sempre que necessário, para que o aluno com TGD tenha acesso aos conhecimentos 1389

8 científicos das áreas. Deve ainda propiciar a integração entre os alunos com TGD e os demais alunos, viabilizando a participação e autonomia do aluno nas diversas situações de aprendizagem e em todas as atividades extraclasse. Outra função importante a ser desempenhada pelo Professor de Apoio em Sala de Aula é a de estabelecer contínuo contato com profissionais da saúde os quais prestem atendimento ao aluno com TGD e sua família. É necessária para a autorização de funcionamento do programa nas escolas, primeiramente uma avaliação pedagógica no contexto escolar, a qual deve envolver o professor da classe comum, o professor especialista, a equipe pedagógica e da Secretaria Estadual da Educação do Paraná, quando necessário. Esta avaliação deve ser complementada por profissionais da área da saúde que acompanham o aluno ou requisitados apenas para a avaliação. Após autorizado o programa pelo Departamento de Educação Especial e Inclusão Educacional da Secretaria Estadual da Educação, o professor começa a atuar junto ao aluno com Transtorno Global do Desenvolvimento, procurando contribuir com possíveis avanços cognitivos e no processo de adaptação do aluno ao contexto educacional. Na área da Deficiência Física Neuromotora, também é oferecido ao aluno um professor, denominado de Professor de Apoio à Comunicação Alternativa. Este profissional da educação especial atende o aluno que apresenta algum tipo de deficiência física ou física neuromotora, impedido de comunicar-se quer por meio da linguagem, ou da escrita. Assim o professor especializado auxilia e orienta o aluno, no contexto do ensino comum, proporcionando uma comunicação aumentativa ou alternativa. Vale destacar novamente que o atendimento do professor especialista para educandos com Transtornos Globais do Desenvolvimento e com Deficiência Física Neuromotora, acontece na sala de aula do ensino comum, junto com o professores das disciplinas. Estes alunos também podem receber de maneira concomitante, no Estado do Paraná, outro atendimento especializado em contraturno, no espaço pedagógico da Sala de Recursos Multifuncional Tipo I. Há também, dentre os atendimentos oferecidos para educandos com graves impedimentos/especificidades, o programa denominado de Serviço de Apoio à Rede de Escolarização Hospitalar (SAREH), que oportuniza ao aluno impedido de estar no ambiente escolar por motivo de enfermidade, receber atividades escolares, quer no hospital ou no domicílio. Nesta perspectiva, os espaços de AEE, que no Paraná foram ampliados de forma significativa, visam possibilitar ao educando serviços, recursos de acessibilidade e estratégias que contribuam para a eliminação de barreiras as quais dificultam ou impossibilitam a aprendizagem. Tais programas tornam-se fundamentais como meios didático-pedagógicos, quando pensamos na escola em uma dimensão inclusiva, isto é, se ocupa com as condições estruturais e pedagógicas disponibilizadas para todos os alunos. Evidenciou-se o fato de que, gradativamente, emergiu a necessidade da Secretaria de Estado da Educação - SEED ampliar seu quadro de professores especialistas em educação especial e inclusão educacional, uma vez que para atuar como professor da 1390

9 educação especial no Estado do Paraná é necessário o professor possuir habilitação em Educação Especial, em nível médio (estudos adicionais) ou superior (graduação, especialização, mestrado ou doutorado). Em 2003, a SEED realizou o primeiro concurso público para professores da educação especial, o qual possibilitou um aumento considerável no atendimento educacional especializado no contexto das escolas estaduais, permitindo também às escolas especiais que mantinham especiais mantém até hoje um amplo convênio com governo do estado do Paraná um convênio com a SEED terem professores da rede estadual do Quadro Próprio do Magistério, de forma permanente, em seu quadro funcional. Outra ação pioneira do Paraná ocorreu em meados de 2008 e 2009 quando a modificação das Escolas Especiais mantidas pelas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais com convênios estabelecidos com a Secretaria de Estado da Educação, Secretarias Municipais de Educação e com o Sistema Único de Saúde. Essas escolas receberam a denominação de Escolas de Educação Básica na Modalidade da Educação Especial e passaram a integrar a rede de escolas que ofertam a educação básica no Paraná, o que tem demandado da Secretaria de Estado da Educação um aumento significativo de número de professores cedidos à estas escolas por meio de um convênio entre as associações e o estado do Paraná. Este fato, considerado um marco histórico em nosso país, tem modificado consideravelmente o trabalho pedagógico e administrativo realizado pelas escolas as quais atendem exclusivamente os alunos com algum tipo de deficiência ou transtorno global do desenvolvimento. Atualmente o Paraná possui 399 municípios distribuídos geograficamente pelo estado e 399 Escolas de Educação Básica na Modalidade da Educação Especial. A Secretaria de Estado da Educação do Paraná maximizou sua responsabilidade em relação à esses estabelecimentos de ensino e aprendizagem, com a incumbência de orientar, acompanhar e assessorar a implementação e o cotidiano dessas escolas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nos documentos oficiais observa-se a preocupação com a efetivação da inclusão educacional. Tais documentos preconizam a necessidade de se consolidar a matrícula de todas as crianças, tendo elas ou não algum tipo de necessidade educacional especial, nas classes comuns do ensino regular. Isto, como forma de minimizar a discriminação e de fomentar o convívio entre os alunos, desta forma, atender a universalização da educação. Nesta perspectiva, pode-se inferir que a Secretaria de Estado da Educação do Paraná tem proposto políticas públicas que oportunizam a oferta de apoios educacionais especializados, no contexto das classes comuns do ensino regular, e nas escolas de educação básica na modalidade da educação especial. A oferta de atendimento educacional especializado, por si só não garante o sucesso acadêmico dos educandos com necessidades educacionais especiais, é preciso que haja um trabalho em rede com a participação da família, da equipe pedagógica da escola e demais áreas que são necessárias para garantir o melhor desempenho no processo de 1391

10 ensino e aprendizagem, favorecendo o acesso e permanência desses alunos no contexto escolar e nos serviços e apoios pedagógicos especializados. Apesar da política de inclusão educacional do Estado do Paraná é importante que haja, a melhoria na qualidade dos Atendimentos Educacionais Especializados de modo às ações oferecidas pelo sistema de educação, subsidiem a prática docente, oportunizando a busca por novos conhecimentos, troca de experiências e práticas pedagógicas que possibilitem o avanço em relação a metodologias, as quais favoreçam intervenções, propiciem ao aluno, avanço no desenvolvimento escolar, bem como o estabelecimento de uma relação professor-aluno que privilegie o acesso ao saber. REFERÊNCIAS BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial. Decreto nº 6.571/2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br> Acesso em 25 de maio de Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB nº 013/2009. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br> Acesso em 31 de maio de Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Secretaria de Educação Especial MEC/SEESP, Disponível em: <www.mec.gov.br/seesp>. Acesso em 16.jun Orientações para a Institucionalização na Escola, da Oferta do Atendimento Educacional Especializado AEE em Salas de Recursos Multifuncionais. Secretaria de Educação Especial MEC/SEESP, Resolução Nº 4, de 2 de outubro de Institui as Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, na modalidade Educação Especial. Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Básica. Disponível em: <portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf>. Acesso em 16.jun MENDES, Edson Jr e TOSTA, Estela Inês Leite. 50 Anos de Políticas de Educação Especial no Brasil: movimentos, avanços e retrocessos. UFRGS, ANPED SUL 2012 MORI, N.N.R. e JACOBSEN, C.C. Atendimento educacional especializado no contexto da educação básica. Maringá: Eduem, PARANÁ. Instrução n. 016 de 22 de novembro de Estabelece critérios para o atendimento educacional especializado em Sala de Recursos Multifuncional Tipo I,na Educação Básica Área da deficiência intelectual, deficiência física 1392

