Unidade I ANÁLISE DE BALANÇOS. Profa. Divane Silva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade I ANÁLISE DE BALANÇOS. Profa. Divane Silva"

Transcrição

1 ANÁLISE DE BALANÇOS Profa. Divane Silva

2 Dividida em duas Unidades: 1. Introdução 2. Estrutura das Demonstrações Contábeis 3. Objetivos da Análise 4. Técnicas de Análises 5. Análises Vertical e Horizontal

3 Dividida em duas Unidades: I 6. Análise por meio de Índices 6.1 Índices de Liquidez 6.2 Índices de Endividamento 6.3 Índices de Atividades 7. Índices Econômicos 7.1 Taxa de Retorno sobre Investimentos Taxa de Retorno sobre o Patr.Líquido 7.3 Margem Líquida 7.4 Giro do Ativo 8. Emissão de Relatório

4 1. Introdução O Balanço Patrimonial e a Demonstração de Resultado constituem as principais matérias-primas para o analisa identificar e vislumbrar problemas e potencialidades empresariais. Embora o termo Análise de Balanço esteja correto, todas as DC.s são objeto de análise

5 1. Introdução As DF.s (ou DC.s) fornecem uma série de dados sobre a empresa, de acordo com a s regras contábeis A Análise de Balanço transforma esses dados em informações para tomada de decisões aos mais diversos usuários das informações contábeis

6 1. Introdução Dados: são números ou descrições de objetos ou eventos que, isoladamente, não provocam reação no leitor. Informações: representam, para quem as recebe, uma comunicação que pode produzir reação ou decisão, frequentemente acompahada de um efeito-surpresa.

7 1. Introdução Importante: sem a coleta de dados não há informações Após os cálculos, é necessário que se descubra as causas que influenciaram a formação de tais números, caso contrário, não será possível chegar a qualquer tomada de decisão.

8 1. Introdução O trabalho do analista financeiro inicia-se com o término do processo contábil.. Processo Contábil: Fatos compra, venda, pagamentos, recebimentos. Registro dos fatos diário, razão, livros fiscais Apuração do resultado lucro ou prejuízo Elaboração das DC.s

9 1. Introdução O trabalho do analista financeiro inicia-se com o término do processo contábil. Analista Financeiro: Exame e Padronização das DC.s Análise Vertical e Horizontal Apuração dos Indicadores Liquidez, Endividamento, Atividade e Rentabilidade Comparação com os Índices- Padrão Emissão do Relatório de Análise

10 2. Estrutura das Demonstrações Contábeis Legislação : Lei nº de 15 de dezembro de Lei nº de 28 e dezembro de Lei nº de 05 de maio de Pronunciamentos Contábeis (CPC) Instruções: CVM / Bacen / CFC / SUSEP / ANVISA e outros órgão fiscalizadores

11 2. Estrutura das Demonstrações Contábeis Relatórios e demonstrativos obrigatórios para publicação (S.A e empr.de grande porte) Relatório da Diretoria (ou Mensagem aos acionistas) Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração dos Lucros/Prejuízos Acumulados podendo ser substituída pela Demonstr. da Mutação do Patr. Líquido Demonstração do Fluxo de Caixa (substitui a Demonstr.Origens e Aplicações de Recursos) Demonstração do Valor Agregado Notas Explicativas Parecer da Auditoria Independente Parecer do Conselho Fiscal

12 2. Estrutura das Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial: Ativo bens e direitos ou investimentos ou as aplicações de recursos. Passivo obrigações ou dívidas ou origens de recursos com terceiros em geral. Patrimônio líquido obrigações ou dívidas ou origens de recursos próprios.

13 2. Estrutura das Demonstrações Contábeis. Balanço Patrimonial: Ativo Passivo Circulante Circulante Bancos Fornecedores Dupl.Receber Salários Enc.Pagar Estoques Impostos a Recolher Não Circulante Não Circulante Investimentos Financiamentos LP Imobilizado Líq Investimentos Patrimônio Líquido Capital Social Reservas de Lucros Ajuste Aval.Patrim. Total Total

14 2. Estrutura das Demonstrações Contábeis Demonstração do Resultado do Exercício Receita Bruta Vendas / Revendas / Serviços (-) Deduções de Vendas (Impostos/ Devoluções) (=)Receita Líquida (-) CMV / CPV / CSP (=) Lucro Bruto (- / + ) Despesas / Receitas Operacionais (=) Resultado antes do IR e CSLL (-) Provisão do IR e CSLL (=) Resultado líquido do exercício

15 Interatividade A análise de balanço inicia-se: a) Após os registros das operações no diário e razão. b) Após 30dias da publicação das demonstrações contábeis. c) De acordo com a legislação vigente. d) Após a conclusão das demonstrações contábeis. e) Quando houver uma fiscalização na empresa.

16 3. Objetivos da Análise Extrair informações das demonstrações contábeis para a tomada de decisões, aos diferentes usuários das informações contábeis. Historicamente, a análise de balanços nasceu por volta de 1920, para fornecer empréstimos bancários às empresas. Hoje, a análise de balanço atende aos seus mais diversos usuários, tais como: investidores, fornecedores, clientes, empresários, governo e outros

17 3. Objetivos da Análise A análise de balanço deve realizada a partir das demonstrações contábeis publicadas, por cumprir os requisitos legais que inclui: A identificação dos principais p acionistas; Parecer do Conselho Fiscal; e Parecer da Auditoria Independente. Obs: quaisquer empresa, independente do seu porte, atividade id d e tempo no mercado, poderá ter suas demonstrações analisadas.

18 4. Técnicas de Análises Existem diversas técnicas para análises de balanços, porém, algumas não podem ser desconsideradas, são estas: Análises Vertical e Horizontal mostra as tendências dos saldos das contas a partir das operações realizadas. Índices de Liquidez indica a capacidade de pagamento da empresa honrar compromissos já assumidos.

19 4. Técnicas de Análises Índice de Estrutura de Capitais avalia a política de obtenção e recursos da empresa, se própria ou de terceiros Índice de Atividades avalia o ciclo financeiro e econômico da empresa, ou seja, prazos de pagamentos, recebimentos e renovação de estoques. Índices de Rentabilidade avalia a potencialidade da empresa em gerar receitas.

20 4. 1 Procedimentos de Análises Exame e Padronização das Contas Contábeis: BP e DRE O exame de cada conta tanto do Balanço Patrimonial,,quanto da Demonstração de Resultados, deve ser feito minuciosamente,com a intenção de não só conhecer as contas como também descobrir erros (intencionais ou não), como por exemplo, registrar o saldo de uma operação a curto prazo (Circulante) quando deveria ser a longo prazo (Não Circulante).

21 4. 1 Procedimentos de Análises Exame e Padronização das Contas Contábeis: BP e DRE Já a padronização das contas, facilita a análise e consequentemente o relatório que deverá ser emitido ao final do trabalho pelo analista. Cita-se como exemplo, a conta de Clientes e Duplicatas a Receber, são sinônimos, por tratar de um direito vindo de uma operação à prazo, caso há estas duas contas no BP, poderiam ter seus saldos somados.

22 4. 1 Procedimentos de Análises Exame e Padronização das Contas Contábeis: BP e DRE Principais Motivos Simplificação: devido cada empresa ter seu plano de contas (exceto as atividades que utilizam planos de contas padronizados) Comparabilidade: trata-se da divergência na composição das contas. Adequação aos objetivos da análise: reclassificação de algumas contas do Ativo para Passivo, por exemplo Duplicatas Descontadas

23 4. 1 Procedimentos de Análises Precisão na classificação das contas: algumas empresas maquiam contas a fim de impressionar o resultado da análise, por exemplo: um saldo de Duplicatas a Receber vencida há muito e não recebida, deve ser baixado do BP, caso contrário, está mostrando um direito não recebível. Descoberta de erros: na utilização de modelos padronizados para análise, torna-se fácil a descoberta de erros intencionais ou não. Obs: na Análise de Balanço, a posição dos exercícios financeiros é invertida em relação à publicação 1º Exerc. Anterior depois Exercício Atual

24 Interatividade A padronização das demonstrações contábeis para fins de análise, atende: a) A legislação vigente. b) Ao analista financeiro. c) Aos usuários das informações contábeis. d) Somente as empresas que têm suas demonstrações contábeis publicadas. e) Aos proprietários das empresas.

25 Para fins de ilustração utilizaremos o Balanço Patrimonial e a Demonstração de Resultado do Exercício da empresa: Souza Cruz S.A, referentes aos exercícios financeiros de 2007 e 2008, devidamente atualizados com a legislação vigente (Lei nº /09 e Lei nº /07), para todas as Análises: Vertical e Horizontal Índices Financeiros e Econômicos

26 5. Análises Vertical e Horizontal 5.1 Análise Vertical Balanço Patrimonial: Ativo e Passivo Valor da Conta x 100 = AV em % Total do Ativo ou Passivo Interpretação mostra a relação em % de cada conta sobre o total do Ativo ou do Passivo

27 ATIVO 2007 AV % 2008 AV % CIRCULANTE Disponibilidades 619,4 19,19% 969,3 26,82% Contas a Receber 486,8 15,08% 478,2 13,23% Estoques 874,9 27,11% 833,9 23,08% Tributos a Recuperar 18,5 0,57% 23,1 0,64% Despesas Antecipadas 64,4 2,00% 71,5 1,98% Outros 29,8 0,92% 32,6 0,90% TOTAL CIRCULANTE 2.093,80 64,88% 2.408,60 66,65% NÃO CIRCULANTE: Contas a Receber 13,8 0,43% 13,8 0,38% Estoques 16,4 0,51% 3,3 0,09% Tributos a Recuperar 12,8 0,40% 16,2 0,45% I.R.e Cont.Social Diferidos 184 5,70% 177,7 4,92% Empréstimos a Receber 20,1 0,62% 27,7 0,77% Depósitos Judiciais 70 2,17% 81,3 2,25% Despesas Antecipadas 49,2 1,52% 45 1,25% Invest. Contr. Coligadas 36 3,6 0,11% 42 4,2 0,12% Imobilizado 676,1 20,95% 745,8 20,64% Intangível 76,1 2,36% 83,5 2,31% Outros 11,3 0,35% 6,6 0,18% TOTAL NÃO CIRCULANTE 1.133,40 35,12% 1.205,10 33,35% TOTAL DO ATIVO 3.227,20 100,00% 3.613,70 100,00%

28 PASSIVO 2007 AV % 2008 AV % PASSIVO CIRCULANTE Empr.e Financiamentos 205,6 6,37% 51,7 1,43% Fornecedores 91,7 2,84% 81,5 2,26% Imp.Renda e Contr. Social 71,9 2,23% 58,9 1,63% Trib. Recolher Vendas 298,7 9,26% 376,6 10,42% Remun. dos Acionistas 32,6 1,01% 36,1 1,00% Salários e Enc. Sociais i 137,2 4,25% 173,6 4,80% Adiantamentos de Clientes 86,1 2,67% 60,3 1,67% Provisões p/ Contingências 8,2 0,25% 0,3 0,01% Provisões Operacionais 73,1 2,27% 66,8 1,85% Outras Contas a Pagar 96,3 2,98% 81,7 2,26% TOTAL CIRCULANTE 1.101,40 34,13% 987,5 27,33% PASSIVO NÃO CIRCULANTE Sociedade Ligada Provisões p/contingências 107,9 3,34% 140,9 3,90% Provisões Operacionais 47 1,46% 48,1 1,33% Trib. Recolher e Ctas. Pagar 25 0,77% 12,2 0,34% I.R.e Contr. Social Diferidos 0,1 0,00% 0,1 0,00% Incentivos Fiscais 281,9 8,74% 296,6 8,21% TOTAL NAO CIRCULANTE 461,9 14,31% 497,9 13,78% PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Realizado 625,3 19,38% 625,3 17,30% Reservas de Capital 1,9 0,06% 1,9 0,05% Reservas de Lucros 341,7 10,59% 342,3 9,47% Ajustes de Aval. Patrimonial 82,9 2,57% 56,3 1,56% Lucros Acumulados 777,9 24,10% 1.102,50 30,51% TOTAL PATR. LÍQUIDO 1.663,90 51,56% 2.128,30 58,90% TOTAL DO PASSIVO 3.227,20 100,00% 3.613,70 100,00%

29 5. Análises Vertical e Horizontal 5.1 Análise Vertical Demonstração de Resultado Valor da Conta x 100 = AV em % Receita Líquida Interpretação mostra a relação em % de cada conta sobre a Receita Líquida apurada.

30 DEM.RESULTADO DO EXERCÍCIO 2007 AV % 2008 AV % RECEITA LÍQUIDA DAS VENDAS 4.846,70 100,00% 5.300,60 100,00% Custo Prod. Vendidos 2.166,60 44,70% 2.287,10 43,15% LUCRO BRUTO 2.680,10 55,30% 3.013,50 56,85% Desp. (Receitas) Operacionais Com Vendas 641,2 13,23% 722,1 13,62% Gerais e Administrativas 826,4 17,05% 770,1 14,53% Receitas Oper. Líquidas 96,6 1,99% 82,2 1,55% LUCRO OPERACIONAL 1.309,10 27,01% 1.603,50 30,25% RESULTADO FINANCEIRO Receitas Financeiras 111,7 2,30% 84,4 1,59% Despesas Financeiras 51,7 1,07% 40,8 0,77% Receitas Var. Camb. Líq. 21,1 0,44% 40,5 0,76% Res. Eq. Patrimonial 3,5 0,07% 8,6 0,16% LUCRO ANTES I.R. C.SOCIAL 1.393,70 28,76% 1.696,20 32,00% Imp.Renda e Contr.Social Corrente 390 8,05% 442,5 835% 8,35% Diferido 29,9 0,62% 4,1 0,08% LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 1.033,60 21,33% 1.249,60 23,57%

31 Interatividade A finalidade da Análise Vertical é : a) Mostrar qual a relação de cada conta do ativo circulante em relação ao total do grupo. b) Evidenciar a relação de cada conta do patrimônio i líquido em relação ao total t do grupo. c) Mostrar a relação de cada conta da demonstração de resultados em relação ao total da receita bruta do exercício. d) Evidenciar a participação de cada conta do BP ou da DRE em relação ao total do grupo. e) Mostrar o aumento ou redução de cada conta do BP de um exercício para o outro.

32 5. Análises Vertical e Horizontal 5.2 Análise Horizontal Balanço Patrimonial: Ativo e Passivo Cálculo / Interpretação: Fixar todas a contas do exercício financeiro mais antigo e a partir daí conhecer o acréscimo ou redução de cada conta em relação ao período seguinte, utilizando-se da regra de três:

33 ATIVO 2007 AH % 2008 AH % ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades 619,4 100,00% 969,3 56,49% Contas a Receber 486,8 100,00% 478,2 1,77% Estoques 874,9 100,00% 833,9 4,69% Tributos a Recuperar 18,5 100,00% 23,1 24,86% Despesas Antecipadas 64,4 100,00% 71,5 11,02% Outros 29,8 100,00% 32,6 9,40% TOTAL ATIVO CIRCULANTE 2.093,80 100,00% 2.408,60 15,03% ATIVO NÃO CIRCULANTE: Contas a Receber 13,8 100,00% 13,8 0,00% Estoques 16,4 100,00% 00% 33 3,3 79,88% Tributos a Recuperar 12,8 100,00% 16,2 26,56% Imp.R.e Cont.Social Diferid ,00% 177,7 3,42% Empréstimos a Receber 20,1 100,00% 27,7 37,81% Depósitos Judiciais ,00% 81,3 16,14% Despesas Antecipadas 49,2 100,00% 45 8,54% Invest.Soc. Cont. Coligadas 3,6 100,00% 4,2 16,67% Imobilizado 676,1 100,00% 745,8 10,31% Intangível 76,1 100,00% 83,5 9,72% Outros 11,3 100,00% 6,6 41,59% TOTAL NÃO CIRCULANTE 1.133,40 100,00% 1.205,10 6,33% TOTAL DO ATIVO 3.227,20 100,00% 3.613,70 11,98%

34 PASSIVO 2007 AH % 2008 AH% PASSIVO CIRCULANTE Empr.e Financiamentos 205,6 100,00% 51,7 74,85% Fornecedores 91,7 100,00% 81,5 11,12% Imp.Renda e Contr. Social 71,9 100,00% 58,9 18,08% Trib. Recolher Vendas 298,7 100,00% 376,6 26,08% Remun. dos Acionistas 32,6 100,00% 00% 36,1 10,74% Salários e Enc. Sociais 137,2 100,00% 173,6 26,53% Adiantamentos de Clientes 86,1 100,00% 60,3 29,97% Provisões p/ Contingências 8,2 100,00% 0,3 96,34% Provisões Operacionais 73,1 100,00% 66,8 8,62% Outras Contas a Pagar 96,3 100,00% 81,7 15,16% TOTAL CIRCULANTE 1.101,40 100,00% 987,5 10,34% PASSIVO NÃO CIRCULANTE Sociedade d Ligada Provisões p/contingências 107,9 100,00% 140,9 30,58% Provisões Operacionais ,00% 48,1 2,34% Trib. Recolher e Ctas. Pagar ,00% 12,2 51,20% I.R.e Contr. Social Diferidos 0,1 100,00% 0,1 0,00% Incentivos Fiscais 281,9 100,00% 296,6 5,21% TOTAL NAO CIRCULANTE 461,9 100,00% 497,9 7,79% PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Realizado 625,3 100,00% 625,3 0,00% Reservas de Capital 1,9 100,00% 1,9 0,00% Reservas de Lucros 341,7 100,00% 342,3 0,18% Ajustes de Aval. Patrimonial 82,9 100,00% 56,3 167,91% Lucros Acumulados 777,9 100,00% 1.102,50 41,73% TOTAL PATR. LÍQUIDO 1.663,90 100,00% 2.128,30 27,91% TOTAL DO PASSIVO 3.227,20 100,00% 3.613,70 11,98%

35 5. Análises Vertical e Horizontal 5.2 Análise Horizontal Demonstração de Resultado Cálculo / Interpretação: Fixar todas a contas do exercício financeiro mais antigo e a partir daí conhecer o acréscimo ou redução de cada conta em relação ao período seguinte, utilizando-se da regra de três (sempre partindo da Receita Líquida):

36 DEM.RESULTADO DO EXERCÍCIO 2007 AH % 2008 AH% RECEITA LÍQUIDA DAS VENDAS 4.846,70 100,00% 5.300,60 9,37% Custo Prod. Vendidos 2.166,60 100,00% 2.287,10 5,56% LUCRO BRUTO 2.680,10 100,00% 3.013,50 12,44% Desp. (Receitas) Operacionais Com Vendas 641,2 100,00% 722,1 12,62% Gerais e Administrativas 826,4 100,00% 770,1 6,81% Receitas Oper. Líquidas 96,6 100,00% 82,2 14,91% LUCRO OPERACIONAL 1.309,10 100,00% 1.603,50 22,49% RESULTADO FINANCEIRO Receitas Financeiras 111,7 100,00% 84,4 24,44% Despesas Financeiras 51,7 100,00% 40,8 21,08% Receitas Var. Camb. Líq. 21,1 100,00% 40,5 91,94% Res. Eq. Patrimonial 3,5 100,00% 8,6 145,71% LUCRO ANTES I.R. C.SOCIAL 1.393,70 100,00% 1.696,20 21,70% Imp.Renda e Contr.Social Corrente ,00% 00% 442,5 13,46% Diferido 29,9 100,00% 4,1 113,71% LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 1.033,60 100,00% 1.249,60 20,90%

37 Interatividade Na Análise Horizontal devemos fixar em 100% todas as contas do exercício mais antigo, tanto do BP quanto da DRE, com o seguinte 0bjetivo: a) Atender a legislação vigente. b) Apurar a evolução ou não das contas de um período para o outro. c) Identificar somente as contas que tiveram redução em seu saldo. d) Mostrar os possíveis erros nos saldos das contas. e) Simplificar a análise horizontal.

38 ATÉ A PRÓXIMA!

Professor conteudista: Ricardo S. Takatori

Professor conteudista: Ricardo S. Takatori Análise de Balanços Professor conteudista: Ricardo S. Takatori Sumário Análise de Balanços Unidade I 1 INTRODUÇÃO... 1 2 ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS...2 3 OBJETIVOS DA ANÁLISE... 4 TÉCNICAS DE

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras Análise das Demonstrações Financeiras Professora conteudista: Divane A. Silva Sumário Análise das Demonstrações Financeiras Unidade I 1 APRESENTAÇÃO DOS CONCEITOS BÁSICOS E IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA...1

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Etapas da análise das demonstrações

Etapas da análise das demonstrações Etapas da Análise das Demonstrações Financeiras Etapas da análise das demonstrações Coleta de dados Conferência dos dados coletados Preparação dos dados para análise Processamento dos dados Análise dos

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade IV ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 13 EDITAL SISTEMATIZADO... 15 APRESENTAÇÃO... 21 CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 23 1. Noções de contabilidade...23 1.1. Conceitos,

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em IFRS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em IFRS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 27/06/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE INTEGRAL

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 7.061 Fornecedores 33.947 Contas a Receber 41.832

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras I.

Resumo Aula-tema 05: Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras I. Resumo Aula-tema 05: Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras I. Nessa aula, vamos relembrar os métodos de análise do Balanço Patrimonial e da Demonstração do Resultado do Exercício, através da

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE 1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). C I A. E X E M P L O BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE Caixa 2.500 18.400 15.900 Clientes 15.600 13.400

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 1º Trimestre 2016 DFS/DEGC/DIRE/DIAN ABRIL/2016 RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAS DATAPREV COMPARATIVO 1T2015 X 1T2016 Responsáveis pela elaboração da apresentação: Jorge Sebastião

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Antônio Carlos Palácios Vice Presidente Técnico CRCRS O tema no contexto da CONVERGÊNCIA das Normas Contábeis A CRONOLOGIA DA CONVERGÊNCIA

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas Introdução O capítulo desenvolverá aplicações práticas do processo de análise econômico-financeira com base nas demonstrações de uma empresa de eletroeletrônicos Todos os valores dos demonstrativos estão

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 20 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO 5 Resolução de um exercício completo elaborado conforme a legislação em vigor. Todos os demonstrativos contábeis já

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

CPC 26 Apresentações de Demonstrações Contábeis-Balanço

CPC 26 Apresentações de Demonstrações Contábeis-Balanço CPC CPC 26 Apresentações de Demonstrações Contábeis-Balanço Este Pronunciamento Técnico não prescreve a ordem ou o formato que deva ser utilizado na apresentação das contas do balanço patrimonial, mas

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Objetivo: ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Analise de Balanços: Estudo da situação patrimonial da entidade, através da decomposição, comparação e interpretação do

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Essa unidade tem como objetivo interpretar as informações contábeis. Análise e tomada de decisão a partir de dados contábeis. Conhecer os índices

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0

Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0 Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0 Adiantamento de Salários 200,00 Aluguéis a Pagar 250,00 Caixa 1.050,00 Capital Social 12.000,00 Clientes 3.200,00 Contas a Pagar 350,00 Depósitos Judiciais (LP)

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados:

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados: 1. Classifique os itens abaixo em: bens, direitos ou obrigações item bens direito obrigação Empréstimos a receber Dinheiro em caixa Dinheiro depositado no banco veículos biblioteca Salários a pagar estoques

Leia mais

Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Jean Cavaleiro Introdução Essa unidade tem como objetivo abordar mais alguns índices importantes para a análise das demonstrações financeiras. Indicadores

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Rodrigo Pereira 01/02/2017 Fonte: CPC-03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Informações sobre o fluxo de caixa de uma entidade são úteis para proporcionar aos usuários

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Controladora Consolidado ATIVO Jun 2009 Set 2009 Jun 2009 Set 2009 Circulante Disponibilidades 23,0 37,4 56,1 92,1 Contas a receber de clientes 62,8 72,8 114,2 125,9 Estoques

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Medindo Resultados Medir o desempenho da empresa é fundamental para o sucesso e a boa gestão. Não se trata apenas de uma boa prática gerencial,

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis. Setembro Elaborado por: Walter Luiz Quaglio

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis. Setembro Elaborado por: Walter Luiz Quaglio Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17 Exercício Nº 17 1 Elaboração do Balanço Patrimonial de em moeda de ATIVO Valores Históricos Valores ajustados Quant. de Valores na moeda de Ativo circulante 350.000 105.132,3249 416.324 Caixa 80.000 80.000

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.4. Análise

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Um dos grandes fatores limitantes ao crescimento e desenvolvimento das micro e pequenas empresas é a falta de conhecimento e do uso de informações gerenciais no negócio.

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Demonstrações Contábeis...1

Sumário. Capítulo 1. Demonstrações Contábeis...1 Sumário Capítulo 1 Demonstrações Contábeis...1 1. Conceito e Finalidade das Demonstrações Contábeis...1 2. Elaboração e Divulgação das Demonstrações Contábeis...3 3. Conjunto das Demonstrações Contábeis...4

Leia mais

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série O que é: Basicamente, é uma metodologia de análise que você pode usar para entender a estrutura econômico e financeira da empresa

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO BRASIL Demonstrações Contábeis Obrigatórias Balanço Patrimonial (BP) Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barretto Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: enfatizar a consciência ética

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila

Leia mais

CDD: 657 AC:

CDD: 657 AC: Fonseca, Alan Sales da. F676c Contabilidade : revisão balanço patrimonial e DRE / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 17 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade III CONTABILIDADE Objetivos Praticar os conceitos até aqui discutidos. Enxergar a aplicação da legislação vigente na prática. Exercício completo Vimos em unidades anteriores

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

Os índices de Liquidez como orientadores na tomada de decisões.

Os índices de Liquidez como orientadores na tomada de decisões. 1. Resumo Os demonstrativos financeiros elaborados pelas empresas, representam as movimentações financeiras de cada uma em determinado período e fornecem informações de grande utilidade para a administração,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) 1 de 8 31/01/2015 14:50 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e

Leia mais

https://www.rad.cvm.gov.br/enet/frmprotocolo.aspx?codigoinstituicao=1&numero...

https://www.rad.cvm.gov.br/enet/frmprotocolo.aspx?codigoinstituicao=1&numero... ENET Protocolo Página 1 de 1 https://www.rad.cvm.gov.br/enet/frmprotocolo.aspx?codigoinstituicao=1&numero... 15/08/2011 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

Única (PU), Mensal (PM) Periódico(PP) Valores das contribuições. Provisões para desembolsos futuros

Única (PU), Mensal (PM) Periódico(PP) Valores das contribuições. Provisões para desembolsos futuros FEA- USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0551 - Contabilidade e Análise de Balanços de Instituições Previdenciárias TEMA 02.01. Contabilidade Capitalização Valores das contribuições

Leia mais

Curso de Ciências Contábeis TÓPICOS ESPECIAIS - I APOSTILA - II ESTRUTURA E ANÁLISE D AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Marcelo Cardoso de Azevedo

Curso de Ciências Contábeis TÓPICOS ESPECIAIS - I APOSTILA - II ESTRUTURA E ANÁLISE D AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Marcelo Cardoso de Azevedo Curso de Ciências Contábeis TÓPICOS ESPECIAIS - I APOSTILA - II ESTRUTURA E ANÁLISE D AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Marcelo Cardoso de Azevedo Í N D I C E 1. ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL E DA

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA Assinatura: Nº Questão: 5 INSTRUÇÕES DA PROVA A prova é individual e intransferível, confira os seus dados. Responda dentro da área reservada ao aluno. Não escreva fora das margens ou atrás da folha. Textos

Leia mais

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Balanço Patrimonial Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras Centro Universitário Franciscano/UNIFRA Curso: Administração Profª. Juliana Rüdell Boligon Análise das Demonstrações Financeiras Gestão Financeira I Análise de Balanço Começa quando termina a função do

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Nesse módulo abordaremos as duas demonstrações contábeis Balanço Patrimonial BP e Demonstração do Resultado do Exercício DRE,

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto

Unidade I CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto Unidade I CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barretto Objetivo Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: enfatizar a consciência

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de Planejamento Tributário Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 A constituição de Fundos de Investimentos Mobiliário é uma alternativa interessante

Leia mais

Lista de Exercícios com Gabarito Indicadores de Liquidez e Indicadores de Atividade

Lista de Exercícios com Gabarito Indicadores de Liquidez e Indicadores de Atividade FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTEL CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE Faculdade de Administração Administração Financeira e Orçamentária I 1º semestre de 2011 Prof.: Tiago Sayão Email: tiagosayao@gmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PADRÃO DE RESPOSTA (2 a FASE)

FORMAÇÃO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PADRÃO DE RESPOSTA (2 a FASE) Questão n o 1 a) Pontos de equilíbrio contábil, econômico e financeiro: PEC = CDF 8.000.000 = 400.000 U MCU 20 PEE = CDF + LD 8.000.000 + 200.000 410.000 U MCU 20 PEF = CDF DND 8.000.000 800.000 = 360.000

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 2

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 2 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 2 Índice Análise Através de Índices...3 1. Introdução...3 2. Índices financeiros...3 2.1 Índices de liquidez... 3 2.1.1 Liquidez corrente... 4 2.1.2 Liquidez seca... 4 2.1.3

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila nº.

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila

Leia mais

Análise dos indicadores econômicos e financeiros de um projeto de investimento

Análise dos indicadores econômicos e financeiros de um projeto de investimento Análise dos indicadores econômicos e financeiros de um projeto de investimento Verificar até que ponto um projeto de investimento é de fato rentável, passa necessariamente pela análise da taxa interna

Leia mais

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana Elaboração da DFC Método Direto A fim de possibilitar melhor entendimento, vamos desenvolver um exemplo passo a passo da montagem da DFC pelo método direto, tomando por base as informações a seguir: Balanço

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por:

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários 65ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Unidade II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES. Profa. Rachel Brandão

Unidade II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES. Profa. Rachel Brandão Unidade II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profa. Rachel Brandão Indicadores econômico-financeiros Índices como indicadores: Indispensável ao analista Quantidade? Variável Amplitude e agrupamento :

Leia mais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante R$ Circulante R$ Caixa e equivalentes

Leia mais

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social.

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social. Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro

Leia mais

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2016. DT-P 16-007. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES

Leia mais

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios Objetivos Identificar as políticas adotadas pela administração de empresa, relativas aos prazos de recebimentos,

Leia mais

Análise vertical e horizontal Análise por índices

Análise vertical e horizontal Análise por índices Capítulo Uma pergunta importante... Pensando sobre alguns pontos Análise de Informações Contábeis O que podemos fazer para extrair maiores informações dos demonstrativos contáveis? LIQUIDEZ RETORNO RISCO

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um grupo

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais