ATITUDE POSTURAL E IDADE MOTORA NA MUCOVISCIDOSE * RESUMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATITUDE POSTURAL E IDADE MOTORA NA MUCOVISCIDOSE * RESUMO"

Transcrição

1 1 ATITUDE POSTURAL E IDADE MOTORA NA MUCOVISCIDOSE * Haudrelise Barros Buss 1 Fernando Mendes Massignam 2 RESUMO O estudo realizado teve como objetivo detectar qual atitude postural e idade motora em uma criança mucoviscidótica com ausência de hipersecreção, e verificar quais resultados podem ser obtidos com a intervenção fisioterápica. Esta análise foi realizada no período de agosto/setembro de 2002, em uma criança de 6 anos, sendo esta, submetida a avaliações pré e pós-tratamento fisioterápico domiciliar. Podê-se concluir que apesar da ausência de hipersecretividade apresentava alterações posturais, e que a fisioterapia pode ser utilizada não somente como amenizadora dos desvios já instalados, mas também como método preventivo diante da postura característica de um indivíduo mucoviscidótico. ABSTRACT The accomplished study had as objective to detect, which corporal attitude and motive age in a child carrier of cystic fibrossis with absence of secretion absence, and to verify which resulted they can be obtained with the intervention physiotherapyc. This analysis was accomplished in the period of August to * Artigo apresentado ao curso de Fisioterapia como requisito para conclusão de curso. 1 Autora: Acadêmica do Curso de Fisioterapia da Universidade do Sul de Santa Catarina 2 Orientador: Professor de Pneumologia e Cardiologia do Curso de Fisioterapia da Universidade do Sul de Santa Catarina

2 September of 2002, in a 6 year-old child, being this, submitted to evaluations before and powder-treatment physiotherapyc at home. It is ended that presented corporal alterations in spite of the secretion absence, and that the physiotherapy can be used not only to already decrease the deviations installed, but also as preventive method before the an individual's carrier of cystic fibrossis characteristic posture. 2 INTRODUÇÃO A criança está em constante desenvolvimento, com isto esta mais vulnerável a posturas inadequadas e conseqüentemente a desvios posturais, podendo apresentar quadros de dor e deformidades. Os hábitos de postura são adquiridos devido a fatores ambientais, como nas atividades diárias e repetitivas, como sentar em um sofá, ao carregar objetos ou então, resultante de fatores como um trauma músculoesquelético ou doença, onde o indivíduo assume uma postura viciosa em função da situação da qual se encontra (RASCH; BURKE, 1977). Já a criança mucoviscidótica, inclui a sua situação, maior suscetibilidade a alterações músculoesquelética provenientes do desconforto compensatório do déficit causado pela doença. Conforme Irwvin e Tcklin (1994, p. 427) o alinhamento postural freqüentemente é alterado por uma doença respiratória subjacente. Do encurtamento e perda de força dos músculos respiratórios que acompanham as doenças pulmonares, associadas a modificação do volume pulmonar, resultam as deformidades torácicas e uma modificação global da postura do tronco (LIMA, 2002). A criança em questão, embora portadora de fibrose cística, não apresenta hipersecretividade, sendo esta uma expressiva característica.

3 3 Perante isto, surgiu a questão de qual atitude postural e perfil motor específico na criança mucoviscidótica, e que resultados podem ser obtidos com a intervenção da fisioterapia?. A importância deste estudo está em demonstrar a atuação da fisioterapia nas alterações posturais da criança mucoviscidótica, a fim de ser um método preventivo de desvios característicos. METODOLOGIA DO ESTUDO Este estudo é caracterizado como sendo um estudo de caso do tipo exploratório com pré e pós-teste sem grupo controle. Para realização das avaliações, foram utilizados como material: o Manual da Avaliação Motora (Rosa Neto, 2002) juntamente a materiais auxiliares como lápis, tesoura, papel, cordão, entre outros; uma máquina fotográfica digital para registro das posições da criança para serem comparadas e analisadas posteriormente; uma ficha de avaliação postural, um simetrógrafo para detectar as assimetrias posturais. Em 30 de agosto de 2002, foi realizada a avaliação pré-intervenção fisioterápica, e diante das alterações detectadas, foi dado como seqüência a aplicação de uma plano de tratamento domiciliar com base na cinesioterapia postural e respiratória, utilizando atividades lúdicas a fim de despertar o interesse da criança. Incluído no plano de tratamento elaborado especificamente para a criança em questão, foi aplicado: alongamento e relaxamento das musculaturas encurtadas, fortalecimento abdominal, exercícios com respiração diafragmática, e exercícios aeróbicos.

4 4 As sessões eram realizadas 5 vezes por semana, no período de 3 a 30 de setembro de 2002, tinham duração de 90 a 120 minutos A avaliação pós-tratamento fisioterápico foi realizada após 20 sessões utilizando o mesmo método de avaliação anterior. Sendo que a idade motora não houve necessidade de reavaliação devido ter apresentado-se dentro dos padrões de normalidade. Conforme Rosa Neto (2002, p. 115) o fato de avaliar o desenvolvimento motor da criança previne as dificuldades de aprendizagem escolar, e proporciona a possibilidade de ser elaborado um programa de intervenção e reeducação motora ou psicomotora. Com intuito de oferecer uma melhor validade do estudo e maior controle das variáveis que pudessem interferir no momento da avaliação e intervenção fisioterapêutica, foi controlados os seguintes aspectos: horário de avaliações(período matutino) e aplicação do tratamento (período vespertino), ambiente calmo e privado, local das coletas de dados (Clínica Escola de Fisioterapia da UNISUL) e atendimento (no domicílio da criança), instrumentos e procedimentos utilizados foram os mesmos no pré e pós-intervenção fisioterapêutica, posição corporal diante do simetrógrafo(ortostática: anterior, posterior e de perfil direito), vestimenta (um biquíni) e estado geral da criança (clinicamente estável). ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

5 5 Obtidos os resultados, foram analisados qualitativamente, sendo também realizada a análise comparativa das avaliações pré e pós-intervenção fisioterapêutica, através dos registros fotográficos. Os resultados foram obtidos através de parâmetros já citados anteriormente. Irwvin e Tecklin (1994, p. 427) afirmam que deve-se fazer uma avaliação postural em todo paciente respiratório, especialmente em uma criança em crescimento. Quanto a avaliação da atitude postural, pode ser detectada visivelmente: _ Na posição ortostática antero-posterior pré-intervenção fisioterápica pode ser observada: rotação interna de joelhos, ombro esquerdo mais elevado, triângulo de Tales acentuado no lado esquerdo, flexão lateral da cervical. Bienfait (1995, p. 93) afirma que o ombro mais alto indica retração dos músculos trapézio superior e elevador da escápula. Na comparação das fotos registradas pré e pós-aplicação de fisioterapia, pode ser vista a diminuição da acentuação do triângulo de Tales a esquerda, maior alinhamento dos ombros; maior proximidade da cabeça em relação a linha média. _ Na posição ortostática lateral direita foi detectado na avaliação postural pré-intervenção fisioterápica: hiperlordose lombar, abdômen proeminente, lordose da região cervical, anteversão pélvica, protrusão de ombros. Pós-intervenção fisioterápica pode ser visto: melhora visivelmente significativa da hiperlordose, diminuindo a curvatura; menor proeminência abdominal, melhora em relação a lordose cervical e protrusão de ombro, que mostrava-se acentuada na avaliação pré-intervenção fisioterápica. Quanto a anteversão pélvica, não pode ser obtida visivelmente uma melhora.

6 6 _ Na posição ortostática posterior-anterior na avaliação pré-intervenção fisioterápica pode ser observado: elevação de ombro esquerdo, triângulo de Tales acentuado a esquerda, rotação interna de joelhos, flexão lateral da cervical. Não apresentou positividade no teste da escoliose e gibosidade. Na comparação das fotos registradas pré e pós-intervenção fisioterápica, puderam ser verificadas: uma melhora visível quanto o alinhamento dos ombros, maior proximidade da cabeça em relação à linha média, menor acentuação do triângulo de Tales a esquerda. Quanto à idade motora, não houve necessidade de reavaliar pelo fato de ter apresentado perfil motor de acordo com a idade cronológica. CONCLUSÃO Perante o estudo desenvolvido com uma criança mucoviscidótica de 6 anos e 7 meses de idade, tendo como base os resultados obtidos na reavaliação postural; pode se concluir que com o tratamento fisioterápico elaborado para esta, proporcionou melhora visível em relação a sua atitude postural. Tendo como objetivo deste trabalho detectar possíveis desvios e alteração no desenvolvimento motor, bem como aplicar um tratamento específico a tais verificações; pode ser visto que realmente, apesar de apresentar ausência de hipersecretividade, a criança apresentava assimetrias na sua atitude postural, já seu desenvolvimento motor encontrava-se dentro dos padrões de normalidade. Como conclusão deste estudo pode se ter a comprovação de que a fisioterapia proporcionou visivelmente uma melhora significativa da atitude postural

7 detectada na avaliação pré-intervenção fisioterápica, podendo ser utilizada como forma de prevenção nas possíveis deformidades decorrentes desta doença. 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIENFAIT, M. Os desequilíbrios estáticos: fisiologia, patologia e tratamento fisioterápico. 3. ed. São Paulo: Summus, IRWVIN, S.; TECKLIN, J. S. Fisioterapia cardiopulmonar. 2. ed. São Paulo: Manole, LIMA, M. A. RTA Método Reequilíbrio Toraco-Abdominal. Disponível em: < Acesso em: 11 ago RASCH, P. J.; BURKE, R. K. Cinesiologia e anatomia aplicada. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, ROSA NETO, F. Manual de avaliação motora. Porto Alegre: Artmed, p.

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA ~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA Isadora Carneiro Kovalhuk 1 Daniela dos Santos 2 Recebido em: 20.10.2013 Aceito em: 20.11.2013 Resumo: Lombalgia é o

Leia mais

DESVIOS POSTURAIS. 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço

DESVIOS POSTURAIS. 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO: - Fortalecimento da musculatura anterior do pescoço

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

ANÁLISE DA EFICACIA DO USO DA CINESIOTERAPIA NO TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO DE LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DA EFICACIA DO USO DA CINESIOTERAPIA NO TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO DE LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR ESTUDO DE CASO 1 ANÁLISE DA EFICACIA DO USO DA CINESIOTERAPIA NO TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO DE LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR ESTUDO DE CASO MARTINS, L.C.: ANDOLFATO, K.R. Resumo: A lesão do ligamento cruzado anterior

Leia mais

ANÁLISE POSTURAL EM UNIVERSITÁRIOS

ANÁLISE POSTURAL EM UNIVERSITÁRIOS ANÁLISE POSTURAL EM UNIVERSITÁRIOS Syndel Souza Stefanes-UNICENTRO (ssyndyy@hotmail.com) Isabely de Oliveira- UNICENTRO (isabely_07@hotmail.com) Ana Luiza Ferreira da Rocha UNICENTRO (analuizarocha@hotmail.com)

Leia mais

Ebook-1 de DICAS As melhores dicas do dia a dia. Neste ebook você terá informações sobre uma técnica usada para alívio da dor muscular.

Ebook-1 de DICAS As melhores dicas do dia a dia. Neste ebook você terá informações sobre uma técnica usada para alívio da dor muscular. Ebook-1 de DICAS As melhores dicas do dia a dia Neste ebook você terá informações sobre uma técnica usada para alívio da dor muscular. Ilma Cabral Fisioterapeuta - Osteopata DO Crefito 15320 01/06/2016

Leia mais

Parecer n. 05-3/2015. Processo de consulta: Ofício nº 60/2015/GAPRE COFFITO Assunto: Reeducação Postural Global - RPG

Parecer n. 05-3/2015. Processo de consulta: Ofício nº 60/2015/GAPRE COFFITO Assunto: Reeducação Postural Global - RPG Parecer n. 05-3/2015. Processo de consulta: Ofício nº 60/2015/GAPRE COFFITO Assunto: Reeducação Postural Global - RPG Da Consulta Trate-se do questionamento abaixo, acerca do RPG: - Conceituar Método/Técnica

Leia mais

Bola Suíça. Ao verem as bolas sendo usadas na Suíça, terapeutas norte americanos deram a ela o nome de bola Suíça.

Bola Suíça. Ao verem as bolas sendo usadas na Suíça, terapeutas norte americanos deram a ela o nome de bola Suíça. BOLA SUIÇA Bola Suíça A bola própria para exercícios terapêuticos foi criada a pedido da fisioterapeuta suíça Susanne Klein- Volgebach por volta de 1963, na Itália, por um fabricante de brinquedos, o Sr.

Leia mais

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Apresentação Olá, esse conteúdo é a realização de uma parceria entre a Cefig e a Fisioterapia Integrativa. Nesse E-book vamos abordar algumas dicas para prevenção

Leia mais

Evaluation of a protocol exercises for musicians with musculoskeletal problems

Evaluation of a protocol exercises for musicians with musculoskeletal problems Evaluation of a protocol exercises for musicians with musculoskeletal problems Avaliação da efetividade de um protocolo de Exercícios de Relaxamento Muscular em músicos com alterações músculoesqueléticas

Leia mais

COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO

COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO Ft. Ms. Adriana de Sousa do Espírito Santo ANATOMIA 12 vértebras. 1a. e 2a. São de transição. O corpo possui o d ântero-posterior e transversal iguais e apresenta semifacetas

Leia mais

Exercícios para a coluna PROF. ALEXANDRE TANAKA

Exercícios para a coluna PROF. ALEXANDRE TANAKA Exercícios para a coluna PROF. ALEXANDRE TANAKA Exercícios para a coluna Orientações importantes: Modo de dormir Posição sentada (trabalho, carro, TV, etc) Modo de levantar e deitar da cama Em pé por tempo

Leia mais

QUESTIONÁRIO ACADEMIA PRATIQUE FITNESS AVALIAÇÃO FÍSICA

QUESTIONÁRIO ACADEMIA PRATIQUE FITNESS AVALIAÇÃO FÍSICA QUESTIONÁRIO ACADEMIA PRATIQUE FITNESS AVALIAÇÃO FÍSICA NOME: UNIDADE: 1) QUAL O PROCEDIMENTO ADEQUADO DO AVALIADOR QUANDO O ALUNO CHEGA NA RECEPÇÃO? A) ESPERAR O RECEPCIONISTA ATENDER. B) ENTREGAR O PARQ

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 52-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2015. Aprova o Curso de Especialização em Recursos Terapêuticos Manuais: Ênfase em Terapia Manual, modalidade modular, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Faculdade de Filosofia e Ciências CURSO: Fisioterapia

Leia mais

PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Rev Bras Neurol. 52(3):12-19, 2016 PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON PROPOSAL FOR A PROGRAMME OF PRACTICE

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO : Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: História e Fundamentos da Fisioterapia SÉRIE 1º Semestre PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Oximetria de Pulso. Frequência Respiratória. Fisioterapia Respiratória. Fisioterapia Motora. Enfermaria INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Oximetria de Pulso. Frequência Respiratória. Fisioterapia Respiratória. Fisioterapia Motora. Enfermaria INTRODUÇÃO AVERIGUAÇÃO DA OXIMETRIA DE PULSO E DA FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA ANTES, DURANTE E APÓS A REALIZAÇÃO DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA E MOTORA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS EM ENFERMARIA. FINDING OF THE OXIMETRY

Leia mais

Educação para a Saúde

Educação para a Saúde Educação para a Saúde Exercícios Laborais Setembro de 2006 Raquel Faria Araújo de Oliveira Ergonomista e Educadora física Saúde Segundo a Organização Mundial de Saúde: Saúde é um estado de completo bem-estar

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 2 QUESTÕES SOBRE AS LINHAS DE PESQUISA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 2 QUESTÕES SOBRE AS LINHAS DE PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 2 QUESTÕES SOBRE AS LINHAS DE PESQUISA FUNDAMENTAÇÃO DA REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, PULMONAR E METABÓLICA Com base

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Esternoclavicular: Artic.

Leia mais

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Sávio Bertone Lopes Barros; Eder Rodrigues Machado; Cleiciane Vieira De Lima Barros Faculdade Alfredo Nasser UNIFAN saviobertone@gmail.com;

Leia mais

PILATES NO TRATAMENTO DE COLUNA: SAIBA COMO AJUDAR UM ALUNO

PILATES NO TRATAMENTO DE COLUNA: SAIBA COMO AJUDAR UM ALUNO PILATES NO TRATAMENTO DE COLUNA: SAIBA COMO AJUDAR UM ALUNO SUMÁRIO Introdução... 3 Problemas na Coluna: público potencial para um Studio de Pilates... 5 A importância da prática correta com apoio profissional...

Leia mais

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória 1. Anatomia e fisiologia do sistema cardiorrespiratório Egan. 1 ed. São Paulo: Manole, 2000. (Seção 3, caps.7 e 8) WEST, J.B. Fisiologia respiratória

Leia mais

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES INTRODUÇÃO Um número cada vez maior de pessoas apresenta, em seu cotidiano, atividades repetitivas e restritivas, que conduzem a uma perda do sinergismo

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Pneumologia Código: Fisio 219 Pré-requisito: Fisioterapia em Neurologia

Leia mais

Fisioterapeuta Priscila Souza

Fisioterapeuta Priscila Souza Fisioterapeuta Priscila Souza * Passou de 7 bilhões o número de celulares no mundo. (União Internacional de Telecomunicações UIT, 2015) *Segundo a ONU em 2000 o número de aparelhos celulares era de 738

Leia mais

Índice de Risco: NÃO FUME: CIGARRO MATA! Valores de referência para Glicemia. Classificação. Glicose (mg/dl)

Índice de Risco: NÃO FUME: CIGARRO MATA! Valores de referência para Glicemia. Classificação. Glicose (mg/dl) Valores de referência para adultos > 20 anos Instituto Nacional de Saúde dos EUA Nível (mg/dl) Lípides e Frações Desejável Limítrofe Elevado Colesterol < 200 200-239 240 LDL-colesterol < 130 130-159 160

Leia mais

Page 1 O PAPEL DAS ATIVIDADES MOTORAS NO TRATAMENTO DA ASMA CRIANÇA ATIVIDADES MOTORAS ADAPTADAS IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES MOTORAS

Page 1 O PAPEL DAS ATIVIDADES MOTORAS NO TRATAMENTO DA ASMA CRIANÇA ATIVIDADES MOTORAS ADAPTADAS IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES MOTORAS ATIVIDADES MOTORAS ADAPTADAS O PAPEL DAS ATIVIDADES MOTORAS NO TRATAMENTO DA ASMA OBJETIVOS: Aumentar a mobilidade torácica Melhorar a mecânica respirátoria Reduzir o gasto energético da respiração Prevenir

Leia mais

Alterações posturais em atletas de uma equipe de handebol masculino categoria adulto da cidade de Maringá-PR

Alterações posturais em atletas de uma equipe de handebol masculino categoria adulto da cidade de Maringá-PR ARTIGO ORIGINAL Alterações posturais em atletas de uma equipe de handebol masculino categoria adulto da cidade de Maringá-PR Postural changes in athletes of a handball male adult category team in the city

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE: NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE EM LAGOA SÊCA/PB

EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE: NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE EM LAGOA SÊCA/PB EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE: NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE EM LAGOA SÊCA/PB Alfredo Rosas de Lima Júnior (1); Kátia Ramalho Bento Souza

Leia mais

Estrutura da Coluna Vertebral

Estrutura da Coluna Vertebral Fundamentos da Biomecânica CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DA COLUNA VERTEBRAL Estrutura da Coluna Vertebral 33 Vértebras 7 cervicais 12 torácicas 5 lombares 5 sacrais (fundidas) 4-5 coccígeas (fundidas) 1

Leia mais

Instituto de Cultura Física

Instituto de Cultura Física Página 1 Instituto de Cultura Física ANÁLISE BIOMECÂNICA Nome: Sexo: Data Nasc: Idade: Cafi Otta M 16/08/78 35 Objetivo: Av. fís. anterior: Av. fís. atual: Alto Rendimento Físico 24/09/12 08/10/13 AVALIAÇÃO

Leia mais

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Enunciado Paciente de 61 anos, sexo feminino, sem queixas no momento, foi submetida à radiografia de tórax como avaliação pré-cirúrgica. Qual achado pode ser

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL *

IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL * IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL * IVAN SILVEIRA DE AVELAR, ** REGINA QUEIROZ SILVA, ** TAÍSSA RAMALHO,** ADRIANO SERRANO ** E MARCUS

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00-13:00 Tarde - 14:00-18:00

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00-13:00 Tarde - 14:00-18:00 MéTODO MéZIèRES (MAR 2017) - BRAGA O Método Mézières é um método de fisioterapia e de reeducação funcional muscular, postural e global fundamentado sobre os princípios descobertos por Françoise Mézières.

Leia mais

Modalidades fisioterapêuticas. Profa. Dra. Daniela Cristina Carvalho de Abreu Alunas PAE: Jaqueline Mello Porto Paola Errera Magnani

Modalidades fisioterapêuticas. Profa. Dra. Daniela Cristina Carvalho de Abreu Alunas PAE: Jaqueline Mello Porto Paola Errera Magnani Modalidades fisioterapêuticas Profa. Dra. Daniela Cristina Carvalho de Abreu Alunas PAE: Jaqueline Mello Porto Paola Errera Magnani - Analgesia - Diminuir rigidez matinal Fisioterapia OBJETIVOS - Aumentar

Leia mais

Formação treinadores AFA

Formação treinadores AFA Preparação específica para a atividade (física e mental) Equilíbrio entre treino e repouso Uso de equipamento adequado à modalidade (ex: equipamento, calçado, proteções) E LONGEVIDADE DO ATLETA Respeito

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO FAMILIAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA Aneline Maria Ruedell 1 Márcia da Silva Magalhães 2 Nubia Broetto Cunha 3

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO FAMILIAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA Aneline Maria Ruedell 1 Márcia da Silva Magalhães 2 Nubia Broetto Cunha 3 A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO FAMILIAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA Aneline Maria Ruedell 1 Márcia da Silva Magalhães 2 Nubia Broetto Cunha 3 INTRODUÇÃO: A encefalopatia crônica não progressiva da infância, caracteriza-se

Leia mais

Utilização de órteses na reabilitação de pacientes portadores de osteoporose vertebral

Utilização de órteses na reabilitação de pacientes portadores de osteoporose vertebral Utilização de órteses na reabilitação de pacientes portadores de osteoporose vertebral Marcelo J es us Jus tino Ares * A reabilitação na osteoporose tem como objetivos o alívio da dor, a preservação da

Leia mais

Semiologia Reumatológica em Crianças

Semiologia Reumatológica em Crianças Semiologia Reumatológica em Crianças PGALS - Exame de triagem básica para problemas musculoesqueléticos em crianças na idade escolar, modificado Traduzido e adaptado de "pgals A SCREENING EXAMINATION OF

Leia mais

FISIOTERAPIA NA FIBROSE CÍSTICA DANIELLE BERNINI PERES 2016

FISIOTERAPIA NA FIBROSE CÍSTICA DANIELLE BERNINI PERES 2016 FISIOTERAPIA NA FIBROSE CÍSTICA DANIELLE BERNINI PERES 2016 A DOENÇA PULMONAR CRÔNICA Estabilidade da doença (acompanhamento ambulatorial) Reagudização da doença pulmonar (intensificação da assistência)

Leia mais

Depto de Ciências do Esporte da Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas. Resumo

Depto de Ciências do Esporte da Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas. Resumo 116 ARTIGO Análise da flexibilidade em mulheres trabalhadoras Patrícia Franco Rabello Theodoro Mestranda paty@theodorojunior.com.br Profª Drª Mariângela Gagliardi Caro Salve gagliardi@fef.unicamp.br Depto

Leia mais

Dor Lombar. Controle Motor Coluna Lombar. O que é estabilidade segmentar? Sistema Global: Sistema Local:

Dor Lombar. Controle Motor Coluna Lombar. O que é estabilidade segmentar? Sistema Global: Sistema Local: Dor Lombar Causa de ausência no trabalho Alto custo econômico para serviços de saúde Quanto maior o afastamento, menor é a probabilidade de retorno ao serviço Controle Motor Coluna Lombar Curso de Especialização

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular 1 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI EEFMT Professora Maria Theodora Pedreira de Freitas Av. Andrômeda, 500 Alphaville Barueri SP CEP 06473-000 Disciplina: Educação Física 6ª Série Ensino Fundamental

Leia mais

DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: EDUCAÇÃO ESPECIAL IDENTIFICAÇÃO. Estágio Supervisionado II

DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: EDUCAÇÃO ESPECIAL IDENTIFICAÇÃO. Estágio Supervisionado II CAMPUS DE MARÍLIA!"#$$% UNIDADE UNIVERSITÁRIA: CURSO: HABILITAÇÃO: - OPÇÃO: - DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: EDUCAÇÃO ESPECIAL IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL - Estágio Supervisionado

Leia mais

Desvios Posturais. Eduardo Da Luz Ferreira 1. Rafael Trentin Scremin 2. Pós-Graduação em Fisiologia do Exercício

Desvios Posturais. Eduardo Da Luz Ferreira 1. Rafael Trentin Scremin 2. Pós-Graduação em Fisiologia do Exercício Desvios Posturais Eduardo Da Luz Ferreira 1 daluzeduardo@hotmail.com Rafael Trentin Scremin 2 Pós-Graduação em Fisiologia do Exercício Faculdade Sant Ana Pós Instituto Doll Resumo Atualmente sentir dor

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E EDUCAÇÃO FÍSICA ALIADAS À MELHORA DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

PSICOMOTRICIDADE E EDUCAÇÃO FÍSICA ALIADAS À MELHORA DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL PSICOMOTRICIDADE E EDUCAÇÃO FÍSICA ALIADAS À MELHORA DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL PATRÍCIA ESPÍNDOLA MOTA VENÂNCIO 2 JAIRO TEIXEIRA JUNIOR ROBERTA MENDES FERNANDES VIVIANE LEMOS SILVA FERNANDES CRISTINA

Leia mais

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS- OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR. Local: Unidades de Internação

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS- OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR. Local: Unidades de Internação PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS- OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR Edição: 17/09/2012 Local: Unidades de Internação Versão: 001 Data Versão: 17/07/2015 Página: 1/7 1- Considerações gerais As cirurgias

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO Saúde na Escola Unisul COORDENAÇÃO Coordenador: Ana Paula Ferreira

Leia mais

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII)

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) 1 SÓLEO GASTROCNÊMIO FIBULAR TIBIAL POSTERIOR FLEXORES CURTO DOS DEDOS L C (Marques, 2005) 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE O PÉ BIPEDESTAÇÃO /MARCHA MECANISMO ANTIGRAVITACIONAL

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO ERGONÔMICO DA POSTURA SENTADA EM COLABORADORAS DE UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO.

TÍTULO: ESTUDO ERGONÔMICO DA POSTURA SENTADA EM COLABORADORAS DE UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO. TÍTULO: ESTUDO ERGONÔMICO DA POSTURA SENTADA EM COLABORADORAS DE UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

Biomecânica da Coluna Cervical

Biomecânica da Coluna Cervical Biomecânica da Coluna Cervical MFT 0833 Isabel de Camargo Neves Sacco Sacco ICN 2007 PROPEDÊUTICA E ANATOMIA DE SUPERFÍCIE Base da cabeça: C1 + occipital C3 - osso hióide C4 e C5 - cartilagem tireoidiana

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: Recursos Terapêuticos Manuais e Acupuntura Curso: Fisioterapia Código: Série: 2ª Série Obrigatória (X ) Optativa ( ) CH Teórica: 80 CH Prática: 80 CH Total: 160 I - Objetivos

Leia mais

SAÚDE DO TRABALHADOR - LER. Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa

SAÚDE DO TRABALHADOR - LER. Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa SAÚDE DO TRABALHADOR - LER Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa Este trabalho tem por objetivo trazer mais conhecimento sobre uma patologia que aflige muitas pessoas atualmente

Leia mais

DEFINIÇÃO. Forma de locomoção no qual o corpo ereto e em movimento é apoiado primeiro por uma das pernas e depois pela outra.

DEFINIÇÃO. Forma de locomoção no qual o corpo ereto e em movimento é apoiado primeiro por uma das pernas e depois pela outra. ANÁLISE DA MARCHA DEFINIÇÃO Forma de locomoção no qual o corpo ereto e em movimento é apoiado primeiro por uma das pernas e depois pela outra. Constitui-se se de movimentos automatizados que variam de

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFTMT11 PROPOSTA DE ATIVIDADES DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DOR PARA OS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Liliane Abrantes de Sena (1), Mariana Domingues de Miranda Pontes

Leia mais

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr.

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA Músculos vs Movimentos Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR TRAPÉZIO: PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE) Na Cervical:

Leia mais

MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX. 1 Peitoral Maior. 1 Peitoral Maior. Região Ântero- Lateral

MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX. 1 Peitoral Maior. 1 Peitoral Maior. Região Ântero- Lateral Nervo Peitoral Lateral e Medial (C5 a T1) Marcelo Marques Soares Prof. Didi Rotação medial, adução, flexão e flexão horizontal do braço Região Ântero- Lateral 2 Peitoral Menor Subclávio Serrátil Anterior

Leia mais

O USO DA MOCHILA ESCOLAR E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE CATAGUASES- MG

O USO DA MOCHILA ESCOLAR E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE CATAGUASES- MG 65 O USO DA MOCHILA ESCOLAR E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE CATAGUASES- MG Joecy de AlmeidaCampos Bacharel em Fisioterapia Faculdade Sudamérica Fabrício Sette

Leia mais

Definição. Conceitos Básicos de Cinesioterapia. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros 27/2/2012

Definição. Conceitos Básicos de Cinesioterapia. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros. Primeiros Registros 27/2/2012 Definição Conceitos Básicos de Cinesioterapia Prof Christiane Riedi Daniel Disciplina: Cinesioterapia Cinesioterapia - s.f. Tratamento pelo movimento no sentido geral: mobilização ativa e passiva dos exercícios

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM E REGULAGEM BÁSICA DO ERGOTROL

MANUAL DE MONTAGEM E REGULAGEM BÁSICA DO ERGOTROL MANUAL DE MONTAGEM E REGULAGEM BÁSICA DO ERGOTROL I Conteúdo da caixa: 1. Base com Rodízios 2. Estrutura de Posicionamento 3. Almofada Posterior de Tronco 4. Almofada Posterior de Quadril 5. Mesa regulável

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisiologia do Exercício Código: Fisio 112 Pré-requisito: Fisiologia Humana Período

Leia mais

MODELO FORMATIVO Curso. Manhã - 09h00-13h00 Tarde - 14h00-18h00. #Outra Saude, #Fisioterapeuta, #Desporto INVESTIMENTO. Biblioteca Municipal de Silves

MODELO FORMATIVO Curso. Manhã - 09h00-13h00 Tarde - 14h00-18h00. #Outra Saude, #Fisioterapeuta, #Desporto INVESTIMENTO. Biblioteca Municipal de Silves PILATES CLíNICO MW1 CERTIFICAÇÃO MATWORK APPI (OUT 2016) - SILVES No módulo Matwork 1 (The Foundation) tomará contacto com a abordagem da APPI, instituição internacional de referência em Pilates Modificado.

Leia mais

PLANO DE AULA. Prática Clínica Supervisionada

PLANO DE AULA. Prática Clínica Supervisionada PLANO DE AULA Disciplina: em Fisioterapia Pneumologica e Cardiovascular Professor(a): Elder dos Santos Cavalcante e Emerson dos Santos Curso: Fisioterapia Semestre/Ano 5o. Ano Turma: Atividades temáticas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO MARCEL DAL BÓ FERNANDES

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO MARCEL DAL BÓ FERNANDES UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO MARCEL DAL BÓ FERNANDES ANÁLISE POSTURAL EM ALUNOS DE UM CURSO PROFISSIONALIZANTE DE CRICIÚMA - SC CRICIÚMA, 2012.

Leia mais

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS Jéssica Cruz de Almeida¹ Joyce Cristina de S. N. Fernandes¹ Jozilma de Medeiros Gonzaga¹ Maria Goretti da Cunha Lisboa¹ Universidade Estadual da Paraíba¹

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular BE066 Fisiologia do Exercício Flexibilidade Prof. Sergio Gregorio da Silva Flexibilidade É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular É altamente adaptável e é! aumentada

Leia mais

PROGRAMA DE CURSO. GERAL: Compreender o mecanismo das doenças reumáticas, desenvolver a avaliação ESPECÍFICOS: Introdução à Reumatologia

PROGRAMA DE CURSO. GERAL: Compreender o mecanismo das doenças reumáticas, desenvolver a avaliação ESPECÍFICOS: Introdução à Reumatologia Curso: Fisioterapia Professor: Hosana Meireles Disciplina: Reumatologia Carga Horária: 72h. Ano: 2009 Semestre: 6º PROGRAMA DE CURSO EMENTA: Semiologia, propedêutica, terapêutica fisioterápica das doenças

Leia mais

Cursos de Extensão. Técnicas Miofasciais (Tratamento da Disfunção dos Tecidos Moles)

Cursos de Extensão. Técnicas Miofasciais (Tratamento da Disfunção dos Tecidos Moles) Cursos de Extensão Técnicas Miofasciais (Tratamento da Disfunção dos Tecidos Moles) Duração do Curso: - 2 dias, horário integral, perfazendo a carga horária de 20 horas de teoria e prática, sendo 80% prático;

Leia mais

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é Cintura Escapular? Duas clavículas e duas escápulas. Trata-se de uma estrutura que sofreu adaptações à bipedia, onde as

Leia mais

PADRÃO POSTURAL DE BAILARINAS CLÁSSICAS

PADRÃO POSTURAL DE BAILARINAS CLÁSSICAS PADRÃO POSTURAL DE BAILARINAS CLÁSSICAS CLASSIC BALLET DANCERS POSTURAL PATTERNS Joseani Paulini Neves Simas * Sebastião Iberes Lopes Melo ** RESUMO O estudo objetiva avaliar a prática do ballet clássico

Leia mais

EFEITO DA ESTIMULAÇÃO VESTIBULAR NO PERFIL SENSORIAL DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO ALEATORIZADO

EFEITO DA ESTIMULAÇÃO VESTIBULAR NO PERFIL SENSORIAL DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO ALEATORIZADO 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA YASMIN SANTANA MAGALHÃES EFEITO DA ESTIMULAÇÃO VESTIBULAR NO PERFIL SENSORIAL DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL: ENSAIO

Leia mais

Fisioterapia Aquática Funcional na Paralisia Cerebral

Fisioterapia Aquática Funcional na Paralisia Cerebral Fisioterapia Aquática Funcional na Paralisia Cerebral Estudo de Caso O caso clínico a seguir apresentado foi desenvolvido no período de 4 meses, setembro a dezembro de 2009, e teve como paciente uma menina

Leia mais

PLANO DE AULA. 1 3 Tarantino, A.F.Doenças Pulmonares, 4ª ed Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997

PLANO DE AULA. 1 3 Tarantino, A.F.Doenças Pulmonares, 4ª ed Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997 PLANO DE AULA Disciplina: Fisioterapia Pneumológica e Cardiovascular Professor(a): Elder dos Santos Cavalcante Curso: Fisioterapia Semestre/Ano 4 Turma: Atividades temáticas Estratégias/bibliografia Semana

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA CERVICAL FUNÇÕES: Suporte e estabilidade à cabeça Dar mobilidade à cabeça Abrigar, conduzir e proteger a medula espinhal e a artéria vertebral INSPEÇÃO Postura Global

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico Fabricia

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA TENDINITE DO SUPRA-ESPINHOSO: RELATO DE CASO

OS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA TENDINITE DO SUPRA-ESPINHOSO: RELATO DE CASO OS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA TENDINITE DO SUPRA-ESPINHOSO: RELATO DE CASO Andrey Tavares de Oliveira Penido, Karina Lima Oliveira, Sarah Cardoso de Oliveira, Luiza Karollynne dos Santos

Leia mais

Cuidar da postura é essencial para saúde e para evitar lesões e dores pelo corpo

Cuidar da postura é essencial para saúde e para evitar lesões e dores pelo corpo Cuidar da postura é essencial para saúde e para evitar lesões e dores pelo corpo Dores nas costas, nos ombros, no pescoço e de cabeça podem ser sintomas da má postura do indivíduo. Alguns determinados

Leia mais

Cap. 6, An Introduction to Rehabilitation Engineering. Adequação Postural. EN Engenharia de Reabilitação 1

Cap. 6, An Introduction to Rehabilitation Engineering. Adequação Postural. EN Engenharia de Reabilitação 1 Cap. 6, An Introduction to Rehabilitation Engineering Adequação Postural EN2313 - Engenharia de Reabilitação 1 INTRODUÇÃO Na aula passada... Cadeiras de rodas não são apenas dispositivos de mobilidade,

Leia mais

Influência do fortalecimento abdominal na função perineal, associado ou não à orientação de contração do assoalho pélvico, em nulíparas

Influência do fortalecimento abdominal na função perineal, associado ou não à orientação de contração do assoalho pélvico, em nulíparas Influência do fortalecimento abdominal na função perineal, associado ou não à orientação de contração do assoalho pélvico, em nulíparas The abdominal strengthen influence in perineal function when associated,

Leia mais

Disciplina. 1 ano - 2 Semestre. Disciplina

Disciplina. 1 ano - 2 Semestre. Disciplina 1 ano - 1 Semestre Anatomia Humana I 60 4 Estudo da Genética e da Evolução 60 4 Necessidades Educacionais Especiais 60 4 História e Fundamentos da Fisioterapia 45 3 Antropologia 30 2 Fisiologia 60 4 Saúde

Leia mais

MÉTODO PILATES NO ALONGAMENTO DA MUSCULATURA RESPIRATÓRIA

MÉTODO PILATES NO ALONGAMENTO DA MUSCULATURA RESPIRATÓRIA MÉTODO PILATES NO ALONGAMENTO DA MUSCULATURA RESPIRATÓRIA ELISANGELA VILAR DE ASSIS LUIZ CARLOS DA SILVA JUNIOR MARTA LÍGIA VIEIRA MELO UBIRAÍDYS DE ANDRADE ISIDÓRIO ARACELE GONÇALVES VIEIRA FACULDADE

Leia mais

MANUAL DO LIAN GONG. Apenas 12 minutos por dia

MANUAL DO LIAN GONG. Apenas 12 minutos por dia MANUAL DO LIAN GONG Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde. A ginástica Lian Gong (pronuncia-se "liam cum") foi desenvolvida na China, pelo Dr. Zhuang

Leia mais

MANUAL DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES EM TRATAMENTO COM TOXINA BOTULÍNICA

MANUAL DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES EM TRATAMENTO COM TOXINA BOTULÍNICA MANUAL DE EXERCÍCIOS PARA PACIENTES EM Por quê fazer exercícios? Porquê você recebeu um medicamento que age nos músculos, tornando-os mais relaxados, no entanto, se não houver a prática de exercícios físicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA DOS PARTICIPANTES DO PROJETO DE EXTENSÃO INTERVALO ATIVO

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA DOS PARTICIPANTES DO PROJETO DE EXTENSÃO INTERVALO ATIVO AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA DOS PARTICIPANTES DO PROJETO DE EXTENSÃO INTERVALO ATIVO PORTO, Ane Jaqueline Mastella 1 ; FAGUNDES, Adriano Perreira¹; ANTONELLO, Raquel Amaral¹; PANDA, Maria Denise Justo

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CENTRO DE GRAVIDADE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

DETERMINAÇÃO DO CENTRO DE GRAVIDADE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior P O C. G. refere-se a um ponto onde está concentrada toda a massa do corpo, sem que seu comportamento mecânico seja alterado Base de apoio P Para se manter em equilíbrio

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL DE TRABALHADORES DE COSTURA NO INTERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL.

AVALIAÇÃO POSTURAL DE TRABALHADORES DE COSTURA NO INTERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL. AVALIAÇÃO POSTURAL DE TRABALHADORES DE COSTURA NO INTERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL. Joyce Raquel Cândido de Medeiros 1, Marcelo Cardoso de Souza 2 José Felipe Costa da Silva 3, Juliana Simonelly

Leia mais

Normal Climatológica da Precipitação Acumulada Mensal do Distrito Federal para o Período

Normal Climatológica da Precipitação Acumulada Mensal do Distrito Federal para o Período Normal Climatológica da Precipitação Acumulada Mensal do Distrito Federal para o Período 1971-2000 Fábio C. Conde 1,2, Andrea M. Ramos 1,2, Luiz A. R. Santos 1, Danielle B. Ferreira 1 1 Coordenação de

Leia mais

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 1 O Ombro é uma articulação de bastante importância para todos nós, visto que para fazermos até as atividades mais simples, como escovar os dentes e dirigir, precisamos dele. Devido a esta característica,

Leia mais

TIPOS DE LESÕES. Adaptado de CHAFFIN e ANDERSON (1991) TIPO DE TRAUMA

TIPOS DE LESÕES. Adaptado de CHAFFIN e ANDERSON (1991) TIPO DE TRAUMA LESÕES NO TRABALHO TIPOS DE LESÕES TIPO DE TRAUMA CAUSA EFEITO Trauma por impacto Uma força repentina de grande intensidade Contusões, lacerações, fraturas, amputações, subluxações articulares, concussões,

Leia mais

A Matemática e a Resolução de Problemas por crianças de 4 anos

A Matemática e a Resolução de Problemas por crianças de 4 anos UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO Curso de Mestrado em Educação Pré-escolar A Matemática e a Resolução de Problemas por crianças de 4 anos Sob orientação de: Orientadora:

Leia mais

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2016/2) CURSO DE FISIOTERAPIA. ORIENTADORA: Profa. ANA CAROLINA MESQUITA DO NASCIMENTO

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2016/2) CURSO DE FISIOTERAPIA. ORIENTADORA: Profa. ANA CAROLINA MESQUITA DO NASCIMENTO O coordenador do Núcleo de Atividades Complementares NAC, nos termos da Resolução CONSUP Faculdade CESUC 001/2015, divulga abaixo a relação das BANCAS PÚBLICAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO do Curso

Leia mais

O uso excessivo de tecnologias pode causar doenças

O uso excessivo de tecnologias pode causar doenças Saúde & Tecnologia O uso excessivo de tecnologias pode causar doenças Os aparelhos digitais, fonte de informação e entretenimento, tem levado muitos usuários a permanecerem por longos períodos conectados

Leia mais