OS FEITIÇOS TAMBÉM SE APAGAM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS FEITIÇOS TAMBÉM SE APAGAM"

Transcrição

1 OS FEITIÇOS TAMBÉM SE APAGAM OU COMO FOI POSSÍVEL SUBVERTER O PAPEL DO EXÉRCITO NA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES!? Por ter sido aluno do Colégio Militar de 1942 a 1950, há cerca de 70 anos, e ter mantido um contacto estreito e contínuo com aquela Instituição, acho-me mais informado para escrever sobre ela, do que sobre o Instituto de Odivelas, ou sobre o Instituto dos Pupilos do Exército onde tenho dois netos a estudar. Nesta fase em que todos estes três centenários Estabelecimentos Militares de Ensino, tutelados pelo Exército e pelo Ministério da Defesa Nacional, atravessam períodos ditos de reestruturação, não tem sentido falar de um sem referir os outros, pelo que desde já peço as minhas desculpas pelos desajustamentos de análise em relação a Odivelas e aos Pupilos. Sem pretender fazer história, convém lembrar aspectos dominantes da sua origem. O Colégio Militar foi fundado em 1803 e destinado a filhos rapazes de oficiais das Forças Armadas. Quase um século depois foi fundado o Instituto de Odivelas, destinado a meninas, filhas de oficiais. Com o nascimento da República foi fundado o então chamado Instituto Militar dos Pupilos do Exército, destinado a filhos de sargentos e encaminhado para o ensino técnico comercial e industrial, no âmbito da reforma do ensino de Com o tempo esta estratificação classista começou a esbater-se, com a abertura das Instituições a filhos de civis e, posteriormente, recebendo o Instituto de Odivelas também filhas de sargentos e os Pupilos também filhos de oficiais. Com a revolução de Abril de 1974, as portas abriram-se no Colégio Militar também para filhos de sargentos. Igualmente passaram a beneficiar do acesso a estas três Instituições os filhos de graduados das Forças de Segurança, bem como, no âmbito da Cooperação, a crianças africanas de língua portuguesa, vindas das antigas colónias. Esta evolução não causou qualquer agravo em nenhuma das Instituições, que mantiveram o essencial das suas características de origem. Tratou-se dum ajustamento progressivo que correspondeu à evolução da própria sociedade, onde as classes sociais se foram interpenetrando no campo da educação, da cultura e do ensino, integrando-se num projecto mais amplo da democratização do ensino, ainda por realizar É de salientar que o ensino em Portugal, nos primeiros anos da revolução, desnorteou-se bastante, confundindo populisticamente a dignificação das carreiras, com um único trajecto, o liceal, pois era antes a única plataforma de acesso ao ensino universitário. Isto deu origem a grandes equívocos, e novos preconceitos que demoraram tempo a clarificar e que, em minha modesta opinião, continuam por resolver. 1

2 Independentemente disso a verdade é que se deram passos importantes na direcção da racionalidade, ainda que outros preconceitos se mantenham, não menos irracionais e nefastos para a sociedade, onde as classes se afirmam hoje, cada vez mais, pelo poder económico de cada família. No caso concreto dos Estabelecimentos Militares de Ensino, as agressões, e o recurso à irracionalidade partiram sempre da tutela política, à qual a tutela militar não ofereceu a devida resistência. A meu ver a primeira Instituição a ser molestada com intuitos ditos reformistas, foi o Instituto dos Pupilos do Exército. Justificando-se sempre na dignificação das saídas profissionais, abriram o trajecto liceal, numa parcial substituição do percurso técnico profissional, em lógica inconfessavelmente herdada de valores que deveriam estar ultrapassados. Talvez para compensar essa insensatez preconceituosa, criaram os módulos de ensino superior politécnico nas áreas da gestão e das engenharias, abertos ao exterior, o que parecia ser uma boa inspiração, mas que, por razões que desconheço, duraram muito pouco tempo. Essas experiências foram dinamizadoras da solução de externato pois para além de receberem alunos de maioridade, passaram a integrar raparigas, que foram também admitidas nos níveis básico, secundário e técnico profissional. A meu ver poderia parecer mais racional acrescentar ao curso liceal de Odivelas (B+S) os cursos técnicos, e abrir ali também o ensino superior politécnico, contudo a contra-argumentação, que provavelmente surgiu, terá sido o desperdício de infraestruturas especialmente caras neste tipo de formação, dispersas por duas Instituições sob a mesma tutela. A verdade é que o Instituto dos Pupilos de Exército não tem nem está a construir qualquer internato para raparigas e tende a cristalizar-se num externato misto, criando uma outra instituição que, na verdade, nada tem hoje a ver com a sua origem de internato militar para rapazes. Meus netos são alunos externos que entram às 7h30 e saem diariamente, entre as 17h e as 18h de 2ª a 6ª feira, quando não mais cedo. É evidente que neste horário onde nem tempo de recreio têm, passam o dia a correr para as aulas, sem conseguirem conviver ou brincar. Verifico com pena que os seus amigos continuam a ser os que tinham antes de serem Pilões, os únicos com quem continuam a conviver. Na verdade dentro das Instalações do IPE não têm tempo senão para correrem para as aulas, ou para mudar de roupa, ou para tomar banho, ou para formar. Nem mesmo nas pouquíssimas aulas práticas que é possível integrar neste horário tão apertado de afazeres, eles conseguem conviver senão sob a tirania dum horário, que é descansativo para os militares de enquadramento, mas antipedagógico para os e as alunas. Quando conto aos meus netos as nossas inesquecíveis brincadeiras no Geral das Companhias, não entendem do que estou a falar. Quando lhes falo de camaradagem dizem-me que é coisa de que os graduados também falam Mas isso não é para ser falado. É para ser praticado no dia a dia, se para tal sobrar tempo. Tanto o Instituto de Odivelas como o Colégio Militar tinham sido poupados a esta descaracterização, mas os anos de 2012/3/4 foram fatais, como veremos. 2

3 Quando há setenta anos frequentava o terceiro ano do Colégio Militar, desempenhava as funções de Director o então Brigadeiro Luís da Costa Macedo (Mesquitela). Era um Homem de pequena estatura física, mas enorme na sua dimensão moral e intelectual. Tinha o dom da palavra e um profundo sentido pedagógico no relacionamento com professores e alunos. Era um militar de grande prestígio, dispondo duma especial sensibilidade, pois sem ter frequentado o Colégio Militar como aluno, muito rapidamente se apercebeu da sua secular mística radicada no relacionamento entre os alunos - a velha camaradagem - que a eles se colava e mantinha para além dos tempos, associada a um amor eterno ao próprio Colégio, aos seus valores e tradições. Quase todos os meses tínhamos uma visita de ex-alunos, em romagem de saudade, onde podíamos confraternizar com os nossos antecessores (o nosso número era uma verdadeira identidade pessoal), onde miúdos de dez, doze ou dezassete anos, se sentiam irmanados com velhos de sessenta ou oitenta anos só porque durante sete ou oito anos tiveram o mesmo número. Trocavam-se estórias e gargalhadas, semelhantes às vividas naquelas mesmas escadas, no mesmo claustro, na mesma quinta, tudo distanciado de várias dezenas de anos. Fui aluno durante oito anos e sou ex-aluno há mais de setenta, tendo confraternizado, nessas visitas programadas, com várias gerações de sucessores e demais alunos com a idade de meus filhos e netos. A empatia que então se estabelece nesse encontro de gerações, traduz o carinho e a ternura da imutabilidade dos valores que nos identifica, enche a alma, a saudade e a alegria dum reencontro, onde o tempo parece ter esperado. Este fenómeno passa-se desde os tempos de meu avô (século XIX), meu antecessor naquele Colégio, mas julgo não ser exclusivo dos Meninos da Luz, pois em Odivelas e nos Pupilos, algo de muito semelhante se passará também. É muito difícil explicar esta empatia e certamente mais difícil ainda entendê-la para quem não teve o privilégio de crescer naquelas centenárias Instituições, mas o nosso Director Mesquitela não precisou de muitas semanas para intuir aquela natureza e conseguir penetrar na alma dos alunos como se fosse mais um deles. Expressava nos seus brilhantes discursos de boas vindas aos ex-alunos, no velho refeitório, com o Batalhão em silêncio para não perder uma palavra, e ele repetia aquela frase que tudo parecia explicar e ainda hoje ecoa nos nossos ouvidos: Estas paredes têm feitiço! Ele bem sabia que o tal feitiço nascera, crescera e vivia do especial relacionamento entre os alunos e do convívio que tal gerava. Esta vivência, semelhante em repetidas gerações, permite-nos hoje ver e perceber a grandeza da Instituição que assim formatou tantos Homens e Mulheres numa dádiva absoluta pela Pátria e pelo Bem. 3

4 A alma destas Instituições é o feitiço a que o nosso saudoso General se referia nas suas repetidas mas nunca gastas alocuções ecoando, ainda hoje, na nossa memória. A transcendência desce à terra na racionalidade dos factos, pois é na terra que vivemos. Esta alma ou feitiço são fruto das características que resistiram aos tempos e às mudanças durante mais de dois séculos, onde a vida da Nação seguiu o rumo da modernização e do progresso, respigando para o interior do Colégio tudo aquilo que o tornou actual, sem, contudo, comprometer a génese da sua alma. Com apenas quatro anos de idade (1807), o Colégio Militar dirigido pelo seu fundador, o então Coronel de Artilharia do Forte de S. Julião da Barra, Teixeira Rebelo, resistiu sólido às invasões napoleónicas. A primeira, comandada por Junot, chegou mesmo a ocupar Lisboa, e por lá se manteve durante mais de um ano, até ser vencido em 1808, na Roliça e no Vimeiro. Seguiram-se mais duas invasões, mantendo o País parcialmente ocupado e em guerra total até 1810, ano em que Massena foi derrotado na serra do Buçaco e nas Linhas de Torres, e perseguido em 1811 até para lá dos Pirinéus, com o rabo entre as pernas. Mau grado esse trágico período, o jovem Colégio Militar prosseguiu a sua honrosa missão de formar rapazes para servirem a nossa Pátria, consolidando um rumo que viria a ser histórico. Ainda não refeito do abalo invasor napoleónico, estala em Portugal, dez anos depois (1820), a revolução liberal, onde durante outros dez anos, antigos alunos, irmãos, pais e filhos, se combateram com inusitada violência e coragem. Mas o Colégio Militar prosseguiu o seu caminho, moldando nos seus alunos uma irmandade, uma camaradagem e um amor pela Pátria, à prova dos conflitos que se iam passando fora das suas paredes. Anos mais tarde, alunos e antigos alunos do Colégio sofreram indignados e revoltados a humilhação nacional do ultimatum inglês de 1890, impedindo, manus militarae, Portugal de assegurar a sua soberania nas regiôes africanas referenciadas pelo mapa côr-de-rosa, ligando Angola e Moçambique. A agitação popular por tal provocada criou uma animosidade crescente contra o poder monárquico, agravada por uma crise financeira que atingiu a bancarrota. Essa crise manteve-se por mais de 20 anos, resultando, em 1910, na implantação da República. Mas a agitação não terminou, pois a resistência à mudança, a luta pelo poder e o desgaste de uma guerra em África e na Flandres, entre 1914 e 1918, mantiveram o País em permanente estado de sítio, nele participando, em campos políticos divergentes, ex-alunos do Colégio. Mesmo assim aquelas paredes guardaram o feitiço do nosso Colégio, pois algo mais forte impediu que se apagasse. Foi essa força interior e as suas condicionantes que fizeram o Colégio Militar resistir às perturbações e mudanças da revolução de Abril onde, de novo, ex-alunos se encontraram de lados opostos de um processo que deu origem a profundas modificações da própria sociedade portuguesa. Na verdade, não foram essas guerras e revoluções, ou a modernização da conjuntura social e política, ou mesmo a mudança de hábitos e costumes, como o aparecimento de uma nova sexualidade saída do Maio de 68, que afectaram o espírito colegial ao ponto de pôr em causa o feitiço gerador das virtudes de uma educação 4

5 com caracter, fraternidade e lealdade. Isso decorreu sempre do circunstancialismo interno característico do próprio convívio colegial. É facto que o Colégio de 1803 a 2013 (210 anos) não se manteve imutável e fechado à evolução da sociedade. Ocorreram, ao longo destes dois séculos, mudanças internas que alteraram a própria educação e instrução dos alunos, umas vezes melhorando-as, outras dificultando-as. Mas nada chegou para esfumar o feitiço. Nas condições impostas pela tutela externa, ou mesmo na pluralidade de tantas Direcções, nem todas exemplares, o espírito colegial assegurou muitas vezes através dos graduados, o desenvolvimento da camaradagem, do espírito de corpo, da lealdade, da coragem física e moral, do amor pela responsabilidade, da dedicação ao estudo e desejo de saber, do desembaraço, do aprumo e galhardia, da perseverança perante as dificuldades, enfim de tudo aquilo que pensamos ser o produto das características do Colégio Militar. Deverei aqui realçar a suma importância da organização dos tempos e dos espaços que permitem, ou dificultam, o convívio dos alunos entre si: Tempo para estar e viver em grupo, para brincar, para aprender, estudar, marchar, brigar, dormir, conversar, asnear e ler. O Colégio é o que é, porque se conjugaram múltiplas circunstâncias internas para que tal acontecesse: Não é obra do acaso, nem benção do Céu. Existe uma efectiva dinâmica de grupo entre os alunos, alimentada pelo culto da tradição ligada aos mais sublimes valores humanos. Com toda a subjectividade que isso possa acarretar, acompanhando de perto a vida colegial ao longo destes 70 anos, constato que houve, no passado recente, erros das chefias militares e da tutela política, afectando as capacidades formativas do Colégio, por terem ocasionado mudanças no tipo de convívio entre os alunos e destes com os seus oficiais instrutores, professores e outro pessoal militar e civil, correndo-se o grave risco de se produzirem alterações nefastas. Darei alguns exemplos: O crescimento do número de alunos nos anos cinquenta e sessenta e a necessidade de melhorar as condições do internato determinaram a ampliação das instalações. Só que essa ampliação deveria ter tido em conta, na concepção do projecto, que dela não resultassem tempos roubados ao convívio dos alunos, nem aos dedicados à sua formação individual e colectiva. A quebra da centralidade original, ocasionada pela separação radical entre o internato, as aulas, os estudos e as refeições, não me parece ter favorecido o melhor aproveitamento do tempo disponível para produzir uma educação tão condicionada pelas longas deslocações obrigatórias. É pena, mas julgo que essa falha será hoje muito difícil de corrigir. O meu camarada e amigo eng. Eduardo Zuquete, ex-aluno do Colégio, apresentou um trabalho mais desenvolvido sobre esta matéria, que me pareceu exemplar. Ainda na mesma linha de pensamento, recordamos que o sistema de internato dos alunos há 70 anos, com duas ou uma saída por mês ao sábado, era uma violência de que muito nos queixávamos. Anos mais tarde, a saída passou a ocorrer todos os fins de semana, à 6ª feira à tarde, resultando numa melhoria que em nada afectou as características do Colégio e permitiu aos Meninos da Luz, não apenas mais tempo 5

6 para a indispensável intervenção educativa dos pais e demais família, mas também maior contacto com a sociedade envolvente. Posteriormente, foi acrescentada mais uma saída à 4ª feira depois do almoço, com regresso na 5ª feira de manhã. Esta última decisão, para além de privilegiar apenas os alunos da zona de Lisboa e obrigar a uma maior concentração das aulas nos restantes dias da semana, com o consequente prejuízo escolar, criou problemas a muitos pais que têm trabalho nessa tarde, acabando por retirar tempo de convívio entre os alunos que, como dissemos, é indispensável na formação específica dos Meninos da Luz. Noutro aspecto, o nosso Colégio nasceu, cresceu e formou-se como uma escola militar, onde a existência de graduados responsáveis e cooperantes no processo educativo de raíz militar, a estrutura hierarquizada e disciplinada em todo o quotidiano da vida colegial, desde a alvorada ao silêncio, sempre foi a matriz de enquadramento daquele colectivo. Essa circunstância fez também parte de uma génese formativa cujos resultados estão bem patentes na celebridade dos nomes de antigos alunos, atribuidos a centenas de artérias das nossas cidades e vilas, sejam eles militares, ou civis, mas todos notáveis, fazendo jus a uma educação que sempre honrou Portugal. Os alunos viviam este ambiente militar desde que acordavam até adormecerem, com deslocações em formatura durante as horas de serviço. A esmagadora maioria dos professores e instrutores escolares eram oficiais do Exército, com especial relevo para profissionais do ensino, disponibilizados pelo Ministério da Educação, mas escolhidos pela Direcção do Colégio, chamados ao activo como milicianos (quadro de complemento). Mas também, durante as aulas, com programas sancionados pelo Ministério da Educação, o relacionamente entre alunos e professores era essencialmente militar. Nada disto tem a ver com o facto de antes só existirem professores do género masculino, pois hoje as mulheres estão, como os homens, nas Forças Armadas. Veja-se que a partir dos anos oitenta do século passado as Direcções do Colégio tiveram de aceitar uma totalidade de professores civis, sem qualquer formação ou identificação com a realidade militar, logo desconhecedores e, naturalmente, distantes das normas que regulam as relações castrenses. Não é possível que este facto deixe de trazer consequências nefastas na especificidade da formação dos alunos de um estabelecimento militar de ensino, pois, na maioria das horas despertas de permanência no Colégio, passaram a privar apenas com civis. Estas decisões, que considero negativas, poderão ter descaracterizado um pouco o Colégio Militar, limitando o convívio entre os alunos, e apaisanando as relações com os professores. Contudo, parece ter existido a força interior suficiente para não afectar, de forma irremediável, o espírito colegial. Chegados ao ano fatídico de 2012, o Colégio Militar sofreu, da parte da sua tutela política - Ministério da Defesa Nacional o mais duro, decisivo e absurdo golpe, com a extinção doutra Instituição Militar de Ensino, irmã, igualmente centenária: o Instituto de Odivelas e a transferência das suas alunas para o Colégio, transformandoo num estabelecimento de ensino misto, onde insistem em construir um internato para raparigas dentro do mesmo campus, o que parece querer transformar o Colégio da 6

7 Luz num caso de estudo internacional Na gíria dos alunos já dizem que estão ali a construir a maternidade? Será que a sensibilidade dos rapazes não é de escutar? Não chegam as palavras para demonstrar a minha indignação ao ver como gente como esta, insensata, acéfala, julgando que não é preconceituosa, mas mostrando que o é e da forma mais primária, se atreve a desfazer uma Instituição centenária como o Instituto de Odivelas, com tantos, tão longos e ricos serviços prestados na formação e educação de raparigas, com um projecto de ensino próprio, único e enaltecido por consecutivas gerações da sociedade portuguesa?! Quem é esta gente que se atreve a conspurcar com as suas mãos algo que a Pátria lhe deu a guardar?! As razões bacocas a favor dum internato misto, imposto aos pais que o não desejam, configuram um teatro de pretensioso progressismo, cuja insanidade não pode deixar de esconder outros objectivos. De todas as razões apresentadas, a menos hipócrita ser a das vantagens económicas, mas que, depois de desmontado com dados tratados por técnicos competentes, igualmente surge como um pretexto, demonstrando, isso sim, uma incompreensível animosidade a tudo o que possa ser a participação da Instituição Militar como viveiro de jóvens com carácter, coragem e boa formação física, moral e cívica em Portugal. Isso, aliás, também já se passara com a extinção do serviço militar obrigatório. Em dois despachos ciclónicos, o Ministro e a sua equipa civil e militar - que ficarão na história do País como coveiros do sagrado -, ferem de morte a essência do relacionamento e convívio que gerou uma plêiade de Gente necessária. Tal como o Colégio era uma escola de formação de rapazes, Odivelas era uma escola de formação de raparigas, todos (eles e elas) adolescentes, com formação específica de internato. O Ministro quis fazer nascer uma terceira escola de internato misto, no mesmo campus, parecendo desconhecer que, misturar géneros em adultos, não é o mesmo que misturar géneros em adolescentes, possivelmente esperando que os pais dessas adolescentes venham a optar pelo externato, facilitando essa opção também aos rapazes, com a experiência conseguida nos Pupilos. Tanto o Colégio como Odivelas sempre funcionaram, no seu longo passado, como internatos, onde o aluno externo constituia uma muito ponderada excepção, não tendo constituído, por isso, qualquer influência no tipo de relacionamento entre alunos que dormiam numa mesma camarata. Ao juntar rapazes e raparigas adolescentes nesta terceira e diferente instituição de ensino, o Ministro e as Chefias Militares certamente não ignoram que, na prática, estão a criar um novo externato de meninos e meninas, mascarados com uma farda côr de pinhão, igual à dos antigos Meninos da Luz, mas que muito pouco tem a ver com eles. Outra novidade destes despachos foi a abertura do futuro colégio a jovens para os 9º e 10º anos, limitando para estes uma vida colegial de 4 e 3 anos, o que não 7

8 chegará para aquecer o lugar e, muito menos, para uma integração no espírito colegial. A primeira consequência destas medidas é, obviamente, a redução drástica dos tempos de convívio entre alunos e a criação de novos valores e hábitos, ou seja uma outra educação que não pode gerar camaradagem nem respeito pelos valores tradicionais do Colégio. A segunda consequência consiste na profunda lesão da acção complementar educativa e formativa dos graduados naquele universo e, logo, do desenvolvimento consolidado de um desejável sentido de comando (mando com), criador duma disciplina consentida e não imposta. A terceira consequência resulta de que, um colégio com maioria de alunos externos, e muitos outros acabados de entrar com 15 anos, não permitirá tempo disponível para justificar as aulas práticas (ginástica, atletismo; equitação, esgrima, remo, etc. e, também instrução militar). É evidente que, a curto prazo, essas disciplinas serão extintas do projecto educativo, pois não se justificará mantê-las apenas para um reduzido número de internos. Com a esperada redução do número de alunos internos, tendendo obviamente para um só externato misto, as instalações existentes nas Companhias serão aproveitadas para aulas e não será de espantar que os velhos claustros venham a ter o mesmo ou semelhante destino das históricas instalações do Instituto de Odivelas. Sem tempo para as actividades desportivas, nomeadamente a equitação e o atletismo, haverá muito terreno desnecessário, isto é, disponível para ser alienado para a construção. Eis pois aqui desmascarado o objectivo estratégico dos despachos ministeriais: O negócio imobiliário, com terrenos vendidos por escritórios de advogados de confiança do poder político. Está-se, pois, a desmontar e vender as instalações do Instituto de Odivelas e a criar um novo colégio de externato misto, que até poderá vir a obter o primeiro lugar nos rankng s nacionais, mas dele jamais poderão saír Meninos da Luz nem Meninas de Odivelas como aqueles e aquelas que, durante duzentos anos, constituíram uma verdadeira elite de portugueses, no campo da Cultura, da Defesa, das Ciências, das Artes, da Política, do Desporto e da Administração (pública e privada), heróis formados por um feitiço, consolidado durante dois séculos, mas apagado em dois anos pela insanidade e ambição obtusa de um poder irresponsável. Restar-nos-á sempre a memória, pois essa nem com a morte se apaga. Lisboa, 10 de Maio de 2015 João M. Bilstein Menezes L Sequeira Ex-aluno nº 70/42 do Colégio Militar Coronel Reformado de Cavalaria 8

Educação. Alunos. mais caros nas escolas militares. ensino público. do que no POLÍTICA PÁGS. 10 EU

Educação. Alunos. mais caros nas escolas militares. ensino público. do que no POLÍTICA PÁGS. 10 EU Educação Alunos mais caros nas escolas militares do que no ensino público POLÍTICA PÁGS. 10 EU Alunos das escolas militares custam muito mais que os da escola pública Defesa. As receitas dos três estabelecimentos

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Áustria Viena. Foi uma grande surpresa o facto de todos os alunos andarem descalços ou de pantufas.

Áustria Viena. Foi uma grande surpresa o facto de todos os alunos andarem descalços ou de pantufas. Áustria Viena Foi uma grande surpresa o facto de todos os alunos andarem descalços ou de pantufas. Apenas fui assistir a uma aula, que acabou por não ser dada devido à presença dos alunos estrangeiros

Leia mais

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida.

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida. Discurso tomada de posse do Major-General Fernando Serafino como Comandante da Brigada de Reacção Rápida, em Tancos a 30 de Maio de 2011. Oficiais, Sargentos, Praças e Funcionários Civis da Brigada de

Leia mais

Questiono se, hoje, a escola não deverá ser muito mais do saber ler, escrever, contar Ninguém duvida que a escola é muito mais do que isso.

Questiono se, hoje, a escola não deverá ser muito mais do saber ler, escrever, contar Ninguém duvida que a escola é muito mais do que isso. Sobre os rankings Há rankings para todos os gostos em função da amostra, tendo em conta o nº. de disciplinas, o nº de exames, o ser público ou privado, enfim Por exemplo no Diário de Notícias num ranking

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA 1. Congratulo-me vivamente com a realização deste Congresso do Ano Internacional dos Voluntários. Trata-se de um acontecimento da maior importância

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 16. PALAVRAS À JUVENTUDE PORTO ALEGRE,

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE AGRADECIMENTO E DESPEDIDA DO CHEFE DO ESTADO EM PRESIDÊNCIA ABERTA E INCLUSIVA 2014 Compatriotas! Caminhamos para o fim do meu mandato de governação como Presidente

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas.

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas. DIA DO COMBATENTE NA BATALHA, EM 14 DE ABRIL DE 2007 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES Exmo. senhor Ministro da Defesa Nacional. Digna-se V. Exa. presidir a esta cerimónia evocativa do Dia do Combatente

Leia mais

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Não tendo podido estar presente na abertura das actividades

Leia mais

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMO Filosofia de vida da qual deriva uma atitude crítica frente aos factos e perante a sociedade Tomada de consciência Resposta que conduz à mudança, a partir

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade ANTÓNIO MANUEL MARQUES IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAÚDE, CULTURA E SOCIEDADE Portalegre, Julho 2008 Tópicos Gravidez na adolescência e paternidade

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma?

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma? Daniel Bessa assinala no entanto que «esta maior proximidade é apenas um ponto de partida, tudo dependendo, no finai, do posicionamento e da capacidade das escolas, e de quem as dirige». Esta entrevista

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 24 Discurso na solenidade de entrega

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

* DO PREFÁCIO; para informação publica e dos leitores assíduo, buscando contribuir com a classe segurança da área de escoltas, e levando a

* DO PREFÁCIO; para informação publica e dos leitores assíduo, buscando contribuir com a classe segurança da área de escoltas, e levando a * DO PREFÁCIO; para informação publica e dos leitores assíduo, buscando contribuir com a classe segurança da área de escoltas, e levando a conhecimento publico os heróis que nem sempre são vistos desta

Leia mais

Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da

Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da Tal como pretendemos salientar ao longo do primeiro capítulo, no período da indústria artesanal não se concedia demasiada importância ao fenómeno do trabalho infantil. As pessoas de então preocupavam-se,

Leia mais

CRASE. CONCEITO - É a fusão de duas vogais idênticas. Representa-se graficamente a crase pelo acento grave (`).

CRASE. CONCEITO - É a fusão de duas vogais idênticas. Representa-se graficamente a crase pelo acento grave (`). CRASE CONCEITO - É a fusão de duas vogais idênticas. Representa-se graficamente a crase pelo acento grave (`). A crase pode ocorrer entre: 1) Preposição A e os artigos A, AS Há limites a+a tolerância humana

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação Rita Monteiro Universidade Católica Portuguesa Abril 2014 Fontes / Referências Roldão (2013, 2008, 2007, 2004) Alarcão (1998) Shulman (2005,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

Após 41 anos de descontos e 65 de idade reformei-me. Fiquei com UMA SÓ reforma calculada a partir dos descontos que fiz nesses 41 anos.

Após 41 anos de descontos e 65 de idade reformei-me. Fiquei com UMA SÓ reforma calculada a partir dos descontos que fiz nesses 41 anos. Vamos lá entender!? Tenho sido questionado sobre a razão de terem terminado a nível do SNS as cirurgias de mudança de sexo que eram feitas por mim no CHLN/Hospital Santa Maria, em Lisboa. Decidi por isso

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias

existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias + 23% + 108% (em 20 anos a taxa é superior a 200%) 15% das mulheres e 65% dos homens brasileiros já tiveram ao menos uma experiência sexual fora do

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema Prefácio As pessoas já têm mil noções feitas bem antigas! com relação à palavra educação. Os pais e a escola têm de ensinar para as crianças, em palavras e só com palavras, quase tudo sobre os conhecimentos

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Portugiesisch A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Informação para os pais Objectivos e linhas gerais A escola obrigatória oficial, no Cantão de Zurique, é obrigada a respeitar os valores fundamentais

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

10 pontos importantes a saber antes de iniciares e teu curso de instrutor de yoga.

10 pontos importantes a saber antes de iniciares e teu curso de instrutor de yoga. 10 pontos importantes a saber antes de iniciares e teu curso de instrutor de yoga. Este documento é para praticantes de yoga que considerem a possibilidade de se tornarem instrutores ou professores de

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Dia do Médico Moçambicano: Momento de celebração e reflexão sobre desafios da classe e do sector Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

O presidente falou ontem aos alunos da América

O presidente falou ontem aos alunos da América Publicado em 09 de Setembro de 2009 O presidente falou ontem aos alunos da América Sei que para muitos de vocês hoje é o primeiro dia de aulas, e para os que entraram para o jardim infantil, para a escola

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Regra geral uma grande parte das pessoas vive dia a dia, sem pensar no futuro, sem construir, sem saber como gerar riqueza.

Regra geral uma grande parte das pessoas vive dia a dia, sem pensar no futuro, sem construir, sem saber como gerar riqueza. 1.ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA A importância da formação financeira para os supervisores financeiros Antiga Igreja de S. Julião Sede do Banco de Portugal Lisboa,

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL Exmos Senhores Juizes do Tribunal Administrativo e Fiscal de Proc. Nº 747/13.1BELLE LOULÉ Associação dos Investidores do Hotel Apartamento Neptuno, pessoa colectiva nº 507788648, com sede no Centro de

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

Tributo aos Combatentes Africanos

Tributo aos Combatentes Africanos Tributo aos Combatentes Africanos Foto Google Zona Leste Sector L 3 ( a zona a sul do Rio Corubal foi abandonada em 6 de Fevereiro de 1969, durante a Operação Mabecos Bravios) Após terminado o 2º ciclo

Leia mais

Violência Doméstica contra Crianças sob a

Violência Doméstica contra Crianças sob a Apresentação Maria Alice Barbosa de Fortunato Autores: Kássia Cristina C. Pereira* Maria Alice B. Fortunato* Marilurdes A. de M. Álvares* Orientadora: Lygia Maria Pereira da Silva** * Fiocruz CPQAM/ NESC

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração.

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. ANDRÉ LETRIA Entrevistado por Maria Augusta Silva Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. Um traço sinónimo de qualidade. Desenho e cor para a infância. Aos 26 anos

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Data: 16/11/2009 Roma, 16/11/2009 Bem... Lugo, tudo bem? Cumprimentar a

Leia mais

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 HISTÓRIAS COM GENTE DENTRO REFUGIADOS À procura da paz Testemunho de Ibraim (nome fictício) O meu nome é Ibraim, sou natural de um país africano, tenho 25 anos, e estou alojado

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 54 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais