A TRAJETÓRIA DE TER: DE VERBO PREDICADOR DE POSSE A VERBO FUNCIONAL DE EXISTÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TRAJETÓRIA DE TER: DE VERBO PREDICADOR DE POSSE A VERBO FUNCIONAL DE EXISTÊNCIA"

Transcrição

1 Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul A TRAJETÓRIA DE TER: DE VERBO PREDICADOR DE POSSE A VERBO FUNCIONAL DE EXISTÊNCIA Joana Mendes de OLIVEIRA (UFRJ) Marcia dos Santos Machado VIEIRA (UFRJ) ABSTRACT: This study focuses the phenomenon of gramaticalization that occurs with ter. Depending on the context, this verb can be either a full predicate or a non -full predicate, that is, it can be the main responsible for giving the thematic roles to the arguments of a sentence or it can be a functional verb that denotes existence. The data from which the occurrences of ter were taken belong to Brazilian and European oral and written texts. By developing the qualitative and quantitative analysis of them, this work intend to investigate and show the aspects related to a functional categorization of ter when it participates in existencial expressions. It also tries to stabilish the predicative characteristics of such expressions. KEYWORDS: Grammaticalization; Nuclear verb; Functional verb; Portuguese varieties. 1. Introdução Sabe-se, por conta de fatores semântico-cognitivos e sócio-discursivos, que os itens lexicais de uma língua se sujeitam ao processo de mudança categorial em virtude do qual sofrem transformações tanto lexicais quanto gramaticais. Nas variedades brasileira e européia do Português, o verbo ter revela-se como um desses itens. Neste estudo, pretende-se expor alguns aspectos do caráter multifuncional de ter já identificados na pesquisa que se desenvolve no âmbito do Projeto Formação e expressão de predicados complexos: polifuncionalidade verbal. Focalizam-se, nesta comunicação, as extensões de uso/sentido desse item que ocorrem em predicações possessivas ou existenciais. Parte-se do pressuposto de que, em sua trajetória de verbo predicador de posse a verbo funcional de existência (cf. FRANCHI et alii, 1998: 110), ter deixou de apresentar, pelo menos de modo transparente em determinados casos, certas propriedades relativas à sua configuração semântica e sintática e passou a assumir outras. Interessa à pesquisa em que se insere este trabalho estabelecer as propriedades prototípicas de cada emprego de ter e a relação entre suas interpretações possessiva e existencial. Tendo em vista a relação entre os empregos possessivo e existencial de ter e haver, busca-se, ainda, tecer considerações a respeito da variação de ter e haver em construções existenciais na fala de brasileiros e portugueses, principalmente no que tange aos condicionamentos sociais e lingüísticos dessa alternância. Conta-se com a análise quantitativa e qualitativa de dados coletados em: (i) entrevistas do acervo da equipe VARPORT e dos projetos APERJ, CRPC-Lisboa, NURC-Rio e PEUL; e (ii) periódicos da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro e da Biblioteca Nacional de Lisboa. Para a pesquisa de aspectos formais e semântico-discursivos relativos à categorização funcional de ter em expressões possessivas e existenciais e de sua trajetória de verbo predicador a verbo funcional, investigam-se os dados orais e escritos à luz de pressupostos funcionalistas de DIK (1997), TAYLOR (1995) e HOPPER (1991). Da Teoria da Gramática Funcional holandesa, seguem-se (i) orientações relativas à configuração semântica e estrutural de predicações, (ii) regras de formação e expressão de predicados complexos, (iii) a noção de operador gramatical. O conceito de categorização gradual apresentado por TAYLOR e o conjunto de parâmetros/princípios de gramaticalização descritos por HOPPER também colaboram para o tratamento do tema que aqui se propõe. Com o intuito de poder examinar a variação de ter e haver no Português, conjugou-se, na medida do possível, esse aporte funcionalista ao enfoque teóricometodológico da Sociolingüística Laboviana. 2. Funções de ter no Português Nos 359 dados de ter e haver obtidos na primeira amostra que se constituiu para a investigação do tema, identificam-se os seguintes tipos de emprego:

2 A. Ter predicador, com valor similar ao de possuir (1) #D- senhor J há muitos problemas assim sei lá de drogarias de mercearias pequenas e coisas assim em relação à concorrência dos supermercados?#i- há há há muito muito muito porque o supermercado eles não ganham dinheiro estão-se valendo é dos capitais que têm [PE oral popular, faixa 1, masculino 06] (2) "(...) Olha, o Paulinho vai sempre lá para Mendes, que ele tem casa lá. Vai sempre para lá, fim de semana vai para lá. Aí, ele fica lá, na casa dele lá. Ele adora aquilo, não é (inint) tem piscina, tem sauna, tem tudo lá. Ele adora aquilo. "(PB oral, PEUL, inq. 47, faixa B, nível2, pág.: 237) B. Ter predicador, com outros valores ( conter ; reter / hospedar ; manter ; guardar ; adquirir; entre outros) (3) faz um exame e vão a essa apanha das algas e o marítimo diz que tem muita influência porque o peixe arribava não é? e criava-se que era coisa da da natureza e criava-se e depois - a costa tinha sempre peixe e agora desde que a apanha das algas tem sido sempre menos menos menos menos e carapaus peixes miúdos choupa robalos e coiso é um caso sério [PE oral popular, faixa 3, masculino 02] (4) eu tive em minha casa aqui em Ipanema uma vez um garoto ele era do Mato Grosso, está? Ele veio prestar o vestibular aqui. [PB oral, PEUL, inq. 37, faixa A, nível 2, p. 93] (5) eu acho Madureira ótimo... e nós tivemos muito sucesso na Cultura Inglesa... fez mu ito sucesso... ( ) no ano de setenta e nove... nós tivemos mil e setecentos alunos lá... não de Madureira porque muito pouca gente mora em Madureira... mas às vezes é ( ) redondeza né...redondeza... [PB oral, NURC90, faixa 3, masculino 01] (6) ninguém paga sabe a colônia faliu eu estou atrasado há um ano ah porque ah eu pago tenho recibo tudo guardo todos os recibos (quer) ver eu pago a colônia que pra ajudar a colônia que que a colônia eu quero levar meu filho no dentista tem um dentista quero levar (ela) no dentista e eu também vou no dentista [PB oral popular, APERJ, faixa 2, masculino 05] (7) TER predicador de posse (sujeito inanimado) #INF L2: "...relativos às empresas, né? Às sociedades anônimas...ah...às empresas estatais... aquele conjunto de papéis e os : os títulos vão tendo valores à medida da... da lei da oferta e da procura..." (PB oral, NURC-RJ, inq355, faixa B, nível 3, pág.: 96) (8) Seu anel de grau deve ter a garantia Masson (...) (PB escrito, VARPORT, O Globo, 12/01/1955, E-B-93-JA-015) C. Ter/haver operadores funcionais, com valor semelhante ao de existir (9) última vez que estiveram no Maracanã o carro dele foi roubado... nem sinal... quer dizer aí... meu pai tá meio... tá meio desiludido... né tá com... quase setenta anos... (ele) num vai mais não... mas deve ter MUIta gente que eu num conheço... muita gente mesmo se afastando... [PB oral, NURC90, faixa 2, masculino 02] (10) "(...) olhe a moda deste ano acho engraçada. Acho, porque é, é tem muita coisa por onde escolher (...)"(PE oral, CRPC-PF, inq.653, faixa B, nível 2, p.169) (11) #D-E assim, por exemplo, em termos de, eh, de você achar importante, como é que você acha uma moça bem vestida? O que você gosta da moda atual das mulheres?#l-(inin t.) Bom, eu, eu gostaria de analisar esse... Eu analisaria essa, essa tua pergunta em relação a uma menina que eu conhecesse, certo? Quer dizer, eu acho que eu vendo assim uma, uma mulher bem vestida na rua, uma mulher que eu não conheço, eu posso, a impressão que ela pode me dar é a impressão de estar, de asseio ou não, né? Agora uma menina que eu conheço, que eu posso identificar que ela, o modo dela vestir, o modo dela se vestir, quer

3 dizer, identificar com os traços do caráter dela, do, do comportamento dela, entende? Pode-se, eh, observar que há uma certa assim coerência, que há, que o modo de vestir é um reflexo do caráter dela. [VARPORT - PB oral culto 70, Oc -B-70-1m-001, Setembro de 1972 Rio de Janeiro/RJ, 25 anos, Masculino, Professor] (12) #I - os americanos fazem exactamente o contrário. viram que há um europeu que descobriu um, digamos, um determinado princípio científico e, eh, desenvolvem-no até mais não poder ser. ora é um pouco nesta, sobre este aspecto que eu vou, vou agarrar em determinados princípios, que estão, não digo em[...], eh, embrionários, mas pouco mais, e que, eh, serão depois aplicados a, a assuntos sérios com determinada rentabilidade, não é? #D - do que aqui em Portugal. #I - do que aqui em Portugal, pois. [VARPORT - PE culto 70, Oc-P-70-3m-001, 57 anos, Masculino, Engenheiro agrónomo (Agronomia)] D. Ter/haver operadores funcionais, com outros valores ( ocupar ; acontecer / ocorrer / dar-(se) ; completar um dado período de tempo ) (13) Discordamos, frontalmente, dos que consideram o PDT próximo do fim, ante a derrota, na sua segunda tentativa de chegar à Presidência da República. Repelimos, também, a idéia de que não teremos maiores espaços na política do Rio de Janeiro com a perda do Palácio da Guanabara. [PB escrito, Editoriais VARPORT, O Dia, 10/01/1995, PDT passa à oposição, p.06, E-B-94-JE-006] (14) #I aí os (cinco) ficam ancorado esperando o tempo passar aí por exemplo eu peguei eu estava pescando dourado em frente ao Farol - o Arraial do Cabo né umas cinco hora pro Farol do do Cabo o local aí bateu um temporal assim rapidamente entendeu? foi o noroeste o vento noroeste aí eu fiquei assim poxa é como pedir a Deus que ajude a gente #D2 - graças a Deus não aconteceu nada #I - é aí graças a Deus não houve nada [ VARPORT PB popular, Op -B-90-1m-003, Fevereiro de 1995, Macaé/RJ, 35, Masculino, Pescador, 4ª série do Ensino Fundamental] (15) #I - deixo a escola e perco as minhas amigas, então vou para a escola embora realmente esteja em oposição com a professora. bem, até ao final do primeiro período não houve mais nada de especial, eu no, no final do período procurei falar com a senhora, ah, pedirlhe uma opinião, ah, aliás mostrando-me aberto mesmo a uma crítica que porventura me focasse determinados aspectos que pudessem ser susceptíveis de correcção. [VARPORT - PE culto 70, Oc -P-70-2m-001, A gravação foi realizada entre 1970 e 1974,43 anos, Masculino, Secretário geral da Inspecção do Desporto Universitário, Licenciatura] E. Ter/haver operador funcional com comportamento semelhante ao de um operador de verbalização (verbo-suporte). (16) #DOC.: "hum agora vocês vendem para o atravessador ou para essa... esse mercado aqui?" #INF.: "o mercado aqui não tem... / não te m muita saída de camarão por exemplo e/ e pescadinha é muita quantidade Macaé não consome todas as pescas de Macaé (...)" (PB oral, APERJ, inq. MAC B - 1, pista 3, nível 1, l. 150) (17) #INF L2: "...eu vou comprar o título não sei de quê já que estamos tratando de...mercado de capitais...eu não tenho essa preocupação...eu..." (PB oral, NURC-RJ, inq355, faixa B, nível 3, pág.: 96) (18) #I - porque a a rede que/ que como é o rapaz acabou de dizer uma rede de malha miúda uma rede miúda então ela fica de uma maneira embatumada devido o lodo e não há condição do peixe malhar então essa rede não pode penetrar no Paraíba nessa época só pode entrar aquela de malha grande uma malha mais lassa a gente só apanha o peixe maior[varport PB popular, Op-B-90-2m-008, Fevereiro de São João da Barra- RJ, 44 anos, Masculino, Pescador, 4 a. série do Ensino Fundamental] (19) LOC - por exemplo... eu sou de família... de família fundadora da cidade do Rio de Janeiro... então... eh... minha avó... pra você ver... minha avó tinha... abria... havia aquela... aquele pessoal que tinha um status... que tinha dia certo pra abrir salão... pra receber... não

4 é? então... agora você vê... houve uma queda financeira... ela não resistiu... até morreu muito nova... estas mulheres antigamente se davam ao luxo de não agüentar o... o rojão como a gente agüenta agora... né? [VARPORT - PB oral culto 70, Oc-B-70-3f-002, Março de 1978 Rio de Janeiro/RJ, 58 anos, Feminino, Advogada] (20) #I - eh, eu não acho nada incorrecto, até acho que se, se eles brincarem com coisas não específicas seria mais certo. quer dizer, formarem eles os próprios brinquedos. até se tende muito para essa #D - hã. #I - orientação. mas, eh, há aquela tendência sempre para dar uma boneca à menina, não é. e elas depois #D - [...]. #I - acabam por la[...], por lidarem com as bonecas como se fossem pessoas, não é. quase assim. mas há realmente crianças que não se interessam tanto. talvez a minha seja uma delas, não sei se é por causa do irmão se não, mas... [...].[VARPORT - PE culto 70, Oc -P-70-1f-004, Anos 70. Lisboa, 32 anos, Feminino, Médica, Curso de medicina] E, ainda, F. Ter híbrido ( opaco ), cujo estatuto lexical (de predicador) ou semi-gramatical (de verbo funcional) não é transparente devido à ocorrência de um pseudo -sujeito /sujeito expletivo ( você, a gente ou nós com referência indeterminada/arbitrária). (21) isso é uma vista que né todo mundo gosta de ver porque você chega aqui no farol você olha pra fora aquilo é um é uma beleza porque o mar você tem aquela caída porque o mar é mais alto que a lagoa o mar é mais alto e aí você vai ver quando o mar é alto ele vem [PB oral popular, APERJ, faixa 3 masculino 01] (22) Não cheguei nem, e Kioto, não fui até Tókio, mas a impressão que você tem, é isso, que é uma cidade, é um país assim super-avançado mas que por exemplo em Kioto você tem aquela confusão da rua, trânsito carro pra caramba, mas você tem aqueles castelos de imperadores antigos, não sei o quê. [PB oral, NURC90, faixa 1, feminino 01] (23) (...) eu falei de música portuguesa, sob[re], nós temos na península ibérica, também temos a considerar a música espanhola (...)"(PE oral, CRPC-PF, inq.1242, faixa A, nível 3, p.277) G. Ter híbrido ( opaco ), cujo estatuto lexical (de predicador) ou semi-gramatical (de verbo funcional) não é transparente devido à possibilidade de interpretação das construções abaixo como contendo um sujeito-possuidor elíptico (de referência indeterminada, nos dois primeiros exemplos, ou determinada ( o ninho ), no terceiro). O terceiro exemplo permite também a leitura de que [no ninho] tinha passarinhos (...) (24) Na Covilhã, [nós] temos a Universidade Católica do Porto, e a Universidade do Porto, a Universidade de Aveiro, e a Universidade do Minho. (PE oral, CRPC, faixa 2, nível 1, masculino) (25) Nos soalhos Fungão Não! Teolin Sim! A tinta TEOLIN vem substituir o velho processo de encerar as casas e de dar cabo da paciencia das CRIADAS. Para [você/alguém] ter um soalho brilhante basta pinta-lo com "Teolin" (PB escrito, VARPORT, O Século, 11/08/1930, E-P-92-JA-036) (26) Encontrei o ninho e tinha passarinhos pequenininhos (PE oral, CRPC, nível 1, faixa 1, masculino) 2.1 Ter predicador: configuração prototípica de predicações de posse Como elemento nuclear da predicação, ter designa um estado de coisas [-controlado] e [-dinâmico] entre duas entidades -participantes que ocupam as posições argumentais de Sujeito e Objeto e se manifestam por meio de sintagmas nominais. Expressa um estado de posse ou, mais genericamente, um cenário em que se relacionam possuidor e objeto possuído, todo e parte ou entidade que possui/contém

5 e entidade que é possuída/está contida. Por exemplo: (27) inclusive era um pai de um pescador da nossa colônia era o o que tinha uma ca/ Jorge Pereira Viana que tinha uma canoa chamada Adelaide Viana que era essa canoa inclusive o nome da canoa é são os barraco de madeira que antigamente era a colônia era fei/ era nos barraco de madeira onde o pessoal guardava o seu material aqui dentro [PB oral popular, APERJ, faixa 3 masculino 05] (28) #D - mas não tem como subir por quê?#i - a barragem não tem escada não é igual a do Pará (PB oral popular, APERJ, faixa 2, masculino 04) (29) Mesmo por telephone. Pode comprar o seu caminhão usado. Basta exigir que elle tenha a Etiqueta Azul. (PB escrito, VARPORT, Correio da Manhã, 11/11/1937, E-B-92-JA-027) (30) GRIPE sómente ataca os que têm o organismo enfraquecido e uma das causas mais communs de diminuição da resistência organica é o excesso de acidez. (...) (PB escrito, VARPORT, Correio da Manhã, 05/09/1939, E-B-92-JA-036) (31) pois praticam desses preços baixos e as despesas muito elevadas porque está a ver por exemplo eles eles têm ali aquela casa ali no na venda nova que me consta que têm à volta de uns quatrocentos empregados numa média de quatrocent/quatro contos cada mês para cada um empregado alguns ganham mais outros ganham menos veja faça-lhe as contas quanto é que eles têm quanto é que têm de pagar por mês muito embora fazendo muito negócio mas não têm lucros compatíveis com as despesas (PE oral popular, faixa 1, masculino 06) Percebe-se que o verbo predicador ter não impõe condições semânticas restritas aos termos que ocuparão as casas argumentais de Sujeito e Objeto, como fazem outros verbos transitivos. Por mais que, no corpus, se mostre bastante produtivo o preenchimento do argumento interno por um termo com propriedades de entidade inanimada e concreta, nem sempre isso ocorre: identificam-se, por exemplo, termos que designam relações interpessoais, estados psicológicos (ou seja, usos [+ abstratos]). (32) #INF L1: "eu tenho meus irmãos rapazes que o que eu estiver contando para você... você é minha grande amiga...eu conto para eles até as minhas...vamos dizer... as minhas mais íntimas experiências..." (PB oral, NURC-RJ, inq147, faixa A, nível 3, pág.: 59) (33) O govêrno parece muito preocupado, nesta altura, com as manifestações ditas terroristas, mas que de terrorismo efetivamente nada têm, não passando de isolados golpes de mão objetivando, com segundo sentido, provocar a opinião pública. (PE escrito, Editoriais VARPORT, Diário da Noite, 01/02/1962, Solução ilegal agita congresso, E-B-93-JE-005) (34) Devido ao grande sucesso das viagens do Catamarã até a ilha de Paquetá, a transtur vai colocar o Catamarã em operação nesse final de semana prolongado. Assim você vai ter mais rapidez, conforto e segurança para comemorar a sua independência. (PB escrito, VARPORT, O GLOBO, 05/09/1998, E-B-94-JA-004). Quanto à posição de argumento externo, verifica-se que nesta podem ocorrer termos com diversas características: (i) com referência a entidades mais ou menos animadas, concretas ou abstratas, mais ou menos definidas/determinadas no discurso; (ii) com papel semântico de beneficiário/possuidor, experienciador, tema, localização (espacial ou temporal), ou simplesmente com função semântica zero [Ø] (entidade primariamente envolvida num estado), já que, de acordo com DIK (1997), aquelas seriam funções secundárias em relação a esta. Os enunciados abaixo ilustram essas possibilidades: (35) (Sujeito inanimado) #INF L2: "...relativos às empresas, né? Às sociedades anônimas...ah...às empresas estatais... aquele conjunto de papéis e os : os títulos vão tendo valores à medida da... da lei da oferta e da procura..." (PB oral, NURC-RJ, inq355, faixa B, nível 3, pág.: 96) (36) (Sujeito possuidor animado/concreto/indefinido) a gente vê assim um dourado é que o dourado é peixe de água limpa e com aquilo ali que às vezes muita gente diz assim ah se a gente tivesse uma máquina pra gravar que às vezes o peixizinho levanta (a) sai principalmente a a (tuninha) que é o boto né bate e levanta você está com o motor ligado ela vem atrás do barco (pô) mas aquilo é uma é uma beleza pra gente né (PB oral popular,

6 APERJ, faixa 3 masculino 01) (37) (Sujeito tema inanimado/concreto/definido) Procura uma casa estilo neoclássico que tenha um vitral de Santo António no cimo das escadas e azulejos azuis com florzinhas amarelas na casa de banho? É bem provável que o BESCasa tenha. (PE escrito, VARPORT, Público, 23/09/2000, E-P-95-JÁ-037) (38) (Sujeito possuidor indefinido) #INF F: "Porque, por sinal, eu acho protestante- sou contra. Cada um tem lá a sua religião, agora, eu- a minha sogra está doente e eles visitam, não é? " (PB oral, PEUL, inq29, faixa B, nível2, pág.: 186) (39) (Sujeito locativo) #INF L1: "morando em Ipanema...eu sou suspeita para falar...mas ( ) sinto tanto... eu não posso deixar de pensar em outras pessoas que ( ) Ipanema tem um clima..." (PB oral, NURC-RJ, inq147, faixa A, nível 3, p. 56) (40) (Sujeito experienciador) só que o trabalho é tanto, e a confusão é tanta que, e o cansaço neste momento, ah, as remodelações e os papéis, a burocracia, ah, e a fadiga que os professores têm neste momento, em relação ao ensino, também, começa a ser de tal, de tal maneira forte, que, que as pessoas não querem. não querem, evitam, participar, a não ser uma ou outro professor (PE oral culto, faixa 1, feminino, nível 02) Estruturalmente, as construções possessivas com ter apresentam a seguinte configuração no corpus investigado: [TER (x 1 : SN) Sujeito e (x 2 : SN) Objeto ] Predicação. 2.2 Ter existencial Distribuição dos dados por contextos extralingüísticos Variedade nacional A distribuição dos dados de ter no corpus corrobora a hipótese inicial desta pesquisa (fundamentada em outros estudos a esse respeito) de que, apesar de ocorrer no Português Europeu, sua extensão de sentido existencial tem maior expressividade de uso no Brasil. Variedade Nacional POSSE EXISTÊNCIA Oco % Oco % P.R. PB 61/101 61% 40/101 39% 0,610 PE 59/64 93% 5/64 7% 0, Faixa etária Conforme se visualiza na tabela a seguir, ter existencial é empregado por falantes das três faixas etárias consideradas. Entre falantes mais velhos apresenta uma produtividade um pouco maior. Faixa etária POSSE EXISTÊNCIA Oco % Oco % P.R A (18-35) 22/35 63% 13/35 37% 0,420 B (36-55) 28/42 66% 14/42 34% 0,453 C (56-...) 15/33 46% 18/33 54% 0,642

7 Nível de escolaridade Apesar de o quadro abaixo exibir um percentual um pouco menor de ter existencial entre os falantes com terceiro grau de escolaridade, não se pôde captar, pelo menos até esta etapa preliminar da pesquisa, o condicionamento da variável nível de escolaridade que se imaginava: maior tendência ao emprego de ter existencial entre falantes menos escolarizados, uma vez que, submetido à pressão normativa que envolve o processo de escolarização, o falante tenderia a adquirir a variante padrão, substituindo o ter existencial por haver existencial. Grau de escolaridade POSSE EXISTÊNCIA Oco % Oco % 1 25/41 60% 16/41 40% 2 9/23 40% 14/23 60% 3 31/46 68% 15/46 32% Aspectos lingüísticos Além de significados distintos (de existência, apresentação, acontecimento/evento, ilustrados pelos enunciados do item D no início da seção 2 deste artigo), as construções existenciais caracterizam-se por resultarem da articulação de ter/haver com um constituinte interno preenchido por um termo com função referencial e, em alguns casos, com um pseudo-sujeito /sujeito expletivo com referência arbitrária/impessoal, do tipo você, ele, a gente e até nós (indefinido). Observem-se os exemplos do item F. De acordo com FRANCHI et alii (1998), em sentenças existenciais ter/haver não se comportam como núcleos da predicação e, conseqüentemente, transferem para um constituinte predicativo à direita o papel de predicador da sentença. Esse constituinte pode ter a estrutura de um sintagma preposicional ou adverbial (com sentido de localização no espaço ou no tempo), um sintagma oracional (uma oração finita ou reduzida de gerúndio/infinitivo, com sentido de apresentar um estado de coisas ou uma propriedade em relação a uma entidade contida/possuída/experimentada (argumento interno)), conforme nos exemplos: (41) "(...) olhe a moda deste ano acho engraçada. Acho, porque é, é tem muita coisa por onde escolher (...)"(PE oral, CRPC-PF, inq.653, faixa B, nível 2, p.169) (42) Sei que com ele sempre existia carnaval. Então teve um ano aqui que ele se aborreceu e não quis (...) (PB oral, PEUL, inq. 32, faixa C, nível 2, p. 66) O SN argumento interno portador da noção de objeto contido/possuído/experimentado (conteúdo) não tem relação gramatical com ter, mas com o constituinte predicativo, que seria o responsável pela atribuição de papel temático ao SN argumento interno. Cogita-se a hipótese de que, na verdade, ter nessa condição partilhe com o constituinte a função predicante de estabelecer o estado de coisas em relação ao argumento interno com traços semânticos de objeto possuído/conteúdo/estado psico-social experiementado, constituindo, portanto, uma espécie de predicador complexo (ter + constituinte predicativo). Teríamos, então, a seguinte configuração: [TER [ (x 1 : SN) [SP/SAdv/SOpredicador] ] Predicação ] Predicação. Essa hipótese será objeto de apreciação em outra etapa da pesquisa em que se insere esta comunicação. De qualquer modo, vale antecipar um aspecto interessante que parece um contra-argumento para essa hipótese: nem sempre se identifica o tal constituinte predicativo em sentenças existenciais. Não é obrigatória, por exemplo, a presença de um locativo em construções existenciais. A noção de espaço pode ser expressa ou não. Observa-se, no entanto, que a não-expressão da localização por meio de um sintagma preposicional ou sintagma adverbial parece ocorrer toda vez que essa informação estiver imediatamente acessível aos interlocutores. Por exemplo:

8 (43) É uma cultura completamente diferente, principalmente aqui no Rio de Janeiro, né, lá [no Japão] é, todo mundo muito ligado a trabalho, é, pontualidade impera, entendeu, você vai numa fila do metrô o pessoal ta numa fila realmente, não tá naquele amontoado, que nem aqui no Rio, e o cara fica parado e o Metrô pára exatamente onde você tá parado. Tem os locais marcados, é tudo por, cronometrado, entendeu, o fluxo de de carros não tem, não é essa zona que é aqui no Rio, entendeu, é tudo, é é engarrafado, tem bastante, que eu só visitei uma cidade (...) no Japão. (PB oral, NURC, inq. 90, faixa 1, p. 1) Em outros casos, ao ocorrer com nome inanimado abstrato, ter pode até ser considerado um Vsuporte que opera sobre esse nome, formando com este um predicado complexo (cf. exemplos do item E no início da seção 2). 2.3 Sua variação com o verbo haver: aspectos lingüísticos Em geral, ter é mais empregado que haver, principalmente na variedade brasileira. Porém, já se pôde identificar um contexto lingüístico em que parece haver preferência pela variante haver: a natureza semântica do SN argumento interno. Nota-se que as construções existenciais com ter são freqüentemente empregadas para apresentar a relação entre conteúdo/objeto contido e container/possuidor. Já as com verbo haver tendem a ser utilizadas para denotar fenômenos/eventos ou lapso de tempo decorrido. No corpus, registra-se a maior parte das ocorrências de haver com a indicação de tempo decorrido, e poucas ocorrências de ter com este uso. Ao que parece, ter especializa -se na indicação de sentido [+ existencial] ou [+ apresentacional] ao passo que haver se mantém na indicação de eventos ou tempo decorrido, neste caso chega a atuar como uma espécie de operador de quantificação temporal (à semelhança do que ocorre com fazer, cf. MACHADO VIEIRA, 2001). Observem-se os exemplos a seguir: (44) Júpiter, que há meses brilha na constelação do Leão, alcançou a posição oposta ao Sol em 29 de Fevereiro último, e surge agora com brilho intenso (...) (PE escrito, VARPORT, Público, 13/03/1992, p. 26, E-P-95-JN-011) (45) Há pouco mais de trinta annos, o feijão preto custava 380 réis o kilo. (PB escrito, VARPORT, O Globo, 01/07/1925, E-B-92-JE-001) (46) A câmara, ontem, teve uma reunião tranqüila com a presença de 177 deputados e não houve discussões sobre a reforma. (PB escrito, VARPORT, Jornal do Brasil, 01/04/1977) (47) O Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema confirmou ontem que nos últimos dias houve ligeiras paralisações do trabalho em setores da indústria, mas desmentiu que os trabalhadores tenham feito greve. (PB escrito, VARPORT, Jornal do Brasil, 12/05/1978) 2.4 A relação entre os seus comportamentos de verbo predicador e verbo funcional Determinadas sentenças/predicações possessivas e existenciais consistem, na verdade, em construções que revelam perspectivas de descrição distintas do mesmo estado de coisas. Comparem-se os exemplos abaixo: (48) O país já tem 2 milhões de desempregados (PB escrito, VARPORT, Jornal do Brasil, 30/06/1986, E-B-94-JN-018) (Já tem 2 milhões de desempregados no país.) (49) "(...) aqui em cima é uma... uma espinhazinha que ele tem nas costas né? (...)" (PB oral, APERJ, inq. MAC B - 0, pista 1, nível 1, l.651) (As costas [dele] têm uma espinhazinha.)

9 Nas construções em que ter ocorre com estatuto de verbo predicador de posse, o estado de coisas é expresso a partir da perspectiva da(o) entidade/ser que contém (do container). Já nas sentenças em que ter revela comportamento de verbo funcional de indicar existência, o estado de coisas é apresentado da perspectiva da(o) entidade/ser contido (do conteúdo). Observa-se que, nessas construções, o sintagma nominal com relação gramatical de sujeito do verbo de posse e o sintagma preposicional com relação gramatical de predicador secundário são preenchidos por termos com papel semântico de localização, ou que possam ser interpretados/entendidos como tal. De acordo com DIK (1997), o componente gramatical de assinalação das funções sintáticas tem o papel de determinar a diferença de perspectiva de configuração dos estados de coisas, ou seja, de captar os diferentes pontos de vista a partir dos quais os estados de coisas podem ser apresentados. A atribuição de sujeito em uma predicação implica a singularização de um dos argumentos como ponto de observação a partir do qual é descrito o estado de coisas. Tendo isto em vista, entende-se que as sentenças existenciais e possessivas constituem recursos estruturais distintos para a obtenção de efeitos de sentido diferentes a partir de um mesmo estado de coisas (relação entre parte e todo, conteúdo e container, elemento e grupo, ser/entidade e espaço/cenário). Pode-se focalizar o espaço como o possuidor (argumento externo) ou como o cenário. Parece que, no Português do Brasil, os falantes re-interpretam o SN argumento sujeito de estruturas possessivas portador de noção semântica de lugar/tempo presente como um locativo e, como esta função é uma das menos proeminentes na hierarquia de funções semânticas, passam a concretizá-lo como um componente circunstancial em posição de satélite/adjunto. Essa correspondência, no entanto, nem sempre é possível. Veja-se o seguinte exemplo: (50) Se o camarada tiver a embarcação com bússola ele vai... não tem problema (PB oral, APERJ, inq. MAC107C0, pista 1, nível 1, l. 763) (Porém: *Se tiver a embarcação com bússola no camarada.) O SN e o SP não equivalem a termos com papel temático locativo, fator que inviabiliza a correspondência entre as sentenças. 3. Considerações finais Na próxima etapa da pesquisa, prevê-se (i) o aprofundamento da pesquisa que se empreendeu até o momento com a ampliação da amostra para análise, a retomada de alguns aspectos lingüísticos averiguados e o exame de alguns dados/enunciados com ter que ficam na fronteira entre as interpretações possessiva e existencial, (ii) a investigação de implicações discursivas relativas às sentenças existenciais (com ou sem pseudo-sujeito / sujeito expletivo de caráter genérico/arbitrário) e (iii) a observação da influência de aspectos relacionados ao discurso (como planos da narrativa (figura e fundo) e finalidade discursiva (narrar, descrever/caracterizar, argumentar, instruir, apresentar), entre outros) no emprego de ter existencial e na sua alternância com haver existencial. RESUMO: Este estudo enfoca o fenômeno da gramaticalização que ocorre com TER. Dependendo do contexto, esse verbo pode ser um predicador pleno ou um predicador não pleno, ou seja, pode ser o principal responsável por dar papéis temáticos para os argumentos da sentença ou pode ser um verbo funcional que denote existência. As ocorrências com ter foram retiradas de dados pertencentes a textos orais e escritos do português brasileiro e europeu. Desenvolvendo uma análise qualitativa e quantitativa de tais ocorrências, este trabalho pretende investigar e explicitar os aspectos relacionados com a categorização funcional de ter quando participa de expressões existenciais. Também procura-se estabelecer características predicativas de tais expressões. PALAVRAS-CHAVE: Gramaticalização; Verbo predicador; Verbo funcional; Variedades do Português.

10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CALLOU, Dinah & AVELAR, Juanito O. de. Sobre ter e haver em construções existenciais: variação e mudança no português do Brasil. Gragoatá, n.9, p , Letras/UFF, Niterói. DIK, Simon. The Theory of Functional Grammar. Editado por Kees Hengeveld. Berlin: Mounton de Gruyter. 2 v. FRANCHI, Carlos et alii. Sobre a gramática das orações impessoais com Ter/Haver. D.E.L.T.A., n. especial, v.14, p , HEINE, Bernd et alii. (1991) Grammaticalization: a conceptual framework. Chicago: University of Chicago Press. HOPPER, Paul J. (1991) On some principles of Grammaticalization. In:TRAUGOTT, Elizabeth Closs & HEINE, Bernd. (eds.). Approaches to grammaticalization, Vol. 1. Amsterdam/Philadelphia, John Benjamins Company. (p.16-35) MACHADO VIEIRA, Marcia dos S. (2001) Sintaxe e semântica de predicações com verbo fazer. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras, UFRJ. Tese de Doutorado. TAYLOR, John R. (1995) Linguistic categorization: prototypes in linguistic theory. 2 ed. Oxford: Calderon Press. (1989)

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS.

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (820-825) MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Luciene MARTINS (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah

Leia mais

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ )

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) Ediene Pena-Ferreira Marcela de Lima Gomes Universidade Federal do

Leia mais

item, em sua trajetória de verbo predicador pleno (com uma configuração que envolve três auxiliar.

item, em sua trajetória de verbo predicador pleno (com uma configuração que envolve três auxiliar. Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem ASPECTOS DA AUXILIARIDADE DE VOLTAR VOLTAR Fabrícia de Almeida Sousa 1 INTRODUÇÃO Neste artigo, pretende-se expor resultados de uma pesquisa

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

A SUBSTITUIÇÃO DE HAVER POR TER EM CONTEXTOS EXISTENCIAIS: ECOS DA MUDANÇA NA REMARCAÇÃO DO PARÂMETRO DO SUJEITO NULO

A SUBSTITUIÇÃO DE HAVER POR TER EM CONTEXTOS EXISTENCIAIS: ECOS DA MUDANÇA NA REMARCAÇÃO DO PARÂMETRO DO SUJEITO NULO #1481 A SUBSTITUIÇÃO DE HAVER POR TER EM CONTEXTOS EXISTENCIAIS: ECOS DA MUDANÇA NA REMARCAÇÃO DO PARÂMETRO DO SUJEITO NULO Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar Vitório Universidade Federal de Alagoas

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR)

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) ABSTRACT: In this work, I intend

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades Dinah Callou e Erica Almeida Universidade Federal do Rio de Janeiro Abstract This paper discusses four linguistic processes in two

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765 GRAMATICALIZAÇÃO DO ITEM TIPO EM FUNÇÃO DE CONECTOR COMPARATIVO SANTOS, Aymmée Silveira 1 aymmeesst@gmail.com UFPB SILVA, Camilo Rosa 2 camilorosa@gmail.com - UFPB RESUMO Os estudos sobre mudança linguística

Leia mais

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09 BÃO OCÊ QUERIA O QUE, SALÁRIO PRESIDIARIO R$ 960,00 REAIS PROS BANDIDO, TRAFICANTE, ESTRUPADOR E ASSASINOS E UM PAI DE FAMILIA TRABALHADOR UM SALARIO MINIMO DE R$ 622,00 REAIS, AI JA É MAIS DA CONTA, ACHO

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

A regra geral de concordância verbal é bastante simples: o verbo concorda com o núcleo (ou os núcleos) do sujeito. Desse modo, temos:

A regra geral de concordância verbal é bastante simples: o verbo concorda com o núcleo (ou os núcleos) do sujeito. Desse modo, temos: Concordância Na aula de hoje, estudaremos os principais tipos e ocorrências de itens relacionados à concordância verbal cobrados nos vestibulares do país. Nesse sentido, é válido lembrar que serão observadas

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais din-dim. Na Zona Su na Zona Norte é quem tem menos recursos.

Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais din-dim. Na Zona Su na Zona Norte é quem tem menos recursos. Rio, de norte a sul Aproximando o foco: atividades RESPOSTAS Moradores da Zona Norte e da Zona Sul O din-dim 1. Ouça Kedma e complete as lacunas: Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais din-dim.

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

INQ Nº 20 HOMEM idade: 24 anos Escolaridade: 2 grau DOCUMENTADOR: Norma Lopes DATA: 06/10/1998 TRANSCRIÇÃO: Alessandra Lopes Fontoura

INQ Nº 20 HOMEM idade: 24 anos Escolaridade: 2 grau DOCUMENTADOR: Norma Lopes DATA: 06/10/1998 TRANSCRIÇÃO: Alessandra Lopes Fontoura PROGRAMA DE ESTUDOS DO PORTUGUÊS POPULAR FALADO DE SALVADOR PEPP INQ Nº 20 HOMEM idade: 24 anos Escolaridade: 2 grau DOCUMENTADOR: Norma Lopes DATA: 06/10/1998 TRANSCRIÇÃO: Alessandra Lopes Fontoura 1

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 14

Transcrição de Entrevista nº 14 Transcrição de Entrevista nº 14 E Entrevistador E14 Entrevistado 14 Sexo Feminino Idade 50anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e dos Computadores Professor Ensino Superior - Investigação E -

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas

LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas LÍNGUA PORTUGUESA Questões Objetivas As questões 1 a 7 referem-se ao texto 1. Texto 1 NÃO HÁ ESTRANHOS, APENAS AMIGOS. Susan Andrews Revista Época, 17 de setembro de 2007. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Leia mais

Vestígios de traços melódicos da fala da mídia escrita contemporânea

Vestígios de traços melódicos da fala da mídia escrita contemporânea Vestígios de traços melódicos da fala da mídia escrita contemporânea Vestígios de traços melódicos da fala da mídia escrita contemporânea Maria Cecilia Mollica * Viviane dos Ramos Soares * Resumo Dando

Leia mais

Na Internet Gramática: atividades

Na Internet Gramática: atividades Na Internet Gramática: atividades Dica: Antes de fazer as atividades abaixo, leia os documentos Modo subjuntivo geral e Presente do subjuntivo, no Banco de Gramática. 1. No trecho a seguir, extraído da

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal A INCORPORAÇÃO SEMÂNTICA NA AQUISIÇÃO DO NOME NU SINGULAR NA POSIÇÃO PÓS-VERBAL Luciana Santos Brito (Bolsista do PIBIC/UFPI), Gustavo Andrade Nunes Freire (Colaborador, IEL - UNICAMP), Ronald Taveira

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

CRASE. Entregue o documento à advogada.

CRASE. Entregue o documento à advogada. CRASE A crase é a fusão de duas vogais da mesma natureza. Sua representação se dá por meio do chamado acento grave sobre a letra a, tornando acentual esta vogal. Assim, o acento grave é o sinal que indica

Leia mais

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Nize Paraguassu Endereço Acadêmico: Departamento de Lingüística - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na cerimónia comemorativa

Leia mais

Uma do norte e outra do sul 3. Glória e Lúcia moram em partes diferentes da cidade. Depois de ouvi-las, complete as lacunas.

Uma do norte e outra do sul 3. Glória e Lúcia moram em partes diferentes da cidade. Depois de ouvi-las, complete as lacunas. Rio, de norte a sul Aproximando o foco: atividades Moradores da Zona Norte e da Zona Sul O din-dim 1. Ouça Kedma e complete as lacunas: Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais. Na Zona Su na

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Prova Escrita de Português Língua Não Materna

Prova Escrita de Português Língua Não Materna EXAME NACIONAL DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova 28 2.ª Chamada / 739 2.ª Fase / 2010 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro, e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março A PREENCHER PELO ESTUDANTE

Leia mais

Sustentabilidade x Seguros

Sustentabilidade x Seguros 6 JOSÉ ELI DA VEIGA Professor titular de economia da Universidade de São Paulo (USP), pesquisador do Núcleo de Economia Socioambiental (NESA) e orientador em dois programas de pós-graduação: Relações Internacionais

Leia mais

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA 1 LÍNGUA PORTUGUESA Improcedente. Não se julgam as edições d Os Lusíadas, mas somente as formas variantes. _ 2 LÍNGUA PORTUGUESA NÃO PROCEDE ( ) PROCEDE ( X ) Por proceder o pleito de recorrente, a questão

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- --- Aquisição e variação dos verbos ter e haver existenciais no PB Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar Vitório (UFAL) RESUMO: Este trabalho se insere na área de Aquisição e Mudança Linguística e tem como

Leia mais

Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008 Meu nome é João Almeida Gonçalves, nasci em Macaé em12 de novembro de 1960. INGRESSO NA PETROBRAS Ingressei na Petrobras, antes de trabalhar na Petrobras.

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na cerimónia de apresentação

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

AÍ, ASSIM E ENTÃO: UMA DESCRIÇÃO SINTÁTICO-SEMÂNTICA. Advérbios. Sintaxe. Semântica. Gramaticalização.

AÍ, ASSIM E ENTÃO: UMA DESCRIÇÃO SINTÁTICO-SEMÂNTICA. Advérbios. Sintaxe. Semântica. Gramaticalização. AÍ, ASSIM E ENTÃO: UMA DESCRIÇÃO SINTÁTICO-SEMÂNTICA Renata Moreira MARQUES 1 Gessilene Silveira KANTHACK 2 RESUMO: PALAVRAS- -CHAVE: O objetivo principal deste trabalho é apresentar uma descrição do comportamento

Leia mais

Equipe de Língua Portuguesa. Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA

Equipe de Língua Portuguesa. Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA Aluno (a): Série: 3ª TUTORIAL 3B Ensino Médio Data: Turma: Equipe de Língua Portuguesa Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA TERMOS INTEGRANTES = completam o sentido de determinados verbos e nomes. São

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Nome: Data: A Importa-se de responder a umas perguntas? Está bem. Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 O que é que faz? 3 Vive aqui agora? 4 Há quanto tempo

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho Ano 2 Lagedo, Domingo, 25 de janeiro de 2015 N o 8 Datas das próximas viagens da UFMG Data Casa 8 23 a 25 de janeiro de 2015 Lúcia 9 27 de fevereiro a 1 de março de 2015 Irene/Paulo 10 27 de março a 29

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

DO MUNDO EXTERIOR PARA O "MUNDO" INTERIOR: A TRAJETÓRIA DE RE> DE DICTO NA EMERGENCIA DE FUNÇÕES GRAMATICAIS

DO MUNDO EXTERIOR PARA O MUNDO INTERIOR: A TRAJETÓRIA DE RE> DE DICTO NA EMERGENCIA DE FUNÇÕES GRAMATICAIS DO MUNDO EXTERIOR PARA O "MUNDO" INTERIOR: A TRAJETÓRIA DE RE> DE DICTO NA EMERGENCIA DE FUNÇÕES GRAMATICAIS 1. batroduçio Maria Alice TAVARES (PCI-UFSC)' Trato aqui de um fenómeno de gramaticalização

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

PATO BRANCO, DAÍ : UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA EXPRESSÃO PRONUNCIADA POR PATO-BRANQUENSES

PATO BRANCO, DAÍ : UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA EXPRESSÃO PRONUNCIADA POR PATO-BRANQUENSES PATO BRANCO, DAÍ : UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA EXPRESSÃO PRONUNCIADA POR PATO-BRANQUENSES Ivonete de Fatima de Jesus 1 Maria de Lourdes Bernartt 2 RESUMO: O presente artigo pretende analisar a expressão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO.

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. ANA ALVES NETA Rua Treze de Maio, 1000 Vila Jadete - Januária-MG - CEP 39480-000 aalvesneta@yahoo.com.br Abstract: Under

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Loremi Loregian-Penkal 1 1 Departamento de Letras Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO) Rua Holanda, 293 84500-000 Irati PR

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 1 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 1 - I Pronomes pessoais Eu Tu 1 Você 2 / ele/ela A gente 3 Nós Vós 4 Eles/ elas

Leia mais

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL

ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL ATAS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GRUPO DE ESTUDOS DE LINGUAGEM DO CENTRO-OESTE: INTEGRAÇÃO LINGÜÍSTICA, ÉTNICA E SOCIAL Denize Elena Garcia da Silva (Organizadora) Brasília 2004 Este artigo foi extraído

Leia mais

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE [FOO] É QUE / [FOO] QUE X WH É QUE / WH QUE Mariana RESENES (UFS) ABSTRAT: Our aim in this paper is to show that sentences formed by [focus]that... are not derived from clefts [focus] is that, parallel

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 7 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda? Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

1ª QUESTÃO MÚLTIPLA ESCOLHA. 7,00 (sete) pontos distribuídos em 20 itens

1ª QUESTÃO MÚLTIPLA ESCOLHA. 7,00 (sete) pontos distribuídos em 20 itens PAG - 1 1ª QUESTÃO MÚLTIPLA ESCOLHA 7,00 (sete) pontos distribuídos em 20 itens Marque no cartão de respostas a única alternativa que responde de maneira correta ao pedido de cada item: PORTUGUÊS Considere

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

Análise do Edital ISS Salvador 2014

Análise do Edital ISS Salvador 2014 Análise do Edital ISS Salvador 2014 Olá amigos concurseiros, É com um carinho mais que especial que divulgo que no dia 15/09/2014) saiu uma BOMBA NORDESTINA, ou seja, o concurso para Auditor Fiscal do

Leia mais