DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA INTENSIDADE DE ILUMINAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS CAMBORIÚ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA INTENSIDADE DE ILUMINAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS CAMBORIÚ"

Transcrição

1 IGNÓSTICO QULITTIVO INTENSIE E ILUMINÇÃO O INSTITUTO FEERL E EUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI CTRINENSE CMPUS CMBORIÚ Mateus Testoni CRVLHO (Bolsista IFC Campus Camboriú), Michele LOTTERMNN, Polyana Mayara Fonseca da CRUZ, Maria mélia PELLIZZETTI (Orientadora IFC Campus Camboriú). Introdução excelência do ensino se dá através de diversos fatores, entre eles, um que se faz imprescindível é a estrutura. Esta pode ser entendida como o espaço físico e os instrumentos que o compõe. esta forma, o Instituto Federal Catarinense Campus Camboriú fora analisado no quesito iluminação, aspecto estrutural fundamental para a execução das atividades. iluminação pode ser obtida através da medição de sua intensidade, também chamada de iluminância, que demonstra a quantidade de luz que incide sobre uma superfície, provindo tanto de fontes naturais, como artificiais, através da unidade de medida lux (lx) que corresponde a 1 lúmen por metro quadrado (lm/m²), representando a unidade de fluxo luminoso por área (KROEMER; GRNJEN, 2005). Como base fora utilizada a NBR 5413: Iluminância de interiores, da ssociação Brasileira de Normas Técnicas (BNT), que dispõe sobre os valores de iluminâncias médias, mínimas e máximas para ambientes de trabalho, assim como a metodologia para a realização da medição. O Ministério do Trabalho e Emprego possui uma norma técnica relacionada à ergonomia: a Norma Regulamentadora nº 17 (NR17). Esta dispõe que a iluminação deve ser adequada e homogênea em todo ambiente, evitar reflexos e sombras, assim como ajustar-se a atividade desenvolvida (BRHÃO et al, 2009). Para atingir os objetivos da NR17 várias particularidades devem ser consideradas, tais como: a quantidade e distribuição uniforme da iluminância; a área de trabalho e distribuição do maquinário; as janelas, venezianas e cortinas; a manutenção e limpeza dos ambientes; a necessidade de luz requisitada em cada horário, ademais, as condições climáticas (BRHÃO et al, 2009); (BRBOS FILHO, 2001); (KROEMER; GRNJEN, 2005). Todos os fatores interferem diretamente no conforto visual e na visão de quem utiliza os ambientes, sendo necessária a adequação desses à norma. atividade laboral requer iluminâncias diferenciadas para cada tipo de encargo, de maneira que atividades mais

2 minuciosas carecem de um lux mais elevado, como o uso de computadores e em laboratórios (BRHÃO et al, 2009); (BRBOS FILHO, 2001); (KROEMER; GRNJEN, 2005). Uma iluminação baixa poderá causar efeitos adversos, tanto ao procedimento realizado, resultando em possíveis erros ou acidentes, e na diminuição da produtividade dos usuários, gerando fadiga ocular e irritabilidade visual, provocando alterações de humor, dificuldade de concentração e sono (BRHÃO et al, 2009); (BRBOS FILHO, 2001); (LIM et al, 2009). O excesso de iluminância também causa adversidades, como o reflexo e desconforto visual, além de possíveis dores de cabeça. e forma geral, uma iluminação inadequada em uma instituição de ensino acaba impedindo o aproveitamento total da aula e prejudicando o rendimento escolar, paralelamente a possíveis impactos para a visão do indivíduo. Portanto, convém evitar excessos e a insuficiência de luz (BRHÃO et al, 2009); (BRBOS FILHO, 2001); (LIM et al, 2009). ssim, faz-se necessária a medição da iluminância e a comparação dos valores obtidos com a norma, tendo em vista uma possível constatação dos locais que mais carecem de iluminação, dos que excedem o necessário, assim como daqueles que se adequam à NBR 5413, sendo plausível a verificação dos porquês da luminosidade atual e a elaboração de medidas corretivas para ambientes que apresentam irregularidades. Material e Métodos Os aparelhos utilizados para a medição são chamados de luxímetros, que são dispositivos que possuem uma fotocélula que capta a intensidade de iluminação e que a reproduz em uma tela de LC através da unidade de medida lux (BRHÃO et al, 2009). Para que a análise fosse mais eficiente, a mensuração fora realizada nos períodos vespertino e noturno, sendo destacadas as situações climáticas e estruturais, como a incidência solar e as lâmpadas queimadas, respectivamente. obtenção dos dados ocorreu nos blocos de a F do IFC Campus Camboriú, compreendendo salas, laboratórios, banheiros, corredores e demais ambientes que abrigam o maior fluxo de pessoas do campus. medição fora feita com base na norma BNT NBR 5413: Iluminância de interiores, dispondo que a utilização dos luxímetros deve ocorrer com este sobre as mesas de trabalho ou, quando não houver estas, a 75 cm do piso.

3 Os resultados foram tabulados em planilhas digitais nas quais foram calculadas a média, o desvio padrão e o coeficiente de variação, uma vez que a primeira é utilizada para uma análise mais geral do diagnóstico, enquanto o segundo e o terceiro são para determinar a variância, que não deve exceder 10% dos valores entre os resultados da medição de um mesmo ambiente, como determina a norma. Simultaneamente à tabulação e aos cálculos, foram produzidas ilustrações do layout dos ambientes verificados em plataformas digitais de desenho e, posteriormente, as tabelas, a quantidade de lâmpadas e as imagens foram inseridas em um documento, juntamente aos valores descritos na norma, permitindo a realização de um comparativo com os resultados obtidos. fim de relacionar os resultados obtidos através da medição e a norma, utilizaramse na análise os valores padronizados como mínimo, médio e máximo (Tabela 1). Tabela 1 Valores padrão utilizados na análise. Pontos Lux Mínimo Médio Máximo Corredores e escadas Salas de aula Quadros Laboratórios Banheiros Sala de leitura Estantes Fichário Hall Fonte: BNT NBR 5413:1992. Resultados e discussão Na avaliação da iluminação algumas dificuldades foram encontradas, destacando-se: 1) a dificuldade em obter os resultados em determinadas salas, por estas se encontrarem ocupadas, em aula ou trancadas; 2) locomoção, devido à distância do campus das residências dos integrantes da equipe de trabalho; e 3) quanto ao tempo necessário para a execução das atividades. ssim, obtiveram-se valores de 71 salas no período diurno, mantendo-se um padrão de cortinas fechadas (quando houvesse) e lâmpadas acesas; no período noturno, por sua vez,

4 70 salas foram analisadas. baixo se pode verificar a porcentagem das salas conforme o seu enquadramento, sendo a primeira para o dia e o segundo para a noite (Figuras 1 e 2). E Q U O Figura 1 Enquadramento dos ambientes amostrados durante o dia. BIXO MÍNIMO MÉIO MÁXIMO CIM 31% 8% I 13% 34% 14% Figura 2 Enquadramento dos ambientes amostrados durante a noite. NOITE E Q U O BIXO MÍNIMO MÉIO MÁXIMO CIM 13% 4% 29% 17% 37% Percebe-se que há diferenças dos resultados coletados com os valores normatizados, com aproximadamente 50% das medições fora do adequado em ambos os períodos. No período diurno a inconformidade se dá, sobretudo, pelo acima do padronizado, e no contraturno, pelo abaixo. Tal discrepância ocorre pela incidência solar e pelas lâmpadas queimadas, fatores observados principalmente nos laboratórios da instituição, devido à idade dos prédios em que estes se encontram, contudo, é vista uma situação contrária nas salas de aula, uma vez que se localizam em prédios projetados para as atividades realizadas atualmente. variância máxima estabelecida pela NBR 5413, que denota homogeneidade do ambiente, foi ultrapassada em grande parte dos locais amostrados, pelo fato das lâmpadas

5 estarem dispostas de forma inadequada, além das luminárias que não potencializam a propagação da luz. É importante salientar que a atual situação estrutural de alguns blocos, especialmente nos mais antigos, não atende às atividades, podendo-se inferir que alguns problemas de visão, de aproveitamento, entre outros, podem ocorrer. Portanto, faz-se necessária uma avaliação contínua da iluminação, evitando o agravamento das adversidades, através de medidas corretivas. Conclusão Infere-se, assim, que o monitoramento da qualidade da iluminação é uma atividade muito relevante no âmbito institucional por permitir a elaboração de medidas corretivas, fazendo-se necessário um processo de avaliação contínua. No contexto do IFC Campus Camboriú a medição ocorreu nos locais de maior fluxo de alunos e professores, de modo a indicar as irregularidades e disparidades existentes, sobretudo em salas de aula e laboratórios, nos quais se observa que a estrutura inadequada para a realização das atividades influi na iluminação sendo preciso, em curto prazo, a troca de lâmpadas e luminárias ineficientes e, em longo prazo, a readequação dos ambientes ou a criação de novos prédios, com um planejamento específico e duradouro. Referências BRHÃO, Júlia et al. Introdução à ergonomia: da prática à teoria. São Paulo: Blücher, p. SSOCIÇÃO BRSILEIR E NORMS TÉCNICS - BNT. NBR Iluminância de interiores. Rio de Janeiro: BNT, p. BRBOS FILHO, ntonio Nunes. Segurança do trabalho & gestão ambiental. São Paulo: tlas, p. KROEMER, K. H. E; GRNJEN, E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. 5 ed. Porto legre: Bookman, p. LIM, Carlos ugusto Ferreira et al. Luminotécnica: matemática e iluminação, fatores de excelência na aprendizagem. 120 p. Monografia em Matemática - UEM. Imperatriz, 2009.

AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS

AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO DOS VÁRIOS AMBIENTES DO CAMPUS DA UNUCET - ANÁPOLIS Weslley Oliveira de Araújo¹; Maria Joselma de Moraes²; Israel Candido da Silva 2 1 Colaborador, graduando do Curso de Engenharia

Leia mais

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO Luís Agostinho Neto ¹ RESUMO: Este

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB Prof. Jean Carlo Fechine Tavares Universidade Federal da Paraíba, Campus I, Centro de Tecnologia Departamento de Arquitetura

Leia mais

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Rubya Vieira de Mello Campos 1, Hélyda Radke Prado Mitsui 2, Paulo

Leia mais

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso O projeto de sistema de iluminação de um ambiente baseia-se no conceito de iluminação natural e artificial integradas. Assim deve-se definir os parâmetros de

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de instalação, manutenção e controle do sistema de iluminação da empresa

Leia mais

AULA 06: HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

AULA 06: HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO AULA 06: Prof. Thiago Gomes ASPECTOS INICIAIS Cuidados Domésticos no dia-a-dia Motivos dos cuidados especiais no trabalho. Motivo A: Motivo B: 1 ASPECTOS INICIAIS Morte Doenças ocupacionais LER DORT ASPECTOS

Leia mais

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO De acordo com as normas da ABNT, cada ambiente requer um determinado nível de iluminância (E) ideal, estabelecido de acordo com as atividades a serem ali desenvolvidas,

Leia mais

Iluminação dos Corredores do Prédio de Engenharia Elétrica. Estudo Preliminar

Iluminação dos Corredores do Prédio de Engenharia Elétrica. Estudo Preliminar Iluminação dos Corredores do Prédio de Engenharia Elétrica Estudo Preliminar Introdução No presente estudo são apresentados os resultados obtidos na simulação de iluminação dos corredores do prédio de

Leia mais

Francisco José d Almeida Diogo

Francisco José d Almeida Diogo ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS

ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 11.05.2016 CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO NATURAL INTERIORES - NORMAS Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro Roteiro básico da arquitetura

Leia mais

Iluminação Natural. Estudo realizado para salas de aula em Tucumán. a u l a r á p i d a. Por Guillermo E. Gonzalo

Iluminação Natural. Estudo realizado para salas de aula em Tucumán. a u l a r á p i d a. Por Guillermo E. Gonzalo a u l a r á p i d a Iluminação Natural Por Guillermo E. Gonzalo Estudo realizado para salas de aula em Tucumán ESTUDOS REALIZADOS SOBRE RENDIMENTO ESCOLAR, NOS QUAIS foram analisados os resultados de 21

Leia mais

Sérgio Ferreira de Paula Silva

Sérgio Ferreira de Paula Silva Instalações Elétricas 1 Projeto de Instalações Elétricas Projetar uma instalação elétrica para qualquer tipo de prédio ou local consiste essencialmente em selecionar, dimensionar e localizar, de maneira

Leia mais

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL A LUZ NATURAL A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO 1. LUZ VISÍVEL 2. VISÃO E CONFORTO VISUAL D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES Product training program http://www.osram.com/osram_com/tools

Leia mais

ECOTUBO. Com todo o expressado anteriormente podemos falar que nosso sistema ECOTUBO produz um aumento na luminosidade média superior a 40%.

ECOTUBO. Com todo o expressado anteriormente podemos falar que nosso sistema ECOTUBO produz um aumento na luminosidade média superior a 40%. ECOTUBO Sistema economizador de energia elétrica para lâmpadas fluorescentes Função do sistema: O ECOTUBO é um sistema projetado para as luminárias com lâmpadas fluorescentes e HO, que produz uma economia

Leia mais

Diogo Ehlke Schueda GRR

Diogo Ehlke Schueda GRR Diogo Ehlke Schueda GRR 20044289 Setor de Tecnologia Coordenação de Engenharia Elétrica TE105 Projeto de Graduação Prof. Orientador: Dr. James Alexandre Baraniuk APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GEORREFERENCIAMENTO

Leia mais

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica Eletrotécnica Introdução a luminotécnica Grandezas Fundamentais em Luminotécnica Luz: É o aspecto da energia radiante que um observador humano constata pela sensação visual, determinado pelo estímulo da

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos

Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Trabalho da Disciplina de Expressão Gráfica e Projetos Elétricos Luminotécnica (Lâmpadas e Luminárias) Edcarlos Nunes Patrícia Lins Raphael Leite Thiago Santos 18/09/2011 1 Sumário Cálculo Luminotécnico:

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de

Leia mais

Medidas de Dispersão para uma Amostra. Conteúdo: AMPLITUDE VARIÂNCIA DESVIO PADRÃO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO

Medidas de Dispersão para uma Amostra. Conteúdo: AMPLITUDE VARIÂNCIA DESVIO PADRÃO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO Medidas de Dispersão para uma Amostra Conteúdo: AMPLITUDE VARIÂNCIA DESVIO PADRÃO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO Medidas de Dispersão para uma Amostra Para entender o que é dispersão, imagine que quatro alunos

Leia mais

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária 2001 2xT26 32W - 2001.232.100 / Folha de dados de luminária Emissão luminosa 1: É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. 105 90 105 90 75 75 60 60 160 45 45 320 30 15 0

Leia mais

Automação Predial e Domótica

Automação Predial e Domótica Automação Predial e Domótica Sistemas de Iluminação Fabricia Neres Sistemas de Iluminação; Roteiro da Aula 1 Sistemas de Iluminação residencial É considerado sistema de iluminação elétrica todas as luminárias

Leia mais

ESTUDO ERGONÔMICO DE INSTALAÇÕES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA

ESTUDO ERGONÔMICO DE INSTALAÇÕES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA ESTUDO ERGONÔMICO DE INSTALAÇÕES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA Saulo Gomes Moreira (UFMS ) saulo.moreira@ufms.br Nadya Kalache (UFMS ) nadyakalache@gmail.com Giovanni Grossi Crema (UFMS

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013 ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR 8995-1/2013 Prof. Marcos Fergütz fev/2016 CONCEITOS - ÁREA DA TAREFA - ENTORNO IMEDIATO Uma faixa ao redor da Área de Tarefa com pelo menos 0,5m de largura (L).

Leia mais

Ergonomia. O que é ergonomia??? Ergonomia. Ergonomia 25/05/2015

Ergonomia. O que é ergonomia??? Ergonomia. Ergonomia 25/05/2015 O que é ergonomia??? É o conjunto de estudos que visam à organização metódica do trabalho em função do fim proposto e das relações entreohomemeamáquina. 1 A ergonomia preocupa-se com os aspectos fisiológicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS Alessandro Morello (1); Christiane Krum (2); Miguel A. Sattler (3) (1) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 03 GRANDEZAS LUMINOSAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO

Leia mais

1- Baixando e instalando o LUMICALC

1- Baixando e instalando o LUMICALC 1- Baixando e instalando o LUMICALC 2.0.62 - Acesse o site entre na guia LUMICALC e clique no link para iniciar o download. - Uma pasta em formato compactado será salva em seu computador para iniciar a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

A Importância da Ergonomia nas Relações de Trabalho

A Importância da Ergonomia nas Relações de Trabalho A Importância da Ergonomia nas Relações de Trabalho Jaques Sherique Eng. Mecânico e de Segurança do Trabalho 2º vice-presidente do CREA-RJ Secretário da SOBES Presidente da ABPA-SP sherique@gbl.com.br

Leia mais

Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias

Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias 1 1. CÁLCULO DE ILUMINAMENTO Segundo Mamede Filho (2002), existe três métodos para se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento que são: métodos dos lumens; métodos

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO Autores: Vinícius dos Santos FERNANDES, Vanderlei FREITAS JUNIOR. Identificação autores: Aluno e

Leia mais

ERGONOMIA ESPAÇO INTERPESSOAL PROXÊMICA LAY OUT SETORIZAÇÃO FLUXOS. Professora Arabella Galvão

ERGONOMIA ESPAÇO INTERPESSOAL PROXÊMICA LAY OUT SETORIZAÇÃO FLUXOS. Professora Arabella Galvão ERGONOMIA ESPAÇO INTERPESSOAL PROXÊMICA LAY OUT SETORIZAÇÃO FLUXOS Professora Arabella Galvão ESPAÇO INTERPESSOAL Estudos psicofísicos mostram que tanto a distância excessiva quanto a proximidade excessiva

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Programa Nº 03/2016 Sumário 1. Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 USO RACIONAL DA ENERGIA Identificar onde, na edificação, ocorrem os maiores gastos. Geralmente consegue-se reduzir o gasto energético reduzindo

Leia mais

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática das Correntes de Fluxo de Ar no Efeito Chaminé

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática das Correntes de Fluxo de Ar no Efeito Chaminé 1 RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE TRABALHO Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura - ProPPEC Departamento de Pesquisa Programa de Bolsas do Artigo 170 1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO LUMÍNICO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP (805)

AVALIAÇÃO DO CONFORTO LUMÍNICO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP (805) AVALIAÇÃO DO CONFORTO LUMÍNICO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP (805) Victor Martins de Aguiar 1 ; Carolina Lotufo Bueno Bartholomei 2 (1) Graduando em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade

Leia mais

Elementos ópticos. 1 - Conceitos relacionados. Reflexão e refração da luz, imagem real, imagem virtual, distância focal.

Elementos ópticos. 1 - Conceitos relacionados. Reflexão e refração da luz, imagem real, imagem virtual, distância focal. 1 - Conceitos relacionados Reflexão e refração da luz, imagem real, imagem virtual, distância focal. 2 - Objetivos Determinar a distância focal, o centro de curvatura e verificar a formação de imagens

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES 2015/1

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES 2015/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES 2015/1 Em resposta ao Of. Circular Nº 170/2014, da Secretaria de

Leia mais

oferece ao mercado soluções tecnológicas diferenciadas, através de projetos personalizados que procuram atender as necessidades específicas de cada

oferece ao mercado soluções tecnológicas diferenciadas, através de projetos personalizados que procuram atender as necessidades específicas de cada A oferece ao mercado soluções tecnológicas diferenciadas, através de projetos personalizados que procuram atender as necessidades específicas de cada cliente. Através de cálculo preciso em softwares luminotécnicos

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA REVISÃO DE CONCEITOS LÂMPADAS

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA REVISÃO DE CONCEITOS LÂMPADAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA REVISÃO DE CONCEITOS LÂMPADAS Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de 2014 ALGUNS

Leia mais

Escritório Bom de Ficar

Escritório Bom de Ficar c a s e Fotos: Pedro Rubens Escritório Bom de Ficar Da Redação Um Projeto Premiado O ESPAÇO DE TRABALHO SOFREU mudanças em diferentes aspectos ao longo da história, mas conforme o computador foi se tornando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA COORDENADORIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA COORDENADORIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PLANO DE ENSINO Semestre 2011.2 Nome da disciplina ODT 7004 Ergonomia Aplicada à Odontologia. Professores da disciplina Profa. Dayane Machado Ribeiro, Dra. Equivalências STM 5142 UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis CÂMPUS DIANÓPOLIS UNITINS SUDESTE A avaliação interna da Unitins destacou como principais problemas identificados pelos discentes, docentes e técnicos administrativos, nas instalações físicas da universidade:

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO.

PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. PRINCIPAIS ETAPAS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO LUMINOTÉCNICO. 1. Levantamento de Informações 1.1.Projeto de arquitetura A escolha do projeto residencial 1.2. Lay out ocupação e uso do espaço Informações

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III ANEXO III RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS O mobiliário deve estar de acordo com as informações contidas nas determinações da Norma Regulamentadora 17, que estabelece: 17.4.2. Nas atividades que envolvam leitura

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00)

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) 2 Objetivo O painel para análise de circuitos resistivos CC tem por objetivo auxiliar os estudantes do Ensino Médio e do Ensino Superior que

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO DUPLO VENEZIANAS LUXVENT SISTEMA DE VENTILAÇÃO NATURAL EXHAUST SISTEMA SKYLUX ESTRUTURADO SISTEMA INTRALUX A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE ENGENHARIA

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS BLUMENAU ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 2155240 Blumenau, 10 de Fevereiro de 2015.

Leia mais

Lentes e Telescópios

Lentes e Telescópios Lentes e Telescópios Profª. Maria de Fátima Saraiva 1 Objetivos: Determinar a distância focal de uma lente Mostrar que as imagens formadas por lentes são invertidas Verificar como o tamanho da imagem se

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA ANEXO 01 REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA LUMINOTÉCNICO ANEXO 01 Responsabilidade e compromisso com o meio Ambiente SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO E OBJETIVO... 4 2. NORMALIZAÇÃO... 4 3. COMENTÁRIOS LUMINOTÉCNICOS:...

Leia mais

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para CAPÍTULO 5 RESULTADOS São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para as imagens coletadas no verão II, período iniciado em 18/01 e finalizado em 01/03 de 1999,

Leia mais

Plano de Reforma da Biblioteca IME/USP. Prof. Dr. Clodoaldo Ragazzo Fev/2017

Plano de Reforma da Biblioteca IME/USP. Prof. Dr. Clodoaldo Ragazzo Fev/2017 Plano de Reforma da Biblioteca IME/USP Prof. Dr. Clodoaldo Ragazzo Fev/2017 Programa de Necessidades Novo layout para o salão de leitura, que contemple estações de trabalho e pontos de tomada para laptop,

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO

ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO Roteiro adaptado de modelo proposto pela CIE (Commission Internationale de l Éclairage) para avaliação da iluminação em ambientes existentes. Embora elaborado para

Leia mais

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos.

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos. Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. Palestra Acústica Arquitetônica OFFICE

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação.

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. Das normas NR 10 são citadas abaixo as normas voltadas para a iluminação: 10.2.3.3. Os postos

Leia mais

Avaliação do Desempenho Sistêmico da FACENE Alunos

Avaliação do Desempenho Sistêmico da FACENE Alunos Avaliação do Desempenho Sistêmico da FACENE 2008.2 Alunos Foram analisadas as respostas, a um questionário estruturado, dos alunos do P1 ao P7 da FACENE, no período letivo de 2008.2, perfazendo um total

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO EM BAIXA TENSÃO OBRA: ANEXO 01. Eng. Eletrecista Sandro Waltrich. Av. Osmar Cunha, Ceisa Center, Sala 210 A

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO EM BAIXA TENSÃO OBRA: ANEXO 01. Eng. Eletrecista Sandro Waltrich. Av. Osmar Cunha, Ceisa Center, Sala 210 A MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO EM BAIXA TENSÃO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng. Eletrecista

Leia mais

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO Prof. Eng. Antonio Gebara José CONCEITO DE CONFORTO (reposta fisiológica a estímulos ambientais) Luz = LUX Ruído = db(a) Temperatura = o C Umidade Relativa

Leia mais

Organização Ergonômica do Layout

Organização Ergonômica do Layout Organização Ergonômica do Layout Objetivo da elaboração do Layout A organização do Layout é o resultado final de um estudo sistemático que procura uma combinação ótima de todas as instalações, materiais

Leia mais

A R Q U I T E T U R A

A R Q U I T E T U R A 40 L U M E A R Q U I T E T U R A c a s e Na sala de reuniões, LEDs destacam a textura do revestimento das paredes. Mesma tecnologia é utilizada nas circulações. Fotos: Guinter Parschalk Edifício corporativo

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA TELESC : RETROFIT DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SIMULAÇÃO

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA TELESC : RETROFIT DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SIMULAÇÃO AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA TELESC : RETROFIT DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SIMULAÇÃO GRASSO R., Pilar A.(1); GHISI, E. (2); LAMBERTS, Roberto (2) (1) Eng a Civil, Mestrandra em Engenharia, Pesquisadora

Leia mais

Verificação das Leis da Reflexão

Verificação das Leis da Reflexão Actividade Laboratorial Física 8º ano Tempo necessário para a execução do trabalho- 2 horas Conhecimentos necessários: saber utilizar o transferidor Verificação das Leis da Reflexão Um pouco de teoria

Leia mais

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED Sumário 1 OBJETIVO 2 2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3 DEFINIÇÃO 3 4 REQUISITOS ESPECÍFICOS 5 5 DOCUMENTAÇÃO 9 6 GARANTIA 11 Superintendência de Engenharia de Sinalização - SSI Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core

Ambiente: RETAGUARDA - 1P Dimensões: Comprimento: 3,90 m Largura: 7,70 m Pé direito: 2,60 m Plano de trabalho: 0,75 m Altura de suspensão: 0,00 m Core Empresa: BRB - Banco de Brasília-DF Obra: BRB - Banco de Brasília-DF Dados adicionais: REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Autor: HUDSON ALESSE Data: 21/04/2012 Revisão:

Leia mais

Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP

Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP Laudo Técnico Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho realiza-se em cumprimento ao requisito determinado

Leia mais

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico)

Prof. Bruno Fernandes. Layout (Arranjo Físico) Layout (Arranjo Físico) O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido pelos indivíduos dentro da empresa; Importa mais o fluxo do trabalho e pessoas que o aspecto visual e de conforto;

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Fortaleza. Primeira na implantação da Gestão Completa de iluminação urbana. i l u m i n a ç ã o u r b a n a. Da Redação

Fortaleza. Primeira na implantação da Gestão Completa de iluminação urbana. i l u m i n a ç ã o u r b a n a. Da Redação i l u m i n a ç ã o u r b a n a Fotos: Divulgação Citéluz Praia de Iracema Fortaleza Da Redação Primeira na implantação da Gestão Completa de iluminação urbana A CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA JÁ DEFINIU, EM

Leia mais

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015 Projetos e Soluções Iluminação Pública Novembro 2015 O que é um LED? Basicamente, os LEDs (diodos emissores de luz) são componentes semicondutores, mesma tecnologia utilizada nos chips dos computadores,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO ADMINSTRATIVO, PRÉDIO DE SOCIABILIDADE, PRÉDIO DE LABORATÓRIOS E SALAS DE AULA E PRÉDIO DA PORTARIA DO CAMPUS

Leia mais

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Esses equipamentos são destinados a eliminar ou minimizar os danos causados por acidentes nos olhos

Leia mais

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO

MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO MÉTODOS DE CÁLCULO DE ILUMINAÇÃO Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para produzir determinado iluminamento, das seguintes maneiras: 1ª Pela carga mínima exigida por normas; 2ª Pelo método

Leia mais

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015.

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015. CASA NO DERBY Local Recife - PE Ano 2007-08 Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A Casa no Derby é uma residência unifamiliar de uso

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO NO PERÍODO DE RECESSO 27/06/2016 A 08/07/2016

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO NO PERÍODO DE RECESSO 27/06/2016 A 08/07/2016 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO NO PERÍODO DE RECESSO 27/06/2016 A 08/07/2016 DATA SERVIÇO LOCAL 27/06 Readequação da entrada de pessoas Biblioteca (MM) 27/06 Mudança de layout de instalação elétrica

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1 Experimento 2 A emissão da luz por diferentes fontes Objetivo: Construir um modelo para a emissão de luz por uma fonte não puntiforme. Material utilizado! caixa escura! máscaras! fonte de luz 1 com lâmpadas

Leia mais

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Lâmpadas para Iluminação Pública e para Grandes

Leia mais

Descubra. A lente PSA PRIME proporciona uma experiência visual totalmente personalizada. Progressão de design digital com Smooth Optics

Descubra. A lente PSA PRIME proporciona uma experiência visual totalmente personalizada. Progressão de design digital com Smooth Optics A lente PSA PRIME proporciona uma experiência visual totalmente personalizada. Descubra Especialmente concebida para presbitas que procuram a mais recente tecnologia e apreciam soluções personalizadas,

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO ERGONÔMICO DA POSTURA SENTADA EM COLABORADORAS DE UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO.

TÍTULO: ESTUDO ERGONÔMICO DA POSTURA SENTADA EM COLABORADORAS DE UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO. TÍTULO: ESTUDO ERGONÔMICO DA POSTURA SENTADA EM COLABORADORAS DE UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM LÂMPADAS INCANDESCENTES, FLUORESCENTES E LED 1 1

ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM LÂMPADAS INCANDESCENTES, FLUORESCENTES E LED 1 1 ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM LÂMPADAS INCANDESCENTES, FLUORESCENTES E LED 1 1 Emanuel Cristiano Dallabrida 2, Claudia Maria Gonçalves 3, Tenile Rieger Piovesan 4. 1 Pesquisa desenvolvida

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação Projeto de Iluminação Luz e o tempo A luz como energia, arquitetura como algo ligado a energia. A luz artificial como herdeira do fogo, em torno do qual nossos ancestrais se reuniam. Luzes e sombras mutantes

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA ATENDER OS CURSOS

INFRAESTRUTURA PARA ATENDER OS CURSOS INFRAESTRUTURA PARA ATENDER OS CURSOS CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS CPD No térreo do prédio principal funciona o setor de Processamento de dados, local onde está localizado o servidor na sala com 17,20

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 9º ANO 3 BIM

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 9º ANO 3 BIM ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 9º ANO 3 BIM Nome: Nº 9º ano EF Data: / /2016 Professores: Gladstone / Samuel 3º Bimestre A - Introdução Leia, atentamente, este roteiro, pois ele resgata conteúdos essenciais

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ILUMINAÇÃO LED EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE CACOAL-RONDÔNIA.

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ILUMINAÇÃO LED EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE CACOAL-RONDÔNIA. ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ILUMINAÇÃO LED EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE CACOAL-RONDÔNIA. Área temática: Gestão Ambiental e Sustentabilidade Sergio

Leia mais

Formulário de Coleta de Dados Estrutura Física e Gestão Empresarial

Formulário de Coleta de Dados Estrutura Física e Gestão Empresarial 8,0-10 6,0-7,9 3,0-5,9 0-2,9 Formulário de Coleta de Dados Estrutura Física e Gestão Empresarial EMPRESA: DATA: / / 2. Estrutura física * Para itens que não se, NÃO colocar nota, deixar em branco. 2.1

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica

Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica Lâmpadas e Comandos Iluminação - Grandezas de Luminotécnica; - Iluminação Incandecente; - Iluminação fluorescente; - Lâmpadas de descarga de alta pressão; - Interruptores. Conceitos básicos de luminotécnica

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Ergonomia Código da Disciplina: EPD 006 Curso: Engenharia de Produção Faculdade responsável: Engenharia

Leia mais

LuxSIMON10. Software para estudo luminotécnico

LuxSIMON10. Software para estudo luminotécnico LuxSIMON10 Software para estudo luminotécnico ÍNDICE CONFIGURAÇÃO DE HARDWARE: Instalação do software... 03 ATUALIZAÇÃO DO BANCO DE DADOS... 03 BARRAS DE FERRAMENTAS: Projeto...04 Ambiente... 04 ESTUDO

Leia mais

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local.

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1. Introdução 1.1. - Conceitos REDES LOCAIS Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1 1.2. Tipos de Aplicações As Redes Locais têm em geral

Leia mais

Métodos Tempos e Movimentos

Métodos Tempos e Movimentos Métodos Tempos e Movimentos O homem é a medida de todas as coisas Protágoras de Abdera (Abdera, 480 a.c. - Sicília, 420 a.c.) Assim como Sócrates, Protágoras foi acusado de ateísmo, tendo seus livros queimados

Leia mais

Técnicas de Manutenção Eletrônica

Técnicas de Manutenção Eletrônica Técnicas de Manutenção Eletrônica AI32E e ET231 Prof. Dr. Hugo Valadares Siqueira Ementa Parte I Aprendizagem do uso de instrumentos de medição. - Testes em componentes eletrônicos. - Equipamentos eletrônicos

Leia mais

Fonte: KAWAKAMI (2009)

Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) 4 LEED s no Brasil

Leia mais

VOCÊ SABE SE O TELHADO DA SUA EMPRESA É TÃO SEGURO AO ACESSO QUANTO DEVERIA SER?

VOCÊ SABE SE O TELHADO DA SUA EMPRESA É TÃO SEGURO AO ACESSO QUANTO DEVERIA SER? VOCÊ SABE SE O TELHADO DA SUA EMPRESA É TÃO SEGURO AO ACESSO QUANTO DEVERIA SER? Usualmente, no dia-a-dia das empresas é necessário realizar alguma atividade que envolva acessar o telhado. E VOCÊ SABE

Leia mais

Exercícios ÓPTICA GEOMÉTRICA -1.

Exercícios ÓPTICA GEOMÉTRICA -1. Exercícios ÓPTICA GEOMÉTRICA -1. 1.Sobre os conceitos fundamentais da Óptica, é correto afirmar que a) quanto mais afastado está um objeto de uma câmara escura menor é a sua imagem dentro da mesma. b)

Leia mais