UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MARCELO LIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MARCELO LIMA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MARCELO LIMA O DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL: do modelo correcional-assistencialista das Escolas de Aprendizes Artífices ao modelo tecnológicofragmentário do CEFET do Espírito Santo. NITERÓI 2004

2 MARCELO LIMA O DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL: do modelo correcional-assistencialista das Escolas de Aprendizes Artífices ao modelo tecnológicofragmentário do CEFET do Espírito Santo. Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, como requisito parcial para obtenção do Grau de Doutor em Educação. Área de Concentração: Trabalho e Educação. Orientadora: Prof.ª Dr.ª MARIA CIAVATTA FRANCO Niterói 2004

3 Lima, Marcelo O desenvolvimento histórico do tempo socialmente necessário para a formação profissional: do modelo correcional-assistencialista das Escolas de Aprendizes Artífices ao modelo tecnológico-fragmentário do CEFET do Espírito Santo / Marcelo Lima, f., A4. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal Fluminense, Bibliografia: f Educação. 1. Título

4 MARCELO LIMA O DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL: do modelo correcional-assistencialista das Escolas de Aprendizes Artífices ao modelo tecnológico-fragmentário do CEFET do Espírito Santo Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, como requisito parcial para obtenção do Grau de Doutor em Educação. Área de concentração: Trabalho e Educação. Aprovada em 16 de março de BANCA EXAMINADORA Prof.ª Maria Ciavatta Franco Orientadora Universidade Federal Fluminense Prof. Donaldo de Souza Bello Universidade do Estado do Rio de Janeiro Prof.ª Cláudia Maria da Costa Alves Universidade Federal Fluminense Prof. Gaudêncio Frigotto Universidade Federal Fluminense Prof.ª Lúcia Maria Wanderly Neves Universidade Federal Fluminense Prof. Paulo Sérgio Tumolo Universidade Federal de Santa Catarina NITERÓI 2004

5 Dedico este trabalho a minha filha Lara Milanezi Lima, a quem peço minhas desculpas pela ausência e pela distância.

6 AGRADECIMENTOS A minha orientadora Maria Ciavatta Franco pela paciente sabedoria e pela sábia paciência com as quais tratou a mim e ao meu trabalho durante os 05 anos que convivemos em prol de novas descobertas no campo trabalho e educação. Ao Programa de Doutorado em Educação da Universidade Federal Fluminense que, juntamente com a CAPES/MEC e a FAPERJ, nos permitiu a realização deste trabalho, concedendo-nos bolsa de estudos durante estes quatro anos de doutoramento. À Prefeitura Municipal de Vitória, que também contribuiu para que concluíssemos este trabalho, permitindo que nos afastássemos de nossas atividades profissionais na área da educação, na capital do Espírito Santo. Ao CEFET/ES, nas pessoas de Dênio Rabello, Edna Ambrózio Soares, Jadir José Pella, Maria da Penha Xavier Araújo, Tadeu Pissinatti e Zenaldo Rosa da Silva (ex diretor da ETF/ES), pelo apoio que nos dispensaram e pela paciência com que nos atenderam durante a pesquisa. Aos professores Cecília Gullar, Célia Frazão Linhares, Eunice Trein, Gaudêncio Frigotto, Giovanni Semeraro, Lúcia Neves, Osmar Fávero e Sônia Rumert, pelas luzes que acenderam no nosso caminho antes, durante e no final da construção deste trabalho. Aos colegas e amigos Ana Lúcia Hackert, Andréia Ferreira da Silva, Antônio Henrique Pinto, Cintia Rita Gomes, Edgard Bedê, Edy do Rosário e Rivail Rolim, Sandra Espíndola Carneiro e Viviane Zandonade pela companhia, cumplicidade e apoio na realização desta tese.

7 RESUMO O desenvolvimento histórico do tempo para inserção produtiva é uma construção social que pode ser percebida nos modelos pedagógicos, mas também se verifica nas pedagogias que estão na sua base. As pedagogias da República Nascente ( ), do Estado Estruturante ( ) e do Estado Neoliberal ( ) têm, cada uma a seu modo, suas especificidades, que se delineiam nas suas temporalidades baseadas nos seus respectivos níveis de mercantilização e graus de proximidade e sintonia com o processo de acumulação e desenvolvimento técnicoprodutivo. Conforme concluímos em nossa pesquisa no Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo (CEFET/ES), existem tempos e modelos de formação que também se tornam socialmente necessários para a inserção produtiva, tempos e modelos que se influenciam de modo diferenciado, em cada fase histórica, por esses mesmos movimentos inerentes ao processo de acumulação. Esses modelos pedagógicos resultam dos tipos de mediação exercidos pelas instâncias de poder na coesão do tecido social que se materializa na organização dos processos produtivos e educativos. Assim, mais do que a mera duração dos cursos, as temporalidades, quando entendidas como tempo socialmente necessário para inserção na vida produtiva, sintetizam os elementos fundantes de toda uma política pedagógica e econômica. Essas políticas, por sua vez, têm a ver com um tipo de inserção produtiva tanto no caso dos egressos da Instituição de ensino, quanto no caso do próprio País, revelando, assim, a natureza dos projetos nacionais mais amplos.

8 ABSTRACT The historical development of the duration of the professional formation is a social construction that can be perceived, not only by the pedagogical models, but also by the pedagogies that are in its base. The pedagogies of the Primary Republic ( ), Structuring State ( ) and Neoliberal Estate ( ) have, each one in its way, characteristics that allow them to delineate, in their specific time, that they based themselves in their respective levels of mercantilism and degrees of proximity and accordance with the accumulation process and the technicalproductive development. According to our research at Technological Federal Education Center at Espírito Santo State (CEFET-ES) there are periods and models of formation that also become socially necessary and that are influenced in a different way, in each historical phase, by the same moviments inherent in the accumulation process. These pedagogical patterns result of the types of mediations practiced by the levels of power in the cohesion of the social organism that materializes itself in the organization of the educative and productive processes. Then, more than the simple duration of the courses, this period, when perceived as time socially necessary for the insertion in the productive life, summarizes the rooting elements of the whole pedagogical and economic policy. These policies, in their turn, are related to a type of productive insertion, either in case of the graduated students or in case of the proper country, revealing, then, the nature of the most wide national projects.

9 LISTA DE ABREVIATURAS ANPED Educação CEFET/ES CEFETs CCQ CFE CFESP CEPAL CNE COFAVI CREA CSN CST CVRD ETFs ETF/ES ESCELSA EUA FAT FINDES FNM GRB GT IDORT Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Centros Federais de Educação Tecnológica Círculo de Controle de Qualidade Conselho Federal de Educação Centro de Formação e Seleção de Pessoal Comissão Econômica para o Progresso da América Latina Conselho Nacional de Educação Companhia Ferro e Aço de Vitória Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura Companhia Siderúrgica Nacional Companhia Siderúrgica de Tubarão Companhia Vale do Rio Doce Escolas Técnicas Federais Escola Técnica Federal do Espírito Santo Espírito Santo Centrais Elétricas S.A. Estados Unidos da América Fundo de Amparo ao Trabalhador Federação das Indústrias do Espírito Santo Fábrica Nacional de Motores Grêmio Rui Barbosa Grupo de Trabalho Instituto de Difusão da Organização Racional do Trabalho

10 LDB MEC METALPEN PEA PIPMO PLANFOR PPGE/UFES SMOs SEMTEC SENAC SENAI SINASEFE TELEST TSNF TSNP Lei de Diretrizes e Bases da Educação Ministério da Educação Metalúrgica Nossa Senhora da Penha População Economicamente Ativa Programa Intensivo de Preparação de Mão de Obra Plano Nacional de Formação Profissional Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo Séries Metódicas Ocupacionais Secretaria Ministerial de Tecnologia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Sindicato Nacional dos Servidores das Escolas Federais Telecomunicações do Espírito Santo Tempo socialmente necessário para a formação profissional Tempo socialmente necessário para a inserção na produção TSNPM UNED Tempo socialmente necessário para a produção de mercadorias Unidade Descentralizado de Ensino

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I... 1.BASES CONCEITUAIS A HISTÓRIA O ESTADO O SABER E A PRODUÇÃO DO TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO DE PRODUÇÃO DAS MERCARDORIAS AO TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL ECONOMIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO DO/PARA O TRABALHADOR EDUCAÇÃO E MEDIAÇÃO CAPÍTULO II... 2 A INDÚSTRIA E O TEMPO NO PROCESSO BRASILEIRO DE APROPRIAÇÃO DE NOVOS PADRÕES DE TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A PRODUÇÃO (TSNP) CAPÍTULO III... 3 O DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL: A GÊNESE E SUPERAÇÃO DOS MODELOS PEDAGÓGICOS OS MODELOS PEDAGÓGICOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL A GÊNESE DO MODELO CORRECIONAL-ASSISTENCIALISTA

12 3.1 A GÊNESE CORRECIONAL DO MODELO DE A GÊNESE ASSISTENCIALISTA DO MODELO DE A SUPERAÇÃO DO MODELO CORRECIONAL-ASSISTENCIALISTA E A GÊNESE DO MODELO TAYLORISTA-FORDISTA NAS ESTRADAS DE FERRO: A RACIONALIZAÇÃO DO ENSINO INDUSTRIAL EMPRESARIAL A GÊNESE DO MODELO TECNOLÓGICO-FRAGMENTÁRIO E A SUPERAÇÃO DO MODELO TAYLORISTA-FORDISTA CAPÍTULO IV... 4 A MATERIALIZAÇÃO HISTÓRICA DO TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL A MATERIALIZAÇÃO HISTÓRICA DO TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA REDE DE ESCOLAS DE APRENDIZES ARTÍFICES: A GÊNESE DA REDE O TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ESCOLA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ESPÍRITO SANTO ( ) O TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NA ESCOLA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ESPÍRITO SANTO ( ) CAPÍTULO V... 5 O DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO TEMPO SOCIALMENTE NECESSÁRIO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NO BRASIL A PEDAGOGIA DA REPÚBLICA NASCENTE OS TEMPOS DO MODELO CORRECIONAL-ASSISTENCIALISTA A PEDAGOGIA DO ESTADO ESTRUTURANTE OS TEMPOS DO MODELO TAYLORISTA-FORDISTA A PEDAGOGIA NEOLIBERAL ( )

13 CAPÍTULO VI... 6 CONCLUSÃO... 7 REFERÊNCIAS FONTES

14 ANEXOS... Anexo A.1 Livro de Atas da Escola de Aprendizes Artífices do Espírito Santo ( )... Anexo A.2 Ata dos exames da Escola de Aprendizes Artífices (1910)... Anexo A.3 Ata dos exames dos aprendizes da oficina de fabrico de calçados (1934)... Anexo A.4 Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio (1914)... Anexo A.5 Telegrama do Ministério à Escola de Aprendizes Artífices do Espírito Santo (1914)... Anexo B.1 Sede da Escola de Aprendizes Artífices do Espírito Santo (1910)... Anexo B.2 Oficina de Marcenaria da Escola de Aprendizes Artífices (1910)... Anexo C.1 Jornal ETV, n. 8 (1944)... Anexo D.1 Inauguração da Escola Técnica de Vitória ETV (1946)... Anexo D.2 Sede da ETV (1942)... Anexo E.1 Dormitório da ETV (1946)... Anexo E.2 Jornal O Eteviano (1961)... Anexo E.3 Relatório do serviço médico da ETV (1947)... Anexo E.4 Obras na ETV (1957)... Anexo E.5 Jornal GITEC (1971)... Anexo E.6 Escola Técnica Federal do Espírito Santo (1975)... Anexo F.1 Jornal CIRCUITO CEFETES (2002)... Anexo F.2 Uned de Colatina (2002)... Anexo F.3 Uned de Serra (2002)... Anexo F.4 Cursos básicos (2000)... Anexo F.5 Parceria com a Samarco (2002)... Anexo F.6 Aniversário do CEFETES (2003)... Anexo G.1 Perfil dos alunos da ETV/CEFETES ( )... Anexo G.2 Perfil dos alunos da ETV/CEFETES ( )...

15 Anexo G.3 Perfil dos alunos da ETV/CEFETES ( )... Anexo G.4 Perfil dos alunos da ETV/CEFETES ( )... Anexo H.1 Perfil dos alunos da ETV/CEFETES ( )... Anexo H.2 Perfil dos alunos da ETV/CEFETES ( )... Anexo I.1 Alunos excluídos pela ETV/ETFES ( )... Anexo J.1 Alunos na Escola de Aprendizes Artífices ( ) e no CEFETES ( )... Anexo J.2 Alunos na ETFES ( ) e PEA industrial no Espírito Santo ( )... Anexo K.1 Parque industrial capixaba ( )... Anexo K.2 Nascimento da siderurgia capixaba... Anexo L.1 Concluintes dos cursos da ETV/ETFES ( )... Anexo M.1 Alunos na Escola de Aprendizes (1911, 1916 e 1934) e na ETV (1945) Anexo M.2 Alunos na ETV (1950 e 1955) e na ETFES (1980 e 1985)... Anexo M.3 Alunos na ETFES (1962, 1990 e 1995) e no CEFETES (2000)... Anexo N Desenvolvimento Histórico do Tempo Socialmente Necessário para a Formação Profissional na Escola de Aprendizes Artífices/CEFETES ( )... Anexo O Egressos de Mecânica da ETV ( )... Anexo P Localização dos estagiários da ETFES ( 1971)... Anexo Q Evolução da complexidade da indústria capixaba (1971, 1974 e 2000)... Anexo R Da Escola de Aprendizes Artífices à ETV... Anexo S Médias históricas das idades de ingresso na Escola de Aprendizes Artífices/CEFET/ES ( )...

16 O comportamento social, dentro dum mundo altamente complexo e contingente, requer realizações(...) que possibilitem expectativas de comportamento recíproco(...) Na dimensão tempo podem a estrutura de expectativas ser estabilizada pela normação(...) e pelo Direito. Niklas Luhmann INTRODUÇÃO A realidade nacional exposta diariamente nos noticiários nos coloca permanentemente problemas complexos e inquietantes a cerca das inúmeras desigualdades e conflitos sociais existentes em nosso país que nos fazem pensar sobre a organização e viabilidade de nossa sociabilidade. Por vezes, nos parece inviável que, um tal tipo de ordenamento político que submete grupos inteiros a arranjos societais de abismos sociais com graus extremos de indiferença e de violência, possa prosseguir. O fato é que a vivência destes contextos a sociedade, midiaticamente e ideologicamente, tem gerado uma ansiedade por uma realidade, de acordo mútuo, de bem comum e de paz. No entanto, acreditamos que essa ânsia não pode se traduz por uma busca por uma sociedade resignada e passiva. A nosso ver, essa visão é disseminada e encontra certa aceitação por que todos compartilhamos a necessidade de segurança, de justiça, de previsibilidade e continuidade da vida. Mas essa necessidade não é individual nem se restringe a grupos específicos, ao contrário se constitui numa necessidade intersubjetiva e compartilhada por todas as classes em prol de um ambiente social, justo e fraterno, o que não redunda num meio social apenas sem violência, mas também onde não existe injustiça, de sorte que a igualdade e a emancipação humana engendram essa própria necessidade. A nossa idéia básica é que é no âmbito da institucionalidade, do estado direito, ou mais específicamente, no espaço das instâncias de regulação social, mesmo com

17 todo conflito de classe e disputa por hegemonia que lhe é inerente, que se pode gerir essas questões, pois de de certo modo, pode-se dizer que foi em nome de uma certa convivência e de bem comum que se constituiu o Estado de direito como forma de mediação de conflitos e para que as disputas individuais não se transformassem na luta de todos contra todos. Não que o Estado substitua o conflito, mas que de alguma forma possibilita as disputas sem alimentar o ódio e o confronto. A educação joga nesse processo um papel relevante no sentido de propiciar formas democráticas de acesso á mobilidade e a inclusão social. A constituição Brasileira de 1988, ressalta este aspecto humanizador, pois destaca que ela visa inserir o indivíduo na sociedade propiciando a todos e cada um em particular, isto é sem nenhum tipo de discriminação, a formação para cidadania e para o mundo trabalho. Mas a educação não objetiva apenas socializar e informar o homem, ela também pretende mudar a própria sociedade como um todo. Em outros termos o projeto educativo visa à emancipação humana e a transformação social. Admitindo as contradições do tecido social o Estado estabelece formas não mercantis de acesso a bens culturais e políticos. De modo que a educação é projeto ético que se fundamenta na universalidade do direito, onde todos são iguais. A ética no seu sentido clássico aristotélico, como afirma Chauí, é um projeto de vida feliz que passa pelo indivíduo, mas ganha sua substância no coletivo. Mas aqui o coletivo não se esgota no grupo ou na corporação. O sentido mais pleno do democrático e do ético está no público, portanto todas as práticas que segregam grupos ou favorecem projetos meramente corporativistas ou mercantilistas. Com o advento da modernidade e do Estado direito, o Estado tomou para si a ação estruturante de constituição desse empreendimento social, político e econômico. Não obstante, as concepções pedagógicas que orientam o projeto educativo republicano têm se materializado sob várias vertentes que em cada momento histórico assumiram características específicas que se afastaram, se aproximaram ou mesmo negaram a busca emancipatória e transformadora, o que, aliás, tem posto em questão a possibilidade da educação pública em materializar o projeto da modernidade que é o de romper com as práticas oligárquicas e segregadoras da sociedade medieval.

18 Acreditamos que a reprodução de uma sociedade estamental se vincula, em muito, com a ineficácia do Estado brasileiro, de modo que a discriminação social, racial e de gênero gerada (ou mantida) pela prática social e educativa se localiza (muito mais) no âmbito da nossa incapacidade política de garantir uma escola eficaz. Uma escola eficaz é antes de tudo uma escola ética e, portanto, um espaço público de formação humana. A ética para escola é princípio organizativo, conteúdo e método. Para se educar deve-se ter ética profissional, compromisso com emancipação dos alunos enquanto sujeitos e cidadãos. Não há escola ética, portanto, que produza indivíduos sem sonhos que obtêm sub-informação para um futuro de sub emprego. Uma escola ética, vincula-se ferreamente ao público, ao serviço publico que deve ser transparente e igualizador. Ou seja, uma escola ética é uma escola laica, única e republicana, visa incluir todos no trabalho e na vida social onde o conflito social não se confunde com a violência, porque distingue diferença de desigualdade. Para isso busca produzir igualdade de modo eficaz. No Brasil, duas redes de educação chamam a atenção pelas possibilidades que representam nesse campo: a rede de ensino do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e a rede das Escolas Técnicas Federais (ETFs) e dos Centros Federais de Educação Tecnológica (CEFETs), seja pelo seu tamanho, seja pela sua presença em todo o território nacional, seja, ainda, pelo volume de investimento que requerem e pelo papel econômico-formativo que exercem. A rede de ETFs (CEFETs) é uma das mais significativas e contundentes experiências no campo do acesso ao saber em uso no trabalho industrial no Brasil, constituindo-se em setor estratégico de política educacional e econômica. A atuação dessa rede/sistema de ensino profissional tem consistido em importante locus de análises e propostas para formação de mão-de-obra para a indústria, sobretudo na atualidade, em que se agravam as resultantes do processo de globalização e de revolução tecnológica. A relevância desse sistema educativo e o seu peso no campo das políticas sociais, econômicas e tecnológicas ressaltam a importância dos estudos que o elegem como objeto de debate. Essa rede, no entanto, dada a sua longevidade, não permite a esses estudos esgotar sua complexidade só com base no contexto atual, exigindo avaliações que levem em consideração sua historicidade mais ampla.

19 Sem desprezar outras experiências positivas na educação brasileira, é justamente esse tipo de educação que tomamos para análise. Renegada pela tradição brasileira e constituída definitivamente a partir de 1942, ela nos oferece elementos significativos para destacar a importância da educação brasileira. Mas, hoje a falta de profundidade, a mutabilidade, a falta de conteúdo, a ausência de lastro e de enraizamento constitutivos da chamada modernidade contemporânea, progressivamente tem desprendido os elementos constitutivos dessas experiências educativas cujos resultados são o esgarçamento dos seus objetivos universalizantes e civilizatótios e a corrosão das conexões espaciais, temporais e epistemológicas dos seus processo de formação humana. Tudo isto está, a nosso ver, articulado com a instantaneidade do processo de lucratividade, que, sobretudo na sua vertente financeira, produz uma efemeridade e uma caducidade espantosa, instituindo um novo modelo de sociabilidade. Esse processo corrói a estrutura e a organicidade das relações sociais, trazendo o esmaecimento da historicidade e do afeto. Nessa lógica, o real e, principalmente, o vigente redundam num amontoado fragmentário, numa heterogeneidade a esmo, no aleatório sintomático da falta de correlação na cadeia de significados e de tempos presentes. Tal processo atinge em cheio as ETFs, instituições públicas em sua plenitude, que pretendemos analisar em todo seu devir histórico. Em outras palavras, o terreno sobre o qual pretendemos erguer nossas reflexões situa-se no âmbito das relações entre Trabalho e Educação que se estabelecem na chamada Formação Profissional, hoje denominada Educação Profissional. 1 Este estudo diz respeito, mais especificamente, ao processo histórico de constituição desse tipo de educação no Brasil e toma como base o Período Republicano, focalizando a experiência das escolas de aprendizes artífices das ETFs e dos atuais CEFETES. O que estamos focando é o desenvolvimento histórico do tempo socialmente necessário para a inserção produtiva, explicitado naquilo que denominamos de tempo socialmente necessário para a formação profissional. Com base no trajeto dos modelos de formação profissional e do processo histórico de industrialização, em nível nacional, tentamos delinear o contexto a partir 1 A partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB/EN) - Lei n.º 9.394/96.

20 do qual se definiram, em nível regional, o tempo socialmente necessário de produção de mercadorias e o tempo socialmente necessário de formação profissional. Este último, em particular, foi descrito, dentro dos limites da pesquisa, do pesquisável e do pesquisador, em função da análise sobre a história da antiga ETF/ES, hoje denominada CEFET/ES. Nessa direção é que empreendemos o esforço de construção deste trabalho, com o objetivo de propiciar o resgate da história da formação profissional no Brasil, numa perspectiva de média duração, que se inspira nos marcos do pensamento de Braudel (BRAUDEL, 1996), tentando cobrir todos os modelos de cursos, desde os voltados para os desvalidos da sorte, até os que focalizam a educação profissional tecnológica pós-média. A relevância (e até a viabilidade) do estudo situa-se, principalmente, na busca dos movimentos históricos de transformação dos formatos educativos com base nas mudanças qualitativas, tendo como referência alterações na composição de elementos, como idade de ingresso e saída dos educandos, grau de ensino geral relativo, ofícios ensinados, organização escolar, estrutura curricular, relação com outras modalidades e níveis de ensino. O eixo analítico desse trabalho está localizado na relação (não mecânica nem necessariamente sincrônica, mas supostamente dialética) entre o tempo socialmente necessário para a produção de valores de troca que se revelam no nível da tecnologia e dos saberes incorporados aos processos e produtos do trabalho e o tempo que se torna socialmente necessário para a formação profissional. Em outras palavras, a sociedade, nos seus vários períodos históricos, por meio de suas instâncias de poder, instituiu o ensino profissional com base nas atividades de maior grau de incorporação do progresso técnico, que, no caso, era a indústria e/ou a manufatura local, o que não se reduz à mera duração dos cursos. Esta quantificação temporal representa e expressa o terreno sobre o qual se erguem projetos formativos humanos que derivam de objetivos políticos, econômicos e éticos. Dessa forma, com base na questão do tempo socialmente necessário para a reprodução da força de trabalho no Brasil, acreditamos que seja possível discutir a experiência histórica desse ramo de ensino, pondo em debate aspectos ligados à soberania nacional e ao contrato social brasileiro.

21 (...) O Feudal não leva o tempo em conta porque conta(...), porque o seu o direito sobre (...) a terra provem de uma norma intemporal e depende do ritmo das estações. Mas o Burguês se faz, num tempo relativamente curto, o da sua vida individual útil, que por isso mesmo precisa ser aproveitado num ritmo acelerado de acumulação e produção racional. Antonio Candido CAPÍTULO I 1.BASES CONCEITUAIS: PRINCÍPIOS TEÓRICO-METODOLÓGOS Na busca de novos elementos que melhorem nossa percepção da realidade educativa envidamos esforços no sentido de estabelecer uma relação dialógica com alguns conceitos do materialismo histórico que articulados com a Ciência Política, a História, a Sociologia do Trabalho e a Economia nos permitam uma elaboração que

22 venha contribuir com os avanços da compreensão do campo Trabalho Educação no Brasil. 1.1 A História A reconstrução da história da sociedade mais ampla nos possibilita o resgate do processo de desenvolvimento das instituições educativas que depende do, mas não se esgota no, processo de acumulação, que; por sua vez, deve ser tomado como memória cultural cuja temporalidade engendra a possibilidade do debate e do registro. Essa reconstrução se inscreve no conjunto dos gestos humanos que tentamos preservar da corrosão do tempo para darmos novos sentidos aos acontecimentos. Esses sentidos, no entanto, não nos permitem transposições de determinações nem o estabelecimento de relações reducionistas nem ecléticas. Nestes termos, para a construção de uma teoria sobre uma história das práticas pedagógicas nacional (...)se faz necessário estudar os sistemas tendo por referência os processos sociais em curso e a educação no marco teórico do capitalismo mundial e do desenvolvimento do capitalismo periférico nas suas diversas formações sociais. Mas não se trata de pensar um vínculo mecânico, onde o capitalismo atuaria como uma espécie de causa eficiente. Trata-se de buscar e/ou estabelecer um vínculo dialético, tendo em vista suas múltiplas determinações que só podem ser compreendidas a partir da análise do conjunto das forças sociais, econômicas, políticas e culturais em conflito (FRANCO, 1990, p ). A história da educação inscreve-se nessa possibilidade e nesse empreendimento de preservar da corrosão do tempo os elementos significativos das ações humanas de transmissão, produção e reprodução do saber socialmente produzido e acumulado. De acordo com Franco (1990), a História, nesse sentido, é o recurso fundamental para o conhecimento, sobretudo o conhecimento de nossa realidade e de nós mesmos como educadores e como País( p. 154). Nesse sentido, é necessário superar o desprezo pela dimensão histórica, transcendendo os modismos, a falta de continuidade nas pesquisas, com o [...] fito de resgatar a relevância das informações e dos dados empíricos para o prosseguimento da reconstrução histórica. No caso específico da educação, tratase de aprofundar o debate sistemático da produção historiográfica em educação,

23 discutir as [...] questões teórico-metodológicas e fortalecer a conservação/organização das fontes acerca do ensino (NAGLE; NUNES, apud FRANCO, 1990, p ). Para tanto é importante colocar permanentemente sob questão não só o passado, o presente, o futuro, mas também a própria História, discutindo-a como método e processo, sem perder de vista que, mesmo sendo área do saber humano, se constitui também objeto do conhecimento. A História não deve ser vista como aquela que tem por objeto a narração do acontecido, da contingência, dos grandes feitos dos homens poderosos nem tampouco se reduzem a narrativas cronológicas ou lineares, histórias objetivas ou versões subjetivas do passado. São descrições, são notícias, são informações e explicações que relacionam uma coisa a outra, um momento a outro, um pensar e um agir a outro; são discursos cheios, ações em potencial que se projetam do passado para o presente e instauram formas de ser do passado no presente em direção ao futuro, pois os homens agem no presente enquanto recriam o passado (Op Cit). A História constitui-se, ao mesmo tempo, como ciência e processo da vida real dos homens. Não só a História é objeto do conhecimento como também o próprio historiador. Quando o historiador se posiciona política e teoricamente perante a História, sobretudo no que diz respeito às suas escolhas sobre o que é e o que não é um fato histórico, seus conteúdos e sua periodização, transita na relação sujeito-objeto do conhecimento e revela seus objetivos, sua posição e origem de classe. Nesse sentido, a relação temporal dos fatos históricos que constitui a periodização tem como referência o historiador como sujeito e objeto do conhecimento, no qual o pesquisador impregna elementos objetivos e subjetivos nas suas dimensões empírica, teórica, política e econômica e é por esses elementos impregnado. Nos termos de Franco (1993, p. 9), a separação, distinção e classificação dos períodos não é algo matemático, mas se configura numa escolha de caráter teórico e político. Nesse sentido, as datas-limite, tomadas em si mesmas, nada significariam caso fossem tomadas como valor absoluto e descoladas da interpretação dos eventos significativos que lhe formam o conteúdo. As datas-limite são arbitradas dentro de um conjunto de fatos, de contradições, confrontos e

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

Função Social da Escola. Celina Alves Arêas Diretora do SINPRO MINAS CONTEE e CTB

Função Social da Escola. Celina Alves Arêas Diretora do SINPRO MINAS CONTEE e CTB Função Social da Escola Celina Alves Arêas Diretora do SINPRO MINAS CONTEE e CTB Esquema de Apresentação 1. Quem é a CONTEE 1.1. Princípios e Bandeiras 2. Função Social da Escola 2.1. Constituição Federal/1988

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO "A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente reuniu-se em Estocolmo entre os dia 05 e 16 de junho de 1972

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL O Comitê de entidades brasileiras que idealizou e organizou

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ RESUMO O projeto de pesquisa em curso objetiva investigar o controle social

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

MANIFESTO CONTRÁRIO À CONSTITUIÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (OS) NA EDUCAÇÃO ESTADUAL FÓRUM GOIANO DE EJA APROVADA

MANIFESTO CONTRÁRIO À CONSTITUIÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (OS) NA EDUCAÇÃO ESTADUAL FÓRUM GOIANO DE EJA APROVADA MANIFESTO CONTRÁRIO À CONSTITUIÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (OS) NA EDUCAÇÃO ESTADUAL FÓRUM GOIANO DE EJA APROVADA O Fórum Goiano de Educação de Jovens e Adultos, constituído desde 29 de novembro de 2002,

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA Educação conceito permeado por valores e finalidades Educação e Sociedade:algumas visões no século XX Universidade de Franca Pedagogia EAD Sociologia Geral e da Educação Profa. Lucimary Bernabé Pedrosa

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Rua Prof. Paulo Francisco de Assis 82 Centro Fone e Fax (15) 3554-1290 E-mail educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP I As ações

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05 Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes Leonardo Avritzer O Professor Boaventura de Sousa Santos é autor de uma obra que tem se tornado uma das

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Formação, Exercício e Compromisso Social

Formação, Exercício e Compromisso Social Formação, Exercício e Compromisso Social Antonio Francisco de Oliveira 1 Vice-Presidente do CAU/BR Coordenador da CEP-CAU/BR A Arquitetura e Urbanismo é, sem sombra de dúvida, uma das profissões cujo exercício

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais