FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE RESULTADOS DE PESQUISA 2005 PREPARO DE PERFIL DE SOLO COM EQUIPAMENTOS MECÂNICOS VISANDO CULTIVO DO ALGODÃO SAFRINHA CLAYTON GIANI BORTOLINI Lucas do Rio Verde, Dezembro de 2005

2 SUMÁRIO 1 - RESUMO INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

3 1 - RESUMO O cultivo do algodão safrinha no Mato Grosso é diretamente influenciado pela disponibilidade de água à cultura, relacionada à precipitação pluvial e aproveitamento das reservas hídricas do solo. Para maximizar o aproveitamento da água, o sistema radicular das plantas deve explorar o maior volume de solo possível, especialmente em camadas mais profundas. Sistemas mecânicos podem proporcionar formação de perfil em diferentes profundidades, com maior aproveitamento desta porção do solo. Raízes mais profundas proporcionam maior estabilidade produtiva do algodão safrinha, sendo esta de grande importância para o cotonicultor e o sucesso da cultura. O preparo de solo com equipamentos mecânicos e corretivos químicos em profundidade aumentou a produtividade do algodoeiro safrinha no Médio Norte Matogrossense. 3

4 2 - INTRODUÇÃO A segunda safra realizada na região Centro Norte Matogrossense, é marcada, geralmente, pela baixa disponibilidade hídrica, afetando diretamente a cultura do algodão cultivado nesse período. Devido aos processos e fatores de formação dos solos da região, marcado por períodos definidos de alta precipitação, originou teores de alumínio na faixa de toxidez para as plantas, aliados ainda, a baixa disponibilidade de nutrientes essenciais para o desenvolvimento do algodão. A correção da fertilidade do solo é feita na camada de zero a 20 cm do solo, o que em épocas de disponibilidade hídrica normal, é suficiente para as plantas se desenvolverem. Porém, em épocas de deficiência hídrica onde se cultiva o algodão de segunda safra, essa camada de solo não retém água suficiente para suprir a demanda da planta, com isso a disponibilidade de nutrientes é reduzida, bem como a produtividade da cultura. Como alternativa a essa problemática, pode-se fazer a correção da fertilidade do solo em profundidade, tendo como efeitos dessa prática, o aumento do volume de solo explorado pelo sistema radicular. A estruturação física pode também melhorar a proporção de macro e microporosidade desse solo, aumentando assim, a capacidade de armazenagem e retenção de água. Com esses benefícios a cultura do algodão é favorecida em períodos de baixa disponibilidade de água durante o seu crescimento e desenvolvimento. Para proporcionar essas melhores condições de solo para o algodão são necessários equipamentos específicos, que são fatores essenciais para que a operação seja executada com qualidade e atingir os objetivos determinados. Diversas possibilidades de equipamentos mecânicos estão disponíveis para utilização, cada qual com suas particularidades. O uso combinado destes com corretivos químicos como gesso pode facilitar a correção do solo em profundidade, e favorecer o desenvolvimento radicular do algodão, reduzindo os problemas de deficiência hídrica ocorrido no final do ciclo produtivo da safrinha. 4

5 3 - REVISÃO DE LITERATURA A cultura do algodão na região Centro Norte do Mato Grosso teve seu auge de área cultivada na safra , sendo nos anos seguintes reduzidas devido à situação econômica desfavorável, especialmente pela competição com a cultura da soja, a qual aumentou sua lucratividade para o agricultor regional (Fundação Rio Verde, 2003). Em busca de alternativa para continuidade da cultura e utilização de estruturas já existentes, alguns cotonicultores iniciaram testes com algodão de segunda safra, implantado após a soja colhida em janeiro. Bons resultados foram obtidos nestas pesquisas informais, porém com instabilidade produtiva acentuada (Fundação Rio Verde, 2004). O fator limitante para o algodão pós-soja é a deficiência hídrica ocorrida no final do ciclo da cultura, que coincide com a parada das chuvas (Fundação Rio Verde, 2003). Para minimizar os riscos de perdas por deficiência hídrica, procedimentos de preparo de solo visando melhor formação de seu perfil podem favorecer a estabilidade produtiva, como observado em diversas lavouras da região. A metodologia de preparo de solo pode ser agregada a aplicação de corretivos químicos como o gesso, que de acordo com as propriedades químicas do solo favorecerá a produtividade do algodão (Staut e Kurihara. 2001). Do ponto de vista físico, o solo é um sistema trifásico, com uma fase sólida relativamente estável e com as fases líquida e gasosa ocupando de forma complementar o espaço poroso. Para manter o solo em condições das culturas obterem altas produtividades é importante conservá-lo bem estruturado, o que se consegue com manejo e preparo do solo adequado (Raij, 1991). Em um solo bem estruturado as raízes apresentam sistemas radiculares extensos e profundos, o que aumenta consideravelmente o volume de solo explorado, possibilitando absorver maiores quantidade de água, principalmente em períodos de déficit hídrico. Para que isso ocorra não podem existir impedimentos ao aprofundamento radicular, tais como toxidez por alumínio, deficiência de cálcio ou camadas compactadas que prejudicam o acesso à água do solo existente em profundidade. Alumínio superior a 20% pode limitar o crescimento das raízes do 5

6 algodoeiro (Staut e Kurihara, 2001), reduzindo a disponibilidade hídrica para a planta e conseqüentemente afetar a estabilidade do algodão safrinha (Fundação Rio Verde, 2005). Um solo com impedimentos ao crescimento radicular do algodoeiro causa perda considerável sobre a produtividade, como demonstrado por Rosolem et al., (1998), comprovando a sensibilidade do algodoeiro à compactação do solo. Os autores supram mencionados verificaram que um aumento da resistência do solo à penetração de até 20 kgf cm -2 reduz o crescimento radicular do algodoeiro a menos de 5% do crescimento que ocorreria se não houvesse limitação. Na região da Serra da Petrovina no estado do MT, foi realizado um experimento para avaliar a resposta do algodão à adubação nitrogenada em dois locais com diferentes proporções de resistência à penetração (Fundação MT, 2001). Os autores verificaram maior resposta à adubação nitrogenada em um local de solo com resistência à penetração até 20 kgf cm -2 na camada de 10 a 20 cm. A explicação para esse fato é de que no período de maior utilização do nitrogênio pelo algodoeiro não houve déficit hídrico, o que gerou um efeito vaso e consequentemente maior aproveitamento do nitrogênio, já que esse não foi perdido por lixiviação para camadas mais profundas em função do maior adensamento do solo. Porém os autores ressaltam de que se houvesse deficiência de água nesse período, o local com menor resistência à penetração seria mais eficiente na utilização do N aplicado. A formação de perfil do solo profundo, obtida com auxilio de equipamentos mecânicos, que podem ser combinados a corretivos químicos podem favorecer a produtividade e especialmente a estabilidade do algodoeiro safrinha, de fundamental importância para a região Centro Norte Matogrossense. 4 - METODOLOGIA Este trabalho teve por objetivo avaliar os efeitos da utilização de diferentes sistemas de preparo mecânico de solo para formação de perfil profundo para o cultivo do algodão safrinha. O experimento foi conduzido no CETEF Centro Tecnológico Fundação Rio Verde, em Lucas do Rio Verde MT na safra agrícola

7 Os tratamentos constaram de cinco sistemas de preparo de solo, considerando a cada um seu preparo em fertilidade conforme realização em lavouras de algodão da região. Os procedimentos de preparo mecânico e aplicação de corretivos do solo foram efetuados em setembro de 2004, sendo quatro meses antes da implantação da lavoura do algodão safrinha, tempo este para estabilização ao menos parcial das reações químicas inicias ocorridas entre nutrientes e o solo. O experimento foi implantado a campo, em delineamento experimental disposto em faixas. As parcelas apresentaram área de 1,0 ha, sendo a área total do experimento de 5,0 ha. Estas parcelas foram conduzidas simulando a situação de cada tratamento como se fossem lavouras comerciais da região. A semeadura assim como os tratos culturais foi mecanizada. Os preparos mecânicos foram realizados em setembro de 2004, antes da semeadura da soja, como se observa nas lavouras da região. A semeadura do algodão foi toda em sistema de plantio direto após o cultivo da soja. Os tratamentos de preparo mecânico de solo e aplicação de fertilizantes antes do cultivo da soja constaram de: Tratamento Preparo Mecânico 1 Fertilizantes Corretivos Equipamento utilizado e Kg/ha profundidade de trabalho kg Gesso kg Calcário kg MAP kg Gesso kg Calcário kg MAP 3 Arado de Aiveca 25cm 700 kg Gesso kg Calcário kg MAP 4 Arado de Aiveca 40cm 1400 kg Gesso kg Calcário kg MAP 5 Escarificador 40cm kg Gesso + Arado de Aiveca 40cm 3600 kg Calcário kg MAP Preparo Mecânico 2 Equipamento utilizado e profundidade de trabalho Grade niveladora + Dessecação química Grade Aradora 15cm Grade niveladora Grade Aradora 15cm Grade niveladora Grade Aradora 20cm Grade niveladora Grade Aradora 20cm Grade niveladora O tratamento 1 foi realizado buscando-se simular o que acontece em lavouras de cultivo em sistema de plantio direto. Os demais foram realizados 7

8 buscando profundidades de trabalho e preparo de solo maior, de acordo com cada equipamento. As doses de corretivo utilizadas foram calculadas utilizando-se recomendações para o cultivo do algodão, buscando um solo com nível de fertilidade média-alta. Em situações de lavouras comerciais onde se aplicariam estes preparos mecânicos, doses iguais ou semelhantes seriam utilizadas para preparo de perfil de solo. Após o preparo do solo foi implantada a cultura da soja, utilizando-se cultivar de ciclo superprecoce, de modo a permitir a colheita no mês de janeiro. Após a colheita da soja, foi implantado o algodão no dia 15 de janeiro de 2005, utilizando-se a cultivar Makina, com população de plantas/ha, de acordo com a recomendada para a cultivar utilizada. O espaçamento entre linhas foi de 90cm, sendo o plantio realizado com semeadora de quatro linhas. Como adubação de base (no sulco de semeadura) foram aplicados: N = 18 kg.ha -1, P 2 O 5 = 81 kg.ha -1, e de K2O = 54 kg.ha -1 além de micronutrientes B= 2,0kg/ha, Mn=3,3kg/ha, Cu=2,25kg/ha e Zn 0,1,25kg/ha. Em adubação de cobertura foi fornecido 386 kg/ha de sulfo nitrato de amônio (ENTEC = 26% de N e 13% de S), em uma aplicação aos 30 DAE do algodão. O controle de pragas, doenças e plantas invasoras foi realizado quimicamente, sendo que esta última recebeu também capina manual para retirada de invasoras não controladas pelos herbicidas. Os produtos utilizados foram aqueles com recomendação para a cultura do algodão, conforme legislação vigente. Avaliações: - Compactação do solo: realizada com auxilio de penetrômetro computadorizado quando o algodão encontrava-se no estádio de início de abertura de maçãs, com o solo ainda apresentando umidade adequada a avaliação, ou seja em ponto de friabilidade. - Profundidade e distribuição do sistema radicular no perfil de solo: avaliada através da abertura de trincheiras e avaliação visual de distribuição de raízes em cada faixa de profundidade do solo. 8

9 - Rendimento de algodão em caroço, avaliado através de 10 amostragens aleatórias por tratamento, colhendo-se duas linhas de 5m de comprimento cada (4,5m 2 ). - Rendimento de pluma, avaliado através do beneficiamento do algodão em caroço utilizando-se descaroçadora de rolo para experimentos, e calculando-se o percentual de pluma obtida em cada amostra beneficiada. Cada tratamento foi avaliado através da coleta de 5 amostras com 30 capulhos por amostra, sendo estes retirados da parte mediana da planta. Os rendimentos de algodão em caroço e de pluma foram submetidos à análise de variância, e se significativo comparadas as diferenças estatísticas pelo teste de DMS ao nível de 5% de probabilidade. - Análise química do solo em quatro profundidades (0-10cm, 11-20cm, 21-40cm, e 40-60cm). A amostragem do solo foi coletada nos primeiras faixas de 0-10 e 11-20cm de solo com auxilio de furadeira amostradora de solo, enquanto que as faixas de e 41-60cm foram coletadas nas paredes das trincheiras de avaliação de distribuição e profundidade de raízes. A coleta do solo foi realizada após a colheita do algodão. 5- RESULTADOS 5.1 Resistência do solo à Penetração (RSP) Nas avaliações realizadas, foram verificados os níveis de adensamento ou compactação do solo, medidos com auxilio do penetrômetro computadorizado. Foi avaliada a resistência do solo à penetração (RSP), utilizando como unidade de medida o Mega Pascal (MPa). Este procedimento de verificação de RSP deve ser realizado com solo apresentando teor de umidade em ponto de friabilidade, próximo à capacidade de campo. Neste ponto de umidade, valores de até 2,5 MPa não apresentam problemas de impedimento mecânico para o desenvolvimento de raízes do algodoeiro. Em relação aos tratamentos de preparo de solo avaliados, observou-se pequena variação entre os diferentes preparos mecânicos de solo (Figura 1). No tratamento com Plantio Direto, ou seja, onde se utilizou somente grade niveladora 9

10 para incorporação dos corretivos, a compactação do solo apresentou-se superior aos demais tratamentos na camada mais superficial de até 15 cm de profundidade, Abaixo desta, os valores obtidos foram muito semelhantes aos demais tratamentos. Profundidade do solo (cm) RSP (MPa) Corr+Plantio Direto Corr+Ar 15cm Aiv25cm+Corr+Ar15cm+Niv Aiv40cm+Corr+Ar20cm+Niv Esc+Aiv40cm+Corr+Ar20cm+Niv Figura 1 Resistência do solo à penetração (RSP) em função de sistemas de formação de perfil de solo com preparos mecânicos e aplicação de corretivos, em solo com 30% de argila. Lucas do Rio Verde MT, 2005 Quando o solo foi movimentado com grade aradora a profundidade de 15cm, a RSP apresentou-se ligeiramente superior aos demais tratamentos com preparos em maior profundidade e com mais operações. Até a profundidade de 15 a 20 cm todos os tratamentos apresentaram aumento na RSP, ou seja, um maior adensamento do solo. Dos 20 aos 30 cm de solo observou-se para todos os preparos mecânicos e também para o plantio direto a redução na compactação do solo, com menores valores de RSP com o aprofundamento do solo. Abaixo dos 30 cm de profundidade, houve uma estabilização dos valores de RSP para todos os tratamentos, variando entre 2,0 e 2,5 MPa. A estabilização da RSP indica que a resistência natural do solo a penetração ou o nível de compactação situa-se nesta faixa de 2 a 2,5 MPa, fato que não limitaria o 10

11 crescimento de raízes, estando esta possivelmente regulada por fatores químicos e disponibilidade hídrica. Quando avaliado a profundidade e distribuição do sistema radicular das plantas do algodoeiro em função dos preparos mecânicos e da aplicação de corretivos no solo, são verificadas diferenças significativas entre os tratamentos (Figura 2). profundidade da camada (Cm) % de raizes na camada Corr+Plantio Direto Corr+Ar 15cm Aiv25cm+Corr+Ar15cm+Niv Aiv40cm+Corr+Ar20cm+Niv Esc+Aiv40cm+Corr+Ar20cm+Niv Figura 2 Distribuição do sistema radicular de plantas de algodão no perfil do solo em função de sistemas de formação de perfil de solo com preparos mecânicos e aplicação de corretivos, em solo com 30% de argila. Lucas do Rio Verde MT, 2005 Quando o não foi realizado preparo mecânico do solo (Plantio Direto) e a distribuição dos corretivos foi feita superficialmente, as raízes ficaram concentradas na faixa de 10 a 20 cm de profundidade, estando mais de 80% presente na camada de até 20cm de solo. A profundidade máxima observada foi até a camada de 40-60cm, com aproximadamente 1% do volume total de raízes das plantas. No tratamento com preparo de solo com utilização de grade aradora operando na profundidade de 15cm, a distribuição de raízes também ficou concentrada na profundidade de até 20cm, e presença até a faixa de 40-60cm, com proporção de volume de raízes um pouco superior ao sistema com plantio direto. 11

12 O preparo do solo com arado de aivecas em profundiade de 25cm e grade aradora a 15 cm para incorporação dos corretivos apresentou volume de raízes de 2% do total da planta na cama de 60 a 80cm. As melhores distribuições de sistema radicular das plantas no perfil do solo foram obtidas nos tratamentos com movimentação do solo até a profundidade de 40 cm. A operação com escarificação adicional não diferenciou significativamente da com aivecas a 40cm e aradora a 20 cm de profundidade. Nos tratamentos com preparo aos 40cm a presença de raízes foi observada até os 100 cm, com percentuais em torno de 2 a 3% do volume total de raízes. A diferença na profundidade e distribuição do sistema radicular das plantas no solo indica não ser devido ao tipo de preparo mecânico, já que nas avaliações de RSP, verifica-se a não existência de camadas compactadas no perfil do solo que limitassem o crescimento de raízes. A limitação, portanto pode estar ocorrendo devido a outros fatores de ordem nutricional ou limitações químicas. O maior aprofundamento das raízes nos tratamentos com maior movimentação do solo deve ser atribuído à questão química. Nos tratamentos 4 e 5, além da movimentação a profundidade de 40cm, a dose de gesso aplicada foi de 1400 kg/ha, o dobro dos tratamentos anteriores. A melhor distribuição dos corretivos no perfil do solo além do acréscimo do gesso pode ter deslocado nutrientes para as camadas mais profundas, favorecendo o crescimento de raízes da planta. O deslocamento do cálcio para camadas mais profundas auxilia na complexação do alumínio tóxico às raízes, permitindo o crescimento destas. O aprofundamento das raízes do algodão safrinha é fundamental para o sucesso do cultivo, pois maximiza o aproveitamento das reservas hídricas do solo nas camadas mais profundas, reduzindo as perdas por deficiências de chuvas ocorridas no final do ciclo do algodoeiro. 5.2 Rendimento de algodão em caroço e rendimento de pluma O rendimento de algodão em cultivo safrinha é diretamente proporcional ao aproveitamento das condições de ambiente de cultivo, especialmente no que se 12

13 refere à disponibilidade hídrica. Esta por sua vez esta relacionada á precipitação pluvial e à reserva hídrica do solo. No experimento avaliado, a formação do perfil de solo diferenciado proporciona diferente crescimento de raízes em volume e também em profundidade. O rendimento do algodão seguiu os desenvolvimentos de raízes das plantas, sendo incrementado quanto mais desenvolvido seu sistema radicular. A produtividade mais baixa foi registrada no tratamento testemunha do preparo de solo, ou seja, onde se executou o Plantio Direto, com produtividade de considerado baixo para o potencial do algodão safrinha (Tabela 1). Tabela 1 - Rendimento de algodão em caroço e rendimento de fibra em função de diferentes preparo de solo mecânico e correção química visando formação d perfil de solo profundo, em solo com 30 % de argila. Lucas do Rio Verde - MT, 2005 Tatamento Preparo de solo Equipamento e profundidade de trabalho* Rendimento de algodão em Rendimento de fibra***...% Corr + Plantio Direto 156,3 d 40,5 ns 2 Corr + Ar 15cm 182,1 c 41,4 3 Aiv25cm + Corr + Ar15cm + Niv 215,7 b 41,9 4 Aiv40cm + Corr + Ar20cm + Niv 229,7 a 42,4 5 Esc + Aiv40cm + Corr + Ar20cm + Niv 234,0 a 42,1 * Equipamentos utilizados para preparo mecânico do solo e ordem de trabalho com aplicação de corretivos, sendo: Corr= aplicação de corretivos do solo; Ar= Grade aradora; Niv= Grade niveladora; Aiv= Arado de aivecas; Esc= Escarificador. ** Médias seguidas de mesma letra não diferem entre si pelo teste de DMS a 5% de significância. *** % de fibra obtido em máquina de rolo, para rendimento industrial subtrair 3 unidades Com a incorporação dos corretivos na camada de 15cm de solo, (Tratamento 2), onde utilizou-se a grade aradora, a produtividade subiu 16,5% em relação ao Plantio Direto. No procedimento mecânico onde se utilizou arado de aivecas a 25cm de profundidade, a produtividade foi ainda superior, sendo 38% superior ao tratamento testemunha com Plantio Direto, mostrando o grande efeito de preparo do perfil de solo, com correção química em maior profundidade. Quando o preparo do solo foi executado com profundidade de 40cm (tratamentos 4 e 5) obtiveram-se as maiores produtividades, sendo superiores à testemunha em 73,4 e de algodão em caroço, semelhante a 47 e 48% a mais na produtividade. O incremento na produtividade neste experimento pode ser relacionado diretamente ao desenvolvimento do sistema radicular das plantas do algodoeiro, onde quanto maior o volume de raízes e maior a profundidade de trabalho melhor o 13

14 desenvolvimento das plantas, o aproveitamento das reservas hídricas do solo e conseqüentemente maior a produtividade. Em relação ao rendimento de pluma obtido nos diferentes tratamentos, não foi verificada diferença estatística significativa, mas numericamente observa-se incremento no rendimento nos tratamentos com preparo de solo mais profundo, e que apresentaram também maiores produtividades. Assim como para a produtividade, as melhores condições de ambiente e aproveitamento de água favoreceram o melhor desenvolvimento da fibra, proporcionando 1,6% a mais no rendimento da fibra entre o tratamento com preparo do solo a profundidade de 40cm em relação ao plantio direto. Calculado a produtividade de pluma da área de plantio direto com a de preparo a 40cm com escarificador + aivecas + aradora e niveladora, esta apresentou produtividade de pluma de 55,6% superior ao Plantio Direto, ou seja, Os custos de preparo de solo são elevados, e tendem a subir cada vez mais, porém a diferença obtida entre os tratamentos cobre as diferenças de insumos aplicados e dos preparos mecânicos. É de grande importância lembrar que este procedimento após executado, apresenta seu efeito residual por muitos anos, e se realizada manutenção dos corretivos, não será mais necessário o revolvimento do solo. Deste modo é recomendável e necessário o preparo do perfil de solo para cultivo do algodão safrinha no Centro Norte Matogrossense, especialmente por garantir melhor tolerância à deficiência hídrica que ocorre no final do ciclo do algodoeiro. 5.3 Análise de solo Com o objetivo de avaliar possíveis diferenças de teores nutricionais no perfil do solo, foram coletadas amostras estratificando o solo em camadas, de 0-10cm, 11-20cm, 21-40cm e 41-60cm. Estas amostras foram coletadas em 10 pontos em cada tratamento para as profundidades de 0-10 e 11-20cm e Para a faixa de profundidade de 40-60cm, a amostra de solo foi retirada das paredes das trincheiras utilizadas para avaliação de raízes. Isto ocorreu devido à incapacidade dos equipamentos em coletar amostra de solo em profundidade superior à 40cm. 14

15 Todos os elementos macronutrientes foram analisados, porém os que apresentam potencial maior de deslocamento no perfil de solo, os de carga positiva como Cálcio, Magnésio e potássio estão descritos na tabela 2. A saturação por alumínio também é demonstrada, afim de observações sobre possibilidade de redução nos teores deste elemento em maiores profundidades. Tabela 2 Teores nutricionais de solo em diferentes profundidades em função de tratamentos de preparo mecânico de solo e correção química visando formação de perfil de solo profundo. Lucas do Rio Verde Mt, 2005 Trat Prof ph K Ca Mg Saturação por Elemento % V% (cm) (H2O) Cmolc/dm 3 Ca Al ,3 0,11 4,3 1,3 50,0 0,0 66, ,9 0,10 3,0 1,1 36,6 0,0 51, ,2 0,06 0,3 0,1 8,3 5,6 13, ,0 0,06 0,3 0,1 7,1 3,0 15, ,2 0,12 3,3 1,5 39,8 0,0 59, ,9 0,12 3,1 1,3 36,5 0,0 52, ,0 0,03 0,3 0,1 8,8 3,9 14, ,0 0,04 0,2 0,1 7,7 0,0 11, ,1 0,11 3,1 1,3 41,9 0,0 60, ,2 0,12 3,6 1,3 45,6 0,0 63, ,0 0,05 0,3 0,1 10,3 4,4 17, ,9 0,02 0,2 0,1 9,5 0,0 14, ,1 0,17 4,3 1,0 44,8 0,0 57, ,9 0,16 3,5 1,0 39,8 0,0 53, ,0 0,04 0,4 0,2 10,3 4,7 19, ,9 0,03 0,2 0,1 9,4 3,7 14, ,0 0,09 3,4 1,2 44,2 0,0 61, ,9 0,11 3,3 1,1 41,3 0,0 56, ,1 0,04 0,4 0,2 13,8 3,4 22, ,0 0,07 0,3 0,1 12,0 4,0 20,0 Quanto ao ph do solo, os maiores valores foram observados nas camadas mais superficiais, a qual variou de 6,0 a 6,3, sendo este maior valor observado na camada de 0-10 cm no solo em plantio direto, que recebeu somente grade niveladora como processo mecânico. Na camada mais profunda o ph ficou entre 4,9 e 5,0, índice este que não permite o bom desenvolvimento do algodão. Abaixo de 5,2, o desenvolvimento do algodão fica muito limitado, surgindo vários problemas de deficiências nutricionais, com limitação no crescimento da planta (Staut e Kurihara, 2001). Em relação ao cálcio, magnésio e potássio observam-se valores semelhantes em relação aos tratamentos de perfil de solo, com pequeno incremento nos teores nas camadas mais profundas de preparo de solo que envolveu 15

16 escarificação, aração e niveladora (tratamento 5). As diferenças são pequenas numericamente, as quais podem aumentar no segundo ano de cultivo, visto ao tempo entre aplicação avaliação, o qual pode apresentar reações por mais anos. Para a saturação por elementos, verifica-se que o cálcio aumentou nas camadas mais profundas no tratamento 5. O alumínio, com efeito contrário, nos tratamentos 2 e 3 não se apresentou nas maiores profundidades, fato este que pode ser atribuído à alguma variação de analise de solo, pois haveria tendência de ocorrência. A saturação de bases (V%), nas maiores profundidades, aumentou com o maior preparo do solo, sendo a mais elevada no tratamento com escarificação. Os resultados obtidos nas analises de solos realizadas indicam deslocamento de nutrientes como cálcio nas maiores profundidades, podendo ser atribuído ao aumento do preparo mecânico do solo, aliado ao aumento da dose de gesso aplicado ao solo no momento da correção de fertilidade. Segundo Staut e Kurihara (2001), a utilização de gesso é recomendada quando a saturação de alumínio nas camadas mais profundas é superior a 20%, ou a de cálcio inferior a 60%. Neste caso, a aplicação do gesso seria prática recomendável, como foi realizada, com objetivo de possibilitar melhor desenvolvimento radicular das plantas, para melhor aproveitamento da reserva hídrica do solo. Em anos de disponibilidade hídrica adequada ao algodoeiro, as diferenças entre os preparos de solo tendem a ser menores que as observadas nesta safrinha, a qual apresentou deficiência hídrica acentuada na fase de formação final de maçãs. Nas áreas de formação de perfil em profundidade, se trabalhado em sistemas de rotação de culturas com utilização de espécies de grande formação de cobertura vegetal e raízes como as gramíneas, o potencial produtivo deste solo será muito superior em relação a solos com perfis baixos, como ocorre na maioria das lavouras da região. A estruturação do solo em profundidade possibilita a obtenção de resultados produtivos em safrinha expressivos, com grande retorno econômico, seja para o algodão safrinha ou para outras culturas. 16

17 A estabilidade produtiva do algodão safrinha é muito maior em locais onde se prepara um perfil de solo em maior profundidade, como verificado neste experimento. A continuidade deste trabalho será executada de modo a observar o comportamento produtivo nas próximas safrinhas, com cultivo do algodão, verificando os efeitos residuais dos tratamentos executados. 6 CONCLUSÕES - A resistência do solo à penetração, não apresentou diferença significativa entre os tratamentos com revolvimento do solo, sendo nestes o solo ligeiramente menos compactado que no Plantio Direto na camada de até 15cm de solo. - O solo avaliado não apresentava nível de compactação capaz de comprometer o desenvolvimento das raízes do algodoeiro em nenhuma camada do solo. - O maior desenvolvimento de raízes de algodoeiro em profundidade foi observado nos tratamentos com preparo mecânico do solo até os 40cm de profundidade, e que receberam também maiores doses de gesso. - A melhor distribuição dos corretivos no perfil do solo obtida nos preparos mais profundos proporciona melhor distribuição do sistema radicular do algodão, o que proporciona melhor aproveitamento de água, favorecendo a produtividade do algodoeiro safrinha. - A formação de perfil do solo profundo, sem camadas compactadas e com níveis de nutrientes adequados, proporciona expressivo incremento na produtividade do algodoeiro safrinha, especialmente e solos menor capacidade de retenção de água. 17

18 7 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS RAIJ, B.VAN. Fertilidade do solo e adubação. São Paulo; Piracicaba: Ceres, Potafós, p. FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE. Segunda Safra 2005 Resultados de Pesquisa, Lucas do Rio Verde: Fundação Rio Verde, p. (Fundação Rio Verde. Boletim de Pesquisa, 12) FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE. Segunda Safra 2004 Resultados de Pesquisa, Lucas do Rio Verde: Fundação Rio Verde, p. (Fundação Rio Verde. Boletim de Pesquisa, 10) FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE b. Segunda safra 2003 resultados de pesquisa, Lucas do Rio Verde: Fundação Rio Verde, p. (Fundação Rio Verde. Boletim de Pesquisa, 08) FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE. Calibração de doses de gesso agrícola em função do sistema mecânico de preparo de solo visando cultivo de algodão safrinha no centro norte matogrossense p. (Fundação Rio Verde. Projeto de Pesquisa) FUNDAÇÃO MT. Boletim de Pesquisa de Algodão. Rondonópolis:Fundação MT, p. (Boletim 4). ROSOLEM, C.A.; SCHIOCHET, M.A.; SOUZA, L.S.; WHITACKER,J.P.T. Root growth and cotton nutrition as affected by liming and soil compaction. Communications in Soil Science and Plant Analysis,v.29, p , STAUT, L.A. KURIHARA, C.A. Calagem e adubação, In: EMBRAPA. Embrapa Agropecuária Oeste. Algodão: Tecnologia de Produção. Dourados, p. 18

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

SEGUNDA SAFRA 2003 Algodão, Milho e Sorgo RESULTADOS DE PESQUISA

SEGUNDA SAFRA 2003 Algodão, Milho e Sorgo RESULTADOS DE PESQUISA Fundação de Apoio a Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde FUNDAÇÃO RIO VERDE Lucas do Rio Verde MT Boletim Técnico n.º 08 SEGUNDA SAFRA 2003 Algodão, Milho e Sorgo RESULTADOS DE PESQUISA Lucas

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

Formas de aplicação e curva de reposta da cultura do algodoeiro a aplicação de nitrogênio em cobertura. RESUMO

Formas de aplicação e curva de reposta da cultura do algodoeiro a aplicação de nitrogênio em cobertura. RESUMO Formas de aplicação e curva de reposta da cultura do algodoeiro a aplicação de nitrogênio em cobertura. Leandro Zancanaro, Joel Hillesheim & Luis Carlos Tessaro. Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923 Página 923 DOSES E FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA E CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DO ALGODOEIRO EM SEMEADURA DIRETA Carlos Eduardo Rosa 1 ; Enes Furlani Júnior 2 ; Samuel Ferrari 3 ; Ana Paula Portugal

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas INTRODUÇÃO 1 Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas Discente: Samuel Luan Pereira Docente: Marcela Nery O desenvolvimento da agropecuária, em termos de manejo, material genético e tecnologias, força

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO Instituição Executora: Fundaper Fundação de Amparo à Pesquisa, Assistência Técnica

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 Alafer Santelmo da Cruz 2 ; Fabrício Flavio Amler 3 ; Rosieli de Souza Pahl 4 ; Romano Roberto valicheski

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE V Seminário de Agricultura de Precisão Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 9

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Página 755 PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Evandro Franklin de Mesquita 1,2, Lúcia Helena Garofálo Chaves 3, Hugo Orlando carvallo Guerra3, Diva Lima

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA EMPRESA: RELATÓRIO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA Assist Consultoria e Experimentação Agronômica LTDA ME Endereço: Avenida Brasília, 2711 Campo Real. Campo Verde - MT. CEP 78840-000.

Leia mais

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Oliveira, A. E. 1 ; Fontanela, E.; Reichert, J. M.; Reinert, D. J.; Pereira, T. I. 1 Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto OSistema de Plantio Direto (SPD) consolida-se cada dia mais na região. Ao mesmo tempo existe a preocupação com sua qualidade, para que traga os

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

DIAGNOSE NUTRICIONAL DE PLANTAS DE SOJA, CULTIVADA EM SOLO COM ADUBAÇÃO RESIDUAL DE DEJETOS DE SUÍNOS, UTILIZANDO O DRIS

DIAGNOSE NUTRICIONAL DE PLANTAS DE SOJA, CULTIVADA EM SOLO COM ADUBAÇÃO RESIDUAL DE DEJETOS DE SUÍNOS, UTILIZANDO O DRIS DIAGNOSE NUTRICIONAL DE PLANTAS DE SOJA, CULTIVADA EM SOLO COM ADUBAÇÃO RESIDUAL DE DEJETOS DE SUÍNOS, UTILIZANDO O DRIS Techio, J.W. 1 ; Castamann, A. 2 ; Caldeira, M.H. 3 ; Zanella, S. 4 ; Escosteguy,

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 INTRODUÇÃO PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS Deuseles João Firme * João

Leia mais

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Silvio Tulio Spera 1, Henrique Pereira dos Santos 2, Renato Serena Fontaneli 3, Georgia Luiza Maldaner 4

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Rio Verde-GO, 04/09/13 http://brasil.ipni.net Material Educativo Material Educativo N em milho http://media.ipni.net/

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO Djalma Martinhão Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, João de Deus G. dos Santos Junior, Rafael de Souza Nunes 1 I INTRODUÇÃO No Cerrado, a

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

ATRIBUTO FÍSICO DO SOLO EM FUNÇÃO DE SISTEMAS DE CULTIVO E VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO

ATRIBUTO FÍSICO DO SOLO EM FUNÇÃO DE SISTEMAS DE CULTIVO E VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO ATRIBUTO FÍSICO DO SOLO EM FUNÇÃO DE SISTEMAS DE CULTIVO E VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO Mauricio Viero Rufino 1 ; Jorge Wilson Cortez 2 ; Paulo Henrique Nascimento de Souza 3 ; Renan Miranda Viero 3 ; Eduardo

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682 Página 682 AVALIAÇÃO DO SISTEMA AGCELENCE NA CULTURA DO ALGODOEIRO NO SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO NO OESTE DA BAHIA *Cleiton Antônio da Silva Barbosa 1 ; Benedito de Oliveira Santana Filho 1 ; Ricardo

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO LEANDRO CARLOS FERREIRA 1,3 ; ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,3 RESUMO: O sistema de cultivo

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria.

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria. Página 1389 GENÓTIPOS DE ALGODÃO DE FIBRAS LONGAS NO SEMIÁRIDO DO VALE DO IUIU, SUDOESTE DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Osório Lima Vasconcelos

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA Luiz Carlos S. Caetano¹; Aureliano Nogueira da Costa²; Adelaide de F. Santana da Costa 2 1 Eng o Agrônomo, D.Sc, Pesquisador

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO Introdução SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA Claudinei Kappes (1), Leandro Zancanaro (2), Alessandro Aparecido Lopes (3), Cleverson

Leia mais

Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil

Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil SILVEIRA, P. M.; STONE, L. F. PROFUNDIDADE DE AMOSTRAGEM DO SOLO SOB PLANTIO DIRETO

Leia mais