11 neuromotora,transtornos globais do desenvolvimento e transtornos funcionais específicos. Curitiba: SUED/SEED, 2011b.. Instrução n. 004 de 07 de fevereiro de Estabelece critérios para solicitação de Professor de Apoio Educacional Especializado na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento na Educação Básica e Educação de Jovens e Adultos. Curitiba: SUED/SEED, ZORZI, J. L. Aprender a escrever: a apropriação do sistema ortográfico. Porto Alegre: Artes Médicas,

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial DIRETRIZES OPERACIONAIS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO BÁSICA O Ministério da Educação, por intermédio

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Resolução Nº 02, de 14 de julho de 2010. Regulamenta implementação, no Sistema Municipal de Ensino, do disposto na Resolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Constituição Federal/88 Artigo 208, III - atendimento preferencialmente

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Pearson Education do Brasil Orientações aos Municípios para Solicitação de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Outubro de 2012 Apresentação Este documento oferece orientações para que os gestores

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4º andar, sala 412

Leia mais

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 9/2010 Data:

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME 4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME Mata de São João Bahia 02 de setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Diretoria

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADA: Associação Pestalozzi do Ceará EMENTA: Credencia e autoriza o funcionamento da Associação Pestalozzi do Ceará, nesta capital, como Centro de Atendimento Educacional Especializado para complementar

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS ESPECIAIS DE ENSINO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A Política

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

Data: 10/05/2013 Assunto: Orientação à atuação dos Centros de AEE, na perspectiva da educação inclusiva

Data: 10/05/2013 Assunto: Orientação à atuação dos Centros de AEE, na perspectiva da educação inclusiva MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4º andar, sala 412

Leia mais

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR Emylaine Maria Graciano de Souza (PIBIC Jr/CNPq), Gyovana Persinato Inoue (PIBIC Jr/CNPq), Heloísa

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008)

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Público-alvo da Educação Especial Alunos com: surdez deficiência física, intelectual cegueira, baixa visão, surdocegueira

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO INSTRUÇÃO N 020/2010 - SUED/SEED

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO INSTRUÇÃO N 020/2010 - SUED/SEED INSTRUÇÃO N 020/2010 - SUED/SEED Assunto: orientações para organização e funcionamento do Atendimento Educacional Especializado na Área da Deficiência Visual. A Superintendente da Educação, no uso de suas

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

GICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

GICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Campus Curitiba NAPNE UTFPR Núcleo de Atendimento à Pessoas com Necessidades Específicas DOCUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 436/2012

RESOLUÇÃO Nº 436/2012 RESOLUÇÃO Nº 436/2012 Fixa normas para a Educação Especial e para o Atendimento Educacional Especializado AEE - dos alunos com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento TGD, Altas Habilidades/Superdotação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOCOCA ESTADO DE SÃO PAULO Departamento de Educação

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOCOCA ESTADO DE SÃO PAULO Departamento de Educação RESOLUÇÃO Nº 001, de 10 de setembro de 2012 do Departamento de Educação da Prefeitura Municipal de Mococa. Regulamenta a inclusão de alunos especiais nas classes regulares da Rede Municipal de Ensino de

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Convenção Sobre os Direitos it das Pessoas com Deficiência(ONU

Leia mais

a) F, V, V, V. b) V, F, F, V. c) F, F, V, F. d) V, V, F, V. e) F, V, V, F.

a) F, V, V, V. b) V, F, F, V. c) F, F, V, F. d) V, V, F, V. e) F, V, V, F. Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior Atendimento Educacional Especializado 31) De acordo com as diretrizes da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, analise

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008)

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Atendimento Educacional Especializado AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Conceito O Atendimento Educacional Especializado - AEE É um serviço

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

EDUCAÇÃO ESPECIAL II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO ESPECIAL I - META 4 DO PNE: Universalizar, para a população de 4 a 17 anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, o acesso à educação básica

Leia mais

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Nível

Leia mais

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF META 4 Universalizar o atendimento educacional aos estudantes com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, independente da idade, garantindo a inclusão na

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br Ofício Nº 002/10 EXMA PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Sra. Clélia Brandão Alvarenga Craveiro Porto Alegre, 10 de março de 2010 O Conselho

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA. ANDREA MALMEGRIM ELIAS (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA), JORDANA DE SOUZA SEHNEM ALVES (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA).

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis/SC visa garantir as condições de o aluno, com deficiência

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado - AEE

Atendimento Educacional Especializado - AEE Atendimento Educacional Especializado - AEE Segundo o texto da Política de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC; 01/2008 Educação Especial É uma modalidade de ensino que perpassa todos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO Meta 4: universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 05 /2009 Fixa normas relativas à educação das pessoas com necessidades educacionais especiais no Sistema Municipal de Ensino do Natal/RN. O CONSELHO

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da Classe Especial nas séries iniciais do Ensino Fundamental, na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. A Superintendente

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS.

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. Leonice Vieira de Jesus Paixão UNIMONTES- Universidade Estadual de Montes

Leia mais

1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS

1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS 1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS 01) Ampliar e implantar nas universidades públicas e privadas o curso de graduação Letras Libras/ Língua Portuguesa, Curso de Pedagogia Bilíngue na perspectiva da educação

Leia mais

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL EDUCAÇÃO ESPECIAL 20 21 EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA A Educação Especial, de acordo com a legislação brasileira, é uma modalidade de ensino transversal, que perpassa todos os níveis de ensino

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação Especial

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação Especial MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Coordenação Geral de Políticas Pedagógicas de Educação Especial

Leia mais

Art. 1º A presente Resolução dispõe sobre a educação especial na educação básica no Estado de Minas Gerais e dá outras providências.

Art. 1º A presente Resolução dispõe sobre a educação especial na educação básica no Estado de Minas Gerais e dá outras providências. RESOLUÇÃO CEE Nº 460, de 12 de dezembro de 2013 Consolida normas sobre a Educação Especial na Educação Básica, no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais, e dá outras providências O Presidente do Conselho

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profª Drª Sonia Maria Rodrigues INICIANDO NOSSA CONVERSA - Música Vagalume em Libras INCLUSÃO LEGAL Legislação que respalda a política de Educação Inclusiva (nacional e estadual) Leitura

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAL - TIPO I - DI, DFN, TGD e TFE.

PROPOSTA PEDAGOGICA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAL - TIPO I - DI, DFN, TGD e TFE. COL. EST. PADRE ÂNGELO CASAGRANDE -ENS. FUND., MÉDIO E NORMAL Autorização de Funcionamento do Estab.: Decreto 1354/79 D.O.E. de 29/10/79 Reconhecimento do Estabelecimento: Resolução 67/82 D.O.E. de 27/01/82

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE 2009/2010 I. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Fonte: MEC/SEE - Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva O que é a Educação

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org Ofício Nº 05/2013 Ref. : Resolução CME/CEINC Nº 11, de 26/10/2011 Ao Conselho Municipal de Educação de São Leopoldo Ilma. Zaira Carina Corneli Presidenta

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Nota Técnica: Política Nacional de Educação Especial Com objetivo de esclarecer sobre a elaboração da nova Política Nacional de Educação Especial,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CEE/MS N 9367, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010.

DELIBERAÇÃO CEE/MS N 9367, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010. DELIBERAÇÃO CEE/MS N 9367, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010. Dispõe sobre o Atendimento Educacional Especializado na educação básica, modalidade educação especial, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso

Leia mais

Orientação às Famílias

Orientação às Famílias Ministério da Educação Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Cartilha Orientação às Famílias Brasília, 10 de agosto de 2012. 1 Presidência da República Ministério da

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA POLITICA À PRATICA NA ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA POLITICA À PRATICA NA ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA POLITICA À PRATICA NA ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS Tamara França de Almeida; Roberta Pires Corrêa; Márcia Denise Pletsch Universidade Federal Rural

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA OCORRIDA EM ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM LONDRINA

ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA OCORRIDA EM ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM LONDRINA ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA OCORRIDA EM ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM LONDRINA GODOY,Shirley Alves -NRE/Londrina 1 shirley.alvesgodoy@gmail.com Eixo Temático: Pedagogia

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL TERMO DE REFERÊNCIA N.º e Título do Projeto Projeto OEI BRA/08/003

Leia mais

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO E ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO VANESSA PINHEIRO profvanessapinheiro@gmail.com

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva - SEESP/MEC (2008) CONCEITO É um serviço da educação

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Instituto Municipal Helena Antipoff Educação Especial no Município do Rio de

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Audiência Pública As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância Dados globais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO-GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA Orientação para

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

Atenciosamente, Andrea Asti Severo Marilu Mourão Pereira Roque Bakof Coordenação de Pesquisa Diretora Técnica Presidente

Atenciosamente, Andrea Asti Severo Marilu Mourão Pereira Roque Bakof Coordenação de Pesquisa Diretora Técnica Presidente Mapeamento da realidade municipal e regional sobre acessibilidade e inclusão CARTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimo Senhor Prefeito A FADERS Acessibilidade e Inclusão, órgão gestor e articulador da política

Leia mais

Diário Oficial nº : 25737 Data de publicação: 03/02/2012 Matéria nº : 460804

Diário Oficial nº : 25737 Data de publicação: 03/02/2012 Matéria nº : 460804 Diário Oficial nº : 25737 Data de publicação: 03/02/2012 Matéria nº : 460804 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2012-CEE/MT Fixa normas para oferta da Educação Especial na Educação Básica do Sistema Estadual de

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE 1 EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE Msc. Chrystiane Vasconcelos Andrade Toscano Universidade Tiradentes e Secretaria de Estado da Educação de Sergipe chrystoscano@yahoo.com.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 02/2010

TERMO DE REFERÊNCIA 02/2010 TERMO DE REFERÊNCIA 02/2010 PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE MINORIAS ÉTNICAS E SOCIAIS DELIBERAÇÃO Nº 291, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004. Estabelece normas

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO CME/THE N 003 de 15 de abril 2010 Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino de Teresina e revoga a Resolução CME/THE Nº 003, de 06 de abril de 2006.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum Prefeitura Municipal de Joinville 152.andreia@gmail.com Introdução e Fundamentação Teórica Nos últimos anos, as Salas de Recursos Multifuncionais

Leia mais

Rua Alcides Lourenço da Rocha, 167 10ºandar Brooklin 04571-110 São Paulo/SP

Rua Alcides Lourenço da Rocha, 167 10ºandar Brooklin 04571-110 São Paulo/SP PRINCIPAIS RELAÇÕES DE PROGRAMAS FEDERAIS DISPONIBILIZADOS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC Sobre o material Este material apresenta os programas desenvolvidos especificamente pela Secretaria de Educação

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da prática eficaz Desde 1988, o Centro

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

O PAPEL DA TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR ÀS POSSIBILIDADES E DIFICULDADES

O PAPEL DA TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR ÀS POSSIBILIDADES E DIFICULDADES O PAPEL DA TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR ÀS POSSIBILIDADES E DIFICULDADES ANDREZA APARECIDA POLIA 1 MARIA DA CONCEIÇÃO NARKHIRA PEREIRA 2 LEILANE BENTO DE ARAÚJO MENESES 3 KARL MARX

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL ANTUNES, Clarice Filipin de Castro (UNIOESTE) 1 ROSSETTO, Elisabeth (Orientadora/UNIOESTE)

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO Resolução/CD/FNDE nº 19, de 21 de maio de 2013. Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais