Iluminação natural em salas de aula da FAU UFRJ Um estudo preliminar com apoio dos softwares Ecotect e DAYSIM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Iluminação natural em salas de aula da FAU UFRJ Um estudo preliminar com apoio dos softwares Ecotect e DAYSIM"

Transcrição

1 Iluminação natural em salas de aula da FAU UFRJ Um estudo preliminar com apoio dos softwares Ecotect e DAYSIM Professores Maria Maia Porto Maria Julia Santos Ingrid Fonseca Patrizia Di Trapano Legenda da Foto Alunos de Iniciação Científica Bernardo Maia Manuella Lobo Maria de Miranda Daniela Monteiro Raissa Vieira Stephenson Magalhães Valter Santos

2 Objetivos 1. Avaliar a iluminação natural de salas de aula da FAU UFRJ com apoio de instrumentos com potenciais distintos: observação e entrevista; medição; simulação de níveis de iluminação. aspectos qualitativos quantificação por medição e simulação 2. Avaliar possibilidades de aplicação dos programas ECOTECT E DAYSIM no exercício acadêmico.

3 O projeto original do prédio da FAU UFRJ soluções motivadas pela orientação FACHADA OROESTE: Aulas teóricas pela manhã FACHADA SUDESTE : Aulas práticas à tarde Fonte: Catálogo de Obras - Jorge Machado Moreira

4 O uso atual do 5º pavimento - a sala 504 e o atelier 511 Ateliês Aulas teóricas Departamentos Pós-graduação Sala 504 Sala 511 Planta atual do 5º pavimento Fonte: Projeto FAU

5 A fachada noroeste exposição significativa à luz do sol, se desprotegida

6 A sala 504 e a atenuação da luz pelas árvores O sombreamento pelas copas das árvores

7 Medições de níveis de Iluminação sala 504 e 511 Sob céu parcialmente encoberto e com céu aberto, em dias distintos; Com base numa malha de 16 pontos, segundo a BR (Iluminação natural Parte 4: Verificação experimental das condições de iluminação interna de edificações Método de medição), no plano de altura das carteiras (0,75m); Foram utilizados luxímetros da marca Phywe CE.

8 A sala 504 sob céu parcialmente encoberto dia 26/10/12, de 12:30h às 13:00h Concentração de luz difusa Luz artificial do corredor

9 Mediçãodasala504 níveisde Iluminação céu parcialmente encoberto dia 26/10/12, de 12:30h às 13:00h Concentração de luz difusa 5010 lux Valores < 300lux (BR 5413) necessidade de complementação com iluminação artificial malha com 16 pontos (BR )

10 A sala 504 sob céu aberto Dia 12/04/13 de 12:30h às 13,00h mancha solar

11 Mediçãodasala504 níveisde Iluminação céu claro Dia12/04/2013 de 12:00 às13:00 h Valores > lux mancha solar ofuscamento Valores < 300 lux (antiga BR 5413) necessidade de complementação com iluminação artificial

12 A fachada sudeste exposição à luz do sol da manhã

13 A sala 511: varandas e opacidade das janelas altas Varanda, pintura nas janelas e cortinas barreiras à captação de luz

14 A sala 511 sob céu parcialmente encoberto Dia 25/06/13, 13:30h às 14:00h Exclusividade da luz difusa

15 Mediçãodasala511 níveisde Iluminação céu parcialmente encoberto Dia 25/06/2013, de 13:30h às 14:00h Valores < 300lux (BR 5413) necessidade de complementação com iluminação artificial malha com 16 pontos (BR )

16 A sala 511 sob céu aberto Dia 10/05/13, 13:00h às 13:30h

17 Mediçãodasala511 níveisde Iluminação céu aberto Dia 10/05/13, de 13:00h às 13:30h Valores < 300lux (antiga BR 5413) necessidade de complementação com iluminação artificial malha com 16 pontos (BR )

18 Sobre a contribuição das medições manuais e pontuais -ilustrações numéricas: apóiam e reforçam a observação subjetiva e o conhecimento do fenômeno; -envolvimento com a realidade: o pesquisador e a ambiência em sua grandeza e complexidade, intermediados pelo instrumento de medição; - parâmetros representativos:referenciais de condições como implantação e orientação, época do ano (geometria solar) e do tipo de céu (nebulosidade);

19 Simulações com os softwares ECOTECT e DAYSIM ECOTECT DAYSIM Tipode céu Encoberto Design Sky Aberto, parcialmente encoberto e encoberto Arquivos EPW Formatodos resultados Afinidade com modelagem Fator de luz do dia e níveisde iluminação (lux) Autocad Revit percentualde tempo (1ano) para UDIs Sketch up

20 Simulação da sala 504 com EcotectAnalysis( sem árvores ) Fator de Luz do Dia (%) exclusão da luz do sol Condição de luminosidade disponível mínima

21 Simulação da sala 504 com Ecotect Analysis íveis de iluminação (lux) = FLD x IluminânciaCéu encoberto RJ (9306 lux Traegenza)

22 Simulação da sala 511 com Ecotect Analysis Fator de Luz do Dia (%) exclusão da luz do sol

23 Simulação da sala 511 com Ecotect Analysis íveis de iluminação (lux) = FLD x IluminânciaCéu encoberto RJ (9306 lux Traegenza)

24 Uma condição para comparação da arquitetura em climas frios Sala 504 Sala 511

25 Simulação com DAYSIM Iluminância Útil de Luz atural (UDI) O parâmetro Useful Daylight Illuminance (UDI) foi criado por abil e Mardaljevic (2005) para designar uma faixa de iluminância entre 100 e lux considerada como úteis para os ocupantes.

26 UDI SALA 504 UDI SALA 511 Porcentagem de horas ocupadas ( 6h às 17 hs) por ano. iluminânciano plano de trabalho (h = 75 cm)

27 UDI < 100 SALA 504 UDI < 100 SALA 511 Porcentagem de horas ocupadas ( 6hs às 17 hs) por ano. iluminânciano plano de trabalho (h = 75 cm)

28 UDI > 2000 SALA 504 UDI > 2000 SALA 511 Porcentagem de horas ocupadas ( 6hs às 17 hs) por ano. iluminânciano plano de trabalho (h = 75 cm)

29 Autonomia de Luz atural (DA) O Daylight Autonomy, ou Autonomia de Luz natural, é um indicador que quantifica a porcentagem das horas ocupadas por ano nas quais o nível de iluminância requerido - neste caso, 300 lux pode ser mantido apenas pela iluminação natural (REIHART; MORRISO, 2003).

30 DA SALA 504 DA SALA 511 Porcentagem de horas ocupadas ( 6hs às 17 hs) por ano. iluminânciano plano de trabalho (h = 75 cm)

31 As entrevistas um rico universo complementar Destaque para: -O objetivo de cada pergunta; - A interpretação e percepção do entrevistado; - A interpretação das respostas dadas.

32 Discussão dos resultados Próximos passos

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Rubya Vieira de Mello Campos 1, Hélyda Radke Prado Mitsui 2, Paulo

Leia mais

SIMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL NO AMBIENTE CONSTRUÍDO SOB CONDIÇÕES DE CÉUS PARCIALMENTE NUBLADOS

SIMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL NO AMBIENTE CONSTRUÍDO SOB CONDIÇÕES DE CÉUS PARCIALMENTE NUBLADOS SIMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL NO AMBIENTE CONSTRUÍDO SOB CONDIÇÕES DE CÉUS PARCIALMENTE NUBLADOS BITTENCOURT, Leonardo S. (1); FERREIRA, Dilson B. (2) (1) Arquiteto, Doutor em Energia e Meio Ambiente-

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS Alessandro Morello (1); Christiane Krum (2); Miguel A. Sattler (3) (1) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO DE ANÁLISE DE RESULTADOS DE SIMULACAO DE ILUMINACAO NATURAL

OPERACIONALIZAÇÃO DE ANÁLISE DE RESULTADOS DE SIMULACAO DE ILUMINACAO NATURAL OPERACIONALIZAÇÃO DE ANÁLISE DE RESULTADOS DE SIMULACAO DE ILUMINACAO NATURAL Juliana Carvalho (1); Juliana de Sá (2); Clodoaldo Castro (3); Viviane Hazboun (4); Aldomar Pedrini (5) (1) Mestranda, Arquiteta

Leia mais

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA

CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO CARTA SOLAR LUZ E SOMBRA Aplicação da Carta Solar para Sombreamento Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre

Leia mais

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II o novo centro de pesquisas da Petrobras Rio de Janeiro LABAUT Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO. Catharina Macedo

ILUMINAÇÃO NATURAL PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO. Catharina Macedo PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO Catharina Macedo catharina.macedo@gmail.com PRÁTICAS DE SUCESSO E O CASO DO CENTRO DE INFORMAÇÕES DO CERRADO 1. BREVE HISTÓRICO 2. VANTAGENS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ILUMINAÇÃO EM SALAS DE AULA DO CAMPUS PELOTAS VISCONDE DA GRAÇA

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ILUMINAÇÃO EM SALAS DE AULA DO CAMPUS PELOTAS VISCONDE DA GRAÇA AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ILUMINAÇÃO EM SALAS DE AULA DO CAMPUS PELOTAS VISCONDE DA GRAÇA RITTER, Viviane Mülech¹; PEGLOW, Jaqueline da Silva²; CORRÊA, Celina Maria Britto³ ¹Mestranda do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 03 GRANDEZAS LUMINOSAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO

Leia mais

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL A LUZ NATURAL A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO 1. LUZ VISÍVEL 2. VISÃO E CONFORTO VISUAL D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES Product training program http://www.osram.com/osram_com/tools

Leia mais

FORMULÁRIO 2 : MATRIZ CURRICULAR CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA ATIVIDADES ACADÊMICAS INTEGRANTES DO CURSO

FORMULÁRIO 2 : MATRIZ CURRICULAR CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA ATIVIDADES ACADÊMICAS INTEGRANTES DO CURSO 1º 2º 3º 4º 5º DCC003 ALGORITMOS E ESTRUTURA DE DADOS I M DIS 4 60 60 0 OB OB OB OB OB OB EEE001 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA ELÉTRICA M DIS 1 15 15 0 OB OB OB OB OB OB EEEnn1 INTRODUÇÃO AO PROJETO DE ENGENHARIA

Leia mais

AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: CONFORTO TÉRMICO E ILUMINAÇÃO NATURAL

AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: CONFORTO TÉRMICO E ILUMINAÇÃO NATURAL AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: Professora Roberta Kronka Mulfarth Professora Joana Carla Soares Goncalves Arq. Johnny Klemke (Mestrando da FAUUSP) 1. COLOCAÇÃO DO PROBLEMA

Leia mais

Iluminação Artificial de uma Biblioteca. Ricardo Jorge de Loureiro Silva

Iluminação Artificial de uma Biblioteca. Ricardo Jorge de Loureiro Silva Iluminação Artificial de uma Biblioteca Ricardo Jorge de Loureiro Silva Pretende-se colocar iluminação artificial numa biblioteca com a seguinte planta. Como se pode ver, existem 5 zonas distintas: Estantes

Leia mais

FIGURAS Aula 1. André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC

FIGURAS Aula 1. André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC FIGURAS Aula 1 André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC Objetivos Discutir alguns aspectos do ensino da matemática. Apresentar elementos teóricos sobre figuras. Sugerir atividades práticas.

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

Impacto da escolha do vidro em aberturas associado ao dispositivo prateleira de luz para o conforto visual em ambientes de escritório

Impacto da escolha do vidro em aberturas associado ao dispositivo prateleira de luz para o conforto visual em ambientes de escritório Congresso Luso-Brasileiro de Materiais de Construção Sustentáveis 5, 6 e 7 de Março de 2014 Guimarães, Portugal Impacto da escolha do vidro em aberturas associado ao dispositivo prateleira de luz para

Leia mais

SIMULAÇÃO DE ILUMINAÇÃO NATURAL EM CIDADES BRASILEIRAS: A INFLUÊNCIA DA PROFUNDIDADE DOS AMBIENTES RESIDENCIAIS

SIMULAÇÃO DE ILUMINAÇÃO NATURAL EM CIDADES BRASILEIRAS: A INFLUÊNCIA DA PROFUNDIDADE DOS AMBIENTES RESIDENCIAIS SIMULAÇÃO DE ILUMINAÇÃO NATURAL EM CIDADES BRASILEIRAS: A INFLUÊNCIA DA PROFUNDIDADE DOS AMBIENTES RESIDENCIAIS Cláudia Naves David Amorim (1); Milena Sampaio Cintra (2); Larissa Olivier Sudbrack(3)Gabriela

Leia mais

Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação

Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação Currículo 6 Aprovado pelo CDI em 30/05/16 - Carga Horária - Carga Horária Núcleo Básico 1.280h Carga Horária Núcleo Profissionalizante

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB Prof. Jean Carlo Fechine Tavares Universidade Federal da Paraíba, Campus I, Centro de Tecnologia Departamento de Arquitetura

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO

PROGRAMA DE AUTOCONTROLE PLANO DE CONTROLE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de instalação, manutenção e controle do sistema de iluminação da empresa

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R Método de Simulação Edifícios residenciais Roberto Lamberts, PhD Veridiana A. Scalco, Dra Gabriel Iwamoto Rogério Versage, MSc Apoio: Márcio Sorgato, Carolina Carvalho e Mariana G. Bottamedi Rio de Janeiro,

Leia mais

O potencial da luz natural na economia de energia elétrica para a iluminação artificial

O potencial da luz natural na economia de energia elétrica para a iluminação artificial O potencial da luz natural na economia de energia elétrica para a iluminação artificial Evelise Leite Didoné 1, Fernando Oscar Ruttkay Pereira 2 1 Mestre, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 USO RACIONAL DA ENERGIA Identificar onde, na edificação, ocorrem os maiores gastos. Geralmente consegue-se reduzir o gasto energético reduzindo

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes: Em todo e qualquer projeto arquitetônico,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO GUILHERME NÓBREGA DE CASTRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO GUILHERME NÓBREGA DE CASTRO 129 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO GUILHERME NÓBREGA DE CASTRO COMPONENTES DE CONDUÇÃO DA LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS MULTIFAMILIARES

Leia mais

(JANELAS) NO CONTEXTO DO DISTRITO FEDERAL

(JANELAS) NO CONTEXTO DO DISTRITO FEDERAL Universidade de Brasília Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Programa de Pesquisa e Pós-Graduação ILUMINAÇÃO NATURAL EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS: DIMENSIONAMENTO DE ABERTURAS LATERAIS (JANELAS) NO CONTEXTO

Leia mais

Associação Educacional de Vitória, Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Vitória (ES), Brasil

Associação Educacional de Vitória, Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Vitória (ES), Brasil Ana Paula Machado de Castro Associação Educacional de Vitória, Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Vitória (ES), Brasil anapaulacastro.arquiteta@gmail.com Érica Coelho Pagel Associação Educacional

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE CONFECÇÃO DE MODELOS FÍSICOS PARA PREDIÇÃO E AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE CONFECÇÃO DE MODELOS FÍSICOS PARA PREDIÇÃO E AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE CONFECÇÃO DE MODELOS FÍSICOS PARA PREDIÇÃO E AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL Eunice B. Rocha (1); Cynthia M. L. Santos (2); Teresa M. F. da Costa (2);

Leia mais

- 39,18m² privativos - 38,44m² privativos. - 39,48m² privativos - 40,56m² privativos. - 39,34m² privativos - 40,03m² privativos

- 39,18m² privativos - 38,44m² privativos. - 39,48m² privativos - 40,56m² privativos. - 39,34m² privativos - 40,03m² privativos CADERNO TÉCNICO DE LANÇAMENTO 29/11/2010 PADRONIZAÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DE PRODUTO FINAL 1 e 14 FINAL 6, 7, 10 e 11-39,18m² privativos - 38,44m² privativos FINAL 2 FINAL 8 e 9-39,48m² privativos - 40,56m²

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PARA ASSUNTOS EDUCACIONAIS PLANO DE ENSINO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PARA ASSUNTOS EDUCACIONAIS PLANO DE ENSINO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PARA ASSUNTOS EDUCACIONAIS DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA Código: UR2024 Semestre letivo e ano em que será ministrada: 2º/2012 I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade

Leia mais

APROVEITAMENTO DA LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS

APROVEITAMENTO DA LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS APROVEITAMENTO DA LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS Erika Ciconelli De Figueiredo 1, Maria Augusta Justi Pisani 2 Abstract Glazed façades are common to office buildings around the world. The use

Leia mais

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL. Professora: Eliete de Pinho Araujo e alunas: Ana Paula, Carla, Carol Maurício, Karoline e Sandra (Uniceub, 2004).

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL. Professora: Eliete de Pinho Araujo e alunas: Ana Paula, Carla, Carol Maurício, Karoline e Sandra (Uniceub, 2004). ARQUITETURA SUSTENTÁVEL Professora: Eliete de Pinho Araujo e alunas: Ana Paula, Carla, Carol Maurício, Karoline e Sandra (Uniceub, 2004). É uma forma de promover a busca pela igualdade social, valorização

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQS) Como posso entrar com dados geométricos da edificação?

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQS) Como posso entrar com dados geométricos da edificação? PERGUNTAS FREQUENTES (FAQS) Data de Revisão: 8/3/2013 Como posso entrar com dados geométricos da edificação? O Domus possui atualmente duas interfaces gráficas para entrada de dados geométricos. A segunda

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

COMPONENTES DE CONTROLE DE LUZ NATURAL EM SALAS DE AULA E SEU DESEMPENHO CONFORME A ORIENTAÇÃO SOLAR DO EDIFÍCIO

COMPONENTES DE CONTROLE DE LUZ NATURAL EM SALAS DE AULA E SEU DESEMPENHO CONFORME A ORIENTAÇÃO SOLAR DO EDIFÍCIO X ENCONTRO NACIONAL e VI ENCONTRO LATINO AMERICANO de C O N F O R T O N O A M B I E N T E C O N S T R U Í D O Natal, 16 a 18 de setembro de 2009 COMPONENTES DE CONTROLE DE LUZ NATURAL EM SALAS DE AULA

Leia mais

0,1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D.11 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I NOME DO CURSO: DIREITO 2.

0,1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D.11 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I NOME DO CURSO: DIREITO 2. 0,1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D.11 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE O objetivo da Parte I é a apresentação das técnicas que permitem ao projetista entender, antes que a edificação seja projetada, como o prédio provavelmente usará a energia,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA TELESC : RETROFIT DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SIMULAÇÃO

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA TELESC : RETROFIT DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SIMULAÇÃO AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DO EDIFÍCIO SEDE DA TELESC : RETROFIT DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E SIMULAÇÃO GRASSO R., Pilar A.(1); GHISI, E. (2); LAMBERTS, Roberto (2) (1) Eng a Civil, Mestrandra em Engenharia, Pesquisadora

Leia mais

9º SEMINÁRIO TECNOLOGIA DE ESTRUTURAS: PROJETO E PRODUÇÃO COM FOCO NA RACIONALIZAÇÃO E QUALIDADE

9º SEMINÁRIO TECNOLOGIA DE ESTRUTURAS: PROJETO E PRODUÇÃO COM FOCO NA RACIONALIZAÇÃO E QUALIDADE 9º SEMINÁRIO TECNOLOGIA DE ESTRUTURAS: PROJETO E PRODUÇÃO COM FOCO NA RACIONALIZAÇÃO E QUALIDADE Centro de Pesquisas da Petrobras no Rio de Janeiro Ampliação do CENPES: uma estrutura dentro de um conceito

Leia mais

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros:

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros: 3º ciclo Oferta Complementar: Apoio ao estudo da disciplina de Português Domínios Ponderação Componente cognitiva (capacidades e conhecimentos) Oralidade Leitura Escrita Gramática 80% Componente socioafetiva

Leia mais

CÁLCULO DO RAIO DA TERRA UTILIZANDO UM TEODOLITO ELETRÔNICO: UMA ATIVIDADE EXTRACLASSE

CÁLCULO DO RAIO DA TERRA UTILIZANDO UM TEODOLITO ELETRÔNICO: UMA ATIVIDADE EXTRACLASSE CÁLCULO DO RAIO DA TERRA UTILIZANDO UM TEODOLITO ELETRÔNICO: UMA ATIVIDADE EXTRACLASSE Instituto Federal do Piauí, IFPI - Campus Teresina Central Departamento de Formação de Professores Roberto Arruda

Leia mais

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa 2014. 1 Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa FACULDADE POLIS DAS ARTES Professor: Tiago Silva de Oliveira E-mail: psicotigl@yahoo.com.br Noturno/2014.1 Carga Horária 80h 1 Dia da Semana

Leia mais

FIGURAS Aula 2. André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC. 14 e 15 de Abril

FIGURAS Aula 2. André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC. 14 e 15 de Abril FIGURAS Aula 2 André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC 14 e 15 de Abril Objetivos Interagir com os professores sobre atividades envolvendo figuras. Sugerir atividades práticas relacionadas

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 9º ANO 3 BIM

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 9º ANO 3 BIM ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 9º ANO 3 BIM Nome: Nº 9º ano EF Data: / /2016 Professores: Gladstone / Samuel 3º Bimestre A - Introdução Leia, atentamente, este roteiro, pois ele resgata conteúdos essenciais

Leia mais

Análise de Ponto de Função APF. Aula 03

Análise de Ponto de Função APF. Aula 03 Análise de Ponto de Função APF Aula 03 Parte 01 Introdução a Métricas de Software Parte 02 A Técnica de APF Identificação das Funções de Dados Diretrizes Gerais Tipos de Entidades Arquivos Lógicos Tipo

Leia mais

SIMULAÇÃO E MODELAGEM COMPUTACIONAIS COMO AUXÍLIO À APRENDIZAGEM DE GRÁFICOS DA CINEMÁTICA

SIMULAÇÃO E MODELAGEM COMPUTACIONAIS COMO AUXÍLIO À APRENDIZAGEM DE GRÁFICOS DA CINEMÁTICA SIMULAÇÃO E MODELAGEM COMPUTACIONAIS COMO AUXÍLIO À APRENDIZAGEM DE GRÁFICOS DA CINEMÁTICA Dr. Ives Solano Araujo Dr. Marco A. Moreira Drª Eliane A. Veit UFRGS Gráficos da cinemática, ou seja,... Por que

Leia mais

Desenho Arquitetônico - 1

Desenho Arquitetônico - 1 Desenho Arquitetônico - 1 ELEMENTOS, SÍMBOLOS E GRÁFICOS Profª Joana Pinheiro Desenho Arquitetônico Definição: é uma linguagem gráfica, constituída de linhas e símbolos que representam uma criação, um

Leia mais

Componentes de condução da luz natural em edifícios multifamiliares: análise de um código de obras

Componentes de condução da luz natural em edifícios multifamiliares: análise de um código de obras Guilherme Nóbrega de Castro Universidade Federal da Paraíba João Pessoa PB Brasil Solange Maria Leder Universidade Federal da Paraíba João Pessoa PB Brasil Luiz Bueno da Silva Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP Marcelo Marconato Prates Josiane Lourencetti Orientador: Prof. Dr. Jefferson Nascimento de Oliveira Bonito, M.S Outubro,

Leia mais

Potencial de economia de energia em iluminação através da utilização de fibras ópticas

Potencial de economia de energia em iluminação através da utilização de fibras ópticas Potencial de economia de energia em iluminação através da utilização de fibras ópticas Potential for energy savings on lighting by using fibre optics Enedir Ghisi John A. Tinker Resumo A A integração efetiva

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL: REVISÃO DA LEGISLAÇÃO CONSTRUTIVA DE FLORIANÓPOLIS

ILUMINAÇÃO NATURAL: REVISÃO DA LEGISLAÇÃO CONSTRUTIVA DE FLORIANÓPOLIS ILUMINAÇÃO NATURAL: REVISÃO DA LEGISLAÇÃO CONSTRUTIVA DE FLORIANÓPOLIS M G V Amaral & F O R Pereira Universidade Federal de Santa Catarina Coordenadoria de Pós-Graduação em Engenharia Civil 88.047_000

Leia mais

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015.

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015. CASA NO DERBY Local Recife - PE Ano 2007-08 Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A Casa no Derby é uma residência unifamiliar de uso

Leia mais

Projeto de Sensores para Eficiência e Sustentabilidade

Projeto de Sensores para Eficiência e Sustentabilidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: Laboratório de Engenharia Elétrica V Código: TE067 1º SEMESTRE DE 2012 PROFESSOR: JAMES ALEXANDRE BARANIUK Projeto de Sensores para

Leia mais

Aplicação de métodos para a avaliação do nível de eficiência energética de um edifício exemplo

Aplicação de métodos para a avaliação do nível de eficiência energética de um edifício exemplo Aplicação de métodos para a avaliação do nível de eficiência energética de um edifício exemplo Gustavo Daou Palladini Ana Paula Melo Márcio José Sorgato Rogério Versage Roberto Lamberts Florianópolis,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: DR. JOSÉ LUIZ VIANA COUTINHO Código: 073 Município: JALES/ SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Representando Edificações

Representando Edificações Código da Disciplina CCE0985 Aula 7 Representando Edificações e-mail:clelia.monasterio@estacio.br http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Escalas: NBR - 8196 Escala Numérica: é a relação que existe entre

Leia mais

Avaliação de sistemas de janela para suporte a decisões de projeto quanto ao equilíbrio de ganhos de luz e calor

Avaliação de sistemas de janela para suporte a decisões de projeto quanto ao equilíbrio de ganhos de luz e calor Avaliação de sistemas de janela para suporte a decisões de projeto quanto ao equilíbrio de ganhos de luz e calor Evaluating window systems for decision support regarding the balance of daylight and heat

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA condicionantes do projeto arquitetônico

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA condicionantes do projeto arquitetônico FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA condicionantes do projeto arquitetônico UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA Curso: Engenharia Civil Profª. Raquel Portes condicionantes do projeto arquitetônico

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia FACULDADE DE ARQUITETURA Coordenação Acadêmica

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia FACULDADE DE ARQUITETURA Coordenação Acadêmica PLANO DE CURSO Disciplina: Conforto Ambiental I Código: ARQ025 Carga horária: 34h Pré-requisito: N/A Semestre letivo: 2016.01 Turma: T010100 / T020200 Horário: Terças-feiras: 07:00 às 08:50h / 08:50 às

Leia mais

BIOINDICADORES AMBIENTAIS

BIOINDICADORES AMBIENTAIS Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Bacharelado em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOINDICADORES AMBIENTAIS Aula 1-2 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 30 2. Carga horária semanal: 2 3.

Leia mais

Pró-Ciência 2008: uma avaliação preliminar

Pró-Ciência 2008: uma avaliação preliminar Pró-Ciência 2008: uma avaliação preliminar 1 - O Pró-Ciência 2008 O PRÓ-CIÊNCIA 2008 surge como um programa da Secretaria de Estado da Educação (SEE-MG), em parceria com a UFV, com o objetivo de resgatar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO DISPOSITIVO PRATELEIRA DE LUZ NO CONFORTO VISUAL EM EDIFICAÇÃO COMERCIAL COM ENTORNO OBSTRUÍDO

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO DISPOSITIVO PRATELEIRA DE LUZ NO CONFORTO VISUAL EM EDIFICAÇÃO COMERCIAL COM ENTORNO OBSTRUÍDO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RICARDO NACARI MAIOLI AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO DISPOSITIVO PRATELEIRA DE LUZ NO CONFORTO

Leia mais

Avaliação da Luz Natural em Ambientes Escolares a partir de Modelagem Computacional e Sistemas de Controle de Iluminação Artificial

Avaliação da Luz Natural em Ambientes Escolares a partir de Modelagem Computacional e Sistemas de Controle de Iluminação Artificial SCIENTIA PLENA VOL. 11, NUM. 2 2015 www.scientiaplena.org.br Avaliação da Luz Natural em Ambientes Escolares a partir de Modelagem Computacional e Sistemas de Controle de Iluminação Artificial S. Z. Treichel¹

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA E AMBIENTAL Matheus Peixoto de Paula Marques ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE ELEMENTOS DE PROTEÇÃO SOLAR EM

Leia mais

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA INTENSIDADE DE ILUMINAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS CAMBORIÚ

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA INTENSIDADE DE ILUMINAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS CAMBORIÚ IGNÓSTICO QULITTIVO INTENSIE E ILUMINÇÃO O INSTITUTO FEERL E EUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI CTRINENSE CMPUS CMBORIÚ Mateus Testoni CRVLHO (Bolsista IFC Campus Camboriú), Michele LOTTERMNN, Polyana Mayara Fonseca

Leia mais

MATEMÁTICA - 3 o ANO MÓDULO 57 TRIGONOMETRIA NO TRIÂNGULO RETÂNGULO

MATEMÁTICA - 3 o ANO MÓDULO 57 TRIGONOMETRIA NO TRIÂNGULO RETÂNGULO MATEMÁTICA - 3 o ANO MÓDULO 57 TRIGONOMETRIA NO TRIÂNGULO RETÂNGULO N 10 cm 10 cm M 10 cm 1 rad 2 cm 1 cm 2 cm θ a c α C 4 5 B 3 α A Como pode cair no enem F 1 (ENEM) Um balão atmosférico, lançado em Bauru

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Edital 23/2016 PROGRAD/UEPB SELEÇÃO DE CANDIDATOS A BOLSA PARA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORAL (PET) CAMPUS I CAMPINA GRANDE A Pró-Reitoria de Ensino de Graduação da Universidade Estadual da Paraíba, torna

Leia mais

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

FOTOGRAFIA DIGITAL. Oficina. Especial para acadêmicos da UNOCHAPECÓ

FOTOGRAFIA DIGITAL. Oficina. Especial para acadêmicos da UNOCHAPECÓ Oficina FOTOGRAFIA DIGITAL para Arquitetura e Urbanismo Especial para acadêmicos da UNOCHAPECÓ Turma A 2 de março até 13 de abril de 2011 Turma B 20 de abril até 1º de junho de 2011 22 vagas - Carga horária:

Leia mais

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS CET0043 - Desenho Arquitetônico Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 4 : Planta Baixa Planta Baixa: A planta baixa é a

Leia mais

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO

ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTUDO DE PROJETO LUMINOTÉCNICO DE UMA PROPOSTA DE RETROFIT EM ESPAÇO PÚBLICO Luís Agostinho Neto ¹ RESUMO: Este

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 SINDUSCON PE 12/11/2014 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575 Desempenho Térmico de edificações NBR 15575 Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + NBR 15575 + procedimentos de avaliação + prescritivo + simulação computacional + medição + prescritivo

Leia mais

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016 Reunião - Encarregados de Educação 1.º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 09 de setembro de 2016 Ordem de Trabalhos 1 Projeto Educativo 2 Normas de funcionamento 3 Apresentação 4 Plano Anual de Atividades 2 Ordem

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO SETOR DE CARTAS PRECATÓRIAS CÍVEIS - COMARCA DE SÃO PAULO - SP.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO SETOR DE CARTAS PRECATÓRIAS CÍVEIS - COMARCA DE SÃO PAULO - SP. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DO SETOR DE CARTAS PRECATÓRIAS CÍVEIS - COMARCA DE SÃO PAULO - SP. PROCESSO Nº 3018399-75.2014.8.26.0021 (85938/14) JOAQUIM VICENTE DE REZENDE LOPES, Engenheiro, Perito Judicial,

Leia mais

Cursos Especiais LIGHT DESIGN. coordenadora: beti font. 29/03/2016» 28/06/ horas. idioma: português. aulas: terças e quintas das 19h30 às 22h30

Cursos Especiais LIGHT DESIGN. coordenadora: beti font. 29/03/2016» 28/06/ horas. idioma: português. aulas: terças e quintas das 19h30 às 22h30 LIGHT DESIGN Cursos Especiais LIGHT DESIGN coordenadora: beti font 29/03/2016» 28/06/2016 60 horas idioma: português aulas: terças e quintas das 19h30 às 22h30 COORDENAÇÃO Beti Font é arquiteta e urbanista

Leia mais

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

ANEXO IV - QUADRO DE ATRIBUIÇÃO DE PONTOS PARA PROVA DE TÍTULOS CONCURSO DOCENTE. Versão Complementar 1

ANEXO IV - QUADRO DE ATRIBUIÇÃO DE PONTOS PARA PROVA DE TÍTULOS CONCURSO DOCENTE. Versão Complementar 1 Candidato: ANEXO IV - QUADRO DE ATRIBUIÇÃO DE PONTOS PARA PROVA DE TÍTULOS CONCURSO DOCENTE Versão Complementar 1 QUADRO DE ATRIBUIÇÃO DE PONTOS PARA PROVA DE TÍTULOS CONCURSO DOCENTE Edital CCS nº 08/16

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COAI COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE I O DOCENTE AVALIA AS AÇÕES DO CURSO Prezado(a)

Leia mais

AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO O CASO DE UMA SALA DE AULA DO BLOCO DE CONSTRUÇÃO CIVIL DO IFCE, FORTALEZA-CE

AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO O CASO DE UMA SALA DE AULA DO BLOCO DE CONSTRUÇÃO CIVIL DO IFCE, FORTALEZA-CE AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO O CASO DE UMA SALA DE AULA DO BLOCO DE CONSTRUÇÃO CIVIL DO IFCE, FORTALEZA-CE Germana Câmara (1); Marília Fontenelle (2); Tiago Lopes (3); (1) Instituto Centro de Ensino Tecnológico

Leia mais

Uso de Simulação Computacional para Análise de Iluminação Natural

Uso de Simulação Computacional para Análise de Iluminação Natural VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

Arquitetura e desempenho luminoso: CENPES II, o novo centro de pesquisas da Petrobras, no Rio de Janeiro, Brasil

Arquitetura e desempenho luminoso: CENPES II, o novo centro de pesquisas da Petrobras, no Rio de Janeiro, Brasil Arquitetura e desempenho luminoso: CENPES II, o novo centro de pesquisas da Petrobras, no Rio de Janeiro, Brasil Architectural and daylighting performance: CENPES II, The new research centre from Petrobras,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO USO DE VARANDAS NA ILUMINAÇÃO NATURAL EM SALAS DE ESTAR/JANTAR EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR NA CIDADE DE MACEIÓ-AL.

A INFLUÊNCIA DO USO DE VARANDAS NA ILUMINAÇÃO NATURAL EM SALAS DE ESTAR/JANTAR EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR NA CIDADE DE MACEIÓ-AL. X ENCONTRO NACIONAL e VI ENCONTRO LATINO AMERICANO de C O N F O R T O N O A M B I E N T E C O N S T R U Í D O Natal, 16 a 18 de setembro de 2009 A INFLUÊNCIA DO USO DE VARANDAS NA ILUMINAÇÃO NATURAL EM

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

CASA LP. Implantação e Partido Formal. Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio

CASA LP. Implantação e Partido Formal. Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio CASA LP Local: São Paulo Ano: 2012 Escritório: METRO Arquitetos Associados Autoria: Mariana Samurio Implantação e Partido Formal A casa LP está localizada na cidade de São Paulo e possui um caráter urbano,

Leia mais

Prof. Anderson Rodrigo da Silva.

Prof. Anderson Rodrigo da Silva. Prof. Anderson Rodrigo da Silva anderson.silva@ifgoiano.edu.br Sobre Estatística Conjunto de conceitos e métodos. Ciência que recolhe fatos e fenômenos, analisa-os e interpreta-os quanto ao número de frequência,

Leia mais

Exposição. expositores verticais módulo VIT módulo VITRO. caderno de desenho 03

Exposição. expositores verticais módulo VIT módulo VITRO. caderno de desenho 03 caderno de desenho 03 Exposição expositores verticais módulo VIT módulo VITRO Rua das Palmeiras 55 Botafogo Rio de Janeiro Brasil tel 32148702 http://museudoindio.gov.br/ caderno de desenho 03_pag 01 módulo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL 1 Título: Localizando-se... 2 Autora: Adriana Regina Perez Rech 3 Docente: Lisiane Cristina Amplatz 4 Aplicativo utilizado: Geogebra 5 Disciplina: Matemática 6 Objetivos / Expectativas de aprendizagem:

Leia mais

Cronograma do Combo Maquete Eletrônica

Cronograma do Combo Maquete Eletrônica Cronograma do Combo Maquete Eletrônica Tenha uma formação completa em maquete eletrônica dando mais realismo as suas apresentações, impressione com trabalhos foto realísticos fantásticos, faça planta 2D

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOQUÍMICA EDITAL 002/2009: SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais