PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Modelo Simplificado para Clínica ou Consultório Odontológico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Modelo Simplificado para Clínica ou Consultório Odontológico"

Transcrição

1 PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Modelo Simplificado para Clínica ou Consultório Odontológico

2 PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE JURACI MARTINS DE OLIVEIRA SECRETARIA MUNICIPAL DE RIO VERDE PAULO FARIA DO VALLE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA LÍVIA LEÃO ALVES ELABORAÇÃO: ADRIANA JAIME DE SOUSA ALIANE MENDONÇA GERALDINO MARIANA CRUVINEL PEREIRA MONI MELISSA ALVES BORBA PATRÍCIA BEZERRA DE ALMEIDA

3 INTRODUÇÃO Os resíduos do serviço de saúde ocupam um lugar de destaque, pois merecem atenção especial em todas as suas fases de manejo (segregação, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte, tratamento e disposição final) em decorrência dos imediatos e graves riscos que podem oferecer, por apresentarem componentes químicos, biológicos e radioativos. O PGRSS não é somente um registro de intenções, mas, vai além, pois aborda as condições de implementação e acompanhamento. Cada PGRSS é único, mesmo que se trate de estabelecimentos com as mesmas atividades. O que os diferencia é estar de acordo com o diagnóstico específico. Grande parte das informações necessárias ao roteiro de elaboração do PGRSS vem, portanto, das análises da situação existente obtidas no diagnóstico. Não é incomum, ademais, mudanças no PGRSS ou até mesmo substituição do plano inicial, no decorrer da pesquisa, diagnóstico e desenho das primeiras propostas. È aí que reside o valor do plano, constituindo-se em uma base sólida para acertos e ajustes. Os estabelecimentos de serviços de saúde são os responsáveis pelo correto gerenciamento de todos os RSS por eles gerados, cabendo aos órgãos públicos, dentro de suas competências, a gestão, regulamentação e fiscalização. O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde deverá ser elaborado de acordo com as exigências técnicas estabelecidas na Resolução RDC n 306 de 07 de Dezembro de 2004 e Resolução CONAMA 358 de 29 de Abril de 2005.

4 OBJETIVO O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS) deve apontar e descrever as ações relativas ao manejo de resíduos sólidos, implementado a partir de bases científicas e técnicas, normativas e legais, com o objetivo de minimizar a produção de resíduos e proporcionar, aos resíduos gerados, um encaminhamento seguro, de forma eficiente, visando à proteção dos trabalhadores, a preservação da saúde, dos recursos naturais e do meio ambiente. Deve abranger todas as etapas de planejamento dos recursos físicos, dos recursos materiais e da capacitação dos recursos humanos envolvidos no manejo de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS).

5 1 - EQUIPE DE TRABALHO Abrangeadefiniçãodequem fazoquêecomo. DesignarprofissionalparaelaboraçãoeimplementaçãodoPGRSS,que deverá:terregistrojuntoaoseuconselhodeclasseeapresentaraanotaçãode ResponsabilidadeTécnica ART,ouCertificadodeResponsabilidadeTécnica, oudocumentosimilarquandocouber. Comporumaequipedetrabalho,deacordocom atipificaçãodosresíduos gerados. COMPONENTESDAEQUIPEDETRABALHO ResponsávelpeloPGRSS NúmerodoConselhodeClasse (CRO) Nomedostécnicos/cargos Éodentistaresponsável Nº.CRO Setemrecepcionista Setemauxiliardeconsultório

6 2-DADOSGERAISDOESTABELECIMENTO DADOSGERAISDOESTABELECIMENTO RazãoSocial Nomedodentistaoudaclínica NomeFantasia Tipode Estabelecimento Propriedade ()Pública()Filantrópica()Privada()Outro CNPJ/CPF Endereço Bairo Município Estado Fone(s) Fax Site Horáriode ()24h ()Diurno ()Noturno ()Emergência Funcionamento ResponsávelLegal DatadeFundação

7 3 CARACTERIZAÇÕESDOESTABELECIMENTO CARACTERIZAÇÃODASATIVIDADESESERVIÇOSDO ESTABELECIMENTO TiposdeespecialidadesOdontológicasClínicogeralouperiodontiaououtros Numerodeatendimentos/dia Númerodeprofissionais Quantospacientessãoatendidospordia Númerodeprofisionaisqueatendem noconsultório/clínica CARACTERIZAÇÃODOESTABELECIMENTO Númerototaldefuncionários Existentes:_ Aseremcontratados:_ Total:_ Condiçãodefuncionamentodo estabelecimento Tipodeserviçosterceirizados Áreatotalconstruída Áreatotaldotereno Ematividade() Emimplantação() Emexpansão/modernização( )Em relocalização( ) Manutenção() Limpeza() Serviçosclínicos( ) Lab.DePrótese() Outros() Verificarnocontratoounaplantadoimóvel Verificarnaplantaoucontrato AlvaráSanitário N _ DatadeValidade: Nº.doanoanterior LicençaAmbiental(quando N _ DataValidade:_ exigido) Pegaronúmeronasecretariadomeioambiente Horáriodefuncionamento Segundaàsextaouatésábados. 08h00minàs18h00minououtrohorário.

8 Estruturafísica Tipodeconstrução:alvenariaououtros Númerodepavimentos:01ou02ououtros Abastecimentodeágua Condiçõesurbanasdoentorno Tipo:()Concesionária ()Captaçãoprópria (poçoartesiano) Consumointerno(quantidade):verificarnaconta deágua_ Númerodereservatórios:_ Condiçõesdeacesso:boa Riscodeenchentes:não Riscodedeslizamento:não Coletadeesgotosanitário Coletaetratamentopúblico:sim Sócoleta:não Semcoleta:não Tratamentopróprio:não

9 4 TIPOSEQUANTIDADESDERESÍDUOSGERADOS A4 Sãoresíduosinfectantes(todoomaterialquetivercontatocom asaliva):gases, algodão,peçasanatômicas(dentes,tecidos),matrizmetálica,lixasdepolimento,tirasde polietileno,diquedeboracha,sugador,etc. B São resíduos químicos: medicamentos (produtos odontológicos), fixadores, reveladores,amálgama,películadechumbo,etc. D Sãoresíduoscomuns:papel,plástico,papelhigiênico,etc. E Sãoresíduosperfurocortantes:seringas,agulhas,bisturi,brocas,limas,fioortodôntico, tubetedeanestésico,etc. Quantidadesderesíduoscoletadosporgrupoderesíduos Grupos A4 B D E Totalderesíduoskg/mês Obs.:oprofissionaldevedescreverumamédia,sejasemanal,quinzenaloumensaldos resíduosproduzidosemcadagrupo.deacordocomacoletafeitapelaincineradora.

10 5 SEGREGAÇÃO,ACONDICIONAMENTOEIDENTIFICAÇÃO GrupoA4 Sãoacondicionadosemsacoplásticobrancoleitosoemumalixeiraacionada porpedal,com ângulosaredondados,lavávelcom simbologiaespecíficadeinfectantes (colocarodesenho,símbolo). GrupoB: Reveladorefixador:sãoacondicionadosem recipientesresistentescom tampa rosqueável,hermeticamentefechados(embalagem original)com identificaçãoprópria (simbologiaderiscoasociadoefrasederisco). Películadechumbo:sãoacondicionadosemrecipientecomtampaeidentificados porsimbologiaderiscoasociadoefrasederisco. O amálgamaédescartadoem tuboplásticocom tampa,roscaelacre,com um suporteem acrílico,naposiçãoverticalparaodescartesegurodoamálgamacom uma lâminadeágua.comadevidaidentificação. Os medicamentos vencidos devem ficar em um recipiente fechado com identificaçãoeposteriormenteencaminhadoparaaincineradora. GrupoD Sãoacondicionadosem sacoplásticopretoouazulem umalixeiraacionadapor pedal,lavávelcomidentificaçãoprópria. GrupoE Sãoacondicionadosem recipientesrígidos,resistentesàpunctura,rupturae vazamentocomtampa,devidamenteidentificado(símbolos). EPI Sutilizados:jaleco,goro,máscara,óculoseluva.

11 6 COLETAETRANSPORTEINTERNO GrupoA4 Acoletainternaérealizadaapósotérminodoatendimento(últimopaciente) geralmenteàs18h00min,ouquandonecesário,sealixeiraestivercommaisde2/3dasua capacidade,otransporteéfeitoapósatendimentodopaciente. GrupoB: A películadechumboéretiradatodososdiasearmazenadasem recipientes específicosatécompletarasuacapacidadedecomportartaisresíduos.èarmazenadoem armáriofechadoeencaminhadoparaaincineração. Osreveladoresefixadoressão retiradostodososdias,oucadatrêsdiase encaminhadoparaoarmazenamentonosprópriosrecipientesdosmesmos,dentrode armáriofechado. O amálgamaéarmazenadodentroderecipientesespecíficosatécompletarasua capacidadedecomportartaisresíduos. A validadedosmedicamentoséverificadatodomês.sehouvermedicamento vencido,esteéarmazenadoem um recipientehermeticamentefechadoeencaminhadopara incineração. GrupoD acoletainternaéfeitasemprequealixeiraatinge2/3dasuacapacidadeesão colocadosemlixeirascomunasnacalçada. GrupoE sãodescartadosquandoopreenchimentoatingir2/3desuacapacidadeouo níveldepreenchimentoficara5(cinco)centímetrosdedistânciadabocadorecipiente,é encaminhadoparaaincineradora. EPI Sutilizados:jaleco,goro,máscara,luvaeóculos.

12 7 ARMAZENAMENTO Armazenamentotemporário. GrupoA4 podeserarmazenadoem umalixeiracomtampa,localizadanaáreaexternado consultórioouemumalixeiracomcadeadoetampanaáreaexternadoconsultório. GrupoB éarmazenadodentrodoarmáriolocalizadodentrodoconsultório,ouem ambienteespecíficodearmazenamentoderesíduos(saladeresíduosdoserviçodesaúde). GrupoE éarmazenadoem umalixeiracom tampalocalizadanaáreaexternado consultório,atéorecolhimentopelaincineradora. GrupoD osresíduosdogrupodnãoéfeitooarmazenamento(nemtemporário,nem externo).jáqueaprefeituraorecolhetodososdias. EPI Sutilizados:luvas,goro,máscara,óculosejaleco..

13 8 COLETAETRANSPORTEEXTERNO Anexarosdocumentoscomprobatórios(licenças,alvaráseoutros)das empresascoletoras,dostransbordos,quandohouver. Obs.:entrarem contato com aempresaresponsávelpelacoletaexterna, tratamentoedisposiçãofinaldosresíduos,paraobterinformaçõesabaixo. EVOLUSERVIC: INFORMAÇÕESSOBRECOLETAETRANSPORTEEXTERNO InformaçõessobreColetaeTransporteExterno NomedasEmpresas Incineradoraaescolha CNPJ/CPF TipodeResíduos A4,BeE DocumentosLegais Declaraçãoda incineradora Evoluservic D FreqüênciadeColeta Tipode Resíduo A4,BeE Diariamente DiasAlternados Semanal 2vezes aodia OutraFreqüência Oprofissionalirá combinarcom a incineradoraa freqüênciaque D X serárecolhido olixo. TiposdeVeículosUtilizadosnaColeta Tipode Resíduos TipodeVeículos Saveiro Basculante Baú Compactador Outros, Especificar A4,BeE fiorino D X

14 9 TRATAMENTO Quandonecessário. Descreverotratamentointernoparaosresíduos,especificadosportipode resíduo. Descreverosistemadedecaimentoderejeitosradioativos(quandoexistir). Descreverostiposdetratamentoexternoadotadosparacadagrupode resíduosequaisosequipamentoseinstalaçõesdeapoio,incluindoosseguintes aspectos:tecnologiasdetratamentoadotadas;nomedaempresaresponsávelpela operaçãodosistema;localizaçãodasunidadesdetratamento,endereçoetelefone; responsáveltécnicopelosistemadetratamento,nome,rg,profissãoeregistro profissional. InformarosEPI seepc snecesários. Anexardocumentoscomprobatórios (licenças,alvarás,documentosde monitoramentodefinidospeloórgãoambiental)dossistemasetecnologias adotados. TIPOSDETRATAMENTOINTERNOEEXTERNODOSRESÍDUOS GrupodeResíduos TiposdeTratamento Interno Externo A4,Be E incineração B incineração D Nãohátratamentos específicos E incineração Obs.:somenteoreveladorpodesersubmetidoaprocesodeneutralização. Para01litrodereveladoradiciona-se10litrosdeáguae100mldevinagrecomum. Ouoreveladorpodeserencaminhadoàincineradora.

15 10 DISPOSIÇÕESFINAISDOSPGRSS InformarasformasdedisposiçãofinaldosRSSeespecificarpor tipoderesíduos. InformarquaisasempresasqueexecutamadisposiçãofinaldosRSS. Anexarosdocumentoscomprobatórios(licençaambiental,documentosde monitoramento,definidospeloórgãoambiental)dequeaempresaestáaptaa realizaroserviço. Indicaralocalizaçãodasunidadesdedisposiçãofinaladotadasparacada grupoderesíduoseseusrespectivosresponsáveistécnicos(nome,rg,profissão, registroprofissional,empresaouinstituiçãoresponsáveletelefone). INFORMAÇÕESSOBREADESTINAÇÃO FINALDOSRESÍDUOS TipodeDisposição Final Empresa/ Endereço GrupodeResíduos A4 B D E incineração Àescolha X X X Aterocontrolado municipal/evoluservice X

16 11 Informaçõesadicionais: Rotinaseprocesosdehigienizaçãoelimpeza. Limpezageraldiáriaantesdeiriniciaroatendimentoaospacientes,ouapóscada atendimentousandoáguasanitáriaoudesinfetanteparalimparopiso. A higienização de cadeiras odontológicas e superfícies são feitas após cada atendimento,usando-seálcool70%. Instrumentosapósousosãocolocadosemumavasilhadeplásticocontendoendozime, imersopor2horas,sãolavadoscomdetergenteeáguaesecoscompapeltoalha,antesde seresterilizados. Açõesemsituaçõesdeemergênciaseacidentes. Seocoreracidentecom materialperfuro cortante,o dentistaeo pacientesão encaminhadosparaohospitaldereferência. SeopacientesofrerAVC,infarto,convulsões,hipoglicemiaeoutros,oSamué acionadoeencaminhadoparaohospitaldereferência. Açõesdeprevençãodesaúdedotrabalhador. Asvacinasdevemestartodasemdia.

17 ANEXO 1 SÍMBOLOSDEIDENTIFICAÇÃODOSGRUPOSDERESÍDUOS OsresíduosdogrupoAsãoidentificadospelo símbolodesubstânciainfectante,com rótulosde fundobranco,desenhoecontornospretos. OsresíduosdogrupoBsãoidentificadosatravésdo símboloderiscoassociadoecom discriminaçãode substânciaquímicaefrasederisco. OsrejeitosdogrupoCsãorepresentadospelo símbolointernacionaldepresençaderadiação ionizante(trifóliodecormagenta)em rótulosde fundoamareloecontornospretos,acrescidosda expressãomaterialradioativo. OsresíduosdogrupoDpodem serdestinadosà reciclagem ouàreutilização.quandoadotadaa reciclagem,suaidentificaçãodeveserfeitanos recipientesenosabrigosdeguardaderecipientes, usandocódigodecoresesuascorespondentes nomeações,baseadasnaresoluçãoconaman. 275/01,esímbolosdetipodematerialreciclável. ParaosdemaisresíduosdogrupoDdeveser utilizadaacorcinzaoupretanosrecipientes.pode serseguidadecordeterminadapelaprefeitura. Casonãoexistaprocessodesegregaçãopara reciclagem,nãoháexigênciaparaapadronizaçãode cordestesrecipientes. Vidro Verdeouosímbolo Plástico Vermelhoouosímbolo Papel Azulouosímbolo Metal Amareloouosímbolo Orgânico Marom OsprodutosdogrupoEsãoidentificadospelo símbolodesubstânciainfectante,com rótulosde fundobranco,desenhoecontornospretos,acrescidos dainscriçãoderesíduo PERFUROCORTANTE, indicandooriscoqueapresentaoresíduo. RESÍDUO PERFUROCORTANTE

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS NATAL/OUT/2013 RDC 306/04/ANVISA RESIDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS REGULAMENTAÇÃO HARMONIZAÇÃO ENTRE CONAMA E ANVISA Aprimorar, atualizar e complementar RDC 306/04/ANVISA

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA Lana Tais da Silva Coelho (1) Estudante do curso de Engenharia Ambiental do Instituto de

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS MODELO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

Leia mais

PORTARIA SMS Nº 028, de 9 de outubro de 2014.

PORTARIA SMS Nº 028, de 9 de outubro de 2014. PORTARIA SMS Nº 028, de 9 de outubro de 2014. REGULAMENTA O DESCARTE DE MEDICAMENTOS E SUBSTÂNCIAS SOB CONTROLE ESPECIAL DA PORTARIA SVS/MS Nº 344/1998. O Secretário Municipal de Saúde de Betim - Gestor

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Conselho Regional de Odontologia de Rondônia Modelo (Cada estabelecimento deve adequar à sua realidade) PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Fonte: http://www.cro-ro.org.br/

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Drogarias Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA SANTA CASA: SAÚDE PÚBLICA COMPROMETIDA COM A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Responsável pelo trabalho: Bruna Vallandro Trolli Vieira - Analista

Leia mais

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO

Leia mais

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Luís Eduardo Magalhães-BA Março/2015 Werther Brandão Secretário Municipal de Saúde Luziene de Souza Silva

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 Aprova as Diretrizes Básicas e o Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde no Município de Belo

Leia mais

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Modelo Simplificado

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 Ministério da Justiça CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA - CNPCP RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 CONSIDERANDO a ausência de preocupação com o tratamento dado aos resíduos gerados

Leia mais

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. CLÍNICA ODONTOLÓGICA MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Este é um modelo básico de check list para nortear na elaboração

Leia mais

Sugestões para o PGRSS. Qualidade tem nome e cargo. nº 9 junho/2005

Sugestões para o PGRSS. Qualidade tem nome e cargo. nº 9 junho/2005 nº 9 junho/2005 Qualidade tem nome e cargo O gerente da qualidade é um profissional cada vez mais em evidência no laboratório clínico. Nesta entrevista, uma especialista no assunto, a médica Debora Shcolnik,

Leia mais

Fase extra-estabelecimentoestabelecimento de saúde

Fase extra-estabelecimentoestabelecimento de saúde GESTÃO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE Fase extra-estabelecimentoestabelecimento de saúde INTRODUÇÃO A política de gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde - RSS

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Programa de Gerenciamento dos Serviços de Saúde no Brasil Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Responsabilidade civil: Art. 3 da Lei de Introdução

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

Aspectos Legais 10/8/2012

Aspectos Legais 10/8/2012 Aspectos Legais Docente: Prof. Ednaldo Anthony Jesus e Silva CRF-1845 MT No Brasil, a Legislação de Biossegurança(lei nº 11.105, de 24 de março e 2005): Regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art.

Leia mais

Procedimento Administrativo IV 1.30.001.005532/2011-08 RECOMENDAÇÃO MPF/PRRJ/GAB/AMLC N 01/2012

Procedimento Administrativo IV 1.30.001.005532/2011-08 RECOMENDAÇÃO MPF/PRRJ/GAB/AMLC N 01/2012 Procedimento Administrativo IV 1.30.001.005532/2011-08 RECOMENDAÇÃO MPF/PRRJ/GAB/AMLC N 01/2012 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelos Procuradores da República abaixo firmados, no uso de suas atribuições

Leia mais

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 Aprova Norma Técnica que fixa a padronização de contenedor para o acondicionamento e procedimentos para o armazenamento de resíduo sólido de serviço de

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/GMC/RES. Nº 30/02 CRITÉRIOS PARA A GESTÃO SANITÁRIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS INTERNACIONAIS DE CARGA E PASSAGEIROS E PONTOS DE FRONTEIRA NO MERCOSUL TENDO EM VISTA:

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

DIFICULDADES ATUAIS PARA ATENDER DEMANDAS DE COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

DIFICULDADES ATUAIS PARA ATENDER DEMANDAS DE COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DIFICULDADES ATUAIS PARA ATENDER DEMANDAS DE COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Elci de Souza Santos Psicóloga Especialista Ambiental e em Gestão da Qualidade Hospitalar Belo Horizonte,

Leia mais

4PASSO A PASSO: COMO ELABORAR

4PASSO A PASSO: COMO ELABORAR 4PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS T odo gerador deve elaborar e implantar o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS, conforme estipulam a RDC ANVISA n o 306/04

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS - ODONTOLOGIA Este material tem como objetivo básico servir como sugestão para elaboração do Manual de Rotinas e Procedimentos para Estabelecimentos

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Resumo

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Resumo GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Heroína Barbosa Dias* Orientadora: Martha Honorato** Resumo O presente estudo retrata os resíduos dos serviços de saúde (RSS),

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE (PMPA) SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE (SMAM) TERMO DE REFERÊNCIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE (PMPA) SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE (SMAM) TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (P- GRSS) 1. DADOS GERAIS 1.1. Identificação do Empreendedor - Identificação - Endereço Completo - Telefone de Contato - Correio

Leia mais

Missão. O que procurar numa inspeção? Protocolo de ações em Vigilância Sanitária. Plano de ação de Vigilância Sanitária. Inspeção Sanitária

Missão. O que procurar numa inspeção? Protocolo de ações em Vigilância Sanitária. Plano de ação de Vigilância Sanitária. Inspeção Sanitária Inspeção nos Serviços de Saúde: O que procurar numa inspeção? O que a Vigilância Sanitária procura nos hospitais? Marta Maria Noccioli Sanches Enfermeira, Divisão de Vigilância Sanitária, área hospitalar

Leia mais

MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO MODELO SIMPLIFICADO PARA CLÍNICA OU CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO INTRODUÇÃO Os resíduos do serviço de saúde ocupam um lugar de destaque, pois merecem atenção especial em todas as suas fases de manejo (segregação,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DO SERVIÇO DE SAÚDE DO MUNICIPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA - RJ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DO SERVIÇO DE SAÚDE DO MUNICIPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA - RJ ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DO SERVIÇO DE SAÚDE DO MUNICIPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA - RJ Romulo da Silva Viana (UFF ) rsv21@hotmail.com CRISTIANO SOUZA MARINS (UFF/UFRJ ) cristianosouzamarins@yahoo.com.br

Leia mais

PROJETO DE REDUÇÃO DOS RESÍDUOS INFECTANTES NAS UTI S DO HOSPITAL ESTADUAL DE DIADEMA

PROJETO DE REDUÇÃO DOS RESÍDUOS INFECTANTES NAS UTI S DO HOSPITAL ESTADUAL DE DIADEMA Hospital Estadual Diadema Prêmio Amigo do Meio Ambiente 2013 PROJETO DE REDUÇÃO DOS RESÍDUOS INFECTANTES NAS UTI S DO HOSPITAL ESTADUAL DE DIADEMA Hospital Estadual de Diadema Responsáveis: João Paulo

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Guanambi - Bahia Poder Executivo Ano VII Nº 1052 17 de Novembro de 2015 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: PORTARIAS PORTARIA Nº 059 DE 16

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-234 - INTERVENÇÃO EDUCACIONAL PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE GERADOS NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE, FEIRA DE SANTANA, BAHIA. Evanice Leal Leite Lima Bióloga, Especialista

Leia mais

VI CICLO DE PALESTRAS COPAGRESS 15ANOS

VI CICLO DE PALESTRAS COPAGRESS 15ANOS VI CICLO DE PALESTRAS COPAGRESS 15ANOS Especialistas Ambientais: Psicóloga - Elci de Souza Santos Farmacêutica Hospitalar - Nilce da Silva Santana Moura Belo Horizonte, 23 de agosto de 2013 CONCIENTIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Resíduos O ser humano sempre gerou resíduos, desde a Pré-História até os dias atuais. A diferença

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental III-015 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE ORIUNDOS DE CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS E CLÍNICAS VETERINÁRIAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA / PB - BRASIL: RESULTADOS PRELIMINARES Claudia Coutinho Nóbrega (1) Engenheira

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

ASPECTOS LEGAIS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE ASPECTOS LEGAIS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Lauren Oliveira Lima Bohner 1 Tanny Oliviera Lima Bohner 2 Marcelo Barcellos da Rosa 3 RESUMO São considerados resíduos sólidos

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn.

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn. GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn. Verificar legislação e seguir orientação da Vigilância Sanitária Selecionar

Leia mais

Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia

Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) 1 1. Apresentação do Projeto O presente documento tem por finalidade apresentar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde

Leia mais

Uma Solução Segura e Ambientalmente t Correta na Gestão de Resíduos

Uma Solução Segura e Ambientalmente t Correta na Gestão de Resíduos SOLIDIFICAÇÃO Uma Solução Segura e Ambientalmente t Correta na Gestão de Resíduos SEGURANÇA MEIO AMBIENTE REDUÇÃO DE CUSTOS Todos os direitos reservados Legislação Especifica - Ambiental A Lei 12.305 de

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

LEI Nº 744/2013 De 12 de junho de 2013.

LEI Nº 744/2013 De 12 de junho de 2013. LEI Nº 744/2013 De 12 de junho de 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS RELATIVOS À COLETA DE LIXO HOSPITALAR E/OU RESIDUOS PERIGOSOS NO MUNICÍPIO DE CARBONITA/MG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal

Leia mais

Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde pública do município de Bento Gonçalves, RS. Janice Favero 1, Siclério Ahlert 2

Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde pública do município de Bento Gonçalves, RS. Janice Favero 1, Siclério Ahlert 2 Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde pública do município de Bento Gonçalves, RS. Janice Favero 1, Siclério Ahlert 2 1 Programa de Pós Graduação Geografia e Meio Ambiente / UCS (janefaver@yahoo.com.br)

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 ESTRUTURA FÍSICA Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos Definir local para sala de utilidades por andar Evitar o contato dos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Instruções para o Preenchimento do PGRSS

Instruções para o Preenchimento do PGRSS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Instruções para o Preenchimento do PGRSS I Finalidade

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental ISSN 1984-9354 Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental Gabriel Marreiros Ribas Fernandes (LATEC/UFF) Resumo: O trabalho vem demonstrar a importância do manuseio correto, da coleta

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Complexo Hospitalar Universitário Prof Edgard Santos. Iris Soeiro de Jesus Enfermeira Presidente da Comissão de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Complexo Hospitalar Universitário Prof Edgard Santos. Iris Soeiro de Jesus Enfermeira Presidente da Comissão de Resíduos Gerenciamento de Resíduos Complexo Hospitalar Universitário Prof Edgard Santos Iris Soeiro de Jesus Enfermeira Presidente da Comissão de Resíduos MISSÃO Prestar assistência a saúde da população; Formar

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Experiências educativas no gerenciamento de resíduos gerados no Hospital de Clínicas de Porto Alegre Tainá Flôres da Rosa contato: tfrosa@hcpa.ufrgs.br telefone:(51)81414438

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015 Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 6 Armazenamento e Coleta Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA.

IMPORTÂNCIA DA IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. IMPORTÂNCIA DA IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Danieli Stefani 1, Carolina Bessa F. de Oliveira 2, Chennyfer Dobbins P. da Rosa

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS ATENÇÃO! O PROCESSO DE LICENCIAMENTO NÃO PODERÁ SER ABERTO SEM O CORRETO PREENCHIMENTO. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste

Leia mais

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp) do Hospital das Clínicas da FMUSP Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Responsável pelo trabalho: Vânia Rodrigues

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

Estudo de caso: Projeto Reciclart

Estudo de caso: Projeto Reciclart 2014 Estudo de caso: Projeto Reciclart Solange Costa Miranda Nascimento Gerente de Resíduo - HGNI 4/9/2014 Estudo de Caso Reciclagem de resíduos Comum Política dos 3 R s Projeto Reciclart HGNI HGNI - Hospital

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA

NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA Esclarecimentos sobre artigos da RDC Anvisa nº 29/2011 e sua aplicabilidade nas instituições conhecidas como Comunidades

Leia mais

PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE. Unidade Ceme/Braskem

PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE. Unidade Ceme/Braskem PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Unidade Ceme/Braskem Camaçari Bahia 2015 2/ 22 APRESENTAÇÃO O PGRSS constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão dos Resíduos dos

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA REFINARIA DE PETRÓLEO IPIRANGA

Leia mais

CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO EXTERNO

CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO EXTERNO EMPRESA: HOSPITAL DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA DONA LINDU OBJETIVO: ADEQUAR DE ACORDO COM A RDC 306 de 2004 CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO ETERNO SETOR: ABRIGO DE RESÍDUOS INSPEÇÃO FEITA POR: DATA: 20 /

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Diretriz 01: Fortalecer a gestão dos resíduos de serviços de saúde nos estabelecimentos Todas as metas e estratégias sugeridas neste documento já são objeto de exigência constante

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CLAUDIA DE MELLO BARBOSA PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CLAUDIA DE MELLO BARBOSA PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CLAUDIA DE MELLO BARBOSA PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) LAPA-PR 2011 2 CLAUDIA DE MELLO BARBOSA PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008

PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008 Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde-COPROM Núcleo de Vigilância Sanitária PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008 PLANO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por: 1 LEI Nº 897, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE "PROCEDIMENTOS RELATIVOS AOS RESÍDUOS PERIGOSOS" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Mangaratiba faz saber que a Câmara Municipal de Mangaratiba,

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE RESÍDUOS QUÍMICOS E O PROCESSO DE DESCARTE EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CADERNO DE DIAGNÓSTICO. Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde. Equipe Técnica: Katia Sakihama Ventura Pesquisadora PNPD/IPEA

CADERNO DE DIAGNÓSTICO. Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde. Equipe Técnica: Katia Sakihama Ventura Pesquisadora PNPD/IPEA CADERNO DE DIAGNÓSTICO Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde Equipe Técnica: Katia Sakihama Ventura Pesquisadora PNPD/IPEA Júlio César Roma Adriana M. M. Moura Técnicos de Planejamento e Pesquisa /IPEA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Resíduos odontológicos, saúde pública e impacto ambiental

Resíduos odontológicos, saúde pública e impacto ambiental Resíduos odontológicos, saúde pública e impacto ambiental Mariane de Souza Lima de Oliveira Moraes 1 Marryelle Molica Santagueda Guerini 2 Myrna Pereira Leite 3 Resumo No contexto atual as questões ambientais

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO MANEJO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REALIZADO NA UNIDADE DE SAÚDE SÃO LUCAS SIDERÓPOLIS

DIAGNÓSTICO DO MANEJO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REALIZADO NA UNIDADE DE SAÚDE SÃO LUCAS SIDERÓPOLIS 1 DIAGNÓSTICO DO MANEJO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE REALIZADO NA UNIDADE DE SAÚDE SÃO LUCAS SIDERÓPOLIS Lívia Caroline FELTRIN Departamento de Farmácia Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais