ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR"

Transcrição

1 ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR Emylaine Maria Graciano de Souza (PIBIC Jr/CNPq), Gyovana Persinato Inoue (PIBIC Jr/CNPq), Heloísa Serafim de Souza (PIBIC Jr/CNPq), Letícia Palazzio (PIBIC Jr/CNPq), Maria Eduarda Diniz Ferreira (PIBIC Jr/CNPq), Mariana Zácari Dolce, Nathalia Mendes, Ana Rita Levandovski (Orientadora), Marilia Bazan Blanco (orientadora) Roberta Negrão de Araújo (orientadora) Universidade Estadual do Norte do Paraná/Campus Cornélio Procópio. Ciências Humanas, Educação, Educação Especial. Palavras-chave: educação especial, inclusão, rede de apoio. Resumo A legislação brasileira tem buscado proporcionar aos alunos com necessidades educacionais especiais os mesmos direitos e benefícios dos demais alunos. Os serviços de apoio pedagógico especializado se realizam no contexto da sala de aula, ou em contra turno, e quando realizados em classes especiais ou em instituições especializadas da rede pública ou conveniadas, são denominados serviços especializados. O presente trabalho apresenta como objetivo analisar como é o atendimento das crianças com necessidades educacionais especiais (NEE) no município de Cornélio Procópio-PR, por meio de entrevista semiestruturada com as técnicas pedagógicas da educação especial do Núcleo Regional de Educação de Cornélio Procópio. Pode-se concluir que no município atende-se a política estadual de Educação Especial, caracterizada pela inclusão responsável, com atendimentos tanto na escola regular quanto na escola na modalidade especial. Destaca-se a importância da avaliação multiprofissional, para que um encaminhamento adequado seja realizado. Embora ainda necessite de muitas melhorias, principalmente arquitetônicas, e precise contar com o atendimento do SUS para a avaliação multiprofissional, o atendimento das crianças com necessidades educacionais especiais tem caminhado no sentido de assegurar o direito de escolarização a todas as crianças. Introdução A legislação brasileira tem buscado proporcionar aos alunos com necessidades educacionais especiais os mesmos direitos e benefícios dos demais alunos. A Constituição Federal (BRASIL, 1988) em seu Art. 208, inciso III, afirma que a escola deve oferecer atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino. A Lei de Diretrizes e Bases de Educação Nacional (LDBEN) nº 9.394/96 (BRASIL, 1996), define a Educação Especial da seguinte forma: Entende-se por educação especial, [...], a modalidade de educação escolar, oferecida preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos portadores de necessidades especiais.

2 Segundo as Diretrizes Curriculares da Educação Especial para a Construção de Currículos Inclusivos (PARANÁ, 2006), entende-se por rede de apoio o conjunto de serviços, ofertados pela escola e comunidade em geral, para dar respostas educativas às dificuldades de aprendizagem apresentadas pelos alunos com necessidades educacionais especiais (p.53), e se destinam ao atendimento de alunos com deficiência intelectual, visual, física neuromotora e surdez; condutas típicas de síndromes e quadros neurológicos, psicológicos graves e psiquiátricos ou com altas habilidades/superdotação. Os serviços de apoio pedagógico especializado se realizam no contexto da sala de aula, ou em contra turno. Quando realizados em classes especiais, ou em instituições especializadas da rede pública ou conveniada, são denominados serviços especializados, conforme previsto na legislação (Resolução CNE/CEB n. 01/02 e Del. CEE 02/03 apud PARANA, 2006). Ainda segundo as referidas diretrizes (PARANÁ, 2006), alguns serviços de apoio pedagógico especializado ofertado pela SEED/DEE, no contexto regular de ensino são: 1) Profissional intérprete de libras/língua portuguesa para surdos; 2) Professor de apoio permanente para alunos com deficiência física neuromotora, com graves comprometimentos na comunicação e locomoção; 3) Sala de Recursos para alunos com deficiência mental, distúrbios de aprendizagem e altas habilidades e superdotação, matriculados no Ensino Fundamental; 4) Centro de Atendimento Especializado (CAE), nas áreas da surdez e deficiência visual; 5) Centro de Apoio Pedagógico para atendimento às pessoas com deficiência visual (CAP); 6) Classes de educação bilíngue para surdos, matriculados nas séries iniciais, denominadas Programa de escolaridade regular com atendimento especializado (PERAE); 7) Classe especial para alunos com deficiência mental e condutas típicas; 8) Escolas Especiais; 9) Classes hospitalares e 10) Atendimento domiciliar. De acordo com as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica (BRASIL, 2001) os serviços de apoio pedagógico especializado podem ocorrer na escola regular, contando com a participação dos professores das classes comuns, sala de recursos, itinerância (professores especializados que fazem visitas periódicas às escolas, para trabalhar com alunos ou professores) e professores intérpretes. Frente a esta realidade, o presente trabalho apresenta como objetivo analisar como é o atendimento das crianças com necessidades educacionais especiais (NEE) no município de Cornélio Procópio-PR. Material e métodos A presente pesquisa tem caráter exploratório, e foi realizada por meio de entrevista semiestruturada com as técnicas pedagógicas da educação especial do Núcleo Regional de Educação de Cornélio Procópio (T1 e T2). As entrevistas foram gravadas e depois transcritas, e os resultados analisados qualitativamente. Resultados e Discussão Em relação à avaliação e atendimento das crianças com NEE no município, realiza-se primeiramente a avaliação pedagógica e então, avaliação multiprofissional ou clínica, sendo realizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS), na escola especial ou então por meio de parcerias. - Primeiramente, é uma avaliação pedagógica, para identificar quais são as necessidades educacionais. Uma vez identificadas essas necessidades educacionais, dependendo do perfil que esse aluno apresenta, eu vou buscar os profissionais e às vezes até mesmo na área da saúde. No caso de uma pessoa que eu levanto algumas hipóteses de deficiência intelectual eu vou precisar confirmar isso com o psicólogo, no caso de um aluno que eu observo que ele tem uma perda auditiva eu vou precisar do profissional específico com exames clínicos específicos (T1).

3 - A gente tem que buscar o serviço público, às vezes com parcerias. A escola especial tem o profissional lá dentro, e as vezes fornece para atender o aluno. A equipe multiprofissional é uma necessidade real, mas que a gente ainda não tem (T1). - A partir do trabalho das escolas, com toda essa conscientização sobre os direitos da criança e do adolescente, temos conseguido o atendimento prioritário. Se precisamos por, exemplo, de uma fono e não conseguimos o atendimento, então não é uma responsabilidade da educação, não ter o profissional, é uma responsabilidade da saúde, então, se não tem, o poder público tem que buscar o mecanismo para que haja [...] A partir do momento que a gente consegue essa articulação nos municípios, isso flui muito bem, mas têm municípios que esse processo é um pouquinho mais difícil, então o conselho tutelar tem um papel muito importante, porque a gente consegue ir até um ponto (T2). - De acordo com o parecer 07/2014, primeiro a questão da avaliação a gente segue a Deliberação 02 e o Parecer 07 então eles são avaliados pela parte pedagógica e pela equipe multiprofissional. O que é bem importante a gente esclarecer: eu tenho um deficiente intelectual que ele tem diferentes tipos de encaminhamento, então eu posso pensar de colocar ele numa classe especial, uma sala de recurso ou para a escola na modalidade especial. A mesma coisa no caso de um deficiente físico neuromotor, posso pensar nele para o professor de apoio de comunicação alternativa, uma sala de recurso e se tiver associado a deficiência múltipla, uma escola na modalidade. Então essa avaliação tem que ser minuciosa, porque tem que entender todas as questões, todas as habilidades adaptativas porque isso vai distinguir em qual serviço o aluno vai, por isso a importância da equipe multiprofissional (T1). Em relação a matricula na escola especial, T2 relata: - Elas já chegam com algum diagnóstico, mas para fazer a matrícula é preciso passar por uma avaliação e quem faz essa avaliação é a escola. Quando questionadas sobre a obrigatoriedade da matrícula de crianças com NEE, afirmaram que, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, se eles estão em idade escolar, tem o direito de estar numa instituição de ensino, independente se essa instituição é regular ou uma instituição especializada. - Então, eles tem o direito e a família tem a obrigatoriedade da matrícula. A não ser em casos extremamente severos [...] por exemplo, caso de um aluno com transtorno global do desenvolvimento, com surtos, com um comportamento muito agressivo e o psiquiatra pediu afastamento dele por tempo indeterminado. Diante desse afastamento o estabelecimento de ensino fez um comunicado ao Ministério Público porque que ele estava afastado (T2). Sobre a matrícula na escola regular ou na modalidade especial, relataram que a família tem autonomia para escolher. No entanto, precisam respeitar o Parecer 07/ A família tem autonomia. Vamos supor uma mãe que quer matricular seu filho na escola regular. Por mais que o quadro seja grave a gente respeita a autonomia da família. Só que a gente também tem o inverso, casos que não são tão graves, mas que querem ir para a escola especial. Nesse caso da entrada para a escola especial é um pouquinho diferente, porque tem o parecer 07/2014 que reorganizou essa estrutura escolar e eu tenho um público alvo para essa instituição. Em relação ao funcionamento da escola de educação básica na modalidade educação especial, mencionaram o convênio com o SUS e também as mudanças ocorridas a partir do Parecer 07/ A instituição APAE, que é o mantenedor, tem o convênio com o SUS e com a Secretária do Estado da Educação. Elas não são escolas estaduais, elas tem convênio com a SEED e com o SUS, que garante profissionais como fonoaudiólogo, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, neurologista, que vão atender o aluno matriculado na instituição.

4 - Pelo Parecer 07/2014 houve uma organização administrativa e pedagógica.porque antes eu tinha denominada escola especial e agora a gente tem uma escola de educação básica na modalidade. Embora a escola especial ofertasse escolaridade ela não tinha essa organização pedagógica que a gente tem hoje [...] por exemplo, os alunos da EJA [...] a gente tem a organização de números de alunos por turma, a questão da idade, em qual programa que ele vai estar, e organizou o público alvo (T1). - No caso das etapas da aprovação, hoje a instituição está organizada em dois ciclos: o primeiro ciclo é um primeiro ano na escola regular, e o segundo ciclo é o segundo ano da escola regular. O primeiro ciclo são 4anos/etapas, ou seja, eu vou fazer um ciclo que corresponde ao primeiro ano em 4 anos, e depois o segundo em 6 anos. De uma etapa para outra eu não tenho retenção por nota, por aprendizagem, somente por frequência. E de um ciclo para o outro também não tem retenção, a progressão é automática, ele não vai ser retido, a não ser que ele não tenha frequência mínima de 75%. No que diz respeito à especialização para atuar na escola especial, relataram que a graduação pode variar (Geografia, Matemática, Educação Física, entre outras), mas precisam da pós graduação em Educação Especial. No que tange ao atendimento das crianças com NEE nas escolas regulares, comentaram sobre os atendimentos em classe especial e sala de recursos, atendimento individualizado com professor de apoio e as alterações estruturais, visando maior acessibilidade. - A gente já tem alguns programas junto com o governo federal, o chamado Escola Acessível, que as escolas são contempladas com a questão arquitetônica. A escola recebe um recurso financeiro a partir do momento que ela tem o aluno público alvo matriculado [...] a escola pode até fazer uma adaptação física ou comprar, por exemplo, um bebedouro ou recurso de tecnologia (T2). - A questão de mobiliário, o Estado tem ofertado isso. Então, todos nossos alunos tem carteira adaptada, tem notebook, tem computador com impressora. Mas assim, isso vai depender de aluno para aluno, porque nem todo aluno com deficiência física neuromotora tem condição de utilizar o equipamento e, outros precisam de outros equipamentos, como de comunicação alternativa. Na estrutura temos muito o que melhorar. A maioria dos nossos estabelecimentos de ensino são em prédios muito antigos [...] por exemplo, aqueles prédios tem aquelas escadarias enormes, que para fazer uma adaptação não é uma questão tão simples (T2). - Os alunos que vão ter direito ao professor de apoio em sala é o aluno com deficiência física neuromotora, que no caso esse profissional vai chamar professor de apoio a comunicação alternativa, e o aluno com transtorno global do desenvolvimento, porque ele vai ter um professor de apoio especializado em sala. A docência, a explicação de conteúdo, a responsabilidade de ministrar aula continua sendo do professor regente das disciplinas. Então ele vai fazer essa ponte, o que esse aluno precisa para ter acesso ao conhecimento. Em relação aos atendimentos em sala de recursos, T1 mencionou um grande número de casos de TDAH. - A gente tem um número muito grande de alunos com transtornos de déficit de atenção e hiperatividade. Numa sala de recurso, pela instrução 016/2011 eu posso atender os alunos com deficiência intelectual, com transtorno global do desenvolvimento, com deficiência física neuromotora e com transtorno funcional específico, que vai entrar a dislexia, discalculia, disgrafia e o TDAH (T1). Quando questionadas sobre a inclusão, T2 mencionou a inclusão responsável. -Nós temos ressalvas da inclusão total, então a gente parte da política estadual [...] a gente vai pela inclusão responsável [...] na perspectiva que a gente acredita que é a inclusão responsável, ele tem o direito de estar em uma instituição/estabelecimento de ensino mas eu preciso criar um rede de apoio pra ele, e essa rede vai desde uma adaptação física, um espaço, mobiliário, um equipamento até um profissional ou uma sala ou serviço, um

5 atendimento educacional especializado específico, uma sala de recurso. Pensando no acesso e na permanência, não só ofertar o acesso, mas tem que garantir, prover essa permanência com todos esses aspectos. Dessa forma, de acordo com os dados apresentados, pode-se concluir que no município de Cornélio Procópio atende-se a política estadual de Educação Especial, caracterizada pela inclusão responsável, com atendimentos tanto na escola regular quanto na escola na modalidade especial. Destaca-se a importância da avaliação multiprofissional, para que um encaminhamento adequado seja realizado. Embora ainda necessite de muitas melhorias, principalmente arquitetônicas, e precise contar com o atendimento do SUS para a avaliação multiprofissional, o atendimento as crianças com necessidades educacionais especiais têm caminhado no sentido de assegurar o direito de escolarização a todas as crianças. Conclusões No Estado do Paraná o atendimento das crianças com necessidades educacionais especiais pode se dar pelos seguintes serviços: 1)Profissional intérprete de libras/língua portuguesa para surdos; 2) Professor de apoio permanente para alunos com deficiência física neuromotora, com graves comprometimentos na comunicação e locomoção; 3) Sala de Recursos para alunos com deficiência mental, distúrbios de aprendizagem e altas habilidades e superdotação, matriculados no Ensino Fundamental; 4) Centro de Atendimento Especializado (CAE), nas áreas da surdez e deficiência visual; 5) Centro de Apoio Pedagógico para atendimento às pessoas com deficiência visual (CAP); 6) Classes de educação bilíngue para surdos, matriculados nas séries iniciais, denominadas Programa de escolaridade regular com atendimento especializado (PERAE); 7) Classe especial para alunos com deficiência mental e condutas típicas; 8) Escolas Especiais; 9) Classes hospitalares e 10) Atendimento domiciliar (PARANÁ, 2006). Pode-se identificar, por meio da entrevista, que no município esses atendimentos têm sido oferecidos, embora ainda necessitem de mudanças arquitetônicas nas escolas e contratação/ampliação dos profissionais, principalmente dos da área da saúde. Ressalta-se ainda que, embora a Constituição Federal (BRASIL, 1988) afirme que o atendimento educacional especializado deva acontecer preferencialmente na rede regular de ensino, a importância da manutenção das escolas especiais, principalmente no tange ao atendimento das crianças com deficiências severas e múltiplas. Agradecimentos Referências Ao CNPq, pelo fomento à pesquisa. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, p. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei 9394/96. Brasília, BRASIL, Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica/Secretaria de Educação Especial. MEC/SEESP, PARANÁ. Secretaria de Estado de Educação/Superintendência da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Especial para a Construção de Currículos Inclusivos. Curitiba, 2006.

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA-RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA-RS 11-12-1934 FARROUPILHA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA-RS RESOLUÇÃO nº 04, de 10 de DEZEMBRO de 2009. Institui parâmetros para a oferta da Educação Especial no Sistema Municipal de Ensino. O

Leia mais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Fonte: MEC/SEE - Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva O que é a Educação

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial DIRETRIZES OPERACIONAIS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO BÁSICA O Ministério da Educação, por intermédio

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS ESPECIAIS DE ENSINO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A Política

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Constituição Federal/88 Artigo 208, III - atendimento preferencialmente

Leia mais

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008)

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Público-alvo da Educação Especial Alunos com: surdez deficiência física, intelectual cegueira, baixa visão, surdocegueira

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA. ANDREA MALMEGRIM ELIAS (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA), JORDANA DE SOUZA SEHNEM ALVES (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA).

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis/SC visa garantir as condições de o aluno, com deficiência

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Resolução Nº 02, de 14 de julho de 2010. Regulamenta implementação, no Sistema Municipal de Ensino, do disposto na Resolução

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

diversificadas do currículo da sala comum e de forma não substitutiva à escolarização.

diversificadas do currículo da sala comum e de forma não substitutiva à escolarização. DELIBERAÇÃO CME Nº 01/07 Fixa normas para a Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de São José do Rio Preto. O Conselho Municipal de Educação, no uso de suas atribuições, com fundamento na Lei

Leia mais

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br Ofício Nº 002/10 EXMA PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Sra. Clélia Brandão Alvarenga Craveiro Porto Alegre, 10 de março de 2010 O Conselho

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Convenção Sobre os Direitos it das Pessoas com Deficiência(ONU

Leia mais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Pearson Education do Brasil Orientações aos Municípios para Solicitação de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Outubro de 2012 Apresentação Este documento oferece orientações para que os gestores

Leia mais

ANÁLISE DA POLÍTICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL POR INTERMÉDIO DOS SERVIÇOS: O VELHO TRAVESTIDO DE NOVO?

ANÁLISE DA POLÍTICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL POR INTERMÉDIO DOS SERVIÇOS: O VELHO TRAVESTIDO DE NOVO? Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Congresso da Educação Básica COEB - 2013 ANÁLISE DA POLÍTICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL POR INTERMÉDIO DOS

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME 4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME Mata de São João Bahia 02 de setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Diretoria

Leia mais

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF META 4 Universalizar o atendimento educacional aos estudantes com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, independente da idade, garantindo a inclusão na

Leia mais

1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS

1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS 1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS 01) Ampliar e implantar nas universidades públicas e privadas o curso de graduação Letras Libras/ Língua Portuguesa, Curso de Pedagogia Bilíngue na perspectiva da educação

Leia mais

Evolução da Educação Especial no Brasil

Evolução da Educação Especial no Brasil Evolução da Educação Especial no Brasil População total: 169.872.856 População com deficiência: 24.6.256 População de a 17 anos com deficiência: 2.85.64 a 4 anos: 37.53 5 a 9 anos: 77.763 1 a 14 anos:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO Meta 4: universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

A Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo e a formação em Comunicação Suplementar e Alternativa: estratégias e desafios

A Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo e a formação em Comunicação Suplementar e Alternativa: estratégias e desafios A Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo e a formação em Comunicação Suplementar e Alternativa: estratégias e desafios Barbara Martins Tânia Sheila Griecco Carolina Lourenço Reis Quedas Núcleo

Leia mais

ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMOI-ESTRUTURADA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE APOIO NO MUNICÍPIO

ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMOI-ESTRUTURADA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE APOIO NO MUNICÍPIO Prezada (nome) Estamos realizando um estudo em rede nacional sobre os Serviços de Apoio de Educação Especial ofertados no Brasil que têm sido organizados para favorecer a escolarização de estudantes com

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADA: Associação Pestalozzi do Ceará EMENTA: Credencia e autoriza o funcionamento da Associação Pestalozzi do Ceará, nesta capital, como Centro de Atendimento Educacional Especializado para complementar

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado - AEE

Atendimento Educacional Especializado - AEE Atendimento Educacional Especializado - AEE Segundo o texto da Política de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC; 01/2008 Educação Especial É uma modalidade de ensino que perpassa todos

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS 01) As definições do público alvo para a educação especial devem ser contextualizadas e não se esgotam na mera categorização e especificações atribuídas a um quadro de deficiência, transtornos, distúrbios

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 9/2010 Data:

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

GICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

GICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Campus Curitiba NAPNE UTFPR Núcleo de Atendimento à Pessoas com Necessidades Específicas DOCUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira O mundo pertence àqueles que pensam em novos caminhos. Uwe Grahl - Arquiteto FACILITAÇÃO PELO USO DE TIC ATENDIMENTO ÀS ESPECIFICIDADES

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profª Drª Sonia Maria Rodrigues INICIANDO NOSSA CONVERSA - Música Vagalume em Libras INCLUSÃO LEGAL Legislação que respalda a política de Educação Inclusiva (nacional e estadual) Leitura

Leia mais

Decreto Lei de LIBRAS

Decreto Lei de LIBRAS Decreto Lei de LIBRAS Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe

Leia mais

Art. 1º A presente Resolução dispõe sobre a educação especial na educação básica no Estado de Minas Gerais e dá outras providências.

Art. 1º A presente Resolução dispõe sobre a educação especial na educação básica no Estado de Minas Gerais e dá outras providências. RESOLUÇÃO CEE Nº 460, de 12 de dezembro de 2013 Consolida normas sobre a Educação Especial na Educação Básica, no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais, e dá outras providências O Presidente do Conselho

Leia mais

Diretrizes Operacionais Referentes à Rede de Apoio à Inclusão. Gerência de Ensino Especial

Diretrizes Operacionais Referentes à Rede de Apoio à Inclusão. Gerência de Ensino Especial Diretrizes Operacionais Referentes à Rede de Apoio à Inclusão Gerência de Ensino Especial I - Equipe multiprofissional Profissionais: psicólogo, fonoaudiólogo, assistente social. Lotação: Nos Centros de

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOCOCA ESTADO DE SÃO PAULO Departamento de Educação

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOCOCA ESTADO DE SÃO PAULO Departamento de Educação RESOLUÇÃO Nº 001, de 10 de setembro de 2012 do Departamento de Educação da Prefeitura Municipal de Mococa. Regulamenta a inclusão de alunos especiais nas classes regulares da Rede Municipal de Ensino de

Leia mais

Data: 10/05/2013 Assunto: Orientação à atuação dos Centros de AEE, na perspectiva da educação inclusiva

Data: 10/05/2013 Assunto: Orientação à atuação dos Centros de AEE, na perspectiva da educação inclusiva MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4º andar, sala 412

Leia mais

Orientações gerais: Aditamento dos Convênios

Orientações gerais: Aditamento dos Convênios Orientações gerais: Aditamento dos Convênios Público-alvo Educandos com deficiência intelectual, deficiência múltipla ou com transtorno do espectro autista que necessitam de apoio permanente/pervasivo.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

13. EDUCAÇÃO ESPECIAL

13. EDUCAÇÃO ESPECIAL 13. EDUCAÇÃO ESPECIAL 13.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL 13.1.1 Objetivos gerais. Política de integração da educação especial na educação infantil, no ensino fundamental e no ensino médio A educação

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Estadual de Ensino O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de atribuições que lhe confere os

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 005/CME/2003 APROVADA EM 18.12.2003

RESOLUÇÃO Nº. 005/CME/2003 APROVADA EM 18.12.2003 RESOLUÇÃO Nº. 005/CME/2003 APROVADA EM 18.12.2003 Dispõe sobre procedimentos e orientações a serem observados para oferta da Educação Especial no Sistema de Ensino Municipal a partir de 2003. O CONSELHO

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA EXECUTIVA CARTA CONVITE 001/2011 PROFISSONAIS FORMADORES NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO

SUPERINTENDÊNCIA EXECUTIVA CARTA CONVITE 001/2011 PROFISSONAIS FORMADORES NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO SUPERINTENDÊNCIA EXECUTIVA CARTA CONVITE 001/2011 PROFISSONAIS FORMADORES NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO A Secretaria de Estado da Educação/SEE, por meio da Superintendência Executiva,

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO DO ENSINO ESPECIAL INTERESSADO: SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE GUAJARÁ-MIRIM / RONDÔNIA

MINUTA DA RESOLUÇÃO DO ENSINO ESPECIAL INTERESSADO: SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE GUAJARÁ-MIRIM / RONDÔNIA PROCESSO Nº MUNICÍPIO DE GUAJARÁ-MIRIM MINUTA DA RESOLUÇÃO DO ENSINO ESPECIAL INTERESSADO: SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE GUAJARÁ-MIRIM / RONDÔNIA ASSUNTO: Normas para organização da EDUCAÇÃO ESPECIAL,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da Classe Especial nas séries iniciais do Ensino Fundamental, na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. A Superintendente

Leia mais

Rita Bersch 2014 Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.br

Rita Bersch 2014 Assistiva Tecnologia e Educação www.assistiva.com.br TECNOLOGIA ASSISTIVA NA EDUCAÇÃO Sala de recursos multifuncionais. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Ministério da Educação do Brasil Atendimento Educacional Especializado-

Leia mais

PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Inclusão escolar de crianças e adolescentes com transtornos psíquicos e problemas em seu desenvolvimento.

PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Inclusão escolar de crianças e adolescentes com transtornos psíquicos e problemas em seu desenvolvimento. PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR 1 TITULO DO PROJETO: Inclusão escolar de crianças e adolescentes com transtornos psíquicos e problemas em seu desenvolvimento. 2 SUMÁRIO: Atualmente muito se tem incentivado

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 015/2008 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº 015/2008 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº 015/2008 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da SALA DE RECURSOS para o Ensino Fundamental - séries iniciais, na área da Deficiência Mental/Intelectual e Transtornos Funcionais

Leia mais

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down Ana Paula de Oliveira Schmädecke 1 Andreia dos Santos Dias 2 Resumo: Este trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 436/2012

RESOLUÇÃO Nº 436/2012 RESOLUÇÃO Nº 436/2012 Fixa normas para a Educação Especial e para o Atendimento Educacional Especializado AEE - dos alunos com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento TGD, Altas Habilidades/Superdotação

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 98/2012. NAEP. Dispõe sobre a criação do Núcleo de Atendimento Especializado da Rede Municipal de Ensino de Palhoça. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PALHOÇA, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Questão 1 - O que é considerado pelo sistema estadual de ensino de Minas Gerais como escola em situação regular de funcionamento?

Questão 1 - O que é considerado pelo sistema estadual de ensino de Minas Gerais como escola em situação regular de funcionamento? Parecer nº 69/06 Aprovado em 25.01.06 Processo n.º 34.198 Examina consulta formulada pela Sra. Luíza Pinto Coelho, Presidente da Federação das APAEs do Estado de Minas Gerais, sobre indagações concernentes

Leia mais

Lei nº 12.796 de 04/04/2013

Lei nº 12.796 de 04/04/2013 O governo federal publicou nesta sexta-feira (5), no Diário Oficial da União, a lei número 12.796 que altera a lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Como novidade, o texto muda

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação Especial

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação Especial MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Coordenação Geral de Políticas Pedagógicas de Educação Especial

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008)

Atendimento Educacional Especializado AEE. Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Atendimento Educacional Especializado AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC (2008) Conceito O Atendimento Educacional Especializado - AEE É um serviço

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INCLUSÃO ESCOLAR E ATENDIMENTO ESPECIALIZADO

ORIENTAÇÕES PARA INCLUSÃO ESCOLAR E ATENDIMENTO ESPECIALIZADO Orientações para funcionamento da sala de recursos/ Atendimento e Documentação Quais são os documentos, procedimentos e assinaturas que o professor, coordenador e diretor devem providenciar ao término

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS: A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS: A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS: A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ INTRODUÇÃO MORI, Nerli Nonato Ribeiro 1 Universidade Estadual de Maringá SILVA, Márcia Aparecida Marussi 2 Universidade Estadual

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL ANTUNES, Clarice Filipin de Castro (UNIOESTE) 1 ROSSETTO, Elisabeth (Orientadora/UNIOESTE)

Leia mais

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Audiência Pública As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância Dados globais

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org Ofício Nº 05/2013 Ref. : Resolução CME/CEINC Nº 11, de 26/10/2011 Ao Conselho Municipal de Educação de São Leopoldo Ilma. Zaira Carina Corneli Presidenta

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado SEDUC CE 1. ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL INSTITUTO DOS CEGOS

Atendimento Educacional Especializado SEDUC CE 1. ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL INSTITUTO DOS CEGOS Atendimento Educacional Especializado SEDUC CE 1. ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL INSTITUTO DOS CEGOS Endereço: Rua: Dr. João Guilherme, 373/399 Antônio Bezerra - 3ª Região CEP 60.356-770 Fortaleza - CE Fonefax:

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA COM ENFASE EM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E MÚLTIPLA.

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA COM ENFASE EM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E MÚLTIPLA. Curso de Especialização em EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA COM ENFASE EM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E MÚLTIPLA. ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização

Leia mais

RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS REFERENTES AO CONCURSO PÚBLICO/ EDUCAÇÃO ESPECIAL EDITAL 036/04.

RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS REFERENTES AO CONCURSO PÚBLICO/ EDUCAÇÃO ESPECIAL EDITAL 036/04. RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS REFERENTES AO CONCURSO PÚBLICO/ EDUCAÇÃO ESPECIAL EDITAL 036/04. 1- A prova de títulos vai acontecer antes? Só pode fazer a prova teórica quem for classificado, ou todos irão

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

II Simpósio de Neurociências e Educação de Curitiba - A Emoção na Inclusão Escolar

II Simpósio de Neurociências e Educação de Curitiba - A Emoção na Inclusão Escolar II Simpósio de Neurociências e Educação de Curitiba - A Emoção na Inclusão Escolar Coordenação: Prof. Cezar Laerte Natal e Profª. Rosani Kinasz 09/05 19h00 Recepção dos inscritos, entrega das pastas e

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA

A POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA A POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: EDUCAÇÃO PARA TODOS? Ana Paula dos Santos Ferraz Universidade Federal de Santa Maria Bruna de Assunção Medeiros Universidade

Leia mais

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

O PAPEL DA TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR ÀS POSSIBILIDADES E DIFICULDADES

O PAPEL DA TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR ÀS POSSIBILIDADES E DIFICULDADES O PAPEL DA TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR ÀS POSSIBILIDADES E DIFICULDADES ANDREZA APARECIDA POLIA 1 MARIA DA CONCEIÇÃO NARKHIRA PEREIRA 2 LEILANE BENTO DE ARAÚJO MENESES 3 KARL MARX

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Instituto Municipal Helena Antipoff Educação Especial no Município do Rio de

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

POLÍTICAS REGIONAIS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

POLÍTICAS REGIONAIS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL POLÍTICAS REGIONAIS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL Coordenadores Gerais: BUENO, José Geraldo Silveira - PUC/SP FERREIRA, Júlio Romero - UNIMEP Coordenadores Regionais: NORTE OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais