PRODUÇÃO E QUALIDADE DA FIBRA DO ALGODOEIRO (Gossypium hirsutum L.) EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO FOLIAR COM NITRATO DE POTÁSSIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO E QUALIDADE DA FIBRA DO ALGODOEIRO (Gossypium hirsutum L.) EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO FOLIAR COM NITRATO DE POTÁSSIO"

Transcrição

1 PRODUÇÃO E QUALIDADE DA FIBRA DO ALGODOEIRO (Gossypium hirsutum L.) EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO FOLIAR COM NITRATO DE POTÁSSIO João Paulo Teixeira Whitaker 1, Ciro Antonio Rosolem 2. (1) DSMM/CATI/SAA-SP, Praça Washington Luiz nº 4-50, , Bauru, SP, (2) Departamento de Produção Vegetal- Agricultura, UNESP, Caixa Postal 237, , Botucatu, SP, RESUMO Estudou-se durante dois anos, o uso foliar de KNO 3 sobre a produção e qualidade da fibra do algodoeiro. No primeiro ano pulverizou-se 8 kg ha -1 de KNO 3 durante duas (total 16 kg ha -1 ) ou quatro (total 32 kg ha -1 ) semanas, em 5 datas a partir do florescimento. No segundo ano dividiu-se o experimento em duas subparcelas pela aplicação, ou não, de 31 kg ha -1 de K 2 O em cobertura, e ambas receberam 4 aplicações semanais foliares de 8 kg ha -1 de KNO 3 (total 32 kg ha -1 ), em 4 datas a partir do florescimento. Foi mostrado que o uso de KNO 3 via foliar não alterou significativamente os parâmetros de produtividade, peso de um capulho, peso de mil sementes, número total de capulhos, número total de nós; nem as principais características da qualidade da fibra como finura, resistência, comprimento, maturidade e micronaire, nos dois anos de estudo. O teor de K na folha foi significativamente alterado pelo uso foliar de KNO 3 no segundo ano, mas o teor de K na maçã não. A adubação com K em cobertura provocou redução significativa no rendimento da fibra, no índice de fiabilidade e no brilho, e aumento do grau de amarelamento da fibra do algodão. INTRODUÇÃO A deficiência de potássio no algodoeiro tem ocorrido mesmo em solos com alto teor de K, e está relacionada ao uso de variedades altamente produtivas, de rápida maturação, com menor capacidade de armazenar K antes do florescimento; ao decréscimo da atividade radicular durante a frutificação; à mudanças nas práticas culturais (aumento no uso do N e reguladores de crescimento); à baixa quantidade de K aliada à fixação de K no solo; ao estresse hídrico (CHANG & OOSTERHUIS, 1995). O K é importante para o desenvolvimento e a qualidade da fibra (CASSMAN et al, 1990), e é o nutriente mais abundante na sua composição (KAFKAFI, 1992). A deficiência de K resulta em menor deposição de celulose na parede secundária das fibras, causando decréscimo na maturidade, micronaire, alongamento, comprimento, perímetro e uniformidade (BENNETT et al, 1965); decréscimo na produção de fibras, peso das sementes e maçãs (PETTIGREW et al, 1992); produção de fibras mortas, imaturas, que não colorem durante tingimento (THOMPSON, 1999). Cerca de 65% do K exigido é absorvido (até 5,6 kg ha -1 dia -1 ) entre o início da floração e a maturidade (THOMPSON, 1999). A maçã é o dreno dominante para o K dentro da planta (KAFKAFI, 1992; ROSOLEM e MIKKELSEN, 1991). O K tem sido aplicado via foliar com a finalidade de corrigir, ou prevenir, deficiências com maior rapidez e eficiência evitando perdas na produção (OOSTERHUIS et al, 1990) e na qualidade da fibra (CASSMAN et al, 1990). A diminuição do ph da calda de pulverização de KNO 3 para 4,0 pode aumentar a eficiência da adubação foliar (CHANG E OOSTERHUIS, 1995; HOWARD et al, 1998). O objetivo deste trabalho foi verificar a influência da adubação foliar com nitrato de potássio na produção e qualidade da fibra do algodoeiro, variedade Deltaopal.

2 MATERIAL E MÉTODOS Foram conduzidos dois anos de estudos (1999/2000 e 2000/2001). No primeiro ano foram instalados dois experimentos, um em Pederneiras-SP outro em Boracéia-SP. No segundo ano foi instalado um único experimento em Boracéia-SP. Todas parcelas constaram de cinco linhas (5m) de algodão com 0,90m de espaçamento e média de 7 plantas m -1, dispostas em blocos casualizados, em 4 repetições. A calda de pulverização foi preparada com 133,3 l ha -1 de água e o ph diminuído para 5,0 pela adição de ácido nítrico (1 molar). No Primeiro ano o algodão semeado em 09/11/99 foi adubado com 310 kg ha -1 da fórmula com mais duas coberturas: uma com 145 kg ha -1 de uréia e outra com 124 kg ha -1 da fórmula A análise do solo indicou o teor de 2,2 mmol c dm -3 de K em Pederneiras e 1,6 mmol c dm -3 em Boracéia. Os tratamentos empregaram 2 doses de KNO 3 (16 e 32 kg ha -1 ) divididas em 2 ou 4 pulverizações (8 kg ha -1 por semana), começando na 1ª semana após florescimento (SAF), em 17/01/00, aos 59 dias após emergência (d.a.e.): T-1 (testemunha); T-2 (1ª e 2ª SAF); T-3 (3ª e 4ª SAF); T-4 (5ª e 6ª SAF); T-5 (7ª e 8ª SAF); T-6 (1ª, 2ª, 3ª e 4ª SAF); T-7 (2ª, 3ª, 4ª e 5ª SAF); T-8 (3ª, 4ª, 5ª e 6ª SAF); T-9 (4ª, 5ª, 6ª e 7ª SAF); T-10 (5ª, 6ª, 7ª e 8ª SAF). O teor de K foi avaliado ao término de cada tratamento (folhas e maçãs), e nas folhas de todos tratamentos aos 88 d.a.e.. A 1ª colheita (158 d.a.e) e a colheita final (172 d.a.e.) foram feitas em 3 linhas de 4 m, separando-se 40 capulhos por parcela para análise da qualidade da fibra. Uma semana após o término de cada tratamento e também por ocasião da primeira colheita, foram realizados os mapeamentos das estruturas das plantas. Devido a uma colheita acidental do experimento instalado em Boracéia-SP, não foi possível avaliar sua produção e qualidade da fibra. No segundo ano de estudo, o algodão semeado dia 9/01/01 foi adubado com 248 kg ha -1 da fórmula , em solo contendo 1,5 mmol c dm -3 de K. Este experimento foi dividido em duas subparcelas, conforme adubação em cobertura: uma subparcela recebeu 186 kg ha -1 da fórmula , a outra só recebeu N (82,6 kg ha -1 de uréia). As duas subparcelas receberam 32 kg ha -1 de KNO 3 via foliar, divididos em 4 pulverizações (8 kg ha -1 KNO 3 por semana), começando na 1ª SAF, em 17/03/01, 58 d.a.e, nos tratamentos: T-1 (testemunha); T-2 (1ª, 2ª, 3ª e 4ª SAF); T-3 (2ª, 3ª, 4ª e 5ª SAF); T-4 (3ª, 4ª, 5ª e 6ª SAF); T-5 (4ª, 5ª, 6ª e 7ª SAF). Aos 94 e 108 d.a.e. foram avaliados os teores de K nas maçãs e nas folhas e aos 128 d.a.e. foi feita uma única colheita. RESULTADOS E DISCUSSÃO No primeiro ano de estudo ( ), o experimento realizado em Pederneiras-SP mostrou no mapeamento da planta ao final dos tratamentos que o número de nós por planta de T-2 (18,5), T-3 (20,1) e T-6 (20,7) foram maiores que a testemunha (17,4), porém, na colheita, o nº total de nós foi equivalente para todos tratamentos, só variando significativamente o nº de ramos reprodutivos entre a testemunha (16,2), T-3 (18,8) e T-7 (18,9). A produtividade (média de 4385,7 kg ha -1 ), o nº de sítios frutíferos, de frutos ou retenção de frutos não foram alterados. Dentre as características da fibra (1ª colheita), somente a uniformidade foi significativamente alterada pelo KNO 3, o maior valor para T-10 (48,0%) e menor para T-9 (45,7%). Na colheita final, só a cor da fibra (+b) foi alterada pelo uso de 16 kg ha -1 de KNO 3, o maior valor em T-3 (8,68) e menor T-2 (8,13). Aos 88 d.a.e, o teor de K nas folhas não estava alterado por qualquer tratamento, sendo considerado adequado (entre 17 e 19 g kg -1 de K) conforme Malavolta et al (1989). Após o término dos tratamentos, os teores de K nas folhas (16 a 18 g kg -1 ) e nas maçãs (16 a 20 g kg -1 ) também não diferiram significativamente da testemunha, exceto para T-10, o teor de K nas maçãs (18,7 g kg -1 ) foi significativamente maior que a testemunha (15,7 g kg -1 ). Devido ao teor de potássio no solo (2,2 mmol c dm -3 ) estar num nível considerado médio e aliado a uma adubação total de 81 kg ha -1 de K 2 O, o algodão parece não ter sofrido deficiência de potássio neste local de experimento. Ainda no Primeiro ano de estudo, mas em Boracéia, o mapeamento da planta ao término dos tratamentos com indicou que em T-3 o nº de nós na planta (18,4) foi menor que a testemunha (19,3). Já, na dose de 32 kg ha -1 de KNO 3, T-8 mostrou menor nº de nós por planta (18,8)

3 que a testemunha (19,7). O nº de nós acima do ramo mais baixo que portava fruto em T-3(11,5) foi menor que a testemunha (12,8), já, na dose de 32 kg ha -1 de KNO 3, T-6(11,9) mostrou-se menor que a testemunha (12,8) e T-10(13,0) mostrou-se maior que a testemunha (12,1). O teor de K nas folhas, aos 88 d.a.e., não apontou diferença significativa entre tratamentos, estando na faixa entre 14,1 e 17,5 g kg -1. Uma semana após término dos tratamentos, os teores de K nas folhas de T-2 (17,8 g kg -1 ) foi significativamente inferior à testemunha (18,8 g kg -1 ), assim como nas folhas de T-6 (15,2 g kg -1 ) e a testemunha (17,1 g kg -1 ), mas nas folhas em T-10 (11,6 g kg -1 ) o teor de K foi superior a testemunha (9,2 g kg -1 ). Nas maçãs, o teor de K não mostrou efeito significativo de nenhum tratamento foliar no contraste com a testemunha. Para todos os tratamentos e datas de avaliação, a média da concentração de K na folha foi considerada normal conforme Malavolta et al (1989). No segundo ano de estudo (só Boracéia), a produtividade do algodão (média de 1190 kg ha -1 ) não foi alterada por qualquer tratamento de adubação potássica (foliar ou cobertura). O rendimento de fibra do algodoeiro que não recebeu K em cobertura (43,42%) foi significativamente superior à parcela com cobertura (42,37%), concordando com Bennett et al (1965) e Pettigrew e Meredith (1992). As únicas características da fibra que sofreram alteração significativa em função dos tratamentos foram o alongamento, o índice de fiabilidade (CSP), o brilho e a cor (+b). O alongamento só foi alterado pelos tratamentos foliares na parcela que recebeu K em cobertura; o índice de fiabilidade e o brilho foram diminuídos pela adubação com K em cobertura, mas não foram alterados pela adubação foliar; a cor (amarelamento) foi aumentada somente pela adubação de cobertura, mas não pela adubação foliar. O teor de K na folha e na maçã, aos 94 d.a.e, pode ser vista na Tabela 1. O teor de K na maçã permaneceu constante perante os tratamentos de adubação potássica (cobertura ou foliar), sem diferenças significativas. Porém, nas folhas, o teor de K foi alterado pelos tratamentos foliares com KNO 3, mas não houve influência da adubação de K em cobertura. Aos 108 d.a.e. o teor de K na maçã apresentou-se equivalente para todos os tratamentos (Tabela 2). Porém, nas folhas, o teor de K variou conforme o tratamento foliar, mas não sofreu alteração pela adubação em cobertura. O maior teor de K foi encontrado nas folhas que receberam o tratamento T-5, tanto na parcela sem cobertura quanto na parcela com cobertura de K. A maior concentração de K na folha, conseguido às expensas da adubação foliar, não foi traduzido no aumento do teor de K no fruto, nem na melhoria de qualquer parâmetro de produtividade ou alteração dos parâmetros mais importantes da qualidade da fibra, significando que houve um consumo de luxo de K. Fica claro, em todos os anos de estudo, que o declínio de potássio na folha é um processo normal durante a senescência da planta, que não se reverte com uso suplementar de K em cobertura ou via foliar. CONCLUSÕES O uso da adubação foliar com KNO 3, em pulverizações com até 32 kg ha -1, durante o período de florescimento do algodoeiro não causou efeito significativo sobre os parâmetros de produtividade em ambos os anos deste estudo. As principais características da qualidade da fibra do algodão (finura, resistência, comprimento, micronaire, maturidade) não foram alteradas pelo uso da adubação foliar com KNO 3 neste estudo. O teor de K na folha foi significativamente alterado pelo uso do KNO 3 via foliar, mas não houve alteração no teor de K nas maçãs, no segundo ano deste experimento. A adubação de K em cobertura causou diminuição significativa no rendimento da fibra, no índice de fiabilidade e no brilho (Rd) da fibra de algodão; e um aumento do grau de amarelamento (+b). Tabela 1. Teor de potássio na folha e maçã do algodoeiro, aos 94 d.a.e., Boracéia-SP ( ). K na folha K na maçã Tratamento (g kg -1 ) (g kg -1 ) sem K cobertura com K cobertura sem K cobertura com K cobertura

4 Testemunha 10,23 b* 10,88 b 12,08 a 13,08 a 2 11,50 b 12,05 ab 12,25 a 13,25 a 3 14,18 a 13,85 a 15,43 a 13,58 a 4 15,93 a 13,55 a 15,25 a 11,95 a 5 14,95 a 12,23 ab 13,85 a 13,93 a média 13,36 A 12,51 A 13,77 A 13,16 A CV (%) 9,24 6,56 12,40 7,97 *Médias seguidas de mesma letra maiúscula (na linha) ou minúscula (na coluna), não diferem estatisticamente entre si pelo Teste de Tukey (Probabilidade < 0,05). Tabela 2. Teor de potássio na folha e maçã do algodoeiro, aos 108 d.a.e. Boracéia-SP ( ). K na folha K na maçã Tratamento (g kg -1 ) (g kg -1 ) sem K cobertura com K cobertura sem K cobertura com K cobertura Testemunha 5,63 b* 7,78 b 12,03 a 12,60 a 2 7,63 b 6,55 b 12,00 a 10,90 a 3 8,15 b 7,13 b 12,58 a 12,68 a 4 9,53 ab 9,70 ab 13,18 a 13,23 a 5 13,53 a 12,48 a 13,55 a 12,68 a média 8,89 A 8,73 A 12,67 A 12,42 A CV (%) 20,69 20,99 12,67 13,22 *Médias seguidas de mesma letra maiúscula (na linha) ou minúscula (na coluna), não diferem estatisticamente entre si pelo Teste de Tukey (Probabilidade < 0,05). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BENNETT, O. L.; ROUSE, R..; ASHLEY, D. A.; DOSS, B. D. Yield, fiber quality and potassium content of irrigated cotton plants as affected by rates of potassium. Agronomy J., Madison, v.57, p.296-9, CASSMAN, K. G.; KERBY, T. A.; ROBERTS, B. A.; BRYANT, D. C.; HIGASHI, S. L. Potassium nutrition effects on lint yield and fiber quality of Acala cotton. Crop Science, Madison, v. 30, p , CHANG, M. A.; OOSTERHUIS, D. M. Cotton response to foliar application of potassium compounds at different ph levels. Better Crops with Plant Food, Norcross, v. 79, n. 2, p , HOWARD, D. D.; GWATHMEY, C. O.; SAMS, C. E. Foliar feeding of cotton: evaluating potassium sources, potassium solution buffering, and boron. Agronomy J., Madison, v.90, n.6, p , KAFKAFI, U. Foliar feeding of potassium nitrate in cotton. Better Crops with Plant Food, Norcross, v. 76, p , spring MALAVOLTA, E.; VITTI, G. C.; OLIVEIRA, S. A. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. Piracicaba: POTAFÓS, p. OOSTERHUIS, D. M.; WULLSCHLEGER, S. D.; MAPLES, R. L.; MILEY, W. N. Foliar-feeding of potassium nitrate in cotton. Better Crops with Plant Food, Norcross, v. 74, n. 3, p. 8-9, summer PETTIGREW, W. T.; MEREDITH; W. R. Potassium fertilization influences cotton dry matter and yield.

5 Better Crops with Plant Food, Norcross, v. 76, p , winter ROSOLEM, C. A.; MIKKELSEN, D. S. Potassium absorption and partitioning in cotton as affected by periods of potassium deficiency. Journal of Plant Nutrition, Athens, v. 14, n. 9, p , THOMPSON, W. R. Fertilization of cotton for yields and quality. In: CIA, E.; FREIRE, E. C.; SANTOS, W. J. dos (Eds). Cultura do algodoeiro. Piracicaba: Potafós, p

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

Formas de aplicação e curva de reposta da cultura do algodoeiro a aplicação de nitrogênio em cobertura. RESUMO

Formas de aplicação e curva de reposta da cultura do algodoeiro a aplicação de nitrogênio em cobertura. RESUMO Formas de aplicação e curva de reposta da cultura do algodoeiro a aplicação de nitrogênio em cobertura. Leandro Zancanaro, Joel Hillesheim & Luis Carlos Tessaro. Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923 Página 923 DOSES E FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA E CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DO ALGODOEIRO EM SEMEADURA DIRETA Carlos Eduardo Rosa 1 ; Enes Furlani Júnior 2 ; Samuel Ferrari 3 ; Ana Paula Portugal

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA EMPRESA: RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA Assist Consultoria e Experimentação Agronômica LTDA ME Endereço: Avenida Brasília, 2711 Campo Real. Campo Verde - MT. CEP 78840-000.

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria.

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria. Página 1389 GENÓTIPOS DE ALGODÃO DE FIBRAS LONGAS NO SEMIÁRIDO DO VALE DO IUIU, SUDOESTE DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Osório Lima Vasconcelos

Leia mais

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO Página 1376 ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Osório Lima Vasconcelos 3 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire 4 ; Flávio Rodrigo Gandolfi

Leia mais

Fontes de potássio na adubação de cobertura do algodoeiro I Produtividade, qualidade de fibras e análise econômica 1

Fontes de potássio na adubação de cobertura do algodoeiro I Produtividade, qualidade de fibras e análise econômica 1 Fontes de potássio na adubação de cobertura do algodoeiro I Produtividade, qualidade de fibras e análise econômica 1 Potassium sources in covering fertilization on cotton I Yield, fiber quality and economic

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

USO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE SEMENTE DO ALGODOEIRO COM DIFERENTES MATERIAIS EM PRIMAVERA DO LESTE- MT

USO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE SEMENTE DO ALGODOEIRO COM DIFERENTES MATERIAIS EM PRIMAVERA DO LESTE- MT USO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE SEMENTE DO ALGODOEIRO COM DIFERENTES MATERIAIS EM PRIMAVERA DO LESTE- MT Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo O

Leia mais

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Algodão(Gossypium

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

FONTES DE POTÁSSIO NA ADUBAÇÃO DE COBERTURA DO ALGODOEIRO PRODUTIVIDADE, DIAGNOSE FOLIAR, QUALIDADE DE FIBRAS E ANÁLISE ECONÔMICA

FONTES DE POTÁSSIO NA ADUBAÇÃO DE COBERTURA DO ALGODOEIRO PRODUTIVIDADE, DIAGNOSE FOLIAR, QUALIDADE DE FIBRAS E ANÁLISE ECONÔMICA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM AGRONOMIA FONTES DE POTÁSSIO NA ADUBAÇÃO DE COBERTURA DO ALGODOEIRO PRODUTIVIDADE, DIAGNOSE FOLIAR, QUALIDADE DE FIBRAS E ANÁLISE ECONÔMICA FÁBIO RAFAEL

Leia mais

Palavras-chave: componentes principais, melhoramento do algodoeiro, análise gráfica.

Palavras-chave: componentes principais, melhoramento do algodoeiro, análise gráfica. Página 496 SELEÇÃO DE LINHAGENS COM CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS, FIBRA LONGA, VIA ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTEÍSTICAS João Luís da Silva Filho (Embrapa Algodão joaoluis@cnpa.embrapa.br), Murilo Barros

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE RESULTADOS DE PESQUISA 2005 PREPARO DE PERFIL DE SOLO COM EQUIPAMENTOS MECÂNICOS VISANDO CULTIVO DO ALGODÃO SAFRINHA CLAYTON GIANI BORTOLINI

Leia mais

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS Dacio Rocha Brito 1, Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2, Jadson de Lira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES ARRANJOS DE PLANTAS EM CULTIVARES DE ALGODÃO HERBÁCEO NA REGIÃO AGRESTE DO ESTADO DE ALAGOAS

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES ARRANJOS DE PLANTAS EM CULTIVARES DE ALGODÃO HERBÁCEO NA REGIÃO AGRESTE DO ESTADO DE ALAGOAS INFLUÊNCIA DE DIFERENTES ARRANJOS DE PLANTAS EM CULTIVARES DE ALGODÃO HERBÁCEO NA REGIÃO AGRESTE DO ESTADO DE ALAGOAS Dacio Rocha Brito 1, Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2. (1) FUNESA UFPB/CCA, e-

Leia mais

MICRONUTRIENTES EM ALGODÃO

MICRONUTRIENTES EM ALGODÃO MICRONUTRIENTES EM ALGODÃO Ciro A. Rosolem (Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, Botucatu. E-mail: rosolem@fca.unesp.br) Abstract Among the micronutrient deficiencies in cotton, Boron deficiency has

Leia mais

COMPRIMENTO DO PRIMEIRO RAMO PLAGOTRÓPICO DE COFFEA ARABICA EM DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS E FERTIRRIGAÇÃO

COMPRIMENTO DO PRIMEIRO RAMO PLAGOTRÓPICO DE COFFEA ARABICA EM DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS E FERTIRRIGAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COMPRIMENTO DO PRIMEIRO RAMO PLAGOTRÓPICO DE COFFEA ARABICA EM DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS E FERTIRRIGAÇÃO André Maller 1, Roberto Rezende 2, André Ribeiro

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682 Página 682 AVALIAÇÃO DO SISTEMA AGCELENCE NA CULTURA DO ALGODOEIRO NO SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO NO OESTE DA BAHIA *Cleiton Antônio da Silva Barbosa 1 ; Benedito de Oliveira Santana Filho 1 ; Ricardo

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação da Nutrição e Produtividade da Cultura do Milho sob Diferentes Doses e Fontes de Fósforo 1 Arthur José

Leia mais

FERTIRRIGAÇÃO NITROGENADA NA CULTURA DO FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) POR SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO

FERTIRRIGAÇÃO NITROGENADA NA CULTURA DO FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) POR SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO FERTIRRIGAÇÃO NITROGENADA NA CULTURA DO FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) POR SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO Décio Eugênio Cruciani 1, Pedro César Soares Maia, Vital Pedro da Silva Paz e José Antonio

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

ADUBAÇÃO FOLIAR COM NITRATO DE POTÁSSIO EM ALGODOEIRO ( 1 )

ADUBAÇÃO FOLIAR COM NITRATO DE POTÁSSIO EM ALGODOEIRO ( 1 ) Adubação foliar em algodoeiro 147 ADUBAÇÃO FOLIAR COM NITRATO DE POTÁSSIO EM ALGODOEIRO ( 1 ) CIRO ANTONIO ROSOLEM ( 2 ); JOÃO PAULO TEIXEIRA WITACKER ( 3 ) RESUMO Em diversas lavouras de algodão, no Brasil

Leia mais

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins.

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Luciano Marcelo Fallé Saboya 1 ; Rita de Cassia Cunha Saboya 2 ; Valdeci Pinheiro Júnior 3 ; Jacinto Pereira da Silva

Leia mais

Características tecnológicas da fibra do algodão herbáceo sob efeito de adubação nitrogenada e irrigação com água residuária tratada

Características tecnológicas da fibra do algodão herbáceo sob efeito de adubação nitrogenada e irrigação com água residuária tratada 0 M. R. de Q. A. Azevedo et al. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.9, (Suplemento), p.0-06, 005 Campina Grande, PB, DEAg/UFCG - http://www.agriambi.com.br Características tecnológicas

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Densidade de Plantas no Progresso da Ferrugem Comum em Híbridos Comerciais de Milho Murilo Viotto Del Conte²,

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

EXPERIMENTO SOBRE O EFEITO DO AGROSTEMIN APLICADO NO PLANTIO DE CANA DE AÇÚCAR

EXPERIMENTO SOBRE O EFEITO DO AGROSTEMIN APLICADO NO PLANTIO DE CANA DE AÇÚCAR EXPERIMENTO SOBRE O EFEITO DO AGROSTEMIN APLICADO NO PLANTIO DE CANA DE AÇÚCAR Este experimento foi conduzido no município de Aquiraz CE Brasil no ano de 2009 e 2010. A variedade utilizada foi a RB 92.579.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA Luiz Carlos S. Caetano¹; Aureliano Nogueira da Costa²; Adelaide de F. Santana da Costa 2 1 Eng o Agrônomo, D.Sc, Pesquisador

Leia mais

ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTERÍSTICAS EM FASES INICIAIS DE MELHORAMENTO DO ALGODOEIRO

ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTERÍSTICAS EM FASES INICIAIS DE MELHORAMENTO DO ALGODOEIRO Página 1506 ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTERÍSTICAS EM FASES INICIAIS DE MELHORAMENTO DO ALGODOEIRO João Luís da Silva Filho (Embrapa Algodão joaoluis@cnpa.embrapa.br), Murilo Barros Pedrosa (Fundação

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

TEORES FOLIARES DE N, P E K EM MELANCIA FERTIRRIGADA COM DOSES DE NITROGÊNIO E FÓSFORO

TEORES FOLIARES DE N, P E K EM MELANCIA FERTIRRIGADA COM DOSES DE NITROGÊNIO E FÓSFORO TEORES FOLIARES DE N, P E K EM MELANCIA FERTIRRIGADA COM DOSES DE NITROGÊNIO E FÓSFORO M. S. Souza 1 ; J. F. de Medeiros 2 ; S. W. P. Chaves 2 ; M. V. T. Silva 3 ; O. M. P. Silva 4 ; A. P. F. Santos 4

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PRODUÇÃO DE PEPINO TIPO CONSERVA EM FUNÇÃO DE DOSES DE FÓSFORO ELONHA RODRIGUES DOS SANTOS 1 ; ANTONIA PINTO DE CERQUEIRA 2 ; PAULO ROGÉRIO SIRIANO BORGES 3 ; PAULO ROBERTO PEREIRA 4 ; ARISTÓTELES CAPONE

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum)

NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum) NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum) KEIGO MINAMI 1 HENRIQUE PAULO HAAG 2 RESUMO: Com a finalidade de estudar a extração de macro e micronutrientes

Leia mais

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Página 755 PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Evandro Franklin de Mesquita 1,2, Lúcia Helena Garofálo Chaves 3, Hugo Orlando carvallo Guerra3, Diva Lima

Leia mais

PRODUÇÃO DA BANANEIRA CULTIVAR GRANDE NAINE FERTIRRIGADA COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS E POTÁSSICAS

PRODUÇÃO DA BANANEIRA CULTIVAR GRANDE NAINE FERTIRRIGADA COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS E POTÁSSICAS PRODUÇÃO DA BANANEIRA CULTIVAR GRANDE NAINE FERTIRRIGADA COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS E POTÁSSICAS N. F. de Azevedo 1 ; D. L. Barros 1 ; E. F. Coelho 2 ; T. P. de Andrade 3 ; T. M. de Andrade Neto

Leia mais

Adubação potássica no crescimento inicial em cultivo de planta energética do algodão

Adubação potássica no crescimento inicial em cultivo de planta energética do algodão 1 Adubação potássica no crescimento inicial em cultivo de planta energética do algodão Maurício A. Pilatti 1, Tania Claudia Pintro 2, Cristiane Lurdes Paloschi 3, Tábata Zingano Bischoff 4 e Reginaldo

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO Marcio Melquiades Silva dos Anjos (1); Anderson Santos da Silva (1); Patrício Gomes Leite (2); Ronaldo do Nascimento

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Helio Dal Bello Luis Vizeu Márcio H. Cordellini Tarcísio Cobucci

Helio Dal Bello Luis Vizeu Márcio H. Cordellini Tarcísio Cobucci Helio Dal Bello Luis Vizeu Márcio H. Cordellini Tarcísio Cobucci PATROCÍNIO: 1 CAPÍTULO 01 FISIOLOGIA 2 3 AUTORES: Helio Dal Bello Luis Vizeu Márcio H. Cordellini Tarcísio Cobucci 4 Apresentação O feijão

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO Página 1275 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Eleusio Curvelo Freire 3 ;

Leia mais

ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL

ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL Renan Soares de Souza 1 ; Roberto Rezende 2 ; Paulo Sérgio Lourenço de Freitas 3 ;

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO Valter de Oliveira Neves Júnior1; Zélio de Lima Vieira 1; Leandro Martins Prudente1; Rafael Benetti1; Sebastião Pedro da Silva Neto 2 1 Acadêmico PVIC/UEG

Leia mais

RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006. 2. Projeto: PRODUTO ORGANOMINERAL VITAN NA PRODUÇÃO DE BATATA

RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006. 2. Projeto: PRODUTO ORGANOMINERAL VITAN NA PRODUÇÃO DE BATATA 1 RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006 1 Solicitante: Associação Brasileira da Batata ABBA Rua Vergílio de Rezende, 705 CEP: 18.201-030 Itapetininga/SP E-mail: aaatata@uol.com.r 2. Projeto:

Leia mais

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Página 481 COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Suenildo Jósemo Costa Oliveira 1 ; Maria Aline Oliveira Freire 2 ; Lígia Rodrigues Sampaio

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO Dionisio Link 1 Rodolpho Saenger Leal 2 RESUMO A avaliação econômica do controle preventivo das pragas iniciais da cultura do fumo

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV.

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MARANDU Vilela, L.A.F.³; Portugal, A.F.²*; Carballal, M.R¹; Ribeiro, D.O.³,

Leia mais

Analise de crescimento do algodão colorido sob os efeitos da aplicação de água residuária e biossólidos

Analise de crescimento do algodão colorido sob os efeitos da aplicação de água residuária e biossólidos Analise de crescimento do algodão colorido sob os efeitos da aplicação de água residuária e biossólidos 333 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental (Suplemento), 2005 Campina Grande, PB,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Suporte no Crescimento e Produção de Alface em Cultivo Protegido e Hidroponia.

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Suporte no Crescimento e Produção de Alface em Cultivo Protegido e Hidroponia. Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Suporte no Crescimento e Produção de Alface em Cultivo Protegido e Hidroponia. Francisco José Alves Fernandes Távora 1 ; Pedro Renato Aguiar de Melo 1 Universidade

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

SEÇÃO 9 FERTILIDADE DE SOLO

SEÇÃO 9 FERTILIDADE DE SOLO 181 SEÇÃO 9 FERTILIDADE DE SOLO CONCENTRAÇÃO DE SILÍCIO NO SOLO E NA CULTURA DO ARROZ AFETADA PELA ADUBAÇÃO NITROGENADA E SILICATADA Antonio Nolla 1, Juliana Kahlau 2, Lilian Aparecida de Oliveira 2, Gaspar

Leia mais

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ /,-----------. (c;) EM.PRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECuARIA EMBRAPA ~ Vinculada ao M'nisté,io da Ag,iculMa ~., CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOJA - CNPSo Rodovia Carlos João Slrass (Londrina/Warta)

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 593

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 593 Página 593 ANÁLISE QUÍMICA DO SOLO E PRODUTIVIDADE DO ALGODOEIRO EM RESPOSTA A DOSES DE NITROGÊNIO E PLANTAS DE COBERTURA NO PERÍODO DE INVERNO * Samuel Ferrari 1 ; Enes Furlani Júnior 2 ; João Vitor Ferrari

Leia mais

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE?

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? George Wellington Melo Embrapa Uva e Vinho QUEM USA ADUBAÇÃO FOLIAR FINALIDADE DA ADUBAÇÃO FOLIAR? FILOSOFIAS BÁSICAS PARA APLICAÇÃO: SEGURANÇA

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Prof. Fabrício Ávila Rodrigues Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Fitopatologia Laboratório rio da Interação Planta-Pat Patógeno fabricio@ufv.br

Leia mais

Qualidade da semente e fibra de algodão na caracterização do descaroçador de 25 serras 1

Qualidade da semente e fibra de algodão na caracterização do descaroçador de 25 serras 1 Qualidade da semente e fibra de algodão na caracterização do descaroçador de 25 serras 1 Jeane F. Jerônimo 1, Francisco de A. C. Almeida 2, Odilon R. R. F. da Silva 3, Ziany N. Brandão 4, Valdinei Sofiatti

Leia mais

Teores de vitamina C, licopeno e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro produzidos em ambiente protegido e no campo

Teores de vitamina C, licopeno e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro produzidos em ambiente protegido e no campo Teores de vitamina C, licopeno e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro produzidos em ambiente protegido e no campo Fabiano Ricardo Brunele Caliman; Derly José Henriques da Silva 1 ; Camilo

Leia mais

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE BÓRAX EM CULTURA DE BATATINHA, EM VÁRZEA IRRIGADA, NO VALE DO PARAÍBA ( 1 )

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE BÓRAX EM CULTURA DE BATATINHA, EM VÁRZEA IRRIGADA, NO VALE DO PARAÍBA ( 1 ) EFEITOS DA APLICAÇÃO DE BÓRAX EM CULTURA DE BATATINHA, EM VÁRZEA IRRIGADA, NO VALE DO PARAÍBA ( 1 ) NORBERTO LEITE, engenheiro-agrônomo, Serviço do Vale do Paraíba, Departamento de Águas e Energia Elétrica,

Leia mais

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO EDILAINE REGINA PEREIRA 1 SONIA MARIA STEPHANO PIEDADE 2 RESUMO O presente trabalho teve como

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO Magaly Morgana Lopes da COSTA 1 ; Guilherme de Freitas FURTADO 1 ; Elysson Marcks Gonçalves ANDRADE

Leia mais

Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Conte e Castro, Ana Maria; Enedi Boaretto, Antonio TEORES E ACÚMULO DE NUTRIENTES EM FUNÇÃO DA POPULAÇÃO DE PLANTAS

Leia mais

Novos resultados de pesquisas aplicáveis à pós-colheita de citros.

Novos resultados de pesquisas aplicáveis à pós-colheita de citros. Novos resultados de pesquisas aplicáveis à pós-colheita de citros. Lenice Magali do Nascimento PqC Centro de Citricultura Sylvio Moreira IAC Maio/2015 Aplicação de ceras em pós-colheita de tangerinas Ponkan

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO Instituição Executora: Fundaper Fundação de Amparo à Pesquisa, Assistência Técnica

Leia mais

RESPOSTA DA SOJA ÀS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA ÁREA DE FERTILIZANTES

RESPOSTA DA SOJA ÀS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA ÁREA DE FERTILIZANTES RESPOSTA DA SOJA ÀS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA ÁREA DE FERTILIZANTES Fernando Dubou Hansel 1, Telmo Jorge Carneiro Amado 2, Ademir de Oliveira Ferreira 3, Brian Santos Trindade 4, Tiago De Gregori Teixeira

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola.

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Marie Yamamoto Reghin; Rosana Fernandes Otto; Carlos Felipe Stülp Jacoby; Jean Ricardo Olinik; Rafael Pagano

Leia mais

PARÂMETROS DIRETO CONVENCIONAL DIRETO CONVENCIONAL. Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep6 Ep7 Ep8 Ep6 Ep7 Ep8

PARÂMETROS DIRETO CONVENCIONAL DIRETO CONVENCIONAL. Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep6 Ep7 Ep8 Ep6 Ep7 Ep8 EFEITO DO PISOTEIO ANIMAL, NO TERCEIRO ANO CONSECUTIVO, SOBRE ALGUMAS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DO MILHO EM SOLO SOB PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL. Carlos Alberto Scapini, Madalena Boeni,

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO Jackson Silva e Oliveira 1, Emerson José Dornelas de Almeida 2, Fausto de Souza Sobrinho 3, Éder Cristian Malta de Lanes 4, Sarita Gonçalves

Leia mais

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Oliveira, A. E. 1 ; Fontanela, E.; Reichert, J. M.; Reinert, D. J.; Pereira, T. I. 1 Universidade

Leia mais

19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM

19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM 19 REAÇÃO A DOENÇAS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT OBJETIVO O objetivo neste trabalho foi avaliar a reação as principais doenças da cultura

Leia mais

Métodos de aplicação de fertilizantes na cultura do algodoeiro

Métodos de aplicação de fertilizantes na cultura do algodoeiro Métodos de aplicação de fertilizantes na cultura do algodoeiro Enes Furlani Junior 1 *, Nelson Machado da Silva 2, Luiz Henrique Carvalho 2 e Marcelo Andreotti 1 1 Universidade Estadual Paulista/Campus

Leia mais

DIAGNOSE NUTRICIONAL DE PLANTAS DE SOJA, CULTIVADA EM SOLO COM ADUBAÇÃO RESIDUAL DE DEJETOS DE SUÍNOS, UTILIZANDO O DRIS

DIAGNOSE NUTRICIONAL DE PLANTAS DE SOJA, CULTIVADA EM SOLO COM ADUBAÇÃO RESIDUAL DE DEJETOS DE SUÍNOS, UTILIZANDO O DRIS DIAGNOSE NUTRICIONAL DE PLANTAS DE SOJA, CULTIVADA EM SOLO COM ADUBAÇÃO RESIDUAL DE DEJETOS DE SUÍNOS, UTILIZANDO O DRIS Techio, J.W. 1 ; Castamann, A. 2 ; Caldeira, M.H. 3 ; Zanella, S. 4 ; Escosteguy,

Leia mais