Doença Celíaca mitos e verdades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doença Celíaca mitos e verdades"

Transcrição

1 Doença Celíaca mitos e verdades

2 Trigo - História Existem evidências arqueológicas de um pão pesado na era Paleolítica na Europa, há anos atrás, embora a alimentação fosse principalmente baseada em proteína animal e gordura. Na era Neolítica, há anos, o trigo e a cevada passaram a ser mais cultivados e o pão passou a ser um alimento importante.

3 Trigo - Historia Essa agricultura se expandiu pela Europa, Africa e India. Em outras partes do mundo outros cereais eram transformados em pão: arroz, na Asia, milho nas Américas e sorgo na Africa sub-sahara. A troca da caça por dietas baseadas na agricultura, predominantemente dos cereais, foi um ponto importante de mudança da história.

4 Trigo - História O desenvolvimento de um pão leve foi evidenciado no Egito. Várias formas de tornar o pão leve foram utilizadas, como a exposição da massa ao ar, a mistura da massa com espuma do malte e com uva fermentada. A idéia do forno parece ter sido grega.

5 Trigo - História Em um país majoritariamente católico como o Brasil não podemos esquecer o aspecto religioso do pão. É símbolo da vida, alimento do corpo e da alma, símbolo da partilha. Foi sublimado na multiplicação dos pães, na Santa Ceia, na oração do Pai Nosso e simboliza a fé, na hóstia, representando o Corpo de Cristo.

6 Trigo

7 Trigo - Nutrientes Carboidrato Complexo Trigo é uma boa fonte de carboidrato complexo, uma das fontes mais eficientes de energia para o corpo humano. Fibra - é o carbohidrato não digerível com várias ações benéficas ao organismo. Proteina Trigo é uma fonte moderada de proteína incompleta, isto é, embora se possa encontrar os 8 aminoácidos necessários, nem todos tem a quantidade adequada. O trigo, nesse aspecto, é melhor que o arroz e o milho.

8 Trigo - Nutrientes Gordura Trigo contém pouca gordura e nos alimentos feitos com trigo, ela representa 2 a 23%, resultante de adição no preparo. Vitaminas e Minerais Tiamina e Niacina o trigo é uma boa fonte dessas vitaminas do complexo B. Ferro e Zinco Trigo é uma fonte adequada desses minerais para a reposição das necessidades diárias. Minerais traços - Trigo é uma boa fonte de selênio e magnésio.

9 Trigo - Farinhas Farinha de multi-uso é a tritura fina do endosperma do grão de trigo, separada da casca e do germe durante o processo. Pode ser feita só do trigo duro ou da combinação deste com o trigo mole. Pode ser Enriquecida com ferro e vitaminas B, igualando ou excedendo as quantidades encontradas na farinha integral. Pode ser Branqueada e Enriquecida por tratamento com cloro, melhorando a qualidade para o preparo de alimentos. Pode ser Não-branqueada quando o clareamento é feito com oxigênio. Nutricionalmente os dois tipos são iguais. Pode ser Integral quando é feita a tritura do grão completo. É menos usada no preparo de alimentos porque tende a ser mais pesada e densa.

10 Trigo - Farinhas Farinha de bolo é a tritura do trigo mole, tem baixa quantidade de proteína e usada especialmente para o preparo de bolos, bolachas e doces. Farinha de doces vem da tritura de um trigo mole com baixa quantidade de gluten. A quantidade proteica é similar mas tem menos amido. Farinha de Gluten é geralmente usada em combinação com outras de baixo conteúdo proteico, melhorando a concentração do gluten no alimento. Semolina é a trituração grossa do endosperma do trigo duro, com alto conteúdo proteico, usada na produção de macarrão de alta qualidade.

11 Trigo - Carboidratos complexos ou polissacarídeos ou amido Diferente dos açucares simples, requerem metabolização para serem absorvidos e portanto implicam em gasto energético pelo organismo. Elevam o nível glicêmico de forma gradual e, consequentemente, a liberação de insulina também.

12 Trigo - Fibras A maior parte dos carboidratos do trigo é de fibras insolúveis de alto peso molecular, com benefícios já exaustivamente comprovados no funcionamento intestinal, na diminuição da absorção de gorduras e prevenção de obesidade, diabetes, hipertensão, coronariopatias, entre outras. Entretanto, o excesso também pode ser prejudicial.

13 Trigo - Fibras Efecto de las dietas ricas en fibras en ratones en crecimiento: estudio experimental Fernandez SAV, Tannuri U, Domigues G, Uehara DY, Carrazza FR. Setor de Cirurgia Experimental do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Objetivo: avaliar o ganho de peso e o crescimento de ratos recém desmamados, alimentados com duas dietas ricas em fibras e avaliar os efeitos destas dietas sobre a excreção fecal de cálcio, zinco e carboidratos. Métodos: foram estudados 24 ratos recém-desmamados, por 28 dias, divididos em 3 grupos de oito: G1 dieta padrão (5% de fibra), G2 dieta com 7,5% de fibra e G3 dieta com 10% de fibra. Os parâmetros avaliados foram: a) antropométricos peso corpóreo, peso do coração, do fígado e do intestino e o comprimento da tíbia; b) de função intestinal - peso das fezes, conteúdo fecal de cálcio, zinco e carboidratos. Resultados: os animais dos 3 grupos ingeriram quantidades semelhantes das dietas. Ao final, o peso dos animais dos grupos G2 e G3 foi menor do que o do grupo controle G1 (p<0,05). O peso das vísceras, o comprimento da tíbia e a quantidade de fezes excretadas foram semelhantes nos 3 grupos. Houve maior excreção fecal de cálcio, zinco e carboidratos nos animais do G2 e G3, mais acentuada no último. Conclusões: as dietas ricas em fibras prejudicaram a absorção intestinal de cálcio, zinco e carboidratos e promoveram menor ganho ponderal nos ratos em crescimento. No entanto, não houve reflexo no peso das vísceras e no crescimento tibial dos animais. Tais resultados devem ser considerados na prática clínica, quando dietas ricas em fibras são recomendadas para crianças em fase de crescimento.

14 Trigo - Fibras Perda óssea associada a dieta rica em fibra para perda de peso em mulheres menopausadas Rowett Research Institute, Aberdeen, UK. Objetivo: examinar o efeito de dieta com alta concentração de fibras na densidade óssea de mulheres menopausadas Pacientes e método: 16 mulheres menopausadas, com sobrepeso, receberam dieta com alta concentração de fibras por 6 meses, objetivando perda de 20% do peso (IMC> 25 kg/m2). Depois voltaram a dieta normal com recuperação do peso inicial. 46 controles, sem dieta, foram pareadas por idade e tempo de menopausa. Resultados: após 1 ano a porcentagem de alteração na densidade óssea da coluna lombar foi de : controles -2.5% (SE 0.5), grupo dieta -4.8% (0.9), 95% de intervalo de confiança da diferença entre os grupos foi -0.2 para -4.3% (P = 0.03)). Conclusão: Dieta rica em fibra para redução de peso em mulheres menopausadas aumentou significantemente a perda óssea da coluna lombar. A perda não foi revertida pelo ganho de peso após 6 meses. Ciclos repetidos dessa dieta podem aumentar o risco de osteoporose.

15 Trigo - Proteínas Trigo é a maior fonte de proteína não animal para o homem. Claro, deve ser combinado com fontes animais para se atingir as necessidades diárias, mas é um complemento considerado excelente, tanto nos países desenvolvidos como em desenvolvimento. São quatro as proteínas básicas: as albuminas, globulinas, gliadinas e gluteninas, com solubilidade variável em diferentes solventes. No que diz respeito a utilização prática e comercial, duas tem maior valor em termos de qualidade e processamento de alimentos, que são as gliadinas e as gluteninas.

16 Trigo - Proteinas Na produção do amido de trigo, a massa é feita pela mistura da farinha com água e, sob água corrente, o amido é lavado. As frações proteicas solúveis em água se perdem e o gluten fica, representando de 75 a 80% do total proteico. É uma proteína elástica, que dá liga à massa e é responsável pela consistência esponjosa que se obtem nos alimentos. Ele é composto de 2 proteínas: gliadina e glutenina. A gliadina é uma molecula compacta, de forma globular de peso molecular de A glutenina é linear e tem peso molecular de

17 Trigo - Proteinas Suas sub-unidades estão no gráfico abaixo. As -gliadinas são as responsáveis pelo desenvolvimento da Doença Celíaca.

18 Alergia ao Gluten, Intolerancia ao Gluten e Enteropatia Gluten-induzida Muitos artigos sobre intolerância ao gluten têm sido publicados e resultado em alarme desnecessário, em diagnósticos confusos e em dietas restritas sem necessidade. Como com qualquer alimento, pode haver reações adversas ao consumo do trigo: alergia (no caso à qualquer das proteinas do trigo) ou intolerância (no caso à gliadina, a chamada Doença Celíaca). Indivíduos alérgicos ao trigo produzem anticorpos IgE contra as proteínas solúveis do grão. Celíacos produzem anticorpos IgG e IgA específicos contra a gliadina.

19 Alergia ao Trigo Alergia é uma reacão que envolve especificamente a imuneglobulina E na formação de anticorpos contra uma ou mais fração proteica do trigo. A maioria dessas reações são contra as frações albumina e globulina. A gliadina raramente induz reações mediadas por IgE. Pode ocorrer em qualquer indivíduo, diferente da Doença Celíaca que tem base genética. Pode ser causada pela ingestão ou inalação da farinha (asma do padeiro). É relativamente incomum mas é responsável por 30% dos casos de asma ocupacional na industria de panificação.

20 Alergia ao Trigo Os sintomas da alergia se iniciam minutos ou poucas horas após a ingestão ou inalação e geralmente envolvem a pele (urticária, angioedema), o trato gastrointestinal (cólicas, nausea e vômitos) e o trato respiratório (asma e rinite). As mesmas proteinas estão presentes em outros cereais, podendo haver reação cruzada e dificultando o tratamento pois todos os cereais devem ser retirados da dieta. O diagnóstico pode ser feito pela história clínica, RAST teste e testes cutâneos. Quando surge na infância pode regredir espontaneamente após alguns anos. Quando surge na idade adulta, tende a persistir, embora a suspensão do gluten da dieta por alguns anos possa, em alguns casos permitir a reintrodução sem sintomas.

21 Enteropatia Gluten-induzida, Intolerância ao Gluten ou Doença Celíaca É uma doença hereditária do sistema imunológico, mediada por anticorpos IgA e IgG, na qual o consumo do gluten (trigo, aveia, cevada e centeio) causa lesão na mucosa do intestino delgado, resultando em malabsorção de nutrientes e vitaminas. Pode ser subestimada, especialmente quando se manifesta na idade adulta. Em países do norte europeu pode atingir incidências de até 1/100. Nas Américas a incidência é bem mais baixa mas pode estar subestimada por falta de diagnóstico. Pesquisa publicada pela UNIFESP , em estudo com adultos doadores de sangue, apresentou incidência de 1 celíaco para cada 214 doadores em São Paulo.

22 Celíacos cadastrados no Brasil

23 Celíacos cadastrados no Brasil

24 Doença Celíaca Sintomas Tipicamente manifesta-se no primeiro ano de vida (18 a 24 meses) com outro pico de incidência na adolescência e outro na quarta década da vida. Os sintomas clássicos são diarréia, perda de peso e parada do crescimento, distensão abdominal, perda de massa muscular (nádegas), irritabilidade, anorexia, e anemia refratária ao tratamento com ferro, após a introdução de cereais na alimentação. Em adultos os sintomas são menos específicos desde diarréia e perda abrupta de peso até queixas vagas de cólica, flatulência e até mesmo constipação intestinal. Em alguns, a única queixa pode ser de ataxia, aftas orais recorrentes, anemia ferropriva persistente. Dermatite herpetiforme é uma variante da DC com aparecimento de lesões bolhosas e pruriginosas na pele (geralmente nádegas, cotovelos e joelhos).

25 Doença Celíaca

26 Doença Celíaca Diagnóstico Na suspeita de DC alguns testes sorológicos devem ser feitos: 1. Anticorpo anti-gliadina (AGA) IgA e IgG; 2. Anticorpo anti-reticulina (ARA), IgG por exame de imunofluorescência; 3. Anticorpo anti-endomisio (AEA) IgA. 4. Anticorpo anti-transglutaminase IgA São exames de triagem no paciente suspeito e em parentes de pacientes celíacos com queixa de malabsorção, pacientes com Diabetes Mellitus ou doença autoimune da tiróide e para o seguimento de celíacos em tratamento. Porém, para o diagnóstico de certeza, o exame padrão-ouro é a biópsia de intestino delgado feita por endoscopia.

27 Doença Celíaca Diagnóstico

28 Doença Celíaca Latente Indivíduos com testes alterados mas sem lesão do intestino delgado e sem sinais ou sintomas de DC Indivíduos com DC diagnosticada na infância, que abandonaram a dieta na idade adulta e não voltaram a apresentar sintomas Nos dois casos, a doença está latente e pode manifestar-se a qualquer momento

29 Doença Celíaca Silenciosa Indivíduos com testes alterados, com lesão do intestino delgado, mas sem sinais ou sintomas da DC As manifestações clínicas podem surgir em algum momento

30 Doença Celíaca - Tratamento É uma doença para toda a vida e o único tratamento é a retirada total do glúten da dieta

31 Legislação Lei n 8.543, de 23 de dezembro de 1992 Determina a impressão de advertência em rótulos e embalagens de alimentos industrializados que contenham glúten, a fim de evitar a doença celíaca ou síndrome celíaca. O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1 Todos os alimentos industrializados que contenham glúten, como trigo, aveia, cevada, malte e centeio e/ou seus derivados, deverão conter, obrigatoriamente, advertência indicando essa composição. 2 A advertência deve ser impressa nos rótulos e embalagens dos produtos industrializados em caracteres com destaque, nítidos e de fácil leitura. 3 As indústrias alimentícias ligadas ao setor terão o prazo de um ano, a contar da publicação desta lei, para tomar as medidas necessárias ao seu cumprimento. Art. 2 Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 23 de dezembro de 1992, 171 da Independência e 104 da República. Itamar Franco, Lázaro Ferreira Barboza, Jamil Haddad

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA DEFINIÇÃO DA DOENÇA Doença celíaca é alergia ao glúten, proteína encontrada no trigo, aveia, centeio, cevada e derivados. Essa doença afeta a parede do intestino, fazendo com que a absorção de vários nutrientes

Leia mais

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA INGREDIENTES Descrição Qtd kcal CHO PTN GORD ALC Farinha, de trigo 30,00 g 105,41 21,94 g 3,50 g 0,41 g Açúcar, refinado 30,00 g 119,64 29,91 g Fermento em pó, químico 1,00

Leia mais

REVISTA DOENÇA CELÍACA

REVISTA DOENÇA CELÍACA DOENÇA CELÍACA Kerolainy Santos Gonçalves Graduanda em Nutrição, Faculdade Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Natalia Cristina Barbosa de Abreu Graduanda em Nutrição, Faculdade Integradas de Três Lagoas

Leia mais

Nº 191 CAMAS HÚMIDAS ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO

Nº 191 CAMAS HÚMIDAS ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO Nº 191 CAMAS HÚMIDAS ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO E CONTROLO O sistema digestivo é um sistema complexo, que numa análise mais superficial não é mais do que uma interface entre a ave e o meio exterior. Como

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo 1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo TRIGO BALANÇO MUNDIAL Ano Área Produção Consumo Consumo Estoque final (mil ha) (mil t) (mil t) per capta (mil t) (kg/hab/ano) 2007/08 217.102 612.708

Leia mais

As Propriedades Funcionais da Banana Verde

As Propriedades Funcionais da Banana Verde As Propriedades Funcionais da Banana Verde Vale Mais Alimentos Produz Biomassa de Banana Verde na forma de polpa e integral (casca e polpa) para consumidores domésticos e institucionais A banana é produzida

Leia mais

Bovino. Talho. Origem

Bovino. Talho. Origem A carne, peixe e ovos são constituídos principalmente por proteínas e gordura. São uma fonte de proteínas de alto valor biológico. As vísceras destacam-se por serem ricas em diversos nutrientes: vitamina

Leia mais

SABES O QUE ESTÁS A COMER?

SABES O QUE ESTÁS A COMER? SABES O QUE ESTÁS A COMER? Interpretar RÓTULOS de produtos alimentares Conhecer os INGREDIENTES dos PRODUTOS ALIMENTARES Descobrir o significado de DDR Saber a diferença entre produto alimentar MAGRO e

Leia mais

Histórico: 1867: isolamento do ácido nicotínico como substância química

Histórico: 1867: isolamento do ácido nicotínico como substância química NIACINA Histórico: Niacina descritor genérico para o ácido nicotínico e seus derivados que possuem atividade biológica de nicotinamida 1867: isolamento do ácido nicotínico como substância química 1937:

Leia mais

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL 1 de 5 O trato gastrintestinal (TGI) tem a função principal de absorver os nutrientes necessários ao organismo e eliminar os dejetos. O TGI é também uma parte fundamental

Leia mais

BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL

BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL Profa. Dra. Maria Rosimar Teixeira Matos Docente do Curso de Nutrição da UECE TERAPIA NUTRICIONAL Suprir as necessidades

Leia mais

TÉCNICA DIETÉTICA I. Prof. Msc. Isabelle Oliveira

TÉCNICA DIETÉTICA I. Prof. Msc. Isabelle Oliveira TÉCNICA DIETÉTICA I Prof. Msc. Isabelle Oliveira 1 Cereais Alimentos de origem vegetal, amplamente consumidos. O nome deriva da deusa grega, Ceres, deusa da agricultura e da colheita. São grãos que provém

Leia mais

Doenças da modernidade

Doenças da modernidade Agosto/2016 DESMITIFICANDO AS DIETAS DA MODA Pág. 6 Doenças da modernidade Pág. 3 Alergia x Intolerância Pág. 4 EDITORIAL Chegamos ao nosso terceiro número, e esperamos colaborar mais uma vez com a disseminação

Leia mais

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Ao final deste capítulo, você poderá Ø Explicar rótulos de alimentos Ø Decidir quais alimentos são melhores com base em três fatores Capítulo 13 Nutrição:

Leia mais

Como o organismo perde água? No corpo humano, 71% do nosso peso é água. Contém 85% de água no nosso sangue, 80% no cérebro, 70% na pele e 30% nos

Como o organismo perde água? No corpo humano, 71% do nosso peso é água. Contém 85% de água no nosso sangue, 80% no cérebro, 70% na pele e 30% nos Bioquímica Celular Água A importância da água na vida do planeta é de tamanha proporção, posto que é um elemento essencial para a sobrevivência de animais e vegetais na Terra. Estamos tão habituados à

Leia mais

DOENÇA CELÍACA. Palavras Chave: Doença Celíaca, Intolerância ao Glúten, Glúten.

DOENÇA CELÍACA. Palavras Chave: Doença Celíaca, Intolerância ao Glúten, Glúten. DOENÇA CELÍACA Anderson Costa Sobrinho 1, Daniela Yasmin Machado 1, Danilo Guaiumi Nogueira 1, Gustavo Oliveira Lopes 1, Márcia Regina Terra 2. RESUMO Alguns alimentos como trigo, aveia, centeio, malte

Leia mais

AZ Vit. Ficha técnica. Suplemento Vitamínico Mineral. REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução - RDC n 27/10.

AZ Vit. Ficha técnica. Suplemento Vitamínico Mineral. REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução - RDC n 27/10. Ficha técnica AZ Vit Suplemento Vitamínico Mineral REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução - RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS: 7898171287350 EMBALAGEM: Plástica, metálica e vidro. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Dra. Helena Maia Nutricionista OBJECTIVOS Obesidade: Riscos, prevalências e tipos Nutrição / Nutrientes Roda dos Alimentos Alimentação Mediterrânica IMC Conclusão RISCOS RELACIONADOS

Leia mais

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016 Empresa: Endereço: Fundaçao Hospitalar Santa Terezinha de Erechim Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016 Fone: Cidade: Bairro: Cep: Data Abertura: 08/11/2016 09:00:00 Data Emissão: 25/10/2016

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Exercícios sobre Vitaminas

Exercícios sobre Vitaminas Exercícios sobre Vitaminas Exercícios sobre Vitaminas 1. Tomando uma grande dose de vitaminas A, uma pessoa pode suprir suas necessidades por vários dias; porém, se fizer o mesmo em relação à vitamina

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Alimentação e Saúde ALIMENTAÇÃO E SAÚDE 1 - A RELAÇÃO ENTRE A ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Todo ser vivo precisa se alimentar para viver. A semente, ao ser plantada, precisa ser adubada e molhada todos os dias

Leia mais

Avaliação nutricional do paciente

Avaliação nutricional do paciente Avaliação nutricional do paciente Muito gordo ou muito magro? O que fazer com esta informação? Avaliação nutricional do paciente 1) Anamnese (inquérito alimentar) 2) Exame físico 3) Exames laboratoriais

Leia mais

BANCO DE ATIVIDADES Presente Ciências 4 ano - 4 bimestre Avaliação

BANCO DE ATIVIDADES Presente Ciências 4 ano - 4 bimestre Avaliação Unidade 4 - Nosso corpo Leia o texto abaixo. Alimentação inadequada, saúde em risco. Cada vez mais o prato típico na mesa do brasileiro arroz, feijão, bife e salada dá lugar a outros alimentos, como os

Leia mais

NUTRIENTES. Classificam-se em: Orgânicos & Inorgânicos

NUTRIENTES. Classificam-se em: Orgânicos & Inorgânicos NUTRIENTES NUTRIENTES Classificam-se em: Orgânicos & Inorgânicos ORGÂNICOS >>> CARBOIDRATOS Os carboidratos são compostos orgânicos constituídos por carbono, hidrogênio e oxigênio e estão relacionados

Leia mais

Como acabar com Dor no estômago. O que pode ser?

Como acabar com Dor no estômago. O que pode ser? Como acabar com Dor no estômago. O que pode ser? Se tratando de dor no estômago, é preciso ter seriedade, encontrar a causa é mais complicado do que se pensa. É preciso fazer uma avaliação com um especialista,

Leia mais

Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS.

Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS. Composição dos Alimentos mais consumidos pelos VEGANOS. Onde está um ponto considerar uma vírgula, ex.: Niacina 12.066 significa 12,066 mg arredondando fica 12 mg. http://www.unifesp.br/dis/servicos/nutri/nutri.php?id=2024

Leia mais

temperosfuncionais ebook

temperosfuncionais ebook temperosfuncionais ebook O que são temperos funcionais? O uso de temperos tem grande contribuição para os sabores e aromas da culinária. Na escolha dos temperos é necessário cuidado, pois produtos industrializados

Leia mais

CIÊNCIAS - ALIMENTOS. Prof. Mário Castro 1º Bimestre CEF 02 ESCOLA PAROQUIAL

CIÊNCIAS - ALIMENTOS. Prof. Mário Castro 1º Bimestre CEF 02 ESCOLA PAROQUIAL CIÊNCIAS - ALIMENTOS Prof. Mário Castro 1º Bimestre - 2014 CEF 02 ESCOLA PAROQUIAL NUTRIÇÃO Nutrição: É o conjunto de processo integrados que envolve a digestão, respiração, circulação e excreção. Digestão:

Leia mais

ÍNDICE. Trophic Basic. 06 Trophic 1.5. Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! Trophic Infant. Diamax Peptimax HDmax. Bemmax.

ÍNDICE. Trophic Basic. 06 Trophic 1.5. Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! Trophic Infant. Diamax Peptimax HDmax. Bemmax. GUIA NUTRICIONAL ÍNDICE Trophic Basic 06 Trophic 1.5 10 PADRÃO Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! 12 14 16 Trophic Infant 18 ESPECIALIZADA Diamax Peptimax HDmax 20 22 24 Na Prodiet, acreditamos

Leia mais

Município de Valongo Semana de 29 de Junho a 3 de Julho de 2015 Almoço

Município de Valongo Semana de 29 de Junho a 3 de Julho de 2015 Almoço Semana de 29 de Junho a 3 de Julho de 2015 Sopa Creme de espinafres e cenoura 1,3,5,6,7,8,9,12 Prato Hambúrguer de aves com esparguete e salada de cenoura raspada 1,2,3,4,6,7,9,10,12 Sobremesa Frutas da

Leia mais

A MATÉRIA-PRIMA - A CASTANHA

A MATÉRIA-PRIMA - A CASTANHA SOBRE NÓS Somos dois empreendedores - Sílvia Santos e André Barbosa, casados e com um filho, o Gonçalo Dando seguimento à tradição da nossa família na produção de Castanha, fundamos a Amálgama em Vila

Leia mais

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico Regulação do volume hídrico Alteração do equilíbrio hídrico em que a perda de líquidos do organismo é maior que o líquido ingerido Diminuição do volume sanguíneo Alterações do equilíbrio Hídrico 1. Consumo

Leia mais

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES 1. Qual idade mínima para fazer o teste? 2 2. O teste me ajuda a emagrecer? 2 3. Qual o prazo de validade do produto? 2 4. Quanto tempo leva para realizar o teste? 2 5. O teste identifica Intolerância

Leia mais

Saúde, beleza e longevidade.indd /10/ :47:48

Saúde, beleza e longevidade.indd /10/ :47:48 7 Lixo Alimentar Saúde, beleza e longevidade.indd 147 15/10/2013 13:47:48 Saúde, beleza e longevidade.indd 148 15/10/2013 13:47:48 Lixo Alimentar Saúde, Beleza e longevidade 149 Cuidado com a sua saúde!

Leia mais

menu informação nutricional

menu informação nutricional menu informação nutricional caseirinho de músculo com mandioquinha 200gr Informação nutricional Porção de 200 g ou 1 Pote Valor Energético 232 kcal / 970 Kj (31%VD*) Carboidratos 35g (18,5%VD*), Proteínas

Leia mais

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD

NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO ADOLESCENTE NASAD O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei n.º 8.069/90 (BRASIL, 1990), circunscreve a adolescência como o período de vida que vai dos 12 aos 18 anos de idade e a Organização Mundial da Saúde (OMS) delimita

Leia mais

Princípios da Alimentação e Saúde

Princípios da Alimentação e Saúde Princípios da Alimentação e Saúde Alimentação é mais que ingestão de nutrientes Recomendações sobre alimentação devem estar em sintonia com seu tempo Alimentação saudável deriva de sistema alimentar socialmente

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 8º Biologia Leda Av. Mensal 15/09/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova contém

Leia mais

OVO UM ALIMENTO FUNCIONAL. Gabriel de Carvalho

OVO UM ALIMENTO FUNCIONAL.  Gabriel de Carvalho OVO UM ALIMENTO FUNCIONAL Gabriel de Carvalho Nutricionista Funcional e Farmacêutico Diplomado pelo The Institute for Functional Medicine Professor do Curso de Extensão em Nutrição Funcional desde 1999

Leia mais

Diabetes Novasource GC...80 Novasource GC Pó Novasource GC Novasource GC HP Pediatria Nutren Junior Pó...

Diabetes Novasource GC...80 Novasource GC Pó Novasource GC Novasource GC HP Pediatria Nutren Junior Pó... Portfólio de produtos 2016 ÍNDICE NFactor... 3 Situações Críticas... 5 Peptamen Pó... 6 Peptamen Prebio... 8 Peptamen 1.5... 10 Peptamen ARG... 12 Peptamen AF... 14 Peptamen HN... 16 Peptamen Intense...

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL Código da Disciplina: VET214 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 5 Faculdade responsável: Faculdade de Medicina

Leia mais

Principais cuidados preventivos para evitar distúrbios nutricionais

Principais cuidados preventivos para evitar distúrbios nutricionais Principais cuidados preventivos para evitar distúrbios nutricionais Lilian Cardia Guimarães Curso Continuado de Cirurgia Geral Módulo Obesidade Cirurgia Bariátrica CBCSP OUTUBRO 2016 Onde começa a prevenção?

Leia mais

Ementas Primavera/Verão Creche (1-3 anos)

Ementas Primavera/Verão Creche (1-3 anos) Semana 1 com pão com bolacha Sopa de feijão-verde Massa à lavrador (c/vitela, tronchuda e feijão vermelho) Sopa de feijão branco e Tintureira/cação de cebolada (tomate e pimento) e batata cozida Pão (1/2)

Leia mais

disponibilidade de minerais e vitaminas

disponibilidade de minerais e vitaminas Capítulo4Metodologias para avaliar a disponibilidade de minerais e vitaminas 1. Disponibilidade biológica dos minerais...131 1.1. Introdução...131 1.2. Digestibilidade e disponibilidade dos minerais...131

Leia mais

Catálogo de produtos. Viapax Produtos orgânicos e naturais

Catálogo de produtos. Viapax Produtos orgânicos e naturais Catálogo de produtos Viapax Bio Produtos orgânicos e naturais @viapaxbio FAZ BEM Somos naturais, saudáveis, saborosos e ricos em nutrientes. Preservando a qualidade natural e os sabores das frutas, grãos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADESÃO À DIETA ISENTA DE GLÚTEN E CONHECIMENTO DO PACIENTE CELÍACO DA CIDADE DE PELOTAS RS SOBRE SUA PATOLOGIA E TRATAMENTO

AVALIAÇÃO DA ADESÃO À DIETA ISENTA DE GLÚTEN E CONHECIMENTO DO PACIENTE CELÍACO DA CIDADE DE PELOTAS RS SOBRE SUA PATOLOGIA E TRATAMENTO AVALIAÇÃO DA ADESÃO À DIETA ISENTA DE GLÚTEN E CONHECIMENTO DO PACIENTE CELÍACO DA CIDADE DE PELOTAS RS SOBRE SUA PATOLOGIA E TRATAMENTO Autor(es): POLLA, Simone Fátima; OLIVEIRA, Vanessa Echeverria de;

Leia mais

FICHA TÉCNICA WHEY ISO FAST 100% ISOLADA HIGH PROTEIN FAT FREE LOW SODIUM ZERO CARBOIDRATOS

FICHA TÉCNICA WHEY ISO FAST 100% ISOLADA HIGH PROTEIN FAT FREE LOW SODIUM ZERO CARBOIDRATOS FICHA TÉCNICA WHEY ISO FAST 100% ISOLADA HIGH PROTEIN FAT FREE LOW SODIUM ZERO CARBOIDRATOS WHEY ISO FAST AGE é obtido por meio de processo de microfiltragem, o que resulta em uma proteína mais pura, livre

Leia mais

Ficha Técnica de Produtos BLEND WHEY

Ficha Técnica de Produtos BLEND WHEY Descrição: É um alimento protéico para atletas que possui em sua formulação uma junção de proteínas de rápida absorção e time release, com acréscimo de enzimas digestivas para auxiliar na digestibilidade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO PARANAENSE DE ENSINO TÉCNICO OPET TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

ORGANIZAÇÃO PARANAENSE DE ENSINO TÉCNICO OPET TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 ORGANIZAÇÃO PARANAENSE DE ENSINO TÉCNICO OPET TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL COZINHA INDUSTRIAL ESPECIALIZADA EM PRODUTOS SEM GLÚTEN NOME DOS INTEGRANTES ARIANE A. F. OLIVEIRA GILSON LUIZ DA VEIGA JOSIANE

Leia mais

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales GIARDÍASE Profª Drª Iana Rafaela F. Sales ianarafaela@gmail.com INTRODUÇÃO PRIMEIRO PROTOZOÁRIO INTESTINAL HUMANO A SER CONHECIDO Animalúnculos móveis em suas próprias fezes (1681) INTRODUÇÃO MORFOLOGIA

Leia mais

Principais funções dos sais minerais:

Principais funções dos sais minerais: A Química da Vida Água Água mineral é a água que tem origem em fontes naturais ou artificiais e que possui componentes químicos adicionados, como sais, compostos de enxofre e gases que já vêm dissolvidas

Leia mais

NUTRIÇÃO NA GESTAÇÃO. Vilma Fernandes Carvalho

NUTRIÇÃO NA GESTAÇÃO. Vilma Fernandes Carvalho NUTRIÇÃO NA GESTAÇÃO FASE DA GESTAÇÃO Riscos como hipertensão, obesidade, intolerância, à glicose e doença cardiovascular (Baker, 1995). Peso em kg 3,4-3,9 Feto 3,4 Reserva de gordura e proteína 1,8 Sangue

Leia mais

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS DADOS Neste capítulo, são discutidos os resultados, através da análise dos dados obtidos e da comparação dos estudos científicos apresentados na revisão da literatura. No que respeita

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E ADOLESCÊNCIA OMS: 10 a 19 anos Estatuto da criança e do adolescente:

Leia mais

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade Roseli Oselka Saccardo Sarni Sal e risco de doenças Consumo excessivo de sal (> 5g/dia, 1 g de sal=0.4 g sódio) relaciona-se com o

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE TORTA SALGADA SEM GLÚTEN THE DEVELOPMENT OF A GLUTEN-FREE PIE

DESENVOLVIMENTO DE TORTA SALGADA SEM GLÚTEN THE DEVELOPMENT OF A GLUTEN-FREE PIE 1 DESENVOLVIMENTO DE TORTA SALGADA SEM GLÚTEN THE DEVELOPMENT OF A GLUTEN-FREE PIE Alessandro Tavares Brito 1 Gleison de Brito Paim 1 Nágia Ferreira dos Santos 1 Natália de Souza Pinto 1 Samara Oliveira

Leia mais

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Fóruns 28 de setembro de 2013 15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Insuficiência Cardíaca Como abordar na: IC Fração de ejeção reduzida / normal IC descompensada IC Crônica IC Chagásica

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA

TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA TRABALHO DE BIOLOGIA QUÍMICA DA VIDA Água Sais minerais Vitaminas Carboidratos Lipídios Proteínas Enzimas Ácidos Núcleos Arthur Renan Doebber, Eduardo Grehs Água A água é uma substância química composta

Leia mais

Obesidade está ligado à 10 tipos de câncer

Obesidade está ligado à 10 tipos de câncer Obesidade está ligado à 10 tipos de câncer Obesidade está ligado à 10 tipos de câncer A população está cada vez mais com excesso de peso, pesquisas mostram que a obesidade pode aumentar o risco de doenças

Leia mais

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Osteoporose secundária Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Definição Osteoporose causada por um distúrbio subjacente (doenças, fármacos ) Epidemiologia Provavelmente subdiagnosticada.

Leia mais

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand 1 AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém as recomendações nutricionais para a matriz Ross 308 AP (AP95) de empenamento lento

Leia mais

Excelente palatabilidade Saúde intestinal Menor consumo diário Pelagem bonita e saudável Redutor de odor das fezes

Excelente palatabilidade Saúde intestinal Menor consumo diário Pelagem bonita e saudável Redutor de odor das fezes linha de produtos BENEFÍCIOS Excelente palatabilidade Saúde intestinal Menor consumo diário Pelagem bonita e saudável Redutor de odor das fezes (1kg, 7,5kg,15kg, 25kg*) *Exclusivo para criador Extrato

Leia mais

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Sub-ordem Caniformia Classe Mamíferos Ordem Carnivora Sub-ordem Feliformia Canedae Procyonidae

Leia mais

Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o

Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o A química da Vida Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o restante 2,5% está concentrado em

Leia mais

Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto DOENÇAS MUSCULARES Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo DOENÇAS MUSCULARES

Leia mais

Redubio Shake Slim Emagrece

Redubio Shake Slim Emagrece Redubio Shake Slim Emagrece O que é Redubio Shake Slim? Redubio Shake trata-se de um composto alimentício, com intuito de substituir até 2 refeições diárias, tem como objetivo ser um shake para emagrecer

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 atos relacionados: Resolução nº 18, 1994

revogada(o) por: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005 atos relacionados: Resolução nº 18, 1994 título: Portaria nº 33, de 13 de janeiro de 1998 ementa não oficial: Adota valores como níveis de IDR para as vitaminas, minerais e proteínas publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

Desnutrição na Adolescência

Desnutrição na Adolescência Desnutrição na Adolescência Adolescência CRIANÇA Desnutrição Anorexia/Bulimia Obesidade / Diabetes ADULTO Dietas não convencionais e restritivas Deficiência de ferro Cálcio, vitamina A, zinco, Vitamina

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR. Gordura % Prot.

COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR. Gordura % Prot. COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR ALIMENTOS Seca Prot. Gordura Fibra ENN Cinza Cálcio 2.1 Fósforo ALFAFA, farinha de 88,0

Leia mais

Todos tem uma grande importância para o organismo.

Todos tem uma grande importância para o organismo. A Química da Vida ÁGUA A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. A água pura não possui cheiro nem cor. Ela pode ser transformada em

Leia mais

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário NUTRIR NUTRIÇÃO ENTERAL E SUPLEMENTAÇÃO LTDA ME (4722)

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário NUTRIR NUTRIÇÃO ENTERAL E SUPLEMENTAÇÃO LTDA ME (4722) Página: 1/6 Especificação id. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço itário 1 FORMULA LACTEA INFANTIL 0 a 12 meses, de 800g. Ingredientes da formulação: Lactose, leite de vaca desnatado*, amido, oleína

Leia mais

Relações numéricas. 25 abr. u.m.a, massa atômica, número de massa, massa molecular, massa molar, número de avogadro, volume molar,

Relações numéricas. 25 abr. u.m.a, massa atômica, número de massa, massa molecular, massa molar, número de avogadro, volume molar, Relações numéricas 25 abr u.m.a, massa atômica, número de massa, massa molecular, massa molar, número de avogadro, volume molar, CNTP 01. Resumo 02. Exercício de Aula 03. Exercício de Casa 04. Questão

Leia mais

APTAMIL PROEXPERT PEPTI

APTAMIL PROEXPERT PEPTI EXCLUSIVOS PREBIÓTICOS DANONE 0,8g/100mL de scgos/lcfos (9:1) 1 INDICAÇÃO: Alimentação de lactentes com Alergia ao Leite de Vaca (ALV) sem quadros diarreicos, desde o nascimento. DESCRIÇÃO: Fórmula infantil

Leia mais

PPRODUÇÃO DE BATATA FUNCIONAL PRÉ-ASSADA

PPRODUÇÃO DE BATATA FUNCIONAL PRÉ-ASSADA PPRODUÇÃO DE BATATA FUNCIONAL PRÉ-ASSADA L.M. Matuszevski 1, A.S. Suguiura 1, J. Ferreira 1, L.I. Karvat 1, V.L. da Silva 1, V.S. Simon 1, J.R.N. Garcia 2, D.M. Bernardi 3. 1- Acadêmicas do curso de nutrição

Leia mais

Alimentos que emagrecem

Alimentos que emagrecem Alimentos que emagrecem Índice: 1. A importância da nossa alimentação 2. Prevenção 3. Alimentação adequada 4. Super dicas de alimentos que emagrecem Todos nós sabemos que uma alimentação apropriada é a

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO 1 TRIMESTRE 2017

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO 1 TRIMESTRE 2017 TRABALHO DE RECUPERAÇÃO 1 TRIMESTRE 2017 ALUNO (A): TURMA: VALOR: 12,0 Nota: INSTRUÇÕES: Todas as questões devem ser respondidas a CANETA. 1. Todos os seres vivos são dotados de características em comum

Leia mais

Determinação de cinzas em alimentos

Determinação de cinzas em alimentos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL DISCIPLINA: BROMATOLOGIA BÁSICA (FBA-201) Determinação de cinzas em alimentos Elizabete W

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL Nº de Empresário Nome completo: Data: Telefone: e-mail: Data de nascimento: Idade: Sexo: Feminino Consome algum suplemento nutricional? Se sim, quantos? Sim Masculino Não Por

Leia mais

Composição Química das Células: Água

Composição Química das Células: Água A Química da Vida Composição Química das Células: Água As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição cerca de 75/85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um

Leia mais

Uma dieta alimentar variada é capaz de fornecer os nutrientes necessários ao desenvolvimento do nosso organismo

Uma dieta alimentar variada é capaz de fornecer os nutrientes necessários ao desenvolvimento do nosso organismo Nutrientes e suas funções Uma dieta alimentar variada é capaz de fornecer os nutrientes necessários ao desenvolvimento do nosso organismo NUTRIENTE Substância absorvida e utilizada pelo organismo para

Leia mais

Nutrientes. Leonardo Pozza dos Santos

Nutrientes. Leonardo Pozza dos Santos Nutrientes Leonardo Pozza dos Santos Itaqui, 2017 O que define um nutriente? - Qualquer elemento ou composto químico necessário para o metabolismo de um organismo vivo. - Eles compõem os alimentos e são

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

Fisiologia do Exercício

Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício REAÇÕES QUÍMICAS Metabolismo inclui vias metabólicas que resultam na síntese de moléculas Metabolismo inclui vias metabólicas que resultam na degradação de moléculas Reações anabólicas

Leia mais

LITERATURA COLÁGENO HIDROLISADO PEPTÍDEOS DE COLÁGENO PEPTAN COLAGENO DO TIPO I

LITERATURA COLÁGENO HIDROLISADO PEPTÍDEOS DE COLÁGENO PEPTAN COLAGENO DO TIPO I COLÁGENO HIDROLISADO PEPTÍDEOS DE COLÁGENO PEPTAN COLAGENO DO TIPO I Uso: Interno/Externo Fator de Correção: Não se aplica Fator de Equivalência: Não se aplica Conhecendo o Colágeno O colágeno é uma proteína

Leia mais

ENRIQUECIMENTO DE MACARRÃO COM FARINHA DE CAJU (Anacardium occidentale)

ENRIQUECIMENTO DE MACARRÃO COM FARINHA DE CAJU (Anacardium occidentale) ENRIQUECIMENTO DE MACARRÃO COM FARINHA DE CAJU (Anacardium occidentale) Érica Jamily do Nascimento Almeida¹, Graziella Iara Silva¹, Maria Cristiélia de Oliveira Dias¹, Maria Vanessa Freitas Sousa¹, Raquel

Leia mais

DESAFIO DE IMAGEM Nathália Denise Nogueira Sales 7º semestre

DESAFIO DE IMAGEM Nathália Denise Nogueira Sales 7º semestre DESAFIO DE IMAGEM Nathália Denise Nogueira Sales 7º semestre CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: R.C.N., sexo feminino, 39 anos, com queixa de disfagia progressiva há três meses, associada com emagrecimento de

Leia mais

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento

ALBUMINA. Proteína do ovo como suplemento ALBUMINA Proteína do ovo como suplemento INTRODUÇÃO Composto 100% natural, obtido da pasteurização e da secagem instantânea da clara de ovo, sem qualquer tipo de conservantes. A proteína é o elemento fundamental

Leia mais

Reduza o Desconforto Digestivo Causado por Sensibilidade ao Glúten

Reduza o Desconforto Digestivo Causado por Sensibilidade ao Glúten Reduza o Desconforto Digestivo Causado por Sensibilidade ao Glúten INTRODUÇÃO Glutalytic é exclusivamente projetado para quebrar proteínas do glúten mais rápido e mais eficientemente quebrando as ligações

Leia mais

2. COQUETEL DE FRUTAS VERMELHAS

2. COQUETEL DE FRUTAS VERMELHAS CARTA DE Drinks 1. DRINK DE MAÇÃ E CANELA 1 colher (café) de canela em pó (3g) 1 rama de canela para decorar 1 fatia fina de maçã vermelha com casca ralada (30g) Modo de Preparo: em uma taça, coloque a

Leia mais

Local Ideal Para Uma Criação de Galinha Caipira

Local Ideal Para Uma Criação de Galinha Caipira GALINHA CAIPIRA GALINHA CAIPIRA A criação de galinha caipira, apesar de ser relativamente mais simples do que as de galinhas de granja, especialmente por elas serem mais resistentes a doenças e menos sensíveis

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO

A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO PRINCIPAIS ELEMENTOS QUE CONSTITUEM OS SERES VIVOS Carbono CHONPS Compõe as principais cadeias das moléculas orgânicas (lipídios, carboidratos e proteínas) presentes em nosso

Leia mais

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

Carboidratos complexos. Polissacarídeos

Carboidratos complexos. Polissacarídeos Carboidratos complexos Polissacarídeos São formados pela associação de 10 a milhares (10.000 moléculas) de monossacarídeos unidos por ligações glicosídicas. São menos solúveis e mais estáveis que os açúcares

Leia mais

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, É AQUELA PREPARADA COM OS CUIDADOS DE HIGIENE E QUE

Leia mais

BIODISPONIBILIDADE DE VITAMINAS HIDROSSOLÚVEIS: Vitamina B6

BIODISPONIBILIDADE DE VITAMINAS HIDROSSOLÚVEIS: Vitamina B6 BIODISPONIBILIDADE DE VITAMINAS HIDROSSOLÚVEIS: Vitamina B6 Disciplina: Nutrição e Biodisponibilidade de Nutrientes Professora Giseli Panigassi - panigassi@hotmail.com Universidade Paulista - UNIP DEFINIÇÃO

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais