ESTUDO DOS ERROS DE MEDICAÇÃO COMO ERROS SISTÊMICOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DOS ERROS DE MEDICAÇÃO COMO ERROS SISTÊMICOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA"

Transcrição

1 ESTUDO DOS ERROS DE MEDICAÇÃO COMO ERROS SISTÊMICOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Resumo Illian de Freitas e Felix de Sousa 1 1 Farmacêutico generalista. Graduado pela Universidade Federal de Goiás. Aluno da Pós-Graduação em Vigilância Sanitária pela Universidade Católica de Goiás/IFAR. Brina Portugal 2 2 Farmacêutica Clínico e Industrial - Graduada pela Universidade de Brasília (UnB), Especialista em Vigilância Sanitária pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Farmacêutica Clínica e Industrial. Ainda faz parte da cultura em ambiente hospitalar responsabilizar determinado profissional pela ocorrência de um erro de medicação. Erros de medicação são eventos adversos evitáveis que podem ser monitorados por meio de uma vigilância pró-ativa, podem gerar danos ao paciente e podem ocorrer quando a medicação estiver sob controle ora do profissional ora do paciente. Servem como indicador de qualidade da assistência à saúde. Sendo assim, o presente estudo objetiva revisar a literatura e descrever qual dos processos do sistema de utilização de medicamentos pode ser mais comprometedor da qualidade e que, portanto, demanda prevenção. Com base no modelo de queijo suíço, algumas causas determinantes de falhas latentes mereceram destaque, como a falta de comunicação interprofissional, a falta de informação relacionada ao paciente e a relacionada ao medicamento. Estudos descritivos revisados apontaram alto percentual de prescrições manuais ilegíveis (34,7%), alto percentual de uso de abreviações nas prescrições (mais de 80%), percentual relevante de prescrições com apresentação do nome comercial do medicamento (51,8%), percentual relevante de prescrições com informações incompletas, como a não definição da frequência de administração (13,3%). Após reunião dos dados coletados, sugeriu-se que a prescrição é um processo capaz de controlar todo o sistema, afetando a dispensação (como processo intermediário) e a administração (como um dos processos finais). Palavras-chave: erros de medicação, sistema de utilização de medicamentos, prescrição, dispensação, administração. Abstract Study of medication errors as systemic errors: a review. Altought part of the culture in hospitals the act of blaming a professional for the occurrence of a medication error. Medication errors are preventable adverse events that can be monitored by a proactive surveillance, can generate harm to patient and can occur when the medication is under control or by the professional or by the patient. They serve as an indicator of quality of health care. So, the present study aims to review the literature and to describe which process of the medication use system can be more compromising of the quality and that, therefore, demands prevention. Based on the Swiss cheese model, some determinants causes of latent failures deserved highlight, such as the absence of

2 communication between professionals, the lack of information related to patient and to the medicine. Descriptive studies reviewed pointed high percentage of prescriptions illegible (34,7%), high percentage of using abbreviations in prescriptions (more than 80%), relevant percentage of prescriptions with presentation of the brand name drug (51,8%), relevant percentage of prescriptions with incomplete information, such as the lack of frequency of administration (13,3%). After collecting data, it was suggested that prescription is a process capable of controlling all the system, affecting the dispensation (as an intermediary process) and the administration (as one of the final processes). Keywords: medication errors, medication use system, prescription, dispensation, administration. 1. INTRODUÇÃO Em ciências da saúde, há um crescente interesse pelo estudo dos erros humanos, os quais constituem objeto de aplicação em pesquisas científicas. Com a inovação das tecnologias diagnósticas, a assistência à saúde se torna mais complexa. Paralelamente, cresce também a importância dos eventos adversos que ocorrem durante a assistência prestada ao paciente. (ROSA; PERINI, 2003). Tais eventos são conhecidos como erros de medicação. Quando ocorrem, a mídia direciona as investigações para a descoberta do culpado. Tal abordagem pessoal dos erros, manifestada com a aplicação de medidas disciplinares, gera vergonha, medo e perda de prestígio para os profissionais. A par das inovações, o paciente começa a exigir do profissional nova atitude frente à prestação dos serviços assistenciais. Além disso, já que o sistema de saúde brasileiro apresenta mazelas, como múltiplas jornadas de trabalho, tais eventos adversos remetem a uma dimensão importante, tanto em termos materiais quanto em humanos (ROSA; PERINI, 2003). Os erros de medicação são definidos como eventos evitáveis que podem gerar consequências desastrosas, como uma possível lesão ao paciente. Ocorrem enquanto o medicamento estiver sob o controle dos profissionais ou do próprio paciente. Tais eventos podem ser atribuídos à prática profissional, aos procedimentos e ao sistema onde estão inclusas a prescrição, a comunicação, a rotulagem de produtos, a dispensação, a administração, entre outros (NCCMERP, 2005). O sistema de utilização de medicamentos em âmbito hospitalar constitui-se de um conjunto de processos inter-relacionados, cujo objetivo é a utilização dos medicamentos de forma segura, efetiva, adequada e eficiente. (OPITZ, 2006). Os processos constituintes do

3 sistema são: seleção e gestão; prescrição; validação; preparação e dispensação; administração; seguimento. Seus componentes são respectivamente: guia farmacoterapêutico e provisão dos medicamentos; regime e resposta terapêuticos; revisão da receita; armazenamento e preparação dos medicamentos; os cinco certos da enfermagem; monitoramento e notificação. Diante deste conjunto amplo, e sabendo-se que os erros são multidisciplinares, pois afetam os seis processos, faz-se necessário determinar os múltiplos fatores ou falhas de que resultam (OTERO et al., 2002). Uma análise sistemática aprofundada permite conhecer as falhas latentes citadas. Existem dez elementos-chave característicos do sistema de utilização que representam as causas dos erros de medicação, os quais são: informação sobre o paciente; informação relacionada ao medicamento; comunicação de informações sobre as drogas; rotulagem e embalagem; dispensação, armazenamento e padronização; aquisição, uso e monitoramento de dispositivos; fatores ambientais; educação dos profissionais; educação do paciente; gerenciamento de riscos e processos de qualidade (COHEN, 2006). Observa-se, pois, a necessidade de adotar uma cultura organizacional. Os gestores de risco devem agir no sentido de contribuir com os profissionais de saúde no desenvolvimento de medidas preventivas. Nas instituições de saúde, protocolos de atualização, que determinam canais de comunicação e como analisar as informações sobre os erros, fazem falta uma barreira que torna o câmbio cultural fundamental. Além disso, o gerenciamento de riscos gera benefícios, como a melhoria da qualidade dos serviços de assistência à saúde e uma maior seguridade para o paciente. Para melhorar a seguridade característica do sistema é fundamental aprender com o erro (LÓPEZ, 2003). O objetivo do presente trabalho consiste em, por meio de consulta à literatura, descrever qual o processo do sistema de utilização de medicamentos apresenta maior impacto na ocorrência de eventuais erros de medicação frente à qualidade do sistema em hospitais e determinar qual demanda maiores atitudes de prevenção. 2. METODOLOGIA Para proceder-se à revisão bibliográfica, foram utilizadas duas bases de dados científicos: a SciELO Brasil e a LILACS Literatura Latinoamericana e do Caribe. Para a busca de artigos científicos nas bases de dados, as palavras-chave escolhidas foram: erros de medicação e sistema, nessa ordem. Para a base de dados SciELO, adotou-se o

4 formulário livre, e os campo adotados foram Todos os índices. Para a LILACS, nessa mesma ordem, as descrições dos campos foram Descritor do assunto e Palavras. Utilizando-se somente a primeira palavra-chave, na base SciELO foram encontrados 43 artigos. Com os dois critérios, reduziu-se para 17 o número de artigos. Já na base LILACS, tomando como base os dois critérios, foram encontrados 43 artigos. Totalizando, o conjunto de artigos utilizados das duas bases de dados foi de 14. Houve equivalência na pesquisa dos trabalhos científicos entre as duas bases de dados. As principais publicações em comum nas revistas estão demonstradas na Tabela 1. Tabela 1 Número de artigos científicos relacionados ao tema das principais revistas encontrados após consulta e sua quantidade em comum entre as duas bases de dados SciELO e LILACS. (Nº) Revistas Base de Dados SciELO (Nº) LILACS (Nº) Comum (Nº) Act. Paul. Enferm Assoc. Med. Bras Bras. Enferm Esc. Enferm. USP Latino-Am. Enferm Saúde Pública Alguns sites de interesse relacionados ao tema também foram consultados e fezse uso de algumas de suas publicações. Os sites são: Para a revisão, também foram utilizados livros e duas teses de doutorado da USP. 3. DISCUSSÃO 3.1 Modelo do queijo suíço como proposta de geração sistêmica dos erros de medicação Para que haja um erro de medicação na instituição de saúde, uma trajetória deverá ser seguida, com o alinhamento das falhas latentes. Uma operação dos processos do sistema de utilização dos medicamentos seria adequada se fossem mantidas camadas defensivas intactas ou barreiras às falhas. Com a presença de fragilidades, formam-se buracos, as barreiras são transpostas e as defesas são rompidas. Compara-se isso com uma

5 fatia de queijo suíço (figura 1). Somente com os buracos alinhados tem-se como resultado um dano ao paciente (OPITZ, 2006). Desconhecimento de tratamento Prescrição ilegível Desconhecimento sobre dose máxima Visibilidade de avisos Treinamento da equipe deficiente Falta de informações do paciente Comunicação falha Faltam informações do medicamento Outras falhas sistêmicas Figura 1 Modelo do queijo suíço (adaptado da tese apresentada por OPITZ, 2006). Os buracos formados nas barreiras podem decorrer de falhas ativas ou de condições latentes. As falhas ativas são resultantes de atos cometidos por profissionais que estão em contato com o paciente. Podem ocorrer, por exemplo, devido a lapsos de memória. Já as condições latentes são consideradas patógenos residentes. Provêm de decisões dos gestores superiores. Podem ficar irreconhecíveis dentro do sistema por um longo tempo um exemplo de condição latente não detectada rapidamente seriam falhas na comunicação (figura 1). Quando combinadas com as falhas, geram os erros. Porém, há uma diferença se comparadas às falhas: podem ser identificadas antes da ocorrência do erro (REASON, 2000). A falta de reconhecimento pelo paciente de que o medicamento pode trazer riscos à saúde, ligada à cultura dos pacientes (alguns são pouco esclarecidos), somada a uma possível manipulação da propaganda elaborada pela indústria direcionada aos médicos, podem ser agravantes do quadro de erros provocados pelo uso desse insumo que é considerado sinônimo de saúde. São muitos os medicamentos novos lançados no mercado, o que gera desconhecimento dos profissionais sobre as qualidades farmacotécnicas e farmacocinéticas. Torna-se, pois, necessário atualizarem-se quanto a aspectos da terapia, necessitando de uma integração com o farmacêutico, o principal profissional que lida com o medicamento e que também deve se atualizar. Portanto, não é recomendado aterem-se ao espaço onde desempenham suas atividades, como é observado nos modelos tradicionais de assistência (DOMICIANO, 2006).

6 Também faz parte do rol das causas atribuídas aos erros de medicação o aspecto referente à qualidade da informação direcionada ao paciente, que a recebe rapidamente e não é orientado de forma correta. Os profissionais presumem que seu paciente é esclarecido e, portanto, não demanda maior tempo com explicações. Não somente as informações prestadas, como também o desenho dos processos de trabalho interfere na qualidade. O trabalhador se desgasta sem detalhamento e perde o estímulo. Finalmente, uma carga horária em excesso favorece o uso inadequado do medicamento, outro contribuinte a falhas no sistema (DOMICIANO, 2006). 3.2 Erros mais comuns Uma vez que a prescrição médica fundamenta-se no nome do medicamento, na dosagem, na via de administração e na posologia, os erros de prescrição podem ser atribuídos à letra ilegível, dosagem, falta de informação da via ou complementar, por exemplo, se deve tomar com água. Após a prescrição, quando dispensados os medicamentos, a farmácia deve interpretá-la corretamente. Pode haver erros neste processo, por exemplo, um armazenamento inadequado, levando a uma possível troca do medicamento ou comprometimento da sua qualidade técnica (DOMICIANO, 2006). No Brasil, a equipe de enfermagem é responsável pelo preparo da medicação, sendo a encarregada do processo de administração. Os profissionais de enfermagem se sobrecarregam de trabalho e, comumente, quando se faz uso de um medicamento mais complexo, não dispõem de completa informação sobre o mesmo. O que gera atraso, falha na velocidade de administração, falha na diluição e erro de preparo (DOMICIANO, 2006). 3.3 O sistema de utilização dos medicamentos e suas falhas geradoras de erros O sistema de utilização de medicamentos em cenário hospitalar tem como principal elemento ser responsável por entradas (inputs) e saídas (outputs) a população. Após sujeitar-se a um tratamento, dependendo do resultado de seu tratamento, faz-se uma avaliação da assistência à saúde. Assim, geram-se informações que retroalimentam o sistema, seus processos, componentes, entradas e saídas. O sistema se trata, portanto, de um macrossistema, do qual a terapia medicamentosa é considerada um subsistema (OLIVEIRA, 2005).

7 Um estudo exploratório-descritivo conduzido em Ribeirão Preto no ano de 2003, desenvolvido por pesquisadores da Escola de Enfermagem da USP, que registrou opiniões de 107 profissionais de hospitais sobre os sistemas de medicação, verificou que, como causas dos erros de medicação, descritas pelos participantes, 91% do total das mesmas eram atribuídas ao profissional. Dos 91%, 16,1% representam falhas na comunicação entre os profissionais. Os participantes também atribuíram como causas sistêmicas 9% do total, 6,3% associadas a não-implantação de um subsistema de distribuição de medicamentos por dose unitária e 2,3% a problemas na prescrição médica. Além disso, dos profissionais que concordaram com as atitudes tomadas pela instituição para correção dos erros, 27,2% opinaram que existem vários fatores envolvidos com o erro, merecendo, então, análise; e 25,2% definiram o sistema como adequado, porém com falhas (CASSIANI et al., 2005). Outro estudo descritivo, conduzido na unidade de clínica médica e na farmácia de um hospital universitário membro do projeto Hospitais Sentinela da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), baseado em 3 etapas (observações diretas dos processos; entrevistas com 40 profissionais e análise de 294 prescrições), registrou que 34,7% das prescrições estavam ilegíveis e 94,9% com falta de informações. Também verificou que, segundo os profissionais, erros de prescrição foram apontados como os principais desencadeantes de falhas no sistema em 29% das entrevistas. Nota-se, pois, falha na comunicação. Apontaram-se, também, falhas na dispensação, como a não comunicação de ausência do medicamento, e na administração, como etiquetas sem o nome do paciente. Na clínica, um profissional transcrevia para etiqueta, outro preparava e outro administrava. Havia choque de informações, desencadeando falhas sistêmicas e, consequentemente, os erros (SILVA et al., 2007). Segundo Miasso et al. (2009), em uma pesquisa multicêntrica em 4 hospitaissentinela brasileiros localizados em Goiânia, Recife, Ribeirão Preto e São Paulo e denominados A, B, C e D (manteve-se sigilo quanto às suas localizações), conduzida em 2003, visando identificar erros em uma amostra de 864 prescrições, coletadas das respectivas clínicas médicas, onde há tratamento de doenças crônico-degenerativas (requerem uso de amplo espectro de drogas e, consequentemente, podem gerar muitos erros), durante um período de 7 dias, os percentuais de prescrições incompletas nos hospitais B e C foram, respectivamente, 88 e 94,5%. Entre os itens incompletos nas prescrições, destacou-se a forma farmacêutica, ausente em 87 e 77% das prescrições, respectivamente. Dos hospitais pesquisados, é

8 importante notar que, para a instituição A, usuária de prescrições eletrônicas, 98% do receituário encontrava-se legível. Porém, a prescrição eletrônica não impede modificações na receita. Somente no hospital A, para 10,9% do total da amostra houve interrupção da medicação. Além disso, o estudo apontou a necessidade de enfermeiros e farmacêuticos integrarem-se ao processo de prescrição (MIASSO et al., 2009). A integração entre profissionais pode ajudar a evitar falhas de comunicação, como erros de interpretação de prescrição ou falta de informações, e, assim, a evitar possíveis erros. De uma pesquisa conduzida no Hospital da Universidade Estadual de Londrina em 2004, 1785 prescrições (uma vez a cada semana, escolhidas com dois ou mais medicamentos) da enfermaria foram estudadas quanto a seus dados sobre o paciente (maior de 12 anos), o prescritor e os medicamentos. Uma cópia carbonada de cada prescrição é encaminhada à farmácia. Em 12,8% das prescrições, não havia registro da idade do paciente. Isto pode ser uma barreira à dupla conferência das informações, que evita gerar erros (SOUZA; THOMSON; CATISTI, 2008). Aspectos estruturais e funcionais do organismo humano mudam conforme a idade, o que pode alterar a farmacocinética e a farmacodinâmica dos medicamentos. Isto deve ser considerado na prescrição (NOVAES et al., 2007). Observou-se, também, que do total de medicamentos prescritos, 16% apresentavam informações incompletas. Destaque para a forma farmacêutica e o nome genérico, ausentes em 10,1 e 51,8% do total, respectivamente. Além disso, em 12% das receitas não havia assinatura do prescritor. A ausência de dados na prescrição pode gerar falhas de comunicação e influenciar a qualidade do tratamento oferecido ao paciente. Pode também levar a administração do medicamento a pessoa errada (SOUZA; THOMSON; CATISTI, 2008). De dados secundários de um estudo multicêntrico realizado em 2005 que objetivou identificar erros de administração, foi proposta uma investigação para estudar como a redação prescricional pode influenciar o horário de administração dos medicamentos em clínicas médicas de cinco hospitais brasileiros. A amostra da investigação era composta de 1084 doses de medicamentos com horários diferentes (GIMENES et al., 2009). Destacou-se o hospital D, com 30,3% dos casos de doses com horários diferentes. Do total de prescrições, 96,2% apresentaram abreviaturas. Do total de prescrições em cada hospital, todos se destacaram quanto à presença de siglas. Do A ao E, os percentuais foram respectivamente: 87,3 (suas prescrições são eletrônicas), 100 (prescrição manual), 92,8,

9 99,1 e 93,6%. No hospital C, das 250 doses administradas em horário errado, 32,4% apresentam registros de horários incompletos. Estes são casos de sobredoses ou omissão de doses. Diante desse quadro, os pesquisadores sugerem educação continuada dos profissionais para reduzir os danos e, assim, garantir uma administração segura (GIMENES et al., 2009). Já um estudo transversal conduzido em um hospital de Belo Horizonte avaliou o seu processo de dispensação de medicamentos, cujo sistema de distribuição era misto. No total foram avaliadas 422 prescrições representando um total de 2143 medicamentos dispensados. O principal tipo de erro de dispensação relatado foi omissão de dose (57,3% do total de erros), seguido por: medicamento prescrito e dispensado sem cronograma de administração sem especificação do tempo, quantidade, concentração e forma farmacêutica (13,3% dos erros); e medicamentos dispensados com concentração aquém ou além da quantidade prescrita (12,7%) (ANACLETO et al., 2007). Durante o estudo, foram associadas à omissão de dose as interrupções, as distrações dos profissionais de enfermagem e falhas na comunicação. Verificaram-se também, com grande frequência, erros ocorridos com medicamentos injetáveis, que podem gerar graves danos aos pacientes. A supervisão farmacêutica se apresentava inadequada. A carga de trabalho era excessiva. Nota-se que estão presentes diversas falhas latentes e que há a necessidade de revisão da organização do sistema. Por exemplo, poderia ser adotada uma padronização de comunicação na farmácia (ANACLETO et al., 2007). Segundo Costa, Valli e Alvarenga (2008), indicadores de um estudo transversal em um hospital público pediátrico do Espírito Santo, que buscou identificar a principal categoria de erro de dispensação na unidade de farmácia (cujo sistema de distribuição de medicamentos é misto), mostraram, após análise de uma amostra de 239 prescrições selecionadas de forma randômica (representava 2620 doses), que, dentre as categorias dos erros (de conteúdo, de rotulagem e de documentação), predominaram os de conteúdo, equivalente a 87,3% do total de erros. Nesta categoria, destacaram-se os erros de dose: doses maiores e menores que as prescritas, respectivamente, 28,62 e 49,62% do total de erros da categoria. Quanto ao processo de administração de medicamentos, uma pesquisa multicêntrica coletou dados em 4 hospitais (A, B, C e D) sentinela brasileiros, cujos sistemas de distribuição são individualizados, durante 7 dias consecutivos, nas cidades de Recife, Ribeirão Preto, Goiânia e São Paulo. Sua amostra foi constituída pelos profissionais de

10 enfermagem responsáveis pela administração atuantes nas unidades de clínica médica. A prescrição é eletrônica somente no hospital A. No C e D, a devolução dos medicamentos às farmácias não é controlada (MIASSO et al., 2006). Neste estudo, as falhas latentes identificadas foram: interferências do ambiente (no hospital B, 45,9% das observações); técnicas incorretas de manipulação (nos hospitais C e D, respectivamente, 46,8 e 47,8% dos relatos) e administração (no hospital A, 39,7% dos relatos); problemas na conferência, na distribuição e no estoque; não seguimento da padronização; falhas na transcrição; falta de conhecimento e problemas na redação da prescrição (MIASSO et al., 2006). No hospital B, relataram-se falhas de transcrição em 13,1% do total de observações. No hospital C, a manipulação era de acordo com informações apresentadas em etiquetas preenchidas por profissionais de turno anterior. As etiquetas não continham o nome dos pacientes. Nota-se que há possibilidade de ocorrerem sequências de erros. No hospital D, problemas relacionados a ruído e à organização do ambiente também foram relevantes, representando 13,9% do total (MIASSO et al., 2006). Segundo Beccaria et al. (2009), os pacientes de unidade de terapia intensiva (UTI) são os mais vulneráveis a erros. Sendo assim, conduziram uma pesquisa descritiva em que avaliaram a ocorrência de eventos adversos na UTI adulto de um hospital geral do noroeste paulista. Uma ficha de ocorrência foi utilizada para notificação dos eventos adversos. Dentre os eventos notificados, estão inclusos aqueles referentes aos cinco certos na medicação (medicamento, paciente, via de administração, dose e horário). O estudo acima descrito registrou no período de coleta de dados 550 eventos adversos. Do total de eventos, a anotação inadequada da medicação representou 63,95% (181) do total, o registro dos dados incorretos, 49,07%, e os relacionados aos cinco certos, somente 4,72% (26). Porém, do total de eventos, 283 foram relacionados à medicação. 50% dos erros referentes aos cinco certos foram atribuídos à dose. Dos 181 erros, 77 foram justificados porque não houve conferência da prescrição médica (BACCARIA et al., 2009). Outro estudo, seguindo uma visão similar, a de que a existência de uma complexa terapia medicamentosa em UTI justifica abordar os erros de medicação em seu ambiente, foi desenvolvido em 2 hospitais do município de São Paulo, em suas Unidades de Terapia Intensiva e Semi Intensiva. Sua amostra foi de 50 pacientes, 40 do hospital privado e 10 do

11 público. Após a ocorrência dos erros de medicação, os prontuários foram consultados (TOFFOLETTO; PADILHA, 2006). O estudo descrito registrou 52 erros de medicação provenientes do processo de administração. Segundo o tipo de erro, 23,08% foram caracterizados como omissão de dose, e 21,15%, como medicamento errado. Também apresentaram percentuais significativos os tipos dose inadequada e velocidade errada: respectivamente, 17,31 e 11,54%. Os erros ocorreram mais frequentemente em período diurno, período no qual os profissionais apresentaram maior número de atividades em excesso, o que gerou cansaço e desatenção. Também se verificou que após o erro ocorrer, houve acréscimo da carga de trabalho da enfermagem (TOFFOLETTO; PADILHA, 2006). Objetivando uma análise de causa raiz dos tipos de erros de medicação derivados do preparo e administração de medicamentos diversamente do prescrito, estudo descritivo e transversal fez coleta de dados, por um período de 30 dias, por meio de observação direta, em hospital universitário de Ribeirão Preto, cuja prescrição é eletrônica. De 70 doses de medicamentos, foram identificados 74 erros de medicação (TEIXEIRA; CASSIANI, 2010). Verificou-se neste estudo relatado acima que 24,3% do total de erros foram devidos à administração em doses maiores ou menores que as prescritas e 22,9% a erros de horário. Já os erros provenientes da prescrição representaram somente 4,1% do total. O estudo também ressalta que geralmente os enfermeiros ocupam-se com questões administrativas e não exercem uma supervisão necessária dos auxiliares e técnicos. Quanto aos erros de dose, é observado que derivam de falhas de dispensação em desacordo com a prescrita. Quanto aos de horário, que também existem falhas de comunicação. Medicamentos não autorizados representaram 13,5% dos erros, outro dado mostrando que houve falhas na dispensação. Com frequência próxima (12,2% do total), também foram observados erros de técnica. Para evitar estes erros, a criação de protocolos é sugerida. Já os erros de prescrição, como já mencionado, apresentaram percentual baixo porque houve interceptação pela equipe de enfermagem uma possível barreira para evitar os erros (TEIXEIRA; CASSIANI, 2010). Em estudo exploratório dentro de hospital universitário, na unidade de clínica médica e na farmácia hospitalar, obtiveram-se opiniões de profissionais quanto aos tipos de erros de medicação, suas causas e falhas latentes presentes no sistema. Foram entrevistados 40 profissionais. Segundo eles, houve mais erros de prescrição (29% do total). Além disso,

12 20,6% dos erros relacionavam-se com o horário de administração e 13,6%, com o preparo e a administração (SILVA; CASSIANI, 2004). No estudo, os erros de prescrição foram classificados quanto à inadequação da prescrição e à legibilidade. Das respostas dos profissionais de enfermagem, em 21,9% admitiam-se problemas quanto à dosagem, via de administração, diluição e outros na prescrição, uma frequência que preocupa, pois os outros processos do sistema de utilização de medicamentos dependem de informações corretas nas receitas para assegurar qualidade na assistência ao paciente. Do total de erros de prescrição, 20% ocorreram devido à incompreensão da letra do médico. Também foi observado atraso na dispensação: mais de 50% das respostas quanto à categoria horário relataram o ocorrido (SILVA; CASSIANI, 2004). 3.4 Descrição do sistema de medicação em hospitais brasileiros e sua avaliação por profissionais Estudo multicêntrico investigou as unidades de clínica médica e farmácia de 4 hospitais brasileiros sentinela, quanto à variável sistema de medicação. Seu objetivo era descrevê-la. A pesquisa baseou-se em duas etapas. Na primeira, um profissional responsável pelo sistema foi entrevistado quanto a pontos estratégicos de prevenção dos erros. A segunda baseou-se em observações diretas de cada um dos processos do sistema, acompanhados em um período de uma semana (CASSIANI et al., 2004). Esta pesquisa verificou que somente o hospital A adota prescrição eletrônica. Isso mostra que na maioria dos hospitais, o sistema pode apresentar falhas, como por exemplo, interpretação errada das receitas e uso de abreviações. Os hospitais não contam com um centro de informações sobre medicamentos e não adotam revisão da prescrição médica. Seus sistemas de distribuição de medicamentos são individualizados. Não há padronização do horário de administração, faltam informações sobre os pacientes e os medicamentos e não há dupla conferência durante o processo de dispensação (CASSIANI et al., 2004). Os hospitais do presente estudo também não contam com um comitê que investigaria os erros de medicação. Não há formalização de relatos periódicos sobre os erros. O sistema de medicação de cada hospital apresenta grande quantidade de etapas. O estudo sugere reduzir o número para, assim, reduzir os erros. No hospital A, a prescrição é anexa a uma papeleta e encaminhada ao escriturário, que abre o sistema da prescrição eletrônica. Ele envia a requisição online à farmácia. Caso a prescrição fosse enviada

13 diretamente à unidade, haveria maior celeridade, poupar-se-ia uma possível condução de falhas no sistema (CASSIANI et al., 2004). No hospital B, também há um escriturário, o elo de comunicação entre o médico e a farmácia. A unidade imprime as requisições e as etiquetas e os encaminha ao dispensador, que, por sua vez, separa, confirma e agrupa os kits a serem conduzidos à enfermagem. Os medicamentos são guardados em escaninhos e depois preparados e administrados. Já nos hospital C e D, faz-se uso de cópias carbonadas das prescrições. No C, durante a dispensação, os kits são guardados em caixas de papelão identificadas com a unidade do hospital destinada e um impresso de controle é preenchido. No posto de medicação, um técnico de enfermagem faz a conferência (CASSIANI et al., 2004). Finalmente, no hospital D, a farmácia registra na via carbonada o que foi dispensado e o que está em falta. Após entrega dos medicamentos para a unidade, um auxiliar de enfermagem confere o kit. Um diferencial deste hospital é que sua farmácia não funciona durante 24 horas. Porém, ambos os sistemas dos hospitais C e D são mais complexos, com número de etapas, respectivamente, 70 e 80. O estudo mostra que há falta de revisão das prescrições pelos farmacêuticos e que não está esclarecido o papel dos enfermeiros (supervisão) nos sistemas. A revisão e a supervisão podem ajudar a prevenir os erros (CASSIANI et al., 2004). Em instituição hospitalar sentinela da cidade de Rio Branco AC, estudo transversal identificou os erros de medicação ocorridos na sua unidade de clínica médica em O modelo de organização do trabalho da equipe de enfermagem é integral. Estes profissionais são responsáveis por preparar e administrar o medicamento, além de assistir o paciente. Na primeira fase da pesquisa, os processos do sistema de medicação foram descritos. Já na segunda fase, a equipe de enfermagem foi caracterizada profissionalmente e classificaram-se os erros durante o preparo e a administração. Por meio de observação direta, os erros foram identificados segundo dois critérios: quando se conhecia a prescrição e não se conhecia (OPITZ, 2006). O sistema na presente instituição foi caracterizado como constituído por quatro processos: prescrição; distribuição; preparo e administração. Foram caracterizadas 56 atividades. A prescrição pode ser manuscrita ou digitada e ambas apresentam duas vias. Uma via é anexada à papeleta do paciente e a outra entregue à farmácia (carbonada). O profissional de enfermagem é quem entrega a prescrição na farmácia. O auxiliar de

Prevenção do Erro e o Medicamento

Prevenção do Erro e o Medicamento Prevenção do Erro e o Medicamento Daniela Garcia 26 de março de 2015 Diretora dos Serviços Farmacêuticos Erro de medicação Qualquer evento evitável que pode causar dano ao doente ou dar lugar à utilização

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

Palavras-chave: Prescrição e dispensação de Medicamentos. Erros de Medicação. Segurança do paciente.

Palavras-chave: Prescrição e dispensação de Medicamentos. Erros de Medicação. Segurança do paciente. INCONFORMIDADES ENCONTRADAS NO AMBIENTE HOSPITALAR REFERENTE ÀS MEDICAÇÕES Andressa Ranzani Nora Mello* Liliane Giglio Figueiredo Pereira** RESUMO Erros de medicação são efeitos adversos evitáveis que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

ERROS DE MEDICAÇÃO. ¹Alunos do curso de Graduação em Enfermagem do Instituto de Ensino Superior de Londrina INESUL;

ERROS DE MEDICAÇÃO. ¹Alunos do curso de Graduação em Enfermagem do Instituto de Ensino Superior de Londrina INESUL; ERROS DE MEDICAÇÃO Joyce Martha Gonçalves¹, Suely Belchior¹, Pamela Angeline Trindade Oliveira¹, Karoline Rosa Silva¹, Fernanda Gomes Moura¹, Ednalva Guizi² RESUMO Esta pesquisa foi realizada com o objetivo

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO Autor: Celiane Crivelli Alves Co-autores: Ana Cristina Rossetti Raquel A. dos Santos Tatiana de Carvalho Ramos Cláudio Alves de Souza Carla

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo Farmacêutica, graduada em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Farmacologia pela Universidade Federal de Lavras

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 003/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC

NOTA TÉCNICA Nº. 003/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC NOTA TÉCNICA Nº. 003/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC Orientações de procedimentos referentes à versão 2.0 SNGPC Coordenação do Sistema de Gerenciamento de Produtos Controlados Gerência Geral de Medicamentos - CSGPC/NUVIG

Leia mais

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo.

Definir protocolo para garantir a segurança no uso de medicamentos de alta vigilância no Hospital São Paulo. 1. INTRODUÇÃO Os medicamentos de Alta Vigilância são aqueles que possuem risco aumentado de provocar danos significativos aos pacientes em decorrência de falha no processo de utilização. Os erros que ocorrem

Leia mais

ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O SISTEMA DE MEDICAMENTO EM UNIDADE DE EMERGÊNCIA

ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O SISTEMA DE MEDICAMENTO EM UNIDADE DE EMERGÊNCIA ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O SISTEMA DE MEDICAMENTO EM UNIDADE DE EMERGÊNCIA Nadja Maria dos Santos (Docente UPE); Thereza Christina da Cunha Lima Gama (Docente UPE); Priscylla

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Sonia Lucena Cipriano Características: (duração 12 meses) Dirigido a farmacêuticos,

Leia mais

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Introdução O tema Segurança do Paciente se transformou em preocupação, nas instituições de saúde, a partir de 2003

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 003/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC

NOTA TÉCNICA Nº. 003/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC NOTA TÉCNICA Nº. 003/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC Orientações de procedimentos referentes à versão 2.0 SNGPC Coordenação do Sistema de Gerenciamento de Produtos Controlados Gerência Geral de Medicamentos - CSGPC/NUVIG

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Segurança na Administração de Medicamentos : Erros na Prescrição e Dispensação de Medicamentos Andrea Almeida Tofani Email: farm.hc1.hospitalar@inca.gov.br Novembro 2010 Segurança

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Nara Elizia Souza de OLIVEIRA 1 ; Lizete Malagoni de A. C. OLIVEIRA 2 ; Roselma LUCCHESE

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

Erro de medicação: estratégias e novos avanços para minimizar o erro

Erro de medicação: estratégias e novos avanços para minimizar o erro Erro de medicação: estratégias e novos avanços para minimizar o erro Gracinete do Carmo Silva Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Caroline Alves Garcia Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS

DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS DIAGNÓSTICO SITUACIONAL PRÉ-TREINAMENTO PARA MEDICAÇÕES ENDOVENOSAS Ana Leticia Dias Semtchuk 1 ; Gabryella Caparós Pimentel 2 ; Lilian Gatto 3 ; Willian Augusto de Melo 4 RESUMO: A Educação Permanente

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Nº FCCIR: 001 Tarefa: Recebimento de mmh e medicamentos para abastecer a farmácia Executante: Farmacêutico e/ou Auxiliar de Farmácia Resultados esperados: Estoque de acordo com a transferência. Recursos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos a Saúde

Gerenciamento de Riscos a Saúde Gerenciamento de Riscos a Saúde O papel da Prescrição Eletrônica e Rastreabilidade na administração segura de medicamentos Serviço de Informática /CAISM Profa Dra Roseli Calil Hospital da Mulher Prof.

Leia mais

REBEn. ercepção da equipe de enfermagem sobre

REBEn. ercepção da equipe de enfermagem sobre Revista Brasileira de Enfermagem REBEn PESQUISA Per ercepção da equipe de enfermagem sobre fatores causais de erros na administração de medicamentos Perception of the nursing team about causes of errors

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

O erro terapêutico. Causas e estratégias de prevenção. 16 de Outubro 2013. Enfermeira Andreia Rocha Enfermeiro Emanuel Gaspar

O erro terapêutico. Causas e estratégias de prevenção. 16 de Outubro 2013. Enfermeira Andreia Rocha Enfermeiro Emanuel Gaspar Hospital Fernando Fonseca, EPE Medicina I/Infeciologia Piso 6 Torre Amadora O erro terapêutico Causas e estratégias de prevenção 16 de Outubro 2013 Enfermeira Andreia Rocha Enfermeiro Emanuel Gaspar Agenda

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM Eliese Denardi Cesar 1 Luciane Stanislawski de Souza 2 Roberta Mota Holzschuh 3 Graciela Gonsalves Borba 4 Janaína Kettenhuber

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 Assunto: Responsabilidade pelo Controle, Guarda e Dispensação de Medicamentos de Pesquisa Clínica. 1. Do fato Solicitado parecer sobre o controle, guarda e dispensação

Leia mais

Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente. Simone Mahmud

Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente. Simone Mahmud Sistema Informatizado com Foco na Segurança do Paciente Simone Mahmud 28 a 56% dos Eventos Adversos são preveníveis Erros devido a prescrição ilegível Interações negligenciadas, erro de dose Intervenções

Leia mais

Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos

Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde PET Farmácia Atuação do Farmacêutico no Âmbito Hospitalar: Desafio em Recursos Humanos Antonio E. Matoso Mendes Orientadora: Maria Luíza D. Fávero

Leia mais

UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIDADE DE EMERGÊNCIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO OTIMIZAÇÃO DA PRESCRIÇÃO ELETRÔNICA, BASEADA NO ESTUDO AVALIATIVO, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

08/11/2012. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012

08/11/2012. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Módulo 3 Sistemas de Distribuição Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 1 Erros de medicação ERRAR É HUMANO!!

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova as diretrizes e estratégias para organização, fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia

Leia mais

CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás

CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás CEP/HCUFG Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás Como utilizar a PB - PLATAFORMA BRASIL para se cadastrar e submeter projetos de pesquisa ao CEP/HC/UFG: Entrar

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013.

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Estratégias para a segurança do paciente na terapia medicamentosa Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Total de Vidas perdidas por ano Serviços de Saúde são seguros?

Leia mais

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Brasília, 21 de outubro de 2013. Processo nº: 25351.584974/2013-59 Tema da Agenda Regulatória 2013/2014 nº:

Leia mais

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503.

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. Ementa: Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional. Administração

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 27, de 06 de abril de 2015 D.O.U de 08/04/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Erros de prescrição médica de pacientes hospitalizados

Erros de prescrição médica de pacientes hospitalizados artigo Original Erros de prescrição médica de pacientes hospitalizados Inpatients medical prescription errors Aline Melo Santos Silva* RESUMO Objetivo: Identificar e quantificar os tipos de erros de prescrição

Leia mais

Etapa 5 Transmissão dos Arquivos XML

Etapa 5 Transmissão dos Arquivos XML Etapa 5 Transmissão dos Arquivos XML Transmissões Semanais Arquivos XML Realizadas pelo Farmacêutico Responsável Técnico Datas Sequenciais Conexão à internet Somente 1 arquivo por dia O arquivo deve ter

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

SETORES DA FARMÁCIA HOSPITALAR EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR

SETORES DA FARMÁCIA HOSPITALAR EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR SETORES DA FARMÁCIA HOSPITALAR EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR CENTRAL DE ABASTECIMENTO FARMACÊUTICO Unidade que tem por finalidade manter e abastecer de modo dinâmico os estoques de

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

www.anvisa.gov.br NOTA TÉCNICA Nº. 002/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC Orientações de procedimentos referentes à versão 2.0 SNGPC

www.anvisa.gov.br NOTA TÉCNICA Nº. 002/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC Orientações de procedimentos referentes à versão 2.0 SNGPC NOTA TÉCNICA Nº. 002/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC Orientações de procedimentos referentes à versão 2.0 SNGPC Coordenação do Sistema de Gerenciamento de Produtos Controlados Gerência Geral de Medicamentos - CSGPC/NUVIG

Leia mais

ESTUDO DAS PRESCRIÇÕES MEDICAMENTOSAS EM UMA FARMÁCIA BÁSICA DE ITAPEMIRIM, ESPÍRITO SANTO - BRASIL

ESTUDO DAS PRESCRIÇÕES MEDICAMENTOSAS EM UMA FARMÁCIA BÁSICA DE ITAPEMIRIM, ESPÍRITO SANTO - BRASIL ESTUDO DAS PRESCRIÇÕES MEDICAMENTOSAS EM UMA FARMÁCIA BÁSICA DE ITAPEMIRIM, ESPÍRITO SANTO - BRASIL Raphael Laiber BONADIMAN 1* ; Renata Laiber BONADIMAN 2 ; Samuel Laiber BONADIMAN 3 ; Denise Aparecida

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do paciente

Metas Internacionais de Segurança do paciente Metas Internacionais de Segurança do paciente 2011 Missão Defender a saúde da comunidade e contribuir para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Visão Ser reconhecido nacionalmente pela excelência

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

RESIDÊNCIA EM CIRURGIA GERAL SANTA CASA DE LONDRINA 2011. Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Geral / 2011. Edital de Convocação

RESIDÊNCIA EM CIRURGIA GERAL SANTA CASA DE LONDRINA 2011. Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Geral / 2011. Edital de Convocação RESIDÊNCIA EM CIRURGIA GERAL SANTA CASA DE LONDRINA 2011 Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Geral / 2011 Edital de Convocação A Irmandade Santa Casa de Londrina faz saber que realizará

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO FARHAT,Eleide Margarethe 1 SANTOS, Danielle Teixeira 2 TOMCZAK, Maria Isabel 3 AMARAL,

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE HEMODERIVADOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE

PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE HEMODERIVADOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE HEMODERIVADOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE Daniela Pina 1, Sónia Ferreira 2, Cláudia Galvão 2, António Carvalho 2, Paulo Horta Carinha 2 1 Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA ESPAÇO 178 GUIA 2014. Para estagiários e supervisores

SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA ESPAÇO 178 GUIA 2014. Para estagiários e supervisores SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA ESPAÇO 178 GUIA 2014 Para estagiários e supervisores SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 I. APRESENTAÇÃO... 3 II. EQUIPE DO SEP...

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS. O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos.

GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS. O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos. GERENCIAMENTO E USO SEGURO DOS MEDICAMENTOS O papel da Farmácia no contexto hospitalar atual vai além da distribuição e dispensação de medicamentos. O farmacêutico atual tem participação nos processos

Leia mais

Eventos adversos relacionados à assistência

Eventos adversos relacionados à assistência Eventos adversos relacionados à assistência em serviços de saúde - Medicamentos Farmacêutico Sergio Matthies Junior Joinville SC VII Seminário Nacional de Acreditação Assistência Segura ao Paciente: uma

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU Pré- requisitos: - Perfil de acesso do funcionário - Cadastro do funcionário na farmácia que poderá ocorrer a dispensação. - Cadastro das unidades de internação.

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

INSTITUTO ESTADUAL DE DIABETES E ENDOCRINOLOGIA LUIZ CAPRIGLIONE SERVIÇO DE FARMÁCIA

INSTITUTO ESTADUAL DE DIABETES E ENDOCRINOLOGIA LUIZ CAPRIGLIONE SERVIÇO DE FARMÁCIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SOBRE PROCEDIMENTOS Objetivo Orientar funcionários, corpo clínico e pacientes do IEDE sobre o funcionamento do Serviço de Farmácia e os documentos necessários para cada tipo de atendimento.

Leia mais

Detalhamento Cód. 197511

Detalhamento Cód. 197511 DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 Detalhamento Cód. 197511 POP: Administração de Dieta ao Recém Nascido por Sonda de Alimentação Enteral e Bomba de Infusão

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa

Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa Rafael Pires Silva 1, Bruna Maiara Ferreira Barreto 2, Danielle Moura Tenório 3, Alessandra

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO 1 de 10 1. OBJETIVO Este regulamento tem como objetivo definir as regras que regem o Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem (Padi) e os principais conceitos aplicáveis aos processos de auditoria

Leia mais