MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS."

Transcrição

1 Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 ( ) MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Luciene MARTINS (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah CALLOU (Universidade Federal do Rio de Janeiro) ABSTRACT: Analysis of the use of the verb ter (to have) and (there to be) in existential clauses in Brazilian Portuguese, in two different periods of time. The analysis shows that the process indicate age group differentiation and is more advanced in Salvador than in Rio de Janeiro. KEYWORDS: variation; change; trend study; sociolinguistics. 0.Introdução É de conhecimento geral que os verbos ter e podem funcionar como verbos plenos, indicando posse e existência, como verbos auxiliares e ainda como verbos funcionais. A superposição das formas em português tem sua origem mais remota no latim. Neste trabalho, focalizam-se apenas as chamadas construções existenciais com ter e no século XX, na fala culta do português brasileiro, mais especificamente, na fala urbana culta do Rio de Janeiro e de Salvador. Para a implementação da pesquisa, selecionaram-se quatro corpora do projeto NURC, dois contendo inquéritos realizados na década de 70 e dois na década de 90. Os locutores, de nível superior, estão distribuídos por faixa etária (25-35; 36-55; 56-) e gênero, com a finalidade de detectar possíveis mudanças em curso envolvendo os dois verbos em conformidade à teoria de variação lingüística proposta por Labov (1994; 2001) através de análises em tempo aparente (distribuição por faixa etária) e em tempo real de curta duração, isto é, em dois momentos temporais, confrontando-se locutores distintos nas duas décadas. Foram levantadas 2036 construções existenciais que foram submetidas a um tratamento estatístico, através do pacote de programas VARBRUL. 1.Ter/ existenciais As estruturas existenciais com ter e ocorrem obrigatoriamente com um constituinte interpretado como objeto direto, mas, em princípio, não com um constituinte sujeito. Os verbos podem ter valor existencial, no sentido estrito, como em (1) e (2), mas também o de ocorrer ou acontecer, como em (3) e (4). Foi possível verificar que, no caso do verbo ter, um pronome expletivo em geral, a forma você e a gente pode ocupar a posição de sujeito, como nos casos de (5) a (8): (1) tinha o Senac que atendia pra almoço (INQ /SSA) (2) tem uma partezinha assim pra você botar os pés (INQ /RJ) (3) aquele congresso que teve lá no Rio Sul (INQ /RJ) (4) foi oitenta e oito que... teve um...dois musicais (INQ /SSA) (5) no avião pequeno você não tem condições de pousar em vários locais (70/SSA) (6) aqui na área você tem de um a dois apartamentos por andar (INQ /SSA) (7) a gente tem uma aglomeração de pessoas aqui na Tijuca (INQ /RJ) (8) como peixes mais finos, você tem o badejo, o robalo (INQ /RJ) 2. Análise dos dados Os resultados revelam que as duas cidades apresentam comportamentos semelhantes, embora a penetração de ter no campo de esteja em estágio um pouco mais avançado na cidade de Salvador que na do Rio de Janeiro. O confronto das duas décadas sugere uma mudança em progresso: o percentual de ter salta de 63%, em 70, para 76%, em 90, no Rio de Janeiro e, na fala culta de Salvador, o percentual passa de 74%, em 70, para 86%, em 90.

2 Luciene MARTINS & Dinah CALLOU 821 déc.70 déc.90 37% ter 63% 24% 76% ter Figuras 1 e 2 - Fala culta do Rio de Janeiro déc.70 déc.90 26% 74% ter 14% 86% ter Figuras 3 e 4 - Fala culta de Salvador Na fala culta carioca e soteropolitana, quatro fatores dois intralingüísticos e dois extralingüísticos apresentam-se como relevantes, tanto em 70 como em 90: o tempo verbal, a especificidade semântica do argumento interno, a faixa etária e o sexo do informante. A análise relativa à fala culta de Salvador deixa evidente que nas mulheres das faixas etárias de 25 a 35 anos e de 36 a 55 anos a mudança já foi efetivada, sendo o uso de ter categórico e na faixa que se inicia aos 56 anos o uso de ter-existencial é de 97%. A penetração de ter no campo de tem encontrado maior resistência entre informantes do sexo masculino da terceira faixa etária, com apenas 45% de casos de ter existencial.

3 822 MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. FREQÜÊNCIA DE USO DE TER POR FAIXA ETÁRIA EM 70 E 90 NO RIO DE JANEIRO 2 FX. 1 FX. 2 FX. 3 RJ/70 RJ/90 FREQÜÊNCIA DE USO DE TER POR FAIXA ETÁRIA EM 70 E 90 EM SALVADOR 2 FX. 1 FX. 2 FX. 3 SSA/70 SSA/90 Figuras 5 e 6 - Uso de Ter por faixa etária nas duas décadas nas duas cidades Ao contrário do que se registra na fala culta carioca, em que o comportamento lingüístico de homens e mulheres se mostra muito semelhante, na fala culta de Salvador homens e mulheres apresentam um comportamento distinto. Comprova-se, mais uma vez, que são as mulheres que tendem a liderar os processos não-estigmatizados de mudança lingüística e que quanto mais jovem o falante, maior a freqüência de uso de ter. FREQÜÊNCIA DE TER POR FAIXA ETÁRIA E SEXO (70/SSA) 2 Fx.1 Fx.2 Fx.3 mulher homem

4 Luciene MARTINS & Dinah CALLOU 823 FREQÜÊNCIA DE TER POR FAIXA ETÀRIA E SEXO (90/SSA) 2 Fx.1 Fx.2 Fx.3 mulher homem Figuras 7 e 8 - Uso de Ter por gênero e faixa etária em Salvador Na década de 70, em Salvador, como se pode ver, entre as mulheres, há uma curva de variação estável, mas na década de 90, o uso é praticamente uniforme, sem gradação etária. Entre os homens, é interessante observar que os mais velhos usam menos Ter que na década de 70. Com relação ao tipo de argumento interno, que também se apresenta como relevante para a ocorrência de ter ou, o estudo considerou uma classificação que estabelece quatro especificidades: animado (9) e (10), abstrato (11) e (12), material (13) e (14) e evento (15) e (16). (9) há mulheres que se comportam da mesma maneira que homens (70/RJ) (10) aqui, no Lebron, tem o padre Zeca (90/RJ) (11) há diferença em quantidade de passageiros que leva (70/SSA) (12) não tem muita diferença do professor pra o estudante não (70/SSA) (13) havia muita banana (70/RJ) (14) hoje em dia tem mais video-game (90/SSA) (15) há as reuniões também informais onde as pessoas vão (70/SSA) (16) quando eu fiz quinze anos, teve uma festa maravilhosa (90/RJ) Nas duas cidades os argumentos com as especificidades animado e inanimado, que apresentam o traço [+ MATERIAL], favorecem, nas duas décadas, a ocorrência de ter, enquanto a de é favorecida pelos tipos abstrato e evento, marcados pelo traço [ - MATERIAL]. A taxa de freqüência, contudo, se amplia, de uma década para outra, com todo tipo de argumento. Ao que parece, o uso de ter se dava preferencialmente com argumentos [+material] mas hoje já atinge já se expandiu. RJ/70 RJ/90 SSA/70 SSA/90 2 material humano evento abstrato Figura 9 - Tipo de argumento nas duas décadas (RJ e SSA)

5 824 MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. No que diz respeito ao tempo verbal, na cidade do Rio de Janeiro, as construções no passado favorecem a ocorrência de e as no presente a de ter. O percentual de ter em ocorrências no pretérito perfeito chega a apenas 1 em 70 e 35% em 90, enquanto no presente a freqüência alcança 7 e 9, respectivamente. No pretérito imperfeito, a distribuição praticamente não se altera de uma década para outra, mantendo-se em torno de 65%. Nas outras formas, que somam apenas 6% das ocorrências, a freqüência de ter passa de 47% em 70 para 62% em 90, respectivamente. Em Salvador, na década de 70, o pretérito perfeito do indicativo favorece a ocorrência de. As construções com o pretérito perfeito são as que se mostram mais resistentes a penetração de ter nas construções existenciais, embora o número de ocorrências de ter e apresente um equilíbrio: 57% de ter contra 43% de. Ao contrário do que ocorre entre os falantes cultos do Rio de Janeiro, na cidade de Salvador, o imperfeito do indicativo e do subjuntivo, na década de 70, favorecem a ocorrência de ter com 88% de casos contra 12% de. Na década de 90, confirma-se o resultado do Rio de Janeiro, com o imperfeito favorecendo a ocorrência de com 36%. FREQÜÊNCIA DE TER POR TEMPO VERBAL PRESENTE PERFEITO IMPERFEITO DÉC. 70/RJ DÉC. 90/RJ DÉC. 70/SSA DÉC. 90/SSA Figura 10 Uso de Ter por tempo verbal. Tanto na fala culta carioca quanto na fala culta soteropolitana, nota-se a presença de um pronome expletivo - em geral, as formas você e a gente - como sujeito de construções existenciais com o verbo ter, conforme se observa nos exemplos de (17) a (20): (17) a gente tem uma aglomeração de pessoas aqui na Tijuca. (90/RJ) (18) como peixes mais finos você tem o badejo, o robalo (70/RJ) (19) é uma loja agradável, onde a gente tem uma variedade muito grande de...de artigos (70/SSA) (20) nas casas mais simples, você tinha aquelas...aquilo que se chamava de bicas, né? (90/SSA) A presença de pronome expletivo como sujeito de construções existenciais com o verbo ter é mais freqüente na década de 90 tanto na fala culta carioca quanto na soteropolitana, comprovando uma tendência geral na língua de preenchimento da posição de sujeito. Essa presença de pronome expletivo tem sido explicada como uma decorrência da perda, no português do Brasil, do princípio Evite pronome (Duarte, 1995). Segundo essa hipótese, o português brasileiro vem se aproximando de línguas em que o preenchimento da posição de sujeito é obrigatório, como, por exemplo, o inglês e o francês. Esse movimento iniciou-se em estruturas com sujeito de referência definida e depois estendido aos de referência arbitrária e ainda às estruturas em que o lugar do sujeito é vazio porque é não-referencial, caso este das construções existenciais. Nota-se, principalmente nos dados de fala culta soteropolitana da década de 90, que é mais freqüente o preenchimento da posição de sujeito em situações nas quais o informante faz uso de exemplificação, descrição e/ou detalhamento de algum objeto ou atividade, principalmente se esta atividade não faz parte da realidade/cotidiano do informante. 3.À guisa de conclusão As estruturas existenciais no português do Brasil são construídas preferencialmente com o verbo ter e o processo de mudança lingüística encontra-se em estágio mais avançado em Salvador que no Rio de Janeiro.

6 Luciene MARTINS & Dinah CALLOU 825 Na década de 90, entre os mais jovens, o uso de ter é categórico. Nas duas cidades, os tempos verbais do sistema passado favorecem a manutenção de, funcionando, ao que parece, como verbo típico de narração (Callou & Avelar, 1999). O preenchimento da posição de sujeito poderia, talvez, ser visto como uma estratégia discursiva do falante em descrições, principalmente quando o tema não faz parte do seu universo. RESUMO: Análise de construções existenciais com ter e na fala culta do Rio de Janeiro e de Salvador, em dois momentos discretos de tempo. Os resultados mostram que o processo de mudança de por ter apresenta diferenciação por faixa etária, obedece a condicionamentos estruturais e se encontra em estágio mais avançado em Salvador. PALAVRAS-CHAVE: variacionismo; mudança lingüística; ter/-existenciais. REFERÊMCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, Erica Sousa de. Ter/-existenciais: variação e mudança na fala culta. Apresentado no L Seminário do GEL, USP, CALLOU, D. & J. AVELAR. Sobre ter e em construções existenciais: variação e mudança no português do Brasil. Revista Gragoatá, 9: LETRAS/UFF, Niterói/RJ, Ter e no português do Brasil. Conferência apresentada no Congresso Internacional sobre os 500 anos de língua portuguesa no Brasil. Universidade de Évora, Portugal, DUARTE, M. E. A perda do princípio Evite pronome no português brasileiro. Tese de Doutorado, Campinas/UNICAMP, FARIA, E. Dicionário escolar latino-português. 3ª ed. Rio de Janeiro, MEC, LABOV, W. Princípios of linguistic change. Cambridge, Blackwell, 1994.

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades Dinah Callou e Erica Almeida Universidade Federal do Rio de Janeiro Abstract This paper discusses four linguistic processes in two

Leia mais

A SUBSTITUIÇÃO DE HAVER POR TER EM CONTEXTOS EXISTENCIAIS: ECOS DA MUDANÇA NA REMARCAÇÃO DO PARÂMETRO DO SUJEITO NULO

A SUBSTITUIÇÃO DE HAVER POR TER EM CONTEXTOS EXISTENCIAIS: ECOS DA MUDANÇA NA REMARCAÇÃO DO PARÂMETRO DO SUJEITO NULO #1481 A SUBSTITUIÇÃO DE HAVER POR TER EM CONTEXTOS EXISTENCIAIS: ECOS DA MUDANÇA NA REMARCAÇÃO DO PARÂMETRO DO SUJEITO NULO Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar Vitório Universidade Federal de Alagoas

Leia mais

Sobre o uso variável do subjuntivo em português: um estudo de tendência. Erica Almeida & Dinah Callou Universidade Federal do Rio de Janeiro/CNPq

Sobre o uso variável do subjuntivo em português: um estudo de tendência. Erica Almeida & Dinah Callou Universidade Federal do Rio de Janeiro/CNPq SOBRE O USO VARIÁVEL DO SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS: UM ESTUDO DE TENDÊNCIA Sobre o uso variável do subjuntivo em português: um estudo de tendência Erica Almeida & Dinah Callou Universidade Federal do Rio

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- --- Aquisição e variação dos verbos ter e haver existenciais no PB Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar Vitório (UFAL) RESUMO: Este trabalho se insere na área de Aquisição e Mudança Linguística e tem como

Leia mais

ESTRUTURAS COM TER E HAVER EM TEXTOS JORNALÍSTICOS: DO SÉCULO XIX AO XX.

ESTRUTURAS COM TER E HAVER EM TEXTOS JORNALÍSTICOS: DO SÉCULO XIX AO XX. Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (510-515) ESTRUTURAS COM TER E HAVER EM TEXTOS JORNALÍSTICOS: DO SÉCULO XIX AO XX. Erica Sousa de ALMEIDA (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah

Leia mais

VERBOS EXISTENCIAIS: TER/HAVER

VERBOS EXISTENCIAIS: TER/HAVER COSTA, A. A.; PINTO, D. S.; SOUZA, G. E.; REIS, J. A.; BIZERRA, P. R. B. Verbos existenciais: ter/haver. ReVEL, v. 9, n. 17, 2011. [www.revel.inf.br]. VERBOS EXISTENCIAIS: TER/HAVER Alessandra de Azevedo

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

TER/HAVER EXISTENCIAIS NA ESCRITA DE ALUNOS DE 5ª E 6ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA CIDADE DE MARACANAÚ/CE 1

TER/HAVER EXISTENCIAIS NA ESCRITA DE ALUNOS DE 5ª E 6ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA CIDADE DE MARACANAÚ/CE 1 VITÓRIO, Elyne G. S. L. A. Ter/haver existenciais na escrita de alunos de 5ª e 6ª séries do Ensino Fundamental da cidade de Maracanaú/CE. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Vol. 5, n. 9, agosto

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

Ter e Haver existenciais na fala culta de Rio de Janeiro, Salvador e Porto Alegre: do social ao linguístico. Priscila Guimarães Batista

Ter e Haver existenciais na fala culta de Rio de Janeiro, Salvador e Porto Alegre: do social ao linguístico. Priscila Guimarães Batista UFRJ Ter e Haver existenciais na fala culta de Rio de Janeiro, Salvador e Porto Alegre: do social ao linguístico Priscila Guimarães Batista Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO.

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. ANA ALVES NETA Rua Treze de Maio, 1000 Vila Jadete - Januária-MG - CEP 39480-000 aalvesneta@yahoo.com.br Abstract: Under

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 5 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 5 I Querer + verbo Achar + que Eu quero Eu acho Você/ ele/ ela quer Você/ ele/

Leia mais

PRESERVAÇÃO E MUDANÇA NA HISTÓRIA DO PORTUGUÊS: DE POSSESSIVO A EXISTENCIAL

PRESERVAÇÃO E MUDANÇA NA HISTÓRIA DO PORTUGUÊS: DE POSSESSIVO A EXISTENCIAL PRESERVAÇÃO E MUDANÇA NA HISTÓRIA DO PORTUGUÊS: DE POSSESSIVO A EXISTENCIAL Dinah Callou (UFRJ/CNPq) Juanito Avelar (UNICAMP/FAPESP) RESUMO No português brasileiro (PB), o verbo haver existir pode ser

Leia mais

O PAPEL DA FUNCIONALIDADE NA RETRAÇÃO DA MUDANÇA

O PAPEL DA FUNCIONALIDADE NA RETRAÇÃO DA MUDANÇA O PAPEL DA FUNCIONALIDADE NA RETRAÇÃO DA MUDANÇA Maria Cecília de Magalhães Mollica (UFRJ/CNPq) ceciliamollica@terra.com.br Camille de Miranda Fernandez (UFRJ/PIBIC/CNPq) 1 RESUMO: Este texto oferece evidências

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA APLICADA MESTRADO EM LINGUÍSTICA APLICADA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA APLICADA MESTRADO EM LINGUÍSTICA APLICADA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA APLICADA MESTRADO EM LINGUÍSTICA APLICADA FRANCISCO FERREIRA DE SOUZA TEM CHANCE DE HAVER AINDA EXISTIR NO

Leia mais

PROCESSOS DE MUDANÇA NO PORTUGUÊS DO BRASIL: VARIÁVEIS SOCIAIS Yonne Leite (CNPq/UFRJ) Dinah Callou (UFRJ/CNPq) João Moraes (UFRJ/CNPq)

PROCESSOS DE MUDANÇA NO PORTUGUÊS DO BRASIL: VARIÁVEIS SOCIAIS Yonne Leite (CNPq/UFRJ) Dinah Callou (UFRJ/CNPq) João Moraes (UFRJ/CNPq) In: CASTRO, I. & DUARTE, I. Razões e Emoção. Miscelânea de estudos em homenagem a Maria Helena Mira Mateus. Vol. 1. Lisboa, Imprensa Nacional/Casa da Moeda: 87-114. PROCESSOS DE MUDANÇA NO PORTUGUÊS DO

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA -Juliana Costa Moreira -UFOP -Mônica G. R. de Alkmim -UFOP O presente trabalho tem como objeto de estudo

Leia mais

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 02 DEMOGRAFIA MUNDIAL (MACK) O Brasil em 2020 Será, é claro, um Brasil

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S C ONCURSO PÚBLICO 03 / JUNHO / 2012 CÂMARA MUNICIPAL DE ITURAMA MINAS GERAIS C A D E R N O D E P R O V A S CADERNO 7 CARGOS: AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS RECEPCIONISTA E TELEFONISTA PROVAS: PORTUGUÊS MATEMÁTICA

Leia mais

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 1 ESTRUTURAS EXISTENCIAIS COM TER E HAVER: VARIAÇÃO NO MELHOR PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL

III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 1 ESTRUTURAS EXISTENCIAIS COM TER E HAVER: VARIAÇÃO NO MELHOR PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 1 ESTRUTURAS EXISTENCIAIS COM TER E HAVER: VARIAÇÃO NO MELHOR PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL SANTOS, Wendel Silva dos Santos 1 RAMOS, Conceição de Maria

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA O USO MULTIFUNCIONAL DO VERBO TER EM TEXTOS VEICULADOS PELA REVISTA VEJA 35 Marise Rodrigues Guedes (UESC) mariseguedess@hotmail.com Maria Felicidade Penha de Lacerda (UESC) Tatiana Falcão Rodrigues Cardoso

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO Maria Isabel de Moura * Valdemir Miotello ** RESUMO: Os gerativistas colocam essa relação, como sendo a relação entre a gramaticalidade e a comunicabilidade.

Leia mais

ACTIVITY Verbo To Be na forma Afirmativa

ACTIVITY Verbo To Be na forma Afirmativa ACTIVITY Verbo To Be na forma Afirmativa Categoria: Endereço YouTube: http://www.youtube.com/watch?v=9fyww1zjhno Utilização Se você já teve algum contato anterior com aulas de Inglês, você já ouviu falar

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista

Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista Lílian Teixeira de Sousa Graduada em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto Resumo O presente artigo trata da alternância entre

Leia mais

O USO DE NÓS E A GENTE, EM FUNÇÃO DE SUJEITO, NA COMUNIDADE RURAL DE PIABAS

O USO DE NÓS E A GENTE, EM FUNÇÃO DE SUJEITO, NA COMUNIDADE RURAL DE PIABAS O USO DE NÓS E A GENTE, EM FUNÇÃO DE SUJEITO, NA COMUNIDADE RURAL DE PIABAS Adilma Sampaio 1 Lucélia Lima Lopes RESUMO Os objetivos deste artigo consistem na observação da variação, no português brasileiro,

Leia mais

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista

Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Alternância tu/você em Santa Catarina: uma abordagem variacionista Loremi Loregian-Penkal 1 1 Departamento de Letras Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO) Rua Holanda, 293 84500-000 Irati PR

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática. Reconhecimento de Padrões. Revisão de Probabilidade e Estatística Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática Reconhecimento de Padrões Revisão de Probabilidade e Estatística Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. http://lesoliveira.net Conceitos Básicos Estamos

Leia mais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais Artig tigo 4º_ página 67 A mortalidade por VIH/SIDA em Portugal: alterações da estrutura etária Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas

Leia mais

CURSO DE INGLÊS BÁSICO

CURSO DE INGLÊS BÁSICO CURSO DE ALEMÃO II Docente Responsável: Profa. Dra. Cibele Cecílio de Faria Rozenfeld Docentes Colaboradores:Lais Mano Número de vagas: 25 Pré-requisito: ter cursado Alemão I pelo CEL/FCLAr ou apresentar

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias Competências.Adquirir conhecimentos sobre a cultura e civilização Anglo- Americana numa perspectiva intercultural. - Aprofundar o conhecimento da realidade Portuguesa através do confronto com aspectos

Leia mais

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES Geisa Borges da Costa RESUMO: O presente trabalho, pautando-se nos pressupostos teóricos da sociolingüística quantitativa variacionista,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O USO DAS PALAVRAS MALA E BOLSA NO SENTIDO PROTOTÍPICO E COGNITIVO DA SEMÂNTICA Labele da Silva Sobrinho (UERR) labele_sobrinho@hotmail.com Macilene Arlete (UERR) macilene22_k@hotmail.com Welen Barroso

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil A 6ª Pesquisa sobre a área e os profissionais de Relações

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA SELEÇÃO DE COORDENADORES DE TURMAS ETAPA 2014

ORIENTAÇÕES PARA SELEÇÃO DE COORDENADORES DE TURMAS ETAPA 2014 ORIENTAÇÕES PARA SELEÇÃO DE COORDENADORES DE TURMAS ETAPA 2014 A Coordenadora Geral do Programa Todos Pela Alfabetização TOPA, no uso de suas atribuições legais e considerando o disposto no Art. 10 da

Leia mais

Atividade extra. Cultura e identidade. Leia o texto para responder às questões 1 e 2. Língua Portuguesa e Literatura. O último computador

Atividade extra. Cultura e identidade. Leia o texto para responder às questões 1 e 2. Língua Portuguesa e Literatura. O último computador Atividade extra Cultura e identidade Leia o texto para responder às questões 1 e 2 O último computador Um dia, todos os computadores do mundo estarão ligados num único e definitivo sistema, e o centro

Leia mais

2 Revisão de literatura

2 Revisão de literatura 21 2 Revisão de literatura Realizaremos nessa primeira parte deste capítulo a apresentação disponível para alunos e professores em livros didáticos de PL2E e em Gramáticas (não apenas nas tradicionais,

Leia mais

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela 1 1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela mesma instituição. Professora Adjunta IV na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

Realizações do sujeito expletivo em construções com o verbo ter existencial na fala alagoana

Realizações do sujeito expletivo em construções com o verbo ter existencial na fala alagoana Realizações do sujeito expletivo em construções com o verbo ter existencial na fala alagoana ELYNE GISELLE DE SANTANA LIMA AGUIAR VITÓRIO Doutoranda em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Letras

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais Podcast Área Matemática Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos Duração 6min32seg

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I PLANIFICAÇÃO ANUAL Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém - 135513 Escola Secundária Padre António Macedo Grupo Disciplinar / Disciplina: Ano Letivo: 2014-2015 Ciclo de Ensino: Ano de

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 19 por

Leia mais

População brasileira Música - Internet Propaganda. Outubro/ 2007

População brasileira Música - Internet Propaganda. Outubro/ 2007 População brasileira Música - Internet Propaganda Outubro/ 00 Objetivo Este estudo têm como objetivo identificar entre a população brasileira os seguintes aspectos: Música estilo musical mais ouvido; Internet

Leia mais

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica.

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. Autores: Carla Aparecida de Vasconcelos Bruna Ferreira de Oliveira Sirley Alves Carvalho César Reis A partir

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples.

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Perfil Sócio-Demográfico da Regional Centro - Sul Prezado Associado, Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Além da concorrência assustadora que

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 367 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS- continuação 10.º e 11.º Anos (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples.

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Perfil Sócio-Demográfico da Regional Venda Nova 1 Prezado Lojista, Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Além da concorrência assustadora que impõe

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Arquétipos na publicidade e propaganda

Arquétipos na publicidade e propaganda Arquétipos na publicidade e propaganda Mauricio BARTH 1 Moris Mozart MUSSKOPF 2 Resumo Diversos indicadores comprovam o processo de envelhecimento da população brasileira. Esta tendência, do ponto de vista

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Endereço(s) de correio electrónico Praceta Brunilde Judice, Lt2, R/C Frente, 2620-267 Ramada Odivelas (Portugal) Telefone(s)

Leia mais

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo *

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Bernadette Cunha Waldvogel Fundação Seade Lilian Cristina Correia Morais Fundação Seade Palavras-chave: mortalidade, Aids, distribuição

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

AS FUNÇÕES SINTÁTICAS DE NÓS E A GENTE NO PORTUGUÊS AFRO-BRASILEIRO

AS FUNÇÕES SINTÁTICAS DE NÓS E A GENTE NO PORTUGUÊS AFRO-BRASILEIRO 2701 AS FUNÇÕES SINTÁTICAS DE NÓS E A GENTE NO PORTUGUÊS AFRO-BRASILEIRO Introdução Manuele Bandeira de Menezes/ PIBIC- UFBA Dante Lucchesi/UFBA - CNPq Nos eventos de fala, ao se referir às pessoas do

Leia mais

É preciso ter tempo... e vontade para adquirir hábitos de vida mais saudáveis

É preciso ter tempo... e vontade para adquirir hábitos de vida mais saudáveis É preciso ter tempo...... e vontade para adquirir hábitos de vida mais saudáveis Camila Mendonça (Fonte: Revista Melhor) Em busca de resultados, executivos têm menos tempo para se cuidar, ficam mais estressados

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

Prazer em Conhecê-lo. APRENDA Cumprimentos Dias da Semana Meses do Ano O Alfabeto

Prazer em Conhecê-lo. APRENDA Cumprimentos Dias da Semana Meses do Ano O Alfabeto EU E VOCÊ Unidade 1 01 Prazer em Conhecê-lo Cumprimentos Dias da Semana Meses do Ano O Alfabeto 02 Frases: Afirmativa, Negativa, Interrogativa Artigos: Definidos e Indefinidos Substantivos e Adjetivos

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451 O PLURAL DAS PALAVRAS TERMINADAS EM -ÃO: MUDANÇA OU VARIAÇÃO ESTÁVEL? Miriam Cristina Almeida Severino (UFRJ) cristinasmiriams@yahoo.com.br Christina Abreu Gomes (UFRJ) christina-gomes@uol.com.br 1. Introdução

Leia mais

O Fenômeno El Niño : Percepção e Cognição dos Habitantes e Alunos do Ensino Médio de Rio Claro-SP Brasil

O Fenômeno El Niño : Percepção e Cognição dos Habitantes e Alunos do Ensino Médio de Rio Claro-SP Brasil O Fenômeno El Niño : Percepção e Cognição dos Habitantes e Alunos do Ensino Médio de Rio Claro-SP Brasil OLIVEIRA, Lívia (Professora Titular Departamento de Geografia- UNESP Rio Claro São Paulo- Brasil)

Leia mais

Transmissão intergeracional da educação Pedro Telhado Pereira, Universidade da Madeira

Transmissão intergeracional da educação Pedro Telhado Pereira, Universidade da Madeira Transmissão intergeracional da educação Pedro Telhado Pereira, Universidade da Madeira Seminário «Aprendizagem ao Longo da Vida: o que nos dizem as estatísticas?», INE, 25 de Novembro de 2008 A escolaridade

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PPGECC. EDITAL 001/2014 Processo Seletivo 2015

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PPGECC. EDITAL 001/2014 Processo Seletivo 2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PPGECC EDITAL 001/2014 Processo Seletivo 2015 Áreas de Concentração: (detalhes sobre as linhas pesquisa, consultar o site www.ppgcc.ufpr.br )

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 321-328, 2009 321 ANALYSING SOCIOLINGUISTIC VARIATION, SALI TAGLIAMONTE (2006) Por Humberto Soares da Silva Analysing sociolinguistic

Leia mais

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 167-173, 2009 167 MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Jussara Abraçado Tainá Soares Teixeira

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Tudo Comunica. Alguns aspectos da comunicação em Relações com Investidores. IBRI-ABRASCA - Conferência Anual 2012 1

Tudo Comunica. Alguns aspectos da comunicação em Relações com Investidores. IBRI-ABRASCA - Conferência Anual 2012 1 Tudo Comunica Alguns aspectos da comunicação em Relações com Investidores IBRI-ABRASCA - Conferência Anual 2012 1 Role-Face em Earnings Conference Call (ECC) Implicações da intermediação tecnológica: campos

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 1 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 1 - I Pronomes pessoais Eu Tu 1 Você 2 / ele/ela A gente 3 Nós Vós 4 Eles/ elas

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

NOKIA. Em destaque LEE FEINBERG

NOKIA. Em destaque LEE FEINBERG Em destaque NOKIA LEE FEINBERG A Nokia é líder mundial no fornecimento de telefones celulares, redes de telecomunicações e serviços relacionados para clientes. Como Gerente Sênior de Planejamento de Decisões

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais